Você está na página 1de 24

INTRODUÇÃO

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), conhecidas por doenças venéreas, são transmitidas por contato direto ou indireto.Pelo contato direto, é quando a doença é mantida através de relações sexuais onde o parceiro ou parceira necessariamente porta a doença. No contato indireto, o acometimento da doença ocorre mediante ao compartilhamento de utensílios pessoais mal higienizados (roupas íntimas), ou manipulação indevida de objetos contaminados (lâminas e seringas). Causadas por várias bactérias e vírus, mais de 20 doenças sexualmente transmissíveis afetam homens e mulheres. Algumas dessas doenças têm cura; entretanto, outras irão acompanhar o individuo por toda a vida. Além de afetar a saúde física, elas também podem afetar a saúde emocional e a qualidade de vida da pessoa. Um exemplo desta situação é o fato de que, segundo especialistas, uma doença sexualmente transmissível eleva as chances de a pessoa ser infectada com o HIV, o vírus que causa AIDS. Uma das principais problematizações em relação ao tratamento dessas doenças e suas curas devidas está relacionada com o fato de que elas só são apercebidas pelos pacientes quando já estão em situações críticas – dificultando o processo do tratamento e da cura. A existência de um tratamento eficiente e precoce é indispensável, pois a sua ausência pode causar problemas sérios como infertilidade, e, em casos de gravidez, a doença pode ser transmitida para o bebê durante o parto ou gravidez. O trabalho aqui apresentando explanará sobre algumas dessas doenças sexualmente transmissíveis que são acarretadas por bactérias, evidenciando-se seus conceitos, agentes etiológicos, sintomas, diagnósticos laboratoriais – e alguns diferenciais – e suas prevenções e tratamentos. As DSTs abordadas no decorrer deste trabalho serão: Uretrite Gonocócica; Cancro mole; Cancro duro; Linfogranuloma Venéreo e Donovanose.

1. URETRITE GONOCÓCICA 1.1 Conceito Doença infecto-contagiosa que se caracteriza pela presença de abundante secreção (corrimento) purulenta pela uretra no homem e vagina e/ou uretra na mulher. Este quadro frequentemente é precedido por prurido (coceira) na uretra e disúria (ardência miccional). Em alguns casos podem ocorrer sintomas gerais, como a febre. Nas mulheres os sintomas são mais brandos ou podem estar ausentes (maioria dos casos).

1.2 Agente etiológico A uretrite gonócocica é uma doença causada pela Neisseria gonorrhoeae, comumente denominada de gonococos. As células são cocos aeróbios gram-negativos, imóveis, aos pares, com seus lados adjacentes achatados como um par de grãos de café. Em preparações microscopias feitas a partir de espécimes clínicos, os gonococos muitas vezes são observados dentro dos neutrófilos, que ingerem as bactérias por fagocitose. Os gonococos crescem melhor em ágar “chocolate”, um meio contendo sangue, preparado com aquecimento para romper as hemácias (este aquecimento faz o meio ficar com a cor de chocolate). As culturas são incubadas em ar atmosférico enriquecido com 5 a 10% de dióxido de carbono. 1.3 Sintomas Os sinais e sintomas costumam surgir alguns dias após o contágio, normalmente entre uma a duas semanas; em caso de uretrite gonocócica, este período de tempo pode alargar-se, excepcionalmente, há 30 dias. O sintoma mais comum é uma sensação de ardor na uretra, que se acentua durante as micções, tornando-as mais difíceis e dolorosas. Outra manifestação muito frequente é a inflamação do meato urinário, que se encontra tumefacto e avermelhado. É igualmente comum a emissão de secreções através da uretra, cujas características variam Segundo o tipo de uretrite. Por exemplo, em caso de uretrite gonocócica, as secreções costumam ser abundantes e espessas, de tonalidade amarelada e esverdeada. Nas

É preciso referir que estas manifestações são mais intensas e evidentes nos homens. necessidade quase constante de esvaziar a bexiga e dor na região inferior do abdômen. ou seja. mas não em meio com maltose. o Útero ou a próstata. se não se impedir a sua evolução espontânea. a mucosa uretral pode estreitar-se e endurecer. um tipo de sequela designado estenose uretral. o que facilita.uretrites inespecíficas são mais escassas e de tonalidade esbranquiçada. têm tendência para persistir. Urocultura com teste. por fim. mínimas ou quase inexistentes nas uretrites provocadas por vírus ou fungos. Em casos mais complexos. Por outro lado. sendo. com o passar do tempo. o que faz com que os seus sintomas sejam muito idênticos aos desta doença. Um diagnóstico definitivo requer o isolamento e a identificação dos gonococos por meio de testes laboratoriais. nas uretrites de longa evolução ou mal tratadas. provocando a redução da entrada do canal. as uretrites costumam ceder rapidamente sem originar complicações ou sequelas. Os testes bioquímicos utilizados para identificar os gonococos incluem um teste de oxidase positivo (as colônias tornam-se negras quando são expostas ao reagente tetrametilparafenilenodiamino) e a produção de ácido em meio com glicose. Os gonococos são isolados em ágar chocolate contendo antibióticos para suprimir o crescimento de bactérias da flora normal. dor ao urinar. Caso se proceda ao seu oportuno tratamento. Contudo. a difusão dos microorganismos. outros exames deverão ser solicitados como:   Exame qualitativo de urina. como a vagina.4 Diagnóstico laboratorial Um diagnóstico presuntivo da uretrite gonocócica pode ser feito pela presença de diplococos gram-negativos dentro dos neutrófilos quando os espécimes clínicos são examinados microscopicamente. 1. que começam a afetar outros tecidos adjacentes. . enquanto que nas mulheres a uretrite tende a complicar-se rapidamente para uma cistite ou inflamação da mucosa na bexiga.

