Você está na página 1de 22

FALANDO SOBRE O ESPIRITISMO [...

]
Estimulado por amigos, passei a
transcrever algumas de minhas palestras,
tentando adequá-las à rigidez do texto escrito.
Da oralidade para a escrita, no entanto, fizeram-
se necessárias várias mudanças durante as
Carlos Geovane Steigleder

transcrições, chegando a suprimir trechos


Exposições Doutrinárias

inteiros e a acrescentar elementos novos, de


modo que se alguém confrontar o áudio com o
texto, verificará com facilidade a distância que se
formou entre ambos.
Tanto o áudio como o texto de algumas
palestras estão disponíveis gratuitamente em
Volume-1

meu blog http://carlossteigleder.blogspot.com,


aparecendo aqui enfeixados na forma de um
pequeno livro.
[...]
Capítulo - 1
SANTO AGOSTINHO
E A BUSCA DE DEUS

Oprimido entre os mistérios da sua origem e


da sua destinação, num meio físico em que nasce,
vive e morre, o homem parece trazer em si,
independente de qualquer ensino ou influência
cultural, um sentimento mais ou menos vago da
existência de algo a mais e maior. Esse
sentimento, de certa forma, é o responsável pela
universalidade do fenômeno religioso, com suas
diferentes representações deste “algo a mais” e
deste “algo maior”. (p.17).
Capítulo - 2
O QUE É O ESPÍRITO?

Na atualidade, todavia, multiplicam-se os


estudos sobre a inteligência e muitas teorias
interessantes já foram aventadas na tentativa de
se buscar um entendimento maior da mesma.
Cumpre destacar a teoria das Inteligências
Múltiplas de Howard Gaardner, que defende a
existência no homem de vários tipos de
inteligência, não só a linguística e a lógico-
matemática. Essa teoria em particular e muitas
outras na mesma linha, aproximam-se do
entendimento de inteligência que os Espíritos
Superiores tinham quando responderam a Kardec
que o Espírito é um ser inteligente. (p.25).
Capítulo - 3
EVIDÊNCIAS DA
IMORTALIDADE

Assim, desde a Pré-História até a atualidade,


a crença na existência da alma e da sua
imortalidade fez e faz parte do arcabouço cultural
dos povos mais diversos, adquirindo um status de
universalidade, o que, por si só, já é uma evidência
poderosa quanto a realidade dessa crença, pois
como explicar que culturas tão díspares como a
asteca e a inca, a egípcia e a dravdiana, a grega e
a chinesa, tenham, independentemente uma da
outra, sustentando crenças tão semelhantes? Há
que se pensar... (p.31).
Capítulo - 4
JAMES A. PIKE E O OUTRO
LADO DA VIDA

Episódio curioso envolveu diretamente o


bispo Pike. Estava junto à Sra. Bergrud e David
Barr quando inexplicavelmente perdeu a
consciência, caindo numa espécie de transe,
passando a manifestar grande confusão mental,
expressando-se semelhantemente ao seu filho
desencarnado. Embora não soubessem, por não
estarem familiarizados com o evento, tratava-se
de uma psicofonia, quando um Espírito
Desencarnado se manifesta por um médium
através da fala. Pike tornara-se médium do próprio
filho. (p.45).
Capítulo - 5
O DR. WICKLAND E O
DIÁLOGO COM OS MORTOS

O Dr. Wickland constatou que a maioria dos


Espíritos que se manifestavam através da
mediunidade de sua esposa achavam-se num
estado de perturbação, muitos nem sabendo que
estavam ”mortos”. Nesse estado, na maioria das
vezes, permaneciam em seus antigos lares, junto
aos familiares, exercendo uma influência negativa
sobre eles, prejudicando-os das mais diversas
formas: de um simples incômodo até a loucura
completa. (p.45).
Capítulo - 6
AS ASSOMBRAÇÕES DO
CRESCENT HOTEL

No caso do Crescent Hotel, a causa e a


natureza das manifestações são bem conhecidas.
Os Espíritos, por terem sido enganados num
momento de dor e desespero, mantendo-se numa
condição de desequilíbrio, de perturbação
espiritual, acoplaram-se a Norman Baker, a quem
responsabilizavam por sua desdita e inquietação,
passando a assombrá-lo, bem como o hotel que
adquirira com dinheiro ilícito. (p.45).
Capítulo - 7
CHICO XAVIER:
O HOMEM INTEGRAL

Este ano, ao se comemorar o primeiro


centenário do seu nascimento, todos estão
conhecendo o fenômeno Chico Xavier, o homem
que via e falava com os mortos, ignorando, porém,
o homem por trás do fenômeno.
Em Chico Xavier, como em outras pessoas da
atualidade, cabe perfeitamente o conceito
proposto por Joanna de Ângelis, o de Homem
Integral, pois ao desenvolver os seus valores
íntimos, colocou-os a serviço dos semelhantes,
tornando-se um protótipo do homem de amanhã.
(p.72).
Capítulo - 8
AUTA DE SOUZA E CHICO XAVIER:
UM ENCONTRO INESQUECÍVEL

