Você está na página 1de 2

AFO - TCU 2007

Prof. André Luís

ANALISTA DO TCU 2007 – RECURSOS

133 – O ato que abrir crédito adicional deve indicar a importância, espécie e a
classificação da despesa, até o limite em que for possível.

O gabarito preliminar aponta a afirmação como Certa. Ocorre, todavia, que a assertiva
mostra-se contrária à exata dicção legal aplicável.
O art. 46 da Lei n.° 4.320/1964 aduz: “O ato que abrir crédito adicional indicará a
importância, a espécie DO MESMO e a classificação da despesa, até onde fôr
possível.”
Fácil de ver que a lei não estabelece a indicação da espécie da despesa, como se
interpreta do item ora recorrido. A lei prescreve sim a indicação da espécie “do
mesmo”, ou seja, do crédito adicional (suplementar, especial ou extraordinário).
Pelo exposto, solicita-se a revisão do gabarito, de Certo para Errado.

145 – Atualmente, compete à União, aos estados e ao Distrito Federal legislar


concorrentemente sobre o orçamento, limitando-se a União a estabelecer
normas gerais e cabendo aos estados exercer competência suplementar.

O gabarito preliminar aponta a afirmação como Certa. Nada obstante não é essa a
regra constitucional aplicável.
A cabeça do artigo 24 da CF/88 coloca o orçamento na competência legislativa
concorrente da União, dos estados e do DF. Por sua vez, os parágrafos 1° e 2°
estabelecem que, no que tange à competência legislativa concorrente, a União deve
limitar-se à edição de normas gerais, cabendo aos estados o exercício da competência
suplementar.
Eis a expressa disposição desses parágrafos:
“§ 1º - NO ÂMBITO DA LEGISLAÇÃO CONCORRENTE, a competência da União
limitar-se-á a estabelecer normas gerais.
§ 2º - A competência da União para legislar SOBRE NORMAS GERAIS não exclui a
competência suplementar dos Estados.”
Quando o item faz referência à limitação de a União legislar sobre normas gerais, mas
deixa de destacar que essa limitação situa-se no âmbito da legislação concorrente, ele
subverte a regra constitucional, pois define que a União não poderia dispor sobre
legislação específica na área de orçamento.
Como é sabido, isso não é verdade. A União pode sim editar norma específica sobre
orçamento, que deve ser observada tão-somente pela administração federal.
Foi o que ocorreu, por exemplo, quando o art. 4°, § 4°, da LRF instituiu o anexo
específico à LDO da União sobre política monetária e cambial. Nesse caso, a União
editou uma norma específica na área de orçamento..
Pelo exposto, solicita-se a revisão do gabarito, de Certo para Errado.

1
AFO - TCU 2007
Prof. André Luís

152 – O lançamento da depreciação do veículo representa um decréscimo


patrimonial e será efetuado no sistema patrimonial, tendo a débito uma conta de
variação passiva e a crédito a conta de depreciação acumulada.