Você está na página 1de 33

TBL 6ª ETAPA

TBL 6ª ETAPA
• Política Nacional de Medicamentos
Introdução
• A Política Nacional de Medicamentos (PNM) foi
aprovada em 30 de outubro de 1998 pela
Portaria do Ministério da saúde n° 3.916 com o
propósito de garantir a necessária segurança,
eficácia e qualidade dos medicamentos, além da
promoção do uso racional e do acesso da
população aos medicamentos considerados
essenciais. O estabelecimento da relação dos
medicamentos essenciais, a reorientação da
assistência farmacêutica , o estímulo a produção
de medicamentos genéricos e a regulamentação
sanitária, são as principais diretrizes da política.
Política Nacional de Medicamentos
Testes de Prontidão Individual
1.1 Com relação à Política Nacional de Medicamentos, marque V para as afirmativas
que forem verdadeiras e F para as falsas. A seguir, marque a alternativa que
corresponda à sequencia CORRETA:

( ) A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) serve de


instrumento básico para a elaboração das listas estaduais e municipais de
medicamentos, segundo sua situação epidemiológica e contempla um elenco
de produtos necessários ao controle preventivo da maioria das patologias
prevalentes no país.
( ) As Políticas de Medicamentos estabelecem a atualização e a implementação
da RENAME como instrumento racionalizador das ações no âmbito da
Assistência Farmacêutica.
( ) A Política Nacional de Medicamentos prevê que deverá ser dada especial
ênfase no processo educativo dos usuários ou consumidores, acerca dos riscos
da automedicação, da interrupção e da troca da medicação prescrita.
( ) A seleção dos medicamentos da RENAME baseia-se nas prioridades nacionais
de segurança pública, bem como na economia, biotecnologia, na eficácia
terapêutica comprovada, na qualidade e na biodisponibilidade dos produtos.
1.1 Marque a alternavia que corresponda à sequencia correta:

A. V, V, V, F.
B. V, F, V, V.
C. V, V, V, V.
D. V, V, F, F.

0% 0% 0% 0%

.
.
.
.

,V
,F

,F
,V

,F
,V

,V
,V

V
V

V
F

V,
V,

V,

V,
1.2 Assinale a alternativa que NÃO caracteriza uma diretriz e prioridade da
Política Nacional de Medicamentos.

A. Adoção de uma Relação


Nacional de Medicamentos.

B. Desenvolvimento e capacitação
de recursos humanos.

C. Moderação da produção de
medicamentos.
0% 0% 0% 0%
D. Regulamentação sanitária de

..
medicamentos.

c..

...
...

r i.
o
pa

itá
ão

çã
ca

du

n
sa
e
el

o
to

pr
aR

ão
en

da

ç
um

ta
im

ão

en
de

lv

m
vo
ão

la
er
en

gu
od

Re
De
Ad

M
1.3 A Política Nacional de Medicamentos, aprovada como Portaria Ministerial
em 1998, aponta os rumos e as linhas estratégicas de atuação do governo
brasileiro para a área de saúde, em particular, a área de medicamentos.
Nesse sentido, considere as seguintes diretrizes:

1- Promoção do uso racional de medicamentos, o que prevê a adequação dos


currículos dos cursos de formação dos profissionais de saúde.

2- Produção de imunobiológicos pelo setor público.

3- Presença obrigatória do profissional responsável na farmácia, que deve ser


considerada estabelecimento comercial diferenciado.

4- Apoio a pesquisas que visem ao aproveitamento do potencial terapêutico da flora e


fauna nacionais.
1.3 São consideradas diretrizes da Política Nacional de Medicamentos:

A. 1 e 3 apenas;

B. 1, 2 e 3 apenas;

C. 1, 3 e 4 apenas;

D. 1, 2, 3 e 4;

0% 0% 0% 0%

4;
;

;
;

as

as
as

e
en

en
en

3
ap

ap
ap

2,
1,
e3

e4
3
1e

3
1,

1,
1.4 A Política Nacional de Medicamentos está expressa em um documento importante
para a consolidação do SUS, reconhecendo a relevância estratégica da assistência
farmacêutica. A diretriz da Política que estabelece a necessidade de uma lista com
aqueles produtos considerados básicos e indispensáveis para atender a maioria dos
problemas de saúde da população é a:

A. Regulamentação sanitária de
medicamentos.

B. Reorientação da assistência
farmacêutica.

C. Promoção da produção de
medicamentos.
0% 0% 0% 0% 0%
D. Adoção da relação de

.
as
c..

..
..

..

et
e.
ri.

ên

o
medicamentos essenciais.

rr

ã
t


sis

co
ni

de
od
sa

as

o
ão


pr
o

da

laç

es
çã

da
o
ta

s
re
E. Todas estão corretas. ã

da
o
en

da
ã

To
nt


am

ão
ie

om
l

or
gu


Pr
Re
Re

Ad
Política Nacional de Medicamentos
Discussão em grupos
Política Nacional de Medicamentos

Testes de Prontidão em Grupos


2.1 Com relação à Política Nacional de Medicamentos, marque V para as afirmativas
que forem verdadeiras e F para as falsas. A seguir, marque a alternativa que
corresponda à sequencia CORRETA:

( ) A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) serve de


instrumento básico para a elaboração das listas estaduais e municipais de
medicamentos, segundo sua situação epidemiológica e contempla um elenco
de produtos necessários ao controle preventivo da maioria das patologias
prevalentes no país.
( ) As Políticas de Medicamentos estabelecem a atualização e a implementação
da RENAME como instrumento racionalizador das ações no âmbito da
Assistência Farmacêutica.
( ) A Política Nacional de Medicamentos prevê que deverá ser dada especial
ênfase no processo educativo dos usuários ou consumidores, acerca dos riscos
da automedicação, da interrupção e da troca da medicação prescrita.
( ) A seleção dos medicamentos da RENAME baseia-se nas prioridades nacionais
de segurança pública, bem como na economia, biotecnologia, na eficácia
terapêutica comprovada, na qualidade e na biodisponibilidade dos produtos.
2.1 Marque a alternavia que corresponda à sequencia correta:

A. V, V, V, F.
B. V, F, V, V.
C. V, V, V, V.
D. V, V, F, F.

0% 0% 0% 0%

.
.
.
.

,V
,F

,F
,V

,F
,V

,V
,V

V
V

V
F

V,
V,

V,

V,
2.2 Assinale a alternativa que NÃO caracteriza uma diretriz e prioridade da
Política Nacional de Medicamentos.

A. Adoção de uma Relação


Nacional de Medicamentos.

B. Desenvolvimento e capacitação
de recursos humanos.

C. Moderação da produção de
medicamentos.
0% 0% 0% 0%
D. Regulamentação sanitária de

..
medicamentos.

c..

...
...

r i.
o
pa

itá
ão

çã
ca

du

n
sa
e
el

o
to

pr
aR

ão
en

da

ç
um

ta
im

ão

en
de

lv

m
vo
ão

la
er
en

gu
od

Re
De
Ad

M
2.3 A Política Nacional de Medicamentos, aprovada como Portaria Ministerial
em 1998, aponta os rumos e as linhas estratégicas de atuação do governo
brasileiro para a área de saúde, em particular, a área de medicamentos.
Nesse sentido, considere as seguintes diretrizes:

1- Promoção do uso racional de medicamentos, o que prevê a adequação dos


currículos dos cursos de formação dos profissionais de saúde.

2- Produção de imunobiológicos pelo setor público.

3- Presença obrigatória do profissional responsável na farmácia, que deve ser


considerada estabelecimento comercial diferenciado.

4- Apoio a pesquisas que visem ao aproveitamento do potencial terapêutico da flora e


fauna nacionais.
2.3 São consideradas diretrizes da Política Nacional de Medicamentos:

A. 1 e 3 apenas;

B. 1, 2 e 3 apenas;

C. 1, 3 e 4 apenas;

D. 1, 2, 3 e 4;

0% 0% 0% 0%

4;
;

;
;

as

as
as

e
en

en
en

3
ap

ap
ap

2,
1,
e3

e4
3
1e

3
1,

1,
2.4 A Política Nacional de Medicamentos está expressa em um documento importante
para a consolidação do SUS, reconhecendo a relevância estratégica da assistência
farmacêutica. A diretriz da Política que estabelece a necessidade de uma lista com
aqueles produtos considerados básicos e indispensáveis para atender a maioria dos
problemas de saúde da população é a:

A. Regulamentação sanitária de
medicamentos.

B. Reorientação da assistência
farmacêutica.

C. Promoção da produção de
medicamentos.
0% 0% 0% 0% 0%
D. Adoção da relação de

.
as
c..

..
..

..

et
e.
ri.

ên

o
medicamentos essenciais.

rr

ã
t


sis

co
ni

de
od
sa

as

o
ão


pr
o

da

laç

es
çã

da
o
ta

s
re
E. Todas estão corretas. ã

da
o
en

da
ã

To
nt


am

ão
ie

om
l

or
gu


Pr
Re
Re

Ad
Política Nacional de Medicamentos

Discussão das Respostas e Feedback


1.1 Com relação à Política Nacional de Medicamentos, marque V para as afirmativas
que forem verdadeiras e F para as falsas. A seguir, marque a alternativa que
corresponda à sequencia CORRETA:

(V) A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) serve de


instrumento básico para a elaboração das listas estaduais e municipais de
medicamentos, segundo sua situação epidemiológica e contempla um elenco
de produtos necessários ao controle preventivo da maioria das patologias
prevalentes no país.
(V) As Políticas de Medicamentos estabelecem a atualização e a implementação
da RENAME como instrumento racionalizador das ações no âmbito da
Assistência Farmacêutica.
(V) A Política Nacional de Medicamentos prevê que deverá ser dada especial
ênfase no processo educativo dos usuários ou consumidores, acerca dos riscos
da automedicação, da interrupção e da troca da medicação prescrita.
(F) A seleção dos medicamentos da RENAME baseia-se nas prioridades nacionais
de segurança pública, bem como na economia, biotecnologia, na eficácia
terapêutica comprovada, na qualidade e na biodisponibilidade dos produtos.
A) V, V, V, F.
PNS Lei PNM Implementação de ações capazes de
Nº8.080/90 1998 promover a melhoria das condições
SUS da assistência à saúde da população.

PNAF
Diretrizes RESOLUÇÃO Nº
338, 2004

1. Adoção de Relação de Medicamentos Essenciais


2. Regulamentação Sanitária de Medicamentos
3. Reorientação da Assistência Farmacêutica
4. Promoção do Uso Racional de Medicamentos
5. Desenvolvimento Científico e Tecnológico
6. Promoção da Produção de Medicamentos
7. Garantia da Segurança,Eficácia e Qualidade dos Medicamentos
8. Desenvolvimento e Capacitação de Recursos Humanos
A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais
(Rename) é uma lista de medicamentos que deve
atender às necessidades de saúde prioritárias da
população brasileira. Deve ser um instrumento mestre
para as ações de assistência farmacêutica no SUS.

Remume: Criar a Relação Municipal de Medicamentos


(REMUME ) cujo elenco possa resolver a maior parte das
patologias incidentes da população;
- Plano de Governo de São Caetano do Sul (2017 – 2020)
A consolidação do processo de revisão permanente da
RENAME, instrumento básico de racionalização no
âmbito do SUS, com atualização contínua, representa
medida indispensável, haja vista que a seleção baseia-
se nas prioridades nacionais de saúde, bem como na
segurança, na eficácia terapêutica comprovada, na
qualidade e na disponibilidade dos produtos

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica.


Política nacional de medicamentos 2001/Ministério da Saúde
1.2 Assinale a alternativa que NÃO caracteriza uma diretriz e prioridade da
Política Nacional de Medicamentos.

A. Adoção de uma Relação


Nacional de Medicamentos.

B. Desenvolvimento e capacitação
de recursos humanos.

C. Moderação da produção de
medicamentos.

D. Regulamentação sanitária de
medicamentos.
Esforços serão concentrados no sentido de que seja
estabelecida uma efetiva articulação das atividades de
produção de medicamentos da RENAME, a cargo dos
diferentes segmentos industriais (oficial, privado
nacional e transnacional).
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Política nacional de medicamentos 2001/Ministério da Saúde.
1.3 A Política Nacional de Medicamentos, aprovada como Portaria Ministerial
em 1998, aponta os rumos e as linhas estratégicas de atuação do governo
brasileiro para a área de saúde, em particular, a área de medicamentos.
Nesse sentido, considere as seguintes diretrizes:

1- Promoção do uso racional de medicamentos, o que prevê a adequação dos


currículos dos cursos de formação dos profissionais de saúde.

2- Produção de imunobiológicos pelo setor público.

3- Presença obrigatória do profissional responsável na farmácia, que deve ser


considerada estabelecimento comercial diferenciado.

4- Apoio a pesquisas que visem ao aproveitamento do potencial terapêutico da flora e


fauna nacionais.

C) 1, 3 e 4 apenas;
1. Especial ênfase deverá ser dada, também, ao processo educativo dos usuários ou
consumidores acerca dos riscos da automedicação, da interrupção e da troca da
medicação prescrita, bem como quanto à necessidade da receita médica, no tocante
à dispensação de medicamentos tarjados. Paralelamente, todas essas questões serão
objeto de atividades dirigidas aos profissionais prescritores dos produtos e aos
dispensadores. Promover-se-á, da mesma forma, a adequação dos currículos dos
cursos de formação dos profissionais de saúde.
2. Cabe assinalar, ainda, que outros insumos básicos na atenção à saúde, tais como
imunobiológicos e hemoderivados, deverão ser objeto de políticas específicas.
3. É importante ressaltar que a farmácia deve ser considerada estabelecimento
comercial diferenciado. Portanto, deve estar em absoluta conformidade com as
definições constantes da Lei n.º 8.080/90, bem como dispor da obrigatória presença
do profissional responsável.
4. deverá ser continuado e expandido o apoio a pesquisas que visem o aproveitamento
do potencial terapêutico da flora e fauna nacionais, enfatizando-se a certificação de
suas propriedades medicamentosas.
1.4 A Política Nacional de Medicamentos está expressa em um documento importante
para a consolidação do SUS, reconhecendo a relevância estratégica da assistência
farmacêutica. A diretriz da Política que estabelece a necessidade de uma lista com
aqueles produtos considerados básicos e indispensáveis para atender a maioria dos
problemas de saúde da população é a:

A. Regulamentação sanitária de
medicamentos.

B. Reorientação da assistência
farmacêutica.

C. Promoção da produção de
medicamentos.

D. Adoção de relação de
medicamentos essenciais.

E. Todas estão corretas.


Regulamentação Sanitária: Nesse contexto, serão enfatizadas as questões relativas ao
registro de medicamentos e à autorização para o funcionamento de empresas e
estabelecimentos, bem como as restrições e eliminações de produtos que venham a
revelar-se inadequados ao uso, na conformidade das informações decorrentes da
farmacovigilância.
Reorientação da Assistência:
a) na descentralização da gestão;
b) na promoção do uso racional dos medicamentos;
c) na otimização e na eficácia do sistema de distribuição no setor público;
d) no desenvolvimento de iniciativas que possibilitem a redução nos preços dos produtos,
viabilizando, inclusive, o acesso da população aos produtos no âmbito do setor
privado.