Você está na página 1de 177

ATIVIDADES ENSINO

FUNDAMENTAL I E II - 1º AO 6º ANO
Paisagem sonora

Ensino Fundamental
1ª Atividade
OBJETIVOS

• Trabalhar percepção auditiva;


• Perceber e reconhecer sons ambientes.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo);


• Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou Quicktime, por exemplo).

Paisagem sonora

O conceito de “Paisagem sonora” tornou-se conhecido para os educadores em


música a partir do trabalho produzido pelo professor canadense Murray Schaffer. Em
seus estudos, ele trabalha com a percepção de sons de diversos ambientes e utiliza
estratégias para sensibilizar o ouvido de seus alunos.

É importante sabermos que povos e culturas diversas apresentam paisagens


sonoras diferentes. A paisagem sonora na qual vivemos nos traz o sentimento de
pertencimento, de fazer parte daquele ambiente. Alguns músicos da contemporaneidade,
como Hermeto Pascoal e John Cage, inspiram-se nessas diferentes paisagens, criando
em suas composições utilizando sons que não são produzidos por instrumentos
musicais.

O ambiente sonoro tem se modificado durante a história. Seus sons podem ser
classificados em três categorias: naturais, humanos, de utensílios e tecnologia. Nas
culturas primitivas predominavam os sons naturais. Nas culturas medieval, renascentista
e pré-industrial, predominavam os sons humanos. Das culturas pós-industriais até os
dias de hoje predominam os sons de utensílios e tecnológicos. Sendo assim, a educação
musical deve dar atenção à predominância destes sons, observando-os e estudando-os.
Para SCHAFER (1991). O estudo da paisagem sonora em diferentes civilizações de
períodos distintos, também traz informações sobre sua cultura, crenças, valores morais e
éticos, e relações sociais e com o meio ambiente.
Na audição das paisagens sonoras, questões como a poluição sonora e a preocupação
com o meio ambiente em que vivemos podem ser exploradas visto que este possui vários níveis
de ruídos, alguns altíssimos, resultando em uma alarmante situação. SCHAFER (2011).

Para maiores informações acesse o site:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/search/label/discriminaci%C3%B3n%
20auditiva

Neste jogo ao CLICAR com mouse na palavra EMPEZAR (COMEÇAR) o


aluno vai ouvir sons relacionados com as imagens presentes no quadro. Em seguida, ele
deverá CLICAR com o mouse na imagem que ele considerar correspondente. Se ele
acertar, receberá um sinal positivo.

Obs: É o terceiro jogo da página.

ATIVIDADES SUGERIDAS

1- CONVERSANDO COM SEUS ALUNOS SOBRE MÚSICA:

1.1.O professor conversará com os alunos sobre sons do dia a dia levantando
questões como:
a) Quais são os sons que ouvem com mais frequência em casa, na escola, na rua,
etc.?
b) Quais os menos frequentes?
c) Quais os mais agradáveis?
d) Quais os mais desagradáveis (aqueles que incomodam)? Porquê?
e) Outras questões

1.2. Após o levantamento das questões o professor fará uma variação do jogo
com os alunos.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO
1. Dividir a sala em pequenos grupos, estimulando-os de forma lúdica a exercitar
a percepção auditiva dos sons através do jogo.
2. Pode premiar o grupo que teve mais acertos. Por exemplo, dando o direito de
estabelecer uma prenda aos demais grupos.

No final da aula o professor pode elaborar atividades para os alunos como:


 Trazer sons diversos para serem apreciados em sala de aula.
 Recortar revistas e jornais. Em seguida, formar um quadro de imagens e
representar os sons em sala de aula.
 Colocar uma venda nos olhos de um aluno para que este identifique um som
produzido por aparelhos e/ou pelos próprios colegas. Podem ser trabalhados
também a LATERALIDADE (frente, trás, direita e esquerda), TIMBRE
(sons de equipamentos, vozes de animais, de colegas da classe), ALTURA
(agudo = fino, grave = grosso), INTENSIDADE (forte, fraco, médio) e
DURAÇÃO (curto, longo).
 Construir um painel com os alunos preenchendo-o com os nomes dos sons
coletados. MODELO DE PAINEL ABAIXO:
REFERÊNCIAS

PARENTE, B. L. M. A Pedagogia Musical de Schafer e seus desdobramentos no


Brasil. 2008. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) - Licenciatura plena em
Educação Artística com habilitação em Música) – Universidade Federal do Estado do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. Trad. Sob a direção de Marisa Trench de O.


Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

SCHAFER, M. A afinação do mundo. Trad. Sob a direção de Marisa Trench de O.


Fonterrada e Magna R. Gomes da Silva, Maria Lúcia pascoal.- São Paulo: Editora
UNESP, 2011.
Diversidade Cultural Musical
Ensino Fundamental I
2ª Atividade
OBJETIVOS

• Possibilitar ao aluno do Ensino Fundamental:


• Informações sobre a variedade de estilos musicais;
• Um breve conhecimento da História da Música.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som e/ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e acesso à internet;
• Projetor multimídia.
SOFTWARES
O que está soando?
• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).
.

Segundo Bennett (1986) a História da Música é dividida em períodos distintos:


Medieval, Renascença, Barroco, Clássico, Romantismos e Música do século XX. Cada
um apresenta seu estilo próprio marcando uma época. Em alguns desses períodos
predominavam as vozes masculinas, os instrumentos começaram a aparecer, a orquestra
aos pouco foi crescendo e acrescentando mais instrumentos, não esquecendo que a
ópera também teve seu período áureo. A música não para. Ela continua mudando a cada
geração, surgem novos ritmos, novos instrumentos. É importante observar que a música
do presente tem influência da música e isso faz parte da História da Música.

ALGUMAS INFORMAÇÕES SOBRE MÚSICA:

• Orquestra - Conjunto de todos os músicos instrumentistas que executam uma


obra musical.

• Concerto de piano - Composição musical onde o piano é executado juntamente


com a orquestra, mas este tem posição de destaque, tocando a melodia.
• Percussão - Nome genérico que designa os instrumentos da orquestra em que se
executa o som batendo. Os principais são: timbales, bumbo (ou bombo), pratos,
triângulo, vibrafone, sinos e xilofone.
• Ópera - Composição dramática, em que se combinam música e canto, com ou
sem diálogo falado, em que entram uma abertura orquestral, árias, duos, trios,
coros, recitativos, às vezes dança, e trechos sinfônicos. Estes termos técnicos
serão compreendidos pelos alunos e até mesmo pelos professores? Acredito que
para o fundamental 1 não está adequado.
• Rock- Música popular de origem norte-americana com muita batida e muita
amplificação do som, surgida nos anos de 1950. Tem ritmo marcado e é tocada
com instrumentos eletrônicos.

Maiores informações no link:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/search/label/estilos%20musicales

O QUE ESTÁ SOANDO?

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Este jogo tem como objetivo aproximar alunos do Ensino Fundamental, às várias
formas musicais provenientes de diversas gerações e de diversos países do mundo.

Com o mouse clique em EMPEZAR (começar). Obs.: Ao iniciar o aluno ouvirá um


som e deverá clicar em uma das imagens contidas no quadro.

Por ser uma atividade interdisciplinar, pode ser aplicada no ensino de História,
Geografia, Música ou Educação Artística. A atividade não encerra-se em si mesma, uma
vez que dela derivam múltiplas possibilidades de interpretação e criação. Os aspectos
possíveis de serem trabalhados são: Linguagem Musical, História da Música,
Organologia, Geopolítica, Ritmos e Danças, Vestuário e Fazer Artístico.
O professor conversará em sua aula sobre diversidade cultural, pois ela está
presente diariamente no contexto de todos os países; é real na música, na dança,
culinária, e entre inúmeras atividades em nosso cotidiano.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES:

• É importante trabalhar o aluno para que venha aprender sobre essa diversidade
para respeitar a cultura do outro;
• É uma ferramenta para trabalhar diversidade cultural, e em especial a cultura
musical de outros países;
• Oportuniza aos alunos comentarem seus gostos musicais;
• Mostra ao aluno como a música é diferente de um lugar para outro;
• Permite mostrar mudanças que a música evoluiu de um século para outro;
• Como atividade o professor pode pedir para os alunos pesquisarem sobre alguns
estilos musicais.
REFERÊNCIAS

BENNETT, R. Uma breve história da música. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.
Ensino Fundamental I
3ª Atividade
OBJETIVO:

 Desenvolver a percepção musical infantil através de simulações.

MATERIAIS

 Caixa de som ou fones de ouvido;


 Computador com sistema de áudio e acesso a internet;
 Projetor multimídia.

SOFTWARES

 Navegador de internet(Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

CONTEÚDO

A tecnologia digital para a música se apresenta atualmente como uma soma de


possibilidades sem fronteiras. A estrada que liga a música e a tecnologia é uma via de
mão dupla. O progresso científico e tecnológico traz mudanças no fazer musical e
também faz surgir a necessidade de interligação entre essas duas áreas.

Os jogos digitais relacionados à música têm sido bastante eficazes no que se


refere à educação musical, mais especificamente à musicalização infantil, público alvo
da grande maioria desses softwares.Esses jogos agem de forma a estimular a criança,
sendo queela absorve inconscientemente os conteúdos ensinados através do jogo. Com
isso, vemos que esses jogos apresentam de forma lúdica conteúdos que fazem a criança
iniciar seu contato com a música, nos seus primeiros anos escolares. Alguns softwares
estão direcionados para história da música, teoria musical, composição e sobre
instrumentos musicais. É importante salientar que esse software não é utilizado no
intuito de substituir a musicalização tradicional, mas sim para somar forças para que o
ensino de música torne-se mais eficiente.

A Internet, como grande rede de informações pode e vem sendo explorada tanto
pelos educadores em busca de formações e informações, como também pelos alunos.
Ela pode funcionar como uma biblioteca para pesquisas.
O que é percepção musical?

Segundo Overy & Molnar-Szackacs (2009) a percepção musical envolve desde a


percepção auditiva do som até o reconhecimento de seus parâmetros básicos (altura,
duração, timbre e intensidade) e as relações entre eles. As considerações da citação dos
autores, sobre a definição de percepção musical se caracterizam pelo o ato de um
individuo perceber e classificar os atributos do som de qualquer natureza de sonora.

Outra rica contribuição em relação à percepção musical nos traz Wuytack (1995)
salienta que ensinar os alunos a ouvir, de forma analítica, uma obra musical, é um dos
objetivos da educação musical. Assim, é possível levá-los a apreender e compreender os
vários elementos musicais (timbre, dinâmica, tempo, ritmo, forma, etc.).

Vistos como indispensáveis para musicistas foram desenvolvidos uma série de


métodos destinados a aguçar e aumentar a percepção auditivo/musical em crianças e
adultos. Cursos de música em universidades, conservatórios ou mesmo em escolas
regulares, reservam várias aulas com este propósito.

O termo percepção musical é, muitas vezes, usado como sinônimo de percepção


sonora. Neste caso, sem levar em consideração a melodia, o ritmo e elementos da
linguagem musical.

Link:
http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstream/handle/mec/15124/index.html?sequence=33
O Zorelha é um objeto de aprendizagem que auxilia o desenvolvimento da percepção
musical infantil através de simulações. O jogador pode simular um show de música,
colocando ou retirando músicos no palco.

Todas as instruções das atividades e as dicas dos elementos interativos são fornecidas através
de sons, pois o Zorelha foi projetado para ser usado principalmente por crianças ainda não
plenamente alfabetizadas, pois o jogo é autoexplicativo.

Instruções:

 Para inicia o jogo do Zorelha clique na figura de um alto falante ou nos


instrumentos que aparece na pare superior do vídeo;
 Para colocar os músicos no palco clique nos músicos que aparecem embaixo de
tela. Para retirá-los clique nos músicos que já estão no palco;
 Para mudar a música executada clique na imagem que dá título a música.
Exemplo: Para tocar a música “O sapo não lava o pé”, clique na figura do sapo;

 Para saber o nome dos instrumentos clique no sinal de interrogação junto ao


instrumento que aparece na parte de baixo do seu vídeo.

Procedimentos didáticos.

Como o professor pode utilizar esta ferramenta em sala de aula.

1. Com esta atividade o professor trabalhará com os alunos as seguintes questões:

 Quais os instrumentos que aparecem?


 O que cada um desses instrumentos está realizando?
 Que música está sendo tocada?
 Qual a diferença do som produzido pelos instrumentos?
 Qual é o mais grave?
 Qual é o mais agudo?
 Além de proporcionar aos alunos conhecimento de instrumentos musicais ainda
proporciona apreciação musical com músicas já conhecidas.
2. O professor pode aproveitar para trabalhar músicas infantis;

3. Como exercício o professor pode pedir que os alunos reproduzam o som dos
instrumentos utilizando a voz com onomatopeias. Pode aqui ser realizada uma
atividade lúdica onde um aluno imita a voz de um instrumento para ver quem
entre os colegas consegue adivinhar primeiro. Uma variação desta atividade
pode se dá assim: Dois alunos imitam instrumentos diferentes, na mesma
dinâmica do jogo. Isto proporciona trabalhar inicialmente o ouvido polifônico
entre os alunos.
REFERÊNCIAS

OVERY, K.; MOLNAR-SZACKACS, I. Being together in time: musical experience


and the mirror neuron system. Music Perception, v. 26, p. 489-504, 2009.

WUYTACK, J.; PALHEIROS. G. Audição Musical Activa. Porto Alegre: Associação


Wuytack de Pedagogia Musical, 1995.
Que Ritmo é Esse?

Ensino Fundamental I
4ª Atividade
OBJETIVOS

• Trabalhar percepção auditiva;


• Desenvolver o senso musical;
• Identificar corretamente os ritmos musicais;
• Descobrir as origens dos gêneros musicais mais conhecidos.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

CONTEÚDO MUSICAL

Na música, ritmo pode ser descrito como um movimento coordenado, uma


repetição de intervalos regulares ou irregulares, fortes ou fracos, longos ou breves,
presentes na composição musical. O termo ritmo tem origem na palavra grega rhytmos,
que significa qualquer movimento regular, constante, simétrico. Toda peça musical é
composta por necessariamente três elementos: a melodia (forma como os sons
acontecem no tempo), a harmonia (forma como os sons soam simultaneamente) e o
ritmo. O ritmo é importante para determinar a duração de cada som na música e também
a duração dos silêncios. Uma mesma sequencia de três notas iguais pode dar origem a
três composições musicais diferentes apenas pela variação do ritmo (SANTIAGO,
18/11/2012).

Que Ritmo é Esse?

Essa atividade ajudará a musicalizar crianças, desenvolvendo sua percepção


auditiva através de músicas dos mais variadas gêneros e o mais importante, de maneira
simples e animada. Para se aplicar este jogo em classe de aula é importante que o
professor para maior domínio da atividade, tenha um conhecimento básico sobre
gêneros musicas.
Figura 1

Figura 2

Essa atividade é simples de jogar e muito divertida. Copie o link


http://www.atividadeseducativas.com.br/index.php?id=886 e cole no seu navegador e
logo depois pressione ENTER. Em seguida, será aberta uma página com atividade
proposta pelo próprio site. Observe sua interface figura 1 e veja que para cada gênero
musical tem um jacarezinho vestido com características peculiares do gênero. O
próximo passo é seguir as orientações que vão ser dadas pelo próprio jogo, como por

exemplo: clique no botão ao lado de sua tela e escute com atenção o ritmo. Em
seguida, descubra o ritmo da música escolhendo uma das opções abaixo. Na etapa
seguinte toda vez que o aluno acerta, surgirão na tela informações sobre o gênero
musical. Figura 2.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Neste jogo o professor terá a oportunidade de trabalhar os ritmos musicais mais


conhecidos e populares. Dependendo do professor o jogo poderá ser explorado de forma
individual ou coletiva. No caso coletivo o professor deverá iniciar sua aula explicando
sobre a diversidade de gêneros musicais. Após essa explicação deverá realizar uma
atividade de apreciação musical expondo os vários gêneros musicais tratados
anteriormente. Logo após inicia a atividade proposta no link. O professor deverá
orientar os alunos a ouvirem a música executada pelo jogo. Em seguida os alunos
deverão falar qual foi o ritmo musical executado. O professor também poderá dividir a
turma em dois ou mais grupos e fazer uma gincana onde vencerá o grupo que acertar o
ritmo mais vezes. No caso de trabalhar o jogo de maneira individual o professor deverá
ensinar para a turma a forma correta de jogar o jogo. O professor deverá observar se os
alunos estão conseguindo responder o quis de maneira correta.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Emerson Santiago. Ritmo Musical. Disponível em:
<http://www.infoescola.com/musica/ritmo-musical/>. Acesso em 18 de maio de 2013.
Percepção, Criação e Execução Musical

Ensino fundamental I

5ª Atividade
OBJETIVOS

 Trabalhar percepção auditiva;


 Aprender os nomes das notas musicais e relacioná-las com os números;
 Executar peças musicais sugeridas;
 Desenvolver o sentido de composição utilizando-se dos números.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

 Caixa de som ou fones de ouvido;


 Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
 Projetor multimídia. Data Show

SOFTWARES NECESSÁRIOS

 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

PERCEPÇÃO AUDITIVA

Percepção Auditiva – É a percepção de sons pelos ouvidos. O estudo da


percepção auditiva baseia-se na análise da percepção de timbres, alturas (frequências),
da intensidade sonora (volume), e ainda da percepção rítmica (temporal ou das
durações).

Neste jogo há uma sugestão de habilidades a serem trabalhadas com o intuito de


estimular a audição e a atenção do aluno. Em seguida sugerimos a apresentação dos
nomes das notas musicais relacionando-as com os números indicados.

São sete as notas musicais, ocorrendo seguidamente, a repetição das mesmas,


porém de forma mais aguda.

Do Re Mi Fa Sol La Si Do Re Mi...
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10...
Composição

Além de identificar o nível de desenvolvimento musical do aluno a composição


faz parte dos processos fundamentais da música enquanto fenômeno e experiência.
Aqueles que exprimem sua natureza e significado???. Esses QUEM?? constituem as
possibilidades fundamentais de envolvimento direto com a música, as modalidades
básicas de comportamento. Essa possibilidade é importante mesmo que seja uma
simples composição como uma qualquer realizada por uma criança. Ilari (2000) diz que:

“O ato de compor música envolve a experimentação com sons, a utilização


do ouvido interno e a resolução de problemas. Ao compor uma canção, a
criança pode estar ativando os sistemas de controle da atenção, da memória,
da linguagem, de ordenação sequencial e de pensamento superior, entre
outros. Independentemente de ser representada graficamente, as canções e
obras compostas pelas crianças parecem ser benéficas ao
neurodesenvolvimento” . (p. 16)

Execução de peças

Proporcionar oportunidade para que o aluno experimente, tocando uma pequena peça
conhecida, irá despertá-los a desenvolver sua habilidade artística e de criação para o exercício
da composição.

Copie o Link:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2012/10/placophone.html#links

PLACOPHONE é um simulador de painéis de instrumentos virtuais. Útil para tocar pequenas


peças. Além de ser muito simples de usar. São três instrumento iguais, porém o som produzido é
diferente. Você escolhe o instrumento (xilofone, metalofone e carrilão).

• Ao copiar o link você obterá esta figura, e já pode Tocar com o mouse e ouvir o som
produzido.

Clicando na letra abaixo do instrumento


aparecerá numeração na parte superior do
instrumento. Estes números correspondem
aos números do seu teclado.
Você agora poderá tocar clicando nas teclas
indicadas.

Depois de tocar utilizando os números,


você pode conhecer os nomes das notas

clicando no símbolo (clave de sol).


Clicando nos símbolos (Fá
sustenido e Si bemol), você vai perceber que
estas notas soarão diferentes. Clicando
novamente, voltarão ao som original.

Procedimento didático

1. O professor toca a peça seguindo a sequência numérica abaixo:

Exemplo:
a) Escravo De Jó

58765
656 543
58765
656 543
5353
5358 098
56555 65556567 8 (bis)

2. Em seguida pede para dois dos alunos tocarem a mesma sequência no metalofone
e/ou no carrilhão.
3. Com esta atividade o professor irá trabalhar com a turma as seguintes questões:

a) Qual a diferença do som produzido pelos instrumentos?


b) Qual é o mais grave?
c) Qual o instrumento mais agudo?

4. Que outros sons os alunos conhecem e que podem ser classificados como grave e
agudo?
Com estas questões estarão trabalhando parâmetros do som de forma a:

• Proporcionar aos alunos o exercício da percepção observando a melodia e a


altura das notas relacionando-as com os respectivos números;

• Proporcionar aos alunos a experiência de tocar uma peça musical.


• Em pequenos grupos oportunizar aos alunos aa criarem uma música através
de uma sequência numérica.

b) Peixe Vivo

355446 6535 542443 (bis)


11678765 (bis)
3554466535542443 (bis)

c) O Pobre E O Rico

4 6888 9 8876 56756 46 8889 8876 584


Nesta peça, clique no símbolo para alterar o som do número 7.

d) Na Bahia Tem

4466 8 76 5 9909 88646 6655 4 (bis)


Nesta peça clica no símbolo para alterar o som do número 7.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FRANÇA, C. C.; SWANWICK, K. Composição, apreciação e performance na


educação musical: teoria, pesquisa e prática. Em pauta, Porto Alegre v. 13, n. 21, p. 5-
41, dez. 2002.
ILARI, B. A música e cérebro: algumas implicações do neurodesenvolvimento para
educação musical. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 9, p. 7-16, setembro 2003.
Ritmo – Acompanhe a música
Ensino fundamental I

6ª Atividade

VER SE PODE CONSERTAR: RITMO NÃO TEM ACENTO


OBJETIVO:

 Desenvolver o senso rítmico.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e acesso a internet;
• Projetor multimídia. Data show.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por


exemplo).

RITMO

O ritmo está presente em uma série infinita de atividades na natureza e estas


estão relacionadas com o cotidiano dos seres como por exemplo:

• Nos fenômenos geofísicos temos o movimento das marés, o dia e a noite, a


medida do tempo e a mudança das estações;

• Nos seres vivos podemos perceber ritmo, da respiração, da digestão, do dono e


do estado de vigília, a constância temporal no andar.
O ritmo musical é um acontecimento sonoro, tenha ele altura definida ou não,
que acontece numa certa regularidade temporal. É a ordenação dos sons de acordo com
padrões musicais estabelecidos SCHAFER (1991).

Dalcroze é um pedagogo que fez parte da primeira geração de Métodos Ativos


para a Educação musical. Ele criou a Rítmica que segundo Marianni (2001) podemos
entender como estimulação da atividade motora através eventos musicais, que se tornou
o ponto central da pedagogia de Dalcroze. Ela ainda diz que: “A rítmica exige não
somente a participação do corpo, mas também da mente, pois uma escuta ativa pode
gerar uma consciência rítmica...” (p.41).

Além disso, o desenvolvimento rítmico vai ajudar na interação das faculdades


sensoriais, afetivas e mentais, favorecendo a memória e a concentração, e ao mesmo
tempo estimular a criatividade. O ritmo facilita a aprendizagem motora, estimula a
atividade do executante, determina a qualidade do movimento, facilita e permite a
vivência total do movimento.

Copie o link: http://clickjogos.uol.com.br/Jogos-online/Acao-e-Aventura/Weezer-Jam-


Session/

 Espere carregar e clique em BUDDY HOLLY. Aparecerá esta imagem:

Fig.1

 Antes de clicar em PRESS ENTER TO BEGIN, você pode exercitar os


movimentos nas letras E e O e na barra de espaço, dar movimento aos
percursionistas. Em seguida para começar a música, coloque o cursor na frase
central PRESS ENTER TO BEGIN e clique em ENTER.

Fig. 2

 Logo após começará a tocar uma música, e aparecerão as figuras abaixo


uma após outra. O aluno irá usar os seguintes comandos no teclado do
computador:

• Quando aparecer essa figura amarela usa a tecla e;


• Quando aparecer figura vermelha usa a tecla o;
• Quando for esta figura usa tecla e / o;
• Usar barra de espaço para esta figura
• Quando a figuras acima chegarem neste ponto você aperta a tecla
indicada.

Ao usar esses comandos os bonecos irão fazer percussão. É importante entrar no ritmo
da música, pois esse é o objetivo do jogo.

fig.3

Ao terminar, o jogo exibirá a pontuação e


o aluno vai perceber onde precisa
melhorar.

Aqui você tem a pontuação final.

Se quiser repetir o som, clique aqui.

Para selecionar novo som clique aqui.

Procedimento didático:

• O professor pode trabalhar o ritmo da música antes de pedir a um aluno para


jogar, e para cada figura, criar um movimento corporal como: bater palma,
bater na cadeira, estalar o dedo, bater com a mão direita, depois a esquerda,
etc.;

• Depois que toda classe estiver executando o ritmo, o professor escolhe um aluno
que após o outro para executará o ritmo no jogo.
REFERÊNCIAS

MARIANI, S. Émile Jacques-Dalcroze: a música e o movimento. In: MATEIRO,


Teresa; ILARI, Beatriz (Org.). Pedagogias em Educação Musical. Curitiba: IBPEX,
2011, p. 25-54.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. Trad. Sob a direção de Marisa Trench de O.


Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.
Explorando Sons
Ensino Fundamental I
7ª Atividade
OBJETIVOS

• Conhecer os parâmetros do som (Intensidade, Duração, Altura, e Timbre);


• Desenvolver a percepção auditiva relacionando com o som dos instrumentos.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

SOM

O mundo está cheio de sons. Já parou para pensar nisso? Saberia me dizer o
que é o som? Segundo Iazzetta (2013)“o som é tudo o que nossos ouvidos podem ouvir,
sejam barulhos, pessoas falando ou mesmo música! Os sons que nos cercam são
expressões da vida, da energia e do universo em vibração e movimento”. Para ele:

Som pode ser entendido como uma variação de pressão muito


rápida que se propaga na forma de ondas em um meio elástico.
Em geral, o som é causado por uma vibração de um corpo
elástico, o qual gera uma variação de pressão corresponde no
meio à sua volta. Qualquer corpo elástico capaz de vibrar
rapidamente pode produzir som e, nesse caso, recebe o nome de
fonte sonora. (IAZZETTA, op. cit).

Com isso, segundo o autor, podemos percebero som através de variações de


pressão no ar, aonde essas variações chegam aos nossos ouvidos. Em seus estudos
Iazzetta (2013) estabelece limites de rapidez e intensidade perceptíveis aos nossos
ouvidos.Este comentário é expresso da seguinte forma:

“Para que possamos perceber o som é necessário que as


variações de pressão que chegam aos nossos ouvidos estejam
dentro de certos limites de rapidez e intensidade. Se essas
variações ocorrem entre 20 e 20.000 vezes por segundo esse
som é potencialmente audível, ainda que a variação de pressão
seja de alguns milionésimos de pascal 1”. (IAZZETTA, op. cit).

Podemos representar uma onda sonora a partir de um gráfico bidimensional,


como podemos ver no gráfico abaixo. Esse tipo de gráfico pode prover várias
informações sobre o som. (IAZZETTA, 2013).

Figura: onda sonora.

A figura acima demonstra dois ciclos completos de oscilação de uma onda


senoidal, onde, o eixo que fica ao centro na horizontal designa a passagem do tempo e o
vertical no início da figura designa a variação de pressão em um determinado ponto do
meio. (IAZZETTA, op. cit).

O autor nos dá um exemplo demonstrando a presença do som, constante no


nosso dia a dia.Responda a seguinte pergunta: se fecharmos os olhos seria possível
escutar o silêncio?Atente aos sons a nossa volta, tente perceber o silêncio.

Iazzetta (2013) afirma que “o silêncio é algo quase impossível”, e quê os sons
constituem-se em regulares e/ou irregulares, segundo ele:

“Os cientistas nos ensinam que o som é o resultado das


vibrações das coisas. Tudo o que existe na natureza pode vibrar.
Essas vibrações se propagam pelo ar ou por qualquer outro meio
de condução, chegam aos nossos ouvidos e são transmitidas ao
cérebro para que possam ser identificadas. A vibração regular
desses objetos produz sons com altura definida, em que você
percebe como uma “nota musical”. Esses sons são chamados de
sons musicais. Por exemplo, os sons produzidos pela flauta doce
ou outros instrumentos musicais”. (IAZZETTA, op. cit).

1
Pascal é uma derivação do SI (Sistema Internacional de Unidades)e serve para medir a pressão.Ver em:
<http://nunogouveia.com.sapo.pt/explicacoes_gerais.htm>.
Podemos concluir quê se as vibrações regulares produzem sons regulares,
podemos dizer que as vibrações irregulares produzem sons irregulares, ou seja, sons
sem definições de altura como por exemplo. Assim, esses sons são chamados de ruído.
Podemos citar, a título de exemplo, um som de um motor, ou de uma serra elétrica não
possuem definição. Grande parte dos instrumentos musicais não possui definição.

AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OU PARÂMETROS DOS SONS

Como o enunciado, Parâmetro pode ser definido como característica, assim, os


Parâmetros do Som pode ser definido como sendo as características do Som.

Dividem-se em quatro as características do Som:

• Intensidade;

• Duração;

• Altura;

• Timbre.

INTENSIDADE

É a característicado som que nos permite diferenciar sons fortes e sons


fracos.Podemos dizer que é o volume do som. Esse volume ou intensidade do som é
resultado da energia/força empregada na produçãodas vibrações. Quanto maior a
vibração do corpo, maior a intensidade, ou vice-versa. (PEDRO II, 2013).

DURAÇÃO

É uma propriedade do som. A duração nos proporciona a produção de sons


curtos e/ou longos, onde nos permite diferenciar um do outro. Essa duração do som, ou
seja,os sons curtos ou longos definem-se, na música, pelo tempo de emissão das
vibrações.(PEDRO II, 2013).

ALTURA

A altura seve para distinguir os sons agudos dos graves. Os sons graves são os
sons mais “grossos”, e os agudos são os sons mais “finos”. A altura é determinada pela
velocidade da vibração dos corpos. Os sons ainda podem ter uma altura média, ou seja,
os sons podem ser constituídos como médios. Os sons graves são gerados por vibrações
lentas e os sons agudos por vibrações rápidas.

Outro fator que influencia na altura do som é o tamanho dos corpos vibrantes.
Para exemplificar podemos notar a diferença de altura em dois instrumentos bastante
utilizados, o violão e o contrabaixo. Note que o violão tem o som mais agudo, fino,
enquanto o contrabaixo soa um som grave. Isso porque o violão possui as cordas mais
finas e mais curtas que o contrabaixo, assim, as cordas finas produzem sons finos e as
grossas e longas do baixo produzem sons graves. (PEDRO II, 2013).

TIMBRE

A propriedade do som que nos permite reconhecer sua origem é o timbre


diferencia, “personaliza” o som. Por meio do timbre identificamos “o que” está
produzindo o som. Por exemplo: quando ouvimos uma pessoa falar, um celular tocando
ou mesmo um gatinho miando podemos saber qual fonte sonora produziu o som por
causa do timbre. (PEDRO II, 2013).

DotMixer

Segue tutorial do freeware, o passo a passo explicando como se usa. Este jogo é simples
de executar. Para movimentar o jogo siga as instruções a seguir:

Acesse o site: http://www.exploratorium.edu/music/exhibits/dotmixer/index.html

F2

F1
F3

Figura 1 - Clique e arraste os pontos para começar;


Figura 2 - Clicar duas vezes em um ponto para mudar seu som;

Figura 3 - Clique esses pontos para mudar todos os sons de uma só vez.

AsFiguras 2e 3 demonstram como é iniciado o jogo e ele em andamento.

Procedimento Didático

Disponibilize um tempo da aula para que os alunos explorem o freeware. Esta


exploração será importante, pois é o primeiro contato dos alunos com este freeware.

Esta atividade trará aos alunos conhecimentos acerca do som e seus


parâmetros.
1. Você pode iniciar a atividade pedindo aos alunos para explorarem o jogo, depois
lhes faça algumas perguntas:

 Qual o som mais agudo de um determinado ponto? E qual o mais grave?


 Qual som dura mais? Qual dura menos?
 Qual instrumento eles acham que está soando? Com isso você poderá sondar
o conhecimento deles sobre timbre.
 Qual ponto tem mais volume sonoro?
2. Depois demonstre esses parâmetros no jogo:

 Use os pontos do jogo. Para cima aumenta a intensidade do som. Para baixo
diminui a intensidade do som;
 Os pontos têm diferentes sons e de diversos instrumentos musicais, com isso
você pode explorar os timbres;
 Perceba a forma rítmica com que os pontos apresentam-se, você poderá
trabalhar o parâmetro duração, perceba que as células rítmicas são diferentes
umas duram mais que as outras.
3. Depois o professor pode explorar esses exemplos com os sons do dia a dia e
procurar perceber os parâmetros do som nos sons do cotidiano dos alunos.

4. Bons Estudos!
REFERÊNCIAS

BRITO, T. A. Música na Educação Infantil. São Paulo: Peirópolis, 2003.


IAZZETTA, F. Som. Disponível
em:<http://www.eca.usp.br/prof/iazzetta/tutor/acustica/introducao/som.html>. Acesso
em: 17 de maio de 2013.
MEDEIROS, A. E. G. O. Música: soluções para dez desafios do professor. São Paulo:
Ática, 2011. 96p.
PORTAL de educação musical do colégio Pedro II. O som e seus parâmetros.
Disponível
em:<http://www.portaledumusicalcp2.mus.br/Apostilas/PDFs/6ano_01_Elementos%20
da%20musica.pdf>. Acesso em: 16 de maio de 2013.
Percepção Musical e Teoria

Ensino fundamental I
8ª Atividade
OBJETIVO:

• Conhecer alguns símbolos da escrita musical tradicional;


• Trabalhar a percepção musical dos alunos.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia. Data show

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

PERCEPÇÃO MUSICAL

“Percepção musical é a capacidade de observar e perceber as ondas sonoras


como parte de uma linguagem musical, tanto detalhes como estruturas” (DAMIAN,
2006). Existem pontos importantes a serem considerados no processo auditivo: um
indivíduo saudável fisicamente irá perceber os sons que estão a sua volta, porém
existem pessoas que não tem esse privilégio, pois apresentam algumas deficiências no
aparelho auditivo. Para estes últimos é importante acompanhamento ou tratamento
médico. Existem também pessoas que ouvem os sons, memorizam e reproduzem com
facilidade, e outras ainda vão mais além e conseguem entender cada acontecimento
sonoro musical. Esses são os estágios do desenvolvimento da percepção musical.

ELEMENTOS DA ESCRITA MUSICAL

A pauta musical (ou pentagrama) consiste em cinco linhas horizontais, paralelas


e eqüidistantes. Elas são numeradas de baixo para cima (1ª linha até 5ª linha), assim
como os espaços formados entre as linhas (1º ao 4º espaço) e as notas musicais são
escritas nestas linhas e espaços (MED, 1996).
Copie o link :
http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/search/label/lenguaje%20musical
Utilizando a barra de rolagem no lado direito da tela do computador, vá descendo a
página até encontrar a seguinte imagem:

Com o mouse clica em começar (COMENZAR).

Você verá esta imagem:


Nela você encontrará três figuras musicais:

• PENTAGRAMA: formado por cinco (05) linhas paralelas;


• CLAVE DE SOL: figura colocada no lado esquerdo das linhas;
• NOTAS MUSICAIS: são as figuras que estão sobre e entre as linhas.

COMO JOGAR:

• Clica com o mouse na figura no canto direito você vai ouvi sons de acordo
com a quantidade de notas que estão nas linhas. Ex.: se tiver três notas, você
ouvirá três sons e assim sucessivamente.

• Ouça com bastante atenção e clique em cima da partitura que achar correto.

• Você pode ouvir quantas vezes achar necessário, acertando, passa para o
próximo.

• O jogo apresenta dez (10) níveis, a cada nível vai-se aumentando o grau de
dificuldade, com número de notas e sons. Exercício de percepção.

Observe essas bolinhas

Elas mudarão de cor caso você clique na partitura errada, se ficarem todas preta,
terá que começar de novo o jogo.
Procedimento didático

Este jogo é simples, porém vai proporcionar ao aluno visualizar e conhecer


alguns símbolos da escrita musical tradicional como: pentagrama, clave de sol e notas
musicais.

Com este jogo o professor pode trabalhar a percepção musical dos alunos.

• A diferença das alturas das notas ao soar a melodia:

a. Quando sobe;
b. Quando desce;
c. Quando é igual.
REFERÊNCIAS

DAMIAN, C. M. O ouvido absoluto e o ouvido relativo: vantagens e desvantagens


dentro da educação musical. Revista Nupeart, Florianópolis, v.4, n.4, p. 103-114, set.
2006.

GUSMÃO, P. 2012. Teoria Elementar da Música. Universidade Federal de Santa Maria.


Departamento de Música. Disponível em:
<http://200.18.45.28/sites/musica/images/teoria_elementar.pdf> Acesso em: 16 nov.
2013.

MED, Bohumil. Teoria da Música. 4ª ed. Belo Horizonte: Musimed, 1996


Desenhando a clave de Sol
Ensino fundamental I
9ª Atividade
OBJETIVOS

• Conhecer o símbolo da escrita musical a clave de sol;


• Ajudar na escrita de sinais musicais.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

CONTEÚDO MUSICAL
Segundo o dicionário da língua portuguesa ORTOGRÁFICO (2013) a clave de
sol, é sinal gráfico que, colocado no início da pauta, em certas linhas, dá às figuras nelas
escritas o nome que na escala dos sons lhes compete. A Clave de Sol é um símbolo
musical que se coloca no início do pentagrama, circulando a segunda linha, definindo
que a nota escrita nesta linha é a nota Sol, sendo a partir dela nominadas
sequencialmente as outras, tanto para cima como para baixo. Atualmente é usada
somente sobre a segunda linha da pauta, pois anteriormente também tinha o uso do
mesmo sobre a primeira linha da pauta, no entanto nos dias atuais caiu em desuso.
Escreva a Clave de Sol

Qualquer professor de música sabe desenhar um símbolo complicado como a


clave de sol. No entanto, os primeiros passos na escrita nem sempre é tão fácil os
estudantes do ensino fundamental provavelmente por causa do desafio de dominar as
suas voltas e reviravoltas. Esta atividade é voltada para promover uma maior
familiarização da escrita do alfabeto musical.

