Você está na página 1de 9

1

1 INTRODUÇÃO COMPLEXO EDUCACIONAL FMU DISCIPLICA DE BOTÂNICA I – CURSO DE BIOLOGIA Prof. Dr. Cláudio

INTRODUÇÃO

COMPLEXO EDUCACIONAL FMU DISCIPLICA DE BOTÂNICA I CURSO DE BIOLOGIA Prof. Dr. Cláudio José Alves de Brito

I. CÉLULA VEGETAL

A célula pode ser conceituada como a unidade estrutural e fisiológica dos organismo vivo. No

caso das células vegetais, são constituídas por uma parede celular e pelo protoplasto. Protoplasto x protoplasma = protoplasto é a unidade de protoplasma de uma célula. O protoplasto é constituído de citoplasma e núcleo A parede celular pode ser primária e/ou secundária, podendo existir pontoações e plasmodesmas. Internamente à parede, os conteúdos celulares são circundados por uma membrana, a plasmalema ou membrana plasmática. No citoplasma podem ocorrer vacúolos, contendo suco vacuolar e delimitados pelo tonoplasto. Existem também os sistemas de membranas, o retículo endoplasmático e os

dictiossomos. Ocorrem outras organelas citoplasmáticas como o núcleo, os plastídios, mitocôndrias, ribossomos esferossomos, microcorpos e microtúbulos, e em algumas células, substâncias ergásticas.

CITOPLASMA:

Inclui estruturas delimitadas por membranas (organelas como plastídios e mitocôndrias), sistemas de membranas (retículo endoplasmático e dictiossomos) e estruturas não membranosas (ribossomos, microtúbulos e microfilamentos). A porção fluída do citoplasma - "sopa celular" ou matriz celular, na qual o núcleo e as demais estruturas estão suspensas, chama-se substância fundamental, citosol ou hialoplasma.

O citoplasma é delimitado pela membrana plasmática ou plasmalema.

As células vegetais desenvolvem cavidades no interior do citoplasma, preenchidas com líquido, os vacúolos. São delimitados pelo tonoplasto. O citoplasma possui movimento, as organelas e demais estruturas suspensas no citosol podem ser arrastadas de um modo ordenado. Este movimento é conhecido como corrente citoplasmática ou ciclose. A ciclose facilita a troca de materiais no interior da células e entre a células e o meio externo, portanto, não se sabe ao certo se esta é a função primária da ciclose.

MEMBRANA PLASMÁTICA OU PLASMALEMA:

Constituição: todas as membranas celulares apresentam a mesma estrutura básica que consiste em uma bicamada lipídica na qual estão embebidas proteínas globulares, muitas das quais atravessam a membrana lipídica e sobressaem de ambos os lados. Outras proteínas também estão associadas às membranas, incluindo as proteínas periféricas, que estão ligadas a algumas proteínas que atravessam a membrana e se projetam da bicamada para a superfície interna da membrana. As que atravessam a bicamada, assim como outras fortemente ligadas à membrana, são denominadas proteínas integrais.

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

2

Funções: 1- medeia o transporte de substâncias para dentro e para fora do protoplasto; 2- coordena a síntese e montagem de microfibrilas de celulose na PC e 3- traduz sinais hormonais e do ambiente envolvidos no controle do crescimento celular e diferenciação.

NÚCLEO:

Nas células meristemáticas, chega a ocupar de 2/3 a 3/4 do volume da célula, mas esta proporção diminui a medida que a célula se diferencia. Funções: 1- controla as atividades normais da célula por determinar quais e quando as moléculas protéicas serão produzidas e 2- armazena informações genéticas, transferindo para as células filhas durante a divisão celular. É delimitado por um par de membranas, o envelope celular, repleto de poros. Os poros não são apenas buracos no envelope, mas possuem estrutura complicada. Eles garantem uma passagem direta através do envelope, para que possam ocorrer trocas entre o núcleo e o citoplasma. O envelope nuclear pode ser considerado uma parte do retículo endoplasmático, especializado e diferenciado pela sua localização. Finos filamentos e grãos de cromatina podem ser encontrados no nucleoplasma ou substância fundamental nuclear. A cromatina é composta por DNA e proteínas. Durante a divisão celular, a cromatina torna-se mais condensada até assumir a forma de cromossomos. Os cromossomos contém RNA e proteínas.

PLASTÍDIOS:

São organelas citoplasmáticas envoltas por uma membrana lipoprotéica dupla e no interior uma matriz protéica denominada estroma. A membrana interna sofre invaginações formando tilacóides, que variam de acordo com o tipo de plastídio. Derivam de proplastídios.

Tipos:

Não-pigmentados ou leucoplastos: amiloplastos: sintetizam e acumulam amido secundário proteinoplastos: sintetizam e acumulam proteínas elaioplastos: sintetizam e acumulam lipídios (óleos) Pigmentados: cromoplastos: xantoplastos (alaranjados); eritroplatos (vermelhos) croloplastos: verdes, responsáveis pela fotossíntese Estioplastos: proplastídios que se desenvolveram na ausência da luz, desenvolvem corpos prolamelares que, quando expostos à luz, transformam-se em tilacóides e portanto, cloroplastos.

MITOCÔNDRIAS:

Envoltos por duas membranas. A interna é muito dobrada formando pregas conhecidas como cristas mitocondriais. São geralmente menores que os plastídios.

MICROCORPOS:

Ao contrário das mitocôndrias e plastídios, são envoltos por apenas uma membrana. Apresentam um interior granular, além de algumas vezes terem inclusões cristalinas formadas por proteínas. Alguns microcorpos são denominados perixissomos. Estes tem papel importante no metabolismo do ác. glicólico que é associado à fotorrespiração; nas folhas verdes, estão associados espacialmete às mitocôndrias e cloroplastos. Outros microcorpos são chamados glicoxissomos e

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

3

contém as enzimas necessárias para a conversão das gorduras em carboidratos durante a germinação de diversas sementes.

VACÚOLOS:

Assim como os plastídios e a PC, os vacúolos caracterizam a célula vegetal. São regiões dentro da células, envoltos por uma membrana (tonoplasto) e preenchida com um líquido chamado suco vacuolar. Tipicamente, a célula imatura possui pequenos e numerosos vacúolos, que se fundem e aumentam de tamanho, chegando a ocupar 90% do volume total de uma célula madura. Os vacúolos geralmente contém água, sais e açúcares, além de algumas proteínas dissolvidas. A concentração de um determinado composto pode ser tão concentrado a ponto de formar cristais. Deposição de oxalato de cálcio é comum, podendo ter diversas formas. Nos frutos cítricos, o suco celular é muito ácido, dando gosto azedo. Também podem retirar produtos tóxicos do metabolismo secundário de dentro do citoplasma, como a nicotina (alcalóide). Geralmente o vacúolo é o local de deposição de pigmento azul, violeta, púrpura ou escarlate, denominados antocianinas. Também estão associados à degradação de macromoléculas e reciclagem de seus nutrientes. Organelas inteiras, como mitocôndrias e plastídios podem ser depositadas e degradadas no vacúolo. Por isso são comparáveis aos lisossomos das células animais.

RIBOSSOMOS:

Neles ocorre a ligação dos aminoácidos para formar as proteínas. São abundantes em células metabolicamente ativas. Os ribossomos podem estar soltos no citoplasma ou associados ao RE, sendo ambas as formas encontradas na mesma célula. Podem ser encontrados no núcleo. Os ribossomos que estão associados à síntese protéica ocorrem agregados, chamados polissomos. As células que estão produzindo grande quantidade de proteínas apresentam grandes sistemas de RE que carregam os polissomos.

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO:

É um sistema de membranas complexo e tridimensional de tamanho indefinido. Em corte

transversal parece ser formado por duas membranas paralelas contendo um espaço estreito ou lume.

RE liso: sem polissomos RE rugoso: com polissomos

O RE parece funcionar como um sistema de comunicação dentro da célula. O RE das células

adjacentes estão interconectados por meio de plasmodesmas.

O RE é o principal local da síntese da membrana dentro da célula. Parece que dá origem às

membranas do vacúolo e microcorpos, assim como cisternas dos dictiossomos.

DICTIOSSOMOS - COMPLEXO DE GOLGI

São grupos de sacos achatados em formas de discos ou cisternas. É comum que dois pólos ou superfícies opostas da pilha de cisternas sejam denominadas região formadora e região de maturação. As membranas que formam as cisternas são estruturalmente semelhantes às do RE, enquanto as direcionadas à região de maturação são mais parecidas com a membrana plasmática.

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

4

Os dictiossomos estão geralmente associados à síntese da PC. Nas células animais geralmente estão associados em grandes complexos, os Complexos de Golgi. Já nas células vegetais, raramente se associam em complexos, um exemplo é encontrado nos pêlos das raízes. Os polissacarídios não-celulósicos sintetizados a partir da PC são coletados em vesículas destacadas das cisternas na região de maturação. Estas vesículas migram e se fundem à membrana plasmática, liberam seu conteúdo para o exterior da célula e os polissacarídios se tornam parte da PC.

Alguns produtos são sintetizados por outras organelas, como o RE, para serem em seguida transferida para o dictiossomo, onde serão modificados antes da secreção.

ESFEROSSOMOS:

Gotículas de lipídios limitados por uma membrana. Em nível de microscopia óptica, são confundidos com os elaioplastos, só que estes são plastídios e por isso possuem uma dupla membrana.

SUBSTÂNCIAS ERGÁSTICAS:

- Amido: acúmulo de amido secundário sob forma de grãos de amido.

- Proteína: amorfas ou cristalinas ou em corpos definidos = grãos de aleurona. Os grãos de

aleurona combinam formas amorfas e cristalinas. São delimitados por albumina. No tipo mais simples, engloba uma massa de proteína amorfa. Os mais complexos possuem várias inclusões- cristalóide e o globóide. Geralmente são bem menores que os grãos de amido. Os grãos de aleurona são formados a partir de proteínas dissolvidas no suco celular (vacúolos), que se cristalizam. Não confundir com proteinoplastos, que são organelas citoplasmáticas. - Gorduras e óleos: São reservas alimentares e freqüentemente são encontradas nos

tecidos das sementes. Aparecem na forma de sólidos ou de gotículas, dispersas no citoplasma. Podem ser formados por elaioplastos (dupla membrana) ou por pequenas organelas delimitadas por uma membrana, os esferossomos.

- Cristais: a maioria consiste de sais de cálcio, o mais comum é o oxalato de cálcio, mas

também são encontrados os de carbonato de cálcio. Geralmente considera-se que os cristais constituem depósitos de produtos de excreção e que se originam dentro dos vacúolos. Formas: prismáticos, drusas, ráfides (CaO) e cistólitos (CaCO 3 ). Os cristais podem estar distribuídos ao acaso dentro das células ou em idioblastos, que são células especializadas, que se diferem das vizinhas pelo tamanho, conteúdo e função.

PAREDE CELULAR:

A parede celular era conceituada como um componente não vivo, mas sabe-se hoje que ela está envolvida com processos químicos e físicos do metabolismo celular. O processo de diferenciação e especialização do protoplasto é acompanhado por alterações na parede celular.

Componentes: a celulose é o mais característico. Esta é formada por repetições de moléculas de glicose ligadas umas às outras. Estas moléculas longas e delgadas estão associadas em microfibrilas. As microfibrilas se enrolam para formar finas correntes. Estas por sua vez se enrolam formando as macrofibrilas. A teia de celulose na PC está permeada por uma matriz de moléculas não celulósicas. Algumas destas moléculas são polissacarídios chamados de hemicelulose, as outras são substâncias pécticas, quimicamente próximas a hemicelulose. Outro importante constituinte da PC é a lignina, que fora a celulose, é o polímero mais abundante encontrado nas plantas.

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

5

Formação da PC: formada durante a divisão celular, e para tal parece fundamental a presença do núcleo. Durante a divisão celular, os microtúbulos orientam a formação da placa equatorial, transportando as vesículas dos dictiossomos. Elementos do RE atravessam a placa assinalando as regiões dos futuros plasmodesmas. A placa, nos estágios iniciais, origina a lamela média, a qual é composta basicamente de substâncias pécticas. Sobre esta lamela média será depositada a PC primária. Camadas da PC:

Lamela média: composta de substâncias pécticas. Parede primária: além de celulose, hemicelulose e pectina, contém enzimas e glicoproteínas. As PC primárias podem se tornar lignificadas. Geralmente as PC primárias não são uniformemente espessas em toda a sua extensão, mas apresentam depressões chamadas campos primários de pontoação. Os plasmodesmas são agrupados nestes campos. Parede secundária: formada após a parada do crescimento da célula. Possui menos celulose que a PC primária e menos hemicelulose, porém as substâncias pécticas, enzimas e glicoproteínas estão aparentemente ausentes. A lignina é comum nas PC secundárias, podendo compor de 15 a 35%. É comum serem observadas 3 camadas distintas na PC secundária. Estas são designadas S1, S2 e S3. As camadas diferem entre si quanto à orientação das microfibrilas de celulose. Tais microfibrilas são depositadas com um padrão mais denso do que na primária. Quando a PC secundária é formada, não ocorre deposição sobre os campos primários de pontoação. Consequentemente as depressões são formadas, as pontoações. Em alguns casos as pontoações são formadas em áreas onde não haviam campos primários. A pontoação geralmente ocorre oposta a pontoação da célula vizinha. A lamela média e a PC primária entre as duas pontoações são denominadas membrana da pontoação. As duas pontoações opostas formam um par de pontoações. As pontoações podem ser simples ou areoladas. Nesta última, a PC secundária forma uma projeção sobre a pontoações, formando uma auréola.

Propriedades das Paredes celulósicas:

a) Plasticidade: em grau variável, é a capacidade de se deformar após uma certa pressão;

b) Elasticidade: é a capacidade de voltar à forma original depois de uma deformação;

c) Resistência à tensão: advém da composição química, da estrutura microscópica (camadas da PC)

e da submicroscópica (arquitetura das moléculas de celulose).

d) Resistência à flexão, tração e compressão: flexão: advinda da elasticidade resistência à tensão -

força dos ventos nas partes aéreas; tração: advinda da estrutura química (também da lignina) e da arquitetura da PC (força dos ventos na parte aérea traciona as raízes; compressão: também resultante da estrutura química (também da lignina) e da arquitetura da PC (peso da copa exercido sobre as raízes).

PLASMODESMAS

São conexões entre os protoplastos de células vizinhas. Geralmente ocorrem nos campos primários de pontoação. Ao ME, aparecem como canais delineados pela membrana plasmática e atravessados por um túbulo do RE conhecido como desmotúbulo. Muitos plasmodesmas são formados na divisão celular como faixas do RE que são detidas dentro da placa equatorial, mas também podem ser formados em células que não se dividem.

Bibliografia:

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

6

ALBERTS, B.; BRAY, D.; LEWIS, J.; RALF, M. et al. York: Garland Publishing, 1994. 1294p.

Molecular biology of the cell.

3a. ed.

New

CUTTER, E. G. Anatomia Vegetal. Parte I - Células e tecidos. São Paulo: Rocca, 1986. 304 p.

ESAU, K.

Anatomia das plantas com sementes. São Paulo: Edgard Blücher, 1974. 293 p.

FOSKET, D. E.

Plant growth and development: a molecular approach.

press, 1994. 580 p.

San Diego: Academic

RAVEN, P.H.; EVERT, R.F & EICHHORN, S.E. Biologia Vegetal. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996. 728 p.

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

Inventário dos componentes da célula vegetal

7

Parede celular

Lamela média Parede primária Parede secundária Plasmodesmas

Protoplasto

Núcleo

Envelope nuclear Nucleoplasma Cromatina Nucléolo

Citoplasma

Substância fundamental Organelas delimitadas por 2 membranas

Plastídios

Micotôndrias

Organelas delimitadas por 1 membrana

Microcorpúsculos

Vacúolos

Sistema de endomembranas

Retículo endoplasmático Dictiossomos Vesículas Membrana plasmática

Ribossomos

Esferossomos

Substâncias

Cristais Antocianinas Grãos de amido Taninos Gorduras, óleos e ceras Corpos protéicos

 

ergásticas*

* Podem ser encontradas na parede celular, substância fundamental e/ou organelas.

Fonte: RAVEN, P.H.; EVERT, R.F & EICHHORN, S.E. Guanabara Koogan, 1996. 728 p.

Biologia Vegetal. 5 ed. Rio de Janeiro:

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

8

SUBSTÂNCIAS ERGÁSTICAS

Conceito: são produtos de reserva ou metabólitos resultantes das atividades celulares. Podem estar em solução ou como partículas sólidas no citoplasma ou nos vacúolos.

Amido:

primário ou de assimilação => nos cloroplastos

secundário ou de reserva => nos amiloplastos

grãos simples, compostos ou semi-compostos

podem apresentar hilo cêntrico ou excêntrico

HILO= ponto inicial de deposição do amilo.

formato dos grãos varia entre famílias e/ou espécies Ex. halteres em Euphorbiaceae

Inulina:

também é polissacarídio, mas ao contrário do amido, aparece em solução. Com álcool, precipita em forma de cristais esféricos.

Lipídios:

em forma de gotas de óleo (esferossomos) ou elaioplastos

ácidos graxos: ácido oleico, ác. linoleico e ác. linolênico (insaturados) e ác. palmítico e ác. esteárico (saturados)

geralmente em sementes e frutos: soja (60% de óleo), algodão (30-40%),

oliveira (40-60%), côco (60-70%)

Taninos:

compostos fenólicos

podem estar no citoplasma, vacúolo e até na parede celular

células comuns ou em idioblastos tânicos

proteção contra predação, dissecação e apodrecimento

IDIOBLASTO =>

células modificadas em forma e estrutura, não possuem protoplasto vivo quando bem diferenciadas.

Cristais:

drusas (CaO)

ráfides (CaO)

cistólito (CaCO 3 ) = litocisto

cristais prismáticos - areia cristalina (CaO)

cristais de caroteno - raiz da cenoura, junto com os xantoplastos

drusas e ráfides podem estar em céls. normais ou em idioblastos

Proteína:

forma cristalina (ex. periferia do tubérculo da batata) ou amorfa (junto ao amido na semente de trigo) grãos de aleurona = forma cristalina (cristalóide) e amorfa (globóide) - semente de mamona.

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU

9

SUBSTÂNCIAS

ERGÁSTICAS

1-2- Grãos de amido simples - hilo cêntrico 3- Grão de amido simples - hilo excêntrico 4- Grão de amido composto 5- Corte transversal tubérculo batata-inglesa 6-9 - Grãos de amido de formato variado 10-11- Grãos de amido compostos - Aveia 12- Cristais de inulina 13- Grãos de aleurona - Proteína

1- Cristal prismático - acima Drusa - abaixo 2- Cristais prismáticos 3- Ráfides 4-8 - Cristais prismáticos

prismáticos 3- Ráfides 4-8 - Cristais prismáticos Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor

Proibida reprodução ou cópia sem autorização do autor Uso exclusivo alunos FMU