PCMAT

PROGRAMA DE CONTROLE DO MEIO AMBIENTE DE TRABALHO
NR 18 - PORTARIA Nº 04 DE O4/07/95

SUMÁRIO
1. 2. INTRODUÇAO OBJETIVO

3 LEGISLAÇÃO 4 RESPONSABILIDADE 5 6 7 8 9. DOCUMENTOS BASICOS DO PCMAT PRINCÍPIOS BASICOS COMUNICAÇÃO PREVIA MEMORIA INFORMATIVA

MEMORIAL SOBRE CONDICOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO 9 IDENTIFICACAO DOS RISCOS AMBIENTAIS.

11 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES, IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS E NUMEROS DE TRABALHADORES EXPOSTOS. 12 MEDIDAS DE CONTROLE E SISTEMAS PREVENTIVOS DE SEGURANÇAS. 13 ESPEÇIFICAÇÕES DAS PROTEÇOES COLETIVAS 14 EQUIPAMENT DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL CONFORME ATIVADADE. 15 PROGRAMA EDUCATIVO SOBRE ASPECTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO ( ANEXO 01) 16 CONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO 17 LAY-OUT DO CANTEIRO DE OBRA (ANEXO 03 ) (ANEXO 02)

18 MEDIDAS DE PROTEÇÕES COLETIVAS

( ANEXO 04 )

- PCMAT
O PCMAT é definido como sendo um conjunto de ações, relativas a segurança e saúde no trabalho, ordenadamente dispostas, visando à preservação da saúde e da integridade física de todos os trabalhadores de um canteiro de obras, incluindo-se terceiros e o meio ambiente. O PCMAT não é uma carta de intenções elaborada pela empresa, mas sim um elenco de providências à serem executadas em função do cronograma da obra. Esta dividido em medidas coletivas de prevenção contra os diversos riscos presentes nos canteiros de obras, sendo citados ainda os Equipamentos de Proteção Individual (EPI), adequados à atividade; as dermatoses causadas pelo contato com cimento; os cuidados com as instalações elétricas; os problemas ergonômicos ocasionados pelo levantamento e transporte manual de pesos e condições mínimas de conforto que devem estar presentes nas obras da Construção Civil. Presente também neste trabalho um modelo de contrato que deverá servir como norteamento para a contratação de terceiros e prestadores de serviços em geral. 1. INTRODUÇÃO 1.1. O P.C.M.A.T. integra o conjunto das iniciativas da Empresa para a preservação da saúde e integridade dos colaboradores, devendo compatibilizar-se com as demais NR’s, em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO previsto na NR-7 e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA previsto na NR-9.

2 OBJETIVO
O PCMAT, veio ao encontro da necessidade das Empresas e dos Profissionais da área de Higiene e Segurança do Trabalho ao estabelecer um PROGRAMA DE CONTROLE DE RISCOS no campo da PRESERVACAO e da PROTECAO dos trabalhadores. O PCMAT tem como objetivos primordiais: • • • • • • • a prevenção dos riscos a fim de garantir a saúde e integridade física dos trabalhadores; evitar ações ou situações perigosas por falta de prevenções; definir atribuições e responsabilidade ao pessoal que administra, desempenha e verifica as atividades de risco; determinar as medidas de proteção e prevenções ; prever os riscos que derivam do processo de execução; treinamento dos operários afim de evitar os acidentes, e aplicar técnicas de execução que reduzam ao máximo possível estes riscos.

As subcontratadas sob a responsabilidade da PLAENGE EMPREENDIMENTOS LTDA . que aprova o novo texto da Norma Regulamentadora NR 18.º 3214 de 8 de janeiro de 1978. Todas receberão o manual de segurança para trabalhadores de empreiteiras desenvolvido pela PLAENGE EMPREENDIMENTOS LTDA .Programa de prevenção e riscos ambientais. • projeto de execução das proteções coletivas execução da obra. que aprova as Normas Regulamentadoras . em conformidade com as etapas da . da Consolidação das Leis do trabalho.3. onde no seu item 18-3. A elaboração do PCMAT deve ser efetuada por profissional legalmente habilitado na área de A fim de que se obtenham bons resultados com o PCMAT . contempla o Programa de Condições de Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção – PCMAT 4 .informar ao seu superior hierárquico direto qualquer ocorrência que cause risco à integridade dos trabalhadores.LEGISLAÇÃO Este projeto contempla as exigências contidas na Portaria n. que passa a ter o seguinte título: CONDIÇOES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO.RESPONSABILIDADE segurança do trabalho e sua implementação desenvolvida no local da obra sob a responsabilidade do empregador .é fundamental que a hierarquia da empresa zele pelo cumprimento deste programa. As subcontratadas serão fiscalizadas e cobradas para que sigam as orientações referente à segurança do trabalho.º 04. título II. É de responsabilidade dos trabalhadores . 5 • • DOCUMENTOS BÁSICOS DO PCMAT PPRA . relativas a Segurança e Medicina do trabalho.NR do capítulo V. de 4 de julho de 1995. Em especial a portaria n.participar da implementação e execução do PCMAT .estarão submetidas às mesmas exigências com relação às questões de segurança e medicina do trabalho estabelecida pela portaria 3214/78 .seguir as orientações dos treinamentos .sendo sua abrangência e profundidade própria das características dos riscos e das respectivas características das atividades desenvolvidas. Memorial sobre condições e meio ambiente de trabalho nas atividades e operação levando –se em consideração riscos de acidente e de doenças do trabalho e suas respcetivas medidas preventivas.

chefias. lay-out inicial do canteiro de obra.empregador ou condomínio. Treinamento e habilitação técnica são condições básicas para o exercício de qualquer função . .com sua carga horária. • • • • 7 COMUNICAÇÃO PRÉVIA É obrigatória a comunicação à Delegacia Regional do Trabalho .• • • • especificações utilizadas.a saúde e higiene nos ambiente de trabalho é função de todos os empregados e colaboradores da empresa.antes do inicio das atividades . Datas previstas do inicio e conclusão da obra.gerencia. A manutenção das ações que garantam a segurança . técnicas das proteções coletivas e individuais a serem cronograma de implantação das medidas preventivas definidas no PCMAT.de modo que sejam intensificadas medidas corretivas recomendadas. previsão do dimensionamento das áreas de vivência. Números máximos previsto de trabalhadores na obra. Todos os empregados e colaboradores devem conhecer as suas tarefas e os riscos a elas relacionados de forma que possam trabalhar com Maximo de segurança. CGC. O PCMAT deve ser revisto periodicamente para avaliação dos seus resultados .e supervisão) proporcionar condições seguras de trabalhos. programa educativa contemplando a temático de prevenção de acidente e doenças do trabalho . 6 • • PRINCÍPIOS BÀSICOS A eficácia do PCMAT depende dos seguintes princípios básicos O PCMAT deve ser desenvolvido de forma integrada entre as diversas áreas da empresa É função de todos os níveis da administração da empresa (diretoria . OU CPF) do contratante . Endereço correto e qualificação ( CEI. Tipo de obra. contemplando inclusive.das seguintes informações : • • • • • Endereço da obra.

01 terraço e 02 subsolo Prazo de execução : 26 meses Características da edificação e tipos de matérias empregados : Estrutura :concreto armado .E.forro:lage aparente no subsolo e gesso acartonado nos demais pavimentos.N.E.divisões internas:alvenaria .esquadrias :metálicos e de madeira.=4521-7 Edificações Grau de Risco: 04 DO CANTEIRO DE OBRAS.401 m2 Números de pavimentos : 24tipo. Jornada semanal e horário de trabalho:segunda a quinta-feira de 7:00 às 17:00 horas.pisos :cerâmicos e outros.403. com intervalo de 01:00 horas de descanso. Corpo de bombeiro: 193 . e sexta –feira de 7:00 às 16:00 horas com intervalo de 01:00 horas de descanso CARACTERISTICAS DE IMPLANTAÇÃO Localização : A obra encontra –se localizada na área urbana de Campo Grande Tipo de obra : residencial Área a construir: 21. Sociedade Beneficente Campo Grande Rua Eduardo santos pereira .8 MEMORIA INFORMATIVA DA EMPRESA Razão social: XXXXXXXXXXXXXXXXXX ENDEREÇO: Rua Maracaju .instalação em geral :de acordo com as normas técnicas.A.I. do trabalho Edison Maziero Responsável pela elaboração e implementação do PCMAT Numero total de funcionário : atualmente 15 (quinze) funcionários da empresa e 35 (trinta e cinco ) funcionários de empresa subcontratadas.civil Carlos Eduardo IXXXXXX Responsável técnico pela obra Técnico de seg.cobertura:estrutura de madeira e fibrocimento.88 telefone : 3215151 Entrada do pronto socorro pela rua Rui Barbosa . ATENDIMENTO MÉDICO MAIS PROXIMO.EDIFICIO TOM JOBIM Endereço : Rua Paraná 58 Município: Campo Grande UF: Mato Grosso do Sul Profissionais Responsáveis : Eng. 1122 –Centro MUNICIPIO : Campo Grande CNPJ XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX UF: Mato Grosso do Sul C.: XXXXXXXX CEP: 79002-212 C.

• Proposta Básica Promover abertura para ventilação em atendimento a NR-24 sendo: 1/10 da área do piso. No canteiro não possui alojamento . a proporção é de um conjunto de bacia sanitária e lavatório para cada 20 trabalhadores. Promover abertura para ventilação em atendimento a NR-24 sendo: 1/10 da área do piso . 06 chuveiros... com largura mínima de 0. e terão bancos em número suficientes para atender aos usuários. 2 pias com torneira Os vasos sanitários estão em locais isolados um dos outros por divisórias. O numero de bacias sanitárias e chuveiros deverá ser aumentado conforme for aumentando o numero de trabalhadores . ÀREAS DE VIVENCIAS: O canteiro de obra possui as seguintes instalação: Instalação sanitárias Vestiários Local para refeições. Deverão ser mantidos em perfeito estado de conservação e higiene. Todas as atividades do programa educativo estão ao cronograma físico da obra. Para a elaboração deste programa foi realizado um diagnostico completo da obra com todas as informações possíveis para se obter um resultado eficiente. a referida obra encontra –se atualmente na fase estrutural do subsolo .e de chuveiro para cada 10 trabalhadores.. O local destinado às instalações sanitárias atende as exigências da norma no que se refere às condições de higiene e conforto. e com recipiente com tampa para depósito de papéis usados. estando com ( 3% tres por cento ) executado . VESTIÁRIOS • • • • com iluminação artificial.lavanderia ou área de lazer . sendo 02 elétrico e 04 normal. contendo porta com trinco.. Atualmente: 05 vasos sanitários bacia turca. As instalações sanitárias deverá ser mantida em perfeito estado de conservação e higiene. Instalação sanitárias • com iluminação natural e artificial.30 (trinta centímetros).9.pois os trabalhadores não se encontra alojados no mesmo. armário individuais dotados de fechadura ou dispositivo com cadeado.MEMORIAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO Este programa de condições e meio ambiente de trabalho –PCMAT se refere a obra da construção de um edifício residencial . mantido em perfeito estado de conservação higiene e limpeza..

vestiário LOCAL PARA REFEIÇÕES Atualmente o local destinado para as refeições. Lavatório. com tampa. Depósito de lixo com tampa. para detritos. esta com as acomodações necessárias. Depósitos. Afastado da edificação em construção. mantendo as condições de iluminação e ventilação. O local é coberto contendo: • • • • • • • Mesa com tampo impermeável. . Manutenção do local em condições de higiene e limpeza. Assentos ou bancos em número suficiente.

SITUAÇÃO ATUAL O Local De Refeição Atende As Exigéncias Especificadas Na NR. . Com proibição de uso de copos coletivos e improvisados. 18 ÁGUA POTÁVEL Fornecimento aos trabalhadores de água potável. filtrada gelada. e em condições de higiene. terão a disposição copos descartáveis junto aos bebedouros existentes.

ATENDE AS EXIGENCIAS ESPECIFICADAS NA NR. incluindo as alvenarias.tudo isso deve estar em local visível e de fácil acesso. é possível identificar os seguintes riscos na obra. revestimento e pintura externa (fachada). Devem existir equipamentos específicos para essas atividades (cinto de segurança. Riscos Genéricos Físico Ruídos. 09.proveniente de maquinas e equipamento em funcionamento calor ambiente:resultante de trabalho ao ar livre . Efeitos/Causas Controle Prazo .pois o numero de funcionário ultrapassara 50 funcionários Dentro do ambulatório deve haver uma maca e caixa de primeiros socorros com uma listagem mínima de medicamentos necessários com sua indicação fornecida pelo medico do trabalho. balancim com catraca dupla.18 AMBULATÓRIO MEDIDAS A SEREM TOMADAS Há necessidade de se instalar um ambulatório no local . corda de segurança.vibração proveniente de alguns equipamentos (ferramentas manuais – elétricas) BAIXO Planejamento e acompanhamento das atividades. dupla fixação para balancim e cabo independente para fixar o cinto de segurança).IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS Devido às suas características.bem com endereço e telefone dos hospitais mais próximos .

etc. tintas.independente do resultado todos os trabalhadores dentro do canteiro devem usar equipamento de proteção individual. Quedas em nível.gesso.sendo que sua quantificação será elaborada posteriormente. resinas. Catalisadores. diluentes. Legenda I – Imediato (até 30 dias) C – Curto prazo (até 90 dias) M – Médio prazo (até 180 dias) L – Longo prazo (mais de 180 dias) A exposição aos riscos físicos e químicos estão apenas identificados . uso inadequado das máquinas. Os balancins quando em serviço devem ser firmemente estaiados à estrutura do prédio a fim de evitar quedas de partes. Posturas (colocação pisos. Ergonômico Riscos de Acidentes Máquinas manuais com defeito. tintas. Poeiras em suspensão (lixamento de paredes e pisos) possibilidade de incêndios pela proximidade de inflamáveis.: Em todas as fases da obra deve ser fiscalizado o uso obrigatório de equipamentos de proteção individual.IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS E NÚMEROS DE TRABALHADORES EXPOSTOS. etc. Obs.EPI adequado a sua função 11-DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES . Particulas incomôdas: Manuseio de argamassas de cimento. etc. removedores. que possam atingir principalmente a terceiros. tacos.todos os trabalhadores estão expostos ao ruído e ao calor ambiente.cal. luvas de latex e paredes. rodapés).Químico Poeiras:( lixamento de Proteção respiratória. A. necessários a cada função. de Devem ser verificados os pontos de apoio dos cavaletes dos balancins. Fumos: provenientes das operações de soldagens. Independente dos riscos inerentes a cada atividade . Vernizes.) – botas de borracha. inalação de vapores de solventes. entre outros. Vapores orgânicos :resultante da aplicação de produtos contendo solvente.mas. Descrição das funções Nossas funções e atividades dentro do canteiro de obras são: .

uma vez que os liderados espelham-se no líder da equipe. A exposição aos mesmos não é direta. geralmente realiza o corte (abertura) de paredes em lugares específicos para a colocação de dutos elétricos ou hidráulicos.PCMAT A responsabilidade direta pelos colaboradores fica a cargo dos encarregados. Coordenar serviços da obra. (pelo uso da cortadeira de paredes). Atividades Riscos . determina. transporte de carrinhos de mão. óculos de segurança e os eventuais necessários. Diversos. A empresa possui encarregados para cada categoria profissional no canteiro. O engenheiro deve utilizar os equipamentos de segurança que sejam necessários à situação. de planejamento. toma decisões de projeto ou administrativas.Função Engenheiro Descrição . Situa-se no primeiro plano da escala de fiscalização dos colaboradores. botina de segurança (com bico de aço). Não existem riscos específicos e sim genéricos. Riscos Exames Periodicidade EPI FUNÇÃO Mestres de Obras Atividades Exames Periodicidade EPI Descrição . etc. Na obra o engenheiro pode ser: chefe de obra. desde quedas de altura e de nível (mais freqüente). entorses. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Os mesmos do mestre de obras e os eventuais necessários. de medição. de parte elétrica. de parte hidráulica. Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição . como autoridade técnica. Não existem riscos consideráveis e sim genéricos. de campo. que na realidade respondem pela técnica do trabalho. abastecimento de material. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Os mesmos do engenheiro e os eventuais necessários. orientar execução dos projetos e acompanhá-la. preparo de materiais. Coordena as ações no canteiro.PCMAT É o profissional mais conhecido pelos colaboradores. Freqüentemente circula pela obra fiscalizando a execução dos projetos. Carregamento de materiais. orientar a equipe na execução dos projetos bem como acompanhá-los. requerem grande desprendimento de esforços físicos. demartoses. fraturas. Estes são subordinados às orientações do Mestre de obras. de segurança do trabalho. perda de sensibilidade. orientando os encarregados e os operários nos momentos difíceis.PCMAT Servente Realiza tarefas diversas de apoio nos canteiros de obras. esforço físico. alergias. irritação das conjuntivas. fiscalizar a obra. FUNÇÃO Encarregado Descrição . cortes de diversas gravidades. Coordenar serviços de equipe. sendo responsável pelos mesmos sob todos os aspectos. ruído (do equipamento). que é o coordenador técnico das tarefas cotidianas. fiscalizar serviços da equipe. orientar procedimentos seguros de execução. Entre outros serviços. sua grande experiência profissional geralmente lhe permite acompanhar. inalação de poeiras de tijolo/concreto (principalmente durante corte de paredes). É deste que deve partir o exemplo do uso correto e obrigatório dos EPI’s. orientar procedimentos de segurança para equipe.PCMAT Responsável pela obra e representa a empresa. limpeza do canteiro. outros.

