Você está na página 1de 60

CURSO BÁSICO DE RADIESTESIA

Prof.: Rati Gauri


RADIESTESIA
Vem da raiz latina radius (raio, radiação) e da grega
aisthesis (sensibilidade).
Portanto, etimologicamente significa sensibilidade às
radiações, ou a capacidade de detectar as
radiações de seres e de objetos ampliadas por um
pêndulo.
A Radiestesia é usada a milhares de anos.
Temos “mostras” do uso desta técnica desde os
primórdios da era pré-histórica, onde os caçadores
tinham desenhados nos tetos de suas cavernas,
imagens dos animais que iriam caçar
posteriormente com o desenho de suas mãos em
cima mostrando então o poder de caça, sendo que
depois disto, faziam sessões de “magia”, onde
faziam cortes estilizados através dos desenhos,
significando as feridas que estavam fazendo
naquele animal, “matando-o” antecipadamente.
Isto nos mostra a maneira de usar a mente
naquilo que se deseja, pois através destes
desenhos era criada a imagem mental para que
depois ela se materializasse. Outros caçadores,
além de praticarem este mesmo “ritual”, ainda
tinham uma vara de madeira com o desenho
específico do animal a ser caçado, portanto, a
energia era mais direcionada.
Podemos exemplificar a radiestesia em vários
locais e épocas até mesmo na Bíblia, onde temos
alusão feita à “Vara de Jacó”, que era usada como
instrumento para materialização da força mental.
O imperador chinês Tai Yu, 2000 anos antes de nossa
era, usava um instrumento como um diapasão, para
descobrir água. Ele era considerado por Confúcio
como o “homem que dominou as grandes
inundações”.
O Feng Shui que proíbe a construção de casa em cima
das chamadas “veias do dragão”, que são as águas
subterrâneas.
No Egito, antes dos Hebreus, temos achados de
varinhas e pêndulos na tumba do vale dos Reis,
origem do atual pêndulo egípcio.
Na Idade Média a radiestesia foi usada na prospecção
de minérios.
Em 1556, o alemão Georgius Agricola publicou em latim
o livro “De Re Metallica” (dos metais) sobre
prospecção mineral.
Há relatos que os mineiros usavam varetas (forquilhas)
de diferentes árvores para a busca de minérios:
aveleira para a prata, freixo para o cobre, pinheiro
negro para o chumbo e estanho. Para o ouro e a prata
preferiam varetas de ferro.
No final do século XVII a rabdomancia (adivinhação por
vara) ou a futura radiestesia espalhara-se por toda a
Europa.
- 1892 = Abade Alexis Bouly (1865-1958) criou o
termo Radiestesia.
- 1919 = Abade Alexis Mermet (1866-1937) criou a
Telerradiestesia ( Radiestesia à Distância) e era
conhecido como “Príncipe dos Radiestesistas”.
Achava fontes de água através de mapas.
- 1920 = A comissão da Academia de Ciência de
Paris elaborou um parecer favorável a radiestesia,
patrocinando a mesma por considerá-la a “Ciência
do porvir”.

- 1933 = Congresso Internacional de Avignon, com a


participação de 11 países e a consagração do termo:
Radiestesia.
-1935 = A Maison de La Radiesthésie publicou o
famoso livro de Mermet : “Comment j. opère”,
considerado a bíblia dos radiestesistas.

-1956 = Congresso Internacional de Locarmo decide


a criação da União Mundial dos Radiestesistas
Através destes milhares de anos, muitos
conhecimentos se “perderam” ou fizeram com que se
perdesse, pois eram considerados elementos para a
alta nobreza ou para os grandes pensadores e
intelectuais ou pior: apenas para os “bruxos”,
dependendo da época em que se estava.
O ser humano, mesmo assim, vêm buscando o
conhecimento de todas as formas. Muitos buscam
através da religião, da formação de seitas, grupos de
estudo, leituras, enfim de alguma forma querem ter o
conhecimento. Infelizmente somos dotados de alguns
sentimentos como inveja, orgulho, descaso, o poder
de ser o único a saber tudo, o sentimento de ser o
Deus do conhecimento, isto faz com que as
possibilidades de evolução de propagação dos
conhecimentos “energéticos” sejam muito diminuídas,
pois se julgam detentores de todo conhecimento.

“Saber que não se sabe é o bem supremo.


Não saber que não se sabe é como padecer um mal.
Quem toma consciência deste padecimento fica livre
dele.O sábio não sofre este mal porque já padeceu
com ele,assim ele pode evitá-lo!”
LAO TSE – TAO TE KING
Como foi dito anteriormente, apesar de estarmos
ainda engatinhando no sentido das “mostras” dos
resultados, pois há necessidade de maior divulgação
e transmissão dos conhecimentos, já estamos sendo
bem aceitos pelas pessoas, que estão “enxergando”
que existe um “algo mais” além deste pobre corpo
físico que habitamos e estas linhas tridimensionais
em que vivemos, claro, obrigatoriamente por
estarmos na Terra.
A Radiestesia usa os princípios curativos já
existentes na natureza, a energia sutil. Não tem a
pretensão de propor a CURA para todos os males, pois
esta cura dependerá apenas do objeto a ser tratado. No
caso de pessoas dependemos da Lei do Livre Arbítrio,
em animais dependeremos da sensibilidade dos
mesmos e alguns outros fatores relacionados às
pessoas com quem convivem, nas casas
dependeremos,após uma neutralização, de
acompanhamento, pois tudo muda todo o tempo, isto é,
novas construções ao redor, energia elétrica, celulares,
etc.
A Radiestesia nada mais é do que Energia e força
mental, onde o pêndulo é apenas uma extensão do
supraconsciente do operador, portanto dois
instrumentos trabalhando juntos em prol do próximo.
A prática nada tem a ver com religião, crença e
sim com ciência. Temos vários estudos comprovando a
modificação da energia e do pensamento alterando
áreas específicas do cérebro, através de Ressonância
Eletromagnética e outros muitos aparelhos.
Funciona como uma ponte entre a mente
consciente e a inconsciente, trabalhando com as
vibrações do campo eletromagnético.
Em relação a saúde é usada para avaliar com
precisão o estado físico, energético, emocional, mental
e espiritual do paciente, sendo por isso, um valioso
auxiliar na prevenção e tratamento de doenças.
ENERGIA
Nós vivemos em um mundo energético.
Sabemos que a energia não se cria, nem se
destrói, ela se transforma em energia elétrica,
que por sua vez se transforma em energia
térmica e energia mecânica.
Assim como essas energias, que são
conhecidas, existem outras formas de energias
mais sutis que o homem não aprendeu a medir
e identificar e poucos trabalham
conscientemente com elas, mas que todos,
quer queiram ou não, sofrem seus efeitos.
Com o conhecimento dessas energias sutis,
nossas vidas começarão a modificar-se e
compreenderemos assim a relação entre causa e
efeito; também veremos que nossos pensamentos
influem em nosso campo de energia, que por sua
vez influem em nosso corpo físico e em nossa
saúde.
Se nós prestarmos atenção e atentarmos para
o que nos incomoda, nos recolocaremos em
equilíbrio e teremos uma boa saúde.
Os objetos sólidos, materiais, estão rodeados e
impregnados de um mundo de energia radiante, em
constante movimento, em constante mutação. Estamos
mergulhados num mundo de campos de energia vital,
de energia de pensamentos e de formas que se movem
ao redor do corpo, e, dele emanam.
Uma das consequências importante da teoria da
relatividade de Einstein, é a compreensão de que
matéria e energia são intercambiáveis. A matéria nada
mais é do que uma forma de energia. A matéria é
simplesmente a energia desacelerada ou cristalizada;
nosso corpo é energia.
ONDAS NOCIVAS
As ondas ou radiações emitidas por todos os
corpos, são detectadas pelo pêndulo. Os radiestesistas
foram classificando todos os corpos pelas radiações
que emitem e chegaram a conclusão que cada pessoa,
enfermidade, medicamento ou objeto, emite ondas
particulares, próprias a cada um.
Os radiestesistas chegaram à conclusão de que a
superfície terrestre está envolta em duas redes
paralelas de forças, uma Subterrânea ou Telúrica, e
outra Superior ou Cósmica. Em determinados lugares,
devido à acidentes de terreno (jazidas, cavidades, etc.),
há um desequilíbrio entre essas forças, sempre no
sentido de maior força telúrica, quando esta aflora à
superfície e, por um desses pontos surgem ondas
nocivas.
AURA HUMANA

A aura humana pode ser descrita como um corpo


luminoso que cerca o corpo físico e o penetra, emitindo
uma radiação característica própria. É a parte da
energia cósmica associada ao corpo humano.
Os pesquisadores baseados em suas observações
dividem a aura em diversas camadas. Essas camadas,
chamadas corpos, se interpenetram e cercam uma as
outras em camadas sucessivas. Cada corpo se compõe
de substâncias mais sutis e de vibrações mais altas, à
medida que se afasta do corpo físico.
Nossa aura tem sete camadas, as mais densas
(as camadas inferiores), são mais fáceis de ver. Cada
camada pode ser considerada um nível de vibração
mais elevada que ocupa o mesmo espaço dos níveis
de vibrações inferiores e se estende além deles.
Temos assim sete corpos que ocupam, todos, o
mesmo espaço ao mesmo tempo, cada qual se
estendendo para fora além do último.
Cada camada parece diferente das outras e
exerce sua função particular. Cada uma delas esta
associada a um chakra, tem então: a primeira
camada se associa ao primeiro; a segunda camada
ao segundo e assim por diante.
Existe, então, localizações específicas no interior
do nosso sistema de energias para as sensações, os
pensamentos, as lembranças e para outras
experiências não físicas. Se compreendermos o modo
com que nossos sintomas físicos se relacionam com
essas localizações, será mais fácil compreendermos a
natureza das diferentes enfermidades e também a
natureza da saúde e da doença. Dessa forma, o
estudo da aura pode ser de grande ajuda entre a
medicina tradicional e nossas preocupações
psicológicas.
DUAL-ROD E AURAMITER
Os chineses há 4.000 anos descobriram que nós
temos no cérebro cinco micro cavidades e por uma
delas (chacras coronário ou central), entra a energia
vital e pelas outras cavidades deve sair energia. A
saída de energia deve ser feita pelo frontal, têmpora e
nuca. Se a energia vital não estiver entrando pelo
chacras central, a pessoa fica em desequilíbrio,
apresentando perturbações. Quando a entrada de
energia estiver sendo feita pelo frontal, a pessoa anda
de cabeça baixa, fechada em si. Quando entrar pela
nuca, a pessoa fica com sono ou com insônia e dor de
cabeça. Quando entrar pela têmpora esquerda,
geralmente a pessoa fica com desvios sexuais;
pela têmpora direita, a pessoa fica pessimista. A energia
cósmica entra pelo chakras central, enquanto que a
energia telúrica entra pelo pé esquerdo.
Para sabermos se a energia esta entrando pelo local
correto, usa-se o Dual-Rod. A pessoa em que vai ser
feita à leitura tem que ficar virada para o Norte. Entre a
leitura de uma pessoa e outra, devemos limpar o
aparelho com um pano branco. Para a entrada de
energia voltar ao lugar correto, colocamos a língua no
céu da boca ou então ficamos embaixo de uma
pirâmide; pode-se também bater no peito, no local do
timo.
Para medirmos a aura, usamos o Auramiter, mas antes
de fazê-lo, verificamos se a entrada de energia esta
sendo feita pelo local correto.
A aura mais perto do corpo é a aura física, do duplo
etérico. Para isso, passa-se o Auramiter próximo ao
corpo e onde houver problema, o instrumento aponta
para dentro, ou seja, em direção ao corpo. Para
verificarmos a "reserva de energia" (cauda de jacaré),
encostamos o Auramiter na nuca da pessoa e vamos
afastando até ele voltar. Mede-se a “força do olhar" de
modo semelhante o olhar de uma pessoa normal.
empurra o Auramiter até 1,5 metros (mais ou menos),
enquanto que a pessoa com tendência a
paranormalidade, vai mais além.
EXERCÍCIOS:

- Descarga ou Limpeza de Aura - Com a mão direita


direcionada para o Leste (posicionada
horizontalmente) e a esquerda para o chão
(posicionada verticalmente), a pessoa deve proferir
as seguintes palavras:
"Peço a fonte da vida ( sol) que permita a mãe
terra receber e absorver estas energias deletérias" .
- Postura para Imantação Planetária - Os povos
antigos, principalmente os da Mesopotâmia,
recebiam orientação dos sacerdotes que
ensinavam a retirar a energia do sol; o que é feito
executando-se o seguinte procedimento
(“Chamada de Força") :
Voltamo-nos para o Leste e levantamos as duas
mãos, a altura das orelhas, e imaginamos um Sol
grandioso, de cor dourada; e com os olhos da
mente imaginamos que estamos recebendo essa
energia dourada (durante 03 minutos).
PÊNDULOS
O pêndulo é um peso suspenso por um cordão ou
corrente, onde seguramos entre os dedos polegar e
indicador; os seus movimentos indicam energias
positivas ou negativas.
O pêndulo é o instrumento dos mais sensíveis e pode
ser usado no laboratório, no campo, no trabalho ou
em casa. É um instrumento para comunicação com o
mais profundo do nosso ser, que se acha obscurecido
pelo medo, pela ignorância e pelos preconceitos,
acerca de nossa natureza e do universo em que
vivemos e, é justamente essa parte de nosso ser que
conhece a verdade, porque ela é a verdade. Esses
níveis mais elevados não são condicionados a tempo
e espaço e são dotados de poderes que nós não
compreendemos ainda.
Quanto mais nos ligamos com eles, mais a
energia que deles emana, fluirá de nós e
encherá de poder e sabedoria as nossas mãos
e mais simples e melhores as nossas vidas. O
pêndulo é o método com o auxílio do qual nos
unimos conscientemente com o nosso ser mais
profundo, tendo assim acesso aos poderes de
percepção superiores aos nossos cinco
sentidos.
O pêndulo é uma espécie de aparelho de
comunicação entre a consciência e o subconsciente,
mas é necessário estabelecer uma linguagem mútua
que possa ser entendida pelas duas partes. A mente
subconsciente não é capaz de dar ordens, agindo
somente por sugestão, a partir de uma fonte exterior,
no caso, a mente consciente do operador que deve
dizer quais os movimentos que serão convencionados
para significar SIM (rotação no sentido horário) e Não
(rotação no sentido anti-horário); procedimento
chamado de programação subconsciente.
Passada essa fase de ordens mentais, deverá o
iniciante neutralizar o seu pensamento, para iniciar o
que chamamos de prospecção, onde a influência da
mente não deve existir. Em nenhum momento, nosso
pensamento deve ter interferência nos resultados de
nossas experiências. A mente trabalha em três
campos específicos, ou seja:
- Campo Consciente, onde nos relacionamos
socialmente, falamos e pensamos através do
consciente e nossos sentidos físicos, como adição,
visão etc., também se manifestam pelo consciente.
- Campo Subconsciente, no qual temos a nossa
memória; tudo que já se passou conosco, desde a
nossa criação, esta registrado neste campo mental.
- Campo Superconsciente, é o nosso elo de ligação
com o Criador do Universo. É através deste campo
que adquirimos a força que nos impulsiona sempre à
frente, proporcionando condições de evolução.
CONSELHOS PRÁTICOS
• É muito importante trabalhar todos os dias com o
pêndulo por 10 a 15 min.;
• Usar 5 min. para relaxar e os outros minutos para
trabalhar com o pêndulo; Não cruzar as pernas,
fazer o seguinte exercício: com a mão fechada, ir
abrindo os dedos um de cada vez muito devagar,
demorando mais ou menos 1 min. em cada dedo.
Aumenta muito a sensibilidade da mão;
• No início ter sempre o mesmo horário e o mesmo
lugar. O melhor é o período da manhã, bem cedo.
Aumenta muito a sensibilidade da mão;
• Esfregar as mãos para polarizar antes de iniciar os
exercícios;
• É preciso ter neutralidade mental e não pensar no
resultado;
• Ter muita paciência, não se preocupar se no início o
pêndulo não se movimentar. Também é preciso ter
muita prudência para não julgar os movimentos do
pêndulo no início.
• Devemos adquirir nossa autoconfiança e saber que o
pêndulo está falando certo. Para isso devemos fazer
exercícios que possamos comprovar.
Exemplo:
Colocamos água pura em 3 copos, sendo um com sal.
(pedimos para outra pessoa fazer isso). Depois não
perguntar nada ao pêndulo. Ele vai fazer o mesmo
movimento sobre os dois copos e movimento diferente
sobre o outro;
• Não se tornar um fanático. O fanatismo é desequilíbrio;
• Desenvolver a sensibilidade em todos os aspectos,
visão, olfato, tato,, etc. Desenvolver o tato o mais
possível. Nos dedos e no centro da palma da mão,
temos terminais maravilhosos.
• Devemos criar um método.
• Devemos ter cuidado com os campos artificiais de
energia (TV ligada, rádio e etc.). É campo artificial
que modifica a bússola.
• Para procurar ouro, petróleo, etc, se orientar com
um testemunho em uma mão e o pêndulo na
outra;
• Deve-se ter cuidado com a remanescência ou
impregnação. Quando tiramos um objeto de um
lugar por algum tempo ainda aquele lugar,
conservará as radiações do objeto;
• Se o pêndulo não mexer, é porque estamos
cansados ou o ambiente está carregado de uma
energia muito forte. Devemos deixar para
trabalhar outra hora;
• A mão esquerda é usada como antena. Quando
não precisamos dela para nada devemos
conservá-la fechada.
• Para desimpregnar o pêndulo devemos limpar o
fio com um pano branco ou colocar o pêndulo
sobre a terra, ou em cima de uma placa de
chumbo, ou um gráfico de radiestesia;
RADIÔNICA
Na primeira metade deste século, o Dr. Albert
Abrams, patologista e professor na Escola de
Medicina na Califórnia, demonstrava a seus alunos o
resultado de suas pesquisas. Escolheu um jovem
sadio, colocou de frente para o Oeste Magnético e,
percutindo seu abdômen produzia os sons ocos
normais de uma pessoa sã.
A seguir apresentou um paciente canceroso em
estado grave e percutiu à altura do estômago
doente, logo abaixo da caixa óssea das costelas e
obteve os sons surdos, compacto.
Ressoava como se aquela parte do abdômen
estivesse cheia de uma substância sólida, ao
invés de tecidos sãos. Fez a mesma coisa com
pacientes portadores de outras moléstias como
tuberculose, meningite, pneumonia, resfriados,
etc. Os resultados da percussão eram os mesmos.
Toda a doença produzia um som surdo em certa
área específica do abdômen do paciente. Parece
que qualquer doença afeta os reflexos nervosos
das pessoas de um mesmo modo.
Se ele pudesse distinguir entre os comprimentos
de onda das várias doenças, uma pessoa sadia
poderia ser usada para detectar doenças em outras.
O sistema nervoso de uma pessoa sadia pode ser
utilizado como instrumento de diagnóstico. Nascia
assim, oficialmente, a ciência da
RADIESTESIA MÉDICA e da RADIÔNICA.
Assim como o som é uma vibração e pode ser
amplificado, a nossa mente também envia energias
que podem ser amplificadas, através dos aparelhos
radiônicos.
Para usarmos nossa mente, é necessário que
estejamos em harmonia. Para isso devemos exercitá-
la, liberando-a dos maus pensamentos.
• Gráfico do Corpo Humano:
podemos usar esse gráfico para facilitar nossa
concentração, nos ligando a pessoa que vai ser
tratada. Fazemos um testemunho com o nome e a
data do nascimento, e colocamos no alto do gráfico.
Com o pêndulo vamos percorrendo o gráfico, no local
onde houver desequilíbrio de energia o pêndulo
começará a girar no sentido horário. Desse modo
verificamos somente a área em que está o problema.
Podemos fazer então, uma lista de órgãos que se
localizam nesta área e vamos perguntando: Este
órgão está funcionando mal? Assim vamos localizar o
órgão exato. Podemos também perguntar: Este órgão
está inflamado? Está em hiper-função? Está em hipo-
função? Recebemos assim as respostas do pêndulo
para nossa orientação, desde que as perguntas sejam
bem formuladas.
Decágono – Gráfico da Materialização

Todas as figuras retas são equilibradoras e


potencializadoras. Podemos trabalhar na radiestesia
com figuras geométricas, e se elas estiverem
posicionadas para norte, formam um campo
magnético.
O decágono ou potencializador tem vários usos:
Fabricar testemunho - se vamos tratar de alguém que se
encontra a distância, e não temos nenhuma foto, cabelo
ou unha, podemos fabricar um testemunho, da seguinte
maneira: num papel em forma circular, escrevemos o
nome completo da pessoa e a data de nascimento,
colocamos no centro do decágono, perguntamos depois
de algum tempo se já está pronto para ser usado como
testemunho.
Para eliminar as energias de outras pessoas que possam
estar na amostra, como, por exemplo, fotografias
manuseadas por várias pessoas.
Fabricação de remédios - quando temos algum
problema de saúde, podemos fabricar um remédio
no potencializador. Para tanto, escrevemos num
papel em círculo, mais ou menos o seguinte: remédio
próprio e excelente para cura dos problemas (citar a
doença, por exemplo, fígado, intestino, etc) como não
sabemos o que pode ser, fazemos uma colocação
genérica, porém de forma clara e que você entenda,
e pôr o nome da pessoa para quem está sendo
fabricado o remédio. Coloque o círculo no
potencializador, depois vamos perguntando ao
pêndulo se já está pronto para ser fabricado o
remédio.
Quando a resposta for positiva colocamos um
copo com água em cima do papel, deixamos aí até o
pêndulo confirmar que o remédio está pronto.
Tomamos então a água, que poderá ter um paladar
diferente. E necessário que perguntemos ao pêndulo
quantas doses devemos tomar, por quanto tempo,
quantas vezes ao dia, etc... Bem como, se devemos,
tomar em gotas, goles, com colher, etc. Se a pessoa
estiver distante, não podendo tomar a água,
colocamos em cima da receita um testemunho dela.
Pilha Cósmica e Magnética

Foi estudada por Chaumerey Belizal e funciona


também como amplificador de energia. Se
colocarmos a pilha cósmica dentro da pirâmide, ela
amplia a energia e assim diminui o tempo de
exposição na pirâmide.
A pilha é formada por quatro ou mais semi-
esferas de madeira superpostas que faz com que
aumente consideravelmente a potência energética.
Quanto mais semi-esferas, maior é a potência
energética.
Para tratamento o número de quatro semi-esferas
é o ideal. Quando temos um número maior de
elementos, por exemplo, nove ou onze temos a
possibilidade de mumificar um pedaço de carne.
A Pilha Cósmica é condutora de ondas de raios
cósmicos acumulados pelas semi-esferas, que
sucedem-se numa reta e descem verticalmente.
Na Pilha Magnética as semi-esferas são orientadas no
eixo magnético, Norte-Sul da terra. Esses elementos
superpostos produzem uma amplificação progressiva
de ondas magnéticas, principais emissoras de ondas
de formas.
Usamos pilha magnética em radiônica e para usá-la,
devemos colocar a pilha no eixo N-S magnético, o
remédio deve ser posto no eixo central na saída Sul, e
na mesma linha de direção o testemunho da pessoa.
O tempo necessário a ser usado, escolhemos através
da radiestesia.
ENERGIA DOS ALIMENTOS
Simonetton serviu a guerra trabalhando no
rádio, nessa ocasião ficou tuberculoso,
estando alojado num trem velho, ouviu a
conversa dos médicos que o desenganavam.
Ele conhecia os trabalhos de Bovis. Conseguiu
fugir e modificou sua alimentação. Com
alimentos com bastante energia ficou bom.
Descobriu e escreveu sobre a energia dos
alimentos, dividiu em vários grupos de acordo com a
freqüência vibratória. Ele descobriu uma maneira de
medir a energia dos alimentos, e deu o nome de
Angstron, a unidade dessa medida.
Verificaram que todo ser humano emite energia (FH -
freqüência humana) e viu que uma pessoa saudável tem
6.500 ou mais angstron. Quando o ser humano abaixa
sua freqüência dá possibilidade das bactérias e
micróbios atacarem.
Se os alimentos estiverem nessa faixa (6.500)
nossa saúde se equilibra. Uma maneira de medir essa
energia é com uma régua com doze divisões de 5cm.
Cada divisão representa 1.000 angstron.
Para vermos a FH, colocamos a fotografia no T da
régua, que deve estar posicionada para o NORTE, e
como AURAMITER vamos descendo na escala, onde
ele não for empurrando encontramos os angstron.
Com o pêndulo também pode ser feito, quando
chegar no ponto ele pára de girar.
Para medir a freqüência dos alimentos, colocamos no
T da régua o alimento que queremos medir e vemos
com o auramiter. O sal marinho tem mais de 10.000
angstron.
Os alimentos de 3.000 a 6.000 angstron são o ideal
para a nossa alimentação.