P. 1
DIMENSÕES FUNDAMENTAIS DA PESSOA HUMANA

DIMENSÕES FUNDAMENTAIS DA PESSOA HUMANA

|Views: 1.165|Likes:
Publicado porPeAntonioMota

More info:

Published by: PeAntonioMota on Feb 23, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/18/2013

pdf

text

original

DIMENSÕES FUNDAMENTAIS DA PESSOA HUMANA: INTERIORIDADE E ABERTURA Prof. Dr. Antonio R. S. Mota S.J.

(Universidade Católica de Pernambuco Recife) Com esta reflexão pretende-se esclarecer algumas coisas sobre nós mesmos. Trata-se de uma reflexão sobre a PESSOA HUMANA a partir da tradição judeu-cristã, segundo a sistematização de Alfonso Garcia Rubio. Segundo essa milenar tradição, várias são as dimensões básicas da pessoa humana. Mas duas delas merecem atenção especial: A INTERIORIZAÇÃO E ABERTURA OU TRANSCENDENCIA. Mas, o que vem a ser isso? Dizer que o ser humano é uma pessoa quer dizer: O SER HUMANO É CHAMADO A SER ELE MESMO NAS SUAS RELAÇÕES. Vamos por partes. Ser ele mesmo... dimensão de interioridade ou imanência; ...nas suas relações: dimensão de abertura ou transcendência. Tudo isso acontecendo simultaneamente. I. A dimensão de interiorização ou imanência Trata-se de uma orientação para a própria interioridade. A pessoa é: autopossessão; liberdade e responsabilidade; autofinalidade. Pela característica da autopossessão se quer dizer que a pessoa se autopertence, possui autonomia própria em si mesma. A principal conseqüência dessa autopossessão é que a pessoa NÃO É PROPRIEDADE de outro. Qual tipo de escravidão é um atentado direto contra a dignidade da pessoa, expressa nessa intrinsica autonomia e autopertencimento da pessoa a si mesma. Reflexão pessoal: Dar exemplos de situações que impedem essa autonomia ou independência das pessoas Pela característica da liberdade e responsabilidade se quer dizer que a pessoa é capaz de escolher determinados valores por si mesma, a partir de si mesma. É chamada a decidir por si mesma e, em conseqüênc , a optar. Quer dizer, é ia chamada a ser livre. Essa é uma definição filosófica de liberdade: capacidade de optar. E é simples de se perceber por que essa definição é tão acertada: se a pessoa nunca toma uma decisão ou faz opções... para que possui liber dade? Em uma imagem: suponhamos que uma pessoa suba um monte e observe, no horizonte, os múltiplos caminhos pelos quais poderá seguir. É muito bom poder ir por vários caminhos, mas a pessoa pode passar a vida toda em cima do monte apenas observando os seus caminhos, ou seguindo um deles e retornando em seguida, sem usufruir da liberdade de seguir qualquer um deles, com todas as suas conseqüências. Por isso dizemos que a liberdade é a capacidade de optar. Não fica difícil perceber que a liberdade decisão e opção- implica assumir a responsabilidade do que foi decidido e da opção feita.

Como conseqüência podemos perceber que todo tipo de MANIPULAÇÃO é contrária à dignidade da pessoa, expressa nessa intrínseca liberdade e responsabilidade. É necessário um respeito real à liberdade e responsabilidade concretas de cada pessoa. Sistemas socioeconômicos, ideologias, movimentos, propaganda de vários tipos, sistemas educativos, relacionamentos familiares etc., na medida em que manipulam os seres humanos, contribu poderosamente em como seus salvadores. Na nossa sociedade pós -moderna não é difícil perceber como a ideologia do consumo ainda está longe de ser desmascarada e constitui uma sutil forma de manipulaçlão e catalogação das pessoas. Reflexão pessoal 2 Que exemplos de desumanização desse tipo você poderia dar? Pela característica da autofinalidade se quer dizer que a pessoa tem em si mesma a sua própria finalidade. No seu agir, a pessoa, acima de tudo, se autorealiza como ser pessoal. Ela é chamada a desenvolver o seu modo próprio de ser pessoa. Por isso, a pessoa não deve ser medida com critérios meramente utilitários. Reflexão 3 Você poderia dar exemplos de instrumentalização das pessoas? Cabe aqui dizer que, no cristianismo, a finalidade última da pessoa humana é Deus. Então, isso estaria em desacordo com a autofinalidade intrínsica à pessoa? Aqui é necessário explicar que, no cristianism, a noção de Deus é a do Deus-Ágape-Amor, revelado por Jesus Cristo, fundamento do ser pessoal da pessoa, e que, longe de instrumentalizá-la, a impulsiona a se autorrealizar conforme a sua realidade pessoa. Reflexão 4 Como se chama mesmo essa primeira dimensão? Quais as suas conseqüências na vida concreta? II.-A dimensão de abertura ou transcendência O que pode ser visualizado na figura da página anterior? Como Ela poderia se relacionar com o título acima? Bem, a dimensão de imanência, já estudada no primeiro ponto, não significa um convite para o isolamento ou o fechamento. Ao contrário, já afirmamos que a pessoa só pode ser verdadeiramente ela mesma nas suas relações . Isso porque a ela possui, concomitantemente à dimensão de imanência, também a dimensão RELACIONAL. Isto é, ela é chamada a AUTOTRANSCENDER-SE, ABRIR-SE. Há aspectos fundamentais da dimensão de transcendência ou abertura. Abertura ao mundo; Abertura aos outros;