transporte de materiais. ex.cinto de segurança tipo paraquedista e os eventuais necessários. lesões perfurantes (por pontas de vergalhões).: serra circular). Função Carpinteiro Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição . plaina. inalação de poeiras diversas. queda em altura ou em nível. ferimentos diversos nos membros inferiores e braços. óculos de segurança. óculos de segurança e os eventuais necessários. ferimentos cortantes. queda de materiais sobre os pés. ruído em excesso (equipamento de corte. botina de segurança c/ bico de aço e palmilha de aço. quedas de nível. máquina Makita. pisos etc. trabalhos em fachadas. transportar materiais. Função Eletricista Atividades Riscos Exames Periodicidade Requisito EPI Descrição . botina de segurança c/ bico de aço. botina de segurança c/ bico de aço. serrote. serra tico-tico.PCMAT Realiza trabalho de instalações elétricas provisórias ou definitivas no canteiro de obra. corte e dobra de ferragem. avental de raspa. preparando laje. atender especificações de projetos. óculos de segurança. botina de segurança. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. entorses.PCMAT Realiza serviços específicos de carpintaria. preparar massa. luva de látex e os eventuais necessários. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Com qualificação Capacete. Fechamento com alvenaria em diferentes níveis. botina de segurança c/ bico de aço.Exames Periodicidade EPI Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. cimento retardantes. botina isolante. colunas. protetor facial. para a colocação de formas e posteriormente concreto. contato com cal. Função Armador Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição – PCMAT Realiza tarefas em diferentes níveis de altura. óculos de segurança. Função Pedreiro Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição . luvas isolantes e os eventuais necessários. contusões. etc. riscos de partículas nos olhos. Quedas em diferentes níveis. Quedas de altura e de nível. contusões diversas.PCMAT Realiza serviços de alvenaria em geral. luvas de raspa. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. Montagens de estrutura de ferro. Instalar fiações. em ambientes diversos. cinto porta ferramentas. Amputação de dedos. poeiras (corte de tijolos). montar painéis de ferragem. Feitura e montagem e formar. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. Manuseio de linhas energizadas ou não. abafador de ruídos. . equipamentos utilizados: serra circular. Martelo. Estas tarefas somente podem ser realizadas por oficial de carpintaria (registrado em carteira). óculos de segurança. avental de raspa e os eventuais necessários. testar redes elétricas. etc. Choque elétrico. dermatites irritações mucosas. estender linhas elétricas.

luva de raspa e os eventuais necessários. qualificado para aplicação de revestimentos cerâmicos. óculos de segurança. Ruído. avental e luva de PVC e os eventuais necessários. Revestimento cerâmico de paredes e pisos de áreas frias na edificação.PCMAT Funcionário mão-de-obra direta. máscara semi-facial P2 e os eventuais necessários. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. ruído excessivo durante uso de serra mármore. Reaterros. existe possibilidade de contaminação devido a presença de roedores no almoxarifado. Função Operador de Compactador de Solo Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Requisito Descrição . poeiras. luvas de latex. manter estoque arrumado. treinado e capacitado para operar o equipamento. Não existe risco de acidente considerável.PCMAT Funcionário habilitado para operar mangotes vibradores de imersão. Função Azulejista Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição – PCMAT Funcionário mão de obra indireta. botina de segurança c/ bico de aço. nivelamento de solo. entorses. bota de borracha. entrada e saída de materiais. . O ambiente de trabalho basicamente resume-se a um depósito de materiais. vibração e queda de níveis. óculos de segurança. óculos de segurança e os eventuais necessários. fornecer e substituir materiais e equipamentos quando solicitados pelos colaboradores. ferimentos diversos nos membros inferiores e braços. protetor auricular calçado de segurança. óculos de segurança. assim como rejuntamentos e acabamentos tipo guarnição Quedas de nível. dermatoses por contato com argamassas de cimento. Com treinamento e capacitado para a função. etc. vibração. Manter o estoque atualizado. equipamentos de proteção individual. Com treinamento e capacitado para a função. Executa o adensamento do concreto em formas de elementos estruturais Ruído. controlar ficha de colaboradores atuantes no canteiro de obras. botina de segurança c/ bico de aço. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. ferramentas. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. maquinários.Função Almoxarife Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição – PCMAT Colaborador encarregado do controle administrativo de materiais destinados à execução da obra. protetor auricular. lesões perfuro-cortantes com cacos de cerâmica. Função Vibratorista Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Requisito Descrição .

luva de látex e os eventuais necessários. Controle operacional do equipamento. areia e cimento. cortes e ligações de tubulações com soldagem a quente e frio. botina de segurança. transporte de materiais. dermatoses. lombalgias. botina de borracha. executa lubrificação e limpeza. calçado de segurança. para o preparo de argamassa e concreto. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. poeiras. protetor auricular. óculos de segurança. carretel e roldanas. trabalhos em fachadas. Com treinamento e capacitado para a função. partes móveis do equipamento. cimento retardantes. . óculos de segurança. em diversos ambientes. supervisionando condição operacional do equipamento e condições gerais das instalações. passagens e instalações de elementos em formas antes da concretagem Explosão e incêndio.PCMAT Movimenta carga vertical através de guincho de carga com cabine em torre metalicas via sistema motor elétrico. uso inadequado de maçarico alimentado por butjão de 2kg de GLP. Ruído.Função Encanador Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição – PCMAT Realiza trabalho de instalações hidro-sanitárias provisórias ou definitivas no canteiro de obra. lombalgias. Fechamento com alvenaria em diferentes níveis. execução de esperas. ajuda na carga manual da betoneira carregando pedra.PCMAT Realiza serviços de alvenaria . choque elétrico. óculos de segurança. protetor auricular. assim como instalação e ligação de louças e metais sanitários. quedas de nível. Cortes em alvenarias por onde serão embutidos as tubulações. avental e luva de PVC. Função Pedreiro / de balancim Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição . dermatites irritações mucosas. contusões. contato com cal. Opera guincho de coluna. partes móveis do equipamento. Ruído. poeiras. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. riscos de partículas nos olhos.reboco em geral. cabo de aço.PCMAT Opera misturador de concreto a ser utilizado no canteiro da obra. e os eventuais necessários. e os eventuais necessários. botina de segurança c/ bico de aço. Função Operador de betoneira Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Requisito Descrição . Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. Função Operador de guincho Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Requisito Descrição . Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete. etc. inalação de poeiras diversas. Com treinamento e capacitado para a função. poeiras (corte de tijolos). respirador semi-facial P2. óculos de segurança e os eventuais necessários. Quedas de altura e de nível. movimentação manual de peso. queda de níveis e carga. cinto de segurança tipo paraquedista. pisos etc. levantamento de peso. preparar massa. ferimentos cortantes.

É realizada a movimentação de terras. respirador e os eventuais necessários. botina de segurança c/ bico de aço. (se Todo trabalho dentro das escavações devem dispor de imediato escadas ou rampas. Queda de nível diferente. Pintar paredes. Riscos Genéricos Físico Efeitos/Causa Fundações Umidade Calor Pressões anormais Escavações Poeiras em suspensão Gases (naturais ou não) Esforço físico intenso manual) Transporte de peso Soterramento Controle Planejamento e fiscalização dos serviços.Proteção Respiratória I – Imediato (até 30 dias) C – Curto prazo (até 90 dias) M – Médio prazo (até 180 dias) L – Longo prazo (mais de 180 dias) imediato Legenda . Riscos de Acidentes Planejamento e fiscalização dos serviços. em diversas áreas e em vários materiais. Prazo imediato Químico Ergonômico Deve-se evitar trabalhar nas próximas 24 horas que se seguem imediato a uma precipitação pluvial (que deve ser avaliada pelo volume precipitado).Função Pintor/ balancim Atividades Riscos Exames Periodicidade EPI Descrição – PCMAT Realiza tarefas em diferentes níveis de altura. A seguir é feita a infra-estrutura. óculos de segurança. compressor. Equipamento utilizado: pincel. necessárias para garantir a segurança dos trabalhadores. solvente. estruturas metálicas. irritações de mucosas. Escavações e fundações: Esta etapa já havia sido executada no momento da Elaboração do PCMAT. lixa. e uso de equipamentos de Desabamento (se escavação Proteção Individual e Coletivas. rolo. tinta. MEDIDAS DE CONTROLE E SISTEMA PREVENTIVOS DE SEGURANÇA. uso de equipamentos de segurança individual e presença de equipamentos de resgate. pistola de pintura. intoxicação. Inalação de vapores e gases de vários produtos químicos. tubulações. cinto de segurança tipo paraquedista. manual) Queda de materiais . corpo estranho nos olhos. Conforme PCMSO Conforme PCMSO Capacete.sendo que foi executado pela EMPRESA FUNSOLO e foram obedecidas todas as normas de segurança. que são necessárias para a execução das fundações.

para transporte e estocagem. paralelamente. ou por montantes encaixados em cavidades deixadas ao se concretar ou fixados por mordentes especiais adaptados à lateral da escada. VÃO DE ESCADAS FIXAS A proteção pode ser assegurada por montantes verticais de madeira. à escada fixa. deve-se cercá-lo de guarda-corpo e rodapés. o guarda-corpo e o rodapé. o vão que irá receber a porta do andar. Existem numerosos dispositivos metálicos pré-fabricados que são montados em estribos embutidos no concreto. mas ou mais convenientes são os construídos por um painel inteiriço ou com telas metálicas vedando horizontalmente o próprio vão e. nos quais são fixados. Se as dimensões do vão requerem a colocação de um piso provisório.Andaimes Passarela pré-fabricada de madeira apoiada em consoles metálicos embutidos na construção. sobre os quais se fixam os guarda-corpos de madeira ou metálicos. Estas vedações devem ser colocadas em todos os níveis onde o trabalho já foi executado ou em que está sendo executados. verticalmente. VÃO DE ELEVADORES Diversos sistemas podem ser utilizados. ou totalmente executado em madeira. exemplos: a) proteção por guarda-corpo fixado na parede da porta do elevador. . Alguns são dobráveis. b) proteção por tela magnética fixada na parede da porta do elevador.

Neste caso. As barreiras são colocadas entre elementos da estrutura e bloqueadas por macacos de parafuso (verificar freqüentemente a bloqueagem). MODELOS DE FIXAÇÃO DE GUARDA-CORPO • os montantes de parapeitos fixados diretamente nas faces do madeiramento. fixados por braçadeiras. Os parapeitos podem ser formados por tubos de comprimento apropriado. • a fixação dos montantes de parapeitos metálicos pode ser efetuada em cavidades deixadas ao se concretar ou em cavidades feitas após a concretagem. apresentam somente proteção relativa. BARREIRAS METÁLICAS Podem-se fixar também nos estais metálicos colocados entre os dois pisos. ou por barreiras em forma de paralelogramo suspensa por ganchos soldados aos montantes. b) proteção provisória constituída por montantes de madeira fixados em tábuas longitudinais.a) proteção provisória constituída por montantes de tubos fixados no assento dos degraus da escada fixa. a) passarela. as passarelas e as rampas possuirão corrimão. por pregos ou grampo de pedreiro. patamar intermediário e rodapé. Telas de grelhas montáveis em estais metálicos. e o corrimão deve estar a uma altura de 90cm. b) rampa. . As barreiras sem vão perigoso são preferíveis aos peitoris. Alguns modelos de extensão possibilitaram a proteção de vãos de larguras diferentes. PASSARELAS OU RAMPAS Como as escadas fixas. o assento dos degraus da escada fixa substitui o rodapé. Evitar portanto seu uso.

É pois.22mX0. espessura mínima de 0. se forem executadas em altura superior a 6m. Protetores rígidos Madeira com 0. Não garantem a por aperto de parafuso chaveta ou cremalheira.50 madeirite de 2. Plataforma de proteção peças de madeira = Caibros de 0.70 x 0.02m. como por exemplo.20mX1.• • alguns parapeitos metálicos possuem montantes fixados por mordentes na borda do piso.40m de altura. proteção na construção do madeiramento.025m de espessura. . indispensável utilizar outros meios de proteção durante estas operações. • PLANTAFORMA PRINCIPAL PLANTAFORMA SECUNDARIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS PROTEÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS QUE SERÃO/ PODERÃO SER UTILIZADAS: Guarda-corpo madeira de primeira qualidade. colocação das ferragens e no enchimento. uma polegada com 1. esses dispositivos somente podem ser colocados depois da concretagem.70 x 4. o peitoril fixado em consolos.02m. barra de aço CA-50.

pelas condições de execução e ainda a falta de informações e treinamentos aos operários da construção civil. proteções rígidas. andaimes. tela de nylon. escadas. escoramentos. Escadas. . passarelas e madeira de primeira qualidade espessura mínima de rampas 0. escadas. uso constante de todos os EPI’s especificados. rampas e passarelas. andaimes.025m. escadas. guarda-corpo. guarda-corpo. Prazo imediato imediato Estrutura de concreto armado imediato Acabamento imediato IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS DE ORIGEM INDIVIDUAL E COLETIVA Os acidentes fatais ocorrem na indústria da construção de maneira até superior as de outras atividades profissionais pelo fato de ser o setor que mais emprega pessoas no Brasil. rampas e passarelas.Protetores elásticos tela galvanizada. plataformas de proteção. CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS Etapa da Obra Instalação do canteiro de obras Escavação e fundação Medidas preventivas por seqüência de acontecimentos uso constante de todos os EPI’s especificados uso constante de todos os EPI’s especificados. rampas e passarelas. proteções rígidas. uso constante de todos os EPI’s especificados. guarda-corpo. plataformas de proteção. proteções rígidas.

Improvisações de apoio para corte de madeiras. Ferramentas inadequadas ou impróprias para a execução do serviço. junto à haste do balde. Exposição à umidade. Na região os tipos utilizados são os tubulões e sapatas. Na execução dos serviços de fundações podem ocorrer possíveis riscos ambientais geradores de acidentes Na escavação: • • • Utilização de ferramentas inadequadas ou defeituosas na escavação. execução de formas e concretagem das fundações. • • • • • • • • Exposição às radiações solares.Como o risco é o perigo ou a possibilidade de perigo. Na execução deste serviço podem ocorrer possíveis riscos ambientais geradores de acidentes. necessário para execução do serviço. . Não uso de EPI. Rebatimento de pregos na construção do gabarito da locação. A queda do balde de recolhimento de material escavado e falta de gancho de segurança Desmoronamento de solo do poço escavado. ou o processo de execução da obra. LOCAÇÃO DE OBRA A locação consiste na demarcação da edificação a ser construída no terreno. FUNDAÇÕES Os trabalhos de fundações compreendem a execução das escavações. com temperaturas elevadas. a contingência ou a proximidade de um dano. procura-se durante o processo construtivo destacar claramente as várias etapas de maior importância. que pode afetar a integridade física do trabalhador. Desta forma serão analisados os riscos comuns as obras. Madeiramento com pregos espalhados nas proximidades da região de trabalho. através de suas principais etapas. Inalação de poeira. gerando diversos riscos ambientais e coletivos possíveis de causar acidentes. características da região.

provocando descontrole da manivela e queda de Não utilização da corda guia para orientação do poceiro do alinhamento vertical da subida do Queda de pessoas ou material depositado próximo das escavações. partes rodantes sem Acúmulo de pó de madeiras junto ao motor da serra circular podendo provocar incêndio. alimentação. Não uso de EPI necessário para execução desse serviço. Levantamento de carga excessiva no transporte das formas. Escoramento de formas mal executado.• • • • • A falta de atenção do operador do sarrilho. temperaturas altas. expondo os operários às radiações solares e Operação de corte de madeira em serra circular sem proteção de coifa. Falta de sinalização na obra. EXECUÇÃO DE BLOCOS E VIGAS BALDRAMES Na execução deste serviço podem ocorrer possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • Uso inadequado das ferramentas de escavação. Colocação das armaduras sem os cuidados necessários. Não uso de EPI necessário para execução desse serviço. . Concretagem • • • • Descida de operários no interior da fundação quando da execução da concretagem. material escavado. Vibrador utilizado sem proteção de aterramento da carcaça ou emendas do cabo Acesso para trajeto do transporte do concreto não desobstruído e não delimitado. Nas execução das formas: • • • • • • Preparação das formas em locais impróprios. características da região. balde. Mal escoramento das formas. pegadores. Montagem da armaduras em locais impróprios. Não uso de EPI necessário para execução desse serviço.

Descargas elétricas de máquinas ou equipamentos utilizados pelos carpinteiros. Os equipamentos de proteção individual (EPIs). EXECUÇÃO E MONTAGEM DAS ARMADURAS . alimentação. protetor facial. torre. necessários de uso obrigatório na execução da confecção e montagem das formas. máscaras descartável. CONFECÇÃO E MONTAGEM DAS FORMAS Todo o canteiro de obra deve ter um local próprio reservado para carpintaria. Os trabalhos de confecção e montagem das formas podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • • Serra circular sem proteção (coifa) e instalação mal executada. Levantamento de peso excessivo (madeiras.• • • Vibrador utilizado na concretagem sem aterramento da carcaça e emendas do cabo Exposição às radiações solares. protetor auricular (para trabalho na serra circular). Não uso de EPI necessário para execução desse serviço. limpeza do local de trabalho (carpintaria). calçados de segurança. cunhas na montagem de canto ou periferia Formas mal travadas ou escoramento defeituoso. formas pesadas). Não uso de EPI necessário para execução desse serviço. Queda de material usado para execução da montagem. onde será realizada toda a confecção das formas para a obra e posteriormente a sua montagem nos locais adequados. Utilização inadequada ou não apropriada das ferramentas de trabalho. Não organização. • • • • • capacete. Madeiras com pregos espalhadas no local de trabalho Desprendimento e/ou rebatimento de pregos. Acúmulo de pó de madeira sobre o motor da serra.

