Você está na página 1de 8

O Santuário Hebreu

- A Ilustração do Plano da
Salvação
Este artigo irá rapidamente explorar o básico sobre o Santuário Hebreu, e
como ele revela o Plano da Salvação de Deus elaborado para toda
humanidade. Mais especificamente, nós estaremos olhando para o
Santuário portátil, que Moisés e os Israelitas construíram e utilizaram
seguindo a Lei e as instruções dadas por Deus no Monte Sinai. Este
Santuário foi carregado pelos Israelitas enquanto viajavam no deserto por
40 anos, até que uma estrutura de ouro mais perfeita pode ser
construída.
Em Êxodo 25 Moisés nos mostra o plano para o Tabernáculo ou
Santuário.

• Exo 25:8 "E me farão um santuário, para que eu habite no meio


deles."
• Exo 25:9 "Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do
tabernáculo, e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo
o fareis."

Este plano foi uma versão simplificada do Santuário que há no céu,


designado para revelar que Jesus Cristo é nosso Sumo Sacerdote, nosso
Mediador, no plano da salvação.

• Hebreus 8:1,2 "Ora, do que estamos dizendo, o ponto principal é


este: Temos um sumo sacerdote tal, que se assentou nos céus à
direita do trono da Majestade, ministro do santuário, e do verdadeiro
tabernáculo, que o Senhor fundou, e não o homem."

O Sacrifício Pelos Pecados Cometidos

Uma vez construído e funcionando, o primeiro passo no serviço do


Santuário era oferecer um sacrifício de um animal. Este poderia ser um
dentre vários animais, incluindo um novilho, uma cabra, um cordeiro, ou
pombas, oferecidas em sacrifício pelo pecador arrependido.

O pecador, pela transgressão da lei de Deus, reconhecia que estava no


caminho da morte.

• I João 3:4 "Todo aquele que vive habitualmente no pecado também


transgride a lei, pois o pecado é a transgressão da lei."
• Romanos 6:23 "Porque o salário do pecado é a morte..."
O serviço do Santuário providenciava uma
ilustração do meio pelo qual o pecador se
arrependia e apresentava sacrifício pelos seus
pecados. Para ficar claro ao pecador as
consequências de seu pecado, o pecador colocava
suas mãos na cabeça do animal e confessava seus
pecador para Deus. Era requerido dele então que
ele mesmo degolasse o animal com uma faca
utilizando suas próprias mãos, como oferta pelo seu pecado, e coletasse o
sangue do animal. Isto enfatizava ao pecador que a sua trangressão da lei
de Deus não tinha sido algo sem resultados, e que a morte havia sido o
resultado inevitável.

O animal que havia sido sacrificado (normalmente um cordeiro) era um


símbolo para Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, oferecido como um
sacrifício em nosso lugar, de forma que nós pecadores não tenhamos que
morrer pelos nossos pecados.

Esta era toda a participação por parte do pecador. A partir deste ponto,
todo o resto do serviço era conduzido por um sacerdote como mediador
entre o pecador e Deus. Este sacerdote era um símbolo de Jesus que é
nosso Sumo Sacerdote, nosso Mediador entre nós e Deus Pai.

• Timóteo 2:5 "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus


e os homens, Cristo Jesus, homem."

O Altar de Bronze Para os Sacrifícios - Êxodo 27:1-8, 38:1-7

Após confessar seus pecados sobre o animal e matá-lo, o pecador deixava


que o sacerdote como mediador pegasse o cordeiro (ou o animal
oferecido) e colocasse porções selecionadas do mesmo (como a gordura,
Levítico 4 e 9) no Altar de Bronze para os Sacrifícios, para ser consumido
pelas chamas. Para aqueles muito pobres que não podiam oferecer um
animal, um oferta de flor de farinha era permitida (Levítico 5:11), a qual
também era queimada no Altar.

O Altar foi construído de maderia de Acácia, coberto com bronze. A


madeira de Acácia simbolizava o trabalho da humanidade, que exceto pela
cobertura de bronze seria consumido pelas chamas. O bronze era um
símbolo do sofrimento, sendo que este Altar representava o sofrimento e
a morte de Jesus Cristo que cobriu e protegeu os pecadores arrependidos
do fogo divino do julgamento.