Abertura a Deus. Pela abertura ao mundo, entende-se que a pessoa humana forma, parte também do mundo natural. Ela é criatura entre as criaturas, unida a todas as outras numa solidariedade fundamental. É verdade que a pessoa humana, imagem de Deus, é chamada a trabalhar o mundo para transformá-lo em morada digna dos seres humanos (todos). Mas trata-se de um relacionamento que deve ser vivido responsavelmente, e deve estar sempre penetrado do respeito às leis que regem o dinamismo do ecossistema do qual o ser humano é parte. Não é fácil unir uma coisa com a outra, mas é necessário manter os dois pólos: transformar e respeitar a natureza. Reflexão pessoal 5 Que exemplos da dificuldade entre transformar o mundo e ao mesmo tempo manter o ecossistema poderiam ser dados, tanto no nível global como na sua realidade próxima? Pela abertura aos outros, entende-se como o sair de si para o encontro (em diversos níveis) é constitutivo da pessoa. Nessa abertura, encontramos níveis diferentes: a relação pessoa no nível do encontro eu-tu e as relações no nível sociopolítico, abertura à realidade sociopolítica. Os dois pólos devem ser mantidos, se queremos preservar toda a riqueza do humano. Reflexão 6 O que acontece se a pessoa se fecha a esse encontro verdadeiro nível eu-tu? O que acontece se a pessoa se fecha à dimensão sociopolítica? Na abertura a Deus encontramos o aspecto mais fundamental da pessoa. É o aspecto que a Sagrada Escritura (tanto o Antigo quanto o Novo Testamento) privilegia. Do ponto de vista da percepção e da teologia judeu -cristãs, Deus estabelece uma relação dialógica com o ser humano; só o ser humano pode falar com Deus e aceitar a sua resposta. Essa fala se dá a partir da c onsciência, da Sagrada Escritura, da comunidade, da criação. Enfim, não é um diálogo entre o visível e o invisível, mas, sim, um diálogo que se faz através das pessoas, das palavras, dos acontecimentos, da criação, da consciência e, principalmente, da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Enfim, tudo pode ser mediação para o diálogo entre Deus e a pessoa. De maneira privilegiada, a relação com Jesus Cristo. A relação com Deus, relação única e exclusiva, faz de cada indivíduo humano uma pessoa, e não apenas mais um indivíduo da espécie humana. Reflexão pessoal 7 O que acontece se a pessoa se fecha a esse encontro verdadeiro com Deus? III.- Dinamismo do crescimento pessoal

O dinamismo do amadurecimento se dá na harmonia e articulação entre as duas dimensões: imanência e abertura. Uma vez que ambas são constitutivas do ser humano, o crescimento e o amadurecimento da pessoa não poderão ser realizados sacrificando uma dimensão em nome da outra. Chamamos o desenvolvimento integrado das duas dimensões, imanência e transcendência , de desenvolvimento da personalidade. Todo ser humano é Pessoa, mesmo que não possa desenvolver a sua personalidade. Tudo isso pretende nos fazer lembrar a importância de se estar ABERTO: Aos outros; À natureza; À Deus; E também a si mesmo! Bibliografia RUBIO, Alfonso Garcia. Elementos de antropologia teológica. Salvação cristã: salvos de quê e para quê? Petrópolis: Vozes, 2004. P. 307-313. _________________ . Unidade na pluralidade.3ed. São Paulo: Paulus, 2001. P.307313. Debate 1. Quais as conseqüências do FECHAMENTO da pessoa a alguma das suas relações básicas: com os outros (não apenas os amigos...); com a natureza; consigo mesmo; com Deus ou a Transcendência? 2. O que pode acontecer se uma pessoa desenvolve APENAS a sua dimensão de INTERIORIDADE, em detrimento da sua dimensão de ABERTURA? 3. O que pode acontecer se uma pessoa desenvolve APENAS a sua dimensão de ABERTURA, em detrimento da sua dimensão de INTERIORIDADE?

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->