Cabos elétricos passando sobre as armaduras no canteiro. dos mesmos. Pontas das amarrações das armaduras expostas. características de A falta de proteção lateral com tela. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • Exposição de operários às radiações solares e temperaturas elevadas. desprotegidas. . quando no transporte vertical por graus ou por roldanas. barras. ou Descuido no manuseio das barras de aço. EXECUÇÃO DE CONCRETAGEM DOS ELEMENTOS ESTRUTURAIS A concretagem dos elementos estruturais como pilares. porém tendo que ser transportada para o local de sua aplicação. dobramento na direção das pontas verticais Contato das barras de aço com cabos elétricos próximos da central ou quando do transporte Arrumação ou colocação das armaduras no interior das formas. Execução dos serviços de corte. Os trabalhos de manuseio como corte. Queda das armações. vigas e lajes se repete várias vezes na execução da obra. Carcaça do vibrador não aterrado. Área para descarga de barras de aço ou das armaduras no canteiro não isolada. Os trabalhos de execução e montagem das armaduras podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • • • Operação de equipamento de corte sem conhecimento do mesmo. As máquinas e tesouras para corte de vergalhões sem manutenção e não inspecionadas. inadequadamente ou uso incorreto. nossa região. Operários desqualificados exercendo a função. ou outro material semelhante da periferia da edificação. expondo os operários a situações que podem provocar acidentes. armação e montagem sem uso de EPIs.A central de armação pode ser instalada no próprio canteiro da obra ou em outro local onde serão executadas todas as armações possíveis dos elementos estruturais.

cunhas para o exterior. Quebra de escoramento das formas. Retirada inadequada ou escoramentos. necessário para execução do serviço. Posições incorretas no manuseio do concreto. DESFORMA As desformas das peças ou elementos estruturais são executadas após o tempo necessário para que o concreto tenha resistência mínima de acordo com as normas técnicas específicas. necessário para execução do serviço. Não amarração das formas periféricas por cordas na sua retirada. Poeira do cimento e outros materiais utilizados na fabricação do concreto. Queda de formas. Operadores do mangote flexível desproporcionais na altura. aberturas deformadas. Não uso de EPI. principalmente nas varandas. Desprendimento de concreto endurecido grudado nas formas para o exterior. Queda de pessoas ou objetos na concretagem.• • • • • • • • • • • Emendas dos cabos de alimentação do vibrador. Falta de guarda-corpo. como escadas. Rompimento da tubulação de concretagem. Desprendimento de materiais sobre os operários da desforma e/ou outros. Transporte de concreto em gericas na grua mal amarradas. Pilhas de madeira (formas) próximas ao exterior da torre. Na execução da desforma podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • • • • Uso de ferramentas inadequadas ou incorretas. Utilização incorreta das ferramentas utilizadas na concretagem. ferramentas. Materiais de desforma nas vias de circulação. Não proteção das laterais com tecas ou outro dispositivo semelhante. Não fechamento ou isolamento das aberturas na laje. Não uso de EPI. Juntas da tubulação de concretagem mal executadas. MARCAÇÃO DE ALVENARIA . Desforma prematura.

Não proteção da periferia da laje da edificação. da edificação. argamassa. Na execução da alvenaria podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • Desprendimento de materiais já colocados. Materiais expostos na zona ou . necessário para execução do serviço. com pedaços de tijolos. bem como fazer distribuição interior. sejam internas ou externas. Não fechamento ou isolamento das aberturas em lajes. Não uso de EPI. marcação de alvenaria. ou em fase de colocação. Local de trabalho desorganizado.área de circulação. necessário para execução do serviço. argamassa e outros objetos Queda de andaimes. Na execução da marcação de alvenaria podem ocasionar os possíveis riscos ambientais de ordem coletiva ou individual: • • • • • • • • • Queda de tijolos. Queda de ferramentas. Queda em altura de pessoas em trabalho próximo à periferia da edificação (torre). Pedaços de tijolos no local de trabalho. edificação. EXECUÇÃO E ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM TIJOLOS CERÂMICOS Consiste no trabalho de isolamento ou vedação a estrutura ao exterior. ferramentas ou outros objetos para o exterior da Queda de pessoas. Não uso de EPI. Tropeços na alvenaria já executada e/ou linhas esticadas rente ao piso necessárias para Colocação de ferramentas no bolso. Local de trabalho não limpo. INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS . de acordo com o uso da edificação.Este serviço consiste numa pré-preparação para o fechamento das paredes. Quebra de tijolos. Contato direto com argamassa. espalhados.

sem Fios e partes metálicas sob tensão desprotegidos.Os serviços de instalação consistem na passagem de tubulações. equipamentos e ferramentas que estejam com carcaças energizadas. energizadas. Queda de escadas ou andaimes. Explosão e incêndio. Deixar chaves tipo faca e quadros de comandos de força expostos. Uso incorreto de fiação para ligação. Condições de preparação dos kits modelos. colocação de peças e registros no interior das paredes e colunas para distribuição dos pontos de água e coletagem de esgotos. por uso inadequado do maçarico. da cabine ou gerador da edificação. corrente. Máquinas. aterramento ou inadequados. Na execução das instalações elétricas podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • Uso de ferramentas inadequadas sem isolamento. Falta ou uso inadequado de EPIs. Ligação de fios com contato mal feito. Explosão e incêndio. bem como da ligação dos equipamentos. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Consiste na distribuição interna dos circuitos. . que poderá provocar aquecimento do local. Contato direto com produtos químicos. Rebatimento de pedaços de tijolos diretamente nos olhos. medidores de energia. com suas partes Não isolamento ou proteção dos equipamentos elétricos. Uso de ferramentas inadequadas. Nas instalações hidro-sanitárias podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • Intoxicação por inalação e/ou contato direto com produtos químicos. com capacidade inadequada para passagem da Uso de materiais de má qualidade. Manuseio de ferramentas na preparação dos kits.

Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • Inalação de poeira provocada pelo pó de gesso. 13 APLICAÇÃO DE GESSO LISO NO TETO Consiste no emprego do gesso para revestimento da superfície do teto da edificação. Não uso de EPI.• • • • Falta de sinalização de perigo. Utilização das mãos ou objetos metálicos sem proteção para corte de fios ou cabos elétricos. Contato direto com argamassa de gesso. Utilização de ferramentas defeituosas. ASSENTAMENTO DE CONTRAMARCOS DE ALUMÍNIO E ESQUADRIAS DE FERRO Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • Queda em altura dos contramarcos para fora da edificação. Colocação de ferramentas no bolso. Respingo de material nos olhos. Travamento ou escoramento mal feito das esquadrias. Queda de cunhas em altura para o exterior. necessário para execução do serviço. necessário para execução do serviço. Queda de ferramentas em altura para o exterior. Andaimes mal executados. necessário para execução do serviço. Não uso de EPI. Não uso de EPI. O REVESTIMENTO INTERNO DE ALVENARIA . Trabalhos elétricos feitos por pessoas não qualificadas. Tropeços ou choques entre os gesseiros sobre os andaimes.

Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • A execução deste serviço feita por pessoal inexperiente ou que tenha problemas de saúde A montagem do balancim mal feita ou executada por pessoas não capacitadas. regularizando afim de se obter uma superfície lisa para se ter um bom acabamento e que evite o desperdício dos materiais ainda a ser empregado no acabamento final das paredes. como tijolos e argamassas. Movimentos incorretos na execução do serviço. da viga de suporte. necessário. Armaduras para travamento das alvenarias na vertical exposta sem o devido recobrimento O pedreiro como não utiliza cinto tipo carpinteiro. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • Contato direto com a argamassa de revestimento. Desprendimento de material já colocado. como tontura e coração. Material ou ferramenta de trabalho em mal estado de conservação. REVESTIMENTO DE ALVENARIA EXTERNA Consiste nos mesmos objetivos do revestimento de alvenaria interna. quinchos de elevação por Queda de ferramentas e materiais em altura. régua de alumínio. Improvisação de bancadas ou andaimes mal feitos sem proteção lateral.Este serviço consiste no revestimento das paredes. argamassa ou mesmo no sarrafeamento e desempenamento da alvenaria. parte do pessoal técnico responsável da obra. mesma na bota. como no chapamento ou lançamento da O desprendimento de ferramentas de trabalho como colher de pedreiro. Corda de segurança presa na mesma estrutura de suporte de andaimes. costuma colocar ferramentas no bolso ou A não utilização de equipamentos de proteção individual. quando da execução do serviço. Respingo de argamassa nos olhos. quando da utilização de outras ferramentas. . ou imprópria para o uso. O uso inadequado dos EPIs ou mesmo a falta. dos cabos. recomendáveis. Materiais utilizados na montagem do balancim de péssima qualidade ou com emendas não Não verificação dos andaimes.

• • • • • • • • • • Exposição a radiações solares e a alta temperatura comum na região. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • • Desprendimento de azulejos ou placas de azulejos. Quando o desprendimento do cinto de segurança da corda para prender em uma outra Quantidade excessiva de pessoas ou ferramentas sobre o andaime. quando da altura para chapamento do revestimento é imprópria. Peças de azulejos ou peças recortadas com arestas ou cantos vivos. Queda de ferramentas por descuido ou displicência na execução do serviço. feltro. Uso de ferramentas inadequadas ou impróprias para a execução do serviço. FORRO DE GESSO EM PLACA . Execução do trabalho em situações de ventos muito fortes. Material de peças recortadas ou mesmo as peças de azulejos e outros materiais espalhadas Repetitividade de movimentos na execução do serviço. ambiente de trabalho sem organização. Respingos de material com argamassa ou areias quando do desempeno com espuma ou próprios pedreiros de andaimes. Ao passar do interior do prédio para o andaime por aberturas como janelas ou outras Desprendimento da trava do guincho de elevação. sem proteção do disco ou outros. Improvisações de andaimes ou andaimes de péssima condições de utilização. Contato direto com o material de revestimento. ou seja. como maquita. empregado normalmente nas áreas molhadas. Contato direto com argamassa de assentamento ou rejuntamento. ficando o pedreiro livre sobre o andaime. Desprendimento de pedaço de azulejo quando da execução dos recortes. A passagem de balancim para outro sem estar amarrados à corda de segurança. além de proporcionar bom acabamento final e estético no ambiente. pelo chão. aberturas de pequenos vãos sem estar seguro por nenhum dispositivo de segurança. Colocação de ferramentas no bolso. posição. Máquinas de corte de azulejo. Improvisações por parte dos A não sinalização nos andares térreos ou subsolos da execução do serviço acima. ASSENTAMENTO DE AZULEJO Consiste nos revestimentos de paredes da edificação.

Desorganização do local de trabalho. Uso de ferramentas inadequadas para execução do serviço. Contato direto com argamassa de gesso. Inalação de poeira de gesso quando da fabricação da argamassa. Desprendimento de placas já fixadas.Consiste num revestimento de teto. Pisos cerâmicos ou peças recortadas com arestas ou cantos vivos. necessário para ocultar tubulações. empregado principalmente em banheiros. ficando saliente. podendo provocar Não uso de EPIs. Utilização de ferramentas inadequadas para execução do serviço. Respingos da mistura argamassa diretamente nos olhos. Execução mal feita dos assentamentos dos pisos. execução do serviço. duradoura a maior parte da Corte das peças cerâmicas rente ao corpo e não em bancada apropriada. necessário na execução do serviço. Ambiente de trabalho mal organizado e não limpo. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • Uso irregular da pistola para fixação de pinos no teto. corredores de circulação. Posição para assentamento de pisos bastante desconfortável. Não uso de EPIs. Andaimes mal executados. Colocação de ferramentas no bolso. ASSENTAMENTO DE RODAPÉS E SOLEIRAS E PEITORIS . Colocação de espátula ou outras ferramentas de ponta ou cortantes no bolso. necessário na execução do serviço. constituindo um fundo falso. tropeços e quedas de pessoas. REVESTIMENTO DE PISO CERÂMICO COM ARGAMASSA COLANTE Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • Contato direto com argamassa de assentamento ou reajustamento. Máquinas de corte como maquita sem proteção do disco ou outros.

fixo em apenas alguns pontos. Colocação de ferramentas de uso no bolso. das peças. das peças. .Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • Quebra de vidro quando da sua colocação. Desprendimento de pedaços de vidros semi-colocados. Armazenamento de vidros no local de trabalho em quantidade elevada e em variedades Não uso de EPIs. incêndio. COLOCAÇÃO DE VIDROS Consiste no fechamento dos espaços livres das esquadrias destinados para esse fim. Não marcação dos vidros já colocados. incêndio. Pedaços ou cacos de vidros espalhados pelo chão. Pedaços ou cacos de vidros espalhados pelo chão. necessário na execução do serviço. Não marcação dos vidros já colocados. diversas dificultando a retirada de peças. diversas dificultando a retirada de peças. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • Quebra de vidro quando da sua colocação. Desprendimento de pedaços de vidros semi-colocados. Manuseio das peças desde o transporte do almoxarifado ao local de trabalho para colocação Material de fácil combustão como querosene exposto de maneira a provocar explosão e Contato direto com produtos químicos como a massa de fixação dos vidros e diluentes. isto é. fixo em apenas alguns pontos. Manuseio das peças desde o transporte do almoxarifado ao local de trabalho para colocação Material de fácil combustão como querosene exposto de maneira a provocar explosão e Contato direto com produtos químicos como a massa de fixação dos vidros e diluentes. Armazenamento de vidros no local de trabalho em quantidade elevada e em variedades Não uso de EPI necessário para execução do serviço. isto é.

. Manuseio de madeiras sem a devida preocupação no local de trabalho. Queda de pessoas ou material quando da aplicação externa. Improvisações de local de apoio para corte de madeiras. necessário para a execução do serviço. Falta de sinalização e isolamento do local. Caminhamento sobre as telhas já colocadas. empregando tintas específicas para a aplicação. como a própria embalagem da tinta. Não uso de EPI. Respingos de tintas diretamente nos olhos quando da aplicação sobre a superfície. Caminhamento sobre as estruturas de madeiramento já executado. entre outros. Exposição a radiação solar e alta temperatura característica da região. Material de fácil combustão exposto de maneira a provocar explosão e incêndio.PINTURA Consiste no acabamento final das paredes internas e externas e tetos de uma edificação. Escorregamento provocado por tintas sobre a lona plástica estendida sobre o piso. solventes. Rebatimento de pregos na fixação das peças de telhado. Não uso de EPI necessário para execução do serviço. EXECUÇÃO DO TELHADO Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • • • • Queda de madeira quando da retirada do elevador de cargas. Contato direto com o material de pintura. Na execução deste serviço podem ocasionar os possíveis riscos ambientais geradores de acidentes: • • • • • • • • Inalação de poeiras e vapores orgânicos provenientes do lixamento das paredes e de tintas. Falta de Cabo guia para prender cinto de segurança. Recipiente de colocação da tinta com bordas salientes. Utilização de equipamentos de corte como maquita e outras sem a devida proteção.

luva de PVC ou Plataforma de contenção. calçado de de formas segurança. Desobstrução dos acessos aos locais de trabalho e áreas de vivência. calçado de Segurança ou botas de borracha Fechamento total do terreno c/ tapume. sapatos de segurança. luvas de raspa. c/ rodízios que facilitem a sua movimentação Instalações hidro. metálicos ou madeira estáveis e em nível. luva de raspa. Os acessos até o local de trabalho devem ser desimpedidos e a operação de máquinas precedida de alarmes sonoros. cavaletes metálicos . calçado de segurança ou bota de borracha Confecção e montagem Capacete. paredes internas e tela de proteção entre externas. proteção de caixa de escadas. sinalização dos locais de escavação e das vias de circulação na obra. Tela de proteção.PROTEÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS NOS SERVIÇOS DURANTE A EXECUÇÃO DATA / PERÍODO FASE DE EXECUÇÃO MEDIDA DE PROTEÇÃO MEDIDA DE PROTEÇÃO DA OBRA INDIVIDUAL COLETIVA Instalação de canteiro e locação da obra Utilização de capacete.. protetor auricular. poço de elevador Desforma Capacete. enxada) Reaterro de valas Capacete. maçarico c/ em lajes. calçado de Fechamento das aberturas sanitárias segurança. calçado de segurança fechamento das aberturas. horizontal para tela de proteção entre ancoragem da alvenaria aberturas Alvenaria de tijolo Capacete. com área de operação sinalizada. avental de PVC. plataformas de borracha. luva de raspa. luva de PVC ou Plataforma de contenção. botas de borracha Capacete.). calçado c/ palmilha e biqueira isolamento do local de aço Marcação de alvenaria e Capacete.telas. picareta. óculos de Proteção da periferia da laje superestrutura segurança ampla visão. protetor auricular. cerâmico de vedação látex. chapisco vertical e látex. sinalização p/ proteção dos locais de trabalho. fechamento de aberturas em lajes. calçado de segurança fechamento das aberturas. botas de etc. plataformas de contenção. calçado de segurança. pá. FASE I – LOCAÇÃO E FUNDAÇÕES Escavação Forma Concretagem Abertura de valas FASE II – BLOCOS E VIGAS BALDRAME Execução de blocos e vigas baldrame Capacete. calçado de segurança ou bota de borracha Capacete. cavaletes e horizontal. calçado de de armaduras segurança. cavadeira. protetor facial. devem ser instaladas em local apropriado. calçado de segurança. luva de PVC ou latex. Execução concretagem Capacete. avental de PVC. botas de borracha em trabalhos com umidade e cinto de segurança para trabalho acima de 2. luva PVC ou latex. Desobstrução da área. protetor facial. com guarda-corpo. luvas PVC ou latex. Grout vertical aberturas.0m de altura Capacete. protetor auricular Execução e montagem Capacete. protetor facial FASE III – EXECUÇÃO DE ESTRUTURA Local adequado execução de (carpintaria) para formas FASE IV ALVENARIAS Local adequado para execução de armaduras (central de armação). inspeção periódica nas condições de uso das ferramentas (cabos de vanga. cinto de segurança contenção em torno da edificação. As bancadas para moldagem de ferro. afastado de fiação elétrica áreas devido risco de impacto de vergalhões. cinto de segurança. protetor auricular Capacete. óculos de segurança ampla visão. óculos de proteção. luvas de raspa. óculos de segurança. luva de raspa.Capacete.

calçado de segurança Capacete. luvas de raspa. se possível c/ rodízios que facilitem a sua movimentação Tela de proteção em aberturas par o exterior da edificação e isolamento da área Isolamento da área. esquadrias de alumínio. cavaletes metálicos ou madeira estáveis e em nível. protetor auricular Capacete. calçado de segurança Capacete. protetor auricular Capacete. tela de proteção presa junto ao balancim. luva de raspa. Capacete. Capacete. isolamento da área. para concentrações até o limite de tolerância Capacete. plataformas de contenção Atenção com deslizamento de terra. cavaletes metálicos ou madeira estáveis e em nível. óculos de proteção. desobstruir circulação nas áreas de operação PVC ou latex. telhado de proteção entre duas plataformas consecutivas. protetor facial. / rodízios que facilitem a sua movimentação DATA / PERÍODO FASE DE EXECUÇÃO MEDIDA DE PROTEÇÃO MEDIDA DE PROTEÇÃO DA OBRA INDIVIDUAL COLETIVA Assentamento de contramarcos e batentes. no uso de furadeira verifique que a broca esteja bem apoiada. Plataforma de contenção. calçado c/ palmilha e biqueira de aço Utilização de capacete. sapato de segurança ou bota Revestimento cerâmico com argamassa colante FASE VIII – REVESTIMENTOS INTERNOS E ACABAMENTOS Assentamento de portas e ferragens. avental de raspa Capacete. óculos de segurança. se possível c/ rodízios que facilitem a sua movimentação Fechamento das aberturas em lajes. cinto de segurança para trabalhos na face externa Capacete. cinto de segurança do tipo paraquedista em Capacete. sinalização indicando os trabalhos acima Tela de proteção em aberturas par o exterior da edificação e isolamento da área. calçado de segurança. ferro e madeira. isolamento da área em torno da execução da projeção de trabalho. luva calçado de protetor facial. cavaletes metálicos ou madeira estáveis e em nível. óculos de segurança ampla visão. rodapés e soleiras Colocação de vidros Pintura internas externas Isolamento da área de cobertura. máscara semi-facial c/ filtro mecânico e filtro para vapores orgânicos de eficiência P2. calçado de segurança. isolar área Escoramento de valas com profundidade superior a Escada em taludes FASE X – SERVIÇO Rede água pluvial . luva calçado de protetor facial. calçado de segurança. luvas de borracha ou madeira estáveis e em nível. não use luvas Isolamento da área Isolamento da área FASE IX – COBERTURAS Execução de telhado Isolamento e sinalização do local. segurança. luva PVC ou latex. luvas de raspa. calçado de segurança. calçado de segurança ou bota de borracha. tela de proteção em aberturas para exterior do edifício. se possível c/ rodízios que facilitem a sua movimentação PVC ou latex. óculos de segurança luvas de latex.válvula de segurança corta chama FASE V INSTALAÇÕES Instalações elétricas Capacete. calçado de segurança Capacete. luva de raspa Utilização de capacete. luvas de PVC ou latex. proteção de sacada. óculos de proteção. óculos de proteção. Proteção lateral dos segurança. sapato de segurança ou bota de borracha. respirador semi-facial. andaimes. luva de PVC ou latex. FASE VI – CONTRAMARCOS REVESTIMENTOS PISOS Aplicação de gesso nos tetos Revestimento nos tetos com argamassa Revestimento das alvenarias interno Execução de contrapiso Revestimento externo de alvenaria FASE VII – REVESTIMENTO DE FACHADA Forro de placas gesso Capacete. luva de raspa.

Os trabalhadores devem ser orientados para a escolha adequada e a utilização segura das habilitadas para a utilização. Em serviço geral. sinalização com fita zebrada Utilização de capacete. luva de raspa madeira e sendo proibido a queima de lixo no canteiro de obras OBS. capa impermeável. como também. a fim de evitar extravios e detectar os responsáveis pelos danos ocorrem. etc. os serventes devem utilizar os equipamentos de proteção individual na execução dos serviços determinados. FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS FERRAMENTAS RECOMENDAÇÕES • • • • As ferramentas devem ser guardadas no almoxarifado. devendo ser sempre guardadas em locais apropriados. de farpas de de borracha.: Em qualquer uma das funções. recolhendo-as para a manutenção. Retirada de pregos usados e sapato de segurança ou bota entulhos. • • Deve haver uma pessoa qualificada para tratamentos especiais nas ferramentas. solda têmpera. tais como parapeitos. cinto de segurança tipo pára-quedista em situações que indiquem risco de segurança na execução de tarefas.COMPLEMENTAR E LIMPEZA Limpeza da obra de borracha. luva de raspa 1. cinto de segurança. beiradas de lajes e degraus de escadas. • As ferramentas não devem ser depositadas ou deixadas em locais de onde possam cair e atingir alguém. encarregados e técnicos em segurança e Higiene do Trabalho. . em superfície de trabalho ou de circulação. sendo retiradas somente por pessoas O almoxarifado deve dispor de todas as ferramentas necessárias aos serviços a serem Compete ao almoxarife. guarda-corpos. executados no canteiro de obras. afiação. defeitos ou quebras.25m dependendo do solo. manter cadastro eficaz das ferramentas entregues aos trabalhadores. MÁQUINAS. ferramentas. deve-se utilizar: máscara panorâmica: protetor auricular. tais como São atribuições de mestres. de modo a não causarem riscos. Sempre que apresentarem desgaste excessivo.

pois.: formão) ou de ponta (ex. de madeira. bolsa ou cintos apropriados. b) Evitar práticas inadequadas na sua utilização. para guiá-la. recomenda-se amarrar madeira. Recomenda-se o uso de óculos de segurança ou protetor facial. e usar o mesmo equipamento de proteção individual recomendado para a talhadeira pesada.composto de orelhas curvas. pode ser feita demasiadamente dura (projeto de estilhaços) ou faca (rápida deformação do metal). • a) b) c) • Existem três tipos básicos de martelo: de carpinteiro ou de unha . ou com rolhas de cortiça sempre que portados em sacolas.para trabalhar em metal. uma corda delgada. bainha de couro. d) Verificar a necessidade de manutenção.para chapas de ferro. não sendo permitido seu porte nos bolsos da vestimenta.: trado). é necessário introduzir uma arruela de material amortecedor ou segurar a ferramenta com a palma da mão voltada para cima. através de rebolo de esmeril. As ferramentas manuais devem ser portadas em caixas. etc. Quando houver risco de queda do martelo para o exterior da edificação. tanto no transporte como na utilização. A proteção será dispensada quando transportada em estojo (caixa com tampa). não deve ser A retificação da coroa para remover rebarbas. de modo a amortecer um possível impactos da marreta ou martelo. tanto para quem golpeia como para o ajudante. devem Ao se trabalhar com talhadeira pesada. usado para pregar e retirar pregos. é necessário a presença de um ajudante com tenaz projetadas para isso. batente cilíndrico e cabo de de mecânico ou de batente esférico . enquanto for seguro por dois dedos. • • A têmpera da coroa (cabeça) e da ponta ou gume de ponteiros ou talhadeiras. Para reduzir as vibrações resultantes dos golpes. ser feitos com atenção para que as outras pessoas não sejam atingidas. não foram Os movimentos executados com as ferramentas. . sacolas. usando-se luvas ou envolvendo seu cabo com borracha. devem ser protegidos com ferramentas. como também da ponta ou gume. c) Observar se o transporte é feito de maneira correta. bolsas ou cintos com porta As ferramentas de gume (ex. do punho do usuário ao cabo do martelo e ao cravar um prego deve-se evitar bater com força no início. lima ou forjando-se novamente a ferramenta. • • • As ferramentas não devem ser usadas como alavancas. e) Controlar a aplicação de todas as recomendações • • estabelecidas. nem para golpear. a tenaz deve ser segura com firmeza. sendo provável que não resistam ao esforço solicitado. de rebite .a) Evitar o armazenamento de ferramentas em local inadequado. O plano da coroa deve ser mantido perpendicular ao eixo do ponteiro ou talhadeira. • Ao se trabalhar com talhadeira ou ponteiro leve.

sua lâmina não deve ficar voltada para cima. choque elétrico. engripamento (travamento). quando deixada no piso. • As ferramentas elétricas devem ser dotadas de dispositivo de partida (gatilho). • Ferramentas elétricas de funcionamento contínuo. É importante ensinar aos operadores dessas ferramentas. instalar um quadro fixo de tomadas. Neste caso. para trás e para baixo. comprimento dos fios de ferramentas elétricas. tortas ou chanfrados. em cada pavimento. usa-se um botão de pressão. blindada e disjuntos. d) Brocas. enxadas. enxadões e pás. sendo Quando houver risco de queda do martelo para o exterior da edificação. onde serão conectados os plugs das ferramentas. para que o motor funcione. recomenda-se o uso de quadros móveis de tomadas a fim de reduzir o Em obras verticais. ao se servindo também para o treinamento dos usuários. seja automaticamente interrompida a corrente elétrica. ao cessar a pressão da mão do operador. devem estar sem farpas ou rachaduras e ao batente. • • • • • A tensão máxima recomendável para ferramentas elétrica é de 250 volts. noções sobre a sua construção. aquecimento excessivo. • • É necessário manter distância adequada entre os usuários dessas ferramentas. para que Durante o transporte manual dessas ferramentas. corrente. de forma que. evitando-se assim. que podem ser facilmente transportados e manuseados por apenas um homem e devem ser • • • acompanhadas de manual de instrução quando ao uso. as A segurança exige uma seleção prévia da ferramenta apropriada a cada serviço. pois. devido aos acidentes que pode provocar. manutenção e normas de segurança. a não ser que ela esteja para isso dimensionada. recomenda-se Ferramentas elétricas são equipamentos acionados por motores elétricos. se o cabo está sem rachaduras e bem fixado Os cabos de picaretas. bem fixados à parte metálica por meio de calços e suas lâminas não devem estar embotadas. ela ficará sujeita a quebras. . utilizar uma ferramenta subdimensionada. queda do operador. de modo a melhor compreenderem seus riscos. etc. puas e trados devem ter seus cabos (madeira) em boas condições. provido de chave Não se deve permitir a ligação de mais de uma ferramenta elétrica numa mesma tomada de tomada de corrente. ligações acidentais.• • É importante verificar em martelos ou marretas. Os fios de ligação de ferramentas elétricas devem dispor de plugs (pinos) para conexão em Em obras horizontais. é uma boa solução. convém manter sua parte metálica voltada ninguém seja golpeado pela ferramenta do outro. como lixadeira. o qual deve ser totalmente pressionado. além do método de sua utilização. um simples esbarrão não é capaz de ligar a ferramenta.

deve-se consultar a tabela a seguir. através de mistura de cimento. Betoneiras • Betoneiras são equipamentos largamente usados na construção e servem para fabricar concreto e argamassa diversas. dosador d'água. dos seguintes componentes: a) b) c) d) • • a) caçamba carregadora. Para seu dimensionamento. As betoneiras são constituídas.• Antes de ligar uma ferramenta elétrica na tomada. as normas específicas no que se refere à localização condições de operação. obedecidas as recomendações do fabricante. em conseqüência de choques ou vibrações. cuba de mistura. normalmente. quando se religar a chave de comando Somente o eletricista deve estar autorizado a ligar ou desligar ferramentas elétricas fora do do quadro de distribuição. Por esse motivo as ferramentas de gatilho oferecem maior segurança. motor elétrico. Água e agregados. quadro de tomadas (em chaves ou redes elétricas). à gasolina ou diesel. A queda repentina da caçamba carregadora pode causar lesões graves nos trabalhadores. O diâmetro do fio deve ser função de seu comprimento e do consumo de força da ferramenta. de maneira a evitar seu funcionamento involuntário. e em especial a proteção contra risco de contato (choque elétrico). . • • Todas as ferramentas elétricas devem estar desligadas. e necessário desligar seu interruptor. Aterramento: As máquinas elétricas girantes devem ser instaladas. As causas desta queda podem ser: interrupção acidental da ação do freio ou da trave.

b) c) d) • • • • • • • ruptura dos cabos ou amarras. regularem e manutenção periódica. deve-se adaptar uma dupla segurança. para evitar que os sob a caçamba. para garantir. antes de acionar a descida. distração do operador que verificou. instalado pelo fabricante. materiais remanescentes endureçam. . a fim de serem evitados os impactos acidentais ou o contato com a umidade. exigindo profissional especializado (carpinteiro de forma). dispositivos. a presença de pessoas operação da betoneira por trabalhador não qualificado. instalação adequada. calhas ou por instalação aérea. a caçamba pode ser calçada com peça de madeira ou viga Semanalmente. provisoriamente. Não se deve instalar chave de faca para ligar e desligar uma serra. Serra Circular de Bancada • Embora a serra circular pareça ser de fácil manejo. não deve ser operada por pessoas não habilitada. No circuito deve ser intercalado uma chave protetora com fusíveis ou um disjuntor termomagnético (chave guarda-motor). agindo sobre o cabo de manobra. bloqueada na posição levantada. O dispositivo comum de parada da caçamba. dispositivo de proteção. alavancas e acessórios de segurança. (Ver localização no lay-out em anexo com desenhos esquemáticos) Instalação Elétrica A chave de comando de partida e parada no motor deve ser blindada e colocada ao alcance imediato do operador. particularmente em equipamentos antigos. O cabo de ligação deve estar sempre protegido em tubos. a segurança de quem trabalha sob a máquina. ao término dos trabalhos. deve ser feita uma verificação completa de funcionamento dos diversos As betoneira devem ser instaladas em locais amplos e afastados das áreas de circulação Quando a betoneira estiver parada. metálica. chassi e utilizável em qualquer tempo. no caso de um curto circuito. diariamente. que protegerá a serra. cabos. fixado no Na falta deste dispositivo. Como segurança complementar. a caçamba carregadora deve ficar apoiada no solo ou As betoneiras devem ser limpas. obrigatória.

Partes metálicas como carcaça de motor ou bancada de metal, devem ser alteradas eletricamente. A operação da serra circular, por pessoas não habilitadas, tem sido a causa de grande número de acidentes, com graves conseqüências. A instalação do comando interruptor, sob a forma de uma chave de ignição, atenua bastante este risco de acidente, uma vez que, somente o operador pode colocar a serra em funcionamento. Dispositivos de Segurança São considerados dispositivos de segurança de uma serra circular:

1) Lâmina separadora ou cutelo divisor - é um dispositivo que se instala atrás da lâmina da
serra, cuja função é manter separadas as partes já serradas da madeira, evitando que se encostem, aprisionando o disco, o que pode causar o retrocesso do material. Os tipos mais usados de lâmina separadora são. Uma guia intermediária ajustável complementa a ação do cutelo divisor permitindo que a peça "se abra" após o corte. Para que esta proteção seja eficaz, é necessário que alguns requisitos sejam observados, tais como: • ter espessura igual do disco; • • • estar no mesmo plano do disco, com a borda de ataque alinhada com o mesmo, distanciada de 2 a 3 milímetros; ser confeccionada em aço duro ou semi-duro, bem faceado e polido, não pintado e com a borda em biel; ser inspecionada periodicamente.

2) Protetor fixo São peças de madeira ou metal utilizados para proteger as partes moveis de serra (correias e polias). 3) Protetor móvel A proteção móvel da serra é a coifa, cuja finalidade é evitar o toque acidental do operador com os dentes do disco da serra. A coifa deve ser auto-ajustavel, devido a variedade do material a ser

cortado, articulada com lamina separadora e confeccionada em chapa de aço ou ligas leves. Apresentamos, alguns tipos de coifas. Os tipos de coifa existentes no mercado não atendem totalmente a todas as situações encontradas na construção civil; assim sendo, apresentamos uma modificação que pode ser feita na coifa protetora, visando o seu melhor aproveitamento.

4) Abas laterais As abas laterais, em forma de arco, são acopladas a base inferior da coifa em ambos os lados, com a finalidade de evitar que qualquer partícula que se desprenda da lamina de serra ou da madeira que estive sendo cortada, venha a atingir o operador. Servem também, como alerta visual e obstáculo ao contato da mão do operador com o disco de serra.