5 Prevenção e Tratamento Por se tratar de uma doença sexualmente transmitida. para que se faça a correta administração de medicamentos. é necessário que se saiba a origem da doença. Um tratamento eficaz é caracterizado pela solicitação da colheita de uma amostra das secreções uretrais. como realização de exames para que se possa fazer a escolha apropriada do parceiro sexual. 1. Imunologia para Chlamydia. Técnica do PCR. sejam fungos ou protozoários. e a realização de um exame direto cultural e bacteriológico. A penicilina é geralmente eficaz no tratamento da uretrite gonocócica. cefotaxima ou outros antibióticos são usados para o tratamento de casos provocados por gonococos resistentes à penicilina.   Urocultura pós-massagem prostática. Espectiomicina. a prevenção é simples. tonando viável o processo de identificação do agente causador. . de modo a analisá-las ao microscópio. Basta que haja o uso adequado de preservativos. só assim consegue prevenir uma eventual recaída ou o aparecimento de complicações ou seqüelas no organismo. deve-se proceder a administração de antibióticos. ele deve ser cumprido de forma ríspida. micológico e parasitológico. Para observar a funcionalidade do tratamento. Quando se trata de uma origem bacteriana. O tratamento consiste na eliminação da infecção. nos outros tipos de uretrites costumam ser indicados fármacos com atividade específica contra os microorganismos em causa. Entretanto. juntamente com outras medidas. seguindo todas as instruções do médico. com antibiograma. possibilitando a escolha do medicamento mais adequado para a eliminação total da infecção.

que não apresenta sintomas. subespécie pallidum. que provoca danos no cérebro. O primeiro estágio é a sífilis primária. uma glicoproteína encontrada no soro e na superfície de várias células de mamíferos. que evolui de forma crônica (lenta) e que tem períodos de acutização (manifesta-se agudamente) e períodos de latência (sem manifestações). sistema cardiovascular. A sífilis secundária desenvolve-se dois a seis meses mais tarde e é caracterizada por erupções generalizadas na pele e nas mucosas. Neste período pode ocorrer o desenvolvimento de uma fase latente. na medula espinhal e nos vasos sanguíneos. O cancro regride espontaneamente em 25 a 40 dias. 2. também conhecido como sífilis. e pode permanecer por 3 a 30 anos. Pacientes com sífilis terciária podem .1 Conceito Doença infecto-contagiosa sistêmica (acomete todo o organismo).2 Agente etiológico O agente etiológico do cancro duro. olhos. ossos. é um espiroqueta microaerófilo chamado Treponema pallidum. Este organismo não é cultivado em meios de cultura de laboratório e pode crescer – com dificuldade – somente em testículos de coelhos ou em culturas de células da epiderme de coelhos. O final da fase latente é marcado pelo desenvolvimento da sífilis terciária.2. As erupções desaparecem após três semanas a seis meses. A aderência inicial das células do hospedeiro é facilitada quando os espiroquetas são cobertos pela fibronectina. 2. denominada cancro. Os espiroquetas aderem à superfície das células hospedeiras e apresentam capacidade para invadir a membrana mucosa intacta ou a pele lesada. sistema nervoso).CANCRO DURO 2.3 Sintomas A sífilis ocorre em vários estágios. As células deste espiroqueta são finas e helicoidais e são mais bem observadas pela microscopia de campo escuro. Pode comprometer múltiplos órgãos (pele. que aparece após um período de incubação inicial de 10 a 90 dias e é caracterizada por uma ferida indolor nos órgãos genitais ou em outras áreas do corpo.