Essa atividade é simples de jogar e muito divertida. Copie o link


http://dl.dropboxusercontent.com/u/3931168/Musilinux/99_dibujoClaveSol.swf

e cole URL no seu navegador e logo depois pressione Enter. Em seguida abrirá uma
página com atividade proposta pelo próprio site. Em seguida observe sua interface
semelhante a esta figura que está em cima deste tutorial. Nesta atividade note que ao
lado do pentagrama há uma que o professor devera orientar o aluno a clicar em cima
deste lápis em seguida devera cobrir por cimo da clave de sol que está em um tom mais
claro.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Nesta atividade o professor terá a oportunidade de colocar crianças para


desenhar a clave de sol cobrindo por cima do sinal que está num tom mais claro em
quanto segue as orientações do bonequinho virtual animado que ira incentivar cada vez
em que o aluno não conseguir e elogiar quando o aluno cumprir sua a meta.

REFERÊNCIAS

MED, B. Teoria da Música. 4ª ed. Belo Horizonte: Musimed, 1996.


ORTOGRÁFICO, Dicionário da Língua Portuguesa - Com Acordo. Clave. Disponível
em: <http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/clave?homografia=0>. Acesso em: 20
de maio de 2013.
Trabalhando Percussão Corporal
Ensino Fundamental II
10ª Atividade
OBJETIVOS

• Desenvolver o ritmo utilizando a percussão corporal;


• Descobrir os sons que o corpo produz.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Internet Explorer, por exemplo).

PERCUSSÃO CORPORAL

Em várias culturas existem a prática da percussão corporal, então, o ritmo, o


canto e o instrumento são elementos que deveriam estar sempre presentes no
planejamento do professor, é importante lembrar que as atividades musicais oferecem
oportunidades raras de resgate do prazer e da alegria na sala de aula, tanto para o grupo
de alunos como para o professor. A percussão corporal é uma maneira para trabalhar
música na escola (MARIANI, 2011), pois o corpo é um recurso natural e com ele
produzimos diversos tipos de sons (voluntários, involuntários, intensos, sutis, graves,
médios, agudos, etc) e, poderíamos até listarmos os diferentes timbres que fazem parte
do nosso dia-dia, além da nossa voz.

E ao falar sobre os sons do corpo, alguns de nós não temos noção da infinita
variedade sonora que o corpo é capaz de produzir. Em algumas culturas não é comum a
exploração do som corporal, em outras sim como falamos no inicio do texto.

SONS GRAVES E AGUDOS NO CORPO

Quais são graves e quais são agudos? Ao bater dos pés no chão perceberemos
que produz um timbres mais graves enquanto que as palmas, um dos mais agudos. E
mais: bater a mão na carteira emite um médio agudo, e no peito, médio grave e assim
por diante. À medida que se exercita se descobrem novos sons e é importante classificá-
los.
MOMBAZA

O link do jogo: http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/search/label/cuarto

INICIAR - PAUSAR - PARAR

Verde: Rosa: bater Azul: bater


Branco escutar o
bater palmas no peito nas pernas
movimento

Procedimento pedagógico

O assunto é percussão e possibilitará o professor(a) trabalhar sons em diversas


partes do corpo ou até mesmo em objetos diversos. Partindo dessa proposta palmas,
peito e pé.

É importante escutar com bastante atenção para depois executar. No primeiro


momento, você observa a velocidade com que deve ser executada.
1. Sugerimos que inicie com todos os alunos fazendo o mesmo movimento, que
pode ser: ta, ta, ta, ta repetindo algumas vezes para que se pratiquem conscientemente.
Pare o jogo antes de seguir a diante.
2. Batendo no peito, perceba que o primeiro a batida do primeiro quadradinho
parece mais forte e as outras quase não as ouvimos. Procure executar dessa forma.
Pare e volte pra o inicio, e repita.
3. Execute um, (Tá) Palmas (Tá) pernas (4x). Sempre com bastante atenção. Volte
para o inicio.
4. Execute um, (Tá) Palmas (Tá) peito (3x) e perna sendo que na perna começa
baixinho e a ultima bate forte. Executar sempre com bastante atenção. Volte para o
inicio.
5. Peito, palma (2x) peito, palma perna, perna; peito, palma, peito, palma; (Ta),
perna, (Tá), perna. (Lembre-se sempre de voltar pra o início antes de passar para o
próximo.
6. Peito, palma (2x) peito, palma perna, perna; peito, palma, peito, palma; perna
sendo que na perna começa baixinho e a ultima bate forte. (Lembre-se sempre de
voltar pra o início antes de passar para o próximo.
7. Peito (observe a batida forte)
8. Peito, palma (Tá) perna, perna (3x) peito, perna, perna, perna
9. Para finalizar repete nº 5 e 6.
Trabalhe com seus alunos a percussão de várias formas. O jogo é apenas um
recurso que nos dar um direcionamento ou ideias para incrementar as aulas já que é
possível perceber essa prática nos alunos que estão sempre batendo em alguma coisa.
A sugestão é canalizar essa energia para musicalizar os alunos

• Primeira faça com todos e depois vá dividindo como acha melhor.

• Dividir a sala em três grupos, e seguir o ritmo e a sequência indicada pelo jogo.

• Também pode fazer uma experiência com três alunos e depois divide a turma.

• Meninas e meninos.
REFERÊNCIAS
CONSORTE, P. Sons do corpo – introdução à percussão corporal. Disponível em:
<http://pedroconsortebr.wordpress.com/2012/09/05/sons-do-corpo-introducao-a-
percussao-corporal/>. Acesso em 23 de maio de 2013.

__________. O corpo é um instrumento musical? Disponivel em:


<http://batera.com.br/Artigos/o-corpo-e-um-instrumento-musical-parte-1>. Acesso em
23 de maio de 2013.

GURGEL, T. O corpo como um instrumento musical. Disponível em:


<http://revistaescola.abril.com.br/arte/pratica-pedagogica/corpo-musical-
429664.shtml>. Acesso em 23de maio de 2013.
MARIANI, S. Émile Jacques-Dalcroze: a música e o movimento. In: MATEIRO,
Teresa; ILARI, Beatriz (Org.). Pedagogias em Educação Musical. Curitiba: IBPEX,
2011, p. 25-54.
RUSSANO, R.; ALVARENGA, C. H. A. Música: percussão corporal –
tronco. Disponivel em:
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=22075>. Acesso em
22 de maio de 2013.
SCHAFER, M. O ouvido pensante. Trad. Sob a direção de Marisa Trench de O.
Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.
Memória Musical

Fundamental II - Parâmetros do som – Altura


OBJETIVOS

 Identificar o parâmetro do som altura;


 traduzir a percepção musical em diferentes alturas.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

 Computador, tablet ou celular, todos com áudio e acesso a internet.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

O que é som? Existem diferentes modos de analisar o acontecimento sonoro.


Porém, pensando em um modo simplificado para definir acerca do som, podemos dizer
que o som é: tudo aquilo que o ouvido pode perceber e identificar. Todo e qualquer
som, possui quatro característica que recebem o nome de parâmetros ou propriedades
sonoras e/ou do som: intensidade, duração, altura e timbre. Na atividade a seguir
trabalharemos com o parâmetro altura.
Altura é uma propriedade sonora que todos percebem facilmente desde a
infância, é por meio da altura que identificamos se um som é grave, como o rugido de
um leão e o soar de um trovão, ou se é agudo como o piar de um passarinho e o miado
de um gato.
Apesar de facilmente perceptível é comum que as pessoas não encontrem
palavras adequadas para classificar a altura de um som. Dizem som fino ou fraco em
vez de agudo, e som grosso ou forte em vez de grave.
Na altura refere-se a sons graves, médios e agudos o objetivo é que as pessoas
percebam auditivamente as diferenças sonoras.

Percepção de Alturas
Os Alunos devem acessar o link: http://musicaeadoracao.com.br/25481/jogo-da-
memoria-percepcao-de-alturas/ que abrirá o seguinte jogo:
É um jogo da memória, só que invés de figuras, o aluno deverá memorizar
pequenos trechos melódicos e encontrar os pares de alturas melódicas iguais, assim
trabalhando a percepção auditiva através das alturas das notas.
PROCEDIMENTO DIDÁTICO
O professor deve questionar os conhecimentos prévios dos alunos acerca do
conteúdo. Por exemplo: o que vocês entendem sobre som? O que vocês entendem sobre
altura? Em seguida, relacionar o conceito de altura com os sons do cotidiano para uma
nova compreensão do assunto.
Posteriormente, o professor poderá apresentar vídeos que exemplificam o
parâmetro altura. Link disponível http://www.youtube.com/watch?v=3irJmLF0mpA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
RUSSANO, R.; ALVARENGA, C. H. A. Música: Parâmetros do som 1 - altura.
Disponível em:
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=15573>. Acesso em:
07 de julho 2013.

MEDEIROS, A. E. G. O. Música: soluções para dez desafios do professor, 1º ao 3º ano


do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2011.
DE QUEM É ESSA VOZ

Fundamental II – Parâmetros do som - Timbre


OBJETIVO
 Identificar o parâmetro do som altura;
 Trabalhar a percepção auditiva com o parâmetro timbre.

MATERIAIS NECESSÁRIOS
 Celular ou tablet que tenha função de gravador sonoro.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
 Gravador de voz do celular.

Timbre é a propriedade do som que nos possibilita diferenciar a voz de cada


pessoa, animal, instrumento ou qualquer coisa que emita um som. Graças a ele sabemos
se é um telefone ou uma campainha que está trocando e reconhecemos a voz de um
familiar, de um cantor ou de um animal. Em outras palavras, sempre que identificamos
o que ouvimos, o fazemos pelo timbre. Nosso objetivo não é ajudar o aluno a adivinhar
o som que ouve, mas sim reconhecê-los e identificá-los.
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
O professor deverá dividir a sala em dois ou mais grupos que sairão pelo
ambiente escolar coletando os sons com o auxílio de um gravador, ou até mesmo um
celular com gravador de voz. Esses sons podem ser de pessoas, pássaros, meios de
transporte, etc. e que podem caracterizar os timbres. Se por exemplo, os sons coletados
forem de pessoas, o professor pode sugerir que cada grupo escolherá uma frase, como
“eu te amo”, por exemplo, e pedirá que as pessoas gravem a própria voz falando a frase.
Depois dos timbres colhidos todos voltam, faz-se uma grande roda e cada grupo fará a
sua apresentação de timbres usando a pergunta: De quem é essa voz? E todos escutam
atentamente para responder. Ao fim da brincadeira o professor explica que eles estavam
trabalhando com timbre que é um dos parâmetros que constituem o som. Dá exemplos e
conceitos deixando livre para perguntas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
RUSSANO, R.; ALVARENGA, C. H. A. Música: Parâmetros do som 1 - altura.
Disponível em:
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=15573>. Acesso em:
07 de julho 2013.

MEDEIROS, Ana Elisa Gonçalves de Oliveira. Música: soluções para dez desafios do
professor, 1º ao 3º ano do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2011.
Atividade - 3

Jogo da Memória – Figuras Musicais

Fundamental II – Teoria Musical


OBJETIVOS

 Reconhecer as figuras musicais.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

 Computador, tablet ou celular, todos com áudio e acesso a internet.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

Notação musical é o nome que ao se dá ao sistema de escrita utilizado para


representar graficamente acontecimentos sonoros musicais, permitindo a um intérprete
de uma peça musical que execute os comandos propostos da maneira desejada pelo
compositor ou arranjador da obra. O sistema de notação mais utilizado atualmente é o
sistema gráfico ocidental que emprega símbolos grafados sobre uma pauta de cinco
linhas, também chamada de pentagrama (cinco linhas horizontais paralelas que tem
entre si quatro espaços).

Procedimento didático

O jogo a seguir trabalha a memória com figuras da notação musical, o que


possibilita que o aluno trabalhe a agilidade mental e o reconhecimento das figuras
musicais ao mesmo tempo. Desta forma, para desenvolver essa atividade, o professor só
precisa ensinar aos alunos como utilizar as ferramentas online do jogo, seguindo o
tutorial.

TUTORIAL
1º passo: Os Alunos devem acessar o site: http://musicaeadoracao.com.br/25483/jogo-
da-memoria-figuras-musicais/ que abrirá o seguinte jogo:
2º passo: O aluno deve clicar na opção iniciar. E ao começar o jogo, o cronômetro
começará a marcar o tempo. A intenção é que o aluno consiga terminar o jogo no
mínimo de tempo possível.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
MED, B. Teoria da Música. 4ª edição. Belo Horizonte: Musimed, 1996.

CARDOSO, B.; MASCARENHAS, M. Curso completo de teoria musical e solfejo. São


Paulo: Irmãos Vitalle, 1996.
Jogo da Memória

Ensino Fundamental II - Teoria musical


OBJETIVOS

 Reconhecer as figuras e claves;


 Desenvolver a memória visual do aluno.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

 Caixa de som;
 Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
 Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

 Navegador de internet (Google Chrome ou Mozilla Firefox, por exemplo);


 Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou The KMPlayer, por
exemplo).

CONTEÚDO MUSICAL
Segundo Bohumil Med (1986), existe uma duração relativa dos sons que pode
ser definida pelos os valores musicais (os valores definem as proporções entre as notas).
Valor é o sinal que indica a duração relativa do som e do silêncio.
Podem ser representadas por ordem decrescente de duração, são elas: semibreve,
mínima, semínima, colcheia, semicolcheia, fusa e semifusa.

JOGO DA MEMÓRIA
O Jogo-da-memória utilizado aqui trabalha a partir dos símbolos apresentados, conteúdo
teórico musical. Faz com que o aluno crie um vínculo do conhecimento com uma forma
divertida de aprender, ao mesmo tempo em que se utiliza de tecnologia por meio de
acesso as nuvens.
Para jogar, acesse o site: http://www.canone.com.br/canone/aplicativos/32-jogo-da-
memoria.html
PROCEDIMENTO DIDÁTICO
No primeiro momento, o professor questionará com a turma os conhecimentos
acerca do assunto. Em seguida, apresentará para os alunos a proposta de atividade jogo-
da-memoria. Depois de discutido o professor dividirá em grupos para desenvolver a
atividade. No decorrer da aula o mesmo observará as habilidades e competências do
aluno fazendo assim a avaliação contínua.

REFERÊNCIAS

MED, B. Teoria de música. 3 ed. Brasília: Musimed, 1986.

CARDOSO, B.; MASCARENHAS, M. Curso completo de teoria musical e solfejo. São


Paulo: Irmãos Vitalle, 1996.

ENTENDA as figuras rítmicas ou figuras musicais. 2011. Disponível em:


<http://www.portalmusica.com.br/entenda-as-figuras-ritmicas-ou-figuras-musicais/#>
Acesso em: 20 mai. 2013.
Atividade - 5

Pentagrama, Claves e Disposição das Notas


Ensino Fundamental II - Teoria Musical
OBJETIVO
 Identificar a disposição das notas nas claves de SOL e FA (3ª e 4ª linha) e a de
DO na (1ª, 2ª, 3ª e 4ª linha), observando a oitava em que as notas estão escritas;
 Ensinar os alunos a identificar as notas musicais no pentagrama fazendo relação
às suas respectivas localizações no teclado.

MATERIALNECESSÁRIO
 Computador com acesso à internet e caixas de som;
 Projetor multimídia.

SOFTWARESNECESSÁRIOS
 Adobe Flash Player instalado e atualizado;
 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

A escrita tradicional da música (conhecida como partitura) é a forma mais


prática e eficaz de se comunicar musicalmente em qualquer lugar do planeta. Através
dessa escrita você é capaz de escrever e ler música de maneira precisa.
Assim como nossos cadernos pautados possuem linhas para nos ajudar a
escrever de maneira organizada, a escrita tradicional possui um elemento que serve para
escrever as notas musicais de maneira organizada: o pentagrama ou pauta. Segundo
Bohumil Med (1996), o pentagrama “é a disposição de cinco linhas horizontais
paralelas e quatro espaços intermediários, onde se escrevem as notas musicais”. Note na
figura abaixo que as linhas e espaços são contados de baixo para cima:

Além das linhas e espaços existentes no pentagrama, o escritor (ou leitor) pode
se deparar com situações onde são necessárias mais algumas linhas ou espaços para
escrever (ou ler) aquilo que está na música. Quando necessário, pode adicionar
pequenas linhas para escrever o que se pede na música. As linhas adicionadas abaixo do
pentagrama são chamadas de linhas suplementares inferiores, e as linhas adicionadas
acima do pentagrama são chamadas de linhas suplementares superiores. Este é um
recurso muito importante, mas existe um número-limite de linhas que podem ser
adicionadas. Você poderá adicionar no máximo cinco linhas acima e abaixo do
pentagrama. (Exemplo ilustrado na figura abaixo).
Existe outro elemento fundamental para a escrita tradicional chamado clave, que
“é um sinal escrito no início do pentagrama que dá seu nome à nota escrita em sua
linha” (MED, 1996). Existem três claves diferentes: clave de sol, clave de fa e clave de
do.

Clave de Sol Clave de Fa Clave de Do

A clave de Sol serve para fixar a nota Sol na segunda linha. A partir daí é
possível saber onde estão as demais notas. Esta clave é usada para instrumentos como
flauta, violão e voz. Observe como fica a disposição das notas no pentagrama usando a
clave de Sol:

A clave de Fa pode ser escrita na 3ª ou 4ª linha. Esta clave é utilizada para


instrumentos com som mais grave, como o contrabaixo e o trombone. Observe como
fica a disposição das notas no pentagrama usando a clave de Fa na 4ª linha:
A clave de fa também pode ser escrita na 3ª linha, como está ilustrado abaixo:

Note que a clave de Sol pode ser usada como uma continuação da clave de Fa na
4ª linha:

Utilizando as duas claves você tem a possibilidade de escrever notas que vão
desde o do1 (escrito na segunda linha suplementar inferior da clave de Fa) até o do5
(escrito na segunda linha suplementar superior da clave de sol). Existem instrumentos
que utilizam as claves de Fa e Sol simultaneamente. Os mais comuns são o teclado e o
piano.
E por último, a clave de Do serve para fixar a nota Do, e assim como a clave de
Fa, ela é móvel, ou seja, pode ser escrita em mais de uma linha. O mais comum é
encontrá-la escrita na 3ª linha, porém também é possível encontrá-la na 1ª, na 2ª e na 4ª
linha. O instrumento mais comum que utiliza essa clave é a viola.
Music Match

Exponha aos alunos todo o conteúdo ensinado nesta atividade. Faça com que
eles tenham o mínimo de familiaridade com a disposição das notas nas claves de Fa e
Sol. Apresente para eles a figura abaixo e explique fazendo relação das notas no
pentagrama às teclas do teclado. A atividade a seguir trabalhará com a disposição das
notas nas claves de sol e de fa na 4ª linha.

O link do jogo é <http://jogosmusicais.blogspot.com.br/2011/05/music-


match.html>. O jogo é dividido em duas lições:
1- Identificar no pentagrama as notas que são executadas no teclado. Para
iniciar a primeira lição clique em “learn the notes”. A primeira nota será executada no
piano e você deverá clicar na nota correspondente no pentagrama. Note que a barra ao
lado da palavra “time” diminui gradativamente. Ela representa o tempo restante que
você tem para responder à questão
2- Identificar no teclado as notas escritas no pentagrama. Para iniciar a a
segunda lição clique em “learn the keys”. Aparecerá uma nota escrita no pentagrama e
você deverá indicar no teclado a nota correspondente àquela escrita. Para alternar a
seleção para bemol segure a tecla “Ctrl”. Por exemplo, se no pentagrama estiver
indicada a nota La sustenido, apenas clique na nota correspondente. Mas, se estiver
indicada a nota Si bemol você deve segurar a tecla “Ctrl” e clicar na nota.
PROCEDIMENTO DIDÁTICO
Nesse jogo o professor terá a oportunidade de trabalhar de dois modos:
utilizando o teclado para ensinar aos alunos a disposição das notas na pauta utilizando a
lição 1, ou através das notas escritas na pauta ensinar aos alunos a disposição das notas
no teclado. Uma das vantagens desse jogo é que ele não se limita apenas a uma oitava
do teclado. Utiliza a escrita nas claves de Fa e Sol simultaneamente. Se intenção do
professor for ensinar a disposição das notas no pentagrama através do teclado, então ele
deverá direcionar os alunos a responder a lição 1, na qual ele deverá estar atento a nota
executada no teclado, é interessante indicar onde aquela nota fica situada na pauta. O
professor deve orientar os alunos a ficarem atentos à oitava em que a nota está escrita,
pois inicialmente é comum que os alunos se confundam e troquem as oitavas quando
forem indicá-las no pentagrama. Por exemplo, no teclado é executada a nota La2, mas o
aluno se confunde e indica a nota La3 no pentagrama.
Quando confrontado com uma realidade onde os alunos já tem conhecimento da
disposição das notas na pauta, mas está iniciando o contato com teclado, o professor
poderá utilizar a lição 2 para fazer com que os alunos tenham mais agilidade para
encontrar no teclado as notas escritas na pauta. Assim como na lição dois o professor
deve direcionar os alunos a prestarem atenção nas oitavas indicadas no pentagrama
antes de indicarem a nota correspondente no teclado.

REFERÊNCIAS

MED, Bohumil. Teoria da Música. 4ª edição. Belo Horizonte: Musimed, 1996.


Desenvolvendo a memória com notas musicais

Fundamental II - Percepção
OBJETIVOS
 Trabalhar a percepção audiovisual;
 Associar memória auditiva com a visual.

MATERIAIS NECESSÁRIOS
 Computador, tablet ou celular com acesso a internet e caixas de som;
 Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);
 Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou Quicktime, por exemplo).

O termo audiovisual refere-se a toda forma de diálogo que envolve ao mesmo


tempo, a percepção destinada ao ouvido e ao olho. Nesta atividade iremos trabalhar a
memória, pela visão, e as notas naturais, em suas devidas alturas, pelo ouvindo,
procurando desenvolver e envolver ambos os sentidos, ver e ouvir.

Procedimento didático
Esse jogo pode ser realizado da seguinte forma: Usando apenas o computador e caixas
de som para reproduzir o áudio, o professor abre o jogo da memória na internet pelo site
<http://www.musicanainternet.com.br/landing/> que abrirá está página:

Em seguida clica na opção “teste sua memória musical” e abrirá o jogo visto abaixo:
Clica na opção jogar:

É preciso bastante atenção, pois se dá bem no jogo quem conseguir finalizar em


uma menor quantidade de tentativas, ou seja, a atenção é o fator primordial. O jogo é
simples. Ao clicar nos quadradinhos, será executada uma nota. É preciso memorizar as
localizações das notas semelhantes encontradas e formar pares. Cada par encontrado
sumirá do jogo, diminuindo então a quantidade de notas do quadro. Pode-se
desenvolver também uma competição elegendo os que conseguirem finalizar o jogo em
uma menor quantidade de tentativas. Essas competições sempre funcionam muito bem
com crianças e adolescentes. Vale salientar que o nível da brincadeira pode subir. Se os
alunos clicarem na opção “dificuldade” que se concentra na parte superior do lado
direito do jogo, poderá incluir mais oitavas e tirar ou colocar opção de cores e nomes de
notas, como demonstra a imagem abaixo:
A brincadeira subirá graus de dificuldade e em uma segunda etapa, as notas só formam
um grupo se forem da mesma oitava. Tornando o jogo cada vez mais complicado.
Com esta atividade estaremos explorando a sensibilidade, a apreciação e percepção
audiovisual de cada aluno e também a atenção.

REFERÊNCIAS
ALVES, J. Disponível em: <http://www.ipv.pt/forumedia/3/3_fi6.htm>. Acessado em
09 de julho de 2013.
Atividade – 7
Notas Naturais no teclado
Fundamental II - PERCEPÇÃO E SOLFEJO
OBJETIVOS
• Conhecer a localização das notas naturais no teclado;
• Conhecer e memorizar a cifra popular dessas notas;
• Solfejar essas notas musicais.

MATERIAL NECESSÁRIO
• Computador com acesso à internet e caixas de som;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES
• Adobe Flash Player instalado e atualizado;
• Java atualizado;
• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

Existem sete notas musicais naturais. Elas recebem nomes de: Do, Re, Mi, Fa,
Sol, La e Si. Essas notas podem ser representadas de várias maneiras, as formas mais
usadas entre os músicos são através do pentagrama e por e cifras (letras).MED (1996)
Nessa aula entenderemos como algumas letras do alfabeto se relacionam com as notas
musicais. Essa linguagem através das letras e chamada de cifra popular.
As letras são: C, D, E, F, G, A, B e Suas respectivas notas:
C = Do
D = Re
E = Mi
F = Fa
G = Sol
A = La
B = Si
As notas musicais podem ser tocadas por algum instrumento, cantadas e até solfejadas.
Solfejar consiste em entoar sons musicais dizendo o nome da nota ou uma sílaba
qualquer, por exemplo, “lá, lá, lá”.
Rainbow Piano
Neste jogo o piano contém apenas as sete notas musicais naturais na sua devida
sequência em cifra popular.
Primeiro, o professor visualizará o piano e verá que existem sete teclas com cores
diferentes, cada qual com uma nota específica.
A partir daí propor os conceitos básicos e exercícios simples de solfejo e percepção.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO
O professor deve lecionar uma breve aula sobre as notas musicais, cifras e solfejo, logo
depois poderá executar quatro exercícios simples com o objetivo de fixar os conteúdos
estudados de forma a trabalhar com toda a turma.
Primeiro exercício:
Apenas tocar o mouse do teclado em cima das notas C, D, E, F, G, A, B para ouvir os
sons das mesmas e perceber suas diferentes.
Segundo exercício:
Tocar cada nota três vezes, e logo depois solfejá-la dizendo o nome da mesma.
Terceiro exercício:
Tocar cada nota uma vez, e em seguida solfejá-la, na sua sequência natural (sem
alterações) dizendo o nome da mesma. Depois executar esse mesmo exercício em
grupos. Cada nota será solfejada por um número “x” (a ser definido pelo professor) de
alunos contidos numa fila de cadeiras na sala de aula.
Exemplo: Tocar a tecla C, ouvir o som, depois que tiver escutado, pode solfejá-la
dizendo o nome da nota, e assim por diante, até a última nota.
Quarto exercício:
Tocar e depois solfejar as notas do teclado de maneira alternada dizendo os nomes das
mesmas.
Obs.:O professor poderá instruir os alunos a passarem a solfejar os sons que ouvirem no
seu cotidiano, seja de música ou notas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PRIOLLI, M. L. M. Princípios Básicos da Música para Juventude. 49ª Edição Revista e


Atualizada. 1º v. Rio de Janeiro: Casa Oliveira de Músicas Ltda., 2007. 142p.

MED, Bohumil. Teoria da Música. 4ª edição. Belo Horizonte: Musimed, 1996.


Atividade 8
Descobrindo as Notas Musicais
Fundamental II - Percepção
OBJETIVOS
• Conhecer o som das notas musicais;
• Distinguir a relação de intervalos entre duas notas seja ascendente ou
descendente;
• Aprimorar a audição do aluno através desse exercício;
• Memorizar a altura de cada nota disposta no exercício.

MATERIAIS NECESSÁRIOS
• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Caixa amplificada ou aparelho de som;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

O conteúdo dessa atividade abordará a iniciação da teoria musical, na qual será


abordada as 13 notas musicais (Do, Re, Mi, Fa, Sol, La, Si e Do uma 8ª acima),
apresentando e aprimorando a percepção auditiva do aluno, fazendo com que através
desse jogo ele possa memorizar a altura de cada nota da escala diatônica musical.
Segundo MED (1996).
“escala é uma sucessão ascendente e descendente de notas
diferente consecutivas; “é um conjunto de notas disponíveis num
determinado sistema musical”; “é uma sucessão ordenada de
sons, compreendidos no limite de uma oitava”.

Na música ocidental temos como base essas sete notas musicais, somando mais seis
notas que são variações dessas notas. Essas variações são demonstradas através de
sinais de alterações. Esses sinais de alteração são responsáveis por variar a altura da
nota em meio-tom (tom é uma unidade de medida musical usada para medir o intervalo
de altura entre duas notas, consequentemente, meio-tom é a metade de um tom) mais
alta ou mais baixa dependendo do sinal de alteração. Esses sinais são basicamente dois:
o sustenido (#), sinal esse que é conhecido popularmente como jogo da velha, cerquilha,
nas redes sociais também é conhecido como “hashtag”, que ao ser somado com uma
nota musical, DO# por exemplo, a sua altura varia um pouco acima do normal.
Diferente do sustenido que serve para aumentar meio-tom, temos o oposto dele o bemol
(b), que ao contrário do sustenido ele serve para diminuir meio-tom. As notas musicais
são definidas auditivamente através de vibrações que são denominadas de Hertz, que de
uma nota para outra, por exemplo do DÓ para o RÉ, a quantidade de hertz é bem
diferente. Escolhemos aqui a escala de dó começando do DÓ4, que é o dó mediano que
está encontrado nas teclas do médio agudo do piano:

Abaixo segue a altura das notas musicais representadas em hertz:


* Dó 4 = 261.63 Hz
* Dó 4 sustenido (ou Ré 4 bemol)= 277.18 Hz
* Ré 4 = 293.66 Hz
* Ré 4 sustenido (ou Mi 4 bemol) = 311.13 Hz
* Mi 4 = 329.63 Hz
* Fá 4 = 349.23 Hz
* Fá 4 sustenido (ou Sol 4 bemol) = 369.99 Hz
* Sol 4 = 392 Hz
* Sol 4 sustenido (ou Lá 4 bemol) = 415.3 Hz
* Lá 4 = 440 Hz
* Lá 4 sustenido (ou Si 4 bemol) = 466.16 Hz
* Si 4 = 493.88 Hz
Note que estamos falando de DÓ 4, o que mostrou na página anterior oito tipos
de DÓ. A escala permanece a mesma, o que ocorre é que os valores dos hertz quando
duplicado torna-se musicalmente falando a nota real um oitava acima (8ª’s), duas
oitavas acima, três, e assim sucessivamente. Nessa atividade iremos trabalhar com a
escala diatônica do DÓ 4 ao DÓ5, havendo variações que no caso agora chamaremos de
notas alteradas (DO#, FA#, SOL#, LA#, REb, MIb, SOLb, LAb e SIb).
Vale salientar que nessa atividade ocorre com as notas alteradas com sustenido.
Um fato interessante nessa atividade é que se pode trabalhar a enarmonia, que é um
termo musical que é usado para notas com a mesma altura, mas que possuem nomes
diferentes. Exemplo: DO# = REb, FÁ= MI#, FAb= MI. O som pode ser igual na prática,
mas dependendo do contexto teórico essa nota poderá ter nomes diferentes.

Pratique Música

Primeiro, deve-se abrir o link do site, na qual será aberta a página do jogo, e logo
depois clicar o mouse em NOVO JOGO. Clicado em NOVO JOGO, inicia-se o jogo.
Nesse momento um som de nota é emitido por um instrumento musical, onde este é
possível muda-lo, clicando no ícone de alguns instrumentos musicais. Quando o som é
emitido devemos clicar o mouse na nota musical que aparece na imagem que
corresponde ao som ouvido. Caso não acerte da primeira vez, é possível repeti-la
quantas vezes quiser. Na medida em que acertamos acumulamos pontos, e quando
erramos três vezes o jogo encerra-se.

O link do jogo http://www.pratiquemusica.com.br/ouvido-absoluto.jsp

PROCEDIMENTO DIDÁTICO
Esta atividade poderá ser realizada em um laboratório de informática, ou até
mesmo em sala de aula tendo um computador, um projeto multimídia, uma caixa
amplificada e internet. É interessante por a turma toda para treinar, pode-se juntar em
grupos para que os alunos possam compartilhar as conquistas mutuamente, e também
fazer uma competição ou gincana. Já de maneira individual, cada aluno jogará seu
próprio jogo, acontecendo dessa maneira com acompanhamento do professor.
Esta atividade também poderá ser executada ao término de uma aula sobre
Física, nos assunto de acústica. Fazendo a transversalidade sobre notas musicais
naturais e alteradas, e percepção de sons, num período aproximado de 60 minutos de
aula.

Referências Bibliográficas
ARPEJO exótico. Blog Uol. Disponível em: <http://arpejos.zip.net/arch2004-06-
20_2004-06-26.html>. Acesso em: 14 ago. 2013.

MED, B. Teoria da música. 4. ed. Brasília: Musimed, 1996. 420 p.


Atividade – 9
Fundamental II
SEM PERDER O RITMO
OBJETIVOS
• Trabalhar a concepção de pulsação rítmica usando o metrônomo;
• Trabalhar as diferentes durações de tempo.
MATERIAIS NECESSÁRIOS
• Tablet, Smartphone com acesso a internet;
• Metrônomo online;
• Aparelho de som.
SOFTWARES NECESSÁRIOS
• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

O metrônomo é um aparelho que produz pulsos constantes e regulares e por


controlar o tempo, ele é usado pelos músicos com a finalidade de definir o andamento
de uma composição musical. O metrônomo pode ser usado para estudos rítmicos,
estudos de interpretação e gravações musicais. Todas as situações de uso de um
metrônomo tem as mesmas finalidades, as de não acelerar nem diminuir o andamento da
música e sim, ou seja, começar e terminar na mesma frequência rítmica.
Hoje com a tecnologia, é possível baixar aplicativos de metrônomos em nossos
aparelhos eletrônicos e principalmente em links fornecidos pela internet.

PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS
Essa atividade requer que os alunos desenvolvam a pulsação rítmica ouvindo o
metrônomo e exercitando e construindo diferentes métricas que fazem menção as
divisões de tempo.
O professor deverá dividir a sala em três (3) grupos que formarão filas e andarão
em passos de acordo com a frase rítmica estipulada pelo professor, vejamos as frases:
• Frase: PIniquim, PInicão- essa frase conduz o aluno a andar de dois em dois
tempos, sempre na silaba (pi) ou seja, no inicio de cada palavra. O aluno só
deverá andar de duas em duas pulsações do metrônomo.
• Frase: PAssa o DIA inTEI-ROdeBAIxo DO chuVEI-RO – Essa frase conduz
o aluno a andar em cada tempo, de acordo com a pulsação do metrônomo. As
sílabas maiúsculas apontam o momento exato que o grupo deve andar.
• Frase: Toma limonada pra acordar de madrugada. Essa frase conduz o aluno
a subdividir o tempo. É o grupo que anda mais rápido. Enquanto o grupo da
frase [2] anda de acordo com o pulso do metrônomo o grupo [3] dar dois passos
em apenas um pulso, ou seja, andam no tempo e contratempo.
Os grupos, a partir do comando do coordenador da dinâmica, podem ficar mudando de
frase. Isso fará com que todos os grupos experimentem a execução das três frases
rítmicas abordadas.
Link do metrônomo sugerido:
http://www.metronomeonline.com/

Para usar o metrônomo deve-se clicar na opção (on) automaticamente uma pulsação
iniciará. É possível escolher também a velocidade do metrônomo, nas opções de bpm
(batidas por minuto) que estão disponível ao redor de todo metrônomo.
Obs: Sugestão para bpm - 100 bpm.
Referências bibliográficas

HIRATA, G. 05 out. 2004. O que é e como usar um metrônomo? Disponível em:


<http://webventureuol.uol.com.br/h/noticias/o-que-e-e-como-usar-um-metronomo/12952>.
Acessado em: 05 de ago. 2013.

O que é um metrônomo? pra que serve? Disponível em:


<http://cantinhomusica.blogspot.com.br/2010/06/o-que-e-um-metronomo-pra-que-
serve.html>. Acessado em 05 de agosto de 2013.
ATIVIDADE 10
Brincando e Tocando Com o Corpo
Ensino Fundamental II
Parâmetros, Ritmo e criação
OBJETIVO
• Incentivar os alunos a buscarem sons que o corpo pode produzir;
• Desenvolver a coordenação motora;
• Apreciar e analisar músicas de grupos de percussão corporal;
• Trabalhar as habilidades de criação musical.

MATERIAL NECESSÁRIO
• Dispositivos que tenham aplicativos para gravações de áudio e/ou vídeo
(celulares, tablets, etc.);
• Computador com acesso à internet e caixas de som;
• Projetor multimídia, data show.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);
• Reprodutores de mídia (Windows Media Player ou The KMPlayer, por
exemplo).

A utilização da percussão corporal como instrumento de musicalização além de


ser um método interativo de repassar os conhecimentos musicais, também pode ser
proveitosa em uma realidade onde a escola não possui recursos (como instrumentos
musicais, por exemplo). Através da percussão corporal os alunos terão uma ótima
oportunidade de desenvolver suas capacidades motoras, pois é uma atividade onde eles
trabalharão com braços, pernas, tronco e cabeça, e tudo isso contribuindo para o
desenvolvimento das habilidades auditivas. O desenvolvimento dessas habilidades
auditivas faz com que os indivíduos cresçam respondendo de forma mais satisfatória a
estímulos sonoros, sejam eles sons desorganizados ou música.
Aulas de percussão corporal instigam o aluno a buscar conhecer o próprio corpo
e os sons produzidos por ele. O professor deverá utilizar a descoberta desses sons para
abordar conteúdos que sejam importantes, como parâmetros do som, por exemplo. E a
utilização desses sons é, sem dúvidas, uma porta de entrada para o mundo musical, onde
através da sua experiência sonora cada aluno será levado a criar suas próprias músicas e
recriar suas músicas favoritas. Mas é importante lembrar que toda a experiência musical
dos alunos começa com a apreciação. Por isso é importante separar um tempo nas aulas
para fazer atividades de apreciação musical com os alunos. Esses momentos de
apreciação servirão para que estes entrem em contato com gêneros musicais diversos e
diferentes daqueles aos quais eles estão habituados, além de permitir que tenham
contato com o mundo musical através de diferentes experiências sonoras.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO
Em um primeiro momento o professor deverá apresentar vídeos de grupos
conhecidos que trabalham com percussão corporal, como o Grupo Barbatuques e o
Slammin All-body Band. Esse momento servirá para que os alunos comecem a se
interessar pela busca de sons que podem ser produzidos através do corpo. Ao
observarem os vídeos provavelmente muitos alunos tentarão imitar os sons que mais
chamarem a atenção deles. Então, o próximo passo é pedir que os alunos façam
gravações dos sons que conseguirem produzir. Para isso eles devem utilizar seus
celulares, tablets e/ou qualquer outro aparelho que tenha a função de gravação. Nessa
etapa fica ao seu critério (e sua disponibilidade de tempo) resolver se os alunos podem
fazer isso em casa ou durante a aula. Estimule-os a criarem vários sons diferentes.
Depois de todos fazerem suas gravações, cada um deve apresentá-los ao restante da
turma explicando como conseguiu produzir aquele som presente na gravação.
Depois de feito o levantamento de sons é hora de iniciar uma atividade de
composição. Como os alunos já possuem um pequeno vocabulário de sons corporais é
possível fazer uma pequena composição utilizando os sons descobertos por cada um.
Nessa hora o professor pode dividir a turma em grupos onde cada grupo vai ser
responsável por executar sons graves, médios ou agudos. Também é possível trabalhar
de maneira totalmente individual, onde cada aluno vai ser responsável por uma voz. No
entanto, é interessante que todos os alunos participem da composição. Se os alunos
sentirem dificuldades de compor, o professor deve orientá-los a lembrar de como eram
as músicas nos vídeos dos grupos que foram apresentados anteriormente. Assim essa
atividade também se transformará em um exercício de análise musical, pois analisando
composições existentes no gênero os alunos estarão mais aptos a desenvolverem sua
própria música.
Depois de terminado o processo de composição, o professor poderá realizar uma
gravação para registrar o a música feita pelos alunos.
O professor é livre para adaptar essa atividade a outras realidades. Por exemplo,
se quiser trabalhar a mesma atividade com turmas mais avançadas, você pode pedir para
que os alunos criem loops com os sons que eles conseguiram descobrir ou façam suas
composições individualmente utilizando softwares como o Audacity.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRITO, J. A. M. Expressões corporais e suas contribuições para a aprendizagem


musical. Brasília: Unb, 2012. 13 p.

LIMA, S. A.; RÜGER, A. C. L. O trabalho corporal nos processos de sensibilização


musical. Opus, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 97-118, jun. 2007.
Trabalhando os ritmos utilizando a voz e corpo

Ritmo e criação - percussão corporal

Atividade – 11
Fundamental II
OBJETIVOS
• Trabalhar a percepção audiovisual;
• Associar memória auditiva com a visual;
• Utilizar o corpo como uma ferramenta eficaz, para emitir sonoridades musicais
interessantes;
• Trabalhar a prática em conjunto;
• Trabalhar o processo de criação.
MATERIAIS
• Computador, tablet ou celular e caixas de som;
• Projetor multimídia.
SOFTWARES
• Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou Quicktime, por exemplo);
• Editor de texto (Microsoft Word ou WordPad, por exemplo).

Trabalhar explorando os sons dos timbres encontrados no corpo é uma


ferramenta que vem sendo desenvolvida ao longo dos anos e vem possibilitando o fazer
musical de forma divertida e envolvente. Trabalhando utilizando a voz e a percussão
corporal – como vem sendo chamado – dar margem para se abordar vários outros
aspectos da música, como os parâmetros sonoros, explorando os timbres, a intensidade,
duração, etc., os diferentes ritmos, entre outras feições. Os vários aspectos que podem
ser somados à atividades, dependerá também da condução e da criatividade do professor
frente a mesma.
Procedimentos metodológicos
Essa brincadeira pode ser realizada da seguinte forma: Usando apenas o
computador e caixas de som para reproduzir o áudio, o professor abrirá o seguinte link
que mostrará uma bateria virtual: <http://virtualdrumming.com/drums/windows/lars-
ulrich-drums.html>.

Com a exposição da bateria, o professor mostrará os diferentes timbres extraídos dela:


bumbo, caixa, e hihat (mais conhecido como chimbal), e demais timbres. Porém, nesta
atividade usaremos somente esses três sons, (bumbo, caixa e chimbal). Ao abrir a
bateria virtual, a mesma nos dará os comandos para cada som:
Letra B – BassRigth: referente ao bumbo.
Letra C – SnareLeft: referente a caixa.
Letra Z – HihatLefit: referente ao chimbal.

Depois de executados os timbres, o professor deve propor que os alunos imitem os sons
dos timbres. O professor atribuirá para cada timbre uma figura e dividirá a sala em
grupo para cada grupo executar um som diferente.

Bumbo

Caixa

Chimbal

O professor pode propor uma atividade justando os três timbres. vejamos:

Ex: 1 e 2 e 3 e 4 e
Os sons e ritmos devem ser bem simples. É preciso memorizar as figuras para
desenvolver a atividade com segurança e precisão.

Depois de trabalhar o repertório proposto pelo docente, pode ser interessante estimular
os alunos a escolher suas músicas e trabalhar seus próprios ritmos, trabalhando sua
criatividade. A intenção da brincadeira é trabalhar a memória, a percepção audiovisual e
principalmente o desenvolvimento de criação do aluno. É interessante bolar um tipo de
competição, dividindo a turma em dois ou três grupos. Essas competições sempre
funcionam muito bem com crianças e adolescentes. Com esta atividade o professor
estará explorando a sensibilidade musical, apreciação e atenção de cada aluno.

Referências Bibliográficas

NOGUEIRA, M. A. A música e o desenvolvimento da criança. Revista da UFG, Vol. 5,


No. 2, dezembro de 2003.
Atividade – 12

BATERIA ONLINE – RITMO, CRIAÇÃO E PERCEPÇÃO


FUNDAMENTAL II
OBJETIVOS
 Estudar a pronúncia e significado de algumas palavras da língua inglesa que se
encontram no jogo. ex.: kick, share, hihat e etc.;
 Desenvolver a criatividade e percepção musical para composição de ritmos.

MATERIAIS NECESSÁRIOS
 Caixa de som;
 Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
 Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
 Navegador de internet (Google Chrome; Mozilla Firefox ou Internet Explorer,
por exemplo);
 Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou QuickTime, por exemplo).

Compassos – Primeira Parte


Para que possamos trabalhar com a bateria eletrônica online é necessário
entendermos um pouco sobre compasso. Um compasso é a reunião do número mínimo
de batidas para definir um ritmo. Por exemplo, em uma valsa, o conjunto de uma batida
forte seguida de duas batidas fracas são um compasso. Na marcha, cada batida forte
seguida de uma fraca é um compasso.
Os tempos de um compasso não precisam ser marcados por algum instrumento.
Outra coisa, essencial, O NÜMERO DE TEMPOS DE UM COMPASSO NÃO
PRECISA SER O MESMO NÜMERO DE NOTAS! Quer um exemplo? Em "Sun
King", a palavra "King" é cantada sobre uma só nota, que ocupa todo o compasso. Ou
seja, enquanto tocamos essa nota, contamos as quatro batidas normais. Temos uma nota
ocupando o compasso todo. No final da música, quando eles cantam "Mondo
papparazzimi amore de felice..." eles estão cantando oito notas, mas o compasso
continua a ter quatro tempos, ou seja quatro batidas. No primeiro caso, as quatro batidas
foram agrupadas em uma só nota. No segundo, as quatro batidas foram divididas em
oito notas, isto é, a cada batida cantavam-se duas notas.
Por que dividir os compassos?
Para o músico saber qual acentuação dar à música. Quando falamos em
acentuação, não estamos nos referindo à isto, mas à batida forte de um compasso. As
palavras não têm sílabas fortes e fracas a música também é assim, um compasso têm
batidas fortes e fracas, como falamos anteriormente. É justamente para saber qual deve
ser a acentuação, isto é, quais as batidas fortes e fracas que a música é dividida em
compassos.
Os compassos são classificados de acordo com o número de batidas
(tempos).Essas batidas repetem-se continuamente durante a música. Para que saibamos
qual é a batida forte e a fraca, nem sempre basta ouvir. Por exemplo, no começo de Sun
King, do Abbey Road, não há nenhum instrumento marcando o ritmo. Não há marcação,
mas o ritmo está implícito. Repare: quando eles cantam "Here", é possível marcar
quatro batidas. "Comes", três batidas e "the" uma. "Sun" e "King", mais quatro batidas.
Por que conseguimos sentir o ritmo mesmo sem a marcação? Porque a música está
dividida em compassos.
Binários: têm duas batidas – uma forte e uma fraca
Ternário: três - uma forte e duas fracas
Quaternário: quatro - uma forte, uma fraca, uma menos forte e outra fraca

Como podemos perceber, a primeira batida de um compasso sempre é forte.


Indicamos no começo de uma partitura qual é o compasso que estaremos seguindo,
especificando sempre quantos tempos, isto é, batidas, teremos por compasso. Mais uma
vez: dizer que eu tenho três batidas em um compasso não quer dizer que eu tenho três
notas.
Ouve-se frequentemente dizer: "ah, tal música está em 3 por 4". Que quer dizer
isso? Uma parte nós sabemos decifrar: dizer que uma música está em três (ou dois, ou
quatro, ou cinco, ou dez) por alguma coisa significa que o compasso terá três (ou dois,
ou quatro, ou cinco, ou dez) batidas. Mas que raios quer dizer o quatro?
Convencionalmente chamamos as notas de:

Bateria online com ritmos

O freeware propõe interação, criatividade e entretenimento atrelados a conhecimento e


ainda à tecnologia. Para brincar, acesse o site:
http://www.canone.com.br/canone/aplicativos/128-bateria-online.html
Como podemos realizar esta atividade?
Da seguinte forma:
Primeiramente é necessário dividirmos a turma em cinco filas, já que teremos
cinco elementos de bateria. Depois designar o tipo de expressão corporal que cada fila
executará. Ex: fila 1, bater o pé (representar kick) ; fila 2, bater as mãos (representar
snare); fila 3, pronunciar tsi,tsi, tsi.... com a boca (chimbal) ; fila 4, pronunciar tá, tá …
e assim por diante.
Após os alunos tomarem conhecimento dos elementos da bateria, sua tradução e
pronúncia é hora de pôr em prática aquele esquema de representação anterior: divisão
das filas e começar a composição coletita dos loops. Isso deve acontecer de forma
natural. O professor deve clicar nos quadradinhos de maneira acompanhar os sons
representados pelos alunos. Observe o resultado do ritmo criado e assim compare a
possíveis ritmos, músicas, styles existentes no mundo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

TEORIA Musical. Disponível em:


<http://www.malhanga.com/musica/Teoria%20Musical_pag5.html>. Acesso em: 21
mai. 2013.
Atividade – 13

Figuras e som

Fundamental II - paisagem sonora


OBJETIVOS
 Trabalhar a percepção audiovisual;
 Desenvolver a percepção audiovisual das paisagens sonoras preestabelecidas;
 Incetivar a criação musical do aluno através da prática em sala de aula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS
 Computador ou aparelho de som;
 Fotos ou desenhos.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
 Visualizador de imagem (Microsoft Office Picture Manager, por exemplo);
 Reprodutor multimídia (Windows Media Player ou Quicktime, por exemplo);
 Computador, tablet ou celular com acesso à internet.

Paisagem sonora
Segundo Murray Schaffer,escritor e educador musical canadense, paisagem
sonora é um termo que se usa para qualificar os diferentes ambientes acústicos aos quais
estamos inseridos. Uma feira, uma festa, uma construção, o transito, dentre outros
ambientes, cada um deles proporciona diferentes e peculiares sons - precisos e
imprecisos (barulho) - ao ouvido humano. Ou seja, cada lugar específico possui também
uma específica paisagem sonora.
Procedimento didático I
Esta brincadeira pode ser feita das seguintes maneiras: Usando apenas o
computador, o professor mostrará imagens aleatórias e em seguida vários áudios. O
educador pedirá que os alunos percebam qual imagem e áudio combinam mais um com
o outro, formando pares. Ex: o professor mostrará imagens de festa e da natureza, e
colocará músicas agitadas e músicas calmas e os alunos vão juntar as imagens e áudios
que na percepção deles combinam mais. Pode-se também, ao invés das imagens
mostradas no computador, usar fotos e desenhos que poderão ficar espalhadas pelo chão
e o áudio pode ser passado no aparelho de som, fica ao critério do professor.
A brincadeira subirá graus de dificuldade, e em uma segunda etapa o professor
passará vários vídeos sem áudio e depois mostrará as sugestões com o possível estilo de
música o grupo está tocando.
Com esta atividade estaremos explorando a sensibilidade e a apreciação musical
de cada aluno e também a atenção.
Procedimento didático II

O professor irá escolher uma desses links, clicar e esperar carregar o vídeo,
depois que estiver carregado, mostrar para os alunos para que eles tomem conhecimento
e internalizem o som proposto pelo professor.
Depois que os alunos tomarem conhecimento dos sons propostos, deverão fazer
um ensaio na tentativa de reproduzir sons que se aproximem ao máximo dos sons
mostrados nos vídeos. Para se encontrar esses sons deverá serutilizado sons encontrados
no próprio corpo e em objetos na sala de aula.
http://www.youtube.com/watch?v=f68IQZLS7tM paisagem sonora chuva
http://www.youtube.com/watch?v=UaoZUMs-UY4 paisagem sonora chuva
http://www.youtube.com/watch?v=F7sf7Kui7G0 paisagem sonora transito
http://www.youtube.com/watch?v=9LcKx6m2tmY paisagem sonora trem
http://www.youtube.com/watch?v=KwTZ5XurL-0paisagem sonora trem
http://www.youtube.com/watch?v=JMi9UGdGhgY paisagem sonora feira de peixe
http://www.youtube.com/watch?v=pR3QN7cWn2Y paisagem sonora feira de peixe e
frutas
http://www.youtube.com/watch?v=c2NnjwKhS0o paisagem sonora floresta
http://www.youtube.com/watch?v=5j0eCSoHoZk paisagem sonora floresta

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SCHAFER, M. O ouvido pensante. Trad. Sob a direção de Marisa Trench de O.


Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.
Atividade 15 Cantando e Dançando

Ensino Fundamental I
Objetivos
• Fazer com que os alunos aprendam a cantar músicas através do processo de
imitação;
• Trabalhar a habilidade de criar movimentos para acompanhar as letras das
canções aprendidas.

Material Necessário
• Computador com caixas de som;
• Projetor multimídia.

Softwares Necessários
• Reprodutor de mídia (Windows Media Player ou The KMPlayer, por exemplo);

A prática musical desde os anos iniciais torna possível o desenvolvimento das


habilidades auditivas desde cedo na vida do indivíduo. Essas habilidades descritas em
Pereira (2004, apud MENDONÇA et al, 2010, p. 59)se desenvolvidas adequadamente
tornam o indivíduo mais apto a responder os estímulos sonoros do meio onde está
inserido de forma satisfatória.Atividades que utilizam a imitação como ferramenta para
trabalhar os conteúdos são ótimas possibilidades de fazer com que os alunos vivenciem
situações onde será possível desenvolver algumas das habilidades descritas. A imitação
também pode ser usada para ensinar melodias e ritmos aos alunos, através da
reprodução de arquivos sonoros e da execução em um instrumento.

Uma das habilidades que influenciará no comportamento do indivíduo quando


inserido em um ambiente sonoro é a habilidade da compreensão. Utilizando essa
habilidade ele se torna capaz de responder aos estímulos aliando a audição a outras
formas sensoriais. Do desenvolvimento dessa habilidade surge a capacidade de
representar sons com movimentos ou associar timbres a cores, por exemplo. Por isso
essa habilidade se torna essencial quando se tem que trabalhar sons aliados a
movimentos corporais.
Procedimento Didático

Primeiramente, o professor deverá escolher uma música para trabalhar com os


alunos. É importante que seja uma música com letra de fácil assimilação e que tenha
uma melodia simples. Você encontrará uma lista com músicas infantis no link
<http://letras.mus.br/temas-infantis/>.

O primeiro passo é executar o arquivo de áudio da música escolhida. A atenção


dos alunos será primordial, pois eles terão que memorizar para que possam cantá-
la.Depois de executar a música é hora de ensaiar com os alunos. Ensine a letra e a
melodia observando se eles estão conseguindo assimilar e não apenas decorando. Isso
será importante porque depois de ensinar a letra, você pedirá para que eles criem
movimentos representando aquilo que está sendo dito na música, como se fosse uma
coreografia.

O passo seguinte é ensaiar até que eles interiorizem a letra, a melodia e a


coreografia. Durante o ensaio execute a música para eles cantarem acompanhando a
pulsação correta.

Referências Bibliográficas

MENDONÇA, J. E.; LEMOS, S. M. A. Relações entre prática musical, processamento


auditivo e apreciação musical em crianças de cinco anos.Revista da ABEM, Porto
Alegre, V. 23, p. 58-66, mar. 2010.
Atividade 16

Poluição sonora: como evitar?


OBJETIVOS

 Ouvir os sons e fazer uma análise acerca do volume do som;


 Identificar e analisar os sons e ruídos que geram poluição sonora;
 Obter conhecimento sob a lei que trata da poluição sonora;
 Usar o decibelímetro.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

 Computador com sistema de áudio;


 Acesso à internet;
 Projetor multimídia;
 Celular com sistema android, Iphone, Iped, tablet.

SOFTWARES NECESSÁRIOS
 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);
 Decibelímetro.

POLUIÇÃO SONORA
Segundo a cartilha Poluição Sonora Silencio e Barulho, lançada pelo Ministério
Público de Pernambuco, no ano de 2010 no estado do Recife, homens, mulheres,
crianças, jovens e adultos que vivem em cidades tanto grandes como pequenas estão
expostos a sons e ruídos artificiais que podem prejudicar ou danificar a saúde.

Ainda segundo a cartilha:


“Diferentemente de outras formas de dano ambiental, o que
decorre da poluição sonora é facilmente identificável por
qualquer pessoa, pois, embora invisíveis os sons,
inexoravelmente chegam aos ouvidos de todos, desencadeando
malefícios mediatos e imediatos à saúde, de ordem psíquica e
também orgânica, comprovadamente. Trata-se, por isso, de um
problema de saúde pública, mas antes de uma questão de
segurança pública.”

Neste sentido por se tratar de um caso de segurança pública, é que se chega ao


conceito de poluição segundo o inciso III do art. 3° da Lei n° 6.938/81.

Que diz: "a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que


direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população”.

1. Criem condições adversas às atividades sociais e econômicas;


2. Afetem desfavoravelmente a biota;
3. Afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente;
4. Lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais
estabelecidos.
Dessa forma percebemos que existem vários tipos de poluição.

Para alguns pesquisadores a considerado como poluição sonora qualquer som ou


ruído, que exceda os limites estabelecidos pela legislação ou, que seja capaz de
provocar desconforto, e prejudicar a saúde humana.

Como identificar e medir o volume do som ou ruído?

Existem aparelhos que medem a intensidade dos sons através das vibrações
acústicas, que são medidas em uma unidade denominada decibéis (dB).

Decibelímetro Digital

Abaixo temos uma imagem que apresenta uma escala de 0 a 140 decibéis,
associada à zona de conforto e prejuízos à saúde humana, e exemplos de ambientes que
se enquadram nessa escala.
Caso a poluição sonora seja muito grande em alguns ambientes de trabalho, os
funcionários são obrigados a usar fones de ouvido, pois a intensidade do barulho pode
causar a surdez em pouco tempo de trabalho.

Entre algumas profissões que estão constantemente em contato com os ruídos


estão: músicos, soldados que lançam tiros de canhão ou bombas, carros de som nas ruas,
etc.

Os recursos tecnológicos modernos como iPhones, iPods, celulares, etc., nos


dias atuais estão trazendo no seu sistema android a possibilidade de baixar no aparelho
o aplicativo Decibelímetro, que pode auxiliar o estudante, o trabalhador e a população a
se prevenir de um possível dano a saúde.

Enfim, é importante que todos tenham consciência da poluição sonora no


cotidiano e possam tomar os devidos cuidados para evitar sérios prejuízos a saúde.
Medindo a Poluição Sonora com o Decibelímetro

A atividade tem como objetivo ouvir os sons e fazer uma análise acerca do volume do
som.
Para baixar o aplicativo é necessário primeiro abrir o link:
https://play.google.com/store/apps/details?id=kr.sira.sound
Depois disto basta clicar com o mouse no botão verde com a palavra "instalar".
PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor dará um seminário sobre poluição sonora e as leis que regem a


abordagem sobre o assunto. Em seguida, o professor junto com os alunos desenvolverá
uma análise sobre a altura dos sons na instituição, isso tudo com o intuito de despertar
nos alunos a preocupação com a saúde auditiva.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FERNANDES, J. C. Bauru, 2002. Acústica e Ruídos. Disponível em:
<http://resgatebrasiliavirtual.com.br/moodle/file.php/1/E-
book/Materiais_para_Download/Ruido/Apostila%20de%20Ruido%20I.pdf>. Acesso
em: 14 ago. 2013.

MINISTÉRIO Público lança cartilha sobre poluição sonora. 25 mai. 2011. Disponível
em: <http://afaunanatal.wordpress.com/2011/03/25/ministerio-publico-lanca-cartilha-
sobre-poluicao-sonora/>. Acesso em: 29 jul. 2013.
CULTURA MUSICAL

ENSINO MÉDIO
Objetivo Geral

- Identificar/conhecer a cultura musical de alguns países.

Objetivo Específico

- Verificar os conhecimentos prévios dos alunos;

- Fazer a identificação de cada região geograficamente;

- Descobrir a música que faz parte daquele respectivo país;

- Fazer um panorama identificando as principais diferenças culturais e musicais.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet;

Softwares necessários

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);

- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

Segundo o dicionário Aurélio, Cultura significa 1) Ato, efeito ou modo de


cultivar; cultivo; [...] 5) Conjunto de características humanas que não são inatas, e que
se criam e se preservam ou aprimoram através da comunicação e cooperação entre
indivíduos em sociedade. Para Edward B. Tylor, historiador de formação, cultura é a
expressão da vida social de um homem.

A música está presente em toda parte do mundo. Em cada local existe uma
música diferente que represente um gênero ou estilo de determinado povo, para isso, é
importante ressaltar o conhecimento acerca do assunto. A ligação de música e cultura
define a etnomusicologia. Para Merrian, etnomusicologia é uma disciplina que primeiro
buscou examinar “música em cultura” e somente depois, passou a estudar a “música
como cultura”.

Vemos na história que diversas regiões espalhadas pelo o mundo tiveram uma
colonização diferenciada, a partir disso, cada etnia (re)fez a sua própria cultura e suas
manifestações populares. Passamos, então, a extrair elementos característicos de um
povo que se diferenciam do seu modo de pensar, agir, de se vestir, dançar etc. Partindo
disso, conhecer um pouco da cultura musical que faz parte de um país é importante e se
faz necessário para nosso conhecimento.

El Mundo Suena

Essa atividade musical permite incentivar a busca por conhecimento através da


curiosidade. E ainda, aprender e investigar a cultura de um país, descobrindo as
principais diferenças de costumes e características de cada região.

Figura 1

O jogo está disponível no link abaixo:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2013/01/el-mundo-suena.html

Essa atividade é simples de realizar, mas é preciso ter conhecimento das


localizações dos países no globo terrestre. Copie e cole o link na URL do seu navegador
e logo após pressione Enter. Em seguida, irá abrir uma página, nela contem a atividade
proposta. Observando a figura 1, notamos uma sequencia numérica de 0 a 9 e logo mais
o alfabeto até a letra H. Objetivo agora é, ao clicar nessa ferramenta o aluno ouvirá uma
melodia ou música de uma respectivo país, o mesmo tem várias oportunidades para
acertar a música referente. Quando acertar irá aparecer na tela à palavra correto, caso
contrário erro.
PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor realizará essa atividade musical da maneira que lhe for confortável.
Primeiramente, deverá uma explanação geográfica para verificar se seus alunos
conhecem os países do mundo, sua localização etc. Posteriormente, abrir um diálogo
sobre o tema cultura musical, o que eles entendem? Depois que conversarem bastante, o
professor irá colocar em prática a atividade proposta.

O auxílio de um computador com acesso à internet e sistema de áudio facilitará


no desenvolvimento da aula. Ao começar o jogo musical o professor poderá
acompanhar o progresso do aluno ou se preferir fazer uma pequena batalha de grupos,
isso fica a critério do professor usar suas próprias estratégias. Por último, fazer um
panorama identificando as principais diferenças entre as características culturais
encontrados desses povos. No final, a avaliação poderá ser feita a partir da cooperação
em sala de aula, interatividade e desenvolvimento de aprendizagem.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:


Nova Fronteira, 1988.
BISPO, I. Etnomusicologia: o que é isso? Disponível em:
<http://www.overmundo.com.br/overblog/etnomusicologia-o-que-e-isso>. Acesso em:
16 de maio de 2013.

FILHO, E. M. A cultura segundo edward b. Tylor e franz boas.


Disponível em: <http://edmelander.blogspot.com.br/2009/03/cultura-segundo-edward-
b-tylor-e-franz.html>. Acesso em 16 de maio de 2013.
TRABALHANDO A PAISAGEM SONORA

ENSINO MÉDIO
Objetivo

- Criar a paisagem sonora de protesto;

- Utilizar as principais funções do programa Audacity.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet;

- Celular que possua câmera e gravador de áudio.

Softwares necessários

- Freeware Audacity;

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google, por exemplo).

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

O conceito de paisagem sonora surgiu no final dos anos 60 com pesquisadores


da Simon Fraser University no Canadá. Liderados por Murray Schafer, este grupo de
pesquisa formou o World Soundscape Project (WSP) com a finalidade inicial de estudar
o meio ambiente sonoro.

Em suas palestras e aulas Schafer sugere uma “limpeza dos ouvidos”, ou seja, a
expansão de nossa percepção auditiva. Dessa forma ele nos convida a ampliar nossa
escuta, percebendo os sons de diversos ambientes, por exemplo, fazer um passeio em
um supermercado de olhos totalmente vendados.

Essa perspectiva inspirou os educadores musicais e os compositores em geral,


pois a percepção ampliada da paisagem sonora tornou-se uma motivação para uma
ampliação das possibilidades expressivas da música.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Utilizando-se de uma câmera de gravação o professor irá motivar os alunos a


discutir sobre os problemas da escola e/ou do bairro onde eles moram. Partindo dessa
discussão, o professar irá utilizar como um gancho para tratar sobre protesto. O que eles
endentem sobre protesto? Por que é importante protestar? Como é um protesto? O
ambiente? As pessoas? A forma que se vestem? Os sons que eles emitem etc.
Após essa discussão o professor irá levar os alunos a ver alguns vídeos sobre a
temática tentando perceber os sons presentes naquela movimentação. Feita essa
reflexão, os alunos irão criar sons que podem surgir de um protesto, palavras de ordem,
músicas cantadas, frases etc.
A partir dessa vivência, em um segundo momento, o professor irá registrar todos
os sons criados e fazer uma espécie de banco de sons que possibilitará os alunos terem
acesso a todos os sons criados naquele momento. Feito isso, em posse dos sons e do
freeware Audacity os alunos irão organizar os sons no software, visando criar uma
paisagem sonora de um protesto sobre determinada temática.
Uma boa dica antes de iniciar, é o professor passar o tutorial de como utilizar as
principais ferramentas do programa para que os alunos possam aprender as principais
funcionalidades do programa para saber manuseá-lo. Em posse das criações, o professor
utilizará as criações dos alunos para compor uma trilha sonora que poderá fazer parte de
um slide com fotografias criadas pelos alunos sobre o temático protesto.

REFERÊNCIAS

APOSTILA de Educação musical. Disponível em:


<http://www.portaledumusicalcp2.mus.br/Apostilas/PDFs/EM_04_Paisagemsonora.pdf
>. Acesso em: 31 de julho de 2013.
CUBOS SONOROS

ENSINO MÉDIO
Objetivo Geral

Compor sequências ordenadas de sons utilizando combinações de loops pré-


programados de música eletrônica e registrar-las através de linguagens
alfanuméricas.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet.

Softwares necessários

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);

- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

Na virada do século XX as transformações econômicas e culturais ocorridas no


mundo, atingiram diversas áreas das ciências exatas e humanas, entre elas a estética e a
música. Os fatores que influenciaram essas mudanças vão desde a conjuntura política a
os avanços tecnológicos sofridos com o passar dos anos.
Nesse sentido o contexto em que surgiu a música eletrônica, proposta no inicio
do século XX foi extremamente influenciado pelas transformações estéticas ocorridas
no mundo. Entre os precursores desse processo estão os compositores franceses Pierre
Schaeffer, Pierre Henry e o alemão Karlheinz Stockhausen. (VAZQUEZ, 2011)
As idéias de vanguarda desses compositores aliada aos avanços tecnológicos
levaram a música a um patamar de criação e escuta extrema. Com o computador e outra
infinidade de recursos tecnológicos, as formas de se produzir, difundir e consumir
música foram modificadas, levando-nos a vivenciar esses processos de formas
diferentes comparada há alguns anos atrás.
Segundo Vazquez (2011) a música eletrônica começou a ganhar visibilidade em
meados dos anos 80, onde o house e o Techno, dois estilos de música eletrônica, ambos
nascidos nos Estados Unidos, começaram a fazer sucesso nas boates de Chicago e
Detroid.
O house, “nascido” em Chicago (EUA), surgiu da fusão de elementos da soul
music com a disco e batidas das baterias eletrônicas criadas pelo DJ Frankie Knuckles; e
o Techno, originou-se em Detroid (EUA) no inicio dos anos 80 com a fusão entre o som
do kraftwerk e batidas de funk de George Clinton criadas pelos DJs Derrick may,
Kevin Saunderson e Juan Atkins. (VAZQUEZ, 2011, p. 24 apud BALDELLI, 2006).
Dentro do contexto pela qual a música eletrônica estar inserida, dois
personagens são de extrema importância o DJ e o produtor. Basicamente, os dois fazem
o papel de compositor e intérprete. Nessa parceria, muitas vezes o produtor também é
DJ e compõe suas músicas baseadas na experiência de shows, percebendo o que o
público gosta de dançar, e compondo conforme as exigências do mercado.

Ambos, DJ e produtor, são criadores, cada qual com sua especificidade. O DJ


tem a interação direta com o público e cria durante sua performance. O
produtor possui duas maneiras de criação : quando produz sozinho no seu
computador, ou quando compõe na pista, utilizando suas músicas (já criadas
em estúdio) e reconstruindo-as na pista de dança, mixando os elementos,
reorganizando as estruturas, recombinado e tocando ao vivo. (VAZQUEZ,
2011, p. 27)

Nessa perspectiva, a música eletrônica pode ser trabalhada em sala de aula de


maneira em que o aluno consiga assumir os papeis de produtor e DJ, para que assim
possa-se criar situações de aprendizagens envolvendo a performance e a composição
musical, de maneira a incentivá-los a utilizar os conhecimentos advindos da aula de
música no seu cotidiano movendo-os a buscar aprofundamento, partindo do seu grau de
interesse pelo conteúdo. Desta forma esta atividade visa fomentar o trabalho de
performance e composição, utilizando o Button bass como ferramenta de criação e
vivência musical.
COMO UTILIZAR O BUTTON BASS

Link para acessar o jogo: http://www.buttonbass.com/PinkCube.html

1º passo: ao abrir o link você irá se deparar com 5 opções de cubos cada qual com
loops já programados de acordo com o estilo seja ele: electro, reggaeton, dubstep e
etc., seleciona 1 cubo é inicia o jogo.

2º passo: ao iniciar o jogo você só precisa clicar como o botão esquerdo em um dos
quadrados presentes no cubo e iniciar a sua composição, depois disso é só ir clicando
e experimentando os sons existentes no cubo, utilizando-os de forma ordenada e
consciente.
PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor orientará os alunos a criar sequências de quadrados que possam dar


sentido a sua criação musical. Se o bloco apresenta-se com 03 lados, o lado esquerdo
com 12 quadrados, o lado direito com 12 quadrados e a parte superior com 16, o aluno
terá a possibilidade de explorar os sons de 30 quadrados. Nesse sentido, o professor
solicita que o aluno defina em quantos e quais quadrados vão apertar utilizando uma
sequência pré-definida. Para facilitar o registro das sequências pode-se convencionar
uma linguagem alfanumérica baseada no número de quadrados e colunas presentes em
cada lado do bloco e siglas que representem as partes do bloco.

LINGUAGEM DAS SEQUÊNCIAS

• As colunas serão contadas da esquerda para direita e os quadrados de baixo para


cima.
• As siglas: LE, LD e LS, representarão respectivamente: lado esquerdo, lado
direito e lado superior.
• Os números de dois dígitos irão represar as colunas e os seus respectivos
quadrados, exemplo: 14 = coluna 01 quadrado 4; 23= coluna 2 quadrado 3. E
assim por diante
• Utilizando a linguagem por completo, será lido da seguinte forma: LE14 = lado
esquerdo, coluna 01 quadrado 04; LS11 = Lado superior coluna 1 quadrado 1.

O professor poderá criar sua linguagem conforme sua criatividade permitir,


proporcionando que os alunos aprendam a lidar com outras linguagens não-
convencionais de registro para suas sequências pré-programadas

REFERÊNCIAS

VAZQUEZ, E. R. S. N. A aprendizagem de três produtores de música eletrônica de


pista: a interação na pista, no ciberespaço e o envolvimento com as tecnologias musicais
de produção. Brasília, 2011. 140f. Dissertação (Mestrado em música) Programa de pós-
graduação em música e contexto, UNB, Brasília, DF, 2011.
COMPOSIÇÃO MUSICAL

ENSINO MÉDIO
Objetivos

- Compor melodias e acompanhamentos utilizando a escala pentatônica.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet.

Softwares necessários

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);

- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

De acordo com os PCNs do Ensino Médio, vimos que a necessidade de se


trabalhar à criação é vista em toda a área de linguagens, códigos e suas tecnologias. As
competências e as habilidades que são trabalhadas na Língua Portuguesa, Inglês,
Educação Física, Informática e também Arte todas envolvem a criação (BRASIL,
2000).

Se tratando especificamente da componente curricular Arte, pelo o qual a música


está inserida, a criação pode ser trabalhada através da composição musical. A partir do
momento que o aluno se envolve no processo de criação musical, essa experiência
permite ampliar o universo sonoro musical do mesmo ajudando-o a reconhecer e
respeitar o discurso musical do próximo em suas diferenças e particularidades.
(SWANWINCK, 2003).

Pensando nisso, realizar a composição como atividade musical para os alunos do


Ensino Médio é importante, pois estamos atingindo diretamente no seu
desenvolvimento cognitivo. Podemos compreender a escala pentatônica, muito usadas
nos gêneros blues e rock, como uma sucessão de 5 notas ascendentes ou descendentes
compreendidos numa oitava. Vejamos o exemplo da escala de Dó a seguir:

Nesse sentido, a escala pentatônica permite trabalhar uma criação musical


harmônica sem causar dissonância com as notas do acorde, o mesmo principio foi
aplicado na criação do xilofone de Carl Orff. A ausência das notas Fá e Si, que são
respectivamente o 4º e 7º grau da escala diatônica, evita o conhecido trítono.
MUSIC BLOX

Esta atividade permitirá ao aluno desenvolver sua criatividade para composição


musical. A seguir, os passos de como jogar Music Blox:

1ª passo:
Ao abrir o link, o aluno irá se deparar com um quadrado com 16 linhas e 16
colunas, cada qual com um som diferente. Conhecendo as possibilidades do jogo, o
aluno pode iniciar com a criação de uma base harmônica, a partir da seleção dos
quadrados desejados. O bloco possui uma variedade de 16 sons em sequência contando
de baixo para cima ficará: DÓ-RE-FA-SOL-LA-DO-RE-FA-SOL-LA-DO-RE-FA-
SOL-LA-DO, Proporcionando um trabalho em 03 oitavas.

2ª passo:
A seguir formarei uma base harmônica a partir das notas: FA-LÁ-DÓ, formando
o acorde de fá maior.
3ª passo:

Com a base harmônica já construída, agora é só utilizar a criatividade para


criação de uma ou mais melodias a livre escolha, tendo em vista que todas as notas
utilizadas irão soar harmonicamente, o aluno não terá problemas com dissonâncias.

4ª passo:
Tendo criado seu loop, o aluno terá a opção de salvar clicando com o botão
esquerdo do mouse em menu, depois save, pronto agora é só partir para outra criação.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor poderá orientar os alunos a criar sequências de quadrados que


possam dar sentido a sua criação musical. Nesse sentido, o professor solicita que o
aluno defina em quantos e quais quadrados irão apertar, em seguida, solicita que o
mesmo registre no bloco de notas do computador, como pretende começar sua
composição e como deseja concluir. Para facilitar o registro das sequências, pode-se
convencionar uma linguagem numérica baseada no número de quadrados e colunas
presentes no bloco. Sendo assim a linguagem pode funcionar da seguinte forma:
Utilizado-se -2 dígitos, o professor solicita ao aluno escolher uma linha das 16
linhas presentes, exemplo: linha 2; Depois, solicita ao aluno para escolher uma coluna,
das 16 colunas presentes, exemplo coluna 3; para convencionar e registrar sua escolha,
utilizaremos o numero 23, que nessa ocasião representa a segunda linha, terceira coluna,
ou seja digito 2 = linha, digito 3= coluna; tendo em vista que o número de linhas e
colunas ultrapassam 2 dígitos ou seja, mais de 9 é necessária a utilização de mais
dígitos, exemplo linha 16, coluna 16 = 16/16; para que não se confunda na hora de
numerar suas escolhas, e interessante utilizar uma barra para separar o número
escolhido para linha e o número escolhido para coluna; uma pequena linha melódica
ficaria assim: 11-22-33-44-55-46-57-68-79-7/10-7/11-7/12-7/13-8/14-9/15-10/16.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Médio.


Brasília: MEC, v.1, 2000, 109 p.

SWANWICK, K. Ensinando música musicalmente.São Paulo: Moderna, 2003.


Ciclos sonoros – Ensino Médio

Música Música

Música Música Música Música

Música
Música Música Música Música

Música Música

Música Música
Música

Música Música Música

Música Música

Música Música

Música Música
Música

Música
Música Música

Música Música

Música Música

Música Música
OBJETIVOS

• Compor melodias utilizando as notas musicais: Dó, Re, Mi, Fá, Sol, lá, Si, Fá#,
Láb e Sib.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Laboratório de informática equipado com computadores com sistema de áudio,


acesso a internet e fones de ouvido;
• Projetor multimídia;
• Caixas de som p/ computador.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);


• Adobe Flash Player instalado e atualizado.

A composição musical é um dos conteúdos que devem ser trabalhados no ensino


médio de maneira a fazer com que os alunos vivenciem momentos de criação e
aprendizagem, através de produtos musicais construídos por eles próprios. Nesse
sentido, submeter o aluno a atividades que possibilitem essa prática musical é de
extrema importância, tendo em vista que

“o sentido cultural da arte vai se desvelando na medida em que os alunos da escola


média participam de processos de ensino e aprendizagem criativos que lhes
possibilitem continuar a praticar produções e apreciações artísticas, a experimentar o
domínio e a familiaridade com os códigos e expressão em linguagens de arte.”
(PCN-ARTE, 2000 p. 49).

Buscando contribuir com os parâmetros para o ensino médio, a atividade


nomeada de ciclos sonoros, possibilitará ao aluno através do conhecimento sobre
intervalos, criar melodias que explorem as várias espécies de intervalos simples,
compostos, maiores, menores, aumentados, diminutos, justos, conjuntos, disjuntos,
ascendentes, descendentes, consonante e dissonante.

Antes de qualquer coisa, é importante aprendermos um pouco sobre intervalos.


“Intervalo é a distância entre dois sons musicas” (MED, 1986). Esses dois sons, podem
ser qualificados numericamente e de acordo com sua relação. Numericamente podemos
classificar-los em 2º, 3º, 4º, 5º, 6º, 7º, 8º etc., o que vai depender da distância em que
teremos de uma nota para outra. E em suas relações, podemos qualificar os intervalos
em:

a) Simples: quando as notas estão contidas dentro de uma oitava. Ex.: Do –


Mi = intervalo de terça; de Re – La = intervalo de quinta e etc.;
b) Composto: quando as notas ultrapassam uma oitava, exemplos:
intervalos de 9ª, 10ª, 11º e etc.
c) Melódico: quando as notas são apresentadas uma após a outra,
sucessivamente;
d) Harmônico: quando as notas são coincidentes, soam ao mesmo tempo.
e) Conjunto: quando as notas tocadas são vizinhas e estão na mesma oitava.
Ex.: Do - Re, Sol - La.
f) Disjunto: quando as notas estão afastadas por intervalos que ultrapassam
uma 2ª. Ex.: Do – Fa, Sol – Si.
g) Ascendente: formado por notas que vão do grave para o agudo, exemplo:
Do – Re, Mi - La.
h) Descendente: formado por notas que vão do agudo para o grave.
Exemplo: Sol – Mi, Si - Fa.

Além das possíveis qualificações dos intervalos, eles podem ser classificados
conforme a distância de tons e semitons existentes entre as duas notas. Nesse sentido,
para que possamos diferenciar os tipos de intervalos de segunda, terças, quartas, quintas
e sextas, é necessário identificar a quantidade de tons e semitons existentes entre eles.
Ou seja, como já vimos anteriormente, as notas naturais, ou ainda escala natural
diatônica e formada pelas seguintes notas: dó – ré- mi – fá - sol – lá – si –dó. Separadas
por tons e semitons, que em seu total somam: 5 tons e 2 semitons. Os semitons estão
localizados entre mi-fá, e si- dó. e os tons estão localizados entre: do- re; re-mi; fa-
sol;sol-la; la-si.

Partindo desses conhecimentos básicos sobre a identificação dos tons e semitons


contidos na escala natural, é possível classificar os intervalos em: maiores, menores,
aumentados é diminutos, conforme a quantidade de tons e semitons existentes entre uma
nota e outra. A seguir apresento-lhes um quadro com a distribuição de todos os
intervalos subdivididos com quantidade de tons, separados em simples e compostos, e
um exemplo de nota alcançado se o intervalo iniciar em dó.
Em uma relação entre dois sons, as possibilidades de qualificação e
classificação, são essas. Cabe ao aluno percebê-las auditivamente e qualificar a relação
conforme as possibilidades existentes. Para isso, converse com seus alunos sobre
trechos de música e tentem descobrir quais os intervalos presentes nas músicas do
cotidiano, qualificado-os de várias formas, para que assim ele possa relacionar as
músicas do cotidiano com o conteúdo abordado em sala de aula.

Partindo desse conhecimento, o professor agora poderá explorar todas as


possibilidades intervalares existentes no Cyclosonic, possibilitando ao aluno também
criar livremente utilizando o jogo em flash. Incentivando-os assim a compor e a tornar
familiar todo o conhecimento adquirido nas aulas de música.

THE CYCLOSONIC
Link para acessar o Cyclosonic:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2013/04/cyclosonic.html

1º passo: ao abrir o link do você irá se deparar com oito esferas verdes, sem nenhuma
nota musical escrita, e logo ao lado esquerda, uma sequência de 10 números de 0-9.
Nota-se que ao iniciar o cyclosonic, já existem 02 opções marcadas em vermelho:
Monophonic (monofônica) e o número zero.

2º passo: No primeiro momento, você poderá explorar as 09 possibilidades


sequências pré-programadas no cyclosonic clicando nas opções e vendo as
possibilidades para depois criar as sequências que desejar. Nota-se, que ao marcar a
opção 04 surgi uma sequência de 08 notas musicais, e ao apertar play (localizado no
centro entre as esferas verdes) o cyclosonic executa uma por uma repetidamente sem
que ajam interrupções.
3º passo: após experimentar algumas possibilidades melódicas, você agora poderá
criar suas próprias sequências. Primeiramente clicando em zero, você irá apagar
todos os sons que estão tocando nas esferas verdes. Depois é só ir clicando em cada
uma das esferas verdes para indicar qual nota irá soar em cada uma delas.
Lembrando que só poderá escolher entre oito notas, uma para cada esfera, criando
assim uma sequência de 08 sons.
CYCLOSONIC (POLIPHONIC)

Outra possibilidade apresentada pelo jogo é a opção poliphonic (polifônica) pela qual
o aluno poderá trabalhar com três sons soando ao mesmo tempo, podendo assim
formar acordes de três sons (tríades) e também dar continuidade ao seu trabalho com
a melodia monofônica transformando-a em uma polifonia.

1º passo: click na opção poliphonic (polifônico) localizada na parte superior direita


do jogo, pela qual ficará vermelha ao ser selecionada. Feito isso, vai aparecer 03
conjuntos de 08 esferas verdes todas sem notas escritas. Assim como foi feito na
opção monophonic (monofônico), você poderá explorar as 09 possibilidades
sequenciais pré-programas no jogo para depois criar as sequências que desejar.

2º: passo: depois de explorar as 09 possibilidades sequenciais, você agora poderá


reescrever a sua melodia no ciclo A localizada na parte superior esquerda e colocar
para tocar clicando no play, localizado ao centro, entre os 3 ciclos.
3º passo: após reescrever a melodia e dar play (localizado no meio dos três ciclos),
podemos perceber que todos os ciclos começam a funcionar, mesmo não havendo
nenhuma nota escrita. Sendo assim, já conhecendo as possibilidades de
harmonização das notas inscritas no ciclo A, você agora poderá acrescentar
livremente as notas que farão parte dos outros ciclos. Podendo também fazer com
que algumas notas possam soar por mais tempo, sem interrupção dando um sentido
de acompanhamento harmônico. Esse recurso é conseguido apenas clicando com o
botão esquerdo do mouse entre as duas esferas que se deseja ligar e pronto, o recurso
será acionado. Para desativar, utiliza-se o mesmo principio, basta clicar com o botão
esquerdo novamente.
Depois dessa primeira vivência, já tendo criado a melodia no modo monofônico
acionado, o professor poderá conduzir os alunos a tentar solfejar as 08 notas contidas
nas esferas, para assim, também trabalhar o solfejo melódico e a afinação dos alunos.
Outra possibilidade seria de que os alunos percebessem auditivamente quais as notas
utilizadas pelos outros colegas para a construção da melodia.

Para opção polifônica, o professor poderá juntamente com os alunos tentar


solfejar todos ao mesmo tempo, as sequência de notas presente nos ciclos A, B e C,
formando assim belos arranjos polifônicos em sala de aula.
REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Médio.


Brasília: MEC, v.1, 2000, 109 p.

MED, B. Teoria de música. 3 ed. Brasília: Musimed, 1986.


De Quem é a Música?
Ensino médio
OBJETIVOS

• Introduzir o aluno do ensino médio ao conhecimento dos períodos da historia da


música;
• Tomar conhecimento da história da música, períodos e datas;
• Identificar compositores e suas músicas respectivas.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

• Caixa de som ou fones de ouvido;


• Computador com sistema de áudio e com acesso a internet;
• Projetor multimídia.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

• Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

CONTEÚDO MUSICAL

Segundo Roy Bennett (1986) a História da Música se divide em seis períodos:


Medieval, Renascentista, Barroco, Clássico, Romântico e Música do século XX. O
período Medieval se caracterizou principalmente pela a música sacra ou a música
religiosa conhecida como cantochão em que era composta de uma única linha melódica
com melodias simples em que fluíam livremente quase sempre se limitando dentro de
uma oitava.

O período renascentista teve seu inicio aproximadamente no ano de 1450. Esse


período se caracterizou por grandes mudanças na concepção musical, onde surge um
enorme interesse em explorar seu espirito e suas emoções sobre tudo nas artes. Na
música renascentista os compositores passaram a ter um interesse maior pela música
profana, como também em escrever peças para música para instrumentos não com
finalidade de acompanhar as vozes como era de costume na idade media, mas agora
executando solos escritos pensando no instrumento em si.

O período Barroco teve seu inicio aproximadamente durante o ano de 1600 e


seu término no início de século XVIII no ano de 1750. A música barroca também foi
palco de uma grande mudança em relação à música renascentista, trazendo a tona o
desenvolvimento do uso do sistema tonal, fazendo com que logo em seguida a harmonia
se baseasse nos modos maior e menor.

A música clássica diferente dos períodos anteriores foi um momento muito curto
onde teve seu começo no ano de 1750. Já para o seu fim segundo os historiadores
indicam o ano de 1827, o mesmo da morte do compositor Beethoven. Os principais
compositores do período foram Beethoven, Haydn, Mozart e Gluck. O período é
marcado pelo o aparecimento do piano, pelo crescimento da orquestra que teve seu
inicio no período anterior, e pela ênfase na música instrumental.

Em meados do século XIX iniciasse o período Romântico. Os compositores


foram Schubert, Berlioz, Mendelssoh, Chopin, Liszt, Wagner, Verdi, Smetana, Brahms,
Tchaikovsky, Dvorák, Grieg, Elgar, Albeniz, Mahler e Strauss. O período é marcado
pelo excesso de expressividade nas interpretações das peças, uma maior liberdade nos
sentimentos e pensamentos mais profundos tendo como fonte de inspiração seus
pensamentos emoções e inclusive em outras artes como principalmente na pintura.

Música do século XX é caracterizada pelo surgimento de diversos movimentos


dentro da música. Entre eles estão o atonalismo, serialismo e a música eletrônica são
Debussy, Schienberg, Berg, Copland e Bartók.

Clasix

Clasix é um jogo em que você deve encontrar o título e autor de diversos


fragmentos pertencentes a algumas das mais famosas obras de música popularmente
conhecido como clássico, sendo assim este jogo fara com que o aluno se familiarize
com músicas de grandes compositores tomando conhecimento histórico de datas e
épocas.

Acesse o site:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2013/04/clasix.html
Neste jogo o professor devera orientar ao aluno clicar com mouse na palavra
jogar em seguida próximo passo será clicar em uma dessas bolas que cai no seu visor
em seguida o aluno devera ouvir com atenção a música e logo depois clicar com o
mouse nos códigos fontes que terá a função de representar cada uma delas um
compositor e ao seu lado terá três sugestões afirma se essa música é de autoria ou não e
a terceira sugestão será pular a questão.

Os compositores abordados no jogo estão dispostos na lista abaixo:

Compositor Música

Amadeus Mozart Pequeña Serenata Nocturna

Boccherini Celebre minueto

Offenbach Barcarolle

Dvorak Sifonia No. 9 “novo mundo”

W.A.Mozart A Flauta Mágica

Schu,bert Ave Maria

Handel Aleluia

Beethoven Sinfonia No. 6

Beethoven Sinfonia No. 5

Guillherme Tell Rossini


Grieg La mãna

Vivaldi La Primavera

Johann Sebastian Bach Fuga em re menor

Carmina Burana Orff

Pachebel Canon em re menor

Beethoven Sinfonia No.9

Bizet Carmen

Strauss El Danubio Azul

Tchaikovsky El Lago de los Cisne

Verdi Aida

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Para se aplicar este jogo em classe de aula é importante conhecimento básico


sobre historia da música por parte do docente para melhor domínio da atividade,
lembrando que antes de aplicar esse tipo de atividade é importante que os alunos já
tenham assistido anteriormente aulas de história e também aulas de apreciação musical
sobre a temática abordada. O jogo poderá ser realizado individualmente ou
coletivamente dependendo da intenção do professor e principalmente dos recursos
existentes no ambiente. Já no caso de se trabalhar com jogo de maneira coletiva com
todos os alunos o professor deverá iniciar sua aula explicando sobre história da música.
Após essa explicação o professor deverá realizar uma atividade de apreciação musical
expondo os vários compositores e suas músicas tratados anteriormente. O próximo
passo será iniciar atividade proposta no link. O professor deverá orientar os alunos a
ouvirem a música com atenção executada pelo jogo. Em seguida os alunos deverão
responder falando quem é o autor da musica executada. O professor também poderá
dividir a turma em dois ou mais grupos e fazer uma gincana, onde o grupo que acertar
mais vezes vencerá.
No caso de trabalhar com este jogo de maneira individual o professor deverá
ensinar para a turma a forma correta de jogar e manusear o jogo. O professor deverá
observar se os alunos estão conseguindo responder as questões e se estão assimilando
bem atividade de maneira correta.

REFERÊNCIAS

BENNETT, R. Uma Breve História da Música. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1986.
Reconhecendo o Ditado Rítmico
ENSINO MÉDIO
OBJETIVOS

 Reconhecer os desenhos das figuras musicais e sua execução;


 Trabalhar o conceito de duração, figuras musicais, inclusive as pausas, noções
de compassos, tempo, solfejo rítmico e ditado rítmico.

MATERIAL NECESSÁRIO

 Computador com acesso à internet e caixas de som;


 Projetor multimídia.

SOFTWARES

 Adobe Flash Player instalado e atualizado;


 Java atualizado;
 Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo).

Como é que se representa a fala humana? Quando quero representar o som "Pa"
(de Palmeiras) uso dois sinais gráficos que representam esse som, o "p" e o "a". Veja
que a escrita, por si só, já é a representação de sons. E quando eu quero representar uma
música? Uso um procedimento semelhante, usando símbolos para representar um som.

Em música existem sons longos e sons breves. Há também momentos quando se


interrompe a emissão do som: os silêncios. A duração do som depende da duração da
vibração do corpo elástico. A duração é a maior ou a menor continuidade de um som.
A relação entre durações de sons define o ritmo.

O ritmo é a organização do tempo. O ritmo não é, portanto, um som, mas


somente um tempo organizado.

Figuras e pausas são um conjunto de sinais convencionais representativos das


durações. São sete os valores que representam as figuras e as pausas no atual sistema
musical. Para cada figura existe uma pausa correspondente.
A SEMIBREVE ( ) vale o dobro da MÍNIMA ( ) que vale o dobro da

SEMÍNIMA ( ) que vale o dobro da COLCHEIA ( ) que vale o dobro da

SEMICOLCHEIA ( ) que vale o dobro da FUSA ( ) que vale o dobro da

SEMIFUSA ( ), que é o menor valor encontrado grafia musical.

As figuras que representam o valor das notas têm duração indeterminada, isto é,
não têm valor fixo. Para que as figuras tenham um valor determinado na duração do
som esse valor é previamente convencionado, e é a esse espaço de tempo de duração
que se dá o nome de tempo. Esse conceito de relatividade de duração só tem significado
quando se está inserido dentro de uma fórmula de compasso.

Compasso é a divisão de um trecho musical em séries regulares de tempos.Para


se referir ao compasso, existe uma fórmula de compasso colocada no começo de cada
peça musical, representada geralmente por números em forma de fração, que indica o
tamanho do compasso e também sugere possíveis interpretações.

O numerador indica quantas figuras cabem no compasso e o denominador a sua


espécie.
Existem dois tipos de compassos:

Compassos simples são aqueles cuja unidade de tempo é representada por uma
figura divisível por dois e que não seja pontuada. Ex: 2/4, 3/4, 4/4,

Compasso composto são aqueles cujos tempos têm divisão ternária, isto é,
unidade de tempo é preenchida por uma figura pontuada. Ex: 6/8, 9/8, 12/8.

Solfejo rítmico é aquele em que é executada somente a duração das figuras sem
se preocupar com as alturas de cada nota.

Ditado rítmico consiste na execução de um solfejo rítmico para identificação das


figuras que o compõem.

Ditado Rítmico
Link do Jogo: http://www.teoria.com/ejercicios/ritmo.php

a) Primeiro clicamos no link, que logo será aberta a página inicial de configurações do
exercício.

b) Em segundo lugar, devemos escolher as opções do exercício, e logo em seguida


clicar sobre a palavra OK, que se encontra a direita da página (jogar) para iniciarmos o
exercício de ditado rítmico.

c) Depois de ter clicado ok, dar-se início ao ditado rítmico. É possível ouvir o som
executado quantas vezes quiserem, basta clicar no ícone de áudio ao lado esquerdo das
fuguras.

d) Ao ouvirmos o ditado, devemos clicar com o mouse em cima da figura


correspondente ao som ouvido e arrastá-la para dentro do compasso, e assim
sucessivamente, até completar os tempos do compasso.

e) Após ter preenchido o compasso, é deve-se clicar em sobre a palavra RESPOSTA, na


qual aparecerá uma frase dizendo se a resposta foi correta ou errada. Juntamente com a
frase, aparecem um pouco abaixo os compassos preenchidos corretamente. Com isso é
possível saber quais notas acertamos, e quais erramos.

f) Para prosseguir para outro ditado, basta clicar sobre os compassospreenchidos. Para
finalizar o exercício, basta clicar sobre a palavra “Borrar pontuación y editar opciones”
(excluir pontuação e editar opções)

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

Esta atividade poderá ser utilizada após uma aula teórica sobre figuras musicais,
inclusive as pausas, noções de compassos, tempo, solfejo rítmico e ditado rítmico. A
proposta dessa atividade é fazer com que o aluno aprenda a identificar auditivamente o
desenho e a duração das figuras rítmicasque foram abordadas na aula, bem como sua
devida utilização dentro dos compassos.

a) O professor dará início ao exercício repetindo algumas vezes o ditado.

b) Em seguida pedirá para os alunos solfejarem o que ouviram usando a sílaba “tá”, por
exemplo, para cada som ouvido. Outra opção será o professor pedir para os alunos
repetirem o ditado através de palmas, ou solfejando e batendo palmas simultaneamente.
c) Por último, ele perguntará aos alunos o que eles conseguiram identificar no ditado
executado, e os mesmos irão dizer que figuras foram ouvidas, para as colocar no
compasso. Por exemplo: Em que compasso o ditado está sendo realizado? Quantos
tempos tem esse compasso? Qual o nome das figuras apresentadas no exercício, na parte
superior do mesmo?

REFERÊNCIAS

MED, B. Teoria da música. 4ª ed. Brasília: Musimed, 1996.


PRIOLLI, M. L. M. Princípios Básicos da Música para Juventude. 49ª Edição Revista e
Atualizada. 1º v. Rio de Janeiro: Casa Oliveira de Músicas Ltda., 2007. 142p.
CONHECIMENTO MUSICAL

ENSINO MÉDIO
Objetivo Geral

- Praticar o conhecimento musical em três atividades específicas que são: teoria


musical, percepção auditiva e história da música.

Objetivo Específico

- Verificar os conhecimentos prévios dos alunos;

- Iniciar a atividade musical;

- Fazer uma análise dos acertos e erros dos alunos.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet.

Softwares necessários

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);

- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

Segundo Bohumil Med (1986) a música é arte de combinar os sons simultânea e


sucessivamente, com ordem, equilíbrio e proporção, dentro do tempo. As principais
partes que constituem a música são:

Melodia – é a combinação de sons sucessivos (dados uns após os outros);

Harmonia – é a combinação de sons simultâneos (dados de uma só vez);

Contraponto – é o conjunto de melodias dispostas em ordem simultânea;

Ritmo – é a combinação dos valores tempo.

Escreve-se a música sobre 5 linhas e 4 espaços horizontais paralelas e


equidistantes. A estas linhas e espaços dá-se o nome de pauta ou pentagrama.

Ex.:
Clave é o sinal colocado no início da pauta, sobre determinada linha, para dar nomes às
notas. As claves são 3 (três):

Clave de sol – escrita na 2ª linha. Há algum tempo atrás, também era usada na 1ª
linha;

Clave de fá – é escrita na 3ª ou na n4ª linha;

Clave de dó – é escrita na 1ª, 2ª, 3ª ou 4ª linha.

A música é representada pelo equilíbrio de sons e silêncios. Ambos têm


durações diferentes e são representados por sinais denominados valores. Os valores que
representam a duração dos sons musicais são chamados de figuras. Os que representam
as ausências de sons são chamados de pausas.
A unidade de medida da música é o tempo. Cada tempo corresponde a uma
pulsação.

Cada figura de som tem sua respectiva pausa que lhe corresponde ao mesmo
tempo de duração. Por exemplo, se uma semibreve tiver 4 tempos, a pausa da semibreve
também terá 4 tempos

Importante destacar que a semibreve, atualmente, é a figura musical de maior


duração. Por esse motivo é tomada como unidade na divisão proporcional dos valores.
Assim sendo, a semibreve é a única figura que compreende todas as demais.
A percepção auditiva ou percepção musical é um dos conteúdos a ser
trabalhados também na aula de música, consiste em analisar um som, seja percepção de
timbres, alturas, frequências, melodias entre outras formas. A importância desse estudo
está associada ao fato dessa prática consistir tanto um subsídio como uma finalidade de
estudo da análise musical.

A prática da percepção auditiva é desenvolvida através da execução de


exercícios formulados a partir de peças de repertórios, desenvolvendo a conscientização
e a intensificação pela audição dos seguintes elementos, como a prática de leitura à
primeira vista e a rítmica.

Outro conteúdo que compõe as aulas de música é sua própria história, podemos
compreender suas fases divididas em:

• Música medieval (séc. 7 ao 15), canto gregoriano, organum e outros gêneros


religiosos;

• Música renascentista (séc. 15 e 16), música vocal profana e música


instrumental erudita;

• Música barroca (séc. 16 a 18), ópera, cantada, oratório e paixão, gêneros


religiosos e música instrumental;
• Música clássica (séc. 18 a 19), característica geral formas-sonata, canção,
romance e variação;

• Música do séc. XIX música instrumental, como sinfonias, concertos solos e


música vocal;

• Música do séc. XX parte 1, principais tendências Claude Debussy, Erik Satie,


neoclassicismo, atonalismo e dodecafonismo, futurismo;

• Música do séc. XX parte 2, Chales Ives, John Cage, performática e multimídia,


eletrônica, computador e eletroacústica.

Musical Race

Musical Race oferece a oportunidade de praticar três conteúdos específicos que


são: teoria musical, percepção auditiva e história da música.

O jogo está disponível no link abaixo:

http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2011/11/musical-race.html

Como jogar:

Primeiramente, o aluno clica no mouse na palavra COMENZAR (começar), em


seguida no símbolo
O relógio é iniciado para marcar o tempo do aluno que deverá realizar em até
15min. O jogo é composto de perguntas e respostas e ainda, permite promover o
conhecimento musical através da percepção auditiva, da literatura e conceitos musicais.
As perguntas que envolvem percepção auditiva, como escutar uma frase de uma
melodia, o jogo dará oportunidades de ouvir novamente para que o aluno aprenda e
desenvolva sua habilidade de escuta. Cada pergunta possui três alternativas, o aluno
escolhendo a opção correta avançará para o número adiante, caso contrário permanecerá
onde estava.

PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor poderá realizar esta atividade em três ou quatro aulas, já que são três
conteúdos específicos.

1ª aula – verificar os conhecimentos prévios dos seus alunos questionando


acerca do assunto teoria e percepção musical.

– explicar ou revisar alguns conceitos;

– aplicar uma atividade teórico/prático.

2ª aula – fazer uma explanação sobre o tema história da música destacando os


principais acontecimentos históricos de cada época.

3ª aula – realizar uma revisão breve dos principais compositores do período;

– fazer análise de músicas do período;

– distinguir as principais diferenças de cada fase da música.

4ª aula – iniciar o jogo musical proposto pelo o professor com auxílio de


computador e sistema de áudio.

– verificar o desenvolvimento de seus alunos.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BENNET, R. Elementos básicos da música. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994


MED, B. Teoria de música. 3ª ed. Brasília: Musimed, 1986.
MOREIRA, A. L. C. Disponível em:
<https://uspdigital.usp.br/jupiterweb/obterDisciplina?sgldis=cmu0512>. Acesso em 29
de abril de 2013.
LEITURA MUSICAL

ENSINO MÉDIO
Objetivo Geral

- Desenvolver a habilidade de leitura musical.

Objetivo Específico

- Verificar os conhecimentos acerca das notas musicais, pauta e a clave de sol;

- Iniciar a atividade musical;

- Observar o avanço do aluno.

Material necessário

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet.

Softwares necessários

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);

- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

De acordo com Bohumil Med (1986), existem setes notas musicais que são DO,
RE, MI, FA, SOL, LA e SI, vejamos:

O pentagrama ou a pauta musical é a disposição de cinco linhas paralelas


horizontais e quatro espaços intermediários, onde se escreve as notas musicais. Contam-
se as linhas e os espaços da pauta de baixo para cima.

A clave é um sinal colocado no inicio da pauta que dá seu nome à nota escrita
em sua linha. A clave de sol marca o lugar da nota sol na segunda linha.
Pre – Lekto

O jogo está disponível no link abaixo


http://gerardodiegoaulademusica.blogspot.com.br/2012/10/pre-lekto-y-e-lekto.html

Figura 1

Pre-Lekto, sem tradução para o português, é um jogo educativo que permite


desenvolver a habilidade de leitura musical. Apresentam dois níveis de dificuldades, um
para iniciantes e outro avançado, ou seja, são dois jogos musicais. Para iniciar, basta
clicar com o mouse na palavra começar (comenzar), figura 1 e 2.

Figura 2

Abrirá outra janela com um pequeno teclado, o aluno clica novamente na palavra
começar (comenzar) e finalmente o jogo inicia-se. A partir daí, com muita atenção, o
aluno deve ter cuidado para não errar a sequência de notas disponíveis no pentagrama e
ao mesmo tempo ser rápido. O objetivo é simples, repetir no teclado com o auxílio do
mouse, a nota referente ao pentagrama, vê na figura 3.

Figura 3
Figura 4

Nota-se que a cima do teclado há uma caixa com a letra que ao clicar
facilitará o jogador a realizar a sequencia melódica. Se o aluno acertar o nível 1
aparecerá bien, sinal verde, indicando o próximo nível. Para isso, deve-se dá um clique
no símbolo seguinte, vê na figura 5.

Figura 5

Caso contrário, irá aparecer error, sinal vermelho, figura 6

Figura 6

A primeira parte do jogo musical, para iniciantes, é composta de dez níveis. Se o


aluno obtiver resultado satisfatório avançará para nível seguinte.

Obs: Quando se inicia Pre-Lekto é estipulado um tempo para a conclusão da


atividade musical.
Avançado

Figura 7

Figura 8

Play para iniciar;

Ferramenta que permite colocar letras do alfabeto para facilitar a execução;

Ferramenta das alterações dispostas sobre o teclado.

Ao clicar no play é iniciado o metrônomo que irá marcar os primeiros quatro


tempos para poder começar o jogo. Observando o pentagrama, notamos uma sequencia
melódica, no qual o aluno deverá executar com o auxílio do teclado localizado na figura
8. Caso o aluno falhe, irá aparecer has fallado e poderá jogar novamente.

Figura 9
PROCEDIMENTO DIDÁTICO

O professor aplicará seus conhecimentos de teoria musical com alunos do


Ensino Médio de maneira clara com o objetivo de estimular a leitura musical.
Primeiramente, uma revisão geral dos conceitos de teoria, o que são notas musicais,
pauta e clave de sol? No segundo momento, realizar exercícios de fixação para que
reforcem o conteúdo a ser trabalhado, e, por conseguinte, expor para os alunos a
atividade musical proposta, lembrando que a atividade apresenta dois níveis de
dificuldade um para iniciantes e outro avançado. Ao observar a turma, o professor
poderá dividi-la em dois grupos, o que facilitará no desenvolvimento da aula.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MED, B. Teoria de música, 3ª ed. Brasília: Musimed, 1986.


GNU SOLFEGE
OBJETIVO GERAL

- Praticar a percepção musical de notas, intervalos, escalas, modos gregos, melodias,


acordes, progressões harmônicas e ritmos.

MATERIAL NECESSÁRIO

- Computador com sistema de áudio e acesso à internet, caixas de som amplificadas.

SOFTWARES NECESSÁRIOS

- Navegador de internet (Mozilla Firefox ou Google Chrome, por exemplo);


- Adobe Flash Player instalado e atualizado.

FUNDAMENTAÇÃO

Com o desenvolvimento da tecnologia e o avanço do mundo digital, vemos cada


vez mais a necessidade de estar apto a utilizar as diversas inovações presentes no
mercado. O uso de softwares no ensino de música tem sido um fator que vem sendo
usado nas aulas de música, “na atualidade, há um consenso generalizado de que
recursos tecnológicos musicais são ferramentas importantes para professores e
estudantes de música” (GOHN 2011). O que antes era visto por alguns, como chato de
se aprender está se tornando um jeito novo de aprender se divertindo. O uso de
programas e jogos onlines, vem sendo adotados para que o aluno de música aprenda de
maneira interativa e excitante, sendo através dessas novas ferramentas tecnológicas um
aprendizado musical em todos os quesitos, assim como é dever do professor dominar
esses programas de softwares para utilizar em sua prática didática (GOHN 2011).

Partindo da perspectiva do uso de programas e softwares livres para o


ensino/aprendizagem de música, será abordado aqui o uso do programa GNU Solfege,
que é um programa gratuito que pode ser usado para se aprender os princípios básicos
musicais: intervalos, teoria musical, classificação teórica de sons, acordes e etc.

Para o uso desse programa em aula é necessário alguns requisitos básicos para o
uso do programa GNU, é interessante que haja sido abordado em sala de aula intervalos,
nome das notas e sua altura, é importante que o aluno já tenha sido iniciado em uma
musicalização prévia.
Aqui será abordado um pouco do uso das escalas, que vale ser salientar em sala
de aula, para que os alunos estejam aptos a usar a nova ferramenta digital para
desenvolver aprendizado musical. As escalas, que tem sua origem do latim “scala”,
significando gama ou escala (MED, 1986), sendo constituídas de sons de alturas
diferentes organizadas por ordem ascendente do som mais grave para o agudo:

A música ocidental está baseada em cima desses sete notas musicais, criada
pelos gregos que dispuseram de sete modos para organizar essas notas, e essa
organização ficou conhecida como modos gregos, cada modo grego tem uma seqüencia
em sua escala que difere das demais, ficando assim cada uma com um som singular. Na
qual se constitui assim:

Jônico: Do Re Mi Sol La Si

Dórico: Re Mi Fa Sol La Si Do

Frígio: Mi Fa Sol La Si Do Re

Lídio: Fa Sol La Si Do Re Mi

Mixolídio: Sol La Si Do Re Mi Fa

Eólio: La Si Do Re Mi Fa Sol

Lócrio: Si Do Re Mi Fa Sol La

Essas escalas estão dispostas também sendo usadas para classificação numérica
usando o algarismo romano: I II III IV V VI VII VIII, ficando assim I primeiro grau, II
segundo grau, e assim sucessivamente. Os gregos observaram que partindo de diferentes
graus da escala além do primeiro grau, poderiam obter outras sonoridades, criando
assim esses modos anteriormente citados.
A partir do conhecimento teórico sobre escala musical, o que deve ser praticado
em seqüencia é o conhecimento prático auditivo desse assunto. A partir da enumeração
em algarismo romano o que deve se fazer é um treino sobre cada grau da escala,
entendendo as sonoridades comparadas inicialmente por dois graus, começando do
primeiro em comparação aos demais graus, exemplo:

I-II, I-III, I-IV, I-V, I-VI, I-VII, I-VIII, pondo esse exemplo em graus baseando em uma
escala, no caso para uma demonstração a escala jônica de Dó, os intervalos seriam
disposto dessa maneira:

Do-Re, Do-Mi, Do-Fa, Do-Sol, Do-La, Do-Si, Do-Do (8ª ACIMA)

O que está sendo alegoricamente esses exemplos demonstrando como seria na


prática é o descobrimento e exercícios de intervalos melódicos, no qual estamos
partindo do primeiro grau da escala, no caso citado anteriormente sendo DÓ, e fazendo
a comparação de sonoridades entre os demais graus, “Intervalo é a distância entre dois
sons musicas” (MED, 1986):

Do-Re= 2ª Maior
Do-Mi= 3ª Maior
Do-Fa= 4ª Justa
Do-Sol= 5ª Justa
Do-La= 6ª Maior
Do-Si= 7ª Maior
Do-Do (8ª ACIMA) = 8ª Justa
A partir desse exercício na prática os alunos memorizarão auditivamente esses
intervalos, sabendo a partir de exercícios auditivos identificarem os intervalos da escala
diatônica. Além desse exercício, pode-se também realizar ele descendentemente, de
maneira que o primeiro grau da escala fica em segundo lugar e que a primeira nota seja
um Re ou Fa, ou os demais graus da escala. Partindo dos demais graus secundários, e
comparando eles entre si, surgirão novas sonoridades melódicas, como por exemplo:

Re-Fa= 3ª Menor

Mi-Fa= 2ª Menor
Fa-Si= 4ª Aumentada

Si-Fa= 5ª Diminuta

Através do uso de letras do alfabeto, as notas musicais que ficaram organizadas nessa
ordem:

Do Re Mi Fa Sol La Si

C D E F G A B

O uso das letras para ilustrar a nota veio dos ingleses e dos alemães (MED,
1986), e ficou denominado as letras que representam as notas da escala de “cifras
musicais”.

Partindo desse conceito, pode-se basear para encontrar qualquer intervalo,


treinando o ouvido em cada intervalo, para que possa gradativamente evoluir para a
identificação de intervalos mais complexos, como intervalos harmônicos de dois sons
ou mais. Para uma melhor ilustração, note os valores indicados nesse gráfico abaixo dos
valores dos intervalos:

GNU Solfege
Link para download do software: http://ftp.gnu.org/gnu/solfege
INTRODUÇÃO

GNU Solfege é um programa livre para treino de audição. O programa é parte


do Projeto GNU, que tem como objetivo criar um sistema operacional todo baseado em
softwares livres, que possa trazer um espírito cooperativo entre os usuários e remover os
obstáculos de utilização imposta pelos softwares proprietários.
As principais atividades presentes neste software são baseadas em quatro
conteúdos básicos: Intervalos, escalas, acordes e ritmos. Partindo desses quatro
conteúdos, o programa desenvolve diversos exercícios envolvendo a percepção, entre
eles estão:

Todos os exercícios acima expostos na imagem, poderão ser utilizados conforme


o nível da turma que se pretende trabalhar. Nessa perspectiva, o professor terá que saber
escolher os exercícios para um trabalho gradativo de desenvolvimento dos alunos, indo
do mais fácil ao mais difícil, respeitando o nível de todos.
O programa também conta com um manual de usuário, pela qual o professor
poderá encontrar todas as informações a respeito da utilização do software. Para acessar
o manual, basta clicar com o botão esquerdo do mouse em ajuda, localizado na barra de
tarefas, depois clicar com o botão esquerdo do mouse em manual do usuário, e o link
em HTML irá abrir automaticamente no navegador sem precisar de acesso a internet.

Além disso, dentro do manual, o professor irá encontrar um tutorial ensinando


como executar cada atividade, assim como também uma explicação sobre o conteúdo a
ser trabalhado. Para acessar de forma direta essas informações, basta selecionar o
exercício que se pretende trabalhar, depois clicar com o botão esquerdo do mouse em
AJUDA, localizado na barra de tarefas, depois clicar em AJUDA PARA O
EXERCÍCIO ATUAL, ou apenas clicar na tecla F1 do teclado do computador.
Por ser um programa livre, é de código aberto (qualquer pessoa com
conhecimento sobre códigos fontes pode alterar o programa), algumas atividades podem
conter erros, ou ainda precisarem de alguns ajustes. Portanto, se por alguma acaso
encontrar algum erro, ou identificar que o programa precisa de alguns melhoramentos,
basta enviar um email para bug-solfege@gnu.org e a equipe GNU irá se encarregar de
ajudá-lo nos problemas e melhorar as atividades do software.
PROCEDIMENTO PEDAGÓGICO

Após aprender a utilizar os recursos do programa GNU Solfege, o professor poderá


trabalhar com seus alunos da seguinte forma:

1. Ao trabalhar com os conteúdos intervalos, escalas e acordes, o professor durante


o semestre, poderá trabalhar a percepção dos alunos gradativamente em um
horário especifico da aula. Exemplo: para se trabalhar intervalos, começar com
exercícios envolvendo intervalos de 2 maior e menor, depois intervalos
envolvendo terças, quartas e etc., após um período preestabelecido, o professor
poderá elaborar uma avaliação utilizando o software solfeje. A avaliação irá
envolver os intervalos, acordes e escalas trabalhados durante todo o semestre.
2. Além do trabalho dentro de sala de aula, o professor pode orientar os alunos a
fazer um trabalho gradativo em casa, utilizando o software. Ou seja, durante
determinado período os alunos irão estudar percepção em casa utilizado o
software, e ao final do período o professor irá avaliar os conhecimentos dos
alunos baseados em algumas atividades do software.

REFERÊNCIAS

GOHN, D. Introdução aos recursos tecnológicos digitais. In: XXI Congresso da


ANPPOM, 21, 2011, Uberlândia, Anais... Uberlândia, 2011. [s.n]. p. 346-351.

MED, B. Teoria de música. 3 ed. Brasília: Musimed, 1986.