5) Janelas de inspeção A janela é uma abertura retangular feita na parte frontal da coifa, com a finalidade de permitir ao operador da serra a visualização do disco de corte na madeira, evitando assim, a necessidade de trabalhar-se com a coifa erguida. 6) Empurradores Para evitar um eventual contato das mãos do operador com o disco da serra, principalmente no trabalho com peças pequenas ou na operação final de serragem, deve ser utilizado um dispositivo empurrador como elemento intermediário. Apresentamos a seguir alguns tipos de Empurradores. 7) Suporte de Apoio Quando as pecas forem de grande comprimento, é recomendável a utilização de suportes. Estes suportes podem ser cavaletes de madeira. 8) Guia de esquadrejamento

A guia de esquadrejamento tem a finalidade de proporcionar maior firmeza à madeira a ser esquadrada. Funciona indiretamente como um dispositivo de proteção, pois evita o esbambear da madeira, que poderia causar seu retrocesso. Quando a peca for de grande comprimento, o operador deve efetuar o seu esquadrejamento em conjunto com um auxiliar, de forma a realizar a operação com maior segurança.

9) Guia Lateral A guia lateral é um dispositivo destinado a auxiliar o corte alinhado da madeira. Atua, ao mesmo tempo, como um elemento de proteção, na medida em que evita o esbambear da madeira, que poderia ocasionar o seu retrocesso.

Equipamento de Proteção Individual - EPI Deverá ser utilizado, de preferencia, um, protetor facial resistente ao impactos de partículas projetadas (aparas ou nós de madeira), protegendo totalmente a face do operador. Os óculos de segurança podem ser utilizados em operações mais simples, de curta duração, onde haja menor desprendimento de poeiras. Os abafadores de ruído devem ser considerados como indispensáveis, quando o nível de ruído estiver acima dos limites de tolerância no Anexo 1 da NR 15. Outros equipamentos, tais como sapatos de segurança com biqueira e palmilha de aço e máscara contra poeiras, devem ser usados, quando a natureza especifica da operação exigir. Prevenção contra incêndio Devem ser instalados, próximos a bancada da serra circular, dois extintores de incêndio dos tipos: • • • gás carbônico - CO2 com 6 quilos; água pressurizada, com 10 litros O extintor de incêndio de CO2 deve ser empregado em equipamento energizado

e o de Água pressurizada em madeira e serragem.

construir uma cobertura resistente. mas próximo a edificação. Vibradores • • a) b) c) d) • Vibradores são equipamentos utilizados para melhorar o enchimento das formas e facilitar a Os vibradores de imersão (mangotes) são compostos essencialmente de quatro partes: acoplamento. O escritório Os guinchos elétricos devem ter chave de partida independente. o cabo de tração do guincho deve ter. deve-se verificar se todas as ligações elétricas estão feitas penetração do concreto em todos os avos.Guinchos e Torres Guinchos • • • • Guinchos são equipamentos de tração destinados para arraste e suspensão vertical de A capacidade de tração de um guincho deve constar de uma plaqueta. a fim de evitar curto-circuito. 4 voltas enroladas no tambor. rotor. mangueira operacional. de telas) para evitar sua distração durante a operação do equipamento e a aproximação dos trabalhadores as partes moveis. contra a queda de materiais. no mínimo. • • • • Não é permitido o uso dos locais onde são instalados os guinchos. eixo flexível. tubo. como vestiário ou Os guinchos somente devem ser operados por pessoas treinada e habilitadas. para não serem acionados Em qualquer posição de fora do elevador. permanentemente fixada na sua carcaça. possíveis causadoras de acidentes. mantida Quando o guincho não for instalado sob uma laje. deposito de materiais. da obra deve manter uma relação atualizada dos trabalhadores em condições de opera-los. rolamento e retentor) Antes de ligar o vibrador. por pessoas não autorizadas. aquecimento e queima de motores. falta de fase. para proteção do operador. . deve-se O posto de trabalho do guincheiro (operador de elevador de carga) deve ser isolado (cerca cargas. corretamente. tubo (ponta.

que um motor trifásico. basta inverter a ligação de dois fios para inverter-se o sentido da rotação Os vibradores não devem ser lubrificados. • Ao fazer a ligação do motor elétrico devem ser verificados os seguintes pontos: a) Corrente elétrica O motor só deve ser ligado à corrente elétrica. freqüentemente. a) não arrastar o motor pelo mangote do vibrador. os trabalhos em concreto armado apresentam diversidade de Tais serviços se desenvolvem em fases distintas mas.funcionará ate queimar. Assim. d) verificar a instalação elétrica sempre que a temperatura do motor ultrapassar a 60 graus centígrados. b) Sentido da rotação O motor deve girar no 'Sentido anti-horário' conforme indicado pela seta na guia de acoplamento (flange). b) não puxar o motor pelo cabo elétrico. são realizadas riscos e grande incidência de acidentes. ao mesmo tempo em que se desforma outra. Caso o motor não esteja girando no sentido indicado. c) limpar o motor e vibrador após cada jornada de trabalho. continuara a funcionar Devem ser tomados os seguintes cuidados com os vibradores: mesmo que venha a faltar uma fase .• • É importante lembrar. uma vez funcionando. MEDIDA DE PROTEÇAO COLETIVA TRABALHOS EM CONCRETO ARMADO • • Na construção de edificações. é comum concretar-se uma laje. rigorosamente de acordo com a indicação da placa nela fixada. simultaneamente. .

devem existir extintores de incêndio do tipo de água. para verificar se sua disposição é adequada e se tem capacidade para suportar as áreas que estão sendo escoradas. a fim de permitir a observação de qualquer deslocamento ou flambagem. de modo a se obter sua aprovação. nos locais onde tiver que ser inclinado. é fundamental que sejam bem fixados na forma e na base. Não é admissível o uso de pecas tais como: corrosão. devem estar em segurança. • • As extremidades de pregos não devem ficar expostas em formas ou escoramentos de madeira. Nas proximidades de escoramentos de madeira. contato firme com o pranchão ou calço da base e o material da forma. . • • Os escoramentos de formas devem ser inspecionados antes. • • Os trabalhadores que fixam extensores em formas de madeira. amassamento. é concreto. devido a projeção de limalha ao martelar o extensor. como em varandas do pavimento tipo. empenamento ou soldas partidas.Formas Escoramentos RECOMENDAÇOES • É essencial que os materiais utilizados na construção de escoramentos sejam de boa qualidade e mantidos em perfeitas condições de funcionamento e segurança. para evitar o tombamento das escoras. fundamental que se consulte o autor do projeto. peças de extensão ou parafusos de ajuste. da obra. durante e após o lançamento de Sempre que houver modificação no projeto de escoramento. • • O escoramento não deve ser removidos ou abaixados sem a autorização do responsável Qualquer reescoramento deve ser inspecionado. em sua totalidade. antes do lançamento de concreto. • É necessário instalar e manter o escoramento aprumado . • Os montadores de escoramentos devem ser orientados para evitar o imprensamento de mãos e dedos. porem. por imposição da obra. devem usar óculos de Os suportes de topo e base. pelo responsável técnico técnico pela obra. principalmente ao apoiar longarinas em forcados ou regular escoras metálicas telescópicas.

. instruídos Quanto ao uso correto da chave manual de cortar ferro e da máquina de enrolar e traçar arame (manual e elétrica). de vergalhões durante o transporte manual. ficar afastados de • fiação elétrica aérea. máquinas e equipamentos fixos. apoiadas em superfície planas.Armação de Aço RECOMENDAÇOES • E necessário estudar previamente o local de estocagem de vergalhões para que fique próximo à central de armação (onde são cortados e dobrados). devendo. tais pontas devem ser recurvadas ou amarradas em feixes e recobertas com madeira ou outro material de resistência equivalente. quanto ao estado da navalha. devem ser equipados com particular. sempre que os mesmos forem usados para apoio Os trabalhadores que executam operações de manuseio. luvas de raspa de couro e. • • • As máquinas e tesouras de cortar vergalhões devem ser inspecionadas periodicamente em Durante a descarga de vergalhões. devido a existência de limalha de aço no fundo da carroceria da carreta ou caminhão. quando porém isso não for possível. devendo-se colocar a ferragem sobre cavaletes. • • A dosagem e corte de vergalhões deve ser feita sobre bancada ou plataformas apropriadas e Os operadores de máquinas de cortas vergalhões devem ser qualificados. ser amplo e bem iluminado. ser isolada. é importante que se evite proximidades com passagens obrigatórias de trabalhadores. óculos de segurança. além disso. dobramento ou corte de vergalhões. entradas da obra. alojamento. ainda. de preferência. quando a central ficar próxima da construção. quando no interior da obra. devem usar. é necessário o uso de óculos de segurança. em caso de ventos forte. refeitórios e banheiros. Devem também ser alertados quanto ao risco de queda de sobras de vergalhões nos pés e Quanto ao recolhimento dessas sobras para o local adequado. • Na escolha do local de estocagem e central de armação. • A execução de trabalhos acima e na mesma direção de pontas verticais de vergalhões desprotegidas deve ser evitada. Os locais de estocagem e central de armação devem. devido ao risco de impactos de vergalhões e. deve ser provida de cobertura resistente (com tela metálica) para proteção dos trabalhadores contra a queda de materiais. separada por bitola. devem usar luvas de raspa de couro e. experientes e serem estáveis. a área de movimentação deve Os trabalhadores escolhidos para descarga manual de vergalhões. os que cortam arame. • • A proteção para os ombros será necessária.

bem como a manutenção de um carpinteiro qualificado. • • A colocação de armação no interior da forma deve ser feita com toda precaução. recomenda-se. • • • Recomenda-se não fixar o cinto de segurança diretamente à armação de viga de periferia. devido ao risco de passagem de corrente para esses materiais. Seus cabos devem ser protegidos contra o desgaste na armação e no atrito com rodas de ferro de carrinhos de armação e no atrito com rodas de carrinho de mãos. a . para não se Sempre que for necessário caminhar diretamente sobre armação de laje ou viga. tábuas. bem como vergalhões salientes de pilares (sem tirá-los do prumo) e em montantes de torres e gruas. o uso de cavaletes. ou pelas de escoramento metálico. é aconselhável a montagem de andaimes para facilitar a colocação de estribos. Os andaimes metálicos são mais vantajosos. Concretagem RECOMENDAÇÕES • Logo que forem colocados os painéis externos das vigas de periferia. las com tábuas ou chapas de compensação.• • Sempre que houver cabo elétrico aéreo nas proximidades da edificação. é necessário instalar Armação de pilares colocadas no local antes das formas (exemplo: pé direito duplo). especialmente sobre armação negativa de lajes. pois o guarda-corpo é uma conseqüência natural de sua montagem. • Os vibradores devem ser aterrados e mantidos de acordo com as normas e recomendações específicas. recomenda-se amarrar a corda também em Cabe ao eletricista instalar quadro móvel de tomadas para ligação de vibradores. armadas e estaladas para evitar tombamentos. devem ser proteção (barreira) que evite o contato de vergalhões em movimento. a menos que sejam de ferro maleável (CA-24 ou 25) ou para apoio de estrado de andaime. até o término da concretagem da laje. a Fiações aéreas não devem ser penduradas ou amarradas diretamente à armações de pilares Deve ser evitado o uso de sobras de vergalhões em aplicações provisórias. menos que o painel externo da viga já se encontre escorado lateralmente. servindo como Guarda-corpo para proteção de trabalhadores. é importante fixar neles sarrafos provisórios (montantes) onde será amarrada a uma corda. postado na laje imediatamente inferior. • Antes do lançamento de concreto é necessário efetuar uma inspeção geral nos escoramentos. chapas de compensado. • • Para se obter maior rigidez nessa proteção. para isso. Neste caso. deve-se cobriimprensar mãos ou dedos. inspecioná-lo antes do início da concretagem particularmente quanto ao estado dos cabos de ligação e terminais. tais como ganchos. nos locais de circulação obrigatória de trabalhadores. etc.

quando próximos a beirada de laje. tanto no início como no término de transporte. os caminhos Os sistemas transportadores fixos de concreto fresco (bomba de concreto). um extintor de CO2 e outro de água. • • • Deve ser proibida a descida em queda livre de pranchas para transporte vertical. • Os trabalhadores que operam vibradores ou estão sujeitos a respingos de concreto. As operações de lançamento e vibração de concreto devem ser supervisionada por pessoa vibrações excessivas ou insuficiente. devem ser protegidos com óculos de segurança e. Devem ser dotados provisórios de ida e volta devem ser distintos. O transporte de gericas contendo concreto. forrados com madeiras e ter largura adequada. enquanto o sistema estiver sob pressão. o uso de máscara com filtro para proteção das vias respiratórias. tanto no trecho vertical como no partes. . por meio de carrinhos de mãos ou gericas. deslocamento da armação. por exemplo. de maneira a evitar lançamento inesperados. periferia. de sinalização que emita sinais visuais (lâmpada) e/ou audíveis (campainha). a qual deve evitar: amarradas à estrutura da prancha (podendo-se usar ganchos). Tendo-se especial atenção nas curvas. No lançamento do concreto. deve ser feito com as mesmas habilitada. fixando-se no painel externo uma tábua ou chapa de compensado inclinada. em formas de (impermeável). deslocamento das formas. também com cintos de segurança. O uso de luvas impermeáveis é aconselhável para operários alérgicos a cimento. pelo menos.fim de acompanhar a concretagem observar a resistência de formas e escoramentos com peso de concreto. para evitar despejo de concreto ou queda de gerica durante o transporte. bombeado. para evitar a queda de sobras no exterior da edificação como. • • • Todos os que trabalham no local do lançamento de concreto devem usar botas de borracha Os operadores de betoneiras e vibradores e os que comandam mangote flexível para concreto Cuidados especiais devem ser tomados por ocasião do lançamento de concreto. • • a) b) c) • A central de concreto deve ser equipada com. através torres. devem usar luvas de raspa de couro. horizontal. • • As conexões de dutos devem possuir dispositivos de segurança para impedir a separação das Os tubos e conexões devem ser escorados ou fixados. • • Um eletricista deve acompanhar todo o trabalho de vibração do concreto. exige de seus operadores. A alta concentração de poeira de cimento nas proximidades da central de concreto ou da betoneira.

sob pressão. prevenindo Os trabalhadores que manejam a extremidade do mangote ou duto transportador de concreto contra possíveis rompimentos durante o bombeamento. Desmontagem de Formas (desforma) RECOMENDAÇÕES • Não se deve permitir a execução de desformas prematuras. pendurando-se o mangote no gancho da grua. • Precauções devem ser tomadas para não se recarregar. devem ser freqüentemente inspecionados por técnicos habilitados. especialmente durante o bombeamento e mantidos em boas condições de funcionamento e segurança.• Todas as peças e máquinas de sistemas transportadores fixos. O lançamento também pode ser feito. antes do início do serviço. • • É necessário verificar o estado do mangote flexível. quantidade excessiva de concreto. devem estar equipados com protetores faciais. bem como. no sentido de orienta-la quanto as medidas de segurança a serem adotadas durante os serviços. para não correr o risco de ser atingido por um jato inesperado. uma de cada lado do mangote. com autorização do técnico responsável pela obra. sendo proibido executar esse serviço em beiradas de lajes. deve existir um cavalete destinado ao apoio do mangote para descanso temporário. A desforma só pode ser iniciada concreto. num mesmo local. no mínimo. . devido à projeção de sobras de concreto para o extintor do tubo. 12.2 PROTEÇÕES INTERNAS RECOMENDAÇÕES • As proteções internas são dispositivos instalados para evitar quedas em níveis inferiores ao do piso onde se encontram os trabalhadores. Quando achar conveniente. de concreto fresco. • • Nenhum trabalhador deve ficar em frente à extremidade do mangote ou tubo transportador de A lavagem da tubulação com água sob pressão é perigosa. • A equipe de segurança do trabalho deve ser comunicada antes do inicio da desforma a fim de tomar todas as providências de acidentes. promover palestra para a equipe de desforma. o que poderá afetar a segurança da forma ou escorregamento. antes do inicio da remoção de escoramentos e formas. com lançamento de materiais para exterior da edificação. luvas raspa de couro e roupa completa Deve haver duas pessoas. • Durante a operação de lançamento.

varandas. compensado ou metal. de madeira. transpassando a face lateral interna do suporte. A tampa pode ser de madeira. • Quando a abertura na laje for usada para transporte vertical de materiais. recomenda-se montar um guarda-corpo sobressalente. .gia. • • Após a colocação dos caixões de portas dos elevadores.2 mt para o travessão superior e 0. devendo ser reforçada de acordo com as dimensões do vão. amarrado próximo a extremidade superiores. deverá ser construída com altura de 1. manter nas caixas de elevadores. no caso de As beiradas de laje devem ser protegidas. por meio As escadas fixas devem ter corrimão provisório (corda ou madeira). Para se evitar o escorregamento da corda. A partir da desforma. é aconselhável até que seja feita a alvenaria. desforma até a execução da alvenaria ou corrimão definitivo. de maneira a impedir o deslizamento do para o exterior da construção. • Os guarda-corpos devem ter altura de 1. a partir da Logo após a chumbação dos montantes de grade de alumínio em varanda. assoalhos resistentes de 3 em 3 lajes. Os suportes entroncados verticalmente em vigas de beiradas de laje. devem dispor de encaixes deve ser 2 metros. de maneira a poder ser retirado quando dificultar o transporte. deve-se proteger os vãos restantes. horizontalmente uma corda. neles.70 cm para o travessão intermediário. com medida de proteção complementar contra quedas. os sarrafos por telas de seguranças.20 cm. de cordas horizontais. próximos a beiradas de laje. no mínimo. deve-se atravessar internas dos suportes estroncados. funcionando como uma guarda-corpo provisório. ter rodapés de 0. Sempre que executar serviços sobre andaimes ou escada. recomenda-se usar arrame como suporte na amarração.• • A distância máxima entre os suportes colocados verticalmente. após o início da alvenaria do pavimento. no máximo. • • • • • • Os sarrafos dos quarda-corpos de 15 cm (tábua de 25 mm) e ser bem fixados nas faces Os suportes estroncados podem ser substituídos por escora metálicas telescópicas ajustáveis e Os quarda-corpos em beiradas de laje devem ser colocados logo após a desforma. sua periferia deve ser protegida por um sistema de quarda-corpo e rodapé removível. em dois níveis.2 metro. amarradas nos pilares e formas. até o início da instalação das guias dos elevadores. a fim de proteger os que trabalham sobre escadas ou andaimes. para fixação de guarda-corpo. • Para a proteção do vão acima do gradil definitivo das varandas. • Todas as aberturas na lajes ou piso devem ter fechamento provisório fixo (com encaixes) de maneira a evitar seu deslizamento. desde a colocação das formas de pilares.

