P. 1
to Superficial - RUGOSIDADE

to Superficial - RUGOSIDADE

|Views: 786|Likes:
Publicado porpaulianeprazeres

More info:

Published by: paulianeprazeres on Nov 11, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/28/2013

pdf

text

original

5/10/2010

TECNOLOGIA MECÂNICA
Acabamento superficial e suas  medidas ‐ RUGOSIDADE medidas ‐ did
Prof. Francisco Evaristo Uchôa Reis

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO RUGOSIDADE
SUPERFICIE EFETIVA SUPERFICIE REAL PERFIL DE RUGOSIDADE COMPOSIÇÃO DA SUPERFÍCIE CRITÉRIOS PARA AVALIAR A RUGOSIDADE SISTEMAS DE MEDIÇÃO DA RUGOSIDADE SUPERFICIAL

PARAMETROS DE RUGOSIDADE
MEDIÇÃO DA RUGOSIDADE

REPRESENTAÇÃO DA RUGOSIDADE AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE

1

5/10/2010

INTRODUÇÃO
As superfícies dos componentes mecânicos devem ser adequadas ao tipo de função que exercem. exercem. As superfícies d peças apresentam irregularidades quando fí de l d d d observadas em detalhes. detalhes. Estas irregularidades são provocadas por sulcos ou marcas deixadas pela ferramenta que atuou sobre a superfície da peça. peça. A importância do estudo do acabamento superficial aumenta na p p medida em que cresce a precisão de ajuste entre as peças a serem acopladas, onde somente a precisão dimensional, de forma e de posição não é suficiente para garantir a funcionabilidade do par acoplado. acoplado.

INTRODUÇÃO
As superfícies dos componentes deslizantes, como o eixo de um mancal, devem ser lisas para que o atrito seja o menor possível. possível. Já as exigências de acabamento das superfícies externas da tampa e da base do mancal são menores. menores. A produção das superfícies lisas exige, em geral, custo de fabricação mais elevado. elevado. Os diferentes processos de fabricação de componentes mecânicos determinam acabamentos diversos nas suas superfícies. superfícies.

2

5/10/2010

INTRODUÇÃO
O estado de superfície é o resultado de desvios repetitivos ou aleatórios, em relação à superfície geométrica, que formam a topografia tridimensional de uma superfície. superfície. Compreende a rugosidade, a ondulação, a orientação das irregularidades, as imperfeições e os desvios de forma numa zona limitada da superfície. superfície.

INTRODUÇÃO
O método de medição dos estados de superfície mais utilizado é a exploração do perfil de superfície, ampliado e com anamorfose (a ampliação vertical é maior do que a ampliação horizontal), num plano normal à superfície considerada. considerada.

3

5/10/2010

INTRODUÇÃO
Tipologia dos desvios (irregularidades): (irregularidades):

INTRODUÇÃO
O acabamento superficial é fundamental onde houver: houver: desgaste, atrito, corrosão, aparência, resistência à fadiga, transmissão de calor, propriedades óticas, escoamento de fluidos e superfícies d medição (bl fí i de di ã (blocos‐padrão, micrômetros, (blocos‐ d ã i ô t paquímetros, etc.). etc. O acabamento superficial é medido através da rugosidade superficial, a qual é expresso em microns (mm ou m). m).

4

as principais causas macrogeométricos são: são: defeitos em guias de máquinas‐ferramenta. verificáveis por meio de instrumentos convencionais de medição.5/10/2010 INTRODUÇÃO As superfícies. apresentam irregularidades. peça. incluem‐se divergências de ondulações. E essas irregularidades compreendem dois grupos de erros: erros: erros macrogeométricos erros microgeométricos. Entre esses erros. circularidade etc. retilineidade. relógios comparadores. fixação errada da peça. dos erros Erros microgeométricos são os erros conhecidos como rugosidade. planicidade. como micrômetros. distorção devida ao tratamento térmico. peça. térmico. rugosidade. INTRODUÇÃO Durante a usinagem. projetores de perfil etc. g máquinas‐ferramenta. incluem‐ ovalização. etc. microgeométricos. q desvios da máquina ou da peça. por mais perfeitas que sejam. Erros macrogeométricos são os erros de forma. etc. 5 . irregularidades.

d ã aparência. 6 . desgaste. pequenas saliências (picos) e reentrâncias (vales) que caracterizam uma superfície. deslizamento. possibilidade de ajuste do acoplamento forçado. isto é. resistência ao desgaste. Ela influi na: mecânicos. Essas irregularidades podem ser avaliadas com aparelhos eletrônicos. vedação. lubrificantes. a exemplo do rugosímetro. RUGOSIDADE A rugosidade desempenha um papel importante comportamento dos componentes mecânicos. rugosímetro. na: no qualidade de deslizamento. qualidade de aderência que a estrutura oferece às camadas protetoras. resistência à corrosão e à fadiga. protetoras. forçado. fadiga. aparência. vedação. superfície.5/10/2010 RUGOSIDADE A rugosidade (erros microgeométricos) é o conjunto de irregularidades. resistência oferecida pela superfície ao escoamento de fluidos e lubrificantes.

peça.5/10/2010 RUGOSIDADE A grandeza. é necessário definir previamente diversos termos e conceitos que possam criar uma linguagem apropriada. 7 . ferramentas. 6405/1988. máquinas‐ferramenta. entre outras. vibrações no sistema peça‐ferramenta. RUGOSIDADE Conceitos básicos: básicos: Para estudar e criar sistemas de avaliação do estado da superfície superfície. são: são: imperfeições nos mecanismos das máquinas‐ferramenta. desgaste das ferramentas. peça‐ferramenta. a orientação e o grau de irregularidade da rugosidade podem indicar suas causas que. Com essa finalidade utilizaremos as definições da norma NBR 6405/1988. apropriada. o próprio método de conformação da peça.

Na realidade. existe. por definição. trata‐ referência. cilíndrica acabamento. 8 . Por exemplo: superfícies plana. etc. trata‐se apenas de uma referência.. Superfície que podemos ver e tocar. etc. por definição. a superfície que resulta do método empregado na sua produção. p q p g p produção. exemplo: etc. ç Por exemplo: torneamento. ataque químico etc. É envolve. que sejam. perfeita RUGOSIDADE Superfície real Superfície que limita o corpo e o separa do meio que o envolve.5/10/2010 RUGOSIDADE Superfície geométrica Superfície ideal prescrita no projeto. na qual não existem erros de forma e acabamento. tocar. isso não existe. perfeitas. perfeitas. retífica. A superfície geométrica é. exemplo: p p p .

cortada por um plano perpendicular. 9 . RUGOSIDADE Perfil geométrico Interseção da superfície geométrica com um plano perpendicular. exemplo: exemplo: uma superfície plana perfeita. com forma aproximada da superfície real de uma peça. medição. É importante esclarecer que existem diferentes sistemas e condições de medição que apresentam diferentes superfícies efetivas. efetivas. originará um perfil geométrico que será uma linha reta. É a superfície apresentada e analisada pelo aparelho de medição. peça. reta. Por perpendicular.5/10/2010 RUGOSIDADE Superfície efetiva Superfície avaliada pela técnica de medição.

10 . irregular. Por exemplo: o perfil apresentado por um ç medição. perpendicular. ç exemplo: p p p p registro gráfico. obtido por um meio de avaliação ou medição. que resultou do método de usinagem e originará uma linha irregular. RUGOSIDADE Perfil efetivo Imagem aproximada do perfil real. eletrônica.5/10/2010 RUGOSIDADE Perfil real Intersecção da superfície real com um plano perpendicular. sem qualquer filtragem e com as limitações atuais da eletrônica. Neste caso o plano perpendicular (imaginário) cortará a superfície caso.

após filtragem. A figura representa um perfil efetivo de uma superfície. g p p p g g . por um instrumento de avaliação. e servirá de exemplo para salientar os elementos que compõem a textura superficial. p filtragem.5/10/2010 RUGOSIDADE Perfil de rugosidade Obtido a partir do perfil efetivo. decompondo o perfil. RUGOSIDADE Composição da superfície Tomando‐ Tomando‐se uma pequena porção da superfície. É o perfil apresentado por um registro gráfico. perfil. depois de uma filtragem para eliminar a ondulação à qual se sobrepõe geralmente a rugosidade. 11 . compõem. rugosidade. observam‐se certos observam‐ elementos que a compõem.

e são classificados como: como: ‐ orientação ou perfil periódico ‐ quando os sulcos têm direções definidas. que são as impressões deixadas pela ferramenta (fresa. B) Ondulação ou textura secundária é o conjunto das irregularidades causadas por vibrações ou deflexões do sistema de produção ou do tratamento térmico. ‐ orientação ou perfil aperiódico ‐ quando os sulcos não têm direções definidas. RUGOSIDADE Composição da superfície C) Orientação das irregularidades é a direção geral dos componentes da ) ç g ç g p textura. definidas. pastilha.5/10/2010 RUGOSIDADE Composição da superfície A) Rugosidade ou textura primária é o conjunto das irregularidades causadas pelo processo de produção. etc. térmico. definidas.). rolo laminador etc. 12 .

O passo pode ser designado pela freqüência das irregularidades. E) Alt Altura d i das irregularidades ou amplitude d i l id d lit d das irregularidades. irregularidades. primária. não deve ser confundido com a distância total (lt) cut‐ percorrida pelo apalpador sobre a superfície. Chama‐ “le” comprimento de amostragem (NBR 6405/1988). chamado de cut‐off (le). irregularidades. primária. D2: passo das irregularidades da textura secundária. É recomendado pela norma ISO que os rugosímetros devam medir 5 comprimentos de amostragem e devem indicar o valor médio. secundária. D1: passo das irregularidades da textura primária. RUGOSIDADE Critérios para avaliar a rugosidade Comprimento de amostragem (Cut off) Toma‐ Toma‐se o perfil efetivo de uma superfície num comprimento “lm”. médio. Chama‐se o comprimento “le” de avaliação. 6405/1988) O comprimento de amostragem nos aparelhos eletrônicos.5/10/2010 RUGOSIDADE Composição da superfície D) Passo das irregularidades é a média das distâncias entre as saliências. l id d Examinamos somente as irregularidades da textura primária. comprimento total de avaliação. saliências. 13 . superfície.

ondulação. 14 . ondulação. pois le 2 incorpora ondulação. A rugosidade H1 é menor. A rugosidade H2 é maior. RUGOSIDADE Critérios para avaliar a rugosidade Como o perfil apresenta rugosidade e ondulação. ondulação. ele filtra a ondulação. como o comprimento le 1 é menor. pois. ln.5/10/2010 RUGOSIDADE Critérios para avaliar a rugosidade Comprimento de amostragem (Cut off) A distância percorrida pelo apalpador deverá ser igual a 5 le mais a distância para atingir a velocidade de medição lv e para a parada do apalpador ln. o comprimento de amostragem filtra a ondulação.

15 . todas as grandezas da medição da rugosidade são definidas a partir do seguinte conceito de linha média: média: Linha média é a linha paralela à direção geral do perfil. sistemas. é 6405/ 8404/ adotado o sistema M. compreendidas entre ela e o perfil efetivo. No Brasil N B il ‐ pelas N l Normas ABNT NBR 6405/1988 e NBR 8404/1984 ‐. O sistema da linha média é o mais utilizado.5/10/2010 RUGOSIDADE Sistemas de medição da rugosidade superficial São usados dois sistemas básicos de medida: o da linha média M e o da medida: envolvente E. RUGOSIDADE Sistemas de medição da rugosidade superficial Sistema M No sistema da linha média. adotam ambos os sistemas. ou sistema M. no comprimento da amostragem (le). Alguns países utilizado. seja igual à soma das áreas inferiores. q comprimento da amostragem. no p g . (le). de tal modo que a soma das áreas superiores.

irregulares. 16 . saliências e reentrâncias (rugosidade) são irregulares. rugosidade. As si. ou seja. média. A1 + A2 = A3 Parâmetros de rugosidade A superfície de peças apresenta perfis bastante diferentes entre si.5/10/2010 RUGOSIDADE Sistemas de medição da rugosidade superficial Sistema M A1 e A2 áreas acima da linha média = A3 área abaixo da linha média. Para dar acabamento adequado às superfícies é necessário. determinar o nível em que elas devem ser usinadas. deve‐se deve‐ adotar um parâmetro que possibilite avaliar a rugosidade. portanto.

Essa grandeza pode (lm).5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Ra) É a média aritmética dos valores absolutos das ordenadas de afastamento (yi). Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Ra) Somente o parâmetro Ra não é capaz de descrever totalmente uma superfície. tendo por comprimento o percurso de medição (lm). possuem o mesmo Ra 17 . dos pontos do perfil de rugosidade em relação à linha média. A figura a seguir mostra superfícies diferentes que superfície. dentro do percurso de medição (lm). (lm). corresponder à altura de um retângulo. cuja área é igual à soma absoluta das áreas delimitadas pelo perfil de rugosidade e pela linha média.

produção.). etc. valor. Em superfícies em que o acabamento apresenta sulcos de usinagem bem orientados (torneamento. como no caso de acabamentos com fins apenas estéticos. estéticos. Devido a sua grande utilização. Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Ra) Vantagens do parâmetro Ra Vantagens do parâmetro Ra É o parâmetro de medição mais utilizado em todo o mundo. que caracteriza a distribuição de amplitude. eletrônica). fabricação. fresagem etc. Para a maioria das superfícies. Os riscos superficiais inerentes ao processo não alteram muito seu valor. mundo. 18 . Em superfícies de pouca responsabilidade. o valor da rugosidade nesse parâmetro está de acordo com a curva de Gauss. quase todos os equipamentos apresentam esse parâmetro (de forma analógica ou digital eletrônica). amplitude. É aplicável à maioria dos processos de fabricação.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Ra) O parâmetro Ra pode ser usado nos seguintes casos: casos: Q Quando for necessário o controle contínuo da rugosidade nas linhas de g produção.

usinagem. 19 . níveis. defeito. rugosidade. se um pico ou vale não típico aparecer na superfície. seguir. conforme tabela a seguir. O desvio médio aritmético é expresso em micrometro. ocultando o defeito. já que a distorção provocada pelo filtro eleva o erro a altos níveis. vales. o parâmetro não é adequado. poderemos ter um valor de Ra para superfícies originadas de processos diferentes de usinagem. forma. Por isso.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Ra) Desvantagens do parâmetro Ra Desvantagens do parâmetro Ra O valor de Ra em um comprimento de amostragem indica a média da rugosidade. Parâmetros de rugosidade Indicação da rugosidade Ra pelos números de classe A norma NBR 8404/1984 de indicação 8404/ do Estado de Superfícies em Desenhos Técnicos esclarece que a característica principal (o valor) da rugosidade Ra pode ser indicada pelos números da classe de rugosidade correspondente. como é o caso dos sinterizados. O valor de Ra não define a forma das irregularidades do perfil. Nenhuma distinção é feita entre picos e vales. Dessa perfil. Para alguns processos de fabricação com freqüência muito alta de vales ou picos. o valor da média não sofrerá grande alteração. micrometro.

classifica os acabamentos superficiais – geralmente encontrados na indústria mecânica em 12 grupos. equivalência e processos de usinagem A tabela que se segue. visualizar uma relação aproximada entre a simbologia de triângulos. também. Parâmetros de rugosidade Simbologia. são recomendados valores para o comprimento da amostragem. Permite. e as organiza de acordo com o grau de rugosidade e o processo de usinagem que pode ser usado em sua obtenção. obtenção. Ra. 20 . conforme tabela abaixo.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Medição da rugosidade (Ra) Na medição da rugosidade. as classes e os valores de Ra. abaixo.

exemplo: o maior valor parcial é o Z3.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Parâmetros de rugosidade Rugosidade máxima (Ry) Está definido como o maior valor das rugosidades parciais (Zi) que se apresenta no percurso de medição (lm). Por exemplo: na figura a seguir. (lm). que está localizado no 3º cut off. e que corresponde à rugosidade Ry. Ry. 21 .

Tem grande aplicação na maioria dos países. vedação. vedação.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade máxima (Ry) O parâmetro Ry pode ser empregado nos seguintes casos: casos: Superfícies de vedação. Tampões em geral. Parâmetros de rugosidade Rugosidade máxima (Ry) Vantagens do parâmetro Ry Vantagens do parâmetro Ry Informa sobre a máxima deterioração da superfície vertical da peça. 22 . É de fácil obtenção quando o equipamento de medição fornece o gráfico da superfície. carregados. superfície. Superfícies dinamicamente carregadas. países. Superfícies de deslizamento em que o perfil efetivo é periódico. Assentos de anéis de vedação. geral. Parafusos altamente carregados. periódico. Fornece informações complementares ao parâmetro Ra (que dilui o valor dos picos e vales). vales). peça. carregadas.

Por exemplo: um risco causado após a todo. rugosidade. i t ã fi i t it da fí i isto é. Pode dar uma imagem errada da superfície.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade máxima (Ry) Desvantagens do parâmetro Ry Desvantagens do parâmetro Ry Nem todos os equipamentos fornecem o parâmetro. ideia: formas de rugosidade podem ter o mesmo valor para Ry. Rmáx. avaliá‐ um gráfico. é preciso ter certeza de que o perfil registrado é um perfil de rugosidade. A figura a seguir ilustra esta ideia: diversas superfície. Caso seja o perfil efetivo (sem filtragem). não apresenta i f I di id l t ã t informação suficiente a respeito d superfície. não informa o formato da superfície. 23 . Individualmente. E. processo. deve ser feita uma filtragem gráfica. exemplo: usinagem e que não caracteriza o processo. pois avalia erros que muitas vezes não representam a superfície como um todo. gráfica. Ry. para avaliá‐lo por meio de parâmetro. Parâmetros de rugosidade Rugosidade máxima (Ry) Desvantagens do parâmetro Ry Desvantagens do parâmetro Ry Observação: Observação: O parâmetro Ry substitui o parâmetro Rmáx.

O parâmetro Rt tem o mesmo emprego do Ry.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade total (Rt) Corresponde à distância vertical entre o pico mais alto e o vale mais profundo no comprimento de avaliação (lm). off). l d enganosos. É mais fácil para obter o gráfico de superfície do que com o parâmetro Ry . mas com maior rigidez. independentemente dos valores de rugosidade parcial (Zi). 24 . Na fi ra abai o pode‐se observar q e o pi o mais alto está no retân lo Z1. avaliação. (Zi). pois considera o comprimento de amostra igual ao comprimento de avaliação. Parâmetros de rugosidade Rugosidade total (Rt) Vantagens do parâmetro Rt Vantagens do parâmetro Rt É mais rígido na avaliação que o Ry. Tem todas as vantagens indicadas para o Ry. pode‐ obser ar que pico retângulo que o vale mais fundo encontra‐se no retângulo Z3. Desvantagem do parâmetro Rt Em l E alguns casos. a rigidez d avaliação l i id de li ã leva a resultados enganosos. pois considera todo o comprimento de avaliação e não apenas o comprimento de amostragem (1 valor de cut off). e q e figura abaixo. Rt. Ry. Ambos configuram a profundidade total encontra‐ da rugosidade Rt.

acima e abaixo da linha média. (le). parcial. Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Rz) 25 . off). Rugosidade parcial (Z i) é a soma dos valores absolutos das ordenadas g p ( ) dos pontos de maior afastamento. Na representação gráfica do perfil.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Rz) Corresponde à média aritmética dos cinco valores de rugosidade parcial. existentes no comprimento de amostragem (cut off). esse valor corresponde à altura entre os pontos máximo e mínimo do perfil. no comprimento de amostragem (le).

. de acordo com o número de pontos isolados. etc. isolados. exemplo: superfícies de apoio e de deslizamento. É de fácil obtenção em equipamentos que fornecem gráficos. Em superfícies onde o perfil é periódico e conhecido. Em perfis periódicos. vertical.. 26 . Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Rz) Vantagens do parâmetro Rz Vantagens do parâmetro Rz Informa a distribuição média da superfície vertical. define muito bem a superfície. Por exemplo: controlada. Riscos isolados serão considerados apenas parcialmente. gráficos.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Rz) O parâmetro Rz pode ser empregado nos seguintes casos: casos: Pontos isolados não influenciam na função da peça a ser controlada. ajustes prensados etc. conhecido. superfície.

não possibilita nenhuma informação sobre a forma do perfil. Assim como o Ry. 20% mediante a divisão de 1/5. Em cada módulo foram traçadas as distâncias entre o terceiro pico mais alto e o terceiro vale mais fundo. pois um ponto isolado acentuado será considerado somente em 20%. correspondentes a cada um dos cinco módulos (cut off). média. Na figura a seguir ilustram‐se os cinco módulos com os valores 3Zi (i = de ilustram‐ 1 a 5). ranhuras. não é aconselhável a consideração parcial dos pontos isolados. em sentido paralelo à linha média.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média (Rz) Desvantagens do parâmetro Rz Em algumas aplicações. Parâmetros de rugosidade Rugosidade média do terceiro pico e vale (R3Z) Consiste na média aritmética dos valores de rugosidade parcial (3Zi). Nem todos os equipamentos fornecem esse parâmetro. parâmetro. bem como da distância entre as ranhuras. off). 27 .

Poucos equipamentos fornecem o parâmetro de forma direta. ranhurado. Caracteriza muito bem uma superfície que mantém certa periodicidade do perfil ranhurado. direta. superfície. 28 . Peças fundidas e porosas em geral. É de fácil obtenção com equipamento que forneça gráfico. geral. sinterizadas. ranhuras. Parâmetros de rugosidade Rugosidade média do terceiro pico e vale (R3Z) Vantagens do parâmetro R3Z g p Desconsidera picos e vales que não sejam representativos da superfície. Desvantagens do parâmetro R3Z Não possibilita informação sobre a forma do perfil nem sobre a distância entre ranhuras.5/10/2010 Parâmetros de rugosidade Rugosidade média do terceiro pico e vale (R3Z) O parâmetro R3Z pode ser empregado em: em: Superfícies de peças sinterizadas. gráfico.

3µm e mínimo Ra = 1. Superfície com rugosidade de valor máximo Ra = 6. RA p g .5/10/2010 Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Símbolos gráficos para a indicação dos estados de superfície: superfície: Estes símbolos não deverão ser utilizados isolados. sem informações complementares. Podem servir para proporcionar indicações colectivas. colectivas.6µm. complementares. Representação da rugosidade Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 Simbologia: Norma ABNT – Símbolos com indicação da característica p ç principal da rugosidade. 29 .

Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Composição do símbolo gráfico completo para os estados de superfície: superfície: a) Requisito único de estado de superfície – Designação do parâmetro de estado de superfície e seu valor numérico (em μm). fabricação. material. c) Símbolo completo indicando que não deve ser removido material. Inserir um espaço em branco mm). símbolos: a) Símbolo completo permitindo qualquer processo de fabricação. 30 . limite. duplo entre a designação do parâmetro e o valor limite. material. antecedida da banda de transmissão/comprimento de base lr (em mm).5/10/2010 Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Se for necessário indicar requisitos complementares para características do estado de superfície devem ser utilizados os seguintes símbolos: superfície. b) Símbolo completo indicando que deve ser removido material.

em conformidade. c) Método de fabricação – indica o método de fabricação.: galvanizada). galvanizada). os revestimentos ou outros requisitos de fabricação para produzir a superfície (ex. (ex.) superfície:(cont. o tratamento. na vertical. Com mais requisitos. indicá‐la por um Sobre‐ indicá‐ valor numérico em milímetros (mm). rectificada. Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ 31 . vertical. aumentado. ç e) Sobre‐espessura para trabalho mecânico – se necessária. ) p orientação. o símbolo gráfico é b). d) Estrias de superfície e sua orientação.5/10/2010 Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Composição do símbolo gráfico completo para os estados de superfície:(cont. b) Dois ou mais requisitos de estado de superfície – O segundo requisito deve ser indicado na posição b). (mm).: torneada.

5/10/2010 Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Indicação das estrias de  superfície: Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Posição em desenhos : 32 .

geralmente. com exploração bidimensional da superfície. portáteis. 33 . De acordo com as dimensões das peças a controlar. podem utilizar‐se utilizar‐ instrumentos de medição (rugosímetros) fixos ou portáteis. superfície. efetua‐ por palpação ao longo de uma secção.5/10/2010 Representação da rugosidade Simbologia: Simbologia: Norma ABNT – NBR 8404/1984 8404/ Posição em desenhos : Avaliação da rugosidade A medição da rugosidade superficial das peças efetua‐se.

5/10/2010 Avaliação da rugosidade • Inspeção visual através da utilização de padrões de rugosidade (escantilhões de comparação viso‐tátil): viso‐tátil): Avaliação da rugosidade • Inspeção visual através da utilização de padrões de rugosidade (escantilhões de comparação viso‐tátil): viso‐tátil): 34 .

f t d di õ complementares. facilita o controle da produção.5/10/2010 Avaliação da rugosidade • A utilização dos padrões de rugosidade (placas de “RUGOTEST”). na inspeção visual de superfícies das peças. l t Avaliação da rugosidade •Rugosímetro mecânico 35 . permitindo efetuar uma rápida seleção das superfícies onde deverão ser efetuadas medições complementares.

5/10/2010 Avaliação da rugosidade •Rugosímetros digitais Avaliação da rugosidade 36 .

5/10/2010 Avaliação da rugosidade Avaliação da rugosidade Medição do perfil de rugosidade através de rugosímetros ou perfilómetros de contato: contato: 37 .

em papel. Os rugosímetros podem ser classificados em dois grandes grupos: grupos: Aparelhos que fornecem somente a leitura dos parâmetros de rugosidade(que pode ser tanto analógico quanto digital). superfície. Com o tempo. apalpadora. Registrador – è um acessório (em certos casos fica incorporado a ele) e fornece a reprodução. numa velocidade constante e por uma distância desejável. digital). do perfil efetivo da superfície. Aparelhos que. desliza sobre a superfície “pick‐ que será verificada levando os sinais da agulha apalpadora de verificada. até o amplificador. ç . pois também apresentam um gráfico que é importante para uma análise mais profunda da textura superficial. mantendo‐o mantendo‐ na mesma direção. conservou‐se o nome genérico de rugosímetro. direção. do corte efetivo da superfície. além da leitura. amplifica‐os. a ondulação.5/10/2010 Avaliação da rugosidade Inicialmente. Os primeiros são mais empregados em linhas de produção. g Mesmo assim. escolhido. superficial. dotada de um indicador de leitura que recebe os sinais da agulha. superfície. amplificador. conservou‐ rugosímetro. 38 . em papel. e os amplifica‐ calcula em função do parâmetro escolhido. primária. diamante. e muitos aparelhos evoluíram para essa nova tecnologia. o rugosímetro destinava‐se somente a avaliação da rugosidade destinava‐ ou textura primária. Avaliação da rugosidade Os aparelhos para avaliação da textura superficial são compostos das seguintes partes: partes: Apalpador –Também chamado de “pick‐up”. enquanto os segundos têm mais uso nos laboratórios. Unidade de acionamento – desloca o apalpador sobre a superfície. p p tecnologia. Amplificador – contém a parte eletrônica principal. j . apareceram critérios para avaliação da textura secundária. por comodidade. ou seja. permitem o registro.

acompanhado de uma guia (patim) em relação ao qual se move verticalmente. a guia (patim) acompanha as ondulações da superfície. Avaliação da rugosidade 39 . Enquanto o apalpador acompanha a rugosidade. verticalmente. gráfico. em percorrer a rugosidade com um apalpador de formato normalizado. basicamente.5/10/2010 Avaliação da rugosidade Processo da determinação da rugosidade Esse processo consiste. transformado em impulsos elétricos e registrados no mostrador e no gráfico. O movimento da agulha é superfície.

5/10/2010 Avaliação da rugosidade Avaliação da rugosidade 40 .

2. 8. 5. Diferencie superfície real de superfície efetiva. 3. 7. Diferencie textura primária(rugosidade) de textura secundária(ondulação). O que è cut‐off? Defina superfície geométrica. Cite cinco fatores em que a rugosidade influi.5/10/2010 Avaliação da rugosidade Exercícios 1. 10. Qual a diferença entre perfil efetivo e perfil de rugosidade? Quais são os dois sistemas básicos de medição da rugosidade superficial? O que é linha média? Cite duas vantagens e duas desvantagens do parâmetro de rugosidade média (Ra). 11. 6. Cite quatro situações onde é fundamental o acabamento superficial. 41 . 4. Defina rugosidade. 9.

 A rugosidade Ra deve estar compreendida entre 1. 2. Cite e descreva os quatro componentes de um rugosímetro. 4. Cite duas vantagens e duas desvantagens do parâmetro Rz. 1. Cite duas vantagens e duas desvantagens do parâmetro de rugosidade máxima  (Ry).5/10/2010 Exercícios 1. Descreva o que indica cada símbolo gráfico da figura abaixo. 2. 3.0μm.5 e 3. Os sulcos  tifi d A id d R d t did t 15 30 O l devem ter orientação paralela à superfície mostrada. Cite quatro causas em que podemos empregar o parâmetro de rugosidade máxima  (Ry). 42 . Indique na figura abaixo as seguintes características: A superfície deve ser  retificada.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->