Você está na página 1de 61

c 



   
  
Hospital Fernando da Fonseca
Elaborado por :
Cláudia Correia
Tânia Trindade
˜   
A forma de abordar a doença oncológica e a
pessoa com cancro tem vindo, cada vez mais, a
considerar não só a própria doença e toxicidade dos
tratamentos, como também a qualidade de vida
percepcionada por estes doentes.

om o desenvolvimento das estratégias de
tratamento assiste-se ao aumento da sobre vida, e
consequente necessidade de controlo de sintomas
do doente com cancro.

Há uma necessidade de incutir no doente, e


eventualmente o cuidador informal, a
responsabilidade pela monitorização e pelos
cuidados a ter face aos efeitos secundários da
quimioterapia.
A monitorização da gestão dos efeitos
secundários da quimioterapia surge como uma
estratégia orientadora da intervenção de
enfermagem junto de cada doente, visando a
rentabilização dos recursos disponíveis, o
estabelecimento de parceria que capacite o doente
para melhor efectuar esta transição e a obtenção de
melhor qualidade de vida neste processo.
4erante isto, o enfermeiro deverá intervir,
adequadamente, no sentido de maximizar o bem-estar
do doente.
Kão vários os sintomas que podem surgir
associados a um tratamento de quimioterapia.
Eles variam tanto em natureza como em
intensidade e relacionam-se directamente com
o tipo de cancro, a duração e agressividade do
tratamento.

_ into, 2007)
      
± uma doença caracterizada por uma população
de células que crescem e se dividem sem respeitar
os limites normais, invadem e destroem tecidos
adjacentes, e podem-se espalhar para lugares
distantes no corpo, através de um processo
chamado metastizaçao.
    
c  
Kegundo a A4
Associação 4ortuguesa
ontra
a eucemia), a quimioterapia é o tratamento com
medicamentos cuja função é actuar nas células dos
tumores, visando destruí-las, impedindo o seu
crescimento e aliviando os sintomas causados pelo
desenvolvimento do tumor.
4ode ser administrada por:

ë Via endovenosa

ëOral

ëIntramuscular

ëKubcutânea

ëTópica

ëIntratecal
O   

urativa - quando é usada com o objectivo de


se conseguir o controle completo do tumor

Adjuvante - quando se segue à cirurgia


curativa, tendo o objectivo de esterilizar
células residuais locais ou circulantes,
diminuindo a incidência de metástases à
distância
O   
eoadjuvante - quando indicada para se obter a
redução parcial do tumor, visando a permitir uma
complementação terapêutica com a cirurgia e/ou
radioterapia.

4aliativa - não tem finalidade curativa. Usada com a


finalidade de melhorar a qualidade de sobrevida do
paciente.
˜O
˜ ˜
˜
  
!
   "!
As náuseas e os vómitos são, provavelmente, os
dois sintomas mais receados por quem faz
quimioterapia.

o entanto, existem medicamentos que se


tornam eficazes no controle desses sintomas.
   "!
4ara além da ingestão de anti-eméticos, o
profissional de saúde pode sugerir formas de ajudar
o doente a minimizar esses efeitos.
# $   % 
  !
ë
omer e beber devagar, mastigar bem os
alimentos;

ë4referir refeições frias ou à temperatura


ambiente;

ëOptar por refeições mais pequenas e mais


frequentes;
# $   % 
  !
ëEvitar alimentos ricos em gorduras e muito
condimentados;

ëEvitar o envolvimento na preparação de


refeições, se os cheiros da cozinha incomodarem;

ëEvitar bebidas antes das refeições;


# $   % 
  !
ëão se deitar uma hora antes ou depois das refeições;

ëEvitar exercício físico depois das refeições;

ëAumentar a ingestão de líquidos alternar água com


líquidos ricos em açúcar e sais ± sopas e sumos«);

ëVariar o tipo de alimentos.


4
˜  O˜"
4&' # 
Öevido ao tratamento, ou mesmo à própria
doença, podem surgir problemas digestivos,
como a diarreia, obstipação, enfartamento e
desconforto abdominal
# $   % 
&' # 
ëIngerir bastantes líquidos por dia se não existirem
problemas renais ou cardíacos);

ëEm caso de diarreia são aconselhados: cereais de


aveia, batatas , bananas, arroz branco, maçãs, pêras,
iogurtes e tostas;

O leite deve ser evitado, bem como bebidas


com cafeína, alimentos fritos e condimentados;
# $   % 
&' # 
ëEm caso de obstipação:
obstipação frutas, verduras, vegetais, pão
com cereais, fibras, ameixas, figos, castanhas, avelãs«

ëEvitar o arroz branco aumenta a obstipação)

ëIngerir leite e derivados


ë Insistir nos líquidos e evitar sedentarismo.
 ˜O
  
A mucosite é uma reacção inflamatória causada
por exposição a agentes quimioterápicos ou
radiação ionizante, caracterizada por rubor e
edema, sensação de queimadura, aumento de
sensibilidade a alimentos quentes e condimentados,
podendo aparecer ulcerações dolorosas que podem
causar infecções secundárias; pode causar dor,
comprometer a comunicação verbal e a
alimentação.
# $   % 
  
ë Öeve-se dar indicação ao doente para optar por
alimentos mais moles ou líquidos evitar alimentos
quentes);
ëEvitar alimentos ácidos e muito temperados;
# $   % 
  
ëseforçar a higiene oral durante todo o período da
quimioterapia lavar os dentes regularmente usando uma
escova macia e usar anti-séptico oral);
ëKe surgirem estes sintomas o doente deve informar
qual a sua intensidade e duração, de forma a haver uma
adaptação do tratamento.
Ke estes sintomas forem muito intensos, ou até
mesmo se surgir febre, o doente deve procura ajuda
da equipa de Enfermagem/Médica e informar a sua
intensidade e duração de modo a ser ajudado de
forma mais adequada
4 ˜
' (  
&')
A alopécia é o sinal mais visível da quimioterapia.

A intensidade da perda de cabelo depende do


tratamento utilizado e pode ser parcial ou total.
# $   ' 
'
ëUsar champôs suaves ou neutros e optar por escovas
macias;
ëEvitar usar secador de cabelo a temperaturas muito
elevadas bem como lacas, gel ou tintas;
ë
ortar o cabelo antes de iniciar a quimioterapia. Usar
um penteado curto;
# $   ' 
'
ë4roteger o couro cabeludo do sol;
ë4onderar com a doente a melhor opção uso de
lenço, peruca ou chapéu).
# $   ' 
'
seforçar que apesar de ocorrer esta queda de
cabelo acontecer, o que vai alterar a aparência física, é
uma situação transitória e que após a fim do
tratamento este volta a crescer, podendo
temporariamente ficar com características diferentes
liso, encaracolado«)
*˜
 + ('  )
cuando inicia o tratamento com a quimioterapia é
frequente ter falta de apetite, mas não se pode esquecer
que o organismo necessita de nutrientes.

omer bem significa ter uma dieta suficientemente
rica em calorias para manter o seu peso e ter um aporte
proteico necessário para o crescimento das novas
células.
Uma correcta alimentação pode também ajudar a
combater os efeitos secundários e evitar o aparecimento
de infecções.
# $   % 
'  
ëVariar a dieta e as rotinas das refeições, experimentando
novos sabores e locais;
ë
omer com maior frequência menores quantidades de
alimentos, sempre que tiver vontade, mesmo que mínima;
ëFazer um exercício leve, como caminhada, antes das
refeições, para aumentar a fome;
ë4referir a hora do pequeno almoço
# $   % 
'  
ëcuando alimentos sólidos não forem apetitosos, insistir
nos alimentos pastosos ou líquidos nutritivos sopas,
pastas, bebidas);
ëKe estiver sozinhoa), peça a parentes ou amigos, para
ajudar nas compras de alimentos e na cozinha;
ëÖiscutir com seu médico as opções mais apropriadas
para situações especiais
O,-
.O ˜
'$
/'!#
As células que fazem parte do sangue glóbulos
brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas) podem
ser afectadas pela quimioterapia.
'$
/'!#
ë Ke o número de glóbulos vermelhos diminui pode
surgir a anemia;

ë Ke o número de glóbulos brancos diminui pode


desenvolver infecção com uma maior facilidade
neutropénia);

ë Ke o número de plaquetas diminui pode ter maior


tendência para a hemorragia trombocitopénia).
 