retirado somente após o término do revestimento externo dele.50 m de balanço (horizontal). com reforço. podendo ser retirada em cada trecho. à edificação. Suas causas Para evitar contatos acidentais com redes de energia elétrica é necessário colocar uma barreira Recomenda-se que todos os locais de trabalho ou passagem obrigatória de pessoas. mais 80 cm de comprimento com inclinação aproximada de 45ª. utilizando-se para isso. dentre outras. quando for desmontado o apara-lixo inferior. com a tela para baixo. • • • O bandejão deve ter no mínimo 2. águas pluviais.são. devem ter fechamento provisório (tampa). etc. é obrigatória a instalação de uma plataforma de proteção especial (bandejão). ou rede náilon. Em todo perímetro da construção de edifícios com mais de 05 pavimentos. . sempre que forem interrompidos os serviços no seu interior. de 3 em 3 com inclinação aproximada de 45º. as seguintes opções: a) b) c) • tela de arame galvanizado ou arame. existentes no piso. sejam protegidos por uma cobertura provisória e resistente. lajes a partir da 5ª. próximos são as mais diversas..com diferença de nível . com malha de 3 cm no máximo. em balanço na altura da 2ª laje contada a partir do nível do terreno.• As caixas de esgoto. do perímetro de construção deve ser fixado com tela de arame galvanizado A tela deve ser instalada a no mínimo 1. quando estiver concluída a alvenaria até o apara-lixo imediatamente superior. geralmente as mais graves. contra a queda de materiais.50 m de balanço (horizontal) mais 80 cm de comprimento O bandejão deve ser instalado logo após a concretagem da laje imediatamente superior e Deve-se também instalar outras plataformas de proteção em balanço (apara-lixos). • • • Todo apara-lixo deve ser instalado da mesma forma que o bandejão. madeira ou compensado. com no mínimo 1.40 m da fachada e fixada nos apara-lixo. combinação das opções anteriores. podendo ser retirado A partir da 11ª laje. entre a rede e o local de trabalho. imediatamente após a instalação do apara-lixo superior. PROTEÇÕES EXTERNAS RECOMENDAÇÕES • • • As quedas de altura .

se estão com todos os parafusos. • O conjunto formado pelo bandejão e os apara-lixos. mecânico pesado ou do tipo fachadeiro.00 m. porcas e arruelas necessárias. devendo-se inspecionar após sua colocação. caso seja utilizado andaimes suspensos. tambores Antes do início da desmontagem de apara-lixos (retirada do estrado). o bandejão deve ser instalado na primeira laje do corpo recuado e os apara-lixos a partir da 4ª laje. retirados temporariamente para transporte vertical junto a fachada. geralmente na altura do teto do pilotis. de maneira evitar sua queda durante a operação.. • • Os prismas internos de ventilação e iluminação devem ter cobertura (proteção) provisória de As porteiras instaladas nas torres de elevadores devem ser mantidas fechadas. deve-se instalar apara-lixos a partir da 2ª laje. exceto quando preferência com tela. instalando-se tela em toda a face externa.• Quando os pavimentos mais altos forem recuados. de maneira a proteger os que ali trabalham da queda de materiais. • • Nos pavimentos abaixo do pilotis elevados. com estrado inclinado.) materiais ou detritos ali acumulados. etc. de água. • • • A equipe de montagem e desmontagem de apara-lixos devem usar cinto de segurança O suporte de apara-lixos devem ser instalados a intervalos máximos de 2. que serão apresentados no capítulo 15 com mais detalhes. É permitido efetuar Nos apara-lixos não alinhados (contorno de varandas) é necessário prover as partes salientes Os trechos de apara-lixo. • • • • • • • Nas arrestas verticais salientes das fachadas. a tela deve ser instalada a partir da 10ª laje. na altura da 1ª laje acima da sua base. Neste caso. recortes na formação. deve ser recolocados logo após o término do transporte. materiais de desforma. e necessário eliminar as peças enferrujadas. empenadas ou com solda quebrada. de preferência devem ser reforçado devido a extensão dos trechos em balanço. . de 3 ou mais lajes deve-se instalar apara-lixo provisório nas partes mais altas voltadas para a parte mais baixa. pode ser substituídos por andaimes fachadeiros. a prancha se encontra no pavimento. tijolos. é necessário todos os A desmontagem dos apara-lixos de uma fachada deve ser feita ordenadamente. os suportes do estrados dos apara-lixos (caibros) O estrado do apara-lixo deve arrematar na fachada sem deixar vãos. Não se deve sobrecarregar as apara-lixo (rolos de tela. apenas o necessário para a passagem de plumadas. de cima para baixo. Sempre que a estrutura da edificação for executada com defasagem em duas partes. Quando forem usados suporte metálicos. podendo ser feita no sentido inverso. amarrados a cordas fixadas em pilares próximos.

REDE DE PROTEÇÃO RECOMENDAÇÕES Deverão ser utilizadas: • a) b) c) Para impedir a queda de pessoas ou materiais. mesmo parcialmente os materiais usados na proteção. • a) b) Para limitar a queda de pessoas ou objetos pode se usar: redes horizontais. redes de malhas metálicas horizontais. Consta de uma rede de fibra. fundamentalmente para proteger as bordas dos pisos da construção. devendo ser colocada sempre pelas faces dos pilares voltados para o interior da edificação. • Não é permitido retirar. além das outras proteções apresentadas pode se usar: Redes tipo tênis. redes verticais de fachada. redes verticais com forca. As cordas devem ter uma resistência mínima de 1. do mesmo material e no mínimo 10 mm de diâmetro. servem de suporte e devem terminar com esticadores do tipo de espia de tenda (tábua de aproximadamente 10 x 6 cm com dois furos para a passagem da corda). malha de 3 cm cuja altura mínima deve ser de 1 m. .• A obra deve dispor de no mínimo um carpinteiro.5 kg e ficarem suficientemente suspensas de tal maneira que podem suportar no centro um esforço de até 150 quilogramas. • Tipos de rede para impedir quedas: a) rede tipo tênis. uma parte superior da rede e outra na inferior. O comprimento da rede não pode ultrapassar a 12 m e duas cordas. Funciona como um guarda-corpo é pode ser usado. com a função específica de executar as proteções necessárias independente das equipes para montagem de apara-lixos e andaimes suspensos.

d) ter uma malha metálica de no máximo 10 cm. A ancoragem da corda inferior pode completar-se com ganchos fixados na concretagem b) rede vertical da fachada. a-1) Nas operações de forma. Fixa em suportes verticais (metálicos ou de madeira) e deve estar perfeitamente ancorada a laje inferior. concretagem e desforma de edificações. sugere-se um tubo estrutural de 70 x 80 x 2. Destina-se a evitar a queda de pessoas e materiais pelas aberturas na laje. Sua ancoragem pode ser feita com um ferro em U. Para a instalação dessas redes poder ser utilizados suportes convencionais das plataformas de proteção.6 mm. São empregadas normalmente em duas situações: • • Nas operações de forma. Estas redes são justapostas às fachadas das construções ou de grandes vãos internos e impedem a queda de pessoas e materiais para o exterior. • a) Tipos de rede para limitar quedas: rede horizontal de fibra. armação. concretagem e desforma na construção de edificação. se necessário manter a rede afastada da fachada.c) A ancoragem a edificação deve ser feita amarrando-se as cordas suporte inferior e superior aos pilares ou outros elementos resistentes. ficar embutida no concreto e ter uma resistência mínima de 150 kg/m2. c) rede de malha metálica horizontal. Na montagem de estrutura metálica e de cobertura. O suporte normalmente utilizado é do tipo mastro vertical. . tanto externas como as que dão para grandes vão internos (prismas de iluminação e ventilação). através do qual consegue-se. A rede é instalada a um suporte metálica fixado a estrutura da edificação e cujas as características se desenvolvem de acordo com a norma. Deverá ser utilizada para proteção em fachada. A rede deve Seu objetivo é proteger contra quedas de pessoas e objetos com diferença de nível. Tendo em vista que o que se pretende é evitar a queda no vazio por perda de equilíbrio e que não se vá lançar toda a massa do corpo contra o suporte como se pretendesse derrubá-lo. armação.

suportes e acessórios: Esta operação é tanto mais importante quanto maior tenha sido o tempo de utilização anterior destes elementos. junto ao bordo da abertura proteger. com a finalidade de eliminar-se deficiências e evitar improvisações. seus suportes e acessórios. As chamadas redes verticais com forca diferenciam-se das anteriores pelo tipo de suporte metálico ao qual se fixam e servem para impedir a queda do nível inferior já que no superior só limitam a queda. corrosão e pintura) e dos acessórios. vãos de elevadores e em geral. a) Dimensionamento e seleção do tipo de rede de proteção b-1) Revisão de redes. b) rede vertical com força. de aberturas nos pisos necessitase de um suporte especial. ganchos de ferro redondo de construção. malha.a-2) Na montagem de estrutura metálicas e de cobertura. em relação ao momento da sua montagem. a distância de aproximadamente 1 m. A corda perimetral deve ter uma resistência mínima de 15. Para proteção de vãos internos. As redes horizontais de fibra fixam-se em estruturas metálicas debaixo da área de trabalho em altura. Os suportes e elementos metálicos devem ser colocados em locais onde não possam sofrer golpes nem deterioração por outros materiais. É conveniente que a proteção coletiva chegue com certa antecedência a obra. Os pequenos acessórios devem estar em caixas. .00 n. que permita unir diretamente a corda perimetral às ancoragens. deve-se confirmar se o tipo da rede (material. Em primeiro lugar. Neste espaço de tempo. para recolher pessoas ou objetos que possam cair durante a montagem de estrutura metálicas ou execução de estrutura. Também deve-se verificar se as ancoragens na estrutura estão em condições para a montagem. é o escolhido e está completo. Caso não estejam embaladas. etc. b-2) Armazenamento na obra até a montagem. Verifica-se o estado da rede (possíveis rupturas e resistência). incorporarem-se no concreto. dos suportes (deformações permanentes. A ligação pode ser feita como mosquetões tradicionais.). Ao concretar a laje. as proteções devem ser armazenadas em local coberto. diâmetro. não devem ser colocadas no chão e devem ficar afastadas das fontes de calor.

armazenamento na obra até a montagem. c-3) Limpeza de objetos caídos sobre a rede: Os objetos ou materiais que caem normalmente sobre a rede devem ser retirados diariamente. c-2) Revisão após receber impactos ao limite de uso: Depois de um impactos próximo do limite de uso admissível. deve-se rever a colocação dos diferentes elementos e uniões. módulo da rede para ensaio em laboratório credenciado. Verificar a experiência de outras obras com aquele tipo de rede. um Em último caso deve-se realizar ensaio na obra a cada 06 meses de utilização efetiva. Dada a variável degradação que sofrem as redes. Caso não se disponha de dados é desejável enviar a cada 06 meses de utilização efetiva. As redes devem ser embaladas após terem sido limpas dos objetos que tenham ficados retidos nas malhas. d-2) Transporte em condições adequadas: . verificando-se também a ausência de obstáculos e buracos. nós. deformações e flecha permanente) e o dos suportes. deve-se rever o estado da rede (ruptura na malha. ancoragens e acessórios. • • • • Coletar dados com o fabricante ou fornecedor sobre a duração prevista para aquele ambiente. em conseqüência das intempéries e considerando-se que as obras não dispõem de meios adequados de ensaio. b) Desmontagem da rede de proteção: d-1) Armazenamento na obra até o seu transporte: Deve-se realizar em condições análogas as referidas no item b-2 .a) Uso de rede de proteção: c-1) Revisões e provas periódicas: Depois de cada movimentação das redes. pelos menos os seguintes. de forma que não representem riscos para as pessoas que possam cair. deixando-se cair desde a altura de possível queda uma carga de peso 30% superior ao das superior ao das pessoas ou objetos a reter. convém realizar se possível.

em condições de funcionalidade e segurança. sofram impactos ou esforços inadequados. Os acessórios pequenos devem ser transportados em caixas. para que possam ser submetidas a uma revisão mais minuciosa de elementos de seus elementos. rampas permanentes. com mais de 2 m de largura. Os elementos metálicos que tenham sidos utilizados em obras e que não tenham outra proteção ante-corrosiva devem ser pintados no mínimo uma vez por ano. para evitar perdas. Ë recomendável que as redes de proteção sejam recolhidas inicialmente ao depósito e não sejam enviadas para outra obra. situados em níveis especificações para escadas permanentes. intermediário. são aquelas que servem de acesso a duas As rampas servem de acesso a duas superfícies ou apoios não contíguos. . limpa de objeto. efetuando-se quando necessários as devidas reparações. d-3) Armazenamento e manutenção: Uma vez armazenadas. b) Todos os elementos devem ser guardados ao abrigo das intempéries. TIPOS DE ESCADAS E RAMPAS FIXAS E PROVISÓRIAS RECOMENDAÇÕES • • • • • • • As dimensões dos degraus de escadas provisórias devem ser compatíveis com as normas e As escadas provisórias devem ser providas de corrimão. fora do alcance da luz e fontes de calor. As escadas provisórias. deve-se proceder a uma detalhada revisão dos elementos têxteis e metálicos das redes. diferente. sem contato direto com o chão e em zonas de menor grau de unidade possível.O transporte para outra obra ou depósito deve realizar-se de modo a que as redes não sofram deterioração por enganche ou ruptura e que os suportes não se deformem. devem ser providas de corrimão As escadas provisórias devem ser mantidas em posição até que sejam construídas escadas ou As escadas provisórias devem ser mantidas com degraus e patamares limpos e desobstruídos As passagens ou plataformas aqui consideradas. superfícies ou apoios não contíguo situados no mesmo nível.

é indispensável que o piso seja antI-derrapante ou que possua trava horizontal e paralela afastadas de no máximo 40 cm. O estrado deve ser vem fixado nos apoios e estes no travessão.2 m e rodapé de 20 cm em ambos os lados. Recomenda-se que as rampas provisórias possuam inclinação máxima de 15ª podendo em guarda-corpo de 90 cm a 1. Usar cantoeira. para servir de apoio para o estrado. • • • As passagens e rampas provisórias devem ter largura mínima de 80 cm. serem providas de As plataformas e rampas provisórias devem ultrapassar seus suporte de pelo menos 15 cm. Nas torres montadas internamente as edificações. com isso o uso de ganchos e facilitando o encaixe de porteiras (elementos de contraventamento). recomenda-se que o travessão se apoie lateralmente na laje. Deve-se evitar ou reduzir ao máximo os degraus formados pelas extremidades de passagens ou rampas provisórias. mantidas em boas condições de utilização e segurança. As rampas usadas para trânsito de caminhões devem ter largura mínima de 4 m e serem dotadas de guarda-rodas c/ altura e largura mínima de 20 cm. caso excepcionais atingir 20ª. não justifique o uso de escadas. devem ser obedecidas as seguintes orientações: Usar ganchos de aço maleável (CA-24 ou 25 para suportar travessões). ANDAIMES RECOMENDAÇÕES • Os andaimes devem ser construídos ou montados sempre que for necessário executar trabalhos em lugares elevados. estar assentadas em apoio seguros e resistentes e ser inspecionadas freqüentemente. Usar. dispensando-se. pelo menos 20 cm. Quando a rampa tiver mais de 18ª de inclinação. onde eles não possam ser realizados com segurança a partir do piso. pranchão ou caibro duplo com travessão de apoio junto a torre. no mínimo 5 caibros paralelos e eqüidistantes. quando esta tiver largura aproximadamente igual a da torre. • • Não deve ser permitido construir rampas com mais de 30ª de inclinação. no sentido da torre. . apoiados no travessão e na ultrapassando os ganchos em. • Na construção de plataformas ou rampas a) b) c) para acesso a torre externa de transporte de materiais.• As passagens e rampas provisórias devem ser de construção sólida. d) e) f) A inclinação das rampas deve ser ligeiramente ascendente. e cujo tempo de duração ou tipo de atividade. laje.

