Direito do Trabalho II Profº José Hendrigo 1 – Remuneração e salário: (SALÁRIO É ESPECIE DO GENERO REMUNERAÇÃO) 1.

1 Denominação: a) Salário deriva do latim: SALARIUM -> Sal (TINHA UM VALOR MUITO ELEVADO, DEPOIS SUBSTITUIDO EM METAIS. EM SEGUIDA PAPEL MOEDA.) Do Grego: HALS b) Inicialmente era a forma de pagamento das legiões romanas; (OBRIGAÇÃO DE DAR) Salário mínimo é Nacional. c) O salário foi o elemento transformador do regime de trabalho ESCRAVO para o regime de LIBERDADE do trabalho; d) Caracteriza-se a Remuneração por uma prestação obrigacional de DAR; 1.2 OBJETIVOS: O objetivo da remuneração é que ela possa satisfazer as necessidades básicas do empregado e de sua família (CF/88, Art. 7º, IV) 1.3 Natureza Jurídica É a importância paga pelo empregador ao obreiro em virtude de sua contraprestação dos serviços. 1.4 Elementos da REMUNERAÇÃO a) HABITUALIDADE: A jurisprudência mostra que um dos requisitos para considerar se determinada verba tem ou não natureza salarial. CONFORME A LEGISLAÇÃO, NO MAXIMO MENSALMENTE DEVE SER PAGO O SALÁRIO. Ex.: 1) Horas extras habituais integram a indenização de antiguidade (TST Súmula Nº 24) 2) 13º Salário (TST Nº 45)(SALÁRIO FICTISIO, NÃO SE PRECISA TRABALHAR MAIS, SOMENTE DE FORMA REGULAR.) 3) FGTS (TST Nº 63) Subordinação, permanência, pessoalidade e onerosidade: Dúvida: “indúbio pro operário” Empregado doméstico. Trabalhar em unidade familiar que não vise lucro. Remunerado. b) QUANTIFICAÇÃO: b.1) A remuneração deve ser calculável; b.2) O salário – base não ser pago mediante condição; b.3) É VEDADO ao empregador fazer o pagamento do SALÁRIO COMPLESSIVO ou COMPLEXO que é o pagamento englobado, sem discriminação das verbas pagas, com salário, horas extras, adicionais etc. c) ESSENCIALIDADE: O contrato de trabalho é ONEROSO. d) RECIPROCIDADE: Na relação de emprego existem deveres e direitos por parte dos contratantes. 17/08/2010

DIA. 1. f) O pagamento do salário deverá ser feito diretamente ao empregado – CLT.7.: Fornecimento de cigarros .4 – Salário em DINHEIRO: a) Deve ser pago em moeda de curso forçado. os períodos de interrupção do contrato e os descansos computáveis na jornada de Trabalho.3 – Salário por TAREFA: (142. §1º. Art. IV e) O salário constitui crédito privilegiado na falência – CLT.I – Remuneração e Salário 1. qualquer que seja a forma ou o meio de pagamento.5– Distinção entre Remuneração e Salário: a) A definição de Remuneração esta contida na CLT Art. que tem como objetivo um resultado determinado. Art. 24/08/2010 1.1 – Salário por UNIDADE DE TEMPO: a) Depende do tempo gasto para a execução do trabalho. CLT.7.7. Art. 2º) a) Forma MISTA de salário: parte SALÁRIO UNIDADE DE TEMPO e parte SALÁRIO POR UNIDADE DE OBRA. por QUINZENA ou por mês. Ex. b) O empregado utiliza o tempo da jornada de trabalho para executar tarefa determinada pelo empregador.6– Regras de proteção do Salário: a) IRREDUTIBILIDADE do salário como regra geral – CF/88. VI. Art. Exceção: Quando houver acordo ou convenção coletiva prevendo. IN NATURA ou INDIRETO: a) Previsão na CLT. 462 d) IMPENHORABILIDADE do salário: CPC. d) Remuneração é o Gênero do qual Salário é Espécie. 1. G) a) Assemelha-se a empreitada. no contrato de trabalho. ou seja. parte final). quer retribuam o trabalho efetivo. 7º.7. 31/08/10 1. Art. b) INALTERABILIDADE do salário: CLT. 649.2 – Salário por UNIDADE DE OBRA: (CLT. 468 que proíbe qualquer alteração. deixará de ter natureza salarial à prestação fornecida ao empregado d) Não é considerado salário UTILIDADE o fornecimento de bebidas alcoólicas ou drogas nocivas (CLT. etc. Art. c) Remuneração é a totalidade de percepções econômicas dos empregados. 1. 464. b) O salário é fixado ou por hora.7.7– Morfologia da Remuneração: 1. 458) • GRATUIDADE da prestação c) Havendo cobrança da UTILIDADE pelo empregador. 483. c) INTANGIBILIDADE do salário: CLT.5 – Salário em UTILIDADES. 458. 1. 458 b) Para configurar salário UTILIDADE 02 critérios são OBRIGATÓRIOS: • HABITUALIDADE (CLT. Art. mas sim o próprio serviço realizado. 463 b) O objetivo principal da obrigatoriedade é para evitar o TRUCK SYSTEM. o pagamento somente em cupons.. 449. Art. INDEPENDENTEMENTE do TEMPO GASTO. Art.. b) Não se leva em consideração o tempo gasto na execução do serviço. bônus. que venha a causar prejuízos ao trabalhador. b) Não há conceito de salário na CLT. por semana. 457. Art.

deixará de ter natureza salarial a prestação fornecida ao empregado. art. 82.5 Salário em UTILIDADES. §2) * NÃO É SALÁRIO UTILIDADE SE O QUE FOR DADO AO EMPREGADO. * É CONSIDERADO SALÁRIO UTILIDADE SE O QUE FOR DADO FOR UTILIZADO PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 458 §2º) • NÃO É SALÁRIO UTILIDADE se o que for dado. Art. 458. D) Não é considerado salário UTILIDADE o fornecimento de bebidas alcoólicas ou drogas nocivas (CLT. por isso não é considerado salário utilidade e. F) O salário não pode ser pago somente em UTILIDADES. for UTILIZADO no local de trabalho PARA a prestação dos respectivos serviços. ao empregado. 458. respectivamente 25% e 20% do salário contratual (CLT Art. pois 30% do mesmo. FOR UTILIZADO NO LOCAL DE TRABALHO PARA A PRESTAÇÃO DOS RESPECTIVOS SERVIÇOS. E) Regra Geral para verificar se a prestação constitui ou não UTILIDADE (CLT. tendo como base de calculo o SALÁRIO MÍNIMO (LEI 5. 458). 458.889/73) i) A cessão pelo empregador. art. C) Havendo cobrança da utilidade pelo empregador. fornecimento de cigarros. de moradia e alimentação no âmbito rural não integra o salário do empregado desde que realizada em contrato escrito celebrado entre as partes com 02 testemunhas e NOTIFICAÇÃO OBRIGATORIA ao respectivo sindicato de trabalhadores rurais j) Direito do Trabalho – José Hendrigo Aula dia 31/08/2010. 82. • É considerado salário UTILIDADE se o que for dado for UTILIZAÇÃO pela prestação de serviços f) O salário não pode ser pago somente em UTILIDADES. § único). (sem os instrumentos não se consegue realizar o trabalho. art. . pois 30% do mesmo deverão ser pago em dinheiro (CLT. art. portanto não pode ser solicitado como forma de salário em uma reclamatória). 458. §3º) h) Em relação ao empregado RURAL: • Até 20% moradia / Até 25% alimentação.7. parte final) Ex. deverá ser pago em dinheiro (CLT.e) REGRA GERAL para verificar se a prestação constitui ou não UTILIDADE: (Art. art. §único) g) Salário UTILIDADE pago a título de moradia e alimentação não poderá exceder. 1. B) Para configurar salário UTILIDADE dois critérios são obrigatórios: *HABITUALIDADE (CLT. *GRATUIDADE da prestação. IN NATURA OU INDIRETO: A) Previsão na CLT.

art. tendo como base de cálculo o salário mínimo (Lei 5889/73) – OBS. 458. 458 §3) H) Em relação ao empregado rural: até 20% moradia. em seu art.G) Salário UTILIDADE pago a título de moradia e alimentação não poderá exceder. São exemplos de salário in natura. cartão de crédito. pagamento de escolas aos filhos e o fornecimento de passagens aéreas. §2. no qual descreve que o que for dado ao empregado for utilizado no local de trabalho para a prestação dos respectivos serviços. desde que fornecidos de maneira habitual e gratuita. os instrumentos indispensáveis para o exercício da atividade laboral não são considerados salário utilidade. pagamento de clubes.VT dia 14/09 VT DIREITO DO TRABALHO – 14/09/10 4. ou seja. até 25% alimentação. OU SEJA. INDEPENDE DO VALOR DO SALÁRIO DO EMPREGADO RURAL.) Qual a regra geral do sistema trabalhista brasileiro para verificar se a prestação dada pelo empregador ao empregado é ou não salário in natura? A regra geral para verificar se a prestação constitui ou não salário in natura está prevista na CLT. GRUPOS 8 . I) A cessão pelo empregador. e não será considerado o que for dado para a prestação do serviço. 07/12/2010 .: A BASE DE CÁLCULO É O SALÁRIO MÍNIMO PARA OS TRABALHADORES RURAIS. não é considerado salário utilidade. respectivamente 25% e 20% do salário contratual (CLT. DIREITO DO TRABALHO Professor: José Hendrigo V1: 28/09/2010 V2: 23/11/2010 2ªCh. Por isso é considerado salário in natura só o que for dado pela prestação do serviço. como equipamentos de proteção individual que servem para serem utilizados apenas no serviço. de moradia e alimentação no âmbito rural não integra o salário do empregado desde que realizada em contrato escrito celebrado entre as partes com duas testemunhas e notificação obrigatória ao respectivo sindicato de trabalhadores rurais.

1.1. com salário. Ex:1) Horas extras habituais integram a indenização de antiguidade (TST Sumula nª 24) • 13ª Salário (TST nª 45) • FGTS (TST nª 63 ) B) Quantificação: Proporcionar a quantidade de cálculo remuneratório. Objetivos: O objetivo da remuneração é que ela possa satisfazer as necessidades básicas do empregado e de sua família (CF/88. Denominação: A) Salário deriva do latim: Salarium – Sal Do grego – Hals B) Inicialmente era a forma de pagamento das legiões romanas. B) Não há conceito de salário na CLT. 17/08/2010 1. adicionais etc. C) O salário foi o elemento transformador do regime de trabalho Escravo para o regime de Liberdade do trabalho. horas. art.5. 1. D) Caracteriza – se a remuneração por uma prestação obrigacional de Dar.3. Elementos da Remuneração: (Essenciais) A) Habitualidade: A jurisprudência mostra que um dos requisitos para considerar – se determinada verba tem ou não natureza salarial.VS: 21/12/2010 VT1: 14/09/2010 10/08/2010 • Remuneração e Salário: 1. extras. 1. quer . qualquer que seja a forma ou o meio de pagamento.4. C) Remuneração é a totalidade de percepções econômicas dos empregados. Essencialidade: O contrato de trabalho e oneroso. sem discriminação das verbas pagas. B2) O salário – base não pode ser pago mediante condição. 457. Natureza Jurídica: É a importância paga pelo empregador ao obreiro em virtude de sua contraprestação dos serviços. C. Reciprocidade: Na relação de emprego existem deveres e direitos por parte dos contratantes. B1) A remuneração deve ser calculável. B3) É vedado ao empregador fazer o pagamento do salário Complessivo ou complexo que e o pagamento englobado. D. IV). 7ª.2. Distinção entre Remuneração e Salário: A) A definição de Remuneração esta contida na CLT art.

7ª. 31/08/2010 1. 483. Art. Art. B) Inalterabilidade: do salário: CLT. CLT. • Morfologia da Remuneração: • Salário por UNIDADE DE TEMPO: A) Depende do tempo gasto para a execução do trabalho. art.art. 1. B) O salário é fixado ou por hora Dia.retribuam o trabalho efetivo. $ 2ª) A) Forma Mista de salário: parte Salário Unidade de Tempo e parte Salário por Unidade de Obra. que venha a causar prejuízos ao trabalho dor. 458. F) O pagamento do salário deverá ser feito diretamente do empregado. Regras de proteção do salário: A) Irredutibilidade do salário como regra geral. C) Intangibilidade do salário: CLT. art. que tem como objetivo um resultado determinado. ou seja.CLT. IN NATURA OU INDIRETO: A) Previsão na CLT.IV E)O salário constitui crédito privilegiado na falência. art. 462 D) Impenhorabilidade do salário: CPC.449. 1ª.CLT. bônus etc. B) O empregado utiliza o tempo da jornada de trabalho para executar tarefa determinada pelo empregador. • Salário em DINHEIRO. 468 que proíbe qualquer alteração. • Salário por UNIDADE DE OBRA: (CLT. G) A) Assemelha – se a empreitada. VII. INDEPENDENTEMENTE do TEMPO GASTO. CF/88.649. B) Para configurar salário utilidade 02 critérios são obrigatórios: . 142. D) Remuneração é o Gênero do qual salário é Espécie. art. por semana. por QUINZENA ou por Mês.art.Salário em UTILIDADES.6. mas sim o próprio serviço realizado. B) Não se leva em consideração o TEMPO gasto na execução do serviço.7. • Salário por TAREFA: (CLT. 463. no contrato de trabalho. o pagamento somente em cupons.art.464.5. B) O objetivo principal da obrigatoriedade é para evitar o Truck System. A) Deve ser pago em moeda de curso forçado. Exceção: Quando houver acordo ou convenção coletiva prevendo. os períodos de interrupção do contrato e os descansos computáveis na forma de trabalho.

749/65) a) Deve ser pago a todos os empregados em 02 parcelas. com 2 testemunhas e notificação obrigatória ao respectivo sindicato de trabalhadores rurais. VT2 Tema 6 Direito da intimidade do empregado na relação de trabalho Roberto Rodolfo Heloany Ricardo Aparecida William Douglas Mariana . Ex: Fornecimento de cigarros.090/62 c/c Lei nº 4. • 21/09/2010 1.6 – Salário BASE Quantia fixa que o empregado atribui ao empregado em contraprestação aos serviços prestados. G) Salário Utilidade pago a titulo de Moradia e alimentação não poderá exceder. parte final). 458) e Gratuidade da prestação. D) Não é considerado salário Utilidade o fornecimento de bebidas alcoólicas ou drogas nocivas (CLT. Elas são na essência LIBERALIDADES do empregador.7 – COMISSÕES Lei nº 3.9 – 13º Salário (Lei nº 4.7. não sendo devido na dispensa por justa causa. E) Regra Geral para verificar se a prestação constitui ou não utilidade: (CLT. c) Tem caráter salarial. art. $ 2ª) • Não e Salário Utilidade se o que for dado.207/57 C/C Arts. • É considerado salário Utilidade se o que for dado for Utilizado pela prestação de serviços. 1. art. pois 30% do mesmo deverá ser pago em dinheiro (CLT.Habitualidade (CLT.7. art. $ único). H) em relação ao empregado Rural: Até 20% Moradia/Até 25% alimentação. 1. rescisão indireta do contrato. ao empregado. art.7. b) O 13º salário é devido nos casos de demissão sem justa causa. 458. 458. I) A cessão pelo empregador. 458. A 1ª até NOV e a 2ª até 20/12 de cada ano.7. 466 e 457 CLT 1. for Utilizado no local de trabalho Para a prestação dos respectivos serviços. deixará de ter natureza salarial a prestação fornecida ao empregado. $ 3ª).8 – GRATIFICAÇÕES As gratificações são quantias variáveis pagas pelo empregador ao empregado em testemunho de confiança. de Moradia e alimentação no âmbito rural não integra o salário do empregado desde que realizada em contrato escrito celebrado entre as partes. F) O salário não pode ser pago somente em Utilidades. C) Havendo cobrança da utilidade pelo empregador. tendo como base de calculo o salário mínimo (Lei 5889/73). 82. aposentadoria e fim do contrato a termo. art. respectivamente 25% e 20% do salário contratual (CLT.

Art. II.3 .origem e legislação a) foi criado pela Lei 5107/66 como opcao para o trabalhador. b) em caso de atrasos o empregador sujeitar-se-á as obrigacoes e sancoes dos Arts. Lei 8036/90 c/c Art. 7o.2 . Art. Art. 7o 4. 3.1 . 66 .Jornada de trabalho Maximo semanal: 44h Maximo diario: 08h CF/88. 99684/90 16/11/2010 3 . III) c) a regulamentação atual é a Lei 8036/90 c/c Dec. 15.6 . 15.Conceito de jornada de trabalho: CLT. 4 4.5 .Do membro da CIPA: ADCT.1 . feito pelo empregador com o objetivo de formar uma reserva financeira para o trabalhador.Dúvidas na sala 312ª Valor 4. Art.depositos: Art. 99684/90 2. Lei 8036/90 2. 3. Art. Art.Intervalos intrajornada e interjornada: a) Intrajornada . a.Horario de trabalho: CLT.CLT. II.devedores do FGTS Art. Dec. 99684/90. 15. 30. em relacao a estabilidade decenal em vigor a época.1 . Art.conceito É o deposito de 8% da remuneracao paga ou devida ao empregado.CLT.4 .0 Pré Qualificação 3.administracao a) conselho curador: orgao gestor b) CEF: agente operador 2. & 2o. 71 b) Interjornada . juros de mora (1%) ao mes e multa 2% Art. todos os empregados passaram a ter direito ao FGTS (CF/88. Art.Duracao do trabalho: 4.4 .beneficiarios do FGTS: Art. 74 4. ate o dia 07 de cada mês na conta vinculada do FGTS. 2. alem da atualizacao monetaria. 8o 4 .3 . b. 10. 27.0 Pasta 290 19/10/2010 FGTS 2.Estabilidade 3. & 1o. b) com a CF/88.Do representante sindical: CF/88. Art. Lei 8036/90 2. em conta bancaria vinculada.Da gestante: ADCT.2 .3 . Dec. 50 a 52 do Dec.2 . 10. 99684/90 a) o empregador é obrigado a fazer depositos mensais de 8% da remuneracao paga ao empregador.

5 . 73 Hora normal + 20% 22 ate as 05h 52'30" b) Empregado RURAL Lei 5889/73 60 minutos 25% V2 Remuneracao e salario Fundo de Garantia por tempo de servico Estabilidade Duracao de Trabalho .Trabalho noturno: a) Empregado URBANO: CLT. 7o. Art. Art.R .4.S.Jornada Extraordinaria: CF/88.Lei n.605/49 Descanso semanal remunerado 4.7 .6 . XVI 4.D.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful