Você está na página 1de 3

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS – PROVA OBJETIVA P2

AUDITORIA GOVERNAMENTAL

QUESTÕES SUJEITAS A RECURSOS

Questão: Em um ambiente de processamento eletrônico de dados, o auditor


deve proceder a avaliação de riscos inerentes de controle nas
demonstrações contábeis, dado que erros nessas demonstrações poderão
ensejar aumento de fraudes, comprometendo a estrutura da empresa.
Portanto, é competência do auditor cuidar para que isso não ocorra.

Gabarito provisório: C

Argumentos para recurso: Há erro no enunciado da questão (“deve proceder a


avaliação dos riscos inerentes de controle”), talvez até por digitação, ao confundir
e misturar os riscos inerente e de controle das demonstrações contábeis. Segundo
orientações do IFAC (Auditoria Contábil – Hilário Franco e Ernesto Marra, São
Paulo, Atlas, 2000 – págs. 274 a 286), o risco de auditoria tem três componentes:
risco inerente, risco de controle e risco de detecção. Risco inerente é a
suscetibilidade do saldo de uma conta ou classe de transações a uma distorção
que poderia ser relevante, presumindo que não houvesse controles internos
correlatos. Já o risco de controle é o risco de que os sistemas contábeis e de
controle interno deixem de prevenir ou detectar, e corrigir em tempo hábil, uma
distorção no saldo de uma conta ou classe de transações que poderá ser
relevante, individualmente ou quando agregada a distorções em outros saldos ou
classes.
No item 42 das instruções do IFAC (pág. 284 do livro citado) consta que o auditor
deve considerar os níveis avaliados de riscos inerente e de controle ao
determinar a natureza, época de aplicação e extensão dos procedimentos de
comprovação necessários para reduzir o risco de auditoria a um nível aceitável.
Portanto, risco inerente é uma coisa e risco de controle é outra.
Além desse erro grave, há outro equívoco no enunciado, pois em ambiente de
PED, segundo as normas de auditoria independente (NBTC-11), o auditor avalia o
efeito que esse ambiente possa ter sobre a avaliação de risco global da entidade e
em nível de contas e transações, e a suscetibilidade a erros e fraudes. Não existe
uma correlação entre erro e fraude, como se erros nas demonstrações
ensejassem aumento de fraudes. O ambiente de controle inadequado é que pode
ensejar erros e fraudes.

Questão: O uso de técnica de amostragem é facultativo para o auditor


interno; enquanto, a realização de exames e investigações, como a
verificação junto a terceiros sobre operações de grande vulto, as inspeções
no capital financeiro e o registro de transações de recursos financeiros, é
obrigatória. São esses resultados, denominados de achados de auditoria,
que irão fundamentar as conclusões do auditor.

Gabarito provisório: C
Argumentos para recurso. O enunciado da questão traz dois erros. Primeiro, ao
listar como tipo de exame de auditoria o registro de transações de recursos
financeiros. O auditor não registra as transações financeiras, mas verifica se as
mesmas foram realizadas conforme as normas e registradas na contabilidade de
forma adequada, registrando em papéis de trabalho apenas as informações
relevantes como suporte das conclusões e dos resultados da execução dos
trabalhos. Outro erro foi o de vincular achados de auditoria, que é um termo
próprio utilizado pelas Entidades Fiscalizadoras Superiores e, por conseqüência,
adotado pelo TCU, com as conclusões e avaliações da auditoria interna (Note-se
que a questão refere-se ao trabalho do auditor interno), visto que as normas
internacionais para o exercício profissional da auditoria interna, aprovadas pelo IIA
(única referência no programa do edital para a auditoria interna), não adotam o
conceito de achados, fazendo menção a conclusões, análises e avaliações e
verificações de não-conformidades com as normas e conclusões quanto ao bom
desempenho.
A questão confundiu o conceito de achado de auditoria, que contempla vários
elementos, tais como: condição, critério, evidência, causa e efeito, com possíveis
evidências coletadas pela auditoria interna, em suas verificações.

Questão: A função dos administradores públicos é utilizar, de forma


econômica, eficiente e eficaz, os recursos ao seu dispor para a consecução
das metas que lhes foram determinadas, devendo ser observado, nesse
aspecto, em sentido amplo, o conceito de governança, cuja finalidade é
atingida por meio da técnica denominada de análise de risco.

Gabarito Provisório: C

Argumento para recurso: A questão é contraditória, visto que, apregoa por um


lado, a observação do conceito de governança, em sentido amplo e, por outro,
restringe o conceito de governança, ao afirmar que sua finalidade é atingida por
meio da técnica denominada análise de risco. A governança, seja ela no mundo
corporativo ou no setor público, tem sua finalidade atingida pela adoção de boas
práticas de gestão e de princípios e valores, tais como a ética, a transparência, a
prestação de contas, a eqüidade e a conformidade. A análise de risco é um
processo ou técnica fundamental na estrutura de governança, em função de que
os riscos podem impactar o alcance de determinados objetivos. Mas, daí, afirmar
que a finalidade da governança é atingida por meio da análise de risco é restringir
o conceito de governança e os importantes papéis desempenhados pelos vários
agentes que compõem a estrutura de governança.
Por fim, cabe destacar que Valmir Slonski, em seu livro Controladoria e
Governança na Gestão Pública, São Paulo, Editora Atlas, 2005, nos ensina que a
governança no setor público deve ter as seguintes finalidades: a) agregar valor
para a sociedade; b) garantir o acesso ao capital a custos baixos; e c) assegurar a
continuidade dos serviços públicos, além da adoção dos mecanismos de gestão e
controle e auditoria públicos.
Questão: Compete ao auditor interno verificar se as normas internas de
execução do controle interno estão sendo cumpridas, utilizando-se, para
tanto, dos procedimentos de auditoria. Nesse caso, se o auditor necessitar
confirmar junto a terceiros as transações da empresa, ele deve efetuar teste
de observância.

Gabarito provisório: C

Argumento para recurso: A confirmação de transações junto a terceiros é


exemplo de teste substantivo e não de observância. A finalidade dos testes de
observância ou de controle é a determinação da eficácia do desenho e operação
das políticas e procedimentos da estrutura de controles internos, sendo os
seguintes procedimentos aplicáveis: indagação, observação e inspeção. Para
confirmação de transações junto a terceiros não se deve utilizar teste de
observância.

Questão: Um dos meios utilizados para a obtenção de informações em


auditoria do TCU é a entrevista, a qual, ainda que tenha cunho informal,
pode ser utilizada no relatório de auditoria.

Gabarito provisório: C

Argumento para recurso: Em primeiro lugar, não há como precisar o que seja de
cunho informal, dando-se margem a múltiplas interpretações pelos candidatos. O
cunho informal de uma entrevista poderia ser interpretado como uma entrevista
não estruturada, ou por contato telefônico, ou sem planejamento e registro, ou
não-ostensiva. Enfim, não foi feliz o enunciado, dando margem a várias
interpretações, pela sua imprecisão.
Se interpretássemos que o cunho informal refere-se a uma entrevista que não
seguiu as etapas e formalidades previstas no manual de técnicas de entrevistas
do TCU, quais sejam: preparação, início, desenvolvimento, conclusão e registro,
então a questão deveria ser considerada errada e não certa, como no gabarito
provisório.
Sabemos que a prova ou evidência coletada em entrevista, durante uma auditoria
de conformidade, ou em achado de irregularidade, desvio ou fraude tem um peso
relativo, devendo a informação obtida ser confirmada por outra técnica ou
procedimento. Em auditorias operacionais, os resultados das entrevistas podem
ser levados a relatório sem as grandes preocupações de uma auditoria de
conformidade, mas mesmo nesse caso, é fundamental que a entrevista seja
formal, ou seja, que haja um planejamento, uma preparação, e um registro
adequado das informações obtidas, dos resultados e das conclusões.