como o teste rápido da reagina plasmática (RPR – rapid plasma reagin test). pois não detecta anticorpos contra T. pallidum como antígeno. artrite reumatóide e mononucleose infecciosa. dores de cabeça.4 Diagnóstico laboratorial O método mais rápido e mais direto de diagnóstico laboratorial da sífilis utiliza a microscopia de campo escuro para mostrar a presença de numerosos treponemas móveis no fluido do cancro ou das lesões de pele. lúpus eritematoso. perda da sensação e percepção. delírios. a sífilis é diagnosticada pela demonstração da presença de anticorpos. Por razões desconhecidas. anticorpos contra cardiolipina são formados no sangue de pacientes sifilíticos. dificuldade de coordenação. Na ausência de cancro ou de lesões de pele. A sífilis terciária também pode ser acompanhada pelo desenvolvimento das gomas. pallidum. Este detecta anticorpos contra um antígeno chamado cardiolipina – um componente da membrana citoplasmática de células humanas e de outros mamíferos. 2. Testes sorológicos simples são usados para este propósito. Entretanto. pallidum. um teste RPR positivo precisa ser confirmado por um teste treponêmico que possa detectar anticorpos contra T. Os testes específicos mais amplamente usados são o teste de microhemaglutinação (MHA) e o teste dos anticorpos treponêmicos fluorescentes (FTA – florescent treponemal antibody). mudanças de personalidade. Por esta razão. a reagina causa a aglutinação dessas partículas. como malária. cegueira. as reaginas também podem ocorrer em pacientes com outras doenças. no soro do paciente. impotência. lesões semelhantes a tumores que causam desfiguração em várias partes do corpo. esses anticorpos são chamados reaginas. Quando o soro de um paciente sifilítico é adicionado a uma suspensão de partículas de lipídeos contendo cardiolipina. perda dos reflexos e incontinência urinária. . O teste RPR é barato e de fácil execução.apresentar perda de memória. mas não é um teste para treponemas. pois requerem procedimentos especiais para obtenção do crescimento as células de T. Esses testes são mais complexos e mais caros do que os testes inespecíficos. que foram formados em resposta à infecção.

anticorpos fluorescentes antiimunoglobulina humana são adicionados. essencialmente de transmissão sexual (DST). às vezes na região anal ou oral. pallidum. Se o soro contém anticorpos contra T. com a base mole. pallidum. 3. geralmente localizada na genitália externa.O teste FTA é um método indireto no qual o antígeno consiste em células de T. estes anticorpos (imunoglobulinas) se ligarão aos treponemas da lâmina. frequentemente múltiplas. é doença infecto-contagiosa. com fundo purulento e de forma irregular que compromete principalmente a genitália externa. mais difícil será a cura. estes causarão a aglutinação das hemácias. O teste MHA é um teste de hemaglutinação passiva no qual uma pequena quantidade de soro do paciente é misturada com uma suspensão de hemácias previamente revestidas com antígenos T.1 Conceito Conhecida também como cancro venéreo simples ou cancróide e popularmente conhecido como "cavalo". e estes se ligarão aos anticorpos do paciente (já ligados aos treponemas). É uma doença que pode ser caracterizada por ulceração (ferida) dolorosa. Para tanto. Em seguida. Quanto mais a doença progredir. A presença de anticorpos fará com que os treponemas apareçam refringentes quando observados ao microscópio de fluorescência. pallidum. recomenda-se o uso de preservativos. mas pode comprometer também o ânus e mais raramente os lábios. língua e garganta. pallidum fixadas em uma lâmina de microscópio. a boca. auto-inoculáveis e. Estas feridas são muito contagiosas. portanto. hiperemiada (avermelhada). 2.CANCRO MOLE 3. Se o soro do paciente contém anticorpos contra T. . Não existe nenhuma vacina para a prevenção da sífilis – pesquisas ainda estão em andamento.5 Prevenção e tratamento A penicilina é o antibiótico de escolha para o tratamento da sífilis.

As lesões ulceradas são dolorosas. talhadas a pique. quase sempre unilateral. com base mole. culminando em supuração por uma única fístula. surge a lesão inicial (mácula. ocorre em 30 a 50% dos casos sendo raro no sexo feminino. pápula. acomete principalmente prepúcio e sulco balanoprepucial (estrutura limítrofe entre a glande e o prepúcio). . fúrcula e colo uterino. No homem. um bastonete gramnegativo. sendo a mulher muitas vezes portadora assintomática. de evolução aguda. fundo purulento e tortuoso. imóvel. 3. pode surgir o cancro misto de Rollet (são lesões ulceradas (cancros) em que se associam o cancro mole e o cancro duro (lesão primária da sífilis). logo se reproduz por auto-inoculação na vizinhança. aeróbio e não encapsulado. Bubão regional (inguinal).3 Sintomas Os primeiros sintomas aparecem dois a cinco dias após relação sexual desprotegida com portador da doença. período que pode se estender em até duas semanas. O acometimento no sexo masculino é maior. e. extremamente doloroso. O bacilo tem predileção por pele e submucosas.3. É encontrado nas regiões tropicais e nas comunidades com baixo nível de higiene. Por vezes as lesões podem complicar-se devido à associação fuso-espiralar. A pele sobre a adenite apresenta-se fina e eritematosa. Após um período de incubação de um a quatro dias. vesícula ou pústula). grandes e pequenos lábios. numa proporção de 20 a 30 casos masculinos para 01 feminino.2 Agente etiológico O agente etiológico é o Haemophilus ducreyi. com bordas irregulares. pequeno. Inicialmente única. que rapidamente evolui para ulceração. sendo raro o acometimento de mucosas. na mulher. Ausência de sintomatologia geral. Em cerca de 5% dos casos. apesar dos registros em clínicas privadas e em indivíduos de nível universitário estarem aumentando.

O exame bacterioscópico deve ser feito após limpeza da lesão com soro fisiológico. purulento e tortuoso Doloroso Base mole Não involui espontaneamente e cura com sequelas Adenopatia em 30 a 50% dos casos. o diagnóstico diferencial deverá ser feito com cancro sifilítico. dolorosa. tuberculose e donovanose. exsudato purulento do fundo da lesão. na tabela adiante. pode-se puncioná-lo e proceder ao esfregaço. predominando a clínica. Por ser.4 Diagnóstico laboratorial Os exames utilizados são de baixa sensibilidade. unilateral. preferencialmente sob as bordas.3. coletando-se. herpes simples. Pallidum. na maioria das vezes. múltipla e dura . Baseiam-se principalmente no exame direto e na cultura. A positividade ocorre em 50% dos casos. linfogranuloma inguinal e tuberculose. É sempre boa norma a pesquisa de T. Quando da presença de adenopatia. suas principais características: Cancro Sifilítico Período de incubação longo (21 a 30 dias) Geralmente lesão única Erosão/exulceração Borda em rampa Fundo limpo e liso Indolor Base dura Involui espontaneamente sem deixar cicatriz Cancro Mole Período de incubação curto (1 a 4 dias) Geralmente lesões múltiplas Ulcerações Borda talhada a pique Fundo sujo. deverá ser feito com adenites piogênicas. linfomas. 3. Quando o bubão estiver presente. o diagnóstico diferencial feito com o cancro duro. com alça de platina ou espátula. fistulizante através de orifício único Adenopatia constante. indolor. estão relacionadas. supurativa.5 Diagnóstico diferencial Quando da presença de lesões ulceradas.

é um medicamento efetivo e isento de risco. à exceção do estolato. de 6/6 h 4. que. Além do tratamento. VO. No caso de gestantes. de 6/6 h 6.). Como o contágio é feito pela prática sexual.6 Prevenção e tratamento Há três tipos de tratamento: o tratamento sistêmico. Eritromicina. o tiafenicol no primeiro trimestre de gestação e as sulfas nas últimas semanas de gestação. Azitromicina: 1 g. sabonetes e medicações de uso local. VO. O cancro mole é tratado com medicamentos à base de antibióticos. deve-se realizar intensa higiene dos locais afetados. . VO. Eritromicina: 500 mg. Sulfato de Estrepatomicina: 1 g/dia. VO. No tratamento devem ser evitadas as tetraciclinas. O tratamento sistêmico pode ser realizado pela administração dos seguintes antibióticos: 1. de 8/8 h 5. IM. uretrites por Chlamydia sp. dose única 2. estarão tratando eventualmente outras DST (sífilis. Ceftriaxona: 250 mg. ocorre após duas semanas de tratamento. dose única 3. a melhor forma de prevenir-se contra o cancro mole é fazer uso do preservativo em todas as relações sexuais. o tratamento local e tratamento epidemiológico. Tianfenicol: 2 cápsulas de 500 mg. não representa ameaça para a mãe nem para o feto ou neonato. IM O tempo mínimo de tratamento é de 10 dias ou até a cura clínica das lesões e/ou adenite.3. gonorréia. na dose de 2 g diários por 15 dias. em geral. Deve ser lembrado que tetraciclina e eritromicina. Tetraciclinas: 600 mg.

2 Agente etiológico Seu agente etiológico é uma bactéria como gram-negativa: a Chlamydia tracomatis (sorotipos L1. Já no tratamento epidemiológico. 3 vezes ao dia. tendo como processos básicos a trombolinfangite e perilinfangite.1 Conceito O linfogranuloma venéreo é uma doença bacteriana sexualmente transmissível. Também é conhecida como Mula. caracterizada pelo envolvimento do sistema linfático. Caso apresente flutuação ou tamanho maior do que 5 cm. . o repouso é importante na recuperação. doença de NicolasFavre-Durand. 4. com penetração da bactéria através da pele ou mucosa com solução de continuidade. 4. durante 15 minutos. pela possibilidade de existirem portadores que não manifestem sintomas. que possui como reservatório o homem. Neste processo. que exclusivamente pode ocorrer através de inoculação acidental com localização extragenital. tem-se o tratamento das lesões ulceradas para a aceleração da cicatrização. bubão. Incisão e drenagem estão contraindicadas por retardarem o processo de cicatrização e pela possibilidade de disseminação da infecção.As relações sexuais devem ser evitadas até a conclusão do tratamento. os parceiros sexuais devem ser tratados durante 10 dias com as formas de tratamento citadas anteriormente. em qualquer circunstância. Na terapêutica local. É recomendado o tratamento dos parceiros sexuais. evitando assim sua fistulização. deverá ser aspirado através da pele normal adjacente.000 ou com água boricada a 2%. Sua transmissão ocorre pelo contato sexual. L2 e L3). LINFOGRANULOMA VENÉREO 4. é necessário realizar compressas de permanganato de potássio diluído em água morna 1:40. tendo como período de incubação de 1 a 3 semanas após o contato sexual. quarta moléstia venérea. Quanto a adenite.

4. acomete o sulco balonoprepucial. O linfogranuloma venéreo comporta-se de maneira diferente no homem e na mulher sendo acompanhado de uma evolução crônica. intradermo-reação de Frei e cultura celular de McCoy. ao involuir. A fase primária ocorre no local de penetração do agente etiológico onde há o aparecimento de pápulas. artralgias. E a terciária é quando há drenagem de material purulento por vários orifícios no bubão. sendo que no homem. que. que em geral são poucos intensos. clitóris. pústula ou erosão fugaz e indolor. As manifestações tardias ocorrem por alterações decorrentes da linfoestase crônica pela fibrose de linfonodos podendo levar a complicações com a elefantíase dos genitais externos. fístulas e anoproctites (estiomene).3 Sintomas Os sintomas dessa doença são apregoados por um quaro clínico que apresenta 03 fases. deixa cicatrizes queloidianas. geralmente unilateral. mialgias e anorexia.4 Diagnóstico laboratorial Eminentemente clínico-epidemiológico. com ou sem sangue. o prepúcio ou meato uretral. 4. enquanto que na mulher. Requisita-se sorologia com imunofluorescência direta ou fixação de complemento (título acima 1/64).É caracterizada pelo aparecimento de uma lesão genital (lesão primária) que tem curta duração e que se apresenta como uma ulceração (ferida) ou como uma pápula (elevação da pele). acomete fúrcula cervical. firme e pouco dolorosa (bubão). A fase secundária caracteriza-se por adenite inguinal. vesícula. pequenos e grandes lábios. . o estreitamento retal (retite estenosante) e a Síndrome ano-genital-retal com ulcerações. que pode ser acompanhada de febre e mal-estar. Podem ocorrer sintomas e sinais de infecção sistêmica como febre.

100mg. VO. 14 dias. 4. 1. é uma enfermidade benigna. na infância e em casos de intolerância ou alergia. 3. exceto em contraindicações. Donovanose. 4. Inicia-se com um nódulo ou pápula. Tianfenicol.4. 12/ 12h. também conhecida como granuloma inguinal. correção de fistulas e colostomia. no mínimo 14 dias. pode haver necessidade de dilatação retal ou. 5. Doxiciclina. 2. repetir por duas semanas consecutivas. como por exemplo. azitromicina e eritromicina são as medicações de escolha no tratamento das infecções por Chlamydia sp. DONOVANOSE 5. de evolução crônica Sua incidência é de cerca de 5% entre as DST. vulvectomia. tais como: 1. mesmo. nunca drenados ou excisados. A adenite é tratada com drenagem.5g/dia. 800mg + trimetoprim.1 Conceito A Donovanose. As tetraciclinas. Sífilis. VO.6 Prevenção e tratamento O tratamento deve ser realizado mediante as administrações de antibióticos. granuloma inguinal. na gravidez. 5. 2 vezes/dia.5 Diagnóstico diferencial Tuberculose cutânea. de amputação parcial do reto. Azitromicina. Deve ser iniciada precocemente a fim de minimizar eventuais seqüelas. 1g VO. no local da inoculação que . Os linfonodos apresentando flutuação devem ser aspirados com agulha grossa. micoses profundas. Sulfametoxazol. VO. Em casos críticos.. dose única. 160mg. 14 dias.

5. e outras doenças cutâneas ulcerativas e granulomatosas. E quando não tratadas adequadamente. 5. leishmaniose tegumentar americana. pode-se desenvolver um câncer. O problema para os estudos do Calymatobacterium granulomatis é que ele se trata de um bacilo intracelular gram-negativo de difícil crescimento nos meios de cultura bacteriológicos tradicionais. sangra com facilidade e é indolor. surge no local uma pequena elevação da pele ou mucosa (pápula) não dolorosa que aos poucos evolui para uma ulceração avermelhada – normalmente não dolorosa. tuberculose cutânea. cancro mole. entretanto isso é mais comum entre as mulheres. 5. neoplasias ulceradas. É uma doença que às vezes nem sequer gera sintomas. As lesões menores. com as colorações pelos métodos de Wright. quando muito próximas. . essas lesões podem causar infecções secundárias e elefantíase – como o aumento exagerado do pênis ou saco escrotal. mas ainda assim é considerada lenta a formação das lesões. intracitoplasmática denominada Calymatobacterium granulomatis. que cresce lentamente.3 Sintomas Um mês após a incubação da bactéria.4 Diagnóstico laboratorial A identificação dos corpúsculos de Donovan no material obtido por biópsia pode ser feita por meio de exame histopatológico. 5. Pode haver ainda o estreitamento do ânus – estenose – e em casos críticos.2 Agente etiológico O agente etiológico da donovanose é uma bactéria gram-negativa. agilizam o processo da ulceração.erosa levando à formação de uma úlcera.5 Diagnóstico diferencial Sífilis. Giemsa ou Leishman. amebíase cutânea.

VO. dose única. é recomendada a adição de uma aminoglisídeo – a gentamicina. até a cura clínica (no mínimo 3 semanas). de 6/6 horas. Eritromicina (estearato) 500mg. de 12/12 horas.5 g. 500 mg. de 12/12 horas. VO. até a cura clínica (no mínimo por 3 semanas). Sulfametoxazol-Trimetoprim (160 mg e 800 mg). até a cura clínica. Caso não haja a resposta na aparência das lesões nos primeiros dias de tratamento com a administração da ciprofloxacina ou a eritromicina. 2. no primeiro dia de tratamento. Doxiciclina 100 mg. VO.6 Prevenção e tratamento O tratamento deve ser realizado com a administração dos seguintes antibióticos: 1. 2. 4. Tianfenicol granulado. . Ciprofloxacina 750mg.5. de 12/12 horas. até a cura clínica. 5. a partir do segundo dia. VO. Também se evidencia o uso de preservativos como método preventivo dessa doença. VO. de 12/12 horas. até a cura clínica (no mínimo por 3 semanas). por exemplo. 3. VO.

se os seus exames derem positivo. mesmo que não lhe esteja prejudicando. outras não. para verificar se está contaminado e. é importante ir regulamente ao médico. para a realização de exames periódicos. algumas podem ter complicações. Elas também podem ser transmitidas pelo contato indireto. então o uso de camisinha é indispensável. é aconselhado que este também procure auxilio médico. transmitidas pelo contato direto. como levar a esterilidade. Por isso é importante os exames rotineiros e qualquer sintoma que aparecer. Após se fazer o tratamento de alguma doença venérea. As DSTs são. então é importante que haja a adequada higienização das roupas e o cuidado com objetos cortantes contaminados. . na maioria das vezes. é importante procurar um profissional da saúde qualificado. Na existência de algum parceiro sexual. fazer o tratamento o mais rápido possível. pois nos primeiros estágios não apresentaram sintomas. certificando-se que o paciente está totalmente curado. portanto é de extrema importância que os cuidados devidos sejam tomados.CONCLUSÃO Muitas das vezes as doenças sexualmente transmissíveis só são detectadas quando estão em estado severo. Algumas doenças sexualmente transmissíveis têm cura. escolha seus parceiros com cuidado e a higienização correta antes e depois da relação sexual é de grande importância. incluído os métodos preventivos e as mais diversas formas de tratamento de acordo com a doença acometida.

Manual de Doenças Infecciosas e Parasitárias 6ª ed Brasília-DF. Acesso em 02/07/2011. Volume 2.saudeemmovimento. DONOVANOSE.com.medicinapratica. 2.cefetsp.br/tag/calymm atobacteriumgranulomatis/>.xis&src=goog le&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=254948&indexSearch=I D>.em:<http://www. Michael Joseph. Acesso em 02/07/2011. ed.br/cgibin/wxislind. 2ª edição.asp?cod_noticia=997> . 1997 MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2006.Disponível. Acesso em 02/07/2011. GRANULOMA. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.em:<http://www. .bireme.htm >. DST-AIDS .com. Microbiologia:conceitos e aplicações. Makron books.  Internet Sexualmente Transmitidas.Disponível. Disponível em: <http:/ DOENÇAS /bases. Acesso em 02/07/2011.br/ conteudos/conteudo_frame. MANUAL da Saúde.REFERÊNCIAS  Livros e manuais AZULAY & AZULAY Dermatologia.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.br/edu/stefanelli/dst/granulo ma. PELCZA JR. Disponível em:<http://www.

ANEXOS .

Observa-se a secreção purulenta abundante em vulva (caso raro). fundo limpo. CANCRO DURO  Sífilis Recente (primária) . URETRITE GONOCÓCICA Gonorréia aguda: Cervicite e Vulvovaginite. . 2. Mesmo estando frente a lesões típicas.Cancro duro Úlcera em pênis: lesão única bem definida.1. não deve ser esquecida a possibilidade de estar ocorrendo um caso atípico de outra DST ulcerativa ou mesmo de associações entre elas.

amolecimento. Sífilis Recente (secundária) . ulceração e cicatrização.Fase exantemática Manchas em pele de tronco (Roséolas): em indivíduos de pele branca. Significam reação de hipersensibilidade ao Treponema.  Sífilis Tardia (terciária) Goma sifilítica: lesões nodulares que sofrem processo de degeneração. . portanto. supuração. as roséolas tendem a ser bem mais avermelhadas. não sendo infectantes. Atravessam cinco fases: infiltração.

juntamente com o cancro de inoculação. 4. .3. As áreas brancas não são DST. CANCRO MOLE Úlcera em vulva: admite-se que ocorra um caso de Cancro Mole em mulher para vinte casos em homens. LINFOGRANULOMA VENÉREO Úlcera em pênis e Adenopatia inguinal: observar o fato raríssimo de ocorrer o bubão inguinal. A lesão inicial está localizada em sulco bálanoprepucial. mas apenas vitiligo.

. devem-se pesquisar os corpúsculos de Donovan por meio de citologia de esfregaço das lesões ou biópsias.5. Colher material de bordas e centro das lesões evitando áreas necrosadas. Para o diagnóstico de Donovanose. DONOVANOSE Lesões ulceradas em vulva e períneo: lesões ulceradas de evolução longa.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE FARMÁCIA ÍTALA NASCIMENTO SOUZA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMITIDAS POR BACTÉRIAS São Luís 2011 .

para obtenção de nota parcial. São Luís 2011 .ÍTALA NASCIMENTO SOUZA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMITIDAS POR BACTÉRIAS Trabalho apresentado à disciplina de Microbiologia ministrada pelo Prof (a) Azizedite ao Curso de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

424 4 ..907:2 7.8.:48 /0 434.948.4/. 1472..39J..37.7.3   .8 /403..:2./.9.3.94-.8 ..3.8 .3:42.7 310. 5E5:.3480 F :2. 5...3/42:9457O2.9.8 0808   6:.3/.0390 094O.945..20394/43:8 08903480 002 ..394 884F2.4:082.07.4:5.:930...48.3/././.8 ...2 30.:930. 547 204 /0 0./. -.8 . -.4.0:...438/07.3O89.8:./4 /4 5H38 4: 8.2 30.8 &22H8.07:2.9./..  808082034708 6:.4  .:-.3480 90:2039.8 0 001.207.:9:7.48 54/0 80/0803.:3/E7. ./06:. 34/44748. 00.42:203970.7 . 8:70344.:8.-.0884/.4/.. /434.882 F .20390  088. $J18  .0... :./0:2 -.3/41472.008302 806:0707.20390 8.807..98F6:0008097.8  .20394 348 2048 /0 .98   574-02.  0 4:97.  /0391.  3045.8.6:0.8  082.. /03423.8 0808 54/02 .9.4  .4758.8    $3942.7J9.74 240  9:-07.5004:2:. :2.42 1..2039034/44748.08 50482F94/48/079 028.0748.94-.9074O.506:03..848 .4/0:2.3:42. .  397..4  2.07.4 /48 .4854:..  !4/0.480.-47.7 7. 6:0.8 :..3 34 2.3:42. 039.0039.48089:/48/4.4 08.4897.9F7.4 397./.0720.42 .2.82E9.24574.08 80.  .907.8 039709..20 8945.07  A:2. 83942.07.20-J.7.708.3O89.5O8./00F3/447   0390094O.907:27.3..07. 7.80 . 54/0 807 109./.:.9.3/4 34 97.447.6:08 . 4-9/4 547 -O58.8 .07./.708.82:0708   .:930.3.43.2../403.07.4 /. .94O.947.4..07.:20394 0.:480 .80  .749. 3472.4089709.4/10703.9F7.4.4 /0 /1J.4 /.

42..3.4 %72094572  20 2 ' .3.4/4880:3908 .034097.20394/0...2094.8   $:1..3.   2  ' 547802.20394 97.J3.. 342J324547802. 2 ' /0..080770..8   57414.39-O9.3. !70.48  4./23897.9./4.9.:7.

 34 572074 /..:7...  /480 3.J3. /0  /0 .47.9F.8 ..

/23897.4 7. .4: ..3:./4/0:2./403./03. 0890.48 .84 34 .7H3..5.  79742.4/088.3....  F 70.8  .4/.  %.42 .20394.           /0.2.424 2F94/4 570.2348J/04 .. .:7./4      ' . /. 54700254  %.94  2 ' 2J324802.8 0808 348 5720748 /..3.57414..039..J3.4203/.8/0 97. 47.039. 3. 4 :84 /0 570807.7.3.3. 7085489.9F .3.2-F2 80 0..8  .9. .3103.9./. 079742. .

8 ..47.9F. 34 /0...:7.J3.

9F  /0 .8 .47.

 .797 /4 80:3/4 /. 47.20394 . 34 2J324 97.. 5.9.    2  ' .9F .J3.8  . .:7.

089H3.47/4.94/7094  03944:84/0../.8 74:5.82..23.4.:/.7.4380./4  8$%884 3.8 54/02 907 . .479.390 7 70:./06:.94 3/7094  0394 F 25479.:7.70./06:./48  3.439.:2 5.07  20824 6:0 34 0 0890..074  548 348 5720748 089E48 34 . /403.8/097.4 2F/.3/4  F 25479.2.:70../.:/.283.07 4 97.:7.:2.8 0 4 .834  .:2.07497.81472.:7.47.2-F2574.:42F/.1.3829/.008 .8./4 0 . F /0 7.8 6:..2 942.42 4-0948.F3/85038E./403.7:257418843.4 5.  .208 /0702 5489.039..390 6:0 ..8/403.008 97.03F70.390 574.:J/4 48 2F94/48570.. F25479.9.20394/0./0  5479.0 08./4 0  80 48 80:8 0.38288J./4 .08 8O 84 /090.47709. 70..8 .9.6:07 83942.439. 08907/.424 0.8 /403. &$   :9.38288J.8.880:./48 /0..3829/. F.7.7 .283942.7 80 089E ./.089H2.8 9./46:008909.48  .3/0 254793.07480:.. .8 504 .5.9./0./4 .439. .4 .394 F /0 09702./48  5O8801.8 80:.42.4  1. 4:97.8 /. .42.2039442.20394/0. 254793.4 /./4 80.0  :2.2-F2 54/02 807 97.425...7. 6:0 48 . 570:/.23. 03..390480.0390089E949.0791.7. 70.3908 0 /0548 /.20390 97.9.439.480.2087493074806:.4  5.8504.20390.078.8/.80:85.5708039.8 !47884F25479..2039097..208 507O/.4 80:..3908.08  .4209/./48 80..20390 ./. 03.3/4 806:045.071.3/4 0894 02 089.87E5/45488J.7. .:/.4 /0 0.0748.           . 6:0 .

89E7.944.7.  0/ #4/0.3074:..3:.43.74-44.8J.8 0/ 7.7..5.08  '4:20  0/4 .74802.8 & &072.3829/.8  8543J.## $  O .0 02 995.0 4805  .743-448  O 3907309  @$ $0:.80!.3.     ! #  .44./0403.3:.3   $%A# $  $% $  $%A# $  ..-.8310.0948 0 ..20390 %7.48.

 .

-.808 -7020 -7.

-3..

83/ 00.

..

4330.

88$.759..

  .80$ . 8 87..44 0 -. 3/0$0.9433 057$0.35 309.7.088402 .7.

.

0 02995.     ' $ 8543J.

.

.57.9.42 -7.3. 20/..

.9.

..22 ..3:42.94-.98.907:27.

 .088402 .

.

 $./0  8543J.0 02995.   & /.

.

20394 .42 -7. 8.:/00224.

4390:/48. .

 .4390:/4*17..20 .85.088402 .4/*349..

.

0 02995.   #&  8543J.

.

010985 -7. .

0/:.

8901.30.

/89.

088402 .7.3:4 2. 92 .

.

       .

                   $               .

4/04:97..07.3.08089J5./0/0089. .07..8         ..8 34/0./.9.3/4170390 .$%:.884.:..74/:74  .390  -807.900':..847.0390 572E7.-:3/. .39002..-02/013/.84.74    # &#  O $J18#0.. &#%#%      43477F.5488-/.4:20824/0...  .4.74...7045:7:039.9J5.025H380843.07.47703/4:2 ..08039700.0807086:0. 80.80. 1:3/4254 0824089.:/.

..4 1.4 #48F4.8  02 3/.394  97.0884 /0 /00307.07.8  O $J18%..2 70.O $J18#0.  34 803/4 310.8.  .8 748F4..8903/02.3908  5479.   .4  $31.0720.  .:3/E7./0 .9.3...8 02 500 /0 9743.708 6:0 841702 574.3.   42. 0808 34/:./.97.4    .40..4 /05078038-/.3902E9.808 3197. 81J9.J/:48 /0 500 -7.4 %7054302.088.807-022.7/..E7.3.800. 907.20394  8:5:7.4  :..2 .4  .0390 80.240.

025H380/0345.4 8E70. 02 8:.3. :2 .834 84 $%  2.3:3....:.947..74 40 02 2:07 5.34 5705:. #    .477.8480242038    #& 'A#   . .503./..8 . :39.:.477074 -:-43:3. 089E 4. 02 ..741...94   084 3.       ..9.07.3..3.7J8824/04.8-7.424.4-807.07.7..20390.8 .84 /0 ./290 80 6:0 4.4 -E.390.74/034.

02 80 5086:8.4 /./.80..3480  /0.748.3O89.7 48 .8                      .:.907./.   ' $  0808 :. 4 /.944.8 02 .4758.3 547 204 /0 .8 /0 0.07.808080. 0 507J304 0808 :.07.3/4E70./.8  407 2..4 /0 434.03974/.9.:48 /0 434.830.  !. /0 08170..4:4 43./0-47/.7.8 0808 4: -O58.

 &'#$# # %#  $  $ &#$ #          %$% $ &         @$$&%%#$%$! #%A#$                     $4:J8     .

74-44.5.53./0 0/07.  %$% $ &              @$$&%%#$%$! #%A#$       %7. . /.. ./.72E. 23897.                  $4:J8   .34 4-9034/0349.5708039.4 :784 /0 &  5.7.078/. &3./4  /8..7. 504 !741 /4  . /0 .-.7.4 .  0/90 .