Você está na página 1de 19

SEL 329 – CONVERSÃO

ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

Autotransformador
Autotransformador: análise
Transformador convencional:

E1 N1
 a
E2 N 2

I1 N 2 1
 
I 2 N1 a

S  V1 I1  V2 I 2
Autotransformador
O autotransformador é um transformador especial no qual parte do enrolamento é
comum aos circuitos do primário e do secundário.
Ele pode ser visto (e analisado) como um transformador de dois enrolamentos ligados
em série ou como um transformador com um único enrolamento de onde se deriva o
primário e o secundário.

Transformador de dois Transformador de um


enrolamentos enrolamento

Transformador comum operando Transformador já fabricado como


como autotransformador autotransformador
Autotransformador: Abaixador

Relação de tensão:
N1  N  N2   N  N2 
V A  E1  E2  E2  E2   1  E2   1 VB
N2  N2   N2 
V A N1  N 2
  (a  1)  trafo abaixador de tensão
VB N2
Autotransformador: Abaixador

Relação de corrente:
N1  N  N2 
IB  I A  I2  I A  I A   1  I A
N2  N2 

IA N2  1 
    trafo elevador de corrente
IB N 1  N 2  a  1 
Autotransformador: Abaixador

Potência aparente:
Sautotrafo  VA I A  VB I B  VB I1  I 2   VB I1  VB I 2

VBI1 é a potência diretamente transferida ao secundário pela corrente primária sem


qualquer transformação. Ela é chamada potência condutiva.
Scond  VB I1
VBI2 é a potência transferida ao secundário pela corrente I2 pela ação transformadora.
Ela é chamada potência transformada (ou eletromagnética).

S transf  VB I 2
Autotransformador: Abaixador
Comparação entre a potência transferida do primário para o secundário em
transformadores e autotransformadores

S trafo  E1 I 1  E2 I 2

S autotrafo  E1  E2 I 1   E1 

E1
a  1
 
I  1  1 E I
a 1 1

 
S autotrafo  1  1 S trafo
a

Conclusão: Sauto > Strafo


Isto ocorre porque a conexão elétrica entre os dois enrolamentos permite que uma
quantidade de energia adicional possa ser (eletricamente) transmitida para a carga além
da energia transmitida (magneticamente) através do campo magnético.
Obs: Os valores nominais de corrente de cada bobina continuam sendo respeitados
como autotransformador.
Autotransformador: Elevador

VB E1 N1 1
I A  I2
  
VA E1  E2 N1  N 2 1  N 2
N1
VB 1
  trafo elevador de tensão
I B  I1  I 2 VA 1  1
VA
a
I2 IB 1
VB
 1
IA a

Sautotrafo  E1  E2 I 2  E1I 2  E2 I 2  aE2 I 2  E2 I 2

Sautotrafo  1  a S trafo
Autotransformador
Vantagens:
- É possível transferir uma potência maior com o mesmo transformador quando este é
ligado como um autotransformador (potência transformada + potência conduzida)
- Autotransformadores têm melhor rendimento, são fisicamente menores e mais baratos
do que um transformador convencional correspondente.
- Autotransformadores podem ser utilizados como fontes de tensão variável através de
contatos móveis que variam a relação N1/N2.

Desvantagens:
- O enrolamento de baixa tensão demanda melhor isolamento uma vez que está exposto
ao enrolamento de alta tensão.
Exemplo : (Pag 113, Electric Machinery Fundamentals 4e,
Stephen J. Chapman)
-Um transformador 100VA, 120/12V é ligado como
autotransformador elevador. Aplica-se tensão no primário de
120V.
a) Qual é a tensão no secundário?
b) Qual é a máxima potência aparente de operação nesta
configuração?
c) Qual é o ganho de potência do autotransformador em
relação ao autotransformador
Transformadores
trifásicos
Transformadores trifásicos
Os transformadores trifásicos podem ser construídos de duas maneiras:
(a) banco trifásico (composto por 3 transformadores monofásicos)
(b) núcleo trifásico (composto por um único núcleo – mononuclear)
Um transformador trifásico é constituído de pelo menos três enrolamentos no primário e
três enrolamentos no secundário, os quais (como qualquer componente trifásico) podem
ser conectado em Estrela (Y) ou Delta (). Por conseguinte, temos quatro possibilidades
de ligação (conexão):
Primário Secundário
Y Y
Y 
 Y
 
Cada conexão possui determinadas características que determinam o uso mais adequado
conforme a aplicação.
Transformadores trifásicos
Exemplo de conexão Y-

Vantagem: a conexão em banco trifásico facilita a manutenção e substituição dos


transformadores.
Transformadores trifásicos
Exemplo de conexão Y-

Vantagem: esta forma de ligação resulta em transformadores menores e mais baratos


devido à necessidade de menos material ferromagnético, porém com menor
flexibilidade de manutenção.
Transformadores trifásicos
Relação de transformação:

Em transformadores trifásicos, a relação de transformação é definida pela relação


entre a tensão de linha do primário e a tensão de linha do secundário.
Portanto, dependendo da ligação, a relação de transformação pode ser diferente da
relação de espiras.
Conexão Y- :

Se a tensão de linha no lado Y é V, qual a tensão de linha do lado ?


Transformadores trifásicos
Definições:
Tensão de fase: tensão entre uma fase e o neutro.
Tensão de linha: tensão entre duas fases

Dadas as tensões de fases do lado Y:


Van = Vf cos(t)
Vbn = Vf cos(t  1200)
Vcn = Vf cos(t + 1200)

A tensão de linha é dada por:


Vab = Van  Vbn
Graficamente, temos:
Defasagem introduzida por transformadores trifásicos
As conexões Y- e -Y envolvem defasagens de 300 entre as tensões de linha do
primário e o secundário.
Prova: considere as seguintes tensões de fase aplicadas ao primário de um
transformador Y-:
Van = V cos(t)
Vbn = V cos(t  1200)
Vcn = V cos(t + 1200)

Pode-se mostrar que Vab, Vbce Vca são:


Vab = Van  Vbn = 3V cos(t + 300)
Vbc = Vbn  Vcn = 3V cos(t  900)
Vca = Vcn  Van = 3V cos(t + 1500)

Diagrama fasorial
Problemas propostos do texto guia:
Chapman, Stephen Junior. - Electric Machinery Fundamentals - (2005) 4.ed.
McGraw-Hill/New York/usa. (pag 146-147)

Questões teóricas
2-10

Exercícios
2.9
2.10
2.11
2.12
2.15
2.16
2.17
2.18
2.19