Das muitas comunicações que Chico Xavier


recebeu do Além, cada uma era acompanhada
das impressões específicas do Espírito que
estava se comunicando. Segundo afirma o
médium, como transcrito acima, uma das
comunicações que mais lhe marcou foi o seu
encontro com o Espírito Auta de Souza, dada a
emoção que lhe contagiou a alma, quando
escreveu através de suas mãos o seguinte
soneto, intitulado “Senhora da Amargura”: (p.80).
Capítulo - 9
O ANDARILHO DAS ESTRELAS

Através de uma experiência extracorpórea, que o Espiritismo chama de desdobramento,


Standing chega sozinho às mesmas conclusões milenares de todas as religiões quanto à
existência da Alma e quanto a sua independência em relação ao corpo. Mas as suas experiências
não se limitaram a meras viagens astrais, seguiram um curso inesperado...
O professor Darrell Standing passou a recordar-se de suas existências passadas com uma
clareza e riqueza de detalhes impressionantes.
Dezenas e dezenas de vidas passaram pela tela de sua memória, emergindo do
inconsciente profundo, tal qual um filme em um cinema. Em muitas delas, identifica o que chamou
de fúria assassina, que o levou a cometer inúmeros atos atrozes e que fora, igualmente, causa da
sua perdição nesta vida. Um impulso atávico em descontrole. Vale frisar que Standing, antes
cético, acaba se convencendo da realidade da alma imortal e da sua necessidade de reencarnar,
além de compreender o porquê de suas misérias ao analisar o rol e o encadeamento das suas
encarnações.(p.86-87).
Capítulo - 10
REENCARNAÇÃO:
PROCESSO EDUCATIVO

Numa proposta inovadora, a visão espírita da


reencarnação faculta a solução dos grandes
enigmas da vida humana, explicando a sua
origem, a sua natureza intrínseca e a sua
destinação.
Ampliando, assim, a compreensão do
homem em relação a si mesmo e à realidade da
qual participa, só ela oferece justa explanação
sobre o problema do destino, do sofrimento, da
desigualdade, dos conflitos psicológicos...(p.95).
Capítulo - 11
JENNY COCKELL:
UMA SURPREENDENTE
HISTÓRIA DE AMOR

Estava cumprida a missão de Jenny Cockell,


uma vez que conseguira reunir em torno de si, os
filhos da outra vida, reatando laços que nem o
tempo, nem a morte, foram capazes de extinguir.
Por isso mesmo, a história de Jenny Cockell
pode ser definida, sem contradita, como uma
surpreendente história de amor, de um amor
transcendente de uma mãe pelos seus filhos...
(p.119-120).
Capítulo - 12
MOISÉS E JESUS: PARADIGMAS
DO INTERCÂMBIO ESPIRITUAL
A Bíblia Sagrada, do Gênesis ao Apocalipse, é um vasto repositório de experiências
mediúnicas. À cada página surgem numerosos relatos de contatos espirituais, visitação de anjos,
escrita e vozes diretas, fenômenos de materialização, entre tantos outros, evidenciando, deste
modo, a intervenção do Mundo Espiritual. Não
obstante a abundância de médiuns e de
mediunidades nas narrativas bíblicas, dois
personagens específicos merecem destaque,
pois se sobressaíram na intensidade das suas
faculdades psíquicas e na importância das
respectivas missões que protagonizaram. São
eles: Moisés, a figura central do Antigo
Testamento, e Jesus, a figura central do Novo
Testamento. (p.123).
Capítulo - 13
O SR. HOME E ALLAN KARDEC

Foi na década de 50 do século XIX que Allan Kardec passou a se interessar pelos fenômenos
espíritas. Cético, num primeiro momento, cedeu aos apelos de
um velho amigo para assistir a uma sessão em que aqueles
fenômenos se verificavam. Viu neles algo de sério. Desde
então, observou, estudou e analisou aprofundadamente tais
fenômenos. Deste labor nasceu o Espiritismo.
Interessado em todo tipo de manifestações que
evidenciasse a intervenção do Mundo Espiritual, teve a sua
atenção atraída para Daniel Dunglas Home, talvez o mais
extraordinário médium do século XIX. Em sua presença
ocorriam impressionantes fenômenos, classificados por
Kardec de efeitos físicos, como por exemplo a movimentação
de objetos, suspensão de corpos no ar sem nenhum ponto de
apoio, materializações, etc.(p.141).
Capítulo - 14
FASES FORMATIVAS DO
ESPIRITISMO

Emmanuel, afirmando que a intervenção


espiritual sobre o mundo obedece a um
planejamento bem definido, divide o processo
formativo do Espiritismo em três fases principais,
expressas no título que deu a sua mensagem:
Aviso, chegada e entendimento. Faremos, a
seguir, um breve exame de cada uma dessas
fases, destacando as características mais
importantes. (p.152).
Capítulo - 15
OS 152 ANOS DE
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
No dia 18 de abril de 1857 aparecia na cidade de Paris
a primeira edição de O Livro dos Espíritos. Era um livro
diferente de qualquer outro que já havia sido publicado: os
seus autores eram os Espíritos. Despertando a atenção
geral, poucos meses depois do seu lançamento a obra já
estava esgotada.
O Livro dos Espíritos vinha assinado por Allan Kardec,
que era um pseudônimo, um nome fictício, adotado por um
célebre educador francês, Hippolyte Léon Denizard Rivail.
Quanto a sua origem, essa obra possui uma dupla
natureza: de um lado, apresenta as comunicações dos
Espíritos e, de outro, o trabalho de organização e análise
feito por Kardec. (p.165).
Capítulo - 16
OS DRAMAS DO
PADRE DOMÊNICO
Gostaríamos, todavia, de narrar o drama doloroso do
padre Domênico, que possuía estreitos vínculos afetivos
com a Irmã Zenóbia.
Aproveitando-se da presença dos missionários do
Nosso Lar em sua casa transitória, Zenóbia solicita o
concurso de Jerônimo, Hipólito, Luciana e André Luiz para
atender um caso particular, no qual estava trabalhando já há
várias décadas. Tratava-se de um Espírito mergulhado em
densas sombras, em posição psíquica negativa, isto é,
refratário a todos os apelos e esforços de recuperação e
melhoria. Fora padre em sua última romagem terrena, não
sabendo honrar os compromissos do sacerdócio com Jesus
André Luiz
livremente aceitos. (p.174).
Capítulo - 17
O MELHORAMENTO
DA TERRA
Embora pareça simplista, a verdade é que todas as
reformas implementadas no mundo não tiveram êxito
porque partiram de fora para dentro e não de dentro para
fora, como deveriam.
As sociedades estão cheias de leis, impostas para
garantir o seu bom funcionamento. Entretanto, é sabido
que elas são insuficientes e falhas, havendo sempre
quem as burle e desrespeite.
Muitos modelos de sociedade que foram impostos
em alguns países como solução final as suas mazelas,
fracassaram por completo, acarretando consequências
desastrosas a sua organização, a sua política, a sua
economia, a sua cultura etc. (p.188).
Capítulo - 18
CRESCIMENTO ESPIRITUAL

Apalavra crescimento implica na mudança de


um determinado estado para outro. A semente que
brota, que se desenvolve e que se torna uma
árvore, passou por um processo de crescimento.
De algum modo, a árvore estava contida na
semente, mas dependeu de um conjunto de
fatores para manifestar-se. Crescimento, assim,
não é apenas aumentar de tamanho, ganhar
maior extensão, expandir-se... É tudo isso, mas
num sentido determinado, composto por etapas
sucessivas que se distinguem umas das outras,
demarcadas por novos acréscimos e
desenvolvimentos. (p.195).
Capítulo - 19
UM CAMINHO PARA O SUCESSO

V
Vivemos em um mundo extremamente competitivo, onde todos desejam estar em evidência.
Para tanto, recorre-se ao sucesso, constituindo o melhor meio de atingir este objetivo. Muitas
pessoas, contudo, têm buscado o sucesso incansavelmente, mas sem encontrá-lo nunca. Em
razão disto, tornam-se frustradas, deprimidas
e infelizes.
Como explicar o sucesso de uns e o
fracasso de outros? E será mesmo que todo
sucesso é sucesso, e todo fracasso é
fracasso? De que forma rumar do fracasso
para o sucesso?
Embora pareça simplista, tudo se resume
ao ponto de vista com o qual se considera o
sucesso. (p.201).
Capítulo - 20
APRENDER A MORRER PARA APRENDER A VIVER

Desde o berço, no círculo das relações familiares, logo depois, na escola, na sociedade, nas
Universidades, no mundo do trabalho, deveria se receber educação permanente para morte.
Como tal não ocorre, o resultado é a nossa dificuldade e o nosso despreparo para lidar com a
morte e com o morrer.
Como a estrutura e a conjuntura da sociedade tendem a permanecer as mesmas, até que um
acontecimento lhes force a transformação, é muito mais difícil mudá-las do que a nós mesmos.
Por isso, o ponto de partida para a evolução da sociedade e do mundo reside na evolução dos
indivíduos que as compõem. Se um indivíduo em particular consegue dar um salto evolutivo, a
sociedade recebe-lhe a influência, evoluindo também.
A compreensão da morte e, sobretudo, a nossa preparação para ela, marcarão uma nova
fase na História da Humanidade, diferente de todas as outras que a antecederam, repousando na
pedra angular das realidades do Espírito. (p.220-221).
FALANDO SOBRE O ESPIRITISMO
Volume-1

Tamanho: 14cm X 21cm


221p.

Autor: Carlos G. Steigleder

http://carlossteigleder.blogspot.com