Você está na página 1de 3

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE DISCIPLINA E PLANO DE ENSINO

1. IDENTIFICAÇÃO

DE DISCIPLINA E PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO CURSO/SEMESTRE Bacharelado em Música – Ciências

CURSO/SEMESTRE

Bacharelado em Música Ciências Musicais / 2º

DISCIPLINA

Estética Musical

CARÁTER DA DISCIPLINA

Obrigatória

PRÉ-REQUISITO

 

CÓDIGO

 

DEPARTAMENTO

 

CARGA HORÁRIA TOTAL

34

CRÉDITOS

2

NATUREZA DA CARGA HORÁRIA

TE: 2

PR: 0

PROFESSOR RESPONSÁVEL

Luiz Guilherme Duro Goldberg

2. EMENTA

A disciplina pretende estudar os aspectos da música em sua relação com a filosofia, a partir da reflexão e discussão sobre as principais questões concernentes ao tema abordadas pelos teóricos da estética musical.

3. OBJETIVOS

Abordar temas fundamentais do pensamento filosófico sobre música, especialmente quanto às questões vinculadas à história, à sociologia, à modernidade e suas qualidades comunicativas. Introduzir questões de estética comparada, vinculando música com literatura e música com artes plásticas.

4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

I) Características da estética musical: limites, relação com outras artes, fontes para uma estética musical; II) Antiguidade; III) Idade Média; IV) Renascimento; V) Barroco e Classicismo; VI) Romantismo; VII) A música e a fusão das artes; VIII) O formalismo no século XX; IX) Estética e história; X) A estética e a sociologia da música.

5. METODOLOGIA

Leitura e discussão de textos Seminários

6. CRONOGRAMA

Março

05 Apresentação da disciplina; discussões preliminares sobre a estética musical.

12 Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A autonomia estética: I) Em direção à

emancipação; II) A gênese da autonomia estética.

19

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A autonomia estética: III) Desligamentos e autonomia.

26

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A autonomia estética: IV) Do criticismo ao romantismo: Kant.

Abril

02

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A autonomia estética: IV) Do criticismo ao

romantismo: autonomia estética e heteronomia da arte.

09

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A autonomia estética: IV) Do criticismo ao romantismo: Hegel.

16

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A heteronomia da arte: Platão e Aristóteles.

23

Leituras e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A heteronomia da arte: Platão e Aristóteles (continuação).

Maio

07

PROVA BIMESTRAL

14

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A heteronomia da arte: Marx, Nietzsche e Freud.

21

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? A heteronomia da arte: Marx, Nietzsche e

Freud (continuação). 28 Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? As rupturas: o declínio da tradição; modernidade e vanguarda.

Junho

04

- Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? As guinadas do século XX: a guinada política da estética.

11

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? As guinadas do século XX: a guinada política da estética (continuação); a guinada cultural da estética.

18

Leitura e debates: JIMENEZ, Marc. O que é estética? As guinadas do século XX: a guinada cultural da estética (continuação).

25

Leituras e debates: DAHLHAUS, Carl. Estética e História; FUBINI, Enrico. A estética e a sociologia da música: Carl Dahlhaus.

Julho

02 AVALIAÇÃO FINAL.

7. AVALIAÇÃO

Métodologia e critérios:

Avaliação contínua: adaptada a necessidade de cada disciplina. Individualmente entre professor e aluno, avaliando o processo de leitura, reflexão e escrita. Eventualmente, compartilhada em aula com os alunos, segundo as necessidades e possibilidades do grupo.

Tarefas: solicitadas e discutidas em aula, discutindo relação entre texto, contexto e música, gerando avaliação continuada a partir da participação dos alunos.

Objetivos: orientar o processo de aprendizagem ao verificar a autonomia do aluno com a escuta, a leitura e a tarefa de leitura/pesquisa solicitada, bem como o envolvimento extra-classe com os conteúdos estudados. Assim, assegura-se, sempre que necessário, a correção de rumos e a recuperação de conteúdos abordados no semestre.

Orientações metodológicas:

Posicionar-se criticamente frente ao senso-comum, não tomando a literatura como forma natural de classificar o mundo;

Entender o fato musical como uma rede de relações, sem restringi-lo à sistematização aos seus opostos extremos;

Evitar o relato linear das leituras, conciliando, o máximo possível, a estruturação do texto com a problematização dos resultados apresentados pelo material em estudo;

Evitar o discurso jornalístico e a crônica biográfica factual;

Privilegiar o pensamento relacional, evitando as preocupações causais de superfície;

Estimular a dissolução de categorias e de padrões de interpretação de fácil previsibilidade, propondo a construção de novas formas de entendimento;

Promover o constante exercício de historização do campo disciplinar, seus autores, suas linhagens teóricas, seus modelos analíticos e seus trabalhos de campo (em seu sentido amplo);

Instigar a identificação dos paradigmas epistemológicos das ciências musicais.

Critérios de valoração:

1) Produção textual em caráter dissertativo:

1.1) Objetivos: verificar o envolvimento do aluno com a difusão escrita do conhecimento

científico; verificar a capacidade reflexiva do aluno; verificar a capacidade de elaboração e exposição dissertativa de idéias. Critérios de valoração: Conteúdo (objetividade na apresentação do tema e conteúdo do trabalho solicitado; desenvolvimento com capacidade em relacionar o conteúdo com as

demais disciplinas de sua formação, referência aos autores-chave da área, posicionamento crítico frente às idéias do autor, propriedade nas exemplificações; conclusão com fechamento do tema, apontando para possibilidades futuras de trabalho e/ou pesquisas na área); Forma (organização, seqüência lógica, correção lingüística); Normas técnicas.

1.2)

2) Participação em aula:

2.1) Objetivos: verificar o desempenho do aluno no processo de ensino-aprendizagem;

desenvolver a capacidade crítica e auto-crítica em relação ao seu engajamento nas discussões em classe, bem como nas apresentações orais das tarefas solicitadas. Critérios de valoração na apresentação de trabalhos: Desempenho do aluno (postura, espontaneidade, auto-controle, dicção, clareza de exposição); Apresentação do conteúdo (objetividade, seqüência lógica, propriedade nas exemplificações, capacidade em relacionar o conteúdo com as demais disciplinas de sua formação, referência aos autores-chave da área, posicionamento crítico frente às idéias do autor, observância do tempo de apresentação de trabalho); Emprego de recursos audiovisuais.

2.2)

8. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

DAHLHAUS, Carl. Estética e História. In:

FUBINI, Enrico. La estética y la sociología de la música. In:

Estética Musical. Lisboa: Edições 70, 1991. p.103-107.

La estética musical desde la

Antigüedad hasta el siglo XX. Madrid: Alianza Editorial, 1994. p.385-424.

JIMENEZ, Marc. O que é estética? São Leopoldo: Editora Unisinos, 1999.