P. 1
Resinas compostas

Resinas compostas

|Views: 1.700|Likes:
Publicado porAndré Ribeiro
A busca por um belo sorriso, com harmonia de cores nos dentes é uma procura cada vez maior por parte das pessoas e dos profissionais da odontologia estética.
A busca por um belo sorriso, com harmonia de cores nos dentes é uma procura cada vez maior por parte das pessoas e dos profissionais da odontologia estética.

More info:

Published by: André Ribeiro on May 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/11/2013

pdf

text

original

Resinas compostas

A utilização de resina composta para a reabilitação do sorriso, tanto para dentes posteriores como para dentes anteriores, é uma prática cada vez mais comum entre os cirurgiões-dentistas, entretanto, o sucesso clínico depende de uma tríade inseparável, constituída por conhecimento técnico, dedicação durante o ato operatório e determinação em alcançar o objetivo almejado e alguns desses três requisitos podem fazer falta no dia-a-dia do consultório (Worschech, 2006). A resina composta foi desenvolvida e patenteada por Bowen, em 1962, e é constituída pela mistura de dois ou mais materiais diferentes quimicamente entre si. Cada um desses constituintes contribui especificamente com a sua propriedade. Dessa forma, o material resultante apresenta propriedades físicas superiores em relação aos componentes individuais (Cardoso, 2002). As resinas compostas atuais são muito melhores do que as desenvolvidas por Bowen, em 1962, embora sua composição tenha variado pouco. Na década de 60, as resinas compostas já eram constituídas por uma fase orgânica à BISGMA e UDMA, unida através do silano às partículas inorgânicas de quartzo (Narciso et al., 2003). A história das resinas compostas está intimamente ligada à sua composição e forma de ativação. Um dos setores da Dentística que mais evoluíram no final da década de 90 foi o sistema de ativação das resinas compostas, apresentando procedimentos que podem interferir na velocidade da contração de polimerização das resinas compostas (Narciso et al., 2003).

Segundo Narciso et al. (2003), a resina composta é formada por três componentes principais: a matriz orgânica, partículas inorgânicas e o agente de união. Entre os monômeros-base utilizados nos compósitos comerciais estão incluídos o Bis-GMA e UDMA. De acordo com Cardoso (2002), o Bis-GMA é um derivado da reação entre o bisfenol-A e o glicidilmetacrilato, e o uretano dimetacrilato ou modificações destes monômeros. Embora a fase orgânica tenha sido responsável pelas propriedades negativas das resinas compostas, como contração de polimerização, sorção de água, alto coeficiente e expansão térmica linear e desgaste, só recentemente ela vem sendo modificada. O BIS-GMA tem quase meio século de existência e continua a ser usado apesar de vários inconvenientes. Sua molécula apresenta um centro rígido pela presença de dois anéis benzênicos ou aromáticos que impedem o livre movimento dos dois grupos acrílicos existentes nas extremidades da cadeia. Essa rigidez tem duas conseqüências: a resina é muito viscosa para ser utilizada, e requer um comonômero, geralmente o trietilenoglicoldimetacrilado (TEG DMA) para ajustar a viscosidade; a molécula fica incapaz de sofrer rotação e, portanto, participar efetivamente durante a polimerização. Esses dois anéis (benzênicos e aromáticos) não são encontrados no reino animal ou vegetal, levando a uma falta de

biocompatibilidade. Quanto maior a quantidade de monômeros livres, maior a toxidez. É por esse motivo que os monômeros não devem entrar em contato com a polpa. Geralmente, a escolha pela resina composta tem se baseado na excelente qualidade e na igualdade das cores em relação à estrutura dental. Entretanto, tem sido a potencialidade e concreta efetividade na união entre a resina composta e as estruturas mineralizadas do dente, somadas à

característica similar do seu módulo de elasticidade e resiliência, as propriedades responsáveis pela possibilidade de, além de restaurar o dente, também reforçar o tecido dental remanescente (Cardoso, 2002). De acordo com Worschech (2006), existem grandes vantagens em se restaurar dentes posteriores e anteriores com resina composta e uma delas é a possibilidade de se conservar tecido dentário sadio, durante a confecção do preparo cavitário.

Esse texto faz parte do meu trabalho de monografia: “Critérios Utilizados por Cirurgiões-dentistas no processo de seleção de cores de Resinas Compostas”.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->