Você está na página 1de 15

Problemas pós cirurgia de

amputação

Profª Renata Cardoso


Couto
Problemas pós cirurgia de amputação

 Infecções: atrasam a cicatrização


 Hematomas: Alterações circulatórias
 Atraso na cicatrização: Decorre de outras
patologias
 Dor vascular: Insuficiências circulatórias
 Ulceração, necrose e gangrena no coto
 Espículas ósseas
Problemas pós cirurgia de amputação

 Cicatriz operatória
 Neuromas: fenômeno natural de reparação
 Deformidades articulares
 Alterações psicológicas
 Sensação fantasma
 Dor fantasma
Edema

 o edema após a amputação é uma


complicação bastante frequente.
 O edema causa uma massa avermelhada e
dura, a qual se não for combatida pode
progredir e originar um eczema crónico e
lesões fungosas e, possivelmente ulceração.
 O edema também aumenta a sensibilidade e
a dor na extremidade do coto.
Contraturas

 as contraturas nas articulações geralmente ocorrem


antes ou imediatamente após a amputação.
 Esta situação ocorre normalmente devido ao mau
posicionamento do coto, o que conduz à sua fixação
em determinadas posições.
é extremamente complicado conseguir deambular
com a prótese quando se possui qualquer
contractura, isto porque, esta situação torna a sua
adaptação difícil devendo por isso ser evitáveis.
Dor
 a dor pode ocorrer de inúmeras formas.

 A dor pode ter origem no coto – é designada de dor


local.
 Ela pode ocorrer como dor referida ao coto. Pode
ainda existir a dor fantasma
 A dor local pode ser provocada por um neuroma
desprotegido que está a ser pressionado.
A dor referida é a maior parte das vezes sentida
dentro do coto além da sua extremidade, originando-
se num ponto distal.
Uma dor na articulação pode estender-se por todo o
restante membro.
Neuromas

 a extremidade cortada de qualquer nervo


pode tornar-se num neuroma, o qual é
geralmente indolor se protegido
adequadamente e se em repouso.
 Contudo, neuromas expostos a
pressão/tracção forte ou a movimento
constante do coto podem originar muita dor.
Problemas cutâneos e
psicológicos

 Problemas cutâneos: manifestações


alérgicas da pele, tais como dermatites de
contacto, eczemas, etc.
 Problemas psicológicos: amputados por
traumatismo têm um choque emocional
repentino sem preparo prévio, ao passo que
os portadores de doença arterial oclusiva
crónica ou tumor adaptam-se de forma
diferente e encaram melhor a amputação.
Infecção e problemas ósseos

 Infecção: A infecção deve ser acompanhada


com muita atenção pois a sua evolução
poderá acarretar em nova cirurgia de
amputação ou ainda prolongará muito mais o
tempo de adaptação à prótese.
 Espiculas ósseas
Dor Fantasma

 Dor fantasma
 Frequência- 50 a 65% dos amputados
 Aparecimento- 50 a 75% dos casos na
primeira semana
 Localização da dor
 Manifestação da dor fantasma : ardor,
aperto, compressão
Fatores que aumentam a dor fantasma

 Atenção, emoção, compressões no coto,


alterações de temperatura, dor de outra
origem, colocação da prótese
Fatores que diminuem a dor fantasma

 Descanso, distração, movimentos no coto,


elevação no coto, uso de uma prótese,
percussão ou massagem no coto
Etiologia

 Aumento da sensibilidade dos brotamentos


periféricos
 Neurônios- snc- resposta dolorosa
Sensação Fantasma

 Experiência de possuir um membro


ausente que se comporta similarmente ao
membro real
 Freqüência: 80 a 100%
 Características clínicas:
 Simples: Temperatura, pressão, coceira
 Complexas: Posição, volume
 Movimentos: