Você está na página 1de 4

Inter-relações entre Fotografia e Design

no mundo Pós-moderno
por Clara Állyegra Lyra
“A fotografia é, em síntese, uma linguagem universal, sem tradução específica, constituída
por uma leitura livre, sem normas e formalismos. Ela é intrinsecamente uma cópia virtual,
constituída de tempos fragmentados em uma realidade ocasional ou dirigida, obtida pelo
fotógrafo-autor. Poderíamos dizer que é uma verdade com autoria.”
Mário Bitt-Monteiro

“Com o daguerreotipo, todos poderão ter o seu próprio retrato - antes, eram só as
pessoas proeminentes; e ao mesmo tempo tudo é feito para nos dar um aspecto
exatamente igual - de sorte que só precisaremos de um retrato.”
Kierkgaard, 1854

Você ainda lembra do tempo em que a referência em


fotografia era a Kodak e a palavra Polaroid era sinônimo de
imagem instantânea? A fotografia nasce no momento em que a
representação do real fidedigno era uma novidade, um
momento este que contrasta radicalmente com as mais
variadas e populares formas de atuar sobre a imagem que
agora se propagam.

A fotografia evolui de um meio de trabalho de apropriação


exclusiva dos fotógrafos, que realizavam seu ofício de maneira
um pouco mágica e secreta, para a uma popularização e
democratização dos meios digitais. A atuação da empresa
Kodak foi determinante nesta caminhada, com seu slogan:
“Você clica e nós fazemos o resto por você”, ela explorava a
possibilidade de cada pessoa registrar suas próprias
lembranças, o que ocasionou um número infinito de imagens,
feito este impossível em outros tempos.
“Os meios de comunicação tomaram o lugar do mundo antigo. Mesmo que quiséssemos
recuperar esse mundo antigo, só poderíamos fazê-lo por meio de um estudo intensivo das
maneiras como os meios de comunicação o engoliram.”
Marshall McLuhan

Com a chegada da câmera digital, resultado de um mundo


cada vez mais imagético, a imagem digitalizada ganha ainda
mais popularidade devido as suas grandes e novas
possibilidades: câmeras portáteis, até mesmo dentro de
celulares, câmeras de baixo custo, independência do filme e do
processo de revelação, armazenamento de grande quantidade
de fotos em um computador, recriação de imagens e
distribuição das mesmas para qualquer lugar do mundo em
instantes.
Desta forma, o processo de captação da imagem se torna de
fácil utilização e de maneira independente. Agora, qualquer
pessoa, mesmo sem formação acadêmica, pode criar,
modificar e enviar imagens. Até mesmo os meios de
comunicação, volta e meia utilizam imagens captadas pelo
público comum. Este fato termina por abalar a credibilidade
dos fotógrafos e designers que atuam na área visual, pois a
imagem capturada se torna algo corriqueiro e trivial.
Contudo, esta mesma facilidade de captar e manipular as
imagens atua também em sentido inverso. Se por um lado,
atualmente, é fácil refazer imagens e torná-las mais atrativas,
por outro, o observador já não acredita mais que a imagem
que está sendo vista é uma expressão fiel da realidade.
O público que consome revistas femininas sabe, ou no mínimo
acredita que as fotos que exercitam seu imaginário foram
retocadas e modificadas para expressarem o padrão de
consumo do momento. Antigamente as revistas retratavam o
que era real e o que era imagem era uma verdade indiscutível.
A situação se repete nas embalagens e divulgação de
produtos. As primeiras publicidades mostravam o produto
real e exatamente este era encontrado no balcão das
mercearias. Hoje, o apelo estético se sobrepõe a veracidade
do produto, tanto que acreditamos ser normal a frase:
“imagens meramente ilustrativas”, mesmo que as mesmas não
sejam precisas com o produto adquirido.

Assim, o irreal se torna subliminarmente o “real aceito”. Mas


qual seria o caminho para aumentar a relação de valorização e
credibilidade da imagem? Muitas alternativas são viáveis, mas
todas passam pela mudança de atitude dos designers e
fotógrafos que demonstrando suas modificações nas imagens,
experimentando abusar das modificações ou clicando
pessoas reais (sem retoques) podem explorar e trazer para o
público a beleza e força da verdade e da realidade e a ilusão do
mundo imaginário e fantástico de suas mentes.
Bibliografia
AZEVEDO, Wilton. Os signos do design. Coleção Contato
Imediato. Global, 1996
SOUZA, Pedro Luiz Pereira de. Notas para uma história do
design. 2AB, 2000
FLUSSER,Vilém. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Hucitec,
1985.
SONTAG, Susan. Sobre Fotografia. São Paulo. Companhia
das Letras. 2004.
KOSSOY, Boris. Fotografia & História. São Paulo: Ateliê
Editorial, 2001.
Micheal. B., William, D., Steven, H., & DK, H.(1997).
Photography, Morality, and Benetton, Looking Closer 2
(230-232) New York: Allworth Press
GRUSZYNSKI, Ana Cláudia. Design Gráfico: do invisível ao
ilegível. Rio de Janeiro: 2AB, 2000.
VILLAS BOAS, André Fábio. Utopia e disciplina: o design
gráfico como síntese do imaginário modernista. Rio de
Janeiro: 2AB, 1997.
LISTER, Martin.(Comp.) La imagen fotográfica en la cultura
digital. Barcelona: Paidós, 1997.
NIEMEYER, Lucy. Elementos de Semiótica aplicados ao
Design. Rio de Janeiro: 2AB, 2003.
FERREIRA, Glória. Imagens em Migração: uma exposição de
Vera Chaves Barcellos. São Paulo: Fundação Vera Chaves
Barcellos, 2009.
Revista Computer Arts - edição nº 26, ano 3 - Outubro de
2009
Revista Photo Magazine edição nº 28, ano 5
Outubro/Novembro de 2009
BITT-MONTEIRO, Mário. Um Ensaio sobre o momento da
fotografia, suas relações com a comunicação globalizada e
sua atual configuração acadêmica na UFRGS. Revista de
Extensão PROREXT UFRGS, vol.1, p.40-50, jan-jun, 1998.
BITT-MONTEIRO, Mário. Teoria dos Universos
Circundantes Percepção, espaço e fotografia: uma
abordagem metodológica. Revista de Biblioteconomia &
Comunicação da UFRGS - vol.8, p.261-71, 2000.
MARCONDES, Rodrigo, LABEGALINI, Luana Cristina,
LOZANO, Dayene, LICHESKI, Laís Cristina. A utilização de
imagens fotográficas para comunicação e informação.V
CIPED Bauru-SP, 10-12 Outubro 2009.
SILVA, Júlio César Riccó Plácido da, SORANO, Elisangela
Cristina, PEL, Pelópidas Cypriano, SILVA, José Carlos Plácido
da. A Contribuição da Fotografia Digital no Processo
Projetual do Design.V CIPED Bauru-SP, 10-12 Outubro
2009.
BENNET, Audrey. Design studies: theory and research in
graphic design. New York: Princeton Architectural Press,
2006.
WELLS, Liz. Photography: a critical introduction. London:
Routledge, 1996.
QUINTAS, Georgia. Os Sentidos da Fotografia. Jornal do
Commercio, Recife/PE | 22/set/2007.
LIMA, Osvaldo Santos. Câmera Clara, um diálogo com
Barthes. UFPR.
FRAGA, Claudia Trevisan. FILOSOFIA DA CAIXA PRETA.
Academos, revista eletrônica da FIA.Vol. II N. 2 Jul Dez /
2006 pp. 129 134.
MACHADO, Arlindo. O quarto iconoclasmo e outros
ensaios hereges. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2001.
BAITELLO ,Júnior, Norval. A era da iconofagia. Ensaios de
comunicação e cultura. São Paulo: Hacker Editores, 2005.
BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
RIBEIRETE, Elis de Oliveira. A Fotografia e o Design Visual,
uma idéia autoral: a relação entre a produção autoral da
fotografia e comunicação visual nos meios culturais e
artísticos. Curitiba, 2007.
MEGGS, Philip. A History of Graphic Design. Ed. Allen Lane,
1983.
http://www.fotoplus.com/fpb/fpb013/b013c.htm
http://www.fotoplus.com/fpb/fpb017/b017c.htm
http://www.ufrgs.br/fotografia/port/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Kodak
http://www.digicamhistory.com/
Http://www.articleset.com/Recreacao-e-
esportes_articles_pt_Historia-da-camera.htm
Http://pencefundamental.wordpress.com/2009/10/17/proibi
do-o-uso-de-photoshop/