O Altar tinha, em cada um de seus lados, um chifre, representando o


poder, força, honra e vitória de Deus. Antes de ser sacrificado, o animal
era preso aos chifres do Altar (Salmo 118:27 "O Senhor é Deus, e nos
concede a luz; atai a vítima da festa com cordas às pontas do altar.").
Sangue do animal sacrificado era colocado nos chifres do Altar
pelo sacerdote, e todo o excesso não utilizado no serviço era
derramado na base do Altar.

O fogo do Altar de Bronze para os sacrifícios era uma chama divina, que
havia sido iniciada com fogo que desceu do céu (Levítico 9:24 "pois saiu
fogo de diante do Senhor, e consumiu o holocausto e a gordura sobre o
altar; o que vendo todo o povo, jubilaram e prostraram-se sobre os seus
rostos."). Isto representa o fogo que irá consumir todos os pecadores não
arrependidos no final dos tempos, mais conhecido como o "lago de fogo"
em Apocalipse.

A Pia. - Exo 30:18-21, 38:8

Localizada entre o Altar de Bronze Para os Sacrifícios e o Santuário, a Pia


era cheia de água utilizada para o ritual da purificação. A Pia foi feita com
Bronze "parecendo vidros" (espelhos). Antes de tratar dos sacrifícios dos
animais trazidos pelo povo, o sacerdote devia lavar suas mãos e seus pés
com a água da pia. Isto simbolizava o ato do batismo. Batismo é uma
declaração do pecador arrependido de que ele foi morto e enterrado junto
com Jesus e ressuscitado com Ele como uma nova criatura (Romanos 6:4-
13).

O bronze polido da Pia deveria parecer um espelho para que revelasse


nossos pecados, e nos mostrar nossa necessidade de um Salvador,
mostrando que nós devemos ser batizados e receber a justificação que
Deus nos oferece através de Seu Filho Jesus Cristo. Se o sacerdote
rejeitasse este ato de purificação, ele seria fulminado como resultado (Êxo
30:21 "Lavarão, pois, as mãos e os pés, para que não morram;").
Porque ? Porque rejeitar a purificação de Jesus Cristo é morrer em nossos
próprios pecados.

Justificação
O Altar de Bronze Para os Sacrifícios e a Pia estavam ambos localizados
fora do Santuário propriamente dito, à esquerda da entrada. Era também
nessa área que os animais eram sacrificados para os serviços. Estas
atividades efetuadas fora do Santuário representava o processo de
Justificação e Reconciliação do pecador através da morte de Jesus Cristo
na cruz, e a aceitação do sacrifício do Cordeiro de Deus pelo pecador
arrependido.

O Candelabro de Ouro (Menorah) - Exo 25:31-39, 37:17-24.

Dentro do Santuário, no que é conhecido como primeiro compartimento,


ou Lugar Santo, haviam três móveis. Do lado sul da sala havia um grande
Candelabro de Ouro ou Menorah, que possuía 6 braços que
saíam do eixo central O Menorah utilizava óleo puro de
oliva como combustível. Era um serviço diário dos
sacerdotes zelar pelos reservatórios de óleo, de forma que
Menorah estaria constantemente sendo uma fonte de luz
para o primeiro compartimento ou Lugar Santo.

O Menorah representa Jesus Cristo, que é a Luz do Mundo,


e o óleo de oliveira era um símbolo para o Espírito Santo e
os reservatórios simbolizam a justiça de Cristo. O Menorah também
representava as sete igrejas de Apocalipse, que deveriam repartir a luz da
mensagem do evangelho com o restante do mundo (Apocalipse 1:12 e
4:5).

Algumas vezes o eixo central do candelabro é ilustrado como sendo um


pouco mais alto que os outros. Também se imagina que o Menorah
simboliza os 7 dias da criação, com o eixo central representando o sétimo
dia - O Sábado, que foi o único dia que Deus santificou (dedicado a um
Santo propósito).

• Gênesis 2:2,3 Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra


que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera.
Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou
de toda a sua obra que criara e fizera."

A Mesa dos Pães da Proposição - Exo 25:23-30, 37:10-16.

No lado norte do Lugar Santo havia uma pequena mesa conhecida como
Mesa dos Pães da Proposição. Era construída de madeira de Acácia e
coberta com ouro. Sobre a mesma havia 12 pães não levedados (Levítico
24:5-9). Estes pães eram símbolo de Jesus, que é o Pão da Vida (João
6:35), mas também representavam as 12 tribos de Israel. Ainda sobre a
Mesa havia oferecimento de vinho (Números 28:7), de forma que o pão e
o vinho da Ceia do Senhor estavam representados ali. A mesa dos Pães
da Proposição é mencionada em Apocalipse como um trono antes do
Candelabro no capítulo 4 versículos 2-5.

O Altar de Incenso de Ouro - Êxodo 30:1-10, 37:25-29.

No lado oeste do Lugar Santo, imediatamente antes do véu que fazia


separação entre o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo, havia um pequeno
Altar de Incenso. Dentro dele havia um pote de bronze, contendo carvões
quentes do Altar de Bronze para ofertas queimadas, e era aqui que um
tipo muito especial de incenso era queimado pelo sacerdote, o qual enchia
o Santuário com um cheiro suave, representando as orações dos crentes.
No dia da Expiação, sangue do cordeiro era colocado nos chifres do Altar
de Incenso de Ouro. O Altar de Incenso de Ouro também figura no livro
de Apocalipse (Apocalipse 8:3-5) como lembrança do final do
julgamento, ou do fim da provação da humanidade.

Santificação
A atividades no primeiro compartimento, ou Lugar Santo, representavam
o processo diário de santificação do pecador arrependido em preparação
para o julgamento o qual ocorria no Dia da Expiação ou Purificação do
Santuário, chamado atualmente de Yom Kippur.

O Véu do Santuário - Êxodo. 26:31-33, 36:35, 2 Crônicas 3:14

Este véu ou cortina entre dois compartimentos do Santuário, o Lugar


Santo e o Lugar Santíssimo, possuía grande significado. Este foi o véu que
foi rasgado de cima a baixo no momento da morte de Jesus Cristo na
Cruz, símbolo do fim da necessidade de sacerdotes Levitas como
mediadores entre o homem e Deus.

• Mateus 27:51 "E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de


alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam,"
• Marcos 15:38 "Então o véu do santuário se rasgou em dois, de alto
a baixo."
• Lucas 23:45 e rasgou-se ao meio o véu do santuário."

O véu representa o corpo de Jesus. Apenas passando por este véu se teria
acesso ao Lugar Santíssimo do julgamento. O rasgo do véu simboliza a
morte do Cordeiro de Deus, que agora permite que o crente em Sua
Expiação imediatamente tenha acesso ao Lugar Santíssimo, de Deus, o
lugar do julgamento, através do novo Sumo Sacerdote Jesus Cristo, o
único mediador entre o homem e Deus.

• I Timóteo 2:5 "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre


Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,"

O crente possui completo e irrestrito acesso a Deus, sem a necessidade


de um sacerdote mortal para representá-lo.

A Arca do Testemunho de Deus - Êxodo 25:10-22, 37:1-9.

Esta era uma caixa construída de madeira Acácia coberta com ouro.
Dentro havia as duas tábuas de pedra onde Deus escreveu as leis de Deus
(Os 10 Mandamentos). Mais tarde também passou a conter a vara de
Arão que havia florescido, e um pote com Maná. A tampa da Arca era
chamada de Propiciatório (Êxodo 25:17), e acima da mesma estava
presente a Glória do Senhor, entre dois anjos querubins que a cobriam,
em posição de reverência, de frente um para o outro, e cujas asas se
tocavam em cima.
O Propiciatório representava Jesus Cristo, o mediador da humanidade
entre a Lei de Deus, que requer a morte de qualquer pecador, e a
misericórdia de Deus. O Sumo Sacerdote era o único autorizado a entrar
no Lugar Santíssimo onde a Arca estava, e isto apenas um dia por ano,
para efetuar a purificação do Santuário, o chamado Dia da Expiação
conhecido hoje como Yom Kippur.

Em Apocalipse (que foi escrito cerca do ano 95 d.C.), a Arca é vista no


capítulo 11 versículo 19. É interessante notar que João está vendo a Arca
de Ouro no Santuário Celeste, e não noSantuário da Terra (que foi
destruído no ano 70 d.C. pelo exército de Roma).

Julgamento
As atividades do dia da Expiação simbolizavam o povo de Deus,
procurando pela representação de seu Sumo Sacerdote Jesus Cristo no
julgamento, que cumpriu todas as demandas da lei de modo perfeito e
depois foi sacrificado pelos nossos pecados. Ele pagou o preço pela nossa
desobediência, sendo perfeitamente obediente. O Santuário Hebreu ilustra
que ultimamente a humanidade será julgada pelos regulamentos da Lei
de Deus. Aqueles que possuem fé serão justificados e tornados perfeitos
atraves de Jesus Cristo. Aqueles que não tiverem fé, não serão capazes
de cumprirem a lei de Deus, e deverão morrer em resultado disso. Afinal,
o salário do pecado é a morte. Sendo que a Lei de Deus não pode ser
mudada, Jesus morreu por nós, em nosso lugar, para satisfazer a Lei.
Pela fé, nós seremos justificados por Cristo e seremos julgados como
cumpridores da Lei, com direito a árvore da vida e a vida eterna.
Assim como Israel buscava representação pelo Sumo Sacerdote no Dia da
Expiação, nós devemos procurar ardentemente por nosso Sumo
Sacerdote, Jesus Cristo, para que nos represente no julgamento.

CONCLUSÃO
O Santuário Hebreu figura de foram proeminente no livro de Apocalipse
de forma que você precisa entender a simbologia do Santuário e dos
antigos Sábados para realmente entender o que João está tentando
relatar e revelar no Apocalipse. O Santuário é apresentado
progressivamente em Apocalipse como segue:

• O Candelabro de Ouro - Apocalipse 1:12, 4:5


• A Mesa dos Pães da Proposição - Apocalipse 4:2-5
• O Altar de Incenso de Ouro - Apocalipse 8:3-5, 9:13
• A Arca do Testemunho de Deus - Apocalipse 11:19
• O Templo fechado para todos os homens - Apocalipse 15:8
(Julgamento encerrado, o destino eterno de todo o mundo
determinado)
Isto mostra uma sequência em Apocalipse que chega ao julgamento, que
é concluído em Apocalipse 8:3-5 com o lançamento do incensário de ouro,
a conclusão do ministério do Sumo Sacerdote (Jesus) em prol de toda a
humanidade.

Assim, se isto estiver claro para você, então pense: com que base
qualquer pessoa poderá dizer que a Lei de Deus, os Dez Mandamentos, o
foco principal do Dia da Expiação, foi ultrapassado?

Os 10 Mandamentos são a base pela qual toda a humanidade será julgada


e terá que ajustar contas com Deus. Foi através do questionamento, da
dúvida e da quebra da Lei de Deus que o pecado entrou neste mundo pela
primeira vez. Aqueles que tiverem fé irão achar misericórdia e expiação
por Deus Pai através de Seu Filho Jesus Cristo, e serão restaurados à
primeira natureza. Aqueles que não possuírem fé, irão encarar a Lei de
Deus sem nenhum advogado, e a Lei irá condená-los à morte eterna.

A Lei de Deus continuará imutável, representando o caráter de Deus


(amor) expresso em palavras. Os pecadores pagarão o preço pelos seus
pecados, e perecerão devido à falta de fé em Jesus, o único Sumo
Sacerdote ou Mediador capaz de reconciliá-los com a Lei de Deus, os 10
Mandamentos.

Todo o Santuário Hebreu e os antigos Sábados relacionados a ele ilustram


o plano da salvação em prol de toda a humanidade de forma gráfica a fim
de revelar Jesus Cristo como Salvador e Redentor.

Mateus 5:17,18,19 "Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas;


não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que
o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só
til, até que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes
mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será
chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e
ensinar será chamado grande no reino dos céus."

João 3:16,17,18 "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o
seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas
tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para
que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem
crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não
crê no nome do unigênito Filho de Deus."

Resumo Gráfico

(9) 2º Compartimento, O Santo dos Santos


(8) A Arca do Testemunho de Deus, contendo os Dez Mandamentos
(7) A Mesa dos Pães da Proposição
(6) O Altar de Incenso de Ouro
(5) 1º Compartimento, O Lugar Santo
(4) O Candelabro de Ouro
(3) A Pia
(2) O Altar de Bronze para os Sacrifícios
(1) O Sacrifício do Cordeiro