Você está na página 1de 29

CRITÉRIOS DE

INTERNAÇÃO EM UTI

Dr. MILTON P. ALMEIDA CASTRO NETO


MEDICO INTENSIVISTA
UTI - Definição

 “A Terapia Intensiva tem como definição


oferecer cuidados a pacientes em
condições graves , potencialmente
recuperáveis, que se beneficiem de
observação detalhada e tratamento
invasivo”
UTI
INTERNAÇÃO EM UTI

 Quem Admitir na UTI?

 Quando Admitir na UTI?


INTERNAÇÃO EM UTI

 Quem Não Admitir?

 “Muito bem para se beneficiar”


 “Muito mal para se beneficiar”
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Princípios do Cuidado Médico

 Autonomia
 Beneficência

 Não-Maleficência

 Justiça
INDICAÇÃO DE UTI

 Cuidados do paciente grave na


emergência

 Reconhecimento precoce
 Avaliação
 Monitorização

 Intervenção
AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO
 Monitorização Básica do Paciente Grave
 FC
 PA

 FR

 Oximetria

 Débito Urinário Horário

 Temperatura

 Gasometria
AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO
 Sinais de Hipoperfusão Tecidual
 Taquicardia
 Confusão mental ou ↓ consciência

 ↓ Perfusão periférica (pele fria, cianose de


extremidades, ↓ pulsos periféricos, pobre
enchimento capilar)
 ↓ Débito urinário (<0,5 ml/h)

 Acidose metabólica / ↑ Lactato

Gary Smith, Mick Nielsen, BMJ 1999;318:1544-1547 ( 5 June )


AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO

 “Pressão Arterial normal não exclui


Choque”

Gary Smith, Mick Nielsen, BMJ 1999;318:1544-1547 ( 5 June )


AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO
 Dificuldade de manter vias aéreas
pérveas( ↓ nível de consciência)
 Parada respiratória
 FR > 40 ou < 8 ipm
 SO2 < 90% ou PO2 < 80mmHg
 ↑ CO2 com acidose respiratória

Gary Smith, Mick Nielsen, BMJ 1999;318:1544-1547 ( 5 June )


AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO
 Alterações Neurológicas

 ↓ súbita do nível de consciência ( ↓ > 2


pontos no Glasgow)
 Ausência de gag ou reflexo da tosse

 Risco de HIC

 Convulsões prolongadas ou subentrantes

 Hipoxemia / Hipercapnia / hipocapnia

Gary Smith, Mick Nielsen, BMJ 1999;318:1544-1547 ( 5 June )


Indicação de Tratamento Intensivo

Kause J et al. Resuscitation 2004; 62(3)275-282.


AVALIAÇÃO DO PACIENTE
CRÍTICO

 “Manuseio inadequado das vias aéreas,


oxigenioterapia, ventilação, circulação e
monitorização na emergência, estão
associados com aumento da morbidade,
mortalidade e internações evitáveis na
UTI”

Peter McQuillan, BMJ 1998; 316: 1853 – 1858 (20 junho)


CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Fatores avaliados para admissão na UTI
 Diagnóstico
 Severidade da Doença / Doença Coexistente
 Idade
 Reserva Fisiológica
 Prognóstico
 Disponibilidade de tratamento adequado
 Resposta ao Tratamento
 PCR Recente
 Antecipada Qualidade de Vida
 Desejo do Paciente
 *Experiência do Intensivista
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Pós-operatório
 Idade > 70 anos
 cirurgia de grande porte e extensa
 instabilidade hemodinâmica
 hemorragia maciça
 sepse grave
 Insuf. Respiratória
 falência renal
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI

 “Dentre 6.180 pacientes cirúrgicos


admitidos para UTI – estritamente para
monitorização – menos de 10%
necessitaram de intervenção da UTI”

ACCM Guidelines - 1999


Modelos de Internação em UTI

 Por Prioridade - definição de que pacientes irão se


beneficiar mais dos cuidados intensivos em detrimento
de outros que não se beneficiariam
 Por Diagnóstico – condições ou diagnósticos que
determinam admissão em UTI
 Por Parâmetros Objetivos – sinais ou exames
objetivos definidos por experts ou Comissões
Hospitalares (JCAHO)
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Prioridade 1 : paciente grave, instável, que
necessita de monitorização e tratamento
intensivo que não pode ser obitido fora da UTI
(Ventilação Mecânica, Drogas Vasoativas…).
Sem limites terapêuticos

* Pós-operatório grave em VM,


Insuficência respiratória aguda, Choque,
Monitorização invasiva
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Prioridade 2: pacientes que requerem
monitorização intensiva e podem
potencialmente, necessitar de intervenção
imediata. Sem limites terapêuticos

* Pacientes com doenças crônicas que


apresentam intercorrência aguda clínica
ou cirúrgica
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Prioridade 3: Pacientes graves, instáveis mas
com reduzidas chances de recuperação,
devido a doença de base ou a natureza do
insulto agudo. Podem incluir limites
terapêuticos (intubação, RCP)

* Câncer metastático com infecção


CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Prioridade 4 :pacientes que geralmente não têm
indicação de UTI
A – Pacientes de baixo risco (muito bem para a UTI)
* Pós-operatório de cirurgia vascular periférica,
cetoacidose diabética em pacientes estáveis, ICC
leve, Intoxicações
B – Pacientes com doença terminal irreversível (muito
mal para a UTI)
* Dano cerebral irreversível, DMOS irreversível, Ca
metastático sem possibilidade terapêutica (RT, QT)
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Sistema Cardiovascular: IAM, choque
cardiogênico, arritmias complexas, EAP,
emergências hipertensivas, angina
instável, pós-PCR, ADO, BAVT…
 Aparelho Respiratório: falência respiratória
aguda (VM), TEP, hemoptise severa,
necessidade de cuidados respiratórios
intensivos…
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Desordens Neurológicas: AVC com
alteração da consciência, coma
(metabólico, tóxico, anóxico), HSA, HIC,
estado eplépico, vasoespasmo, morte-
encefálica em doador…
 Intoxicação: ↓ da consciência,
hemodinamicamente instável,
convulsões…
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Desordens Gastrointestinais: HDA com
distúrbio hemodinâmico, FHF, pancreatite
grave…

 Endócrinas: CAD complicada, tempestade


tiroidiana, coma mixedematoso,
distúrbios eletrolíticos
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
 Cirúrgicos: pós-operatório que requerem
monitorização, suporte ventilatório,
cuidados intensivos de enfermagem…

 Miscelânea: choque séptico, monitorização


hemodinâmica, injúrias ambientais…
CRITÉRIOS DE INTERNAÇÃO EM
UTI
Parâmetros Objetivos
 FC < 40 ou > 150 bpm  Glicemia > 600 mg%
 PAS < 80 / PAM < 60 mmHg  Ca > 15 mg%
 FR > 40 ipm  CT crâneo alterada com
 Na < 110 ou >170mEq/l hemorragia, contusão…
 Glasgow <9 ou queda>2
 K < 2 ou > 6 mEq/l
 ECG – IAM, arritmias com
 PO2 < 60 torr ou SO2 < 90% instabilidade
 PCO2 > 60 torr
 pH < 7,2 ou > 7,6
 NaHCO3 < 15
Perspectivas Futuras
 Racionalização das indicações de UTI
 Implícitas
 Explícitas
 Cuidados de final de vida
 Ortotanásia x Distanásia
 Limites terapêuticos
 Suspensão de esforços
 Extubação terminal
 Política de tratamento de pacientes agudos /
graves
Níveis de Cuidado ao Paciente
Agudo
 Semi-Intensiva / Unidade Intermediária

“Oferece cuidados de monitorização e de


enfermagem a pacientes com moderada ou
potencial instabilidade fisiológica, os quais
não podem ser administrados em enfermaria”