Você está na página 1de 26

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL

Aula 2

Clara Brum
Ética da Advocacia

Quais são os requisitos para a inscrição


nos quadros da OAB?
Ética da Advocacia

Os requisitos estão elencados no art. 8º, EOAB. O


candidato à inscrição nos quadros na qualidade de
bacharel deverá comprovar todos os requisitos, pois a
inexistência de qualquer um deles acarretará o
indeferimento do pedido, o que significa dizer que a
aprovação no Exame de Ordem é apenas um dos
requisitos e não o único.
Ética da Advocacia

Inscrição principal

A inscrição principal deverá ser feita no Conselho


Seccional do domicílio profissional do advogado.
Eventual mudança de domicílio, o advogado poderá
requerer a transferência de sua inscrição para o
território de outra Seccional da OAB ( Art. 10, EOAB).
Ética da Advocacia

Com a sua inscrição na OAB, o advogado atua


ilimitadamente no território de sua Seccional, podendo
realizar atos privativos de advogado em qualquer parte
do território nacional, desde que não tenha habitualidade
em área de outra Seccional que não seja da sua
inscrição.
Ética da Advocacia

A inscrição suplementar
A lei estabelece, ainda, que se o advogado configurar
habitualidade (profissional) em outro território diferente
do território da sua Seccional, terá que solicitar mais uma
inscrição. O que significa habitualidade? A habitualidade
se configura quando o advogado realizar mais de 5 atos
privativos em causas distintas, por ano, em território de
outra Seccional (art. 10, EOAB c/c 26, RG; 34, § 1º do
RG).
Ética da Advocacia

O advogado pode patrocinar causas fora do seu


domicílio profissional desde que não ultrapasse o limite
de cinco causas por ano, acima do qual se obriga à
inscrição suplementar (art. 26 do RGOAB).
Ética da Advocacia

Atenção!
A defesa em processos administrativos, inquéritos
policiais, o visto em contratos constitutivos de pessoas
jurídicas, a impetração de habeas corpus e o simples
cumprimento de cartas precatórias não constituem
intervenção judicial para os efeitos do art. 10, § 2° do
EOAB.
Ética da Advocacia

Quais as atividades privativas da advocacia?

Atividades privativas dos inscritos na OAB estão no art.


1º do EOAB, a saber:

• Procuratório Judicial
• Procuratório extrajudicial
Ética da Advocacia

Estudamos que a advocacia é indispensável à


administração da justiça, mas sabemos que a
indispensabilidade do advogado é relativa, pois existem
situações em que a parte poderá agir sem a presença de
um advogado. Vejamos!
Ética da Advocacia

• Juizados Especiais Cíveis – Lei 9099/95, art. 9°;


• Juizados especiais Cíveis Federais – Lei 10.259/2001,
art. 10;
• Justiça do Trabalho: art. 791, CLT;
• Ação revisional Penal: art. 623, CPP;
• Proc. Disciplinar Administrativo: Súmula vinculante n°
5;
• Lei Alimentos: art. 2º da Lei5478/68;
• Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo
Presidente da República.
Ética da Advocacia

Sobre a dispensabilidade no âmbito dos Juizados


Federais, o STF, na ADI 3.168-6, deu interpretação
conforme, para excluir do âmbito de incidência do art. 10
da Lei 10.259/2001 os feitos de competência dos
juizados especiais criminais da Justiça Federal (Ver
informativo 430 do STF).
Ética da Advocacia

São atividades extrajudiciais: art. 1º, inciso II, EOAB

Art. 1º,§ 2º do EOAB: assessoria e visto do advogado


em atos e contratos de pessoa jurídica. (C/C art. 2º, §
único, do RG; art. 9º, § 2º da LC 123/2006 e o informativo
STF, nº 445);
Ética da Advocacia

Art. 2º, § único, do RG:

Não poderão vistar estatutos de pessoas jurídicas, os


advogados que prestem serviços a órgãos ou entidades
da Administração Pública direta ou indireta, da unidade
federativa a que se vincule a Junta Comercial, ou
quaisquer repartições administrativas com competência
para registro.
Ética da Advocacia

Exceção: Microempresas (ME) e


Empresas de Pequeno Porte (EPP).

Art. 9º, § 2º da LC 123/2006: “Não se aplica às


microempresas e às empresas de pequeno porte o
disposto no §2º do art. 1º da Lei 8.906/94”.
Ética da Advocacia

Como vou provar minha prática forense?


Veja o art. 5º, RG.

Comprova-se mediante a participação mínima em cinco


atos privativos previstos no art. 1º, EOAB, em causas ou
questões distintas.
Ética da Advocacia

Inscrição do estagiário

Conforme estabelece o art. 9º, EOAB, quando o


estudante alcança certa maturidade acadêmica realiza o
seu pedido de inscrição na Seccional da OAB, no local
do seu curso de graduação.
Ética da Advocacia

Os requisitos para sua inscrição nos quadros de


estagiários são basicamente os mesmos para o
advogado, com exceção da apresentação diploma:
• capacidade civil;
• título de eleitor e quitação do serviço militar;
• não exercer atividade incompatível;
• Idoneidade moral;
• compromisso;
• ter sido admitido em estágio profissional.
Ética da Advocacia

Habilitação do estagiário: art. 29, § 1° e 2°, RG.

• Retirar e devolver autos em cartório;


• Obter certidões junto aos escrivães e chefes de
secretaria;
• Assinar petições de juntada de documentos a
processos judiciais e administrativos;
• Atos extrajudiciais, isoladamente, desde que autorizado
ou substabelecido.
Ética da Advocacia

Posso cancelar minha inscrição? ( art. 11, EOAB)

Cancela-se a inscrição do profissional que:

I - o requerer
II – sofrer penalidade de exclusão (ofício/ comunicação);
III – falecer (ofício / comunicação);
IV– passar a exercer, definitivamente, atividade incompatível (ofício /
comunicação);
V – perder um dos requisitos necessários para inscrição.
Ética da Advocacia

Posso voltar? ( art. 11, § 2º, EOAB)

A nova inscrição não restaura o número anterior;

O interessado deverá provar capacidade civil, não exercer atividade


incompatível, comprovar idoneidade moral e prestar compromisso.

Se sofreu a penalidade de exclusão, somente após provas de


reabilitação (1 ano) – art. 41, EOAB.
Ética da Advocacia

Não quero sair, mas quero dar um tempo. O que faço?

Licencia-se o profissional que: (art. 12, EOAB)

I - Requerer por motivo justificado;


II - Passar a exercer atividade incompatível temporária;
III - Sofrer doença mental curável.
Ética da Advocacia

O Estatuto estabelece que são nulos os atos praticados


quando: ( art. 4º, EOAB)

• Advogado impedido, no âmbito do impedimento;


• Advogado suspenso - penalidade;
• Advogado licenciado – art. 12, EOAB;
• Advogado com incompatibilidade superveniente;
• Pessoa não inscrita (LCP, art. 47);
Referências:
BRASIL. Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados
do Brasil. Lei 8.906, de 4 de julho de 1994. Coleção Saraiva de
Legislação. 20 ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Manual de redação da


Presidência da República 2002. Disponível
em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>
Acesso em: 08 jan. 2016.
MACHADO, Ana Lucia G. Formas de Tratamento e Relações de
Poder. Disponível em:
<http://www.getempo.org/index.php/revistas/26-02/artigos/51-
formas-de-tratamento-e-relacoes-de-poder-por-ana-lucia-golob-
machado> Acesso em: 08 jan.2016.

MARTINS, Ives Gandra. A função social do Advogado. In: Revista


do Advogado. v. 5. n. 14. p. 94/99, jul/set, 1983.

MENDES, G. F.; COELHO, I. M.; BRANCO, P.G.G. Curso de


Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2013.
Como é ser um Filósofo?

Clara Maria Cavalcante Brum de Oliveira


Possui graduação em Comunicação Social - Faculdades
Integradas Hélio Alonso (1990), graduação em Filosofia pela
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2000), graduação em
Direito pela Universidade Estácio de Sá (2005) e mestrado em
Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1998).
Atualmente é professora assistente da Universidade Estácio de
Sá. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Ética,
atuando principalmente nos seguintes temas: metodologia,
filosofia da ciência, filosofia, filosofia política e filosofia do direito.
Lattes: http://lattes.cnpq.br/2000062113086870