A anemia é relativamente frequente, mas não
obrigatório. 4ode ser acompanhada por sintomas
como o cansaço, a palidez, polipneia, taquicardia,
dificuldade na concentração, tonturas e dores de
cabeça.
˜
 

A forma de compensar a anemia será do


critério do médico, mas existem medidas que
podem ajudar a ultrapassar esta situação.
# $  '  
 
ëFazer refeições pequenas e várias vezes ao dia;
ë4referir alimentos fáceis de ingerir cereais, leite,
sopa«);
ëIngerir alimentos ricos em ferro vegetais de folhas
verde escuras, leguminosas, carnes vermelhas,
peixe«)
# $  '  
 
ëÖescanse regularmente  mas sem trocar as horas
de sono);
ë4oupar energia para actividades que o doente
considere mais importantes.
ëEvitar ingerir cafeína juntamente com os
alimentos ricos em ferro
O4 ˜
  

Uma das principais funções dos glóbulos


brancos é combater e prevenir o aparecimento de
infecções.
# $  '  
  
ë avar as mãos regularmente;
ëEvitar locais públicos, com muita gente. E
contacto com pessoas com gripe ou com outro tipo
de infecções facilmente transmissíveis por via
aérea;
ëEvitar alimentos crus ou mal cozinhados;
# $  '  
  
ë impar e desinfectar bem cortes ou arranhões até
cicatrizarem;

ëEvitar arranhar ou lesionar a pele;

ëManter uma boa higiene oral;

ëTomar duche de água morna diariamente


'$  '
 /
'$  '  /
± uma alteração que aparece com alguma
frequência, dependendo do tratamento

O doente pode apresentar alterações na pele rash,


prurido, pele seca, manchas«), bem como o
aparecimento de estrias e escurecimento das unhas
# $   %
 '$  '
ë Uso de creme hidratante sem álcool ou perfumes

ë Usar um protector solar preferência ecrã total)

ë Evitar exposição solar prolongada

ë Usar chapéu ou boné


4rocurar ajuda se:
± Febre igual ou superior a 38º;
± Manchas vermelhas, equimoses na pele;
± Hemorragias;
± 4alidez e/ou cansaço a pequenos
esforços
 %  
O+ 
c 
Öe forma a padronizar a avaliação e monitorização
de toxicidades foram desenvolvidas escalas, que são
utilizadas pela Organização Mundial da Kaúde OMK),
juntamente com os
ritérios de Toxicidade
omum

T
) do Instituto acional do
ancro 
I)
americano.
As escalas de toxicidade são classificadas por
diferente graus, que são numerados de 0 a 4,
dependendo da gravidade do efeito.
  + #  
 '   ˜   (˜)
›rau 0- Kem efeito
›rau I - igeiro
›rau II ± Moderado
›rau III ± ›rave
›rau IV ± sisco de vida

O ›rau V corresponde à morte relacionada


com a reacção adversa.
Öe forma a uniformizar a linguagem na equipa de
Enfermagem, é de valorizar as seguintes escalas de
classificação de intensidade dos efeitos adversos da
cuimioterapia.
K      


 
 
  
 

Mucosite Eritema sem dor Eritema doloroso, Eritema doloroso, Alimentação não é
edema ou úlceras, edema ou úlceras, possível
mas capaz de Ingerir requer dieta líquida
sólidos

Náuseas Sem efeito Decréscimo Incapaz de comer NA


significativo apetite significativo no apetite
mas capaz de comer
intermitentemente

Vómitos 1 /24h 2 a 5/24h 6-10/24h 10/24h ou


necessidade de
suporte parentérico

Diarreia 2-3/dia 4-6/dia ou dejecções 7-9/dia, incontinência >10/dia ou dejecções


nocturnas ou mal- absorção nocturnas ou diarreia
com sangue ou
necessidade de
suporte parentérico

Obstipação Ligeira Moderada Distensão abdominal Distensão e vómitos


>96h
K      


 
 
  
 

@ebre ƒ 38º 38,1º -40º > 40º menos de 24h > 40º mais de 24h
Febre com
hipotensão

4ele Erupção macular ou Grau I + presença de Descamação Dermatite


papular difusa ou prurido ou outros húmida, ulceração descamativa;
eritema sintomas associados, _sintomática) necrose requerendo
assintomático Descamação seca intervenção cirúrgica

Algias Ligeira Moderada Grave Não tratável

(escalas)

Alopécia erda mínima de erda moderada Alopécia completa Alopécia não


cabelo desigual mas reversível reversível

Leucócitos 3,0 ± 3,9 2,0 ± 2,9 1,0 ± 1,9 ƒ 1,0

(x 10 3/µL)
4laquetas 75 ± normal 50 ± 74,9 25 ± 49,9 ƒ 25

(x 10 3 /µL)
Hb 11-12,5 9-10,9 7-8,9 ƒ7
( 12,5 - 14 g/dl)
ÈA doença oncológica encontra-se incluída no grupo
das enfermidades que ameaçam a integridade física e
psicológica do indivíduo, tendo portanto um impacte
profundo na forma como os indivíduos se
percepcionam e percepcionam o ambiente social que
os rodeia.´

_Aapro, 1987 cit. por ereira & Lopes, 2005).


&#