devem ser localizadas sobre os materiais.20m de altura e rodapé de 15 cm. individuais a largura mínima deve ser de 60 cm. Devem ser tomadas precauções especiais quando da montagem ou movimentação de Devem ser tomadas precauções especiais quando da montagem de andaimes. • A montagem e manutenção de andaimes de madeira. não devem ter vão ou intervalos por onde possam passar sobras de As emendas de tábuas ou chapas de compensado do estrado. deve haver uma chapa de união por baixo. sem obstruir a circulação de pessoas. b) Os andaimes não devem ser sobrecarregados alem do limite previsto. nos ou qualquer outros defeitos que possam comprometer suas resistências. devem dispor de guarda-corpo de Não deve retirar ou anular a ação de qualquer dispositivo de segurança dos andaimes. no máximo de 20 cm. deve ser feita unicamente por carpinteiros. Em casos mais complexos. apoios: a) Nos casos de emenda por superposição. • • • Durante a construção de andaimes. que assegure a ligação adequada das pecas. rachaduras. não deve ser permitido. Para andaimes Os estrados de andaimes fixos devem ser pregados nas travessas para evitar seu estranhas ao serviço. 90 cm a 1. no local a presença de pessoas Os estrados de andaimes não individuais devem ter largura mínima de 90 cm. andaimes. Nos casos de emenda de topo. Os andaimes. próximos a redes de energia elétrica redes de energia elétricas. ferramentas ou quaisquer materiais sobre os andaimes. não sendo permitido o uso de pecas de madeira ou metal. . que apresentem sinais de deterioração. não é permitido fixar pregos sujeitos a sofrerem Pregos ou parafusos não devem ficar salientes em qualquer superfície do andaime. nos lados externos. no mínimo 20 cm alem do apoio. as pecas devem avançar. com estrado a mais de 2 m de altura do piso. orientados por mestre ou encarregado. próximos a esforços de tração no sentido de sua fixação. • • • • • • Nas ligações de estrados de andaimes.• Os materiais utilizados na construção de andaimes devem ser de boa qualidade. no mínimo 4 vezes a espessura do estrado e. devendo ultrapassar os apoios externos. • Não se deve permitir o acúmulo de fragmentos. de maneira uniforme. recomenda-se contratar empresas especializadas. escorregamento. • • Os estrados de andaimes. de maneira a oferecerem perigo ou risco aos trabalhadores. sendo necessário manter a carga de trabalho distribuída no estrado.

de preferencia. acesso. O contraventamento deve estar bem ajustado aos montantes (por borboleta ou encaixe. quando trabalhador ficar posicionado acima do guarda-corpo e portanto. pode-se construir andaimes de ate 12 m de altura. devem existir extintores de incêndio tipo água-gás Não deve ser permitido que pessoas trabalhem em andaimes externos de qualquer tipo ou ou água pressurizada. a utilização de escadas ou outros meios para atingir lugares mais altos. Andaimes com Suportes Apoiados RECOMENDACOES • • São aqueles cuja estrutura trabalha totalmente apoiada numa base. resistente e que os Quando os montantes se apoiarem no solo. localizadas. com segurança aos esforços. próximos de beiradas de lajes. a partir daí. • Com montantes de madeira de 3X4 polegadas. a necessidade de projeto se da a partir de 40 m de altura. • • Os montantes desses andaimes devem apoiar-se em bases solidas. é necessário escolher criteriosamente o ponto de aplicação do equipamento e verificar a estabilidade e resistência do andaime. recomenda-se que seja projetado por profissional qualificado. sem proteção.• Não se deve permitir. Recomenda-se que essas fixações sejam feitas a cada 36 m2. • Os acessórios que fixam os elementos horizontais aos montantes e as diagonais devem ser previstos especialmente para este uso e não podem deslocar-se sob os esforços a que serão submetidos. Nos andaimes metálicos. podendo ser fixos ou Os montantes de andaimes com suportes apoiados devem estar devidamente aprumados e moveis. sobre os estrados de andaimes. c) Antes de se instalar roldanas ou qualquer equipamento para içar materiais. sem que o solo recalque ou entre em ruptura. e com área suficiente para distribuir as cargas. contraventados. devem ser providos de escadas ou rampas de que resistam a ação dos ventos. deve-se usar placar (calços) capazes de resistir mantenham perfeitamente aprumados. nas cabeceiras.5m de altura. expostas a ventos fortes. estes com possibilidade de serem deslocados na horizontal. • • Os andaimes externos a construção devem ser adotados de amarrações e entroncamentos Os andaimes com mais de 1. de acordo com sua previsão de emprego. se metálico). . • • Nas proximidades de andaimes de madeira.

que devem estar totalmente fechados ou com guarda-corpos (c/altura de 1. sem que haja Os andaimes tubulares devem ser constituídos de montantes. Os andaimes montados sobre torres fixas ou moveis. seus montantes devem ter impactos de equipamentos moveis ou veiculo. comprimentos variáveis. Andaimes com Suporte em Balanço PREVENÇÃO DE QUEDAS É de grave risco a falta de proteção nos vãos de acesso às caixas (poços) de elevadores (risco de queda).20m de altura). quando apoiados em degraus de escadas. 2 a 2.20m de altura). Calçar ou travar os rodízios durante a execução do serviço.0 metros. Na montagem e utilização de andaimes moveis (apoiados em rodízios). de acordo com os degraus.20m de altura) e rodapé (de no mínimo 0. são considerados de grave e iminente risco. os andaimes com suportes apoiados devem ser protegidos contra o Nos andaimes fixos. devido ao risco de Evitar aproximação de rede de energia elétrica. Os andaimes apoiados sobre cavaletes devem ter altura máxima de 2.90cm.• • • É permitido o trabalho em andaimes apoiados em cavaletes. deve-se tomar as a) b) c) d) • Os rodízios devem ter diâmetro mínimo de 13 cm e ser providos de trava. de maneira que seu estrado fique na horizontal. inclusive nas cabeceiras (laterais). Sua altura não deve exceder de 4 vezes a menor dimensão da base. caso contrário. guarda-corpo fixado na estrutura da edificação ou no andaime. seguintes precauções: tombamento. quando não amarrados ou estaiados. • • • • Não deve ser permitido o trabalho em andaimes junto as beiradas de lajes. Quando necessário. Os andaimes suspensos mecânicos (balancins) podem ser: . Estes andaimes devem ter guarda-corpo (de no mínimo 1. resistentes a qualquer tipo de impacto. unidos por braçadeiras ou elementos pré-fabricados e montantes por encaixe.0m e largura mínima de 0.20m ) e rodapé (de no mínimo 0. podendo causar queda dos trabalhadores. travessas e contraventos. Seu deslocamento deve ser feito sem operários em cima. com altura máxima de 2m. devem ser limitados a altura de 6.

Essa proteção deve ser colocada a partir da 2ª laje. É obrigatório o uso de cabo de aço para sustentá-lo. pelos trabalhadores. A proteção da 2ª laje deve ter 2. 4) Grave e iminente risco – Não se permite que o andaime (leve ou pesado) seja sustentado por corda de fibra natural ou artificial. duas pessoas e o material necessário para a execução de pequenos serviços. Todas as outras devem ser colocadas logo depois da concretagem da laje de cima. a partir da 11ª laje será colocada tela de arame. A proteção da 2ª laje só pode ser tirada depois de terminado o revestimento externo acima dessa laje. de cinto de segurança. Para evitar a queda de trabalhadores.4 tf/m2 de cargas adicionais. independente do andaime. 3) Grave e iminente risco – É obrigatório o fornecimento gratuito.20m de altura) e tela de arame. Para prevenir a queda de trabalhadores. permitem até 0. e a utilização.50m de largura. rodapé (no mínimo de 0. de 3 em 3 pavimentos. que será amarrado em local firme da estrutura. ELEVADORES DE OBRA Os elevadores de obras podem ser de dois tipos: . náilon ou material de resistência equivalente. náilon ou material de resistência equivalente. Só se permite a interligação de estrados de andaime pesados. Complementando a segurança no trabalho.90m de altura). só devendo ser retiradas após o levantamento de alvenaria (vedação). os edifícios com mais de 4 pavimentos devem ter plataformas especiais de proteção (bandejas). com certificado de aprovação do Ministério do Trabalho marcado no mesmo. a fim de não oscilar. O cinto deverá ser preso a um cabo de segurança (de aço ou fibra resistente). que será presa às plataformas de proteção. 2) Os cabos de aço de sustentação do andaime devem trabalhar na vertical e o estrado. inclusive nas cabeceiras (laterais). presa no guarda-corpo e rodapé. 5) Grave e iminente risco – Não é permitida a interligação de estrados de andaimes leves. o andaime deve ser fixado à construção. pesados – quando possuem dois guinchos (catracas) por estribo (armação de aço) e no máximo. na horizontal. é necessário atentar para os seguintes pontos: 1) Os andaimes devem dispor de guarda-corpo (no mínimo de 0. além do peso próprio. em todo o edifício. pela empresa. em toda a volta do edifício. nos trabalhos executados sobre andaime (leve ou pesado).- leves – quando possuem um guincho (catraca) por estribo (armação de aço) e comportam.

que será presa às plataformas de proteção. O elevador de materiais deve ter placa indicando sua carga máxima e a proibição do transporte de trabalhadores.20m de altura) e rodapé (de no mínimo 0. de 3 em 3 pavimentos. plataformas especiais de proteção (bandejas). a partir da 11ª laje será colocada tela de arame. Possui torre metálica. para evitar o acionamento do elevador por pessoas não habilitadas. Este local de trabalho deve ser. É proibido o . náilon ou material de resistência similar. ABERTURAS NOS PISOS As aberturas nos pisos devem estar fechadas ou protegidas com guarda-corpos (de no mínimo 1. É proibido o transporte de trabalhadores neste tipo de elevador (grave e iminente risco). preferencialmente. É considerada grave e iminente risco a circulação de trabalhadores através das torres de elevação de cargas. A proteção da 2ª laje deve ter 2. e o operador deve receber comunicação para movimentação do elevador através de lâmpada ou campainha.Só de carga – É o elevador conhecido como “guincho”.50m de largura. Essa proteção deve ser colocada a partir da 2ª laje. que seja contra queda de materiais (grave e iminente risco). Complementando a segurança no trabalho. O operador do guincho (guincheiro) deve possuir local de trabalho coberto. que deve possuir revestimento nas faces laterais e posterior de tela e arame. náilon ou material de resistência similar.20m de altura) em toda a sua volta. em todo o edifício.20m de altura) e só devem ter inclinação ascendente no sentido da torre. A proteção da 2ª laje só pode ser tirada depois de terminado o revestimento externo acima dessa laje. É também conhecido por “gaiola”. isolado. que deve possuir revestimento nas faces laterais e posterior de tela e arame. cabina metálica fechada. náilon ou material de resistência equivalente. Todas as outras devem ser colocadas logo depois da concretagem da laje de cima. Elevador de passageiros – É obrigatória a instalação de pelo menos um elevador de segurança em edifícios com mais de 12 pavimentos ou altura equivalente. sistema de frenagem automático e é controlado de dentro da cabina. só devendo ser retiradas após o levantamento de alvenaria (vedação). as rampas de acesso à torre em qualquer pavimento devem ser providas de guarda-corpos (de no mínimo 1. em toda a volta do edifício.20m de altura) e rodapé (de no mínimo 0. Para os dois tipos de elevador. ELEVADORES DE OBRA Os elevadores de obras podem ser de dois tipos: Só de carga – É o elevador conhecido como “guincho”.

grave e iminente risco. RAMPAS As rampas podem apresentar risco de queda se tiverem inclinação superior a 30º . .20m de altura) e rodapé (de no mínimo 0.20m de altura). para prevenir a queda de trabalhadores que tenha mais de trinta funcionários. ser apoiadas em locais firmes e ser presas no seu topo inferior e superior. Elevador de passageiros – É obrigatória a instalação de pelo menos um elevador de passageiro. É considerada grave e iminente risco a circulação de trabalhadores através das torres de elevação de cargas. Devem ainda ultrapassar o topo superior em 1. que seja contra queda de materiais (grave e iminente risco). isolado. ter degraus uniformes e espaçados no máximo de 0. ABERTURAS NOS PISOS As aberturas nos pisos devem estar fechadas ou protegidas com guarda-corpos (de no mínimo 1. Este local de trabalho deve ser.0m de comprimento. O elevador de materiais deve ter placa indicando sua carga máxima e a proibição do transporte de trabalhadores. as rampas de acesso à torre em qualquer pavimento devem ser providas de guarda-corpos (de no mínimo 1. E dotados de todos os ESCADAS As escadas de mão podem apresentar risco de queda. para evitar o acionamento do elevador por pessoas não habilitadas.e ser instalado a partir da 7ª lage .nos canteiros sistemas de seguranças.0 mt. Essas escadas não podem possuir montante único. no mínimo. . pois esta é uma situação de grave e iminente risco.90m de altura) e rodapé (de no mínimo 0. As escadas de mão devem ter no máximo 7. preferencialmente.20m de altura) e só devem ter inclinação ascendente no sentido da torre. em edifícios com mais de 12 pavimentos ou altura equivalente.20m de altura) e rodapé (de no mínimo 0.20m de altura) em toda a sua volta. As escadas de uso coletivo devem possuir também corrimão (de no mínimo 0. e o operador deve receber comunicação para movimentação do elevador através de lâmpada ou campainha.30m.transporte de trabalhadores neste tipo de elevador (grave e iminente risco). O operador do guincho (guincheiro) deve possuir local de trabalho coberto. Para os dois tipos de elevador.

60m.90m de altura) e rodapés (de no mínimo 0. construindo-se passarelas com largura mínima de 0. para chuvas. de 2. para prevenir queda de trabalhadores e de materiais. luvas com enchimento de borracha especial..40m. pinturas etc. para serviços de lixamento de concreto. respectivamente. botas impermeáveis somente para trabalhos de lançamento de concreto ou em terrenos luvas adequadas ao serviço a ser executado (raspa de couro para trabalhos grosseiros e de cinto de segurança para os trabalhos sobre andaimes ou em locais sujeitos a queda.90m de altura) e rodapé (de no mínimo 0. capacete de segurança. óculos de segurança contra impactos. Quando é preciso transitar sobre as escavações.20m).Em rampa com mais de 18º de inclinação. para apoio dos pés.0m de altura. borracha para aplicação de massas). mangote e avental de raspa. como medida complementar de segurança: calçado fechado de couro resistente para proteção dos pés do trabalhador contra quedas de objetos (“sapatão” com biqueira de aço). devem existir travessas antiderrapantes. óculos e protetores faciais com filtros de luz para os soldadores. para trabalhos com esmeril e apicoamento de óculos de segurança contra poeiras e respingos. fornecido pelo Ministério do Trabalho. para vibrações de marteletes. etc. a mais protetor facial para os trabalhos com serra circular. Essas rampas devem possuir também guarda-corpos (de no mínimo 0. - concreto. para trabalhos com solda. E P I (EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL) A empresa é obrigada a fornecer gratuitamente aos trabalhadores. outros equipamentos de proteção individual adequados a riscos específicos. tais como: capas impermeáveis. entrada de pregos (“sapatão” com palmilha de aço) e soldado antiderrapante.20m). devem ser proibidas as improvisações. encharcados. • • • • Os equipamentos de proteção individual só podem ser utilizados se possuírem impresso no produto o número do Certificados de Aprovação (CA). espaçadas de no máximo 0. perneira. portadoras de guarda-corpos (de no mínimo 0. .

Procure o serviço médico da empresa. pois. Se for obrigado ou se insistir em trabalhar com as mãos ou os pés irritados ou feridos poderá piorar e até ficar alérgico ao cimento.DERMATOSE PROFISSIONAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL CAUSADA PELO CIMENTO COMO PREVENIR • Cimento ou massa de cimento ou concreto. • Se sofrer algum arranhão ou ferimento no serviço. e desinfete com água oxigenada. procure rapidamente pelo socorro médico. procure rapidamente pelo socorro médico. . Deve. Use luvas e/ou botas ao voltar do trabalho. a fim de assegurar seu salário sem redução e o tratamento integral da dermatose. Ressecar. e desinfete com água oxigenada. e isto depende do contato do cimento com estas partes. ser tratada pelos serviços médicos que atendem a esses casos por delegação do INSS. irritar ou ferir a pele no local do contato. Antes disso. Nesta fase. Use luvas e/ou botas ao voltar do trabalho. 5. gratuitamente. Nesses casos a empresa deverá emitir a comunicação de Acidente do Trabalho (CAT). 4. 2. evite o contato com o cimento até as mãos ou os pés melhorarem. lave bem o local ferido com água corrente e sabão ou sabonete. A dermatose ocorrida no serviço equipara-se ao acidente do trabalho. • Se suas mãos ou pés estiverem feridos ou irritados após contato com o cimento faça o seguinte: 1. evite o contato com o cimento até as mãos ou os pés melhorarem. Produzir reações alérgicas. 3. Nesta fase. nos pés ou em qualquer local da pele onde a massa de cimento permanecer por certo tempo. Antes disso. procure o posto de saúde mais próximo de sua residência 2. Caso não exista este serviço. 7. lave bem o local ferido com água corrente e sabão ou sabonete. • Se sofrer algum arranhão ou ferimento no serviço. pode: 1. Se for obrigado ou se insistir em trabalhar com as mãos ou os pés irritados ou feridos poderá piorar e até ficar alérgico ao cimento. quando em contato freqüente com a pele de trabalhadores sensíveis. seja nas mãos. 6.

pó ou cavaco de madeira dentro dos sapatos ou das botas pode irritar seus pés. se sua roupa estiver suja de massa ou calda de cimento ou concreto. troque-a logo que substituir imediatamente. Chaves elétricas As chaves elétricas do tipo faca devem ser blindadas. use luvas e botas de borracha não trabalhe descalço ou de sandália hawaiana.A dermatose ocorrida no serviço equipara-se ao acidente do trabalho. retire-a imediatamente e lave as mãos. A proteção das mãos e dos pés e a boa higiene são importantes para se evitarem estas dermatoses. retire-a assim como a meia e não deixe a calça úmida de calda do cimento em contato com a pele. RECOMENDAÇÕES PARA PROTEÇÃO DA PELE Sempre que possível. Deve. ser tratada pelos serviços médicos que atendem a esses casos por delegação do INSS. ao cair massa ou calda de cimento dentro da luva. lave bem as luvas e em seguida deixe escorrer toda a água. Nesses casos a empresa deverá emitir a comunicação de Acidente do Trabalho (CAT). se possível faça uso de meias grossas do tipo de futebol. pois. Siga as recomendações aqui indicadas e boa saúde. possível. para os trabalhadores não encostarem nas partes energizadas (“vivas”). a fim de assegurar seu salário sem redução e o tratamento integral da dermatose. luvas e/ou botas rasgadas ou furadas. imediatamente lave as partes atingidas. observar o seguinte: forradas. - Lembre-se que a entrada de massa ou calda de cimento através das botas e luvas furadas ou rasgadas pode produzir dermatoses graves nos pés e nas mãos. ou de bermuda. quando trabalhar em contato com a massa de cimento. ao cair massa ou calda de cimento dentro da bota. . - na preparação da massa de cimento ou concreto. gratuitamente.

por exemplo: arames. mau isolamento ou fora de uso devem ser recolhidos e substituídos por novos. placas de concreto ou eletrodutos. não deixando. máquinas e materiais. não deixando partes descobertas. Nunca se deve ligar ou desligar as chaves elétricas. Quando os fios e cabos forem puxados para tomadas e interruptores ou quando atravessarem paredes. abraçadeiras. é preciso tomar cuidado de : Não colocar os fios e cabos em lugares que possam desgastar ou cortar sua isolação. As emendas que forem feitas nos fios e cabos devem ficar firmes e bem isoladas. argolas. e nunca em materiais que não sejam isolantes. As chaves elétricas do tipo faca. é preciso protegê-los. canos metálicos. Podem. Para não estragar a isolação dos fios e cabos. betoneiras e outros. com calhas ou eletrodutos. Fios e cabos Os fios e cabos devem ser estendidos em lugares que não atrapalhem a passagem de pessoas. blindadas. Ligações elétricas . Se forem enterrados. Os fios e cabos com muitas emendas. ser colocados a uma certa altura que não deixe que as pessoas e máquinas encostem neles. canaletas ou eletrodutos. pára-raios e vergalhões. para avisar quando os operários estiverem perto de 1.Devem fechar para cima e de tal forma que os porta-fusíveis não fiquem energizados (“vivos”) quando as chaves estiverem abertas. é necessário protegê-lo por calhas de madeira. Uma pessoa experiente deve ficar acompanhando os trabalhos de escavação ou aterro.50m das redes elétricas enterradas. também. Se os fios e cabos tiverem de ser estendidos em locais de passagem. não devem ser usadas para ligar diretamente equipamentos como serra. Não colocar os fios e cabos sem proteção. por exemplo. devem estar protegidos por calhas de madeira. Os fios e cabos devem ser fixados em isoladores. quando algum equipamento estiver sendo utilizado. em locais de passagem. O caminho das redes elétricas enterradas deve ser marcado por placas.

Nunca se deve ligar mais de um equipamento na mesma tomada. MEDIDAS DE PROTEÇÃO CONTRA CONTATO COM ELETRICIDADE Todas as instalações elétricas devem ser consideradas perigosas. Proteção contra contatos diretos O contato direto é que ocorre quando uma pessoa encosta em partes energizadas (“vivas”). Existem 3 maneiras de evitar que os trabalhadores sofram acidentes por contato direto: Pelo afastamento do trabalhador da rede elétrica. Circuitos de iluminação Os circuitos de iluminação devem estar ligados à rede elétrica através de chaves blindadas. nos trabalhos com eletricidade. se elas não tiverem as proteções mostradas na figura. . Por isso. quando não estiverem sendo usados. Os equipamentos elétricos devem estar desligados da tomada. devem ser usado o conjunto plugue-tomada. para não estragar as ligações. Pelo uso de barreiras. para não quebrarem. porque podem causar acidentes fatais. é preciso conhecer o serviço e saber quais as formas de se proteger contra os acidentes. as lâmpadas devem estar protegidas contra batida. A proteção contra os contatos indiretos. Nunca se deve pendurara ou puxar os equipamentos elétricos pelo fio. Os equipamentos elétricos devem ter o dispositivo liga-desliga. Quando estiverem ligados a quadros elétricos. Nunca se deve usar lâmpadas portáteis. Nos locais de movimentação de material. se ela foi feita para uma só ligação. É preciso usar material isolante para fixar os circuitos de iluminação. Duas dessas formas de proteção são: A proteção contra os contatos diretos. Não fixar esses circuitos em vergalhões ou arames.A ligação dos equipamentos à rede elétrica sempre deve ser feita através do conjunto pluguetomada. sendo proibido fazer ligação direta.

a corrente elétrica de fuga seguirá para o ponto de aterramento pelo “condutor terra”. É bom deixar uma distância mínima de 5 metros entre a rede elétrica e o local de trabalho. gruas. COMO FUNCIONA O ATERRAMENTO Se a carcaça de uma máquina estiver energizada (“viva”).Pela isolação bem feita. A máquina está aterrada Neste caso. O mesmo cuidado se deve ter na movimentação de andaimes. não deixando que os trabalhadores e equipamentos cheguem perto da rede elétrica. Barreiras As barreiras são colocadas para não deixar que os trabalhadores entrem em contato com a eletricidade. para que os trabalhadores entendam que naquele lugar existe risco elétrico. pode acontecer que: A máquina não está aterrada Se uma trabalhador encostar na carcaça da máquina. Devem estar sinalizadas. porque podem encostar na rede elétrica. Como fazer o aterramento Este serviço deve ser feito por um eletricista que conheça perfeitamente a importância das conexões bem feitas e com condições de medir a resistência elétrica do solo. É preciso ter certeza de que o material transportado e as ferramentas usadas pelo trabalhador fiquem afastados da rede elétrica. se a rede elétrica ou os equipamentos não estiverem aterrados. Canalizações metálicas e carcaças de equipamentos elétricos são armadilhas para o trabalhador. Distanciamento ou afastamento Pode-se evitar acidentes. Proteção contra contatos indiretos O contato indireto acontece quando uma pessoa encosta em peças metálicas que por erro na instalação elétrica ou defeitos de isolação ficam energizadas (“vivas”). que deve ser a menor . veículos basculantes. a corrente elétrica vai passar pelo seu corpo e causar um choque. Elas devem ser fixas e firmes. não passando pelo corpo do trabalhador que tocar em sua carcaça.

é necessário prepará-lo. luvas de borracha. para fazer estes serviços o eletricista deve ficar em cima de uma tapete de borracha ou de uma tábua. sendo que seu topo deverá estar aflorado ao nível do solo para se providenciar a conexão do fio terra que deverá ter um terminal conector eficientemente parafusado à haste. é preciso que o cabo de alimentação tenha o fio de proteção “terra” (verde ou verde/amarelo) e que este seja ligado ao equipamento. Quando não for possível desligar a chave geral. do tempo que o trabalhador fica em contato com a eletricidade. o eletricista deve ter certeza de não trocar o fio terra (verde. é preciso agir rápido. porque quanto mais tempo uma pessoa ficar sofrendo o choque elétrico. menos os que tenham dupla isolação ou os que funcionarem com menos de 50 volts. principalmente em lugares úmidos. O eletricista deve saber que uma manutenção bem feita é uma das principais medidas para evitar os riscos de acidentes e que deve ser realizada com a chave geral. No caso de acidente. menos chance ela terá de sobreviver. papel de cigarros ou fazer ligações diretas. a fim de diminuir sua resistência da seguinte maneira: escavar no solo um buraco de 0. Na manutenção das instalações e equipamento deve ser dada uma importância especial para s sinalizações. proibindo que ela seja ligada. porque se isto acontecer a carcaça do equipamento ficará energizada.40m no eixo do mesmo. Na manutenção de equipamentos elétricos. É bom usar cadeado na chave geral. MANUTENÇÃO As instalações elétricas devem ser verificadas constantemente pelo eletricista. Aterramento de equipamento manual Para fazer o aterramento de um equipamento manual. pois ele não pode ser interrompido pela queima do fusível. Para ligar ou desligar as chaves elétricas. quando a instalação elétrica estiver em manutenção. Um fusível queimado deve ser trocado por outro do mesmo tipo e capacidade (valor). deve-se fazer o seguinte: .: Não se deve colocar fusível no condutor neutro (azul claro) que passa pela chave faca. Nunca se deve colocar moedas. e usar alicate com cabo de material isolante. O eletricista deve ter os aparelhos necessários para saber se a instalação está energizada (“viva”) ou não. para que ela não seja ligada por acaso.20m e esta camada de sal envolvida por outra de carvão vegetal preenchendo todo o furo onde esta alojada a haste de aterramento. e ferramentas com cabos cobertos com materiais isolantes. e verificar se do lado da instalação existe a ligação elétrica entre a tomada e a haste de aterramento.possível (2 ohms no máximo). verde/amarelo) com o fio energizado (“vivo”) em relação aos terminais do equipamento. OBS. O QUE FAZER EM CASO DE CHOQUE ELÉTRICO A gravidade do acidente que a eletricidade pode causar depende: da intensidade da corrente elétrica. pois elas são responsáveis em grande parte pela prevenção dos acidentes de origem elétrica. O eletricista deve usar capacete.40m de diâmetro e com profundidade suficiente para fixar uma haste de cobre com comprimento mínimo de 2. deve-se desligar a chave geral. arames. A haste deverá ser envolvida por uma camada de sal grosso com aproximadamente 0. Caso não se tenha como medir a resistência do solo. botina de couro com solado de borracha sem partes metálicas e óculos de segurança. o trabalhador não deve ficar na sua frente. Primeiramente. que deve mantê-la em boas condições de uso. do caminho que a corrente elétrica faz pelo corpo do trabalhador. Por isso. Todos os equipamentos elétricos devem estar aterrados. A troca de fusíveis ou qualquer serviço em caixas de ligação é perigoso.

Tirar da boca do trabalhador todo objeto estranho. para estudar a maneira mais segura de levantá-la. deve-se aplicar 5 massagens cardíacas e 1 respiração até o trabalhador voltar ao normal. sapatos de segurança com biqueiras de aço. antes de qualquer ação. para verificar se não ultrapassa sua capacidade individual de levantamento de peso. para não se acidentar. a necessidade de utilizar equipamento de proteção individual. deslocamentos de disco e hérnias. e 6). 3 – Apertar com força. Colocar uma das mãos na nuca do trabalhador e jogar sua cabeça para trás. Quando ocorrer a parada da respiração e do coração ao mesmo tempo. entorses. placas de madeira. aventais. máscaras. o caminho a ser percorrido. Considerações preliminares As recomendações a seguir se aplicam aos operários que necessitam levantar e transportar manualmente um peso. Na maior parte dos casos de choque elétrico. não escorregadio. usar madeira seca ou ficar em cima de uma tapete de borracha. os trabalhadores sejam surpreendidos por dores lombares. Assoprar na boca do trabalhador e ver se o seu peito se eleva. da seguinte forma: 1 – Deitar o trabalhador de costas sobre uma superfície dura. é preciso fazer o seguinte: Deitar o trabalhador de costas e afrouxar suas roupas. observando se o mesmo está desimpedido. até que o trabalhador acidentado volte a respirar. Se não tiver luvas de borracha. Para que ele volte a respirar. Pode ocorrer. Deixar o ar sair Deve-se fazer isso várias vezes (fase 4. . tábuas. Caso isto ocorra deve-se fazer a massagem cardíaca. blocos e tijolos. Tapar o nariz do trabalhador com os dedos. limpo. caibros. cilindros. que em conseqüência de desconhecimento ou negligência dos procedimentos corretos a serem adotados. tambores. Na Engenharia Civil. a forma e o volume da carga. 4 .5. como luvas. Depois de separar o trabalhador da rede elétrica. ocorre também a parada do coração.Soltar Deve-se aplicar a massagem cardíaca até que o trabalhador se restabeleça. o peso da carga. pode ser que ele pare de respirar (morte aparente). no entanto.Usar luvas de borracha para soltar o trabalhador da rede elétrica. e a distância a ser transposta. LEVANTAMENTO E TRANSPORTE MANUAL DE PESOS São freqüentes os serviços que exigem dos trabalhadores o levantamento e transporte manual de pesos. na parte mais funda do peito do trabalhador. devem verificar: o tamanho. a existência de pontas ou barbatanas. cujos procedimentos corretos estão descritos a seguir. 2 – Colocar uma mão sobre a outra. Para tanto. especificamente. os trabalhadores convivem com o levantamento e transporte de sacos de areia.

é preciso: não dobrar as costas. e mantendo os braços estendidos. manter a carga centralizada em relação às pernas durante o percurso. não torcer o corpo para pegar a carga. usando a palma das mãos e todos os dedos. não escorar a carga na perna ou joelho. aproximar bem a carga do corpo. aproximar bem a carga do corpo. Após tomar as precauções indicadas no item 10. Do contrário o trabalhador pode adquirir uma hérnia de disco. . Porém o levantamento e o transporte corretos não trazem problemas ao trabalhador. para aumentar sua base de sustentação. abaixar-se dobrando os joelhos e mantendo a cabeça e as costas em linha reta. mantendo os pés afastados. não causando problemas à sua coluna. enquanto os procedimentos errados podem acarretar danos à sua saúde. levantar-se usando somente o esforço das pernas.1. Por isso. ocorrerá uma pressão uniforme no disco intervertebral do trabalhador. manter a carga centralizada em relação às pernas durante o percurso. doença conhecida popularmente como bico de papagaio. com um pé mais à frente que o outro.Procedimentos corretos Ainda que não adote os procedimentos corretos para levantar e/ou transportar um peso. não manter as pernas fixas no chão e virar o corpo com a carga. o trabalhador deve: posicionar-se junto à carga. levantar-se usando somente o esforço das pernas. Seguindo essas recomendações. pode-se avaliar e evitar os graves danos desencadeados por um levantamento de peso mal executado. segurar firmemente a carga. Conhecendo melhor como se comporta a estrutura óssea da coluna vertebral. não ficar muito longe da carga. segurar firmemente a carga. e mantendo os braços estendidos. usando a palma das mãos e todos os dedos. um operário pode conseguir o mesmo limite de carga que um outro atinge agindo corretamente.

apresentamos a seguir alguns exemplos práticos. No transporte de cargas. . Conhecendo melhor como se comporta a estrutura óssea da coluna vertebral. Deslocamento de blocos e tijolos Não dobrar as costas. pode-se avaliar e evitar os graves danos desencadeados por um levantamento de peso mal executado. Deve-se evitar o transporte de cargas com apenas uma das mãos. O perigo aumenta porque umidade facilita a passagem da corrente elétrica pelo corpo do trabalhador. procurando-se distribuir o peso nas duas mãos. Reagir ao peso das tábuas. Por isso. dobrando os joelhos. ocorrerá uma pressão uniforme no disco intervertebral do trabalhador. Evita-se um esforço excessivo dos músculos do antebraço. doença conhecida popularmente como bico de papagaio. Recomendações gerais Recomenda-se evitar o levantamento ou transporte de peso quando a diferença de altura dos operários provocar desnível da carga. não causando problemas à sua coluna. Equilibrar as tábuas deslocando a mão para frente. Aplicações Visando dar maiores subsídios ao trabalhador que necessita levantar e transportar manualmente um peso. deve-se sempre manter cabeça e as costas em linha reta. tanto quanto possível. e segurar as tábuas. Qualquer defeito que for encontrados deve ser logo consertado. utilizando-se um sistema de puxador que permita boa firmeza dos cinco dedos e da palma da mão. Do contrário o trabalhador pode adquirir uma hérnia de disco. os equipamentos e as ligações elétricas. No caso de o volume da carga ser excessivo. é preciso examinar os fios e cabos. mantendo as costas e a cabeça em linha reta. sempre é aconselhável o emprego de pelo menos dois trabalhadores.Seguindo essas recomendações. Levantamento e transporte de tábuas e caibros Apoiar uma das mãos no joelho. é preciso: LUGARES ÚMIDOS Antes de começar a trabalhar com eletricidade em lugares molhados ou úmidos. e iniciar o transporte.

Erguer o bloco à menor distância possível Deslocar a carga na posição correta. ficar em pé de maneira firme. Para materiais mais pesados. A seqüência recomendável para o uso correto da pá é a seguinte. descolar a perna na direção do arremesso. aproximar a pá do corpo. não dobrar e girar o corpo simultaneamente. de forma semelhante ao que ocorre durante o levantamento e transporte manual de pesos. transferindo o peso do corpo para outro pé.Transferir o peso do corpo à perna mais próxima do bloco a ser levantado. ENCERRAMENTO . levantar-se. a pá deve ser introduzida com o auxílio da perna. Utilização da pá Os serviços que exigem a utilização da pá são freqüentes na Engenharia Civil e levam o trabalhador a realizar movimentos que forçam a coluna vertebral. e deslocar o peso do corpo para o pé que estiver mais perto dela. como cascalho e pedra. colocar o pé tão próximo da pá quanto possível.

º 4 de 04/07/95. fornecendo ainda subsídios para fomentar o trabalho preventivo e de melhoria das condições do ambiente já desenvolvido pela empresa. .18 e suas alterações dadas pela Portaria n. através do levantamento de situações críticas. sua observância não desobriga aos setores envolvidos do conhecimento e cumprimento da legislação de Engenharia de Segurança do Trabalho existente. Não esgota completamente o assunto e sim. Desta forma é de inteira responsabilidade da mesma. a utilização das informações contidas neste trabalho e a sua implementação. relativa ao assunto em questão. Outrossim.Este trabalho visa atender o disposto na NR. com ênfase na apresentação das situações de risco presentes nas obras civis. Campo Grande. oferece norteamento para um plano de ações que deverá ser desencadeado pela empresa. ou que venha a existir.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful