Você está na página 1de 26

Reanimação e intubação de

pacientes graves e atuação em


equipe multiprofissional
Aprendizagem
• Ensinar e aprender são comportamentos
em que, a ocorrência de um (ensinar)
depende necessariamente da existência
do outro (aprender). Esses dois
comportamentos estão diretamente
relacionados constituindo um processo
específico que pode ser denominado de:
processo de ensino e aprendizagem.
• Esse processo (constituído de vários
comportamentos do professor em relação a
vários comportamentos do aluno) pode ser
mapeado de forma a orientar as ações que são
realizadas. Esse mapeamento (ou
planejamento) é baseado nos objetivos de
ensino: os comportamentos que se espera que
o aluno esteja apto a realizar depois de
formado, e que, portanto, precisam ser
ensinados (e aprendidos) durante a formação do
aluno (futuro profissional).
Técnico em Enfermagem
• Profissional apto a colaborar no atendimento de
emergências e na assistência aos pacientes,
• Atua na promoção, proteção e recuperação da
saúde da comunidade e administrando
tratamento prescrito pelo enfermeiro ou médico.
• Selecionar materiais e equipamentos para o
exame clínico, identificar sinais vitais, conhecer
os principais exames, registrar e anotar
ocorrências, caracterizar as doenças
transmissíveis, descontaminar, limpar, preparar
e esterilizar materiais, entre outros assuntos.
Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
• Internação de pacientes com instabilidade
clínica e com potencial de gravidade.
• Exemplos mais comuns: Infarto Agudo do
Miocárdio, Desconforto Respiratório, Acidente
Vascular Cerebral, hipotensão arterial refratária,
trauma e pós-operatório.
• Ambiente de alta complexidade, local reservado
e único no ambiente Hospitalar, que se propõe
estabelecer monitorização completa e vigilância
24 horas. Pode ser dividida em Unidade Adulto,
Pediátrica e Neonatal.
Equipe de atendimento
multiprofissional
• Constituída por
médicos, enfermeiros,
fisioterapeutas,
nutricionistas,
psicólogos e
assistentes Sociais.
• Cada leito contém
monitores cardíacos,
cama projetada,
oximetria de pulso e
rede de gases.
Oxigenoterapia:

• Cateter nasal;
• Máscara de Venturi
Suporte Avançado de Vida em
Cardiologia (“ACLS”)
• Busca de resultados melhores para as principais
emergências cardiológicas, com ênfase na
parada cardiorrespiratória.
• Pesquisas clínicas, experimentais e revisões
são realizadas sistematicamente.
• Destas análises surgiu a mais nova revisão de
suas condutas, com ênfase na reanimação
cardiopulmonar de alta qualidade, onde a
massagem cardíaca quase nunca é
interrompida e todas as condutas ocorrem ao
redor da mesma.
• As condutas devem ser organizadas, devendo-
se checar ritmo somente após cinco ciclos de
reanimação (30 compressões seguidas de duas
ventilações). Só se checará o pulso se ritmo
organizado for observado na monitorização.
• O acesso a via aérea avançada, a
administração de drogas, a colocação de
acessos venosos, os choques e a checagem de
ritmo e pulso são secundários, até um momento
em que possam ser realizados sem a
interrupção da massagem cardíaca.
Indicações de intubação
• Apnéia e hipoventilação, insuficiência
respiratória ou cardiovascular com
necessidade de pressão positiva, pós-
operatório de grandes cirurgias,
alterações da função da caixa torácica, a
obstrução da via aérea superior entre
outros.
E A EQUIPE
MULTIPROFISSIONAL?
DIRETRIZES
• Art. 4º:
• I- Atenção à saúde: desenvolver ações de
prevenção, promoção, proteção e reabilitação
da saúde, tanto em nível individual quanto
coletivo.
• II- Tomada de decisões: tomar decisões
visando o uso apropriado, eficácia e custo-
efetividade, da força de trabalho,de
medicamentos, de equipamentos, de
procedimentos e de práticas.
• III – Comunicação: ser acessíveis e devem
manter a confidencialidade das informações a
eles confiadas, na interação com outros
profissionais de saúde e o público em geral.
• IV – Liderança: no trabalho em equipe
multiprofissional, os profissionais de saúde
deverão estar aptos a assumir posições de
liderança, (compromisso, responsabilidade,
empatia, habilidade para tomada de decisões,
comunicação e gerenciamento de forma efetiva e
eficaz);
• V - Administração e gerenciamento: tomar
iniciativas, fazer o gerenciamento e administração
tanto da força de trabalho,dos recursos (...) devem
estar aptos a serem empreendedores, gestores,
empregadores ou lideranças na equipe de saúde;
Exemplos de classes de comportamentos
profissionais possíveis de serem
decompostos a partir da classe geral de
comportamentos “Projetar intervenções
em conjunto com a equipe” que
caracteriza a intervenção direta de
profissionais que atuam por meio de
equipe multiprofissional.
Os níveis 1, 2 e 3 representam graus de
abrangência no sentido de mais abrangente
(nível 1) para o menos abrangente (nível 3).
PRODUÇÃO DE ALTERAÇÕES CLASSES DE CLASSES DE CLASSES DE COMPORTAMENTOS
EM FENÔMENOS COMPORTAMENTOS COMPORTAMENTOS DECOMPOSTOS
(INTERVENÇÃO DIRETA) DECOMPOSTOS DECOMPOSTOS NÍVEL 3
NÍVEL 1 NÍVEL 2

Integrar o planejamento Analisar coletivamente Identificar fenômenos que


de cada profissional com informações ou compõem os processos de
2.Projetar o planejamento da indicadores relacionados intervenção de cada
intervenções em equipe à situação ou a
conjunto com a profissional
fenômenos de interesse
equipe
relacionados a
fenômenos
considerando as
características da Preservar as
população-alvo especificidades de
cada trabalho
especializado

Definir objetivos
comuns de
intervenção
CHA
• ...Compromisso em exercer a profissão
baseada nos preceitos do códigos de
ética;
• ...Buscar a Cura e atenuar a dor;
• ...Ser profissional qualificado para
atender pacientes graves em qualquer
circunstância e idade;
• ...Desenvolver, com amparo da
tecnologia, a melhor terapêutica;
• ...Ter a presença, a dedicação e a
vontade de superar a morte;
• ...Não esquecer os preceitos que
norteiam a dignidade humana, ou seja,
o amor ao próximo, o respeito a pessoa
e suas vontades;
• ...Acolher em seus braços o paciente e
sua família;
• ...Buscar a esperança, SEMPRE!!!!
MUITO OBRIGADA!
Referências
• CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso
de Graduação em Enfermagem. RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001.
• Ferrari.D. A UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. GUIA PRÁTICO PARA FAMILIARES. Disponível em:
www.medicinaintensiva.com.br
• Gaíva, M. A. M. & Scochi, C. G. S. (2004). Processo de trabalho em saúde e enfermagem em
UTI neonatal. Revista Latino Americana de Enfermagem, 12 (3), maio-junho, 469 - 476.
• http://www.retsus.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Curso&Num=44
• Kinoshita, Juliane (2007). Classes de comportamentos característicos da intervenção de
profissionais em equipe multiprofissional. Dissertação de mestrado não publicada, Programa de
Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina. Santa Catarina.
• Kubo, O. M. & Botomé, S. P. (2001a). Formação e atuação do psicólogo para o tratamento em
saúde e em organizações de atendimento à saúde. Interação em Psicologia, 5, 93-122.
• Kubo, O. M. & Botomé, S. P. (2001b). Ensino-aprendizagem: uma interação entre dois
processos comportamentais. Interação, 5, 123 - 132.
• Nascimento Diego T.; DiasII, Maria Almeida; Mota, Rodrigo de Sousa ; BarberinoI, Luciana;
DurãesI, Larissa; Santos, Paulo A. J. Avaliação dos estágios extracurriculares de medicina em
unidade de terapia intensiva adulto. Rev. bras. ter. intensiva, vol.20, no.4, São
Paulo, Oct./Dec. 2008.