P. 1
evinci 2010

evinci 2010

|Views: 684|Likes:

More info:

Published by: Paula Moiana da Costa on May 12, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/03/2012

pdf

text

original

Universidade Federal do Paraná

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
18º Evento de Iniciação Científica
3º Evento de Iniciação em
Desenvolvimento Tecnológico
e Inovação
Curitiba - Paraná
2010
Livro de Resumos Li
18º Evento de
D
Outubro/2010
Projeto Gráfco
Imprensa da UFPR
Editoração
Rafael Maia
Criação Logomarca EVINCI
Quintino Dalmolin e Rodrigo Lofrano Alves
Criação da capa
José Henrique Ferreira e Mariana Bentivoglio dos Santos
Todos os resumos neste livro foram reproduzidos de cópias fornecidas pelos autores. O con-
teúdo dos mesmos é de exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Coordenação do 18º
EVINCI e 3º EINTI, seus assessores ad hoc e comitês de avaliação não se responsabilizam por
consequências decorrentes do uso de quaisquer dados, afrmações e/ou opiniões inexatas (ou
que conduzam a erro) publicadas neste livro.
Coordenação do 18º EVINCI e do 3º EINTI
Universidade Federal do Paraná. EVINCI(18.:2010 Curitiba) EINTI(3.:2010 Curitiba)
U58 Livro de resumos/18. Evento de Iniciação Científica. 3. Evento de Iniciação em Desenvolvimento
Tecnológico e Inovação, Curitiba, 20 a 22 de outubro, 2010; Universidade Federal do Paraná. Pró-Reitoria
de Pesquisa e Pós-Graduação. - Curitiba, 2010.
724p.
1. Pesquisa Resumos. 2. Universidade Federal do Paraná.
- Projetos de pesquisa, alunos, professores. I. Universidade Federal do Paraná. Pró-Reitoria de Pesquisa
e Pós-Graduação. II. Título.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
BIBLIOTECA CENTRAL. COORD. PROCESSOS TÉCNICOS
FICHA CATALOGRÁFICA
Disponível em: www.prppg.ufpr.br/ic,
em 18º EVINCI e 3º EINTI – 2010, em Livro de Resumos
Editado pela PRPPG e impresso na imprensa UFPR.
Tiragem: 100 exemplares.
CDU 1976 001.891(816.2)
CDD 20.ed. 016.378
Samira Elias Simões CRB-9/755
Zaki Akel Sobrinho
Reitor
Vice-Reitor
Rogério Andrade Mulinari
Pró-Reitor de Administração
Paulo Roberto Rocha Krüger
Pró-Reitora de Extensão e Cultura
Elenice Mara Matos Novak
Pró-Reitora de Graduação
Maria Amélia Sabbag Zainko
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Sergio Scheer
Pró-Reitora de Planejamento, Orçamento e Finanças
Lucia Regina Assumpção Montanhini
Pró-Reitora de Assuntos Estudantis
Rita de Cássia Lopes
Pró-Reitora de Gestão de Pessoas
Laryssa Martins Born
ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
Setor de Ciências Agrárias
Amadeu Bona Filho
Setor de Ciências Biológicas
Luiz Cláudio Fernandes
Setor de Ciências Sociais Aplicadas
Vicente Pacheco
Setor de Ciências Exatas
Sílvia Helena Soares Schwab
Setor de Educação
Ettiéne Cordeiro Guérios
Setor de Ciências Jurídicas
Ricardo Marcelo Fonseca
Setor de Ciências da Saúde
Claudete Reggiane Mello
Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes
Maria Tarcisa Silva Bega
Setor de Ciências da Terra
Chisato Oka Fiori
Setor de Tecnologia
Mauro Lacerda Santos Filho
Setor de Educação Profssional e Tecnológica
Sávio Marcelo Leite Moreira da Silva
Setor Litoral
Valdo Cavalet
Campus Palotina
Vinicius Cunha Barcellos
DIRETORES DE SETOR
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Prof. Dr. Sergio Scheer
Coordenadoria de Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu
Prof. Dr. Edilson Sérgio Silveira
Coordenadoria de Pesquisas e Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia
Profa. Dra. Graciela Ines Bolzon de Muniz
Coordenadoria de Iniciação Científca e Integração Acadêmica
Profa. Dra. Maria de Fátima Mantovani
Coordenadoria de Programas de Pós-Graduação Lato Sensu
Prof. Dr. Hamilton Costa Junior
Secretaria da PRPPG
Tânia Maria Catapan
Secretaria da Coordenadoria de Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu
Regina Célia Montrezol
Secretaria da Coordenadoria de Pesquisas e Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia
Maria Olívia Ferreira Pereira
Secretaria da Coordenadoria de Iniciação Científca e Integração Acadêmica
Paula Hara
Vilma Sueli Andrade
Iamni Reche Bezerra (estagiária)
Michelle Caroline Bulotas (estagiária)
Thais Cristina de Souza (estagiária)
Secretaria da Coordenadoria de Programas de Pós-Graduação Lato- Sensu
Carla da Costa Hofmann
Unidade de Bolsas e Auxílios
Jussara do Rego Elias
Unidade de Diplomas e Certifcados
Programa Professor Sênior
Mário de Assis Demzuk
Serviço Eletrônico de Revistas
Paulo Guilherme Ugolini
Unidade de Processamento de Dados e Informática
José Henrique Ferreira
Ideraldo Ferreira Gomes
Mariana Bentivoglio dos Santos (estagiária)
Ana Carolina Greef (estagiária)
Francisco Daniel de O. Costa (estagiário)
Vitor Cedran (estagiário)
ADMINISTRAÇÃO DA PRPPG
TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DA UFPR
Unidade de Orçamentos e Finanças
Conceição Abadia de Abreu Mendonça
Katiano Miguel Cruz
Mariane Zubek
Agência de Inovação- Diretor Executivo
Prof. Dr. Sergio Scheer
Coordenador de Transferência de Tecnologias e Parcerias
Prof. Dr. Kleber Roberto Puchaski
Coordenadora de Propriedade Intelectual
Prof. Me. Edmeire Cristina Pereira
Coordenadora de Incubadora de Empresas da base Tecnológica
MSc. Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte
Secretaria Executiva
Franciele Klosowski
Universidade Federal do Paraná
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Coordenadoria de Iniciação Científca e Integração Acadêmica
A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação agradece aos membros do Comitê Assessor de Pesquisa e da
Comissão de Iniciação Científca. Agradece também aos representantes do CNPQ e da Fundação Araucária
que compõem o Comitê Externo de Avaliação do 18º EVINCI e o 3º EINTI.
COMITÊ ASSESSOR DE PESQUISA
Profa. Dra. Francine Lorena Cuquel (Setor de Ciências Agrárias)
Profa. Dra. Maria Regina Torres Boeger (Setor de Ciências Biológicas)
Prof. Dr. Sérgio Soares Braga (Setor de Ciências Humanas Letras e Artes)
Prof. Dr. Huáscar Fialho Pessali (Setor de Ciências Sociais Aplicadas)
Profa. Dra. Maria José Maluf de Mesquita (Setor de Ciências da Terra)
Profa. Dra. Andréa Barbosa Gouveia (Setor de Educação)
Prof. Dr. Américo Fróes Garcez Neto (Campus Palotina)
Prof. Dr. Fabricio Ricardo de Lima Tomio (Setor de Ciências Jurídicas)
Profa. Dra. Maria José de Santana Ponte (Setor de Tecnologia)
Profa. Dra. Liliana Müller Larocca (Setor de Ciências da Saúde)
Prof. Dr. Manoel Lesama (Setor Litoral)
Prof. Dr. Carlos Mauricio Lepienski (Setor de Ciências Exatas)
Prof. Dr. Roberto Tadeu Raittz (Setor de Educação Profssional e Tecnológica)
COMISSÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Prof. Dr. Volnei Paulletii (Setor de Ciências Agrárias)
Profa. Dra. Rosana N. de Morais (Setor de Ciências Biológicas)
Prof. Dr. Sérgio Soares Braga(Setor de Ciências Humanas Letras e Artes)
Prof. Dr. Huáscar Fialho Pessali(Setor de Ciências Sociais Aplicadas)
Prof. Dr. Pedro Luis Faggion (Setor de Ciências da Terra)
Profa. Dra. Vera Regina Beltrão Marques (Setor de Educação)
Profa. Dra. Elisabete Takiuchi (Campus Palotina)
Prof. Dr. Fabricio Ricardo de Lima Tomio (Setor de Ciências Jurídicas)
Profa. Dra. Agnes de Paula Scheer (Setor de Tecnologia)
Profa. Dra. Ângela Fernandes (Setor de Ciências da Saúde)
Prof. Dr. Paulo Marques (Setor Litoral)
Prof. Dr. Carlos Mauricio Lepienski (Setor de Ciências Exatas)
Prof. Dr. Roberto Tadeu Raittz (Setor de Educação Profssional e Tecnológica)
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
11
APRESENTAÇÃO
“Rumo aos 100 Anos da UFPR”
Há 18 anos a Universidade Federal do Paraná (UFPR) realiza os Eventos de Iniciação Científica,
há três anos incorporou a esta tradição o Evento de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
(EINTI). Na pretensão de não dissociar as atividades, em 2010 estes eventos, focados em ensino de graduação
(9º ENAF- Encontro de Atividades Formativas) e nas atividades de extensão (9º ENEC- Evento de Extensão e
Cultura), irão compor a Segunda Semana Integrada de Ensino Pesquisa e Extensão (SIEPE), que terá o tema
“Rumo aos 100 anos: Avanços e Realizações no Ensino, na Pesquisa e na Extensão”, mostrando a comuni-
dade o caminhar desta Universidade que ora avança para novos patamares de pesquisa, desenvolvimento
tecnológico e inovação.
O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científca, desde o fnal da década de oitenta
possibilita a efetividade do objetivo da UFPR: aumentar a participação dos graduandos na produção do co-
nhecimento, a fm de desenvolver habilidades para a atividade de pesquisa e contribui efetivamente para a
formação de novos pesquisadores. A bolsa de Iniciação Científca, no Brasil, é uma modalidade existente no
CNPq desde a sua criação em 1951. Esta modalidade de bolsa representa a inserção do aluno na pesquisa
e oportuniza melhor qualifcação profssional e está voltada para o conhecimento científco e tecnológico.
Uma das exigências deste programa é a realização de um seminário fnal para avaliação dos resultados das
pesquisas realizadas durante um ano.
Na UFPR o primeiro seminário denominado Evento de Iniciação Científca (EVINCI) na UFPR, foi
realizado em 1993 com apresentação de 317 trabalhos da  UFPR e de outras instituições. Representou um
marco, pois a partir daquele ano o evento se tornou uma ocasião importante, porque além de estabelecer
um espaço para socializar o resultado das atividades de pesquisa de alunos e professores, propicia ainda a
troca de experiências entre os vários setores da Universidade. Nestes 17 anos foram abordados múltiplos
temas incitando o interesse em muitos alunos pela pesquisa, mediante o incentivo do programa.
Neste sentido, o EVINCI, e junto com o EINTI desde 2008, constituem um cenário institucional que
mostra a participação efetiva dos discentes e docentes e as possibilidades concretas de vínculos tácitos entre
o ensino, a pesquisa e a extensão. Neste ano, de 2010 será possível acompanhar mais de 1.200 trabalhos
que serão apresentados e avaliados por bancas compostas pelos professores e pós-graduandos da própria
UFPR, resultado do empenho dos comitês setoriais de pesquisa e do comitê assessor de iniciação científca,
que participam de todas as etapas que se iniciam com a seleção dos bolsistas, e terminam com a avaliação
dos resumos e relatórios do Programa, bem como do acompanhamento e apoio às atividades durante a
realização do evento.
A avaliação dos Programas de Iniciação Científca e Iniciação ao Desenvolvimento Tecnológico e
Inovação também é realizada por um Comitê Externo que é composto, preferencialmente, por bolsistas
produtividade do CNPq, e estes tem no EVINCI/EINTI a oportunidade de assistir e acompanhar a evolução
dos trabalhos aqui desenvolvidos pelos nossos bolsistas e orientadores.
Neste ano de 2010 serão apresentados 1259 trabalhos, com um aumento progressivo de inscritos
que refete o esforço coletivo para a melhoria e expansão do Programa na UFPR e, que nos últimos anos, foi
impulsionado pelo quantitativo de bolsas disponibilizadas aos alunos tanto pela UFPR, quanto pelo CNPq
e Fundação Araucária, nos diversos programas. Percebe-se o número crescente de trabalhos de Desenvolvi-
mento Tecnológico e de Inovação, cujo programa este ano teve um acréscimo de 150% de bolsas fornecidas
pelo CNPq, resultado do incentivo governamental para esta modalidade de pesquisa.
O livro de resumos do 18º EVINCI e 3º EINTI está separado em duas partes e foi publicado respei-
tando-se as divisões das áreas do CNPq. Estão ordenados por ordem alfabética dos departamentos e dos
nomes dos alunos, sendo: Ciências Exatas e da Terra (206 alunos EVINCI e 05 EINTI); Ciências Biológicas (177
alunos EVINCI e 09 EINTI), Engenharias (124 alunos EVINCI e 12 EINTI); Ciências da Saúde (186 alunos EVINCI
e 06 EINTI); Ciências Agrárias (246 alunos EVINCI e 08 EINTI); Ciências Sociais Aplicadas (69 alunos EVINCI);
Ciências Humanas (180 alunos EVINCI e 01 EINTI) e Linguistíca, Letras e Artes (29 alunos EVINCI e 01 EINTI).
Estes resumos foram avaliados pelos Comitês setoriais quanto a sua forma e seguem padrões aceitos pela
comunidade científca.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
12
A Coordenação de Iniciação Científca e Integração Acadêmica da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-
Graduação agradece aos membros dos Comitês Setoriais de Pesquisa, a Comissão de Iniciação científca, os
membros do Comitê Assessor de Pesquisa, aos membros dos Comitês externos de avaliação, aos consultores
ah hoc e a todos que avaliaram relatórios, resumos e projetos de pesquisa. A Instituição destaca e agradece
aos orientadores sem os quais os Programas Institucionais de Iniciação Científca e de Iniciação em Desen-
volvimento Tecnológico e Inovação não teriam sucesso
Agradecemos, ainda, a todos aqueles que deram apoio fnanceiro para a realização destes eventos,
aos parceiros das Pró-Reitorias de Extensão e Cultura e de Graduação para o sucesso da Segunda SIEPE.
Prof. Dr. Sergio Scheer
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Profa. Dra. Maria de Fátima Mantovani
Coordenadora de Iniciação Científca e Integração Acadêmica
A tabela abaixo mostra a evolução destes Programas Institucionais (PIBIC e PIBITI) ocorrida nos últimos sete anos, bem
como a quantidade de bolsas advindas das diferentes fontes de fomento para a UFPR. Também se percebe o crescente
número de alunos inscritos como voluntários no programas, bem como o número de trabalhos apresentados nos eventos
EVINCI e EINTI ao longo desses anos.
Edital
Bolsas
CNPq
Bolsas
Fundação
Araucária
Bolsa UFPR/
TN
Alunos
Voluntários
Trabalhos apresentados
no EVINCI/EINTI
PIBIC
2004/2005 289 130 80 13º EVINCI-737
2005/2006 289 130 104 14º EVINCI- 929
2006/2007 309 130 121 15º EVINCI- 971
2007/2008 309 160 225 16º EVINCI- 1046
2008/2009 319 64 + 60AF 160 376 17º EVINCI- 1142
2009/2010 339 + 2AF 70 + 60AF 200 467 18º EVINCI- 1259
2010/2011 370 + 25AF 60AF 235 529 A ocorrer em 2011
PIBITI
2007/2008 10 07 1º EINTI - 10
2008/2009 15 08 2º EINTI - 17
2009/2010 15 20 39 3º EINTI - 42
2010/2011 55 05 02 A ocorrer em 2011
Legenda
AF: Ações Afrmativas
PIBIC: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científca
PIBITI: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
EVINCI: Evento de Iniciação Científca
EINTI: Evento de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
Sumário
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
15
SUMÁRIO
APRESENTAÇAO .................................................................................................................................................................... 11
PIBIC
CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA ................................................................................................................................... 19
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS .................................................................................................................................................. 125
ENGENHARIAS .................................................................................................................................................................. 217
CIÊNCIAS DA SAÚDE ...................................................................................................................................................... 283
CIÊNCIAS AGRÁRIAS ....................................................................................................................................................... 379
CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS .................................................................................................................................. 505
CIÊNCIAS HUMANAS ...................................................................................................................................................... 543
LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES .................................................................................................................................. 637
PIBITI
CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA TERRA .............................................................................................................................. 657
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS .................................................................................................................................................. 663
ENGENHARIAS .................................................................................................................................................................. 671
CIÊNCIAS DA SAÚDE ...................................................................................................................................................... 681
CIÊNCIAS AGRÁRIAS ....................................................................................................................................................... 687
CIÊNCIAS HUMANAS ...................................................................................................................................................... 695
LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES .................................................................................................................................. 699
ÍINDICE DE AUTORES E ORIENTADORES .................................................................................................................. 703
PIBIC
Ciências Exatas
e da Terra
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
20
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
21
O bycatch pode ser definido como os organismos capturados incidentalmente junto com as capturas-alvo. Trata-se de um dos principais
problemas do manejo pesqueiro contemporâneo. É gerado por uma diversidade de técnicas de captura, sendo o arrasto de portas uma das
mais impactantes, tendo em vista a baixa seletividade e a alta proporção de bycatch em relação à espécie-alvo, comprometendo juvenis de
peixes, crustáceos e invertebrados. O presente trabalho realizou através de coletas experimentais, uma avaliação da composição e a estrutura
em tamanho e peso da captura incidental na pesca do camarão sete-barbas (Xiphopenaeus kroyeri) com arrastos de porta e canoa motorizada.
Para avaliar a composição da ictiofauna do bycatch, em parceria com os pescadores do balneário de Barrancos, de julho de 2008 até abril de
2009 foram realizados 12 arrastos mensais, com redes do tipo “manga seca”, na plataforma continental interna rasa em frente ao município
de Pontal do Paraná, Paraná, Brasil. Foram capturados 1.082.990 g de peixes, camarão, siris e caranguejos. Deste total 327.090 g foi de
peixes e 576.210 g de camarão, cuja relação média em peso de camarão: peixes foi de 1:0,57. A maior captura média de peixes ocorreu em
março (6.408,33 g) e a menor em agosto (1.075 g). Para o camarão, a maior captura foi em janeiro (10.625 g) e a menor ocorreu em outubro
(1.272,5 g). Em relação à ictiofauna do bycatch, no total 26.743 peixes foram capturados distribuídos em 27 famílias e 68 espécies. Um
maior número de peixes foi coletado no mês de março, correspondendo a 5920 indivíduos, ao passo que o mês de setembro teve a menor
captura, correspondendo a 780 indivíduos. As famílias que apresentaram maior riqueza de espécies foram Sciaenidae (18); Carangidae (6);
Ariidae (5) e Achiridae, Engraulidae e Paralichthyidae (4). Somente as famílias Sciaenidae e Carangidae representaram 80% da captura
total. As espécies Stellifer rastrifer, Selene setapinnis, Stellifer brasiliensis, Larimus breviceps, Paralonchurus brasiliensis e Cathorops
spixii foram dominantes em número de indivíduos, representando 80% da captura total, sendo que a captura de Stellifer rastrifer e Selene
setapinnis correspondeu a 44% da captura total. Conclui-se que a ictiofauna do bycatch da plataforma interna rasa do litoral paranaense é
dominada por peixes demersais, na maioria pertencentes a família Sciaenidae.
BYCATCH DE PEIXES NA PESCA DE CAMARÃO EM PONTAL DO PARANÁ, PARANÁ
Aluno de Iniciação Científca: Andréia Schwingel (Programa- PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021254
Orientador: Henry Louis Spach Co-Orientador: André Pereira Cattani
Colaborador: Lilyane de Oliveira Santos (Mestre) e Bianca Budel (Estagiária)
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: bycatch, pesca de arrasto, ictiofauna.
Área de Conhecimento: 1.08.01.00-6 - Oceanografa Biológica
0001
A espécie Anomalocardia brasiliana (Gmelin,1791), conhecida como berbigão, pertence à família Veneridae, possui alto valor nutricional,
características eurihalinas, euritérmicas e resistente à deficiência de oxigênio. São tradicionalmente consumidos pelas populações litorâneas
e comercializados nos grandes centros urbanos o que, em conseqüência, acarreta uma grande exploração dos bancos naturais diminuindo
os estoques da espécie. Estudos sobre sua reprodução virão trazer subsídios para a exploração sustentável do recurso e o estabelecimento
do cultivo de maneira controlada. O objetivo deste trabalho é estudar experimentalmente a influência da presença ou ausência do substrato
na reprodução de A. brasiliana. Para efetuar o experimento 300 espécimes foram coletados de um baixio entremarés não vegetado,
com declividade pouco acentuada e sedimento areno-lodoso, localizado na Ilha dos Papagaios (25°32’S; 48°26’W). O experimento foi
executado durante quatro semana em 6 tanques de 100 litros cada, com fluxo contínuo de água e recirculação de 4 vezes o volume ao dia.
O alimento utilizado no experimento foram as microalgas Isochrysis galban e Chaetoceros calcitrans. Em cada tanque foram distribuídos
50 animais com tamanho entre 15 e 35 mm de comprimento. A metade dos tanques continha 8 Kg de sedimento areno-lodoso desfaunado e
os demais sem sedimento. Em cada tanque foram coletados 10 exemplares a partir da segunda semana do experimento, estes foram pesados,
identificados por sexo e repleção das gônadas (cheio, parcialmente cheio, parcialmente vazio e vazio) e colocados em estufa a 60°C por
48 h para determinar os índices de condição e rendimento da carne. As análises estatísticas empregadas foram freqüência relativa para
sexo e repleção das gônadas e uma análise de variância (ANOVA) para índice de condição e rendimento da carne. A proporção sexual foi
de 1 : 1,2 (80 fêmeas=45,45% e 96 machos=54,54%), os resultados do índice gonadal indicaram indivíduos com gônadas cheias (50%),
parcialmente cheias (39,20%) e parcialmente vazias (10,80%). Não houve diferença significativa quanto à presença de substrato para a o
índice de condição (F=0,04; p=084) e rendimento da carne (F=0,14; p=0,70), mas foi verificada uma desova mais precoce nos organismos
dos tanques com sedimento. Verificou-se ainda a influência da elevação da temperatura no estímulo para a desova.
DETERMINAÇÃO DO PERÍODO REPRODUTIVO DO BERBIGÃO Anomalocardia brasiliana EM
AMBIENTE NATURAL DA BAÍA DE PARANAGUÁ E SUA CORRELAÇÃO COM A VARIAÇÃO SAZONAL
DOS PARÂMETROS AMBIENTAIS.
Aluno de Iniciação Científca: Augusto Luiz Ferreira Junior (PIBIC/CNPq).
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022570
Orientador: Theresinha Monteiro Absher Colaborador: Ana P. Baldan (Pesquisadora/CPPOM-PUC), Susete W. Christo (Pesquisado-
ra/UEPG), Rafaela M. Gonçalves (Técnico/ CPPOM-PUC).
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra.
Palavras-chave: berbigão, reprodução e maturação.
Área de Conhecimento: Oceanografa Biológica - 1.08.01.00-6
0002
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
22
O aquecimento diferencial da superfície terrestre cria gradientes de pressão geradores dos ventos. O comportamento do vento varia no tempo
e no espaço, devido à interação entre inúmeros fatores como relevo, rugosidade da superfície e sistemas atmosféricos. No Estado Paraná as
direções predominantes de ventos variam entre os quadrantes Nordeste-Sudeste. No litoral paranaense o sistema atmosférico é controlado
na maior parte do ano, pelo Anticiclone do Atlântico Sul, as massas polares são mais atuantes no inverno e a tropical atlântica no verão.
O objetivo desse trabalho é investigar a variabilidade da direção e velocidade do vento em escalas anual, sazonal e diário, contribuindo
para a melhor compreensão da circulação atmosférica e oceânica na região. Para isso utilizou-se 10 anos de dados horários (1999-2009)
provenientes da estação meteorológica localizada próxima a desembocadura sul da Baia de Paranaguá, administrada pelo Centro de Estudos
do Mar. A média da velocidade do vento para os dez anos foi de 3,2 m/s, com os ventos dos quadrantes Sul - Leste representando 52% do
total de observações. A variabilidade anual do vento mostra valores mínimos de velocidade no mês de julho, da ordem de 2,4 m/s. Neste
período, os ventos predominantes de Sul, Sudeste e Sudoeste representam 18%, 14% e 12%, respectivamente, do total e estão associados
a uma maior frequência de frentes frias. O valor máximo médio da velocidade do vento encontra-se no mês de novembro, da ordem de
4,1 m/s. As intensidades maiores nos meses de maior aquecimento mostram a influência do contraste de aquecimento diferencial oceano-
atmosfera no valor do vento sinótico mensal. Neste período, o vento predominante é de Leste e Sudeste cuja frequência representa 43%
do total, provavelmente associados ao anticiclone do Atlântico Sul e a brisa marítima. Quando separados em períodos diurnos e noturnos,
observa-se que, para os ventos diurnos, as direções Este, Sul e Sudeste são predominantes e representam 60% do vento total enquanto que
para o período noturno a distribuição de frequência é melhor distribuída. Quanto à análise das componentes zonal e meridional do vento
observa-se que as componentes sul e leste predominam em todas as estações. Suporte Financeiro: UFPR-TN, CNPq.
CICLO DIURNO DA ATMOSFERA NA REGIÃO DE PONTAL DO PARANÁ.
Aluno de Iniciação Científca: Elaine Aparecida de Oliveira (Programa- UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023575
Orientador: Marcelo Dourado
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciência da Terra
Palavras-chave: Vento, Estação Costeira, Paraná
Área de Conhecimento: Oceanografa Física- 1.08.02.00-2
0004
Historicamente, a aquisição de dados oceanográficos se faz através de medições in situ, fornecendo informações precisas e pontuais. Mas,
devido à necessidade de um maior entendimento dos processos costeiros e oceânicos em escalas espaço-temporal, como por exemplo, a
circulação oceânica, estimativas de abundância fitoplanctônica, o uso de imagens de satélites se tornou uma ferramenta viável e imprescindível
nesses estudos. Uma das maiores aplicabilidades desta técnica está relacionada ao conceito de cor do mar, ao qual se obtém informações
sobre os constituintes ópticos da água do mar. Visto a viabilidade do uso de imagens do sensor MODIS, abordo do satélite Aqua, fez-se a
necessidade de uma validação dessas imagens sobre a área de estudo através de comparações com dados de campo, sendo este o objetivo do
trabalho. Foram realizados 6 transectos embarcados pela Baía de Paranaguá e plataforma adjacente, sempre no período da tarde, coincidindo
com o horário de passagem do satélite, coletando dados hidrográficos e amostras de água para análise laboratorial dos constituintes ópticos
da água do mar. Além do processamento de cerca de 60 imagens, das mais de 400 disponíveis neste período sobre a região, para alimentação
do banco de dados digital. Os transectos ocorreram entre os meses de novembro do ano passado até junho deste ano. Devido a dificuldades
metodológicas e interpretativas, os dados dos constituintes ópticos extraídos em campo ainda não foram comparados mais detalhadamente
com os do satélite, mas verificou-se o esperado e indicado nas imagens, maior absorção de fitoplâncton e material particulado dentro do
estuário e nas regiões próximas a desembocadura. Com relação aos dados hidrográficos, deu-se maior atenção a temperatura da superfície
do mar (SST), com 4 transectos apresentando dados comparativos a imagens adquiridas no mesmo dia das coletas de campo. Os dados de
campo tiveram uma variação de no máximo 2°C entre os pontos em uma mesma coleta, enquanto os de satélite chegaram a variar 8°C na
primeira coleta, já nas demais estiveram perto do padrão gerado em campo. Essa variação, com dados próximos e também discrepantes aos
de campo pode indicar possível movimentação das massas d água, como entradas de pequenos vórtices, uma vez que poucos pontos são
coletados no mesmo horário da passagem do satélite, ou simplesmente a presença de nuvens que distorcem os dados. Um maior número
de transectos e a comparação dos constituintes ópticos darão uma proporção da real relação entre os dados.
COMPARAÇÃO DE DADOS HIDROGRÁFICOS DA PLATAFORMA RASA DO PARANÁ MEDIDOS IN
SITU COM DADOS OBTIDOS POR SATÉLITE.
Aluno de Iniciação Científca: Eduardo Andreus Meglin Stein (Programa- PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022421
Orientador: Maurício Almeida Noernberg
Colaborador: Bruno Martini Moreira
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Complexo Estuarino de Paranaguá, MODIS, SST.
Área de Conhecimento: 1.08.02.00-2 - Oceanografa Física
0003
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
23
Os estuários são corpos aquosos de transição entre o oceano e o continente, sendo reconhecidamente ambientes com importância ecológica,
já que servem como fonte de nutrientes para os oceanos, área de alimentação, abrigo e reprodução para diversas espécies. No Estado
do Paraná o Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) destaca-se pela extensão (612 km
2
), áreas de preservação ambiental e constantes
atividades portuárias. Este estudo consiste nos trabalhos preliminares de reconhecimento de porções rasas no CEP, de forma a detectar
locais propícios a ocorrência de áreas de alimentação para tartarugas marinhas (Chelonia mydas), associadas às características físicas de um
ambiente estuarino (granulometria, batimetria, declividade do substrato e posição geográfica). Neste contexto o objetivo deste trabalho é
caracterizar a granulometria dos sedimentos de fundo da área, dando inicio a construção de um banco de dados a ser integrado a informações
ecológicas, com o auxílio de técnicas de geoprocessamento. O local escolhido é conhecido localmente como “Baixio do Perigo”, onde
a principal influencia hidrodinâmica ocorre em decorrência da ação de correntes de marés, a batimetria é rasa e são observadas extensas
áreas cobertas por grama marinha (H. wrightii). Os trabalhos de campo foram planejados para uma freqüência sazonal, resultando em uma
comparação de cenários, onde são amostrados parâmetros físicos e ecológicos. A caracterização granulométrica da primeira campanha de
campo foi efetuada pela coleta e análise de 20 amostras sedimentares, as quais foram submetidas aos processos de peneiramento e pipetagem,
e a quantificação, por ataque químico, dos teores de matéria orgânica e carbonatos contidos. De uma forma geral, predominaram as areias
finas, entretanto com ocorrências menos freqüentes que variaram entre as areias muito finas e médias. O grau de seleção granulométrica
variou de sedimentos pobremente a muito pobremente selecionados enquanto que foram observados teores de carbonatos entre 1,4 e 23,4
% e matéria orgânica entre 1,2 e 3,7 %. Estes resultados foram comparados com a distribuição das características granulométrica mais
ampla do CEP, a qual concerne ao respectivo projeto guarda-chuva, possibilitando assim uma análise preliminar de áreas de enfoque para
o decorrer dos trabalhos.
Este trabalho tem como objetivo avaliar a densidade, abundância e variação temporal das comunidades zooplanctônicas e a viabilidade na
produção de ovos de copépodes na zona de arrebentação da praia de Pontal do Sul, no litoral do Paraná. Esta praia apresenta características
de uma praia mais protegida das ações das ondas, com estreita zona de arrebentação e ondas que não passam de um metro. As amostragens
foram realizadas quinzenalmente com uma rede cilindro-cônica de 1,5 m de comprimento, 0,5 m de diâmetro e malha de 300 μm, equipada
com fluxômetro para cálculo do volume filtrado. Os arrastos foram efetuados em frente ao Centro de Estudos do Mar (CEM) por duas
pessoas puxando a rede na zona de arrebentação interna numa profundidade média de 1,2 m em arrastos de aproximadamente 2 min. Em
laboratório foi realizada a triagem para identificação a nível específico sob microscópio esteroscópico. As principais espécies registradas
foram Acartia lilljeborgi, Acartia tonsa e a invasora Temora turbinata. A espécie Temora turbinata foi dominante apresentando densidade
máxima de 102 ind m
-3
na coleta do mês de junho, enquanto as espécies Acartia lilljeborgi e Acartia tonsa apresentaram densidades mínimas
de 0,4 ind m
-3
e 0,3 ind m
-3
, respectivamente, na coleta do mês de março. Através destes resultados preliminares nota-se que a espécie
invasora Temora turbinata está dominando o zooplâncton desta área, o que também ocorre em outras regiões. Os experimentos para avaliar
a produção secundária estão em andamento.
CONSIDERAÇÕES SOBRE OS SEDIMENTOS DE FUNDO DAS PORÇÕES RASAS DO COMPLEXO
ESTUARINO DE PARANAGUÁ
VARIAÇÃO TEMPORAL DA BIODIVERSIDADE, ABUNDÂNCIA E PRODUÇÃO SECUNDÁRIA DO
ZOOPLÂNCTON EM PONTAL DO SUL, PR.
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Ricardo de Freitas (Fund. Araucária – Ações Afrmat.)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023532
Orientador: Dr. Marcelo Renato Lamour
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: caracterização sedimentar
Área de Conhecimento: Oceanografa Geológica – 1.08.04.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Fernanda Pereira de Felipe (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023681
Orientador: Prof. Dr. José Guilherme Bersano Filho
Colaborador: Renata Michelli de Grassi (ESTAGIÁRIA)
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Zona de arrebentação, zooplâncton, variação temporal.
Área de Conhecimento: 1.08.01.00-6
0005
0006
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
24
O Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP; 25°30’S - 48°25’W) está localizado no litoral paranaense e configura um importante habitat
à biodiversidade, com atividades portuárias desenvolvidas no seu eixo E-W. O eixo N-S corresponde a uma área com enseadas e baías de
pequeno porte contornadas por unidades de conservação. Estes ambientes apresentam uma interação entre a ação antrópica, a hidrodinâmica
e os sedimentos de fundo, o que pode implicar em mudanças das suas características geomorfológicas ao longo do tempo. Desta forma,
torna-se necessário o monitoramento destas mudanças com a aquisição de novos dados, já que os sedimentos de fundo são a base para a
fixação de formas de vida e destino de contaminantes. Este trabalho tem como objetivo verificar as mudanças ocorridas nas características
granulométricas dos sedimentos de fundo no CEP, entre os anos de 1966 e 2009, complementando o conhecimento a respeito das suas
características sedimentológicas. Os dados granulométricos pretéritos foram classificados por cronologia, sendo agregados em conjuntos
correlatos (1966, 1995 e 2009). Posteriormente, foram elaborados os respectivos mapas temáticos das características granulométricas
(diâmetro médio, grau de seleção, assimetria e curtose). Os mapas foram comparados digitalmente com o intuito de verificar as possíveis
mudanças nas características sedimentares entre os conjuntos de dados, gerando produtos derivados do geoprocessamento indicando áreas
onde houve aumento, redução e manutenção das características estudadas. As análises mostraram mudanças no tamanho de grão e no grau
de seleção do eixo E-W na comparação entre os anos de 1966/1995 e 1995/2009. Na região de Antonina, entre os anos de 1966/1995, os
sedimentos, em geral, engrossaram de areia fina para areia média e entre os anos de 1995/2009 de areia média para areia grossa. Entretanto,
na região de Paranaguá, entre os anos de 1966/1995, o diâmetro médio variou de silte grosso para areia muito fina e entre 1995/2009 os
sedimentos voltaram a classe silte grosso. Na região próxima a Ilha Rasa da Cotinga, tanto na comparação do diâmetro médio quanto do
desvio padrão e entre os anos de 1966/1995 e 1995/2009, ocorreu manutenção das características granulométricas. Os fatores principais que
podem ter contribuído para essas mudanças nas características sedimentológícas do CEP são: circulação estuarina, produção de sedimentos
associada à pluviosidade o que pode potencializar o transporte de finos para a região de Paranaguá, além dos diferentes métodos utilizados
nas análises dos conjuntos de dados.
O município de Pontal do Paraná (25°45’S/48°30’W) está localizado na porção central do litoral paranaense, delimitado a norte pela
desembocadura do Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) e a sul pelo município de Matinhos. Configura uma região de grande importância
ecológica por comportar áreas de proteção permanente como restingas e manguezais. O CEP apresenta intensa atividade portuária, com praias
adjacentes à sua desembocadura, as quais podem ser caracterizadas pelas acentuadas variações de forma resultantes do transporte sedimentar
longitudinal. O objetivo deste trabalho é analisar a composição granulométrica e mineralógica das praias adjacentes a desembocadura do
CEP, como subsídio a compreensão dos processos deposicionais vigentes. Os trabalhos de campo consistiram na coleta de amostras de
sedimentos em 50 pontos espaçados em 500 m, dos quais, 25 estão dispostos em perfis normais a costa com coletas realizadas em três
níveis diferentes da praia (zona de espraiamento, porção intermediária e duna frontal) e outros 25 pontos onde foram amostrados apenas os
sedimentos da zona de espraiamento, perfazendo 100 amostras. As análises granulométricas foram realizadas pelo método convencional de
peneiramento, enquanto que a separação dos minerais pesados será realizada pelos contrastes de densidade entre minerais pesados e leves
mergulhados em Bromofórmio (CHBr
3
). Nesta fase dos trabalhos, foram determinadas as características granulométricas dos sedimentos
como etapa preparatória para a separação dos minerais pesados. Posteriormente a estes processos, serão confeccionadas lâminas delgadas
para a análise quali-quantitativa dos minerais pesados por microscopia petrográfica. No geral, o diâmetro médio dos grãos corresponde à
areias finas, entretanto foram verificadas mudanças locais neste padrão associadas às extremidades S e N da área de estudo. Nas porções
sul e central da área de estudo foram observadas ocorrências de areias médias na zona de espraiamento. Na extremidade N as praias sob
influencia de desembocadura apresentaram areias muito finas na zona média do perfil praial. O grau de seleção dos sedimentos variou
de moderadamente a muito bem selecionado ao longo de toda a área de estudo, contudo predominaram os sedimentos bem selecionados.
Entretanto, a região próxima à desembocadura do CEP apresenta um padrão de piora do grau de seleção entre a zona de espraiamento (bem
selecionado) e a duna frontal (muito bem selecionado).
CARACTERIZAÇÃO SEDIMENTAR DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ (PR)
MINERAIS PESADOS NO LITORAL DO PARANÁ: CONSIDERAÇÕES SOBRE A COMPOSIÇÃO
MINERALÓGICA DE UM ESTUÁRIO
Aluno de Iniciação Científca: Juliane Castro Carneiro (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023532
Orientador: Dr. Marcelo Renato Lamour
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: granulometria, sedimentologia, banco de dados.
Área de Conhecimento: Oceanografa Geológica - 1.08.04.00-5             
Aluno de Iniciação Científca: Larissa Cristina Alves (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023532
Orientador: Dr. Marcelo Renato Lamour
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: granulometria, praias de desembocadura.
Área de Conhecimento: Oceanografa Geológica - 1.08.04.00-5
0007
0008
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
25
A partir da implementação de um modelo numérico tridimensional, com dados orbitais termais superficiais para a Costa Sudeste Brasileira,
foram analisados 730 campos de velocidade e de temperatura superficiais, resultantes de uma simulação de dois anos de dados (2006 e
2007). O objetivo desse trabalho foi identificar a frente térmica da Corrente do Brasil, (CB) a qual indica a região de maior variação da
temperatura no espaço, e compará-la com o núcleo de velocidade da própria corrente, sendo este núcleo por sua vez, a região de ocorrência
de eventos extremos, como vórtices e meandros. O modelo implementado foi o Regional Ocean Model System (ROMS), pela equipe da
Divisão de Projetos Oceânicos (IEAPM - Marinha do Brasil). Para a geração dos resultados foi utilizada a metodologia de indicação de
frentes térmicas, chamada de módulo quadrático do gradiente, artifício que facilita a visualização dessas regiões pelo forte contraste em
escala de cinza. Posteriormente, o núcleo de velocidade foi digitalizado manualmente, verificando as regiões onde a CB é mais intensa,
representada pelos maiores vetores de velocidade. As duas curvas digitalizadas foram então visualmente comparadas e médias setoriais
das distâncias normais entre elas foram tomadas. Devido à mudança de orientação da costa sudeste brasileira, a localização de três setores
foi estabelecida acompanhando a posição geográfica da curva no tempo, conforme o sentido Leste-Oeste ou Norte-Sul. Os resultados
deste trabalho estão sendo analisados e inicialmente observa-se uma frente térmica bem próxima da CB, acompanhando-a fielmente nos
setores 1 e 3, no sentido N-S. Porém no sentido L-O, a corrente perde intensidade e meandra ocasionalmente, e a sua frente térmica perde
o sinal, pela homogeneidade da temperatura no local, sendo identificada em isóbatas acima da plataforma continental, onde a CB não flui
em sua totalidade. Coube ao observador estimar visualmente o link entre os dois setores, acompanhando a corrente, o que resulta em uma
digitalização por vezes sem precisão, porém coerente. Muitas vezes a frente térmica da corrente pode ser confundida com a de ressurgência
costeira, que ascende águas frias de fundo, fluindo do Cabo Frio (22°S) ao largo de São Sebastião (23°S), se destacando nos resultados do
modelo, em isóbatas inferiores à 200 m. A estimativa visual de frentes térmicas têm sido questionada quanto à fidelidade em se digitalizar
feições oceanográficas a partir do conhecimento de um observador treinado, ao invés de automatizar um método. Neste trabalho ficou
claramente demonstrado que a automatização facilita, porém não substitui por completo a acurácia da digitalização manual. Por outro lado,
a implementação de um modelo que simula correntes e feições associadas, torna-se uma grande ferramenta de análise, quando da falta de
dados oceanográficos de boa resolução espacial em meso e grande escala.
Denomina-se micorriza a associação mutualística entre fungos da ordem Glomales e raízes de grande parte das espécies vegetais atuais.
Esses fungos produzem uma estrutura chamada arbúsculo, responsável pelo intercâmbio bidirecional de moléculas importantes: nitrogênio e,
principalmente, fósforo para a planta e carboidratos para o fungo. Embora os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) sejam indispensáveis
para a maior parte das espécies vegetais, seus padrões de distribuição ainda permanecem pouco conhecidos no litoral brasileiro, com
exceção de trabalhos realizados nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Com o objetivo de quantificar a variação na abundância
e composição dos FMAs em escalas espaciais distintas ao longo de gradientes a partir do supra-litoral, em dois balneários de Pontal do
Paraná, amostras foram coletadas nas rizosferas de Spartina ciliata em três praias de morfodinâmicas distintas. Em cada praia, três transectos
perpendiculares à linha da costa foram medidos a partir da duna frontal até a duna fixa. Cada transecto possui um ponto em cada duna e
cada ponto possui três réplicas, totalizando em 54 amostras. Além disso, uma amostra para quantificar os teores de N e P foi coletada em
cada ponto, totalizando 18 amostras. Em laboratório, os esporos foram extraídos através de peneiramento úmido, centrifugados em um
gradiente de sacarose (20% e 60%) e contatos sob microscópio estereoscópico. As análises de fósforo e nitrogênio no sedimento foram
realizadas no Laboratório de Biogeoquímica do Centro de Estudos do Mar da UFPR. A composição e abundância dos esporos foram
analisadas através de uma ANOVA de modelo misto. As análises univariadas para os táxons dominantes (Gigaspora albida, Scutellospora
scutata, Scutellospora gregaria, Acaulospora scrobiculata e Glomus sp. ) mostraram que a interação de dunas com transectos aninhados
em praias foi a mais significativa, ou seja, os padrões de diferenças entre as dunas ocorrem em escalas menores do que reportadas em
diversos artigos. As análises multivariadas (nMDS, PERMANOVA), também revelaram que a estrutura da comunidade fúngica diferiu na
interação duna com transecto. Portanto, este trabalho confirma a necessidade de incorporar diferentes escalas espaciais em delineamentos
que pretendem avaliar a distribuição de fungos micorrízicos, uma vez que as diferenças encontradas estavam em menores escalas que as
usualmente utilizadas em trabalhos anteriores. Suporte financeiro: CNPq/UFPR, PIBIC.
RELAÇÃO ENTRE A FRENTE TÉRMICA E O NÚCLEO DE VELOCIDADE MÁXIMA DA CORRENTE
DO BRASIL NA COSTA SUDESTE BRASILEIRA
DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES EM RESTINGA DE
PONTAL DO PARANÁ, PARANÁ, BRASIL.
Aluno de Iniciação Científca: Larissa Patricio Valério
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021334
Orientador: Eduardo Marone
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: , Corrente do Brasil, frentes térmicas, Costa Sudeste Brasileira.
Área de Conhecimento: Oceanografa Física
Aluno de Iniciação Científca: Manuela Santos Santana
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021268
Orientador: Hedda Elisabeth Kolm
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: fungos micorrízicos arbusculares, vegetação costeira, distribuição espacial.
Área de Conhecimento: 2.05.02.00-1
0009
0010
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
26
A cidade de Paranaguá apresenta um dos maiores índices demográficos do litoral do Paraná, diversas indústrias e o maior porto graneleiro
da América Latina. O sistema de coleta e tratamento de esgoto é deficiente, fazendo com que a maior parte dos resíduos da cidade seja
despejada diretamente nos rios que a circundam, alcançando o sub-estuário da Cotinga, (localizado entre 25º30’-25º32’S e 48º28’-48º44’W)
e podendo ser transportados para mar aberto. Esse dejeto é composto por material fecal, metais, resíduos sólidos e uma grande variedade
de poluentes orgânicos, como, por exemplo, hidrocarbonetos que, além de estarem presentes na constituição da matéria orgânica de origem
vegetal e animal, fazem parte da composição do petróleo e seus derivados, podendo causar sérios danos para o ecossistema. O objetivo
deste trabalho é avaliar a distribuição de hidrocarbonetos do petróleo que chegam ao sub-estuário no entorno da cidade de Paranaguá. Para
isso, 11 amostras coletadas em pontos distintos desse local foram extraídas em Soxhlet por 8 horas, purificadas em coluna de adsorção
e analisadas em cromatógrafo gasoso equipado com detector de ionização de chama (GC-FID). A concentração dos hidrocarbonetos
alifáticos totais variou entre 0,187 e 2220,5 µg.g
-1
, com a maior concentração sendo encontrada próxima ao Porto de Paranaguá. O Índice
Preferencial de Carbono (IPC) e a razão entre a mistura complexa não resolvida (MCNR) e o somatório dos hidrocarbonetos alifáticos
resolvidos indicaram que a maioria dos pontos analisados apresenta matéria orgânica predominantemente de origem petrogênica, exceto
os pontos controle, localizados na parte mais interior do sub-estuário, que indicaram predomínio de matéria orgânica biogênica. As razões
pristano/fitano, pristano/n-C
17
e fitano/n-C
18
indicaram que todos os pontos amostrados apresentam hidrocarbonetos de origem antrópica,
sendo que em 10 deles, as introduções são classificadas como de origem recente. O ponto mais próximo ao Porto de Paranaguá apresentou
concentrações de hidrocarbonetos alifáticos totais, típicas de contaminação por hidrocarbonetos (> 500 µg.g
-1
), bem como todos os índices
de avaliação que foram calculados sugerem a presença de óleo já degradado, o que pode ser explicado por sofrer influência direta dos
rejeitos das atividades realizadas neste local.
Neste estudo, testamos a hipótese de que a distribuição vertical das populações de nematóides da região entre-marés de um baixio subtropical
(Baia de Paranaguá, Brasil) é determinada pelas estratégias de alimentação prevalecentes. Foram coletadas quatro réplicas com corers
de 2,5 cm de diâmetro até a profundidade de 5 cm (seccionadas em estratos de 0,5 cm) em cada uma de três áreas de 1 m
2
escolhidas de
forma aleatória no baixio da Ilha dos Papagaios. As variações na distribuição vertical da abundância de nematóides e da concentração de
clorofila-a foram relacionadas com alterações no substrato durante um ciclo de maré misto semidiurno (T1, período imediatamente após a
exposição; T2, quatro horas após T1, ainda exposto; T3 seis horas após T1, no inicio da maré enchente). Apesar das diferenças significativas
na densidade de nematóides, a resposta das espécies foi similar entre as áreas. Pudemos observar um padrão geral de migração para camadas
mais profundas do sedimento entre T1 e T2, com um aumento da densidade em função da profundidade do sedimento, provavelmente em
resposta ao aumento da dessecação e da temperatura. Os padrões de distribuição vertical não diferiram significativamente entre T2 e T3,
o que sugere uma resposta relativamente lenta à inundação. As estratégias de alimentação foram determinantes para a distribuição vertical
relativa do comedor de epistrato (2A) Metachromadora sp., conhecido por seu comportamento letárgico, que migrou em direção ao fundo
(p<0,006) provavelmente seguindo o microfitobentos. Contudo, as espécies comedoras de deposito seletivas (1A) numericamente dominantes,
Terschellingia longicaudata e Spirinia parasitifera, responderam de maneira diferenciada à exposição. A primeira é mais ativa e migra para
camadas mais profundas (p<0,002), enquanto a segunda, menos ativa, não demonstrou movimentação vertical e permaneceu nas camadas
subsuperficiais do sedimento (p=0,228). Os resultados apóiam apenas parcialmente a hipótese testada. Os padrões de migração vertical são
de fato dependentes dos modos de alimentação, mas fortemente modulados pela capacidade de locomoção das espécies.
DISTRIBUIÇÃO DE HIDROCARBONETOS DO PETRÓLEO AO LONGO DE UM GRADIENTE DE
CONTAMINAÇÃO DO AMBIENTE ESTUARINO NO ENTORNO DA CIDADE DE PARANAGUÁ, PR.
PROCESSOS DE MIGRAÇÃO VERTICAL DE NEMATÓIDES DURANTE UM CICLO DE MARÉ EM UM
BAIXIO NÃO VEGETADO DE UM ESTUÁRIO SUBTROPICAL
Aluno de Iniciação Científca: Manuela Zeglin Camargo (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023383
Orientador: César de Castro Martins
Colaboradores: Fabiana Ribeiro Fontenelle, Rafael Bet
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Sub-estuário da Cotinga; hidrocarbonetos alifáticos.
Área de Conhecimento: Oceanografa Química - 1.08.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Marco Colossi Brustolin (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022521
Orientador: Paulo da Cunha Lana Co-Orientador: Micheli Thomas
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Nematoda, distribuição vertical, baixio não vegetado
Área de Conhecimento: 1.08.01.00-6 Oceanografa Biológica
0011
0012
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
27
Parâmetros de ondas de modelos numéricos e/ou estatísticos, à falta de dados reais, são muitas vezes utilizados na elaboração de projetos de
engenharia, e outros, em zonas costeiras. Neste trabalho foi feita uma comparação desses dados, válidos na borda da plataforma continental,
com dados de campo na costa do litoral do Paraná, a fim de averiguar o grau de correlação entre eles. Foram amostrados dados com um
ondógrafo IOS- S4ADW por um período total de 8 meses, ao longo de 1,4 anos (out/dez 2006, mar/maio 2007 e nov/jan 2008), realizando
medições durante 15 minutos a cada 3 horas, somando um total de 1360 dados, numa freqüência amostral de 2 Hz. Os dados do modelo
foram obtidos no site windguru.com, e são referentes ao modelo de escala global NWW3. Os valores medidos e os modelados apresentaram
uma defasagem de uma hora entre si, não representando um erro significativo nas comparações. Os dados foram processados no software R
2.9.1, onde foram realizadas correlações e construídos os gráficos. Os dados do modelo descreveram razoavelmente as alturas significativas,
apresentando uma correlação de R = 79%, sendo mais elevados que os medidos em grande parte dos dados. Porém, para os períodos de
pico e as direções de ondulação, as correlações foram baixas, com valores de R = 48% e R = 11%, respectivamente. Os gráficos mostraram
que o modelo fornece valores menores aos observados na costa, na maior parte do tempo. As menores alturas na costa, comparadas com as
do modelo na borda da plataforma, decorrem, provavelmente, da perda de energia das ondas pelo atrito quando passam a interagir com o
fundo na região da plataforma rasa, diminuindo sua energia e altura, especialmente devido à grande extensão da plataforma rasa do Paraná.
Os efeitos de empinamento que elas sofrem conforme se aproximam da costa não são suficientes para compensar este decaimento nas
alturas. Por outro lado, a refração sofrida pelas ondas conforme atravessam as diferentes isóbatas modifica sua direção e as ordena em trens
com períodos e direções distintas das do mar aberto, sendo que as simulações numéricas só valem no oceano profundo e desconsideram
as águas rasas, então os valores fornecidos por esses modelos não podem ser usados para obras costeiras com segurança. Em conclusão,
o uso destes dados pode representar um sobre-dimensionamento nos projetos de engenharia, planejados para suportar energias de ondas
mais elevadas que as que atingiriam a costa, e um desenho potencialmente errado nas estruturas de contenção, ao se assumirem direções e
períodos de onda que não representam a realidade.
Cerca de 60% das grandes cidades do mundo se desenvolveram em torno dos estuários, áreas de importância econômica, por abrigarem
indústrias e portos; e biológica, onde organismos se reproduzem, refugiam e se alimentam. Contudo, com o aumento demográfico nas
regiões costeiras, os estuários passaram a receber maiores quantidades de efluentes domésticos e industriais in natura ou com tratamento
ineficiente que são transportados pelas correntes locais antes de se depositarem. Este trabalho avaliou a origem da matéria orgânica sedimentar,
assim como o possível estado de contaminação da região de desembocadura do Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) localizado na
porção centro-norte da planície costeira paranaense, onde coexistem atividades urbanas, portuárias, industriais, pesqueiras e agrícolas.
Os marcadores orgânicos (hidrocarbonetos alifáticos, policíclicos aromáticos e esteróis) de 20 amostras de sedimento foram obtidos por
extração em Soxhlet, purificação em coluna de adsorção e injeção de extratos em cromatógrafo a gás com detector de ionização de chama
(GC-FID) e espectrômetro de massas (GC-MS). Os resultados para o total de HPAs foram baixos (<LD a 15,23 ng.
-1
peso seco), inferiores
aos reportados no estuário da Lagoa dos Patos, RS (38 a 11.779 ng.
-1
) e na região próxima ao Porto de Paranaguá, PR (44,6 a 121,5 ng.
-1
).
A concentração de n-alcanos totais variou de 0,001 μg.g
-1
(peso seco) à 3,460 μg.g
-1
, valores da mesma ordem de grandeza dos encontrados
em outras áreas costeiras brasileiras como na Baía de Sepetiba, RJ (0,26 a 2,65 μg.g
-1
) e Lagoa dos Patos, RS (0,20 a 7,50 μg.g
-1
) mas,
inferiores aos de áreas contaminadas por hidrocarbonetos como o estuário de Santos, SP (3,91 a 114 μg.g
-1
). Além disso, apenas 10% das
amostras apresentaram mistura complexa não-resolvida (MCNR) cujas concentrações (9,32 e 7,90 μg.g
-1
) foram inferiores às verificadas em
áreas contaminadas por óleo, como no estuário de Santos (39,7 a 2,015 μg.g
-1
) indicando ausência de contaminação por hidrocarbonetos de
origem antrópica. Todas as amostras apresentaram predominância de n-alcanos de maior massa molecular com número ímpar de carbonos
e valores elevados de TAR (5,2 a 62,0) sugerindo maior aporte matéria orgânica de origem continental (característico da vegetação local)
em relação a contribuição de origem autóctone.
ANÁLISE ESTATÍSTICO-COMPARATIVA ENTRE O MODELO GLOBAL DE ONDAS NWW3 E DADOS
DO ONDÓGRAFO DE SHANGRI-LÁ, PONTAL DO PARANÁ, PR.
MODELAGEM GEOQUÍMICA DO APORTE DE MATÉRIA ORGÂNICA PROVENIENTE DO SISTEMA
ESTUARINO DE PARANAGUÁ, PR, NA REGIÃO DA PLATAFORMA RASA PARANANENSE.
Aluno de Iniciação Científca: Mihael Machado de Souza (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021334
Orientador: Eduardo Marone
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: correlação, séries temporais, engenharia costeira.
Área de Conhecimento: Oceanografa Física - 1.08.02.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Rafael Bet (IC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023383
Orientador: César de Castro Martins
Colaborador: Ana Lúcia Lindroth Dauner
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Sistema Estuarino de Paranaguá, desembocadura do CEP, marcadores orgânicos
Área de Conhecimento: Geoquímica Marinha - 1.08.04.04-8
0013
0014
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
28
Misidáceos apresentam excelente qualidade nutricional e elevada mobilidade, e podem ser utilizados como alimento na aqüicultura. O objetivo
deste trabalho foi avaliar o potencial de Bowmaniella brasiliensis, Mysidopsis coelhoi e Metamysidopsis elongata atlantica para a produção
de alimento vivo para a aqüicultura. Foram avaliadas taxas de crescimento, sobrevivência e produção. As espécies foram amostradas com
rede de epibentos nos balneários Atami e Pontal do Sul, PR, Brasil, e cultivadas em três garrafões, cada um como réplica. A temperatura
foi mantida a 26 ºC, e oxigênio dissolvido e pH foram medidos antes das trocas de água, as quais foram realizadas a cada três dias (uma
parcial e outra total). A dieta constituiu-se de 100 náuplios de Artemia recém-eclodidos misidáceo
-1
dia
-1
. Para avaliação do crescimento 15
ou 10 indivíduos foram retirados aleatoriamente de cada réplica a cada 5 dias e fixados em formol para posterior biometria. Para avaliação
da sobrevivência e produção as réplicas foram esvaziadas a cada 6 dias e os indivíduos contados. Para avaliação da produção de fêmeas
coletadas no ambiente natural, fêmeas ovígeras foram separadas e mantidas em copos plásticos com 200 mL de água sob as condições dos
demais experimentos, até liberarem a prole. A salinidade variou entre 31 e 33; o pH em torno de 8,5 e a saturação de oxigênio em torno
de 117%. M. coelhoi apresentou taxa média final de sobrevivência de 72%, B. brasiliensis de 27% e M. e. atlantica de 15%. As médias
de juvenis produzidos por fêmea proveniente do ambiente natural foram: B. brasiliensis (33), M. coelhoi (14) e M. e. atlantica (10). M. e.
atlantica e M. coelhoi produziram descendentes durante o experimento. B. brasiliensis apresentou maior aumento em tamanho e peso seco
(5,14 mm e 1,34 mg); M. coelhoi crescimento intermediário (1,74 mm e 0,62 mg); M. e. atlantica não apresentou crescimento significativo.
A dieta não enriquecida empregada pode ser responsável pelas baixas taxas de sobrevivência e produção, bem como possível canibalismo.
A temperatura e comportamento das espécies também podem ter contribuído para as baixas taxas de sobrevivência, crescimento e produção
encontradas. O estudo apresenta informações inéditas e importantes sobre o ciclo de vida de M. coelhoi e B. brasiliensis. M. coelhoi foi a
espécie mais robusta, e o desenvolvimento de pacotes tecnológicos para aprimorar suas taxas de sobrevivência e crescimento in vitro poderá
contribuir para sua produção como alimento vivo para a aqüicultura.
Os esteróis são marcadores orgânicos amplamente utilizados em diferentes trabalhos de caracterização ambiental, uma vez que conservam
o registro geológico e assinatura de sua origem, possibilitando interpretações sobre as fontes da matéria orgânica (MO). Podem ser
diferenciados quanto à sua origem, sendo os esteróis C
28
, C
29
e C
30
associados a fontes biogênicas de MO (tais como cianobactérias, algas,
entre outros). Alguns esteróis C
27
, como coprostanol e epicoprostanol, são chamados esteróis fecais, pois estão diretamente associados com
matéria orgânica de origem fecal, sendo encontrados em altas concentrações em sedimentos contaminados por esgoto. Complementarmente,
a cetona coprostanona também vem sendo utilizada para verificar introdução de esgoto no ambiente marinho
.
O objetivo deste trabalho foi
avaliar a distribuição espacial de diferentes esteróides, principalmente aqueles associados à introdução de esgotos na Baia do Almirantado.
As amostras analisadas foram coletadas durante a Operação Antártica XXVIII (2009/2010), utilizando um amostrador do tipo Box Corer.
Os locais amostrados na Enseada Mackelar foram R1 e R2 (Refúgio II) enquanto que na Enseada Martel foram C1 e C2 (Estação Antártica
Comandante Ferraz), U1 e U2 (Ponta Ullmann) e, B1 e B2 (Botany Point). Após extração em Soxhlet, fracionamento em coluna de adsorção
e derivação com BSTFA/TCMS, os esteróides foram determinados por cromatografia gasosa com detecção de ionização de chama (GC-FID).
Os compostos (15 esteróis e uma cetona) analisados apresentaram valores detectáveis em todas as amostras, confirmando a multiplicidade
de fontes de MO, típica de ambientes marinhos. As maiores concentrações de esteróis totais foram verificadas para C1 e U1, sugerindo um
maior aporte de MO para os sedimentos, quando comparado aos demais pontos. De maneira geral, o esterol predominante nas amostras foi
o colesterol, sendo associado a fontes marinhas (fito e zooplâncton), além de fezes de mamíferos marinhos (tais como focas e pinguins).
Os esteróis fecais (cop + e-cop) variaram de <LD (Limite de Detecção) a 0,24 μg.g
-1
e valores de cop-ona ficaram entre <LD e 1,71 μg.g
-1
.
A maior concentração ocorreu em BP e pode ser justificada em função da presença de mamíferos marinhos, tais como baleias e focas, já
que esse ponto esta a mais de 1 Km da saída de esgoto da estação. Os pontos próximos a EACF apresentaram valores de esteróis fecais
inferiores aos encontradas em anos anteriores (1997-2006). As concentrações de esteróis saturados foram inferiores aos detectados para
seus homólogos insaturados, o que pode indicar baixa tendência à hidrogenação das moléculas insaturadas imobilizadas, ou seja, baixa
transformação da MO.
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS MISIDÁCEOS (CRUSTACEA: MYSIDACEA) DO LITORAL
PARANAENSE COMO ORGANISMOS ALIMENTO PARA O CULTIVO DE PARALARVAS DE LULAS
LOLIGO (CEPHALOPODA: LOLIGINIDAE)
ESTERÓIS FECAIS EM SEDIMENTOS SUPERFICIAIS DA BAIA DO ALMIRANTADO, PENÍNSULA
ANTÁRTICA
Aluno de Iniciação Científca: Rita Melo Franco Santos (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023694
Orientador: Érica Alves González Vidal
Colaborador: Allan Torrecilla Batista
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: misidáceos, alimento vivo, aqüicultura
Área de Conhecimento: Oceanografa Biológica - 1.08.01.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Sabrina Nart Aguiar (PIBIC-AF/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022391
Orientador: César de Castro Martins
Colaborador: Liziane Marcella Michelotti Ceschim
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Antártica, geoquímica, marcadores orgânicos
Área de Conhecimento: Geoquímica Marinha - 1.08.04.04-8
0015
0016
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
29
A baía de Guaratuba, localizada no estado do Paraná, recebe descarga fluvial de vários rios e alguns destes são receptores de esgoto doméstico
não tratado, assim como águas de drenagem urbana e agrícola. No intuito de avaliar a qualidade dos sedimentos superficiais deste sistema
efetuou-se a caracterização físico-química e ensaios de ecotoxicidade crônica (interface sedimento-água) e aguda (sedimento integral).
Os organismos-teste utilizados foram ovos recém fecundados de ouriço do mar Echinometra lucunter para o ensaio crônico e anfípoda
escavador Tiburonella viscana para o teste agudo. As campanhas de amostragem foram realizadas nos meses de julho de 2008, julho de
2009 e março de 2010, em 15 estações dentro do estuário. Os testes crônicos foram encerrados após 36 horas quando pelo menos 80%
dos organismos do controle atingiram o estágio de pluteus com desenvolvimento normal, e após dez dias de exposição dos anfípodas ao
sedimento integral, sendo contabilizados os organismos sobreviventes. Ao final, uma vez que os dados apresentaram distribuição normal,
os resultados foram comparados com os controles através do teste-t de Student. O ensaio agudo com o T. viscana apresentou toxicidade
para a maioria das estações exceto 4 (G7, G10, G11 e G12) no ano de 2010. Para os testes com E. Lucunter todas as estações apresentaram
diferença significativa com o controle, em todos os anos. No entanto os valores de nitrogênio amoniacal excederam o valor de 1,0 mg/L
na maioria das estações durante o monitoramento físico-químico, ultrapassando os limiares tóxicos para as larvas de ouriço e sendo o
potencial interferente dos resultados. De maneira que a sensibilidade destes organismos ao NH
4
foi provavelmente o fator determinante
dos resultados obtidos. Portanto, a utilização de ouriço do mar como organismo-teste neste ambiente mostrou-se inadequada, em virtude
do grande aporte de matéria orgânica originada pelos manguezais, sendo impossível, por essa abordagem, diferenciar os efeitos causados
pela emissão pontual de esgotos in natura e demais fontes existentes nas cidades adjacentes (Guaratuba e Matinhos). De todo modo, os
resultados indicam a existência de problemas devido a contaminantes, pois houve toxicidade aguda. É recomendável a realização de novos
testes, com organismos de diferentes níveis tróficos, juntamente com a retirada do interferente NH
4
, para que possa ser avaliada a influência
de outros componentes químicos que por ventura possam estar presentes no sedimento.
A ilha do Mel está situada ao norte do litoral paranaense, na desembocadura do Complexo Estuarino de Paranaguá (25º30’S/48º20’W).
As praias da região possuem uma dinâmica sedimentar complexa, onde ocorrem interações entre correntes de maré, ondas, e a atividades
antrópicas (dragagens). Dentre as várias praias desta ilha, destacam-se as denominadas localmente de Grande e das Paralelas, as quais
apresentam direções de exposição opostas em relação às ondas oceânicas, onde pontais rochosos (Morro do Farol e Ponta do Joaquim) estão
dispostos na área de inflexão entre elas. Nesta região, a deriva longitudinal ocorre no sentido NE, vinculada aos trens de ondas provindos dos
quadrantes E-NE (primavera/verão) e E-SE-S (outono/inverno), e o que pode carrear sedimentos de diversas origens, na direção das praias
da ilha do Mel. O presente estudo tem como objetivo verificar as relações entre o transporte longitudinal litorâneo e a morfodinâmica de
duas praias arenosas em uma área de desembocadura estuarina. Para tanto, foram realizados 5 levantamentos de campo com a execução de
6 perfis topográficos (3 em cada praia), durante o biênio 2009/10. Posteriormente, foram gerados modelos digitais de terreno e calculados
os volumes erodidos e/ou depositados em cada campanha de amostragem. Estes dados foram analisados em conjunto com a ocorrência de
tempestades, onde foram quantificados 7 eventos no período primavera/verão (setembro a março) e 14 no período outono/inverno (março
a setembro). Estes eventos foram reconhecidos como o principal potencializador das ondas da região, as quais atuam como o principal
agente de modificação das formas costeiras. A Praia Grande apresentou uma tendência erosiva em ambos os períodos, enquanto que na das
Paralelas houve uma inversão dos processos erosivos e deposicionais nos períodos primavera/verão e outono/inverno, respectivamente.
De uma forma geral o ângulo de disposição das praias determinou o grau de influência das ondas provindas de diferentes direções. Voltada
para SE, a Praia Grande recebe energia das ondas independentemente da estação do ano, tendo sido erodida permanentemente. A Praia
das Paralelas, voltada para NE está protegida das ondas de S/SE devido a presença do Morro do Farol, havendo assim acreção no período
outono/inverno mesmo com a ocorrência de tempestades. Deve-se ainda levar em consideração a disposição de material dragado em áreas
adjacentes à área de estudo e que pode estar sendo remobilizado pela deriva longitudinal para as praias da região.
AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE NOS SEDIMENTOS SUPERFICIAIS DA BAÍA DE GUARATUBA
ATRAVÉS DE BIOENSAIOS UTILIZANDO O OURIÇO DO MAR Echinometra Lucunter e o anfípoda
Tiburonella viscana
TRANSPORTE LONGITUDINAL DE SEDIMENTOS E SUAS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS
DEPOSICIONAIS NA DESEMBOCADURA DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ
Aluno de Iniciação Científca: Sarah Karoline Rodrigues (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006019073
Orientador: Eunice da Costa Machado
Colaborador: Lucas Buruarem, Denis Modelo de Souza Abessa.
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Ecotoxicologia, Tiburonella viscana, Echinometra lucunter.
Área de Conhecimento: Oceanografa Química 1.08.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Tuan Duarte Parizotti (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023532
Orientador: Dr. Marcelo Renato Lamour
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: morfodinâmica, praia, dragagem
Área de Conhecimento: Oceanografa Geológica – 1.08.04.00-5
0017
0018
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
30
Este trabalho estima os padrões de inundação dos manguezais localizados no Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP), em função da
declividade das planícies de maré e da variação do nível do mar. A princípio, este trabalho calcularia o tempo de exposição das áreas
entremarés, mas julgou-se mais adequado utilizar o termo tempo de inundação. Foram selecionados quinze perfis transversais ao fluxo
principal de maré, desde o baixio não vegetado até a área de restinga. Ao longo destes perfis, foi medido o avanço da maré, a cada quinze
minutos, da baixa-mar até a preamar. As medições foram realizadas em situação de enchente de sizígia, tendo como referência o local de
fundeio de um CTD. Através da análise estatística de dois anos de dados históricos de marégrafos localizados em diferentes pontos do CEP
foi estimada a taxa de inundação anual para cada instante de maré. Com isso, foi possível descrever e representar, na forma de gráficos, o
tempo de inundação anual ao longo do perfil para cada uma das regiões estudadas, tendo como base o marégrafo mais próximo. O tempo de
inundação está diretamente relacionado à inclinação e extensão dos perfis. Áreas de baixios e marismas passam aproximadamente a maior
parte do ano inundadas, sujeitas tanto a influência da maré de sizígia quanto quadratura. Já a parte superior das áreas entremarés é inundada
somente em maré de sizígia. Em direção ao interior do estuário, observa-se um aumento na extensão dos manguezais e amplitude de maré.
A determinação das taxas de inundação de áreas entremarés é essencial para uma melhor compreensão da distribuição dos ecossistemas
associados, em função dos limites alcançados pelas marés de quadratura e sizígia.
A análise de regressão é uma das técnicas mais utilizadas para a análise de dados. Os modelos de regressão têm por finalidade explicar
uma ou várias variáveis (respostas) de interesse, que estão em função de outras variáveis, chamadas covariáveis ou variáveis explicativas.
Construído o modelo, o mesmo pode ser usado para realizar predições, calcular probabilidades, tempo de sobrevivência, entre outras
coisas. Os modelos de regressão, linear ou não-linear, são utilizados em todas as áreas do conhecimento. Na área zootécnica, uma grande
quantidade dos métodos de análise estatística, utiliza a teoria de regressão. Modelos de regressão linear com apenas uma variável explicativa
estão entre os modelos estatísticos mais simples. Esses modelos podem ser generalizados a partir da introdução de alguns pressupostos,
gerando os modelos de regressão linear múltipla, os modelos de regressão não linear (MNL), os modelos lineares generalizados (MLG),
assim como, algumas variações desses modelos ou ainda modelos alternativos. O objetivo deste trabalho é apresentar os principais aspectos
teóricos relacionados à inferência em modelos de regressão linear, como métodos de estimação, testes de hipóteses e análise de resíduos.
DETERMINAÇÃO DO TEMPO DE EXPOSIÇÃO MÉDIO DAS ÁREAS ENTREMARÉS
INFERÊNCIA EM MODELOS DE REGRESSÃO LINEAR: ASPECTOS TEÓRICOS
Aluno de Iniciação Científca: Vanessa Bach Rodrigues (IC- Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022421
Orientador: Maurício Almeida Noernberg
Departamento: Centro de Estudos do Mar Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: planícies de inundação, geoprocessamento.
Área de Conhecimento: Oceanografa física - 1.08.02.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Aline Oliveira Stocco (Monitoria/UFPR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007022205
Orientador: Stela Adami Vayego
Colaborador: Heloísa Cristina Clemente e Raquel Grden Szinvelski
Departamento: Estatística Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: regressão linear simples, estimação de parâmetros, teste de hipóteses.
Área de Conhecimento: 1.02.02.00-5
0019
0020
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
31
O projeto de Iniciação Científica proposto se encaixa no contexto de desenvolvimento contínuo de atividades do projeto SAUDAVEL que
visa desenvolver tecnologias para o combate do vetor da dengue utilizando, dentre outras, informações da análises estatísticas de dados
coletados e implementação de sistema de vigilância baseado em modelagem estatística e incorporação desta em ambientes de SIG e WEB
de monitoramento. O LEG/UFPR vem colaborando com o projeto desde seu início no desenvolvimento de metodologias, na construção
de bases geográficas, análises de dados e também implementação de produtos computacionais. Diversas ovitrampas estão dispostas em
alguns bairros de Recife, a contagem de ovos a cada quatro semanas forma uma série temporal para cada armadilha, estas armadilhas estão
dividiadas em grupos, de tal forma que a cada 1 semana é feita a coleta dos ovos de um grupo de ovitrampas. Assim, é possível estudar cada
série de forma independênte. Holt Winters e ARIMA são os modelos inicialmente considerados para a predição da série, com o melhor
modelo, selecionado altomaticamente, atualmente é gerado um relatório para cada armadilha e também um resumo geral do bairro, mostrando
a dispersão espacial observada. Uma abordagem que está sendo estudada para ser implementada ao sistema é o uso de modelos GAM
para predição da série. Além do já implementado, recentemente foram iniciados estudos com o uso de modelos Bayesianos hierárquicos
aditivos com o uso de métodos de inferência aproximada via INLA (integrated nested Laplace approximation), para que estes possam
também ser incorporados ao sistema. Para isto serão feitos estudos da metodologia, aplicação a todos os dados do projeto SAUDAVEL,
disponibilização dos resultados e desenvolvimento de códigos que possam ser incorporados ao sistema de monitoramento proposto pelo
SMCP-Aedes. O trabalho compreende ainda a manutenção, validação e exploração da base da dados do projeto armazenada em SGDB no
INPE e espelhado nas servidoras do LEG/UFPR.
Em programas de melhoramento genético, a seleção é a estratégia mais usada e tem como objetivo o ganho genético sobre uma determinada
característica ou um conjunto de características de interesse econômico. Assim, a estimação de tendências genéticas e fenotípicas dessas
características em linhagens de aves de corte, tem como objetivo avaliar a eficiência da seleção empregada. O conjunto de dados utilizados
são da linhagem paterna TT de matrizes de frangos de corte coletados no período de 1998 a 2003,fornecidos pela EMBRAPA Suínos e
Aves localizada em Concórdia, Santa Catarina. As características estudadas foram largura maior e menor e comprimento do peito aos 42
dias de idade, peso aos 42 e 49 dias de idade, conversão alimentar e ganho de peso dos 43 aos 49 dias de idade, fertilidade, eclodibilidade e
nascimento. Análises fenotípicas contendo média, desvio padrão, limites superior e inferior, coeficiente de variação, correlação e regressão
linear foram realizadas pelo software estatístico Bioestat®. Para a determinação de tendências genéticas será utilizado o programa de
domínio público DFREML. Para o acompanhamento dos efeitos da seleção ao longo das gerações, as aves foram identificadas, obtendo-se
gráficos de regressão das médias anuais de cada característica produtiva, que torna possível a estimação do seu desempenho fenotípico e
genotípico. Tendências fenotípicas positivas, mostram um incremento anual no fenótipo nas gerações avaliadas. Foram observadas tendências
fenotípicas positivas para comprimento de peito (+0,24 mm/ano), largura menor de peito (+0,74 mm/ano), conversão alimentar dos 43 aos
49 dias de idade (+0,12 unidades/ano). Tendencias negativas foram observadas no peso aos 49 dias de idade (-24,14 g/ano), ganho de peso
dos 43 aos 49 dias de idade (-14,3 g/ano).
METODOLOGIA ESTATÍSTICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E
CONTROLE DE POPULAÇÕES DO AEDES AEGYPTI SMCP-AEDES
TENDÊNCIAS GENÉTICAS E FENOTÍPICAS DE LINHAGEM MACHO DE FRANGO DE CORTE.
Aluno de Iniciação Científca: Gledson Luiz Picharski (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013264
Orientador: Paulo Justiniano Ribeiro Jr.
Departamento: Estatística Setor: Exatas
Palavras-chave: palavra-chave 1, palavra-chave 2, palavra-chave3.
Área de Conhecimento: 1.02.02.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Heloísa Cristina Clemente (voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007022205
Orientador: Stela Adami Vayego
Colaborador: Raquel Grden Szinvelski e Aline Oliveira Stocco
Departamento: Estatística Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: matrizes de frango de corte, tendências genéticas e fenotípicas, modelos mistos.
Área de Conhecimento: 1.02.02.00-5
0021
0022
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
32
O objetivo geral da pesquisa é a estimação de parâmetros genéticos e fenotípicos, para características de produção, em linhagem paterna
de matrizes de frango de corte. Os dados analisados, fornecidos pela EMBRAPA Suínos e Aves Concórdia, SC, são referentes a linhagem
paterna TT de matrizes de frangos de corte no período de 1998 a 2003. Análise descritiva foi realizada usando o programa estatístico
Bioestat®. Para a estimação dos parâmetros genéticos será utilizado o programa de domínio público DFREML. A análise descritiva das
características analisadas nessa linhagem é apresentada na tabela a seguir:
Transições de Fase e o comportamento crítico da matéria, ocorre em uma enorme variedade de sistemas, dentre eles, materiais magnéticos,
ligas binárias, cristais líquidos e outros. Neste trabalho estudamos os principais aspectos sobre transições de fase por meio de simulações
numéricas, mais especificamente por simulações de Monte Carlo. A importância desta técnica deve ao fato de que grande parte dos problemas
em mecânica estatística não apresentam uma solução fechada, o que confere a ela um papel central neste ramo de pesquisa. Nos últimos
anos diferentes algoritmos têm sido utilizados, dentre eles o algoritmo de Metropolis, que apesar de sua simplicidade e generalidade, ele
apresenta dificuldades na emergência de transições de fase. Neste trabalho consideramos o estudo sobre transições de fase em modelos
estatísticos, dando destaque a modelos que descrevam as principais propriedades termodinâmicas e anômalas da água, por meio diferentes
algoritmos de Monte Carlo. Consideramos diferentes algoritmos a fim de estudar suas eficiências, adequabilidades e limitações. Demos
destaque aos algoritmos que utilizam informações de altas temperaturas a fim de realizar uma simulação ergódica em baixas temperaturas,
onde as barreiras energéticas são altas e portanto algoritmos usuais falham neste caso. Nossos resultados mostraram que é possível localizar
a coexistência de fases com bastante precisão por meio destes algoritmos.
PARÂMETROS GENÉTICOS PARA CARACTERÍSTICAS DE PRODUÇÃO EM LINHAGEM MACHO
DE MATRIZES DE FRANGO DE CORTE: HERDABILIDADES E CORRELAÇÕES
TRANSIÇÕES DE FASE E CRITICALIDADE EM MODELOS ESTATÍSTICOS SIMPLIFICADOS.
Aluno de Iniciação Científca: Raquel Grden Szinvelski (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007022205
Orientador: Stela Adami Vayego
Colaborador: Heloísa Cristina Clemente, Aline Oliveira Stocco
Departamento: Estatística Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: matrizes de frango de corte, parâmetros genéticos, DFREML.
Área de Conhecimento: 1.02.02.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Alexandre Penteado Furlan (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:2009023446
Orientador: Carlos Eduardo Fiore dos Santos
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: transições de fase, modelos estatísticos, simulações de Monte Carlo .
Área de Conhecimento:1.05.01.04-5
0023
0024
Tabela - Número total de aves (n), Média (
X
); Desvio-Padrão (S); Coeficiente de Variação (CV); Menor
valor observado (Min) e Maior valor observado (Max).
Característica n
X
S CV % Min Max
P42 (g) 5418 2545,4 236,02 9,27 1750 3300
CPeito (mm) 3887 139,49 6,25 4,48 120 157
Larg1 (mm) 3718 84,93 6,87 8,1 63 99
Larg2 (mm) 3893 52,85 6,87 13 32 74
Fert (%) 172 73,19 27,5 35,57 0 100
Eclod (%) 172 81,4 22,35 27,46 0 100
Nasc (%) 172 64,05 25,52 39,84 0 100
P49 (g) 2173 3345,69 268,19 8,02 2410 4270
GP4349 (g) 2162 678,51 224,77 33,13 -184 1530
CA4349 2087 2,49 0,64 25,7 1,18 5,77
P42: Peso corporal aos 42 dias de idade; Cpeito: Comprimento de peito aos 42 dias de idade; Larg1:
Largura maior de peito aos 42 dias de idade; Larg2: Largura menor de peito aos 42 dias de idade; Fert:
Fertilidade; Eclod: Eclodibilidade; Nasc: Nascimento; P49: Peso corporal aos 49 dias de idade; GP4349:
Ganho de peso dos 43 aos 49 dias de idade; CA4349: Conversão alimentar dos 43 aos 49 dias de idade.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
33
O regime climático de várias regiões do planeta é fortemente influenciado pelos episódios El Niño e La Niña. A América do Sul é uma
destas regiões nas quais o ciclo El Niño – Oscilação Sul (ENOS) está associado a eventos extremos de precipitação e de vazão. O presente
estudo tem como objetivo detectar a alteração da freqüência de eventos extremos de precipitação na América do Sul, durante os ciclos
ENOS, para o clima presente e o clima futuro com mudança antropogênica. Essa influência é examinada através da análise do impacto
de eventos ENOS na freqüência de eventos extremos no clima do século XX e em um cenário de mudanças climáticas. São utilizados
dados do modelo global acoplado oceano-atmosfera HADCM3, para o clima presente e para o clima futuro no cenário SRES-A2 (um dos
cenários mais pessimistas), nos períodos de 1960-2000 e 2060-2100. Definimos anos El Niño (La Niña) como anos nos quais as médias
móveis de 5 meses de anomalias mensais de temperatura da superfície do mar (TSM) na região Niño 3 (5°N–5°S, 90°–150°W) são iguais
ou superiores a 0,5° (iguais ou inferiores a -0,5°) por no mínimo seis meses consecutivos. Os eventos extremos de precipitação são aqueles
cujo percentil correspondente à média móvel de precipitação de 3 dias consecutivos é maior que 90. A diferença da freqüência de eventos
extremos entre anos El Niño e anos neutros e entre anos La Niña e anos neutros é calculada para o clima presente e para o clima futuro.
Verificou-se se a relação entre episódios ENOS e a ocorrência de eventos extremos de precipitação no modelo para o clima atual condiz
com os resultados na natureza e reportados pela literatura. Em alguns períodos do ciclo ENOS o modelo simula razoavelmente o impacto
observado de episódios El Niño e La Niña. A mudança deste impacto produzida por mudanças climáticas antropogênicas não é uniforme
sobre o continente, mas nota-se em várias regiões um aumento da freqüência de eventos extremos.
Micro e nanoesferas de polímeros são conhecidas desde o começo dos anos noventa e atualmente são amplamente utilizadas na indústria
de cosméticos na composição de condicionadores de cabelo e de cremes e loções, entre outras. Na medicina elas servem de substrato
para transporte de medicamentos, além de serem utilizadas em sistemas de diagnósticos. Recentemente descobriu-se que superfícies
produzidas com micropartículas poliméricas possuem propriedades superhídrofóbicas. Em escala industrial microesferas de polímeros são
tradicionalmente produzidas por polimerização de suspensão ou de dispersão, métodos que possibilitam
uma distribuição controlada do tamanho das partículas. Atualmente novos métodos para produção de
microesferas poliméricas estão sendo pesquisados, porém a maioria deles apresentam desvantagens como a
heterogeneidade no tamanho das partículas e a coalescência entre elas. A aplicação de eletrospray para a sua
produção ameniza as dificuldades supracitadas e torna-se mais vantajosa na medida que seu custo é menor
quando comparada às outras técnicas conhecidas. Lord Rayleigh foi o primeiro a descrever instabilidades na
ejeção de líquidos carregados em 1882. Logo em seguida usos práticos desse fenômeno foram patenteados,
e em 1914 o físico J. Zeleny estudou detalhadamente a ejeção de líquidos por capilares polarizados, porém
a física da interação de líquidos em capilares eletrizados somente foi estabelecida quarenta anos depois por
Taylor. Atualmente o fenômeno de eletrospray é considerado uma das ferramentas da nanotecnologia. Ele
consiste basicamente na ejeção de um líquido por um capilar submetido à alta tensão, formando uma pequena
nuvem de gotículas. Quando a técnica de eletrospray é aplicada a soluções com uma concentração polímero/
solvente acima de um valor crítico, tem-se a formação predominante de nanofibras com a presença de poucas
partículas micrométricas e o processo é conhecido por eletrospinning. Entretanto quando se trabalha numa
concentração abaixo desse valor crítico, há somente a formação de micro e/ou nanopartículas. Já existem
na literatura estudos que caracterizam a relação entre a massa molecular do PS e sua concentração, com
o tamanho e morfologia de microesferas produzidas por eletrospray. Apresentaremos uma caracterização
morfológica comparativa das microesferas de PS em função da concentração utilizada, quando produzidas
normalmente e quando da adição de ácido acético na solução. Posteriormente serão apresentados os resultados
obtidos na ativação biológica das microesferas, necessária para a sua utilização em sistemas de diagnóstico.
A INFLUÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA OCORRÊNCIA DE EVENTOS EXTREMOS
DE PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL DURANTE EPISÓDIOS EL NIÑO/LA NIÑA (MODELO
HADCM3)
CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE MICROESFERAS DE POLIESTIRENO PRODUZIDAS POR
ELETROSPRAY
Aluno de Iniciação Científca: Aline Blanche Grynbaum Ingberman (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022497
Orientador: Alice Marlene Grimm
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: El Niño-Oscilação Sul, eventos extremos de precipitação, mudanças climáticas.
Área de Conhecimento: 1.07.03.00-4
Aluno de Iniciação Científca: André Sionek (Programa- CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005929
Orientador: Cyro Ketzer Saul
Colaborador: Nome Colaborador
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: eletrospray, microesferas, morfologia.
Área de Conhecimento: Física da Matéria Condensada
0025
0026
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
34
O titânio é muito utilizado na indústria de próteses e na engenharia de tecidos. Dentre suas características está a biocompatibilidade e
a baixa tendência á corrosão. Modificações na espessura, composição, cristalinidade e porosidade da camada de óxido de titânio (TiO
2
)
formada podem tornar a superfície do titânio bioativa, ou seja, poderá induzir a adesão de células ósseas. O objetivo desse projeto foi obter
superfícies rugosas de titânio através do jateamento com alumina Al
2
O
3
, e através de oxidação anódica obter um filme fino de TiO
2
sobre
a superfície jateada. Amostras de titânio comercialmente puro grau 2foram cortadas com dimensões de (1,5x1,0)cm, lixadas com lixas
de granulometria 300, 400, 600, limpas com banho de ultra-som, e secas em estufa durante 24h a uma temperatura de 40°C. Em seguida
a superfície foi jateada com partículas de alumina com pressão aproximada de 20 bar a uma distância aproximada de 10 cm durante 6
segundos. A granulometria da alumina era de 280um. As amostras lixadas e jateadas foram anodizadas em um eletrólito de NaOH 0,1 molar
com densidade de corrente constante (50 mA/cm²), usando um contra-eletrodo de titânio durante 60 segundos. Análise da morfologia da
superfície usando o microscópio eletrônico de varredura mostrou que as superfícies jateadas são rugosas e que após a oxidação anódica
pode-se observar uma superfície rugosa e porosa. Através da análise das superfícies por difração de raios-x pode-se observar a presença das
fases anatasio e rutilo (óxido de titânio) e de partículas de alumina, provenientes do processo de jateamento. Testes de nanorisco realizado
com o Nanoindenter indicaram que o jateamento reduz a resistência ao risco do Ti em ~30%; no entanto, a resistência se eleva em 60% para
a superfície oxidada, e também para a oxidação realizada sobre o jateamento. Os resultados preliminares de bioatividade não se mostraram
conclusivos, sendo necessários novo testes.
As redes de período longo (LPGs) consistem em uma série de defeitos gravados sobre uma fibra óptica convencional que causam uma
variação periódica de suas propriedades. Estes defeitos promovem o acoplamento dos modos propagante principal de núcleo e os modos
copropagantes de casca. Esse acoplamento faz com que o espectro da luz que passa pela rede apresente um vale de absorção bem definido.
A posição do vale (comprimento de onda central) é diretamente proporcional ao período de espaçamentos dos defeitos. Nos últimos anos,
essas redes têm sido empregados na confecção de vários dispositivos ópticos, principalmente sensores e filtros de banda. O objetivo deste
trabalho é empregar este tipo de rede no desenvolvimento de um método alternativo de medida de percentual de Biodiesel em óleo Diesel.
Após a construção/adaptação de várias peças utilizadas no equipamento, boa parte do tempo investido no projeto foi dispendido na tentativa
de estabilização do processo de gravação. Conseguimos então realizar a gravação de algumas redes, que foram caracterizadas no Laboratório
de Laser da UTFPR. O próximo passo do projeto consiste em realizar medidas a fim de conseguir identificar o percentual de mistura de
Biodiesel em óleo Diesel em misturas dessa natureza.
OXIDAÇÃO ANÓDICA EM SUPERFÍCIES JATEADAS
DESENVOLVIMENTO DE UM SENSOR DE BAIXO CUSTO PARA DETERMINAÇÃO DE PERCENTUAL
DE MISTURAS DE BIODIESEL EM ÓLEO DIESEL
Aluno de Iniciação Científca: Bruno Leandro Pereira (Programa PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016468
Orientador: Neide Kazue Kuromoto Co-Orientador: Gelson B. Souza
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Titânio, jateamento com alumina, oxidação anódica
Área de Conhecimento: 1.05.07.00-0 Física da Matéria Condensada
Aluno de Iniciação Científca: Bruno Morais Serafm (CNPQ - ITI)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005929
Orientador: Cyro Ketzer Saul
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: sensores, fbras ópticas, Rede de Período Longo.
Área de Conhecimento: Teoria Eletromagnética, Microondas, Propagação de Ondas, Antenas - 3.04.06.01-3.
0027
0028
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
35
Sistemas poliméricos são utilizados em diferentes aplicações devido a sua fácil processabilidade, baixo peso, estabilidade mecânica e
principalmente à sua característica eletrônica. Em termos de conversão de energia, as propriedades semicondutoras dos polímeros tornam-se
interessantes para a aplicação destes materiais em células solares. Células fotovoltaicas de polímeros são uma tecnologia de células solares
orgânicas que produzem eletricidade a partir de luz com a ajuda de polímeros semicondutores. Para complementar as informações obtidas
de experimentos, com polímeros, por exemplo, utilizamos a física computacional. A física computacional utiliza os resultados da química e
física teórica, incorporados em programas de computador, para calcular as estruturas e propriedades eletrônicas de moléculas e sólidos. Neste
trabalho apresentaremos um estudo dos orbitais e da estrutura eletrônica do polímero PFTBT (Poli(9,9´-dioctil-2,7- fluorenodiilvinileno-
co-5,5´-(benzo[1,2,5]tiadiazol-4,7-diil)ditiofeno), utilizando o método computacional da DFT (teoria da densidade funcional). Foram
estudados o monômero, dímero e o trímero deste polímero. Este estudo teórico é de grande importância experimental já que sabendo qual
grupo funcional, do polímero, influencia ou contribui na formação de orbitais podemos funcionalizar um material e aplicá-lo em células
solares, por exemplo. Este polímero já foi sintetizado e vem sendo analisado pelo grupo de dispositivos nanoestruturados (Dine) da UFPR o
qual temos uma colaboração. Agora estamos realizando a comparação entre as simulações e os resultados experimentais obtidos pelo Dine.
O objetivo final deste trabalho é estudar o espalhamento elástico de elétrons por moléculas de oxetano (C
3
H
6
O), obtendo as seções de choque
de espalhamento. Para tanto faz-se necessário uma descrição precisa da estrutura eletrônica de nosso alvo molecular na geometria de equilibrio
do estado fundamental. Neste trabalho, realizamos calculos da estrutura eletrônica da molécula de oxetano utilizando o programa GAMESS.
Foram feitos cálculos de otimização de geometria e de energia total com diversos conjuntos de base nas aproximações de Hartree-Fock e
teoria de perturbação de Moller-Plesset em segunda ordem (MP2). Utilizamos também a teoria do funcional de densidade, empregando
diferentes funcionais disponiveis no programa GAMESS, em cálculos de otimização de geometria e de energia. Investigamos os primeiros
orbitais moleculares vazios através de cálculos com base mínima. Estes orbitais são importantes para a descrição de íons transientes em
processos de espalhamento de elétrons por moléculas, pois são os orbitais que o elétron do contínuo pode ocupar.
ANÁLISE DA ESTRUTURA ELETRÔNICA DO POLÍMERO POLI(9,9´-DIOCTIL-2,7-
FLUORENODIILVINILENO-CO-5,5´-(BENZO[1,2,5]TIADIAZOL-4,7-DIIL)DITIOFENO) (PFTBT) PARA
APLICAÇÃO EM CÉLULAS SOLARES ORGÂNICAS
ESPALHAMENTO ELÁSTICO DE ELÉTRONS POR MOLÉCULAS VIA PSEUDOPOTENCIAIS DE
NORMA CONSERVADA
Aluno de Iniciação Científca: Camila Berlim Schneider (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 0000000000
Orientador: Marlus Koehler
Colaborador: Cleber Fabiano do Nascimento
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: polímeros, células solares, orbitais
Área de Conhecimento: 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Diego Farago Pastega (Programa- PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997004940
Orientador: Marcio Henrique Franco Bettega
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: estrutura eletrônica, oxetano, espalhamento.
Área de Conhecimento: Física Atômica e Molecular
0029
0030
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
36
A correlação eletrônica tem um papel fundamental na estrutura eletrônica de óxidos de metais de transição. Em particular, os elétrons
d destes sistemas tem um caráter intermediário entre livres e totalmente localizados. Esta característica é responsável pelas diversas
propriedades físicas apresentadas por estes materias. Por exemplo, estes óxidos podem apresentar transições de fase metal-isolante (MIT),
supercondutividade de alta temperatura (HTSC), e magnetorresistência colossal (CMR). Neste trabalho, estudou-se a estrutura eletrônica
do composto SrRuO
3
utilizando um modelo de cluster. Este composto tem uma estrutura cristalina ortorrômbica de tipo perovskita. Sua
condutividade elétrica é metálica e apresenta ordem ferromagnetico abaixo de T
C
= 160 K. Os cálculos foram realizados para um cluster
octaédrico RuO
6
resolvido pelo metodo de interação de configurações. O estado fundamental (N) foi expandido nas seguintes configurações:
3d
4
, 3d
5
L, 3d
6
L
2
, etc. (onde L denota um buraco eletrônico na banda de O 2p). Os principais parâmetros do modelo são: (i) a energia de
transferência de carga A de um orbital O 2p para um orbital Ru 4d, (ii) a energia de repulsão Coulombiana U entre os estados Ru 4d, e (iii)
a hibridização T
o
entre um orbital O 2p e um orbital Ru 4d. Também foram incluídos no os efeitos causados pelo campo cristalino e pela
força de troca interatômica. Os pesos espectrais de remoção (N – 1) e de adição (N + 1) foram calculados utilizando-se a aproximação
súbita, e foram comparados a espectros experimentais de fotoemissão (PES) e de absorção de raios-x (XAS). Os resultados do cálculo
mostram que: (a) O peso espectral calculado está em bom acordo com os resultados de fotoemissião e absorção de raios-x. (b) O estado
fundamental é fortemente covalente já que contém uma grande contribuição da configuração 3d
5
L. (c) O desdobramento dos estados Ru 4d
nos espectros é devido à efeitos de troca e de campo cristalino.
É conhecido que o movimento de três partículas em um anel com interações pontuais é equivalente a uma partícula que se move livremente
dentro de um triângulo de bilhar com as paredes rígidas. As paredes são representadas por funções δ, e assim os resultados analíticos podem
ser obtidos.Potenciais fisicamente realizáveis são inerentemente suaves e a transição entre a colisão das parede suaves e rígidas devem ser
adequadamente descritas.

O movimento nas paredes de bilhar suave é interessante do ponto de vista fundamental em sistemas não-lineares
e em muitas aplicações.Revisamos o bilhar com triângulo rígido reescrevendo suas equações, que é o ponto de partida para este trabalho,
que tem como objetivo generalizar o caso de 3 particulas com interação suave em um anel.Revisaremos o potencial de Toda para massas
iguais e mostraremos resultados analíticos e numéricos para o caso de massas diferentes, e para parâmetros que representam a suavidade
das interações. Seções de Poincaré foram usadas para mostrar a rica dinâmica das partículas interagentes quando a razão de massas varia
bem como quando a suavidade da interação varia. O modelo utilizado neste trabalho permite estudar de forma adequada a transição de
interações suaves para interações pontuais.
ESTRUTURA ELETRÔNICA DE SISTEMAS FORTEMENTE CORRELACIONADOS
DINAMICA NÃO-LINEAR E SISTEMAS QUÂNTICOS
Aluno de Iniciação Científca: Eduardo Bonini Guedes (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000006998
Orientador: Miguel Abbate
Colaborador: Rodrigo José Ochekoski Mossanek
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: estrutura eletrônica, modelo de cluster,SrRuO3.
Área de Conhecimento: Física da Matéria Condensada - 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Guilherme Alexandre Emidio (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:1999005947
Orientador: Marcus Werner Beims
Colaborador: Marcus Werner Beims
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Bilhar,Potencial Toda,Paredes Rígidas
Área de Conhecimento: 1.05.00.00-6
0031
0032
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
37
Inventada no início dos anos 30 visando aplicações na indústria têxtil, a técnica de electrospinning consiste na deposição de materiais
poliméricos diluídos empregando um gradiente de potencial eletrostático. No geral, o sistema de deposição consiste em uma bomba de injeção
de polímero diluído ligada eletricamente a uma fonte de alta tensão contínua, e um anteparo aterrado, onde são colocados os substratos.
O acionamento da bomba associado à diferença de potencial produz a formação de um filamento líquido que se desloca em direção do
anteparo. Após percorrer uma distância da ordem de alguns centímetros, o solvente presente na solução evapora e o polímero se solidifica,
formando fibras poliméricas que atingem o anteparo. Neste trabalho foram realizadas deposições de estruturas micro/nanométricas a partir
de soluções aquosas contendo álcool polivínilico (PVOH) e acetato de zinco. Foram usadas soluções com diferentes concentrações de cada
soluto, a fim de encontrar a concentração adequada para a formação de micro/nanofibras de PVOH contendo acetato de zinco. Futuramente
estas fibras poderão ser tratadas termicamente, dando lugar a nanofibras dopadas com óxido de zinco (ZnO), cujas características são de
interesse tecnológico e científico, com aplicação em sensores.
Pontos quânticos auto-organizados (QDs) são candidatos promissores para camadas ativas de dispositivos semicondutores como lasers,
memórias e detetores de infra-vermelho. Em acréscimo, há a possibilidade destas nanoestruturas serem utilizadas para construir a unidade
lógica de um computador quântico, o que reforça o seu interesse para as aplicações tecnológicas. Deste ponto de vista, seria desejável dispor
de um sistema cujas características físicas pudessem ser manipuladas de forma a sintonizar propriedades como energia de emissão, resposta
a campos magnéticos etc.. Recentemente, QDs da liga ternária InAsP crescidos sobre GaAs mostraram um razoável grau de manipulação
em energia de emissão, tamanho e morfologia das nanoestruturas. O presente trabalho visa investigar a dependência da fotoluminescência
dos QDs de InAsP como função da temperatura e da potência de excitação. Para baixas temperaturas um aumento na potência do laser
faz surgir a contribuição de uma segunda banda, de energia maior, consistente com o primeiro estado excitado dos QDs. À medida que a
temperatura aumenta, observamos o deslocamento para o vermelho, usual dos materiais semicondutores, porém a segunda contribuição
se desloca de maneira diferente, e mesmo domina o espectro de emissão para temperaturas acima de 200 K, enquanto a intensidade da
recombinação fundamental decresce até quase desaparecer. À temperatura ambiente a emissão do substrato, em aproximadamente 1.42
eV, domina o espectro; porém o sinal dos QDs continua claramente visível. Na tentativa de identificar corretamente a origem deste estado
eletrônico, realizamos medidas de fotoluminescência (PL) com luz polarizada e também medidas de transmissão modulada em nossas
amostras. As medidas indicam uma leve dependência da emissão luminosa dos QDs em função da orientação da polarização linear do laser
de excitação, indicando que os QDs não são perfeitamente circulares em morfologia, mas levemente alongados em uma dada direção. As
medidas de transmissão modulada (PT) apresentam sinais relacionados com a wetting layer e com os QDs, dependendo da amostra estudada.
Em amostras de QDs de InAsP com potencial de confinamento mais profundo há indicação das duas contribuições ao espectro de PT; já
para uma amostra tratada termicamente (eliminando o sinal dos QDs da PL), ainda parece haver contribuição dos QDs embora a evidência
não seja clara. Para os QDs de InP a comparação do sinal de PT antes e depois do tratamento térmico parece identificar a contribuição da
wetting layer, assim como indicado na PL anteriormente.
Os autores agradecem o apoio financeiro da Fundação Araucária e do CNPq.
NANO/MICROESTRUTURAS DE POLÍMEROS SOLÚVEIS EM ÁGUA DEPOSITADAS POR
ELECTROSPRAY / ELECTROSPINNING (ZnO)
ESPECTROSCOPIA DE MODULAÇÃO E FOTOLUMINESCÊNCIA EM PONTOS QUÂNTICOS AUTO-
ORGANIZADOS DE InAsP
Aluno de Iniciação Científca: Henrique Perin Martins (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005929
Orientador: Cyro Ketzer Saul
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: electrospinning, PVOH, nanofbras, ZnO.
Área de Conhecimento: 1.05.07.08-6
Aluno de Iniciação Científca: Igor Konieczniak (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016394
Orientador: Evaldo Ribeiro
Colaborador: Gilberto Medeiros-Ribeiro
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: pontos quânticos, luminescência, espectroscopia de modulação.
Área de Conhecimento: 1-05-07-00-0 Física da Matéria Condensada
0033
0034
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
38
Devido a suas propriedades ópticas singulares, as ligas calcogenicas são vastamente usadas na área tecnológica. Estudos mostraram que
a liga Se-Te é mais adequada para aplicações em xerografia do que ligas amorfas de Se. Para conhecer as características de um material é
preciso saber o arranjo estrutural da liga amorfa que forma este material. É sabido que, para determinadas aplicações, as propriedades das
ligas na fase amorfa são melhores que quando na fase cristalina, de modo que é interessante estudar tais fases. Como praticamente todas as
propriedades físicas dependem de uma forma ou de outra da estrutura atômica das ligas, a determinação dessa estrutura atômica para ligas
amorfas é de grande interesse. Assim, a liga amorfa Se90Te10 foi produzida por moagem mecânica e caracterizada por dados obtidos por
meio de espectroscopia de absorção de raios-x (EXAFS) em função da temperatura medidas para a borda K do selênio. Dentre os métodos
de amortização, a moagem mecânica tem sido extensivamente aplicada. Os experimentos de EXAFS foram realizados no Laboratório
Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) na linha XAFS2. O espectro de absorção foi obtido para várias temperaturas (30K, 200K e 300K) e o
sinal de EXAFS foi extraído dessas medidas. Fazendo o tratamento desses dados foi possível obter informações da microestrutura da liga
amorfa Se90Te10, como distâncias inter atomicas e números médios de coordenação e ainda o fator de Debey-Waller.
Em continuidade a este trabalho cujos estudos preliminares foram apresentados no 17º EVINCI, efetuamos medidas de fotoluminescência
em amostras de poços quânticos simples, duplos e triplos de GaAs com barreiras de AlGaAs crescidos sobre substratos de GaAs por MBE
(Molecular Beam Epitaxy, epitaxia de feixe molecular) e dopados com elétrons. Essas medidas forneceram energias de transição entre os
níveis de confinamento dos elétrons e dos buracos nas bandas de condução e de valência, respectivamente. Em paralelo, simulações numéricas
forneceram essas energias explicitamente, pela resolução simultânea (autoconsistente) das equações de Schrödinger e de Poisson. Um estudo
comparativo dos resultados obtidos permite um melhor conhecimento das amostras. Estudou-se também a intensidade da luminescência,
em que a presenca das barreiras internas – ausente nos poços simples – combinada com o elevado potencial repulsivo coulombiano entre os
elétrons altera substancialmente o grau de overlap das funções de onda envelope dos elétrons e dos buracos, o que representa uma redução
da força de oscilador (oscillator strenght) e tem assim um papel na intensidade da emissão da fotoluminescência. As medidas foram feitas
a baixa temperatura (~10K) e em função da potência de excitação, com a finalidade de evidenciar os níveis excitados. Identificou-se as
energias de emissão dos poços quânticos das amostras, que traduzem as transições óticas dos portadores. Os cálculos autoconsistentes foram
realizados com base nos parâmetros das amostras (forma das bandas de valência e de condução, band offsets, larguras dos poços, massas
efetivas dos elétrons e dos buracos, constante dielétrica do material etc.).
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DA LIGA AMORFA SE90TE10 PRODUZIDA POR MOAGEM
MECÂNICA
ESTUDO COMPARATIVO DE POÇOS QUÂNTICOS SIMPLES, DUPLOS E TRIPLOS DE GaAS
Aluno de Iniciação Científca: Isabela Magno Kostrzepa (PIBIC-CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004015490
Orientador: Kleber Daum Machado
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Caracterização de materiais; ligas nano estruturadas; EXAFS.
Área de Conhecimento: 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Jean Antonio Pereira Karax
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023458
Orientador: Celso de Araujo Duarte
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: poços quânticos, fotoluminescência, cálculos autoconsistentes.
Área de Conhecimento: Física da Matéria Condensada – 1.05.07.00-0
0035
0036
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
39
Cristais perfeitos são estruturas apropriadas para dispositivos ópticos na faixa de raios X duros. Suas propriedades de difração são, em geral,
bem descritas pela teoria Dinâmica de Difração. Em casos limite, por exemplo quando theta de Bragg é igual a 90 graus, é necessário usar
a chamada teoria Dinâmica Estendidas, desenvolvida mais recentemente. Uma condição de difração onde o feixe de saída é extremamente
rasante com a superfície tem algumas particularidades que podem ser exploradas para desenvolvimento de novos dispositivos ópticos
para raios X. Os casos de difração muito assimétrica em cristais perfeitos com feixe de saída extremamente rasante à superfície numa
geometria coplanar é discutido na literatura. No caso extremamente assimétrico, é razoavelmente simples mudar do estado de difração
caso Laue para o caso Bragg, e até satisfazer ambos os casos simultaneamente para um plano de Bragg hkl, casos também discutidos na
literatura mas sem considerações sobre as faces laterais do cristal. Em um trabalho anterior (Kakuno, E.M. & Cusatis, C., Acta Cryst. (2004)
A60, 585-590) foi detectado um terceiro feixe difratado emergindo da face lateral de um cristal de Si perfeito, com três feixes difratando
simultaneamente, um caso não discutido na literatura. O objetivo do trabalho foi então estudar este caso, reproduzindo os resultado obtidos
para analise dos feixes difratados pelas faces frontal, lateral e posterior de um cristal de Si fino (50 micrometros) perfeito com respeito a
divergência, cromaticidade, largura espacial e dependência da intensidade com distância da posição de incidência da face lateral do cristal.
Os resultados obtidos no caso de difração extremamente assímétrica, mostram que o terceiro feixe tem divergência aparentemente muito
baixa, possivelmente devido à limitação imposta pelo cristal funcionando como guia de onda. Este é o ponto chave do trabalho, pois, se
comprovado tal dependência da largura espacial com a espessura do cristal, há a possibilidade de se trabalhar com o cristal de Si hiperfino
(10 micrometros), objeto de estudo anterior. No entanto, os resultados também mostram a necessidade de se usar radiação síncrotron para
completa caracterização dos feixes difratados, já que é preciso radiação branca com mais alta intensidade para detecção dos três feixes
simultaneamente. Além disso, não foi possível o uso de monocromador 4 cristais de Ge(111) - que fez parte do arranjo experimental original
- no LORXI (Laboratório de Óptica de Raios X e Instrumentação UFPR), pois após ser condicionado pelo monocromador a intensidade
do feixe diminui muito impossibilitando as medidas.
Para o entendimento qualitativo do comportamento dinâmico de sistemas reais, modelos matemáticos simplificados mostram-se extremamente
úteis, entre estes, modelos de osciladores acoplados são conhecidos por representarem um grande número de sistemas. Como equação
prototípica, foi escolhida a rede de Ginzburg-Landau, a qual emerge naturalmente de grandes grupos de osciladores acoplados via um
campo difusivo. Esta equação foi estudada escolhendo-se os parâmetros dentro de seu regime não-local e na condição de instabilidade de
Benjamin-Feir. O estudo deu-se através de simulações numéricas, com o objetivo de determinar os diferentes comportamentos que aparecem
dadas variações nos parâmetros da equação, bem como relacionar a estes transições conhecidas. Também foi procurado determinar como
um pinning
[1]
pode retirar o sistema de seu estado de sincronização, lançando-o novamente em sua cela caótica. Fixando o parâmetro
definido como tamanho reduzido da rede, que basicamente determina o quão rapidamente a interação entre sítios vizinhos decai, foram
encontradas duas crises que levam o sistema sincronizado a apresentar comportamento caótico e novamente sincronização de freqüências
e um comportamento metaestável, dada a variação da intensidade de acoplamento. Na região metaestável, o sistema divide-se em dois
grupos de sincronização, que após um transiente caótico, apresentam uma evolução temporal periódica. Neste ponto, determinou-se que
o comportamento da rede é altamente dependente nas condições iniciais, sendo que duas condições próximas levam a comportamentos
assintóticos diferentes. Dado este comportamento incomum, descobrimos que perturbando um dos osciladores da rede (pinning), podemos
jogá-la novamente em sua cela caótica, fazendo-a apresentar um comportamento dessincronizado. Tal comportamento é de interessante
aplicação a sistemas nos quais a sincronização deve ser evitada.
[1] Inserção de uma perturbação localizada.
ÓPTICA DE RAIOS X EM CRISTAIS PERFEITOS
UM ESTUDO DE DINÂMICA NÃO LINEAR APLICADO À NEUROCIÊNCIA
Aluno de Iniciação Científca: Joniel Carlos Francisco Alves dos Santos (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007048
Orientador: Cesar Cusatis
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: silício, difração de raios x, cristais perfeitos, planos de Bragg
Área de Conhecimento: Física da Matéria Condensada - 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Kenzo Sasaki (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021267
Orientador: Sérgio Roberto Lopes
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Caos espaço-temporal, sincronização, metaestabilidade.
Área de Conhecimento: 1.05.01.00-2
0037
0038
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
40
A precipitação durante a estação de monção na América do Sul sofre tanto influências remotas como influências locais de interação
superfície-atmosfera. Além da relação entre a precipitação no início da estação e seu auge, já detectada em trabalhos anteriores, há outras
relações que predominam no auge da estação chuvosa de monção e entre o auge e o final da estação. Estas relações são aqui demonstradas
através das relações entre os primeiros modos de variabilidade da precipitação durante a estação de monção e da evolução da precipitação
no centro-leste da América do Sul associada a cada um destes modos. A análise é baseada em totais mensais de precipitação para o período
1950-2001, de mais de 10.000 estações sobre o todo o continente, interpolados para uma grade de 2,5×°2,5°, de maneira a obter uma
distribuição mais homogênea de dados. As análises de campos atmosféricos utilizam os dados da reanálise NCEP-NCAR. Os totais mensais
de precipitação entre novembro e março, assim como totais sazonais de primavera (SON), verão (DJF) e outono (MAM), são submetidos
à Análise de Componentes Principais (ACP), para dois períodos: 1960-2001 e 1950-2001, com o propósito de verificar a estabilidade dos
resultados obtidos. Os componentes principais de cada mês são correlacionados com os de outros meses, para detectar relações de persistência
e inversão entre anomalias de precipitação em diferentes meses da estação de monção. A evolução da precipitação em áreas afetadas por
essas relações é analisada durante as fases opostas dos componentes principais de modos correlacionados, além de períodos antecedentes
e subsequentes. Campos atmosféricos relativos a alguns desses modos são analisados. O estudo mostra que além da tendência de reversão
de anomalias de precipitação no centro-leste do Brasil já observada entre novembro e janeiro, também ocorre reversão entre fevereiro e
março, enquanto as anomalias tendem a persistir de janeiro para fevereiro naquela região. Ainda não é possível afirmar que os mecanismos
que produzem a reversão entre novembro e janeiro sejam os mesmos responsáveis pela reversão entre fevereiro a março.
Recentes observações astronômicas de supernovas do tipo Ia, indicam que o Universo está atualmente sofrendo uma expansão acelerada.
Sua dinâmica depende apenas de sua estrutura e seus constituintes, de forma que deve haver algum componente ainda desconhecido, o qual
exerce pressão negativa sobre o Universo, de forma a causar essa aceleração. A este constituinte foi dado o nome de Energia Escura, e ele deve
corresponder à 72% de todo material existente no Universo nos dias de hoje. Além disso, medições da velocidade de rotação em galáxias do
tipo espiral, indicam que estas devem conter mais matéria do que conseguimos observar com a emissão de diferentes radiações do espectro
eletromagnético. Pela sua estranha natureza de não irradiar, este componente recebeu o nome de Matéria Escura. Muitas interpretações
tem sido feitas acerca destes novos constituintes ao longo da última década, sobretudo a consideração de que se comportem como algum
tipo de campo. Neste trabalho, apresentamos a energia escura como um campo escalar, justificada por suas propriedades de densidade e
pressão. Além disso, consideramos que exista uma troca de energia entre a energia escura, a matéria escura e os neutrinos. Dois modelos
de interação foram analisados, o primeiro proposto por Wetterich, o segundo por Anderson e Carroll. Apresentamos também a evolução
dos neutrinos, que teriam comportamento relativístico no passado, e ausência de massa, mas teriam se acoplado à energia escura durante
a evolução do Universo e, assim adquirido massa. Neste ponto, trabalhamos com o modelo de Brooksfield, sobre a evolução massiva dos
neutrinos. Além disso, consideramos diferentes equações barotrópicas para este material. Os resultados reproduzem satisfatoriamente a
evolução do Universo e aquilo que o compõe.
RELAÇÕES ENTRE DIFERENTES FASES DA MONÇÃO NA AMÉRICA DO SUL
MODELOS COSMOLÓGICOS COM INTERAÇÕES ENTRE ENERGIA ESCURA, MATÉRIA ESCURA E
NEUTRINOS
Aluno de Iniciação Científca: Leandro Hideki Simizu Yorinori (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022497
Orientador: Alice Marlene Grimm
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Modos de precipitação, América do Sul, Monções.
Área de Conhecimento: 1.07.03.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Lucas Gardai Collodel (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1991002565
Orientador: Gilberto Medeiros Kremer
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: neutrinos, energia escura, campo escalar.
Área de Conhecimento: 1.04.04.04-0
0039
0040
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
41
O presente projeto visa desenvolver uma fonte policromática de excitação para uso como feixe de modulação em experimentos de refletividade
modulada e outras técnicas de espectroscopia de modulação que existem no Laboratório de Propriedades Ópticas do Departamento de
Física da UFPR. Usualmente utiliza-se um laser interrompido mecanicamente por um chopper para esta função, porém há situações em
que é de interesse mudar o comprimento de onda (energia) do feixe de modulação. Isto implicaria em dispor de muitos lasers diferentes e
em um excessivo trabalho de alinhamento. Este projeto consiste em projetar, construir e caracterizar um banco de diodos emissores de luz
(LEDs) com emissões em diversos comprimentos de onda diferentes, integrados em um arranjo que facilitasse o alinhamento na opção por
troca de comprimento de onda de excitação. Um gerador de funções forneceria a alimentação já na freqüência desejada para modulação das
propriedades ópticas das amostras. Os LEDs escolhidos para esta finalidade são componentes comuns e de baixíssimo custo, disponíveis em
lojas de eletrônica convencionais. Hoje em dia há uma certa variedade de cores diferentes, que vão desde o ultra-violeta (nominalmente, pelo
menos) até o infra-vermelho. As medidas das características espectrais desses variados tipos de LEDs nos permitiu escolher sete componentes
com emissões relativamente diferentes, que preenchem de maneira homogênea o espectro visível, além de fornecer uma banda de interesse
no infra-vermelho. Desenvolveu-se um design para facilitar o alinhamento desta fonte de excitação no caminho óptico do experimento, de
forma que a troca de comprimento de onda se faça de maneira simples e rápida, eliminando o inconveniente da troca de lasers. Mostraremos
a calibração da emissão do banco de leds em função de algumas freqüências assim como faremos medidas de espectroscopia de modulação
utilizando a fonte com comprimentos de onda diferentes.
Um dos mais importantes tópicos de estudo na área de mudanças climáticas antropogênicas é o impacto que tais mudanças teriam sobre a
variabilidade climática natural. O mais importante modo de variabilidade natural do clima é El Niño - Oscilação Sul (ENOS), cujas fases
extremas são os episódios El Niño e La Niña. Tais episódios tem significativo impacto sobre a América do Sul, especialmente sobre o Brasil
e, portanto, há interesse em verificar se as mudanças climáticas antropogênicas alteram este impacto. Portanto, o objetivo deste trabalho
é determinar as diferenças entre o impacto de eventos El Niño-Oscilação Sul sobre a precipitação na América do Sul no clima presente e
no clima futuro afetado por mudanças produzidas por emissão continuada de gases de efeito estufa (cenário SRES-A2). O estudo emprega
dados observados de precipitação de mais de 10.000 estações na América do Sul no período 1960-2000, interpolados numa grade de 2,5°X
2,5° de latitude-longitude, observações de temperatura da superfície do mar (TSM) e de parâmetros da circulação atmosférica. Além dos
dados observados, são usadas saídas das mesmas variáveis do modelo ECHAM5-OM, do Max Planck Institute, para o clima atual (1960-
2000, cenário 20C) e para o clima futuro (2060-2100, cenário A2). Foi realizada análise de componentes principais (ACP) da TSM global
e da precipitação na América do Sul, obtidas tanto das observações como das saídas das simulações com o modelo para o clima presente
e o clima futuro, para selecionar os modos correspondentes a ENOS, tanto de TSM como de precipitação sobre a América do Sul. A partir
da análise da TSM, são obtidos os episódios El Niño e La Niña, observados e simulados. A partir do modo ENOS de TSM e das anomalias
de TSM correspondentes, para o clima atual e o clima futuro, foi possível verificar como a mudança climática afeta a TSM relacionada
com ENOS. De modo geral, há no cenário A2 aumento das anomalias de TSM equatoriais no Pacífico Central-Leste. A partir de alguns
métodos, como a correlação entre o modo ENOS de TSM e a precipitação na América do Sul, a correlação entre os modos de precipitação
na América do Sul e TSM, além do cálculo do percentil esperado de precipitação nos episódios El Niño e La Niña, obteve-se o efeito de
ENOS sobre a precipitação no continente. O modelo reproduz alguns aspectos da influência observada de ENOS. A mudança climática
entre o cenário 20C e o cenário A2 produz alguns impactos no efeito de ENOS sobre a precipitação na América do Sul, sendo os mais
fortes sobre o norte do Brasil e do continente.
PROJETO, CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM BANCO DE LEDS COMO FONTE
ALTERNATIVA DE MODULAÇÃO PARA USO NA TÉCNICA DE REFLETIVIDADE MODULADA
IMPACTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE O EFEITO DE EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL NA
AMÉRICA DO SUL
Aluno de Iniciação Científca: Marielli Mino (IC-Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016394
Orientador: Evaldo Ribeiro
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: LEDs, espectroscopia de modulação.
Área de Conhecimento: 1-05-07-00-0 Física da Matéria Condensada
Aluno de Iniciação Científca: Noemi Vergopolan da Rocha (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022497
Orientador: Alice Marlene Grimm
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: El Niño - Oscilação Sul, mudanças climáticas, precipitação.
Área de Conhecimento: 1.07.03.00-4
0041
0042
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
42
Em continuidade a este trabalho cujos resultados preliminares foram apresentados no 17º EVINCI, prosseguimos no estudo de um conjunto
de amostras de pontos quânticos de InAs crescidos sobre substratos de GaAs por MBE (Molecular Beam Epitaxy, epitaxia de feixe
molecular), com várias espessuras nominais diferentes da camada de InAs. As condições de crescimento das amostras (temperatura das
células de efusão e do substrato etc.) foram tais que produzem pontos quânticos de grandes dimensões para 2,4 monocamandas atômicas
de InAs. Tais pontos têm luminescência num mínimo de absorção por fibras ópticas, daí sua importância tecnológica. A finalidade do
estudo desse conjunto de amostras é a de compreender melhor o processo de autoformação dessa variedade especial de pontos quânticos.
Os estudos foram feitos por meio de medidas de fotoluminescência (PL, PhotoLuminescence) e de microscopia de força atômica (AFM,
Atomic Force Microscopy). As medidas de PL identificaram as energias de emissão dos pontos quânticos das amostras, enquanto que as
medidas de AFM possibilitaram o estudo da morfologia e da densidade superficial de pontos quânticos. A comparação das intensidades e
energias de luminescência com as informações a respeito das propriedades estruturais possibilitaram um estudo das amostras. As medidas
de PL foram realizadas a temperatura baixa (~10K) para a determinação das energias de emissão para se identificar os processos de escape e
recaptura de portadores (permuta de portadores entre pontos quânticos de tamanhos diferentes), o que possibilita a identificação de famílias
de pontos quânticos por tamanho. Medidas de PL em função da potência de excitação identificam a existência e a população de níveis de
energia de confinamento nos pontos quânticos.
O objetivo deste projeto é construir um sistema detetor de luz apropriado para a região do infra-vermelho próximo, de maneira a expandir
a capacidade de detecção do Laboratório de Propriedades Ópticas do Departamento de Física da UFPR. Os equipamentos mais utilizados
para esta região espectral são fotodiodos de Germânio (Ge) e, devido ao gap reduzido do material (necessário para a região espectral a ser
detectada), freqüentemente precisam ser refrigerados para redução da corrente escura. Neste trabalho procuramos construir um equipamento,
similar aos disponíveis comercialmente, a partir dos componentes adquiridos em separado. Para tanto dispomos de um diodo de Ge com
5 mm de diâmetro de área útil e um elemento de refrigeração termo-elétrico. É sabido que a corrente escura é proporcional à área útil do
dispositivo, assim o desafio do projeto não é apenas montar o detetor mas sim descobrir em qual condição de operação teremos a maior
sensitividade com a menor corrente escura. Relataremos aqui o conceito básico do projeto, a caracterização do fotodiodo (corrente escura
em função da temperatura de operação, caracterização espectral) e do elemento de refrigeração termoelétrico (curvas corrente-temperatura,
limites de saturação), discutiremos sua adequação para o uso nas técnicas ópticas do Laboratório, apresentaremos o layout da montagem
do sensor, e a eletrônica desenvolvida para conversão de corrente em tensão com ganho superior a 10
5
.
INVESTIGAÇÃO DE AMOSTRAS DE PONTOS QUÂNTICOS AUTO-ORGANIZADOS DE InAs/GaAs
POR FOTOLUMINESCÊNCIA E MICROSCOPIA DE FORÇA ATÔMICA
PROJETO, CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM DETETOR DE GERMÂNIO COM
REFRIGERAÇÃO POR ELEMENTO TERMOELÉTRICO
Aluno de Iniciação Científca: Ramon Gabriel Teixeira Rosa (IC Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023458
Orientador: Celso de Araujo Duarte
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: pontos quânticos, fotoluminescência, auto-organização.
Área de Conhecimento: Física da Matéria Condensada – 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Renato Fernando Caron (IC-Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016394
Orientador: Evaldo Ribeiro
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: semicondutores, espectroscopia de modulação.
Área de Conhecimento: 1-05-07-00-0 Física da Matéria Condensada
0043
0044
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
43
O estudo da anisotropia em filmes finos, no nosso caso de compostos ferromagnéticos de MnAs e MnGa, é relevante na pesquisa mundial
devido a promissora aplicação para a injeção de portadores polarizados em spin e sua detecção elétrica. O estudo da Ciência de Materiais de
heteroestruturas MnAs/GaAs e MnGa/GaAs, bem como a compreensão de seu comportamento magnético, é uma etapa indispensável para o
desenvolvimento de protótipos e dispositivos com novas funcionalidades na tecnologia spintrônica, quiçá menos consumidores de energia
e mais rápidos. O estudo consiste da modelagem do processo de magnetização de filmes finos cristalinos de compostos ferromagnéticos
de MnAs e MnGa e, através da minimização da energia magnética total em relação à magnitude e à direção do campo magnético aplicado,
obtenção do ciclo de histerese intrínseco do sistema. Estudamos, com base na literatura, as contribuições energéticas para o sistema,
sendo as principais fontes: fator desmagnetizante (depende da geometria da amostra), anisotropia cristalina (incluindo discussão sobre as
anisotropias de ordem superior), magnetostrição, magnetoelasticidade e interação Zeeman. Foram elaborados algoritmos de cálculo para a
simulação computacional e juntamente à implementação de modelos de histerese já existentes na literatura, tentamos a partir de um único
modelo de energia livre descrever o comportamento magnético do material ferromagnético estudado. Para testar a aplicabilidade, avaliar
e aprimorar os modelos desenvolvidos, temos de antemão as curvas experimentais de magnetização para os sistemas MnAs/GaAs(111) e
MnAs/GaAs(001) com o campo aplicado ao longo do eixo de magnetização fácil e difícil da amostra, bem como as mesmas curvas para
diferentes temperaturas. Para confronto entre nossos modelos teóricos e nossos dados experimentais, bastou analisar o “fit” do modelo para
o campo magnético externo aplicado ao longo da direção fácil e difícil de magnetização, as quais devem ser ortogonais entre si. Diversos
modelos foram testados, sendo que a maioria deles só descreve bem casos particulares, no entanto estamos em fase de confecção de um
modelo que ao menos descreve razoavelmente o comportamento magnético do sistema para diversas temperaturas e orientações.
Suporte financeiro: CNPq
Este trabalho integra o programa de pesquisa denominado IARACEP (Inventário das áreas sob risco de acidentes climatológicos no Estado
do Paraná), coordenado pela Professora Doutora Inês Moresco Danni-Oliveira, e tem por objetivo estudar a variabilidade espacial intra-
urbana das chuvas máximas na cidade de Curitiba – Paraná no período de 2003 a 2008. Por meio de um transecto topográfico entre as
estações analisadas, foi avaliada a especialização da intensidade das chuvas máximas, do número de dias de chuva, ponderando-se os maiores
acumulados contínuos de chuva por mês, da distribuição mensal total das chuvas máximas, e quantificado os impactos sócio/ambientais
causados pelas chuvas máximas. Foram utilizados dados pluviométricos diários de quatro estações, sendo estas: Simepar, Prado Velho,
Universidade Positivo e Juruquí, operadas por instituições como SIMEPAR, INMET, SUDERHSA e IAP, e ainda, dados de atendimentos
da Defesa Civil para alagamentos, erosão do solo e queda de árvores. Os dados utilizados foram, em pesquisa anterior, tratados tabular
e graficamente, sendo nesta etapa utilizados para tratamento com interpolações gráficas, utilizando Software Surfer 8, gerando assim a
espacialização analisada. Topograficamente, as estações são implantadas em vales ou baixas vertentes, diferenciando se umas das outras em
poucos metros com relação ao nível do mar. A intensidade das chuvas máximas se demonstrou mais expressiva nas estações Simepar e Prado
Velho, localizadas na porção centro-leste do município, e tendo a distribuição das intensidades mais expressivas nos meses de Maio, Junho,
Julho e Agosto para os anos de 2003, 2006 e 2008. Em contrapartida, os números de dias de chuva não se apresentaram nesta seqüência,
tendo maior concentração nos meses de Janeiro, Fevereiro, Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro, concentrando-se regularmente no
município, com poucas diferenças entre as estações. Os maiores acumulados contínuos de chuvas se distribuíram mais quantitativamente
irregularmente durante os anos e pelas estações, sendo mais intenso nos meses de Março, Setembro, Outubro e Dezembro. Anualmente, as
chuvas máximas se distribuem com maior intensidade na região Oeste (UP) e Noroeste (Juruquí) do município nos anos de 2003 e 2007,
e para 2004, 2005 e 2008 na região Centro-Leste (Prado Velho e Simepar). Os meses que mais concentraram as chuvas máximas foram
Janeiro, Março, Julho, Setembro, Outubro e Dezembro. Os atendimentos totais da Defesa Civil concentraram-se mais na Regional da
Matriz, no Centro-Leste da cidade, com maior intensidade no ano de 2006-2007. Já os casos de alagamentos se concentram mais no ano de
2006, na região Leste da cidade, Regional do Cajurú. Assim, pode-se concluir que as chuvas máximas ocorrem em maior numero na porção
Centro-Leste da cidade, atuando diretamente na questão de impactos sócio-ambientais associados com eventos pluviométricos críticos.
ANISOTROPIA MAGNÉTICA EM FILMES FINOS DE COMPOSTOS FERROMAGNÉTICOS DE MnAs
E MnGa
A VARIABILIDADE INTRA-URBANA DAS CHUVAS MÁXIMAS EM CURITIBA PERÍODO DE 2003 A
2008
Aluno de Iniciação Científca: Vagner Zeizer Carvalho Paes (Programa- CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007036
Orientador: Dante Homero Mosca Jr.
Departamento: Física Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: magnetismo, anisotropia, histerese.
Área de Conhecimento: 1.05.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Alan Felipe Marini (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001009465
Orientador: Inês Moresco Danni-Oliveira
Colaboradores: Michelle Correa da Silva, Patrícia Ferreira da Silva.
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Chuvas, Curitiba, Impactos sócio-ambientais.
Área de Conhecimento: cód. 1.07.05.00-7  Geografa Física
0045
0046
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
44
As Áreas de Preservação Permanente (APP’s) presentes no Código Florestal Brasileiro de 1965 (Artigos 2° e 3° da Lei 4.771/65) e
aperfeiçoadas nas resoluções 302 e 303 do CONAMA, são espaços que devem estar recobertos com vegetações naturais e livres de
atividades humanas quaisquer. As APP’s preservadas têm um papel chave na questão do assoreamento, pois quando atividades como as de
agricultura ou pecuária ocorrem em áreas de APP, estas ficam sujeitas à ocorrência de processos erosivos e ao transporte de sedimentos pela
rede de drenagem até, no caso do litoral paranaense, as baías litorâneas. Este trabalho tem por objetivo apresentar um estudo comparativo
entre a evolução da cobertura vegetal e uso da terra para os anos de 1999 e 2005 em áreas de Áreas de Preservação Permanente nas bacias
hidrográficas dos rios Pequeno, Alto Cachoeira e Sagrado, que tem por destino final as baías de Antonina e Paranaguá. Estas vêm sofrendo
com uma crescente taxa de assoreamento, o que vem comprometendo as atividades portuárias do estado do Paraná. As bacias hidrográficas
escolhidas apresentam inúmeras atividades humanas (como agricultura, pecuária, reflorestamento entre outros) em áreas de APP. A metodologia
empregada para a delimitação das APP’s das três bacias foi proposta em Paula e Cunico (2008) e aprimorada e por Nowatzki et al. (2009)
na qual utiliza o software ArcGis 9.2 para a delimitação das diversas categorias de APP’s (como nascentes de rios, matas ciliares, topos
de morro e montanha, encostas com declividades acima de 45 graus) com técnicas de Cartografia Digital e de Sistemas de Informações
Geográficas (SIG). A bacia do Rio Sagrado teve em 1999 um percentual de degradação em APP´s de 17,7%, subindo para 20% em 2005,
já o Rio Pequeno teve uma queda de APP´s degradadas de 20,6% em 1999 para 4,1% em 2005. Por fim, o Rio Alto Cachoeira teve suas
APP´s com 23,5% de degradação em 1999 diminuindo para 15,2% no ano de 2005. De acordo com as análises de cobertura vegetal e uso
da terra de 2005, dentre as bacias estudadas a do rio Sagrado é a que demonstra os maiores valores de áreas agricultáveis e de pecuária bem
como uma vegetação em sua fase inicial de sucessão em áreas de APP, principalmente na categoria de mata ciliar o que revela que esta
pode ser a bacia que mais contribua com o processo de assoreamento das baías litorâneas.
Vários estudos foram desenvolvidos na tentativa de definir a curvatura das vertentes mais propicia a deflagração dos escorregamentos
translacionais rasos, entretanto, verificou-se que não há consenso entre os autores para essa questão. Com a finalidade de contribuir nessa
discussão, esse trabalho teve como objetivo a análise da curvatura das vertentes que mais contribui para a ocorrência de escorregamentos
translacionais na sub-bacia hidrográfica do rio Sagrado, Morretes (PR). Aplicou-se o modelo SHALSTAB (Shallow Landslide Stability
Analysis) para gerar um mapa de suscetibilidade a fim de se obter o grau de instabilidade das vertentes tendo a posição das cicatrizes
dos escorregamentos translacionais rasos como referência para a definição. As curvaturas das vertentes foram analisadas utilizando o
mapeamento elaborado por PAULA (2010), por meio do grau de predominância dos pixels presentes nestas cicatrizes. Em paralelo, definiu-
se a posição das cicatrizes nas vertentes. A última etapa consistiu na organização das informações citadas em forma de tabela ao agrupá-las
nas classes de suscetibilidade, sendo elas, áreas estáveis, áreas de média estabilidade e áreas instáveis. As vertentes com plano côncavo
e perfil convergente predominaram nas áreas Instáveis e nas áreas de Média Instabilidade, comprovadas pelas cicatrizes encontradas em
diferentes posições na vertente, ou seja, segmento inferior, médio/inferior, média, superior/médio. Os resultados demonstraram que as
vertentes com plano côncavo e perfil convergente apresentaram maior suscetibilidade aos escorregamentos translacionais independente da
posição da cicatriz na vertente. Desta forma, exercem forte influência na possibilidade de deflagração dos escorregamentos translacionais
na sub-bacia hidrográfica do rio Sagrado.
ANÁLISE COMPARATIVA DA COBERTURA VEGETAL E USO DA TERRA (1999 E 2005) EM ÁREAS
DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PEQUENO, ALTO
CACHOEIRA E SAGRADO
INFLUÊNCIA DA CURVATURA DAS VERTENTES NA OCORRÊNCIA DE ESCORREGAMENTOS
TRANSLACIONAIS NA SUB-BACIA DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR)
Aluno de Iniciação Científca: Alexei Nowatzki (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022474
Orientador: Leonardo José Cordeiro Santos
Colaborador: Eduardo Vedor de Paula
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Áreas de Preservação Permanente, Bacia Hidrográfca, Sistema de Informações Geográfcas.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 Geografa Física
Aluno de Iniciação Científca: Ana Paula Marés Mikosik (IC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022474
Orientador: Leonardo José Cordeiro Santos
Colaborador: Eduardo Vedor de Paula (DOUTORADO/CNPq)
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Curvatura da Vertente, SHALSTAB, Suscetibilidade
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 Geografa Física
0047
0048
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
45
A presente pesquisa dá continuidade ao trabalho de investigação sobre expansão urbana, inserido no projeto de pesquisa “Internacionalização,
expansão Urbana e metropolização: olhares cruzados para a apreensão do espaço metropolitano em Curitiba” e visa apreender como os
fluxos de transporte de passageiros contribuem para a apreensão do processo de metropolização em Curitiba. Para tal, foram utilizados dados
obtidos junto a URBS e a COMEC a respeito do transporte coletivo na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). O primeiro passo foi a
obtenção de dados referentes ao número de linhas e tarifas das linhas de ônibus ativas na RMC, bem como o número de passageiros que
utilizam o transporte coletivo nos dias úteis. Posteriormente, foram gerados gráficos e mapas-síntese contendo tais informações, que servem
de subsídio para a análise dos fluxos de passageiros e, sobretudo, do movimento pendular que ocorre entre Curitiba e as demais cidades
da RMC. Com estes resultados, percebe-se que o transporte coletivo, dentro de suas possibilidades e limitações político-administrativas,
busca acompanhar a expansão do tecido urbano de Curitiba e que os usuários crescem em número a cada ano. Outra observação pertinente
é a “pulverização” destes passageiros nas diversas cidades da RMC: se a princípio os municípios nos quais o movimento pendular era mais
relevante limitavam-se a Colombo, São José dos Pinhais, Pinhais, Araucária e Almirante Tamandaré, atualmente outros municípios também
passaram a ter destaque quanto ao deslocamento pendular, sobretudo com a criação de novos terminais de ônibus e com a facilidade e menor
preço de transporte direto até Curitiba. Isto significa que a expansão urbana apresenta relação direta com os preços de tarifas praticados,
ou seja, pode-se afirmar que os municípios que efetivamente encontram-se vinculados à Curitiba com fortes interações cotidianas, são
aqueles onde há isonomia da tarifa e maior oferta de linhas e horários. Entretanto, o visível aumento do uso, tanto no transporte quanto no
alcance, não necessariamente repercute numa melhoria da estrutura. Outro fato evidenciado pela pesquisa é o baixo nível de articulação do
transporte na Região Metropolitana como um todo, o que reforça o argumento de que a RMC enquanto instituição “oficial” não é a escala
mais adequada para a compreensão da realidade metropolitana, pois os municípios com menor relação com Curitiba não possuem acesso
direto à cidade, o que também se reflete no valor mais elevado das tarifas.
Cemitérios são espaços em que se pode encontrar um ambiente tranquilo e até mesmo silencioso no meio ambiente urbanizado, no entanto
são locais pouco visitados pela população em geral. Nesses espaços pode ser introduzida vegetação, dessa forma caracterizando-os como
um espaço a mais para o lazer e entretenimento da população, assim como é culturalmente em outros países e contribuindo para a melhora
da qualidade ambiental urbana. Com o auxilio de imagens de satélite e técnicas de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), foi mapeada
e quantificada a cobertura vegetal dos quatro cemitérios públicos do município de Curitiba (PR): São Francisco, Boqueirão, Água Verde e
Santa Cândida, no intuito de mensurar a importância ambiental desses espaços no sistema urbano. Nesse contexto que considera os cemitérios
também como espaços urbanos que podem exercer funções de melhoria da qualidade ambiental, bem como serem utilizados como espaços
para o lazer (recreação passiva) da população em contato com a natureza é que a pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de se verificar
se os cemitérios públicos do município de Curitiba, por conterem ou não cobertura vegetal, estariam exercendo as funções acima citadas.
Os resultados apontaram que os cemitérios públicos de Curitiba apresentaram um baixo índice de cobertura vegetal se relacionados com
índices de cobertura vegetal de bairros intensamente adensados. Outro aspecto observado foi a distribuição dessa vegetação, que segue um
determinado padrão de maior incidência de vegetação nas entradas dos cemitérios, pela questão estética desses espaços, que possuem uma
distribuição aleatória de vegetação nos seus interiores. Os cemitérios analisados apresentaram os seguintes índices de cobertura vegetal:
Boqueirão (0,47%), Água Verde (1,6%) e São Francisco (2,4%) reiterando assim a inexpressiva existência de vegetação nesses espaços,
com exceção do cemitério Santa Cândida (32,9%). Assim conclui-se que os cemitérios municipais de Curitiba estão muito defasados no que
diz respeito à presença de vegetação urbana e como áreas para visitação e entretenimento da população, sendo passiveis de remodelação
ambiental para atender também as funções ambientais e de recreação em contato com a natureza.
OS FLUXOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E A EXPANSÃO URBANA DE CURITIBA
COBERTURA VEGETAL NOS CEMITÉRIOS PÚBLICOS DE CURITIBA
Aluna de Iniciação Científca: Carolina Deconto Vieira (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022475
Orientador: Olga Lúcia C. de Freitas Firkowski
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Transporte Coletivo, expansão urbana, Região Metropolitana de Curitiba
Área de Conhecimento: 7.06.01.03-8
Aluno de Iniciação Científca: Dieiny Michelle Crestani (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022501
Orientador: João Carlos Nucci
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: cobertura vegetal, cemitérios públicos, qualidade ambiental.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7
0049
0050
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
46
O objetivo deste trabalho é avaliar a relação entre as vazões mínimas e o índice topográfico. Vazões mínimas ou de estiagem são vazões que
ocorrem em grandes períodos com ausência de precipitação e apresentam os menores valores dentro de uma séria histórica de medições. São
mantidas por fontes de água como reservatórios subterrâneos, lagos, pântanos ou derretimentos de geleiras e por estar vinculada a períodos
críticos de oferta de água é elemento básico em estudos de disponibilidade hídrica e preservação ambiental. O índice topográfico é um
indicador hidrogeomorfológico distribuído e fisicamente baseado que mostra a distribuição espacial de umidade na bacia, sendo que valores
maiores indicam regiões mais úmidas. O cálculo é feito através da equação IT=ln(a/tanβ), onde: a é a área de contribuição por unidade de
contorno e β é a declividade da área. Foi usada nesse trabalho como área de estudo a região a montante da estação hidrossedimentológica
Fragosos, localizada nas coordenadas de 26º09’00’’S 49º23’00’’W, denominada bacia do Altíssimo Rio Negro com área de drenagem de
788 km² na divisa dos estados de Paraná e Santa Catarina. A área foi divida em sub-bacias e para cada subdivisão foi simulado um valor
de vazão mínima no modelo SWAT (Soil and Water Assessement Tool) e calculado o índice topográfico. Foi observada uma relação direta
entre as duas variáveis com coeficiente de determinação de 0,7, sendo que quanto maior o valor médio do índice topográfico maior a vazão
mínima na respectiva bacia. Este tipo de avaliação é inédita na literatura nacional e internacional e mostra a importância da geomorfologia
no entendimento dos processos hidrológicos.
Esse estudo faz parte do projeto “Internacionalização, expansão urbana e metropolização: olhares cruzados para a apreensão do espaço
metropolitano em Curitiba”, e busca compreender a expansão da cidade através das modificações e inserções de novos equipamentos
urbanos em seu interior. Após a década de 1990 tem sido observada uma mudança na dinâmica e na espacialização dos equipamentos
urbanos em Curitiba, bem como a inserção de capitais internacionais na economia urbana. São exemplos os condomínios fechados, os
hipermercados e os shopping centers, estes últimos analisados na etapa anterior desta pesquisa pelo Bolsista de IC/Voluntário Alexandre
Gomes Ferreira. Os shopping centers (SC) se configuram num dos principais espaços para o lazer da população Curitibana, considerando
que muitos deles possuem em seu interior cinemas, teatros, sala de jogos, espaços para eventos, dentre outros. Após o encerramento da
análise dos SC, optou-se pela continuidade do trabalho, porém agora, com o objetivo de compreendê-los na perspectiva de seu papel no
âmbito do entretenimento, para tanto, além dos SC, a análise se estendeu para os espaços fora dos SC, em particular aos grandes espaços
para shows e eventos esportivos. A metodologia consistiu em identificar e localizar os diferentes equipamentos de entretenimento e analisar
a relação entre sua a distribuição e a expansão da cidade, bem como verificar a vinculação dos mesmos a grandes redes estrangeiras, por
meio da internacionalização do capital, resultando em diversas mudanças na economia urbana. Os resultados preliminares apontam para
uma tipologia, igualmente preliminar, que classifica os espaços de entretenimento em Tradicionais, cuja criação se deu antes do ano 2000,
tais equipamentos se concentram na região central da cidade, como é o caso do teatro Guaíra, Teatro Paiol. Com relação aos teatros optou-se
por priorizar os locais com capacidade superior a 200 lugares, devido a sua importância econômica e suscetibilidade ao capital estrangeiro.
Os espaços Recentes tiveram sua criação na última década e caracterizam-se pela instalação em diversos pontos da cidade, sobretudo os
cinemas, que são a maioria dos empreendimentos deste período e sua implantação está ligada ao padrão locacional do Shopping Center.
Os espaços Multieventos, representados pelos centros de exposições, feiras e shows estão localizados no entorno da cidade ou na Região
Metropolitana, devido à necessidade de grandes espaços físicos, os quais não são encontrados no centro da cidade.
RELAÇÃO ENTRE VAZÃO MÍNIMA E ÍNDICE TOPOGRÁFICO NA BACIA DO ALTÍSSIMO RIO
NEGRO – PR/SC
O PAPEL DOS EQUIPAMENTOS DE ENTRETENIMENTO NA ECONOMIA URBANA E NA EXPANSÃO
DE CURITIBA.
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Costa Abreu Lopes (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006018975
Orientador: Irani dos Santos Co-orientador: Rodrigo Marcos de Souza
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Índice topográfco, vazão mínima, SWAT.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7
Aluno de Iniciação Científca: Fernanda Aparecida Fernandes (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022475
Orientador: Olga Lucia Castreghini de Freitas Firkowski
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Entretenimento, expansão urbana, economia urbana.
Área de Conhecimento: Geografa Humana 7.06.01.00-3           
0051
0052
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
47
Este trabalho tem como objetivo a simulação e análise dos processos hidrogeomorfológicos atuantes na bacia experimental do rio Saci.
Foram utilizadas simulações com modelo matemático hidrogeomorfológico TOPOG e o monitoramento intensivo das variáveis hidrológicas
da bacia. A pesquisa apresentada é parte integrante do projeto CLIMASUL - Estudo de Mudanças Climáticas na Região Sul do Brasil,
desenvolvido por uma rede cooperativa proposta pela FURB, com a participação das seguintes instituições: UFSM, UFRGS, UFSC, UFPR,
EPAGRI, EMBRAPA, IAPAR e INPE. Localizada no município de Rio Negrinho – SC, a bacia do rio Saci possui área de 10,2 ha e tem seu
uso do solo caracterizado pelo predomínio do reflorestamento de Pinus taeda com idade superior aos 30 anos. O monitoramento hidrológico
realizado na bacia do rio Saci é parcialmente automatizado com experimentos capazes de detectar a precipitação externa e interna, a variação
do nível do lençol freático em diferentes pontos, além da vazão no seu exutório. O TOPOG é um modelo hidrogeomorfológico de base física
e totalmente distribuído, que considera a variação espacial de parâmetros de entrada, tais como relevo, solo, vegetação e clima. É baseado
em um sofisticado modelo de análise digital do terreno, sendo capaz de descrever com precisão os atributos topográficos tridimensionais
da paisagem. Com essas características, permite simular o movimento da água na vertente. Neste trabalho foram feitas simulações com
discretização diária de eventos hidrológicos ocorridos entre agosto de 2008 e dezembro de 2010. Estas simulações fornecem resultados
tais como o nível do lençol freático em toda a bacia ao longo do evento, a quantificação do escoamento superficial gerado, a espacialização
da lâmina de escoamento e o hidrograma dos eventos. A comparação dos resultados da modelagem matemática computadorizada com os
dados obtidos através do monitoramento possibilita a avaliação da capacidade do modelo em reproduzir adequadamente o comportamento
da natureza. E, principalmente, permite a visualização da distribuição espacial dos processos hidrogeomorfológicos atuantes na bacia, e
conseqüentemente um melhor entendimento dos mesmos. Suporte Financeiro: FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério
da Ciência e Tecnologia) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).
Este trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento hidrossedimentológico da bacia hidrográfica do Altíssimo Rio Negro, utilizando
o modelo SWAT (Soil and Water Assessment Tool), para simular, com intervalo diário, a vazão líquida e o transporte de sedimentos. A bacia
do Altíssimo Rio Negro, definida como a área drenada a montante da estação hidrossedimentométrica de Fragosos (65090000), possui área
de 788 Km² e está localizada ao norte do estado de Santa Catarina e ao sul do estado do Paraná, entre as latitudes 25º55’73’’S e 26º14’17”S,
e as longitudes 49°10’12’’W e 49°36’53’’W. A bacia apresenta áreas de pastagem (28%), agricultura (24%), reflorestamento (10%) e
Floresta Ombrófila Mista (38%). O SWAT é um modelo matemático que permite simular séries hidrológicas e reproduzir o comportamento
das vazões e da produção e transporte de sedimentos, utilizando informações sobre clima, propriedades do solo, relevo, vegetação e uso e
manejo presentes na bacia. O modelo é distribuído, pois divide a bacia em sub-bacias, e estas, em unidades de reposta hidrológica, definidas
pela combinação da declividade, cobertura vegetal e tipo de solo. Estas unidades são utilizadas para a geração de escoamento e simulação
de processos erosivos. Dessa forma, considera a espacialidade das variáveis envolvidas nesses processos. A calibração tem como objetivo
ajustar os parâmetros do modelo para produzir uma série simulada, que seja suficientemente próxima aos dados observados. Os resultados
das simulações indicam que o modelo, após o processo de calibração, é capaz de reproduzir o comportamento hidrossedimentológico da
bacia com resultados satisfatórios. Suporte Financeiro: FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia)
e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).
SIMULAÇÃO DE EVENTOS HIDROLÓGICOS NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIO SACI.
SIMULAÇÃO HIDROSSEDIMENTOLÓGICA COM O MODELO SWAT PARA A BACIA DO ALTÍSSIMO
RIO NEGRO
Aluno de Iniciação Científca: Fernando Helmuth Syring Marangon (ITI/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024449
Orientador: Irani dos Santos
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: processo hidrogeomorfológico, modelagem hidrológica, bacia experimental.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 – Geografa Física            
Aluno de Iniciação Científca: Gilson Bauer Schultz (ITI - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006018975
Orientador: Irani dos Santos Co-Orientador: Rodrigo Marcos de Souza
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Modelo SWAT, produção de sedimentos, bacia hidrográfca do Altíssimo Rio Negro.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 - Geografa Física
0053
0054
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
48
A Bacia hidrográfica do Rio do Marumbi, localizada no município de Morretes/PR, tem área de 79,23 km² e encontra-se inserida nas
unidades morfológicas Planície Litorânea e Serra do Mar. Apresenta predomínio de relevo acidentado, elevados índices pluviométricos,
acarretando em maior susceptibilidade à ocorrência de movimentos de massa. Assim, o principal objetivo deste trabalho é espacializar a
evolução temporo-espacial dos movimentos de massa ocorridos em 1980, 1996 e 2007, como também correlacioná-los com os dados do meio
físico na Bacia do Marumbi. A partir da metodologia de Kozciak (2005), as cicatrizes de escorregamento foram identificadas utilizando-se
a fotointerpretação visual, aplicada às fotos de 1980, na escala 1:25000. Para os anos de 1996 e 2007, a interpretação foi feita a partir de
ortofotografias e imagens de satélite, respectivamente. Foram confeccionados mosaicos para os três anos de estudo, cujas principais etapas
foram: georreferenciamento aplicado às fotos de 1980, com o uso do SOFTWARE GlobalMapper, e, o posterior uso do Erdas Imagine,
no processo da mosaicagem, também utilizado para 1996 e 2007. Os mosaicos foram utilizados como suporte para a interrelação entre
elementos que podem influenciar na ocorrência dos movimentos de massa. Após a identificação dos deslizamentos, foi elaborado o mapa
de inventário, representando-os espacialmente. Por fim, com a análise dos dados compilados, verificou-se que a Bacia do Marumbi tem um
elevado potencial à ocorrência de movimentos de massa em áreas que apresentam declividades altas, aproximadamente 40°,associadas a
solos rasos ( Cambissolos e Neossolos Litólicos) . A maior concentração das cicatrizes estão espacializadas ao Sul da bacia, próxima ao rio
Ipiranga. O produto desta identificação será utilizado para delimitar Áreas Prioritárias à Recuperação Ambiental.
Este trabalho tem como objetivo simular a influência da vegetação na estabilidade das encostas na bacia do rio Sagrado. A bacia do rio
Sagrado localiza-se na Serra do Mar paranaense, abrange parte dos municípios de Morretes, Paranaguá e Guaratuba e está compreendida
entre as latitudes 25°31’05” e 25°37’28” S, longitudes 48°44’59” e 48°52’16” W, com uma área de aproximadamente 85 km² até a estação
hidrossedimentológica. A presença de vegetação em uma encosta e a coesão da zona de raízes faz com que haja maior estabilidade do solo,
comparativamente ao solo sem vegetação. Para avaliar o efeito da vegetação na estabilidade do terreno foi utilizado no modelo SINMAP
(stability índex mapping), onde foram realizadas simulações com e sem o valor referente ao efeito da coesão de raiz. O SINMAP é um
modelo de estabilidade de encostas fisicamente baseado e distribuído, que considera a dinâmica hidrológica das encostas e a metodologia da
vertente infinita, comparando os elementos desestabilizadores do terreno (gravidade) com os componentes estabilizadores (atrito e coesão).
Leva também em consideração a declividade do terreno, área de contribuição da vertente a montante, características geotécnicas do solo e
evento de precipitação para gerar áreas com probabilidade de deslizamentos. Neste trabalho foi utilizado o modelo SINMAP e o software
ArcView 3.2 como apoio para a realização da simulação. Como resultados da simulação foram gerados mapas de estabilidade da área e estes
apresentaram coerência com as cicatrizes de deslizamentos mapeadas, ou seja, a maioria dos deslizamentos está dentro da distribuição dos
limites de incerteza usados no modelo. Os resultados indicam também que as forças derivadas da coesão de raiz e da presença de cobertura
vegetal aumentam a estabilidade dos solos, tendo influência na quantidade e distribuição dos deslizamentos, considerando que a presença
de cobertura vegetal na área é um fator de estabilização do terreno com consequente diminuição dos deslizamentos.
ESPACIALIZAÇÃO DOS DESLIZAMENTOS OCORRIDOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO
MARUMBI (MORRETES / PR): SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS PRIORITÁRIAS À
RECUPERAÇÃO AMBIENTAL.
SIMULAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NA ESTABILIDADE DE ENCOSTAS NA BACIA DO
RIO SAGRADO – SERRA DO MAR PARANAENSE
Aluno de Iniciação Científca: Juliana Aurea Uber ( Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022474
Orientador: Leonardo José Cordeiro Santos
Colaborador(es): Carolina Mesquita
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Movimentos de massa, espacialização, Bacia hidrográfca do Rio Marumbi.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 Geografa Física      
Aluno de Iniciação Científca: Karen Estefania Moura Bueno (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006018975
Orientador: Irani dos Santos
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Deslizamentos, vegetação, SINMAP
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7
0055
0056
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
49
Doenças como a dengue, transmitidas por vetor (o mosquito Aedes aegypti) e que apresentam uma sazonalidade de surtos epidêmicos,
evidenciam estreita relação com fatores geográficos, especialmente o clima. No Brasil, desde a introdução da doença (1986), em todos os
anos houve registros de casos de dengue no país. Os surtos epidêmicos registrados na região Sul do país coincidem com as estações de
temperatura e pluviosidade mais elevadas, principalmente nos primeiros meses do ano, mais especificamente nos meses de janeiro a maio.
Nesta parte do Brasil a dengue não é considerada muito expressiva, quando comparados os índices das outras regiões, sendo que a maioria
dos casos confirmados localiza-se em regiões ao norte e noroeste do estado do Paraná, local caracterizado por temperaturas mais altas e
próximo de estados com altos índices de casos notificados, como o Mato Grosso do Sul. No entanto, a área de abrangência da doença na
região tem aumentado, e é cada vez mais evidente a sua expansão para lugares de latitudes mais altas. Utilizando-se do método da análise
rítmica (Monteiro, 1972), desenvolveu-se um estudo relativo às condições climáticas associadas à um surto epidêmico de dengue no município
de Giruá (noroeste do estado do Rio Grande do Sul) no ano de 2007. Para tanto, através de uma perspectiva climatológica, analisou-se a
relação entre os registros de casos de dengue e as variáveis climáticas deste período, o que permitiu compreender que, além dos aspectos
sociais, os condicionantes ambientais podem ser apontados como causa da expansão da doença. Esta pesquisa envolveu embasamento
teórico, levantamento e mapeamento de dados climáticos para identificação e análise da dinâmica e evolução climática deste município da
Região Sul, com o intuito de servir como base e subsídio ao estudo de riscos e vulnerabilidade da expansão da dengue.
A prática da cartografia participativa desvenda as limitações do Desenvolvimento Territorial Rural (DTR) proposto pelo Estado brasileiro
nos últimos 8 anos já que não contempla uma profunda construção popular ou participativa nos processos de decisão. Esta prática é
apropriada pelos Povos e Comunidades Tradicionais como um instrumento de articulação, resgate de identidade e força motriz de suas
ações. A representação cartográfica tradicionalmente exerce função de afirmação de poder e estratégia de dominação, cujo processo de
produção e distribuição restringe-se ao Estado e a organizações internacionais de controle. Entretanto, a difusão das técnicas de produção
cartográfica comum em nossos dias permite a sujeitos sociais organizados apropriar-se do processo de mapeamento ressignificando-o como
ferramenta essencial para sua auto-afirmação coletiva. Neste enlace revela-se o Projeto Nova Cartografia Social que vem se consolidando
como instrumento de busca por visibilidade social e política de diversos povos e comunidades tradicionais em todo o Estado do Paraná.
Os povos de faxinais, autodenominados faxinalenses, incluem-se neste processo, articulados como movimento social organizado desde
2005 através da APF – Articulação Puxirão dos Povos Faxinalenses. A pesquisa objetiva analisar as características e a dinâmica dos povos
faxinalenses, suas formas de organização, resistência e confronto através do mapeamento participativo, utilizadas para constituir-se como
um movimento social cada vez mais fortalecido e consolidando uma proposta alternativa às políticas públicas como o DTR. A presente
pesquisa tem sustentação bibliográfica fundamental nos autores Roberto M. de Souza e Alfredo W. B. de Almeida no que concerne aos Povos
e Comunidades Tradicionais, Marcelo L. de Souza para amparar as reflexões sobre a construção autônoma do arraigo territorial e Henri
Acselrad para reflexões mais gerais sobre a prática da Cartografia Participativa como possibilidade alternativa de desenvolvimento, além
de materiais que ilustram a pluralidade das cartografias participativas hoje existentes. Os procedimentos metodológicos de aproximação
à temática consistem em: levantamento bibliográfico e discussão teórica com o grupo de pesquisa, trabalho de campo na área de estudo e
acompanhamento de oficinas referentes ao processo de cartografia participativa. A partir dessa proposta de pesquisa, os primeiros resultados
se centram em entender o processo que compreende a construção prática da cartografia social pelos povos tradicionais como alternativa ao
projeto de DTR proveniente do poder do Estado. A prática do mapeamento participativo em suas diversas etapas de construção contribui para
o fortalecimento das relações sociais e comunitárias e dos vínculos com o território tradicionalmente ocupado. Também pudemos observar que
esse processo ajuda na construção de políticas públicas específicas que apreciam o modo de vida culturalmente diferenciado desses povos.
EVOLUÇÃO E DINÂMICA CLIMÁTICA DA REGIÃO SUL DO BRASIL – ENFOQUE SOBRE A
TEMPERATURA DO AR
POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS NO TERRITÓRIO CENTRO-SUL DO PARANÁ
Aluno de Iniciação Científca: Natacha Loures Bello (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022493
Orientador: Francisco de Assis Mendonça Co-Orientador: Wilson Flavio Feltrim Roseghini
Colaborador: José Aquino Junior, Ugo Doetzer Cordero
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Análise rítmica, dengue, clima.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 Geografa Física
Aluno de Iniciação Científca: Otávio Gomes Rocha (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006020488
Orientador: Jorge Ramón Montenegro Gómez
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: desenvolvimento territorial, povos e comunidades tradicionais, cartografa social.
Área de Conhecimento: 7.06.01.00-3 Geografa Humana
0057
0058
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
50
Este trabalho realiza uma análise dos censos agropecuários de 1995/1996 e de2006 e suas influências nas políticas públicas para o Território
Rural Centro-Sul do Paraná, tendo como pano de fundo as dinâmicas do campesinato e da agricultura familiar. O mesmo é subdividido
em três partes, sendo a primeira uma análise comparativa dos censos tanto nas mudanças observadas nos dados quanto nas metodologias
utilizadas em 1996 e 2006. Em segundo lugar, se abordam as mudanças e tendências ocorridas nesses 10 anos para esse território, e por fim
uma análise quanto à eficiência do censo 2006 para as políticas públicas voltadas ao Território Rural Centro-Sul do Paraná. Buscou-se traçar
um panorama com base no paradigma da questão agrária embasando-se em autores como o geógrafo Ariovaldo Umbelino de Oliveira que
faz diversas críticas ao atual censo e os responsáveis pelo mesmo (IBGE), Bernardo Mançano Fernandes que cita as questões ideológicas
presentes no censo agropecuário 2006, algumas afirmações por parte do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) a respeito do censo
agropecuário, dentre outros autores como Guilherme Delgado Leonilde Sérvolo de Medeiros e Sérgio Pereira Leite autores que propiciam
uma visão bastante ampla deste paradigma. O objetivo geral deste trabalho é analisar a eficiência do censo agropecuário como instrumento de
diagnóstico para o Território Rural Centro-Sul do Paraná e as tendências apresentadas no comparativo entre os censos de 1995/96 e de 2006
apresentadas para o Território Rural, que em alguns aspectos apresentam muitas semelhanças às características do Estado e às nacionais como,
por exemplo, a redução no total da área dos estabelecimentos que acompanha a média nacional e estadual e em outros casos mostra alguns
aspectos diferenciados totalmente das lógicas estaduais e nacionais como no que diz respeito a o valor da produção dos estabelecimentos
agropecuários. Além disso, apresenta-se uma crítica a respeito do instrumento de pesquisa utilizado como norteador das políticas públicas
voltadas ao Campo Brasileiro e especificamente ao Território Rural Centro-Sul do Paraná. Um panorama para esta área do estudo embasado
nas informações obtidas por intermédio de tal análise, como o fato da agregação dos extratos dos grandes estabelecimentos impedindo o
confronto dos grandes estabelecimentos (acima de 2500ha) com os dados do censo 1995-1996 o que esconde drasticamente as áreas dos
latifúndios e finalmente a influência ou tentativa de influenciar a análise do campo brasileiro pela lógica neoliberal como havendo no campo
brasileiro apenas agricultores familiares e não familiares, abandonando totalmente o conceito de camponês como sujeito de contestação e
resistência à dinâmica do capital e as consequencias disso para o Território Rural Centro-Sul do Paraná.
A identificação e delimitação das feições geomorfológicas é tradicionalmente feita por julgamentos de ordem qualitativa que são baseados
nas descrições obtidas na fase de interpretação, sobretudo em fotografias aéreas, cartas topográficas e imageamento orbital. Com o
objetivo de pesquisar, desenvolver e testar técnicas paramétricas para auxílio em trabalhos de mapeamento geomorfológico, o presente
trabalho realizou a identificação de distintas unidades de relevo na área de estudo, situada entre as latitudes 49°21’38”W e 51°24’0”W
e longitudes 25°14’36”S e 26°7’57”S, nos compartimentos geomorfológicos Serra do Mar, Planície Litorâneas, Primeiro, Segundo e
Terceiro Planaltos Paranaenses, por meio de processos automatizados e padronizados em ambiente de Sistemas de Informação Geográfica.
Com o auxílio de métodos paramétricos foram obtidos atributos topográficos: declividade, hipsometria, orientação de vertentes, plano e
perfil de curvatura, que foram combinados para identificar zonas geomorfológicas homólogas. Os atributos topográficos foram obtidos
do Modelo Digital de Elevação SRTM (Shuttle Radar Topography Mission), com resolução espacial de 3 segundos de arco de grau,
aproximadamente 90 x 90m. Após a aquisição dos MDEs que compreendem a área de estudo, as etapas seguintes contaram com auxílio
das técnicas de geoprocessamento por meio dos softwares Global Mapper 11, onde as imagens foram mosaicadas e exportadas, e ArcView
9.3.1, onde as variáveis topográficas foram geradas. Em seguida foi aplicado o Índice de Concentração da Rugosidade (ICR) do relevo, o
qual é obtido pela aplicação do estimador de densidade por Kernel (Kernel Estimation), ferramenta geoestatística, sobre pontos contendo
valores de declividade. Considerando experiências apresentadas na literatura foi feita a discretização da matriz resultante da aplicação do
kernel, organizada em 5 classes. Foram obtidas 50 unidades geomorfológicas, determinadas por meio dos polígonos gerados pelo ICR, os
quais foram comparados com os compartimentos apresentados no Mapeamento Geomorfológico do Estado do Paraná, onde as unidades
morfoestruturais, morfoesculturais e sub-unidades morfoesculturais apresentaram similaridades, refletindo em resultados satisfatórios. A
pesquisa constatou o grande potencial de aplicação das imagens SRTM e seus subprodutos, aliado às técnicas de SIG e geoprocessamento,
aos trabalhos de mapeamento geomorfológico em escala regional.
CAMPESINATO E AGRICULTURA FAMILIAR NO TERRITÓRIO RURAL CENTRO-SUL DO PARANÁ
APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PARAMÉTRICAS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO
Aluno de Iniciação Científca: Ralph de Medeiros Albuquerque (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006020488
Orientador: Jorge Rámon Montenegro Gómez
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Camponês, Censo, Questão agrária.
Área de Conhecimento: 7.06.01.00-3 Geografa Humana
Aluno de Iniciação Científca: Ricardo Michael Pinheiro Silveira (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004013419
Orientador: Chisato Oka-Fiori Co-Orientador: Claudinei Taborda da Silveira
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Geomorfologia; SRTM; geoprocessamento.
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7
0059
0060
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
51
Este trabalho tem por objetivo avaliar a possibilidade de determinar a concentração de sedimentos em suspensão na bacia hidrográfica do
Rio Sagrado através do monitoramento da turbidez. A bacia do Rio Sagrado localiza-se na Serra do Mar na porção oriental do estado do
Paraná, entre as latitudes 25º31’05”S e 25º37’28”S; e entre as longitudes 48º44’59”W e 48º52’16”W, com uma área de drenagem de 85
km². Os estudos referentes ao transporte de sedimentos são economicamente relevantes tanto na agricultura, aonde a perda de solo fértil
representa um significativo decréscimo permanente na produção, como para a geração de energia elétrica por meio de hidroelétricas, aonde
custos de dragagem dos sedimentos depositados nos reservatórios oneram os custos de operação. A sedimentometria é a parte da hidrometria
que estuda o transporte de materiais erodidos que são suscetíveis ao transporte, cujo método comumente empregado para a obtenção destes
valores consiste na coleta e análise de amostras, sendo muito oneroso e intensivo em mão de obra. Assim, medições automáticas através da
turbidez tornam-se uma alternativa viável em função da fácil instalação e por possibilitar um monitoramento remoto, constante e automático,
sem a presença de um técnico no local. A turbidez é dada pela capacidade de obstrução de um feixe de luz sob um meio em decorrência da
presença de partículas, este valor pode ser obtido por um sensor óptico que após emitir um raio de luz calcula o ângulo e a intensidade de seu
retorno, sendo que quanto maior a quantidade de luz dispersada maior a turbidez do meio. No entanto, como a relação entre concentração de
sedimentos e turbidez não é universal, deve-se calibrar os resultados do sensor de turbidez às características granulométricas dos sedimentos
locais. Esta calibração é feita comparando os resultados nefelométricos (valor obtido pela retrodifusão de um feixe de luz emitido) da água
com a concentração de sedimentos suspensos obtida através de análises laboratoriais de amostras coletadas no mesmo instante de leitura do
sensor. Os resultados preliminares apontam para a viabilidade da aplicação deste método, vindo a promover no futuro o desenvolvimento
de novos estudos na área de produção e transporte de sedimentos na bacia do Rio Sagrado.
A dengue, arbovirose transmitida por mosquitos do gênero Aedes, com predominância em países tropicais e em desenvolvimento, é uma
das doenças epidêmicas de maior importância nos dias atuais. No Brasil, a doença se desenvolve em quase todos os estados, sendo que na
região Sul o aparecimento e a elevação do número de casos tem se intensificado na última década. Especificamente nos estados de Santa
Catarina e Rio Grande do Sul, a partir do final dos anos 1990, alguns municípios passaram a registrar focos de infestação do mosquito e
consequentemente de casos autóctones positivos da doença. Esta pesquisa objetiva identificar os principais condicionantes socioambientais
responsáveis pela dengue nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, já que os estudos sobre o Paraná apresentam resultados bastante
satisfatórios. Desenvolvida sob a perspectiva da Geografia da Saúde, os dados são trabalhados através do mapeamento e análise dos casos
importados e autóctones em ambos os estados, fornecidos pelas secretarias de saúde dos dois estados. Esta pesquisa analisa, de maneira
específica, os condicionantes socioambientais locais do município de Giruá-RS, sendo aquele que mais registrou epidemias nos dois estados
citados. Dentre os dados levantados e envolvidos na presente analise destacam-se: Bairro da possível infecção e dados de infestação do
vetor. Dentre os resultados alcançados observa-se que o avanço da dengue na região Sul advém de casos importados, assim como de casos
autóctones, decorrentes do aumento dos focos de criadouros de reprodução do mosquito vetor, originários de outras regiões do Brasil. A
epidemia de 2007 ocorrida em Giruá resultou da influência da circulação do sorotipo DEN-3, da ausência de medidas efetivas de controle
da doença por parte da Secretaria Municipal de Saúde e também de outras características socioambientais locais tais como a urbanização e
o clima. O fraco conhecimento das especificidades socioambientais de Giruá, aliado à carência de estudos mais aprofundados dos processos
epidemiológicos de difusão da dengue nas escalas inter-municipais e inter-estaduais, auxilia no aparecimento dos casos autóctones em
municípios até então indenes a doença, além de manter o ciclo viral e epidemiológico nos municípios que já a registram. Essa pesquisa faz
parte de um projeto intitulado: A dengue no centro-sul do Brasil: Riscos e vulnerabilidades de expansão face à urbanização e mudanças
climáticas. Suporte Financeiro: Fundação Araucária.
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE SEDIMENTOS EM SUSPENSÃO NA BACIA DO RIO
SAGRADO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO AUTOMÁTICO DA TURBIDEZ
DINÂMICA ESPACIAL DOS CASOS E DOS VETORES DA DENGUE NA REGIÃO SUL DO BRASIL.
Aluno de Iniciação Científca: Ronald Eugenio Manz (ITI/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024449
Orientador: Irani dos Santos
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Turbidez, concentração de sedimentos em suspensão e monitoramento automático
Área de Conhecimento: 1.07.05.00-7 – Geografa Física
Aluno de Iniciação Científca: Ugo Doetzer Cordero (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022493
Orientador: Francisco de Assis Mendonça
Colaborador: José Aquino Junior (DOUTORANDO/CAPES), Natacha Loures Bello (ESTAGIÁRIA), Wilson Flávio Feltrim Roseghini
(DOUTORANDO/CAPES).
Departamento: Geografa Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Geografa da Saúde, Dengue, Região Sul.
Área de Conhecimento: Geografa Física - 1.07.05.00-7
0061
0062
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
52
A Bacia do Paraná é uma bacia intracratônica da plataforma Sul-Americana, com aproximadamente 1,5 milhões de quilômetros quadrados,
distribuída em territórios do Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. A deposição da Bacia do Paraná encerra sedimentos paleozóicos,
mesozóicos e cenozóicos. A Formação Rio do Rasto compreende sedimentos neopermianos da Bacia do Paraná, e é constituída por arenitos,
siltitos e folhelhos. Essa associação litológica indica um ambiente deposicional continental fluvial de planície de inundação. A Formação Rio
do Rasto se divide nos membros Serrinha (base da formação) e Morro Pelado (topo). Os fósseis de vertebrados descritos para a Formação
Rio do Rasto incluem peixes actinopterígios e dipnóicos, tubarões xenacantídeos, alguns anfíbios temnospôndilos, como Australerpeton e
Rastosuchus, além do dicinodonte Endothiodon e pareiassauros. Os materiais apresentados neste trabalho foram coletados na PR-090, entre
os municípios de Sapopema e São Jerônimo da Serra, no Estado do Paraná, e são provenientes do Membro Morro Pelado. Foram encontrados
materiais cranianos, fragmentos mandibulares e vértebras de Tetrapoda, além de vários fragmentos ainda não identificados. A preparação
mecânica dos materiais encontra-se em andamento, sendo utilizado, para isso, um martelo pneumático. O crânio possui aproximadamente
21,3 cm de comprimento, sendo que não está completamente preservado. Na região posterior, o mesmo mede cerca de 19,5 cm de largura, e
na região rostral chega a medir 4,5 cm de largura. O material encontra-se diageneticamente alterado, estando comprimido dorso-ventralmente.
Embora o material ainda necessite de preparação, observam-se as duas órbitas bem preservadas, além de um estreitamento contínuo em
direção ao rostro alongado, que apresenta-se incompleto. Os fragmentos mandibulares pertencem provavelmente à porção mais proximal
da mandíbula, na região de articulação com o crânio. Os fragmentos vertebrais correspondem provavelmente ao intercentro vertebral. É
bastante provável que os fósseis encontrados pertençam a anfíbios temnospôndilos, grupo importante a ser considerado para o refinamento
bioestratigráfico do Permiano-Triássico da Bacia do Paraná. Porém, análises mais detalhadas ainda devem ser feitas para que se possa obter
uma identificação mais precisa das amostras.
Este trabalho está inserido no projeto Caracterização estrutural da Faixa Tocantins e do flanco oeste/sudoeste da Bacia do Parnaíba e
implicações para reativações de falhas durante o Fanerozóico, desenvolvido no LABAP – Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica em
convênio com a Petrobras no Programa de Fronteiras Exploratórias (PROFEX). A área do trabalho está localizada no Estado do Tocantins,
abrangendo tanto a Bacia do Parnaíba, como o embasamento da mesma, a Faixa Araguaia. O objetivo do projeto é a análise geomorfológica
da área de estudo geral do projeto e sua relação com a tectônica atuante na região durante o Fanerozóico. O trabalho é desenvolvido a partir
de diversos métodos de análise, iniciando com o levantamento de análise bibliográfica sobre geoformas e superfícies de aplainamento
na região da Bacia do Parnaíba. Em seguida, foram elaborados perfis topográficos de duas áreas específicas do projeto, as transectas de
Guaraí e Araguaína, a partir de imagens de relevo através do software Global Mapper, os quais foram interpretados quanto as superfícies de
aplainamento/nivelamento, relacionadas com as unidades geológicas equivalentes. Para tanto, foram utilizados mapas geológicos publicados
e dados de levantamentos de campo obtidos através de estudos realizados pela equipe do projeto. Também foi realizada uma análise
hipsométrica da área do projeto através de cartas e imagens disponibilizadas pelo Ministério do Meio Ambiente, através da análise do padrão
das drenagens observadas. Através das análises realizadas, pode-se observar no perfil geomorfológico da transecta de Guaraí, a presença de
três superfícies de aplainamento/nivelamento, enquanto que na transecta de Araguaína, tem-se duas destas superfícies. Essas superfícies são
mais evidentes nas porções da bacia, sendo que uma superfície pode abranger várias unidades litoestratigáficas. As altitudes variam de 150
a 550 metros na área da transecta de Guaraí e, na transecta de Araguaína, de 150 a 450 metros. Essa variação de altitude é evidenciada em
mapas de declividade, elaborados no software Surfer. Geralmente o relevo na área em estudo é bastante plano, no entanto próximo a serras
constituídas pelo embasamento da bacia, pode-se observar declividades mais acentuadas controladas pelo padrão estrutural da região, com
escarpas alinhadas principalmente segundo a direção N-S. A drenagem apresenta densidade baixa, podendo chegar a moderada em algumas
porções. Pode apresentar formatos sub-paralelo, dendrítico e retangular, também com tropia moderada a alta e assimetria baixa a moderada.
MATERIAIS CRANIANOS, FRAGMENTOS MANDIBULARES E VÉRTEBRAS DE TETRAPODA
REGISTRADOS NA FORMAÇÃO RIO DO RASTO (NEOPERMIANO), ESTADO DO PARANÁ
ANÁLISE MORFOTECTÔNICA NA FAIXA TOCANTINS E FLANCO SUDOESTE DA BACIA DO
PARNAÍBA
Aluna de Iniciação Científca: Adriana Strapasson de Souza (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006018627
Orientadora: Cristina Silveira Vega
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Formação Rio do Rasto, Permiano, vertebrados.
Área de Conhecimento: 1.07.01.12-5
Aluno de Iniciação Científca: Bárbara Carolina Dressel (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Maria José Maluf de Mesquita Co-Orientador: Fernando Mancini, Eduardo Salamuni
Colaborador: Rafaela Marques da Silva Tadra
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Geomorfologia, Bacia do Parnaíba, Análise de Drenagem.
Área de Conhecimento: Geologia 1.07.01.00-1
0063
0064
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
53
A Bacia Bauru se formou no interior da Plataforma Sul-Americana no Cretáceo Superior, em clima semi-árido a árido. Apresenta calcretes
(acumulações de carbonato de cálcio) e feições de paleossolos em várias unidades. Os mais destacados estão na Fm. Marília (Gr. Bauru),
que é composta pelos membros Echaporã, Serra da Galga e Ponte Alta. Os tipos de calcretes foram caracterizados por correlações entre
perfis de campo e análises de amostras com microscópios de luz transmitida e de varredura eletrônica. No Mb. Echaporã (Marília, SP),
identificaram-se depósitos de arenitos finos a médios (lençóis de areia) com intercalações de arenitos médios a finos com estratificação
cruzada acanalada e ortoconglomerados (enxurradas de deserto). Com menor expressão, há intercalações lamitos (lagoas efêmeras).
Feições de paleossolos (rizocreções) ocorrem, sobretudo nos depósitos de lençol de areia, onde a intensidade da carbonatação varia entrre
mesotexturas de calcrete mosqueada, nodular e crosta dura. Nas unidades com mesotexturas friável, maciça, mosqueada incipiente/média,
nodular esparso, nodular, venular esparsa suborizontal, e venular fechada não foram identificados paleossolos. A associação de microtexturas
alfa caracteriza-se por grãos de quartzo com bordas corroídas, além de feldspato e intraclastos, imersos em matriz micrítica, com frequente
preenchimento de fraturas por calcita de crescimento deslocativo. Ocorre em todas as mesotexturas. Associados às mesotexturas nodular,
crosta dura, trama venular espaçada e fechada ocorre substituição de calcita por sílica e recristalização da matriz. Os membros Serra da
Galga e Ponte Alta (Uberaba, MG), são constituídos por conglomerados arenitos imaturos médios a finos, com intercalações de arenitos
grossos conglomeráticos e lamitos (depósitos de leques aluviais, fluxos fluviais e lagoas efêmeras). O Mb. Serra da Galga possui paleossolos
e calcretes identificados pelas mesotexturas friável e nodular esparsa, enquanto no Mb. Ponte Alta predomina a mesotextura maciça. As
três unidades da Fm. Marília exibem evidencias mesoscópicas de paleossolos. Contudo, em escala microscópica predominam feições da
associação de microtexturas alfa, indicando sobreposição posterior de processos freáticos a edáficos.
A presente pesquisa tem como objetivo principal fornecer dados gravimétricos Bouguer para o projeto “Caracterização estrutural da
Faixa Tocantins e do flanco Oeste/Sudoeste da Bacia do Parnaíba e implicações para reativações de falhas durante o Fanerozóico”, em
desenvolvimento pelo Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica (LABAP/UFPR) e pelo Laboratório de Pesquisas em Geofísica Aplicada
(LPGA/UFPR), em convênio com o Programa de Fronteiras Exploratórias da Petrobras (PROFEX). A Bacia Sedimentar do Parnaíba
localiza-se na região Norte/Nordeste do Brasil, ocupando uma área de aproximadamente 600.000 km². Inicialmente foi realizada uma revisão
bibliográfica sobre os fundamentos do método gravimétrico, assim como sobre os procedimentos de aquisição de dados gravimétricos, além
de rever a literatura da Bacia do Parnaíba, com ênfase na Província Estrutural Tocantins. Em seguida, foi realizada a coleta e análise crítica
de dados disponíveis na Rede Gravimétrica Fundamental Brasileira (RGFB), com estações separadas de 5 a 20 km, as quais serviram de
base para o planejamento de duas transectas, denominadas Araguaína e Guaraí. Na primeira foram percorridos aproximadamente 180 km,
na direção geral E-W, do que resultou na ocupação de 100 novas estações, espaçadas em torno de 2 km. Na segunda, com direção próxima
de NW-SE, foram ocupadas 158 estações, com o mesmo espaçamento, distribuídas ao longo de 250 km. Os dados gravimétricos foram
adquiridos pelo gravímetro CG-5, precisão nominal de 0,0005 mGal, pertencente ao LPGA/UFPR, cujo posicionamento foi realizado através
de GPS diferencial. Os dados brutos assim coletados foram submetidos a correções de rotina (deriva instrumental, maré, latitude, Ar-Livre,
Bouguer e terreno), resultando em perfis de anomalias Bouguer das duas transectas. Em continuidade, foram realizados perfis magnéticos,
com base em aerolevantamentos disponíveis no LPGA/UFPR, nas mesmas posições, os quais foram plotados em conjunto na plataforma
Oasis montaj™, permitindo uma primeira avaliação do comportamento gravimétrico e magnético ao longo das referidas transectas.
MICROMORFOLOGIA DE CALCRETES E PALEOSSOLOS DE DEPÓSITOS CONTINENTAIS
NEOCRETÁCEOS DA FORMAÇÃO MARÍLIA, BACIA BAURU
GRAVIMETRIA DA BORDA OESTE DA BACIA DO PARNAÍBA (TO)
Aluno de Iniciação Científca: Danielle Cristine Buzatto Schemiko (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Proj. de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023459/CNPq 471717/2007-0
Orientador: Luiz Alberto Fernandes (Produtividade em Pesquisa do CNPq nível 2)
Colaborador: Eloir Maoski (Mestrando/CAPES)
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: calcretes, Marília, Bacia Bauru.
Área de Conhecimento: Geologia - 1.07.01.00-1.
Aluno de Iniciação Científca: Evandro Graeser (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Prof. Dr. Francisco José Fonseca Ferreira Co-Orientador: Mestrando Marco Antonio Thoaldo Romeiro
Colaborador: MSc. Fernando Mancini
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Gravimetria, Bacia do Parnaíba, Banco de Dados.
Área de Conhecimento: Geofísica - 1.07.02.00-8
0065
0066
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
54
A Bacia sedimentar do Parnaíba é uma bacia intracratônica Paleozóica abrangendo os estados do Tocantins, Maranhão, Piauí, Pará e
Ceará. Trabalhos sobre esta bacia existem desde o início do século XX, mas há várias questões a serem estudadas em relação à origem e
evolução desta bacia, principalmente de sua borda oeste. O objetivo do trabalho é caracterizar os sistemas deposicionais da seção paleozóica
da borda oeste da bacia com ênfase ao Carbonífero, tendo escassos trabalhos publicados sobre as rochas deste intervalo nesta região. O
Carbonífero é composto pelas Formações Poti (formação mais superior do Grupo Canindé) e Piauí (formação inferior do Grupo Balsas). O
Grupo Canindé apresenta na sua base uma deposição predominante pelítica com arenitos finos, essa sedimentação pelítica passa para uma
sedimentação mais psamítica com arenitos médios a conglomeráticos da Formação Cabeças com algumas intercalações de lamitos, nesta
formação existem indicações de glaciação, em seguida ocorre uma retrogradação que culmina com siltitos intercalados com arenitos finos
ambos com climbing ripples e estratificações do tipo hummocky. O Grupo Balsas apresenta um contato discordante com o grupo inferior
apresentando uma sedimentação com influência mais continental. O Grupo Balsas apresenta na base arenitos finos a médios com marcas
onduladas, estratificações plano-paralelas e cruzadas intercalados a siltitos e argilitos da Formação Piauí que concordantemente passa para
a Formação Pedra de Fogo que é caracterizada por apresentar arenitos médios com estratificação cruzada e intercalações de níveis mais
finos com silexitos que apresentam troncos petrificados. O paleozóico da bacia termina com a Formação Motuca que apresenta afloramentos
predominantes de arenitos médios com algumas intercalações de corpos de siltitos e folhelhos. As informações de afloramentos descritos
utilizados para a análise faciológica foram adquiridos em 3 etapas de campo na borda oeste da Bacia do Parnaíba, onde foram descritos
9 afloramentos na Formação Piauí e 22 afloramentos na Formação Poti. A partir das seções colunares foi realizada a análise de fácies das
unidades carboníferas. Na separação das fácies das unidades carboníferas foi definido preliminarmente 12 fácies para a Formação Poti e
7 fácies para a Formação Piauí e foram definidos associações de fácies para o carbonífero que permitiu uma interpretação até o momento
preliminar, junto com os dados de bibliografia, de ambientes plataformal e/ou deltaico e com influencia de glaciação para o carbonífero
da borda oeste da bacia
O projeto “Caracterização estrutural da Faixa Tocantins e do flanco Oeste/Sudoeste da Bacia do Parnaíba e implicações para reativações de
falhas durante o Fanerozóico” desenvolvido em parceria entre o Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica e o Laboratório de Pesquisas
em Geofísica Aplicada, em convênio com o Programa de Fronteiras Exploratórias da Petrobras, tem por objetivo principal, caracterizar
as estruturas da borda Oeste da bacia e possíveis feições herdadas do seu embasamento. A Bacia Sedimentar do Parnaíba localiza-se na
região norte/nordeste do Brasil, ocupando uma área de aproximadamente 600.000 km². A recuperação de dados por meio da digitalização
de cartas geológicas e geofísicas, assim como a construção de banco de dados geofísicos integrado a dados geológicos, é fundamental
para o entendimento e caracterização da geologia estrutural. A análise de dados gravimétricos e magnetométricos permite a localização e
quantificação de perturbações locais dos campos gravitacional e magnético terrestres, definidas como anomalias geofísicas, sendo estas
respostas nos campos potenciais relacionadas possivelmente a estruturas geológicas. Os métodos utilizados neste trabalho consistiram
primeiramente na revisão de trabalhos anteriores, de onde foram compilados mapas geofísicos e geológicos que constituíram a base para
o planejamento de campo. Na etapa posterior, foram realizados trabalhos de campo como: aquisição de dados geofísicos, mapeamento
geológico-estrutural, coleta de amostras, entre outros. Os dados obtidos foram processados e interpretados utilizando como referência os
dados digitalizados, o que possibilitou a geração de novos mapas e modelos. Para digitalização dos mapas foi utilizado o programa ArcMap
9.2 da ESRI
TM
, que possibilita a análise dos dados em sua correta posição espacial, permitindo o desenvolvimento de diversas técnicas
de geoprocessamento, a partir do georreferenciamento de figuras e a geração de dados vetoriais, sendo adotado o sistema de coordenadas
geográficas, Datum SAD69. Os diversos tipos de perfis foram digitalizados utilizando o programa CorelDraw 12.0. Os dados geofísicos
digitalizados e levantados em campo, serão integrados para a compilação de um Banco de Dados Geofísicos, o qual é composto por imagens
georrefenciadas, mapas de magnetometria e gravimetria, arquivos vetoriais de lineamentos e publicações de cunho geofísico.
ANÁLISE ESTRATIGRÁFICA DA SEÇÃO PALEOZÓICA NO FLANCO OESTE DA BACIA DO
PARNAÍBA, COM ÊNFASE AO CARBONÍFERO
GERAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOFÍSICOS PARA INTEGRAÇÃO COM DADOS GEOLÓGICOS,
COMO SUPORTE À ANÁLISE ESTRUTURAL DA BORDA OESTE DA BACIA DO PARNAÍBA (TO)
Aluno de Iniciação Científca: Guilherme Arruda Sowek (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Fernando Mancini
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Bacia do Parnaíba, Carbonífero, estratigrafa.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Jessica Derkacz Weihermann (PETROBRAS/FUNPAR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Prof. Dr. Francisco José Fonseca Ferreira Co-Orientador: Mestrando Marco Antonio Thoaldo Romeiro
Colaborador: Fernando Mancini
Departamento: Geologia Setor: Ciencias da Terra
Palavras-chave: Geofísica, Bacia do Parnaíba, Banco de Dados.
Área de Conhecimento: Geofísica 1.07.02.00-8
0067
0068
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
55
Dentro do contexto das grandes bacias intracratônicas brasileiras, a Bacia Sedimentar do Amazonas ocupa uma área de aproximadamente
500.000 Km
2
, no território do Brasil, distribuindo-se pelos estados do Pará e do Amazonas, sendo bordejada pelos crátons pré-cambrianos
das Guianas ao norte e Amazônico ao sul. O arcabouço da bacia é composto por duas sequências deposicionais de primeira ordem, a
primeira de idade paleozóica, entre o Ordoviciano e o Permiano superior, e por outra seqüência distribuída entre o Cretáceo e o Cenozóico.
Visando a compreensão do arcabouço estratigráfico da Bacia Sedimentar do Amazonas, o projeto CATEA (Caracterização tectono-
estrutural da Bacia do Amazonas), desenvolveu levantamentos de dados bibliográficos e de campo das seções fanerozóicas aflorantes, nas
bordas norte e sul da bacia. Cinco etapas de campo foram realizadas, para a coleta de dados, incluindo as regiões dos rios Tapajós, Xingu
e Trombetas, da Rodovia Trasamazônica e a região do domo de Monte Alegre. Partindo da análise estratigráfica clássica, a qual abrange
as técnicas analíticas de levantamento de seções colunares, análise faciológica, correlação estratigráfica de unidades e interpretação de
sistemas deposcionais, constatou-se que a seção paleozóica da bacia é constituída por quatro sequências deposicionais de segunda ordem,
delimitadas por discordâncias regionais. A integração dos dados bibliográficos com as observações de campo permitiu a correlação e a
identificação das principais sequências de segunda ordem, nas áreas estudadas. Na região do Rio Tapajós foi observada a predominância da
sequência Pensilvaniano-Permiana, caracterizada principalmente pela presença dos calcários e folhelhos da Formação Itaituba, depositados
sob influência de ambiente marinho raso. Já próximo ao Rio Xingu prevalece a sequência Devono-Eocarbonífera, denotada pelos arenitos
e folhelhos neríticos das Formações Ererê e Barreirinha, além da presença subordinada de arenitos e diamictitos glaciais da Formação
Curiri. No perfil executado na rodovia trasamazônica, na região de Altamira (PA), observou-se também a sequência Devono-Eocarbonífera,
mais evidenciada. Na borda norte da bacia, a região de Monte Alegre, apresenta uma sedimentação dividida entre os arenitos neríticos
a deltaicos da Formação Maucuru (Sequência Devono-Eocarbonífera) e os arenitos litorâneos da Formação Monte Alegre (Sequência
Pensilvaniano-Permiana). E por fim, na região do Rio Trombetas observou-se à expressiva presença dos arenitos marinhos da Formação
Maecuru, pertencentes a Sequência Devono-Eocarbonífera.
Mato Preto é um complexo alcalino-carbonatítico que faz parte de um conjunto de complexos alcalinos, constituído pelas intrusões Tunas,
Banhadão e Barra do Itapirapuã, todas relacionadas ao lineamento Lancinha-Cubatão. Este depósito é um dos 3 maiores produtores de minério
de fluorita relacionada à carbonatitos do mundo e também um dos mais importantes depósitos de fluorita do Brasil. Neste trabalho, foram
descritos minerais em amostras de sovitos, Fe-carbonatitos, brechas hidráulicas e minério de fluorita, provenientes do corpo Clugger (as
alcalinas encaixantes não foram consideradas), por meio de ensaios de laboratório, petrografia e difratometria de raios-x. Foram identificados
cerca de 30 minerais diferentes, incluindo sulfetos, sulfatos, carbonatos, óxidos, hidróxidos, silicatos e argilo-minerais. Merecem destaque
minerais com hábitos incomuns (calcita em “flor”), a fluorita (mineral de minério) e os minerais concentradores de ETR (bastnaesita, monazita,
britholita e fergusonita). A fluorita, de origem hidrotermal, pode ser roxa (maciça ou disseminada), incolor (maciça) ou remobilizada (cúbica,
milimétrica, podendo ser incolor, amarela, preta, cinza, marrom ou roxa). A bastnaesita - (La,Ce)(CO
3
)F – ocorre na forma de glomérulos
milimétricos de cristais submilimétricos, nitidamente associados à fluorita, sendo as maiores concentrações associadas ao minério de fluorita
roxa maciça. Apesar de o único mineral lavrado no depósito ser a fluorita, a crescente demanda por elementos terras raras, associada à
escassez de depósitos e a restrições impostas pela China (detentora das principais reservas lavráveis de ETR) suscitam o interesse na busca
por novos depósitos. Nesse contexto, o complexo do Mato Preto, com carbonatos de ETR, torna-se um alvo exploratório interessante, com
amostras contendo mais de 10% de bastnaesita modal. Assim, os minerais concentradores de ETR podem ser lavrados, como subproduto
da fluorita. Além disso, o rejeito do beneficiamento de fluorita, com cerca de 1 milhão de toneladas, pode ser aproveitado para a extração
de ETR a um custo relativamente baixo, uma vez que não haverá despesas com explosivos e britagem.
ANÁLISE ESTRATIGRÁFICA SEÇÃO PALEOZÓICA DA BACIA SEDIMENTAR DO AMAZONAS
CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DOS MINERAIS DO MINÉRIO DE FLÚORITA E ETR DO
DEPÓSITO DE MATO PRETO, CERRO AZUL-PR
Aluno de Iniciação Científca: João Filipe Suss (PETROBRAS – FUNPAR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021264
Orientador: Fernando Mancini
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Bacia do Amazonas, Sequências Sedimentares, Ambientes Deposicionais.
Área de Conhecimento: Geologia 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: José Carlos Ribeiro (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023583
Orientador: Prof. Dr. João Carlos Biondi
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Mato Preto, Fluorita, ETR.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
0069
0070
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
56
Este trabalho visa descrever e estudar macro e microscopicamente amostras de púmices, encontradas na costa sul-brasileira, tal como
estabelecer a proveniência dessas rochas. Em campo, como os púmices ocorrem intercalados a sedimentos com idade inferida de 30 mil anos,
define-se para a formação de tais rochas idade semelhante. Contudo não há evidências de vulcanismo no Brasil durante esse período, o que
propõe que sua gênese se deu outro local. Levantamento bibliográfico foi utilizado para inferir uma possível correlação da formação desses
púmices com outros encontrados e analisados por outros pesquisadores, ao longo da costa brasileira e do continente africano nas décadas
de 1950 e 1970. São citadas, nesse trabalho, descrições de púmices ao longo da história e cujos eventos formadores foram descritos pelo
homem, sua deriva e deposição em locais distantes em relação ao vulcão que os formou. Por serem rochas friáveis, as amostras coletadas na
costa brasileira não puderam passar por tratamento geoquímico de forma a ampliar seu estudo. Entretanto por meio de análise petrográfica de
duas amostras coletadas no litoral paranaense, procurou-se uma correlação com púmices descritos em trabalhos anteriormente publicados,
assim como traçar um possível caminho percorrido pelos mesmos desde sua gênese até sua deposição na costa brasileira. As duas lâminas
têm descrições diferentes entre si no que tange às suas respectivas assembléias minerais. A lâmina número 1, constituída essencialmente por
vidro vulcânico, apresenta estruturas típicas de púmices, como os esferulitos, porém sem minerais cristalizados. Na lâmina número 2, por
sua vez, são descritos até três minerais distintos: clinopiroxênio, feldspato alcalino e quartzo. Dois dos minerais encontrados foram também
descritos em trabalhos realizados com púmices que ficam à deriva marítima após serem formados: o clinopiroxênio e o feldspato alcalino.
Com base na observação desses minerais pode-se definir que esses púmices são egressos de um vulcanismo de série toleítica a alcalina, que
tipicamente ocorre na Cadeia Meso-Atlântica, de onde esses púmices podem ter sido gerados, e que devido às correntes marítimas atuantes
nessa região, foram depositados na costa brasileira. Essa hipótese é corroborada por outros trabalhos publicados ao longo do Globo, onde
os púmices são depositados a até 5 mil quilômetros de distância do local de sua formação. Recomenda-se assim que, para melhor estudo
de sua gênese sejam encontradas e analisadas outras amostras ao longo da costa brasileira.
Intrusões de rochas básicas, na forma de diques e soleiras, pertencentes à Província Magmática do Paraná, cortam as rochas sedimentares
da Bacia do Paraná. Objetivando definir a história térmica evolutiva das soleiras, foram realizados estudos, principalmente geoquímicos,
afim de caracterizar uma possível geração de hidrocarbonetos, relacionada às intrusões nas rochas sedimentares. Em soleiras descritas nos
municípios de Reserva, Irati, Rebouças, Prudentópolis, Ponta Grossa e Ortigueira, foram feitas análises petrográficas, análises geoquímicas
por meio de fluorescência de raios X e Plasma ICP-MS e por microssonda eletrônica, sendo que nas soleiras de Ponta Grossa e Ortigueira,
ainda foi feita análise por difratometria de raios X nas rochas encaixantes. Essas análises foram acompanhadas de interpretação de fotos
aéreas e digitalização de mapas, para a delimitação dos corpos intrusivos, e levantamento bibliográfico para uma melhor compreensão
sobre os assuntos. Com base nesses estudos, constata-se que nas soleiras de Ponta Grossa e Ortigueira, os principais minerais constituintes
das rochas básicas são, predominantemente, andesina a labradorita como palgioclásio e augita como piroxênio. Já nas outras soleiras, os
principais minerais são andesina a betownita como palgioclásio e augita como piroxênio. Quanto à composição química, foi observado que
no centro dos corpos as rochas possuem composição andesito basáltica, basáltica e toletíca e, nas bordas, composição andesítica. Usando
critérios texturais, como a granulação das rochas, são classificadas como basaltos a diabásios nas bordas e gabros no núcleo, indicando que
sua evolução se deu por processo de cristalização fracionada. Por meio de estudos geotermobarométricos constata-se que a temperatura de
cristalização dos piroxênios, em relação aos plagioclásios, é maior, indicando que aqueles foram os primeiros a cristalizar-se. Observa-se
também que, tanto a temperatura como a pressão, atuantes durante a cristalização, eram maiores no núcleo de fenocristais e menores nos
cristais da matriz. Examinado as rochas das soleiras de Ortigueira e Ponta Grossa, define-se que houve metamorfismo nas rochas encaixantes,
chegando a Fácies Sanidinito, indicando que a temperatura da intrusão era de 795 a 990°C. Ao comparar geoquimicamente as soleiras de
Reserva, Prudentópolis, Irati e Rebouças, define-se que a soleira de Prudentópolis é a mais primitiva (porção norte) e a de Reserva a mais
evoluída. Com composições intermediárias estão a porção sul da soleira de Prudentópolis e as soleiras de Rebouças e de Irati.
PETROLOGIA DE PÚMICES ENCONTRADOS NA COSTA SUL-BRASILEIRA
CARACTERIZAÇÃO DO METAMORFISMO TERMAL NO CONTATO DE ROCHAS SEDIMENTARES
DA BACIA DO PARANÁ COM AS INTRUSIVAS BÁSICAS DA PROVÍNCIA MAGMÁTICA DO PARANÁ
Aluno de Iniciação Científca: José Eduardo Francisco Morais (Programa - PET - SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Profª Drª Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Púmices, petrologia, vulcanismo.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Murilo Ducat Semkiw (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010190
Orientador: Eleonora Maria Gouvêa Vasconcellos
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: soleiras, geoquímica, hidrocarbonetos.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
0071
0072
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
57
A bacia sedimentar de Curitiba possui área aproximada de 3.000 km² e é preenchida por sedimentos continentais terciários da Formação
Guabirotuba. Está localizada na porção leste do Primeiro Planalto Paranaense, e faz parte do Sistema de Riftes Cenozóicos do Sudeste do
Brasil. Estudos revelam que os sedimentos foram depositados por sistemas de leques aluviais, vindos das bordas leste e oeste rumo ao interior
da bacia. Pesquisas recentes identificaram seis associações de fácies que correspondem a ambientes deposicionais fluviais transicionais das
zonas proximais para distais. O objetivo deste trabalho foi caracterizar texturalmente fácies sedimentares da Formação Guabirotuba, bem
como relacionar sua distribuição geográfica com processos sedimentares deposicionais. As análises granulométricas deram-se em duas
etapas. Na pipetagem, foram dimensionadas partículas com diâmetro entre 0,062 e 0,004mm (silte a argila); e no peneiramento, partículas
com diâmetro entre 4,000 e 0,062mm (areia e grânulos). Na etapa seguinte, foram obtidos parâmetros granulométricos por meio do software
SYSGRAN, tais quais o tamanho médio dos grãos, seleção, e a proporção arcabouço/matriz de sedimentos lamosos (fácies Fm) e arenosos
(fácies Sm). Tais parâmetros foram utilizados como variáveis na elaboração de mapas no software SURFER 8.02. Os resultados preliminares
sugerem redução na proporção de matriz da borda leste rumo ao interior da bacia para a fácies Sm, enquanto ocorre aumento desta na fácies
Fm. Tais observações apontam que sedimentos da área central apresentam maturidade textural superior com relação aqueles situados nas
zonas próximas às atuais bordas da bacia. Esta pesquisa fez parte do projeto Potencial das Argilas da Bacia de Curitiba e região de Castro,
Piraí do Sul-PR (POTE), financiado pela Fundação Araucária. As análises granulométricas foram realizadas no Laboratório de Estudos
Sedimentológicos e Petrologia Sedimentar (LabESed).
O estudo visa à caracterização de pegmatito básico e basalto encaixante no derrame Salto do Lontra, PR e distribuição dos minerais de
minério em populações, segundo granulação e textura. O basalto é castanho claro de textura porfirítica e estrutura amigdaloidal no topo e
base a maciça no centro do derrame. A assembléia mineral primária é composta por andesina (45%), augita (30%), óxidos (15%) e traços de
sulfeto e a secundária (10%) é composta por clorita, celadonita, hematita e obsidiana cloritizada. O pegmatito básico, que está em contato
gradual e irregular com o basalto encaixante, é castanho claro, heterogranular e de estrutura amigdaloidal. A assembléia mineral primária
é composta por andesina (45%), augita (40%), óxidos (10%), e traços de apatita e sulfetos e a secundária (5%) é composta por clorita,
obsidiana cloritizada e hematita (traço). Três populações de minerais metálicos foram individualizadas no basalto encaixante. A população
M1 tem granulação de até 0,20mm, constituída por magnetita cinza com tinta amarronzada, de hábito quadrático a triangular e ilmenita
castanha com tinta rosa de hábito hexagonal irregular a acicular. O poder refletor (PR) de ambas é semelhante entre 19 e 21. Ocorre associado
sulfeto amarelo rosado, granular (0,02mm a 0,05mm), que distinguem-se dos óxidos pelo seu alto PR. A M2 tem granulação de até 0,4mm,
constituída por magnetita e ilmenita cujos limites dos grãos são irregulares. A M3 tem textura poiquilítica e granulação de 0,2 a 0,5mm. É
composta por grãos de magnetita e ilmenita com limites irregulares e intercrescimento lamelar de ilmenita em magnetita de espessura de
0,10mm. No pegmatito básico foram identificadas quatro populações de minerais metálicos. A população P1 tem granulação de 0,1mm,
composta por magnetita cinza com tinta amarronzada e hábito quadrático a triangular de limites bem definidos. Sulfetos de P1 são granulares,
amarelo avermelhado. A P2 equivale à população M1 do basalto em forma, granulação e tipo de minerais. A P3 é semelhante à população
M3 do basalto, porém a textura poiquilítica dos grãos é menos pronunciada. A P4 é constituída por ilmenita de hábito hexagonal a prismático
alongado. Apresenta forte anisotropia, geminação e intercrescimento lamelar de magnetita. A magnetita tem hábito quadrático regular e
apresenta intercrescimento lamelar em três direções de ilmenita de 0,02mm de espessura. A hematita é cinza com tinta azul, PR mais alto
que magnetita e ilmenita, e ocorre como um mineral secundário nos limites de grãos de magnetita e ilmenita ou preenchendo microfraturas.
CARACTERIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO FACIOLÓGICAS DE SEDIMENTOS DA BACIA DE CURITIBA.
METALOGRAFIA E PETROGRAFIA DOS BASALTOS E PEGMATITOS BÁSICOS DO DERRAME
SALTO DO LONTRA, PROVÍNCIA MAGMÁTICA PARANÁ-ETENDEKA.
Aluno de Iniciação Científca: Nayara Penteado Sanches (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013127
Orientador: Luiz Alberto Fernandes Co-orientador: Fábio Macedo de Lima
Colaboradores: Daniel Cesar Antunes Paredes, Fábio Macedo de Lima
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: análise granulométrica, faciologia, Formação Guabirotuba
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Patrícia Hillebrandt (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021258
Orientador: Maria José Mesquita Co-Orientador: Carlos Henrique Nalin Ferreira
Colaborador: Márcia Elisa Boscato Gomes
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Petrografa, Metalografa, Basalto.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1
0073
0074
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
58
Estudos aplicados de geologia estrutural são implementados à análise de bacias, mais especificamente na Bacia do Parnaíba na região
norte/nordeste do Brasil, para um incremento do conhecimento geológico e contribuição para interpretações quanto à evolução da bacia em
sua borda oeste/sudoeste. Neste estudo é aplicado a metodologia de trabalho em multiescala, sendo analisados sensores remotos, através
de imagens de radar SRTM e satélite CBERs em escalas que variam de 1:1.000.000 a 1:100.000 e fotografias aéreas de escala 1:70.000,
mapas geológicos de abrangência regional a local, e informações obtidas em trabalhos de campo por meio de descrições lito-estratigráficas
e estruturais. Informações obtidas da bibliografia também contribuem significativamente neste estudo. A análise estrutural da borda oeste/
sudoeste da Bacia do Parnaíba está sendo realizada no Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica da UFPR (LABAP), no projeto
“Caracterização estrutural da Faixa Tocantins e do flanco oeste/sudoeste da Bacia do Parnaíba e implicações para reativações de falhas
durante o Fanerozóico”, em convênio com o Programa de Fronteiras Exploratórias (PROFEX) da Petrobras. Inicialmente, selecionou-se
a área na região de Araguaína (TO), localizada a norte da área de estudo do projeto, para aplicação da análise multiescala, tendo em vista
sua compartimentação estrutural. A interpretação das imagens dos sensores remotos demonstra uma tendência principal de lineamentos na
direção ENE e uma direção secundária NNE, sendo as direções WNW, EW, NE e NW subordinadas. As estruturas observadas em campo
apresentam direção principal NNE, com direções secundárias NW. Localmente estruturas com caráter destral e sinistral ocorrem nas
direções NE e NW e, de modo geral, há uma expressiva contribuição extensional na deformação da borda oeste da Bacia do Parnaíba, onde
este caráter normal controla a disposição das litologias em mapa. A análise de paleocorrentes em litotipos das formações Pedra de Fogo e
Motuca, sugere que há uma inversão no sentido do preenchimento da bacia durante o Permiano, aventando-se uma influência estrutural nesta
inversão do fluxo da deposição, onde a deformação extensional atuante neste período acarretaria na geração de grabens com orientação NS
que, possivelmente, serviram de calhas locais de sedimentação.
A ideia do desenvolvimento de um atlas petrográfico de estruturas sedimentares, ígneas e metamórficas da Bacia do Amazonas e de seu
embasamento exposto, surgiu a partir da quantidade e qualidade dos dados obtidos durante o projeto intitulado “Caracterização estrutural
do embasamento da Bacia do Amazonas e implicações para reativações de falhas durante o Fanerozóico”, realizado em convênio entre
o Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica, da UFPR, e a Petrobras, no Programa de Fronteiras Exploratórias. A justificativa para
a preparação do atlas foi sustentada pela dificuldade de acesso aos afloramentos da região amazônica, que geralmente encontram-se nas
margens de rios, e pela falta de trabalhos anteriores que ilustrem de forma clara e concisa as estruturas observadas em superfície, em
contrapartida com dados de estruturas de testemunhos de poços da região. Este trabalho tem como objetivo ilustrar aspectos petrográficos
de rochas sedimentares da Bacia do Amazonas e de rochas ígneas e metamórficas de seu embasamento por meio de dados coletados
durante as etapas de campo do projeto, representados por fotos de afloramentos, amostras macroscópicas e lâminas delgadas. Na edição e
diagramação do atlas foi utilizado o software de edição gráfica Corel Draw X3 e para o tratamento das fotografias foi utilizado o editor de
imagens Photophop CS3. Optou-se pela subdivisão em cinco áreas, Xingu, Tapajós, Transamazônica, Monte Alegre e Trombetas, as quais
foram selecionadas para os levantamentos de campo por apresentarem exposições nas margens da bacia e sua relação com as rochas do
embasamento. Cada área constitui-se de imagens e informações sobre os afloramentos e amostras de rochas descritas nas etapas de campo,
sendo que o critério de seleção foi baseado nos aspectos geológicos mais significativos, como a representação dos diferentes litotipos e
variação de estruturas petrográficas e estruturais. A realização deste atlas poderá servir como fonte de disseminação das informações sobre
a evolução geológica da Bacia do Amazonas, ilustrando as feições de afloramentos de rochas de difícil acesso, além de servir como material
de consulta e utilização em disciplinas como as de petrografia sedimentar, metamórfica e ígnea e Geologia do Brasil, tendo em vista que
foram selecionadas imagens de estruturas didáticas e de fácil compreensão.
ANÁLISE ESTRUTURAL DA BORDA SUDOESTE DA BACIA DO PARNAÍBA
ATLAS PETROGRÁFICO DA BACIA DO AMAZONAS E DE SEU EMBASAMENTO
Aluno de Iniciação Científca: Rafaela Marques da Silva Tadra (PETROBRAS/FUNPAR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Fernando Mancini Co-Orientador: Mestrando André Luis Spisila
Colaborador: Thais Borba Santos
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Geologia Estrutural, Geologia regional, Bacia do Parnaíba.
Área de Conhecimento: Geologia. 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Renata Floriano da Cunha (PETROBRAS/FUNPAR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021264
Orientador: Carlos Eduardo Mesquita Barros Co-Orientador: Cristina Valle Pinto-Coelho, Fernando Mancini
Colaborador: Juliana Costa, Suzane Beraldin
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Atlas petrográfco, Geociências, Bacia do Amazonas.
Área de Conhecimento: Geologia - 1.07.01.00-1
0075
0076
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
59
O termo brecha comumente está associado a uma descrição ampla de rochas clásticas formadas por fragmentos angulosos, de tamanhos
variados, mas sempre superior a dois milímetros, cimentada por uma matriz de granulação fina. Essas rochas podem ser rochas ígneas,
metamórficas ou sedimentares. A classificação usual deste litotipo é a genética, que intenta descobrir seus processos geradores, o que
resulta na distinção de sete grupos principais: brecha gravitacional, tectônica, sedimentar, vulcânica, plutônica, hidrotermal e de impacto
meteorítico. As brechas hidrotermais são formadas pela interação da rocha com soluções hidrotermais. Durante a circulação do fluido pelas
fraturas geradas há deposição/cristalização da composição química presente no fluido. O enfoque deste trabalho são as brechas carbonáticas
hidrotermais, resultado da interação da rocha carbonática com fluidos hidrotermais. Além de uma nova paragênese mineral formada, pode
ocorrer também a geração de porosidade, e como consequencia, a brecha pode tornar-se reservatório de água e óleo quando estes percolam
e se alojam em seus poros. O presente trabalho tem como proposta os estudos das estruturas comuns às brechas hidrotermais a partir de
desenhos gráficos gerados de fotografias micro, meso e macroscópicas de brechas. O desenho permite o realce de características consideradas
importantes para classificação, e sua elaboração em preto e branco se justifica pelo objetivo do trabalho, uma vez que em trabalhos de campo,
durante a descrição de estruturas meso e macroscópicas existe a necessidade do desenho na caderneta. Como conseqüência será formado um
banco de imagens que visa auxiliar a identificação de tais estruturas a partir do desenho da caderneta, promovendo uma melhor descrição
de afloramentos. Através dos desenhos são evidenciadas feições características de brechas como a angularidade dos clastos, e os produtos
da relação fluido-rocha (bordas de reação). Devido a pouca referência sobre classificação de brechas carbonáticas hidrotermais na literatura
se faz necessário um estudo sobre suas feições e principais características, sendo isto apresentado neste trabalho através da elaboração de
um banco de imagens, visando auxiliar a classificação e descrição deste litotipo. Inúmeros tipos de brechas carbonáticas hidrotermais foram
descritas e estudadas a partir de “mármores” utilizados para revestimento. A descrição destas rochas resultou na identificação de feições
como: clastos angulosos a subangulosos, cantos pontiagudos, clastos fraturados, interação fluido-rocha com dissolução e recristalização
de material carbonático. Os padrões das feições das brechas carbonáticas hidrotermais estão mostrando que a relação dos clastos e matriz
é muito complexa. A relação fluido-rocha associada às pressões e a temperatura no momento da brechação geram feições de vários tipos,
mas com características especificas em função dos processos de corrosão, assimilação, dissolução e cristalização/recristalização.
A análise de imagens de sensores remotos é uma das técnicas mais utilizadas na caracterização do arcabouço geológico-estrutural, pois através
do traçado de lineamentos é possível identificar estruturas tanto em escalas regionais, quanto em escalas de detalhe. O presente trabalho
tem por objetivo a caracterização litoestrutural da Faixa Araguaia na região de Guaraí – TO, através da análise multiescala, com ênfase na
caracterização das estruturas definidas em imagens orbitais, comparadas com dados estruturais obtidos em levantamentos de campo. As
imagens mais utilizadas para o traçado de mapas litoestruturais são relativas a modelos digitais de elevação, que fornecem informações
topográficas facilmente manipuladas em diferentes escalas. Nesta pesquisa, foram utilizadas imagens GEDEM (global digital elevation
model), com dados altimétricos obtidos por estéreo correlação de imagens ópticas do satélite ASTER (Advanced Spaceborne Thermal
Emission and Reflection). Os dados foram obtidos pela NASA (National Aeronautics and Sapca Administration), em cooperação com o
ERSDAC (Japan’s Earth Remote Sensing Data Analysis Center). Para a confecção do mapa litoestrutural foram utilizadas imagens com
resolução espacial de 15 m, processadas com iluminação nas direções 0°, 45°, 90° e 315°, altitude de iluminação de 45° e traçado na escala
1:100.000, em uma área de aproximadamente 29.500 Km
2
, onde foram traçados 26.949 lineamentos. Esses lineamentos foram analisados com
auxílio de diagramas de rosetas de frequência e comprimento. As pétalas mais pronunciadas evidenciam uma forte tendência nas direções
N-S, sendo estas as estruturas mais freqüentes e de maior comprimento na área de estudo. São evidenciadas tendências secundárias nas
direções E-W, N50-60E e N20-40W. Os dados levantados em campo sugerem que as direções N-S e N50-60E são respostas das foliações
tectônicas desenvolvidas durante os eventos de deformação do Pré-Cambriano. Em campo, também foram observadas estruturas rúpteis
do Fanerozóico, como falhas normais e inversas, com direções muito próximas à N10-40W, semelhante às direções de lineamentos N20-
40W, de menor frequência. As falhas neotectônicas observadas em campo de direção E-W possuem direção similar ao trend secundário
observado nos lineamentos. O padrão estrutural sugere que a maior parte dos lineamentos observados em imagens é produto dos processos
tectônicos pré-cambrianos. As deformações mais recentes representam lineamentos secundários, provavelmente devido às características
de penetratividade e espaçamento dessas estruturas.
BRECHAS CARBONÁTICAS: FORMAÇÃO DE BANCO DE IMAGEM
SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO A ANÁLISE ESTRUTURAL DA FAIXA ARAGUAIA.
Aluno de Iniciação Científca: Renata Ribas Zanella (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007022204
Orientador: Prof. Dr. José Manoel dos Reis Neto
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: brecha hidrotermal; hidrofratura; feições de brecha carbonática.
Área de Conhecimento: 1.07.01.02-8
Aluno de Iniciação Científca: Renato Leandro (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Prof. Dr. Leonardo Fadel Cury Co-Orientador: André Ramiro Hillani Pierin (Mestrando)
Colaborador: Prof. Msc. Fernando Mancini
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Sensoriamento Remoto, caracterização litoestrutural, Faixa Araguaia.
Área de Conhecimento: Geologia. 1.07.01.00-1
0077
0078
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
60
A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Análise de Bacias e Petrofísica da UFPR (LABAP), no projeto “Caracterização estrutural da
Faixa Tocantins e do flanco oeste/sudoeste da Bacia do Parnaíba e implicações para reativações de falhas durante o Fanerozóico” realizado
em convênio com o Programa de Fronteiras Exploratórias (PROFEX) da Petrobras, e consiste no estudo da distribuição de paleocorrentes
e acamamento das unidades paleozóicas na borda oeste da Bacia do Tocantins, visando a análise paleogeográfica e tectônica da região.
Os dados foram adquiridos em três etapas de campo, até o momento, na região entre Palmas e Araguaína (TO). A princípio, foi necessário
o aprendizado do software ArcGIS 9.1, o qual permite a inserção dos dados em ambiente georreferenciado e a visualização gráfica da
direção e mergulho das medidas, bem como de sua localização na Bacia. Como os dados foram obtidos em duas zonas UTM distintas
(22 e 23), para a inserção das medidas em um mesmo mapa foi necessária a construção de shapes em arquivos distintos para cada zona
UTM. Por fim, os shapes foram unidos em um arquivo configurado para a zona 22S, onde se encontram a maioria dos dados, havendo uma
distorção mínima das medidas da zona 23S. Foram gerados dois mapas: um de paleocorrentes e outro de acamamento, sendo que durante o
aprendizado do software, foram realizadas várias tentativas até obtenção de um resultado satisfatório. Primeiramente foi construído o mapa de
paleocorrentes, inserindo todos os dados e atribuindo-se uma simbologia apropriada para as atitudes de cada unidade litológica. Considerando
a sobreposição de dados em um mesmo afloramento, foram confeccionados diagramas de rosetas para os dados de paleocorrentes, os quais
foram posicionados geograficamente em sua devida localização. Posteriormente estas medidas foram agrupadas em shapes específicos
para cada unidade geológica possibilitando a análise do comportamento das paleocorrentes para cada formação isoladamente. O mesmo
procedimento foi efetuado simultaneamente para os dados de acamamento, desta vez com diagramas de pólos indicando o sentido e mergulho
das camadas. A análise dos dados corrobora as evidências de campo que mostram condicionantes sin e pós-sedimentares no controle da
distribuição, tanto das paleocorrentes como dos acamamentos, e a posterior análise de detalhe, somada a mais dados que serão obtidos em
mais duas etapas de campo, fornecerá subsídios para a análise da evolução paleogeográfica da região.
O Complexo Alcalino de Tunas localiza-se no Primeiro Planalto Paranaense, na região leste do Paraná, a noroeste do município de Tunas do
Paraná. Trata-se de um corpo plutônico de idade mesozóica, de composição predominantemente sienítica, intrusivo em rochas metaígneas
e metassedimentares pré-cambrianas dos grupos Açungui e Setuva. O Complexo exibe ampla variação litológica, sendo formado, além dos
sienitos, por monzogabros, gabros, monzodioritos, dioritos, diques de traquito, microssienito e bostonito, bem como brechas vulcânicas.
O objetivo do projeto é estabelecer a composição químico-mineralógica dos feldspatos alcalinos, principal fase mineral constituinte dos
sienitos, visando caracterizá-los quanto aos parâmetros envolvidos na mudança de cor e de comportamento frente a ensaios tecnológicos.
As amostras coletadas foram agrupadas em seis fácies petrográficas, baseadas em diferenças texturais e estruturais: a) fácies cinza com
feldspato alcalino subédrico, pertitizado, granulação média à grossa, e inclusões de anfibólio e biotita; b) fácies cinza-esverdeada com
feldspato alcalino subédrico, pertitizado e geminado, de granulação média à grossa e inclusões de biotita; c) fácies verde com feldspato
alcalino anédrico a subédrico, granulação média à grossa, pertitizado, raras inclusões de máficos; d) fácies verde, representada pelo contato
traquito-sienito onde o sienito apresenta cor esverdeado-acastanhada, granulação média e feldspato alcalino subédrico e pertitizado; e)
fácies verde-acinzentada com feldspato alcalino esverdeado, subédrico, pertitizado, granulação média e inclusões de biotita; f), fácies verde
fina, com feldspato alcalino esverdeado a esbranquiçado, pertitizado, de granulação média e inclusões de máficos. Difratometria de raios-X
para determinação do estado estrutural dos feldspatos revela a presença de microclínio com triclinicidade intermediária, com valores entre
0,3762 e 0,4097; na fácies verde de granulação fina, os valores obtidos são da ordem de 0,3445. Feldspatos alcalinos de sienitos em contato
com traquito têm triclinicidade mais baixa, de 0,3052, indicando estado estrutural de mais alta simetria; no traquito, o feldspato alcalino
analisado tem valores médios de 0,2875. O mapeamento químico ao microscópio eletrônico de varredura mostra repartição homogênea
de K e Na nas fases feldspáticas; a distribuição do Ca e Fe associa-se à egirina-augita encontrada nos sienitos; com distribuição menos
intensa, observa-se Na em cristais desse clinopiroxênio. Ferro é mapeado, ainda, em superfícies de fraturas que seccionam os feldspatos.
ESTUDO DE PALEOCORRENTES E DE ACAMAMENTOS DAS UNIDADES PALEOZÓICAS DA BORDA
OESTE DA BACIA DO PARNAÍBA (TO)
TIPOLOGIA QUÍMICO-MINERALÓGICA DE FELDSPATOS ALCALINOS DAS ROCHAS
ORNAMENTAIS DO COMPLEXO ALCALINO DE TUNAS – PR
Aluno de Iniciação Científca: Suzane Beraldin (PETROBRAS/FUNPAR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023555
Orientador: Fernando Mancini Co-Orientador: Thais Borba Santos
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Sedimentologia, Estratigrafa, Bacia do Parnaíba.
Área de Conhecimento: Geologia. 1.07.01.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Talita da Veiga Silveira (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023561
Orientador: Cristina Valle Pinto-Coelho
Colaborador: Murilo Ducat Semkiw
Departamento: Geologia Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: feldspato, sienito, Tunas.
Área de Conhecimento: 1.07.01.00-1         
0079
0080
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
61
Na atualidade os sistemas de posicionamento global por satélites têm se desenvolvido com grande rapidez. O inicio destes sistemas ocorreu
com o GPS e o GLONASS, seguindo para os sistemas em desenvolvimento como o europeu GALILEO (European Satellite Navigation
System), até os novos sistemas regionais implantados no Japão, China e Índia. Usualmente a precisão dos resultados também está ligada
ao método de posicionamento utilizado, obtendo-se maior precisão com o pós-processamento de dados. Contudo em algumas aplicações
detecta-se a necessidade em se obter um posicionamento preciso em tempo real como, por exemplo, o RTK (Real Time Kinematic) e o
DGPS (Differential GPS), os quais tem fornecido resultados inferiores ao decímetro e a 5 metros, respectivamente. Dentre as dificuldades
existentes com o emprego destes métodos destaca-se a necessidade de emprego de dois receptores, sendo um instalado em um ponto de
interesse e outro ocupando uma estação de referência, a partir da qual serão enviadas as correções diferenciais. Uma solução para contornar
esta dificuldade seria utilizar um único receptor, recebendo correções diferenciais de estações de uma rede de estações ativas, como, por
exemplo, a RBMC (Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo). O NTRIP (Networked Transport of RTCM via Internet Protocol) é um
sistema desenvolvido pela Agência Federal de Cartografia e Geodésia da Alemanha (BKG), a partir do qual é possível instalar um receptor
no ponto de interesse e receber através da internet as correções diferenciais. A transmissão das correções pode ocorrer através de redes
wileress, PCs, PDAs, ou até mesmo via telefonia celular, do tipo GSM, GPRS ou modem 3G. Dentro desta realidade o presente trabalho
apresenta um estudo comparativo entre os resultados obtidos a partir dos métodos de posicionamento em tempo real RTK, DGPS e NTRIP
utilizando um telefone móvel, tendo como referência de comparação as coordenadas precisas obtidas por pós-processamento. A área de
estudo escolhida para o levantamento de dados compreende a primeira Base de Calibração de Antenas GNSS da Universidade Federal do
Paraná (BCAL/UFPR). Os levantamentos foram realizados nos pilares P1000, P2000 e P3000 da referida base, sendo a estação UFPR da
RBMC utilizada como estação de referência, com uma linha de base extremamente curta, cerca de 32 metros. Os levantamentos estão em
andamento e os primeiros resultados com o DGPS e com o RTK apresentaram precisão menor do que 3 metros e menor do que o metro,
respectivamente. Espera-se resultados da ordem do metro com o emprego do NTRIP.
As representações cartográficas, produtos da cartografia, são os únicos meios para se compreender e planejar o espaço em que vivemos.
O conhecimento do espaço é possível pela representação nos mapas das posições geográficas dos elementos que compõem o fenômeno
representado. Assim, a Cartografia possibilita aos especialistas das diversas áreas do conhecimento, realizar análises espaciais que são
essenciais às atividades de pesquisa e planejamento. Uma das áreas de especialidade, para a qual a Cartografia pode trazer importantes
contribuições são as redes sociais, que são redes de interação entre pessoas, grupos e instituições que se conectam de diferentes formas.
Para um estudo abrangente sobre as redes sociais é preciso tê-las associadas a uma representação cartográfica, que possibilite extrair
conhecimentos amplos, tanto sobre as características espaciais dos elementos da rede em si, como também de suas ligações. A pesquisa
desenvolvida tem o objetivo verificar a eficiência das representações cartográficas de redes sociais em diferentes escalas para análises
espaciais que subsidiem a compreensão da formação, das interações e do impacto de uma rede social na democratização da cidade e na
transformação das condições de vida urbana. E para atingir o objetivo foram analisadas as formas de inserção de dados de redes gerados
pelo software UCINET em outro software de representação cartográfica (GRASS), por meio de transformações dos formatos de dados.
A primeira parte do trabalho realizado consistiu em estudar definições de redes sociais de representação cartográfica aplicada a redes. Em
seguida trabalhou-se com os softwares GRASS e UCINET para estudar seus formatos para posterior transformações entre os formatos. Um
programa computacional foi elaborado para auxiliar na entrada dos dados no software cartográfico. O resultado obtidos foi a representação
da rede, com georreferenciamento, no software GRASS.
INVESTIGAÇÃO DA ACURÁCIA OBTIDA COM OS METODOS DE POSICIONAMENTO EM TEMPO
REAL: DGPS, RTK E NTRIP.
VISUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA APLICADA À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS
Aluno de Iniciação Científca: Dafny Tamie Barros Cassal (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021414
Orientador: Profa. Dra. Cláudia Pereira Krueger Co-Orientador: Mestrando Silvio Ney Lopes de Vargas
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Posicionamento em tempo real, NTRIP, RTK.
Área de Conhecimento: Geodésia – 1.07.04.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Francine da Silva Amaral (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:2007021477
Orientador: Claudia Robbi Sluter
Colaborador: André Luiz Alencar de Mendonça
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Análise espacial, SIG/Sistema de Informações Geográfcas, análise de redes sociais.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0
0081
0082
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
62
Este subprojeto teve por objetivo realizar um levantamento do estado atual do Cadastro Técnico Urbano (CTU) e da cartografia de base
em municípios de pequeno porte do Estado do Paraná e verificar a relação da desatualização e, até mesmo da inexistência deste cadastro e
desta cartografia, com a garantia do direito à terra e moradia nestes municípios. Para tanto, desenvolveu-se uma metodologia de trabalho que
compreendeu as seguintes atividades: o levantamento da situação atual do cadastro técnico urbano e da cartografia de base (topográfica) nos
municípios de pequeno porte do Estado, realizado através de questionário elaborado e enviado, via correio eletrônico, aos responsáveis pela
cartografia em todas as prefeituras municipais; o levantamento da Base de Dados sobre o Perfil dos Municípios Brasileiros (IBGE) para fins
de aprofundar conhecimentos sobre os municípios de pequeno porte do Estado, no que diz respeito à sua estrutura administrativa, legislação
e instrumentos de planejamento voltados à garantia do direito à terra e moradia em suas sedes; o levantamento da Base de Dados do Estado
(IPARDES) para fins de aprofundar conhecimentos sobre os municípios de pequeno porte do Estado, principalmente no que diz respeito às
suas características geográficas e econômicas; e a análise dos levantamentos realizados e diagnóstico do estado atual do Cadastro Técnico
Urbano nos municípios de pequeno porte do Estado e a contribuição deste para a garantia do direito à terra e moradia nestes municípios. O
levantamento dos dados necessários à pesquisa junto ao IBGE, IPARDES e outros órgãos estaduais demandou um tempo considerável do
projeto, bem como, a tabulação dos mesmos. O retorno dos questionários pelas prefeituras não ocorreu como esperado (dos 399 municípios,
apenas seis retornaram o que havia sido solicitado), assim, para dar continuidade ao projeto foram utilizados levantamentos realizados pela
Câmara Técnica de Cartografia do Estado do Paraná, disponibilizados online e em forma de questionários. Estes dados foram tabulados e o
cruzamento e as análises foram realizados utilizando o software TerraView, aplicativo construído sobre a biblioteca de geoprocessamento
TerraLib do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O referido aplicativo permitiu a manipulação de dados vetoriais (limites
municipais) e dados descritivos a eles associados. Foram gerados diversos mapas temáticos indicativos do estado atual da cartografia em cada
município, em diferentes escalas, inclusive a cadastral, e efetuadas análises da relação entre a cartografia e os índices de desenvolvimento
dos municípios e influência destes sobre a garantia de direito à terra e moradia nestes municípios.
Com o aumento de precisão no posicionamento geodésico devido às novas técnicas GNSS, aspectos geodinâmicos assumiram papéis relevantes
antes desconsiderados em levantamentos geodésicos convencionais. Em particular, o estudo das deformações de maré produzidas no corpo
planetário, principalmente pela Lua e pelo Sol. Os efeitos decorrentes podem ser divididos respectivamente nas componentes vertical e
horizontal, bem como no de inclinação produzida na superfície. Estes efeitos desempenham na atualidade um importante papel nos estudos
da geodinâmica, pois resultam em esforços diferenciais significativos no interior e nas porções mais superficiais, produzindo deformações
em cada uma das partes do planeta.. Uma das maneiras de estudar tais fenômenos é via as denominadas marés sólidas que compreendem
a maré gravimétrica (vertical), extensométrica (horizontal), clinométrica e do efeito indireto das marés oceânicas A consideração de cada
uma das componentes é de fundamental importância no posicionamento geodésico, principalmente sobre bases longas. O efeito das marés
terrestres e oceânicas faz com que as coordenadas das estações GNSS sofram variações, com maior amplitude na componente vertical.
Essas variações são calculadas por modelos que se baseiam no movimento dos corpos celestes, calculadas com base na latitude do local e
um modelo de resposta planetária aos esforços. As amplitudes das variações podem ultrapassar 50 cm na componente vertical e 10 cm na
horizontal. Nesse trabalho, a determinação da influência das marés terrestres sobre as estações em estudo foram calculadas com o modelo
disponível: http://cmslive2.unibe.ch/unibe/philnat/aiub/content/e237/e311/index_eng.html na página da Universidade de Bern, um código
que permite calcular a influência das marés terrestres a partir de parâmetros de entrada fornecidos, os quais consistem das coordenadas
da estação e a data de interesse. Foram analisados o efeito de marés terrestres para a posição de 10 estações da RBMC, calculado para a
data de 12 de maio de 2010. A amplitude de aproximadamente 40 cm para a componente vertical é comum a todas as estações, porém em
instantes diferentes. Dessa forma, o efeito das marés terrestres afeta consideravelmente as coordenadas da estação caso não seja corrigido
no processamento dos dados.
O CADASTRO TÉCNICO URBANO EM MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ E
SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A GARANTIA DO DIREITO À TERRA E MORADIA NESTES MUNICÍPIOS
INTEGRAÇÃO DE REDES DE REFERÊNCIA ALTIMÉTRICA FUNDAMENTADA EM NÚMEROS
GEOPOTENCIAIS - GRUPO DE OTIMIZAÇÃO DE LEVANTAMENTOS GEODÉSICOS
Aluno de Iniciação Científca: Hamilton Carlos Vendrame Junior (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022954
Orientador: Maria Cecilia Bonato Brandalize
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: cadastro técnico urbano, rede de direitos, terra e moradia, cartografa.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Ivo Marcelo Ermenegildo (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023462
Orientador: Sílvio Rogério Correia de Freitas
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Maré Terrestre, Posicionamento, GNSS.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0     
0083
0084
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
63
Atualmente, grande parte dos produtos cartográficos é baseada na necessidade da manipulação de dados em formato digital para que se tenha
uma qualidade final satisfatória. Esta necessidade surge devido ao fato de que os dados utilizados para a elaboração dos produtos muitas vezes
não estão ausentes de erros, e, portanto, podem comprometer a qualidade final do produto cartográfico. Nesse âmbito, desenvolveu-se um
protótipo computacional que tem como a sua matéria-prima dados cartográficos digitais, que estão localizados em arquivos de extensão .seq,
cujo formato foi proposto pela empresa MaxiData S.A. Foi utilizado este tipo de formato para as experimentações devido à disponibilidade
de dados neste. O protótipo atua justamente sobre os dados que possuem algum tipo de incoerência, ou seja, repetição de pontos consecutivos
num polígono aberto ou fechado e determinação da validade de um polígono fechado no que diz respeito à existência de cruzamento de
lados. O procedimento de detecção de polígonos inválidos implementado foi baseado no cálculo de ângulos horizontais externos formados
entre os sucessivos lados dos polígonos fechados, ou seja, o cálculo da deflexão. A ferramenta utilizada para a implementação do código da
rotina foi o software Visual C++, que faz parte do pacote Visual Studio da empresa Microsoft e utiliza a linguagem C++. A interface atual
é simples, porém eficiente.A parte gráfica dos dados ainda não é apresentada, pois o objetivo principal é a realização de operações com os
dados, ou seja, o protótipo baseia-se na leitura e na escrita de dados principalmente, independente da parte gráfica Para serem realizadas
as operações, a teoria de topologia teve de ser compreendida para que fossem entendidos os conceitos e para que pudessem ser buscados
algoritmos para realizar a operação com os dados digitais.
O método de posicionamento absoluto é o método mais simples aplicado pelos usuários GNSS, contudo ainda existem dúvidas por parte
deles quando se fala em precisão e em que casos devem ser aplicados. Este trabalho tem como objetivo analisar a acurácia e precisão das
coordenadas geodésicas obtidas com o emprego desse método. Foram realizadas observações em três marcos (Pilar 1000, RN10 e RN14),
situados no Campus do Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná. Os períodos de observação foram realizados pela manhã,
almoço e tarde, com o emprego de três receptores, sendo: Garmin GPS 45 (12 canais e observações do código C/A); Leica GPS 1200 (24
canais com observação de dupla freqüência); e Leica GPS/GLONASS 1200 (24 canais com observação de dupla freqüência) denominados
ora vante 01,02 e 03, respectivamente. Foram realizados levantamentos das obstruções no entorno dos três marcos. Observou-se que o Pilar
1000 praticamente não apresenta obstruções no seu entorno, já para a RN14 foi verificada a existência de um maior número de obstruções;
proporcionando desta forma experimentos com situações de entorno totalmente distintas. Realizaram-se dezoito testes, nos quais foram
coletadas cinco coordenadas geodésicas em cada período, durante sete dias. Os melhores resultados obtidos para os receptores 01, 02 e
03, nos diferentes períodos e nos marcos ocupados ocorreram no período do almoço. As menores diferenças tridimensionais (diferenças
planimétricas acrescidas das diferenças altimétricas) foram iguais para os receptores 02 e 03 no Pilar 1000; para o receptor 03 nas RN10 e
RN14. Ressalta-se que os receptores 02 e 03 determinaram as coordenadas geodésicas absolutas com o emprego da fase da onda portadora
L1 e do código C/A e no caso do receptor 01 apenas com o emprego do código C/A. As melhores soluções foram alcançadas com o emprego
do receptor 03 (Leica GPS/GLONASS) para os marcos com obstruções no seu entorno, confirmando que receptores capazes de receber sinais
de mais do que um sistema de posicionamento por satélites são importantes nestas situações. Com as precisões alcançadas neste trabalho
alguns empregos seguros deste método de posicionamento na área das engenharias são: em apoio de campo para georreferenciamento de
imagens de satélites com resolução espacial menor que 15 metros; georreferenciamento para sistemas LEG e SIG para mapas isarítmicos
e temáticos; atualização de linhas de costa nas cartas náuticas quando do emprego de receptores com código (C/A) e fase da onda portadora
(L
1
) e para a navegação.
AVALIAÇÃO DA COERÊNCIA DE DADOS PRODUZIDOS EM CARTOGRAFIA DIGITAL
INVESTIGAÇÕES QUANTO À PRECISÃO E ACURÁCIA DO MÉTODO ABSOLUTO
Aluno de Iniciação Científca: Jorge Luiz Alves de Souza Junior (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022914
Orientador: Henrique Firkowski
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: cartografa digital, sistemas de informação geográfca, C++.
Área de Conhecimento: Cartografa Básica – 1.07.04.05-1
Aluno de Iniciação Científca: Karina de Souza Silva (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021414
Orientador: Claudia Pereira Krueger
Colaborador: Oriana Carneiro Maia
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Posicionamento absoluto, precisão, acurácia.
Área de Conhecimento: Geodésia - 1.07.04.00-0
0085
0086
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
64
Atlas eletrônico é um tipo de mapa interativo no qual são combinadas diferentes formas de apresentação dos dados, as quais possibilitam
visualizações em diferentes escalas e com diferentes simbologias, além da integração da informação espacial com dados alfanuméricos.
O Atlas Social Interativo do Estado do Paraná surgiu da necessidade de representar espacialmente os dados referentes à implantação da
Lei Orgânica de Assistência Social no Paraná – LOAS e consiste em um aplicativo para auxiliar os usuários da área de serviço social nas
tomadas de decisão em relação às políticas públicas no Estado. O primeiro protótipo foi apresentado por Delazari (2004) como resultado
de uma tese de doutorado, e desde então, suas funções de representação vem sendo aprimoradas. Estas funções possibilitam ao usuário
a seleção de mapas, a consulta específica de cada município e a escolha da classificação dos dados, entre outras. Primeiramente, foi
necessário o estudo da linguagem de programação C++ e do conjunto de classes MapObjects. Na seqüência foram analisadas as funções
para a classificação numérica dos dados pelos métodos de intervalos constantes, quantis, desvio padrão da média e quebras máximas. Estes
métodos de classificação estão sendo implementados, de modo que o usuário pode inserir um novo dado, que será classificado de acordo
com o método por ele selecionado. O usuário também pode selecionar o número de classes e o esquema de cores para a representação dos
dados no mapa. As etapas seguintes serão: o desenvolvimento de funções para a manipulação de geometrias do tipo ponto e linha, visto que
o Atlas, até este momento, só admite a geometria de polígonos; funções para classificação semi-automática destes dados; e funções para
simbolização de pontos e linhas. O aprimoramento das funcionalidades do Atlas permite ao usuário a exploração, análise e a abstração do
conhecimento a partir da visualização dos dados.
Para a obtenção de dados precisos nos levantamentos é necessário além do conhecimento fundamental das técnicas, utilizar equipamentos
em perfeito estado de funcionamento e conservação, para tal os equipamento devem passar por processos de verificação, retificação,
calibração e classificação. Os Medidores Eletrônicos de Distância (MED) são equipamentos fundamentais nos levantamentos. Um MED
possui os seguintes elementos: gerador de onda portadora; oscilador de freqüência de modulação; modulador; emissor; refletor; receptor;
comparador de fase e dispositivo de leitura de fase. O principio de funcionamento consiste em enviar um sinal luminoso pelo equipamento
a um alvo definido e pelo tempo de retorno da resposta do sinal é calculado a distância. Atualmente, quase todos os projetos que utilizam
como base um produto cartográfico, têm exigido a verificação, classificação e calibração instrumental. A verificação consiste em um conjunto
de operações envolvendo o exame, a marcação ou selagem e ainda a emissão de um certificado, no qual se constate que o instrumento de
medir ou medida materializada satisfaz às exigências regulamentares. A classificação é determinada conforme a precisão do equipamento.
E a calibração pode ser entendida como o conjunto de operações, em condições especiais, a correspondência entre o estímulo e a resposta
de um instrumento ou sistema de medir. Assim, o resultado de uma calibração pode permitir a determinação de um ou mais parâmetros
da curva característica que relaciona o estímulo, os valores das grandezas correspondentes às divisões de escalas de um instrumento de
medir.O processo de calibração dos MED pode ser realizado tanto em laboratório, utilizando frequencímetros e interferômetro como no
campo, utilizando bases lineares multipilares. Neste processo de calibração, campo ou laboratório, são obtidos os seguintes elementos: Fator
de Escala, Erro de Zero e Erro Cíclico. Como um dos objetivos desta pesquisa é desenvolver um sistema para captar o sinal de medida da
componente linear dos MED que compõem as estações totais, realizou-se o seguinte procedimento: acoplou-se um detector de freqüência
na objetiva do equipamento, que se desejava calibrar, captou-se este sinal e um frequencímetro determinou a freqüência de operação do
equipamento no momento da calibração. Comparando este valor com o valor nominal fornecido pelo fabricante é possível calcular o fator
de escala para o equipamento em análise. Este procedimento foi adotado para os seguintes equipamentos: Leica TCR1205, Leica TC407 e
Topcon GPT-3007w. Os valores encontrados demonstram a viabilidade da aplicação da técnica.
MODELAGEM E IMPLEMENTAÇÃO DE ATLAS ELETRÔNICO INTERATIVO UTILIZANDO
CONCEITOS DE VISUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA
DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA CAPTAR O SINAL DE MEDIDA DA COMPENENTE
LINEAR DE ESTAÇÕES TOTAIS
Aluno de Iniciação Científca: Luciana Fraron de Siqueira (PIBIC/CNPq)
N.º de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007702
Orientador: Luciene Stamato Delazari
Colaborador: Marcio Augusto Reolon Schmidt
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Atlas Iterativo.
Área de Conhecimento: 1.00.00.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Luís Eduardo Ruivo Alves (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 200701931
Orientador: Pedro Luis Faggion
Colaborador: Wander da Cruz, Guilherme Amaral Silva
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Técnicas de Nivelamento, Calibração de Medidores de Distância Eletrônicos.
Área de Conhecimento: 1.00.00.00.-3
0087
0088
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
65
O processo de atualização cadastral é de fundamental importância no sistema administrativo municipal, independentemente da área urbanizada
ou da quantidade de habitantes do mesmo. Uma boa parte das cidades de médio porte tem padecido com o crescimento desordenado e a
informalidade da ocupação de terrenos. Sendo assim, a base cartográfica cadastral é fundamental para dar suporte ao planejamento e as
tomadas de decisão técnicas. Para tanto, a base cartografia urbana deve estar atualizada, a um nível de detalhamento que propicie aos técnicos,
responsáveis pelas diversas áreas do planejamento urbano, extrair as informações de interesse. Um banco de dados espacializado sobre as
parcelas reflete a situação organizacional do espaço urbano. A tributação baseada em dados atualizados gera maior arrecadação e melhor
justiça tributaria dentre outros benefícios aos municípios. Observa-se, no entanto, que a maioria destes centros urbanos possui certa carência
de dados espaciais bem como de recursos humanos. Soluções clássicas de levantamentos e concepção de um cadastro urbano de precisão
podem muitas vezes ser inviáveis financeiramente a municípios com pouco recurso. Este trabalho baseia numa necessidade proeminente
das cidades que almeja retratar o espaço urbano. Assim, como alternativa se propõe avaliar a viabilidade de utilizar de imagens orbitais de
alta resolução gratuitas disponíveis na internet, como dado alternativo a realização da atualização de bases cadastrais. Neste trabalho foi
selecionada uma área de ocupação não mapeada na região metropolitana de Curitiba. Neste estudo de caso capturou-se uma imagem GeoEye
do Google e comparou-se com uma base de mais 20 anos de desatualização. Focaliza-se no trabalho a qualidade do produto cartográfico
e a base de dados cadastral municipal, gerada a partir destas imagens. Para tanto, realizou-se a manipulação das imagens capturadas por
meio técnicas de processamento digital de imagens e apoio em campo através de levantamento GPS. A qualidade das informações é obtida
por meio de pontos de controle levantados in situ. Resultados preliminares apontam para a factibilidade do uso destas imagens com fonte
de informação desde que manipuladas de forma adequada e considerando as especificidades do terreno e complexidade das informações a
serem extraídas. Os resultados obtidos para área de estudo no caso de um loteamento não cadastrado foram satisfatórios para a escala de
representação cartográfica pretendida ao cadastro de baixo custo.
O projeto de pesquisa busca estudar a Cartografia Histórica do Município de Curitiba, bem como os fundamentos geodésicos para a produção
de mapas nos séculos passados. Também busca efetuar a representação tridimensional de construções históricas a partir de fotografias
antigas e levantamentos de campo. Uma das atividades desenvolvidas foi a pesquisa e seleção de mapas antigos digitalizados do município
de Curitiba, com o enfoque de ver o desenvolvimento do centro da cidade ao longo dos anos e os princípios cartográficos adotados na
confecção dos mapas. Através do programa MapAnalyst (programa de distribuição livre), foi realizada uma avaliação métrica dos mapas
coletados, através da seleção de pontos homólogos do mapa antigo, em relação a um mapa atual já georreferenciado. Com isso o programa
gera uma malha regular que fornece a distorção, o ângulo de rotação existente entre os dois mapas e a escala do mapa antigo, sendo que
neste último caso estão sendo realizadas investigações para verificar as diferenças nominais de escala do mapa antigo e a escala fornecida
pelo programa. Utilizando fotografias terrestres como uma ferramenta visual para verificação de modificações existentes ao longo do tempo
através da ação antrópica foi realizada a modelagem de estruturas (prédios) em 3D. Para este trabalho foi empregado o programa Sketchup,
o qual possibilita a criação de objetos e estudos volumétricos a partir de imagens de uma determinada região. Com fotografias tomadas
de diversos ângulos de um prédio a ser levantado, pode-se efetuar uma modelagem 3D das principais edificações históricas da cidade.
Essas posteriormente serão georreferenciadas, tendo assim suas coordenadas obtidas através de um levantamento, que será executado ao
longo do projeto com o auxílio de um GPS de navegação. Adicionalmente, vem sendo realizado um trabalho perante o museu de ciências
geodésicas da UFPR, no sentido de catalogação fotográfica das peças e pesquisas referentes a cada objeto, tendo como prioridade a correta
identificação dos instrumentos e outros dados como o ano de fabricação, marca e utilização.
CADASTRO TÉCNICO URBANO DE BAIXO CUSTO PARA MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE
A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA CARTOGRAFIA E DOS EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO
Aluno de Iniciação Científca: Luiz Octávio Oliani
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023439
Orientador: Alzir Felippe Bufara Antunes
Colaborador: Maria Cecília Brandalize
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: cadastro urbano, imagens de alta resolução, cartografa urbana, sensoriamento remoto.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0 Geodésia
Aluno de Iniciação Científca: Rhaíssa Viana Sarot (Programa- CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021327
Orientador: Luís Augusto Koenig Veiga
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: mapa, modelagem 3D, cartografa.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0
0089
0090
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
66
O presente trabalho propõe um modelo para resseção espacial de imagens que utiliza como apoio de campo os planos das águas de telhados
extraídos de dados Lidar (em inglês, Light Detection and Ranging). A resseção espacial de imagens consiste em recuperar indiretamente
os parâmetros de orientação exterior de uma imagem, nesse caso aérea, sendo esses: os que definem a posição do centro
perspectivo, os que recuperam a atitude da aeronave instante da tomada da fotografia e , seus respectivos
desvios-padrão. Para tanto é necessário que haja correspondência entre as feições no espaço imagem e no espaço objeto, estabelecida
através de um modelo fotogramétrico, sendo o modelo mais usual conhecido como modelo de colinearidade direta, cuja relação funcional
entre as feições é baseada na condição de colinearidade entre feições pontuais. O uso de linhas retas como apoio para orientação indireta
de imagens tem sido bastante difundido na comunidade científica, citam-se os métodos desenvolvidos por: Lugnani (1981); Mulawa e
Mikhail (1988); Roberts (1988); Tommaselli e Lugnani (1988); Kubik (1988); Liu e Huang (1988); Buchanan (1992); Zielinski (1992);
Wilkin (1992); Petsa e Patias (1994); Tommaselli e Tozzi (1996); Forkert (1996); Heuvel (1998); Dal Poz e Tommaselli (1998; 1999);
Habib (1999); Zalmason (2000); Habib et al. (2000); Kokubum e Tommaselli (2002); Shan (2003); Klinec (2004); Zhang (2004); Chen et
al. (2004); Tommaselli e Reiss (2005); Medeiros e Tommaselli (2006); Medeiros e Tommaselli (2009); etc. Neste trabalho é proposto o
desenvolvimento de um modelo baseado na intersecção da reta de colinearidade e a linha reta resultante do encontro de duas águas de um
telhado, tornando-se assim um modelo hibrido. O modelo funcional proposto é implícito e foram efetuadas duas parametrizações para evitar
problemas com linhas retas paralelas ao eixo X ou Y do terreno e para que o modelo tenha uma estimação do valor do ponto de intersecção
das linhas retas com melhor qualidade, sendo uma parametrização para linhas retas com direção mais próxima ao eixo X e outra ao eixo Y.
Os algoritmos foram implementados em C++ e realizados testes para a verificação da sua eficiência. Os experimentos mostraram resultados
satisfatórios com dados simulados. Dados reais também estão sendo testados para obter conclusões efetivas a respeito da sua eficiência.
Desde o surgimento de sistemas de varredura a laser aerotransportados, a possibilidade de obter uma grande quantidade de pontos com
coordenadas tridimensionais da superfície da Terra abriu novos horizontes no campo da fotogrametria. Uma das aplicações é a derivação
de um modelo digital do terreno (MDT) a partir da nuvem de pontos. Atualmente, constata-se a procura pela automação desta extração. O
problema consiste em separar, na nuvem de pontos, os pontos que pertencem ao terreno e os pontos que pertencem às edificações, árvores
e obstruções do solo em geral. O artigo mostra os resultados de um estudo que tem por finalidade gerar um MDT a partir de uma nuvem
de pontos, os dados brutos XYZ da varredura a laser, aplicando técnicas de classificação e filtragem, utilizando um processo vetorial de
análise. Para iniciar, uma triangulação de Delaunay é obtida a partir do conjunto de dados. Num processo iterativo, a declividade de vetores
que ligam pontos espacialmente próximos é analisada. Pontos elevados são caracterizados por grandes declividades e estes são retirados
da triangulação. O algoritmo foi avaliado usando uma nuvem de pontos real, tendo sido verificado experimentalmente que ele é capaz de
reduzir a presença de árvores ou construções no modelo.
PROPOSTA DE UM MODELO HÍBRIDO BASEADO NO USO DE PLANOS DE TELHADOS DERIVADOS
DE DADOS LIDAR PARA ORIENTAÇÃO INDIRETA DE IMAGENS
ANÁLISE DE MODELOS NUMÉRICOS DE ELEVAÇÃO DERIVADOS DE LASER SCANNER PARA O
MONITORAMENTO URBANO
Aluno de Iniciação Científca: Roberta Dal Bosco Carletto (Programa- CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004015017
Orientador: Daniel Rodrigues dos Santos
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: resseção espacial, feições retas, modelo híbrido.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Rodrigo de Castro Moro (PIBITI – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001009069
Orientador: Jorge Antônio Silva Centeno
Colaborador: Fabio Franco
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: mdt, laser-scanning, classifcação de nuvem de pontos.
Área de Conhecimento: 0.00.00.00-0
0091
0092
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
67
A determinação de coordenadas geodésicas na superfície terrestre pode ser realizada através do uso da tecnologia de posicionamento GPS.
Para a obtenção dos dados são realizados rastreios com equipamentos específicos, e a coleta destes dados são armazenados em arquivos,
sendo estes no formato específico do fabricante e podem ser convertidos para o formato RINEX. Neste arquivo, estão contidas as efemérides
transmitidas pelos satélites nas quais podem se realizar análises e modificações. Através do pós-processamento destes dados utilizando
diferentes aplicativos computacionais pode-se avaliar a diferença dos resultados obtidos e compará-los, verificando as precisões obtidas e
análise estatística envolvida. Nesta pesquisa foram utilizados os aplicativos Leica Geo Office versão 5.0, Aschtech 2.7 solutions, Bernese
5.0, e serviço gratuito on-line de processamento de dados GPS ofertado pelo IBGE (http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geodesia/
ppp/default.shtm), e também pelo NRCan (http://www.geod.nrcan.gc.ca/products-produits/ppp_e.php), para análise do pós-processamento
dos dados rastreados na estação UFPR, que utiliza um receptor GNSS Trimble NetR5 e antena ZEPHYR GNSS geodetic model 2, e um
arquivo RINEX com 24 horas e taxas de gravação de 15 minutos da data de 09/10/2009.
A solução para a determinação da distribuição espacial e intensidade da pavimentação em áreas urbanas passa pelo uso de técnicas de
sensoriamento remoto, sendo necessário desenvolver alternativas para a coleta de dados e sua interpretação. Com os avanços naquele, a
possibilidade de identificar objetos menores e caracterizar sua superfície abre novas possibilidades para o mapeamento de coberturas do
solo na bacia. A metodologia proposta prevê uma análise voltada a segmentos, com a utilização de uma segmentação multiresolução FNEA
(Fractal Net Evolution Approach) e outros segmentadores, como o de crescimento de regiões. O problema da variedade de descritores
espaciais, como os de forma, é abordado na pesquisa. Foi realizada a segmentação dos dados integrados de uma imagem de alta resolução
espacial e dados altimétricos de um sensor laser scanner aerotransportado, com o objetivo em dividir a imagem em unidades homogêneas,
considerando a uniformidade espectral dos pixels, sua textura e contraste. As unidades foram separadas em classes que representam os
objetos da cena utilizada e os dados de área e perímetro de cada unidade da segmentação foram exportados para análises dos índices de
dimensão fractal e parâmetro de pareto. Para o cálculo da Dimensão fractal, é usado o método baseado em entidade discreta que relaciona
perímetro e área, proposto por Clark (1986) apud Lan e De Cola (1993) e pode ser expresso por Macgarical & Marks (1995): D = 2 log (0,25
x P) / log (s) onde: D = dimensão fractal; P = perímetro; s = área. O parâmetro de Pareto é calculado a partir da relação entre o segmento e
seu grau. O cálculo realizado é estimado pelo modelo linear - De Cola (1989): ln (sj) = a – b ln (rj) onde: a = parâmetro de Pareto na forma
linearizada; b = coeficiente; rj = grau do segmento j.Obteve-se como resultado uma boa definição da classe vegetação. As classes ‘vias’ e
‘edificação’ se separaram, no entanto ficaram bastante próximas nas análises. Como as vias foram sobrepostas pela vegetação na imagem,
os segmentos foram fragmentados, resultando em formas não contínuas, muito próximas da forma das edificações, aproximando assim os
parâmetros analisados. Já a vegetação, por possuir uma forma não homogênea se diferenciou em relação as outras classes.
MODIFICAÇÃO DE ARQUIVOS RINEX PARA PROCESSAMENTO DE DADOS GPS.
ESTUDO DA FORMA NO PROCESSO DE SEGMENTAÇÃO DE DADOS ALTIMÉTRICOS
MULTIESPECTRAIS
Aluno de Iniciação Científca: Rogério Carlos Weigert Junior (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005975
Orientador: Luiz Danilo Damasceno Ferreira Co-Orientador: Angela Cristina Cararo
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: Formato Rinex, GPS, pos-processamento.
Área de Conhecimento: 1.07.04.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Talyta Pinheiro de Camargo (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023573
Orientador: Jorge Antonio Silva Centeno
Colaborador: Hideo Araki
Departamento: Geomática Setor: Ciências da Terra
Palavras-chave: sensoriamento remoto, laser scanner, segmentção.
Área de Conhecimento: 0.00.00.00-0 Não defnida.
0093
0094
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
68
Este projeto surgiu da necessidade, apresentada pela coordenação do curso de Bacharelado em Ciência da Computação da UFPR, de
diagnosticar os principais motivos do elevado número de reprovações, concentradas em determinadas disciplinas. Chamamos de “Disciplinas-
chave” aquelas que possuem um elevado índice histórico de reprovações. O trabalho consistiu em identificar dois tipos de alunos: aqueles
com elevado número de reprovações e aqueles com facilidade de aprovação nas “Disciplinas-chave”, bem como os professores que ministram
regularmente estas disciplinas. A metodologia de trabalho consistiu em levantar, com base em entrevistas com os alunos, os motivos por eles
apontados para o baixo rendimento acadêmico de um grande número de estudantes nestes pontos do curso e assim buscar uma melhoria na
qualidade da graduação. As disciplinas “Matemática Discreta”, “Organização e Arquitetura de Computadores”, “Algoritmos e estruturas
de dados I”, “Introdução a Álgebra” e “Cálculo II” foram apontadas como as que mais reprovam ao longo dos semestres. Uma vez que a
maioria das Disciplinas-Chave são de cunho teórico ou matemático, foram elaboradas algumas proposições que fizeram parte da análise da
aplicação dos questionários aos alvos da atividade. Esta análise permitiu também identificar novas proposições que não fizeram parte daquelas
inicialmente propostas, tais como: “Boa parte dos alunos que entram no curso esperam que o mesmo seja mais voltado à tecnologia do que à
ciência. Eles tiveram uma formação matemática deficitária no ensino médio e não reconhecem a importância do estudo da matemática para
se tornarem bons cientistas de computação ou, até mesmo, bons desenvolvedores de sistemas computacionais. Na realidade, boa parte dos
alunos não sabe qual é a relação da matemática com a computação. Logo, não sentem-se motivados para estudar as disciplinas mais teóricas
e formais.”, “O curso, em seus primeiros períodos, disponibiliza uma formação matemática insuficiente para o nível de maturidade lógica e
formal ideal, exigida para um bom cientista da Computação.”, “Os alunos nem sempre recebem informação suficiente sobre as disciplinas
que cursam, não recebem indicação bibliográfica ou não encontram material de apoio que poderia ser crucial para um bom desempenho.”,
dentre outras. O projeto também pretende mostrar qual é a visão que os novos ingressantes no curso tem sobre área de conhecimento a qual
o curso pertence, sobre o curso propriamente dito e como essa visão muda após cursarem o primeiro semestre.
Redes Ad Hoc são redes de dispositivos móveis que têm a possibilidade de se comunicar sem infra-estrutura por meio de enlaces não cabeados.
Para encontrar rotas em redes Ad Hoc são usados protocolos de roteamento. Eles são classificados em proativos, reativos e híbridos. Os
protocolos reativos somente criam as rotas quando necessário. Entre os protocolos de roteamento reativos, se destacam o DSR e o AODV. O
DSR (Dynamic Source Routing) tem por sua principal característica armazenar as rotas no cabeçalho das mensagens de descoberta de rota.
Já o AODV (Ad Hoc On Demand Distance Vector) utiliza tabelas de roteamento presentes em cada unidade da rede para manter as rotas. A
descoberta de rota nos dois protocolos é semelhante: (i) a origem envia para a rede uma mensagem de descoberta de rota via flooding; (ii)
quando o destino recebe esta mensagem ele devolve uma mensagem de confirmação usando a rota já estabelecida; (iii) depois de receber
esta mensagem de confirmação, a origem já pode enviar dados ao destino. O estudo deste trabalho é alterar as mensagens de descoberta
de rota para usarem a técnica de multi-destinos visando reduzir o tempo e a sobrecarga para descobertas de rotas. Multi-destinos é uma
técnica onde em somente um pacote de descoberta de rota são inseridos todos os destinos que a máquina deseja se comunicar. Quando uma
unidade de rede recebe uma mensagem de descoberta de rota, ela vai verificar se seu número identificador é igual a algum destino listado
na mensagem. Se isto for confirmado é enviada uma mensagem de confirmação para a origem, estabelecendo uma conexão. Resultados
preliminares sugerem que o uso dos multi-destinos por aumentar a taxa de entrega de mensagens e reduzir a sobrecarga e a latência dos
protocolos de roteamento em relação aos protocolos originais.
MAPA DE REPROVAÇÕES (BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO)
REDUZINDO A LATÊNCIA EM REDES AD HOC
Aluno de Iniciação Científca: Adolfo Welynton Sabino (PET-SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Luis Allan Künzle
Colaboradores: Felipe Gustavo Bombardelli (PET-SESu), Henrique Zelak Leite Bastos (PET-SESu), William Teruo Onaka (PET-SESu).
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Reprovações; Desempenho Acadêmico.
Área de Conhecimento: Tópicos Específcos de Educação - 7.08.07.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Adrian Boaventura da Silva (IC Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023639
Orientador: Luiz Carlos Pessoa Albini
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Redes Ad Hoc / Roteamento / Multi-Destinos
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação 1.03.04.00-2
0095
0096
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
69
O objetivo desse trabalho é o estudo de técnicas de programação paralela utilizando a ferramenta de desenvolvimento OpenMP. OpenMP
é uma API para programação paralela usando memória compartilhada, composta de diretivas de compilação, variáveis de ambiente e uma
biblioteca de funções. Para este trabalho foram desenvolvidas duas aplicações. O primeiro programa aplica o método de detecção de bordas
de Canny e foi desenvolvido em linguagem C usando também a biblioteca de processamento de imagens OpenCV. O Canny utiliza um
algoritmo de diversos estágios e para cada um deles foi pensado uma forma de resolver a dependência entre os dados e separar a imagem para
ser processada em paralelo por diversas threads. O segundo trabalho consistiu em modificar um programa que utiliza o método Runge-Kutta
para resolução numérica de soluções de equações diferenciais ordinárias de quarto grau. O código havia sido desenvolvido em Fortran e a
modificação consiste em executar o programa de forma paralela para um número variável de condições iniciais. Foi utilizada a versão para
Fortran do OpenMP. Para testar a melhora no desempenho das aplicações foram realizados testes
em computadores com 8 núcleos de processamento, variando o número de threads entre 1, 2, 4, 8
e 16. Para o código Canny foi realizado um teste com uma imagem de tamanho 21601x10801.
Para o código Runge-Kutta variam o número de condições iniciais e a quantidade de passos.
Para fins de teste, os programas foram executados 20 vezes e foi observada a média do tempo
de execução e o coeficiente de variação (que é sempre menor do que 0.02%). Pela tabela abaixo
podemos notar que o Canny escalou bem, quase de maneira linear, o que demostra que o código
é altamente paralelizável. Já para o Runge-Kutta não há um ganho de desempenho considerável,
visto que o programa realiza escritas em disco que devem ser feitas de forma serial.
A diferença entre o software livre e o proprietário já foi grande. Hoje possuímos vários programas de código aberto equivalente ou até
mesmo superior em qualidade aos fechados. Um ramo pouco explorado pelo software livre foi o de gestão hospitalar, e devido a este fato
foi iniciado o desenvolvimento do Pajé. Ele ainda não foi implantado, mas deverá se apresentar como uma alternativa livre às soluções
comerciais. Um dos diferenciais do Pajé é a implementação de relatórios gerenciais. O intuito de adicionar esta funcionalidade a este
software de gestão hospitalar é providenciar informações importantes aos administradores de um hospital que utilize nosso sistema, para
que com base nelas eles possam tomar decisões. Estas informações não devem ser muito específicas, ou seja, tratar de um paciente ou de
uma ala do hospital, elas devem ser gerais e fornecer a visão do hospital como um todo. Exemplos de informações úteis a um administrador,
as quais pretender ser abrangidas pelos relatórios do nosso software são as seguintes: dados sobre o atendimento ambulatorial, internações,
medicamentos prescritos e consumidos, total de exames solicitados, etc. O desenvolvimento de uma ferramenta que gerasse estes relatórios
seria desnecessário. Muitos desenvolvedores desperdiçam tempo ao trabalhar em projetos similares, que não é nosso intuito. Logo foi optado
pelo uso de uma ferramenta chamada Pentaho. Ele se trata de um software de BI (Business Inteligence) competente, e o melhor de tudo é
que ele é livre. Com esta ferramenta é possível reportar, analisar, fazer mineração de dados, entre outras tarefas gerenciais. Como este é um
software complexo, ele foi dividido em módulos, de tal forma podemos integrar apenas as ferramentas que gostaríamos de usar em nosso
projeto. Com base em uma análise imediata das necessidades do Pajé, podemos identificar três funcionalidades importantes: automatização
de processos, relatórios gráficos e análise dinâmica de dados. A idéia é que o Pajé possa interagir com o Pentaho de uma forma que não
seja totalmente dependente deste último para funcionar, assim poderíamos incrementar o Pajé sem comprometer o projeto. Isto significa
na prática que poderíamos fornecer o Pajé sem a necessidade entregar Pentaho, diminuindo a dependência de um projeto alheio.
ESTUDO DE FERRAMENTAS DE PROGRAMAÇÃO PARALELA
RELATÓRIOS GERENCIAIS EM GESTÃO HOSPITALAR
Aluno de Iniciação Científca: André Hüller (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023069
Orientador: Daniel Weingaertner Co-Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: programação paralela, OpenMP
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Antonio Carlos Salzvedel Furtado Junior (IC - Voluntário)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023069
Orientador: Bruno Müller Junior
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Relatórios gerenciais, Pentaho, Pajé.
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação – 1.03.04.00-2
0097
0098
Tabela: Tempo do programa Runge-Kutta
para 10000 condições iniciais e 100000
passos e do programa Canny para uma
imagem de tamanho 21601x10801
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
70
O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma nova solução para o modelo multiterminal. O conceito multiterminal consiste
basicamente em criar mais de uma estação de trabalho numa mesma máquina. Os principais problemas encontrados nesse processo estão
relacionados com a autodetecção (por vezes associado à incompatibilidade) e de associação de hardware, para formar as estações de trabalho.
O MDM (Multiseat Display Manager) é um conjunto de programas desenvolvido com o intuito de implementar a solução multiterminal. É um
programa que realiza a autodetecção do hardware e associa mouses, teclados e monitores, formando estações de trabalho. Atualmente, esta
solução encontra-se um tanto desatualizada, e uma nova solução está em desenvolvimento: MDM2, que possuirá novas formas de detecção
e associação de dispositivos. O material mínimno necessário para implementação do modelo multiterminal consiste de um computador
comum com duas ou mais placas de vídeo e um conjunto de mouse, teclado e monitor para cada tela adicional. O conjunto de software
necessário para executar o MDM2 será composto, basicamente, de um sistema linux, munido com os drivers específicos para o hardware
adquirido, e um conjunto de programas base que servem para realizar a detecção e configuração do sistema para suportar o multiterminal.
Atualmente o MDM2 está sendo desenvolvido nos laboratórios do Departamento de Informática da UFPR. O interesse da comunidade
mundial no modelo multiterminal tem aumentado recentemente, e com o advento do MDM2, o atendimento à essa demanda será facilitado,
pois a idéia é que o MDM2 seja fortemente automatizado. O suporte ainda é escasso, devido à falta de pessoal treinado e, às vezes, de
recursos suficientes que permitam a utilização da diversidade de hardware disponível no mercado. Com os avanços tecnológicos, novos
hardware estão sendo produzidos, com maior capacidade de processamento gráfico, o que permite novas possibilidades para este ramo de
pesquisa. Essa constante evolução também exige um acompanhamento maior da comunidade de desenvolvimento de software livre, que
tornará possível a obtenção desse tipo de recurso (bastante econômico) para pessoas de diferentes áreas do conhecimento.
Esse trabalho refere-se a erros cometidos por um aprendiz em um software educacional, na forma de um simulador, voltado ao apoio da
aprendizagem de Matemática do ensino médio. O objetivo é obter uma abordagem mais efetiva na aprendizagem do aluno que ele possa achar
por si o erro e, assim, mostrar o caminho da solução. Tal método implica em criar um sistema que possa identificar com alguma segurança
a origem do erro para o aprendiz refletir, por exemplo, se esqueceu uma variável ou colocou uma outra desnecessariamente. Inicialmente
tem-se uma abordagem meramente numérica sobre o erro, ou seja, verifica-se a fórmula informada pelo aprendiz, a qual é calculada por
um mecanismo baseado na comparação da expressão do aprendiz em relação à formula correta. A partir disso, o erro é comparado pelo
próprio software com uma pequena margem de erro em casos de arredondamento. Após três erros consecutivos no mesmo exercício, uma
dica é fornecida ao usuário. Porém, nessa fase não existe ainda nenhuma verificação complexa para analisar o quão importante é essa dica.
Somente é verificado se o erro está em uma faixa aceitável ou se foi um valor absurdo. Assim, a dica pode variar de acordo com duas
categorias. No primeiro caso, se o erro estiver dentro do limite de tolerância permitido, o aprendiz é informado de um detalhe da formula
que possivelmente foi expresso errado. No segundo caso, ao contrário, a formula ou um lembrete da formula base (por exemplo, da área
de um triângulo equilátero) é fornecida para forçar o usuário a usá-la. Analisando cada termo da fórmula, o software descobre se existem
termos sobrando ou faltando, termos em lugares errados assim como expressões erradas. Com os termos analisados, em princípio, o software
pode ajudar o aprendiz, em vários passos, o caminho correto para que ele o corrija. Com esta nova abordagem sistemática na detecção e
apontamento de erros é pretendido que o aprendiz consiga ter autonomia para compreender aonde houve o seu equivoco. O objetivo não é
substituir a figura do professor, e sim fazer com que o aprendiz pense e aprenda cada vez mais.
MDM2: UMA NOVA SOLUÇÃO PARA O MODELO MULTITERMINAL
METODOLOGIA DE EXPLICAÇÃO DE ERROS ANALÍTICOS E SUAS ORIGENS
Aluno: Aramis Stach Haiduski Fernandes (IC/Voluntária).
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona. Co-Orientador: Marcos Castilho.
Colaboradores: Lucas Nascimento Ferreira (IC/Voluntária), Franciso Panis Kaseker (SETI).
Departamento: Informática. Setor: Ciências Exatas.
Palavras Chave: Multiterminal, Sistema Multiusuário.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
BANPESQ: 2008022412.
Aluno de Iniciação Científca: Danilo Picolotto (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Jonatas Teixeira
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: Detecção de erros, Objetos de aprendizagem, Ensino da Matemática.
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação - 1.03.03.00-6
0099
0100
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
71
A informatização das escolas no Brasil é um grande desafio que envolve a escolha do maquinário adequado, o planejamento da distribuição
dos bens, o treinamento dos responsáveis por difundir o uso e por último, estimativas sobre o uso de todo o maquinário distribuído. Sobre
o último ponto muito pode ser explorado. Não basta saber se o computador comprado foi de fato entregue à escola destino, é importante
também identificar se ele é de fato utilizado, qual o perfil do usuário que o utiliza e também é de igual importância obter características do
parque como um todo. Algumas dessas características são o deterioramento do hardware, seja por defeitos ou relativo ao quão ultrapassado
ele se encontra comparativamente ao avanço da tecnologia, além de alterações não autorizadas nos equipamentos. Com base nos problemas
apresentados, o projeto PROInfoData foi criado para acompanhar a entrega e o funcionamento dos computadores nas escolas públicas.
O projeto consiste de um sistema de acompanhamento que composto por uma arquitetura, demonstrada na figura anexa, divida em três
principais módulos: sistema de coleta, sistema de armazenamento e sistema de visualização. O sistema de coleta é responsável por obter
informações das máquinas através de um agente (cliente) que é instalado nos equipamentos,
enviando-as através de uma conexão segura utilizando WebService ao servidor central, que
as processa e repassa para o sistema de armazenamento. A responsabilidade pela otimização
das consultas em uma base de dados de grande escala é do sistema de armazenamento.
A base de dados possui uma arquitetura voltada às operações de leitura, o que auxilia a
análise de grandes volumes de dados e a geração de relatórios complexos e personalizados.
Já o sistema de visualização é a parte que interage com o usuário através da geração de
relatórios e gráficos. Neste ponto foi utilizada a ferramenta Pentaho, já consolidada na área
de BI (Business Intelligence) e que se responsabilida por sumarizar os dados coletados de
forma visualmente agradável e intuitiva. O sistema ProInfoData já está ativo em um número
crescente de escolas e futuramente pretende abranger outros programas de informatização
do governo, permitindo um acompanhamento mais adequado do parque como um todo.
Este trabalho tem por objetivo iniciar a equipe de alunos em temas de visão computacional, particularmente para a área de tecnologias de
segurança veicular. Primeiramente foram abordados temas introdutórios, com revisão de artigos de periódicos e capítulos de livros que
abordavam assuntos do tema, como conceitos básicos, detecção de bordas, algoritmos para threshold, transformada de Hough, filtros,
algoritmo de Canny, entre outros. Logo após a primeira fase, com o auxílio da biblioteca gráfica OpenCV (Open Source Computer Vision
Library) todos os conceitos apresentados na primeira parte foram vistos em prática. A equipe também foi estimulada a fazer experimentações
com os algoritmos já existentes com o objetivo de sedimentar o conhecimento que foi adquirido. Todas as experimentações também foram
debatidas. Este trabalho apresenta resultados referentes à implementação de um aplicativo de detecção de bordas de pista, baseado nos
princípios citados anteriormente. Este tipo de aplicativo serve para o desenvolvimento de sistemas de alerta de motoristas para saída de
pista bem como subsídio para estudos de comportamento de motoristas.
PROINFODATA - SISTEMA DE COLETA DE DADOS DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DAS
ESCOLAS PÚBLICAS DO BRASIL
SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS E DETECÇÃO BORDA DE PISTA
Aluno de Iniciação Científca: Diego Giovane Pasqualin (RNP)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: proinfodata; inclusão digital; business intelligence.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2 – Sistemas de Computação
Aluno de Iniciação Científca: Diego Moya Payão
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023123
Orientador: Eduardo Todt
Departamento: Infomaática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: segmentação, segurança veicular, lane departure warning.
Área de Conhecimento: 1.03.03.00-6 Metodologia e Técnicas da Computação
0101
0102
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
72
Aplicações distribuídas de larga escala fazem parte do nosso dia-a-dia, como GMail, Skype, MSN, entre outros. O processo de desenvolvimento
deste tipo de aplicação deve levar em consideração vários detalhes, por exemplo: acesso concorrente aos dados e distribuição física dos
dados. Tais detalhes fazem com que o desenvolvedor dispenda mais atenção na execução da aplicação e não na resolução do problema em
si. MapReduce (MR) é um framework para desenvolvimento de aplicações distribuídas de processamento de dados. O objetivo do MR
é deixar invisível ao desenvolvedor todos os detalhes concernentes ao processamento distribuído. Além disso o framework MR fornece
ao desenvolvedor um ambiente de programação estribado em duas funções chamadas Map e Reduce. A função Map lê um conjunto de
registros de um arquivo, realiza uma operação sobre cada registro e devolve um valor associado gerando um par <registro, resultado>. A
função Reduce recebe os pares da saída da função Map e faz um operação com cada par, resultando em um novo conjunto de pares, que é
o resultado final. O intuito é que várias instâncias de Map e Reduce sejam executadas sob pedaços da entrada do programa para resolver
problemas computacionais de forma mais eficiente. Hadoop é uma implementação de código aberto do modelo MR. Uma aplicação Hadoop
realiza inicialmente a configuração do sistema e o carregamento dos dados. Este processo consome um tempo considerável de configuração,
pois divide os dados em blocos , distribuindo estes dados através das máquinas que irão executar o programa e também distribui a aplicação
MR propriamente dita. Aplicações que rodam em apenas uma única máquina não precisam ser distribuídas pela rede, muito menos o seu
dado de entrada. O Objetivo deste trabalho é verificar a relação entre o tamanho dos dados de entradas e o tempo de configuração. Pois,
para uma pequena quantidade de dados de entrada, o tempo de configuração faz com que a computação no Hadoop seja mais demorada do
que em uma única máquina. Esta análise tem também como objetivo conhecer em qual ponto, isto é, com qual quantidade de dados é mais
rápido executar um programa no Hadoop ao invés de executar em uma única máquina. O Hadoop está implantado na rede do Departamento
de Informática sendo executado em oito máquinas e no cluster disponibilizado pelo Departamento de Física sendo executa em 22 máquinas.
Os resultados indicam que a utilização do Hadoop para processamento de dados começa a ser vantajosa a partir de 100Gb. Esse trabalho
foi parcialmente financiado pela FINEP através dos projetos CT-INFRA/UFPR.
Seja P(C) o conjunto de partições de um conjunto C. Podemos definir clustering como o problema de, dado um conjunto finito de objetos
C e uma função de qualidade f : P(C) → Q, encontrar x pertencente a P(C) tal que f(x) seja máximo. Pode ser observado que o processo
de clusterização depende altamente da função f, e de acordo com a aplicação do problema, a função pode variar. Dependendo da função f,
é computacionalmente custoso obter seu valor máximo, para tanto é necessário aproximações para poder resolver o problema em tempo
computacionalmente viável. Tais aproximações são um objeto de estudo bem amplo e bem estudado, que é descrito em “Graph clustering”
por Satu Elisa Schaeffer. Como é uma área bem ampla, foi necessário aprofundar em um tipo de aproximação. Esse tipo de aproximação foi
clusterização em grafos baseada em cortes e algoritmos de fluxo. O artigo base em estudo foi “Graph Clustering and Minimum Cut Trees”
por Flake et. al, que propõe um método que utiliza apenas um subconjunto de P(C), tornando mais fácil e menos custoso computacionalmente
de achar o valor máximo da função para esse subconjunto. Esse método foi aprimorado anos seguintes, tornando o algoritmo mais dinâmico.
O problema de clustering é aplicado em diversas áreas, pois o principal objetivo de aplicar a clusterização em um conjunto de dados é
encontrar alguma estrutura subjacente relevante para o problema. Como um exemplo, em qualquer rede de comunicação, clustering em
grafos serve como uma ferramenta para análise, modelagem e predição da função, uso e evolução da rede. Em uma rede de telefonia, a
clusterização permitiria encontrar grupos de pessoas(estrutura subjacente) que costumam fazer ligações umas com as outras. Analisando
o resultado da clusterização, é possível projetar melhor a rede para garantir um melhor desempenho e qualidade da rede como um todo. É
um desafio muito grande encontrar um método de aproximação que seja bom o suficiente para vários tipos de função, pois encontrar um
bom método para apenas uma determinada função, pode ser uma tarefa bem difícil.
ANÁLISE DE PROCESSAMENTO DE DADOS NO AMBIENTE HADOOP
CLUSTERING
Aluno de Iniciação Científca: Edson Ramiro Lucas Filho (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007567
Orientador: Eduardo Cunha de Almeida
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: Hadoop, MapReduce.
Área de Conhecimento: 1.03.03.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Eduardo Augusto Ribas (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003012536
Orientador: André Luiz Pires Guedes
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Clustering, Grafos
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação.
0103
0104
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
73
O projeto PROINFODATA (Coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras) é desenvolvido pelo
Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) e financiado pelo Ministério da Educação (MEC) e Rede Nacional de Ensino e
Pesquisa (RNP). Ele visa coletar informações referentes ao uso e componentes dos computadores das escolas públicas brasileiras, de forma
automatizada, e apresentá-las através de um sítio na Internet. Por causa da necessidade de
apresentar essas informações de uma forma simples e concisa, buscou-se uma solução que
facilitasse essa tarefa. A solução encontrada se baseia no conceito de Business Intelligence
(BI), que descreve a habilidade de analisar e gerenciar dados de forma a permitir uma
visão estratégica sobre eles. Dentre diversas implementações desse conceito, a escolhida
foi o software livre Pentaho BI. No portal do projeto são apresentados gráficos de barras,
pizza e de linhas, além de relatórios com informações mais detalhadas. Gerados com o
Pentaho, eles pontuam diferentes visões dos dados coletados dos computadores das escolas
públicas. Por exemplo, um relacionamento mostra a disponibilidade dessas máquinas em
quantidade de dias desde o último contato (Figura). Outro mostra o inventário de hardware
e software. E um terceiro mostra a quantidade de máquinas com o programa do projeto
instalado. Devido ao uso do conceito de BI, com uma ferramenta adequada, obteve-se uma
interface robusta capaz de sustentar diversos acessos simultâneos para a visualização de
informações organizadas de forma relevante.
Erros em expressões analíticas podem ser tanto de natureza sintática quanto semântica, ou seja, as expressões podem possuir a mesma
forma, mas estarem conceitualmente diferentes. Este trabalho propõe catalogar esses erros após eles terem sido detectados e diagnosticados.
O foco não é analisar a causa do erro, mas a estrutura de dados interna do mesmo que é guardada por um software educacional de apoio à
aprendizagem de conceitos matemáticos do ensino médio escolar. O objetivo deste trabalho é coletar os erros e catalogá-los e mostrá-los
ao usuário de modo que este consiga voltar a qualquer um dos erros cometidos, através da data ou do número do exercício. A estrutura de
dados de um erro gerada pelo arcabouço CARRIE, desenvolvido por Marczal para o projeto CONDIGITAL, armazena a hora exata de sua
ocorrência, a expressão analítica entrada pelo aprendiz, uma considerada correta e a mensagem de feedback. O registro e o arquivamento
de um erro pode ser feito por meio de diversos formalismos de indexação para posterior recuperação das condições em que ele ocorreu.
Uma forma mais simples de indexação seria, por exemplo, a hora exata de sua ocorrência. Há algumas outras grandezas que podem ser
indexadas de maneira pouco estruturadas, como é o caso de textos livres da Web. Este trabalho é a extensão do que foi realizado na ferramenta
CARRIE para que ela permita a recuperação de situações de erro não apenas por meio da hora, mas de uma forma mais flexível, usando,
por exemplo, parte do texto de uma explicação que o aprendiz recebeu da ferramenta no momento em que o erro ocorreu.
FERRAMENTA DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO SOLUÇÃO PARA A APRESENTAÇÃO DOS
DADOS DO PROJETO PROINFODATA
CATÁLOGO DE ERROS GERADOS EM EXERCÍCIOS QUE RECEBEM EXPRESSÕES ANALÍTICAS
EM SOFTWARE EDUCACIONAL
Aluno de Iniciação Científca: Erik Alexandre Pucci (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Marcos Sfair Sunye Co-Orientador: Eduardo Cunha de Almeida
Colaborador: Rubens Massayuki Suguimoto (MESTRANDO/CAPES)
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Business Intelligence, software livre.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Moreschi (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Jonatas Teixeira
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: catálogo de erros, objetos de aprendizagem.
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação - 1.03.03.00-6
0105
0106
Figura. Gráficos de disponibilidade.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
74
O software livre para gestão hospitalar Pajé, que esta em fase de desenvolvimento, tem como meta ser capaz de gerenciar um hospital
inteiro, independente de seu porte. Um dos motivos pelo qual esta sendo desenvolvido é a falta de software livre para a gestão hospitalar.
Dentro do seu projeto geral exitem subdivisões, como: recepção, internamento, enfermagem, estoque, etc. Cada uma destas subdivisões
têm um grau de complexidade de desenvolvimento e sua importância para o projeto. Olhar o projeto focalizando suas subdivisões facilita
o entendimento dos problemas reais, a modelagem e o desenvolvimento do software. O módulo de enfermagem, um dos maiores em um
hospital, deve ser capaz de inserir novos dados sobre o estado do paciente, monitorar o quadro de evolução, gerenciar essas informações e
ser capaz de produzir respostas confiáveis em um intervalo de tempo curto. Toda essa capacidade de gerenciamento de dados é necessária
pelas atividades de alta importância realizadas pela enfermagem. Muitas das ideias empregadas para tornar o software mais eficiente recaem
sobre manipulação de banco de dados e como mostrar todas esta informação sobre o paciente de maneira simples e organizada facilitando
assim a tomada de decisões através de um software que seja intuitivo, e rápido de ser utilizado.
Atualmente, os recursos computacionais, como processadores, memórias, discos de armazenamento, têm atingido um alto desempenho.
Esses recursos são usados em servidores que têm sua capacidade sub-utilizada, o que não gera um custo-benefício positivo. Uma das
maneiras de otimizar o uso desses recursos é o uso da virtualização. Virtualização é uma técnica utilizada para criação de recursos virtuais
sobre recursos físicos. Um exemplo seria a criação de processadores virtuais sobre um processador físico de alto desempenho. Existem
diversas vantagens de se utilizar a virtualização. Entre elas podem ser citadas a redução de custo com espaço físico, redução do consumo
de eletricidade, facilidade de fazer backups de máquinas virtuais, possibilidade de clonar e migrar máquinas virtuais entre servidores e
otimização do uso dos recursos. A virtualização de servidores se baseia na criação de máquinas virtuais. As máquinas virtuais contém
recursos virtualizados como processadores, disco de armazenamento, dispositivos de entrada e saída, entre outro recursos. Existem três
classificações de virtualização que são a completa ou total, a para-virtualização e a de container. A primeira oferece recursos virtualizados
de forma que a máquina virtual se comporte como uma máquina física. No entanto há problemas relacionados a performance já que todas
as instruções dos recursos virtualizados tem que ser traduzidos para instruções da máquina física. A segunda oferece uma performance
melhor que a virtualização completa. Nela apenas instruções que alteram o estado do sistema são traduzidas. Na última, as instruções não
são traduzidas pois as máquinas virtuais são vistas como processos da máquina física. Com isso é obtido um grande desempenho. Entretanto,
o sistema operacional das máquinas virtuais no terceiro tipo, não pode ser diferente da máquina física. Neste trabalho é feito uma avaliação
de ferramentas de virtualização de servidores para a Plataforma Computacional para Execução de Workflows Aplicados ao Processamento
de Imagens Médicas (CloudMedWF), tais como o KVM, VirtualBox, Xen e OpenVz. O CloudMedWF é uma proposta de arquitetura
de Sistemas de Gerenciamento de Workflows (SGWfs) para o processamento de imagens médicas baseado em nuvens computacionais,
composto por camadas claras e bem definidas utilizando recursos heterogêneos, como processadores de uso geral (CPUs) e placas gráficas
(GPUs). O resultado da avaliação das ferramentas será utilizado para disponibilizar recursos para o processamento e execução das aplicações
relacionadas ao tratamento de imagens.
DESENVOLVIMENTO EM SOFTWARE LIVRE – MÓDULO DE ENFERMAGEM
VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Bolsi (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023069
Orientador: Bruno Müller Junior
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Pajé, Desenvolvimento, Enfermagem.
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação – 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Cys Laskoski (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: virtualização.
Área de Conhecimento: 1.03.00.00-7
0107
0108
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
75
Sistemas embarcados, diferentemente dos computadores pessoais, são projetados para realizar tarefas específicas. Estes sistemas são
utilizados em larga escala em indústrias e estão presentes em grande parte dos eletrodomésticos e automóveis. Também são de grande
importância para a robótica, principalmente para funções relacionadas com o controle de movimento. Com o objetivo de viabilizar estudos
em visão computacional e inteligência artificial, este projeto de pesquisa se propôs a criar uma estrutura básica de robô. Esta oferece as
funcionalidades básicas de movimentação, de forma que todo o desenvolvimento posterior pode se concentrar em problemas relacionados
a atividades de níveis superiores, como navegação, localização e cooperação, sem a preocupação com tarefas básicas de movimentação.
Para isto, começamos com um projeto simplificado: uma pequena base robótica capaz de seguir linhas em uma superfície plana. Este
projeto utilizou um microprocessador avançado (Programmable System On Chip) de 8 bits, dois motores elétricos e dois sensores de luz
(LDR). Os sensores LDR fazem a identificação da refletância das superfícies por onde o robô passa e, a partir das leituras dos sensores,
o microprocessador envia sinais aos motores de modo que o robô siga a trajetória correta. Após vários testes e refinamento do algoritmo
de orientação foi possível notar que o robô é capaz de seguir linhas, porém esta implementação mostrou-se limitada em função da baixa
qualidade dos motores utilizados, que impossibilita um controle preciso da velocidade. Este trabalho apresenta os aspectos técnicos do
projeto da plataforma protótipo inicial, principalmente na área da computação, bem como discute os resultados obtidos e especifica uma
plataforma genérica e mais confiável para utilização em projetos posteriores.
Este trabalho tem como objetivo a criação de uma camada de software para a geração de Representações Externas para apresentação de
gráficos Matemáticos em Objetos de Aprendizagem, na forma de simuladores de software para o ensino de Matemática. No projeto do
CONDIGITAL (convênio UFPR, LACTEC, UEL, CETEPAR) foi necessário utilização de
uma representação gráfica de funções em dois simuladores. No primeiro, para representar
retas, nele o gráfico foi desenvolvido para essa finalidade específica. Entretanto no
outro simulador houve a necessidade representar funções cíclicas. Logo a necessidade
de representação de retas em um plano cartesiano não era mais o alvo, ao invés disso,
era preciso representar funções periódicas, tais como seno e cosseno. Desta vez foi
sugerida a ideia de criação de uma biblioteca geradora de gráficos em planos cartesianos,
possibilitando a anexação de uma ou mais funções funções expressas de maneira a
possibilitar a simples compreensão por parte do desenvolvedor. A biblioteca gera o gráfico e
sua grade que pode ser dividido no eixo x por intervalos de pi ou de dias (números inteiros),
no eixo y a divisão é feita em intervalos de 0.5, as funções são geradas a partir de loops
que desenham vários pontos lado a lado dando a impressão de uma linha contínua que
descreve a função. A criação desta biblioteca permitiu mais flexibilidade e reutilização
de código no desenvolvimento dos Objetos de Aprendizagem do projeto CONDIGITAL.
SISTEMAS EMBARCADOS E ROBÓTICA
GERAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES EXTERNAS PARA A APRESENTAÇÃO DE GRÁFICOS
MATEMÁTICOS EM SOFTWARE EDUCACIONAL
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Gustavo Bombardelli (PET-Sesu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Eduardo Todt Co-Orientador: Luis Allan Künzle
Colaboradores: Lucas Manika Koeb (PET-Sesu), Luiz Felipe Teixeira Marin(PET-Sesu), Rafael Thofehrn Castro (PET-Sesu), Rafael Veiga
Pocai (PET-Sesu), Vitor Shimada Assanuma (PET-Sesu)
Departamento: Informática Setor: Ciências exatas
Palavras-chave: sistemas embarcados, robótica
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação - 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Fernando Cardoso Coelho (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne
Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Jonatas Teixeira
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: gráfcos, funções, objetos de aprendizagem, representações externas.
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação - 1.03.03.00-6
0109
0110
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
76
As Redes de Sensores Sem Fio (RSSF) são utilizadas em diversas aplicações, como no monitoramento ambiental ou em sistemas de
segurança. Para obter uma comunicação eficiente entre os sensores, o estabelecimento de rotas até uma estação-base é necessário. Assim,
a perda de dados no roteamento precisa ser reduzida, evitando trabalho desnecessário e economizando energia. O consumo de energia é
essencialmente diferente para cada nó em uma RSSF, visto que nós distribuídos de maneira homogênea resultam em afunilamento das rotas
na abordagem multi-salto. Na medida que sensores se aproximam da base, o número de rotas diminui, resultando em um processo gradual
que cria e expande um buraco de energia centrado na base. Hot spots compreendem estas áreas sobrecarregadas por tráfego de dados.
Para mitigar este problema, apresentamos um protocolo de roteamento para RSSF baseado em grupos de tamanhos desiguais (observados
na Figura) que repara de maneira dinâmica o conjunto de rotas (backbone). Em contraste às outras abordagens que empregam medições
de RSSI (Receive Signal Strength Indicator), ou a distância exata entre nós para criar
grupos desiguais, nosso protocolo, denominado Rotation Reactive Unequal Cluster-based
Routing protocol (RRUCR), utiliza diferentes potências de transmissão. Dois artigos foram
publicados sobre o projeto, que foi selecionado como um dos três melhores projetos de IC
em nível de graduação na área de computação pelo evento XXIX CTIC da conferência da
Sociedade Brasileira de Computação (SBC). Os códigos desenvolvidos para a simulação
do protocolo estão disponíveis sob licença GLPL.
Em um ambiente gráfico do Linux, a interação entre o usuário e o sistema operacional se dá pelo X, no modelo cliente-servidor. O Departamento
de Informática (Dinf) segue o mesmo modelo, contudo separa o uso de recursos em servidoras de processamento de aplicativos e cada
terminal abre uma instância do X. No Dinf, cada terminal físico é um Multiterminal e há dezenas de máquinas sendo usadas simultaneamente,
portanto um grande tráfego de dados é gerado pelo protocolo do X. O protocolo do X não implementa otimização e critérios de prioridade
nesse tráfego de dados. A ferramenta FreeNX (http://www.nomachine.com/documents/getting-started.php), fornecida pela NoMachine
sob licença GPL, é uma biblioteca que implementa compactação, cache e critérios de prioridade no tráfego de dados gerado pelo X. Foi
implementado em um Multiterminal do Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) o FreeNX e foram realizados testes com
uma servidora virtual preparada para aceitar essa conexão (utilizando-se o pacote NX Agent, da NoMachine, sob licença GPL) a fim de
verificar essas otimizações. Foi constatado uma grande melhora em relação ao tempo de resposta (latência) além de uma eficaz compactação
do tráfego culminando em uma drástica redução no consumo da banda de rede. Contudo foi verificado aumento no processamento tanto dos
Multiterminais quanto nas servidoras devido a compactação e descompactação dos pacotes, o que tornou o Multiterminal mais dependente
do seu hardware para executar essa tarefa sem interferir no seu desempenho final. Nas servidoras de processamento isso também ocorreu,
mas não foi significante devido ao alto desempenho do seu hardware. A compactação de streaming e imagens não se traduziu em um bom
desempenho na prática, devido ao alto volume de dados em formato bitmap e utilização quase nula de cache. Após vários testes de casos de
uso em horários de pico no tráfego do Dinf, foi possível analisar e inferir que a partir das médias de latência e tráfego de rede, utilizando-se o
teste de Tukey ao nível de 5% de significância, pode-se afirmar que há melhora com uso dessa biblioteca. Foi verificado ainda que para cada
hardware de um Multiterminal existe uma melhor configuração dos parâmetros de otimização fornecidos pela biblioteca NX. Isso se deve
ao potencial de processamento e de recursos disponíveis em cada Multiterminal. A otimização do protocolo do X traz melhorias no tempo
de resposta das janelas e diminui a saturação da rede causada pelo X, concluindo em maior desempenho nos terminais e Multiterminais.
CONFIABILIDADE E GERÊNCIA DE REDES SEM FIO E REDES AVANÇADAS
ANÁLISE DE DESEMPENHO E DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO NX PARA LINUX
Aluno de Iniciação Científca: Fernando Henrique Gielow (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021683
Orientador: Aldri Luiz dos Santos
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: redes, sensores, roteamento.
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação - 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Francisco Panis Kaseker (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona
Co-Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Colaborador: Aramis Stach Haiduski Fernandes (Outra), Lucas Nascimento Ferreira (Outra)
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Multiterminal, FreeNX, X WINDOW SYSTEM.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
0111
0112
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
77
A possibilidade de compartilhar imagens de forma eficiente e segura é imprescindível para um melhor fluxo nos departamentos de radiologia.
Com isso, a criação de um PACS (Picture Archiving and Communication System), sistema que gerencia imagens geradas por exames
médicos, é fundamental para diminuir custos e agilizar processos. O objetivo deste trabalho é analisar a integração de um PACS com o HIS
(Hospital Information System) Pajé. Um PACS é composto por 4 componentes: 1) servidor de imagens; 2) workstations para visualização;
3) modalidades que geram as imagens; 4) conexão segura para transferir os dados. É necessário um protocolo para a comunicação entre
esses componentes. Esse protocolo é o DICOM (Digital Imaging Communication in Medicine), padrão desenvolvido pela ACR e NEMA que
estabelece uma linguagem comum entre equipamentos, computadores e softwares. Dessa forma, é possível gerar imagens, digitando todos
os dados do paciente nos equipamentos das modalidades, armazená-las no servidor e buscá-las de qualquer workstation. É importante a
integração de um RIS (Radiology Information System), para arquivar e manipular informações radiológicas; não sendo necessário digitar os
dados dos pacientes toda vez que um exame é realizado, evitando erros de digitação. Foram avaliados diversos softwares livres disponíveis
para os 4 componentes de um PACS, com os requisitos: desenvolvimento ativo, documentação completa e código fonte aberto. Entre os
servidores DICOM(1), O3DPACS e DCM4CHEE foram avaliados. Esse último apresentou funções mais completas e implementação em
vários softwares existentes. Para a instalação do DCM4CHEE foi necessário o Jboss (servidor de aplicação) e o PostgreSQL (banco de
dados). Os visualizadores(2) Oviyam, O3RWS e DicomViewer foram instalados e testados. O primeiro é baseado em web, com poucas
ferramentas, mas de simples instalação, enquanto os dois últimos são locais, de instalação mais complexa, mas com ferramentas e serviços
amplos e eficientes. Para simular as modalidades(3) foram utilizados scripts da biblioteca DCM4CHE. Existe uma carência de sistemas
RIS livre com código fonte aberto no mercado. O O3RIS foi encontrado, mas é um projeto parado com problemas de funcionamento que
promete continuidade ainda este ano. Com o servidor DCM4CHEE comunicando-se perfeitamente com os visualizadores, o próximo passo
é realizar novas pesquisas à procura de um RIS. Caso não seja encontrado, devemos adaptar o que temos às necessidade ou desenvolver
um RIS, realizando um estudo detalhado da comunicação entre o RIS e o Pajé, via protocolo HL7.
A criação de forma precisa e intuitiva de representação externa para a definição e manipulação de expressões analíticas em software
educacional teve como objetivo, auxiliar o aprendiz no uso dos simuladores para o ensino de matemática desenvolvidos no projeto
CONDIGITAL. Trazendo aquilo que é prático e usual para um aluno do ensino médio, o software reduz a necessidade do aprendiz aplicar
artifícios puramente computacionais nas representações matemáticas e permite que ele se concentre somente nos problemas sugeridos
pelos enunciados dos problemas. O teclado virtual tem a capacidade de permitir ao usuário a entrada de expressões matemáticas e exibir
de forma gráfica tradicional essas expressões para o aprendiz. Durante o processo de construção ou correção de uma expressão, o usuário
poderá navegar entre os números, operadores e símbolos através das setas direcionais do teclado. Feito isso, o aprendiz pode apagar aquilo
que antecede ou sucede a posição do cursor, utilizando as teclas backspace ou delete
do teclado convencional. Ao término da construção de uma determinada expressão,
o aluno deve submetê-la através de um botão de envio. Diante disso, será feita uma
análise automatizada com detecção de erro na entrada dada pelo aprendiz. Em caso
de inconsistência primária de forma ou de avaliação, será fornecido um feedback
para o aprendiz, alertando-o sobre o problema de entrada e pedindo que seja feita a
adequação. Os testes práticos realizados em salas de aula demonstraram a validade
do teclado virtual no tópico de Progressões Geométricas.
INTEGRAÇÃO DE UM RIS E UM PACS COM O HIS PAJÉ
REPRESENTAÇÕES ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DE EXPRESSÕES ANALÍTICAS EM
SOFTWARE EDUCACIONAL
Aluno de Iniciação Científca: Guilherme Alex Derenievicz (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023069
Orientador: Daniel Weingaertner
Colaborador: Edson Ramiro Lucas Filho (IC - Voluntária)
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: DICOM, PACS, RIS.
Área de Conhecimento: Sistemas de Computação – 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Jonatas Teixeira (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne
Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Luan Haddad Ricardo dos Santos
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: teclado virtual, objetos de aprendizagem, representações externas.
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação - 1.03.03.00-6
0113
0114
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
78
Este trabalho estende o projeto CONDIGITAL (convênio UFPR / LACTEC / UEL / CETEPAR), onde são descritos e desenvolvidos
software simuladores, ou Objetos de Aprendizagem (OA), para apoiar o ensino de Matemática no ensino médio. O objetivo principal é
de construir um modelo de aprendiz de longo prazo personalizado para cada usuário capaz de guardar um histórico de informações dos
erros e acertos do aprendiz. Foi criada a infraestrutura que possibilita a interação cliente-servidor entre o arcabouço CARRIE (Controlador
de Acesso Reflexivo e Retroativo Indexado por Erros) e um servidor onde o aprendiz poderá fazer login no sistema. A CARRIE é a base
controladora dos simuladores do CONDIGITAL e suas ações serão gravadas para a construção do perfil do aprendiz e utilizadas quando
o usuário voltar a fazer login. O software cliente é o próprio simulador, desenvolvido pela equipe do projeto usando Applets Java. Ele foi
adaptado para fazer a conexão via Sockets TCP/IP. O servidor ZEUS (ZEUS É Um SMART: Servidor Multiusuário de Armazenamento de
Resultados do Tutor), desenvolvido nesse trabalho, utiliza-se do protocolo TCP/IP para escutar os vários clientes e múltiplas Threads para
que essas conexões sejam assíncronas e independentes entre si. O ZEUS foi implementado usando a linguagem Ruby e algumas de suas
gems (sistema de pacotes de bibliotecas e software do Ruby) mais famosas, como a ActiveRecord. Usou também o banco de dados SQLite
para armazenar os dados dos aprendizes. Quando um aprendiz se identifica no sistema, o software é capaz de recuperar todo o seu histórico
em sessões anteriores e, à medida que o aluno acerta ou erra um exercício, são gravados o horário exato e as informações pertinentes para
o armazenamento dessa ação. Com isso, é possível analisar os alunos individualmente, monitorando dificuldades e facilidades de cada
um em determinado exercício ou tema. Em decorrência, teremos um perfil geral de um grupo de alunos, podendo gerar estatísticas de
erro em uma turma ou faixa etária. Ainda, como consequência, é possível detectar falhas nos simuladores, avaliando onde os alunos tem
maior dificuldade e onde os exercícios estão fáceis demais para determinado grupo. Cada aluno absorve o conhecimento de forma única e
os exercícios são um treinamento aplicado em cada um para fixar o conhecimento; aparecem dificuldades particulares nos indivíduos e os
perfis que guardamos são uma forma de verificá-las e ajudar o professor. Ou ainda, o próprio aprendiz pode saná-las a partir de explicações
geradas pelo software para cada tipo de erro cometido.
Um multiterminal é um computador que possui diversos dispositivos de entrada e saída como monitores, mouses e teclados agrupados
em pontos de trabalhos independentes. Um dos problemas deste modelo é a detecção dos dispositivos de entrada e saída conectados ao
computador. Este trabalho tem como objetivo propor uma solução para uma particularidade deste problema, a reinserção de dispositivos que
já foram detectados e configurados pelo sistema de controle multiterminal. Quando um dispositivo configurado é desconectado e conectado
novamente ao computador, o sistema operacional pode atribuir um nome diferente do utilizado anteriormente para esse dispositivo, o que
gera em um sistema multiterminal a perda da referência à aquele dispositivo. Por exemplo, No Kernel Linux 2.5 a nomeação dos dispositivos
é baseado no sysfs. O sysfs é um sistema de arquivos virtual que exporta informações sobre os dispositivos e drivers do Kernel para o nível
de usuário. No sysfs a política de nomeação de dispositivos é definida pelo Kernel, portanto um sistema multiterminal se torna dependente
dessa política para referenciar os dispositivos presentes no sistema. O Kernel Linux 2.6 implementa uma nova ferramenta para nomear
os dispositivos, chamada udev. O udev é uma implementação do sysfs em nível de usuário. Ele provê serviços adicionais ao sysfs tais
como: tratar a política de nomeação de dispositivos em nível de usuário e um esquema de nomeação de dispositivos flexível. As funções
disponibilizadas pelo udev podem ser utilizadas para solucionar o problema apresentado. O udev utiliza regras em nível de usuário para
nomear os dispositivos. Desta forma é possível definir uma política para nomear os dispositivos e criar regras udev que implementam esta
política. Para solucionar o problema apresentado deve-se definir uma política para que os dispositivos que já foram configurados possuam
sempre o mesmo nome, até mesmo quando forem desconectados e conectados novamente ao computador. Este trabalho avaliou as maneiras
utilizadas pelo Kernel Linux para prover informações de dispositivos aos usuários, visando estudar uma solução para o problema do modelo
multiterminal relacionado com a conexão de dispositivos que já foram configurados pelo sistema. Como trabalho futuro está a definição
de regras udev para implementar uma política de nomeação persistente de dispositivos no Multiseat Display Manager (MDM). O MDM é
uma implementação em software livre, baseada em Linux, para o modelo multiterminal
MODELOS DE APRENDIZES PARA APOIAR A APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS
DETECÇÃO DE DISPOSITIVOS EM AMBIENTES MULTITERMINAIS BASEADOS EM LINUX
Aluno de Iniciação Científca: Luan Haddad Ricardo dos Santos (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Jonatas Teixeira
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: objetos de aprendizagem, cliente servidor, educação a distancia.
Área de Conhecimento: 1.03.03.00-6 Metodologia e Técnicas da Computação
Aluno de Iniciação Científca: Lucas Nascimento Ferreira (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona
Co-Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: X Window System, Linux, sysfs, udev.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
0115
0116
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
79
O estudo de Rastreamento de Objeto (Object Tracking) faz parte da área de Visão Computacional, tendo como objetivo a capacidade de
detecção de movimento e o rastreamento de seu agente causador em um ambiente monitorado. As imagens do ambiente são adquiridas através
de câmeras, o que resulta na limitação da região de filmagem. Em determinadas situações é necessário ampliar esta região, e para tanto existem
as câmeras PTZ (Panoramic Tilting Zoom), as quais possuem a capacidade de deslocamento do ângulo de visão tanto na vertical quanto na
horizontal, assim como a possibilidade de ajuste de aproximação. Este equipamento foi incorporado em nosso estudo através do método
de Fluxo Óptico (Optical Flow). Neste método, para cada unidade de imagem é calculado o vetor do deslocamento ocorrido entre quadros
de imagem consecutivos. De acordo com os vetores resultantes, calculamos um novo posicionamento para o ângulo de visão da câmera,
caso seja necessário. Devido aos recentes avanços das unidades de processamento gráfico, em nosso estudo buscamos aplicar técnicas que
permitem explorar estas arquiteturas baseadas em processamento paralelo, onde esperamos obter ganho de desempenho. Como alternativa
para aprimorar a precisão do rastreamento, assim como minimizar a carga de processamento necessária, o sistema foi elaborado através de
diferentes níveis de hierarquia. O nível mais baixo corresponde à imagem de resolução nativa da câmera, sendo processado somente se o
nível acima requisitar, onde este corresponde à imagem com metade da resolução do nível abaixo. A requisição ocorre através da análise
dos vetores de deslocamento obtidos em cada nível desta hierarquia. Até o momento, os testes realizados indicam melhor desempenho para
o uso das unidades de processamento gráfico através da API OpenCL, comparando ao uso somente do processador principal. Este trabalho
será aplicado na área de segurança, sendo futuramente integrado a sistemas de identificação de indivíduos, tornando-se uma alternativa
autônoma e robusta de monitoramento.
O projeto CONDIGITAL, consiste no desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem (OA) para ensino de matemática, voltado para
alunos do Ensino Médio, dentre eles, a construção de ferramentas de software, no formato de simuladores, que auxiliam os aprendizes
a entenderem definições matemáticas, como progressões geométricas, funções cíclicas, matemática financeira e funções lineares. Como
parte deste projeto foi desenvolvido o CARRIE. O arcabouço CARRIE (Controlador de Acesso Reflexivo e Retroativo Indexado por
Erro) pode ser usado como um framework para construção de aplicativos educacionais, permitindo a criação de diferentes OA. O sistema
CARRIE tem como principais objetivos diminuir o tempo de implementação de novos OAs, permitindo ao desenvolvedor que concentre-se
somente na construção do OA propriamente dito e permitir
o controle de aspectos da interação com o usuário dos OAs
que o utilizam. Este arcabouço conta com uma variedade
significativa de ferramentas tais como o teclado virtual
para entrada de expressões matemáticas, calculadora,
catálogo de erros, bloco de notas, servidor multiusuário,
ferramentas de acessibilidade, paginação de telas, glossário
de termos, links para glossários ou páginas web. O CARRIE
foi desenvolvido em JAVA, o que o torna portável para
diferentes ambientes, inclusive a plataforma Web. O
CARRIE, já trouxe resultados satisfatórios, permitindo que
equipes de desenvolvimento independentes criassem OAs
compatíveis e integrados. Com o CARRIE foi possível
perceber uma melhoria na qualidade dos novos OA e uma
queda no seu tempo de desenvolvimento.
RASTREAMENTO DE OBJETO EM IMAGENS DE VÍDEO
USO DO CARRIE COMO FRAMEWORK PARA CRIAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM
Aluno de Iniciação Científca: Rafael Henrique Tibães (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022630
Orientador: Olga Regina Pereira Bellon
Co-Orientador: Luciano Silva
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Rastreamento, Fluxo óptico, Processamento Paralelo.
Área de Conhecimento: Processamento Gráfco (Graphics) – 1.03.03.05-7
Aluno de Iniciação Científca: Raphael Henrique Ferreira de Andrade (MEC-FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007387
Orientador: Alexandre Ibrahim Direne
Co-Orientador: Andrey Ricardo Pimentel
Colaborador: Diego Marczal
Departamento: Informática Setor: Exatas
Palavras-chave: CARRIE, Controlador, Condigital, Objetos de aprendizagem, framework
Área de Conhecimento: Metodologia e Técnicas da Computação - 1.03.03.00-6
0117
0118
Figura 1:Imagem do Controlador
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
80
O projeto PROINFODATA, que é responsável por coletar dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras.
O PROINFODATA é financiado pelo Ministério da Educação (MEC), Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e executado pelo Centro
de Computação Científica e Software Livre (C3SL). Para acompanhar os laboratórios de informática das escolas públicas, é necessário
obter as informações das máquinas e enviá-las ao servidor. No projeto, um agente é instalado em cada máquina e o mesmo é responsável
por coletar e enviar os dados locais ao servidor. O agente mantém o identificador da escola denominado INEP. Através do INEP junto com
alguma informação da máquina é possível gerar um identificador único para cada equipamento. A comunicação entre o agente e o servidor
é feito através de web service. O web service usa padrões web bem difundidos como HyperText Transfer Protocol (HTTP) e protocolos
baseados em eXtensible Markup Language (XML). Esses protocolos aumentam a interoperabilidade e extensibilidade das aplicações. Por
usar padrões web, as mensagens têm menos problemas com sistemas de segurança rígidos, como Firewall. Para garantir a segurança no
envio de dados, é usado Security Socket Layer (SSL) sobre HTTP (HTTPS). O servidor web service é responsável por criar e autenticar
uma conexão segura para cada agente. Após fazer a conexão, o servidor recebe os dados de cada máquina das escolas, verifica a integridade
da mensagem, interpreta e executa as operações apropriadas de acordo com a requisição recebida. A implementação do servidor é feita em
Apache Axis que contém os protocolos de segurança e mecanismos para facilitar a criação de novos serviços web. As mensagens que contém
os dados recebidos do agente vem no formato XML. As operações possíveis são enviar uma notificação para atualização automática do
agente, validar o número INEP e montar uma requisição para armazenar as informações no banco de dados. Essa implementação já está na
fase de produção, recebendo dados de escolas espalhadas pelo país. Na fase de testes, com dados sintéticos, o servidor foi bem sucedido
ao responder uma grande quantidade de requisições. Nesse trabalho apresentamos a criação de um servidor baseado em tecnologias de
web service. No projeto, ele recebe dados (inventário, INEP) de cada agente através de uma conexão segura, e faz a ação requisitada para
o tipo de informação.
O projeto PROINFODATA é responsável pela coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras.
O projeto é financiado pelo Ministério da Educação (MEC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e é executado pelo Centro de
Computação Científica e Software Livre (C3SL). O PROINFODATA visa tornar públicas informações relevantes a respeito dos computadores
presentes nos laboratórios das escolas públicas do Brasil, como o inventário de hardware e software. Em cada máquina é instalado um
agente que coleta os dados automaticamente e os envia periodicamente para um servidor. Para identificar a origem dos dados recebidos
pelo servidor, é necessário que o agente de cada máquina do projeto contenha um identificador único. O MEC dispõe de um número único
para cada escola pública do país, denominado INEP. Cada máquina é identificada unicamente com o código INEP da escola a qual pertence,
juntamente com outras informações obtidas do equipamento. Para propagar o agente às escolas, é gerado, para cada escola, um pacote
contendo um agente pré-configurado de acordo com o código da mesma. Esse trabalho descreve o processo de criação, obtenção e instalação
do agente personalizado para cada escola. Para propagar o agente criado para as máquinas, é usado um sítio na web, desenvolvido para
propósitos gerais do projeto. Cabe a uma pessoa responsável pela escola acessar o sítio e informar o INEP de sua instituição. Quando o
código é informado, scripts do próprio sítio criam um pacote contendo uma cópia do agente configurado de acordo com o INEP fornecido.
Esta cópia fica então disponível para download. O responsável faz então o download do pacote e o copia para as máquinas nas quais o agente
deve ser instalado. Por fim, é executado um script no pacote responsável por automatizar a instalação do agente, copiando-o para o disco da
máquina e preprando-o para a execução periódica da coleta de dados. O agente foi desenvolvido para sistemas operacionais UNIX. Todos
os software citados são disponibilizados em repositórios públicos GIT. Esse trabalho descreveu as etapas do processo de criação, obtenção e
instalação do agente PROINFO na solução adotada, mostrando que o agente é criado, personalizado e obtido de uma maneira fácil e robusta.
SERVIDOR WEB SERVICE NO PROINFODATA
CRIAÇÃO, OBTENÇÃO E INSTALAÇÃO DO AGENTE PROINFODATA
Aluno de Iniciação Científca: Renan França de Miranda (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona Co-Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Colaborador: Rubens Massayuki Suguimoto
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Web service, Servidor.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Ricardo Tavares de Oliveira (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:
Orientador: Fabiano Silva
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Monitoramento automático, Software livre público
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
0119
0120
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
81
O projeto do Ministério da Educação (MEC) de Coleta de dados do projeto ProInfo/MEC nas escolas públicas brasileiras (PROINFODATA),
implementado pelo Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL), tem o objetivo de ajudar no acompanhamento da logística e
uso de computadores distribuídos nas escolas públicas brasileiras. Um dos problemas a serem resolvidos para execução do projeto é a coleta
e envio dos dados nos computadores das escolas. Considerando a falta de padrão no ambiente computacional do projeto, foi definido alguns
problemas a serem resolvidos, os dados coletados deveriam ser enviados, através da internet, a um servidor para serem disponibilizados
para os usuários do sistema. Também teria de ser possível identificar o computador e a coleta dos dados deveria ser feita independente da
distribuição instalada no computador, bastando apenas ser Linux. A solução para resolver estes problemas foi um aplicativo instalado em
cada computador, ele é responsável por coletar os dados de identificação, hardware e uso do computador em que está instalado e enviá-los
ao servidor, denominamos este aplicativo como agente de coleta. Outro problema surge ao usar o agente nas escolas é que a manutenção
dele deve ser feita de forma automática, devido a dimensão nacional de distribuição do software. A solução foi implementar o recurso
de atualização automática do agente. Assim quando é feita alguma manutenção os agentes espalhados nas escolas se comunicam com o
servidor, identificam a atualização, obtém a versão atualizada e se auto-atualizam. A execução do agente tem três fases distintas, atualização,
coleta dos dados e envio dos dados. Ele é executado uma vez ao dia e quando uma destas fases falham, o agente tenta refazer os passos a
cada 60 minutos. Na implementação definimos algumas restrições, o computador com o agente roda um sistema operacional baseado no
Linux e possui conexão com a internet. Toda a parte de coleta dos dados e atualização automática foram implementadas em shell script,
dado que é um padrão no Linux e permite resolução de problemas complexos com rápido desenvolvimento. O módulo de envio dos dados
utiliza o web service para comunicação do agente com o servidor. A implementação foi feita em linguagem C, pelo suporte nativo no Linux
e e existência de bibliotecas robustas de web service. Já estando em operação em diversas escolas do Brasil e ainda com taxa crescente de
instalação, o agente mostrou-se robusto, tendo grandes espectativas de expansão no futuro.
O projeto PROINFODATA, uma parceria entre Centro de Computação Científica em Software Livre (C3SL), RNP e MEC, tem como
objetivo monitorar os computadores de todas as escolas públicas do Brasil. Atualmente este parque computacional pode ser estimado
em 500.000 computadores, um número que tende a crescer com o tempo. O monitoramento do parque computacional visa disponibilizar
dados para que o MEC e a sociedade acompanhem o estado de funcionamento dos computadores. Para atender esta demanda o sistema foi
estruturado da seguinte forma: todo computador de escola pública brasileira terá um agente (cliente) que diariamente envia informações de
uso e de hardware para o servidor central. O servidor tem duas camadas: o WebService que recebe informações dos agentes e as armazena
no Banco de Dados (BD). Para que o BD comporte o volume de dados gerado é necessário uma arquitetura de armazenamento robusta e
escalável. Diante desse cenário, foi proposta uma arquitetura baseada em armazém de dados Data Warehouse (DW) que é direcionada às
operações de leitura, favorecendo a análise de grandes volumes de dados e a geração de relatórios complexos. A arquitetura possui três etapas:
carregamento, armazenamento e leitura de dados. O carregamento consiste em receber e consolidar os dados no DW, o armazenamento é
o próprio histórico de dados do DW e a etapa de leitura organiza os dados para otimizar as consultas. Essas etapas são implementadas em
três componentes: staging area, DW e Data Marts (DM). A staging area é responsável por receber os dados dos clientes sem nenhuma
manipulação, esses dados são armazenados temporariamente neste componente. Após o carregamento da staging area, os dados são extraídos,
transformados e consolidados no DW. Finalmente os dados são sumarizados no DM que foi projetado para otimizar as consultas. Em todos
esses componentes foram realizados testes de desempenho, utilizando uma metodologia baseada em um modelo incremental de hardware
e software. O objetivo é avaliar o sistema partindo de um ambiente menos complexo para o mais complexo, usando cargas intermediárias
até o ponto limite do sistema. Com isso, além de encontrar a carga máxima que o sistema suporta, fornece também resultados parciais
que facilitam a avaliação de estresse de hardware. Os testes de escrita no BD mostraram que a arquitetura proposta chega a atender 334
transações por segundo. Já os testes de consulta alcançou o número de 142 transações por segundo. Com estes resultados, a arquitetura
mostrou-se eficiente, atendendo as conexões e o volume de dados esperado.
AGENTE DE COLETA DOS DADOS DO PROINFODATA
ARQUITETURA BANCO DE DADOS DO PROJETO PROINFODATA (DATAMART, DATAWAREHOUSE,
STAGING AREA)
Aluno de Iniciação Científca: Thiago Henrique dos Santos Picharski (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Marcos Alexandre Castilho Co-Orientador: Luis C. E. De Bona
Colaborador: Rubens Massayuki Suguimoto
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Agente de coleta, Acompanhamento, PROINFODATA.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Tiago Rodrigo Kepe (Outro)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022412
Orientador: Eduardo Cunha de Almeida
Co-Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Colaborador: Jorge Augusto Meira
Departamento: Informática Setor: Ciências exatas
Palavras-chave: banco de dados, armazenamento de dados, data warehouse, data mart.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
0121
0122
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
82
O projeto PROINFODATA viabiliza a coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras. O projeto é
financiado pelo Ministério da Educação (MEC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e é executado pelo Centro de Computação
Científica e Software Livre (C3SL). O PROINFODATA visa tornar públicas informações relevantes a respeito dos computadores presentes
nos laboratórios das escolas públicas do Brasil, como o inventário de hardware e software. No projeto, um agente de coleta de dados é
instalado em cada escola, o qual irá enviar estes dados periodicamente para um servidor, que disponibilizará as informações em um portal.
A instalação deste agente de coleta é realizada apenas uma vez para cada escola, o que cria um problema de manutenabilidade de escala
nacional. Portanto, é necessário que o pacote em si tenha um mecanismo de auto-atualização e checagem de integridade. Para que isso seja
possível, a cada execução do agente de coleta é verificado com o servidor se existe uma versão mais nova disponível. Caso exista, é feita
uma nova requisição ao servidor, agora pedindo a URL onde o pacote de atualização se encontra. Com isso o agente faz o download do
pacote de atualização, que substitui a árvore de arquivos atual pela sua versão mais nova. Assim, todas as escolas podem sempre manter
seu agente de coleta íntegro e atualizado. O sistema implementado é baseado em uma estrutura de arquivos específica para o pacote, a qual
consiste de arquivos com hash de cada arquivo do pacote, e ainda alguns arquivos de backup para scripts e binários importantes para o
funcionamento do pacote. No momento em que o agente de coleta deve ser executado, executamos anteriormente o script de checagem de
integridade. Este script é responsável por checar a integridade de todos os arquivos do pacote baseado em um banco de hash md5. Caso
algum arquivo corrompido seja encontrado, inicia-se um processo se recuperação do sistema que consiste em analisar, na seguinte ordem,
se existe um backup para o arquivo (e restaurá-lo) ou se é possível requisitar ao servidor um novo pacote (e aplicá-lo). Caso estes dois
processos falhem, o script de integridade se encarrega de fazer o download de um novo pacote (de uma URL bem definida) e aplicá-lo
sobre a árvore de arquivos atual. Outro motivo para a existência deste sistema de atualização é o fato de podermos aplicar novas versões do
pacote (incluir novos parâmetros a monitorar, corrigir bugs, inserir novas funcionalidades) sem a necessidade de uma intervenção humana.
Esta pesquisa teve como objetivo a medição da distância do veículo à borda de pista por meio de processamento de imagens em tempo real
para determinação indireta da atenção de motoristas. Após algumas reuniões e estudos sobre o tema, a equipe decidiu utilizar a biblioteca
gráfica OpenCv para maior facilidade na manipulação das imagens, visto que diversas funções citadas em artigos e livros da área já
estão implementadas nela. Nosso problema inicial era como detectarmos objetos na imagem e a partir daí, medirmos a distância até ele.
Primeiramente foi feita a segmentação da imagem seguida da detecção de bordas. Threshold e filtros de Sobel e Canny foram testados.
Em seguida aplicamos a Transformada de Hough, que realiza a detecção de formas geométricas em imagens, para encontrarmos as bordas
de pista. Por último, através de cálculos matemáticos, em sua maioria triangulação e geometria projetiva, conseguimos obter medidas da
distância do veículo até a borda da pista. A partir deste trabalho e vários experimentos, desenvolver um framework computacional para um
sistema de alerta ao motorista baseando nas alterações da distâncias do carro à borda da pista, o que pode ajudar na redução do número de
acidentes, principalmente os causados por sonolência e desatenção do motorista. O software desenvolvido ainda está em fase experimental
e necessita validação e revisão em diversos aspectos.
AUTO-ATUALIZAÇÃO DO AGENTE PROINFODATA
GEOMETRIA PROJETIVA E DETECÇÃO BORDA DE PISTA
Aluno de Iniciação Científca: Vinicius Kwiecien Ruoso (Outra)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:
Orientador: Luis Carlos Erpen de Bona
Co-Orientador: Marcos Alexandre Castilho
Departamento: Informática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Monitoramento automático, Software livre público, Atualização Automática
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Willian Dettmer Eckel
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023123
Orientador: Eduardo Todt
Departamento: INFORMÁTICA Setor: CIÊNCIAS EXATAS
Palavras-chave: segmentação, segurança veicular, lane departure warning.
Área de Conhecimento: 1.03.03.00-6 Metodologia e Técnicas da Computação
0123
0124
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
83
A modelagem matemática vem como auxílio para o problema do fluxo do tráfego veicular. Sendo apresentada em três diferentes escalas: a
microscópica, a macroscópica e a cinética. Cada uma destas escalas apresenta uma estrutura matemática própria, por exemplo, na cinética
o estado do sistema é identificado pela posição e pela velocidade dos veículos, entretanto esta identificação não refere-se a cada veículo,
mas a uma distribuição apropriada de probabilidade sobre o estado microscópico considerado como uma variável aleatória. Modelos
matemáticos referentes a esta escala descrevem a evolução da função de distribuição por equações íntegro-diferenciais similar a equação
de Boltzmann. Este trabalho desenvolve o modelo matemático de velocidades discretas para tráfego de veículos ao longo de uma rodovia,
usando escala cinética, considerando a regra microscópica de interação entre os veículos. As interações são descritas de maneira estocástica,
introduzindo a probabilidade de transição de velocidade, que poderá ocorrer após uma interação entre dois veículos dentro da mesma zona de
visibilidade. Esta transição de probabilidade consiste na chamada tabela de jogos. A probabilidade de possível aceleração ou desaceleração
muda de acordo com a quantidade de carros na rodovia, ou seja, os motoristas vêem um ao outro e ajustam suas velocidades de acordo com
o comportamento codificado na tabela de jogos. Uma distância de interação é introduzida, no qual definimos uma zona de visibilidade. O
resultado final da velocidade é determinado por uma média das interações por todo o campo de visibilidade. A tabela de jogos nos fornece a
probabilidade de um veículo candidato de velocidade h mudar para o estado i quando este interage com um veículo denominado de veículo
teste nos seguintes casos: (1) quando h<k o resultado desta interação é modelado de acordo com a estratégia de seguir-o-líder, no qual
implica que o veículo candidato mantém sua velocidade ou possivelmente acelera, dependendo dos fatores do sistema; (2) quando h>k, o
veículo candidato interage com um veículo mais lento, e assumimos que este não acelera pois poderá ser forçado a permanecer atrás do
veículo lento, reduzindo a sua velocidade, ou poderá manter a mesma velocidade efetuando a ultrapassagem dependendo dos fatores do
sistema; (3) quando h=k, temos dois veículos com a mesma velocidade, que podem acelerar ou permanecerem com a mesma velocidade.
Implementando o modelo citado acima e utilizando a computação numérica obtemos resultados de acordo com os dados experimentais.
O objetivo desse trabalho é estudar os conceitos básicos da Álgebra Multilinear, também conhecida como Álgebra Exterior, estudados por H.
Grassmann. A Álgebra Multilinear, em seu aspecto puramente algébrico, estuda as aplicações multilineares alternadas e suas conseqüências;
geometricamente, estuda os vetores q-dimensionais em seus respectivos espaços. A noção de forma diferencial de grau superior é um assunto
da Álgebra Multilinear: uma forma diferencial de grau 1, por exemplo, é um funcional linear e, portanto, objeto da Álgebra (Multi)linear.
Uma forma de grau mais elevado, conhecida também como forma exterior é uma forma alternada. Os objetos algébricos conhecidos no
século passado como tensores covariantes antissimétricos hoje se chamam formas alternadas. Iniciamos o trabalho mostrando que todo
espaço vetorial V possui uma base, usando o Axioma da Escolha. Definimos aplicações multilineares como , onde
e F são espaços vetoriais reais, destacamos algumas como produto tensorial e o produto interno. Um importante resultado
é o isomorfismo , onde E e F são espaços vetoriais reais, onde denota os operadores r-lineares de
A em B. Como conseqüência, temos que , onde e . A seguir definimos
algumas importantes aplicações Multilineares Alternadas e alguns resultados como: 1) Se é alternada e é LD, então
; 2) Se , então , seja qual for F, onde denota o conjunto de todas as aplicações alternadas
de . Apresentamos o conceito de determinante de um endomorfismo linear e algumas propriedades do determinante. Mostramos
então que toda aplicação multilinear alternada se expressa através de determinantes; em outras palavras: O determinante é a única aplicação
multilinear alternada não trivial. A seguir, apresentamos a noção de Produto Exterior, estudando as aplicações r-lineares alternadas cujas
imagens geram subespaços de maior dimensão possível. As potências exteriores do tipo , onde é o dual do espaço vetorial E, são
estudadas, como exemplo, pela aplicação , que é um produto exterior, onde .
Denotamos, então, as formas lineares por e definimos então , onde
é a matriz cujo i-ésimo vetor linha é .
MODELAGEM MATEMÁTICA DO FLUXO DE TRÁFEGO VEICULAR
ÁLGEBRA MULTILINEAR
Aluno de Iniciação Científca: André Luis Onorio (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:2008022488
Orientador: Liliana Madalena Gramani
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Tráfego, Escala Cinética, Taboa de Jogos.
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Bruno Suzuki (PET - SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Aldemir José da Silva Pinto
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: álgebra exterior.
Área de Conhecimento: 1.01.01.00-4
0125
0126
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
84
Visando entrar no estudo de algumas metodologias para o tratamento dos problemas inversos discretos, os quais aparecem em problemas
reais nos diversos campos das ciências e tecnologia, cujo tratamento numérico exige o uso de técnicas depuradas, pois os modelos numéricos
estão na classe dos problemas denominados mal condicionados (denominação introduzida por P. C. Hansen), iniciamos este projeto realizando
uma descrição detalhada do método de decomposição em valores singulares (SVD). Aproveitaremos desta fatoração matricial, para rever a
solução dos sistemas lineares superdeterminados (mais equações que incógnitas) e sua relação com o método usual dos mínimos quadrados.
O presente trabalho tem como objetivo principal colocar em evidência o método SVD com uma ferramenta versátil tanto para o cálculo
matricial assim como para a análise correspondente.
Para os sistemas lineares há uma teoria bem conhecida baseada em autovalores e autovetores que classifica definitivamente o comportamento
dos equilíbrios quanto à estabilidade. Para os sistemas não lineares não há uma teoria definitiva. São propostos métodos de aproximações
lineares para o estudo local da estabilidade dos sistemas em torno de seus pontos críticos procurando estabelecer uma analogia com os
métodos lineares conhecidos. Porém esses métodos não são completamente eficazes. Há um segundo método, segundo método de Lyapunov,
que se baseia no conceito de distância, ou mais propriamente, no conceito de medida de energia. A ideia é estudar a variação da energia do
sistema à medida que caminhamos sobre trajetórias em direção a um ponto crítico. Em geral o conceito de distância é dado por uma forma
quadrática que no caso dos sistemas não lineares é chamada de função de Lyapunov. Observamos que se um sistema não linear tiver sua
estabilidade decidida por linearização também a terá decidida pelo método de Lyapunov, mas nem sempre que um problema que tem a
estabilidade decidida por Lyapunov terá pelo primeiro método. Entretanto, o grande problema para o uso do segundo método de Lyapunov
é saber como obter uma função de Lyapunov para um dado sistema não linear. Mesmo com uma candidata pode ocorrer que a hipótese da
positividade local do Teorema de Lyapunov não esteja verificada. Para essas situações, uma alternativa é o uso do Princípio da Invariância
de La Salle. Neste trabalho enfatizamos o uso do 2º método de Lyapunov e apresentamos alguns exemplos significativos da aplicação do
Princípio da Invariância.
MÉTODO DE DECOMPOSIÇÃO SVD: PROBLEMAS INVERSOS
USO DE MÉTODOS INDIRETOS PARA ESTUDO DE ESTABILIDADE DE SISTEMAS NÃO LINEARES
Aluno de Iniciação Científca: Camille B. Bothe (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023163
Orientador: Manuel Jesus Cruz Barreda
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: problemas inversos, álgebra linear numérica, decomposição svd.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada- 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Carolina de Almeida Santos Pinotti (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Carlos Henrique dos Santos
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: estabilidade, método de Lyapunov, princípio de invariância.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada - 1.01.04.00-3
0127
0128
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
85
Em teoria de grupos, temos o estudo da ação de um grupo em um conjunto, onde se considera um conjunto X não vazio e um grupo G
qualquer. A ação do grupo no conjunto nada mais é que uma transformação T: G × X → X, denotada simplesmente por T(g, x) = gx, tal que
ex = x para todo x em X, e (g
1
g
2
)x = g
1
(g
2
x)

para todo x em X e para todos g
1,
g
2
em G. De modo equivalente, sendo S
X
o grupo das bijeções
de X, a aplicação Φ: G → S
X
dada por

Φ(g) (x) = gx é um homomorfismo de grupos. Dado x em X, a sua órbita sob a ação de G é denotada
por G(x) e é definida por G(x) = {gx

є X | g є G}. O conjunto G
x
= {g є G | g
.
x = x} dos elementos de G que fixam x é um subgrupo de G
que é chamado de subgrupo de isotropia ou estabilizador de x. Se G é finito, temos um primeiro teorema de contagem: |G| = |G(x)| |G
x
|,
ou seja, se G é um grupo finito que age no conjunto X, então o número de elementos de X em cada órbita é um divisor da ordem de G.
As

ações de grupos têm uma grande aplicação em problemas de contagem, onde dispomos de um resultado importante que é o teorema
de Burnside: se G é um grupo finito agindo em um conjunto X, então o número de órbitas distintas é dado por ∑
∈G g
g Fix
G
) (
| |
1
. Utilizando
conceitos e técnicas de grupos de permutações, podemos aplicar este resultado ao problema das (q,G)-colorações. Seja A um conjunto de
q elementos e seja G um subgrupo do grupo de permutações S
n
; considere a ação natural de G no produto cartesiano A
n
por permutação
de coordenadas. Uma (q,G)-coloração é uma órbita da ação de G em A
n
. O problema das (q,G)-colorações é contar o número de órbitas
da ação. Em princípio pode-se resolver este problema com um resultado de Polya: se g é um elemento de G, então Fix(g) = q
t(g)
,onde t(g)
é o numero de ciclos completos na fatoração de g. Com isso, prova-se que o número de (q,G)-colorações de A
n
é

∈G g
g t
q
G
) (
| |
1
. Aplicamos
este resultado a problemas concretos como a contagem do número de roletas que podem ser feitas com determinadas cores, e o número de
modos de pintar um tabuleiro n × n.
A noção geométrica de concentrar a atenção “em torno de um ponto” é algebricamente análoga ao importante processo de localização de
um anel em torno de um ideal primo. A geometria algébrica tem por objetivo “traduzir” este processo algébrico em termos geométricos,
utilizando-se de várias ferramentas da álgebra comutativa, cuja noção central é a de ideais primos, que provém da generalização de números
primos em aritmética e de pontos em geometria. Neste trabalho estudaremos a formação de anéis de frações e o processo de localização
associados, que talvez sejam as ferramentas mais importantes em álgebra comutativa. O processo de localização é análogo num certo sentido
à construção do corpo de frações de um domínio de integridade. Introduziremos esta noção para anéis e módulos e provaremos que esta
operação preserva sequências exatas, somas, intersecções, quocientes. Além disso, é possível dar uma boa noção do que é a localização
de um módulo em termos do produto tensorial com o localizado do anel. Outro conceito muito importante é o de espectro de um anel, a
partir do qual definiremos uma topologia, chamada topologia de Zariski. Ao final apresentaremos uma relação entre o espectro de um anel
e o espectro do seu localizado.
AÇÕES DE GRUPOS E PROBLEMAS DE CONTAGEM
ÁLGEBRA COMUTATIVA
Aluno de Iniciação Científca: Clauciane Dias de Lima (UFPR – permanência)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022573
Orientador: Marcelo Muniz Silva Alves
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: acões de grupos, (q,G)-colorações.
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Cristian Schmidt (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004-013636
Orientador: Edson Ribeiro Álvares
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: localização de anéis, ideais primos, módulos.
Área de Conhecimento: Álgebra - 1.01.01.00-4
0129
0130
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
86
Interpretamos e analisamos detalhadamente alguns modelos biomatemáticos voltados para ecologia. Estudamos alguns problemas
simplificados, como o Modelo Predador-Presa de Lotka-Volterra e o Modelo de Espécies em Competição. Observadas algumas imperfeições
do modelo predador-presa, com relação a interpretação biológica em determinadas situações, seguimos para o estudo de um modelo onde
na ausência de predador o crescimento da presa é como no modelo logístico, proposto por Verhulst. Estudamos estabilidade de soluções de
sistemas de equações diferenciais não-lineares e o Primeiro Método de Liapunov. Utilizando a técnica de adimensionalização conseguimos
simplificar as contas, de forma que a interpretação de informações dos sistemas se mantenha e em muitos casos seja até mais rica. Na
análise de um modelo predador-presa com comportamento periódico de ciclos limite, encontramos alguns erros de cálculo feitos pelo autor,
que modificam várias das suas interpretações subsequentes. Seguimos para um artigo que propõe modelos onde a predação é seletiva por
causa de alguma doença infecciosa na população de presas. Realizamos a análise qualitativa dos modelos propostos pelo artigo, mas das
equações já adimensionalizadas. Também optamos por alterar num dos sistemas a modelagem feita para o crescimento de predadores, tendo
em vista que o comportamento populacional mais interessante para se estudar é o da população de presas, por causa da predação ocorrer
na população que é suscetível à doença.
Este trabalho tem por objetivo a solução do problema da linha elástica, para a teoria clássica de vigas, a partir do método das diferenças
finitas. Em que as derivadas presentes na equação diferencial parcial, com operador de quarta ordem, são aproximadas por fórmulas de
diferenças. Serão analisados os quatro casos mais comumente encontrados, a saber: viga simplesmente apoiada, viga duplamente engastada,
viga em balanço e viga engastada em um extremo e apoiada no outro. Será considerado o caso de carregamento uniformemente distribuído
ao longo da viga. Para a solução numérica do problema, será desenvolvido um programa de computador em linguagem Fortran. As respostas
numéricas serão confrontadas com as soluções analíticas.
ANÁLISE QUALITATIVA DE MODELOS PARA ECOLOGIA
SOLUÇÕES DE VIGAS PELO MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS
Aluno de Iniciação Científca: Danilo Francelino Fuckner Leonel
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004015446
Orientador: Luiz Antonio Ribeiro de Santana
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: modelos matemáticos, biomatemática, predador-presa.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada - 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Diego Gabriel Metz (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021786
Orientador: José Antonio Marques Carrer
Departamento: Construção Civil Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Viga, Equações Diferenciais Parciais, Método das Diferenças Finitas.
Área de Conhecimento: Estruturas - 3.01.02.00-6
0131
0132
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
87
Um dos problemas computacionais mais básicos e úteis está em resolver um sistema de equações lineares , onde A é uma matriz
dada, b é um vetor dado, e x é um vetor de incógnitas. Neste trabalho, nós consideramos as soluções de tais sistemas lineares sobre os reais,
em que a matriz A é SPD (simétrica positiva definida. Esses sistemas têm aplicações em diversas áreas. De uma maneira geral, estas soluções
podem ser divididas em duas categorias. Soluções diretas: normalmente a matriz A é fatorada em uma forma canônica tal que o sistema
torna-se fácil de resolver, como é o caso da eliminação de Gauss (fatoração LU), fatoração de Cholesky etc. e as soluções iterativas: Estas
produzem uma seqüência de candidatos à solução. Cada iteração do algoritmo ajusta o “palpite” anterior, obtendo assim um novo “palpite”
que está mais próximo da solução final. Este processo é similar à função de minimização por descida em gradiente. Um exemplo de soluções
iterativas são Descida em Gradiente e CG(Gradiente Conjugado). Neste trabalho utilizaremos métodos iterativos, pois existem numerosas
situações em que é preferível calcular rapidamente uma solução aproximada para um problema em vez de esperar o tempo necessário para
calcular uma solução exata. A diferença qualitativa entre métodos diretos e iterativos é que a eficiência dos métodos iterativos geralmente
depende, de forma significativa, do número de condição da matriz . Em seguida, analisaremos a convergência de métodos iterativos em
função do número de condição. Isto motiva o estudo de pré-condicionamento. Em vez de resolver o sistema , é introduzida uma
matriz P (chamada de precondicionador), em seguida, resolve-se o sistema relacionado . A intenção é que a matriz acabe por
ter um número de condição menor do que a matriz , Então, o problema se torna mais fácil de resolver, desde que a introdução de não
impõe esforços computacionais significativos. Este trabalho investiga uma nova abordagem para a construção de precondicionadores. Nós
apresentamos um algoritmo que iterativamente constrói um bom precondicionador para , através da execução de métodos iterativos.
O método de eliminação de Gauss é um dos mais importantes métodos para resolução de sistemas lineares quando a matriz dos coeficientes
do sistema é cheia, pois se consegue resolver o sistema Ax = b (sendo A quadrada e b um vetor de termos independentes), com um custo
relativamente baixo, o que é de extrema importância para sistemas de maior porte. O método consiste primeiramente em, por meio de
operações elementares, transformar a matriz dos coeficientes em uma matriz triangular superior. Usando os termos da matriz já escalonada
como coeficientes de novas equações, temos um sistema de resolução mais simples. Outra maneira de se resolver um sistema linear é pelo
método de Cramer, o qual consiste em (para determinar o valor de xj) achar a determinante da matriz A dos coeficientes e da matriz Aj, a
qual é obtida substituindo a coluna j pelos termos independentes b. O valor de xj se dá pela divisão do determinante de Aj, pelo de A. Porém
esse método tem um custo muito alto, e aumentando o tamanho da matriz dos coeficientes, o tempo para a solução através desse método
aumenta consideravelmente. Sendo assim, é utilizado para fins teóricos, pois sua implementação é inconveniente. Aparentemente os dois
métodos são totalmente distintos, e não tem relação alguma entre si. Ainda a analise do custo de ambos é um pretexto para se pensar dessa
maneira, mas a relação entre eles, não se limita a terem resultados semelhantes. Ambos estão ligados por relações lógicas, as quais serão
apresentadas nesse trabalho. Este trabalho irá partir do método de Gauss e chegar ao de Cramer, também fazer o caminho inverso, através
de rearranjos nas fórmulas. Provando a equivalência de ambos e mostrando que rearranjos podem ser de grande importância, por poder
otimizar algoritmos, conseguindo custos menores e uma eficiência maior.
ÁLGEBRA LINEAR NUMÉRICA, ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS
MODELOS DE OTIMIZAÇÃO EM FINANÇAS
Aluno de Iniciação Científca: Ednei Leite de Araújo (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997005022
Orientador: Yuan Jin Yun
Departamento: Matemática Setor: Ciências exatas
Palavras-chave:álgebra linear numérica, métodos iterativos, implementação de algoritmos.
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Evandro Augusto Corrêa Pereira (Outra - PICME/CNPQ)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013076
Orientador: Luiz Carlos Matioli
Departamento: Matemática Setor: Ciências exatas
Palavras-chave: Eliminação de Gauss, Método de Cramer, Sistemas lineares.
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
0133
0134
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
88
Seja P um polinômio com coeficientes num corpo K, N o corpo de decomposição de P e G o grupo de Galois de P. O Teorema da
Correspondência de Galois, afirma que há uma correspondência biunívoca entre os subgrupos do grupo G e as extensões intermediárias
entre os corpos K e N. Isso nos levou a abordar e resolver o seguinte problema. Dada uma extensão intermediária L entre K e N, exibimos
um método de como fatorar o polinômio P como produto de polinômios irredutíveis com coeficientes em L. O método consiste em tomar
o grupo correspondente a extensão de L para N, e faze-lo agir sobre as raizes do polinômio P. A esta ação corresponderá um conjunto de
órbitas no conjunto das raízes. Basta agora rearranjar P num produto de polinômios S tal que cada S seja produto de polinômios mônicos
de grau um, cujas raizes são todos os elementos de uma órbita. Em suma, cada órbita fornece um fator S de P. Além desse problema,
introzimos também o conceito de grupo solúvel e mostramos que se um polinômio é solúvel por radicais, então seu grupo de Galois é
solúvel. O outro resultado que exibimos foi mostrar a impossibilidade de encontrarmos a solução de uma equação polinomial de grau maior
ou igual a cinco por meio de radicais.
Um conceito importante em Análise Matemática é o de convergência de uma sequência. Neste trabalho aprofundamos este estudo, analisando
também a velocidade com que uma sequência converge. Concentramos nosso estudo em três velocidades de convergência: linear, superlinear
e quadrática. A motivação deste trabalho é a análise da convergência de métodos de otimização, visto que para fins práticos é fundamental
que os algoritmos tenham uma convergência rápida. Discutimos alguns métodos clássicos para otimização irrestrita. O método de Cauchy
que faz a cada iteração uma busca unidirecional na direção de máxima descida, ou seja, na direção oposta ao gradiente, tem convergência
linear. Por outro lado, o método de Newton minimiza, em cada iteração, o modelo quadrático da função objetivo. Provamos que, se o ponto
inicial estiver próximo de um minimizador, a sequência gerada por este método converge superlinearmente. Além disso, se a Hessiana da
função for Lipschitz, então a convergência do método de Newton é quadrática.
APLICAÇÕES DA TEORIA DE GALOIS
VELOCIDADE DE CONVERGÊNCIA DE ALGORITMOS DE OTIMIZAÇÃO
Aluno de Iniciação Científca: Fernando Studzinski Carvalho (PICME-CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:2004-013636
Orientador: Edson Ribeiro Alvares
Departamento: Matemática Setor: Exatas
Palavras-chave: Teoria de Galois, extensões de corpos, resolubilidade por radiciais.
Área de Conhecimento: Álgebra – 1.01.01.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Flavia Mescko Fernandes (PET-SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Ademir Alves Ribeiro
Co-Orientadora: Elizabeth Wegner Karas
Colaboradores: Karla C. Arsie, Leonardo M. Elias e Tuanny Brufati
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Velocidade de Convergência, Método de Cauchy, Método de Newton.
Área de Conhecimento: Matemática aplicada – 1.01.04.00-3
0135
0136
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
89
Neste trabalho estudamos dois jogos populares: Sudoku e Quadrado Mágico. O Sudoku consiste em preencher uma tabela de 9 linhas
e 9 colunas divididas em 9 regiões de 3 linhas e 3 colunas de modo que os algarismos de 1 a 9 apareçam uma e somente uma vez em
cada linha, coluna ou região, sendo que algumas posições já estão preenchidas inicialmente. Discutimos inicialmente algumas dicas para
agilizar o preenchimento da tabela, minimizando o tempo de jogo. Apresentamos também uma modelagem matemática do jogo como um
problema de programação linear binária que pode ser resolvido usando, por exemplo, o software Lingo. Por outro lado, o jogo Quadrado
Mágico consiste em preencher uma tabela de n linhas e n colunas com algarismos de 1 a
2
n
de modo que a soma de cada linha, coluna
e diagonais seja constante. Este jogo também foi modelado como um problema de programação linear binária. No entanto, contrariando
nossas expectativas, o tempo computacional gasto pelo software Lingo para resolver um Quadrado Mágico de ordem 5 é de quase 3 horas,
contra poucos minutos para resolver um Sudoku de nível médio. Diante deste fato estudamos algumas técnicas de resolução do Quadrado
Mágico, que são divididas em três classes. Há técnicas específicas para Quadrado Mágico de ordem ímpar, outras quando a ordem é par
múltipla de 4 e outras quando a ordem é par não múltipla de 4. A partir dessas técnicas implementamos um algoritmo em Visual Basic, que
resolve com sucesso um Quadrado Mágico de qualquer ordem.
Uma das funções da Matemática Escolar é o desenvolvimento de competências para resolver problemas cotidianos que as pessoas encontram.
Nas últimas décadas, intensificou-se a necessidade de buscar alternativas que possibilitem uma maior compreensão do conhecimento
matemático, com isso a Educação Matemática vem buscando formas diferenciadas de ensino, que propiciam aos alunos aulas mais motivadoras.
Dentro desse contexto, está a utilização de jogos no ensino de Matemática, onde a utilização destes propicia um ambiente favorável para a
construção e reconstrução do conhecimento matemático, criando um ambiente motivador e desafiador. Nessa perspectiva de jogos no ensino
de Matemática, concentra-se este projeto, que tem como objetivo, avaliar a aprendizagem dos alunos em matemática, quando da utilização de
jogos. Para fazer a análise de como os jogos contribuem na aprendizagem dos alunos em Matemática, foram desenvolvidas duas atividades,
as quais foram aplicadas com alunos de 5ª série do ensino fundamental, do Colégio Estadual Eleutério Fernandes Andrade, no município
de Quitandinha, região metropolitana de Curitiba. Estas atividades foram desenvolvidas em duas etapas, na primeira os alunos receberam
um jogo confeccionado pela professora pesquisadora, e na outra, os próprios alunos construíram seus jogos. Para avaliar a aprendizagem
dos alunos foram realizados exercícios antes e após o jogo, no intuito de viabilizar subsídios a respeito do conhecimento matemático dos
alunos ao realizarem estas atividades. Com a análise destas atividades, pode-se perceber pelos resultados que o uso dos jogos em sala de aula
é um recurso eficaz no processo de ensino-aprendizagem, pois os alunos participam da aula de forma mais ativa e principalmente porque
faz com que os alunos busquem soluções para problemas envolvidos no jogo, que por sua vez são problemas relacionados aos conteúdos
matemáticos, o que implica que se pode aprender Matemática de uma forma divertida.
JOGOS SUDOKU E QUADRADO MÁGICO
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA ATRÁVES DE JOGOS DIDÁTICOS
Aluno de Iniciação Científca: Karla Cristiane Arsie (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023341
Orientadora: Elizabeth Wegner Karas Co-Orientador: Ademir Alves Ribeiro
Colaboradores: Flavia M. Fernandes, Leonardo M. Elias, Priscila Savulski e Tuanny Brufati
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: modelagem matemática, Sudoku, Quadrado Mágico.
Área de Conhecimento: Matemática aplicada – 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Kicia Cristina Kusdra (Programa-Bolsa extensão UFPR)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000003
Orientador: Tânia Terezinha Bruns Zimer
Departamento: Matemática Setor: Educação
Palavras-chave: avaliação da aprendizagem,jogos didáticos,ensino de Matemática.
Área de Conhecimento: 7.08.04.00-1 Ensino e Aprendizagem.
0137
0138
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
90
Em Otimização, existem vários métodos para minimizar funções reais de várias variáveis. Um método clássico é o de Cauchy que usa em
cada iteração a direção de máxima descida, ou seja, a direção oposta ao gradiente. Ao longo de cada direção calculamos o comprimento
do passo. Normalmente o comprimento do passo é obtido por uma minimização unidirecional que pode ser exata (tipo Seção Áurea) ou
inexata (tipo Armijo). Neste trabalho consideramos inicialmente funções quadráticas convexas em
n
R
e tomamos o comprimento do passo
como sendo o inverso de um autovalor da hessiana da quadrática. Independente da ordem em que sejam escolhidos os autovalores e o ponto
inicial, provamos que o método converge em no máximo n passos. Estendemos este método para funções não quadráticas considerando em
cada iteração os autovalores da aproximação de Taylor de segunda ordem da função em torno do ponto corrente. Estamos interessados em
analisar as propriedades teóricas do método, no entanto temos consciência de que seu desempenho depende da eficiência em se calcular os
autovalores de uma matriz. Apresentamos resultados numéricos comparando o Método de Cauchy com diferentes variantes no cálculo do
comprimento do passo, bem como, com outros métodos de primeira ordem para Otimização irrestrita.
A compreensão completa da dinâmica de um processo de evolução é muito difícil. Mas, para muitos sistemas existe um processo de
simplificação assintótica, e assim o comportamento de uma solução quando o tempo é arbitrariamente grande é dado por equações mais
simples, que permitem uma análise mais completa e explícita. Neste trabalho se apresentará um exemplo simples e importante no qual
acontece esta simplificação, a Equação do Calor: utt – cuxx = 0, com dado inicial u(x,0) = f (x), com x䌜ο e t 0 , e se descreverão
algumas técnicas matemáticas que ajudam a explorar os seguintes fatos: Análise de Fourier, Análise Harmônica e Análise Funcional
(espaços, desigualdades). A solução da Equação do Calor pode ser calculada explicitamente como convolução do dado inicial f (x) com o
núcleo do calor G(x,t) = (4πt)
-1/2
exp(-x
2
/4t), isto é, u(x,t) = G o f, e então se observa imediatamente nesta expressão a velocidade infinita de
propagação; de fato, todos os valores de f, em qualquer ponto x䌜ο , intervém na hora de calcular u em qualquer ponto espaço-temporal
(x,t). Aqui o objetivo é simplificar esta solução. Se mostrará que a solução u(x,t) é uma combinação linear do núcleo do calor G(x,t) e que os
coeficientes são os momentos do dado inicial. Um resultado chave que se usará é um Lema de Decomposição, que afirma que uma função
integrável f (x) é uma combinação de Deltas de Dirac, cujos coeficientes são os momentos desta f. Se verá que o primeiro termo da solução
u(x,t) é MG, onde M = ∫ f (x)dx é o primeiro momento. O segundo termo é mGx onde m = ∫ x f (x)dx é o segundo momento do dado inicial.
MÉTODO DE CAUCHY PARA MINIMIZAÇÃO IRRESTRITA
EXPANSÃO ASSINTÓTICA DA EQUAÇÃO DO CALOR
Aluno de Iniciação Científca: Leonardo Moreto Elias (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023341
Orientadora: Elizabeth Wegner Karas Co-Orientador: Ademir Alves Ribeiro
Colaborador: Flavia M. Fernandes, Karla C. Arsie e Tuanny Brufati
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Otimização irrestrita, Método de Cauchy, Funções quadráticas.
Área de Conhecimento: Matemática aplicada – 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Lucas de Siqueira (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Raul Prado Raya
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: assintótico, calor, inicial.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada - 1.01.04.00-3
0139
0140
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
91
Estudamos aqui a estabilidade e estabilidade assintótica dos estados de equilíbrio de algumas Equações Diferenciais Ordinárias. Um dos
métodos a ser usado será a introdução de funções apropriadas chamadas de funções de Lyapunov, as quais possuem características que
determinam o comportamento assintótico das soluções de Equações Diferenciais. Dado um estado de equilíbrio estável nem sempre podemos
associar uma função de Lyapunov, e nem existe procedimento padrão para determinar tais funções, porém veremos que para algumas Equações
Diferenciais é possível gerar essas funções. Sendo assim, estudaremos alguns problemas de aplicações, como por exemplo crescimento de
algumas populações modelada por Equações Diferenciais que admitem funções de Lyapunov.
Calcular zeros de polinômios é um assunto de vasta aplicabilidade nas ciências exatas, mas que é de difícil solução para polinômios de
grau muito grande, o que torna o estudo de métodos numéricos para a obtenção de zeros um importante problema a ser atacado. Um outro
assunto que se estuda há muito tempo e a sua relação com o problema de calcular os autovalores de uma matriz. Contudo, dependendo dos
métodos utilizados para se obter os zeros de um polinômio pode aparecer um outro problema pertinente que e o da deflação do polinômio,
que é um passo a ser embutido no algoritmo e que pode causar efeitos na estabilidade das soluções, e também no desempenho do algoritmo.
O objetivo deste trabalho é exibir a relação do cálculo de raízes de polin6omios com o cálculo de autovalores de uma matriz, e algoritmos
para encontrar raízes de polinômios, bem como para a deflação polinomial. Começamos mostrando como o problema de cálculo de
autovalores de uma matriz de estrutura especial é equivalente ao de encontrar raízes de um polinômio, em seguida exibimos o método de
Bairstow para o calculo de raízes de polinômios, bem como a relação de uma generalização do mesmo com o cálculo de autovalores de uma
matriz tridiagonal, e por fim exibimos o problema da deflação polinomial que é necessário em algoritmos como o do método de Bairstow,
e concluímos que tratando o problema da deflação de uma forma não usual, que é deflacionar o polinômio considerando a multiplicidade
das raízes encontradas em cada passo do algoritmo, pode vir a influenciar o desempenho do mesmo.
ESTABILIDADE DE ALGUMAS EDO'S
TOPICOS EM DEFLAÇÃO E ZEROS DE POLINÔMIOS
Aluno de Iniciação Científca: Michely Castro dos Santos (Programa-PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Higidio Portillo Oquendo
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Equações Diferencias Ordinárias, estabilidade
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Oliver Kolossoski (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013076
Orientador: Luiz Carlos Matioli
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: polinômios, defação, autovalores
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3
0141
0142
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
92
O objetivo deste trabalho é automatizar e otimizar a distribuição de encargos didáticos em instituições de ensino. Um modelo
matemático básico de programação linear binária é proposto para designação de professores às diversas turmas em instituições de ensino
em que os horários das turmas são preestabelecidos, como é o caso do Departamento de Matemática da Universidade Federal do Paraná -
UFPR. É possível adaptar o modelo proposto para outros departamentos e instituições.
O armazenamento das informações para alimentar o modelo foi feito de forma computacional. As informações dos horários das
turmas vêm do próprio sistema de abertura de turmas pela UFPR. Além disso, foi desenvolvido um sistema que disponibiliza os horários
das turmas e possibilita aos professores preencher um formulário on line com suas preferências de turmas. No entanto pode ser que algumas
turmas não sejam escolhidas por nenhum professor. Embora ninguém tenha interesse em assumir uma determinada turma, ela precisa ser
ofertada e consequentemente, atribuída a algum professor.
Para contornar essa situação, é proposta uma variante do modelo básico que resolve o problema em duas fases. Na primeira,
procura-se minimizar o número de turmas atribuídas a professores que não tinham preferência por elas. Na segunda fase, fixa-se esse número
e maximiza-se a satisfação geral dos professores.
Cabe ressaltar que em cada instituição existem, normalmente, disciplinas do ciclo básico que podem ser ministradas por qualquer
professor e disciplinas do ciclo específico que devem ser ministradas por especialistas da área. Turmas correspondentes a disciplinas do
ciclo específico devem ser atribuídas a professores que se sintam confortáveis em ministrá-las e portanto as tenham colocado entre suas
preferências. O modelo permite obrigar que uma turma do ciclo específico seja atribuída a algum professor que tenha interesse em ministrá-
la. Para facilitar a comparação dos resultados define-se um índice médio de satisfação.
O modelo sugerido neste trabalho foi aplicado, com auxílio do software Lingo, na distribuição dos encargos didáticos do primeiro
semestre de 2010 do Departamento de Matemática da UFPR, onde foram distribuídas 103 turmas de graduação para 44 professores.
Em Teoria de Grupos, um importante teorema é o Teorema de Lagrange que afirma que a ordem de todo subgrupo H, de um grupo finito
G, divide a ordem de G. Uma pergunta natural é se a recíproca é verdadeira. Ou seja, se d divide n, onde n é a ordem de G, existe algum
subgrupo H de G de ordem d? O Teorema de Cauchy fornece uma primeira resposta positiva: se um primo p divide n então existe um
subgrupo de G de ordem p. Generalizando esse resultado, o Primeiro Teorema de Sylow mostra que se p divide n, então existem subgrupos
de ordem p
k
para toda potência de p que divide n; em particular, se p
m
é a maior potência de p que divide n, existe pelo menos um subgrupo
de G de ordem p
m
. Estes subgrupos são chamados de p-subgrupos maximais, ou simplesmente p-Sylows. O Segundo e Terceiro Teoremas
de Sylow afirmam que todos os p-Sylows são conjugados e que a quantidade destes subgrupos é congruente a 1 módulo p, respectivamente.
As demonstrações dos Teoremas de Sylow ensinam como construir estes subgrupos e, usando este método, foram analisados os grupos
de permutações de 4 e 6 símbolos. Na construção dos p-Sylows foi utilizado o software algébrico GAP. O estudo de subgrupos de Sylow
está naturalmente relacionado ao problema da extensão de grupos. Generalizando o produto direto de grupos, um grupo E é chamado
de extensão do grupo H pelo grupo G se existe uma sequência de homomorfismos G → E → H onde o primeiro homomorfismo G →
E é injetor, o segundo E → H é sobrejetor, e a imagem do primeiro é igual ao núcleo do segundo. Se E = G × H, por exemplo, existe tal
sequência: o homomorfismo G → G × H leva g em (g,e) e o homomorfismo G × H → H é a projeção em H. Definindo uma noção natural
de equivalência entre extensões para o caso em que G é abeliano, mostra-se que há uma classe de extensões muito próximas às do produto
direto, que dão origem aos produtos semidiretos. Foi estudada a construção de grupos específicos por meio do produto semidireto e, como
aplicação, utilizou-se os teoremas de Sylow para classificar os grupos finitos de algumas ordens determinadas.
APLICAÇÃO DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA NA DISTRIBUIÇÃO DE ENCARGOS DIDÁTICOS EM
INSTITUIÇÕES DE ENSINO
TEOREMAS DE SYLOW E EXTENSÕES DE GRUPOS
Aluno de Iniciação Científca: Priscila Savulski Ferreira (UFPR_TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023341
Orientador: Profª. Drª. Elizabeth Wegner Karas Co-Orientador: Prof. Dr. Arinei Lindbeck da Silva
Colaborador: Prof. Dr. Ademir Alves Ribeiro
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Distribuição de Encargos Didáticos, Modelagem Matemática, Programação Linear Inteira
Área de Conhecimento: 1.01.04.00-3 – Matemática Aplicada
Aluno de Iniciação Científca: Thais Mayumi Batista Makuta (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022573
Orientador: Marcelo Muniz Silva Alves
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: subgrupos de Sylow, extensões de grupos, produto semidireto.
Área de Conhecimento: 1.01.01.00-4
0143
0144
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
93
Na natureza existem formas determinadas pela irregularidade e fragmentação. Exemplo disto são as nuvens, os ramos das árvores, os alvéolos
pulmonares, entre outros. Estes objetos são difíceis de serem descritos através da geometria clássica devido a sua grande complexidade.
A “Geometria Fractal” tenta descrever fenômenos e formas irregulares existentes na natureza. Esta nova geometria é uma linguagem
muito versátil que nos ajuda a lidar com estes fenômenos caóticos e imprevisíveis. O objetivo do trabalho é estudar os objetos fractais.
Estudamos as principais características destes objetos: autossimilaridade e invariância sob variações de escala, dimensão e complexidade
infinita. Também estudamos as invariâncias destes objetos por transformações geométricas simples. Abordamos os processos de construção
de fractais clássicos como a poeira de Cantor, o Tapete de Sierpinski, etc. Posteriormente introduzimos sistemas dinâmicos discretos reais
e complexos. Apresentamos sua conexão com os objetos fractais através do estudo das órbitas instáveis destes sistemas. A análise destas
estruturas é muito útil na obtenção de informações sobre o comportamento futuro do sistema. Finalmente usando um processo iterativo
geramos os conjuntos de Mandelbrot e Julia.
Discutimos neste trabalho o Método de Gradientes Conjugados para minimizar uma função real de várias variáveis. O principal objetivo
é obter uma convergência mais rápida que o método de Cauchy e reduzir o custo computacional com relação ao Método de Newton, por
não fazer uso de derivadas segundas. A fundamentação teórica do método reside no estudo das propriedades de direções conjugadas, a
partir das quais se faz uma busca linear. Recaímos, assim, em cada iteração do método em um problema de minimização unidirecional que
pode ser resolvido, por exemplo, pelo Método de Seção Áurea ou Armijo. Cabe ressaltar que propriedades de convergência do método
de Gradientes Conjugados dependem da eficácia da busca unidirecional. Provamos que o método dos Gradientes Conjugados minimiza
uma função quadrática convexa definida no
n
R em no máximo n passos a partir de qualquer ponto inicial. Estudamos algumas variantes
do método para minimizar funções não quadráticas. Apresentamos resultados numéricos comparando diferentes variantes do método de
Gradientes Conjugados com outros métodos de minimização irrestrita.
INTRODUÇÃO AOS FRACTAIS E SUA GEOMETRIA
MÉTODO DE GRADIENTES CONJUGADOS PARA OTIMIZAÇÃO IRRESTRITA
Aluno de Iniciação Científca: Thamara Petroli (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Ana Gabriela Martínez
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Geometria Fractal, Sistemas Dinâmicos, Processo Iterativo.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada
Aluno de Iniciação Científca: Tuanny Elyz Brandeleiro Brufati (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008023341
Orientador: Elizabeth Wegner Karas
Co-Orientador: Ademir Alves Ribeiro
Colaboradores: Flavia M. Fernandes, Karla C. Arsie, Leonardo M. Elias,
Departamento: Matemática         Setor: Exatas
Palavras-chave: Otimização, Gradientes Conjugados, Algoritmos.
Área de Conhecimento: Matemática aplicada-1.01.04.00-3
0145
0146
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
94
Em problemas de aproximação um vetor erro é sempre produzido; procuramos então uma solução de tal modo que a norma desse vetor
seja mínima. Dentre estes problemas, destaca-se o da aproximação de funções por outras funções. Nessas situações utilizamos, por razões
práticas, o erro quadrático médio, calculado pela integral do quadrado da diferença das funções no intervalo. Na resolução de problemas de
aproximação, fazemos uso da chamada projeção ortogonal de um vetor em um espaço normado com produto interno; tal projeção é sempre
a melhor aproximação do vetor no espaço. Em particular, podemos projetar funções contínuas no espaço dos polinômios trigonométricos, a
saber, os polinômios que são uma soma finita de senos e cossenos. Baseando-nos nesta abordagem, podemos estudar um modelo para audição
humana, o qual será tratado neste trabalho. Motivados por este modelo e por alguns experimentos numéricos, observamos que quanto mais
parcelas se tem nesta soma, melhor a aproximação obtida. Assim sendo, desejamos estudar as condições que nos garantem esta convergência.
No Brasil, plantações de pinus ocupam uma área de 1.840.050 hectares, 57,6% desta área nos Estados do Sul. As espécies mais plantadas
na região Sul são P. taeda e P. elliottii, as quais são atacadas por pragas, principalmente, a vespa-da-madeira (Sirex noctilio), pulgões do
gênero Cinara e mais recentemente o gorgulho-do-pinus, Pissodes castaneus (De Geer, 1775) (Coleoptera, Curculionidae). Os danos
produzidos por P. castaneus podem ser de dois tipos, o primeiro corresponde ao dano provocado pelo adulto ao alimentar-se das gemas e
ramos jovens; o segundo e principal dano é ocasionado pelas larvas em seu processo de alimentação, construindo galerias e anelando ramos
e troncos em árvores jovens e adultas. Face à importância que P. castaneus vem adquirindo em reflorestamentos de pinus faz-se necessário
desenvolver um Programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), no intuito de criar mecanismos principalmente para o monitoramento e
controle populacional situação em que a identificação e emprego de semioquímicos merece destaque. Estudos mostraram que as plantas
podem responder tanto para alimentação quanto oviposição dos insetos herbívoros. Respostas indiretas para a alimentação resultam na
emissão de voláteis (sinomônios) que atraem inimigos naturais dos insetos. No entanto, alguns compostos induzidos por ataques de insetos
podem agir como cairomônios, e ter efeito sinergístico com feromônios exalados pelos insetos. Quando atacadas por P. castaneus, as
árvores de P. taeda passam a produzir α e β-Pineno em quantidades maiores, assim como há a interrupção da produção de β-Felandreno e
Germacreno D. As árvores atacadas produzem também 8 compostos diferentes dos produzidos pelas sadias.
UM MODELO DE QUADRADOS MÍNIMOS PARA A AUDIÇÃO HUMANA E SÉRIES DE FOURIER
IDENTIFICAÇÃO, SÍNTESE E APLICAÇÃO DE INFOQUÍMICOS PARA O CONTROLE DO
GORGULHO DA CASCA DO PINUS Pissodes castaneus (DE GEER, 1775) (COLEOPTERA:
CURCULIONIDAE)
Aluno de Iniciação Científca: Willian Ribeiro Valencia da Silva (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Lucelina Batista dos Santos
Co-Orientador: Aldemir José da Silva Pinto
Departamento: Matemática Setor: Exatas
Palavras-chave: problemas de aproximação, séries de Fourier.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada - 1.01.04.00-3
Aluna de Iniciação Científca: Aline Krainski Dallabona (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007906
Orientador: Francisco de Assis Marques
Colaboradora: Beatriz Helena L. N. Sales Maia (PQ)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Pissodes castaneus, infoquímicos, controle alternativo.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
0147
0148
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
95
A escolha das nanopartículas de níquel (Ni–NPs) para a modificação de eletrodos vem de encontro com tendências observadas no uso
de eletrodos metálicos como sensores eletroquímicos para a determinação de diversos compostos, devido a formação de Ni(III), espécie
altamente reativa. Tais vantagens justificam a investigação do comportamento eletroquímico de nanopartículas de níquel visando verificar sua
potencialidade na construção de sensores voltamétricos para a determinação de espécies de interesse farmacêutico e ambiental. Os eletrodos
de pasta de carbono (EPC), foram modificados com Ni–NPs, previamente sintetizadas pelo método poliol, utilizando polivinilpirrolidona
(PVP) como agente passivante, gerando nanopartículas de diâmetro médio de 3,8 nm. Em uma outra etapa, parte das nanopartículas foram
submetidas a pirólise gerando NPs não envolvidas em PVP. A presença do polímero ao redor das NPs afeta o perfil voltamétrico do eletrodo,
uma vez que ficam menos expostas para a formação da espécie catalítica. Outro fator importante
para a formação de Ni(III) na superfície do eletrodo é a influencia do pH da solução. Dados da
literatura sugerem que o meio deve ser fortemente alcalino para que haja formação das espécies
catalíticas. A Figura 1 mostra o perfil voltamétrico do eletrodo modificado no qual o processo redox
é atribuído à formação e redução do oxido de níquel, após sucessivas ciclagens. A magnitude do
sinal para este tipo de eletrodo é significativamente maior se comparado a um eletrodo de mesma
área geométrica, devido a maior área superficial em função do uso das NPs.
Nosso grupo tem desenvolvido métodos para produzir condicionadores orgânicos de solos potenciais seqüestradores de carbono análogos
as chamadas Terras Pretas de Índios da Amazônia a partir de diferentes tipos de biomassa. A metododologia utilizada para se produzir estes
condicionadores de solos é o aquecimento de biomassa sob condições deficientes de ar (pirólise). Pode-se usar como matérias primas vários
resíduos sólidos orgânicos, como farelo de mamona, serragem de pinus e de eucalipto. Após a pirólise a temperaturas relativamente baixas,
de 300-600 °C, as propriedades químicas do carbono da biomassa mudam para formar estruturas que são mais resistentes e mais adequadas
para o seqüestro de carbono e fertilização do solo. Neste trabalho comparou-se a formação de condicionadores orgânicos a partir da pirólise
de farelo de mamona, serragem de pinus e de eucalipto. Fez-se os aquecimentos a velocidades de 5 e 10 ºC min
-1
, com patamar de 300 ºC e
tempo de permanência de 30 e 60 min. Os produtos formados foram caracterizados por espectroscopia DRUV-VIS. Para melhor resolução
os espectros em refletância foram convertidos para o modo de segunda derivada da função de remissão de Kubelka-Munk.Os resultados
mostraram que a serragem de eucalipto e pinus são semelhantes com absorção em 215 nm, enquanto a absorção para o farelo de mamona
aparece em 230 nm. Estas bandas de absorção, e outras entre 200 e 300 nm, podem ser atribuídas à transições eletrônicas na estrutura
do benzeno substituído, existentes na lignina. Após a pirólise o biocarvão obtido a partir da serragem de eucalipto e farelo de mamona
apresentou espectros DRUV-VIS semelhantes, diferentes do obtido a partir de serragem de pinus. Para outros parâmetros de pirólise, os
resultados também apresentam o biocarvão do eucalipto semelhante ao de farelo de mamona, diferentes do obtido a partir da serragem
de pinus. Concluiu-se que o DRUV-Vis, juntamente com ferramentas matemáticas, como a modalidade de segunda derivada da função
Kubelka-Munk pode representar uma boa alternativa mais barata na análise da biomassa original e biocarvão obtidos.
CONSTRUÇÃO E AVALIAÇÃO DE SENSORES VOLTAMÉTRICOS A BASE DE CARBONO
MODIFICADOS COM NANOPARTÍCULAS DE NÍQUEL
BIOCARVÃO QUE SEQUESTRA CARBONO NO SOLO E COMPLEXA ÍONS METÁLICOS
NUTRIENTES DE PLANTAS
Aluno de Iniciação Científca: Amábile de Christo Muller (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 209023398
Orientador: Luiz Humberto Marcolino Junior Co-Orientador: Aldo José Gorgatti Zarbin, Marcio Fernando Bergamini
Colaborador: Eduardo Cividini Neiva (Mestrando / CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Nanopartículas, Níquel, Eletrodo de pasta de carbono.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00 – 6 Química Analítica
Aluno de Iniciação Científca: Ana Paula Mangoni (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 0089002133
Orientador: Antonio Salvio Mangrich
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: biocarvão, pirólise, espectroscopia.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3 Química Inorgânica
0149
0150
Figura 1: Voltamogramas obtidos para EPC modificados com
NPs de níquel em diferentes valores de pH (Eletrólito suporte:
NaOH 1 mol L
-1
, NaOH 0,1 mol L
-1
e NaOH 0,01 mol L
-1
, respectivamente).
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
96
Compostos contendo monóxido de nitrogênio (NO), vem sendo cada vez mais estudados por apresentarem um papel importante na regulação
de processos fisiológicos com atividade citotóxica, tratando-se de células tumorígenas. Compostos de rutênio normalmente possuem poucos
problemas relacionados à toxicidade de medicamentos baseados em metais, como comprovou-se em alguns estudos clínicos feitos com estes
complexos coordenados a NO. Esta pesquisa, portanto, é pautada no estudo de complexos nitrosilos de rutênio contendo ligantes fosfinicos,
visando o estudo da caracterização e síntese em função de vários ligantes. A reação para a obtenção de dois destes compostos envolve
RuCl
3
(NO) e dpma (anidrido 2,3-bis(difenilfosfino)maleico). A síntese é feita sob refluxo, em metanol, por 3 horas e os compostos desejados
precipitaram ao decorrer da reação. Dois isômeros possíveis são obtidos, meridional e facial, o que pode ser comprovado pelo RMN de
31
P e comparação bibliográfica de compostos similares, em que o valor de
2
J(PP) é 4,6Hz. Abaixo são demonstrados espectros de RMN de
31
P. O produto formado era muito pouco solúvel em clorofórmio e diclorometano e portanto o espectro não obteve uma resolução melhor.
Estudos para otimização das condições e das propriedades destes compostos, bem como síntese de novos derivados estão em andamento.
A modificação de eletrodos com nanopartículas metálicas (NPs) têm se mostrado interessante para construção de novos sensores, devido ao
ganho de sensibilidade e seletividade. Neste trabalho foi estudado o comportamento voltamétrico de nanopartículas de platina, de tamanho
médio 2,4 ± 0,5 nm passivadas por dodecanotiol, e comparação do seu perfil voltamétrico com eletrodo de platina sólido bulk. Os eletrodos
impressos (EI) foram modificados com nanopartículas de platina, previamente sintetizadas pelo método bifásico, que foram adicionadas ao
EI, um arranjo de eletrodos de trabalho e auxiliar de grafite e prata como pseudo-referência. Após a evaporação do solvente, os EIs foram
submetidos à voltametria cíclica para a comprovação da modificação química do eletrodo. A análise do EI modificado indica um perfil
voltamétrico que se assemelha ao encontrado no sólido bulk, no qual os processos redox são atribuídos
à formação e redução do óxido de platina, gerado em meio fortemente ácido após sucessivas ciclagens.
O estudo do comportamento voltamétrico das nanoparticulas de platina mostrou-se semelhante ao
descrito na literatura para macroeletrodos, mas as condições de trabalho, mais brandas, são vantajosas
para o desenvolvimento de sensores eletroquímicos. Os processos redox no eletrodo modificado são
reprodutíveis na faixa de pH 1 a 5. A partir dos resultados obtidos até o momento pode-se dizer que a
modificação química do EI é um procedimento promissor para o desenvolvimento e aplicação deste
sensor na determinação de espécies de interesse farmacêutico e ambiental.
SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE NOVOS COMPLEXOS DE RUTÊNIO (II) CONTENDO O LIGANTE
ANIDRIDO 2,3-BIS(DIFENILFOSFINO)MALEICO
CARACTERIZAÇÃO ELETROQUIMICA DE ELETRODOS IMPRESSOS MODIFICADOS COM
NANOPARTICULAS DE PLATINA
Aluno de Iniciação Científca: Ana Paula Segantin Gaspari (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016592
Orientador: Prof. Dr. Márcio Peres de Araujo
Colaboradores: Juliana Paula da Silva (MESTRANDA/CAPES) e Francisco Dinis Fagundes (DOUTORANDO)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: rutênio, nitrosilos, fosfna
Área de Conhecimento: Química Inorgânica - 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Ava Gevaerd
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023398
Orientador: Luiz Humberto Marcolino Jr.
Co-Orientador: Márcio F. Bergamini, Aldo J. G. Zarbin
Colaborador: Fabio Roberto Caetano (Mestrando/CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Nanopartículas, eletrodos impressos, sensores voltamétricos.
Área de Conhecimento: Química Analítica – 1.06.04.00-6
0151
0152
Figura: a) Espectro do produto formado, e b) região dos dubletos ampliada.
a) b)
Figura 1:Voltamograma cíclico obtido para Pt-NPs com
tempo de redução de 90 s, adição de 1μL de solução de Pt-
NPs. Eletrólito: Solução de ácido acético pH 3,0; Velocidade
de varredura (v): 50 mV s
-1
.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
97
Guatteriopsis friesiana WA Rodrigues é uma pequena árvore pertencente à família Annonaceae, encontrada na Floresta Amazônica e
utilizada na medicina popular, porém, há poucos relatos sobre o gênero Guatteriopsis. Inicialmente, as cascas de G. friesiana foram
trituradas e extraídas a frio com hexano e MeOH. Em seguida, o extrato metanólico foi submetido a uma extração ácida obtendo-se a
fração ácida e a fração neutra. A fração ácida foi basificada e extraída com CHCl
3
, sendo chamada de fração alcaloídica. A fração neutra
foi submetida a uma coluna cromatográfica utilizando como fase móvel éter de petróleo 100%, aumentando a polaridade com acetona até
100% desta, e sucessivamente até metanol 100%. A partir da coluna, as frações coletadas foram agrupadas conforme análise através de
CCD, fornecendo 9 subfrações que foram estudadas para se obter o
melhor método de purificação. A F
52
foi purificada por Cromatografia
em Camada Delgada Acelerada Radialmente (Cromatotron), porém o
método não foi eficiente. A F
16
foi purificada por Cromatografia em
Camada Delgada Preparativa (CCDP), obtendo-se 4 substâncias. Até o
momento, a purificação das frações F
16-2
e F
16-5
forneceu os compostos
puros, 1 e 2, respectivamente. A fração F
16-4
é uma mistura de três
substâncias identificadas como 2, 3 e 4. Os compostos 1 e 3 já foram
isolados do extrato metanólico, fração alcaloídica das cascas de G.
friesiana. Já os compostos 2 e 4 são inéditos como produto natural.
Todas as substâncias isoladas foram identificadas através dos dados
de RMN
1
H e
13
C 1D e 2D.
Corantes têxteis são compostos de difícil degradação, o que faz com que a sua presença seja constante em efluentes oriundos de estações
de tratamento fundamentadas em processos convencionais. Desta forma, a procura por novas alternativas de tratamento se mostra bastante
importante, principalmente para minimizar o impacto ambiental associado a sua presença. Dentre as novas tecnologias orientadas ao
tratamento de resíduos resistentes, destaque pode ser dado aos Processos Oxidativos Avançados (POAs), os quais usualmente permitem
a completa mineralização de substratos recalcitrantes em reduzidos tempos de reação. O principal objetivo deste trabalho consistiu na
construção de um reator fotoquímico operado no modo contínuo e na avaliação do seu desempenho em relação à degradação de soluções
aquosas de corantes têxteis por processos foto-Fenton. O reator consistiu de um Coletor Parabólico Composto (CPC), sistema que permite
o aproveitamento da radiação solar direta e difusa. Os estudos de degradação foram realizados em dias ensolarados (fluência de radiação
média de 1,2 mW cm
-2
), utilizando-se 10 L de solução aquosa do corante antraquinona azul reativo 19 (20 mg L
-1
) e sulfato ferroso (FeSO
4
.
7H
2
O) e peróxido de hidrogênio (H
2
O
2
) em concentrações de 15 e 150 mg L
-1
, respectivamente, condições estas previamente otimizadas
por sistema de planejamento fatorial de experimentos. Nestas condições, a estrutura do grupo cromóforo foi rapidamente degradada, o que
permitiu descolorações da ordem de 80% em 5 min de reação. Para verificar o grau de mineralização que o sistema permite, estudos de
monitoramento de carbono orgânico dissolvido (COD) estão sendo realizados no momento.
ESTUDO FITOQUÍMICO DE ESPÉCIES DE GUATTERIOPSIS E LONCHOCARPUS
CONSTRUÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE REATOR CONTÍNUO PARA O TRATAMENTO DE ÁGUAS
CONTAMINADAS POR POLUENTES PRIORITÁRIOS (CORANTES), POR PROCESSOS FENTON
ASSISTIDOS POR RADIAÇÃO SOLAR
Aluno de Iniciação Científca: Barbara Sanay Inoue (voluntária; FA – Ação Afrmativa)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007912
Orientador: Beatriz Helena Lameiro de Noronha Sales Maia
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Annonaceae, Guatteriopsis, alcalóides.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7 Química Orgânica
Aluno de Iniciação Científca: Belisa Alcântara Marinho (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1998005230
Orientador: Patrício Guillermo Peralta Zamora
Colaborador: Marcus Vinicius de Liz (DOUTORANDO)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Corantes Têxteis, Degradação, Processos Fenton, Radiação Solar.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
0153
0154
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
98
A goma de acácia, também conhecida como goma arábica, é industrialmente empregada na produção de cosméticos e de alimentos como
espessante, texturizante, estabilizante e modificadora de reologia. O Brasil importou cerca de 5 mil toneladas de goma de acácia no período
de 2003 a 2007, representando um gasto em torno de 20 milhões de dólares. A acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild), que é plantada
no Brasil para fins comerciais visando a obtenção de carvão vegetal e extração de tanino no sul do país, produz um exudato gomoso, alvo
de estudo deste trabalho. Quimicamente, as gomas de acácia são constituídas de polissacarídeos ramificados que apresentaram rhamnose,
arabinose, galactose e ácido urônico como constituintes monossacarídicos. Foi realizada a extração dos polissacarídeos presentes na goma
da acácia-negra segundo metodologia descrita por Simas-Tosin et al, que consiste em três extrações aquosas sequenciais: a 25 ° C, a 60° C
e alcalina a 25 ° C (KOH 1% p/v, 25 °C), resultando nas frações GNF, GNQ, GNA respectivamente. As frações foram submetidas a ensaios
calorimétricos (DSC), reológicos e cromatográficos (GPC) para a determinação de suas propriedades fisico-químicas. Todas as análises foram
repetidas com uma goma de acácia disponível comercialmente (GAC) para comparação dos resultados. As temperaturas de transição vítrea
se mostraram bem próximas para GNF (48,3°C) e GAC (49,8°C). Em temperaturas elevadas ambas as amostras apresentaram um evento
endotérmico intenso a 177,8°C e 148,8°C, respectivamente, sendo resultado da perda de água e fusão de cristalitos, mostrando uma diferença
entre a cristalinidade de GAC e GNF. As amostras GAC, GNF e GNA apresentaram viscosidade aparentes semelhantes, com comportamento
Newtoniano frente a tensões de cisalhamentos elevadas, enquanto que GNQ apresentou viscosidade aparente significativamente maior.
Este comportamento pode ser atribuído a maior massa molecular das cadeia poliméricas desta fração e/ou a seu maior grau de ramificação,
que contribuem para a viscosidade aumentada. Podemos concluir que, com isolamento adequado, novas aplicações podem ser encontradas
para as gomas em estudo. Portanto, nossos resultados sustentam as possibilidades de melhorar a exploração dos produtos e co-produtos
da A. mearnsii, agregando valor à cadeia de plantação da acacia-negra no Brasil, prospectando a redução da necessidade de importação de
goma arábica. Suporte Financeiro: CNPq – Edital 062/2008 – Processo 577232/2008-8
Diversos sistemas biológicos apresentam em sua estrutura manganês e cobalto, os quais são vitais para o desenvolvimento enzimático de
organismos vegetais e animais. A compreensão destes sistemas bioinorgânicos, de suas aplicações e funções, tem sido alvo de diversos
estudos, os quais têm por finalidade não apenas a elucidação dos mesmos, como também o desenvolvimento de compostos biomiméticos de
interesse industrial, em especial na produção de catalisadores. No presente trabalho, foram sintetizados compostos de Mn
II
com os ligantes
N, O doadores Htpeten (MnL1), H
2
bbpeten (MnL2) e H
3
bpeten (MnL3) e compostos de Co
II
com os ligantes Htpeten (CoL1) e com o
H
2
bbpeten (CoL2). Os complexos foram caracterizados por IV, EPR, UV-VIS, CHN e condutividade, os quais foram apresentados no 17°
Evinci. As caracterizações dos compostos indicaram a formação de estruturas mononucleares [M(L)S]
n+
(S = solvente), exceto para MnL2,
o qual apresentou uma estrutura binuclear de valência mista Mn
II
Mn
III
. A fim de complementar a caracterização destas estruturas foram
estudados o comportamento eletroquímico dos complexos através de voltametria cíclica. Observaram-se os potenciais para MnL1 (E
1
=
1,4V; E
2
= 1,7V e E
3
= -1,1V) e MnL3 (E
1
= 1,0V; E
2
= 1,4V e E
3
= -0,93V) ambos atribuídos aos processos de oxidação Mn
II
↔ Mn
III

Mn
VI
e de redução provavelmente dos ligantes. Realizaram-se, ainda, estudos de EPR com os complexos CoL1 e CoL2, os quais indicaram
sinais em aproximadamente g = 2,03 indicando a formação de radicais. A fim de se compreender a origem do radical fez-se um estudo do
acompanhamento das sínteses, as quais evidenciaram a presença do radical em baixa intensidade. Fez-se, ainda, a análise de EPR para o
sal de partida Co(Ac)
2
e para os ligantes, os quais não indicaram a presença de radical. Para os complexos MnL1 e MnL3 foram realizados
estudos catalíticos frente à oxidação da orto-dianisidina. As reações foram acompanhadas durante 1h por UV-Vis, em diferentes proporções
molares catalisador: H
2
O
2
: substrato, pelo aumento da banda em 460 nm característica dos produtos de oxidação da orto-dianisidina. Para
cada reação foram determinadas as velocidades iniciais e a taxa de conversão de substrato a produto. Embora apresentem baixos rendimentos,
os complexos apresentaram atividade catalítica e indicaram que o aumento da concentração de oxidante eleva os rendimentos de conversão
e de velocidade. Para MnL1 observou-se a oxidação na ausência de oxidante inferindo-se que o oxigênio esteja atuando como oxidante.
CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE POLISSACARÍDEOS DE GOMA DE Acacia mearnsii DE WILD
EXTRAÍDA DE ÁRVORES BRASILEIRAS
SÍNTESE, CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DA REATIVIDADE DE COMPLEXOS DE MANGANÊS E
COBALTO
Aluno de Iniciação Científca: Bruno Campos da Silva (CNPq- ITI)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023990
Orientador: Izabel Cristina Riegel Co-Orientador: Fernanda Fogagnoli Simas-Tosin
Colaboradores: Philip A. J. Gorin e Cinthia F. Wendel
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas - ET
Palavras-chave: goma, acácia, reologia.
Área de Conhecimento: 2.08.01.00-9- Química de Macromoléculas
Aluna de Iniciação Científca: Camila Anchau Wegermann (CNPQ)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023640
Orientadora: Profa Dra Sueli Maria Drechsel
Colaboradoras: Dra Stela Maris de Moraes Romanowski, Dr. Ronny da Rocha Ribeiro
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: manganês, cobalto, catálise, EPR, voltametria cíclica.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3 – Química Inorgânica
0155
0156
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
99
A hanseníase é uma doença infecciosa causada pelo Mycobacterium leprae, e é descrito o uso etnofarmacológico de Solunum caavurana
vell no combate dessa doença. Os alcalóides esteroidais, principais metabólitos secundários desse gênero, sejam os responsáveis pela
atividade. O objetivo proposto é estudar os frutos de Solanum caavurana, isolando e identificando os alcalóides esteroidais e testes contra
a hanseníase. Os frutos maduros de S. caavurana foram coletados, secos e extraídos a frio com éter de petróleo (EEP) e metanol (EM).
Em seguida, através de análises por CCD e revelação com dragendorf, observou a presença de alcalóides no EM. Testes foram realizados
para obtenção de melhor rendimento desses compostos. Duas variáveis foram consideradas: 1. solubilização ou não do extrato com CHCl
3
antes da adição do ácido e 2. dois ácidos foram testados (HCl 3% e HAc 10%). O EM foi submetido a extração ácida obtendo-se a fração
ácida e a fração neutra. A fração ácida foi basificada com NH
4
OH até pH 11-12 e extraída com CHCl
3
, resultando na fração alcaloídica.
Os rendimentos dos testes estão descritos na tabela abaixo, observando que o melhor rendimento foi obtido utilizando o ácido acético,
independente de solubilizar o extrato antes ou depois da adição do ácido. A fração neutra foi purificada por cromatografia em coluna flash,
eluída com CH
2
Cl
2
, aumentando a polaridade com MeOH até 100%, obtendo 97 frações, as quais após análise por CCD, foram agrupadas
em 16 sub-frações. Dessas frações, duas revelaram para alcalóides e estão em processo de purificação.
As xiloglucanas (XGs), nos vegetais, são polissacarídeos com função estrutural e de reserva. Como hidrocolóides podem produzir soluções
viscosas, despertando interesse na indústria alimentícia e farmacêutica. Comercialmente, a XG explorada é proveniente de sementes de
Tamarindus indica (Tamarindo, XGT); entretanto, na UFPR, pesquisas mostram que outras espécies podem se tornar fontes promissoras do
polissacarídeo. O presente trabalho teve por objetivo a caracterização tensiométrica comparativa de soluções de XGT com as de sementes
da espécie nativa Guibourtia hymenifolia (Jatobá mirin, XGJ). Através de análises em tensiômetro DATAPHYSICS OCA 15+ amostras
foram analisadas por técnica de ângulo de contato (AC), com soluções preparadas em cloreto de sódio (0,15 M) a 3 g.L
-1
, utilizando como
suporte a membrana de celulose bacteriana (CB). Os valores de AC foram medidos durante o período de uma hora, a fim de se analisar
o grau de molhabilidade da película e avaliar a interação entre as diferentes soluções de XG e a CB. Os resultados mostraram alto grau
de molhabilidade (adsorção) das soluções sobre o substrato, com gráficos praticamente lineares para o comportamento do AC em função
do tempo. E não mostraram diferença significativa, tendo o AC variado de 38,9° a 0º. Porém, análises de tensão superficial (ST), em
concentrações entre 0,1 a 20 g.L
-1
, mostraram a partir de gráficos construídos pela relação ST x C diferentes comportamentos, para as duas
amostras. Foi possível avaliar a concentração crítica (C
*)
e a concentração de agregação crítica (CAC) onde, para a XGT, obtiveram-se os
valores a 2,7 e 7,4 g.L
-1
e, para a XGJ, de 4,5 e 16,7 g.L
-1
, respectivamente. Esses resultados mostraram a maior facilidade que a solução
de XGT possui de promover a formação de agregados macromoleculares em comparação com a XGJ.
Apoio: CNPq e UFPR
ESTUDO FITOQUÍMICO DE ESPÉCIES DE SOLANUM E LONCHOCARPUS
XILOGLUCANAS EM SISTEMAS LÍQUIDOS E EM GÉIS
Aluno de Iniciação Científca: Camila Ramos Borges (voluntária; FA – Ação Afrmativa)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007912
Orientador: Beatriz Helena Lameiro de Noronha Sales Maia
Colaborador: Nelissa Pacheco Vaz
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Solanaceae, Solanum caavurana, alcalóides esteroidais.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7 Química Orgânica
Aluno de Iniciação Científca: Camila Vieira Sens (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1994003575
Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Rita Sierakowski
Co-Orientador: Dra. Neoli Lucyszyn
Colaborador: Clayton Fernandes de Souza (Doutorando)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: xiloglucanas, tensiometria.
Área de Conhecimento: Polímeros e Colóides - 1.06.01.07-4
0157
0158
Testes: Amostras Ácido
Rendimento da
fração alcaloídica
Teste 1
3 HCl 0.1%
4 CH
3
COOH 1,3%
Teste 2
1 HCl 0.3%
2 CH
3
COOH 1%
Teste 1: adição de ácido e posterior adição de clorofórmio;
Teste 2: adição de clorofórmio e subseqüente adição do ácido.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
100
O vanádio tem sido pesquisado devido à sua ação potencial na quimioproteção do DNA e na prevenção do câncer. Neste trabalho, a reatividade
do polioxovanadato [(CH
3
)
4
N]
6
[V
15
O
36
(Cl)] (A) com DNA plasmidial foi analisada incubando-se 100 ng do plasmídeo pUC19 (0,15 μmol
L
-1
em pares de base) na forma superenovelada (FI) com diferentes concentrações de A (0,001 a 20 mmol L
-1
) em tampões PIPES e TRIS
HCl pH 7,5, ambos a 50 mmol L
-1
. As reações foram conduzidas a 37ºC e 60ºC, com variação do tempo de incubação. Os resultados foram
avaliados por eletroforese em gel de agarose 1%, quantificando-se a porcentagem de degradação de FI nas formas circular aberta (FII) e
linear (FIII). Para as reações realizadas em PIPES a 37ºC, variações na porcentagem de FI só foram observadas após longos períodos de
incubação. A 60ºC, observa-se a clivagem do DNA em concentrações de A acima de 1 mmol L
-1
, chegando-se a 70 % de FII e 15 % de
FIII na reação com 20 mmol L
-1
de A. O acompanhamento das reações com 1 mmol L
-1
de A por EPR e espectroscopia eletrônica a 60ºC
por 18 h evidenciou o desaparecimento da cor verde da solução inicial e das bandas do espectro eletrônico em 470 e 820 nm, atribuídas
a transições d-d do vanádio(IV). Este resultado é compatível com a diminuição da intensidade dos sinais de RPE registrados em g = 1,97
e 1,93 e sugere a oxidação do vanádio(IV). Em TRIS HCl, a forma FIII foi obtida mesmo a 37ºC e baixas concentrações de A. A 60ºC
ocorreu o desaparecimento de FI (concentrações de A >5 mmol L
-1
), gerando as formas FII (~90 %) e FIII (~10%). O acompanhamento
das reações por espectroscopia eletrônica e EPR evidenciou um maior decréscimo da intensidade da cor da solução inicial e das bandas
de absorção em 470 e 820 nm para a amostra tratada a 60ºC. Os espectros de EPR sugerem uma quebra da molécula do polioxovanadato,
facilitando a formação de espécies de V
V
que são mais ativas em relação à hidrólise do DNA. Ensaios de proteção in vivo frente à alquilação
por um agente mutagênico foram realizados com A e Escherichia coli DH10B na presença de dimetilsulfato (DMS). As reações foram
conduzidas incubando-se a bactéria (10
-6
células) por 15 min com soluções de A (0, 10, 50, 100, 200, 500 e 1000 μmol L
-1
). A seguir foram
adicionados 4 μL de uma solução 2000 μmol L
-1
de DMS e o sistema foi encubado por mais 15 min. As culturas foram então plaqueadas e
colocadas na estufa a 37ºC por 24 h. Os resultados mostram que, até 100 μmol L
-1
de A, há um aumento linear no número de colônias de
bactérias sobreviventes, com uma proteção máxima de 79%.
Nematanthus fritschii (Hoehne) pertence à família Gesneriaceae, que compreende cerca de 150 gêneros e 3.000 espécies, distribuídas
predominantemente pelos trópicos. O gênero Nematanthus apresenta aproximadamente 50 espécies, das quais 29 ocorrem no Brasil, sendo
endêmicas da Mata Atlântica. São, em sua maioria arbustos, com caule pubescente e flores pediceladas. A arnica-do-mato, nome popular de
N.fritschii, é uma planta epifítica com distribuição restrita ao Estado de São Paulo. Possui folhas anisofilas com face abaxial apresentando
forte coloração vinácea e flores com coloração de verde a vinácea. Não foram encontrados estudos químicos com espécies de Nematanthus.
Os objetivos deste trabalho foram isolar, purificar e identificar os metabólitos secundários presentes em N. fritschii. As folhas foram
coletadas em Mogi das Cruzes (SP), secadas em estufa a 40°C, moídas e extraídas a frio (maceração) com solventes em ordem crescente de
polaridade (hexano, etanol e metanol-água 1:1). O extrato etanólico foi dissolvido em etanol-água 1:1 e submetido a partição com hexano,
diclorometano, acetato de etila e 1-butanol. O extrato em metanol-água 1:1 foi dissolvido em água e submetido a partição com 1-butanol.
As frações obtidas por partição foram analisadas por cromatografia em camada delgada, combinadas por similaridade e fracionadas através
de técnicas cromatográficas. As substâncias puras foram identificadas através da análise de espectros de RMN e comparação com dados
da literatura. A partir dos extratos e frações menos polares (hexano, diclorometano) foram isolados e identificados os esteróides sitosterol
e estigmasterol. Os extratos em etanol e metanol-água 1:1 formaram grande quantidade de cristais ao serem deixados em repouso. Estes
foram separados, purificados por lavagem com metanol e identificados como cloreto de sódio. As frações em butanol contêm compostos
fenólicos glicosilados e antocianinas que estão sendo identificadas.
OXOVANADATOS APLICADOS NA PREVENÇÃO DE DANOS MOLECULARES DO DNA
CONSTITUINTES QUÍMICOS DE Nemathantus fritschii HOEHNE
Aluno de Iniciação Científca: Carla Gomes de Albuquerque (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023953
Orientador: Giovana Gioppo Nunes Co-Orientador: Emanuel Maltempi Souza
Colaborador: Jaísa F. Soares, Ana C. Bonatto, Ronny R. Ribeiro, Eduardo L. de Sá.
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: polioxovanadato, proteção do DNA, agentes alquilantes
Área de Conhecimento: Química inorgânica - 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Carlos Augusto Ehrenfried (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008.022431
Orientador: Maria Élida Alves Stefanello
Colaborador: Mauro Peixoto
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Gesneriaceae, Nematanthus fritschii, esteróides, glicosídeos, antocianinas.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
0159
0160
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
101
Oxazolinas são blocos funcionais muito úteis na síntese de substâncias bioativas.
1
Por outro lado, grupamentos metil-carbinois podem ser
resolvidos de maneira eficiente, via resolução cinética, utilizando lipases.
2
Neste trabalho foram desenvolvido uma rota sintética para obtenção
de grupamentos metil-carbinois contendo unidades oxazolinicas 3. Esses compostos serão submetidos à resolução cinética enzimática, e seus
enantiômeros resolvidos aplicados na síntese de lactonas bioativas 5.
3
Hidroxi-2-oxazolinas 3a-c foram facilmente preparadas em apenas
uma etapa sintética. A oxazolina 1 foi submetida à reação de desprotonação utilizando n-BuLi, e o aza-enolato gerado tratado com um sal
metálico e eletrófilos adequados (Esquema 1). Os compostos 3a-c foram purificados via destilação, utilizando o equipamento Kuggelrohr. O
excesso enantiomérico do acetato 4b (97%) foi determinado via CG, fazendo a integração dos picos e comparando com a mistura racêmica
previamente separada em coluna quiral (Figura 1). A configuração absoluta da hidroxi-oxazolina 3b será determinada via análise polarimétrica,
pela transformação do composto 3b e posterior comparação dos dados da lactona com a literatura. (Esquema 3).
3
Hidroxi-oxazolinas foram
obtidas em bons rendimentos. Estudos iniciais
de resolução destes compostos mostraram boa
seletividade da enzima frente ao substrato 3b.
O elevado crescimento populacional combinado com a urbanização mal planejada das grandes cidades tem contribuído de maneira decisiva
com o fenômeno de poluição ambiental dos recursos hídricos, principalmente em função do descarte inadequado de grandes volumes de
resíduos domésticos de elevado potencial poluente. Dentre os poluentes emergentes é necessário destacar os que apresentam atividade
farmacológica (PhACs, do inglês: Pharmaceutically-active Compounds), os quais, em função da massificação do seu uso e da usual resistência
frente a processos convencionais de tratamento, contaminam águas naturais, acarretando graves problemas de saúde pública. Neste trabalho
foi estudada a potencialidade de processos oxidativos avançados, fotocatálise heterogênea assistida por TiO
2
e ZnO, em relação a degradação
de soluções aquosas contendo diclofenaco de potássio (antiinflamatório), trimetoprima e sulfametoxazol (antibióticos). Os experimentos
foram conduzidos em um reator fotoquimico de bancada com capacidade de 250 mL, equipado com refrigeração por água e agitação
magnética. A radiação foi proporcionada por uma lâmpada a vapor de mercúrio de 125 W, inserida na solução por meio de um bulbo de
quartzo. As condições experimentais (pH 4,0 e massa do semicondutor de 50 mg) foram selecionadas por meio de estudos preliminares
envolvendo planejamento fatorial de experimentos e a degradação de trimetoprima, utilizada como substrato modelo. Nestas condições a
degradação se processa de maneira rápida, o que permite a completa remoção de todos os fármacos em tempos de reação inferiores a 60 min.
RESOLUÇÃO CINÉTICA ENZIMÁTICA DE HIDRÓXI-2-OXAZOLINAS E SUA APLICAÇÃO SINTÉTICA
NA PREPARAÇÃO DE LACTONAS BIOATIVAS
DESENVOLVIMENTO DE PROCESSOS AVANÇADOS PARA REMEDIAÇÃO DE ÁGUAS
CONTAMINADAS POR POLUENTES PRIORITÁRIOS
Aluno de Iniciação Científca: Cleverson Rogerio Princival (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1996004518
Orientador: Dr. Alfredo Ricardo Marques de Oliveira
Colaborador: Jeferson Luiz Princival
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Enzimas, Organometálicos, Oxazolinas
Área de Conhecimento: Química Orgânica.
Aluno de Iniciação Científca: Danielle Cristina Vaz (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1998005230
Orientador: Patrício Guillermo Peralta Zamora
Colaborador: Lutécia Hiera da Cruz (DOUTORANDA)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Fármacos, Degradação, Processos Oxidativos Avançados.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
0161
0162
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
102
Bases de Schiff derivadas da semicarbazida têm sido investigadas por seu potencial bactericida, antitumoral e anticonvulsante, tanto na forma
de base livre como em seus compostos metalados. Na Química de Coordenação, entretanto, as características desses ligantes polifuncionais
ainda carecem estudo. Alguns compostos de metais do quarto período já tiveram a estrutura resolvida e outros complexos das primeira
e segunda séries de transição foram caracterizados. Nesse contexto, foi realizada a síntese e caracterização dos complexos [Cu(SCsal)
(H
2
O)](ClO
4
) e [Ni(SCsal)
2
∙2H
2
O] (HSCsal = salicil-semicarbazona). A síntese do pré-ligante consiste na condensação de salicilaldeído
e hidrocloreto de semicarbazida em meio aquoso levemente básico, obtendo-se 90% de rendimento. O complexo de cobre foi preparado
pela reação equimolar entre Cu(ClO
4
)

6H
2
O e o pré-ligante HSCsal sob agitação e aquecimento. Análise elementar para CuC
8
H
10
ClN
3
O
7
:
Calc.: C 26,75%, H 2,81%, N 11,70%; Exp.: C 27,40%, H 2,34%, N 11,98%. O espectro vibracional do complexo apresenta bandas em
1652 cm
-1
(v C=O), 1602 cm
-1
(v C=N), 757 cm
-1
(δ C-H do anel aromático), 1103 e 624 cm
-1
(v Cl-O). No espectro eletrônico de sólido
deste composto observou-se uma banda larga com máximo em 715 nm, a qual foi atribuída à sobreposição de três bandas referentes às
transições: z
2
x
2
-y
2
, xyx
2
-y
2
e (xz, yz)x
2
-y
2
. A banda em 475 nm foi atribuída a uma transição de transferência de carga dπ(Cu
II
)
pπ
*
SCsal, e as bandas abaixo de 400 nm, atribuídas a transições internas do ligante do tipo π(SCsal)π
*
(SCsal). Já o composto de
níquel foi sintetizado adicionando-se dois equivalentes de HSCsal em etanol a uma solução aquosa contendo acetato de níquel tetraidratado.
Análise elementar para NiC
16
H
20
N
6
O
6
: Calc.: C 42,61%, H 4,47%, N 18,63%; Exp.: C 42,24%, H 5,15%, N 17,81%. O espectro vibracional
do complexo apresenta bandas em 1637 cm
-1
(v C=O), 1591 cm
-1
(v C=N) e 757 cm
-1
(δ C-H do anel aromático). No espectro eletrônico
de sólido deste complexo ressalta-se a larga banda em 618 nm (atribuída à transição
3
A
2g


3
T
2g
) e o mesmo conjunto de bandas abaixo
de 500 nm observado no espectro do composto de cobre(II). O estudo destes complexos ilustrou a versatilidade do ligante HSCsal para
acomodar diferentes geometrias: quando em complexos de níquel(II), forma compostos com proporção de dois ligantes para um metal,
enquanto que em complexos de cobre(II), essa proporção é um para um. A próxima etapa será a tentativa de obtenção de monocristais dos
compostos, visando a resolução das estruturas por difratometria de raio-x.
O silício (Si) compreende aproximadamente 28 % da crosta terrestre. Como fertilizante é um elemento essencial para a produtividade
das gramíneas (arroz, cana-de-açúcar, aveia, trigo, etc.), além de possível controlador de doenças como a mancha de grãos, brunose, e do
ataque de insetos (Agarie et al., 1998). Em solos tropicais, altamente intemperizados e com índices pluviométricos altos como no Brasil, as
estruturas solúveis de silício absorvíveis pelas plantas são rapidamente lixiviadas, e por isso, pouco disponíveis. Neste trabalho estudou-se
a preparação da wollastonita, uma estrutura semi-solúvel de silício própria para uso como fertilizante, a partir de cinza de casca de arroz,
um subproduto industrial volumoso, excelente fonte de silício. O fertilizante pode ser preparado por dois processos. O primeiro ocorre
quando o calcário e a sílica reagem a temperatura de 400 – 450
o
C. O segundo ocorre através de procedimento hidrotérmico a 80
o
C. Neste
trabalho obteve-se a wollastonita, pelo processo hidrotérmico, extraindo-se silicatos de cinza de casca de arroz por tratamento com NaOH
e posterior precipitação da sílica com a adição de ácido sulfúrico ou ácido nítrico. Os dois tipos de sílica gel formados foram tratados com
calcário calcinado em meio aquoso a 80
o
C. Dentre as análises feitas estão as de ultravioleta-visível, infravermelho e difração de raio-x. Pelo
primeiro processo, utilizando o ácido sulfúrico, foi possível verificar a existência de SO
4
-2
na estrutura do produto formado. Já no segundo
processo, com uso de ácido nítrico, encontrou-se NO
3
-
. Com ajuda do ultra-som a wollastonita foi lavada e filtrada, para livrá-la do nitrato
adsorvido. Por espectroscopia de infravermelho verificou-se que o produto da síntese precipitado com ácido nítrico e posteriormente lavado
com o auxílio do ultra-som é o que mais se aproximou da estrutura da wollastonita.
COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO COM OS LIGANTES BENZENO-SEMICARBAZONA E SALICIL-
SEMICARBAZONA: SÍNTESE, CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES
PREPARAÇÃO DE COMPOSTOS DE SILÍCIO SOLÚVEIS EM ÁGUA COM VISTAS A UTILIZAÇÃO
COMO FERTILIZANTE.
Aluno de Iniciação Científca: Diego Maciel Geronimo (PIBIC-AF/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022441
Orientador: Prof. Dr. Fábio Souza Nunes
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: semicarbazonas, níquel(II), cobre(II)
Área de Conhecimento: Química Bioinorgânica – 1.06.02.07-0
Aluno de Iniciação Científca: Elvio Henrique Benatto Perino (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 0089002133
Orientador: Antônio Salvio Mangrich
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: fertilizante, wolastonita, espectroscopia.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3 Química Inorgânica.   
0163
0164
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
103
O câncer tem sido um grande problema de saúde em todo o mundo. No entanto, existe grande dificuldade na realização de testes de
diagnósticos desta patologia, principalmente com relação a tumores internos. Estudos mostram que o surgimento e desenvolvimento de uma
patologia causam alterações características de metabólitos específicos na composição química de tecidos e biofluidos corporais que podem
ser utilizados como biomarcadores. Desta forma, a análise de biofluidos por RMN aliada a quimiometria pode
atuar na identificação destas substâncias, indicativos da patologia. Neste sentido, células tumorais de tumor
ascítico de Ehrlich foram inoculadas em camundongos Swiss e, após período de incubação de dez dias, o soro
sanguíneo foi coletado e submetido a análises por RMN de
1
H. A análise quimiométrica destes espectros, pelo
método de componentes principais (PCA), permitiu discriminar as amostras em dois grupos, sendo um deles
representado pelas amostras controle (+) e de três dias (V) e o outro pelas amostras de sete (x) e dez dias (○)
(Figura 1). Esta discriminação é explicada pelo gráfico de influências onde se notam que as amostras de sete e
dez dias, em escores negativos de PC1, possuem os multipletos em δ 0,89-0,92 e 1,28-1,32 em maior intensidade,
referentes a lipídeos e lipoproteína VLDL, e o sinal em δ 1,33-1,35, referente ao lactato, um pouco mais intensos
que as amostras de controle e três dias.
O presente trabalho tem por objetivo investigar as concepções de ciência dos professores em formação do Curso de Licenciatura em Química
da Universidade Federal do Paraná. A amostra da pesquisa foi licenciandos de Química, que cursavam a disciplina de Prática de Ensino
e Estágio Supervisionado de Química II, no 2º semestre de 2009. Para o levantamento de dados elaborou-se um instrumento de pesquisa
semi-estruturado com 10 perguntas. A pesquisa revelou que todos os alunos cursavam o Bacharelado e a Licenciatura em Química, e todos
já haviam ministrado aulas de Química no Ensino Médio. Dos respondentes 30% afirmaram já ter cursado a disciplina de Filosofia das
Ciências, e 30% declaram que estudaram a História da Ciência na disciplina de Metodologia do Ensino de Química. Quando questionados
sobre a concepção de ciência 50% relacionaram a Ciência com a explicação dos fenômenos da natureza, 10% afirmaram que: a ciência
seria as teorias geradas a partir de fatos e experimentos, o mesmo percentual relacionou a ciência com as tecnologias, outros relacionaram a
ciência como resultado obtido através de uma metodologia aceita por uma determinada comunidade, ainda o mesmo número de respondentes
afirmaram que a ciência está relacionada com a racionalidade da realidade, e outros dizem que a ciência é tudo que é necessário para o
desenvolvimento humano. Quanto à pergunta como deve ser vista a ciência o mesmo percentual acima declaram que a ciência deve ser vista
como uma produção humana em constante aperfeiçoamento. Da amostra pesquisada 20% consideram-na uma ferramenta indispensável
para o desenvolvimento da sociedade e também indispensável para manutenção do meio ambiente. Outros revelam que a ciência é o estudo
de novas tecnologias, como uma disciplina importante, ferramenta para auxiliar o aluno em seu cotidiano, não somente para estudos em
sala de aula, como um assunto em constante evolução, como um instrumento de conhecimento e, ainda há quem considere como algo
contextualizado. Cerca de 80% dos respondentes afirmaram que é necessário estudar a História da Ciência para entender a evolução da ciência
e, outros afirmaram que é necessário estudar a Filosofia da Ciência para ampliar a visão positivista e empírica da ciência que muitos alunos
de química possuem. Os resultados revelaram a importância de trabalhar as referidas disciplinas na formação dos licenciandos, visando
contribuir para a sua prática pedagógica e desenvolver o processo de ensino e aprendizagem em Química significativo para o educando.
ANÁLISE DE BIOFLUIDOS ATRAVÉS DE RMN ALIADA A QUIMIOMETRIA PARA CARACTERIZAÇÃO
DE TUMORES E SEU DIAGNÓSTICO PRECOCE.
FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DE CIÊNCIA E
IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO
Aluno de Iniciação Científca: Estrela Mariana Prux von Steinkirch Souza (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022520
Orientador: Andersson Barisson Co-Orientador: Caroline Werner Pereira da Silva
Colaborador: Francinete Ramos Campos
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: RMN, Quimiometria, Câncer
Área de Conhecimento: Química Analítica - 1.06.04.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Fabiane Rodrigues (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023667
Orientador: Liane Maria Vargas Barboza Co-orientadora: Sonia Maria Chaves Haracemiv
Colaborador: Erick Eduardo Martins Melzer
Departamento: Teoria e Prática de Ensino Setor: Educação
Palavras-chave: formação de professores, concepções de ciência e ensino-aprendizagem.
Área de Conhecimento: 7.08.04.00-1
0165
0166
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
104
Amplamente difundida na América Latina e conhecida no Brasil como Cambará, Gochnatia polymorpha (Less) Cabr. (Asteraceae) é
utilizada na medicina popular no tratamento de doenças respiratórias. São reconhecidas três subespécies: polymorpha, ceanothifolia e
floccosa, sendo esta última amplamente dispersa no estado do Paraná. Estudos anteriores com extratos de G. polymorpha ssp. floccosa
mostraram que o extrato das cascas do tronco é ativo contra algumas das bactérias causadoras de doenças respiratórias, e esta atividade pode
ser atribuída a presença de metabólitos secundários como lactonas e terpenos. Neste trabalho, buscou-se isolar e caracterizar os metabólitos
secundários das cascas do tronco de G. polymorpha ssp. floccosa. A coleta do material vegetal foi realizada em um exemplar em Curitiba,
PR, em 2006. O material foi seco em estufa, triturado e extraído sucessivamente à temperatura ambiente com éter de petróleo e etanol. O
extrato etanólico foi submetido a partições sucessivas com solventes em ordem crescente de polaridade (diclorometano, acetato de etila e
1-butanol). As frações obtidas foram analisadas por técnicas cromatográficas e as substâncias
isoladas foram identificadas por técnicas de ressonância magnética nuclear (RMN). Deste modo,
foi isolada uma lactona sesquiterpênica dimérica, identificada como 8-β-hidroxi-gochnatiolido
A (figura). Este composto já havia sido isolado previamente desta espécie. Outros compostos
estão em fase de isolamento.
Nosso interesse no processamento sol-gel de alcóxidos de vanádio(IV) não-oxo baseia-se no ineditismo do emprego destes complexos como
precursores de óxidos. Os objetivos desta etapa do trabalho foram caracterizar os produtos de hidrólise/policondensação de [V(OBu
t
)
4
], um
precursor cuja síntese é relativamente simples, e otimizar a preparação da bariandita, V
10
O
24
· 12H
2
O, que corresponde a um destes produtos.
Esta última é um óxido lamelar de valência mista (V
IV
/V
V
) cuja síntese em laboratório é pouco comum. Assim, [V(OBu
t
)
4
] foi submetido
ao processo sol-gel com duas proporções diferentes de V:H
2
O (em mol): (I) 1:1, numa reação conduzida em hexano e terc-butanol a 55 ºC,
e (II) 1:400, reação em terc-butanol a 55 ºC. No primeiro caso foi obtido um sólido verde (I-A) e uma solução incolor que, quando secada
lentamente à temperatura ambiente, produziu um sólido marrom esverdeado (I-B) e, quando espalhada sobre uma placa de vidro e secada
rapidamente, gerou um filme amarelo-ouro (I-C). Já na segunda rota, tanto a secagem a 35 ºC (II-A) ou a 55 ºC (II-B) ao ar quanto a 55 ºC
sob vácuo (II-C) geraram um único produto, um sólido verde-musgo. Nos espectros de FTIR obtidos para todos os sólidos são observadas
bandas características de ligações V–O, assim como bandas entre 3159 e 3593 cm
-1
relativas a [ν(O–H)] e 1618 cm
-1
[δ(H–O–H)], que
confirmam a presença de água nos produtos. Nos espectros Raman são observadas bandas entre 1028 e 974 cm
-1
, referentes aos modos
vibracionais [ν(V=O)]; 706-693 [ν(V–O–V)] e entre 301 e 226 cm
-1
, [δ(V–O)] e [δ(V–O–V)]. Nas amostras I-B e I-C também há bandas
alargadas em 1030, 850 e 410 cm
-1
, características de alcoóis e alcóxidos, sugerindo que estes sólidos sejam produtos de hidrólise parcial
do precursor. O espectro de EPR obtido a 77 K para I-C apresenta um perfil característico de vanádio(IV) mononuclear e magneticamente
diluído; já os demais indicam a existência de interação magnética entre centros de vanádio(IV) no sólido. Os difratogramas de raios X de
pó evidenciam que II-A, II-B e II-C correspondem à bariandita, sendo II-B o sólido mais cristalino. I-A também apresenta semelhanças
estruturais em relação ao mesmo óxido, porém tem baixa cristalinidade. Portanto, a segunda rota de processamento apresenta um maior
rendimento da bariandita (54 %), enquanto a primeira (6 %) gera também produtos de hidrólise parcial. A segunda rota passará a ser
empregada rotineiramente em nosso laboratório para a obtenção deste óxido de valência mista, que tem aplicações potenciais em baterias
de lítio e em catálise.
CONSTITUINTES QUÍMICOS DAS CASCAS DO TRONCO DE Gochnatia polymorpha ssp. floccosa
ESTUDO DO COMPORTAMENTO TERMOCRÔMICO E DO PROCESSAMENTO SOL-GEL DE
[V
2
(μ-OR)
2
(OR)
6
], R = ISOPROPILA OU NEOPENTILA, PARA A OBTENÇÃO DE ÓXIDOS DE VANÁDIO
Aluno de Iniciação Científca: Flávia Elisa de Toledo Zornof (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004013630
Orientador: Maria Élida Alves Stefanello
Colaborador: Regiane Lauriano Batista (MESTRANDA/CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Gochnatia polymorpha, Asteraceae, 8-β-hidroxi-gochnatiolido A.
Área de Conhecimento: Química Orgânica - 1.06.01.00-7
Aluno de Iniciação Científca: Franciele Cristine Pereira (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022915
Orientadora: Jaísa Fernandes Soares Co-Orientadora: Giovanna Gioppo Nunes
Colaborador: Ronny Rocha Ribeiro (PQ)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: bariandita, sol-gel, vanádio.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica – 1.06.02.00-3
0167
0168
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
105
O ácido gálico (AG) é um importante agente antioxidante presente em diversas matrizes como frutas, chás e vinhos. Estudos realizados pelo
grupo de pesquisa mostraram que o ácido gálico exibe processos de oxidação sobre eletrodos de pasta de carbono, esses processos apresentam
maiores valores de corrente quando são utilizados eletrodos modificados por nanotubos de carbono. O objetivo do presente trabalho foi
desenvolver um método para a determinação de AG em amostras de vinho empregando eletrodos de pasta de carbono modificados com
nanotubos em conjunto com a técnica de voltametria de pulso diferencial (DPV). A DPV foi empregada devido a obtenção de melhores
limites de detecção e um melhor poder de resolução em determinações simultâneas, quando comparada a voltametria cíclica. Visando obter
as melhores condições para a aplicação da técnica, diversos parâmetros foram estudados e otimizados, como a amplitude de pulso e tempo
de pulso. Empregando as melhores condições, foi construída uma curva analítica (Figura 1) que
apresentou uma resposta linear entre 5,0 x 10
-7
e 1,5 x 10
-5
mol L
-1
com um limite de 3,0 x 10
-7
mol L
-1
. Posteriormente, o método proposto foi aplicado na determinação de AG em amostras de
vinho branco e tinto. Foram encontrados teores de AG entre 219.6 (vinho branco) e 2.484,0 mg
L
-1
(vinho tinto). Os valores encontrados foram comparados com aqueles obtidos empregando um
procedimento espectrofotométrico não apresentando diferenças significativa entre os métodos.
Metaloporfirinas vêm sendo utilizadas há alguns anos como modelos bioinorgânicos para o citocromo P450 e outras hemeproteínas ou no
desenvolvimento de novos sistemas catalíticos com futuras aplicações tecnológicas, para reações de oxidação de substratos orgânicos. O
interesse por catalisadores heterogêneos vem atraindo a atenção de muitos grupos de pesquisa visando a recuperação e reutilização dos
catalisadores de maneira eficiente e seletiva.. A química supramolecular mostra-se como uma área promissora no desenvolvimento de
sólidos auto montados que sejam robustos e eficientes e que possam atuar como catalisadores heterogêneos. As estruturas denominadas
MOFs (metal-organized frameworks) são exemplos clássicos nesta área. A síntese de sólidos auto montados mostra-se como uma boa
estratégia para a obtenção de catalisadores heterogêneos em comparação à imobilização em suportes inorgânicos, visto que todo o solido
poderia apresentar comportamento catalítico. Este trabalho tem seu foco no uso da manganês porfirina - [Mn(T4H3MPP)]OAc - (5,10,15,20
tetrakis (4-hidróxi-5-metoxifenil)porfirina manganês (III) acetato) (MnP1) como bloco construtor de possíveis sólidos catalíticos baseados
em metaloporfirinas assim como seu uso como catalisador em reações de oxidação. A porfirina base-livre (H
2
P1) foi sintetizada através do
método descrito por Adler-Longo e a metaloporfirina MnP1 foi obtida por refluxo da base-livre com acetato de manganês (II) em ácido
acético. Após caracterização dos produtos por UV-Vis e FT-IR, a porfirina base-livre foi metalada com acetato de manganês numa reação
solvotérmica, resultando num sólido metaloporfirínico (MOF1) com centros metálicos de Mn(III) e contendo íons de Mn(II) estruturais,
com propriedades diferentes das do sólido MnP. O sólido foi caracterizado por UV-Vis, FT-IR, RPE, XPS, MET e análise elementar.
Investigações preliminares da atividade catalítica dos produtos na reação de oxidação de cicloocteno ao epóxido (MnP1 – 48% e MOF1 –
47%) e oxidação do cicloexano ao álcool (ol) e cetona (ona) (MnP1 – 21% de ol e 1% de ona e MOF1 – 18% de ol e 1% de ona) mostraram
se os compostos eficientes e seletivos tanto na catálise homogênea como na heterogênea alem de no caso do solido MOF1 apresentar a
capacidade de reciclagem.
DETERMINAÇÃO VOLTAMÉTRICA DE ÁCIDO GÁLICO EM AMOSTRAS DE VINHO
UTILIZAÇÃO DE SÓLIDOS BASEADOS EM MANGANÊS PORFIRINAS COMO CATALISADORES EM
REAÇÕES DE OXIDAÇÃO DE SUBSTRATOS ORGÂNICOS
Aluno de Iniciação Científca: Francyelle Calegari (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024217
Orientador: Márcio Fernando Bergamini Co-Orientador: Luiz Humberto Marcolino Júnior
Colaborador: Lismery Pereira de Souza (PET)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Voltametria de pulso diferencial, ácido gálico, determinação.
Área de Conhecimento: Química Analítica - 1.06.04.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Gabriel Kaetan Baio Ferreira (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1993003265
Orientador: Prof. Dr. Shirley Nakagaki Colaborador: Prof. Dr. Jacqueline Marques (UEPG-PR), Prof. Dr. Wido Herwig Schreiner
(UFPR), Kelly Aparecida Dias de Freitas Castro (PG).
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: porfrina, catálise, supramolecular,oxidação.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica – 1.06.02.00-3
0169
0170
Figura 1: Voltamogramas obtidos com
diferentes concentrações de AG.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
106
O biodiesel é um combustível biodegradável derivado de fontes renováveis, o qual pode ser obtido por diferentes processos, tais como,
craqueamento, esterificação ou transesterificação. Para promover a transesterificação de óleos vegetais com metanol ou etanol, normalmente
são utilizados catalisadores homogêneos (NaOH, KOH, H
2
SO
4
, etc.). Contudo, o processo homogêneo possui algumas dificuldades técnicas
que muitas vezes encarecem a obtenção do produto (p. ex., a separação do catalisador do produto final e a sua reciclagem). Sendo assim,
muitos catalisadores heterogêneos baseados em sólidos que apresentam sítios ácidos ou básicos de Lewis e Bronsted têm sido propostos,
assim como enzimas imobilizadas em diferentes matrizes. No presente trabalho, descrevemos a utilização de um composto baseado em um
oxissal de metal de transição (CAT-3), parcialmente solúvel no meio de reação, como catalisador de reações de transesterificação. O mesmo
foi utilizado na metanólise do óleo de soja nas seguintes condições experimentais: razão molar óleo de soja:metanol 1:54, 5% do catalisador
(baseado na massa de óleo), metanol mantido sob refluxo (banho de silicone a 80°C) durante 5h. Com o uso da CLAE (C-18), foi possível
observar rendimentos na faixa de 95 a 100% para a catálise heterogênea. Após a primeira reação, foi feita a lavagem do catalisador com
uma mistura de etanol/hexano (2:1 v/v) seguida da secagem e reativação do sólido a 200 ºC. Então, avaliou-se a capacidade de reciclagem
do CAT-3 sob as mesmas condições experimentais, sendo obtidos rendimentos na faixa de 86 a 96 %. Posteriormente, foi realizada a
avaliação da solubilidade do CAT-3 no meio de reação, bem como a atividade catalítica desta porção solúvel frente à metanólise do óleo
de soja. Os resultados obtidos ainda são preliminares e indicam que o catalisador pode ser parcialmente solúvel no meio de reação, sendo
o resultado catalítico observado, produto da catálise homogênea e heterogênea deste composto. Além disso, o sólido CAT-3 será utilizado
em reações de esterificação de ácidos graxos (acido láurico), visto que esta família de sólidos tem se mostrado efetivos catalisadores nesta
classe de reações. Por fim, o sólido CAT-3 poderá ser heterogenizado em matrizes inertes de forma que sua lixiviação e solubilização sejam
minimizadas e sua atividade catalítica reavaliada.
Complexos de rutênio tem sido uma alternativa aos clássicos de compostos de platina, uma vez que rutênio apresenta propriedades
antitumorais mais abrangentes e não apresenta efeitos colaterais significativos. Os derivados de arenorutênio tem se mostrado bastante
eficientes devido à propriedade anfifílica, que proporciona fácil absorção pelas células e interação com o material biológico. Aliado a isso,
devido a relativa labilidade da ligação oposta ao areno, acredita-se que ocorra hidrólise da ligação Ru-X no citoplasma. O objetivo deste
trabalho é sintetizar e caracterizar os complexos precursor [{(q
6
-areno)ClRu}
2
Cl
2
] e contendo o ligante ponte 2,3,6,7,10,11-hexahidroxitr
ifenileno (HTF), e avaliar sua atividade biológica em células de melanoma. O precursor foi obtido pela reação de cloreto de rutênio(III) e
1,3-ciclohexadieno em etanol. O complexo trinuclear foi obtido pela reação do precursor com HTF, na proporção 3:1, em refluxo de THF. O
produto foi separado por centrifugação. Foram registrados espectros de FTIR e UV-vis dos complexos sintetizados. No espectro IV, foram
observados picos característicos dos ligantes aromáticos. O espectro UV-vis do complexo precursor exibe bandas de absorção na região
entre 346 e 435 nm, atribuídas à transições metal-ligante. O complexo trinuclear exibe um conjunto de bandas na região entre 346 e 435
nm e um conjunto de bandas bastante intensas no UV abaixo de 300 nm, atribuídas às transições t÷t* no ligante ponte. Foram realizados
experimentos de citotoxicidade do composto trinuclear, do ligante HTF livre e também do HTF-Fe
3
para comparação. Os experimentos
foram feitos em triplicata, utilizando linhagens de células T98G e U87, doses dos compostos iguais a 25, 50 e 100µ mol.L
-1
, e tempos de
atuação de 24, 48 e 72 hs. Foi observado que todos os compostos estudados causam morte celular, porém esse efeito foi mais pronunciado
para o composto contendo arenorutênio(II), sendo mais eficientemente após 48h. Até o momento os resultados indicam efeito antitumoral
dos compostos sintetizados. Os estudos de caracterização e atividade biológica estão em andamento.
USO DE CATALISADORES HETEROGÊNEOS NA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO E
ESTERIFICAÇÃO
SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE COMPLEXOS DERIVADOS DE ARENORUTÊNIO(II)
Aluno de Iniciação Científca: Henrique de Oliveira Okada (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1993003265
Orientador: Shirley Nakagaki Co-Orientador: Luiz Pereira Ramos
Colaborador: Alesandro Bail (PG), Vannia Cristina dos Santos (PG), Marianne Roque de Freitas (IC).
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Biodiesel, transesterifcação, esterifcação, catálise heterogênea.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica – 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Jaqueline Moura Nadolny (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021149
Orientador: Herbert Winnischofer
Co-Orientador: Sheila M.B. Winnischofer
Colaborador: Juliana Kenski, Karine Naidek
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: complexos de rutênio, atividade biológica, melanoma.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3
0171
0172
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
107
Poluentes emergentes pertencem a uma classe de substâncias orgânicas de grande diversidade que vêm atraindo interesse especial em função
do seu crescente uso e aporte no ambiente. Produtos farmacêuticos e de cuidado pessoal, hormônios naturais e sintéticos e produtos químicos
industriais são exemplos destes poluentes que podem atuar como interferentes endócrinos (IE), mesmo sob baixas concentrações (ng L
-1
a
pg L
-1
), podendo provocar efeitos nocivos em organismos intactos. Em águas naturais, a associação dos interferentes com as substâncias
húmicas (SH) é um importante processo a ser compreendido, já que as SH podem ser capazes de controlar o comportamento e destino
destes poluentes. As SH apresentam variações na sua composição química e estrutural e presença de grupos funcionais que podem afetar o
comportamento frente aos IE. Desta forma, este trabalho tem como objetivo avaliar a interação entre SH (ácido húmico comercial e amostras
extraídas de rios) e IE (17α-etinilestradiol, 17β-estradiol, estrona e bisfenol A) através da fluorescência molecular, assim como compreender
a influência das características das SH no processo de associação com os IE. Os experimentos estão sendo conduzidos com base em uma
série de titulações, em batelada, empregando soluções contendo 20 mg L
-1
de SH e 1 mg L
-1
do IE. Após 24 h de tempo de contato, foram
realizadas medidas de fluorescência molecular nas modalidades emissão e sincronizada em pelo menos três regiões espectrais. Os dados
gerados foram tratados com o modelo de Stern-Volmer, a partir do qual se obtém o coeficiente de partição carbono orgânico/água (K
oc
).
Este parâmetro é útil para descrever a sorção do IE pelas SH e o seu valor aumenta com o aumento da hidrofobicidade da substância. Em
solução aquosa os IE estudados apresentaram sinais de fluorescência e, decorrente da interação com a SH, têm esta intensidade suprimida
(quenching). De modo geral, foram obtidos resultados satisfatórios, uma vez que a supressão de fluorescência apresentou uma relação linear
com o aumento da SH no meio. No estudo do 17β-estradiol com ácido húmico comercial, por exemplo, observou-se um elevado valor de
K
oc
(2,0.10
6
), indicando uma forte afinidade da substância húmica por este composto. A fluorescência tem se mostrado uma ferramenta útil
para o estudo já que apresenta inúmeras vantagens, como sensibilidade, rapidez, baixo custo, e poucas etapas de preparo das amostras.
Como etapas futuras serão realizadas aplicações deste protocolo no estudo da interação dos IE com SH extraídas de rios.
Ciclodextrinas (CDs) (Fig.1 A e B) são oligossacarídeos cíclicos constituídos por unidades de glucose unidas por ligações α-1,4. Apresentam
a forma de um cone truncado, sendo o interior hidrofóbico e o exterior hidrofílico, o que as torna atraentes para encapsulação de ativos já
que podem alterar as propriedades físico-químicas da molécula hóspede. A nifedipina (NIF) (Fig.1C) é um fármaco utilizado no tratamento
de doenças cardíacas, praticamente insolúvel em água, o que é uma limitação em sua eficácia terapêutica. Neste trabalho, foi investigada a
encapsulação da NIF nas cavidades da beta-CD (BCD) ou da hidroxipropil-beta-CD (HPBCD), com o intuito de obter complexos com maior
solubilidade aquosa. A quantificação da NIF foi feita por UV-VIS (226 nm). Pelo estudo do diagrama de fases foi possível observar que os
complexos obtidos são mais solúveis que o fármaco isolado. A caracterização por DRX indicou que a inclusão da NIF nas matrizes (BCD ou
HPBCD) não alterou o perfil de difração das moléculas hospedeiras. A análise dos complexos por DSC mostrou um perfil térmico diferente
das misturas físicas, com a ausência do pico de fusão da NIF, o que sugere a encapsulação molecular. Os estudos de RMN-H¹ indicaram a
formação de uma nova estrutura para os complexos formados, com a inclusão do anel não aromático da NIF na BCD ou na HPBCD, em
estequiometria 1:1. O conjunto dos resultados acima sugere a efetiva obtenção dos complexos supramoleculares HPBCD/NIF e BCD/NIF.
ESTUDO DA INTERAÇÃO ENTRE CONTAMINANTES EMERGENTES E SUBSTÂNCIAS HÚMICAS
AQUÁTICAS EMPREGANDO FLUORESCÊNCIA MOLECULAR
USO DE CICLODEXTRINA COMO MATRIZ POLIMÉRICA PARA A FORMAÇÃO DE COMPLEXOS
COM FÁRMACOS
Aluno de Iniciação Científca: Jéssica Eliza Silva Fonsaca (INCTAA / CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023563
Orientador: Marco Tadeu Grassi
Colaborador: Vanessa Egéa dos Anjos (Doutorado / CAPES)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Interferentes endócrinos, substâncias húmicas, fuorescência.
Área de Conhecimento: Química Analítica (1.06.04.00-6)
Aluno de Iniciação Científca: João Victor Francisco Vieira (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006019188
Orientador: Sônia Faria Zawadzki
Co-Orientador: Márcia Valéria Gaspar de Araújo (DOUTORANDA)
Colaborador: Elisa França Carneiro (GRADUAÇÃO)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: ciclodextrinas, nifedipina, complexos de inclusão.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7 (Química Orgânica) 1.06.01.07-4 (Polímeros e Colóides)
0173
0174
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
108
Apesar dos primeiros relatos da polimerização eletroquímica da anilina datarem de 1846, ainda hoje a polianilina (PAni) e seus derivados são
amplamente estudados. Continuamente são realizadas novas pesquisas de condições de síntese com a finalidade de otimizar as propriedades
eletrocrômicas do material. Um derivado da PAni, a poli(o-metilanilina) ou poli(o-toluidina (PoT) possui uma série de aplicações tecnológicas,
dentre as quais podemos destacar seu uso em dispositivos eletrocrômicos. O objetivo desse trabalho é estudar o efeito da temperatura de
síntese da PoT sobre as suas propriedades eletrocrômicas. Os filmes de PoT foram eletrosintetizados sobre ITO (óxido de índio e estanho),
em diferentes temperaturas (20°C, 15°C, 10°C e 5°C), numa cela eletroquímica sendo o eletrodo de referência Ag|AgCl em KCl saturado e
platina como contra eletrodo. O eletrólito foi HClO
4
0,5 mol.L
-
¹ contendo o monômero, o-toluidina 0,15 mol.L
-
¹. Inicialmente, foi aplicado um
potencial de +0,85 V por 180 segundos, seguido da voltametria cíclica, entre -0,15 e +0,90 V, a 10 mVs
-
¹, durante 20 ciclos. A caracterização
eletroquímica foi realizada por voltametria cíclica e por espectros de absorção, em diferentes potenciais. Observou-se variação máxima de
cor de amarelo para azul em 630 nm, entre os potenciais 0,0 e +0,8 V. Os filmes foram submetidos a 500 saltos duplos de potencial, entre
0,0 e + 0,8 V, por 5 segundos, através da cronoamperometria in situ combinada com a técnica de espectrometria de UV-vis, em 630 nm. Em
trabalho anterior, foi feito um estudo sistemático das condições de síntese e o filme de PoT formado nas condições descritas acima apresentou
melhores propriedades eletrocrômicas, faltando analisar o efeito da temperatura de síntese. Em relação à temperatura, observou-se que
diminuindo a temperatura de síntese da PoT, de 20 para 5°C, a variação de transmitância foi maior, de 51 para 64 %, mantendo-se estável
após 500 saltos duplos de potencial. As voltametrias cíclicas dos filmes de PoT, sintetizados em menores temperaturas, apresentaram picos
redox mais bem definidos e, visualmente, observou-se que esse filmes apresentaram-se mais finos. Conclui-se que, com a diminuição da
temperatura de síntese da PoT, deve haver alteração na velocidade de crescimento das cadeias poliméricas e consequentemente uma mudança
nas etapas de formação do filme, favorecendo o crescimento de um filme homogêneo e regular, com menores de defeitos estruturais. Isso
pode ser verificado pela caracterização morfológica dos filmes, que será realizada por microscopia eletrônica de varredura.
Lipases (EC 3.1.1.3) são enzimas cuja principal função é catalisar a hidrólise de triacilglicerol em ácidos graxos e glicerol, mas também são
capazes de realizar reações em sistemas orgânicos com quantidade mínima de água, como as reações de esterificação e transesterificação.
Essas enzimas tem uma ampla aplicação industrial, e são um dos biocatalisadores mais utilizados na química orgânica, além de apresentarem
alta seletividade e atuarem em condições brandas. A necessidade de estudos de obtenção de lipases é decorrente não apenas dessas vantagens,
mas também do propósito de diminuir o custo de produção destes biocatalisadores para viabilizar a sua aplicação industrial, pois lipases
comerciais, mesmo apresentando alta atividade e estabilidade, apresentam um alto custo na produção. Neste contexto, este trabalho tem
como objetivo de produzir lipases por fermentação no estado sólido (FES), utilizando o fungo Rhizopus oryzae. Para o cultivo em FES, foi
utilizado como substrato o bagaço de cana-de-açúcar enriquecido com farinha de semente de girassol numa proporção 1:1 e com incubação
em estufa por 36 h a 30°C. A atividade lipolítica da hidrólise do sólido fermentado liofilizado foi determinada usando tricaprilina e treoleína
como substratos, pelo método titulométrico em pH Stat, a pH 7,0 e 37°C. A atividade de hidrólise do sólido fermentado com a tricaprilina
foi de 241,0 U/gSS (unidade por grama de substrato seco), enquanto que para hidrólise da trioleína, observou-se 50,8 U/gSS. Em seguida, o
sólido fermentado seco (1 g) foi utilizado na catálise da reação de síntese do oleato de etila em n-heptano, a 37°C. A conversão em éster foi
avaliada indiretamente pelo teor de ácidos livre residuais, determinado pelo método de Lowry e Tinsley
1
(1976),apresentando uma atividade
de esterificação de 13,4U/gSS. Estes resultados mostram que a utilização do sólido fermentado com atividade lipolítica para síntese de
ésteres em meio orgânico é viável e pode ser explorada em reações de síntese de ésteres de interesse industrial, em particular do biodiesel.
COMPORTAMENTO ELETROCRÔMICO DE DERIVADOS DA POLIANILINA
UTILIZAÇÃO DE LIPASES PRODUZIDAS POR FERMENTAÇÃO NO ESTADO SÓLIDO NA
BIOSSÍNTESE DE ÉSTERES DO BIODIESEL
Aluno de Iniciação Científca: Joyce Fuckner Leonel (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003012548
Orientador: Liliana Micaroni
Colaborador: Daniel Caetano da Silva
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: eletrosíntese, eletrocromismo, poli(o-metilanilina).
Área de Conhecimento: 1.06.03.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Juliana Caraça (PIBITI/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010286
Orientador: Nadia Krieger
Colaborador: Rodrigo de Lima Sodatti
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: lipases, fermentação no estado sólido,biodiesel.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
0175
0176
1
Lowry,RR;Tinsley,I.J.:Rapid colorimetric determination of free fatty acids. J Am. Oil Chem.Soc.v53.1976(470-474)
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
109
Lonchocarpus filipes tem sua distribuição restrita ao estado do Rio de Janeiro e atualmente é cultivada no Parque Ecológico da Universidade
Estadual de Campinas (UNICAMP). O gênero Lonchocarpus possui 150 espécies das quais 24 são nativas do Brasil e tem se destacado pelo
número de espécies que são utilizadas na medicina popular, sendo os flavonóides, os metabólitos secundários mais comuns e importantes
encontrados. Esses metabólitos secundários desempenham importantes funções na natureza e apresentam diversas atividades biológicas. Em
continuação aos estudos do nosso grupo pela busca de novos produtos naturais com atividade biológica, o objetivo do trabalho foi estudar
quimicamente as raízes de Lonchocarpus filipes. As cascas das raízes de L. filipes foram coletadas no Parque Ecológico da UNICAMP,
secas, moídas e extraídas em Soxhlet com éter de petróleo (EP), CH
2
Cl
2
e MeOH fornecendo três extratos. O extrato diclorometânico foi
purificado por coluna cromatográfica e forneceu anteriormente uma flavona, a lanceolatina B. Em continuação com a purificação desse
extrato, isolou-se uma flavona (1) e dois derivados de dibenzoilmetano (2 e 3). O composto 1 já foi isolado de Lonchocarpus latifolius e
L. aff. fluvialis, o composto 2 é o segundo relato no gênero, isolado anteriormente de L. montanus e o 3 já foi isolado de outra fração de
L. filipes. Todas as substâncias isoladas foram identificadas através dos dados de RMN
1
H e
13
C.
Compostos de coordenação polinucleares apresentam grande potencialidade tecnológica. O uso de complexos macrocíclicos binucleares, se
justifica pela possibilidade de formação de compostos polinucleares, através da exploração das posições axiais com ligantes ambidentados,
como o cianeto. Apresentamos um novo complexo pentanuclear, {[Cu
2
(tidf)(OH
2
)]
2
[µ-(CN)
2
Fe(CN)
4
]} (1), com o objetivo de estudar suas
propriedades estruturais, eletrônicas, eletroquímicas e magnéticas. O composto (1) foi obtido através da reação entre [Cu
2
(ClO
4
)
2
(tidf)
(OH
2
)
2
] e K
4
[Fe(CN)
6
].3H
2
O (2:1), em mistura de acetonitrila e água (1:1), resultando em
um sólido verde, cristalino. No espectro vibracional, destacam-se as bandas em 2026 e
2068 cm
-1
, atribuídas aos modos vibracionais v(CN) terminal e em ponte, respectivamente.
Os dados do espectro vibracional estão de acordo com os dados estruturais obtidos por
difração de raios X de monocristal (Figura 1). O complexo cristaliza no sistema triclínico,
com grupo espacial P
-1
. Os íons cobre(II) exibem geometria pirâmide de base quadrada,
com todas as ligações Cu-N e Cu-O, ambos do ligante tidf, no plano equatorial. A distância
entre os íons cobre(II), unidos pela ponte é de 10,594 Å. As distâncias Cu1-O1 e Cu2-O1
são 2,006 Å e 1,972 Å, respectivamente. O ângulo da ligação Cu1-N5-C25 é de 134,95°.
A ligação Fe-C25-N5 é praticamente linear (178,55°). O espectro de Mösbauer, à 298 K, é
coerente com o esperado para um centro de ferro(II), estado de spin baixo. Os valores de
desdobramento isomérico (i.s.) e de quadrupolo (q.s.) são: -0,05 e 0,21 mms-
1
.
ESTUDO QUÍMICO DE LONCHOCARPUS FILIPES
COMPLEXOS MACROCÍCLICOS POLINUCLEARES MEDIADOS POR PONTE CIANETO. SÍNTESE,
CARACTERIZAÇÃO E ESTUDOS DE COMUNICAÇÃO INTERMETÁLICA. APLICAÇÕES EM
QUÍMICA SUPRAMOLECULAR
Aluno de Iniciação Científca: Juliana Mari Jo (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007912
Orientador: Beatriz Helena Lameiro de Noronha Sales Maia
Colaborador: Nelissa Pacheco Vaz
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Lonchocarpus flipes, favonóides, dibenzoilmetano.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7 Química Orgânica
Aluno de Iniciação Científca: Julio Cesar da Rocha (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022443
Orientador: Fábio Souza Nunes
Colaborador: Rafael Block Samulewski (Mestrado/CAPES), Rafael Stieler (Doutorado - UFSM/CNPq), Prof. Dr. Ernesto Schlz Lang (UFSM)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Complexos polinucleares, pontes cianeto, difração de raios X.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica - 1.06.02.00-3
0177
0178
Figura 1 - Representação ORTEP da estrutura
cristalina do complexo {[Cu
2
(tidf)(OH
2
)]
2
[µ-
(CN)
2
Fe(CN)
4
]}
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
110
Recentemente estudos vêm demonstrando que o consumo moderado do vinho tinto reduz o risco de doenças cardíacas, protege contra
disfunções neurológicas, aumenta a longevidade além de possuir poder anticancerígeno. O vinho é uma bebida rica em compostos fenólicos,
que estão presentes nas cascas e nas sementes das uvas vermelhas e estes possuem propriedades antioxidantes e também contribuem para as
suas características como a estabilidade de cor, a adstringência e propriedades sensoriais. A coloração do vinho tem um papel significativo
na percepção de sua qualidade e é um indicador de alguns compostos químicos presentes na sua composição. Dentre o grupo de fenóis
encontrados no vinho, destaque pode ser dado aos taninos e às antocianinas, que correspondem a pigmentos hidrossolúveis que permitem
colorações que vão do vermelho ao azul. O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antioxidante de vinhos e quantificar o teor total de
compostos fenólicos, bem como analisar a intensidade da cor nesta bebida, verificando possíveis correlações entre os métodos empregados.
A atividade antioxidante total (AAT) foi avaliada pelo método espectrofotométrico através da descoloração do radical ABTS•+ (2,2-azinobis
- [3-etil-benzotiazolin-6-ácido sulfônico]), que tem como base a redução da absorbância do radical ABTS•+ por antioxidantes. Os resultados
foram expressos em TEAC (atividade antioxidante equivalente ao Trolox, 6-hidroxi-2,5,7,8-tetrametilcromo-2-ácido carboxílico, por mL de
vinho). Os compostos fenólicos foram avaliados quantitativamente pelo método espectrofotométrico, utilizando o reagente de Folin-Ciocalteu
e os resultados expressos em equivalente de ácido gálico (g L
-1
). A quantificação dos índices de cor (intensidade de cor e tonalidade) foi
obtida por intermédio de leituras de absorbância, medidas diretamente sobre as amostras de vinhos nos comprimentos de onda 420, 520 e
620 nm. Elevados índices de cor implicam em maior concentração de taninos e antocianinas, enquanto que elevadas tonalidades indicam
uma menor concentração de antocianinas.
O H
2
O
2
é o agente branqueador mais favorável ambiental e economicamente e grande quantidade é utilizada em processos de degradação de
corantes. Além de barato, não é tóxico, uma vez que produz somente água e oxigênio. Desta forma, procura-se também um catalisador que
não seja nocivo ao meio ambiente e econômico. O manganês satisfaz essas exigências e o uso de sais deste metal demonstrou aumento na
eficiência na degradação de corantes pela ativação do H
2
O
2
. No entanto, o meio básico faz com que sejam produzidos óxidos de manganês
no meio de reação. Assim, buscou-se a coordenação do manganês por ligantes que o estabilizasse em soluções alcalinas. Nesse trabalho será
apresentado o estudo catalítico de decomposição oxidativa de corantes com H
2
O
2
usando o composto binuclear

[Mn
2
(bbppnol)(μ-O
2
CCH
3
)
2
]
PF
6
como catalisador (Figura 1).
No estudo catalítico foi usado o alaranjado de metila como substrato e H
2
O
2
como oxidante. Os experimentos foram realizados variando
a proporção catalisador:substrato:oxidante e conduzidos em pH 9,8. A atividade catalítica foi determinada acompanhando a variação de
absorbância do corante por UV-Vis por 60 min. Com isso, a constante inicial de velocidade (k
obs
) foi determinada para cada condição de
reação, como mostrado na Tabela 1.
QUANTIFICAÇÃO DOS COMPOSTOS FENÓLICOS E DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE EM
AMOSTRAS DE VINHOS TINTOS
ESTUDO DA DECOMPOSIÇÃO DE CORANTES CATALISADA POR COMPOSTOS BINUCLEARES DE
MANGANÊS
Aluno de Iniciação Científca: Karen Mary Mantovani (PET - SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Iara Messerschmidt
Colaborador: Rayta Paim Horta
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: vinho tinto, potencial antioxidante, compostos fenólicos.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Kheoma Felipe da Rocha (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023640
Orientador: Sueli Maria Drechsel
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: degradação oxidativa, catálise, corantes
Área de Conhecimento: Química Inorgânica - 1.06.02.00-3
0179
0180
Condição k
obs cat
k
obs cont
k
obs cat
/k
obs cont
1:20:1000 1.96x10
-2
5.57x10
-3
3.5
1:20:5000 4.55x10
-2
3.82x10
-3
11.9
1:20:10000 1.08x10
-1
8.70x10
-3
12.5
1:20:15000 1.18x10
-1
6.55x10
-3
18.0
1:20:20000 8.07x10
-2
9.80x10
-3
8.2
Tab. 1. K
obs
das reações de decomposição dos corantes.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
111
As xiloglucanas (XGs) de sementes são polissacarídeos de reserva com inúmeras aplicações biológicas e industriais, propiciando maior
viscoelasticidade no meio onde se encontram. Apesar do seu potencial farmacêutico e alimentício, a única fonte explorada comercialmente
é o Tamarindus indica. O objetivo do presente trabalho é a caracterização comparativa através de análises de composição químicas e de
medidas reológicas entre a XG extraída de sementes de Hymenaea courbaril (jatobá, XGHC), provenientes do estado do Mato Grosso, e a
de Tamarindus indica (XGT). A caracterização da composição em carboidratos foi realizada pelo método fenol-sulfúrico e a de proteínas
pelo de Hartree. A XGHC apresentou, em termos de carboidratos totais e proteínas, 80,2 e 9,6%; enquanto a XGT apresentou 81,2 e 8,9%,
respectivamente. Os estudos reológicos das soluções em água milli-Q, com concentrações variando de 0,2 a 2,0g.L
-1
foram feitos em reômetro
RheoStress RS1 (Haake), com sensor DG-43. Para cada XG foi realizada a determinação da viscosidade intrínseca ([η]) pela extrapolação
gráfica da relação da viscosidade reduzida versus concentração (Equação de Huggins) e, também, pela extrapolação gráfica da relação da
viscosidade inerente versus concentração (v
in
). Pela equação de Huggins a XGHC apresentou [η] de 389 mL.g
-1
, enquanto pelo gráfico da
v
in
foi 366,5 mL.g
-1
. E, para XGT, os resultados foram de 201,8 e 244,9 mL.g
-1
, respectivamente. O comportamento em fluxo foi avaliado
pelo modelo de Power Law para a determinação do índice de consistência (K) e do índice de comportamento (n). Pelos valores dos índices
encontrados concluiu-se que as XGs em solução apresentam comportamento Newtoniano. Embora os valores encontrados para carboidratos
e proteínas sejam similares, o que demonstra semelhança química na composição, as viscosidades intrínsecas obtidas pelos dois métodos
mostram diferentes volumes hidrodinâmicos, sendo maior na XGHC.Apoio: CNPq e UFPR.
As lipases têm as aplicações clássicas baseadas em processos que utilizam reações de hidrólise de triacilgliceróis, mas a sua utilização em
meios orgânicos, tem possibilitado o seu uso em reações de síntese de ésteres
1
. O objetivo geral deste trabalho foi estudar a imobilização
de lipases de Rhizopus orizae, geneticamente modificado, em Accurel MP-1000, e sua aplicação em reações de síntese de ésteres que
compõe o biodiesel. O principal critério para a caracterização da lipase imobilizada foi sua atividade de hidrólise em meio orgânico pelo
método do pNpp, em que a atividade máxima foi 193 ± 42 U. g
-1
de suporte, obtida com uma razão proteína/suporte de 15 mg.g
-1
. Após
definir a concentração de enzima ideal para a imobilização (15 mg de enzima/g de suporte), a estabilidade da enzima foi verificada nas
temperaturas de 30, 40 e 50ºC, com a permanência da enzima em n-heptano durante 24 h. A enzima foi mais estável a 40ºC, retendo 77%
da atividade residual. A síntese do oleato de etila foi estudada utilizando-se 100 mg de enzima (78 U pelo método de hidrólise da trioleína
em meio orgânico) imobilizada no meio reacional. Houve 93% de conversão em éster em 60 min de reação. A influência da quantidade
da enzima imobilizada na velocidade de reação foi estudada, utilizando as condições-padrão para a síntese do oleato de etila. A taxa de
reação aumentou com o aumento da quantidade de catalisador, com 120 mg de enzima imobilizada, houve 99% de conversão em éster em
60 min. O efeito da razão molar ácido:álcool na velocidade de reação de esterificação também foi verificada. A taxa de conversão em éster
foi maior (93%) para a razão molar de 1:3 em 60 min de reação; para as razões molares de 1:1 e 1:9, houve conversão em éster de 73 e 54
%, respectivamente, mostrando que um aumento da concentração do etanol no meio pode inibir a enzima. Com estes resultados conclui-se
que a quantidade de proteína oferecida para imobilização ideal é de 15 mg/g de suporte. A maior conversão em éster foi de 93%, obtida
após 60 min de reação, em uma razão molar de 1:3 (ácido:álcool), a uma temperatura de 40ºC. No entanto, quanto maior a quantidade do
catalisador (120mg), maior é a taxa da reação de esterificação, chegando a 99% em 60 min.
1
Jaeger, K. E.; Eggert, T. Current Opinion in Biotechnology, 2002, 13.
CARACTERÍSTICAS DE XILOGLUCANAS
ESTUDO DE REAÇÕES DE ESTERIFICAÇÃO E TRANSESTERIFICAÇÃO CATALISADAS POR
LIPASES
Aluno de Iniciação Científca: Liana Zancanaro Gallina (PIBIC - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1994003575
Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Rita Sierakowski
Colaborador: Clayton Fernandes de Souza (DOUTORANDO/CAPES)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: xiloglucana, reologia, polissacarídeos
Área de Conhecimento: Fisico-Química - 1.06.03.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Lídia Sanvido Muniz (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010286
Orientador: Prof. Dra. Nadia Krieger
Colaborador: Aline Roque Dutra da Silva (PG)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: lipase, síntese de ésteres, imobilização
Área de Conhecimento: 1.06.00.00-0
0181
0182
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
112
Compostos fenólicos são facilmente encontrados na natureza. O Ácido Gálico (AG) é um deles, esses compostos são antioxidantes
primários que agem como seqüestradores de radicais livres e bloqueadores de reação em cadeia. Os métodos mais comuns encontrados
na literatura para determinação do AG são espectrofotométricos e cromatográficos. O presente trabalho teve como objetivo investigar o
comportamento voltamétrico do AG sobre um eletrodo de pasta de carbono empregando a técnica de voltametria cíclica. O eletrodo foi
preparado utilizando 75% de pó de grafite e 25% de nujol. O voltamograma gerado permitiu inicialmente verificar a eletroatividade do AG
(Figura 1), onde podem ser observados dois processos de oxidação (picos de corrente I e II). A partir de um estudo sobre variação de pH foi
possível verificar uma melhora na resolução dos voltamogramas e um aumento na corrente de pico em valores menores de pH. O estudo
da velocidade de varredura mostrou que o processo é controlado por difusão, uma velocidade de 75 mVs
-1
foi adotada para a construção da
curva analítica. Com base nos resultados obtidos construiu-se uma curva analítica, na qual foi
verificada uma resposta linear entre 1,5 x 10
-5
e 9,9 x 10
-3
mol L
-1
com um limite de detecção de
8,0 x 10
-6
mol L
-1
para o analito. Em seguida foram testados eletrodos com 30 % de nanotubos
de carbono sendo observado um comportamento voltamétrico similar, porém com significativo
aumento nas correntes de pico.
Novas tecnologias surgem de uma nova consciência, tanto ecológica quanto econômica sobre as atividades antrópicas de nossa sociedade.
Neste sentido, o mundo se defronta com um aumento na demanda por combustíveis mais sustentáveis que os derivados de petróleo. Dentre
as alternativas mais viáveis, estão os bicombustíveis líquidos derivados de óleos vegetais (e.g.biodiesel), sendo este um substituto para
renovável para o diesel de petróleo, cujas vantagens incluem a menor emissão de matérias particulados, de compostos de enxofre e dos
principais gases que agravam o efeito estufa, especialmente o CO
2
, que é praticamente todo reciclado na fotossíntese das oleaginosas. A
catálise alcalina em meio homogêneo é atualmente o método mais utilizado para a produção do biodiesel, mas este processo apresenta
limitações quanto à qualidade das matérias-primas, principalmente ao teor de ácidos graxos livres e umidade. Neste sentido, diversos sólidos
vêm sendo testados como catalisadores heterogêneos para a síntese do biodiesel, os quais idealmente apresentam vantagens sobre os sistemas
homogêneos convencionais, possibilitando assim a produção de monoésteres a partir de materiais de elevada acidez, com conseqüente
redução dos custos de produção. Este trabalho tem por objetivo testar o desempenho do laurato de zinco (LZ), sintetizado pela reação do
laurato de sódio com cloreto de zinco em etanol, como catalisador heterogêneo da esterificação metílica de ácido láurico (AL) e de uma
mistura de ácidos graxos majoritariamente insaturados (MAG), já que compostos de Zn
2+
apresentam boa acidez de Lewis. Os experimentos
foram realizados em reator pressurizado Büchiglass modelo “miniclave drive”, com a pressão do meio de reação correspondendo à pressão
do componente mais volátil do meio (metanol). Para otimização das reações, foi realizado um planejamento fatorial (PF) 2
3
composto por
dois níveis (inferior e superior) e três variáveis [razão molar metanol:ácidos graxos, porcentagem de LZ (CAT) e temperatura de reação],
com triplicata no ponto central. Os resultados revelaram que temperatura seguido do percentual de catalisador, foram as variáveis mais
significativas para o processo, sendo obtidas taxas de conversões de até 98% ao para o AL e de 94,5% para a MAG, nas condições de RM
de 10:1, 6% de CAT, 140ºC a 500 rpm por 2h. Estes resultados reforçam o potencial do laurato de zinco como catalisador para a produção
de monoésteres graxos a partir de matérias-primas ácidas de menor valor agregado.
Agradecimentos: CNPq, CAPES, Fundação Araucária e FINEP.
COMPORTAMENTO VOLTAMÉTRICO DO ÁCIDO GÁLICO SOBRE ELETRODOS DE PASTA DE
CARBONO
ESTERIFICAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS UTILIZANDO LAURATO DE ZINCO COMO CATALISADOR
Aluno de Iniciação Científca: Lismery Pereira de Souza (PET)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024217
Orientador: Márcio Fernando Bergamini Co-Orientador: Luiz Humberto Marcolino Júnior
Colaborador: Francyelle Calegari (PET)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Eletrodo de pasta de carbono, comportamento voltamétrico, ácido gálico
Área de Conhecimento: Química Analítica - 1.06.04.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Luiz Antonio Bortolli Junior (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997005126
Orientador: Luiz Pereira Ramos
Co-Orientador: Claudiney Soares Cordeiro
Colaborador: Fabiano Rosa da Silva, Ricardo José Brugnago, Rafael Marangoni
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Biodiesel, Catálise Heterogênea, Esterifcação
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
0183
0184
Figura 1: Voltamograma cíclico obtido para
o ácido gálico sobre um eletrodo de pasta de
carbono não modificado.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
113
Argilominerais são fases minerais presentes em solos, os quais apresentam características como elevada área superficial e alta capacidade
de troca catiônica, o que tem motivado a realização de estudos direcionados para o emprego de argilominerais como fases alternativas para
tratamento de efluentes. O presente trabalho teve como propósito estudar a potencialidade do argilomineral vermiculita (VT), fornecida
pela Eucatex Química e Mineral Ltda., como fase sorvente para íons Cu(II) de meio aquoso, bem como investigar a influência de variáveis
como pH e força iônica no processo de sorção. Para tal, foi adequado o método espectrofotométrico empregando cuprizona como reagente
complexométrico para íons Cu(II), utilizando solução tampão de fosfato, pH 8,5. Curvas analíticas foram elaboradas entre 0,10 e 5,00 mg
L
-1
de Cu(II), gerando limite de quantificação ao redor de 0,05 mg L
-1
, em comprimento de onda de 600 nm. Uma massa de 25 mg de VT
previamente saturada com solução de KCl 1,0 mol L
-1
(VTK) foi mantida em contato sob agitação por 2 horas, com 10,0 mL de solução
contendo Cu(II) em concentrações entre 1,00 mg L
-1
a 50,0 mg L
-1
, em pH 6,5. Foram determinadas as concentrações de Cu(II) remanescente
na fase aquosa, após centrifugação das suspensões contendo VTK, constatando-se remoções significativas de Cu(II) entre 96,1 e 46 %, o que
é atrativo em termos ambientais. Também foi estudada a influência do meio iônico, empregando as mesmas condições anteriores, porém na
presença de solução de KNO
3
em concentrações 5 e 10 mmol L
-1
. Foram obtidas remoções de Cu(II) entre 58,0 e 14,5% (KNO
3
5 mmol L
-1
)
e entre 51% e 11% (KNO
3
10 mmol L
-1
), o que demonstra que a força iônica influencia o processo de sorção de Cu(II) pelo argilomineral.
Isso ocorre em virtude do K
+
competir com os íons Cu(II), pelos sítios de sorção da VTK. Foi investigada a influência do pH na sorção de
Cu(II) pela VTK em pH 3,5. Foram constatados percentuais de remoção de Cu(II) entre 82,0 e 34,4%, demonstrando que o aumento da
concentração de H
3
O
+
do meio causa uma diminuição no processo de sorção de Cu(II) pela VTK. Pode-se concluir que a VTK apresenta
um bom potencial de remoção de íons Cu(II) de meio aquoso, apesar desse processo ser influenciado pelo aumento da força iônica do meio,
bem como da diminuição do valor de pH. Isso sugere que esse material poderia ser empregado na remoção de íons Cu(II) e outros íons.
A heterogenização de espécies catalíticas em matrizes inertes tem se mostrado uma excelente forma que minimizar problemas associados à
solubilização de compostos cataliticamente ativos nas reações de transesterificação e esterificação. Compostos de molibdênio (Mo) possuem
atividade catalítica reconhecida em reações de oxidação de álcoois, epoxidação de olefinas e hidrodessulforização do petróleo. Recentemente,
o composto Na
2
MoO
4
foi investigado na metanólise do óleo de soja em condições brandas de reação e os ésteres obtidos apresentaram
elevadas pureza e conversão, porém uma parcela do catalisador foi perdida no meio de reação, impossibilitando sua reciclagem integral.
Acredita-se que esta classe de catalisadores apresenta elevada atividade catalítica frente às reações de transesterificação e esterificação
devido à presença de sítios ácidos e básicos de Lewis e/ou Brönsted-Lowry. Nesta etapa do trabalho investigou-se a heterogenização de
um precursor contendo Mo em uma matriz de sílica preparada pelo processo sol gel através da hidrólise ácida do tetraetilortosilicato –
TEOS. O sólido preparado foi avaliado como catalisador na esterificação do ácido láurico (C
12
H
24
O
2
). Foram preparados sólidos de sílica
utilizando proporção molar de reagentes de H
2
O:TEOS:H
+
de 50:4,5:1, com tempo de secagem de 168 h, concentração de Mo variada e
tratamento térmico a d300, 500 e 700°C. Os catalisadores sólidos obtidos foram caracterizados por difratometria de raios X, espectroscopia
de UV-Vis e espectrometria de emissão (ICP-OES). Avaliou-se a atividade catalítica dos sólidos na esterificação do ácido láurico com
metanol e etanol em reator fechado sob condições solvotérmicas (proporção molar ácido láurico:álcool de 12:1 e catalisador de10% m/m
em relação ao ácido, tempo de reação de 18 h e banho térmico à 120°C). Após a reação, o excesso de álcool foi removido e a conversão
foi determinada por titulação com uma solução de NaOH 0,01 mol/L padronizada. Os resultados das análises de difração de raios X dos
sólidos sintetizados mostraram que quanto maior o teor de Mo na sílica, maior a semelhança com o padrão (MoO
3
). A partir das análises
de ICP-OES e UV-Vis foi possível determinar a concentração de Mo nos sólidos obtidos, cujos valores variaram de 0,46 a 7,11% m/m.
Os resultados de conversão de ácido em éster mostraram-se dependentes da concentração de Mo nos sólidos, sendo que quanto maior o
teor maior a conversão. Reações estão em andamento visando investigar as condições de reação e de tratamento térmico do sólido mais
adequadas à otimização da atividade catalítica.
ESTUDO DE SORÇÃO E DE CONCENTRAÇÃO DE ÍONS COBRE COM O ARGILOMINERAL
VERMICULITA
ESTUDO DE CATALISADORES IMOBILIZADOS EM SUPORTES INORGÂNICOS PARA CATÁLISE
HETEROGÊNEA DE REAÇÕES DE ESTERIFICAÇÃO E TRANSESTERIFICAÇÃO DE ÓLEOS
VEGETAIS
Aluno de Iniciação Científca: Mariane Mirian Baggio (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005018509
Orientador: Gilberto Abate
Colaborador: Pâmela Conde Fosta da Cruz
Departamento: Química Setor: Química
Palavras-chave: Cu(II), sorção, vermiculita.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Marianne Roque de Freitas (CNPq Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024362
Orientador: Luiz Pereira Ramos Co-Orientador: Shirley Nakagaki
Colaborador: Alesandro Bail (DOUTORANDO/ CAPES), Vannia Cristina dos Santos (MESTRANDO/CAPES), Henrique Okada (IC/CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: esterifcação, catálise heterogênea, molibdênio.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica - 1.06.02.00-3
0185
0186
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
114
Polioxovanadatos têm sido amplamente estudados devido às suas potenciais aplicações tecnológicas e medicinais; no entanto, pouco se
conhece sobre o seu mecanismo de ação in vivo. Visando contribuir para o entendimento da atuação do vanádio como biometal, propusemo-
nos a avaliar a interação de óxidos de vanádio desenvolvidos em nosso laboratório com DNA. Iniciamos nossos estudos encubando o
óxido V
10
O
24
∙12H
2
O (“bariandita,” B, em concentrações entre 0,001 e 5 mmol L
-1
) com 100 ng (0,15 μmol L
-1
em pares de base) do DNA
plasmidial pUC19, em água (pH ajustado entre 7 e 8) ou em soluções 50 mmol L
-1
dos tampões PIPES e Tris-HCl pH 7,5. As encubações
foram realizadas por 18 h a 37 ºC ou a 60 ºC. A quantificação da porcentagem de conversão (degradação) da forma superenovelada (FI) do
DNA nas formas circular aberta (FII) e linear (FIII) foi realizada após eletroforese em gel de agarose a 1%. Ensaios em tampão Tris-HCl
a 37 °C mostram que, em concentrações de B ([B]) entre 0,01 e 0,5 mmol L
-1
, não há variação nas porcentagens das formas FI e FII em
relação ao DNA na ausência do óxido. Para [B] acima de 0,5 mmol L
-1
, observa-se a diminuição brusca da % de FI e a formação de uma
espécie química de menor mobilidade eletroforética, que constitui provavelmente um produto de interação de B com o DNA. Nas reações
a 60 °C observa-se que, em [B] menores que 1,0 mmol L
-1
, cerca de 30 % do DNA é degradado a FII. Já acima de 1,0 mmol L
-1
ocorre
o desaparecimento de FI e o aparecimento de FIII (~10 %) em conjunto com a espécie de menor mobilidade no gel. Por outro lado, nas
reações realizadas em tampão PIPES pH 7,5 a 37 °C, não foram observadas quebras significativas de FI em [B] < 1,0 mmol L
-1
; no entanto,
em concentrações acima desse valor o DNA é precipitado e não se move no gel. Resultado semelhante foi observado para as reações em
água (pH 7-8), reforçando a hipótese de uma precipitação irreversível do DNA devida à formação de um complexo com B. As reações do
DNA com 0,5 mmol L
-1
de B em Tris e em H
2
O foram acompanhadas por UV-vis e EPR (37 °C e 60 °C). Em Tris ocorre o desaparecimento
da solução verde inicial, da banda em 700 nm (atribuída a transições d-d do V
IV
) e do sinal alargado em g = 1,96, no EPR, evidenciando
a oxidação do vanádio(IV→V). No experimento em H
2
O não observa-se variação significativa na cor da solução nem nos espectros de
UV-vis e EPR, mesmo quando condições drásticas (60 °C) foram empregadas. Os resultados preliminares dos estudos sobre a natureza da
interação entre o DNA e a bariandita indicam que esta interação envolve um complexo de vanádio(IV).
O PVC ou poli(cloreto de vinila) é o mais versátil dentre os plásticos e é o segundo termoplástico mais consumido em todo mundo. Por
haver uma necessidade de a resina ser formulada mediante a incorporação de aditivos, o PVC pode ter suas características alteradas em
função de sua aplicação final. Pelo grande consumo de PVC verifica-se um interesse na produção de aditivos para a matriz polimérica que
devem incorporar algumas características desejáveis na matriz. Dentre os aditivos temos como principal os plastificantes. Estes produtos
permitem a adequação do polímero aos mais variados processos de moldagem, bem como a obtenção de produtos finais com melhores
propriedades mecânicas. Para o PVC a classe de plastificante mais empregada são os ésteres do tipo ftalato. E, dentre eles, o ftalato de dioctila
(DOP), é o mais utilizado. Este material pode ser removido da matriz polimérica por um processo de migração, e nas ultimas décadas, os
ftalatos vem sendo alvo de muitos estudos científicos no que diz respeito à sua toxicidade. Assim o presente trabalho tem como objetivo
a produção de plastificante na substituição do usual. O plastificante obtido, ACILAC, éster a base de ácido cítrico e lactato de etila, foi
produzido por reação de esterificação. Na proporção estequiométrica de 1:6, de ácido cítrico para lactato de etila, utilizando como catalisador
o amberlyst-15
®
. Após a purificação o produto foi caracterizado por espectroscopia na região do infravermelho (FTIR). A preparação das
composiçõens foram feitas à partir de 5g de PVC Norvil 1300 HP da Braskem
®
foram solubilizados em 20mL de ciclohexanona. Aos
quais foram adicionados o plastificante em concentrações variadas, em proporção massa/massa da resina, para encontrar a melhor relação
entre plastificante e PVC. A solução preparada foi despejada em um molde de vidro horizontal e posteriormente foi levada à estufa para
evaporação do solvente a 40°C, assim obtendo os filmes. Os filmes foram caracterizados por calorimetria diferencial exploratória (DSC)
em um aparelho TA Instruments, modelo DSC Q100. A faixa de temperatura utilizada foi de -40 a 100ºC, com uma taxa de aquecimento de
10 ºC· min
-1
e atmosfera inerte. Os ensaios de tração foram realizados em uma máquina de ensaios universal INSTRON 5565 e avaliados
através das curvas tensão vs. deformação. Após a analise dos resultados verificou-se que o ACILAC, atendeu as expectativas desejadas.
Visto que, obteve-se um material homogêneo sem migração do éster, mantendo sua transparência e principalmente, promovendo o efeito
da plastificação da matriz polimérica.
INTERAÇÃO ENTRE ÓXIDOS DE VANÁDIO(IV)/(V) E DNA PLASMIDIAL
DESENVOLVIMENTO DE ADITIVOS PARA PVC A PARTIR DE ÁCIDO CÍTRICO
Aluno de Iniciação Científca: Maurício Portiolli Franco (IC voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023953
Orientadora: Giovana Gioppo Nunes Co-Orientador: Emanuel M. de Souza
Colaboradores: Ana C. Bonatto, Ronny R. Ribeiro, Eduardo L. Sá, Jaísa F. Soares
Departamento: Departamento de Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: oxocompostos de vanádio, interação plasmidial
Área de Conhecimento: Química Inorgânica 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Michel Gonçalves de Freitas (Outra)
Orientador: Sônia Faria Zawadzki
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Pvc , polímero
Área de Conhecimento: 1.06.01.07-4
0187
0188
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
115
Devido ao grande interesse na redução da poluição ambiental, o biodiesel vem sendo amplamente pesquisado e utilizado por ser considerado
um combustível ambientalmente correto, por reduzir a emissão de poluentes na atmosfera, além de ser um combustível de fonte renovável.
Atualmente no Brasil, a produção de biodiesel tem se baseado no uso do óleo de soja e do metanol. Porém, diversos estudos vem sendo
realizados para a utilização de outros óleos vegetais, gordura animal e o etanol. Devido à sua composição, o biodiesel apresenta tendência
à solidificação com a redução da temperatura ambiente. Esta tendência varia com a composição do biodiesel que, por sua vez, varia com
a fonte de triacilglicerídeos que lhe deu origem (óleos vegetais ou gordura animal). Para a solução dos problemas de armazenamento,
transporte e utilização do biodiesel, inclusive em regiões de temperatura mais amena, faz-se necessária a adição de compostos químicos
que sejam capazes de melhorar as propriedades de fluxo a frio do biocombustível, principalmente reduzindo os pontos de fluidez (PP) e
de névoa (CP). O PP é definido como a temperatura na qual o combustível não consegue mais fluir e o CP é a temperatura do início da
formação de cristais. Visando a melhoria das propriedades de fluxo a frio de biodiesel oriundo de diversas fontes vegetais e de gordura
animal, este trabalho propõe o desenvolvimento de aditivos poliméricos do tipo ésteres copoliméricos da família dos maleatos e metacrilatos,
para posterior avaliação do desempenho como aditivos redutores do ponto de fluidez de biodiesel e de misturas biodiesel/diesel. Diversas
reações foram então realizadas para a obtenção do metacrilato de tetradecila (TDMA) por transesterificação do metacrilato de metila
(MMA). As primeiras reações apresentaram baixos redimentos (9%-15%) sendo necessária a investigação do uso de um grande excesso de
tetradecanol. Porém, o uso do álcool graxo em excesso promoveu uma dificuldade adicional na etapa de purificação do produto de reação.
Uma nova técnica foi então desenvolvida empregando-se silicato de magnésio ativado e hexano, o que apresentou rendimentos de 96%
de produto puro. Os aditivos copoliméricos foram sintetizados utilizando razão molar de alimentação de 1:1, 1:2, 1:4 e 1:5 de TDMA e
anidrido maleico, respectivamente, e peróxido de benzoíla (BPO), como iniciador. Os melhores resultados foram obtidos nas proporções
molares de 1:1 e 1:2 (TDMA:MAn) com 2 mol% de BPO.
O aumento da poluição causada pelas emissões atmosféricas provenientes dos derivados de petróleo tem induzido diversos pesquisadores
a buscar novas maneiras de produzir combustíveis sustentáveis a partir de biomassa. Neste sentido, o bioetanol figura entre as alternativas
mais viáveis, sendo que, quando este é produzido a partir de derivados dos carboidratos presentes na biomassa lignocelulósica, é denominado
etanol de segunda geração, enquanto que aquele produzido pela fermentação da sacarose do caldo de cana-de-açúcar é conhecido como
o de primeira geração. A fitobiomassa, antes de ser processada para a produção de bioetanol de segunda geração, precisa ser submetida
a um pré-tratamento para diminuir a sua complexidade estrutural, cuja principal função é protegê-la da biodegradação. Dos métodos de
pré-tratamento existentes, a explosão a vapor tem se revelado como um dos mais eficientes para fracionar os principais componentes da
fitobiomassa e facilitar a sua conversão secundária por processos químicos e/ou enzimáticos a bioetanol. Estudos químicos demonstraram que
a fração solúvel em água, decorrente da explosão a vapor de fitobiomassas residuais como o bagaço de cana-de-açucar, contém uma grande
quantidade de compostos orgânicos que podem inibir os processos de hidrólise enzimática e fermentação a bioetanol, tais como compostos
furânicos e ácidos fenólicos derivados da degradação de (hemi)celuloses e lignina, respectivamente. Em nossos estudos, o bagaço de cana
foi pré-tratado a vapor sob diferentes condições experimentais (195-210 ºC, 4-8 min). As amostras de bagaço estudadas continham em média
50% de umidade e foram pré-tratadas na ausência e na presença de ácido fosfórico como catalisador. Os experimentos realizados a 210°C
por 4 min resultaram nos maiores índices de recuperação da celulose e das hemiceluloses em relação à composição química do bagaço não
tratado. Ácidos fenólicos e compostos furânicos também foram caracterizados qualitativa e quantitativamente nos hidrolisados oriundos
do processo de explosão a vapor. A presença destes compostos, determinada por técnicas cromatográficas e espectrométricas, permitiu
demonstrar que estes se encontram em concentrações não inibitórias, e que os principais fatores limitantes da hidrólise enzimática são a
inibição retroativa pelo acúmulo dos produtos de reação (glucose e celobiose) e a adsorção inespecífica sobre componentes não celulósicos
como, por exemplo, os complexos lignina-carboidrato.
SÍNTESE DE MALEATOS COPOLIMÉRICOS COMO ADITIVOS PARA BIODIESEL
CARACTERIZAÇÃO DO HIDROLISADO DO BAGAÇO DE CANA PRÉ-TRATADO A VAPOR
Aluno de Iniciação Científca: Murian Rafael Caetano Di Cicco (UFPR – TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007004
Orientador: Maria Aparecida Ferreira César-Oliveira
Colaborador: Angelo Roberto dos Santos Oliveira (M.Sc.), Aline Silva Muniz (Mestranda, REUNI).
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: biodiesel, aditivos poliméricos, ponto de fuidez.
Área de Conhecimento: Química Orgânica - 1.06.01.00-7
Aluno de Iniciação Científca: Natalia Neuhaus (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1993003323
Orientador: Luiz Pereira Ramos
Co-Orientador(es): Ana Paula Pitarelo, Arion Zandoná Filho
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: bagaço de cana, explosão a vapor, bioetanol.
Área de Conhecimento: 5.02.04.06-8
0189
0190
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
116
Uma substância é caracterizada como termocrômica quando uma mudança de cor é muito evidente ou quando as variações ocorrem de forma
abrupta em uma pequena faixa de temperatura, podendo ser observado tanto no estado sólido ou líquido (puro) quanto em solução. Em
compostos de coordenação, este fenômeno geralmente está associado a processos de baixo custo energético, como mudanças na geometria
molecular ou no número de moléculas de solvente na esfera de coordenação do metais, estabelecimento de equilíbrio dinâmico entre espécies
em solução ou fluxionalidade dos ligantes. O objetivo geral do trabalho é elucidar, desenvolver e otimizar um modelo científico que permita
correlacionar a estrutura molecular/eletrônica de complexos termocrômicos de vanádio com o seu comportamento espectroscópico. Para
efetivar tal propósito, estudos teóricos foram procedidos com o composto de fórmula geral [{V
IV
(OR)
4
}
n
], no qual R=ciclohexila, (sintetizado
recentemente por nosso grupo de pesquisa), empregando-se ferramentas de modelagem molecular. O primeiro passo foi otimizar a geometria
dos complexos mono(S=1/2) e binuclear(S=1) e na sequência partiu-se para os cálculos dos espectros vibracional (IR) e eletrônico (UV),
dos compostos já citados, buscando-se prever a ocorrência do possível termocromismo. As bandas no espectro vibracional apresentaram
desvios para a região de menor energia, com erros inferiores a 5% em relação ao experimental. Para o espectro eletrônico, bandas em 663
nm e 728 nm foram observadas para o complexo binuclear e a diminuição de suas intensidades junto com o aparecimento de bandas na
região de 400 nm para o complexo mononuclear, concordando com os dados experimentais. Os dados experimentais obtidos em estado
sólido e em solução, em baixa e altas temperaturas, são congruentes com aqueles calculados para os complexos bi e mononucleares,
respectivamente. Isto é um forte indicativo de que o termocromismo observado nos compostos [{V
IV
(OR)
4
}
n
] opera por um mecanismo
de agregação-desagregação molecular. Como nem todos os radicais R são capazes de produzir compostos [{V
IV
(OR)
4
}
n
] termocrômicos,
agora, está se fazendo um estudo metodológico, objetivando correlacionar aspectos estruturais – distâncias e ângulos de ligação – com
a ocorrência ou não de comportamento termocrômico. Para os cálculos, foram utilizados o funcional B3LYP, da Teoria do Funcional de
Densidade – DFT, e o conjunto de funções de base LANL2DZ, ambos disponibilizados no software GAUSSIAN
®
/2003.
Biosurfactantes (BS) são moléculas anfipáticas que apresentam entre outras propriedades a capacidade de redução da tensão superficial (TS),
o poder de emulsificação e de solubilização de fases, podendo ser utilizados em diversos setores industriais. Nos últimos anos, os BS têm
atraído grande atenção devido à sua baixa toxicidade e alta biodegradabilidade, quando comparados aos surfactantes sintéticos. Entretanto,
atualmente são pouco utilizados devido ao alto custo para a sua produção, que é decorrente basicamente dos processos de fermentação
submersa e dos baixos rendimentos do processo. Como uma alternativa para tornar os BS economicamente mais competitivos, sugere-se
a produção destes compostos por fermentação em estado sólido (FES), uma vez que podem ser utilizados resíduos agroindustriais como
substratos sólidos para o crescimento do microrganismo e produção de BS. Dentro deste contexto, este trabalho teve como objetivo a seleção
de substratos sólidos para a produção de BS por FES. Foram utilizadas duas cepas bacterianas, Bacilus sp, isolada de solo contaminado com
água de produção de petróleo e B. pumilus UFPEDA 448, isolada de bagaço de cana-de-açúcar. Os cultivos foram conduzidos a 37°C em
Erlenmeyers de 250 mL com 10 g dos substratos bagaço de cana, palha de arroz, farelo de milho e okara (subproduto da extração do leite
de soja) e também misturas (5:5 m/m) de bagaço de cana e okara e palha de arroz e okara, e (9:1 m/m) okara e espuma de poliuretano.
Estes substratos foram umedecidos com meio salino enriquecido com 4% (m/v) de glicerol, em quantidade suficiente para atingir o índice
de absorção máximo de cada sólido. O teor de umidade foi determinado através de balança de infravermelho. Após 72 h, os cultivos foram
interrompidos e o BS produzido foi extraído pela adição de água ao sistema. O extrato aquoso obtido foi submetido às determinações da
TS e da diluição micelar crítica (DMC). Observou-se que a cepa de B. pumilus apresentou os melhores resultados, sendo que a mistura de
okara e bagaço de cana, com umidade inicial de 79%, consistiu no melhor substrato sólido para a produção do BS, com uma redução da
TS de 34% em relação ao meio de cultivo sem inóculo. Os dados obtidos pela quantificação indireta através da DMC também mostraram
uma maior produção de BS por B. pumilus cultivado em bagaço de cana e okara, com valores de DMC de 32. Estes resultados mostram que
é possível a produção de BS por FES e justificam a continuidade destes estudos com relação à otimização das condições de fermentação
visando aumento de produtividade.
ESTUDO TEÓRICO DAS PROPRIEDADES TERMOCRÔMICAS DE COMPLEXOS MONO E
POLINUCLEARES DE VANÁDIO
PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BIOSURFACTANTES
Aluno de Iniciação Científca: Otávio Fuganti (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021303
Orientador: Prof. Dr. Eduardo Lemos de Sá Co-Orientadores: Profª. Drª. Giovana Gioppo Nunes, Profª. Drª. Jaísa Fernandes Soares
Colaborador: Danilo Stinghen (IC), Thaiane Gregório (IC)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: termocromismo, alcóxido, vanádio.
Área de Conhecimento: 1.06.03.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Paola Augusta Yaegashi Paludo (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005017310
Orientador: Nadia Krieger
Colaborador: Christiane Trevisan Slivinski (DOUTORANDA / PGBIOQ / CNPq)
Departamento: Química - Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: biosurfactantes, fermentação em estado sólido, okara
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
0191
0192
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
117
A utilização de compostos de coordenação como catalisadores em processos oxidativos de degradação de poluentes, em especial a degradação
de corantes, está em constante crescimento. Complexos de manganês são usados nesses processos pela variabilidade de estados de oxidação
do metal adequada a sua participação em reações redox. Destaca-se o uso de peróxido de hidrogênio como oxidante, que ao reagir com os
catalisadores gera espécies reativas de alta valência (Mn
IV
=O) ou espécies radicalares, como o radical OH
-
•, podendo promover a degradação
oxidativa de corantes. Mas sua decomposição em água e dioxigênio, também é catalisada por complexos de manganês, ocasionando em
perda de oxidante. A determinação das quantidades de oxidante perdidas por decomposição e disponíveis para a oxidação pode auxiliar na
definição de condições de reação que favoreçam um processo em detrimento a outro. O objetivo deste trabalho é a aplicação de um método
espectrofotométrico de acompanhamento de concentrações de peróxido de hidrogênio durante reações de branqueamento do corante alaranjado
de metila, usando o complexo de manganês [Mn
III
2
(bbppnol)(μ-O
2
CCH
3
)
2
]PF
6
como catalisador. O método aplicado foi a geração do cátion
peroxovanádio de coloração alaranjada e máximo de absorbância em 446nm, pela reação de metavanadato de amônio em meio ácido (H
2
SO
4
)
com peróxido de hidrogênio. O acompanhamento do decréscimo de concentração de peróxido foi efetuado para reações de degradação de
corante (corante/peróxido/catalisador), e de decomposição do peróxido na presença do catalisador (peróxido/catalisador). Foram retiradas
alíquotas de 100 μL do meio de reação, em intervalos de 5 minutos, e adicionadas a 2 mL de solução acidificada de metavanadato de amônio
previamente preparada e 1 mL de água deionizada. As concentrações de peróxido foram determinadas pela aplicação das absorbâncias em
446 nm a uma curva de calibração. Nos testes realizados para a condição peróxido/catalisador (1), a concentração de peróxido em mol.L
-1

cai em média de 7,24x10
-4
para 8,47x10
-5
no intervalo de 60 minutos e para a condição com a presença do corante (2), de 1,23x10
-3
para
1,16x10
-6
, atingindo o

limite de detecção do método em 20 minutos de reação. Na condição (1) durante 20 minutos, o decréscimo foi de
3,60x10
-4
, mostrando que a decomposição do peróxido é lenta, restando 49,7% do oxidante para possível degradação do corante. Pelos
bons resultados, pretende-se acompanhar novas condições e reações de diferentes catalisadores.
Atualmente existe um grande interesse em alimentos que não só proporcionam sabor apreciável, como também apresentam benefícios à
saúde. Por isso o vinho tem sido objeto de muitos estudos, pois possui uma grande influência benéfica à saúde, sendo capaz de reduzir o
risco de doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer. Essas propriedades saudáveis do vinho são atribuídas à sua atividade antioxidante,
que é a capacidade de eliminar radicais livres. Existem diversos métodos para avaliação da atividade antioxidante, dentre os quais um dos
mais utilizados é o método do ABTS. No qual, o radical livre ABTS
•+
(2,2′-azinobis (3-etilbenzotiazolina-6-sulfonato) pode ser gerado
através de uma reação química de oxidação com persulfato de potássio (K
2
S
2
O
8
). Neste trabalho, a atividade antioxidante em amostras de
vinhos tintos foi avaliada pelo método espectrofotométrico através da descoloração do radical ABTS
•+
. Preparou-se uma curva padrão com
concentrações de 100μM a 2000μM de Trolox (6-hidroxi-2,5,7,8-tetrametilcromo-2-ácido carboxílico) e as medidas de absorbância foram
realizadas, em 734 nm, 6 minutos após a adição da solução padrão ou da amostra de vinho. Os resultados foram expressos em atividade
antioxidante equivalente ao Trolox (TEAC) em mL do vinho. A concentração do radical ABTS, também, será monitorada por Ressonância
Magnética Eletrônica (EPR), gerando um sinal com intensidade proporcional a quantidade de spins desemparelhados (presentes em radicais
livres). Soluções do radical ABTS
•+
que não contêm vinho, quando observadas no EPR, apresentam concentrações constantes de radical, já
que não há a presença de antioxidante. As soluções contendo vinho apresentam decréscimos da amplitude espectral no EPR. A concentração
do radical será calculada pela dupla integral do espectro EPR e convertida em capacidade antioxidante equivalente de Trolox (TEAC) em
mL de vinho como determinado por espectroscopia no visível. Os resultados obtidos empregando a espectroscopia na região do visível e
a ressonância magnética eletrônica serão analisados e comparados.
ESTUDO DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO DE MANGANÊS E FERRO COMO ATIVADORES DE
PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO EM PROCESSOS DE BRANQUEAMENTO
DERTERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE VINHOS TINTOS POR ESPECTROSCOPIA
NO VISÍVEL E RESSONÂNCIA PARAMAGNÉTICA ELETRÔNICA
Aluno de Iniciação Científca: Paola Strapasson (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023640
Orientador: Sueli Maria Drechsel
Colaborador: Camila Anchau Wegermann; Kheoma Felipe da Rocha
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: complexos de manganês , peróxido de hidrogênio, método espectrofotométrico.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3 – Química Inorgânica
Aluno de Iniciação Científca: Rayta Paim Horta (PET - SESu)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009000001
Orientador: Iara Messerschmidt
Colaborador: Karen Mary Mantovani, Ronny Rocha Ribeiro, Antonio Salvio Mangrich
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: vinho tinto, potencial antioxidante, EPR.
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
0193
0194
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
118
O uso de materiais inorgânicos e polímeros condutores em dispositivos eletrocrômicos têm sido bastante investigados nos últimos anos.
Dentro deste contexto, a proposta desta pesquisa é sintetizar eletroquimicamente sobre ITO (óxido de índio e estanho) filmes de: (i)
polianilina sulfonada (SPAN), (ii) azul da Prússia (BP) e (iii) filmes compostos por uma bicamada de Azul da Prússia (PB) sobre um filme
de polianilina sulfonada (SPAN). A seguir, deve-se proceder à caracterização eletrocrômica destes materiais que envolve a determinação dos
seguintes parâmetros: tempo de resposta, memória óptica, estabilidade, eficiência coulômbica e eletrocrômica. Tal caracterização foi feita
em meio aquoso de KCl com HCl, através do acoplamento de um potenciostato a um espectrofotômetro de UV-VIS. Os resultados obtidos
revelaram que a bicamada exibiu propriedades eletrocrômicas intermediárias entre a SPAN e a PB. Tal resultado não foi o desejado, uma
vez que esperava-se que houvesse sinergismo entre os dois materiais. Assim, pretende-se em trabalhos futuros, otimizar a espessura das
camadas e utilizar meio não aquoso como eletrólito, de modo a se obter um material com possibilidade de aplicação comercial.
As metaloporfirinas são compostos intensamente estudados como catalisadores de reações de oxidação de uma vasta quantidade de
substratos sob condições brandas. A possibilidade de recuperação e reciclagem do catalisador tem direcionado as pesquisas para a obtenção
de catalisadores heterogêneos baseados nestes compostos. Neste trabalho relatamos a imobilização de uma ferroporfirina [Fe(TDCSPP)])
(FePor) em sílica funcionalizada obtida pelo processo sol-gel através da reação com cloreto de 3-n-propil-(3-metilpiridil) silsesquioxano
(Si3PicClB). A atividade catalítica do material obtido foi explorada em reações de oxidação visando observar a influência do suporte no
desempenho catalítico. A matriz de sílica foi obtida pelo processo sol-gel hidrolítico catalisado por ácido usando TEOS (Si(OC
2
H
5
)
4
) como
fonte de silício na presença de CPTS (C
6
H
15
ClO
3
Si) e em solvente apropriado. A imobilização da FePor foi feita através da suspensão
da sílica em metanol, seguida da adição de uma solução metanólica da FePor (2,01 x 10
-4
mol L
-1
) sob agitação magnética e temperatura
ambiente. O sólido obtido foi lavado e seco a 70ºC. A quantidade de FePor no sólido foi determinada por espectroscopia UV-Vis (4,0 x 10
-5

mol g
-1
). A análise de RPE do sólido mostrou sinais característicos de Fe(III) spin alto, indicando a presença da FePor no suporte. O espectro
de FTIR mostrou bandas características do suporte (vibrações dos grupos Si-OH, –CH
3
, Si-O-Si). As bandas características da FePor não
foram observadas devido à baixa concentração do complexo na matriz. A atividade catalítica do sólido foi investigada frente à oxidação
do cicloocteno por iodosilbenzeno. Observou-se rendimento de 80 % para formação de ciclooctenóxido, superior à catálise homogênea
nas mesmas condições (70%). Não foi observada lixiviação da FePor durante a reação, o que viabiliza a reutilização do sólido FePor-Si.
ELETROCROMISMO DE BICAMADAS DE POLIANILINA SULFONADA E AZUL DA PRÚSSIA EM MEIO
AQUOSO
USO DE CATALISADORES PARA REAÇÕES DE OXIDAÇÃO BASEADOS EM FERROPORFIRINAS
IMOBILIZADAS EM SÍLICA ORGANOFUNCIONALIZADA
Aluno de Iniciação Científca: Renato Cesar Dias Bittencourt (PIBIC- CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004013724
Orientador: Regina Maria Queiroz de Mello
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Eletrocromismo, Polianilina Sulfonada , Azul da Prússia.
Área de Conhecimento: Eletroquímica – 1.06.03.02-6
Aluno de Iniciação Científca: Ricardo Ferraz da Silva (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005816
Orientador: Fernando Wypych Co-Orientadora: Shirley Nakagaki
Colaborador: Kelly A.D.F. Castro (DOUT./CAPES) e Geani M. Ucoski (DOUT./CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: porfrina, catálise, oxidação.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica – 1.06.02.00-3
0195
0196
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
119
Este estudo teve por objetivo investigar os parâmetros reacionais que interferem na eficácia do processo de hidrólise enzimática do bagaço
de cana pré-tratado a vapor. Para tal estudo, foi utilizado o modelo cinético HCH-1, que se encontra descrito abaixo:
O pré-tratamento a vapor foi realizado a 210ºC por 4 minutos utilizando bagaço com 50% de umidade sem (auto-hidrólise) e com impregnação
com H
2
SO
4
ou H
3
PO
4
, na concentração de 9,5 mg ácido/g de bagaço seco. O bagaço pré-tratado foi submetido a dois processos de lavagem:
com água, para a remoção dos compostos solúveis, e depois com água e álcali (hidróxido de sódio 1 mol.L
-1
sob refluxo por 1 h), para a
remoção da lignina. Todos os substratos foram submetidos a uma condição padrão de hidrólise enzimática, baseada no uso de uma mistura
de Celluclast 1.5L FG
®
e Novozym 188
®
(Novozymes) com diferentes atividades celulásicas (8, 15 e 24 FPU.g
-1
de substrato). O modelo
cinético proposto mostrou que a lavagem com água e/ou álcali não foi essencial para obtenção de um substrato de alta eficiência para
hidrólise enzimática, e que os melhores substratos foram obtidos a partir do pré-tratamento com catálise fosfórica. Além disso, o emprego
de altas proporções entre substrato e enzima (ou baixas cargas enzimáticas de 8 FPU.g
-1
de substrato) resultou nas melhores eficiências de
hidrólise. A melhor constante cinética (k = 2,36.10
-11
) foi derivada da hidrólise, com 8 FPU.g
-1
de substrato, de amostras de substrato não
lavado que foram obtidas por explosão a vapor de bagaço de impregnado com ácido fosfórico.
Os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA) são uma classe de poluentes orgânicos presentes em diversos compartimentos ambientais,
terrestres e aquáticos. Devido à sua ampla ocorrência, persistência, complexidade e propriedades tóxicas, os HPA têm sido extensivamente
estudados com o intuito de entender suas fontes, destino, distribuição e efeitos no ambiente. Para serem determinados é necessário removê-
los da matriz em estudo e este processo, de maneira geral, envolve as seguintes etapas: extração, concentração e clean up e, finalmente, sua
determinação, frequentemente por cromatografia em fase gasosa. Em cada uma das etapas envolvidas no preparo de amostra devem ser
tomados diversos cuidados de forma a não comprometer os resultados esperados. Embora existam técnicas consolidadas para a determinação
destes compostos, elas ainda apresentam algumas deficiências que precisam ser melhoradas. Com base nestes aspectos o objetivo deste
trabalho é aperfeiçoar o processo de extração liquido-liquido e a etapa de concentração para determinação dos HPA por CG-EM. Os estudos
envolvidos na etapa de extração foram feitos a partir da adição de uma solução padrão de HPA em água Milli-Q. Primeiramente, foram
estudados os solventes extratores diclorometano e diclorometano:hexano (2:1). Em seguida foram avaliadas duas formas de eliminação de
água presente na fase orgânica: a primeira consistiu na eluição do extrato em uma coluna empacotada com Na
2
SO
4
, e a outra, adicionando-se
Na
2
SO
4
diretamente ao extrato com posterior filtração. A etapa de concentração foi avaliada com adição de padrão de HPA em solvente em
3 diferentes condições: concentração somente no rotaevaporador, concentração em rotaevaporador e sob fluxo de nitrogênio e concentração
no rotaevaporador até secura com recuperação dos analitos com solvente. As frações obtidas em cada etapa foram injetas no CG-EM e
posteriormente avaliadas. Ficou demonstrado, após as análises, que a extração com diclorometano foi a mais efetiva com 70 a 160% de
recuperação dos compostos, dentro do intervalo de recuperação aceitável (70 a 120%). A utilização do sistema em coluna para remoção de
H
2
O apresentou valores mais satisfatórios, pois não requer a etapa extra de filtração. Na etapa de concentração todos os métodos testados
geram perdas dos compostos mais voláteis, entretanto o teste que apresentou até o momento melhor recuperação foi utilizando apenas o
rotaevaporador.
ESTUDO DA EFICÁCIA DA REAÇÃO DE HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO BAGAÇO DE CANA PRÉ-
TRATADO A VAPOR ATRAVÉS DO MODELO CINÉTICO HCH-1 MODIFICADO
IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO ANALÍTICO PARA A DETERMINAÇÃO DE MICROPOLUENTES
ORGÂNICOS EM SEDIMENTOS COM ÊNFASE PARA HIDROCARBONETOS POLARES
Aluno de Iniciação Científca: Rodrigo Souza Aguiar (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1993003323
Orientador: Luiz Pereira Ramos
Colaboradores: Ana Paula Pitarelo e Marcos Henrique Luciano Silveira
Departamento: Química Setor: Exatas
Palavras-chave: modelo cinético, hidrólise enzimática, bagaço de cana.
Área de Conhecimento: Tecnologia Química – 3.06.03.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Rogério da Silva Souza (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES:2009023563
Orientador: Marco Tadeu Grassi
Colaboradores: Vânia Ribeiro Ferreira (MESTRANDO/CAPES), Lucélia Taverna Maschio (MESTRANDO/CAPES)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: HPA, extração, CG-EM
Área de Conhecimento: 1.06.04.00-6
0197
0198
k
1
k
-1
[S]

+ [E
t
] [E
u
] +[P] [E
u
S
u
]
k
2
K
i
[E
i
I]
+
[I]
K
-i
[E
a
]
K
-a
K
a
em que:
concentração total de celulose;
concentração enzimática total;
concentração enzimática adsorvida;
concentração do complexo enzima-substrato
útil, passível de liberar glucose;
concentração enzimática necessária para liberar
a glucose presente no sistema;
concentração de glucose;
concentração de inibidor;
concentração do complexo enzima-inibidor;
constantes cinéticas.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
120
Devido às suas propriedades únicas, o Azul da Prússia (AP) vem sendo muito estudado para aplicações diversas, mas principalmente para
sua utilização em sensores e biosensores, uma vez que possui excelente atividade catalítica perante a redução do peróxido de hidrogênio.
Nanotubos de carbono (NTC), por sua vez, possuem propriedades únicas, como alta resistência mecânica e condutividade elétrica, que em
conjunto com o AP, formam eletrodos ideais na utilização como sensores de H
2
O
2
, já que apresentam melhor estabilidade em pH neutro e
estabilidade eletroquímica. A partir da rota desenvolvida no nosso grupo de pesquisa, onde eletrodos de AP/NTC são preparados a partir de
reação eletroquímica entre uma solução de K
3
[Fe(CN)
6
] e NTC preenchidos com espécies de ferro, um estudo foi realizado sobre a influência
do número de ciclos e prévio tratamento dos NTC sobre as propriedades dos eletrodos quimicamente modificados. Para a construção dos
eletrodos, uma pasta de carbono foi preparada através de uma mistura 70/30 (m/m) de NTC (tipo multi-paredes, contendo ferro e óxido de
ferro) e nujol, e colocada na abertura de um tubo de polipropileno, contendo fio de cobre em seu interior. Através de voltametria cíclica, a
saturação de deposição de AP sobre o eletrodo foi observada. Realizaram-se 300, 500, 600 e 700 ciclos em uma velocidade de varredura de
50mVs
-1
, janela de potencial de -0.3 a +1.2V, tendo como eletrólito uma solução de 0,1 molL
-1
de KCl e 0,1 mmolL
-1
de K
3
[Fe(CN)
6
]. Os
voltamogramas obtidos para os eletrodos feitos com NTC não tratados são característico do AP, com uma intensidade de corrente crescente
a cada ciclo, indicando que após 700 ciclos o sistema ainda não atingiu a saturação. Devido ao contato íntimo entre o AP e o NTC, o AP
preparado por esta rota apresenta alta estabilidade eletroquímica, o que foi constatado por voltametria em solução aquosa de KCl 0,05
mol.L
-1
. Um tratamento prévio dos NTC foi realizado em refluxo ácido de HCl 1 molL
-1
e HNO
3
3 molL
-1
por 6h, visando eliminar outras
formas de carbono e as amostras metálicas não incorporadas nas cavidades dos nanotubos. Esta amostra foi utilizada para a confecção de
eletrodos similares aos anteriores. Verificou-se que não ocorre a formação de AP sobre esse tipo de eletrodo. Desse modo conclui-se que
a deposição de AP sobre eletrodo de pasta de carbono é contínua até 700 ciclos, não ocorrendo saturação. Não há formação de AP sobre
eletrodo de amostra de NTC purificados, mostrando que é necessária a presença de espécies de ferro mais superficiais para que ocorra a
eletrodeposição de AP.
A tuberculose é uma doença infecto-contagiosa grave causada pelo bacilo Mycobacterium tuberculosis, também conhecido como bacilo
de Koch. A OMS classifica esta doença como uma das doenças negligenciadas, ou seja, aquelas que afetam milhares de pessoas, mas que
não apresentam atrativos econômicos para investimento, já que atingem principalmente populações de países em desenvolvimento. Sua
terapêutica utiliza na segunda etapa de tratamento (4 meses), a associação Rifampicina (RIF) e a Isoniazida (INH), cujo controle analítico
aponta a técnica de HPLC como a recomendada pela Farmacopéia. Com o objetivo de desenvolver um controle de qualidade mais rápido,
barato e também eficiente, este trabalho avalia a utilização da espectrofotometria na região do visível associada a métodos de Regressão por
Mínimos Quadrados Parciais (PLSR) para a determinação simultânea de RIF e INH. A metodologia proposta consiste na derivatização dos
analitos utilizando dois conjuntos de reagentes colorimétricos: Fe
3+
e o-fenantrolina, neocuproina e Cu
2+
. A capacidade de previsão desta
metodologia foi comparada a métodos convencionais de análise (curva analítica, princípio da aditividade espectrofotométrica – PAE e curva
analítica da primeira derivada dos dados espectrais – método derivativo). Para os experimentos realizados com Fe
3+
e o-fenantrolina, não
foram alcançados resultados satisfatórios. A formação de complexos com diversas estequiometrias dificultam a obtenção de relações lineares
entre valores de absorbância e concentração. Para a metodologia que utiliza neocuproina e o íon Cu
2+
, os resultados são satisfatórios. Neste
caso, a RIF complexa diretamente com íons Cu
2+
, enquanto os íons Cu (II) são reduzidos pela INH a cobre (I), que por sua vez formam
o complexo Cu(I)-NC, que apresenta absorção máxima em 454 nm. Os métodos espectrofotométricos convencionais apresentaram baixa
capacidade de previsão, frente a um conjunto de validação externa, sendo que os menores erros relativos médio (E
r
) foram obtidos na
determinação de RIF por PAE (E
r
=99,7 %) e INH via curva analítica (E
r
=45.02 %). Por outro lado, o modelo multivariado construído com
faixa espectral visível completa (350-800 nm) utilizando 3 variáveis latentes (explica 100% da variância espectral e 99,99% da variância
dos dados de concentração) apresentou um E
r
de 1,63% para RIF e 1,82% para INH, evidenciando que o método PLSR apresentou melhores
resultados para a quantificação simultânea dos analitos complexados, quando comparado aos modelos convencionais.
ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA DEPOSIÇÃO DO AZUL DA PRÚSSIA SOBRE ELETRODOS DE
PASTA DE NANOTUBOS DE CARBONO
UTILIZAÇÃO DE ESPECTROFOTOMETRIA NA REGIÃO DO VISÍVEL ASSOCIADA A FERRAMENTAS
DE CALIBRAÇÃO MULTIVARIADA NO CONTROLE DE QUALIDADE DE TUBERCULOSTÁTICOS.
Aluno de Iniciação Científca: Samantha Husmann (PET/FNDE)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1998005250
Orientador: Aldo José Gorgatti Zarbin
Colaborador: Edson Nossol
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: azul da Prússia, eletrodos, nanotubos de carbono.
Área de Conhecimento: Química Inorgânica - 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Talita Maria Tavares (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023482
Orientador: Noemi Nagata
Colaborador: Sandra Stets (Mestranda/CAPES)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: Rifampicina, Isoniazida, PLSR
Área de Conhecimento: Química Analítica – 1.06.04.00-6
0199
0200
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
121
Alcóxidos de vanádio(IV) não-oxo apresentam comportamento termocrômico marcante em solução. Nosso grupo de pesquisa propõe
como causa deste fenômeno a existência de um equilíbrio entre as formas mono- e binucleares dos alcóxidos. Sistemas já bem estudados
envolvem espécies do tipo {V(OR)
4
}
n
, onde n = 1 ou 2 e R = terc-butil (Bu
t
), isopropil (Pr
i
) ou neopentil (Nep). Este trabalho busca
ampliar o entendimento dos fatores que afetam este equilíbrio através do estudo das propriedades espectroscópicas de outros complexos
com R = terc-pentil (Tep), sec-butil (Bu
s
) e n-butil (Bu
n
), usando o [V(OBu
t
)
4
] como referência. Os compostos são líquidos verdes para R
= Tep, Bu
s
e Bu
n
, e azul cobalto para Bu
t
. Destes, o produto com Bu
s
apresentou termocromismo reversível em solução e no líquido puro,
mostrando-se azul a T > 363 K, verde até 200 K e amarelo escuro abaixo de 200 K. Os espectros de RPE para as soluções dos complexos
com Bu
t
, Tep e Bu
s
a 298 K apresentam as oito linhas geradas pela interação do elétron desemparelhado (V
IV
, S = 1/2) com o spin nuclear
do vanádio (I = 7/2), com g
iso
= 1,96 e A
iso
= 190 MHz. Para Bu
t
e Tep, o espectro de RPE observado com o abaixamento da temperatura é
típico de espécies mononucleares de V
IV
; já para Bu
s
há o surgimento de um sinal em 1600 G correspondente a uma transição com ΔM
S
=
±2, que indica a presença de uma espécie binuclear (S = 1). Para Bu
n
, o espectro de RPE em todas as temperaturas apresenta uma linha larga
com g
iso
= 1,96 e A
H
~ 16.359 mT, compatível com a presença de alcóxidos de nuclearidade > 3. Os espectros eletrônicos dos complexos
com Bu
t
, Tep e Bu
s
em solução apresentam uma banda alargada com ì
max
entre 640 e 740 nm, atribuída a transições d-d do vanádio(IV)
em ambiente de simetria S
4
. Com a diminuição da temperatura, não há mudança no perfil espectral para R = Bu
t
e Tep. Já para Bu
s
, há o
surgimento de um ombro abaixo de 400 nm; esta absorção determina a cor amarela da solução. Estes resultados enfatizam a importância
de fatores estéreos na nuclearidade e no termocromismo de alcóxidos de V
IV
não-oxo: aqueles contendo grupos R muito volumosos, como
Tep e Bu
t
, apresentam-se sempre como monômeros em que o metal é tetracoordenado, enquanto aqueles menos impedidos, como quando
R = Bu
n
, formam oligômeros em que o metal é penta- ou hexacoordenado. Para grupos R intermediários em volume como Pr
i
, Nep e Bu
s
, o
balanço estéreo permite a existência do equilíbrio entre complexos mono- e binucleares (vanádio tetra- ou pentacordenado); este equilíbrio
é a base do termocromismo observado em solução.
Devido à grande importância de íons metálicos no meio biológico, é crescente o interesse na investigação de compostos biomiméticos, que
são substâncias sintéticas que imitam os compostos presentes nos seres vivos, estrutural e/ou funcionalmente. Uma das maiores aplicações
de interesse comercial de sistemas biomiméticos é a produção de novos catalisadores, que possuem importância econômica irrefutável, pois
contribuem para o aumento da eficiência e do rendimento de várias reações feitas em escala industrial e para a melhoria da qualidade de
vida da sociedade como um todo. No presente trabalho, foi feita a síntese de um ligante inédito na literatura, derivado da etilenodiamina,
o N,N’-bis(2-metilpiridil)-N-(2-hidroxibenzil)-N’-etil-etilenodiamina (Hbphbeten) e dois complexos, um de ferro(III) e outro de zinco(II)
contendo este ligante. O ligante foi sintetizado em três etapas a partir de N-etiletilenodiamina, salicilaldeído, boro-hidreto de sódio e
2-clorometilpiridina. Os complexos foram preparados pela mistura de um sal do metal e do ligante em solução metanólica, da qual foram
obtidos precipitados amorfos – azul escuro para ferro(III) e marrom para zinco(II). O ligante e os complexos foram caracterizados por FTIR,
em que se destacam as bandas em 758 cm
-1
(o
C-H
), 1246 cm
-1
(v
C-O
), 1436 cm
-1
– 1591 cm
-1
(v
C=C
e

v
C=N
), 2831 cm
-1
(v
C-H
) e 3065 cm
-1
(v
C-H
Ar) comum para os três compostos, além da banda em 1375 cm
-1
(o
O-H
Phe) que aparece apenas no espectro do ligante, sugerindo que
haja uma desprotonação do grupo fenol na coordenação, e da banda em 841 cm
-1
que aparece apenas nos complexos, atribuída ao modo
(v
P-F
) do contra-íon PF
6
-
, por meio do qual se infere que os complexos apresentem carga. O espectro eletrônico do complexo de ferro(III)
exibiu bandas intensas em 602 e 316 nm, que podem ser atribuídas a transições TCLM. O complexo zinco(II) exibiu apenas uma banda
intensa em 262 nm, que pode ter origem em transições internas do ligante ou uma TCML. O complexo de ferro foi caracterizado por EPR,
no qual se observou sinais em g = 4,3 e 6, característicos para Fe(III) em simetria rômbica. Com as caracterizações obtidas até o momento,
propõe-se a formação de estruturas mononuclerares de Fe(III) e Zn(II) [ML(S)]
n+
, em que S=solvente. Estudos de análise elementar, NMR
e de condutividade serão realizados, com o propósito de complementar a caracterização dos complexos obtidos, além da avaliação destes
complexos como compostos biomiméticos cataliticamente ativos frente à decomposição de corantes.
ESTUDO ESPECTROSCÓPICO DO COMPORTAMENTO TERMOCRÔMICO DE ALCÓXIDOS DE
VANÁDIO(IV)
ESTUDO DA REATIVIDADE DE COMPLEXOS FRENTE A BRANQUEAMENTO DE CORANTES
(SÍNTESE DE NOVOS COMPLEXOS A SEREM USADOS COMO CATALISADORES)
Aluna de Iniciação Científca: Thaiane Gregório (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022915
Orientadora: Giovana Gioppo Nunes Co-Orientador: Ronny Rocha Ribeiro
Colaboradores: Jaísa Fernandes Soares e Eduardo Lemos de Sá
Departamento: Química Setor: Exatas
Palavras-chave: vanádio(IV), alcóxidos, termocromismo.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Thaís Evangelista Ferreira (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023640
Orientador: Profa Dra Sueli Maria Drechsel
Colaborador: Profa Dra Stela Maris de Moraes Romanowski (PQ), Kheoma Felipe da Rocha
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: catalisador, compostos biomiméticos, ferro, zinco.
Área de Conhecimento: 1.06.02.00-3 – Química Inorgânica
0201
0202
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
122
O biodiesel é uma fonte renovável de energia em forte expansão de produção e uso. No Brasil, atualmente a produção de biodiesel provém
principalmente do óleo de soja e do metanol. Porém, diversos estudos vem sendo realizados para a utilização de outros óleos vegetais, gordura
animal e o etanol. Após a produção, o transporte, armazenamento e uso do biodiesel podem ser prejudicados pela tendência à solidificação
que o biodiesel apresenta, com a redução da temperatura. Para a solução deste problema e ampliação da comercialização e uso do biodiesel,
inclusive nas regiões de temperatura ambiente mais amena, a adição de compostos químicos que sejam capazes de melhorar os pontos de
fluidez (PP) e de névoa (CP) do biocombustível tem sido muito pesquisada. O ponto de fluidez é definido como a temperatura na qual o
combustível não consegue mais fluir e o ponto de névoa é a temperatura do início da formação de cristais. Com o objetivo de reduzir o PP e
o CP do biodiesel e de suas misturas com diesel de petróleo, foram desenvolvidos, neste trabalho, aditivos da classe dos ésteres poliméricos
de cadeia longa, a partir do poli(álcool vinílico) - PVAl - e dos ácidos: tetradecanóico, dodecanóico e octanóico. Os ésteres poliméricos
são compostos que possuem grupamentos éster pendentes à cadeia principal do polímero e vem sendo utilizados em diversos setores da
indústria, assim como na indústria do petróleo e de biocombustíveis. O PVAl é obtido por hidrólise do poli(acetato de vinila) em variados
graus. O PVAl empregado neste trabalho continha entre 15 a 20% de poli(acetato de vinila). Para a síntese dos ésteres poliméricos foram
testadas duas metodologias, variando-se também a proporção molar entre o PVAl e o ácido carboxílico, e o tempo de reação. Os melhores
rendimentos de éster polimérico foram alcançados utilizando-se a razão molar 1:1 (PVAl:ácido) e tempo de reação de 24 horas. Todos os
copolímeros sintetizados foram caracterizados por FTIR e RMN
1
H e utilizados na avaliação do desempenho sobre as propriedades de fluxo
a frio, por determinação dos valores de PP e CP, de amostras puras e aditivadas de éster etílico de soja - B100 (biodiesel puro) e B20 (blenda
de 20% de biodiesel e 80% de petrodiesel), com diversas concentrações de aditivo na faixa de 1000 a 25 ppm. Nos testes dos aditivos no
B100 não foram observadas reduções expressivas do PP e CP. Porém, na matriz B20 foram alcançados resultados significativos sobre o
ponto de fluidez, chegando a uma redução de até 21 ºC, utilizando-se concentrações de aditivo inferiores àquelas relatadas na literatura.
Este trabalho consiste na criação de um sistema gerenciador de imagens médicas e biológicas. Estas imagens são compartilhadas entre os
pesquisadores, usando a Internet, em um arquitetura cliente/servidor. A presente pesquisa está desenvolvendo a ferramenta SBIM (“Shared
Biological Image Management”), usando o sistema gerenciador de bancos de dados PostgreSQL e a linguagem de programação PHP, na
interface Web. No sistema proposto, os atributos da imagem são extraídos automaticamente e o uso das técnicas de recuperação de conteúdo
está sendo estudado para facilitar e melhorar a pesquisa das imagens, utilizando metadados para indexação das imagens. Esta é uma
das grandes vantagens da solução proposta, tornando o projeto inovador e permitindo a pesquisa das imagens mais eficiente e efetiva. A
metodologia desenvolvida nesta pesquisa está dividida em quatro etapas. A primeira consiste na análise da escolha do sistema gerenciador de
bancos de dados. A segunda etapa é a definição da modelagem de dados do sistema proposto. A terceira etapa é a implementação computacional
da ferramenta e finalmente, na quarta etapa, serão realizados os testes de validação do sistema. Atualmente, está na fase de implementação.
Para estudos futuros, o sistema proposto registrará o histórico e simplificará a análise dos resultados empíricos feitos pelos pesquisadores.
Como resultado de pesquisa, um artigo foi aceito no 6º Workshop de Visão Computacional (WVC2010), Presidente Prudente, São Paulo.
MODIFICAÇÃO QUÍMICA DE POLÍMEROS PARA A OBTENÇÃO DE ADITIVOS PARA A MELHORIA
DAS PROPRIEDADES DE FLUXO A FRIO DE COMBUSTÍVEIS
SISTEMA GERENCIADOR DE IMAGENS MÉDICAS
Aluno de Iniciação Científca: Vitor Vlnieska (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007004
Orientador: Maria Aparecida Ferreira César-Oliveira (Pesquisadora/CNPq)
Colaborador: Angelo Roberto dos Santos Oliveira (Mestre/CNPq); George Hideki Sakae (Mestrando/CNPq)
Departamento: Química Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: biodiesel, aditivos, ponto de fuidez.
Área de Conhecimento: 1.06.01.00-7
Aluno de Iniciação Científca: Gustavo Molitor Porcides (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023916
Orientador: Luiz Antônio Pereira Neves
Co-Orientador: Leandro Henrique Stein, Terumi Kamada
Departamento: Escola Técnica da UFPR Setor: Escola Técnica da UFPR
Palavras-chave: Gerenciador de Imagens Biológicas, Aplicação na Web, Banco de Dados.
Área de Conhecimento: 1.03.04.00-2
0203
0204
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
123
O estudo abordou a análise dinâmica de sistemas massa-mola, com ou sem amortecimento, submetidos a carregamento variável em função
do tempo. A integral de convolução, ou integral de superposição, presente na solução analítica, será calculada numericamente, linearizando
o carregamento em cada pequeno intervalo no qual o tempo total de análise foi dividido. As “condições finais” no instante imediatamente
anterior, em termos de deslocamento e velocidade, serão tratadas como “condições iniciais” para o instante atual, configurando um esquema
“passo a passo” de marcha no tempo. Para seguir essa estratégia, estabeleceu-se, a partir da solução analítica do problema, uma equação
para a velocidade. Outra abordagem emprega o Método das Diferenças Finitas, no qual as derivadas presentes na equação diferencial,
que exprime a situação física, são aproximadas por fórmulas de diferenças. Para a solução numérica do problema, será desenvolvido um
programa computacional. As respostas numéricas serão comparadas com as analíticas.
Foi desenvolvido um sítio web (www.bioinfo.ufpr.br/projetogeis) com o intuito de organizar e disponibilizar publicamente os dados
técnicos, resultados relevantes e publicações relacionadas ao projeto “Automação do processo de interpretação de géis de eletroforese
in sílico utilizando algoritmos genéticos e outras técnicas de inteligência artificial”. A concepção do sítio e a divulgação pública dos
resultados eram metas previstas no cronograma inicial do projeto. Para sua concepção foram utilizadas a linguagem de programação PHP,
aliada às tecnologias HTML, XML e JavaScript. Como conteúdos do sítio, além de um breve histórico sobre o projeto, são apresentados e
disponibilizados para download, os produtos desenvolvidos durante a execução do mesmo: os softwares SabiA (Soluções Automatizadas
em Bioinformática utilizando Inteligência Artificial) e SOFIA (Software Otimizado de Filtro(s) com Inteligência Artificial). O primeiro
corresponde a um software de processamento “autônomo”, capaz de ler, interpretar e analisar imagens digitais de géis de eletroforese. O
segundo se apresenta como um software capaz de efetuar o pré-processamento das imagens digitais de géis 2-D resultantes das pesquisas
proteômicas. Ambos utilizam técnicas de Visão Computacional, aliadas a estratégias de Inteligência Artificial (como Algoritmos Genéticos)
para a resolução de problemas. Além das últimas versões dos softwares para download e instalação, toda a documentação técnica a eles
relacionada também se encontra disponível para consulta.
MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO A VIBRAÇÕES EM SISTEMAS MASSA-MOLA
ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO DE SOFTWARE DE INTERPRETAÇÃO DE GÉIS DE
ELETROFORESE IN SÍLICO.
Aluno de Iniciação Científca: Paulo de Oliveira Weinhardt (PICME - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021786
Orientador: José Antonio Marques Carrer
Departamento: Matemática Setor: Ciências Exatas
Palavras-chave: método das diferenças fnitas, sistema massa-mola e integral de Duhamel.
Área de Conhecimento: Matemática Aplicada - 1.01.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Raphael de Assumpção Jamielniak (Programa - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022512
Orientador: Roberto Tadeu Raittz
Colaborador: Michelly Alves Coutinho Gehlen e Vanely Souza
Departamento: Escola Técnica da UFPR Setor: Escola Técnica da UFPR
Palavras-chave: Algoritmos Evolutivos, Visão Computacional, Inteligência Artifcial.
Área de Conhecimento: 0.00.00.00-0
0205
0206
Ciências Biológicas
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
127
Considerando-se a labilidade das peças neuroanatômicas, sua dificuldade de obtenção e, principalmente, a quantidade limitada de informação
que pode ser extraída de uma peça individualmente pelo sistema tradicional gera a necessidade de vários espécimes para a montagem de
um acervo didático que faça uma ampla demonstração morfológica. Diante disso, a digitalização e perpetuação da informação contida em
uma peça-modelo permitirão o fácil acesso a uma riqueza de conhecimento sobre a anatomia do sistema nervoso central. Neste contexto
objetivamos executar uma digitalização metamérica do Sistema Nervoso Central, obter material descritivo e tridimensional; obter registro
e acesso detalhado a informações segmentares e supra-segmentares, bem como gerar informações morfológicas tridimensionais para a
elaboração de material anatômico didático. A metodologia empregada baseou-se na dissecação clássica do animal experimental, dois cães
domésticos, obtidos no Departamento de Anatomia. Houve a exposição do neuroeixo e extração separadamente da medula espinhal e do
encéfalo dos animais, com remoção da dura-máter e aracnóide. Procedeu-se à inclusão do material em glicerina derretida para secção seriada
de 5mm de espessura e fotodocumentação com maquina fotográfica montada em estativa e sob iluminação difusa. As imagens digitalizadas
foram analisadas e realinhadas no software livre Reconstruct para posterior reconstrução no software Autodesk 3dsmax
®
. Os resultados
obtidos até presente momento foram imagens digitalizadas com demonstração metamérica das estruturas neuroanatômicas, registro e acervo
de imagens seriadas e realinhadas da medula espinhal, um modelo tridimensional interativo da medula espinhal e registro de imagens seriadas
do encéfalo, arquivo de imagens neuroanatômicas seccionais do neuroeixo. Não foi possível a obtenção de um detalhamento preciso das
estruturas segmentares e supra-segmentares devido à inadequação da inclusão em glicerina e ausência de equipamento adequado para secção
mesoscópica do material. Concluímos que o método utilizado é viável para a aquisição acurada do contorno externo do sistema nervoso
central e para descrição e registro neuroanatômico com fins didáticos.
DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL - RECONSTRUÇÃO TRIDIMENSIONAL
ATRAVÉS DE SOFTWARE INDUSTRIAL
Aluno de Iniciação Científca: Daniel Dias da Silva Cavalheiro (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023544
Orientador: Murilo Sousa de Meneses Co-Orientador: Djanira Aparecida da Luz Veronez
Colaborador: João Otávio S. B. V. Marques
Departamento: Anatomia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Neuroanatomia, Reconstrução tridimensional, Informática Biomédica
Área de Conhecimento: 2.06.04.00-9 Anatomia
0207
A determinação da faixa etária dos animais pode ser estimada por meio do conhecimento do período de erupção dos distintos dentes
(heterodontia) que formam as arcadas dentárias decídua e permanente (difiodontia) e pela morfologia dos dentes incisivos. O atual trabalho
almejou confeccionar moldes e modelos de dentes incisivos inferiores de equinos destinados ao estudo das variações morfológicas em distintas
faixas etárias; as túnicas que constituem as regiões da coroa e raiz dos dentes e das faces anatômicas dos dentes incisivos. Realizou-se a
confecção de um molde dentário por meio da imersão vertical de um dente incisivo de eqüino durante 12 horas em recipiente que continha
solução de borracha de silicone. Após a elaboração do molde procedeu-se a confecção dos modelos de dentes incisivos utilizando-se
gesso em pó diluído em água, na proporção de 5:1. Replicaram-se vários modelos de dentes de gesso destinados ao estudo morfológico
do dente incisivo, desta maneira, foram efetuados desgastes, modelagens e coloração da superfície oclusal (mesa dentária) simulando as
distintas faixas etárias. À similitude, procedeu-se a elaboração de modelos de dentes de gesso que foram seccionados transversalmente para
a confecção de distintas túnicas: esmalte, cemento, dentina e polpa dentária. Modelaram-se dentes para a verificação da coroa e raiz e das
seguintes superfícies: oclusal, mesial, distal, vestibular e lingual. Os incisivos permanentes apresentam a forma de uma pirâmide triangular
recurvada sobre a aresta interna. Devido a esta forma particular, dada pela disposição das arestas, a secção transversal do incisivo, a partir da
base é inicialmente elíptica, depois oval, e em seguida redonda, para depois de triangular passar finalmente a biangular quando se aproxima
do vértice. Os dentes incisivos centrais (pinças), os médios e os laterais (cantos) se nivelam em épocas diferentes e na mesma sequência:
pinças = seis anos, médios = sete anos, cantos = oito anos. Após os oito anos, o contorno da mesa dentária é o que nos orienta ao cálculo da
idade, sendo que, ao longo dos anos, passa pelas formas elíptica, oval, arredondada, triangular e biangular. Embora a estimativa da idade,
por meio da inspeção morfológica dos dentes incisivos, apresente uma aplicabilidade limitada, é a melhor forma de reconhecimento, na
ausência de provas documentais e de exames de DNA, e desta maneira, auxilia os profissionais no estabelecimento de um manejo nutricional,
reprodutivo e de trabalho adequado em cada etapa da vida do animal.
MOLDE E MODELO DE ESTUDO DE DENTES DE EQUINO – CORRELAÇÕES ENTRE
MORFOLOGIA E FAIXA ETÁRIA
Autor: Denilton Vidolin (outros)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024842
Orientador: Vânia Pais Cabral Co-Orientador: Amilton da Rocha Leal Jr.
Colaborador: Jaqueline Aline de Quadros
Departamento: Anatomia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: arcada dentária, faixa etária, equino.
Área de Conhecimento: 2.06.04.00-9
0208
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
128
Os avanços tecnológicos vêem contribuindo cada vez mais com a necessidade de produzir novas fontes de estudo sobre a anatomia do
sistema nervoso. A dificuldade de obtenção desse material de estudo nos levou a desenvolver uma técnica de digitalização e perpetuação da
informação contida em uma peça-modelo com o propósito de oferecer fácil acesso à anatomia do sistema nervoso central. Neste contexto
objetivamos executar uma remontagem abstrata de um modelo anatômico detalhado e interativo do Sistema Nervoso Central, obter
material descritivo e tridimensional, adquirir registro metamérico deste sistema; obter acesso detalhado a informações segmentares e supra-
segmentares, bem como gerar informações morfológicas tridimensionais para a elaboração de material anatômico didático. A metodologia
empregada baseou-se na dissecação clássica do animal experimental, dois cães domésticos, obtidos no Departamento de Anatomia. Houve
a extração separada da medula espinhal e do encéfalo dos animais. Procedeu-se à inclusão do material em glicerina para secção seriada de
5mm de espessura e fotodocumentação. As imagens digitalizadas foram analisadas e realinhadas por trios de pontos pareados e translação
linear no software livre Reconstruct para posterior reconstrução via curvas de Bézier no software Autodesk 3dsmax
®
. Os resultados obtidos
até presente momento foram imagens digitalizadas com demonstração metamérica das estruturas neuroanatômicas, registro e acervo de
imagens seriadas e realinhadas da medula espinhal, um modelo tridimensional interativo da medula espinhal e registro de imagens seriadas
do encéfalo e arquivo de imagens neuroanatômicas seccionais do neuroeixo. Não foi possível a obtenção de um detalhamento preciso das
estruturas segmentares e supra-segmentares devido à inadequação da inclusão em glicerina e ausência de equipamento adequado para
secção mesoscópica do material. Concluímos que o método utilizado é adequado para a execução de uma remontagem abstrata do sistema
nervoso central.
REMONTAGEM ABSTRATA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL - RECONSTRUÇÃO
TRIDIMENSIONAL ATRAVÉS DE SOFTWARE INDUSTRIAL
Aluno de Iniciação Científca: João Otávio S. B. V. Marques (UFPR – TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023544
Orientador: Murilo Sousa de Meneses Co-Orientador: Djanira Aparecida da Luz Veronez
Colaborador: Daniel Dias da Silva Cavalheiro
Departamento: Anatomia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Neuroanatomia, Reconstrução tridimensional, Informática Biomédica
Área de Conhecimento: 2.06.04.00-9 Anatomia
0210
Na atualidade, o coração tem sido um importante objeto de pesquisa, principalmente com o aumento na incidência de doenças cardiovasculares
no mundo. Os ramos arteriais provenientes das arté rias coronárias algumas vezes podem apresentar segmentos com trajetos intramiocárdicos,
tornan do-se novamente superficiais, ao músculo que recobre esses segmentos arteriais, denominado ponte de miocárdio. Essas pontes
miocárdicas são alterações da anatomia normal do indivíduo, e em alguns casos, podem ser vistas como uma alteração patológica. A
influência de pontes de miocárdio no fluxo sanguíneo através das artérias coronárias, e seu envolvimento em várias doenças cardiovasculares,
incluindo o desenvolvimento de arteriosclerose, isquemia e infarto do miocárdio, e fibrilação ventricular súbita têm sido discutidos há anos.
A literatura nos mostra que pontes do miocárdio por si só, não induzem nenhuma desordem miocárdica; no entanto, o ambiente ao redor
das artérias coronárias possa influenciar, ou não, numa desordem cardíaca. Por exemplo, se o espaço entre a ponte de miocárdio e a artéria
coronária for preenchido por tecido adiposo, conectivo, ou mesmo fluido, isso pode afetar a circulação sanguínea nessa região. Essa relação
miocardio-arterial pode ser responsável pela redução periódica ou permanente do lúmen arterial. A literatura mostra que já foi observada
obstrução arterosclerótica no segmento proximal à ponte de miocárdio, sendo que o trajeto não apresentou nenhuma obstrução, indicando
uma forte relação entre essa estrutura e a obstrução. Em humanos, foi constatado, em atividades físicas intensas, que a contração dessas
pontes de miocárdio causam dor e desconforto. Isso é um dado importante, em vista que devemos ter a mesma preocupação com esses sinais
animais. O objetivo desse trabalho é estudar a morfologia de pontes miocárdicas, em relação à largura, espessura e espaço perivascular.
Além de obter informações anatomoclínicas relativas às pontes miocárdicas e comparar a estrutura das pontes de miocárdio com do tecido
subepicárdico. Estudou-se, em 30 corações de cães sem raça definida, a localização das pontes de miocárdio, mediante dissecação das
artérias coronárias injetadas com solução de Neoprene Látex. Seguida da numeração desses corações, para que seja facilitada a tabulação
dos resultados. De acordo com os resultados parciais dos corações dissecados observou-se que 76,67% apresentaram pontes de miocárdio
em alguns dos ramos (direito ou esquerdo), enquanto 23,33% não apresentaram pontes de miocárdio em nenhum dos ramos dissecados.
ESTUDO DE PONTES DE MIOCÁRDIO EM CÃES
Aluno de Iniciação Científca: Frederico Guilherme Freitas Lobão Rodrigues Gomes
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024851
Orientador: Édison Luiz Prisco Farias Co-orientador: Djanira Aparecida da Luz Veronez
Colaborador: Mayara Eggert
Departamento: Anatomia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Ponte, Miocárdio, Cães.
Área de Conhecimento: 2.06.04.00-9
0209
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
129
Peixes nototenióides e, em especial, a família Notothenidae, dominam a região antártica tanto em biomassa, como em abundância. No
presente trabalho, foram utilizadas amostras de fígado para avaliar indicadores metabólicos de duas espécies de nototenideos bentônicos:
Notothenia rossi (n=36) e Notothenia corriceps (n=22) provenientes de dois pontos de amostragem (Punta Plaza e Ecolgy) na Baia do
Almirantado (King George Island, Antártica), durante o verão 2009/2010. O fígado desempenha funções fundamentais no metabolismo
geral do organismo e atua como um importante indicador metabólico e sobre estilo de vida das espécies. Assim, a determinação de sua
composição bioquímica permite interpretações acerca de seu funcionamento, uma vez que este modo de vida é refletido na composição
química dos tecidos destas espécies. As amostras foram congeladas e transportadas para o Brasil, onde sua composição centesimal e o
fator de condição foram avaliados. A umidade das amostras (proporção de água) foi determinada gravimetricamente após desidratação
total a 60° a determinação de proteínas totais foi baseada em Lowry (1956, J Biol Biochem 193: 265-275), a de lipídios totais em Folch
(1951, J Biol Biochem 226C: 497-509) e a de glicogênio foi determinada segundo Moraes e Sousa (1997, Bol. Tec. CEPTA v:10 p 53-
60). O fator de condição (K) foi calculado a partir do peso (W) e do comprimento padrão (SL) dos animais [K= 100.(W/SL
3
)]. Análises
estatísticas (ANOVA/Tukey) foram realizadas para a verificação de possíveis diferenças quanto aos pontos de coleta e entre as espécies.
Comparando-se as duas espécies, não houve diferença significativa (P>0,05) na composição centesimal dos peixes provenientes de um
mesmo ponto de coleta. No entanto, o fator de condição de peixes de ambas espécies coletados em Punta Plaza foi significativamente maior
(P<0,05), quando foram comparadas àqueles provenientes de Ecology. Baseando-se nestes resultados, conclui-se que ambas as espécies
têm a composição centesimal do fígado equivalentes e que não há diferença desta composição entre os pontos de coleta. Isto sugere hábitos
alimentares comparáveis entre essas duas espécies de nototenídeos. Entretanto, a variação espacial no fator de condição indica diferenças
na disponibilidade de alimento nos pontos Ecology e Punta Plaza.
O ferro é essencial para o funcionamento das células. Porém, trata-se de um elemento tóxico quando livre ou em excesso nos fluidos biológicos.
O ferro tem sido associado a diversas retinopatias, tal como a degeneração macular relacionada à idade. A injeção intravítrea de ferro é usada
como modelo para a penetração de objetos ferrosos no olho e também da sobrecarga de ferro, tal como a hemocromatose. A expressão da
GFAP pelas células de Muller (gliose) é uma alteração fenotípica destas células em retinopatias e sua expressão independe da causa inicial
da retinopatia. O presente trabalho objetiva analisar o efeito da injeção intravítrea de ferro na gliose retiniana. Também se propõe a avaliar
o papel da N-acetil-cisteína (NAC), precursora da glutationa, com ação antiinflamatória em modelos de uveíte experimental, na gliose
retiniana. Sob anestesia geral, foi feita a injeção de salina ou FeSO4 (10 μl, 0,5 mM) com seringa de insulina. Os ratos foram eutanasiados
por decapitação 1, 3 e 7 dias após a injeção. Outro grupo de animais recebeu a NAC (3 mmol/kg) intraperitonealmente imediatamente antes
da injeção intravítrea de FeSO e foram eutanasiados 1 dia após. Os olhos foram enucleados e, para cada animal, um olho foi fixado para
imunohistoquímica e o outro foi dissecado para o isolamento da retina. As retinas foram dissolvidas em tampão de extração e a concentração
de proteínas determinada pelo método de Bradford. As amostras foram submetidas ao SDS-PAGE e transferidas para uma membrana de
PVDF. A reação de Western Blot foi realizada com anticorpo anti-GFAP. As membranas foram digitalizadas e as bandas quantificadas com
o programa Image J. Nas retinas controle (sem injeção), os níveis de GFAP são quase indetectáveis. Nas retinas dos olhos injetados com
FeSO4, os níveis de expressão de GFAP atingiram o pico com 3 dias, sendo aproximadamente 4 vezes maior do que o observado com 1
dia, retornando quase aos níveis basais após 7 dias. Nos experimentos com NAC, foi observada uma redução de até 5 vezes no nível de
expressão de GFAP induzida pela injeção de FeSO4. Os experimentos realizados mostram que a injeção intravítrea de FeSO4 é capaz
de induzir a gliose retiniana, com efeito máximo aparente no terceiro dia pós injeção. Os dados iniciais demonstram que a NAC inibe a
gliose retiniana 1 dia após a injeção intravítrea de FeSO4. Tais resultados indicam que o uso da NAC pode ser útil no tratamento de casos
de acidentes perfurantes por objeto ferrosos no olho, bem como em outras retinopatias decorrentes de distúrbios do metabolismo do ferro.
INDICADORES METABÓLICOS DE PEIXES PROVENIENTES DE REGIÕES ANTÁRTICAS.
EFEITO DA INJEÇÃO DE SULFATO FERROSO NA GLIOSE RETINIANA DE RATO
Aluno de Iniciação Científca: Anderson Domingues Gomes (CNPq/Proantar)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no CNPq: 52.0125/2008-8
Orientador: Flavia Sant'Anna Rios Co-orientador: Lucélia Donatti (UFPR)
Colaboradores: Edson Rodrigues Júnior (MESTRANDO, CAPES), Luciana Badeluk Cettina (Pesquisadora/CNPq), Maria Rosa Demengeon
Pedreiro (IC-CNPq/Proantar)
Departamento: Biologia Celular          Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Nothotenia, metabolismo energético, fígado
Área de Conhecimento: 2.07.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Andressa Mezarobba (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023488
Orientador: Rubens Bertazolli Filho
Colaborador: Herbert Arlindo Trebien
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: sufato ferroso, retina, gliose.
Área de Conhecimento: Histologia - 2.06.03.00-2
0211
0212
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
130
A mitose é um processo de divisão celular, onde a célula mãe multiplica seus cromossomos, dando origem a duas novas células-filhas. A
compreensão destes eventos é crucial para o aprendizado da biologia celular e tecidual. Este processo é dinâmico o que propicia a aprendizagem
através de vídeos e animações. A transformação de um ensino baseado na transmissão da informação por estratégias centrado na experiência
do estudante, que está inserido em uma sociedade cada vez mais conectada através das tecnologias de comunicação e informação, tem sido
encorajada por inúmeras organizações que investigam a aprendizagem. As tecnologias digitais como animações, têm sido consideradas de
grande valor na aprendizagem da Biologia Celular. Softwares que combinam imagem, textos, animações, sons e outros recursos têm sido
cada vez mais utilizados nos diferentes temas da Biologia Celular, incluindo o tema mitose. No entanto, com raras exceções, são produzidos
em inglês, protegidos por direitos autorais que restringem o seu uso. Este trabalho tem o objetivo de pesquisar novas metodologias para
produção de animações utilizando imagens reais sobre mitose. Lâminas obtidas de cortes histológicos de mitose de raiz de cebola coradas
por Feulgen foram fotografadas. Estas imagens foram editadas no programa AdobePhotoshop, realçando os cromossomos e posteriormente
importadas para o programa AdobePremiere para a confecção da animação em questão. Nesse programa as imagens foram colocadas em
seqüencia, utilizando efeitos de transição de imagens para dar a impressão de movimento e dinamismo. Para compor a prófase, as imagens
estáticas foram compiladas de maneira a permitir a visualização da condensação gradual dos cromossomos, até o momento em que ficam
livres no citoplasma. Da mesma, as imagens foram compiladas para a visualização dinâmica da pró-metáfase e metáfase, seguidas por
imagens mostrando vários estágios da anáfase até os cromossomos atingirem os pólos da célula. Para a composição da telófase foram
utilizadas imagens mostrando estágios mais iniciais e tardios desta fase, até a recomposição dos núcleos das células filhas. Esta metodologia
mostrou-se eficiente para a produção de um vídeo que exibe as várias etapas da mitose de uma forma contínua e dinâmica, baseada em
imagens reais, com palavras e conceitos chaves em português. O vídeo produzido pode ser explorado de diferentes maneiras, podendo ser
utilizado pelo ensino médio e superior. Na próxima fase este artefato virtual será aplicado em escolas de ensino médio e na graduação para
a investigação da aprendizagem deste tema.
A medula óssea é a principal fonte de células-tronco hematopoéticas, que tem capacidade de renovar todas as células do sangue. Esse
microambiente é composto pelas células estromais; matriz extracelular; fatores de crescimento e células-tronco. Estudos indicam que o
estroma medular é altamente adaptativo e apresenta a capacidade de alterar sua função em resposta a estímulos externos. Sendo assim na
tradução de sinais para as células-tronco, podendo influenciar na sobrevivência, proliferação e desenvolvimento das células hematopoéticas.
Este trabalho tem como objetivo verificar a morfologia interna de uma célula estromal ativada, que é principalmente evidenciada em culturas
de medula óssea tratadas com o medicamento altamente diluído Calcarea cabonica e associações. As células da medula óssea murina foram
coletadas, contadas e a concentração celular ajustada para 10
6
/ml. Em seguida, elas foram cultivadas em garrafas de cultivo de 25cm
2
e em
placas de 24 poços, a 37 ºC em atmosfera de 5% de CO
2
por 96 horas. Após esse período, as células foram processadas para microscopia
eletrônica de transmissão para análise em microscópio Dual-beam (FEI Helios NanoLab instrument) e citoquímica para detecção de proteínas
e carboidratos. As células ativadas examinadas através da microscopia dual-beam demonstraram que vias de secreção estão atuando e que o
sistema endossomal/lisossomal, retículo endoplasmático e complexo de Golgi estão interligados. A análise tridimensional da célula permitiu
a visualização de sua superfície, onde inúmeras projeções e pequenas vesículas se desprendem contendo um material eletrodenso em seu
interior. O conteúdo das vesículas foi avaliado através de citoquímica utilizando-se dos corantes Fast Green, que detecta a proteína celular
total, e PAS, que detecta carboidrato. A visualização tridimensional em alta resolução das células estromais da medula óssea, possibilitou a
observação e caracterização dessas, mostrando presença de um grande complexo de Golgi próximo ao núcleo e da membrana plasmática;
um extenso sistema endossomal/lisossomal; vesículas com partículas densamente coradas contendo proteínas e carboidratos.
CITOESQUELETO/MITOSE
ESTUDO DE CÉLULAS IMUNITÁRIAS TRATADAS COM MEDICAMENTOS ALTAMENTE DILUÍDOS.
Aluno de Iniciação Científca: Beatriz Santana Borges (Programa- Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022977
Orientador: Ruth Janice Guse Schadeck
Colaboradora: Márcia Helena Mendonça (Licenciar).
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Células / Aprendizagem / Animações
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Ediely L. Oliveira Coletto (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013121
Orientador: Dorly de Freitas Buchi Co-Orientador: Ana Paula Ressetti Abud
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: medula óssea, microscopia eletrônica dual-beam
Área de Conhecimento: Citologia 2.06.01.00-0.
0213
0214
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
131
O ambiente aquático apresenta inúmeros fatores físicos e químicos que interagem com os seres vivos, estimulando-os e modulando seu
comportamento. Esses fatores são recebidos pelos seres vivos através de seu sistema sensorial que, por sua vez, capta e traduz os estímulos
ambientais ao sistema nervoso central. A espécie alvo do presente estudo foi o jundiá (R. quelen), um bagre de água doce, onívoro e de
ampla distribuição geográfica. Sua carne apresenta grande aceitação pelo mercado consumidor devido ao sabor e à ausência de espinhos.
O objetivo desse estudo foi descrever o desenvolvimento do sistema sensorial do jundiá. Os embriões e larvas obtidos por desova induzida
foram observados in vivo sob microscópio de luz e fotografados. Em seguida, foram fixados em paraformaldeído 4% em tampão PBS
0,1M para microscopia de luz e em Karnovsky para microscopia eletrônica de varredura. Os resultados mostraram que o primeiro orgão
do sistema sensorial a surgir é o primórdio óptico, que se forma no inicio da segmentação (E16), as lentes dos olhos se diferenciam no
estádio de 14 somitos (E19) e os olhos se tornam pigmentados após a eclosão (E26). Porém, os olhos só se tornam funcionais com a
estratificação das retinas na larva tardia (E28). As vesículas óticas, que fazem parte do sistema de equilíbrio, foram observadas no estádio
20 (E20), havendo a formação dos otólitos e das máculas no estádio 21 (E21). Possivelmente, estes foram os primeiros órgãos sensoriais
a se tornarem funcionais. Os orgãos olfatórios começam seu desenvolvimento no estádio 17 (E17), sendo que as cavidades nasais ganham
células ciliadas na larva tardia (E28). Os barbilhões foram observados pela primeira vez na larva inicial (E26), alongando-se e ganhando
botões gustativos primordiais na larva média (E27). Na larva tardia (E28), os botões gustativos se tornam bem desenvolvidos e também
foram observados nos lábios. Os neuromastos, estruturas que compõem o sistema de linha lateral, foram observados no corpo e na região
cefálica logo após a eclosão, no estádio de larva inicial (E26) e se tornaram organizados em poros nos juvenis (E30). O desenvolvimento
do sistema sensorial do jundiá foi comparado com o de outras duas espécies de teleósteos (Colossoma macropomum e Cyprinus carpio),
demonstrando desenvolvimento mais acelerado e pronunciado das estruturas quimiorreceptoras. Porém, o sistema visual do jundiá apresenta
um desenvolvimento mais lento que as demais espécies estudadas. Essas diferenças possivelmente estejam relacionadas à diversidade de
habitats e hábitos das três espécies comparadas.
O Loxoscelismo é o quadro clínico desenvolvido por acidentes com aranhas do gênero Loxosceles, o qual pode apresentar-se na forma de
lesões dermonecróticas e/ou manifestações sistêmicas como hemólise, insuficiência renal aguda e coagulação intravascular disseminada.
O veneno de Loxosceles sp. é uma complexa mistura protéica composta principalmente por enzimas, como as fosfolipases-D. Estas são
toxinas capazes de reproduzir isoladamente alguns dos efeitos do veneno total como a dermonecrose e hemólise direta in vitro. O presente
projeto tem como intuito avaliar a atividade de fosfolipases-D recombinantes presentes no veneno de L. intermedia sobre eritrócitos humanos
com ênfase na atividade hemolítica. Com o objetivo de analisar o efeito indireto do veneno total e das toxinas LiRecDT1 e LiRecDT1
H12A (isoforma mutada) sobre a membrana eritrocitária, incubou-se o veneno total (25μg/mL) ou toxinas recombinantes (25μg/mL) com
eritrócitos humanos por 24h à 37°C. Posteriormente, as amostras foram submetidas à eletroforese em gel de poliacrilamida 10%, sendo os
géis corados com azul de Coomassie, e realizou-se densitometria das bandas obtidas. Os resultados mostraram que somente o veneno total
e a LiRecDT1 induziram a redução de três importantes proteínas de membrana. Avaliou-se também se as mesmas toxinas eram capazes
de, indiretamente, alterar o perfil proteico das glicoforinas específicas de membrana eritrocitária. Para tanto, realizou-se duas técnicas:
a técnica de SDS-PAGE com colorações por PAS e azul de Coomassie e a técnica de “Lectin Blot”. Observou-se que o veneno total e
a LiRecDT1 induziram a diminuição das glicoforinas e LiRecDT1 H12A não alterou o perfil dessas observado nos controles. Por fim,
comparou-se a atividade hemolítica direta da LiRecDT1, LiRecDT1 H12A e de outras 5 isoformas (LiRecDT2, LiRecDT3, LiRecDT4,
LiRecDT5 e LiRecDT6). Incubou-se por 24h à 37°C os eritrócitos com cada toxina recombinante (25μg/mL) na presença e ausência de
íons Ca
+2
(100μM). Foram obtidas diferentes porcentagens de hemólise com as diferentes isoformas estudadas. Tais porcentagens foram
maiores na presença de Ca
+2
, sendo que a LiRecDT6 apresentou maior porcentagem de hemólise (94,20%) e a LiRecDT1 H12A apresentou
a menor (11,54%). Essas porcentagens estão diretamente relacionadas com a diferença da atividade fosfolipásica apresentada por essas
toxinas. Portanto, todos os resultados obtidos sugerem fortemente que existe relação direta da atividade fosfolipásica e efeito hemolítico.
DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA SENSORIAL DE RHAMDIA QUELEN.
CARACTERIZAÇÃO BIOQUÍMICA E BIOLÓGICA DE FOSFOLIPASES-D PRESENTES NO VENENO
DE ARANHA-MARROM (Loxosceles intermedia) COM ÊNFASE NA ATIVIDADE HEMOLÍTICA
Aluno de Iniciação Científca: Fernanda Gatto de Almeida (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005018169
Orientador: Flavia Sant'Anna Rios
Colaboradores: Alana Marielle Rodrigues-Galdino (DOUTORANDA/CAPES), Camila Valente Maiolino (MESTRANDA/ CAPES), Daniely
Andressa da Silva (Estagiária), Lucélia Donatti (UFPR), Jorge Daniel Mikos (PUC-PR), Peter Gaberz Kirschnik (PUC-PR)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Embriologia, Organogênese, Peixe
Área de Conhecimento: 2.06.02.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Fernanda Nunes Souza (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000008116
Orientador: Prof. Dr. Silvio Sanches Veiga Co-Orientador: Olga Meiri Chaim
Colaborador: Daniele Chaves Moreira (Doutorado/ CAPES)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: loxoscelismo, Loxosceles intermedia
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
0215
0216
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
132
A heparina é um polissacarídeo sulfatado aniônico, que possui a maior densidade de cargas negativas que qualquer outra molécula biológica
conhecida, apresentando em média 3,5 cargas negativas por unidade dissacarídica. Pertence à família dos Glicosaminoglicanos (GAG) e
sua unidade estrutural básica predominante é um hexassacarídeo octassulfatado, constituído essencialmente de dois tipos de dissacarídeos:
um trissulfatado e outro dissulfatado, respectivamente na proporção de 2:1. Ela é amplamente utilizada na medicina desde 1936, devido ao
seu potente efeito anticoagulante. O heparam sulfato é outro GAG, cuja estrutura química é muito parecida com a molécula de heparina,
porém com menor grau de sulfatação. Os dados da literatura mostram que o Proteoglicano contendo Heparam Sulfato (PGHS), presente na
superfície das células endoteliais, é o responsável por manter a compatibilidade destas com o sangue, isto é, age impedindo a formação de
trombo. Assim, este PGHS já possui uma característica antitrombótica. No entanto, quando as células endoteliais são expostas (in vitro) à
heparina, ocorre um aumento na síntese de PGHS, alterando sua composição, tornando-o mais sulfatado e, assim, aumentado sua atividade
antitrombótica. Ainda não são conhecidos os requisitos estruturais da molécula de heparina, que são responsáveis por desencadear tal
estímulo, motivando-nos a investigá-los. Assim, o presente trabalho objetivou identificar e caracterizar os grupamentos químicos específicos
da molécula de heparina candidatos à participação efetiva no estímulo de PGHS. Para tanto, foram obtidos compostos quimicamente
modificados, parcialmente dessulfatados ou carboxireduzidos. Estas modificações foram confirmadas em dosagens de sulfato e de ácido
urônicos, bem como por ressonância nuclear magnética. As modificações químicas foram acompanhadas de alteração na organização
da molécula, como mostrado no espectro de dicroísmo circular. Estas alterações resultaram em compostos com menor grau de atividade
anticoagunte e antihemostática. O próximo passo será analisar a ação destas moléculas nas células endoteliais e verificar se o estímulo da
síntese de PGHS é decorrente da carga líquida da molécula ou da posição espacial em que estas se encontram.
A percepção do ambiente pelos animais é feita pelos sistemas sensoriais, os quais podem orientar as ações e comportamentos desses
indivíduos. Um desses sistemas, o visual é um dos mais importantes por oferecer o maior número de informações ao animal. Os olhos dos
peixes mostram inúmeras adaptações pela variedade de condições do ambiente aquático. A retina é o tecido utilizado para o estudo da visão,
por ser a estrutura responsável pelo processamento inicial, fototransdução e por possuir uma estrutura relativamente simples, organizada em
dez camadas histológicas. Desta maneira, este trabalho tem como objetivo estudar a acuidade visual do Astyanax sp. (lambari) e do Hoplias
malabaricus (traíra), correlacionando aspectos ecológicos e comportamentais desses peixes a partir de dados oriundos de duas metodologias.
Na primeira, a densidade dos neurônios da retina é estimada em cortes parasagitais do olho. Lâminas histológicas são fotomicrografadas a
cada três seções, evitando-se assim a sobreposição de células. As densidades dos neurônios são determinadas num campo de 80μm de largura
e altura total da retina. As porções ventral e dorsal da retina são avaliadas para cálculo dessa densidade, visto que a região ventral da retina
fornece a percepção do campo visual superior ao animal, e a dorsal, o campo inferior. Os dados de densidade celular são utilizados para
cálculo da convergência entre as células da retina. O índice de convergência é calculado para cada hemi-retina, de cada indivíduo, utilizando
a média de densidade das células fotorreceptoras (cones e bastonetes), das células bipolares e das ganglionares. Na segunda metodologia,
a acuidade visual ou resolução espacial é calculada com base no pico da densidade das células ganglionares da retina, associado a medidas
de certas estruturas oculares para o cálculo da distância posterior nodal (PND). Esta distância está compreendida entre o centro do cristalino
e a retina, em cortes sagitais do olho das duas espécies. Com esses dados, através de fórmulas, a resolução espacial é estimada, expressa
em ciclos por grau (cpg). A densidade dos neurônios da retina mostrou que a convergência dos neurônios da hemi-retina ventral do lambari
foi de 25,14 (±1,53) fotorreceptores : 5,84 (±0,94) bipolares : 1 ganglionar. Já para a porção dorsal a convergência foi de 16,97 (±01,22) :
5,94 (±0,84) : 1. Um número maior de indivíduos será utilizado para a complementação dos dados, para discutir as características visuais
relacionadas aos hábitos das duas espécies.
A AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS ESTRUTURAIS DA MOLÉCULA DE HEPARINA QUE SÃO
NECESSÁRIOS PARA A INDUÇÃO DO ESTÍMULO DE PROTEOGLICANO DE HEPARAM SULFATO
(PGHS) NAS CÉLULAS ENDOTELIAIS
ESTUDO DA ACUIDADE VISUAL DE DOIS PEIXES TELEÓSTEOS
Aluno de Iniciação Científca: Gustavo Rodrigues Rossi (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023683
Orientador: Edvaldo da Silva Trindade Co-Orientador: Célia Regina Cavichiolo Franco
Colaborador: Márcio Fabiano Chaves Bastos (MESTRANDO – VOLUNTÁRIO), Thales Ricardo Cipriani, Guilherme Sassaki
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Célula Endotelial, Heparina, Atividade antitrombótica.
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0 Citologia e Biologia Celular
Aluno de Iniciação Científca: Izabela Paulini de Jesus (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006019164
Orientador: Sonia Regina Grötzner Co-Orientador: Ciro Alberto de Oliveira Ribeiro.
Colaboradores: Ana Luisa Rotelok Damaso da Silveira (IC, UFPR), André Maurício Passos Liber (Mestrando, USP)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: retina, acuidade visual, peixes.
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0 Biologia Celular
0217
0218
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
133
O sistema fagocítico mononuclear é uma linhagem de células hematopoiéticas derivadas de progenitores da medula óssea, das quais parte
se diferencia em monócitos sanguíneos. Estes, por sua vez, migram para os tecidos e se transformam em macrófagos teciduais residentes.
Este estudo visa a observar estágios de diferenciação de células da linhagem monocítica na presença de uma solução complexa altamente
diluída e dinamizada de Chelidonium majus com associações (M1). Para isso, leucócitos sanguíneos humanos foram extraídos de filtros de
leucorreduçao após aférese das plaquetas de doadores saudáveis e voluntários no Hospital de Clínicas, UFPR. As células mononucleares
do sangue periférico do filtro foram purificadas em gradiente de Ficoll- Hypaque e posteriormente plaqueadas em placas de 24 poços (10
6
células/poço). As células foram divididas em quatro grupos: controle, com LPS, tratado com M1 e LPS tratado com M1. O cultivo foi feito
em meio RPMI1640, suplementado com 5% de soro autólogo humano, em atmosfera úmida, a 37
o
C e 5% de CO
2
. As células aderentes
foram tratadas 2h após plaqueadas e foram fixadas e processadas para análise em microscopia de luz após 24h de cultivo. Outro grupo de
células permaneceu em cultura por 14 dias, portanto diferenciadas em macrófagos, e então foi submetido ao mesmo tratamento. Os resultados
para monócitos mostraram que poucas células permaneciam aderidas na lamínula e na presença do M1 ocorreu maior espraiamento das
células quando comparadas ao controle. A estimulação com LPS, o qual se liga ao TLR4 na membrana plasmática, provocou aumento na
quantidade de células aderidas e a formação de agrupamentos celulares. Enquanto que a adição de M1 neste grupo causou a diminuição na
quantidade e tamanho dos agrupamentos, sugerindo, portanto, que o M1 modula a diferenciação celular, provavelmente a partir das conexões
célula-célula, promovida pelo LPS nos monócitos. Já para macrófagos, observou-se que o M1 aumentou o número de células aderidas e
também a quantidade de conexões entre elas. Todavia, na presença de LPS, o M1 provocou diminuição no espraiamento e quantidade de
conexões intercelulares, aparentemente modulando também a ativação celular promovida pelo LPS. Portanto, conclui-se que a solução M1
possui efeito modulador sobre diferentes estágios de diferenciação das células da linhagem monocítica. Essa redução da ativação celular
pelo M1 quando na presença de LPS pode sugerir uma propriedade anti-inflamatória, o que será confirmado futuramente através de ensaios
de dosagem de citocinas pró-inflamatórias.
O ferro é um elemento essencial para o funcionamento das células. Porém, trata-se de um elemento tóxico quando livre ou em excesso
nos fluidos biológicos. O ferro tem sido associado a diversas retinopatias, entre elas a degeneração macular relacionada à idade. A injeção
intravítrea de ferro é usada como modelo para a penetração de objetos ferrosos no olho e também da sobrecarga de ferro, entre as quais a
hemocromatose, a ataxia de Friedreich e a aceruloplasminemia. A ceruloplasmina (CP) (ferroxidase, EC 1.16.3.1) é uma metaloproteína
plasmática. Trata-se de uma alfa-2-glicoproteína azul, que liga de 90 a 95% do cobre plasmático e transporta de 6 a 7 íons cúpricos por
molécula. A ceruloplasmina está envolvida na peroxidação do Fe
++
para a forma Fe
+++
. No olho, a CP é sintetizada na retina, cristalino e no
epitélo ciliar ocular. A sobre-expressão da CP é observada em diversos tipos de lesões retinianas, tais como as lesões fóticas e na retinopatia
diabética. O presente trabalho objetiva analisar o efeito da injeção intravítrea de ferro na expressão de CP retiniana. Sob anestesia geral,
foi feita a injeção de salina ou FeSO4 (10 μl, 0,5 mM) com seringa de insulina. Os ratos foram eutanasiados por decapitação 1 e 3 dias
após a injeção. Os olhos foram enucleados e, para cada animal, um olho foi fixado para imunohistoquímica e o outro foi dissecado para
o isolamento da retina. As retinas foram dissolvidas em tampão de extração e a concentração de proteínas determinada pelo método de
Bradford. As amostras foram submetidas ao SDS-PAGE e transferidas para uma membrana de PVDF. A reação de Western Blot foi realizada
com anticorpo anti-CP e revelada com o Kit Vectastain ABC Kit, com DAB e Peróxido de Hidrogênio. As membranas foram digitalizadas
e as bandas quantificadas com o programa Image J. Observou-se que tanto nas retinas controle (sem injeção), quanto nas retinas dos
olhos injetados com FeSO4, os níveis de expressão de CP mantiveram-se próximos. Os experimentos realizados mostraram que a injeção
intravítrea de FeSO4 não foi capaz de induzir o aumento da expressão da CP na retina, ao menos nas condições da presente abordagem,
muito embora a CP esteja relacionada com a prevenção da geração de radicais livres através da reação de Fenton, na qual o íon ferroso é
oxidado (Fe
++
→Fe
+++
) e é gerado um radical OH (hidroxil), considerado o mais reativo dos radicais livres derivados do oxigênio; este é um
elemento chave no mecanismo de dano celular primário determinado por esta classe de radicais livres.
EFEITO DE MEDICAMENTOS ALTAMENTE DILUÍDOS/DINAMIZADOS NO METABOLISMO DE
MONÓCITOS/MACRÓFAGOS HUMANOS IN VITRO
EFEITO DA INJEÇÃO DE SULFATO FERROSO NA EXPRESSÃO DE CERULOPLASMINA NA RETINA
DE RATO
Aluno de Iniciação Científca: Jenifer Pendiuk Gonçalves (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2003013121
Orientador: Dorly de Freitas Buchi
Colaboradores: Eneida Janinscki Da Lozzo (PÓS-DOUTORADO - voluntário), Diogo Kuczera (DOUTORANDO/CNPq), Gustavo Rodrigues
Rossi (PIBIC – CNPq), Carolina Camargo de Oliveira (PROFESSOR/UFPR)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: diferenciação celular, monócito/macrófago, homeopatia
Área de Conhecimento: Citologia e Biologia Celular - 2.06.01.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Lais Yglécias Mattos (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023488
Orientador: Rubens Bertazolli Filho
Colaborador: Herbert Arlindo Trebien
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: sulfato ferroso, retina, ceruloplasmina
Área de Conhecimento: Histologia - 2.06.03.00-2
0219
0220
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
134
As metaloproteases da matriz desempenham um papel fundamental na destruição tecidual e participam de diversos processos degenerativos.
Pequenas variações genéticas, denominadas polimorfismos, podem tornar um indivíduo mais ou menos suscetível a uma determinada patologia.
Polimorfismos em gene de metaloproteases já foram associados a diversas doenças, inclusive a patologias de tendões. O objetivo deste
trabalho é investigar a influência de polimorfismos na região promotora do gene da MMP-1 e MMP-3 correlacionando-os com a tendinopatia
primária do tendão tibial posterior. Os voluntários foram divididos em dois grupos: teste, 100 pacientes submetidos a procedimento cirúrgico
e com diagnóstico anatomopatológico de lesão degenerativa do tendão tibial posterior; controle, 100 pacientes com tendão tibial posterior
integro e sem sinais de degeneração) O DNA dos voluntários foi obtido a partir de células epiteliais da mucosa bucal, através de extração
com acetato de amônia. As reações de PCR e RFLP foram padronizadas. Parte das amostras foram analisadas até o momento; entretanto os
resultados estatísticos dependem da análise do grupo todo. A análise estatística será por Simulações de Monte Carlo (significância de 5%).
Espera-se correlacionar esses polimorfismos com a susceptibilidade à tendinopatia. Dessa forma, estratégias de prevenção e terapêutica
poderiam ser desenvolvidas para modular a expressão das MMPs e assim aumentar o sucesso dos procedimentos cirúrgicos.
A densidade de estocagem em é um fator que afeta diretamente a sobrevivência, o crescimento e o comportamento de embriões e larvas de
peixes. Sendo um fator variável entre as espécies, o presente estudo buscou avaliar a qualidade das larvas, pós larvas e juvenis de Rhamdia
quelen incubados em diferentes densidades de estocagem. Os indivíduos coletados foram obtidos através de reprodução em cativeiro, com
desova induzida e fertilização in vitro. A incubação foi realizada em triplicata, em incubadoras de 1,5L , em 4 densidades de estocagem
(DEs) diferentes: 10, 100, 1000 e 10000 embriões/L, por um período de 30 dias. Utilizou-se sistema de circulação de água semi-aberto,
sob temperatura (27° C) e aeração constantes e fotoperiodo natural. As pós larvas e os juvenis foram alimentados com náuplios de Artemia
salina. Nos estádios de eclosão (E26), larva tardia (96 hpe; E28) e juvenil (E30; 30 dpe), os indivíduos foram observados in vivo para
determinação dos batimentos cardíacos e da ocorrência de malformações cardíacas (edema), cefálicas e axiais. O comprimento e o peso
seco foram analisados e a taxa de crescimento relativo (RGR) foi calculada. A incubação na densidade de 10000 embriões/L resultou em
alta mortalidade e baixa taxa de eclosão, sendo desconsiderada para os demais parâmetros analisados. A taxa metabólica (estimada pela
frequência cardíaca) das larvas eclodidas foi semelhante nas DEs 10 e 1000 embriões/L (78 e 81 bpm, respectivamente) e mais baixa nas
larvas incubadas na DE 100/ embriões/L (63 bpm). A porcentagem de malformações não foi considerada elevada em nenhuma DE, sendo
de aproximadamente 13, 17 e 7% nas DEs 10, 100 e 1000 embriões/L, respectivamente. A maioria das malformações observadas foram
cefálicas e axiais, havendo uma baixa incidência de edemas cardíacos. Os presentes resultados permitem concluir que a densidade de 10000
embriões/L mostrou-se inadequada para a incubação de embriões de R. quelen devido ao elevado indice de mortalidade, sendo as DEs mais
baixas mais indicadas para incubação desta espécie.
INFLUÊNCIA DE POLIMORFISMOS GENÉTICOS NA MMP-1 E MMP-3 NA TENDINOPATIA
PRIMÁRIA.
EFEITO DA DENSIDADE DE ESTOCAGEM NO DESENVOLVIMENTO DE Rhamdia quelen.
Aluno de Iniciação Científca: Larissa Pontes Alcazar (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 200923474
Orientador: Maria Cristina Leme Godoy dos Santos
Colaborador: : Priscila Akemi Arakaki (IC – Voluntária), Francisco Rafael Costa Junior (Mestrado)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: polimorfsmos genéticos, metaloproteases, tendinopatia primária.
Área de Conhecimento: 2.02.05.00-7 - Genética Humana e Médica
Aluno de Iniciação Científca: Marcelo Hideki Tamada (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005018169
Orientador: Flavia Sant’Anna Rios
Colaboradores: Alana Marielle Rodrigues-Galdino (DOUTORANDA/CAPES), Claudemir de Souza (MESTRANDO/CAPES), Anderson
Domingues Gomes (IC-CNPq/Proantar), Fernanda Gatto de Almeida (IC-Fundação Araucária)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Embriologia, Jundiá, Larvicultura
Área de Conhecimento: 2.06.02.00-6
0221
0222
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
135
O projeto Evolução e Biodiversidade na Antártica: uma resposta da vida as mudanças (CNPq. n◦ 52.0125/2008-8) tem por objetivo geral
avaliar a capacidade adaptativa de peixes antárticos em nível sistêmico, sub-celular e metabólico ao efeito da possível variação da temperatura
no ecossistema Antártico. Para atingir estes objetivos, o Laboratório de Biologia Adaptativa – Departamento de Biologia Celular da UFPR
desenvolve várias pesquisas sobre o assunto, na Estação Antártica Comandante Ferraz, Ilha Rei George, Arquipélago das Shetlands do Sul
na Península Antártica. O presente trabalho é parte do subprojeto: “Efeito do estresse térmico sobre o metabolismo energético dos peixes
antárticos Notothenia coriiceps e Notothenia rossii.” Os peixes foram submetidos a diferentes condições experimentais em temperaturas
de 0, 4
o
C e 8
o
C, salinidade de 35psu durante 24 horas, 96 horas, 15 dias e 30 dias. Foi observada uma diferença significativa, a 0ºC grau,
entre as médias das concentrações de glicose e triglicerídeos entre as duas espécies estudadas (α<0,05). Já a 4ºC graus, houve diferença
significativa entre as espécies para os valores verificados somente para a glicose (α<0,05). O aumento da temperatura da água, de zero para
4ºC, reduziu significativamente os níveis plasmáticos de glicose e cloreto da N. coriiceps e os níveis de glicose no plasma da N. rossii. Os
níveis de triglicerídeos aumentaram no sangue de ambas as espécies em função do aumento da temperatura, embora apenas o da N. rossii
tenha sido estatisticamente significante. Não foi observada, até o momento, em microscopia eletrônica de varredura, nenhuma alteração
morfológica dos eritrócitos.
Aranhas do gênero Loxosceles, conhecidas como aranhas-marrons, produzem veneno composto por diversas toxinas, entre elas proteínas,
responsáveis pelo quadro conhecido como loxoscelismo, que se manifesta em sintomas cutâneos e/ou sistêmicos. O quadro cutâneo é
o mais comum e pode levar ao desenvolvimento de uma lesão necrótica com espalhamento gravitacional, resultado de uma inflamação
exacerbada que envolve a participação de mastócitos e eventos histaminérgicos. Na biblioteca de cDNA da glândula de veneno de Loxosceles
intermedia foi identificada uma seqüência que codifica uma proteína da superfamília TCTP (Translationally Controlled Tumor Protein) que,
em ambiente extracelular, age como fator de liberação de histamina. O alinhamento da TCTP de L. intermedia com homólogas de outros
organismos revelou um alto grau de conservação da proteína, especialmente em resíduos de aminoácidos relacionados com a interação com
GTPases monoméricas. A análise filogenética mostrou que a proteína de L. intermedia esta agrupada com proteínas TCTP presentes na
saliva de carrapatos e para as quais já foi demonstrada a atividade de liberação de histamina. Foi então realizada a clonagem do cDNA que
codifica a proteína em pET 14b e a expressão da proteína recombinante em Escherichia coli BL21 (DE3) pLysS. A TCTP recombinante foi
expressa como uma proteína fusionada com um His-Tag N-Terminal. A purificação envolveu dois passos de cromatografia, o primeiro em
resina Ni2+-NTA agarose e o segundo em resina DEAE-Agarose. Com a proteína recombinante purificada foram produzidos anticorpos
utilizados em um ensaio de Western Blot que evidenciou a presença da proteína TCTP no veneno de L. intermedia. Para avaliar a atividade
biológica da proteína, foi realizado ensaio de edema de pata em camundongos, com a injeção da proteína em diferentes concentrações via
subcutânea na pata do animal (intraplantar) e medição da espessura da pata com micrômetro digital em diferentes tempos. Foi observado
pico de edema em cinco minutos após injeção da proteína de modo concentração dependente. Serão realizados ainda ensaios para avaliar a
liberação de histamina em células da linhagem basofílica RBL-2H3 em resposta à proteína TCTP, além de histologia em pele de camundongos
e coloração com azul de toluidina, para avaliar a degranulação de mastócitos expostos à TCTP.
EFEITO D0 ESTRESSE TÉRMICO NO METABOLISMO DE PEIXES ANTÁRTICOS
CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL DA PROTEÍNA TCTP PRESENTE NO VENENO DE ARANHA-
MARROM (Loxosceles intermedia)
Aluno de Iniciação Científca: Maria Rosa Dmengeon Pedreiro (CNPq-Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no CNPq: 52.0125/2008-8
Orientador: Lucélia Donatti
Colaborador: Priscila Krebsbach(ESTAGIÁRIA/CNPq) , Cintia Machado(Doutoranda/REUNI), Luciana Badeluk Cettina(Pesquisadora/CNPq),
Flávia Baduy Vaz da Silva(Pesquisadora), Flávia Sant`Anna Rios(Professora/UFPR).
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Antartica, notothenídeos,eritrócitos
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Marianna Boia Ferreira (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022579
Orientador: Profa. Dra. Andrea Senf-Ribeiro Co-Orientador: Prof. Dr. Silvio Sanches Veiga
Colaborador: Youssef Bacila Sade (Doutorado/ CAPES)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Loxosceles, TCTP, histamina.
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
0223
0224
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
136
A classe Osteichthyes representa o maior grupo de peixes ósseos e dentre eles, os Actinoptergii representam o grupo do qual derivou a
maioria das espécies atuais. O peixe empregado neste estudo foi o Teleósteo Poecilia reticulata, pertencente à Ordem Cyprinodontiformes
e conhecido popularmente como Lebiste. Esta espécie é amplamente utilizada como peixe ornamental por ser de fácil criação, apresentar
coloração intensa e por reproduzir-se facilmente em cativeiro. Possui hábito ovovivíparo e logo que nasce passa a ter alimentação exógena.
Para a análise do desenvolvimento do esqueleto pós-craniano desta espécie, exemplares adultos de ambos os sexos foram mantidos sob
temperatura (28±1°C) e aeração constantes, sendo alimentados com ração comercial. As fêmeas grávidas foram identificadas pelo abdome
avolumado e colocadas em uma incubadora plástica dentro do mesmo aquário (40 litros), que garantiu a separação entre a fêmea, os peixes
recém nascidos e os demais peixes do aquário, evitando o canibalismo pelos adultos. Logo que nasceram, os peixes foram remanejados
para um aquário de 8 litros em condições idênticas ao aquário de origem. Os alevinos foram amostrados periodicamente ao longo de
20 dias, anestesiados em benzocaína 0,01% e fixados em formalina 5% por um período de 3 horas sob refrigeração. Após a fixação, as
amostras foram transferidas para álcool 70% e submetidas à técnica de diafanização (KOH 6%) e coloração do esqueleto (Azul de Alcian
e Vermelho de Alizarina) para o estudo do padrão de ossificação em montagens totais. Observou-se que, após o nascimento, o crescimento
foi acelerado, sem haver, entretanto, intensas modificações estruturais externas. Porém, o desenvolvimento pós-natal das vértebras, costelas
e nadadeiras foi acentuado nos primeiros dias de vida livre. As vértebras apresentaram-se totalmente ossificadas a partir do primeiro dia
após do nascimento. Já a ossificação das nadadeiras foi gradual desde o primeiro até, aproximadamente, o 15º dia. Contudo, as nadadeiras
não apresentaram ossificação completa até a extremidade distal em nenhum dos estádios analisados, incluindo nos indivíduos adultos. As
costelas apresentaram-se parcialmente ossificadas a partir do nascimento e a ossificação completa deu-se por volta do terceiro dia. Com base
nos resultados foi possível concluir que a ossificação do esqueleto de Poecilia reticulata ocorre, em sua maioria, no período embrionário,
sendo que o desenvolvimento pós-natal do sistema esquelético é gradual, porém rápida e constante nos primeiros três dias e desacelerada
após o quinto dia.
A escassez de água e o seu mau uso têm agravado o problema da qualidade da água gerando riscos em potencial da exposição humana. A
poluição acarreta a degradação dos ecossistemas aquáticos, com possíveis prejuízos irreversíveis à qualidade da água tornando-a imprópria
para o abastecimento público. Considerando o risco eminente de exposição humana a poluentes presentes na água, quer seja pela exposição
direta no uso doméstico ou indireta através do consumo de produtos aquícolas, torna-se necessário avaliar a qualidade da mesma. No presente
estudo, a qualidade da água foi avaliada através da saúde de Geophagus brasiliensis, provenientes dos reservatórios Iraí e Passaúna, que
abastecem a região de Curitiba, sendo coletados 13 e 18 exemplares respectivamente. Após anestesia, os exemplares foram sacrificados
e dissecados para coleta do sangue e fígado, o qual foi fixado em ALFAC para processamento histológico, ou congelado a -80ºC para
análises posteriores. Durante o processo histológico as amostras foram desidratadas em álcool, diafanizadas em xilol e então incluídas e
emblocadas. Cortes de 5 μm foram obtidos e corados com Hematoxilina-Eosina. A análise histológica do fígado mostrou alterações teciduais
dos indivíduos provenientes de ambas as áreas de estudo, como necrose, infiltrações leucocitárias, neoplasias e presença de parasitas.
As análises bioquímicas visaram verificar a condição de estresse oxidativo das células do fígado. A quantificação de proteínas totais, a
atividade geral das isoenzimas Glutationa S-transferase e a peroxidação lipídica (LPO) foram mensuradas. Os resultados da LPO mostraram
diferença estatística entre os animais coletados nos dois reservatórios; já as análises das GSTs não apresentaram diferenças significativas.
A fim de verificar danos em DNA, foram analisadas 2000 hemácias periféricas de cada peixe em teste cego, e verificou-se a presença de
partículas nitidamente separadas do núcleo principal, consideradas como micronúcleos, e alterações na forma elíptica normal dos núcleos
das hemácias, apontando efeitos genotóxicos. Evidências de dano ao DNA também foram apontadas pelo ensaio cometa com sangue. A
investigação da qualidade da água dos reservatórios que abastecem a capital paranaense e região metropolitana, baseando-se na saúde os
organismos expostos subcrônica e cronicamente, mostrou que o reservatório Iraí encontra-se mais impactado que o Passaúna. No entanto,
análises complementares considerando um grupo proveniente de área de referência são necessárias para um diagnóstico mais preciso.
DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA ESQUELÉTICO DE Poecilia reticulata
AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUA DOS RESERVATÓRIOS DE CURITIBA ATRAVÉS DE
BIOMARCADORES DE ESTRESSE OXIDATIVO EM PEIXES
Aluno de Iniciação Científca: Nitiananda Falvo Fuganti (IC - voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005018169
Orientador: Flavia Sant’Anna Rios
Colaborador: Camila Valente Maiolino (MESTRANDA/CAPES), Lucélia Donatti (UFPR)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: lebiste, morfologia, ossifcação.
Área de Conhecimento: 2.06.99.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Paola Caroline Nagamatsu (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023637
Orientador: Ciro Alberto de Oliveira Ribeiro
Colaborador: Daniele Dietrich Moura Costa, Dandie Antunes Bozza
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Reservatórios, Geophagus brasiliensis, Biomarcadores
Área de Conhecimento: 2.10.07.00-4
0225
0226
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
137
Desordens dos tendões são comuns e constituem problema freqüente na prática diária do cirurgião ortopedista de pé e tornozelo. Alguns
tendões são particularmente vulneráveis e apresentam alteração degenerativa primária, além disso, a literatura demonstra a influência
genética em alguns grupos de risco. Mediadores inflamatórios como as metaloproteases, estão associados ao processo de inflamação e podem
influenciar a degenerações de tendões. Tendo em vista que a diferenciação e função celular observadas na tendinopatias dependem não só
de fatores locais, mas também da expressão desses mediadores inflamatórios, torna-se válido avaliar a influência desses na tendinopatia.
Polimorfismos são variações genéticas encontradas na população, consideradas dentro da normalidade, que tornam um indivíduo mais
ou menos suscetível a uma determinada patologia; polimorfismos em gene de metaloproteases já foram associados a diversas patologias.
O objetivo do trabalho é investigar a influência de polimorfismos no gene da MMP-8 correlacionando-os com a tendinopatia primaria
do tendão tibilar posterior. O DNA dos voluntários (grupo teste, 100 pacientes submetidos a procedimento cirúrgico e com diagnóstico
anatomopatológico de lesão degenerativa do tendão tibial posterior e grupo controle, 100 pacientes com tendão tibial posterior integro e
sem sinais de degeneração) foi obtido a partir de células epiteliais da mucosa bucal, através de extração com acetato de amônia. As reações
de PCR e RFLP foram padronizadas. Todas as amostras controle foram analisadas, entretanto apenas parte das amostras teste foi coletada
até o momento. A análise estatística será por Simulações de Monte Carlo (significância de 5%). Espera-se identificar possíveis marcadores
genéticos relacionados à tendinopatia e contribuir para a identificação de indivíduos susceptíveis.
O bioacúmulo de fluoreto no exoesqueleto do Krill e a sua biomagnificação no tecido ósseo dos animais Antárticos que se alimentam de
Krill, expõem todos os vertebrados Antárticos, direta ou indiretamente, a uma sobrecarga de fluoreto. Diante disto, a presente proposta tem
como objetivo estudar o efeito do fluoreto administrado via entérica e injeção peritoneal, sobre a estrutura branquial do peixe Antártico
N. rossii, frente ao aumento de temperatura e redução de salinidade. As atividades de campo foram desenvolvidas na Estação Antártica
Comandante Ferraz (EACF), localizada na Península de Keller, Baia do Almirantado, Ilha Rei George, Arquipélago das Ilhas Shetlands
do Sul, Antártica. Posteriormente ao período de aclimatação, os peixes foram submetidos a diferentes condições experimentais durante 11
dias, em temperaturas de 0 e 4
o
C, salinidade de 35 e 20psu e fluoreto via entérica e peritoneal (15mg/Kg). Amostras do tecido branquial
foram fixadas em ALFAC (álcool 80%, formaldeído e ácido acético glacial), para o processamento em Microscopia de Luz e em Karnovisky
(paraformaldeído 2%, glutaraldeído 2,5% em tampão cacodilato 0,1M pH 7.2 a 4° C) para o processamento em Microscopia Eletrônica
(Transmissão e Varredura), sendo os meios de inclusão utilizados o Paraplast Plus e Epon 812, respectivamente. As alterações morfológicas
observadas foram hiperplasia, aneurismas e desestruturação de lamelas secundárias, sendo estas alterações mais pronunciadas quando o
fluoreto foi administrado via injeção peritonial. Não foram observados hipertrofia, descolamento branquial e vacuolização, na administração
do fluoreto via entérica e por injeção peritonial.
INFLUÊNCIA DE POLIMORFISMOS GENÉTICOS NA MMP-8 EM TENDINOPATIA PRIMÁRIA.
EFEITO DO FLUORETO NA ESTRUTURA BRANQUIAL DO PEIXE ANTÁRTICO Notothenia rossii
(RICHARDSON, 1844) SOB CONDIÇÕES DE ESTRESSE TÉRMICO E SALINO.
Aluno de Iniciação Científca: Priscila Akemi Arakaki (IC Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 200923474
Orientador: Maria Cristina Leme Godoy dos Santos
Colaborador: Larissa Pontes Alcazar (PIBIC - CNPq), Francisco Rafael Costa Junior (MESTRADO)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: polimorfsmos genéticos, metaloproteases, tendinopatia primária.
Área de Conhecimento: 2.02.05.00-7 - Genética Humana e Médica
Aluno de Iniciação Científca: Priscila Krebsbach (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no CNPq: 52.0125/2008-8
Orientador: Lucélia Donatti
Colaborador: Maria Rosa Dmengeon Pedreiro, Nádia Sabchuk, Edson Rodrigues Júnior, Mariana Feijó de Oliveira, Danielle Duarte,
Edson Rodrigues e Flávia Sant`Anna Rios.
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Antartica, notothenídeos, brânquia.
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
0227
0228
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
138
Loxoscelismo é o termo utilizado para descrever o quadro clínico das lesões e reações após os acidentes envolvendo aranhas do gênero
Loxosceles. É considerado um sério problema de saúde pública, principalmente no Sul e Sudeste do Brasil, sendo o Paraná o estado que
mais notifica acidentes provocados por aranhas do gênero. A análise histopatológica do desenvolvimento da lesão dermonecrótica induzida
em animais expostos ao veneno, inclui alterações vasculares, como a formação de blebs subendoteliais e a degeneração da parede dos
vasos sanguineos. Estudos das conseqüências hemorrágicas do veneno em células endoteliais têm demonstrado que a degeneração dos
vasos resulta não somente da degradação de moléculas da matriz extracelular ou maciça infiltração de leucócitos, mas também da atividade
primária e direta do veneno sobre as células endoteliais (RAEC). Após o envenenamento pouco se sabe sobre as interações com receptores
celulares e sobre a distribuição destas toxinas nos tecidos. Muito menos sobre a possível penetração destes compostos através da membrana
celular. Dados sobre a internalização destas toxinas e a interação com estruturas intracelulares, certamente proporcionam importantes
indícios sobre os mecanismos dos efeitos citotóxicos desses venenos. O presente trabalho empregou “técnicas padrões” bem conhecidas
de imunomarcação em microscopia confocal e citometria de fluxo, protocolos convencionais, e todos os anticorpos por nós utilizados
foram adquiridos comercialmente e empregados nas concentrações pré estabelecidas pelos fornecedores (Nowatzki; J et al.; 2010). Nossos
resultados demonstraram evidências adicionais do mecanismo de ação destas toxinas sobre células endoteliais. Identificou-se que a interação
do veneno com a superfície celular é mediada pela integrina α
5
β
1
, e por carboidratos (Lectina WGA). Além disso, o veneno causa uma redução
desses carboidratos. A internalização do veneno foi verificada, demonstrando-se que as células endoteliais são capazes de endocitar estas
toxinas e tem como destino os lisossomos (LysoTracker), entretanto nenhum dano à integridade dos lisossomos foi observado, sugerindo
que a atividade citotóxica das toxinas do veneno de L. Intermedia em células endoteliais não é mediada pela internalização do veneno.
Além disso, esta dinâmica envolve um mecanismo endocítico específico, a pinocitose de fase fluida (corante fluorescente Lucifer Yellow),
processo este não observado em demais linhagens, sugerindo que a internalização do veneno pode ser específica para as células endoteliais.
O conhecimento sobre a reprodução da aranha marrom pode auxiliar na prevenção do aumento de seu número e, conseqüentemente, dos
acidentes ocasionados por encontros com a população. O sistema reprodutor da fêmea de Loxosceles intermedia é composto basicamente
pelos ovários, ovidutos, útero e espermateca (órgão de armazenamento dos espermatozóides). O objetivo do presente trabalho foi estudar
anatômica e morfologicamente a espermateca de fêmeas virgens recém-copuladas para entender como ocorrem a transferência e manutenção
dos espermatozóides neste local. Para tal, fêmeas virgens recém-copuladas foram anestesiadas e seu abdomen fixado com paraformaldeído
4% em tampão fosfato 0,1M, pH7,4. Depois de 15 minutos, sob microscópio estereoscópico, o hepatopâncreas e ovários foram retirados
e as espermatecas fixadas por mais 2 horas. Para a análise anatômica foi utilizada a técnica da montagem total, demonstrando que a fêmea
contém um par de espermatecas que se inserem próximas à fenda genital, uma de cada lado. Cada uma é formada por um ducto alongado,
sinuoso e quitinizado, com estruturas ovaladas e quitinizadas por toda sua extensão. Em seu término, há um bulbo, de pequena dimensão
se comparado ao comprimento do ducto, e não quitinizado. Com este método também é possível notar que algumas fêmeas possuem
mais do que um par de espermatecas. Para a análise morfológica, utilizou-se a microscopia de luz. Para tal, a região das espermatecas
foi submetida ao protocolo padrão para emblocagem em historesina, sendo os cortes seriados de 5μm corados com HE e analisados ao
microscópio de luz. Os resultados obtidos mostraram que o epitélio da espermateca é do tipo pseudoestratificado e secretório, constituído
por unidades glandulares compostas por mais de uma célula secretora. Logo após a cópula, espermatozóides são encontrados no útero
externo e no ducto e bulbo das espermatecas, todos em estado de sinspermia – em que quatro espermatozóides encapsulados, ainda na
forma sincicial, compartilham um citoplasma e membrana plasmática. No ducto e bulbo, os espermatozóides estão diretamente envolvidos
por uma secreção básica proveniente do macho. Observou-se também que a espermateca está envolvida por uma vasta musculatura, que
provavelmente auxilia na movimentação dos sincícios de espermatozóides através do ducto. Estudos comparativos com outras situações
após a cópula (24hs, 7dias, 30dias, logo após a oviposição) precisam ser realizados para um melhor entendimento de como o ambiente da
espermateca permite a manutenção de espermatozóides viáveis por longos períodos de tempo.
TOXINAS DO VENENO DA ARANHA MARROM INTERAGEM COM A SUPERFÍCIE CELULAR E SÃO
ENDOCITADAS POR CÉLULAS ENDOTELIAIS DE COELHO (RAEC).
CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, ATRAVÉS DE DIFERENTES TÉCNICAS DE MICROSCOPIA, DA
ESPERMATECA DA ARANHA MARROM LOXOSCELES INTERMEDIA, LOGO APÓS A CÓPULA.
Aluno de Iniciação Científca: Rafael José Munhoz de Oliveira (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004014059
Orientador: Profa. Dra Célia Regina Cavichiolo Franco Co-Orientador: Prof. Dr. Edvaldo da Silva Trindade
Colaborador: Jenifer Nowatzki
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Loxosceles intermedia, células endoteliais, endocitose das toxinas do veneno.
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Raquel Akemi Inokuti (Programa-Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022477
Orientador: Claudia Feijó Ortolani-Machado
Colaborador: Mônica Akemi Okada (DOUTORANDA/ CAPES REUNI)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: aranha marrom, espermateca, recém-copulada.
Área de Conhecimento: 2.06.03.00-2
0229
0230
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
139
No estado do Paraná, em especial na cidade de Curitiba e Região Metropolitana, os acidentes envolvendo a picada de aranha marrom
constituem um problema de saúde pública. Estes acidentes têm como característica frequente o desencadeamento do quadro clínico
cutâneo, caracterizado por dermonecrose com espalhamento gravitacional. O evento de espalhamento é atribuído dentre a diversidade de
toxinas em que o veneno é composto, principalmente à presença de hialuronidases , as quais, também são observadas em venenos de outros
gêneros. Para a espécie Loxosceles intermedia foi caracterizado por métodos bioquímicos hialuronidases com atividade hidrolítica em 41 e
43kDa. O objetivo deste trabalho foi a clonagem e expressão de uma isoforma de hialuronidase presente no veneno de L. intermedia. Para
tal, foi utilizado o RNA total extraído da glândula produtora de veneno e foram desenhados oligonucleotídeos gene-específicos baseados
nas seqüências nucleotídicas de hialuronidases presentes em outras espécies e posteriormente a identificada no transcriptoma da glândula
de L. intermedia. A sequência completa foi obtida por meio de técnicas de 3’ e 5’ RACE e o inserto obtido ligado em vetor de clonagem
pGEM-T. A análise desta seqüência nos informou que a massa molecular teórica desta toxina recombinante foi de aproximadamente
46kDa e que no início de sua sequência há resíduos hidrofóbicos de um peptídeo sinal de endereçamento para o retículo
endoplasmático. Foram encontrados 4 possíveis sítios de N-glicosilação e seu ponto isoelétrico foi calculado ser 8.66. Visando
a expressão e posterior análise da atividade biológica, a subclonagem foi feita em vetor pET-14b com auxílio de oligonucleotídeos que
continham sítios de restrição para as enzimas NdeI e BamHI. A construção resultante foi transformada em cepas de E. coli BL21(DE3)
pLysS e E. coli AD494(DE3). O teste de mini-indução foi realizado com diferentes concentrações de IPTG no intervalo de 0,05mM a 1,0
mM a 30ºC. Variações de temperatura de expressão foram realizadas, porém, na cepa BL21(DE3)pLysS a proteína era expressa em corpos de
inclusão. Em AD494(DE3) com 0,05mM do indutor a 30ºC uma parte da proteína recombinante estava sendo expressa em sua forma solúvel.
Os resultados obtidos até o momento permitirão a expressão de hialuronidase recombinante em uma maior escala para posterior purificação
por cromatografia de afinidade, para que futuramente então se verifique sua atividade biológica e possíveis aplicações biotecnológicas.
Herbaspirillum seropedicae é um diazotrofo Gram-negativo encontrado associado a gramíneas de interesse econômico, como milho e
cana-de-açúcar. A proteína NifA de H. seropedicae controla a transcrição dos genes nif, responsáveis pela fixação biológica de nitrogênio,
em resposta aos níveis de íons amônio e oxigênio. Essa proteína possui três domínios: um domínio N-terminal regulatório, um domínio
central catalítico, e um domínio C-terminal, responsável pela interação com o DNA. Trabalhos anteriores atribuíram a sensibilidade a
amônio ao domínio N-terminal, uma vez que a proteína NifA N-truncada mantém atividade em concentrações de amônio inibitórias para a
proteína nativa. No entanto, até o presente momento não foram determinados quais aminoácidos do domínio N-terminal estão envolvidos
diretamente na regulação. No presente trabalho, foram construídas variantes do gene nifA codificando proteínas truncadas nos aminoácidos
45, 90, 135, 165, 185, 203, 218, e 244 (denominadas proteínas N45, N90, N135, N165, N185, N203, N218 e N244). A capacidade das
proteínas truncadas em ativar a fusão nifH (K. pneumoniae)::lacZ foi determinada in vivo em Escherichia coli JM109 e ET8000 contendo
o plasmídeo pRT22. Somente as proteínas N165, N185 e N203 foram ativas quando expressas em E. coli, e não sofreram regulação por
amônio. Nossos resultados sugerem que a região entre os aminoácidos 203 e 218 é essencial para a atividade da proteína NifA, pois sua
ausência gerou uma proteína inativa (N218). A região entre os aminoácidos 135 e 165 é provavelmente responsável pela função inibitória
do domínio N-terminal, uma vez que a proteína N135 não foi capaz de ativar a transcrição, mas a proteína N165 foi. A proteína N185
tem uma atividade maior que as demais indicando que a região entre o aminoácido 185 e 203, correspondente ao interdomínio Q, parece
estabilizar a estrutura da proteína.
CLONAGEM, EXPRESSÃO HETERÓLOGA E CARACTERIZAÇÃO DE HIALURONIDASE PRESENTE
NO VENENO DE ARANHA MARROM (Loxosceles intermedia)
DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE DE VARIANTES DA PROTEÍNA NIFA DE HERBASPIRILLUM
SEROPEDICAE EM RESPOSTA AOS NÍVEIS DE AMÔNIO E OXIGÊNIO
Aluno de Iniciação Científca: Thiago Lopes De Mari (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000008118
Orientador: Prof. Dr. Waldemiro Gremski Co-Orientador: Prof. Dr. Silvio Sanches Veiga
Colaborador: Valéria Pereira Ferrer (Doutorando/ CNPq)
Departamento: Biologia Celular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: loxoscelismo, Loxosceles intermedia, hialuronidase
Área de Conhecimento: 2.06.01.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Adriano Alves Stefanello (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023468
Orientador: Rose Adele Monteiro
Colaboradores: Emanuel Maltempi de Souza, Leda Satie Chubatsu, Luciano F. Huergo, Fabio de Oliveira Pedrosa.
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: NifA,Herbaspirillum seropedicae.
Área de Conhecimento: Biologia Molecular – 2.08.04.00-8
0231
0232
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
140
A eumelanina é um pigmento produzido pelos melanócitos presentes na pele, a partir do aminoácido tirosina. Há evidências de que a
eumelanina, através de efeito black-out, proteja o DNA de lesões causadas pela radiação ultravioleta (UV). A radiação UVA pode gerar
oxigênio singlete (
1
O
2
), uma espécie reativa que leva à formação de danos no DNA, principalmente em guaninas. Para avaliar o papel da
eumelanina nas lesões ao DNA mediadas pelo
1
O
2
, plasmídeos pUC18 (200ng) foram incubados na presença de 20mM DHPNO
2
(gerador
de
1
O
2
) e 400μg/mL de eumelanina. A presença de possíveis sítios preferenciais de oxidação foi verificada pela adição das enzimas de reparo
formamidopirimidina (FPG), que reconhece bases purínicas oxidadas ou de endonuclease III (EndoIII), que reconhece bases pirimídicas
oxidadas. As quebras no DNA foram avaliadas pela intensidade das formas linear, circular aberta e superenovelada do plasmídeo, após
eletroforese em gel de agarose 1% e coloração com brometo de etídio. O
1
O
2
, em concordância com a literatura, levou à quebra de DNA e à
formação de sítios sensíveis à enzima de reparo FPG, mas não sensíveis à EndoIII. A eumelanina não inibiu as quebras ao DNA pelo
1
O
2
, mas
teve efeito protetor contra a formação de sítios reconhecidos pela FPG. Entretanto, na ausência de
1
O
2
, a eumelanina aumentou as quebras
no DNA, sem geração de sítios sensíveis às enzimas de reparo utilizadas. Resultados similares foram encontrados usando concentrações
menores de eumelanina (50 a 400μg/mL). Para investigar o mecanismo da quebra do DNA mediado pela eumelanina foram adicionados
seqüestradores de radical hidroxila (DMSO e manitol), quelantes metálicos (batocupreina para cobre e deferoxamina para ferro) e enzimas
antioxidantes (SOD e catalase). Todas as estratégias foram eficazes em evitar as quebras no DNA pela eumelanina. Esses dados sugerem
que os danos observados são decorrentes de uma reação do tipo Fenton. A presença de traços de metais, aliada à conhecida capacidade
da eumelanina em levar à formação de peróxido de hidrogênio, podem ter contribuído para esse resultado. A eumelanina, portanto, pode
proteger o DNA contra danos oxidativos pelo
1
O
2
, mas também pode ter papel nocivo quando em presença de metais. Apoio Financeiro:
CNPq e INCT de Processos Redox em Biomedicina - Redoxoma.
O objetivo deste projeto foi compreender como a temperatura afeta a cinética de crescimento de um fungo filamentoso cultivado na
superfície de um substrato úmido e nutritivo em contato com o ar. Este é o contexto da fermentação no estado sólido (FES), uma
técnica de cultivo na qual microrganismos, geralmente fungos filamentosos, são cultivados nas superfícies de partículas sólidas, em um
leito dentro do qual os poros entre as partículas são preenchidos com ar. Neste sistema, é impossível evitar variações na temperatura
durante o cultivo. Em uma tese de doutorado concluída nesta linha de pesquisa, foram obtidos dados experimentais da cinética de
crescimento de Rhizopus oryzae em FES quando o microrganismo foi submetido a elevações de temperatura. No presente trabalho
um modelo matemático foi desenvolvido para descrever os resultados obtidos na tese. Nesta, o cultivo do fungo iniciou-se em sua
temperatura ótima (34°C), podendo ter um período de 6 horas onde a temperatura de cultivo foi elevada a 45°C. Foram analisadas
quatro condições: (1) Todo o crescimento a 34°C; (2) Elevação da temperatura entre 15 e 21 horas; (3) Elevação entre 18 e 24 horas e
(4) Elevação entre 24 e 30 horas. Após este período de elevação de temperatura, a temperatura retornava a 34°C. No presente trabalho, para
a elaboração do modelo considerou-se que o crescimento do fungo é função da biomassa fisiologicamente ativa localizada nas pontas das
hifas e não da biomassa total. As velocidades específicas de crescimento e de morte celular assumidas são diferentes para cada temperatura
(34 e 45°C). Além disso, o estado fisiológico desta biomassa na ponta foi descrito utilizando um “fator G” que representa, de maneira
empírica, o grau de atividade da maquinaria biossintética da célula. No momento, o modelo foi ajustado a perfis individuais experimentais.
A próxima etapa envolverá a busca para um único conjunto de parâmetros que permita uma descrição adequada de todos os quatro perfis.
PAPEL DA EUMELANINA NOS DANOS OXIDATIVOS AO DNA PELO OXIGÊNIO SINGLETE.
MODELAGEM MATEMÁTICA DO EFEITO DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA SOBRE O
CRESCIMENTO DE RHIZOPUS ORYZAE
Aluno de Iniciação Científca: Alessandra Vieira (CNPq – Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016533
Orientador: Glaucia Regina Martinez Co-Orientador: Andréia Akemi Suzukawa (PPG- Bioquímica)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: oxigênio singlete, dano ao DNA, eumelanina.
Área de Conhecimento: 2.08.03.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Aline Braun (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007784
Orientador: David Alexander Mitchell Co-Orientador: Nadia Krieger
Colaborador: Juliana Hey Coradin (Mestranda), Graciele Viccini (CNPq/PDJ)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: fungos flamentosos, modelagem matemática, temperatura.
Área de Conhecimento: 2.12.01.00-5
0233
0234
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
141
Taninos são metabólitos secundários vegetais de natureza polifenólica, que apresentam adstringência e capacidade de precipitar proteínas.
Quimicamente, os taninos podem ser classificados como taninos condensados e hidrolisáveis. Estas moléculas são encontradas em raízes,
cascas, folhas, frutos e sementes de plantas usadas na forma de ervas medicinais, na alimentação e na fabricação de bebidas. Além disso,
estudos têm demonstrado a utilização de taninos como potencial bioativo para o controle de nematódeos gastrintestinais em ruminantes.
Verminoses gastrintestinais são de grande preocupação econômica e em saúde animal. A resistência parasitária em animais de produção
vem causando grandes perdas econômicas pelo vasto uso de antihelmínticos de largo espectro. O objetivo deste estudo foi determinar
análise fitoquímica dos extratos aquosos obtidos de Diospyros kaki (caqui) e Persea americana (abacate) e testar, in vitro, com ensaio de
migração de larvas de Haemonchus contortus. Frutos de caqui moídos e sementes de abacate moídas (20g) foram submetidos à extração
aquosa, por 1h a 60º C. Após filtragem, os extratos (EAQ) foram submetidos às reações de caracterização de taninos, incluindo, os ensaios
de complexação com gelatina (CG), cloreto férrico (CF) e sulfato de ferro amoniacal (SFA). O ensaio de migração de larva foi realizado com
larvas de H. contortus no estágio L3, utilizando soluções de 0,0625 a 2% (m/v) do EAQ. A presença de taninos foi verificada no EAQ obtido
do fruto de caqui tanto pela reação positiva do ensaio de CG como pelos resultados das reações colorimétricas com CF e SFA (coloração
azul). Diferentemente, para o EAQ da semente de abacate os resultados indicaram a presença de flavonóides. Até o momento, somente o
EAQ obtido a partir dos frutos de caqui (EAQ-DK) foram utilizados nos ensaios in vitro de migração larval. O EAQ-DK na concentração
a 2%, inibiu 83% (± 0,27%) da migração larvar comparado ao grupo controle. Os resultados obtidos nos testes in vitro com o EAQ-DK
mostram-se promissores, sendo necessária, assim, a complementação dos estudos fitoquímicos e realização de outros testes com larvas e ovos.
O interesse pelo estudo de organismos causadores de doenças Neotropicais negligenciadas tem aumentado nos últimos anos. Trypanosoma
cruzi, o agente etiológico da doença de Chagas, têm despertado o interesse de vários pesquisadores, pois apresenta várias peculiaridades
em sua biologia molecular. Tais particularidades envolvem transcrição de genes de forma policistrônica e trans-splicing, grande número
de proteínas codificadas por famílias multigênicas e editoração de RNA mitocondrial. As proteínas ribossômicas L7a e L19 de T. cruzi
apresentam uma particularidade, além de carregarem um domínio repetitivo nas porções N-terminal (TcRpL7a) ou na porção C-terminal
(TcRpL19). Ambas as proteínas são bastante imunogênicas e a sua antigenicidade pode ser atribuída as sequências repetitivas de seus
aminoácidos. Já que estas regiões repetitivas estão presentes somente nas potenciais proteínas L7a e L19 de T. cruzi, o objetivo deste
trabalho foi analisar sua possível função dentro do parasito, usando T. brucei como modelo experimental. Para testar se estas proteínas
são essenciais para o funcionamento do ribossomo, foram geradas construções capazes de silenciar o ortólogo de T. cruzi em T. brucei por
RNAi usando o vetor p2T7 – 177. Resultados preliminares indicam que o silenciamento das prováveis proteínas ribossômicas L7a e L19
causam redução drástica na taxa de crescimento. O próximo passo é complementar o fenótipo de T. brucei expressando-se o ortólogo de
T. cruzi com e sem repetições, fornecendo assim uma importante peça para o entendimento da presença das repetições nessas proteínas
específicamente. Suporte Financeiro: CNPq, FAPEMIG.
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIPARASITÁRIA DE METABÓLITOS SECUNDÁRIOS
CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL DAS PROVÁVEIS PROTEÍNAS RIBOSSÔMICAS L7A E L19 DE
Trypanosoma cruzi UTILIZANDO Trypanosoma brucei COMO MODELO EXPERIMENTAL
Aluno de Iniciação Científca: Amanda Bondesan (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022509
Orientador: Profa Dra Selma Faria Zawadzki Baggio Co-Orientador: Profa Dra Juliana B.B. Maurer
Colaboradores: Fernando Kloster, Prof Dr Marcelo B. Molento (Med.Veterinária - UFPR)
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: taninos; caqui; abacate; NUPPLAMED
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9                       
Aluno de Iniciação Científca: Ana Paula Cunha (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022758
Orientador: Wanderson da Rocha
Colaborador: Pizzichini SD, Almeida RM, Pais FS, Teixeira SMR
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Trypanosoma brucei, proteínas ribossômicas, RNA de interferência.
Área de Conhecimento: 2.13.01.00-0
0235
0236
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
142
Polissacarídeos sulfatados de algas marinhas têm sido de grande interesse nas últimas décadas devido conhecimento de suas propriedades
biológicas, dentre elas atividade antitumoral, anticoagulante e antiviral. Apesar de sua ampla distribuição ao longo da costa brasileira estudos
estruturais de polissacarídeos das algas verdes marinhas (Chlorophyta) são escassos quando comparados com algas do filo Rhodophyta
(vermelhas) e Phaeophyta (pardas). O objetivo do presente trabalho foi analisar a estrutura de polissacarídeos sulfatados e seus produtos de
degradação parcial obtidos da clorófita G. oxysperma e determinação da sua atividade antitumoral. A alga seca e moída foi submetida a cinco
extrações aquosas seqüenciais (80ºC, 4 h) originando cinco frações brutas. As análises químicas destas frações demonstraram a presença
de grupos sulfato (23,9-34%), ácidos urônicos (13,8-17,4%) e proteínas (0,9-2,4%). Para determinação da composição monossacarídica as
frações foram submetidas ao processo de hidrólise ácida total e analisadas por CG-EM. Ramnose foi o principal monossacarídeo neutro
encontrado (68,8-78,6 mol%), além de menores percentagens de xilose (11,3-19,1 mol%), galactose (0,9-2,2 mol%), glucose (4,1-7,2
mol%), arabinose (2,4-4,4 mol%) e manose (1,3-1,4 mol%). Os espectros de RMN de
13
C das frações brutas foram similares entre si e
revelaram um grande número de sinais o que reflete a complexidade estrutural destes polímeros. Sinais de intensidade alta em 17,9-18,8
ppm correspondentes ao grupo CH
3
da ramnose, confirmam os dados da composição monossacarídica, onde a ramnose é o principal
monossacarídeo constituinte. A fração obtida na terceira extração (OX-3) foi submetida à degradação controlada de Smith e originou uma
fração de menor massa molecular (OX-3S) altamente sulfatada. Em comparação com a fração original ela apresentou um maior teor de
grupamentos sulfato (25,7 →34,3%) além de aumento significativo na quantidade de ramnose (68,8→88,8 mol%), diminuição nos teores de
xilose (19,1→3,5 mol%) e ausência de arabinose e galactose, presentes na fração original. Os ensaios de atividade antitumoral utilizando as
frações OX-3 e OX-3S foram realizados através do método do MTT, utilizando a linhagem U87MG de glioma humano. As concentrações
utilizadas para o teste foram de 10, 100 e 1000μg/ml. Tanto OX-3 como OX-3S ocasionaram redução estatisticamente significante (p<0,001)
na viabilidade celular em todas as concentrações. Deste modo, as ramnanas sulfatadas de G. oxysperma podem ser consideradas como
moléculas de interesse no estudo de atividade antitumoral.
As galactanas sulfatadas apresentam estruturas repetitivas formadas por unidades de β-D-galactose 3-ligada e α-galactose 4-ligada
denominadas unidades A e B, respectivamente. Estes polissacarídeos produzidos exclusivamente por algas vermelhas, são classificados em
carragenanas, agaranas e galactanas DL-híbridas, de acordo com a enantiomericidade das unidades B, ou seja, D-, L- e D+L, respectivamente.
A grande diversidade estrutural das galactanas também decorre da presença de grupos sulfato, metil, xilose ou de acetal de ácido pirúvico.
Estas substituições influenciam diretamente as propriedades físico-químicas e biológicas destes polímeros. O objetivo deste trabalho foi
determinar a estrutura química e atividade anti-herpética dos polissacarídeos solúveis em meio aquoso produzidos pela alga vermelha
Cryptonemia seminervis. A alga seca e moída foi submetida à extração com tampão fosfato (25mM, pH 6,5 a 80ºC), produzindo a fração
S a que foi sequenciamente tratada com KCl 2M. Este fracionamento originou uma fração solúvel em KCl 2M (SS, 95,0% de rendimento,
19,1% NaSO
4
) e uma insolúvel (SP, 5,0% de rendimento, 10,4% NaSO
4
). A fração SS contém galactose; 3,6-anidrogalactose; 2-O-metil-
3,6-anidrogalactose; 2-O-metil-galactose; 6-O-metil-galactose e 4-O-metil-galactose (70,2; 11,3; 1,3; 1,8; 2,9 e 3,3 mol%, respectivamente).
SS foi submetida à hidrólise redutiva parcial usando o complexo borano-4-metilmorfolina. Os espectros de RMN de
13
C de SS e DSi
apresentaram sinais anoméricos (ppm), correspondentes à díades de agaranas: β-D-Gal2S (100,8) → L-AGal2S (96,1-96,6); β-D-Gal (102,1)
→ L-AGal (98,3); como também de carragenana: β-D-Gal (104,5) → D-Gal (96,0). Estes espectros também apresentam sinais em 25,0 e
175,6 ppm atribuídos aos grupos metil e carboxil de acetal de ácido pirúvico, respectivamente. As galactanas sulfatadas de C. seminervis
apresentaram potente atividade antiviral in vitro contra o vírus herpes simplex tipo 1 (HSV-1) e tipo 2 (HSV-2). Deste modo, análises
químicas e espectroscópicas demonstraram que estas galactanas bioativas sulfatadas e piruvatadas são do tipo DL-hibridas.
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL E DETERMINAÇÃO DE ATIVIDADE ANTITUMORAL DE
POLISSACARÍDEOS SULFATADOS E SEUS PRODUTOS DE DEGRADAÇÃO PARCIAL OBTIDOS DA
MACROALGA VERDE MARINHA Gayralia oxysperma
ESTRUTURA DE CARBOIDRATOS BIOATIVOS
Aluno de Iniciação Científca: André Luiz Lopes Martins (PIBIC/Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024407
Orientador: Maria Eugênia Duarte Noseda Co-Orientador: Miguel D. Noseda, Sheila Maria B. Winnischofer
Colaborador: Juliana Ropelatto
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: algas verdes, polissacarídeos sulfatados, atividade antitumoral.
Área de Conhecimento: 2.08.01.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Andressa Hellmann de Morais (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024407
Orientador: Maria Eugênia Duarte Noseda Co-Orientador: Miguel Daniel Noseda e Maria Tereza V. Romanos
Colaborador: Franciely Grose Colodi (MESTRANDA)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: atividade antiviral, estrutura química, galactanas.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9
0237
0238
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
143
Trypanosoma cruzi, protozoário causador da doença de Chagas que afeta cerca de 18 milhões de pessoas, desperta interesse dos pesquisadores
tanto do ponto de vista de saúde pública quanto por inúmeros aspectos particulares de sua biologia celular e molecular básica. Neste
trabalho, propõem-se a manipulação da expressão de um gene de T.cruzi homólogo a tripanina de T. brucei, uma proteína que faz parte
do flagelo, uma estrutura multifuncional crítica para a mobilidade, morfogênese celular, e divisão celular. Logo, a proteína tripanina pode
ser considerada um fator de patogenicidade. A tripanina de T.cruzi apresenta 73% identidade e 84% similaridade como o ortólogo em T.
brucei, gene que tem fenótipo nocaute de fácil detecção/avaliação em T. brucei, e é essencial para sobrevivência de formas sanguíneas,
mas não de formas procíclicas. A fim de bloquear a expressão de tripanina de T. cruzi, regiões genômicas flanqueadoras deste gene foram
obtidas por PCR, utilizando primers baseados em sequências genômicas da cepa CL Brener depositadas em bancos de dados. As sequências
destes fragmentos foram confirmadas por sequenciamento e sub-clonadas flanqueando os genes de resistência a neomicina e puromicina.
Cassetes contendo o gene de resistência a neomicina foram introduzidos em T.cruzi por transfecção e selecionados para resistência a G418,
contudo não foram obtidos parasitos resistentes ao antibiótico. Sendo assim resolvemos gerar novas construções contendo as mesma regiões
genômicas de tripanina flanqueando os mesmo genes de resistência só que regulados por regiões 5’UTR do gene TcP2β e 3’UTR de GAPDH
para garantir a expressão do gene de resistência. Após transfecção e seleção de epimastigotas selvagens com essa construção (TrypaUP-
NeoReg-TrypaDown) foram geradas populações resistentes a G418. Esta população não apresentou alterações aparentes em mobilidade.
Atualmente, estes parasitos estão sendo analisados para a deleção de um dos alelos de tripanina, para posterior deleção do segundo alelo. A
potencial essencialidade de tripanina em formas sanguíneas de T. cruzi indicará esse gene como candidato a alvo de drogas para tratamento
de Tripanosomíases. Apoio financeiro: Fundação Araucária, CNPq
Os derivados glicosídeos per-O-acetilados são compostos em que os grupos hidroxila de um monossacarídeo foram convertidos em grupos
éster. Os ésteres de acetato são grupos protetores que bloqueiam a reatividade das hidroxilas de carboidratos. Este trabalho tem como
objetivo a síntese de derivados glicosídeos per-O-acetilados necessários como substratos para a síntese de porfirinas glicosiladas. As hexoses
galactose, manose e glucose foram tratadas com anidrido acético (Ac
2
O) e piridina (catalisador). As misturas reacionais permaneceram sob
agitação, em temperatura ambiente, até o completo consumo dos reagentes. O consumo dos reagentes e a formação dos produtos foram
acompanhados por cromatografia em camada delgada, utilizando como eluente acetato de etila/hexano 1:1 e as placas cromatográficas
reveladas com orcinol-H
2
SO
4
. Após a reação, galactose e manose per-O-acetiladas foram extraídas com CH
2
Cl
2.
Os extratos orgânicos foram
lavados com solução aquosa 1 M de HCl, solução aquosa saturada de NaHCO
3
, H
2
O; e em seguida secos com Na
2
SO
4
e concentrados. A
partir do xarope obtido foram recuperados por cristalização em etanol e éter, galactose e manose per-O-acetiladas, respectivamente. Glucose
per-O-acetilada foi obtida diretamente após precipitação da mistura reacional com água e posterior cristalização do produto em etanol. O
rendimento dos açúcares acetilados foi de 53%, 70% e 63% para a galactose, manose e glucose, respectivamente. Os compostos obtidos
foram caracterizados estruturalmente por RMN-¹H. Os espectros dos derivados glicosídeos per-O-acetilados sintetizados apresentaram sinais
entre 1,96-2,19 ppm, referentes aos hidrogênios dos grupos acetil. As analises dos espectros mostraram a presença de ambos os anômeros
o e |. A integração dos prótons anoméricos permitiu a quantificação destes anômeros presentes na mistura. A galactose per-O-acetilada
apresentou sinais em 6,39 (o) e 5,70 (|) ppm numa relação de 1:1,36. A manose per-O-acetilada apresentou sinais em 6,08 (|) e 5,86
(o) ppm numa relação de 1:1,25. A glucose per-O-acetilada apresentou sinais em 6,32 (o) e 5,71 (|) ppm numa relação de 14:1. Estes
derivados glicosídeos são importantes intermediários na síntese de carboidratos e serão utilizados na produção de porfirinas glicosiladas.
A DELEÇÃO DE UM ALELO DO GENE ORTÓLOGO A TRIPANINA DE TRYPANOSOMA CRUZI NÃO
COMPROMETE A MOBILIDADE DE FORMAS EPIMASTIGOTAS.
SÍNTESE DE DERIVADOS GLICOSÍDEOS
Aluno de Iniciação Científca: Bruno Motta Nascimento (IC – Voluntário)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022758
Orientador: Wanderson Duarte da Rocha
Colaborador: Laiane Lemos, Geison Cambri, Rose A. Monteiro, Emanuel M. de Souza
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Tripanina, nocaute, motilidade.
Área de Conhecimento: 2.13.01.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Camila Cristina de Jesus (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023605
Orientador: Miguel Daniel Noseda Co-Orientador: Diogo Ricardo Bazan Ducatti
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Acetilação, Glicídeos acetilados
Área de Conhecimento: 2.08.01.00-9
0239
0240
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
144
Abelmoschus esculentus (L.) Moench é a espécie vegetal conhecida como “quiabo” e pertence à família Malvaceae. Os frutos são utilizados
na culinária e junto com as folhas são popularmente indicados para tratamento de verminoses, diarréia, disenteria, inflamação e irritação
digestória, bronquite, pneumonias e tuberculose. Até o momento, não há relatos de estudos científicos comprovando as indicações desta
planta, mas uma análise superficial de seus princípios ativos revela que esta espécie tem grande potencial terapêutico, merecendo investigações
mais profundas. O objetivo desta etapa do trabalho foi isolar, fracionar e caracterizar quimicamente os polissacarídeos encontrados nos
frutos de Abelmoschus esculentus (L.) Moench. Após a remoção das sementes, os frutos maduros e secos (26 g) foram submetidos à extração
aquosa a 25ºC, por 30 min, sob agitação. Após filtração, precipitação etanólica e liofilização, obteve-se a fração W-1. Posteriormente, a
partir do resíduo desta extração, este procedimento foi repetido 3 vezes, resultando nas frações W-2, W-3 e W-4. Na sequência, o resíduo
foi submetido à extração aquosa a quente a 60º C por 1h (fração HW), extração com ácido cítrico a 0.1% (m/v) a 60ºC, 1h, (fração 0.1CA)
e 98
o
C, 1h (fração 0.1CA-2) e extração com ácido cítrico a 1% (m/v) a 50ºC, 1h (fração 1CA) e 98
o
C, 1h (fração 1CA-2). As frações
obtidas foram hidrolisadas (ácido trifluoracético 1M, 8h, 100ºC), reduzidas (10 mg de boroidreto de sódio, 12h, à temperatura ambiente) e
acetiladas com anidrido acético:piridina (1:1 v/v, 12h, t.a). Os acetatos de alditóis resultantes foram analisados por cromatografia gasosa,
utilizando cromatógrafo Hewlett Packard 5890 A II, equipado com detector de ionização em chama e em coluna capilar (30 m x 0,25 mm
de diâmetro) DB-225. Os monossacarídeos neutros foram identificados por comparação com o tempo de retenção da mistura-padrão de
acetato de alditóis. A determinação da relação molar dos monossacarídeos identificados foi realizada pela integração de suas respectivas
áreas. As frações apresentaram-se constituídas por Rha:Fuc:Ara:Xyl:Man:Gal:Glc, em diferentes proporções molares sendo, respectivamente,
33:0:4:2:1:56:4 (para fração W-1); 40:0:11:4:2:41:2 (W-2); 0:5:32:12:7:33:11 (W-3); 9:13:29:15:2:25:4 (W-4); 6:13:32:16:7:19:5 (HW);
13:5:16:15:6:24:21 (0.1CA); 32:5:20:7:1:30:5 (0.1CA-2); 0:32:30:6:1:29:2 (1CA) e 5:24:51:4:0:14:2 (1CA-2). As frações W-1 (8,04%,
2,066g) e 1CA (1,38%, 0,354g) foram as que apresentaram maiores rendimentos.
As superfícies dentais apos limpeza são recobertas por proteínas e glicoproteínas denominada película dental adquirida, que serve de
âncora para adesão de microrganismos formando o biofilme dental. Em condições de saúde os microrganismos no biofilme vivem em
equilíbrio. Entretanto, quando o hospedeiro ingere carboidratos fermentáveis são produzidos ácidos que diminuem o pH do biofilme e
favorecem a proliferação de microrganismos acidogênicos e acidúricos, como Streptococcus mutans. Em presença de sacarose S. mutans
sintetiza polissacarídeos extracelulares que favorecem a sua adesão à superfícies dentais lisas. Assim, o objetivo deste trabalho é verificar
características do biofilme dental formado in situ e in vitro na presença de diferentes condições. Neste trabalho, um voluntário usou um
dispositivo intra-oral palatino contendo 8 blocos de esmalte dental bovino durante 14 dias. Oito vezes ao dia uma solução de sacarose
20% era gotejada sobre os blocos de esmalte. Após este período o biofilme foi coletado. O DNA foi extraído deste biofilme e submetido
a PCR para identificação das espécies de microrganismos presentes neste biofilme. Os resultados mostraram que o biofilme formado em
presença de sacarose apresenta espécies de Archaea, Enterococcus SP, Streptococcus sp, Lactoctobacillus sp, Fusobacterium nucleatum,
Peptostreptococcus micros, Porphyromonas gengivalis e endodonticus, Prevotella intermedia, Tannerella forsythensis e Treponema denticola.
Estes resultados serão comparados com os biofilmes formados em presença apenas de amônia e em presença de sacarose e amônia. O
biofilme de S. mutans in vitro foi formado em lâminas de vidro imersas em meio LMW contendo diferentes fontes de carbono e nitrogênio.
A composição de polissacarídeos extracelulares solúveis e insolúveis foi determinada. Na presença de apenas amônia formou-se um pequeno
depósito de microrganismos sobre a lâmina de vidro e a quantidade de polissacarídeos extracelulares foi baixa. Em presença de apenas
sacarose ou sacarose e amônia a quantidade de polissacarídeos extracelulares aumenta sendo que quantidade de polissacarídeos insolúveis
é maior, especialmente em presença de sacarose e amônia. Este efeito poderia ser explicado pelo fato do crescimento do microrganismo ser
favorecido em presença de sacarose e amônia, entretanto as curvas de crescimento de S. mutans em presença de apenas sacarose e sacarose
e amônia se sobrepõem. Estes resultados sugerem que quando as células são crescidas em presença de amônia e sacarose a expressão ou
atividade das glicosiltransferases aumenta.
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL E PROPRIEDADES IMUNOMODULADORAS DE
POLISSACARÍDEOS DE PLANTAS MEDICINAIS
CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL PROTEICO DO BIOFILME FORMADO “in situ” E “in vitro” POR S.
MUTANS CULTIVADO SOBRE DIFERENTES CONDIÇÕES FISIOLÓGICAS
Aluno de Iniciação Científca: Carolina Gaya (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022519
Orientador: Juliana Bello Baron Maurer Co-Orientador: Selma Faria Zawadzki-Baggio
Colaborador: Raquely Moreira Lenzi (MESTRANDA/CNPq)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Abelmoschus esculentus, quiabo, NUPPLAMED.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9    
Aluno de Iniciação Científca: Charlene Mem (PIBIC-CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006018727
Orientador: Elaine Machado Benelli Co-Orientador: Patrícia Castellen
Departamento: Bioquímica de Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Streptococcus mutans, bioflme dental, metabolismo de microganismos
Área de Conhecimento: 2.08.02.00-5
0241
0242
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
145
Gomas de exsudatos são utilizadas como espessantes, emulsificantes, estabilizantes, etc. em diferentes tipos de indústrias. O Brasil direciona
um grande aporte financeiro na importação de gomas (ex: goma arábica) justificando o interesse pela busca por gomas brasileiras que possam
substituí-las. A goma produzida pela Acacia-negra (Acacia mearnsii), espécie amplamente cultivada no Rio Grande do Sul, foi alvo de
estudo neste trabalho. Foram realizadas três etapas seqüenciais de extração: aquosa a 25 °C, aquosa a 60 °C e alcalina (KOH 1% p/v, 25
°C), de onde foram obtidos os polissacarídeos ANEA, ANEAQ e ANEAL, respectivamente. Estes foram analisados em comparação com
a goma arábica comercial (GA). Todas as amostras apresentaram Rha, Ara, Gal e ácido urônico como constituintes monossacarídicos. As
proporções molares encontradas foram de 7:43:46:4, 6:53:39:2, 8:44:34:14 e 13:31:39:17, para as frações ANEA, ANEAQ, ANEAL e GA,
respectivamente. O teor de proteína das frações ANEA, ANEAQ, ANEAL e GA foram de 7%, 4%, 5% e 4%, respectivamente, sugerindo
a presença de arabinogalactana-proteínas. Os espectros de RMN-
13
C das frações obtidas a partir da goma da Acacia-negra são muito
semelhantes entre si e apresentam vários sinais em comum com aqueles presentes no espectro da GA. Na região de carbono anomérico,
sinais entre δ 109,5 e δ 106,4 foram atribuídos às unidades de o-L-Araf. No espectro da GA, os sinais em δ 109,5 e δ 108,1 referem-se
aos terminais não redutores e unidades 3-O-substituídas de o L-Araf, respectivamente. Os sinais adicionais na região de δ 107,4 a δ 106,4,
observados no espectro de ANEAL, sugerem que, nesta fração, as unidades de o L-Araf também podem estar 5-O-substituídas. O sinal em
δ 66,8, que está presente no espectro de ANEAL e ausente no espectro de GA, foi atribuído ao C-5 substituído de tais unidades. Os sinais
em δ 103,6 e δ 102,9, presentes em ambos os espectros, podem ser atribuídos ao C-1 de β-D-Galp (cadeia principal) e de | D-GlcpA,
respectivamente. O sinal em δ 16,5, em ambos os espectros (GA e ANEAL), caracteriza o C-6 (-CH
3
) das unidades de Rha e o sinal em δ
174,9, evidente somente no espectro de GA, refere-se ao -COOH das unidades de ácidos urônicos. Pelos resultados apresentados, pode-se
dizer que, apesar da goma de A. mearnsii diferir da GA em sua estrutura química fina, elas apresentam muitas semelhanças estruturais.
Análises físico-químicas serão realizadas para esclarecer se esta goma possui potencial para substituir a GA, agregando valor a uma espécie
altamente cultivada no Brasil.
Por ter como características uma alta agressividade, alta incidência de metástases e elevada resistência aos tratamentos existentes, o
melanoma é um candidato preferencial para estudos de alterações metabólicas entre os diferentes estágios de evolução de tumores. A
progressão do melanoma ocorre através de 3 fases: crescimento radial (RGP), crescimento vertical (VGP) e crescimento metastático
(MET). Estudos anteriores utilizaram técnicas de biologia molecular que possibilitaram identificar populações de genes diferentemente
expressos entre linhagens de células de melanoma humano em dois destes estágios (RGP e MET), porém poucos foram realizados para se
caracterizar e comparar o perfil lipídico de linhagens de células de melanoma humano em diferentes estágios de progressão de tumor. Assim,
o objetivo deste trabalho foi utilizar técnicas de espectrometria de massas (GC e ESI-MS) e ressonância magnética nuclear (RMN) para
identificar alterações presentes nos extratos lipídicos obtidos em linhagens de melanoma humano nos estágios de desenvolvimento RGP,
VGP e MET. As linhagens foram cultivadas em meio MCDB + L-15 até se atingir uma confluência de 80%. Feito isso as células foram
coletadas, lisadas, liofilizadas e submetidas à extração lipídica com CHCl
3
:MeOH 1:1 (v/v). As amostras foram submetidas à troca de H
por D, por sucessivas solubilizações e evaporações em solventes deuterados e solubilizadas em 400μL de uma solução de CDCl
3
:CD
3
OD
na proporção de 1:1. Os deslocamentos químicos de
13
C foram padronizados em relação ao Me
4
Si (δ = 0), enquanto que os de
31
P relativos
à solução aquosa (85%, v/v) de H
3
PO
4
(δ = 0). Os resultados foram analisados com o auxílio do programa AMIX (BRUKER). As análises
de componentes principais gerados com base nos dados de RMN de
1
H permitiram diferenciar as linhagens, inclusive demonstrando que
o grau de separação é dependente da relação sinal ruído, a qual é influenciada diretamente pelo número de scans e aprimoramento da
homogeneidade do campo. Análises de padrões de fosfolipídeos por 2D-HMBC (
1
H/
31
P) permitiram obter assinalamentos específicos de
alguns dos fosfolipídeos, os quais foram comparados entre as amostras, como a fosfatidilcolina (PC) e o fosfatidilinositol (PI). Análises de
GC-MS das amostras submetidas à metanólise e acetilação mostraram um aumento progressivo da quantidade de inositol com o aumento do
grau de carcinogenicidade das amostras. Análises por ESI-MS serão realizadas posteriormente para confirmar a estrutura dos fosfolipídeos
presentes nos extratos lipídicos das linhagens.
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DO POLISSACARÍDEO PRESENTE NA GOMA DE EXSUDATO
DA ACACIA-NEGRA (Acacia mearnsii)
ESTUDO LIPIDÔMICO DE LINHAGENS DE MELANOMA HUMANO EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE
CARCINOGENICIDADE POR ESPECTROSCOPIA
Aluno de Iniciação Científca: Cinthia Façanha Wendel (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1996004663
Orientador: Prof. Dr. Philip Albert James Gorin Co-Orientador: Dra. Fernanda Fogagnoli Simas Tosin
Colaborador: Profa. Dra. Izabel Cristina Riegel, Bruno Campos da Silva
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Acacia mearnsii, polissacarídeo, goma de exsudato.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - (2.08.01.00-9)
Aluno de Iniciação Científca: Daniel Suss Riter (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2002012247
Orientador: Guilherme Lanzi Sassaki
Colaborador: Arquimedes Paixão de Santana Filho (Doutorando - Capes/REUNI)
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: fosfolipídios, melanoma, RMN.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9
0243
0244
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
146
A transesterificação de óleos vegetais com alcoóis produz ésteres que podem ser usados para substituir o diesel de petróleo. O presente
trabalho investigou aspectos relacionados à catálise enzimática desta reação com lipases. O projeto teve duas vertentes: a otimização da
produção da lipase de Rhizopus microsporus e uma busca para novas cepas produtoras de lipases que pudessem ser usadas na reação de
transesterificação. O estudo de produção da lipase de Rhizopus microsporus teve o objetivo de produzir um sólido fermentado com alta
atividade, com intuito de permitir uma diminuição do tempo de reação necessário à transesterificação após a adição do sólido fermentado
ao meio reacional como catalisador. Este estudo envolveu uma comparação de três meios: uma mistura de bagaço de cana (BC) e farelo de
semente de girassol (1:1) impregnado com tampão fosfato (razão 1:4) (Meio 1), BC impregnado com meio líquido (razão 1:5) contendo
óleo de soja (40 g/L) e sais minerais (Meio 2), e BC impregnado com meio líquido (razão 1:5) contendo óleo de soja (60 g/L) e sais
minerais (Meio 3). Os substratos sólidos (2,5 g Sólido Seco) foram impregnados do meio, inoculados, colocados em Erlenmeyers de 125
mL e incubados a 40°C. A atividade lipolítica do sólido fermentado foi medida pelo método titulométrico (pH-Stat), empregando uma
emulsão de trioleína (pH 8, 40°C). As atividades de lipase máximas atingidas foram de 42, 2 e 348 U/g SS, para o Meio 1, Meio 2 e Meio
3, respectivamente. A busca por novas cepas teve como objetivo identificar novas lipases com alta estabilidade nas condições agressivas
usadas para a reação de transesterificação (alta temperatura e presença de alcoóis e solventes orgânicos). Vinte e seis cepas de fungos
termofílicos e termotolerantes foram isoladas a 50ºC e a 40ºC, respectivamente, a partir de amostras de coco obtidas em região tropical
do Brasil. As mesmas foram cultivadas em FES em Meio 2 a 40ºC para a produção de lipases. As atividades de hidrólise foram avaliadas
pelo método titulométrico com emulsão de tricaprilina em pH 7 a 40ºC. As cepas termófilas tiveram atividades de lipase entre 1 a 45 U/
gSS, e uma cepa termotolerante (Rhizopus sp.) apresentou atividade de 350 U/gSS. As atividades enzimáticas de esterificação dos sólidos
fermentados serão avaliadas pelo método colorimétrico descrito por Lowry e Tinsley. As lipases mais promissoras serão selecionadas e
caracterizadas na sua estabilidade na temperatura e nos solventes orgânicos. Mais tarde, estas lipases contidas no sólido fermentado serão
empregadas na síntese de oleato de etila (biodiesel).
Espalhamento de luz dinâmico é uma técnica absoluta utilizada para determinação das propriedades dinâmicas de polímeros e colóides através
da mensuração das flutuações da intensidade da luz espalhada. Consiste em obter uma função de autocorrelação dos dados mensurados,
da qual podemos obter o coeficiente translacional de difusão, sendo esse coeficiente, então, utilizado para obtenção do raio hidrodinâmico
(R
h
) pela equação de Stokes-Einstein. Com o raio hidrodinâmico, juntamente com o raio de giro, que pode ser obtido através da técnica
de espalhamento de luz estático, pode-se calcular o parâmetro µ que fornece informações importantes sobre a conformação das partículas
em determinado solvente. A técnica é extremamente sensível, portanto, qualquer presença de partículas contaminantes na amostra pode
alterar drasticamente a validade dos resultados obtidos. Neste estudo, utilizou-se como modelo polissacarídeos provenientes de sementes de
Mimosa scabrella (bracatinga-GM), Schizolobium parahybae (guapuruvu-GG) e Stryphnodendron adstringens (barbatimão-GS), visto que
sua análise estrutural já foi amplamente estudada pelo Grupo de Química de Carboidratos Vegetais da UFPR, o que justifica sua utilização
para a validação da técnica. Estes polissacarídeos são compostos de uma cadeia principal de D-manose unidas entre si por ligações β(1→4)
com ramificações de D-galactose ligadas α(1→6) (galactomananas). Os polissacarídeos analisados foram obtidos através de extrações
aquosas em 1h, 2h, 3h, 4h, 6h, 24h ou 48h. Os experimentos foram realizados com o objetivo de relacionar o Rh dos polissacarídeos com
sua origem e respectivos tempos de extração. Previamente à realização das análises, foi desenvolvido um protocolo de preparo das amostras,
que garantisse a qualidade e reprodutibilidade dos resultados. Os testes realizados neste estudo comprovaram que a filtração sequencial
em membranas com poros de 1,2; 0,45 e 0,22μm, seguido de centrifugação por 5min a 2000rpm é o método de preparo mais adequado
ao estudo destes sistemas. Os resultados obtidos demonstraram que os R
h
das amostras de M. scabrella, apresentaram valores em média
de 122nm, não variando em relação ao tempo de extração. Já os polissacarídeos de S. parahybae e S. adstringens demonstraram uma
diminuição nos índices de polidispersão e nos valores de R
h
de 148nm (1h de extração - GG) para 64nm (48h de extração- GG) e 99nm
(1h de extração - GS) para 65nm (48h de extração - GS), respectivamente. Conclui-se que o estudo realizado comprovou a aplicabilidade
da técnica para a caracterização de polissacarídeos.
UTILIZAÇÃO DE SÓLIDO FERMENTADO PARA CATALISAR A SÍNTESE ENZIMÁTICA DE ÉSTERES
DO BIODIESEL
CARACTERIZAÇÃO FISICOQUÍMICA DE POLISSACARÍDEOS
Aluno de Iniciação Científca: Edgar Mallmann (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007784
Orientador: David Alexander Mitchell Co-Orientador: Nadia Krieger
Colaborador: Jesús Córdova (Professor Visitante/CAPES), Rodrigo Gabriel Simas (PIBITI/Voluntária), Juliana Caraça (PIBITI/CNPq)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: esterifcação enzimática, lipases, biodiesel
Área de Conhecimento: Enzimologia – 2.08.05.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Edson Yu Sin Kim (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016549
Orientadora: Profa. Dra. Joana Léa Meira Silveira Co-Orientadora: Profa. Dra. Izabel Cristina Riegel
Colaboradoras: Ms. Marina Salvalaggio e Ms. Heidegrid Siebert Koop
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: espalhamento de luz dinâmico, galactomanana, raio hidrodinâmico
Área de Conhecimento: - 2.08.01.00-9
0245
0246
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
147
Os polissacarídeos encontrados na biomassa de microalgas podem ter função de reserva, apresentando características semelhantes ao amido;
ou estrutural, apresentando diversos padrões estruturais de ligações glicosídicas, ramificações e composição monossacarídica. Para espécies
da divisão Prymnesiophyta têm sido descritas β-glucanas ramificadas em C3 ou C6. Já para o gênero Porphyridium, o qual pertence à
divisão Rhodophyta, os carboidratos mais estudados são os exopolissacarídeos, que apresentam em sua composição principalmente xilose,
galactose e glucose, além de sulfato, entretanto, seus endopolissacarídeos ainda não são bem descritos na literatura. O objetivo deste estudo
foi determinar a estrutura química dos polissacarídeos das espécies Pavlova lutheri e Porphyridium cruentum, pertencentes às divisões
Prymnesiophyta e Rhodophyta, respectivamente. As microalgas foram cultivadas em meio Guillard F2 por 7 dias, sendo a biomassa
separada do meio de cultivo por centrifugação a (12000 x g) e liofilizada. A extração dos polissacarídeos foi realizada de maneira distinta
para cada espécie: P. lutheri foi submetida à extração aquosa 2,0 g% a 80°C por 2 horas sob agitação constante. Os polissacarídeos foram
precipitados com etanol (3v), rendendo a fração PAQ (3%), que apresentou carboidratos (39,6%), proteínas (13,9%), grupos sulfato (3,8%)
e ácidos urônicos (4,9%). A composição monossacarídica foi determinada após hidrólise ácida e análise dos acetatos de alditóis por GC-MS,
e apresentou os seguintes açúcares: arabinose (46,6 mol%), ribose (26,6 mol%), glucose (20 mol%) e xilose (6,6 mol%). Para a espécie
P. cruentum a biomassa foi submetida à extração aquosa 2,5 g% a temperatura ambiente. O extrato aquoso foi dialisado em membrana de
12-14 kDa e liofilizado, rendendo a fração PCAD (15%). Esta fração foi submetida a tratamento com KCl rendendo a fração PCAD-FS
(71%), que apresentou carboidratos (73,3%), proteínas (5,8%) e grupos sulfato (13,7%). A composição monossacarídica foi determinada
após hidrólise ácida e análise dos acetatos de alditóis por GC-MS, e apresentou os seguintes açúcares: xilose (37,7 mol%), galactose (36,7
mol%), glucose (22 mol%), 3- e/ou 4-metil galactose (3,2 mol%) e manose (0,5 mol%). Tanto o polissacarídeo de P. lutheri como o de P.
cruentum estão em fase de purificação devido a um perfil heterogêneo exibido pelas análises de HPSEC-MALLS, e terão na sequência sua
caracterização finalizada.
O uso de plantas como fitoterápico vem se difundindo consideravelmente ao longo dos últimos anos, sendo utilizadas tanto diretamente,
em infusões, xaropes e compressas, quanto indiretamente, no fornecimento de precursores para a farmacologia moderna. Tal progresso está
intimamente ligado ao atual aumento das pesquisas na área, as quais fornecem os subsídios necessários (determinação do composto e seu efeito
biológico) para o emprego no tratamento de patologias. Polissacarídeos são comprovadamente aplicáveis no setor alimentício (geleificante),
no setor energético (produção de etanol), e na farmacologia, com muitos estudos sobre as atividades biológicas dos polissacarídeos. O
abacateiro (Persea americana), objeto de estudo, possui uma ampla importância medicinal, popularmente e cientificamente determinada.
Estudos já demonstraram que extratos de folhas apresentam ação antiviral, antirreumática, hipoglicemiante, hipocolesterolemiante,
analgésica e anti-inflamatória, além de inúmeras outras aplicações terapêuticas, todas atribuídas à presença de metabólitos secundários,
principalmente flavonóides e óleos essenciais. Considerando a larga utilização medicinal do abacateiro e a ausência de relatos na literatura
sobre os polissacarídeos das folhas com possível atividade biológica, o objetivo deste trabalho foi o isolamento, purificação e caracterização
dos polissacarídeos foliares de P. americana. As folhas, previamente desidratadas e moídas, foram submetidas à inativação enzimática
(metanol:água 2:1, sob refluxo, 30 min). O material filtrado e seco foi deslipidificado (tolueno:etanol 2:1 v/v, 30 min) sob refluxo. O material
seco resultante foi, então, submetido às extrações aquosas sequenciais à temperatura ambiente e a 80⁰C. As extrações foram feitas por 4
horas e agitadas periodicamente durante este intervalo, originando, após a precipitação etanólica e liofolização, 5 frações (EF, 1EQ, 2EQ,
3EQ, 4EQ). Todas as amostras foram submetidas à derivatização para obter os acetatos de alditóis para a análise em cromatografia liquido-
gasosa, para a determinação da composição monossacarídica. A derivatização consistiu em três etapas: hidrólise ácida (ácido trifluoracético
2M) por 8 horas a 100⁰C, seguido de redução (adição de borohidreto de sódio) e acetilação (anidrido acético:piridina 1:1) das amostras. Os
resultados obtidos na cromatografia seguiram dois padrões básicos: 1) predominância de manose (frações EF e 3EQ), indicando a presença
de mananas e; 2) predominância de galactose e arabinose (frações 1EQ, 2EQ e 4EQ), indicando a presença de arabinogalactanas.
CARACTERIZAÇÃO DE POLISSACARÍDEOS EXTRAÍDOS DE MICROALGAS MARINHAS: Pavlova
lutheri e Porphyridium cruentum
MOLÉCULAS BIOATIVAS DAS FOLHAS DE Persea americana
Aluno de Iniciação Científca: Ester Mazepa (CNPq-Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES 2009023605
Orientador: Miguel Daniel Noseda Co-Orientador: Maria Eugênia Duarte Noseda
Colaborador: Tatiane Winkler Marques Machado (PPG-Bq)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Polissacarídeos; Microalgas.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Fábio Tomio Yamassaki (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 200822509
Orientador: Selma Faria Zawadzki Baggio Co-Orientador: Juliana Bello Baron Maurer
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Persea americana, polissacarídeos, NUPPLAMED
Área de Conhecimento: 2.08.01.00-9 Química de Macromoléculas
0247
0248
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
148
Herbaspirillum seropedicae é uma bactéria diazotrófica endofítica de gramíneas de importância agrícola. Microrganismos diazotrofos
são capazes de reduzir nitrogênio atmosférico a amônio utilizando o complexo enzimático da nitrogenase. Esse complexo é composto
pelas proteínas Fe e MoFe, codificadas pelos genes nifHDK. A proteína Fe ou dinitrogenase redutase é um homodímero codificado pelo
gene nifH, responsável pela ativação da proteína MoFe, onde ocorre a catálise. Em vista do alto gasto energético, a fixação de nitrogênio
é altamente regulada tanto a nível transcricional quanto pós-traducional. Em H. seropedicae, o mecanismo de regulação pós-traducional
da nitrogenase não está completamente esclarecido, mas sabe-se que envolve a proteína AmtB, que se associa à membrana, e a proteína
citoplasmática GlnK. Neste trabalho, nós apresentamos a expressão e purificação da subunidade NifH e a produção de anticorpos policlonais
contra ela. O gene nifH de H. seropedicae foi clonado em um vetor de expressão e a proteína NifH foi purificada como uma proteína de
fusão His-tag, a partir da expressão em Escherichia coli. A proteína NifH-His expressa apresentou-se como um corpo de inclusão e foi
solubilizada em uréia antes da purificação por cromatografia de afinidade em coluna quelante de metal. A proteína purificada apresentou
85% de pureza, conforme resultado de análise densitométrica, e foi utilizada para obtenção de anticorpos policlonais contra NifH. Análises
de imunodetecção (“western blot”) mostraram que os anticorpos obtidos reconhecem a proteína NifH purificada. Esses anticorpos serão
utilizados para determinar a localização subcelular de NifH em estudos de controle pós-traducional da nitrogenase em H. seropedicae.
Suporte financeiro: INCT-Fixação Biológica de Nitrogênio, Instituto do Milênio, CAPES e CNPq.
O sistema GAAT (Genome Assembly and Analysis Tool), desenvolvido no Laboratório de Bioinformática do Núcleo de Fixação de Nitrogênio
da UFPR desde 2004, integra ferramentas de Bioinformática objetivando a análise genômica de procariotos, desde a transferência e
armazenamento de dados, gerenciamento de usuários e análise de qualidade até a montagem e anotação dos genomas. No presente trabalho,
são apresentadas alterações e implementações desenvolvidas no módulo de anotação (GAnM). Este módulo foi adaptado para tornar-se
independente dos demais, porém, mantendo a unicidade do sistema. Adaptações e ampliação do código fonte foram realizadas na ferramenta
para incorporação de genomas anotados, permitindo a importação dos dados a partir do formato GenBank. Uma nova ferramenta foi
também desenvolvida para anotação automática de sequências de genomas completos ou incompletos. As seqüências podem ser carregadas
no sistema a partir de um arquivo no formato FASTA ou MULTIFASTA e as seguintes tarefas são automatizadas: a) armazenamento dos
dados; b) identificação de ORFs e busca por genes utilizando o programa Glimmer; c) identificação de sítios de ligação ao ribossomo
(RBS) utilizando o programa RBSfinder; d) identificação de sequências de RNA transportadores utilizando o programa tRNAscan-SE; e)
busca por similaridade a partir das seqüências dos genes identificados contra os bancos de dados nr do NCBI e COG utilizando o programa
BLAST e; f) armazenamento dos resultados em banco de dados e sua disponibilização em interface Web. A interface Web possui controle de
usuários e permite a visualização, edição e análise dos dados em páginas dinâmicas, integradas ao banco de dados, e com recursos gráficos.
EXPRESSÃO E PURIFICAÇÃO DA PROTEÍNA NiFH DE Herbaspirillum seropedicae
DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA INTEGRADO DE MONTAGEM E ANOTAÇÃO DE GENOMAS
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Bueno da Silva (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022516
Orientador: Leda Satie Chubatsu Co-Orientador: Luiza Maria de Araújo
Colaborador: Lilian Noindorf, Rose A. Monteiro; Emanuel M. de Souza; Luciano F. Huergo; Leonardo M. Cruz; Maria Berenice R. Stefens;
Liu Un Rigo; Fabio O. Pedrosa
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: nifH, Herbaspirillum seopedicae, fxação de nitrogênio
Área de Conhecimento: 2.08.04.00 (Biologia Molecular)
Aluno de Iniciação Científca: Felipe Renó Oliveira Pisa (PIBIC/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004014420
Orientador: Maria Berenice Reynaud Stefens Co-orientador: Leonardo Magalhães Cruz
Colaborador: Vinícius Almir Weiss, Emanuel Maltempi de Souza, Fábio de Oliveira Pedrosa
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Herbaspirillum, GENOPAR, Bioinformática
Área de Conhecimento: Bioquímica e Biologia Molecular – 2.08.04.00-8
0249
0250
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
149
Trentepohlia é uma alga verde e compreende cerca de 40 espécies, existindo tanto em vida livre como associada a fungos (líquens). Embora
tenha morfologia relativamente simples, constitue um grupo taxonomicamente difícil, cuja circunscrição e relação filogenética com os
outros gêneros da ordem ainda não estão resolvidas. No entanto, isto pode ser devido ao fato de que dados moleculares disponíveis para o
gênero Trentepohlia são ainda bastante escassos, e principalmente para as espécies liquenizadas, uma vez que os únicos estudos existentes
foram realizados com exemplares de vida livre. Desta maneira, o presente estudo tem por objetivos avaliar se as espécies de Trentepohlia
que ocorrem em vida livre e no mesmo ambiente que diferentes espécies de fungos liquenizados são as mesmas que ocorrem dentro do talo
liquênico, e determinar a variabilidade de espécies de Trentepohlia em ecossistema de restinga no Paraná. O DNA total foi extraído de 82
amostras utilizando o método do CTAB (Cubero et al. 1999) ou usando o protocolo do kit Qiagen DNeasy Plant Mini Kit (Qiagen
®
). Os
extratos contendo DNA total foram usados para amplificação do gene 18S rDNA . Os iniciadores utilizados foram NS1 e 18L (Hamby et
al., 1988), PCRA e 18H e, PRC e PCRB (Rindi et al., 2009), Foram obtidos os fragmentos de PCR do gene 18S rDNA de quatro amostras
de Trentepohlia sp. de vida livre e de doze Trentepohlia sp. presentes nos seguintes líquens: Cryptotecia rubrocincta, Coenogonium sp,
Glyphis cicatricosa, Carba cantographis carba, Graphis argentata, Graphis rizocola, Cryptothecia sp, Coenogonium interplexum, Fissurina
dumasti e 3 líquens pertencentes à família Graphidaceae. Os fragmentos amplificados foram limpos usando o kit de purificação QIAquick
(Qiagen) e estão sendo sequenciados em sequenciador automático ABI377 (ABI Prism). As sequências obtidas serão montadas com o auxílio
dos programas PHRED, PHRAP e CONSED. As sequências do gene 18S rDNA obtidas neste trabalho e de outras espécies de Trentepohlia
obtidas do Genbank serão alinhadas no programa ClustalW2 e editadas usando o programa BioEdit (Hall, 1999). Os alinhamentos obtidos
serão usados para análise comparativa e cladística dos organismos identificados com o auxílio do programa Mega4 com o intuito de avaliar
a variabilidade genética dos fotobiontes simbióticos e de vida livre na área amostrada. Apoio financeiro: CNPq.
A fermentação no estado sólido (FES) é uma importante forma de se obter diversos compostos a partir de fungos filamentosos. A produtividade
da FES pode ser muito alta para certos processos e é conceitualmente simples, o que torna fácil a sua implantação. Entretanto, esta forma de
fermentação gera dificuldades no projeto de processos e na garantia de reprodutibilidade de resultados. Isso ocorre devido a descontinuidades
espaciais que tornam complexa a análise matemática da relação entre as variáveis envolvidas e inviabilizam a criação de equações de
balanço simples e universais. Uma abordagem para se contornar esta dificuldade é o emprego de modelos fenomenológicos segregados, ou
seja, modelos que fazem uso de relações simples entre variáveis aplicadas ponto a ponto em uma simulação do evento completo. Este tipo
de abordagem requer um esforço computacional consideravelmente maior do que as estratégias clássicas de modelagem, porém gera uma
riqueza de detalhes igualmente muito maior. O uso de autômatos celulares é uma forma de modelagem fenomenológica segregada que faz
uso de unidades teóricas descritas por variáveis de estado representando células que interagem entre si e evoluem no tempo e no espaço. No
presente projeto se fez uso do conceito de autômatos celulares para descrever como o processo de difusão de nutrientes no interior de uma
hifa vegetativa de Neurospora crassa limita o comprimento atingido por ela. Foram deduzidas equações dinâmicas de balanço de massa para
cada autômato celular. As equações foram resolvidas através do uso de métodos numéricos implementados na linguagem de programação
FORTRAN. Em seguida, os autômatos celulares foram colocados em sequência para simular uma hifa. As trocas de nutrientes entre cada
autômato foram então simuladas no ambiente computacional. A estabilidade dos métodos numéricos empregados nos programas também foi
testada. O modelo completo simulou a transferência de nutrientes no interior de uma hifa em crescimento de forma coerente. Os padrões de
resposta da simulação para diferentes valores de parâmetros revelaram a forte influência de alguns deles no tamanho máximo atingido pela
hifa. O modelo desenvolvido pode ser usado para gerar perguntas sobre os fenômenos mais importantes no crescimento do micélio de fungos.
ANÁLISE MOLECULAR SOBRE A DIVERSIDADE DE ESPÉCIES DE Trentepohlia (CHLOROPHYTA)
EM VIDA LIVRE E LIQUENIZADAS EM VEGETAÇÃO DE RESTINGA ARBÓREA NO PARANÁ
MODELAGEM MATEMÁTICA DO CRESCIMENTO DE FUNGOS FILAMENTOSOS
Aluno de Iniciação Científca: Franciele Lima Bettim (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023656
Orientador: Lucimara Mach Côrtes Cordeiro Co-Orientador: Leonardo M. Cruz
Colaborador: Sionara Eliasaro
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Trentepohlia, biodiversidade, restinga.
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Francisco Vitor Santos da Silva (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023473
Orientador: David Alexander Mitchell Co-Orientador: Marcelo Kaminski Lenzi
Colaborador: Graciele Viccini (CNPq-PDJ), Wellington Balmant (doutorando), Juliana Hey Coradin (mestranda)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Fermentação no estado sólido, modelagem matemática, hifas vegetativas.
Área de Conhecimento: 2.12.02.00-1
0251
0252
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
150
A melanogênese é um fenômeno que ocorre no interior dos melanócitos e produz a melanina, pigmento responsável pela coloração e
proteção da pele contra os efeitos nocivos da radiação UV. Muitas patologias estão relacionadas com uma produção anormal de melanina,
como o vetiligo e o melanoma. Por isso, torna-se fundamental o estudo de compostos que interfiram na via se síntese de melanina, seja
reprimindo ou aumentando sua produção. Os flavonóides são compostos amplamente distribuídos na natureza que apresentam uma ação
antioxidante e anticarcinogênica bem estabelecidas. Estudos apontam uma potencial ação desses compostos na formação da melanina,
foi mostrado que o flavonóide Apigenina é inibidor competitivo da tirosinase, enzima chave envolvida no processo de melanogênese.
Esta enzima é responsável pela conversão da L-tirosina em L-dopa (atividade monofenolase) e da L-dopa em dopaquinona (atividade
difenolase), passos iniciais do processo de síntese de melanina. De fato, testes realizados no início do projeto verificaram que os flavonóides
Apigenina e Flavona apresentam uma ação inibitória na síntese de melanina em células de melanoma murino tratadas com 25 μM desses
ativos. Para prosseguimento do estudo, foi avaliado o mecanismo envolvido nessa inibição. Sendo assim, foi realizado o tratamento de
células de melanoma murino (B16-F10) com 25 μM dos flavonóides Apigenina e Flavona por 24 horas e posteriormente realizada a lise
dessas células e incubação a 37°C por 1 hora com 20 mM de L-dopa ou 20 mM de L-tirosina. Como controles, células foram tratadas,
também por 24 horas, com 0,4 mM de tirosina e 10 mM de cloreto de amônio, que comprovadamente induzem o aumento da atividade da
tirosinase, e com 400 μM de Ácido Kójico, que atua inibindo a atividade da enzima. Os resultados indicam uma tendência de aumento da
atividade da tirosinase com o tratamento dos flavonóides quando a incubação é feita com L-dopa com. Já quando se usa a L-tirosina, não
foi verificada diferença entre os tratamentos e controles. Embora pareça contraditório frente ao encontrado na avaliação de melanina total,
o resultado indica que o mecanismo de ação envolvido no processo de inibição da melanogênese pela Apigenina e Flavona a 25 μM deve
estar relacionado a interação direta desses compostos com a enzima e não na alteração de sua expressão.
Gliomas malignos são caracterizados pela alta invasividade e a conseqüente dificuldade de cura através das terapias convencionais, como
quimioterapia, radioterapia e incisão cirúrgica. Essa alta invasividade remete a capacidade da célula tumoral em remodelar a matriz
extracelular à sua volta, processo realizado por metaloproteinases de matriz (MMPs). As MMPs são endopeptidases dependentes de zinco
e atuam na degradação da maioria dos componentes de matriz, favorecendo assim a invasão. A proteína supressora de tumor RECK é
uma glicoproteína ancorada a membrana, e é responsável por regular pelo menos 3 tipos dessas MMPs: MMP-9, MMP-2 e MT1-MMP.
Drogas da classe das estatinas são caracterizadas por inibir a síntese de colesterol e isoprenóides, podendo assim interferir na composição
da membrana das células, além de serem estudadas também como drogas antitumorais por exercerem efeitos antiproliferativos e pró-
apoptóticos. Nos últimos anos tem se tornado evidente que alterações na composição e/ou função do microambiente celular podem ser
implicadas na progressão de diversas desordens, incluindo a formação e progressão tumoral, sendo um determinante crítico para a resposta
das células tumorais aos agentes terapêuticos. Recentes estudos têm aumentado muito nosso conhecimento sobre o mecanismo intracelular
desse efeito, porém ainda não está totalmente elucidado. Assim, o objetivo deste trabalho foi criar uma maneira eficaz e viável de mimetizar
in vitro o ambiente celular que ocorre in vivo e avaliar os efeitos do tratamento de células de glioma humano (U87MG e T98G) com o
agente antitumoral sinvastatina frente a aspectos antiproliferativos e na modulação da expressão de RECK (e seus transcritos alternativos
de splicing) e MMPs. O substrato escolhido foi o colágeno do tipo I por ser um elemento abundante na matriz. O colágeno foi obtido na
forma de gel hidratado e estéril, proveniente da extração de tendões da cauda de ratos Wistar, utilizado numa concentração de 2,5mg/ml e
pH igual a 7. Em comparação com as células sem nenhum tipo de substrato de matriz, foi observada uma grande mudança na morfologia
das células de glioma após o plaqueamento no substrato de colágeno, apresentando muito mais prolongamentos celulares (pseudópodos).
Os ensaios de viabilidade celular, avaliados pela metodologia de MTT, foram realizados utilizando-se a sinvastatina nas doses de 1 e 5µM
por diferentes períodos de tempo. Nossos resultados iniciais sugerem que as células de glioma apresentam uma diminuição na viabilidade
celular após o tratamento com sinvastatina de maneira dose e tempo dependente. Quando as mesmas são plaqueadas em substrato de colágeno
apresentam-se mais resistentes ao tratamento. Em conjunto, nossos resultados mostram que o tratamento com sinvastatina promoveu um
efeito anti-proliferativo nessas células tumorais, sugerindo um potencial para contribuir com o tratamento de tumores da glia, e evidenciam
a importância da interação célula-matriz na busca dos alvos moleculares envolvidos nesse processo.
EFEITO DE FLAVONÓIDES NA PRODUÇÃO DE MELANINA EM CÉLULAS DE MELANOMA
CARACTERIZAÇÃO DOS EFEITOS ANTI-PROLIFERATIVOS DA SINVASTATINA EM CÉLULAS DE GLIOMA
HUMANO: PAPEL DA INTERAÇÃO CÉLULA-MATRIZ E MODULAÇÃO DA EXPRESSÃO DE RECK E MMPS.
Aluno de Iniciação Científca: Juliana Cibi Amorim (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016533
Orientador: Glaucia Regina Martinez Co-Orientador: Eduardo Aliprandini (Mestre – PPG Bioquímica)
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: melanina, favonóides, tirosinase.
Área de Conhecimento: Metabolismo e Bioenergética - 2.08.03.00-1
Aluno de Iniciação Científca: Juliana de Carvalho Neme Kenski (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022504
Orientador: Sheila Maria Brochado Winnischofer
Colaborador: Hudson Gouveia Amstalden (MESTRANDO/REUNI), Thiago Jacomasso (DOUTORANDO/CNPQ), Marina Trombetta Lima
(DOUTORANDA/FAPESP).
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: RECK, Sinvastatina, colágeno.
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
0253
0254
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
151
Bactérias do gênero Azospirillum são fixadores de nitrogênio que apresentam capacidade de interagir com raízes de plantas, incluindo plantas
de elevada importância econômica como a cana-de-açúcar, o arroz e o milho. Apesar de fixarem nitrogênio, a quantidade de nitrogênio
fixado por Azospirillum que é transferida para a planta associada parece ser limitada, provavelmente devido a um intrincado sistema que
regula negativamente a síntese e a atividade da nitrogenase. Para explorar o potencial de Azospirillum brasilense como biofertilizante é
necessário um maior conhecimento das vias que regulam a fixação e a assimilação de diferentes fontes de nitrogênio neste organismo.
Uma abordagem sistêmica para avaliar alterações no metabolismo em reposta a presença ou ausência de determinada fonte nitrogenada é
a análise proteômica. Utilizando-a foi possível identificar proteínas diferencialmente expressas em células de A. brasilense cultivadas na
presença de amônio (+N) ou em condições de fixação de nitrogênio (-N). Todos os pontos protéicos observados nas duas condições foram
analisados para a obtenção de um mapa protéico de referência para A. brasilense. Os mapas nas condições +N e -N apresentaram 388
spots (sendo que 72% foram identificados) e 395 Spots (sendo que 75% foram identificados) respectivamente. Dezesseis proteínas foram
expressas exclusivamente na condição +N, enquanto que 31 na condição -N. Três proteínas apresentaram diferenças de expressão apesar de
estarem presentes em ambas as condições. Dentre as proteínas exclusivas da condição –N grande parte está envolvida no metabolismo do
nitrogênio. Utilizando a técnica de espectrometria de massa MS/MS foi possível identificar uma modificação pós-traducional (uridililação
do resíduo tirosina 51) na proteína regulatória GlnZ. A análise destes dados irá permitir uma melhor compreensão do metabolismo do
nitrogênio em A. brasilense.
Suporte Financeiro: CNPq, INCT- FBN, Pronex e Fundação Araucária.
O cupuaçu (Theobroma grandiflorum) é um fruto típico da Amazônia que amadurece na época chuvosa, de janeiro a maio. Sua polpa é
utilizada para a fabricação de sucos, licores, sorvetes, cremes, geléias, bombons e também em produtos de beleza. De coloração amarelo-
esbranquiçada e aspecto cremoso, porém fibroso, a polpa caracteriza-se pelo sabor ácido e perfume forte e doce. Estudos anteriores realizados
no Laboratório de Química de Carboidratos Vegetais mostraram que a polpa do cupuaçu contém pectinas e amido com alta capacidade
geleificante. Tendo em vista a expansão da utilização desta fruta no setor alimentício e cosmético e a limitada disponibilidade de informações
a respeito da composição e propriedades de seus componentes, o objetivo deste trabalho foi extrair frações contendo compostos fenólicos
da polpa de cupuaçu e a avaliar as suas propriedades antioxidantes. A polpa “in natura” do cupuaçu foi liofilizada, moída e submetida a
extrações em diferentes condições. O reagente de Folin-Ciocalteu foi utilizado para a identificação de compostos fenólicos. As frações que
apresentaram maior teor de fenólicos foram aquelas extraídas com metanol 80% a 60 ºC e 37 ºC, seguido das extrações com etanol 80% a
60 ºC e 37 ºC, e água a 37 ºC. Os extratos com maior conteúdo de compostos fenólicos foram testados quanto a sua atividade antioxidante
“in vitro” utilizando os seguintes métodos: capacidade sequestrante de radicais DPPH (1,1-difenil-2-picrilhidrazil), de radical hidroxila e de
ânion superóxido. As amostras foram utilizadas nas concentrações de 0,1, 1,0 e 10,0 mg/mL. Os resultados de atividade antioxidante para
as diferentes amostras foram semelhantes entre si e mostraram comportamento dose-dependente. Todas as amostras testadas apresentaram
baixa atividade sequestrante de radicais hidroxila. A capacidade de sequestro de radicais DPPH foi superior a atividade sequestrante de
radicais hidroxila para todas as amostras. Para a atividade sequestrante de ânion superóxido, a fração obtida com metanol 80% a 60 ºC na
concentração de 10,0 mg/mL apresentou maior atividade. De acordo com os resultados obtidos, as extrações com metanol 80% resultaram em
maior quantidade de compostos fenólicos. Entretanto, a atividade antioxidante das frações obtidas em diferentes condições foi semelhante.
Os resultados demonstram que a polpa dos frutos de cupuaçu contém compostos fenólicos que apresentam atividade antioxidante, sendo a
atividade sequestrante de ânion superóxido o efeito mais pronunciado.
ANÁLISE PROTEÔMICA DE azospirillum brasilense
CUPUAÇU: ESTUDOS PRELIMINARES SOBRE A COMPOSIÇÃO E PROPRIEDADES
Aluno de Iniciação Científca: Lucas José Falarz (CNPq - Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022503
Orientador: Fábio de Oliveira Pedrosa Co-Orientador: Luciano Fernandes Huergo
Colaborador: Marina K. Kadowaki, Leda S. Chubatsu, Rose A. Monteiro, Leonardo M. Cruz, Maria Berenice R. Stefens, Emanuel M.
Souza.
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Proteoma, Azospirillum brasilense.
Área de Conhecimento: 2.08.02.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Maíra Gnoatto Afonso (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023536
Orientador: Carmen Lúcia de Oliveira Petkowicz
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: cupuaçu, Theobroma grandiforum, atividade antioxidante.
Área de Conhecimento: Bioquímica – 2.08.00.00-2
0255
0256
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
152
As bactérias pertencentes ao gênero Azospirillum são microrganismos Gram negativos, fixadores de nitrogênio, que podem colonizar a
rizosfera e o interior das raízes. Tal característica permite a associação com raízes de plantas de importância econômica, como a cana-de-
açúcar, sorgo, milho, arroz, dentre outras. A espécie mais estudada deste gênero é a Azospirillum brasilense. A enzima nitrogenase, presente
nesse microrganismo, é responsável pela fixação biólogica de nitrogênio, convertendo o nitrogênio atmosférico em amônia. Essa enzima
sofre regulação através de ADP-ribosilação dependendo dos níveis de nitrogênio presentes no meio, onde a enzima DraT catalisa a adição do
grupo ADP-ribose (inativando a nitrogenase) e a enzima DraG, a remoção desse grupo (recuperando-a). As proteínas pertencentes à familia
PII, GlnB e GlnZ, são capazes de interagir fisicamente com as enzimas DraT e DraG, sugerindo que tais interações estejam relacionadas
com a regulação da nitrogenase. Apesar das proteínas GlnB e GlnZ apresentarem 80% de similaridade, a interação com suas proteínas
alvos são altamente específicas. Enquanto que a proteína GlnB pode interagir fisicamente com a enzima DraT, a proteína GlnZ não pode.
O contrário é observado com o par GlnZ/DraG. O objetivo deste trabalho é identificar motivos estruturais nas proteínas GlnB e GlnZ que
estejam envolvidos na especificidade destas interações. Para isso, estamos construindo proteínas quiméricas (contendo partes da proteína
GlnB fusionada com partes da proteína GlnZ) e mutantes pontuais (usando kits de mutagênese) visando substituir aminoácidos localizados na
superfície que são distintos em cada proteína. Um plasmídeo capaz de expressar a proteína quimérica GlnBZ (N-terminal GlnB e C-terminal
GlnZ) a partir do promotor T7 do vetor pET28a foi obtido. Esse plasmídeo foi transformado em E. coli BL21 e a expressão da proteína
induzida por IPTG. Após as etapas de purificação, análise de SDS-PAGE indicou altos rendimento e grau de pureza. Plasmídeos contendo
as substituições na proteína GlnZ (Q39E, Q39K, Q42H, S52VS54D, Q42H52VS54D, D69S, D95P, D69SD95P, D68SQ69L, A 42-54) e
na proteína GlnB (H42Q, V52SD54S, H42QV52SD54S, S68DL69Q, A 42-54) estão sendo obtidos e serão sequenciados para confirmar
as modificações esperadas. As proteínas mutantes e quiméricas serão purificadas e comparadas com as proteínas selvagens GlnB e GlnZ
quanto a capacidade de interação com as enzimas DraT e DraG utilizando ensaios de co-precipitação in vitro.
Suporte Financeiro: CNPq, Fundação Araucária e INCT/FBN
A diversidade de bactérias há muito tempo é estudada através do isolamento dessas em meios de cultivo e sua posterior caracterização
fisiológica. Estas técnicas, apesar de serem valiosas, algumas vezes podem subestimar a dimensão da diversidade bacteriana. A análise da
diversidade de comunidades microbianas pode ser feita por técnicas moleculares independentes do cultivo e ferramentas de bioinformática.
Estas técnicas baseiam-se na extração do DNA diretamente do ambiente e amplificação, clonagem e sequenciamento de genes marcadores. O
presente trabalho tem como objetivo determinar a diversidade de bactérias diazotróficas e não-diazotróficas presentes em solos degradados.
Para tanto, foi realizado sequenciamento dos genes nifH e 16S rRNA. O DNA total extraído dos sedimentos do solo foi utilizado para
amplificar fragmentos 0.45kbp e 1.5kbp do nifH e 16S rRNA genes, respectivamente. Estes fragmentos de PCR foram clonados em pCR2.1
e transformados em Escherichia coli (estirpes DH10B e TOP10). O DNA plasmidial foi extraído e as inserções sequenciadas. Um total de
77 sequências do gene nifH foi obtido e comparado com o banco de dados públicos, utilizando o BLASTx. Os fragmentos sequenciados
compartilham alto grau de similaridade com sequências do gene nifH de Alphaproteobacteria (3,9%), Betaproteobacteria (16,9%),
Gammaproteobacteria (72,7%), Deltaproteobacteria (1,3%) Firmicutes (1,3%) e organismos não cultivados (3,9%). Os resultados sugerem
que família Enterobacteriaceae, pertencente à classe Gammaproteobacteria é o grupo dominante nesta comunidade diazotrófica . Análises
de 165 sequências de 16S rRNA revelaram a presença dos seguintes táxons: Firmicutes (52,1%), Bacteroidetes (30,3%), Proteobacteria
(13,9%) Spirochaetes (0,6%), bactérias não classificadas (3,1%). Os organismos que predominam na biblioteca do gene 16S rRNA são
diferentes dos que predominam na biblioteca do nifH. Também é possível inferir que o os diazotróficos não ocorrem em grande número
no ambiente analisado, pois não estão presentes na biblioteca do gene 16S rRNA. Estimativas de diversidade sugerem que as sequências
obtidas da biblioteca nifH parecem ser representativas dos organismos diazotróficos presentes na amostra. Porém mais sequências do gene
16S rRNA precisam ser obtidas para saturar essa biblioteca.
INTERAÇÕES IN VITRO ENTRE AS PROTEÍNAS PII E AS ENZIMAS REGULATÓRIAS DA
NITROGENASE EM AZOSPIRILLUM BRASILENSE
ANÁLISE DA COMUNIDADE BACTERIANA TOTAL E FIXADORA DE NITROGÊNIO DE UM SOLO
DEGRADADO NO ESTADO DO PARANÁ
Aluno de Iniciação Científca: Marcelo Scarduelli (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022503
Orientador: Luciano F. Huergo Co-Orientador: Ana Claudia Bonatto
Colaboradores: Rose Adele Monteiro, Luiza M Araujo, Leda S. Chubatsu, Emanuel M Souza, Fábio O. Pedrosa
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: proteínas PII, nitrogenase, Azospirillum brasilense.
Área de Conhecimento: 2.08.02.00-5
Aluno de Iniciação Científca: Marina Soneghett Cotta (CNPq – Balcão)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016523
Orientador: Fábio de Oliveira Pedrosa Co-Orientador: Leonardo Magalhães Cruz
Colaborador: Giovana Magnani (Doutoranda), Alexandre Knoll Malinowski (aluno), Arnaldo Glogauer (Doutorando), Helisson Faoro
(Doutorando)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: biodiversidade, nifH, 16S rRNA.
Área de Conhecimento: 2.08.02.00-5
0257
0258
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
153
Herbaspirillum seropedicae é uma bactéria diazotrófica endofítica, membro da subclasse β das Proteobactérias. Essa bactéria foi encontrada
associada ao milho (Zea mays), arroz (Oryza sativa), sorgo (Sorghum bicolor), cana de açúcar (Saccharum officiarum), e também à algumas
espécies tropicais como a bananeira (Musa spp) e o abacaxizeiro (Ananas comosus). Estudos da interação de H. seropedicae com diversas
espécies vegetais mostraram o seu potencial como biofertilizante nitrogenado, e sua capacidade de estimular o desenvolvimento das plantas
pela produção de fitohormônios. A formação de biofilme é uma forma das comunidades bacterianas de aderirem a um determinado substrato.
A análise por microscopia óptica de H. seropedicae crescido na presença de lã de vidro mostrou que ele adere nas fibras de vidro formando
um biofilme espesso e mucilaginoso. Exopolissacarídeos (EPS) e lipopolissacarídeos (LPS) são descritos como responsáveis pelos processos
de adesão em substratos e que são cruciais na manutenção integral da estrutura de biofilmes. Contudo mutantes em genes relacionados com
a síntese de EPS e LPS apresentaram o mesmo fenótipo de formação de biofilme quando comparado com a estirpe selvagem.
A maior parte da diversidade microbiana presente no solo permanece desconhecida por não ser possível seu cultivo utilizando meios de
cultura convencionais. Neste aspecto, a metagenômica permite o acesso diretamente ao DNA da microbiota ambiental sem a necessidade
do cultivo. DNA de amostras de solo da Floresta Atlântica Paranaense foram utilizadas para a construção de bibliotecas metagenômicas
utilizando fosmídeos mantidos em Escherichia coli. Durante um procedimento de triagem da biblioteca metagenômica, utilizando meio
contendo 1% de tributirina, foi observado um clone (MAF1125F06) que produzia um composto marrom. Este clone foi isolado para análise,
o DNA fosmidial foi purificado, nebulizado e os fragmentos de 3 a 8 kb foram ligados em vetor pUC. Neste trabalho, 288 clones foram
isolados, originando a sub-biblioteca F06-3kb. Todos os clones tiveram seus plasmídeos purificados apresentando qualidade e quantidade
suficientes para o sequenciamento de DNA em larga escala. 96 subclones tiveram as extremidades de seus insertos seqüenciadas, por meio
do uso de iniciadores universal e reverso, gerando 192 leituras de DNA com, em média, 500 pb. Os resultados do sequenciamento permitirão
a identificação de genes presentes no inserto do clone MAF1125F06 e a provável origem metabólica do composto de coloração marrom.
(suporte financeiro: PRONEX 2006, Instituto Milênio, CAPES e CNPq)
MUTAÇÃO DOS GENES DE BIOSÍNTESE DE LPS E EPS NÃO ALTERAM A FORMAÇÃO DE BIOFILME DE
Herbaspirillum seropedicae SOBRE SUPORTE INERTE.
CARACTERIZAÇÃO DE CLONE DE UMA BIBLIOTECA METAGENÔMICA COM FENÓTIPO
DIFERENCIADO
Aluno de Iniciação Científca: Natália Lucia dos Santos (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022552
Orientador: Emanuel Maltempi de Souza Co-Orientador: Rose Adele Monteiro
Colaborador: Michelle Zibetti Tadra Sfeir (Doutoranda/Capes-REUNI)
Eduardo Balsanelli (Doutorando/CNPq)
Drª Lúcia Gracinda da Silva Froufe
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Herbaspirillum seropedicae, bioflme, exopolissacarídeos (EPS) e lipopolissacarídeos (LPS)
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8 Biologia Molecular              
Aluno de Iniciação Científca: Rafaela da Silva Ramos (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022550
Orientador: Leda Satie Chubatsu Co-Orientador: Helisson Faoro
Colaboradores: Kharina Midori Trindade, Valter A. Baura, Emanuel M. de Souza, Cyntia M. Fadel-Picheth, Rose A. Monteiro, Luciano F.
Huergo, Leonardo M. Cruz, Maria Berenice R. Stefens, Liu Un Rigo, Fabio O. Pedrosa.
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: metagenômica, bioprospecção, composto marrom.
Área de Conhecimento: 2.08.00.00-2 (Bioquímica)
0259
0260
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
154
Abelmoschus esculentus (L.) Moench é uma espécie vegetal originada da África, pertencente à família Malvaceae e popularmente conhecida
como quiabo. O quiabo apresenta um material viscoso, que é utilizado na medicina tradicional como emoliente. Além do uso medicinal,
os frutos do quiabo são utilizados na culinária como espessante, uma vez que estes apresentam alto conteúdo de mucilagem. Essas
características fisico-químicas são estudadas pela reologia. Reologia é a parte da física que investiga as propriedades e o comportamento
mecânico de corpos que sofrem uma deformação (sólidos elásticos) ou um escoamento (fluido-líquido ou gás) devido à ação de uma tensão
de cisalhamento. A literatura é restrita quanto às propriedades reológicas que a mucilagem presente no quiabo apresenta. Logo, o objetivo do
presente estudo foi analisar o comportamento reológico da fração aquosa obtida a partir dos frutos de A. esculentus para futuras aplicações.
Após a remoção das sementes, os frutos foram secos em estufa a 60ºC, por 72 h, e posteriormente, triturados em processador culinário e
peneirados (1000 mesh). O material pulverizado foi submetido à extração aquosa a 4ºC, por 48 h, nas concentrações 30 g.L
-1
, 40 g.L
-1
e
50 g.L
-1
. Após centrifugação (12.000 rpm, 10ºC, 20 min), as frações aquosas (sobrenadantes) foram obtidas, denominadas PG-30, PG-40 e
PG-50. A dosagem de carboidrato total determinada pelo método do fenol-ácido sulfúrico foi 10 mg.mL
-1
, 7 mg.mL
-1
e 25 mg.mL
-1
para as
frações PG-30, PG-40 e PG-50, respectivamente. Nestas frações foram realizados diferentes testes reológicos utilizando reômetro HAAKE
RS1, sensor DG-43. Pelas curvas de fluxo pode-se notar que todas as frações apresentaram comportamento não newtoniano (pseudoplástico)
com diminuição da viscosidade com o aumento da taxa de cisalhamento. Além disso, pelas análises realizadas em modo oscilatório, dentro
da região de viscoelasticidade linear (tensão de 0,5Pa), na faixa de freqüência (0,1-10Hz) foi observado que o módulo viscoso (G´´) foi
superior ao módulo elástico (G´) o que indica um caráter de líquido viscoso para as frações com maiores concentrações (PG-40 e PG-50). Os
presentes resultados indicam possíveis aplicações da mucilagem extraída do quiabo tendo em vista que é um material natural e de baixo custo.
Herbaspirillum rubrisubalbicans é uma bactéria diazotrófica endofítica que se associa com várias gramíneas de interesse econômico. Este
microrganismo causa a doença da estria mosqueada em variedades de cana-de-açúcar e estrias vermelhas em variedades de sorgo. Ele
coloniza intercelularmente vários tecidos da planta. A proliferação da bactéria no xilema da planta leva a um bloqueio deste e ao aparecimento
de sintomas da doença. O lipopolissacarídeo (LPS) bacteriano é um determinante molecular da fitopatogenicidade. Através de uma busca
no banco de dados do genoma parcial de H. rubrisubalbicans foi identificado um agrupamento gênico contendo o gene rmlB. Este gene é
necessário para a biossíntese de ramnose, um monossacarídeo geralmente encontrado no LPS. Contudo, o sequenciamento shotgun do genoma
de H. rubrisubalbicans não forneceu a sequência completa deste agrupamento, sendo que apenas 213 bases do gene rmlB foi determinada. O
único clone da biblioteca genômica desse organismo que apresenta esta sequência parcial foi selecionado, purificado e utilizado para reação
de transposição in vitro. Após análise de 96 plasmídeos interrompidos pelo transposon EZ:Tn5 (Epicentre), foi verificado que em nenhum
deles o transposon se inseriu no gene rmlB. Após a finalização do sequenciamento do genoma da estirpe M1 por pirossequenciamento, a
sequência de bases contendo o gene rmlB foi utilizada para a construção de um par de oligonucleotídeos iniciadores. Estes serão utilizados
para amplificar o gene rmlB a partir do DNA genômico e em seguida obter a estirpe mutante sítio-dirigida. Apoio Financeiro: Fundação
Araucária, INCT-FBN/CNPq, PIBIC/CNPq, Instituto do Milênio/CNPq.
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL E PROPRIEDADES REOLÓGICAS DE POLISSACARÍDEOS DE
PLANTAS MEDICINAIS
CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE MUTANTES rmlB E rmlC DE HERBASPIRILLUM
RUBRISULBALBICANS
Aluno de Iniciação Científca: Sandra Aika Kamiguchi (Bolsista UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022519
Orientador: Juliana Bello Baron Maurer Co-Orientador: Joana Léa Meira Silveira
Colaboradores: Carolina Gaya, Luciano Campestrini e Neoli Lucyszyn
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Abelmoschus esculentus, quiabo, reologia, NUPPLAMED
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9          
Aluno de Iniciação Científca: Tatiana Lissi (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016547
Orientador: Emanuel Maltempi de Souza Co-Orientador: Rose Adele Monteiro
Colaborador: Eduardo Balsanelli (DOUTORANDO/CNPq), Michelle Zibetti Tadra Sfeir (CAPES/REUNI), Natália Lúcia dos Santos (IC
Voluntária)
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Herbaspirillum rubrisubalbicans, LPS, interação planta-bactéria.
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
0261
0262
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
155
Espécies do gênero Herbaspirillum são fixadoras de nitrogênio atmosférico sob condições de microaerofilia e podem associar-se
endofiticamente com plantas de interesse econômico como milho, cana-de-açúcar, trigo, arroz e sorgo. Dentre as espécies melhor estudadas
estão Herbaspirillum seropedicae e Herbaspirillum rubrisubalbicans. A inoculação de cana-de-açúcar e arroz com H. seropedicae aumenta
significativamente o crescimento vegetal e a produtividade, portanto, este organismo tem um grande potencial como biofertilizante nitrogenado.
O H. rubrisubalbicans pode causar a doença da estria mosqueada na variedade B-4362 de cana-de-açúcar e da estria vermelha em variedades
susceptíveis de sorgo, o que não ocorre quando estas plantas são inoculadas com H. seropedicae. Com o objetivo de compreender estes
fenótipos contrastantes e identificar fatores que participem da interação planta-bactéria foram construídas bibliotecas subtrativas através da
técnica SSH (supressive subtractive hybridization) contendo fragmentos presentes em H. seropedicae SmR1 e ausentes em H. rubrisubalbicans
M1. Foram seqüenciados e analisados 296 fragmentos de DNA e, entre eles, foram encontrados 96 fragmentos de genes exclusivos. A maioria
dos genes codifica para proteínas hipotéticas e conservadas hipotéticas de função desconhecida. Entretanto, foram encontrados genes que
codificam para proteínas envolvidas no sistema de transporte de açúcar e nitrato, proteínas associadas a proteoglicanos, glicosiltransferases
do tipo 1, exoproteínas envolvidas com adesão planta-bactéria, para a proteína muropeptídeo permease, entre outras. Quando inoculada
em milho a estirpe de H. seropedicae mutante no gene que codifica para a proteina AmpG (muropeptídeo permease) apresentou uma taxa
de colonização consideravelmente menor quando comparado a estirpe parental SmR1, indicando que os genes encontrados podem estar
envolvidos com a interação planta-bacteria.
Suporte financeiro: CNPq/PIBIC e INCT da Fixação Biológica de Nitrogênio
Fungos liquenizados são definidos como organismos simbióticos compostos por um fungo, o micobionte, e um ou mais parceiros fotossintéticos,
o fotobionte, que pode ser uma alga verde ou uma cianobactéria. O talo liquênico resultante desta simbiose é rico em polissacarídeos e já foram
encontradas a - e b -glucanas, galactomananas e heteroglicanas complexas, tais como ramnopiranosilgalactofuranana, galactoglucomananas
e galactomanoglucanas (Gorin et al. 1993, Olafsdottir e Ingólfsdottir 2001, Sassaki et al. 2002, Woranovicz-Barreira, 1999; Cordeiro et al.
2005). Muitos destes polissacarídeos demonstraram vários tipos de atividade biológica, tais como potente atividade antitumoral, atividade
antiviral e atividade estimulatória geral sobre o sistema imune (Omarsdottir, 2007). O fungo ascomiceto Physcia kalbii é encontrado
em estado simbiótico (líquen) na natureza. Não existem relatos na literatura sobre os polissacarídeos produzidos por este fungo, desta
maneira, o presente trabalho tem por objetivo extrair, purificar e caracterizar a estrutura dos polissacarídeos presentes neste ascomiceto.
Após a coleta do líquen no Centro de Estudo do Mar-UFPR, o fungo foi isolado da alga a partir de esporos, utilizando a metodologia
descrita por Ahmadjian (1973) e posteriormente cultivado em placas de petri contendo meio sólido Sabouraud-Sacarose-ágar. Ao final de
aproximadamente 8 meses, chegou-se a uma massa micelial seca de 17,61 g. Esta amostra foi deslipidificada com etanol (500mL, 5x) e
clorofórmio:metanol (1:1) (500mL, 1x) sob refluxo, obtendo-se um rendimento de 2,31g de lipídios (13,1%). Os polissacarídeos foram
extraídos do micélio deslipidificado através da extração sequencial com água fervente e KOH 10% (p/v) e foram recuperados dos extratos
por precipitação etanólica, obtendo-se as frações FW e FK, respectivamente. Estas frações apresentaram um perfil heterogêneo quando
analisadas por HPSEC, indicando uma mistura de polissacarídeos. Estes polissacarídeos estão sendo purificados através de vários métodos:
gelo e degelo, precipitação seletiva com reativo de Fehling, ultrafiltração em membranas com vários limites de exclusão e diálises em sacos
com porosidades específicas. Apoio financeiro: Pronex-Carboidratos, CNPq, Fundação Araucária.
CONSTRUÇÃO E SEQUENCIAMENTO DE BIBLIOTECAS SUBTRATIVAS DO GÊNERO
HERBASPIRILLUM
ISOLAMENTO E CULTIVO DE SIMBIONTES LIQUÊNICOS E CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL DE
SEUS POLISSACARÍDEOS.
Aluno de Iniciação Científca: Thalita Regina Tuleski (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016547
Orientador: Emanuel Maltempi de Souza Co-Orientador: Rose Adele Monteiro
Colaborador: Michelle Tadra Sfeir , Eduardo Balsanelli, Valter de Baura, Helisson Faoro, Fábio de Oliveira Pedrosa.
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Herbaspirillum, biblioteca subtrativa, comparação genômica..
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Vanessa de Fátima Reinhardt (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022499
Orientador: Lucimara Mach Côrtes Cordeiro Co-Orientador: Marcello Iacomini
Departamento: Bioquímica e Biologia Molecular Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Polissacarídeos, Physcia kalbii, fungo liquenizado.
Área de Conhecimento: Química de Macromoléculas - 2.08.01.00-9
0263
0264
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
156
As plantas necessitam de nitrogênio, elemento essencial e fator limitante do crescimento vegetal. Este elemento está presente em abundância
na atmosfera como dinitrogênio, uma forma que organismos eucariotos não conseguem assimilar. Bactérias diazotróficas são capazes de fixar
nitrogênio, que consiste na redução do nitrogênio gasoso à amônia, podendo esta última ser utilizada por plantas e animais. Dessa maneira,
bactérias diazotróficas, capazes de se associar às plantas, possuem potencial para serem utilizadas na agricultura como biofertilizantes.
Atualmente o gênero Herbaspirillum possui 11 espécies descritas, abrigando bactérias diazotróficas e endofíticas associadas a sorgo, arroz,
cana-de-açúcar, gramíneas forrageiras e palmeiras, isoladas no Brasil e na Europa. Outras espécies deste gênero foram isoladas de água,
solo e rizosfera na Europa, Coréia e Japão. No presente trabalho foram caracterizados isolados de bactérias diazotróficas encontradas em
abacaxizeiro e bananeira nos estados da Bahia e Rio de Janeiro utilizando uma abordagem polifásica. Análises morfológicas, fisiológicas,
bioquímicas e moleculares por RFLP, sequenciamento do 16S rDNA e do perfil protéico SDS-PAGE preliminares permitiram a alocação
destes isolados ao gênero Herbaspirillum, mas os resultados não permitiram a definição de espécies e sugeriram que os isolados podem
pertencer a espécies novas. Para definir a posição taxonômica destes isolados cerca de 300 pb da extremidade 5´ do gene 16S rRNA
foram sequenciados utilizando um novo oligonucletídeo revelando uma região diferenciadora de espécies do gênero Herbaspirillum.
Oligonucleotídeos iniciadores também foram desenhados para amplificação e sequenciamento dos genes rpoB (subunidade beta da DNA
polimerase) e gyrB (subunidade beta da DNA girase). Os isolados também foram testados quanto à capacidade de crescer em diferentes
fontes de carbono, permitindo sua diferenciação fisiológica. Finalmente, o perfil espectrométrico de massa de extratos celulares dos isolados
foram determinados por MALDI-TOF e comparados com os das estirpes referência. Os resultados confirmaram que os isolados pertencem
ao gênero Herbaspirillum, mas não permitiram a alocação em espécies, provavelmente em decorrência da grande semelhança genética entre
as espécies deste gênero. Suporte Financeiro: CNPq/UFPR, Fundação Araucária, INCT-NFN Instituto do Milênio.
Reservatórios são considerados importantes ecossistemas artificiais, pois são construídos pelo homem para usos múltiplos. O reservatório
de Alagados localiza-se entre os municípios de Ponta Grossa, Castro e Carambeí e é formado pelo represamento dos rios Jotuva e Pitangui.
Destina-se ao abastecimento de água e à geração de energia elétrica para a região de Ponta Grossa. A população ainda utiliza o reservatório
para pesca e lazer náutico. Eventos de floração da cianobactéria Cylindrospermopsis raciborskii, potencialmente tóxica, tem sido freqüentes
no local, indicando problemas de eutrofização no sistema. Outro grupo de algas que vem destacando-se como bioindicador do nível trófico
em corpos d´água é o das diatomáceas. Portanto, o objetivo deste estudo foi analisar a composição e a predominância de espécies de
diatomáceas em amostras perifíticas coletadas próximo à barragem da represa de Alagados, durante a floração de C. raciborskii. Pretende-
se verificar se as espécies que predominam no local coincidem com as que refletem as condições eutróficas de outros sistemas, através de
comparação com a literatura. Lâminas inseridas em suportes de madeira permaneceram submersas por cerca de 30 dias, sendo coletadas em
dezembro de 2007. Em laboratório, o biofilme foi removido dos substratos por raspagem e submetido à oxidação, procedendo-se ao preparo
de lâminas permanentes para a análise taxonômica em microscópio óptico. Concomitantemente, a contagem de 500 valvas, em transectos,
permitiu a constatação da predominância de espécies. Determinaram-se cerca de 50 táxons infragenéricos distribuídos em 20 gêneros. Maior
riqueza de espécies foi registrada para Gomphonema Ehrenberg (seis) e Navicula (seis). Os táxons predominantes foram Achnanthidium
minutissimum (86%), Gomphonema lagenula (12%) e Fragilaria familiaris (2%). A. minutissimum, organismo dominante nas amostras,
tem sido descrita na literatura como espécie com boas estratégias competitivas e com tolerância à eutrofização. Portanto, a diatomácea
predominante no ambiente estudado também tem sido citada como comum em outros ambientes com altas concentrações de nutrientes.
ANÁLISE COMPARATIVA DO GÊNERO HERBASPIRILLUM E CARACTERIZAÇÃO TAXONÔMICA
DE ISOLADOS DIAZOTRÓFICOS DE ABCAXIZEIRO E BANANEIRA
DIATOMÁCEAS PERIFÍTICAS EM SUBSTRATO ARTIFICIAL DO RESERVATÓRIO DE ALAGADOS,
PONTA GROSSA, PR.: ASPECTOS TAXONÔMICOS
Aluno de Iniciação Científca: Vanessa Kessler Chicora (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016523
Orientador: Leonardo Magalhães Cruz
Colaborador: Maria Isabel Stets (DOUTORANDA – CNPq), Lúcia G. da Silva-Froufe, Maria Berenice R. Stefens, Emanuel M. de Souza, Liu
Un Rigo, Fábio de O. Pedrosa
Departamento: Bioquímica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Herbaspirillum, taxonomia, diazotrófco.
Área de Conhecimento: 2.08.04.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Arielli Straube (PIBIC/CNPq)
N° de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010484
Orientador: Thelma Alvim Veiga Ludwig Co-Orientador: Priscila Izabel Tremarin
Colaborador: Lucielle Merlym Bertolli (Mestranda/CAPES)
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras chave: perifíton; reservatório; Achnanthidium minutissimum
Área de Conhecimento: Taxonomia vegetal - 2.03.04.00-5
0265
0266
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
157
A embriogênese somática é um processo pelo qual embriões se desenvolvem a partir de células somáticas e que permite a propagação em
massa de material selecionado. O dendezeiro (Elaeis guineensis) é uma palmeira de alto valor econômico e uma das oleaginosas mais
produtivas do mundo. O objetivo do trabalho foi induzir a embriogênese somática a partir de inflorescências imaturas dessa espécie. As
inflorescências, proporcionadas pela da Embrapa Amazônia Ocidental, foram desinfestadas em etanol 70% por dois min, seguido de hipoclorito
de sódio 12% por 20 min. Após essa etapa, tiveram suas espiguetas retiradas e cortadas em fatias de 2 mm. O meio de cultura básico foi
o MS (Murashige e Skoog, 1962) com concentrações de sais reduzidas a ½, vitaminas e compostos orgânicos de Teixeira et al. (1994), 30
gL
-1
de sacarose, Gelrite
®
(2gL
-1
) e pH ajustado em 6,0. Todos os experimentos foram mantidos em sala de crescimento no escuro, com
temperatura de 27± 2ºC de dia e 18 ± 1ºC de noite. No primeiro experimento, com inflorescência de 25 cm de comprimento, foi utilizado
o meio básico, com e sem carvão ativado. Um mês após a inoculação, 46% dos explantes apresentaram crescimento no meio com carvão
e 37% no meio sem carvão, mas sem formação de calos. Após 4 meses não foi observado formação de calos e a maioria dos explantes
estavam oxidados e mortos. Com o intuito de testar e estimular a formação de calos, novas inflorescências, com 25 cm de comprimento,
foram inoculadas em meio básico contendo 2,4-D (10 μM) ou picloram (PIC) (2,5, 5 e 10 μM). Novamente não ocorreu formação de calos
e os explantes foram, então, transferidos para o mesmo meio, porém, com maiores concentrações de PIC (10, 20 e 30 μM). Após 79 dias,
os explantes cultivados na presença de 2,4-D estavam parcialmente oxidados (67%) e os que foram transferidos para meio contendo 20
μM de PIC apresentaram a menor porcentagem de oxidação (22%). Em novo experimento, utilizando inflorescência com 15 cm, foram
testados 5 tratamentos. O controle não continha PIC, nem glutamina e ácido ascórbico. No T1 foi adicionado PIC. O T2 continha 40 μM
de PIC e 500 mgL
-1
de glutamina. O T3 foi adicionado de 40 μM de PIC e 50 mgL
-1
de ácido ascórbico e o T4 de 40 μM de PIC, 500 mgL
-1

de glutamina e 50 mgL
-1
de ácido ascórbico. Um mês após, ainda não houve formação de calos e o controle estava totalmente oxidado.
O tratamento com menor porcentagem de oxidação foi o T4, com 9%. Este experimento ainda está em andamento. Esse resultado parcial
indica a importância de colocar antioxidantes como ácido ascórbico, no meio de cultura.
Todas as mirtáceas brasileiras pertencem à tribo Myrteae, inclusive o gênero Campomanesia, que apresenta 29 espécies, com 28 delas
presentes na flora brasileira. São árvores ou arbustos distribuídos do nordeste da Argentina até Trinidad, e da costa do Brasil até os Andes.
Pode ser reconhecido pelo ovário 4-18-locular, com vários óvulos por lóculo, e pelas paredes dos lóculos glandulares nos frutos maduros.
Normalmente todos ou todos menos um óvulo abortam em cada lóculo. O objetivo geral do presente trabalho é fornecer subsídios para
futuros estudos relacionados com a Flora Paranaense, através da chave de identificação e das descrições das espécies ocorrentes no estado.
O trabalho foi realizado através da análise de exsicatas depositadas nos herbários paranaenses EFC, HUEM, MBM e UPCB. Apenas coletas
provenientes do estado do Paraná, e somente uma coleta por município foram examinadas, salvo quando a espécie apresenta distribuição
restrita. Quando preciso, por falta de coletas no estado, exsicatas de estados e países vizinhos foram analisadas. Os dados de floração,
frutificação e distribuições foram descritos com base nas coleções dos herbários visitados. Táxons infra-específicos não foram considerados
neste trabalho. Campomanesia apresenta 11 espécies no estado do Paraná. Destas, C. guaviroba, C. guazumifolia e C. xanthocarpa são as que
apresentam distribuição mais ampla no estado, ocorrendo em Floresta Ombrófila Densa (FOD), Floresta Ombrófila Mista (FOM), Floresta
Estacional Semidecidual (FES) e Estepes. Campomanesia guaviroba e C. xanthocarpa ainda podem ser comuns em áreas de vegetação
secundária. Uma das espécies com distribuição mais restrita é C. neriiflora, que ocorre apenas na região leste do Paraná e São Paulo (FOD)
e teve seus frutos descritos pela primeira vez. Campomanesia pubescens e C. sessiliflora são xilopodíferas, ocorrem em Savana e Estepes,
e têm seus limites de distribuição brasileira no estado do Paraná. Campomanesia eugenioides é mais frequente em FES, principalmente na
região de Londrina, mas também pode ser encontrada em FOM. Campomanesia aurea é um arbusto que ocorre apenas na região Sul do Brasil,
comum em Estepes e em áreas abertas de FOM, muito parecida com C. adamantium que além destas áreas, também ocorre em Savanas e
áreas abertas de FES. As espécies que podem ser encontradas somente em FOD e FOM são C. schlechtendaliana, que também tem o Paraná
como limite de distribuição brasileira, e C. reitziana, que até o presente trabalho tinha registros apenas para o estado de Santa Catarina.
EMBRIOGÊNESE SOMÁTICA EM DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS) A PARTIR DE INFLORESCÊNCIAS
IMATURAS
O GÊNERO Campomanesia RUIZ & PAV. (MYRTACEAE) NO ESTADO DO PARANÁ.
Aluno de Iniciação Científca: Carla de Moraes Antunes (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023557
Orientador: Marguerite Quoirin
Colaborador: Regina C. Quisen, Embrapa-Amazônia Ocidental
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave:, Aracaceae, micropropagação, PIC.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Duane Fernandes de Souza Lima (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005017149
Orientador: Renato Goldenberg Co-Orientador: Marcos Sobral
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Myrteae, fora, taxonomia.
Área de Conhecimento: 2.03.06.00-8
0267
0268
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
158
Orchidaceae Juss. é a maior família dentre as monocotiledôneas possuindo cerca de 25 mil espécies em cerca de 800 gêneros. No Brasil,
ocorrem 235 gêneros e cerca de 2400 espécies e no Paraná 128 gêneros e 593 espécies. Entre os gêneros ocorrentes no Estado, Ionopsis
Kunth., Oeceoclades Lindl., Psilochilus Barb. Rodr. e Sacoila Raf., foram objeto de estudo do presente trabalho para a monografia para
a Flora do Paraná, juntamente com o georreferenciamento da coleção desta família depositada no herbário UPCB. Para a monografia dos
gêneros foi feito um levantamento bibliográfico através do “Biological Abstracts”, a fim de se obter referências sobre os táxons estudados.
Foram consultadas as coleções dos principais herbários do Estado do Paraná (FUEL, HUCP, MBM, UPCB), para a obtenção e confecção
do banco de dados sobre as espécies dos gêneros estudados. Estas exsicatas tiveram suas partes medidas e foram descritas e identificadas.
Para a distribuição geográfica foi utilizado o mapa do Paraná com quadrículas de 1° x 1°. A atualização nomenclatural da família foi feita
baseada em estudos filogenéticos recentes e o georreferenciamento do acervo através do ajustamento das coletas do herbário com os dados
de localização geográfica contido no Banco de Dados do IBGE para cada município do Estado. A partir das monografias dos gêneros conclui-
se que no Estado o gênero Ionopsis possui apenas I. utricularioides (Sw) Lindl., ocorrendo nas regiões de Floresta Ombrófila Mista sendo
considerada vulnerável pela classificação da IUCN; Oeceoclades possui apenas O. maculata (Lindl.) Lindl. a qual ocorre em regiões de
Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Mista sendo considerada de preocupação menor segundo a classificação da IUCN;
Psilochilus possui duas espécies no estado, Psilochilus modestus Barb.Rodr. que ocorre nas regiões de Floresta Ombrófila Mista do Estado
e é considerada preocupação menor e Psilochilus dusenianus Kraenzl. ex Garay & Dunst ocorre também em Floresta Ombrófila Mista do
Estado, porém pode ser classificada como vulnerável pela IUCN; Sacoila possui uma espécie no Estado, S. lanceolata (Aubl.) Garay, que
ocorre em regiões de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Semidecidual do Estado, sendo classificada
como preocupação menor segundo a IUCN. O georreferenciamento da coleção contida no UPCB mostra que neste herbário estão depositadas
422 espécies em 113 gêneros, coletadas em 67 localidades a maioria em Floresta Ombrófila Densa. Suporte financeiro: CNPq/UFPR.
Labiatae é a maior e mais importante família da ordem Lamiales, compreendendo 236 gêneros e 7150 espécies de distribuição cosmopolita.
Dentre eles, encontramos o gênero Salvia L, com cerca de 900 espécies. Salvia melissiflora Benth. é endêmica do Brasil, sendo encontrada
em Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Polymerase Chain Reaction (PCR) é uma técnica utilizada para amplificar cópias de segmento de
DNA, obtendo assim uma grande quantidade de cópias. Essa técnica necessita de marcadores moleculares que direcionam as amplificações.
A utilização de Inter simple sequence repeat (ISSR) como marcador molecular permite a ampliação de regiões entre seqüências simples
repetidas. O método de ISSR é de grande importância em estudos de variabilidade genética, pois apresenta alto grau de polimorfismo e
reprodutibilidade. O presente estudo teve por objetivo a coleta de indivíduos de uma população de S. melissiflora, e a padronização de
protocolos de extração, amplificação e purificação de DNA. Foram coletadas amostras de folhas e flores de 20 indivíduos da população
localizada no Caminho do Itupava (município de Quatro Barras). As amostras foram desidratadas em sílica gel e armazenadas. Uma amostra
da espécie foi coletada e está depositada no herbário UPCB. O DNA foi extraído através do método Cationic hexadecyl trimethyl ammonium
bromide (CTAB), proposto por Doyle & Doyle com modificações. Para melhorar a qualidade do DNA, foi realizada a purificação em quatro
amostras com acetato de amônio, que decanta os resíduos presentes nas amostras. Foi adaptado um protocolo para amplificação em PCR
para ISSR. Reações de PCR foram realizadas com os inicializadores (primers) trnL-F e AC8_A. O produto do PCR foi corrido em gel
de agarose 1% e 1,5% em cuba de eletroforese com brometo de etídio, observado em luz ultra-violeta e fotografado. Foram feitas cinco
extrações com Salvia melissiflora utilizando dois protocolos. Um foi realizado com material fresco macerado diretamente com o tampão de
extração e o outro com material desidratado em sílica gel e macerado com nitrogênio líquido. A qualidade e/ou quantidade do DNA extraído
em algumas reações não possibilitaram a amplificação em PCR. Concluímos que para realizar a amplificação é necessário que no final da
extração o DNA esteja puro. A purificação com acetato de amônio mostrou-se a mais eficiente considerando a qualidade final da extração e
a relação custo/benefício. É necessário dar continuidade aos testes com outros primers de ISSR para finalizar a padronização dos protocolos.
ESTUDOS TAXONÔMICOS EM ORCHIDACEAE (ASPARAGALES) PARA A FLORA DO PARANÁ
VARIABILIDADE GENÉTICA EM Salvia melissiflora Benth. (LABIATAE)
Aluno de Iniciação Científca: Fernanda Ceschin (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023456
Orientador: Eric de Camargo Smidt
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: IUCN, Orchidaceae, UPCB, Taxonomia.
Área de Conhecimento: 2.03.06.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Georgia Karoline Kosmala (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007025
Orientador: Élide Pereira dos Santos
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Lamiaceae, ISSR, DNA
Área de Conhecimento: 2.03.04.00-5 – Taxonomia Vegetal
0269
0270
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
159
O petróleo é um contaminante de difícil degradação e que causa grandes impactos nas áreas onde ocorreu a contaminação. A presença desse
contaminante no solo afeta o desenvolvimento das plantas de modo geral. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o efeito
do petróleo sobre o crescimento de Mimosa scabrella Benth. (bracatinga) visando identificar se essa espécie é sensível (bioindicadora) ou
tolerante ao contaminante (fitorremediadora). O experimento foi conduzido em casa de vegetação no Departamento de Botânica da UFPR,
e constituiu em um DIC com sete tratamentos (solo não contaminado, solo contaminado com 0,5%; 1%; 1,5%; 2%; 3% e 4% de petróleo
peso/peso) e cinco repetições totalizando 35 unidades experimentais. As unidades experimentais foram montadas em vasos número cinco
(cinco kilos de solo) e plantas com 30 dias de idade e altura média de 29+/-3,8cm. O crescimento e desenvolvimento foram monitorados
durante cinco meses com medições mensais da altura. Além disso, mediu-se o diâmetro inicial e final de colo e, ao final do experimento,
determinou-se a biomassa seca da parte aérea e raiz, assim como os teores de clorofila A e B, protoclorofila, e carotenóides. Todos os
dados foram analisados utilizando o programa Statistica 7.0 considerando-se como significativos os valores de p<0,05. O petróleo reduziu
significativamente a altura das plantas a partir do tratamento de 1,5% (redução de 43%). Nos tratamentos de 3 e 4%, a redução da altura
foi maior ainda, ou seja, 73%. A presença do contaminante reduziu também de forma significativa a biomassa. A redução da biomassa da
parte aérea ocorreu a partir do tratamento de 1,5%, ao passo que, a redução da biomassa da raiz ocorreu a partir de 1%, evidenciando a
alta sensibilidade desse órgão ao contaminante. A presença do contaminante não afetou o teor de pigmentos fotossintéticos (clorofila total,
protoclorofila e carotenóides) nos diferentes tratamentos. Dessa forma, a bracatinga exibe potencial de revegetar solos com baixo teor de
contaminação (até 1% ou 6000 μg hidrocarbonetos totais de petróleo kg
-1
solo). A partir de 1,5% de contaminação (≈8000 μg hidrocarbonetos
totais de petróleo kg
-1
solo) essa espécie é sensível ao contaminante sendo uma bioindicadora.
Pinus taeda é uma espécie de grande importância florestal e econômica, cultivada no sul do Brasil para uso nas indústrias de papel, celulose
e madeira. O objetivo deste trabalho foi estabelecer um protocolo de micropropagação de P. taeda a partir de material juvenil. O material
vegetal utilizado foram mudas de quatro meses de idade provenientes do pomar clonal comercial fornecida pela empresa Battistella Florestal.
As mudas foram pulverizadas a cada dois dias com 1g L
-
¹ do fungicida Cercobin®, totalizando quatro aplicações, antes do isolamento.
Brotações apicais foram coletadas e desinfestadas com solução de 0,05% de HgCl
2
durante 5 minutos, seguido de 0,01% de NaOCl por
mais 5 minutos e seis lavagens em água destilada esterilizada. Segmentos nodais de 2 cm de comprimento foram inoculados nos meios
de cultura: DCR, MS, SH e WV3. A avaliação da contaminação microbiana, necrose e sobrevivência foi realizada após dois meses. Os
explantes sobreviventes foram transferidos para etapa de multiplicação, onde foram testados os mesmos meios de cultura, acrescidos de
0; 0,12; 0,25 e 0,5 μM de 6-benzilaminopurina (BAP) durante 3 meses. O meio de cultura que apresentou maior sobrevivência foi o DCR
(90%) e 88% de seus explantes apresentaram brotações. O meio WV3 apresentou o segundo maior percentual de sobrevivência, sendo
67% e 65% com brotações. A maior porcentagem de necrose ocorreu no meio MS (80%). Na etapa de estabelecimento in vitro, o número
médio de brotações por explante variou pouco entre os quatro meio testados, sendo de 1,9 para o WV3; 1,8 para os meios DCR e SH e
1,4 para o MS. Na etapa de multiplicação, o meio de cultura DCR, sem BAP ou com 0,25 μM ou 0,5 μM de BAP apresentaram número
médio de brotações de 1,8. As brotações se apresentaram alongadas e com coloração verde escura. Melhores respostas foram obtidas no
meio de cultura WV3, com a melhor média (3,3 brotações por explante) obtida com a concentração de 0,12μM de BAP, no entanto, as
brotações apresentaram aspecto clorótico. As brotações cultivadas nos meios de cultura MS e SH necrosaram. As brotações continuam
sendo subcultivadas nos meios com citocininas com o objetivo de aumentar a multiplicação e alongamento para posterior realização do
teste de enraizamento. (Suporte financeiro: Convênio: FINEP MOBASA - n
o
01061196000)
EFEITO DO SOLO CONTAMINADO COM PETRÓLEO NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO
DE BRACATINGA (Mimosa scabrella BENTH.).
MICROPROPAGAÇÃO DE Pinus taeda L. A PARTIR DE MATERIAL JUVENIL
Aluno de Iniciação Científca: Guilherme Augusto Simon (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022374
Orientador: Gedir de Oliveira Santos
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: leguminosa; hidrocarbonetos; bioindicação.
Área de Conhecimento: Fisiologia Vegetal - 2.03.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Jasmine Salua Dutra Ephigenio da Cruz (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000006992
Orientador: Profª Drª Luciana Lopes Fortes Ribas
Colaborador: Leandro Francisco de Oliveira (Mestrando/REUNI) - Tatiana Mazon Cézar (Mestranda/CAPES)
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: cultura in vitro, espécies forestais, clonagem.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9 Fisiologia Vegetal
0271
0272
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
160
A Floresta Ombrófila Mista (FOM), conhecida também como “Floresta de Araucária”, é uma faz parte do domínio de Mata Atlântica,
sendo bastante representativa no Sul do Brasil. Além da espécie Araucaria angustifolia, as famílias mais representativas são: Myrtaceae,
Sapindaceae, Fabaceae, Lauraceae, Solanaceae, Anacardiaceae, Euphorbiaceae. O presente trabalho tem como objetivo caracterizar a anatomia
da madeira das espécies mais representativas da Floresta Ombrófila Mista coletadas em remanescentes presentes nos campi da UFPR,
Curitiba, PR (Capão da Engenharia Florestal e Reserva Mata Viva). Foram coletadas amostras de três indivíduos por espécie, de catorze
espécies de maior valor de importância nestes remanescentes. Estas foram coletadas no DAP, processadas e seccionadas para montagem de
lâminas histológicas, segundo técnicas usuais em anatomia da madeira. A maioria das espécies apresenta anéis de crescimento (indistinto
em Schinus terebinthifolius e Roupala montana), anel com porosidade difusa (exceto em Jacaranda puberula, que é semi-poroso), sem
arranjo de vasos (exceto em R. montana - em bandas, e dendrítico em Gochnatia polymorpha), vasos solitários e multiplos de dois e quatro
(exceto em Campomanesia xanthocarpa,que são solitários, solitários e múltiplos de dois a três em J. puberula; e solitários e multíplos de
dois a oito em S. terebinthifolius e Cupania vernalis), vasos com margem oval (exceto em Cinnamodendron dinisií, que é angular), placa
de perfuração simples (exceto C. dinisií, que é escalariforme), pontoações intervasculares alternas e areoladas (opostas e areoladas em
C. dinisií), pontoações das fibras simples a diminutas areoladas (exceto em C. dinisií, que possui fibrotraqueídes), fibras septadas foram
observadas em Ocotea puberula, Allophylus edulis, S. terebinthifolius e C. vernalis, raio composto por células procumbentes e margens
quadradas a eretas (somente procumbentes em C. dinisií e C. vernalis), células do raio com conteúdo (sem conteúdo em G. polymorpha, J.
puberula e Sebastiania commersoniana). A espécie que apresenta o maior número de caracteres distintos das demais é C. dinisií, mas isto
pode ser entendido levando-se em consideração que esta espécie pertence a uma família muito basal dentro das Angiospermas, possuindo
caracteres como placa de perfuração escalariforme e fibrotraqueídes, considerados plesiomórficos. De um modo geral, os caracteres
encontrados corroboram com os padrões observados nos estudos ecológicos do xilema secundário, relacionados às formações vegetacionais
localizadas em maior altitude e latitude.
Eucalyptus saligna possui como principal limitação ao cultivo a intolerância a geadas. A introdução do gene P5CS é uma alternativa
para a resolução deste problema, pois este gene regula a síntese da prolina, envolvida com a resistência a este tipo de estresse. O objetivo
deste trabalho foi obter plantas transformadas com o gene P5CS a partir de tecidos cotiledonares co-cultivados com Agrobacterium
tumefaciens. Os explantes consistiram em cotilédones retirados de plântulas germinadas in vitro com 12 dias de idade. Foram realizados
dois experimentos, o primeiro envolvendo a exposição dos explantes à solução anti-oxidante no momento do corte dos cotilédones, e o
segundo visando verificar a influência da pré-cultura destes tecidos antes da transformação. Os tratamentos foram: a) corte dos explantes
em solução anti-oxidante composta de ácido cítrico, ácido ascórbico e PVP-40; b) corte dos explantes em água estéril. Depois disto, os
explantes passaram pela co-cultura com a cepa desarmada EHA 105 de A. tumafaciens contendo o gene P5CS e os genes marcadores de
transformação (gene gus) e de seleção (gene nptII). O segundo experimento consistiu dos seguintes tratamentos antes da co-cultura com a
bactéria: a) um período de pré-cultura de 4 dias em meio de cultura MC (MS + 4,4 μM BAP + 2,7 μM ANA); b) ausência da pré-cultura,
onde a inoculação dos explantes ocorreu logo após o corte destes. Após co-cultura de 5 dias, os explantes em meio MC foram transferidos
para o mesmo meio contendo os antibióticos cefotaxima (500 mg L
-1
) e canamicina (25 mg L
-1
), visando respectivamente a eliminação da
bactéria e a seleção das células transformadas. Nos dois experimentos, a cada 15 dias foram avaliadas porcentagens de oxidação, formação
de calos e regeneração de gemas até os 60 dias. Cada tratamento teve 4 repetições, sendo cada repetição composta por 50 cotilédones. Não
houve diferença estatística significativa em relação às variáveis analisadas nos dois experimentos. Obteve-se alta porcentagem de oxidação
(85,2%) ao final de 60 dias, formação de calos em 63% dos explantes sobreviventes e baixa regeneração de gemas (1,5%). Ao todo, obteve-se
6 brotações regeneradas. Observou-se a expressão transiente do gene gus em folhas de brotações regeneradas dos explantes transformados,
sugerindo a transformação transiente dos tecidos vegetais. Para a comprovação da tranformação estavel, análises moleculares do material
putativo serão realizadas. Vários experimentos foram conduzidos simultaneamente, porém com resultados negativos quanto a regeneração
de gemas nos tecidos inoculados.
CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA DO LENHO DE ESPÉCIES DE UM REMANESCENTE DE
FLORESTA OMBRÓFILA MISTA, CURITIBA, PR
TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA DE EXPLANTES COTILEDONARES DE Eucalyptus saligna Sm. VIA
Agrobacterium tumefaciens
Aluno de Iniciação Científca: Julio Cezar Majcher (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016228
Orientador: Maria Regina Torres Boeger Co-Orientador: Patricia Sof atti
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Anatomia da madeira, Floresta Ombrofla Mista, Anatomia ecológica.
Área de Conhecimento: Morfologia Vegetal - 2.03.02.00-2
Aluno de Iniciação Científca: Laís Gomes Adamuchio (Programa- UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006.01.93.27
Orientador: Marguerite Quoirin Co-Orientador: Yohana de Oliveira
Colaborador: Maisa dos Santos
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Estresse abiótico, resistência ao frio, espécie forestal.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9
0273
0274
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
161
Foi realizada uma análise comparativa da estrutura anatômica de Eleocharis acutangula (Roxb.) Schult, Eleocharis geniculata (L.) Roem.
& Schult e Eleocharis niederleinii Boeck., com ênfase nos caracteres adaptativos e relevantes para a taxonomia. A espécie E. acutangula foi
coletada no Município de São José dos Pinhais-PR, E. geniculata no Município de São Francisco do Sul – SC, e E. niederleinii no Município
de General Carneiro – PR. Amostras de raiz, rizoma, escapo floral e folhas foram fixadas em F.A.A. 70. Parte das amostras foi processada
para inclusão em historesina, com confecção de lâminas permanentes e outra parte foi seccionada à mão livre para realização de testes
histoquímicos. As raízes das três espécies apresentam córtex com aerênquima do tipo tangencial lisígeno. Em E. geniculata as células vivas
dos raios do aerênquima são braciformes, diferindo das demais espécies. O rizoma das três espécies possui córtex formado por aerênquima
lisígeno, sendo de organização irregular em E. acutangula e E. nederleinii e com lisígeno radial em E. geniculata. O cilindro vascular do
rizoma das três espécies apresenta células do periciclo com paredes ligeiramente espessadas e feixes vasculares dispersos no parênquima.
Nas três espécies o escapo é fotossintetizante e possui cloroplastos nas células parenquimáticas periféricas. O escapo difere claramente
na morfologia, sendo triangular em E. acutangula, cilíndrico em E.geniculata e quadrangular em E. niederleinii. O tipo de aerênquima
também difere entre as espécies, sendo do tipo favo de mel em E. acutangula, radiado em E. geniculata e canal de ar esquizógeno em E.
niederleinii. Nas três espécies, as lacunas do aerênquima do escapo são divididas por diafragmas de células braciformes. Essas diferem em
E. geniculata pela presença de projeções papiliformes ou verrucosas nas extremidades dos braços. As folhas das três espécies estudadas são
escamiformes e diferem na estrutura anatômica, sendo a principal diferença o espaçamento entre as células silicosas na epiderme e os feixes
de fibras subepidérmicos. Células com conteúdo lipofílico e células com compostos fenólicos foram evidenciados nas três espécies, e amido
em E. acutangula e E. niederleinii. As diferenças morfoanatômicas nas espécies estudadas podem ser relevantes para a taxonomia do grupo.
A família Labiatae é composta por 236 gêneros e possui distribuição cosmopolita. O gênero Salvia possui 900 espécies, sendo encontradas
em regiões subtropicais e temperadas. A espécie Salvia lachnostachys Benth. é endêmica do Brasil, encontrada nos estados de São Paulo,
Paraná e Santa Catarina. Possui muitos compostos fenólicos, que são amplamente utilizados na indústria farmacêutica. O método de
Intersimple Sequence Repeats (ISSR) é utilizado para avaliar a variabilidade genética entre populações de plantas, pois apresenta alto grau
de polimorfismo, ou seja, amplifica várias regiões a partir da identificação de duas áreas específicas. Nesta etapa do trabalho teve-se por
objetivo coletar amostras de uma população de S. lachnostachys, testar diferentes protocolos de extrações, purificação e amplificação de
fragmentos de DNA. Foram coletadas folhas e flores de 20 indivíduos da população que ocorre em Curitiba, no bairro da Cidade Industrial,
e estas foram acondicionadas em sílica gel para posterior estudo. Uma amostra da espécie foi depositada no herbário UPCB. As amostras
foram maceradas em nitrogênio líquido e a extração do DNA seguiu o método de 2X CTAB. A extração foi purificada em acetato de
amônio e os fragmentos foram amplificados seguindo o método de reação em cadeia da polimerase (PCR). A eletroforese foi feita em gel
de agarose 1% e 1,5% , observada e fotografada em transiluminador. Foram realizadas três extrações, totalizando 16 amostras, sendo que
foram feitas seis reações de PCR com os primers trnL-F e psbA-trnH. Destas, duas foram feitas com DNA sem purificar, duas com DNA
purificado com acetato de amônio e duas com coluna da Quiagen®. As reações de PCR com DNA sem purificação não amplificaram. As
reações de PCR com DNA purificado amplificaram e observou-se que as bandas produzidas pelas reações realizadas com DNA purificado
com acetato de amônio e em coluna possuíam a mesma qualidade e quantidade. Concluímos que, ambos os processos produzem DNA
de boa qualidade, porém o protocolo com acetato de amônio apresenta uma melhor relação custo/benefício. Além disto, constatou-se que
para não haver degradação do DNA, as amostras dos exemplares devem ser desidratadas em sílica gel imediatamente após a coleta, e ao
se fazer a maceração com nitrogênio líquido, as amostras devem ser colocadas prontamente no tampão de extração ainda congeladas. Com
os protocolos de extração e purificação de DNA padronizados serão iniciados os testes com os primers de ISSR.
ADAPTAÇÕES ANATÔMICAS DE TRÊS ESPÉCIES DE Eleocharis (CYPERACEAE) AO AMBIENTE
AQUÁTICO
VARIABILIDADE GENÉTICA EM Salvia lachnostachys BENTH. (LABIATAE)
Aluno de Iniciação Científca: Lucas Gonçalves Peixoto (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016309
Orientador: Cleusa Bona
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: aerênquima, Eleocharis, Cyperaceae
Área de Conhecimento: Morfologia Vegetal (2.03.02.00-2)
Aluno de Iniciação Científca: Marcelli Krul Vieira (UFPR – TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 200007025
Orientador: Élide Pereira dos Santos
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Lamiaceae, ISSR, DNA.
Área de Conhecimento: 2.03.04.00-5 - Taxonomia Vegetal
0275
0276
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
162
Psychotria nuda é uma espécie arbustiva nativa da Floresta Ombrófila Densa, restrita às áreas úmidas de baixa altitude. Apresenta importância
ecológica, potencial farmacêutico-medicinal e ornamental. Com o objetivo de relacionar o ambiente em que se encontram as plantas matrizes
com o sucesso do enraizamento, estacas de P.nuda foram coletadas na Reserva Natural do Rio Cachoeira, em Antonina-PR, em dois ambientes
distintos: planície (ambiente 1), e encosta do morro a 30m do nível do mar (ambiente 2), na primavera/2008, verão/2009, outono/2009 e
inverno/2009. As estacas foram confeccionadas com 8-10cm de comprimento, duas folhas reduzidas a metade na região apical, desinfestadas
com hipoclorito de sódio a 0,5% e tratadas com ácido indol butírico (IBA), por 10 segundos de imersão nas concentrações: testemunha
(água), solução hidroalcóolica 50% de 0, 1500, 3000 e 6000 mgL
-1
IBA. Posteriormente foram plantadas em tubetes de 53cm
3
contendo
vermiculita média como substrato. Após 60 dias em casa de vegetação climatizada com temperatura de 24°C ± 2°C e 95% de umidade relativa
do ar, localizada no Setor de Ciências Biológicas da UFPR, foram avaliadas as seguintes variáveis: porcentagem de estacas enraizadas, com
calos, vivas, mortas, brotadas, número de raízes/estaca e comprimento das três maiores raízes/estaca. Com relação ao enraizamento, não
houve interação entre os ambientes de coleta e as concentrações de IBA utilizadas, bem como a influência desses fatores isoladamente, não
se fazendo necessária a aplicação de IBA para a indução radicial na espécie. Contudo, as maiores porcentagem de enraizamento ocorreram
na estação da primavera/2008, tanto para o ambiente 1, com a aplicação de 3000 e 6000mgL
-1
(95,00%) quanto para o ambiente 2 (86,25%
- testemunha). Para o verão/2009, as maiores porcentagens de enraizamento foram com a aplicação de 1500mgL
-1
IBA (77,50% - ambiente
1) e com 3000 mgL
-1
IBA (85,00% - ambiente 2). No outono/2009, as maiores porcentagens de enraizamento ocorreram com a aplicação de
6000mgL
-1
IBA(68,75% - ambiente 1 e 81,25% - ambiente 2) e no inverno/2009 também com 6000mgL
-1
(90,00% - ambiente 1 e 73,75%
- ambiente 2). Em todas as estações e ambientes, o valor de enraizamento atingido pelas testemunhas foi superior a 50,00%.
Psychotria nuda (Cham. & Schlcht.) Wawra (Rubiaceae) é uma espécie nativa, de grande importância ecológica na floresta ombrófila densa
(FOD). É uma arvoreta que pode atingir em torno de seis metros, com flores visitadas por beija-flores e frutos que são alimento de morcegos.
Apesar de apresentar potencial paisagístico e farmacológico, além de uso para recuperação de áreas degradadas, não existem protocolos de
produção de mudas da espécie. Visando suprir essa lacuna, foi estudada a propagação vegetativa via estaquia de Psychotria nuda, da fase de
enraizamento até sua aclimatação para posterior plantio. Esse trabalho teve por objetivo avaliar o ambiente que se encontra a planta matriz
na qualidade das mudas da espécie. Na primavera/2009 foi realizada uma coleta de material para estaquia em dois ambientes diferentes
da FOD: Terras Baixas (planície) e Submontana (encosta). As estacas foram confeccionadas com 11cm de comprimento, com duas folhas
cortadas pela metade e mantidas em casa de vegetação por 60 dias. Após esse período, aquelas enraizadas foram transplantadas para tubetes
de 100cm³ com o substrato Plantmax
®
e o delineamento foi montado com 10 repetições de doze estacas para cada ambiente e colocadas em
casa de sombra a 50% de luminosidade onde, após 30 dias, foi realizada adubação e aos 45 dias foi feita a primeira avaliação. Em seguida,
as mudas foram transferidas para casa de sombra com 75% de luminosidade onde ficaram por 30 dias, sendo avaliadas novamente. As
variáveis avaliadas foram: sobrevivência, comprimento da parte aérea brotada, número de brotações, número de folhas novas e número
de folhas originais. Aos 75 dias também foram avaliadas as massas fresca e seca das brotações e volume e comprimento total das raízes.
O comprimento da parte aérea brotada aos 45 dias (4,3cm para a encosta e 3,8 cm para a planície) apresentou diferença estatística, mas na
avaliação de 75 dias essa diferença deixou de existir. Para o número de brotações, a planície foi estatisticamente superior (1,9 brotações
contra 1,7 da encosta) aos 75 dias. Para as outras variáveis não houve diferença estatística, mas as médias gerais mostram que as mudas se
desenvolvem bem. A média geral de folhas novas por estaca foi de 5,9 folhas/estaca e o comprimento médio das raízes foi de 251cm aos
75 dias. Cabe ainda ressaltar a alta taxa de sobrevivência aos 75 dias (95% na encosta e 89% na planície) apesar do manuseio e transplante
das mudas, mostrando a alta resistência da espécie e viabilidade em se produzir mudas de Psychotria nuda por meio da estaquia.
INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA VIA ESTAQUIA DE Psychotria NUDA
(Cham. & Schlcht.) Wawra (Rubiaceae)
INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA VIA ESTAQUIA DE Psychotria NUDA
(Cham. & Schlcht.) Wawra (Rubiaceae)
Aluno de Iniciação Científca: Nicole Geraldine de Paula Marques Witt (PIBIC – CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005818
Orientador: Katia Christina Zufellato-Ribas
Colaborador: Bárbara Guerreira Alpande Ferreira
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: pasto-de-anta, auxina, diferentes locais de coleta.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Paulo Guilherme Rosa Mazeto (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999005818
Orientador: Katia Christina Zufellato-Ribas
Colaborador: Bárbara Guerreira Alpande Ferreira (DOUTORANDA/REUNI)
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave:enraizamento, espécie nativa, aclimatação.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9
0277
0278
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
163
O Pinus taeda L. é uma importante espécie florestal devido ao seu rápido crescimento e pela gama de produtos que pode oferecer como
polpa, madeira, entre outros. Devido à grande importância econômica dessa espécie, a micropropagação é uma alternativa para a produção
massal. Sendo assim, o presente trabalho tem como objetivo a micropropagação de clones selecionados de P. taeda. Foram utilizadas
sementes da família F27 fornecidas pela empresa Battistella Florestal, as quais passaram por um tratamento de estratificação de 25 dias em
um refrigerador a 5°C para a superação da dormência. No primeiro tratamento, 240 sementes foram desinfestadas em etanol 70% durante
30 segundos, seguido de solução de hipoclorito de sódio 5% durante 20 minutos, solução de cloreto de mercúrio 0,5% durante 10 minutos
e seis lavagens em água destilada esterilizada. As sementes foram colocadas em placas de petri para germinar. Foram feitas avaliações
diárias e nenhuma semente germinou, concluindo que a desinfestação inibiu a germinação de sementes. Paralelamente foi feito outro
experimento, no qual 290 sementes da mesma família foram colocadas primeiro para germinar. Ocorreu 100% de germinação das sementes,
e as brotações apicais foram desinfestadas com etanol 70% por 1 minuto, hipoclorito de sódio 1% durante 15 minutos e cloreto de mercúrio
0,05% durante 10 minutos seguido de lavagens em água destilada esterilizada. Após a desinfestação, as brotações foram inoculadas em
tubos de ensaio contendo o meio de cultura MS, para o estabelecimento in vitro durante 15 dias. Em avaliações diárias constatou-se que
10,8% das brotações apresentaram contaminação microbiana e 15,8% apresentaram necrose. As brotações remanescentes e alguns de seus
cotilédones foram transferidos para o meio WV5 contendo diferentes concentrações de BAP (6-benzilaminopurina): 4,4; 8,8 e 17,6 µ M,
para a indução de brotações. Os explantes permaneceram durante 15 dias no meio de cultura. Sete dias após sua inoculação foi realizada
a avaliação e constatou-se que nos três meios testados ocorreu para as respectivas concentrações acima: 10% contaminação microbiana e
65,79% de necrose; 20% de contaminação microbiana e 55% de necrose e 72,5% e necrose. Sendo assim, o meio WV5 acrescido de 4,4 µ
M de BAP foi o que apresentou maior número de brotações (2 por explante) as quais posteriormente foram transferidas para o meio WV5
completo e sem reguladores. As brotações que atingirem 1,5cm de comprimento serão utilizadas para experimento de enraizamento in vitro.
(Suporte Financeiro: Convênio FINEP-MOBASA n
o
01061196000)
O gênero Melocactus (L.) Link & Otto (tribo Cereeae, Cactaceae) compreende 36 espécies de cactos globosos que ocorrem nas regiões
áridas e semiáridas das Américas, desde a América Central até o Nordeste do Brasil. As espécies são encontradas em afloramentos rochosos
em caatingas e campos rupestres, tendo o seu centro de diversidade na região Nordeste do Brasil. Estudos mostram a presença de lenho
polimórfico em muitas das espécies do gênero. O polimorfismo consiste na ocorrência de diferentes tipos de xilema secundário, podendo ser
produzidos pelo câmbio vascular, originando lenho fibroso e não fibroso na mesma planta, sendo o lenho fibroso caracterizado pela presença
de fibras e elementos de vaso, e o não fibroso, por traqueídes vasculares em uma matriz de parênquima. As traqueídes vasculares são um
tipo de elemento condutor característico de Cactaceae, onde estas células são imperfuradas, e cujas paredes apresentam um espessamento
helicoidal que se projeta para o lume da célula. A fim de caracterizar a anatomia do caule de Melocactus e verificar o tipo de lenho que
ocorre, cinco espécies foram coletadas no campo. Amostras das porções basais dos caules foram fixadas em FAA, emblocadas em PEG
1500 e Historesina
R
, seccionadas em micrótomo rotativo e montadas em lâminas permanentes com resina sintética, seguindo as técnicas
usuais em anatomia vegetal. Verificou-se a ocorrência de epiderme nas porções mais jovens, unisseriada, coberta por espessa cutícula.
A periderme é composta por súber formado por camadas de células lignificadas alternadas por camadas de células suberificadas. Abaixo
localiza-se a hipoderme, formada por 2 a 5 camadas de células com paredes colenquimatosas, contendo cristais prismáticos em M. ernestii
e M. pachyacanthus; enquanto que as demais espécies só possuem cristais na camada externa. Há lenho fibroso e não fibroso em três das
cinco espécies estudadas. O xilema secundário é predominantemente não fibroso nas demais, composto de traqueídes vasculares em uma
matriz de parênquima axial, e raios multisseriados. O lenho fibroso é caracterizado por elementos de vaso com placa de perfuração simples,
espessamento de parede oposto, alternado a irregular, parênquima paratraqueal escasso, fibras libriformes septadas e parênquima axial e radial
não lignificados foram observados em todas as espécies. Observa-se nos raios feixes vasculares apenas nas espécies com xilema não fibroso.
MICROPROPAGAÇÃO DE Pinus taeda L. A PARTIR DE PLÂNTULAS GERMINADAS IN VITRO
ANATOMIA DO XILEMA SECUNDÁRIO DE ESPÉCIES DE Melocactus sp., TRIBO CEREEAE,
CACTACEAE
Aluno de Iniciação Científca: Rorai Pereira Martins Neto (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000006992
Orientador: Luciana Lopes Fortes Ribas
Colaborador: Leandro Francisco de Oliveira (Mestrando/REUNI), Tatiana Mazon Cézar (Mestranda/CAPES)
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: cultura de tecidos, espécie forestal, clonagem.
Área de Conhecimento: 2.03.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Suellen do Socorro Giovanoni (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022678
Orientador: Patricia Sof atti
Departamento: Botânica Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: anatomia, Cactaceae, Melocactus
Área de Conhecimento: 2.03.02.00-2
0279
0280
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
164
A estimulação pelo etanol é relacionada ao reforço positivo sendo importante para o desenvolvimento de dependência. Com a administração
repetida o efeito estimulante aumenta (sensibilização comportamental). Há evidências que o bloqueio do receptor 5HT2 inibe o
desenvolvimento da sensibilização comportamental para o etanol e outras drogas de abuso. No presente estudo, avaliamos a interferência
da co-administração de um agonista 5HT2, alfa metil 5 hidroxitriptamina (M5HT), no efeito estimulante do etanol e no desenvolvimento
de sensibilização. Camundongos swiss machos (n=60; 7-12 por tratamento) foram expostos, sem droga (B), a caixa de movimentação
espontânea (CME) avaliando-se a atividade locomotora. Sete dias depois cada animal recebeu agudamente (A) i.p. um dos tratamentos:
salina+salina, salina+ etanol 2g/Kg, salina+M5HT 0,5mg/Kg, M5HT 0,5mg/kg+etanol 2g/kg, salina+M5HT 5mg/Kg, M5HT 5mg/kg+etanol
2g/kg, sendo expostos a CME 10 min. após a segunda injeção. Receberam esse mesmo tratamento diariamente e no sétimo (7d) e vigésimo
primeiro (21d) dias foram avaliados na CME. Os dados estão apresentados em média e erro padrão e foram analisados por ANOVA seguida
de Newmann Keuls (F[tratamento](5, 48)=2,432 p<0,05; F[ocasião](3, 144)=25,243 p<0,001; F[interação] (15, 144)=3,429 p<0,001). O
etanol foi estimulante após tratamento crônico (B=70±6,5; A=58±10,6; 7d=104±14,9; 21d=120±17,3) em relação ao tratamento agudo e
grupo salina (B=92±7,7; A=37±4,1; 7d=76±14,7; 21d=40±6,0). As doses de M5HT não causaram efeito quando administradas sozinhas,
mas a maior associada ao etanol inibiu o desenvolvimento de sensibilização para o efeito estimulante (B=90±8,9; A=47±8,5; 7d=86±17,6;
21d=68±15,0).A menor dose demorou mais para causar a inibição (B=73±4,9; A=38±5,0; 7d=108±15,6; 21d=81±7,5). A ativação dos
receptores 5-HT2A facilita a liberação de dopamina quando seu tônus esta aumentado no núcleo accumbens (NAcc), enquanto que a ativação
do receptor 5HT2C inibe a atividade dopaminérgica tanto em situações basais como de ativação de tônus (Prog Brain Res. 172:287, 2008). O
aumento de liberação de dopamina é importante para o desenvolvimento de sensibilização comportamental para o etanol. Os dados sugerem
que predominou a ativação dos receptores 5HT2C pelo agonista M5HT e conseqüentemente o bloqueio do desenvolvimento da sensibilização.
Apoio financeiro: PIBIC/CNPq
O objetivo do presente estudo foi verificar o possível efeito antiinflamatório do extrato bruto hidroalcoólico da Sapium glandulatum (Vell.)
(EBSG) no modelo de edema de orelha em camundongos. Para isto, o processo inflamatório foi induzido na orelha direita de camundongos
Swiss machos (20-30 g, n = 5-6) pela administração tópica de óleo de cróton (0,4 mg/orelha), posteriormente os animais foram tratados
com EBSG (0,03; 0,1; 0,3; 0,6 e 1,0 mg/orelha) ou dexametasona (0,1 mg/orelha), diluídos em 20 μl de acetona. O edema foi avaliado pela
diferença entre a espessura da orelha antes e após 6 horas da aplicação do agente flogístico e, 24 horas após a indução, os animais foram
sacrificados e amostras de tecido (6 mm) foram retiradas para avaliar a atividade enzimática da mieloperoxidase (MPO) e para preparação
histológica. Os resultados mostraram que a aplicação tópica de EBSG inibiu a formação do edema causado por óleo de cróton de forma
dose-dependente, com inibição de 67,8 ± 1,4% (1,0 mg/orelha) e DE
50
= 0,45 ± 0,02 mg, enquanto a dexametasona inibiu 71,9 ± 3,4%.
Na avaliação da atividade da enzima MPO, o EBSG promoveu redução da atividade em 76,7 ± 0,7% (1,0 mg/orelha) e a dexametasona
em 65,0 ± 2,2%. Cortes histológicos mostraram que o EBSG foi capaz de reduzir em 86,1 ± 0,8% o número de células inflamatórias e
a dexametasona em 90,3 ± 0,3%. A ação do EBSG (0,01-300 mg/mL) sobre a atividade da enzima MPO in vitro, mostrou que o extrato
reduziu a atividade da enzima em 81,9 ± 4,1% (300 mg/ml). Para avaliar a ação sistêmica, o EBSG foi administrado por via oral, onde
causou inibição do edema de orelha induzido pela aplicação tópica de 12-O-tetradecanoil forbol acetato (TPA) (2,5 μg/orelha) e do edema
de pata induzido por carragenina (300 mg/pata), apresentando redução de 34 ± 4,4% e 35,9 ± 6,5% (100 mg/Kg), respectivamente. Nesse
modelo o EBSG (100 mg/Kg) também reduziu atividade da MPO em 44,5 ± 5,6% e 34 ± 4,3%, respectivamente. Estes resultados sugerem
que o EBSG possui compostos com atividade antiinflamatória, provavelmente relacionada com a inibição de migração celular e formação
de edema. Desta forma, a S. glandulatum pode ser um promissor fitoterápico, uma vez que não existem ainda estudos sobre as propriedades
terapêuticas e as características fitoquímicas desta planta.
EFEITO AGUDO E CRONICO DE UM AGONISTA 5HT2 NO EFEITO ESTIMULANTE DO ETANOL EM
CAMUNDONGOS
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA DOS EXTRATOS BRUTOS DAS PLANTAS:
Vochysia bifalcata Warm, Psychotria nuda (Cham. & Schlecht.). Wawra e Sapium glandulatum (VELL.)
Aluno de Iniciação Científca: Ananda Beatriz Munhoz Cretella (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997004792
Orientador: Roseli Boerngen de Lacerda
Colaborador: Suelen Rodrigues Stallbaum (PIBIC/CNPq), Yáskara Tavares Iaquinto (PIBIC/vonluntária), Murilo Calvo Peretti, Andrey
Bernardo Lopes Grego, Alanna Silva Huk, Vanessa Cristina Saltarello Arantes, Ana Elisa Buzetti, Letícia Matiello, Ana Paula de Oliveira
Silva, Renata P. Mueller, Fernanda Coelho (IC voluntários-Coordenação de Medicina), Gustavo Villas Boas (Mestrando) e Diego Correia
(Doutorando)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: agonista 5HT2, etanol, efeito estimulante.
Área de Conhecimento: Neuropsicofarmacologia - 2.10.03.00-9
Aluno de Iniciação Científca: Bruna da Silva Soley (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023661
Orientador: Daniela de Almeida Cabrini Co-Orientador: Daniel Augusto G. Bueno Mendes (doutorando/UFPR)
Colaborador: Michel F. Otuki (UEPG), Kátia C. Zufellato Ribas (UFPR), Bárbara Guerreira Alpande Ferrreira (doutoranda/UFPR)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: infamação, plantas medicinais, edema.
Área de Conhecimento: 2.10.01.00-6
0281
0282
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
165
Salvia officinalis L. (Lamiaceae), popularmente conhecida como sálvia, é usada popularmente no tratamento de distúrbios gastrointestinais.
Este estudo avaliou o curso temporal de indução e cicatrização das úlceras gástricas induzidas por ácido acético e o efeito cicatrizante do
extrato hidroalcoólico de Salvia officinalis (EHS). Para isso, ratas Wistar (180-230 g) foram anestesiadas, os estômagos expostos e submetidos
ao contato de 500 μl de ácido acético 80% com a serosa estomacal. Após 1 minuto, o líquido foi aspirado, o estômago reposicionado e a
parede abdominal suturada. Os animais foram tratados durante 7 dias, duas vezes ao dia através da administração oral de veículo (água,
1 ml/kg), omeprazol (40 mg/kg) ou EHS (0,003; 0,03; 0,3 e 3,0 mg/kg). Durante o tratamento, os animais foram submetidos a restrição
alimentar, recebendo ração comercial durante 1 hora, duas vezes ao dia. Ao final do período de tratamento, os animais foram sacrificados,
os estômagos removidos e a área total ulcerada foi mensurada e expressa em mm². A avaliação temporal do desenvolvimento das úlceras
gástricas revelou um aumento progressivo da área da lesão a partir do 4° dia, sendo que o pico foi observado do 6° ao 9° dia (65% e 63%,
respectivamente). Em torno do 10° e 13° dia, a úlcera apresentou-se bem cicatrizada, com uma área menor do que aquela observada no 2°
dia. Dessa maneira, iniciou-se os tratamentos no 2° dia, finalizando no 9° dia após a indução. O tratamento com EHS (0,003; 0,03; 0,3 e 3
mg/kg) cicatrizou as lesões gástricas em 18%, 30%, 49% e 65%, respectivamente, quando comparado ao grupo controle (118,3 ± 8,8 mm²) e
o tratamento com omeprazol cicatrizou a úlcera em 55%. A avaliação histológica por meio da coloração com hematoxilina-eosina confirmou
a presença de uma lesão profunda na mucosa gástrica com ausência de sinais de cicatrização nos animais expostos ao ácido acético que
foram tratados apenas com veículo. Por outro lado, animais tratados com EHS ou omeprazol apresentaram lesões gástricas parcialmente
cicatrizadas, com regeneração da mucosa na base da úlcera e a margem recoberta por tecido epitelial. Estes resultados indicam que o EHS
possui efeito cicatrizante em úlceras gástricas crônicas induzidas por ácido acético e que estudos adicionais devem ser realizados para
elucidar os mecanismos gastroprotetores envolvidos nesse efeito. Os procedimentos experimentais foram aprovados pelo Comitê de Ética
em Experimentação Animal da UFPR (número de protocolo 318). Suporte Financeiro: CNPq, Fundação Araucária.
O estriado é relacionado ao controle da inibição de movimentos voluntários e é responsável pela formação de associações estímulo-resposta
da memória de procedimentos. Neste trabalho investigamos o papel do estriado dorsolateral (DLS) e do núcleo acumbens (NAc) nas
associações do tipo estímulo-resposta e resposta-consequência. Propomos que essas associações são processadas mais lentamente no DLS
do que no NAc, resultando em um aprendizado lento ou rápido, bem como sua extinção nessas estruturas. Essas ações são coordenadas
pelas vias direta e indireta do circuito córtico-estriatal, controlado através de neurônios da via nigroestriatal que ativam a via direta através
dos receptores dopaminérgicos D1 ou inibem a via indireta através dos receptores dopaminérgicos D2. A formação dessas associações foi
avaliada através do bloqueio ou ativação de receptores D1 pela administração intraperitonial (i.p.), intra NAc e intra DLS de SCH 23390
(antagonista) e SKF 81297 (agonista). A avaliação deste procedimento foi feita utilizando um teste de esquiva ativa de duas vias, em duas
sessões com intervalo de 24 hs. Nesta tarefa, o animal deve associar um estímulo condicionado (luz) com o estímulo incondicionado
(choque nas patas) para emitir uma resposta adequada na apresentação da luz apenas (passar para outro lado do compartimento). A
resposta ao estímulo condicionado é a esquiva e a resposta ao estimulo incondicionado é a fuga. Se o animal não executar nenhuma dessas
ações, seu comportamento é registrado como uma não-resposta. Foram realizadas administrações antes ou após a primeira sessão. Com
a administração i.p. de SKF 81297 na maior dose observou-se um aumento do número de esquivas quando comparado ao grupo sham,
porém esse resultado não se reproduziu nas administrações intra NAc e intra DLS. A administração i.p. pré-treino de SCH 23390 na menor
dose reduziu o número de esquivas no primeiro dia, sem aumentar significativamente o número de não-respostas. Administração intra NAc
deste antagonista reduziu número de esquivas no primeiro e segundo dia, aumentando também o comportamento de não-resposta. A infusão
intra DLS pré-treino dessa droga reduziu o número de esquivas somente no segundo dia. Não houve diferença estatística entre o grupo que
recebeu o antagonista e o grupo sham nas administrações pós-treino, o que sugere que o comprometimento ocasionado pelo antagonista
se dá na fase de aquisição da tarefa. Estes dados sugerem que o NAc está envolvido com o aprendizado rápido, enquanto o DLS participa
do aprendizado lenta da tarefa de esquiva ativa.
MECANISMOS DE AÇÃO DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO DE SALVIA OFFICINALIS EM
ÚLCERAS GÁSTRICAS INDUZIDAS POR ÁCIDO ACÉTICO EM RATOS.
ESTUDO DA VIA DIRETA DO CIRCUITO CÓRTICO-ESTRIATAL NO APRENDIZADO E MEMÓRIA DA
ESQUIVA ATIVA DE DUAS VIAS
Aluno de Iniciação Científca: Daiane de Oliveira Sudol (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023564
Orientador: Maria Consuelo Andrade Marques Co-Orientador: Eunice André (Professor Adjunto da UFRN)
Colaborador: Alexandra Allemand (Mestre/CAPES), Maria Fernanda de Paula Werner (Professor Visitante), Luísa Mota da Silva
(Doutorando/CAPES REUNI)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Salvia, úlcera, cicatrização.
Área de Conhecimento: 2.10.01.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Flávia Cecília Esteves (Programa- PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007908
Orientador: Cláudio da Cunha Co-Orientador: Suelen Boschen
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: receptor dopaminérgico D1, esquiva ativa de duas vias, aprendizado
Área de Conhecimento: 2.10.03.00-9
0283
0284
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
166
Tabebuia avellanedae, popularmente conhecida como “ipê-roxo”, tem sido utilizada na medicina popular como antiinflamatório e no
tratamento de úlceras e infecções. Estudos anteriores realizados em nosso laboratório demonstraram que o extrato bruto da Tabebuia
avellanedae reduziu lesões gástricas induzidas por etanol e ácido acético, aumentando o muco gástrico e inibindo a atividade da bomba
H⁺/K⁺/ATPase in vitro (Twardowschy et al., 2008). O presente trabalho tem como objetivo investigar outros efeitos gastroprotetores do
extrato hidroalcoólico da casca da Tabebuia avellanedae (EHT), e para isso ratas Wistar (180-250g) foram submetidas à indução de úlceras
gástricas crônicas por ácido acético 80%. Os animais foram anestesiados, os estômagos expostos e submetidos ao contato de 500 μl de ácido
acético 80% com a serosa estomacal. Após 1 minuto, o líquido foi aspirado, o estômago reposicionado e a parede abdominal suturada. O
tratamento foi realizado durante 7 dias, através da administração oral de veículo (água, 1 ml/kg), omeprazol (40 mg/kg) ou EHT (30, 100
ou 300 mg/kg), duas vezes ao dia. Durante o tratamento, os animais foram submetidos a restrição alimentar, recebendo a ração comercial
durante 1 hora, duas vezes ao dia. Ao final do período de tratamento, os animais foram sacrificados, os estômagos removidos e a área total
ulcerada foi mensurada e expressa em mm². Os tratamentos com omeprazol (controle positivo) e com EHT (100 e 300 mg/kg) reduziram
a lesão gástrica em 48, 44 e 36%, respectivamente, comparado com o grupo controle (140 ± 13 mm
2
). A análise histológica por meio da
coloração com hematoxilina-eosina revelou que o tratamento com EHT (100 e 300 mg/kg) promoveu uma cicatrização parcial nos estômagos.
Além disso, a imunorreatividade para o Antígeno Nuclear de Proliferação Celular (PCNA) estava aumentada nos estômagos tratados com
omeprazol e EHT (100 e 300 mg/kg), indicando o efeito cicatrizante da mucosa gástrica. Finalmente, a análise histoquímica do muco,
através da coloração de Schiff (PAS) indicou um aumento na intensidade da coloração nos grupos omeprazol e EHT (100 e 300 mg/kg),
indicativo de preservação e/ou regeneração da integridade de glândulas produtoras de muco. Em conjunto, os resultados demonstraram
uma potencial atividade cicatrizante do extrato bruto da Tabebuia avellanedae na proteção e regeneração da úlcera gástrica induzida por
ácido acético. Os procedimentos experimentais foram aprovados pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal da UFPR (número de
protocolo 437). Suporte Financeiro: CNPq. Capes, Fundação Araucária.
A doença de Parkinson (DP) resulta principalmente da degeneração de neurônios dopaminérgicos na substância negra pars compacta
(SNc), que projeta seus axônios para o estriado, manifestando-se clinicamente através dos sinais de tremor de repouso, rigidez muscular,
lentidão de movimentos e alterações da marcha e do equilíbrio. Além disso, mesmo antes destes distúrbios motores tornarem-se evidentes,
os pacientes com DP também apresentam déficits cognitivos afetando principalmente as funções executivas, memória de trabalho e
memória de procedimentos. Foram usados ratos com hemilesão na SNc induzida por 1-metil-4-fenil-1,2,3,6-tetraidropiridina (MPTP).
Esses ratos apresentam comportamento de rotação quando desafiados com drogas dopaminérgicas (DA
E
). Trata-se de um modelo da fase
inicial da DP e, com ele, foi investigado se: (i) o comportamento de rotação depende da manutenção do nível basal da DA
E
; (ii) a DA
E

altera na mesma extensão os lados lesionado e não-lesionado, em resposta às drogas que afetam a DA liberada; (iii) o início e a direção
do comportamento de rotação podem ser preditos pela assimetria na DA
E
entre os lados lesionado e não-lesionado. Essas questões foram
estudadas através da técnica de microdiálise in vivo, em ratos acordados, com duas sondas implantadas, uma no estriado direito e outra no
estriado esquerdo. Os ratos não tratados com drogas não apresentaram comportamento de rotação e os níveis basais de DA
E
não diferiam
entre os lados lesionado e sham lesionado. No entanto, após o tratamento com apomorfina, a DA
E
diminuiu em ambos os lados, tornando-se
significantemente mais baixa no lado lesionado, no momento em que os animais começaram com o comportamento de rotação ipsiversivo.
Após o desafio com anfetamina, a DA
E
aumentou em ambos os lados, tornando-se significantemente mais alta no lado não-lesionado, no
momento em que os animais começaram com o comportamento de rotação ipsiversivo. Esses resultados sugerem que tanto o aumento da
DA
E
induzido por anfetamina, quanto a diminuição induzida por apomorfina pode induzir rotação para o lado com a DA
E
mais baixa nos
ratos MPTP- hemilesionados.
MECANISMOS ENVOLVIDOS NA AÇÃO PROTETORA GÁSTRICA DO EXTRATO BRUTO
HIDROALCOÓLICO DA CASCA DA Tabebuia avellanedae (ipê-roxo).
ESTUDO DA LIBERAÇÃO DE DOPAMINA ESTRIATAL EM RATOS MPTP-HEMILESIONADOS POR
MICRODIÁLISE IN VIVO
Aluno de Iniciação Científca: Isabela Tiemy Pereira (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000008068
Orientador: Maria Consuelo Andrade Marques Co-Orientador: Maria Fernanda de Paula Werner
Colaborador: Lígia Moura Burci (Mestrando/CAPES PROF), Luísa Mota da Silva (Doutorando/CAPES REUNI), Cristiane Hatsuko Baggio
(Professor Visitante)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: produtos naturais, úlcera, ipê-roxo.
Área de Conhecimento: 2.10.01.00-6
Aluno de Iniciação Científca: Jamile Moreira Cugler (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007908
Orientador: Claudio da Cunha Co-Orientador: Patricia Andreia Dombrowski
Colaborador: Edmar Miyoshi (Doutor/UFPR), Evellyn Claudia Wietzikoski (Doutor/UFPR), Mariza Bortolanza (Doutor/UFPR).
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Rotação, Dopamina, Microdialise.
Área de Conhecimento: 2.10.03.00-9           
0285
0286
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
167
As saxitoxinas (STX) são neurotoxinas, formadas por um grupo de alcalóides carbamatos que podem ser não sulfatados como, por exemplo,
a saxitoxina (STX) e as neosaxitonas (NEO), com um único grupamento sulfato (G-toxinas) ou com dois grupamentos sulfatos (C-toxinas).
Inicialmente foram isoladas de dinoflagelados marinhos, porém atualmente sabe-se que são produzidas também por certas bactérias
heterotróficas e cianobactérias, como a Cylindrospermopsis raciborskii. Episódios de multiplicação excessiva dessa cianobactéria têm
ocorrido com frequência em várias regiões do Brasil, gerando impactos econômicos, sociais e ambientais e levando a proibição da pesca
para evitar risco à saúde da população. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito da contaminação por saxitoxinas em traíras (Hoplias
malabaricus) por meio da cadeia trófica, utilizando-se de biomarcadores de contaminação ambiental. Para isso foram utilizados dois grupos
de dez indivíduos de Hoplias malabaricus, sendo que o grupo experimental foi alimentado a cada cinco dias com lambaris (Astyanax sp)
inoculados com extrato de STX e o grupo controle recebeu lambaris sem o extrato de STX. Após vinte dias de experimento, os animais
foram anestesiados e sacrificados e foram coletadas amostras de músculo e fígado. Foram analisadas nos indivíduos a neurotoxicidade, pela
atividade da acetilcolinesterase (AchE) nas amostras de músculo, e o estresse oxidativo, nas amostras de fígado, pela avaliação da superóxido
dismutase (SOD), catalase (CAT), glutationa S-transferase (GST), glutationa reduzida (GSH), glutationa peroxidase (GPx), peroxidação
lipídica (LPO) e carbonilação de proteína (PCO). A atividade da acetilcolinesterase reduziu, confirmando uma ação neurotóxica. Observou-se
aumento da concentração de hidroperóxidos (LPO) evidenciando a ocorrência de danos à membrana das células. Houve ainda aumento na
atividade de GPx e GSH e redução da atividade de SOD, indicando estresse oxidativo. As atividades da GST, CAT e PCO não mostraram
diferença significativa em relação ao grupo controle, Desse modo, a ação da saxitoxina por via trófica foi identificada. Análises químicas
da SXT do músculo destes animais serão realizadas para verificar a acumulação neste tecido e para colaborar com a contra indicação do
consumo de organismos expostos a ambientes contaminados por essa toxina.
A patofisiologia de várias desordens neuropsiquiátricas está associada a anormalidades do eixo Hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA), incluíndo
a Depressão maior e a Depressão psicótica. Dentro desse contexto, estudos clínicos apontam o emprego de inibidores de síntese de Cortisol
e antagonistas de receptores glicocorticóides (GR) como possível tratamento. Entre os antagonistas de GR que estão sendo estudados está
a Mifepristona, um potente antagonista de receptores de progesterona e GR. Ela tem apresentado eficácia no tratamento da Depressão com
sintomas psicóticos, em paralelo à regulação dos níveis de Cortisol. O objetivo do presente estudo foi avaliar o possível efeito antipsicótico
da Mifepristona em ratos Wistar, em diferentes modelos. Em todos os experimentos, a Mifepristona foi dilúida em Propilenoglicol (veículo)
e administrada via subcutânea. O primeiro modelo utilizado foi o Teste da pata, o qual mediu a habilidade dos ratos de retirarem as patas
anteriores e posteriores, 30 minutos após a administração da Mifepristona10 mg/kg (n=10), 25 mg/kg (n=10) ou do veículo (n=15). O
segundo modelo foi a medida do comportamento estereotipado induzido por Apomorfina (APO), quantificado de acordo com a escala de
Setler e cols. (1976). Neste, a Mifepristona 10mg/kg (n=10), 25 mg/kg (n=10) e o veículo (n=15) foram administrados 30 minutos antes da
APO (1mg/kg) ou da solução salina. A avaliação comportamental foi realizada a intervalos de 10 minutos, durante 90 minutos consecutivos,
medidos a partir da administração de Apomorfina. Cada animal foi observado durante 10 segundos para a atribuição do escore. Os escores
atribuidos a cada animal, foram somados e calculadas as medianas da somatória dos escores. O Teste do campo aberto foi realizado em via
de mensurar a atividade motora da Mifepristona nas diferentes doses. Todos os resultados foram analisados estatisticamente e os valores de
p<0,05 foram considerados significativos. No Teste da pata, o grupo Mifepristona 10 mg/kg apresentou diferença significativa em relação
ao Veículo: o grupo que recebeu Mifepristona prolongou o tempo de retração das patas posteriores. Os ratos tratados com Mifepristona não
apresentaram diferenças no comportamento estereotipado induzido por APO em relação aos animais que receberam o veículo. Não foram
observadas diferenças significativas na locomoção dos diferentes grupos. Os resultados encontrados no Teste da pata e na avaliação do
comportamento estereotipado sugerem que a Mifepristona pode ter comportamento semelhante a antipsicóticos atípicos.
AVALIAÇÃO DOS EFEITOS ECOTOXICOLÓGICOS DAS SAXITOXINAS EM PEIXES ATRAVÉS DE
ENSAIOS IN VIVO
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EFEITO ANTIPSICÓTICO DA MIFEPRISTONA EM MODELOS
ANIMAIS
Aluno de Iniciação Científca: Juliana Skalski (IC- Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023496
Orientador: Helena Cristina da Silva de Assis
Colaborador: César Aparecido da Silva (DOUTORANDO)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: saxitoxinas, biomarcadores, Hoplias malabaricus.
Área de Conhecimento: 2.10.07.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Lívia Hecke Morais (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021412
Orientador: Roberto Andreatini Co-Orientador: Maria Aparecida Barbato Frazão Vital
Colaborador: Léa Rosa Chioca Ferro (DOUTORANDO/REUNI)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Mifepristona, antipsicóticos, glicocorticóides.
Área de Conhecimento: 2.10.01.00-6
0287
0288
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
168
A poluição do ambiente aquático pode acelerar o processo de eutrofização, provocando o aumento de florações de cianobactérias. Diversas
espécies de cianobactérias têm sido descritas como produtoras de cianotoxinas, entre elas a espécie Cylindrospermosis raciborkskii, produtora
da saxitoxina. Este trabalho tem por objetivo estabelecer um protocolo de cultivo primário de neurônios de peixes, para utilização como
modelo de estudo de substâncias neurotóxicas como saxitoxinas. Para isso, peixes da espécie Hoplias malabaricus (traíra) foram coletados
e mantidos em aquários no laboratório de Toxicologia Ambiental da UFPR. Posteriormente os peixes foram anestesiados e o cérebro foi
dessecado assepticamente, utilizando-se a solução tampão HBSS- e o tecido foi dissociado testando-se três enzimas até o momento; tripsina,
dispase e a papaína. Em seguida, foi realizada trituração mecânica com pipetas Pasteur com dois diâmetros de abertura e centrifugado (800
x g) em solução gradiente Opti-prep (Sigma) para separação das células por densidade dos neurônios de outros tipos celulares. A terceira
fração forma uma suspensão enriquecida de neurônios, a qual é retirada e transferida a outro tubo em meio neurobasal e centrifugada. Com
a suspensão celular, a viabilidade celular dos neurônios foi avaliada e plaqueados na ordem de 100 a 1000 células/mm
2
em recipientes de
cultivo tratados com poli-L-lisina e Laminina-colágeno (MatriGel) e incubados a 24°C. Os resultados preliminares são promissores. Foi
obtida viabilidade celular de aproximadamente 3 x 10
4
cel/mg de tecido cerebral, semelhante ao encontrado em estudos reportados com
mamíferos. Após 24h e 72h a aderência manteve-se constante, com morte celular a partir de 96h. Os neurônios aderidos se regeneraram
lentamente, sobretudo, quando encontrados em neurosferas. Entretanto, a tripsina mostrou-se agressiva aos neurônios dissociados com
morte celular após algumas horas de plaqueamento. Observou-se que as enzimas de dissociação são um importante item a ser observado na
obtenção de células viáveis, pois além da significância de sua concentração, um tempo maior de contato com o tecido melhora a dissociação,
porém, pode promover toxicidade às células levando-a a morte. Um protocolo de neurofilamentos está sendo desenvolvido para quantificar
o percentual de neurônios aderidos na placa de cultivo. Uma vez concluído o protocolo, os neurônios de peixes poderão se utilizados para
estudos in vitro de diversos poluentes o que pode promover novas perspectivas no entendimento dos mecanismos de ação das neurotoxinas.
As associações estímulo-resposta da memória de procedimentos são formadas no estriado. Evidências mostram que diferentes regiões do
estriado estão envolvidas pelo aprendizado instrumental. Entretanto, o papel exato do núcleo accumbens (NAc) e do estriado dorsolateral
(DLS) ainda não está bem estabelecido. A formação das associações estímulo-resposta pode ser avaliada utilizando a esquiva ativa de duas
vias. Nesta tarefa, o animal deve associar um estímulo condicionado (luz) com o estímulo incondicionado (choque nas patas) para emitir
uma resposta adequada na apresentação da luz apenas (passar para outro lado do compartimento). Estas ações são coordenadas pelas vias
direta e indireta do circuito córtico-estriatal. Existem duas vias de controle para este circuito. A via direta é ativada através dos receptores
D1 e a indireta é inibida pelos receptores D2. A via direta é inibida na Doença de Parkinson e a via indireta é exacerbada. O objetivo
deste trabalho é estudar o papel da ativação da via indireta sobre o aprendizado estímulo-resposta, através da administração intra-cranial
e intraperitoneal de agonista e antagonista de receptor D2 da dopamina no NAc e no DLS. Foram utilizados ratos Wistar machos pesando
entre 280 a 310 g, os quais foram submetidos à cirgurgia estereotáxica para implantação bilateral de cânulas guia (1 cm de comprimento, 23
gauge) 2 mm acima do DLS ou NAc, sete dias antes dos experimentos comportamentais. As cânulas foram fixadas com auxílio de acrílico
dental e parafusos de joalheiro. Quimpirole (agonista de receptor D2) e sulpiride (antagonista de receptor D2) foram dissolvidos em salina
para administração intraperitoneal e em líquido cefalorraquidiano (LCR) artificial para administração intracranial. Foram feitas infusões
bilaterais de sulpiride (0,4μg/0,4μL), quimpirole (0,4μg/0,4μL) e LCR (0,4μL) imediatamente antes da sessão de treino da esquiva ativa de
duas vias. A administração intraperitoneal foi feita 20 minutos antes do treino da esquiva ativa de duas vias. A administração de sulpiride
no NAc e no DLS diminuiu o número de esquivas no treino e no teste da esquiva ativa de duas vias e também aumentou o número de não
respostas. A administração intraperitoneal, tanto do agonista quanto do antagonista de receptores D2 causou diminuição no número de
esquivas e aumento de fugas no primeiro dia de experimento. O aprendizado no NAc ocorre de uma forma mais imediata enquanto que no
DLS ocorre de uma forma mais tardia.
AVALIAÇÃO DE EFEITOS “IN VITRO” DE CIANOTOXINAS EM CÉREBRO DE PEIXES NATIVOS.
EFEITO DA INFUSÃO DE AGONISTA E ANTAGONISTA DE RECEPTORES D2 DA DOPAMINA NO
NÚCLEO ACCUMBENS E NO ESTRIADO DORSOLATERAL DE RATOS
Aluno de Iniciação Científca: Mariana de Mello Travensoli (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023496
Orientador: Helena Cristina da Silva de Assis
Colaborador: César Aparecido da Silva (DOUTORANDO/UFPR)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: peixes; cultivo primário
Área de Conhecimento: 2.10.07.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Mariana Soares Hartmann (PIBITI - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2000007908
Orientador: Cláudio da Cunha
Colaborador: Suelen L. Boschen, Evellyn Cláudia Wietzikoski, Alessandra N. Ribas.
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: receptores dopaminérgicos D2, esquiva ativa de duas vias, circuito córtico-estriatal.
Área de Conhecimento: 2.10.03.00-9           
0289
0290
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
169
O uso de medicamentos antidepressivos para gestantes e lactantes deve ser considerado em situações em que os riscos da doença não
tratada possam ameaçar o desenvolvimento pré e pós-natal. De acordo com estudos retrospectivos, houve um aumento no uso de drogas
antidepressivas durante a gestação e a fluoxetina foi reportada como uma das drogas mais utilizadas neste período. É importante ressaltar
que a atividade estrogênica observada em estudos anteriores aponta um maior risco do uso dessa substância na gestação e lactação. O
objetivo deste trabalho foi avaliar os possíveis efeitos adversos da exposição à fluoxetina sobre ratas Wistar prenhas e seus descendentes
nos períodos de gestação e lactação. Ratas Wistar prenhas foram tratadas com fluoxetina (0,4; 1,7 e 17 mg/kg) ou água destilada do 7º
dia de prenhez ao 21º dia de lactação. Neste estudo foram avaliados os seguintes parâmetros: massa das progenitoras, massa absoluta e
relativa de órgãos (fígado, rins, adrenais, útero e ovários), número de implantes uterinos, índice de perdas pós-implantes e nascimentos,
massa ao nascimento e ganho de massa corporal dos descendentes durante a lactação, índice de viabilidade e índice de desmame. Dentre
os resultados obtidos durante a gestação e lactação foi observada redução significativa na massa dos filhotes ao nascimento (15%), índice
de viabilidade (11%) e de desmame (19%) dos descendentes expostos in utero e lactação à fluoxetina na dose de 17 mg/kg comparados
ao grupo controle. Observou-se também nas progenitoras que receberam a mesma dose, uma diminuição significativa na massa absoluta
durante a lactação (9,1%), redução significativa da massa absoluta uterina (37%) e aumento significativo das adrenais (37%). A partir destes
resultados é possível concluir que o tratamento das progenitoras com fluoxetina na dose de 17 mg/kg demonstrou indícios de toxicidade
tanto fetal/neonatal quanto materna. Por este motivo é importante que se dê continuidade aos estudos envolvendo o uso de fluoxetina
durante o período de gestação e lactação.
Apoio financeiro: CNPq e PIBIC
A principal etapa limitante na avaliação da biosíntese da melanina envolve a enzima tirosinase, que catalisa três etapas da biosíntese
da melanina: a hidroxilação da tirosina a 3,4-dihidroxifenilalanina (DOPA), a oxidação da DOPA à DOPAquinona, e a oxidação de
5,6-dihidroxiindol à indolequinona. Por conta de seu papel fundamental na melanogênese, a tirosinase tem sido um grande alvo na busca
de novos agentes despigmentantes. Em nosso estudo, foi utilizada a planta Garcinia gardneriana (GG) que é natural da região amazônica
e em populações do sul do Brasil é uma opção para o tratamento de problemas de inflamação, especialmente aqueles relacionados à pele.
Trabalhos usando plantas da mesma família (Clusiaceae) indicam uma possível ação da planta na despigmentação da pele, justificando este
trabalho. Foram isolados da GG diversos biflavonóides, um deles conhecido como GB-2a que foi também utilizado em nosso estudo. Foram
usados: 10μl do extrato hidroalcoólico de GG e GB-2a em diferentes concentrações (0.03-2.1mg/ml); 20μl de uma solução de tirosinase
(500 U/ml) em um tampão fosfato 50 mM (pH 6,5). Foram adicionados ao ensaio 170 μl de uma mistura contendo, em uma proporção
de 10:10:9, uma solução de 1 mM de L-tirosina ou 1 mM de L-DOPA, tampão fosfato de potássio 50 mM (pH 6,5), e água destilada,
respectivamente, em uma microplaca de 96 poços. Após incubação em 37º C por 40 min a absorbância da mistura foi mensurada em 490
nm usando um leitor TECAN Genius. A extensão da inibição das amostras foi expressa como a concentração necessária para inibição de
50% (IC
50
) e inibição máxima (Imax). Os resultados são apresentados como média ± S.E.M. A significância estatística entre os grupos foi
avaliada por meio dos testes ANOVA e Bonferroni, e os níveis de significância aceitáveis foram P<0,05. Quando foi usada a L-tirosina
como substrato o extrato e o composto causaram inibição da atividade enzimática, sendo que o extrato da GG apresentou Imax de 31,33%
a 1200 μg/ml, e IC
50
de 2388 μg/ml. Já o GB-2a apresentou Imax de 29,87% a 300 μg/ml e IC
50
de 546,26 μg/ml. Usando L-DOPA como
substrato também foram detectados efeitos inibitórios e foram obtidos os seguintes resultados: Imax de 14,99% e 42,83% para GG e GB-
2a respectivamente e IC
50
de 514,15 μg/ml para GB-2a. O presente estudo demonstrou que GG e seu composto GB-2a têm ação inibitória
sobre a enzima tirosinase, sugerindo que ambos possuem potencial como novos agentes clareadores para peles sensíveis. Entretanto, com
relação a seus efeitos benéfico-prejudiciais in vivo, estes aspectos devem ser melhor investigados.
ESTUDO COMPARATIVO DOS POSSÍVEIS EFEITOS TÓXICOS REPRODUTIVOS E
COMPORTAMENTAIS ENTRE DROGAS ANTIDEPRESSIVAS EM RATOS WISTAR
AVALIAÇÃO DO POSSÍVEL EFEITO DESPIGMENTANTE EM ENSAIOS ENZIMÁTICOS E EM
CULTIVO CELULAR NA UTILIZAÇÃO DE PLANTAS
Aluno de Iniciação Científca: Marina Ferreira Vechi (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1998005538
Orientador: Paulo Roberto Dalsenter Co-Orientador: Juliane Centeno Müller
Colaborador: Ana Cláudia Boareto, Emerson L. Botelho Lourenço, Bruna Cristina Minatovicz, Natália Fracaro Lombardi, Mariana Ferreira
Kienast, Munisa Golin, Anderson Joel Martino Andrade, Paulo Roberto Dalsenter.
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: depressão, fuoxetina, toxicologia reprodutiva.
Área de Conhecimento: 2.10.07.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Murilo Olivio Silva (Iniciação Científca)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023675
Orientador: Lia Rieck Co-Orientador: Daniela de Almeida Cabrini
Colaborador: Michel Fleith Otuki (UEPG), Arthur da Silveira Prudente (doutorando/UFPR)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: tirosinase, despigmentação, Garcinia gardneriana.
Área de Conhecimento: 2.10.01.00-6
0291
0292
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
170
A malária na gravidez é relacionada com significante mortalidade e morbidade para a mãe e para o feto. Associações de antimaláricos
com derivados da artemisinina (ACTs) são utilizados como terapêutica de primeira escolha para a malária falciparum em diversos países,
inclusive no Brasil, onde foi adotada a associação artesunato/mefloquina. Dados sobre a segurança das ACTs na gestação são limitados e
controversos e sua utilização não é recomendada no primeiro trimestre gestacional. Outra preocupação com relação à utilização das ACTs
é a possibilidade de interações aditivas ou sinérgicas entre os componentes. O estudo tem por objetivo avaliar a toxicidade reprodutiva
pré-clínica do artesunato e da mefloquina isolados e da sua associação durante o período da organogênese. Durante o estudo ratas prenhas
foram tratadas por via oral (gavage) com artesunato nas doses de 15 mg/kg/dia e 40 mg/kg/dia (AS 15 e AS 40), mefloquina 30 mg/kg/
dia e 80 mg/kg/dia (MQ 30 e MQ 80) e com a associação artesunato/mefloquina 15/30 mg/kg/dia e 40/80 mg/kg/dia (AS/MQ 15/30 e AS/
MQ 40/80) nos dias gestacionais (DG) 9 a 11. As progenitoras foram sacrificadas no DG 20 e os seguintes parâmetros foram avaliados:
ganho de massa corporal das progenitoras, fetos vivos, reabsorções precoces e tardias, massa corporal dos fetos, distância anogenital. Não
foram observadas alterações significativas nos parâmetros relacionados à toxicidade materna, porém massa das progenitoras aumentou
devido às perdas das ninhadas. Houve uma redução significativa no percentual (%) de embriões viáveis dos grupos AS 15 (52 ± 2,7), AS
40 (0) e AS/MQ 40/80 (22 ± 10) em relação ao grupo controle (93 ± 2,7) e uma redução significativa no percentual de reabsorções tardias
nos grupos AS 15 (43 ± 9,3) e AS 40 (94 ± 3,7), AS/MQ 40/80 (77 ± 10) em relação ao grupo controle (4,1 ± 1,8). Ocorreu uma redução
significativa na massa corporal (g) dos filhotes no grupo AS15 (2,8 ± 0,11) em relação ao grupo controle (3,2 ± 0,06). Não houve diferença
significativa na medida da distância anogenital. Os resultados do presente estudo indicam toxicidade reprodutiva do artesunato isolado nas
duas doses avaliadas, bem como da associação artesunato/mefloquina na dose mais alta administrada. Desta forma, é possível concluir que
a administração oral do artesunato isolado, bem como da sua associação, nos DG 9 a 11 pode afetar o desenvolvimento embrionário em
ratas Wistar, sendo um risco para a gestação e desenvolvimento da prole.
Apoio financeiro: CNPq
O efeito ansiolítico do etanol tem sido relacionado às suas propriedades reforçadoras e no desenvolvimento de dependência. Existem
evidências de que o receptor 5HT2 está envolvido com ansiedade, principalmente interferindo no eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, o qual
também é alterado na presença do etanol. Num estudo anterior do nosso laboratório foi demonstrado que a ketanserina, um antagonista do
receptor 5HT2A, não interferiu no efeito ansiolítico quando associada ao tratamento crônico com etanol. No presente estudo, avaliamos a
interferência da co-administração de um agonista 5HT2, alfa metil 5 hidroxitriptamina (M5HT), no efeito ansiolítico do etanol. Camundongos
swiss machos (n=60; 7 a 12 por tratamento) foram expostos, numa situação sem droga (B), ao labirinto em cruz elevado (LCE) avaliando-se
a porcentagem de tempo no braço aberto (%TA). Sete dias depois, cada animal recebeu agudamente (A) i.p. um dos seguintes tratamentos:
salina+salina, salina+etanol 2g/Kg, salina+M5HT 0,5mg/Kg, M5HT 0,5mg/kg+etanol 2g/kg, salina+M5HT 5mg/Kg, M5HT 5mg/kg+etanol
2g/kg, sendo expostos ao LCE 10 minutos após a segunda injeção. Então receberam esse mesmo tratamento diariamente e no sétimo (7d)
e vigésimo primeiro (21d) dias foram avaliados no LCE. Os dados estão apresentados em média e erro padrão e foram analisados por
ANOVA seguida de Newmann Keuls (F[tratamento](5, 48)=7,235 p<0,001; F[ocasião](3, 144)=6,202 p<0,001; F[interação](15, 144)=4,490
p<0,001). O etanol foi ansiolítico após tratamento crônico (B=43±2,7; A=35±4,1; 7d=65±6,7; 21d=60±10,2) em relação ao grupo salina
(B=45±2,9; A=32±3,2; 7d=21±2,7; 21d=26±4,4). As duas doses de M5HT não causaram qualquer efeito quando administradas sozinhas,
mas a dose maior associada ao etanol inibiu seu efeito ansiolítico após tratamento crônico (B=41±2,4; A=32±5,2; 7d=34±3,8; 21d=38±6,6),
enquanto a dose menor não interferiu (B=41±2,9; A=34±4,9; 7d=54±5,4; 21d=45±5,6).Os dados corroboram que o bloqueio dos receptores
5HT2 causam efeito ansiolítico como descrito na literatura e na clinica, pois a dose maior do agonista M5HT diminuiu o efeito ansiolítico
do etanol sugerindo uma possível ação ansiogenica na presença do etanol, que pode ser decorrente da liberação do hormônio liberador de
corticotrofina na amígdala extendida via receptor 5HT2C.
Apoio financeiro: PIBIC/CNPq
TOXICOLOGIA PRÉ-CLÍNICA DOS ANTIMALÁRICOS ARTESUNATO E MEFLOQUINA ISOLADOS E
DA ASSOCIAÇÃO ARTESUNATO-MEFLOQUINA NA GESTAÇÃO DE RATAS WISTAR
EFEITO AGUDO E CRONICO DE UM AGONISTA 5HT2 NO EFEITO ANSIOLÍTICO DO ETANOL EM
CAMUNDONGOS
Aluno de Iniciação Científca: Natália Fracaro Lombardi (PIBIC/CNPQ)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1998005538
Orientador: Paulo Roberto Dalsenter Co-Orientador: Ana Cláudia Boareto da Costa Cesar
Colaborador: Juliane C. Müller; Emerson L.B. Lourenço; Munisa Golin; Marina F. Vechi; Ana Carolina S. Lourenço; Mariana Kienast; Bruna
C. Minatovicz; Anderson J. M. Andrade.
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: toxicidade, gestação, artesunato/mefoquina.
Área de Conhecimento: Toxicologia - 2.10.07.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Suelen Rodrigues Stallbaum (PIBIC-AF/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997004792
Orientador: Roseli Boerngen de Lacerda
Colaborador: Ananda Beatriz Munhoz. Cretella (PIBIC/CNPq), Yáskara Tavares Iaquinto (PIBIC/vonluntária), Murilo Calvo Peretti, Andrey Bernardo
Lopes Grego, Alanna Silva Huk, Vanessa Cristina Saltarello Arantes, Ana Elisa Buzetti, Letícia Matiello, Ana Paula de Oliveira Silva, Renata P.
Mueller, Fernanda Coelho (IC voluntários-Coordenação de Medicina), Gustavo Villas Boas (Mestrando) e Diego Correia (Doutorando)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: agonista 5HT2, etanol, efeito ansiolítico.
Área de Conhecimento: Neuropsicofarmacologia - 2.10.03.00-9
0293
0294
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
171
Diversos neurotransmissores (noradrenalina, acetilcolina, serotonina) e neuropeptídeos (hipocretina/orexina) têm sido relacionados e alocados
apropriadamente junto às vias de regulação do sono. Entretanto, até recentemente, o mesmo progresso obtido ao longo desses estudos não
tem sido observado no que diz respeito à dopamina (DA) e sua função no sono. A fim de se investigar o envolvimento da DA na regulação
do sono paradoxal, o objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da privação de sono paradoxal sobre parâmetros comportamentais e
moleculares do sistema dopaminérgico nigroestriatal. Utilizaram-se ratos Wistar machos pesando 300g, ao início do experimento, que foram
privados de sono paradoxal (PSP) conforme o protocolo clássico da plataforma única. Esses animais foram distribuídos nos seguintes grupos:
controle (não privados de sono n=10), PSP 48h (n=10), 72h (n=10) e 96h (n=10). Após esse período, os animais foram submetidos ao teste
do campo aberto para determinação de alterações comportamentais oriundas da PSP que se caracterizam como uma medida direta da função
motora que por sua vez, é regulada pelo sistema dopaminérgico nigroestriatal. Esse teste foi conduzido com auxílio de uma câmera digital
integrada a uma interface computadorizada que permitiu o registro dos seguintes parâmetros comportamentais: distância percorrida (m) e
a velocidade do animal (m/s) dentro do aparato. Imediatamente após o teste do campo aberto, os animais foram decapitados e tiveram seus
encéfalos dissecados para a retirada do estriado e da substância negra para posteriores análises do conteúdo estriatal de DA e metabólitos
(por cromatografia líquida de alta eficiência acoplada a detector eletroquímico - HPLC-ED), bem como da expressão da proteína tirosina
hidroxilase (por Western blotting), respectivamente. Os resultados indicaram que o grupo PSP 96h apresentou um aumento significativo
(P<0,05) da distância percorrida em comparação ao grupo controle como mostrado pelo teste de análise de variância (ANOVA) com
medidas repetidas, seguido pelo teste post-hoc de Newman-Keuls [F(5,45)=3,267; P=0,0134]. Um resultado semelhante foi detectado para
o parâmetro de velocidade média, onde o grupo PSP 96h apresentou um aumento significativo (P<0,05) em comparação ao grupo controle
[F(5,45)=3,252; P=0,0137]. Esses resultados sugerem haver uma relação direta entre a PSP e o sistema dopaminérgico nigroestriatal,
principalmente quando o período de privação de sono atinge um pico de 96h. Os demais parâmetros neuroquímicos e moleculares, quando
concluídos, serão úteis para a determinação dos mecanismos pelos quais tal modulação acontece.
EFEITOS DA PRIVAÇÃO DE SONO PARADOXAL NO SISTEMA DOPAMINÉRGICO
NIGROESTRIATAL
Aluno de Iniciação Científca: Tatiane Teru Takahashi (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1999006436
Orientador: Maria A. B. F. Vital Co-Orientador: Marcelo M. S. Lima
Colaborador: Livia R. Morais (I.C./ CNPQ), Michele Dietrich (Doutoranda/CAPES), Janaína Barbiero (Doutoranda/ REUNI), Sílvio Marques
Zanata (Departamento de Patologia/UFPR)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: sono paradoxal, sistema dopaminérgico, ratos.
Área de Conhecimento: 2.10.03.00-9
0295
Os efeitos estimulante e ansiolitico do etanol tem sido relacionados às suas propriedades reforçadoras positivas e negativas, respectivamente,
sendo importante para o desenvolvimento de dependência. Existem evidências, inclusive do nosso laboratório utilizando a ketanserina, que o
bloqueio do receptor 5HT2 inibiu o desenvolvimento e a expressão da sensibilização para o efeito estimulante do etanol porém não interferiu
no efeito ansiolítico. Assim, torna-se relevante estudar a interferência de um agonista 5HT2, alfa metil 5 hidroxitriptamina (M5HT), nos
efeitos do etanol. Inicialmente, diante da necessidade da determinação das doses a serem utilizadas, foi construída uma curva dose efeito
deste agonista utilizando-se as doses: 0 (S); 0,5 (A1); 2,5 (A2) e 5 (A3) mg/kg (n=15 por tratamento). Após 30 minutos da administração
do agonista, os camundongos foram expostos a caixa de movimentação espontânea (CME), ao campo aberto (CA) e ao labirinto em cruz
elevado (LCE), avaliando-se, respectivamente, a atividade locomotora, atividade exploratória e a ansiedade durante 3 minutos em cada
aparelho numa ordem aleatoria. Os dados estão apresentados como média e erro padrão e foram analisados por ANOVA. As diferentes
doses do agonista não alteraram significativamente a ambulação na CME (F(3, 53)=0,86 p>0,05; S: 58±7,3; A1: 51±6,2; A2: 63±7,5; A3:
50±5,4) nem no CA (F(3, 53)=0,52 p>0,05; S: 69±5,6; A1: 86±9,1; A2: 92±15,0; A3: 79±10,8). A porcentagem de tempo no braço aberto
no LCE também não foi alterada pelo agonista (F(3, 53)=0,20 p>0,05; S: 41±4,8; A1: 37±6,2; A2: 43±4,6; A3: 39±5,1)). Diante da ausência
de efeito do agonista sobre o comportamento dos animais, foram escolhidas a dose menor e a maior para os estudos subseqüentes do efeito
da co-administração deste agonista nas propriedades estimulante e ansiolítica do etanol após tratamento agudo e crônico durante 21 dias.
Apoio financeiro: PIBIC/CNPq
CURVA DOSE RESPOSTA DOS EFEITOS AGUDOS DE UM AGONISTA 5HT2 SOBRE A MOTRICIDADE,
ATIVIDADE EXPLORATORIA E ANSIEDADE EM CAMUNDONGOS
Aluno de Iniciação Científca: Yáskara Tavares Iaquinto (PIBIC-voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1997004792
Orientador: Roseli Boerngen de Lacerda
Colaborador: Ananda Beatriz Munhoz. Cretella (PIBIC/CNPq), Suelen Rodrigues Stallbaum (PIBIC-AF/CNPq), Murilo Calvo Peretti, Andrey Bernar-
do Lopes Grego, Alanna Silva Huk, Vanessa Cristina Saltarello Arantes, Ana Elisa Buzetti, Letícia Matiello, Ana Paula de Oliveira Silva, Renata P.
Mueller, Fernanda Coelho (IC voluntários-Coordenação de Medicina), Gustavo Villas Boas (Mestrando) e Diego Correia (Doutorando)
Departamento: Farmacologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: agonista 5HT2, etanol, curva dose resposta.
Área de Conhecimento: Neuropsicofarmacologia - 2.10.03.00-9
0296
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
172
A encefalopatia hepática é uma complicação da doença hepática crônica e é definida como uma alteração do estado mental e da função
cognitiva. Os sintomas decorrem de neurotoxinas oriundas do intestino e que, não sendo removidas pelo fígado como deveriam, chegam
ao sistema nervoso central (SNC). A integridade cerebral é mantida, entre outros fatores, pelos ácidos graxos essenciais, que devem ser
adquiridos pela dieta. Segundo alguns estudos, a suplementação com óleo de peixe (OP), composto pelo ácido docasahexaenóico (DHA)
e o ácido eicosapentaenóico (EPA) – dois ácidos graxos poliinsaturados da família ômega-3 –, melhora a atividade sináptica do SNC. O
objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de uma dieta com suplementação de OP na encefalopatia hepática induzida experimentalmente
pela tioacetamida (TAA), substância hepatotóxica utilizada como modelo para indução de insuficiência hepática em animais de laboratório.
No experimento foram utilizados 40 ratos machos Wistar divididos em quatro grupos: 1. C (água); 2. TAA (0,03% na água de beber), 3. C
OP (3g/kg) e 4. OP TAA. A suplementação ocorreu durante cinco meses, mas a administração de TAA ocorreu somente nos três últimos.
Os animais foram ortotanasiados e foram retiradas as estruturas cerebrais hipocampo e córtex para análises de estresse oxidativo através
de substâncias reativas do ácido tiobarbitúrico (TBARS) e de superóxido dismutase (SOD). Os resultados foram analisados por ANOVA
seguido do pós teste de Duncan. No grupo TAA houve um aumento dos níveis de TBARS em relação aos demais grupos no hipocampo
(F(3,22)=3,71; p≤0,004) e no córtex cerebral (F(3,19)=5,71; p≤0,004). No entanto, a suplementação com óleo de peixe diminuiu os níveis
de estresse oxidativo tanto no hipocampo (p≤0,05), quanto no córtex cerebral (p≤0,05). Em relação à concentração da enzima SOD, esta
encontrou-se aumentada no grupo intoxicado com TAA tanto no hipocampo (F(3,20)=7,35; p≤0,01) quanto no córtex cerebral (F(3,20)=21,82;
p≤0,0001). A suplementação com óleo de peixe reverteu os níveis da enzima aos níveis dos animais controles no hipocampo (p≤0,001) e
no córtex cerebral (p≤0,001). O óleo de peixe conseguiu reverter o estresse oxidativo causado pela lesão cerebral provocada pela TAA.
EFEITOS NO ESTRESSE OXIDATIVO DA SUPLEMENTAÇÃO DE ÓLEO DE PEIXE EM MODELO
ANIMAL DE ENCEFALOPATIA POR INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA
Aluno de Iniciação Científca: Barbara de Paula Cioni (IC Voluntária pela Coordenação)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024831
Orientador: Anete Curte Ferraz Co-Orientador: Camila Moraes Marques
Colaborador: Pedro Vinícius Staziaki (IC Voluntária pela Coordenação)
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Encefalopatia Hepática, Óleo de Peixe, Tioacetamida.
Área de Conhecimento: Neurofsiologia – 2.07.02.01-9
0298
O estresse salino influencia diretamente processos fisiológicos dos animais aquáticos, podendo ser um estímulo que induz o aumento da
expressão de proteínas de estresse térmico (HSPs), como mecanismo de defesa celular. Palemonídeos como o camarão Macrobrachium
acanthurus são habitantes de água doce que migram para os estuários para reprodução e desenvolvimento, enfrentando o estresse salino ao
longo do seu ciclo de vida. O objetivo desse trabalho foi o de avaliar o curso temporal da resposta de expressão da HSP70 frente ao estresse
hiper-salino no camarão M. acanthurus, utilizando a técnica de Western Blotting. O grupo controle foi obtido diretamente do aquário estoque
(água doce), e os grupos experimentais formados foram submetidos ao choque hiper-osmótico (salinidade 20‰) por períodos de 1, 24 e
120 h. Após o experimento os camarões foram anestesiados em gelo e uma amostra do músculo abdominal foi coletada para determinação
da expressão das proteínas de estresse HSPs; n=7-9 para todos os grupos. As proteínas totais das amostras de músculo foram dosadas pelo
método de Bradford (1976). Em seguida as proteínas foram analisadas por eletroforese em gel de poliacrilamida em condições desnaturantes,
e após a corrida foram transferidas para membrana de nitrocelulose em câmara de Western Blotting e posteriormente incubadas com anticorpo
primário anti-HSP70 (BD Biosciences) e anticorpo secundário conjugado com fosfatase alcalina. A intensidade das bandas foi quantificada
através do programa Image Tool e para análise estatística foi utilizado o teste-t de Student. Não houve diferença na intensidade das bandas
(em unidades arbitrárias) entre os grupos expostos ao estresse hiper-salino (após 1h em 20‰: 7,97±2,27; 24 h: 8,15±2,9; 120 h: 12,8±4,05)
e os controles em água doce (6,30±2,83). Os resultados indicam que a expressão de proteínas HSP70 não foi induzida no músculo de M.
acanthurus durante curto (1h e 24 h) e longo (120 h) períodos de exposição ao estresse hiper-salino (20‰), pelo menos pelo que pode ser
detectado com este anticorpo. Esta espécie é tolerante à variação salina dos estuários indicando que suas células conseguem manter sua
capacidade fisiológica eficiente com a atuação das HSPs constitutivas.
EXPRESSÃO DE PROTEÍNAS DE ESTRESSE (HSP70) NO CAMARÃO DULCÍCOLA EURIHALINO
Macrobrachium acanthurus SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO
Aluno de Iniciação Científca: Anieli Cristina Maraschi (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023431
Orientador: Carolina Arruda de Oliveira Freire
Co-orientador: Viviane Prodocimo
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Macrobrachium acanthurus; osmorregulação; HSP70
Área de Conhecimento: Fisiologia comparada - 2.07.04.00-3
0297
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
173
Episódios depressivos são freqüentes durante a idade reprodutiva, sendo que aproximadamente 10% das mulheres irão apresentar depressão
durante a gestação e 20% após o parto. Se for estabelecido o uso de medicamentos antidepressivos durante a gestação e lactação, é importante
ressaltar que várias drogas, como a fluoxetina, atravessam a barreira placentária, assim como são secretadas no leite materno durante a
amamentação. A fluoxetina, da classe dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina, foi reportada como uma das drogas mais utilizadas
durante a gestação. Dessa maneira, devem ser considerados os riscos do uso desse medicamento, em especial em relação ao desenvolvimento
sexual que se inicia no período pré-natal e se completa apenas na vida adulta. Além disso, foi observada atividade estrogênica in vivo e in
vitro da fluoxetina (resultados preliminares), mostrando que a mesma possui potencial desregulador endócrino (DES), e, portanto sendo
passível de afetar o desenvolvimento sexual, como mostram vários estudos com DES que possuem atividade estrogênica. Assim, o objetivo
geral deste trabalho foi investigar as possíveis alterações reprodutivas nos descendentes masculinos expostos a fluoxetina in utero e durante
a lactação. Para tanto, ratas Wistar prenhas foram tratadas com fluoxetina (0,4; 1,7 e 17 mg/kg/dia) ou veículo (água destilada), por gavagem
uma vez ao dia, durante o período de pós-implantação e lactação (7º dia de prenhez ao 21º dia de lactação). Após esse período de tratamento,
foram avaliados parâmetros do desenvolvimento sexual e função testicular dos descendentes do sexo masculino. Os seguintes parâmetros de
desenvolvimento foram investigados: distância ano-genital, desenvolvimento ponderal durante a lactação e separação prepucial completa.
Na idade adulta, os animais foram sacrificados para determinação do peso absoluto e relativo dos órgãos sexuais e produção espermática
diária. Houve uma redução na produção espermática diária de 28% em relação ao grupo controle nos descendentes expostos a fluoxetina
na dose de 17 mg/kg. Os outros parâmetros avaliados não foram significativamente diferentes do grupo controle. Podemos concluir que
a exposição à fluoxetina in utero e durante a lactação, na maior dose testada, afetou o desenvolvimento sexual masculino neste modelo.
Esse trabalho tem por objetivo investigar a atuação dos ácidos graxos poliinsaturados da família ômega-3(AGPI- w3) presentes no óleo de peixe
sobre o sistema serotoninérgico após da aplicação de Pindolol, um antagonista do receptor 5-HT
1A/1B
e beta-bloqueador, em ratos suplementados
cronicamente com esse óleo, através do teste da natação forçada modificada. Ratos Wistar machos com idade de 21 dias foram divididos
em dois grupos experimentais: óleo de peixe (OP, n=20) e controle (C, n=19). Os animais do grupo OP foram suplementados diariamente
com 3,0g/kg v.o. de mistura de óleo de peixe (composto contendo 12% de ácido docosahexaenóico, 18% de ácido eicosapentaenóico e
antioxidante tocoferol) e o grupo controle recebeu apenas ração para ratos. Essa suplementação foi feita diariamente até idade adulta (90
dias), por meio de pipeta de volume ajustável. O grupo controle recebeu apenas ração para ratos (sem suplementação). Após o período
de 90 dias, os animais dos grupos OP e C foram subdivididos aleatoriamente em 04 grupos experimentais: Grupo OP + pindolol (OPpin,
n=10), grupo OP + salina (OPs, n=10), grupo C + pindolol (Cpin, n=10) e grupo C + salina (Cs, n=9). Os animais receberam pindolol i.p.
(10mg/kg) 45 min antes da realização do teste comportamental. Os dados foram analisados pelo teste de Duncan precedido por ANOVA
de duas vias. No teste de natação forçada modificada, os grupos OPs e OPpin apresentaram freqüência de imobilidade diminuída (ANOVA
F(1,35)=20,17; p<0,0001) em relação aos grupos Cs e Cpin e o pindolol não exerceu efeito sobre esta variável (ANOVA F(1,35)=0,13;
p=0,72). A frequência de natação, para os grupos OPs e OPpin foi maior em relação aos grupos Cs e Cpin (ANOVA F(1,35)=23,99; P<0,0001),
sendo que o pindolol também não exerceu efeito sobre esta variável (ANOVA F(1,35)=4,06; p=0,06). Em contrapartida, a frequência de
escalada mostrou-se reduzida nos grupos pindolol (ANOVA F(1,35)=61,70; P<0,0001). Pós-teste de Duncan mostrou que a frequência
de escalada foi menor no grupo OPpin em comparação com o OPs(p≤ 0,01). Entre os grupos Cpin e OPpin o primeiro apresentou menor
freqüência de escalada (p≤ 0,01). O óleo de peixe mostrou resultados compatíveis aos presentes na literatura, aumentando a freqüência
de natação e diminuindo as frequências de imobilidade e escalada. O pindolol não alterou as freqüências de imobilidade e de natação. A
freqüência de escalada, no entanto, foi diminuída significativamente pelo mesmo, mas essa diminuição foi atenuada no grupo OPpin. Novos
trabalhos serão necessários para explicar esses resultados. Suporte financeiro: Fundação Herbarium, Fundação Araucária, CNPq – UFPR.
EFEITOS DA EXPOSIÇÃO PERINATAL A DROGAS ANTIDEPRESSIVAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO
REPRODUTIVO DE RATOS MACHOS
AÇÃO DO PINDOLOL, ANTAGONISTA 5HT
1A/1B
E β ADRENÉRGICO, SOBRE O EFEITO
ANTIDEPRESSIVO DO ÓLEO DE PEIXE
Aluno de Iniciação Científca: Bruna Cristina Minatovicz (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023434
Orientador: Anderson Joel Martino Andrade Co-Orientador: Juliane Centeno Muller (DOUTORANDA/CAPES)
Colaborador: Ana Cláudia Boareto (DOUTORANDA/REUNI), Emerson L. Botelho Lourenço (DOUTORANDO), Ana Carolina Lourenço (MESTRAN-
DA/CAPES), Marina Ferreira Vechi (PIBIC/CNPq), Natália Fracaro Lombardi (CNPq/BALCÃO), Mariana Ferreira Kienast (PIBIC/CNPq), Paulo Roberto
Dalsenter (DOCENTE).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: fuoxetina, desreguladores endócrinos, desenvolvimento sexual.
Área de Conhecimento: Fisiologia de órgãos e sistemas - 2.07.02.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Conrado Regis Borges (IC-Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023432
Orientador: Anete Curte Ferraz
Colaborador: Roberto Andreatini (DOCENTE); Marina Sonagli (PIBIC – CNPq)
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: ômega 3, natação forçada modifcada, pindolol.
Área de Conhecimento: 2.07.02.00-0
0299
0300
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
174
O alongamento muscular é muito utilizado para manutenção e melhora da amplitude de movimento articular. Ele pode, tanto em humanos
quanto em animais, dependendo da in tensidade, duração e freqüência, ativar mecanismos de hipertrofia muscular. OBJETIVO: Contar o
número de sarcômeros em série e estimar o comprimento dos sarcômeros de fibras de músculo sóleo de ratas osteopênicas submetidas ao
alongamento. MÉTODOS: Foram selecionadas 26 ratas Wistar (12 semanas, 228±17g) dividas em 4 grupos: Controle (C, n=4); ovarectomia/
histerectomia (OH, n=6); alongamento: (A, n=8); ovarectomia/histerectomia+alongamento (OHA, n=8). As ratas foram submetidas à
ovarectomia e histerectomia com 12 semanas de idade. O alongamento passivo foi composto de 10 repetições de 1 minuto, 2 vezes por
semana. Após 6 semanas as ratas foram submetidas à ortotanásia para a retirada do músculo sóleo de ambas as patas. Foram avaliadas as
seguintes variáveis: peso corporal e muscular; comprimento muscular e número de sarcômeros em série e comprimento dos sarcômeros.
As comparações entre o peso corporal inicial e final e entre os sóleos direito e esquerdo foram realizados por meio do teste t pareado. Para
comparação entre grupos foi realizado o Kruskal Wallis (p<0,05). RESULTADOS: Houve aumento no peso corporal final em todos os
grupos, no entanto, os grupos submetidos à OH apresentaram maior ganho. O grupo OH apresentou maior comprimento muscular quando
comparado ao grupo OHA (p=0,03). No número de sarcômeros em série, o grupo OH foi superior aos grupos A (p=0, 003) e OHA (p=0,
002). Não houve diferenças estatisticamente significativas no comprimento dos sarcômeros. CONCLUSÃO: A ovarectomia/histerectomia
induziu ganho mais expressivo de peso corporal, muscular e número de sarcômeros em série. O exercício de alongamento, bem como o
aumento de peso corporal foi crucial para sarcomerogênese em ratas ovarectomizadas.
Durante o processo de criopreservação o espermatozóide passa por alterações de osmolaridade e temperatura que alteram suas características,
as quais podem ser parcialmente preservadas de acordo com o método de congelamento e o meio crioprotetor utilizado. A adição de
lipídios no meio crioprotetor, na forma de ciclodextrina carregada com colesterol (CLC) potencialmente aumenta o conteúdo de colesterol
na membrana espermática e, em estudo prévio com congelamento em pellets, foi capaz de melhorar a qualidade de células espermáticas
de gatos domésticos (Felis catus) no pós-descongelamento. O presente estudo teve como objetivo verificar se o benefício da adição de
CLC no meio crioprotetor obtido no método de congelamento por pellets poderia ser repetido e/ou aumentado em amostras congeladas em
palhetas. Para tanto, amostras de espermatozóides de epidídimo, obtidas de gatos adultos submetidos à orquiectomia (n=15), foram avaliadas
de acordo com protocolo padrão (motilidade, vigor, concentração, morfologia e integridade do acrossoma). Cada amostra foi dividida em
2 alíquotas, diluídas em meio Ham’s F-10 sem CLC (Controle) ou contendo 3,0mg/ml de CLC (CLC). Após 15 min de incubação em
temperatura ambiente, cada amostra foi diluída (1:1; v:v) com meio crioprotetor (Test-yolk buffer; 12% glicerol, Irvine Scientific, EUA).
Após envase em palhetas (40 uL) as amostras foram resfriadas (4
o
C/30min) e congeladas sobre vapor de nitrogênio (7,5 cm/2 min). Após
o descongelamento (37°C/30 seg) as análises foram repetidas. Comparações entre o sêmen fresco e após descongelamento nos dois grupos
foram feitas por ANOVA, seguido de teste de Tukey. Os valores médios (±EPM) para o índice de motilidade espermática (IME) dos dois
grupos diferiram entre si (Controle: 49,9±1,7; CLC: 60,0±2,7) assim como o % de acrossoma intacto (AI; Controle: 44,2±3,2; CLC:
55,9±3,5), sendo ambos inferiores aos respectivos valores para o sêmen fresco (IME:76,0±3,5 e AI: 89±1,0). Os resultados confirmam o efeito
protetor da adição de CLC na criopreservação e, ainda, que o método de congelamento em palhetas propiciou uma melhora significativa na
qualidade espermática pós-descongelamento em comparação aos dados obtidos anteriormente com amostras congeladas em pellets (IME;
26,8±3,3; AI: 16,2±1,1). Sendo assim, conclui-se que a adição de CLC e o método de congelamento em palhetas permitem a recuperação
de um maior percentual de células móveis e com acrossoma intacto após o congelamento, sendo recomendado para a criopreservação de
espermatozóides epididimários de gatos domésticos. Entretanto, estudos adicionais deverão ser realizados para avaliar o efeito da adição
do CLC na capacidade fecundante in vitro. Suporte financeiro: CNPQ e Fundação Araucária.
ANÁLISE DO NÚMERO DE SARCÔMEROS EM SÉRIE EM RATAS OSTEOPÊNICAS SUBMETIDAS AO
ALONGAMENTO
EFEITO DA ADIÇÃO DE CICLODEXTRINA-COLESTEROL NO MEIO CRIOPROTETOR NA
CRIOPRESERVAÇAO DE CÉLULAS ESPERMÁTICAS DE GATO DOMÉSTICO (Felis catus) EM
PALHETAS.
Aluno de Iniciação Científca: Douglas Vizzu Nobre (Programa-CNPQ)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023617
Orientador: Anna Raquel Silveira Gomes Co-Orientador: Ana Paula Cunha Loureiro
Colaborador: Julye Leiko Ywazaki; Luana Ribeiro Nascimento
Departamento: Curso de Fisioterapia Setor: Setor Litoral
Palavras-chave: Osteopenia, Exercicio de alongamento muscular, Músculo sóleo.
Área de Conhecimento: 2.07.02.00-0 Fisiologia de Órgaos e Sistemas
Aluno de Iniciação Científca: Katlyn Barp Meyer (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2006019105
Orientador: Rosana Nogueira de Morais
Colaborador: Katherinne Maria Spercoski (DOUTORANDA), Graziela Müller (DOCENTE).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: ciclodextrina-colesterol, criopreservaçao de sêmen, felinos.
Área de Conhecimento: 5.05.04.00-2
0301
0302
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
175
Os ácidos graxos poliinsaturados (AGPIs) da família ômega-3 não são sintetizados pelos mamíferos e precisam ser consumidos através da
dieta. Eles são precursores dos ácidos docosahexaenóico (DHA) e eicosapentaenóico (EPA), presentes nas membranas neuronais. Um efeito
antidepressivo para esses ácidos graxos tem sido sugerido. O objetivo desse trabalho foi investigar o efeito do DHA e do EPA, presentes no
óleo de peixe, em ratos suplementados e submetidos a estresse crônico de imobilização através dos testes de natação forçada modificado
(NFM) e campo aberto (CA). Ratos wistar machos com idade de 21 dias foram divididos em dois grupos experimentais: óleo de peixe (OP,
n=12), e controle (C, n=12). Os animais do grupo OP foram suplementados diariamente, até idade adulta (90 dias), por meio de pipeta de
volume ajustável, com 3,0g/kg v.o. de mistura de óleo de peixe (composto contendo 12% de DHA, 18% de ADP e antioxidante tocoferol)
e o grupo C recebeu apenas ração para ratos. Após o período de suplementação os animais dos grupos OP e C foram subdivididos em 4
grupos: suplementado submetido a estresse de imobilização (OPE) ; suplementado não submetido a estresse de imobilização (OP); controle
submetido a estresse de imobilização (CE); controle não submetido a estresse de imobilização (C). Durante o período em que os animais
foram estressados (20min/dia/2semanas) continuaram recebendo suplementação. Após este período os grupos foram submetidos aos testes
comportamentais. Os dados foram analisados por ANOVA seguida pelo pós-teste de Duncan. No teste CA os animais controles estressados
apresentaram uma diminuição tanto na freqüência de locomoção [F(3,31)=5,08, p=0,005] quanto na exploração vertical [F 3,31)=3,28,
p=0,03] quando comparados aos demais grupos. No teste NFM, os grupos suplementados com óleo de peixe diminuíram a freqüência de
imobilidade comparados aos grupos C e CE [F(3,34)=10,99 p=0.0001]. Entre os grupos controles, o estressado apresentou maior freqüência
de imobilidade (p≤0,05). No parâmetro natação os grupos suplementados apresentaram maior freqüência em relação aos grupos controles
[F(3,34)=5,72, p=0,001]. Já na escalada não houve diferença significativa entre os grupos analisados [F(3,34)=0,07, p=0,97]. Concluindo, o
estresse induzido por imobilização diminuiu o comportamento motor no teste CA e apresentou um comportamento depressivo ao aumentar
o tempo de imobilidade. O óleo de peixe foi hábil em reverter tais comportamentos. Corroborando dados prévios, o óleo de peixe aumentou
a freqüência de natação sem apresentar alterações na escalada.
O uso de óleos vegetais na alimentação animal para otimizar a produção de carne é uma prática bastante comum. Um dos problemas
associados a isso é a alta susceptibilidade desses óleos ao processo oxidativo, podendo comprometer o desempenho animal, uma vez que os
radicais livres liberados podem danificar a membrana celular, com conseqüente redução no desempenho zootécnico dos animais. Com base
nisto, o presente trabalho teve por objetivo avaliar a oxidação lipídica na mucosa intestinal de perus criados de 1 a 21 dias, alimentados com
rações contendo diferentes níveis de oxidação do óleo, suplementadas ou não com vitamina E. Utilizaram-se 504 perus machos da linhagem
BUT-9 distribuídos em seis tratamentos (Tabela 1), com seis repetições de 14 aves cada. O delineamento foi inteiramente casualizado em
esquema fatorial 3X2 (3 níveis de oxidação X 2 níveis de vitamina E). Aos 19 dias de idade, cinco animais por tratamento foram abatidos e
o tecido jejunal dessas aves foi analisado segundo a metodologia de Nourooz-Zadeh et al. (1994). Os resultados obtidos foram submetidos
à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Observou-se que a qualidade do óleo de soja não
influenciou a produção de hidroperóxidos na mucosa intestinal dos perus. Já a suplementação de vitamina E na dieta promoveu redução
(p<0,05) na concentração de hidroperóxidos na mucosa do jejuno das aves. Conclui-se que a suplementação de vitamina E reduz a formação
de radicais livres na mucosa do intestino delgado de perus independente da qualidade do óleo adicionado na ração.
EFEITO DO ÓLEO DE PEIXE SOBRE COMPORTAMENTO DEPRESSIVO AVALIADO NO TESTE DA
NATAÇÃO FORÇADA MODIFICADO EM RATOS SUBMETIDOS A ESTRESSE DE IMOBILIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DA OXIDAÇÃO LIPÍDICA NA MUCOSA INTESTINAL DE PERUS ALIMENTADOS COM
ÓLEO DE SOJA OXIDADO E VITAMINA E.
Aluno de Iniciação Científca: Lais Soares Rodrigues (IC-Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024835
Orientador: Anete Curte Ferraz
Colaborador: Marja C. R. dos Santos (PIBIC), Rhiana B. P. G. Almendra (Especialização) Ana Márcia Delattre (Mestrado).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: depressão, óleo de peixe, estresse.
Área de Conhecimento: 2.07.02.01-9
Aluno de Iniciação Científca: Letícia de Pierri (PIBIC-CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022539
Orientador: Ana Vitória Fischer da Silva
Colaboradores: Chayane da Rocha (DOUTORANDA), Fábio L. P. Valle (MESTRANDO), Lucas N. E. Barrili (IC- Voluntária), Luiz Cláudio
Fernandes (DOCENTE).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: antioxidante natural, Meleagris gallopavo, peroxidação lipídica, tocoferol.
Área de Conhecimento: Fisiologia Comparada - 2.07.04.00-3.
0303
0304
Tabela 1: Concentração de hidroperóxidos (HP – nmol/mg PTN) no jejuno de perus.
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
176
A introdução de espécies é uma das principais ameaças à perda de biodiversidade em ambientes aquáticos continentais. Os processos
fisiológicos denotam aspectos da evolução do organismo e de sua capacidade de invadir novos ambientes, sendo fator relevante na dispersão
de espécies aquáticas. O grau de eurihalinidade, bem como a capacidade de regulação isosmótica intracelular é fundamental para invasão de
novos ambientes com salinidade variável. O objetivo desse trabalho foi avaliar de forma comparativa a espécie de peixe nativa (Rhamdia
quelen, RQ) e as não nativas (Oreochromis niloticus, ON e Ictalurus punctatus, IP) quanto à capacidade de regulação de água tecidual frente
a choques osmótico para avaliar seu grau de eurihalinidade. RQ, ON e IP foram obtidos de produtores locais, e após período de aclimatação
de 7 dias, uma amostra de músculo (n=8) foi utilizada em experimento in vitro para determinar a capacidade de regulação de volume celular
frente a um estresse hiper- e hipo-osmótico (choque intenso: 50% de aumento e redução na osmolalidade). As amostras de músculo foram
independentemente submetidas a salina controle (composição semelhante à osmolalidade do plasma dos animais) e salina experimental
hiper- e hipo-osmótica. Os pedaços de músculo foram incubados por 1 h na salina controle, em seguida foram cuidadosamente secos em
papel filtro, pesados e individualmente imersos na salina experimental ou controle. O peso das amostras de músculo foi verificado por 2
h, a cada 15 min. O peso inicial do músculo (tempo zero) foi usado como referência (100%) para todos os valores subseqüentes do mesmo
fragmento. RQ e ON submetidos às salinas hiper- e hipo-osmóticos não apresentaram alteração da concentração de água no músculo quando
comparados ao controle. IP submetido à salina hiper-osmótica apresentou manutenção do peso do músculo quando comparado ao controle,
porém na salina hipo-osmótica, ocorreu elevação da concentração da água do músculo quando comparado ao controle após 60, 75 e 90
min. A espécie nativa de bagre R. quelen e a espécie não nativa de tilápia O. niloticus apresentaram elevada capacidade de regulação da
água decidual corroborando dados da literatura de elevada eurihalinidade. O bagre não nativo I. punctatus apresentou perda da capacidade
de regulação de água tecidual frente ao choque hipo-osmótico, indicando menor grau de eurihalinidade.
Adolescentes mostram um atraso de fase do sono. Em sentido contrário, a partir da segunda fase do ensino fundamental, as escolas muitas
vezes antecipam os horários de inicio das aulas. Como resultado, há uma privação parcial do sono, que tem sido associada com um aumento
no índice de massa corporal. Pode-se supor que a programação da escola do período da manhã pode ser um fator de risco para obesidade
em adolescentes. O principal objetivo deste trabalho foi investigar a existência de associação entre as características do ciclo vigília/sono e
sobrepeso/obesidade em adolescentes escolares. As avaliações foram realizadas com 638 estudantes (198 rapazes e 440 moças), de 10 a 16
anos, provenientes de quatro escolas públicas de Curitiba (PR). Dentre estes, 79 estudavam no período da tarde (13h00min às 17h30min) e
560 estudavam no período da manhã (7h20min às 11h45min). Os alunos preencheram um questionário de hábitos de sono. A CA, peso, altura
e dobras cutâneas foram mensuradas; e o IMC e %G foram calculados. As variáveis foram comparadas usando os testes não paramétricos de
Kruskal-Wallis, Wilcoxon e Pearson. Os resultados da comparação entre os dois turnos (teste de Kruskal-Wallis) indicaram que os alunos
do período da tarde apresentaram horários de dormir mais tardios (diferença de aproximadamente 30 minutos), horários de acordar mais
tardios (diferença de aproximadamente 2 horas) e maior duração de sono (diferença de 1 hora e 40 minutos) nos dias letivos. As moças
do turno da manhã obtiveram uma média de IMC maior (p > 0,005) e as moças uma média de CA maior (p > 0,001) que os adolescentes
do período da tarde. Os resultados confirmam a participação dos horários escolares na privação parcial de sono à qual os adolescentes do
turno da manhã estão submetidos. As influências das características do ciclo vigília/sono nos diferentes turnos escolares foram associadas
à obesidade nos adolescentes estudados.
DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE REGULAÇÃO DE VOLUME CELULAR FRENTE A
ESTRESSE HIPER- E HIPO-OSMÓTICO EM ESPÉCIES DE TELEÓSTEOS
PRIVAÇÃO DE SONO E OBESIDADE EM ADOLESCENTES
Aluno de Iniciação Científca: Ligia Strey (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022785
Orientador: Viviane Prodocimo
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Espécies não nativas; osmorregulação; peixes
Área de Conhecimento: Fisiologia comparada - 2.07.04.00-3
Aluno de Iniciação Científca: Liz Meira Góes (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022484
Orientador: Fernando Mazzilli Louzada
Colaborador: Deise Moser, Anna Kapp
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: privação de sono, adolescência, obesidade.
Área de Conhecimento: Fisiologia Geral              
0305
0306
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
177
O bom desempenho das aves está aliado à digestão e absorção adequada dos nutrientes, funções estas realizadas pelo trato gastrintestinal
(TGI). A adição de gordura oxidada nas rações pode ocasionar danos à mucosa intestinal refletindo sobre o desempenho dos animais. A
vitamina E, por sua vez possui ação antioxidante, auxiliando no combate aos radicais livres, prevenindo danos à mucosa do intestino delgado.
O objetivo desse trabalho foi avaliar os efeitos da adição de óleo com diferentes graus de oxidação com ou sem suplementação de vitamina
E sobre a morfometria da mucosa intestinal de perus. Foram alojados 504 perus de corte da linhagem B.U.T 9 em 6 tratamentos,T1 0 meq
peróxido/Kg óleo, T2 110 meq peróxido/Kg óleo e T3 250 meq peróxido/kg óleo todos com adição de 65 mg/Kg de Vitamina E, T4 0 meq
peróxido/Kg óleo, T5 110 meq peróxido/Kg óleo e T6 250 meq peróxido/Kg óleo e adição de 800 mg/Kg de vitamina E com 6 repetições
alimentados com dietas a base de milho e soja num período experimental de 21 dias. Para análise dos parâmetros de morfometricos da
mucosa intestinal foram coletadas amostras de 2cm do jejuno e processadas para microscopia optica. As variáveis estudadas foram altura de
vilosidades e a profundidade de cripta. As análises dos vilos e criptas foram feitas utilizando sistema analisador de imagens, o delineamento
foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 3X2. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e as médias testadas pelo
teste Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Houve interação entre o grau de oxidação do óleo e o nível de suplementação da vitamina E
sobre a altura de vilo e profundidade de cripta. A suplementação da vitamina E causou efeito benéfico sobre altura do vilo. Os tratamentos
sem suplementação de vitamina E e óleo com maior nível de oxidação demonstraram altura de vilo inferior as observadas nos demais
tratamentos. A presença de óleo oxidado na ração diminui a altura das vilosidades inestinais de perus. Níveis suplementares de vitamina E
atuam na manutenção da altura e da integridade celular intestinal de perus alimentados com dietas contendo óleo oxidado.
A nocicepção induzida pela formalina na pata de ratos é bloqueada pela co- administração de antagonistas de receptores H1 (receptor
de histamina), 5-HT
1A e 3
(receptores de serotonina, 5-HT) ou TRPA1, canal de cátions expresso em neurônios nociceptivos primários.
Como a formalina é um dos principais modelos de nocicepção inflamatória, é possível que a dor inflamatória resulte, em grande parte,
da interação desses receptores. O objetivo desse trabalho foi investigar os mecanismos que medeiam essa interação. Foram utilizados
ratos wistar machos (200 – 250g), que receberam injeção subcutânea no dorso da pata traseira esquerda (45 μl). O comportamento
nociceptivo, caracterizado pelo movimento de levantar rapidamente a pata injetada, foi quantificado por 5 ou 30 minutos (dependo do
agente nociceptivo). Em um grupo adicional, antisense para o receptor TRPA1 foi injetado no espaço subaracnóide lombar. Os dados
foram analisados pelo teste t ou Anova seguido do teste de Tukey (p< 0,05). A administração de agonista do TRPA1, alil isotiocianato
(AITC, 5, 10, 50, 100 (60,2 + 4,0) e 300μg), induziu comportamento nociceptivo de forma dose-dependente, que foi bloqueado pela co-
administração de antagonista do TRPA1 (HC030031, 300, 600 e 1200 μg, 16,5 + 3,9) ou antisense para o TRPA1 (5 nmol, 18,2 + 3,3).
A combinação de dose não nociceptiva de AITC (5 μg, 12,4 + 1,0) com dose não nociceptiva de histamina (2,5μg, 7,7 + 1,6) ou 5-HT
(0,1μg, 32 + 4,9) induziu resposta nociceptiva elevada (64 + 17,7 e 90,8 + 11,3, respectivamente), indicando que houve potencialização
no efeito nociceptivo induzido pela ativação desses receptores. Essa potencialização foi bloqueada por antagonistas de receptores H1
(pirilamina, 400 μg, 13,6 + 0,8) e de 5-HT
1A
(Way 100,135, 400 μg, 1,5 + 0,3) e 5-HT
3
(tropisetron, 450 μg, 9,1 + 1,1), respectivamen-
te. A nocicepção induzida pela administração de 5-HT (10 μg, 169,3 + 39,8) foi significativamente reduzida pelo antagonista de TRPA1
(1200 μg, 24,8 + 7,3), sugerindo que parte da nocicepção induzida pela 5-HT é mediada pela ativação do TRPA1. A nocicepção induzida
pelo agonista do TRPA1 foi diminuída pela co-administração de pirilamina (400 μg, 6,7 + 3,2) e de Way 100,135, (400 μg, 9,5 + 6,8),
mas não de tropisetron (450 μg, 53 + 4,2), sugerindo que a ativação do TRPA1 induz a liberação de histamina e 5-HT. Esses dados de-
monstram importantes interações entre os receptores TRPA-1, H1 e 5-HT
1A e 3
na nocicepcao inflamatória e colocam o TRPA1 como um
receptor chave na manutenção de um ciclo relacionado à dor inflamatória.
AVALIAÇÃO MORFOLOGICA E MORFOMETRICA DA MUCOSA INTESTINAL DE PERUS RECEBENDO
GORDURA OXIDADA E ANTIOXIDANTE
MECANISMOS ENVOLVIDOS NA INTERAÇÃO ENTRE RECEPTORES TRPA-1, H1 E 5-HT
1A E 3
NA
NOCICEPÇÃO INFLAMATÓRIA
Aluno de Iniciação Científca: Lucas Newton Ezaki Barrilli (IC – Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022539
Orientador: Ana Vitória Fischer da Silva Colaborador: Chayane da Rocha (DOUTORANDA), Fabio Valle (MESTRANDO) Letícia de
Pierri (PIBIC – CNPq), Sthéfanie C. Dassi (MONITORA)
Departamento: Fisiologia. Setor: Ciências Biológicas.
Palavras-chave: aves, óleo de soja, vilos.
Área de Conhecimento: Fisiologia Geral - 2.07.01.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Mariana de Oliveira Borges (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023436
Orientador: Luana Fischer
Colaborador: Maria Isabel Lavoranti (IC-Voluntária)
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: TRPA-1, nocicepção, dor infamatória
Área de Conhecimento: Fisiologia Geral - 2.07.01.00-4
0307
0308
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
178
O transtorno depressivo é reconhecido como um problema de saúde pública e de grande prevalência na atualidade. Sua incidência é maior
nas mulheres, tendo seu pico durante a idade reprodutiva, principalmente durante a gestação, e no puerpério. A fluoxetina, um inibidor
seletivo da recaptação da serotonina (ISRS), é um dos medicamentos mais utilizados para tratar transtornos depressivos nesses períodos.
Estudos revelam que a serotonina está envolvida no desenvolvimento cerebral, assim como na morfogênese crânio-facial no período
de organogênese. Além disso, já foi comprovado que a fluoxetina tem atividade estrogênica tanto in vitro quanto in vivo. Considerando
que esta droga ultrapassa a barreira placentária, e também é secretada no leite materno, se faz importante um estudo sobre os possíveis
efeitos comportamentais a longo prazo nos descendentes expostos durante a gestação e lactação, que podem predizer alguma alteração no
desenvolvimento do sistema nervoso central. Neste trabalho, foram realizados testes comportamentais que avaliaram ansiedade, depressão
e atividade locomotora dos descendentes adultos expostos a fluoxetina in utero e durante a lactação. Também foram investigados os níveis
de serotonina, noradrenalina e dopamina, assim como seus metabólitos no hipotálamo, córtex pré-frontal e hipocampo de animais adultos
expostos às mesmas condições. Nos experimentos, foram utilizadas ratas Wistar prenhas, tratadas por gavagem com fluoxetina (0,4; 1,7 e
17 mg/kg/dia), ou apenas com água destilada (grupo controle veículo), durante o período de pós-implantação e lactação (7º dia de prenhez
ao 21º dia de lactação). Após o tratamento, foram realizados os seguintes testes nos descendentes adultos: labirinto em cruz elevado e
preferência a sacarose. Em uma primeira análise, observou-se que tanto o teste de preferência a sacarose, quanto o teste de labirinto em cruz
elevado não apresentaram diferenças significativas de comportamento entre as diferentes doses utilizadas em relação ao grupo controle.
Por isso, estes testes ainda serão correlacionados com a dosagem de neurotransmissores em áreas cerebrais específicas através de método
de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC). Espera-se que esta análise confirme o resultado dos testes comportamentais, ou indique
possíveis diferenças que determinarão próximos estudos.
Os ácidos graxos poliinsaturados (AGPIs) da família ômega-3 não são sintetizados pelos mamíferos e precisam ser consumidos através da
dieta. Eles são precursores do ácido docosahexaenóico (DHA) e do ácido eicosapentaenóico (EPA), presentes nas membranas neuronais.
Trabalhos prévios desenvolvidos em nosso laboratório sugerem um efeito antidepressivo para esses ácidos graxos presentes no óleo de
peixe. O objetivo desse trabalho foi continuar a investigação do nosso laboratório sobre o efeito antidepressivo do DHA e do EPA em ratos
suplementados ou não com óleo de peixe. Para tanto, os animais receberam p-clorofenilanina (PCPA), um inibidor da síntese de serotonina,
e o seu comportamento avaliado através dos testes de natação forçada modificada (NFM) e campo aberto. Foram usados 40 ratos Wistar
machos com idade de 21 dias que foram divididos em dois grupos: o grupo óleo de peixe (OP, n=20) e o grupo controle (C, n=20). O grupo
OP recebeu suplementação diária com 3g/kg v.o. de óleo de peixe dos 21 dias até os 90 dias de idade e o grupo C recebeu apenas ração para
ratos. Após 90 dias, eles foram subdivididos em quatro grupos de 10 ratos para o tratamento com PCPA (150mg/kg i.p.): grupo OP+PCPA;
OP+veículo; C+PCPA; C+veículo. Após, eles foram submetidos aos testes comportamentais. No teste de natação forçada modificado, o
grupo OP apresentou menor número de episódios de imobilidade em relação aos demais grupos (ANOVA F(1,39)=9,39; p ≤ 0,01), enquanto
que o grupo OP PCPA reverteu este efeito (ANOVA F(1,39)=43,01; p<0,0001). A frequência de natação apresentada pelo grupo OP foi
significativamente maior comparado aos outros grupos (ANOVA F(1,39)=9,10; p ≤ 0,004), ao contrário dos grupos tratados com PCPA
(ANOVA F(1,39)=96,08; p ≤ 0,0001). Na escalada não houve diferença significativa entre os grupos com relação à suplementação com
óleo de peixe (ANOVA F(1,39)=2,46; p<0,12) e ao tratamento com PCPA (ANOVA F(1,39)=0,007; p<0,93). No teste do campo aberto a
atividade motora dos animais não foi significativamente diferente entre os grupos quanto os quadrantes percorridos (ANOVA, F(3,39)= 0,34;
p=0,79) nem quanto a exploração vertical (ANOVA, F(3,39)= 0,90; p=0,96). Os dados foram analisados pelo teste de Duncan precedido por
ANOVA de duas vias. Concluindo, o óleo de peixe apresenta efeito antidepressivo no teste NFM ao diminuir a frequência de imobilidade, e
sugere envolvimento do sistema serotoninérgico ao aumentar os episódios de natação. O uso de PCPA neste teste confirmou o envolvimento
serotoninérgico na ação antidepressiva desencadeada pelo óleo de peixe.
EFEITOS DA EXPOSIÇÃO PERINATAL A DROGAS ANTIDEPRESSIVAS SOBRE A DIFERENCIAÇÃO
SEXUAL DE RATOS.
ESTUDO DO EFEITO ANTIDEPRESSIVO DO ÓLEO DE PEIXE EM TESTES COMPORTAMENTAIS,
SOB AÇÃO DO PCPA, INIBIDOR DA SÍNTESE DE SEROTONINA
Aluno de Iniciação Científca: Mariana Ferreira Kienast (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023434
Orientador: Anderson Joel Martino Andrade Co-Orientador: Juliane Centeno Muller (DOUTORANDA/CAPES)
Colaborador: Lea Chioca (DOUTORANDA/REUNI), Ana Carolina Lourenço (MESTRANDA/CAPES), Ana Cláudia Boareto (DOUTORANDA/REUNI),
Emerson L. Botelho Lourenço (DOUTORANDO), DIEGO CORREIA (DOUTORANDO/REUNI), Roberto Andreatini (DOCENTE), Paulo Roberto Dalsen-
ter (DOCENTE)
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: fuoxetina, comportamento, gestação
Área de Conhecimento: Fisiologia de órgãos e sistemas - 2.07.02.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Marina Sonagli (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023432
Orientador: Professora Dra Anete Curte Ferraz
Colaborador: Conrado R. Borges (IC-Voluntária), Marja C. R. dos Santos (IC-Voluntária), Ana Márcia Delattre (Mestrado), Bárbara Nasci-
mento (IC-Voluntária).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: depressão, óleo de peixe, PCPA.
Área de Conhecimento: 2.07.02.01-9
0309
0310
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
179
O objetivo foi investigar o efeito dos ácidos docosahexaenóico (DHA) e eicosapentaenóico (EPA), presentes no óleo de peixe, em ratos
suplementados e submetidos a estresse de imobilização através dos testes de labirinto em cruz elevado (LCE), labirinto aquático de Morris
(LAM) e da mensuração dos níveis plasmáticos de corticosterona. Ratos wistar machos com idade de 21 dias foram divididos nos grupos:
óleo de peixe (OP, n=12), e controle (C, n=12). Os animais do grupo OP foram suplementados diariamente, até idade adulta (90 dias),
por meio de pipeta de volume ajustável, com 3,0g/kg v.o. de mistura de óleo de peixe (composto contendo 12% de DHA, 18% de ADP e
antioxidante tocoferol) e o grupo C recebeu apenas ração para ratos. Após a suplementação os animais OP e C foram subdivididos em 4
grupos: Suplementado submetido a estresse (OPE) ; suplementado não submetido a estresse (OP); controle submetido a estresse (CE); controle
não submetido a estresse (C). Durante o período de estresse (20min/dia/2semanas) os animais continuaram recebendo suplementação. Após
este período os grupos foram submetidos aos testes comportamentais. O grupo CE demonstrou comportamento ansiogênico no teste LCE:
menor % de número de entradas nos braços abertos [F(1.33)=14.85, p=0.001] e maior nos fechados [F(1.33)=14.85, p=0.001], menor %
de tempo nos braços abertos [F(1.33)=5.72, p=0.02] e maior nos braços fechados [F(1.33)=9.44, p=0.01]. Por outro lado, o grupo OPE
reverteu este comportamento. No segundo dia do teste LAM, o grupo CE apresentou um déficit no aprendizado comparado com os demais
grupos [F(3.34) =7.12, p=0.001]. Do terceiro ao quinto dia, os grupos OPE e OP exibiram um bom desempenho no teste de LAM: dia 3
[F(3.34)=17.56, p=0.0001]; dia 4 [F(3.34)=16.72, p=0.001] e dia 5 [F(3.34)=18.33, p=0.0001], comparado aos grupos C e CE, dos quais, a
pior performance foi do grupo CE (p≤ 0.01). No sexto dia, o grupo CE não lembrou a localização da plataforma, nadando menos tempo no
quadrante alvo [F(3.34)=17.68, p=0.0001]. Os níveis plasmáticos de corticosterona apresentaram-se aumentados no grupo CE [F(1.29)=10.44,
p=0.001]. Contudo, no grupo OPE, estes níveis se mantiveram similares àqueles encontrados nos grupos OP e C [F(1.29)=12.40, p=0.001].
Os níveis de corticosterona confirmaram o estresse induzido por imobilização. O estresse provocou um comportamento ansiogênico no
labirinto em cruz elevado e dificultou a aprendizagem no teste do labirinto aquático de Morris. Por sua vez, o óleo de peixe apresentou-se
protetor revertendo o comportamento ansiogênico e o déficit cognitivo.
Estudos recentes demonstraram que o óleo essencial das folhas de cróton zehntneri (anetol e estragol) administrado (i.v.) em ratos, induziu
inicialmente uma hipotensão e concomitante bradicardia (Siqueira et al., 2006). Todavia, os efeitos do anetol sobre a atividade mecânica
cardíaca bem como, seus mecanismos de ação, ainda são desconhecidos. Nossos estudos anteriores sugerem uma possível ação bloqueadora
do anetol sobre a corrente de influxo de Ca
2+
pela membrana. Para comprovarmos tal hipótese, realizamos experimentos para avaliarmos
uma possível influência do anetol tanto sobre as proteínas contráteis cardíacas bem como sobre a cinética do cálcio sobre o complexo actina-
miosina. Utilizamos ratos Wistar (250-300g) dos quais, após anestesia, foram dissecados os músculos papilares e, mantidos em solução de
Ringer (29 ± 1°C), gaseificados (O
2
), pH 7,4. A força de contração tetânica, obtida por tratamento com 5 mM de cafeína e estimulação de
50 Hz, foi deprimida de forma concentração-dependente pelo anetol (0,625 ± 0,060 vs 0,242 ± 0,116 g; Controle vs Anetol 0,7 mM, p>0,01,
n= 6). Tais resultados sugerem que este composto estaria reduzindo o influxo sarcolemal de Ca
2+
. Para analisarmos os efeitos do anetol
sobre a cinética do cálcio e a maquinaria contrátil, utilizamos o Triton X-100 na técnica de “fibra permeabilizada” (skinned fiber). Este é
um detergente não iônico, capaz de solubilizar o sarcolema e todas as membranas subcelulares possibilitando realizar a ativação do sistema
contrátil com Ca
2+
sob condições controladas. A força máxima (F
max
) de contração foi obtida pela transferência da fibra já permeabilizada
para uma solução contendo pCa 4,0. Nesta solução, a quantidade de Ca
2+
livre é o suficiente para ativar completamente o aparato contrátil.
A relação força vs pCa 4,0 foi determinada pela exposição das fibras a soluções contendo crescentes concentrações de Ca
2+
, na presença e
na ausência de anetol (0,7 mM). Os resultados mostraram que o anetol foi capaz de deprimir a força de contração (14,902 ± 1,387 vs 2,146
± 0,577, mN/mm
2
; F
max
vs anetol; n = 10 ). Todavia, quando a preparação foi tratada com Triton X-100, o anetol foi incapaz de desenvolver
força (2,146 ± 0,577 vs – 0,156 ± 0,732, mN/mm
2
; n = 10; anetol vs Triton X-100. Os resultados evidenciam que a depressão da força de
contração induzida pelo anetol é exercida via canais de Ca
2+
podendo ainda, haver participação sobre a maquinaria contrátil ou até mesmo
sobre outras estruturas celulares.
EFEITO DO ÓLEO DE PEIXE SOBRE COMPORTAMENTO E NÍVEIS PLASMÁTICOS DE
CORTICOSTERONA EM RATOS SUBMETIDOS A ESTRESSE DE IMOBILIZAÇÃO
EFEITOS DO ANETOL SOBRE AS PROTEÍNAS CONTRÁTEIS DE MÚSCULO CARDÍACO
Aluno de Iniciação Científca: Marja Carolina Rufno dos Santos (PIBIC/CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024835
Orientador: Anete Curte Ferraz
Colaborador: Rhiana B. P.G. Almendra (Especialização); Laís Soares Rodrigues (IC/voluntária); Ana Márcia Delattre (Mestrado).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Estresse, memória, óleo de peixe.
Área de Conhecimento: 2.07.02.01-9
Aluno de Iniciação Científca: Melanie Alves Oliveira (UFPR-TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021723
Orientador: Prof. Dr. Carlos Estevam Nolf Damiani
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: anetol; músculo cardíaco; contração muscular
Área de Conhecimento: 2.07.02.00-0
0311
0312
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
180
O hipotireoidismo resulta de secreção insuficiente de hormônio tireoidiano (HT) pela glândula tireóide. A secreção deficiente de HT pode
ser devido a uma doença primária da glândula, secundária (doença hipofisária) ou terciária (doença hipotalâmica). O músculo cardíaco
é um dos principais órgãos de ação dos HT (Klein, I. & Danzi, S. 2007). Tem sido demonstrado que no hipotireoidismo, estão reduzidos
a contratilidade e a velolocidade de relaxamento do músculo cardíaco. Estas alterações são provavelmente ocasionadas, por redução da
expressão dos receptores rianodínicos, serca 2, do trocador Na-Ca e dos canais de cálcio voltagem dependentes. Poucos estudos in vivo e in
vitro avaliando-se as conseqüências do hipotireoidismo tem sido realizado. O objetivo deste trabalho foi avaliar mediante ecocardiografia,
a função cardíaca e em preparações isoladas, a contratilidade do músculo cardíaco de animais hipotireoideos. O desenvolvimento de
hipotireoidismo em ratos foi realizado mediante a administração de Metimazol (0,03%) na água de beber por quatro semanas. Foi realizado
ecocardiografia (5500 Sonus, Hewlett Packard) com transdutores S12 ou 15L6 (7 a 15 MHz). Em músculos papilares isolados mantidos
em solução de Tyrode, eletricamente estimulados e em condições isométricas avaliamos a potenciação pós pausa aos 15 30 e 60 segundos
e a velocidade máxima de contração e relaxamento (dF/dT Max e dF/dT Min), respectivamente. No hipotireoidismo o volume sistólico, o
tempo de contração, de relaxamento isovolumétrico, de ejeção bem como o tempo diastólico total aumentaram de forma estatísticamente
significativa, enquanto o débito sistólico, a fração de ejeção e o débito cardíaco reduziram-se, de forma estatísticamente significativa. Apesar
de não ser significativa, no hipotireoidismo a dF/dT Max e dF/dT Min encontraram-se reduzidas. Não foi verificado alteração nos valores
de potenciação pós-pausa. Estes dados sugerem que o hipotireoidismo provoca profunda redução da contratilidade cardíaca associada a
disfunção diastólica.
A encefalopatia hepática é uma complicação da doença hepática crônica e é definida como uma alteração do estado mental e da função
cognitiva. Os sintomas decorrem de neurotoxinas oriundas do intestino e que, não sendo removidas pelo fígado como deveriam, chegam
ao sistema nervoso central (SNC). A integridade cerebral é mantida, entre outros fatores, pelos ácidos graxos essenciais, que devem ser
adquiridos pela dieta. Segundo alguns estudos, a suplementação com óleo de peixe (OP), composto pelo ácido docasahexaenóico (DHA)
e o ácido eicosapentaenóico (EPA) – dois ácidos graxos poliinsaturados da família ômega-3 –, melhora a atividade sináptica do SNC. O
objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de uma dieta com suplementação de OP na encefalopatia hepática induzida experimentalmente
pela tioacetamida (TAA), substância hepatotóxica utilizada como modelo para indução de insuficiência hepática em animais de laboratório.
No experimento foram utilizados 40 ratos machos Wistar divididos em quatro grupos: 1. C (água); 2. TAA (0,03% na água de beber), 3. C
OP (3g/kg) e 4. OP TAA. A suplementação ocorreu durante cinco meses, mas a administração de TAA ocorreu somente nos três últimos.
Os animais passaram pelos testes comportamentais: campo aberto, labirinto em cruz elevado e labirinto aquático de Morris. Os resultados
foram analisados por ANOVA seguido do pós teste de Duncan. Nos testes do campo aberto e labirinto em cruz elevado não houve diferenças
entre os grupos em todos os parâmetros analisados, (F(1,28)=1,74; p≤0,19) e (F(3,34)=1,48; p=0,24), respectivamente. No teste de memória,
isto é, o labirinto aquático de Morris, os animais que receberam TAA apresentaram prejuízo da memória espacial em relação aos demais
grupos nos treinos 2 (F(3,34)=14,55; p≤0,0001), 3 (F(3,34)=10,22; p≤0,0001), 4 (F(3,34)=14,88; p≤0,0001 e 5 (F(3,34)=13,53; p≤0,0001).
Os animais OP apresentaram melhora do seu desempenho ao longo dos treinos 3, 4 e 5. No sexto dia, os animais TAA nadaram menos
tempo no quadrante alvo em relação aos demais grupos, diferente do grupo OP, que despendeu maior tempo neste quadrante, e dos grupos
C e TAA OP, que despenderam tempos de natação estatisticamente iguais. O óleo de peixe conseguiu reverter os déficits de localização
espacial apresentados pelos animais intoxicados pela TAA.
EFEITOS DOS HORMÔNIOS TIREOIDEANOS NOS PROCESSOS DE CONTRATILIDADE E
RELAXAMENTO DO MIOCÁRDIO
EFEITOS COMPORTAMENTAIS DA SUPLEMENTAÇÃO DE ÓLEO DE PEIXE EM UM MODELO
ANIMAL DE ENCEFALOPATIA POR INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA
Aluno de Iniciação Científca: Murillo de Mayo Ginjo (UFPR - TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023658
Orientador: Rosalvo Tadeu Hochmuller Fogaça
Colaborador: Ariani Szkludareck (DOUTORANDA), Bruno Aldenucci (MESTRANDO), Carlos Estevam Nolf Damiani (DOCENTE), Ilana
Kasouf Silva (DOCENTE).
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: hipotireoidismo, contratilidade, miocárdio
Área de Conhecimento: 2.07.01.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Pedro Vinícius Staziaki (IC Voluntária pela Coordenação)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2010024831
Orientador: Anete Curte Ferra Co-Orientador: Camila Moraes Marques
Colaborador: Barbara de Paula Cioni (IC Voluntária pela Coordenação)
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Encefalopatia Hepática, Óleo de Peixe, Tioacetamida.
Área de Conhecimento: Neurofsiologia – 2.07.02.01-9
0313
0314
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
181
Sabe-se que a atividade física durante o dia pode ter influência sobre o sono noturno. Adicionalmente, estudos recentes mostram que a
redução de sono poderia promover um aumento de peso pela redução da atividade durante a vigília. Entretanto, as relações existentes entre
padrões de sono e atividade motora durante o dia ainda não foram bem elucidadas. Nosso objetivo foi estudar a relação entre nível de
atividade motora durante a vigília e padrões de sono em adolescentes. Uma forma objetiva de avaliação da atividade motora é a actimetria. Os
actímetros de punho são instrumentos utilizados para aferir o nível de atividade motora de seus portadores. A partir dos dados obtidos, com
o uso de algoritmos específicos, pode-se inferir os horários de sono e vigília. Em nosso estudo foram analisados dados de 29 adolescentes
de diferentes cidades do Paraná e São Paulo, provenientes de diferentes projetos desenvolvidos em nosso laboratório. Para cada adolescente
foram analisados três dias letivos consecutivos, de quarta-feira a sexta-feira e foram obtidas médias das seguintes variáveis: nível de atividade
motora durante o dia, nível de atividade motora durante a noite, duração de sono e eficiência de sono (porcentagem do tempo na cama que
passou efetivamente dormindo). A existência de associação entre as variáveis foi testada utilizando o coeficiente de correlação de Spearman.
Foi detectada uma correlação positiva entre a média de atividade durante o dia e durante a noite (r=0,4236; p<0,05). Adolescentes mais
ativos durante a noite tenderam a apresentar maior atividade também durante o dia. A correlação entre eficiência de sono e a média de
atividade na vigília foi negativa (r=-0,4241; p<0,05). Menor eficiência de sono está relacionada com maior nível de atividade durante o dia.
Não foi encontrada relação entre duração de sono e atividade na vigília (r=-0,0310; p>0,05). Os resultados sugerem que adolescentes com
maior nível de atividade motora durante a vigília são aqueles que também apresentam maior atividade motora durante o sono. Os nossos
resultados não corroboram a idéia de que existe uma associação entre menor duração de sono e menor nível de atividade durante o dia.
O termo câncer é empregado de forma genérica para designar diferentes doenças caracterizadas pela hiperproliferação celular, perda de
diferenciação e capacidade das células de invadirem outros tecidos (metástases). O desenvolvimento do câncer de mama é conseqüência
de uma série de acúmulos de alterações genéticas e epigenéticas. O perfil genético de pacientes acometidas pelo câncer de mama pode
fornecer informações quanto ao diagnóstico, prognóstico e resposta à terapia. Porém, um mesmo tipo de célula pode apresentar diferentes
proteomas, influenciado por múltiplos fatores, incluindo hormônios, agentes físicos, químicos e ambientais. Assim, o seqüenciamento
de genes não oferece informações sobre a regulação da expressão gênica, modificações pós-traducionais e distribuição espaço-temporal
do produto protéico em células e tecidos. Novas metodologias de pesquisa, envolvendo a proteômica, podem ser utilizadas numa melhor
compreensão, detecção e tratamento do câncer. A análise de proteoma visa a identificação de marcadores da doença e de novos alvos para
o desenvolvimento de terapias mais eficazes e específicas. O objetivo desse estudo é a análise proteômica de tecido mamário não-tumoral
de pacientes acometidas pelo câncer de mama, buscando informações para a caracterização de tecido mamário não-tumoral e dados para a
análise comparativa com tecidos de carcinomas mamários. Para esse estudo as amostras de tecido não-tumoral e carcinomas mamários foram
coletadas no Hospital Nossa Senhora das Graças e no Hospital de Clínicas da UFPR, Curitiba, Paraná. Todas as amostras foram obtidas
através de consentimento assinado pelas pacientes e aprovação por Comitê de Ética. Primeiramente as proteínas das amostras devem ser
separadas para diminuir sua complexidade. Para isso foram feitas eletroforeses bidimensionais em géis de poliacrilamida (2D-PAGE). Na
primeira dimensão, as proteínas são separadas de acordo com seu ponto isoelétrico (pI) intrínseco através da focalização isoelétrica (IEF).
Na segunda dimensão, são separadas pela massa molecular através de uma eletroforese. Após a eletroforese bidimensional, as proteínas
são visualizadas no gel através de métodos de coloração com azul de Comassie. Estes géis foram então digitalizados e foram feitas análises
das imagens obtidas por um software, sendo que 70 bandas foram selecionadas para serem identificadas futuramente. A identificação e a
determinação de suas modificações pós-traducionais serão realizadas utilizando a espectrometria de massa (MALDI-TOF) e pesquisa dos
padrões de massa obtidos em bancos de dados.
SONO E ATIVIDADE MOTORA EM ADOLESCENTES
ANÁLISE PROTEÔMICA NO CÂNCER DE MAMA: IDENTIFICAÇÃO DE NOVOS MARCADORES DE
PROGRESSÃO TUMORAL
Aluno de Iniciação Científca: Rafael de Almeida Reis (CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2008022484
Orientador: Fernando Mazzilli Louzada
Departamento: Fisiologia Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Sono, Atividade, Adolescentes
Área de Conhecimento: Fisiologia Geral - 2.07.01.00-4
Aluno de Iniciação Científca: Agatha Gomes da Silva (IC Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016353
Orientador: Enilze Maria de Souza Fonseca Ribeiro Co-Orientador: Iglenir João Cavalli
Colaborador: Gustavo Góes da Costa (Mestrando / CAPES)
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: genes, proteínas, câncer de mama.
Área de Conhecimento: Genética Humana e Médica - 2.02.05.00-7
0315
0316
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
182
Queixada ou porco-do-mato são os nomes populares da espécie Tayassu pecari. Estes animais, nativos da fauna brasileira, têm grande
importância na alimentação de populações humanas e vêm sendo criados em cativeiro. Além disso, encontra-se em perigo de extinção devido
à caça extensiva, problemas de saúde como doenças infecciosas e redução do habitat. Programas de manejo e reprodução em cativeiro já
mostraram sucesso para esta espécie, sendo assim uma atividade economicamente viável e que possibilita a manutenção destes animais. Para
isso, o objetivo desse trabalho é caracterizar a variabilidade genética da espécie, e fazer um estudo populacional em criadouros, através da
utilização de marcadores moleculares nucleares (locos de microssatélites). Estes microssatélites são trechos curtos e altamente repetitivos
que ocorrem em tandem nos genomas eucariotos. Em sua maioria, são sequências dinucleotídicas distribuídas preferencialmente em regiões
não codificadoras do DNA podendo ser conservados através dos genomas de mamíferos, devido à baixa pressão de seleção. Os iniciadores
desenvolvidos para amplificar repetições em uma determinada espécie podem amplificar em outras espécies, sendo assim chamados de
iniciadores heterólogos. A partir de amostras de sangue de 19 queixadas provenientes de dois criadouros do Estado do Paraná, (Parque
Municipal das Araucárias, em Guarapuava e Fazenda Experimental Gralha Azul no Município de Fazenda Rio Grande), foi realizada a
extração de DNA. Dos oito locos de microssatélite, selecionados e identificados na espécie Sus scrofa, dois fazem parte do trabalho atual
e foram submetidos à amplificação por PCR. Foi então realizada eletroforese em gel de poliacrilamida 10%, e os géis foram revelados
através da metodologia de coloração com prata. A partir do padrão de bandas obtido para cada loco de microssatélites, foi possível calcular
as freqüências alélicas em cada população estudada. A variabilidade genética foi estimada através do número de locos polimórficos, número
de alelos por loco, heterozigosidade observada (Ho), esperada (He) e diversidade gênica média. Dados preliminares apontam Ho média de
0,440 e He de 0,673. Como foram identificados muitos indivíduos homozigotos, sugere-se que ocorra uma grande quantidade de cruzamentos
endogâmicos. Tal fato, pode gerar perda de vigor, suscetibilidade a doenças e baixa fertilidade, além de aumentar a expressão fenotípica
de genes recessivos deletérios ou letais na população.
Fungos endofíticos habitam o interior de plantas sem aparentemente lhes causar algum dano, e constituem-se potenciais biotecnológicos.
Porém, fungos endofíticos que habitam plantas próximas a pomares ou plantações, onde há o uso intensivo de fungicidas, podem ser
selecionados, levando ao aparecimento de linhagens resistentes ao fungicida, mesmo não sendo o alvo de ação dos mesmos. Da mesma
forma, estas plantas também podem servir como depositárias de fungos fitopatogênicos para outras espécies vegetais. Assim, a utilização do
fungicida Carbendazin em pomares cítricos tem levado ao aparecimento de linhagens de Colletotrichum resistentes a este fungicida, mesmo
quando endofíticos em plantas da vegetação espontânea no pomar. Este fungicida é utilizado para prevenir a doença “Queda Prematura
dos Frutos Cítricos” (QPFC), causada pelo fungo Colletotrichum acutatum (Simmonds). No Brasil, o fungo C. acutatum está presente em
diversos Estados e seu modo de disseminação e a estratégia de sobrevivência entre as floradas são desconhecidos. As plantas da vegetação
espontânea presentes nos pomares podem abrigar microrganismos patogênicos de forma endofítica e assim constituirem-se em reservatório
de inóculo. Este trabalho teve como objetivo principal identificar as espécies fúngicas isoladas de plantas da vegetação espontânea em
sistemas de produção de citros no Estado de São Paulo; e como objetivos específicos identificar fungos do gênero Colletotrichum colonizando
endofiticamente estas plantas; verificar a presença de C. acutatum como endofítico e averiguar a presença de isolados resistentes ao fungicida
Carbendazin. Foram obtidos 69 isolados fúngicos de 22 espécies vegetais provenientes de 5 isolamentos de pomares da região de Rincão/
SP. Por análise da morfologia, todos foram identificados como pertencentes ao gênero Colletotrichum. Para a identificação ao nível de
espécie, foi feita PCR espécie-específica utilizando os pares de primers CaInt/ITS4, CgInt/ITS4 e Col1/ITS4, para as espécies C. acutatum,
C. gloeosporioides e C. boninense respectivamente e por sequenciamento da região ITS1-5,8S-ITS2 com o par de primers LS266 e V9G.
Todos os isolados foram identificados como pertencentes à espécie C. gloeosporioides. Não foi observado o fungo C. acutatum causador
da QPFC habitando endofiticamente as plantas analisadas. O teste de resistência ao fungicida foi realizado através de repique em meio
BDA pH 6,8 contendo 10 ppm de Carbendazin. Neste teste, 35% dos isolados apresentaram-se resistentes à dose do fungicida utilizada.
Suporte financeiro: CNPq, FAPESP.
AVALIAÇÃO DA VARIABILIDADE GENÉTICA EM Tayassu pecari (QUEIXADA) ATRAVÉS DE
MARCADORES MICROSSATÉLITES
IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES COM POTENCIAL BIOTECNOLÓGICO: FUNGOS ENDOFÍTICOS DO
GÊNERO COLLETOTRICHUM
Aluno de Iniciação Científca: Aline de Carvalho (UFPR/TN)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2004014114
Orientador: Ives José Sbalqueiro Co-Orientador: Iris Hass
Colaborador: Shenia Pedro Bom da Silva (MESTRANDA/CAPES)
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: microssatélites, Tayassu pecari, variabilidade genética.
Área de Conhecimento: 2.02.04.00-0
Aluno de Iniciação Científca: Andressa Peres Bini (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2009023652
Orientador: Vanessa Kava-Cordeiro Co-Orientador: Chirlei Glienke
Colaborador: Caroline Waculicz Andrade (DOUTORANDA/CAPES), Douglas Adamoski (IC/CNPq/MAPA), Juliana Fabris (MESTRANDA).
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Endóftos, Colletotrichum spp, PCR espécie-específca.
Área de Conhecimento: Genética Molecular e de Microorganismos - 2.02.02.00-8
0317
0318
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
183
Os corpos d’água têm sido muito alterados ultimamente com a crescente evolução das civilizações em conjunto com atividades agrícolas.
Com o aumento da tecnologia agrícola os defensivos são essenciais para as grandes produções, por isso precisamos monitorar a capacidade
genotóxica destes. O Fipronil (C
12
H
4
CL
2
F
6
N
4
OS), do grupo químico Pirazol, classificado como inseticida, formicida e cupinicida, é
amplamente utilizado em diversas culturas, como arroz, cana-de-açúcar, soja e milho. Como não existe uma legislação brasileira que
quantifique o limite para o seu uso, este trabalho utilizou tratamentos com três concentrações, com base no permitido pela Comunidade
Européia, de 0,05 μg/l (metade do limite permitido pela CE), 0,10 μg/l (limite permitido pela CE) e 0,23 μg/l (dose encontrada no ambiente).
A contaminação foi realizada através do tratamento subcrônico (60 dias), semiestático em 32 exemplares de Astyanax altiparanae (lambari)
para avaliar os efeitos genotóxicos, além de um grupo controle de 13 exemplares. Como biomarcador para danos no DNA foram utilizados
o ensaio cometa alcalino em células branquiais e o teste de micronúcleo písceo em eritrócitos, os resultados foram submetidos ás análises
estatísticas utilizando o teste de Kruskal-Wallis. No ensaio cometa houve diferença significativa (P<0,05) entre o grupo controle e as doses
de 0,05 μg/l e 0,10 μg/l, mas não entre o controle e a dose de 0,23 μg/l (P=0,09), possivelmente por que esta concentração causa dano ao
DNA suficientemente grande para que não haja cometa com “cabeça” definida para computar. A dose de 0,05 μg/l apresentou diferença
estatística com relação às doses de 0,10 e 0,23 μg/l; e as doses de 0,10 μg/l e 0,23 μg/l não apresentaram diferenças entre si. No teste de
micronúcleo písceo não houve diferença entre qualquer dose com relação ao grupo controle, mas a dose de 0,23 μg/l apresentou diferença
(mais danos) ao ser comparada às doses de 0,05 μg/l e 0,10 μg/l (P<0,05). O resultado do ensaio cometa mostra que mesmo a metade da
dose permitida na CE apresenta efeito genotóxico demonstrando que este teste é mais sensível do que o do micronúcleo.
Os roedores são o grupo mais bem sucedido entre os mamíferos, apresentando acentuada diversidade. No Brasil, a tribo Oryzomyini é uma
das mais freqüentes da subfamília Sigmodontinae. O objetivo do plano de trabalho é a analise citogenética e da distribuição de roedores
Oryzominos sob influência sazonal. Esta tribo é morfologicamente considerada a mais primitiva, é a mais freqüente dentre os roedores e
apresenta maior número de gêneros. Foram realizadas três coletas em Barro Preto, no município de São José dos Pinhais, estado do Paraná,
com amostras das diferentes estações do ano. Nas coletas são montadas 50 gaiolas, revisadas durante três noites. Os animais coletados são
levados ao laboratório onde é realizada preparação citológica. É injetado colchicina e após uma hora é retirado material do fêmur, tratado
com solução hipotônica e posteriormente com fixador alcoólico. A partir deste material são confeccionadas lâminas que são analisadas em
microscópio óptico, possibilitando identificação de espécie em nível citogenético. Na análise, foram realizados montagem de cariótipos
em coloração comum, e realizados bandeamentos C, G e da região organizadora do nucléolo (RON), sem sucesso até o momento. Também
foram estudadas a variabilidade e diversidade de formas cromossômicas, relacionadas à distribuição geográfica dos indivíduos coletados.
Registros de coletas anteriores neste local e em outras áreas também foram analisados, o que possibilitou comparação da distribuição de
espécies por estação do ano, de dados de número diplóide de cromossomos, e do número fundamental, além da diferença de índice de captura
entre machos e fêmeas. Considerando todas as coletas realizadas desde 2002, foram capturados 52 exemplares do gênero Oligoryzomys e
um Oecomys, sendo que o primeiro foi coletado durante todas as estações do ano, em especial durante o inverno e a primavera. Também
é perceptível que machos tem um índice de coletas superior aos das fêmeas, isso pode ser devido ao seu comportamento de percorrer
territórios maiores do que as fêmeas. As espécies capturadas no período de 2009-2010 são do gênero Oligoryzomys são O. nigripes e O.
flavescens. Não foram obtidos resultados a partir dos bandeamentos, sendo realizada análise apenas sobre a coloração convencional, que
forneceu informações como: O. nigripes, 2n = 62, e NF= 80, 81 ou 82; O. flavescens, 2n = 64 a 67 cuja variação depende da presença de
cromossomos adicionais, com NF = 67, 68; e Oecomys sp com 2n= 64 e NF = 60/66.
BIOENSAIOS DE CONTAMINAÇÃO SUBCRÔNICA VIA HÍDRICA DO FIPRONIL NO BIOINDICADOR
Astyanax altiparanae (CHARACIFORME).
INFLUÊNCIA SAZONAL NO NÚMERO DE ESPÉCIES DE ROEDORES ORYZOMINOS OCORRENTES
EM BARRO PRETO, MUN. DE S. JOSÉ DOS PINHAIS – AVALIAÇÃO CARIOTÍPICA.
Aluno de Iniciação Científca: Antônio Ernesto Meister Luz Marques (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2007021409
Orientador: Marta Margarete Cestari
Co-Orientador: Wanessa Algarte Ramsdorf
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Ensaio Cometa, Teste do Micronúcleo Písceo, Lambari.
Área de Conhecimento: 2.02.06.00-3 – Mutagênese
Aluno de Iniciação Científca: Claudia Daniela Cavichiolo (IC - Voluntária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: BANPESQ 2000008111
Orientador: Ives José Sbalqueiro Co-Orientador: Iris Hass
Colaborador: Tássia Landim Fritoli
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: Oryzomyini, roedores, sazonalidade, variabilidade cariotípica, citogenética e distribuição geográfca.
Área de Conhecimento: 2.02.04.00-0 Genética Animal
0319
0320
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
184
A economia brasileira depende, majoritariamente, do agronegócio, sendo um dos principais produtos de exportação as frutas cítricas.
Todavia, diversas doenças assolam os pomares brasileiros, como a Mancha Preta dos Citros (MPC, Agente causal: fungo Guignardia
citricarpa), que causa queda prematura dos frutos e uma depreciação visual para o comércio in natura. Sua detecção é realizada de forma
visual, já com os sintomas espalhados nos frutos, método que também se mostra ineficaz além de tardio, visto que outros microorganismos
também geram lesões muito similares. Em função desta abordagem, todas as ações de combate são remediativas, justamente pela ausência
de uma eficaz detecção prévia da doença. Estratégias que envolvem o cultivo de microrganismos a partir de lesões não são ineficientes,
entretanto também dependem de identificação molecular e retardam as medidas de controle. A alternativa até então empregada, baseada no
isolamento do patógeno habitando endofiticamente os pomares tem uma sensibilidade reduzida e demanda de uma quantidade enorme de
tempo, recursos humanos e financeiros. A proposta deste trabalho foi a otimização e validação de um método de diagnóstico baseado em
PCR independente de cultivo (ciPCR) utilizando folhas de pomares suspeitos. Realizou-se a otimização do processo de extração de ácidos
nucléicos de folhas previamente liofilizadas - com o kit MoBio UltraClean
tm
Microbial DNA Isolation - otimização da reação de PCR com
primers já descritos na literatura para a detecção, redefinindo concentrações e temperatura ótima de anelamento, e, por fim, o diagnóstico
foi validado com material originário de pomares de Cerro Azul – PR, de histórico sintomático. O foco foi avaliar cada planta utilizada - 29,
advindas de dois pomares - para a presença do patógeno em suas folhas (através do isolamento fúngico e da abordagem de ciPCR) e frutos
(através do isolamento apenas). A abordagem puramente molecular mostrou-se extremamente mais sensível, indicando 50% a mais de
plantas infectadas em um pomar, e expressivas 11 vezes mais detecções para o segundo pomar, quando comparada ao isolamento de folhas.
Em ambos os casos a doença foi confirmada também pela presença do patógeno nas lesões dos frutos. O diagnóstico molecular através de
ciPCR mostrou-se uma alternativa viável na determinação da sanidade das propriedades produtoras, podendo embasar maiores avaliações
de contaminação e disseminação da doença de forma prática e rápida, contabilizando no máximo três dias entre a recepção das amostras e
a emissão do laudo. Suporte financeiro: CNPq/MAPA
O Brasil é destaque na produção de frutas cítricas, especialmente laranjas, sendo o maior produtor e exportador de suco da fruta. A União
Européia é o principal mercado importador do produto brasileiro. No entanto, prejuízos nas exportações da fruta ocorrem por doenças que
são quarentenárias A1 nos mercados internacionais de destino, uma dessas é a Mancha Preta dos Citros, causada pelo fungo Guignardia
citricarpa (anamorfo: Phyllosticta citricarpa). Porém, outros fungos estão associadas às plantas cítricas de forma endofítica, como Guignardia
mangiferae e Xylaria sp, sendo objetos de estudos para controle biológico do patógeno G. citricarpa. Sistemas de transformação genética
utilizando genes repórter podem ser usados para estudos de interação dos organismos. A agrotransformação do fitopatógeno G. citricarpa foi
obtido anteriormente pelo grupo e tais transformantes expressam a proteína fluorescente verde GFP (Green Fluorescent Protein). No presente
trabalho, objetivou-se a agrotransformação de G. mangiferae e Xylaria sp expressando o gene gfp e produção de plantas axênicas de citros
para estudos posteriores de interação planta-patógeno-endófito, visando o controle biológico. Foi realizada com sucesso a agrotransformação
dos endófitos. Em ambos os casos foram introduzidos o gene que codifica a proteína fluorescente verde GFP (Green Fluorescent Protein)
e também o gene que confere resistência ao glifosinato de amônio, como estratégia de seleção. Com isso, linhagens de G. mangiferae e
Xylaria sp emitem fluorescência quando suas hifas são analisadas sob microscopia de epifluorescência. Tais endofíticos necessitam ser
avaliados quanto a sua capacidade de colonização de plantas cítricas, anteriormente aos experimentos de co inoculação com o patógeno
G. citricarpa. Para tal estudo in vivo plantas axênicas constituem uma ferramenta importante e foram produzidas em quantidade suficiente
para os estudos propostos. Suporte financeiro: CNPq/MAPA
DETECÇÃO DO FITOPATÓGENO Guignardia citricarpa UTILIZANDO PCR INDEPENDENTE DE CULTIVO
AGROTRANSFORMAÇÃO DE Guignardia mangiferae E Xylaria sp E PRODUÇÃO DE PLANTAS
AXÊNICAS PARA ESTUDOS DE CONTROLE BIOLÓGICO
Aluno de Iniciação Científca: Douglas Adamoski (CNPq/MAPA)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010265
Orientador: Chirlei Glienke
Colaboradores: Juliana Fabris (MESTRANDA), Rosana Camargo Nishimura (MESTRANDA), Danyelle Stringari (DOUTORA), Andressa
Peres Bini (IC/VOLUNTÁRIA)
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: ciPCR, Guignardia citricarpa, Mancha preta dos citros.
Área de Conhecimento: Genética Molecular e de Microorganismos - 2.02.02.00-8
Aluno de Iniciação Científca: Eduardo Henrique Goulin (CNPq/MAPA)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2001010265
Orientador: Chirlei Glienke Co-Orientador: Nome do Co-Orientador se houver
Colaborador: Josiane Gomes Figueiredo (DOUTORANDA)
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: G. mangiferae, Xylaria sp, agrotransformação
Área de Conhecimento: Genética Molecular e de Microorganismos - 2.02.02.00-8
0321
0322
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
185
O estudo da diversidade de genes em populações possui uma série de aplicações, auxiliando no entendimento da evolução humana, da
origem e história demográfica das populações e da ação de fatores evolutivos em seqüências genômicas. O MHC (major histocompatibility
complex) humano está localizado no braço curto do cromossomo seis, com extensão de cerca de 4Mpb, e é a região do genoma humano
onde se encontra o sistema HLA (human leukocyte antigens). As moléculas HLA-E e F são conhecidas por serem ligantes de receptores
inibidores de células do sistema imune. Seus receptores são, respectivamente, CD94/NKG2 e ILT2 e ILT4. HLA-DM, por outro lado, exerce
um importante papel na modulação da ligação de peptídeos a moléculas MHC de classe II clássicas. Serão identificados os genótipos de
indivíduos pertencentes a populações de diferentes ancestralidades (preponderantemente européia, ameríndia, africana e oriental), e de
pacientes com pênfigo foliáceo endêmico (fogo selvagem), por meio de PCR-SSOP: os éxons polimórficos de cada gene são amplificados
pela reação em cadeia da polimerase (PCR); os produtos das PCR são aplicados em membranas de nailon (dot blots) e hibridados com
oligonucleotídeos-sonda biotinilados de sequência específica (SSOP). Já realizamos PCR para 950 indivíduos, para 5 diferentes éxons de
3 dos 4 genes estudados: éxons 3 e 4 de HLA-E, 4 e 7 de HLA-F e 2 de HLA-DMB. Para aplicação desta metodologia faz-se necessária
a otimização da temperatura de lavagem de alta estringência para um total de 46 sondas, o que já foi feito para 22 delas. As maiores
dificuldades deste projeto residem na otimização dos protocolos de PCR e da temperatura da lavagem de alta estringência. Quanto a esta
última, nos vários testes realizados ainda não se obteve clara distinção entre reações positivas e negativas. Está em andamento a confecção
dos dot blots para os éxons de genes cujas condições de hibridação e protocolos de PCR já estão otimizados, para que se estabeleçam as
freqüências alélicas destes genes HLA nas diferentes populações de estudo.
Auxílio financeiro: Fundação Araucária, CNPq.
A butirilcolinesterase humana (BChE) é uma enzima polimórfica codificada pelo gene BCHE, produzida principalmente no fígado e
distribuída no organismo. Embora não tenha uma função fisiológica estabelecida, já foi associada ao metabolismo de lipídeos e à diferenciação
e proliferação celular. O gene BCHE (3q26.1-q26.2) possui quatro exons formados por 2.445 pares de bases. Em eletroforese em gel de
agar ácido, observa-se a banda denominada C
5,
que é determinada pelo loco BCHE e pelo loco CHE2, cujos alelos CHE2 C5+ e CHE2
C5– determinam presença e ausência da banda, respectivamente. A atividade da BChE é influenciada por diversos fatores, entre eles o loco
CHE2 e as variantes do gene BCHE. O diabete melito (DM) é uma síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta e/ou da incapacidade
da insulina de exercer adequadamente seus efeitos. O diabete melito tipo 1 (DM1) corresponde a 5 - 10 % do total de casos de diabete.
O objetivo deste trabalho foi investigar associação entre os variantes -116A e 1615A do gene BCHE, fenótipos do loco CHE2 e DM1 em
amostras de pacientes (N = 91). A fenotipagem do loco CHE2 foi feita por eletroforese em gel de ágar ácido e a genotipagem das variantes
do gene BCHE por PCR em tempo real. A atividade da BChE foi medida utilizando a propioniltiocolina como substrato. A freqüência do
fenótipo CHE2 C5+ foi de 11% ± 3,3%, semelhante ao descrito para a população de Curitiba (10,26% ± 0,60%;(_
2
=0,08; p=0,78). A atividade
da BChE é maior nas amostras de fenótipo CHE2 C5+ (5,91 KU/L ± 1,42) do que nas de fenótipo CHE2 C5– (4,07 KU/L ± 1,06; t=4,98 e
p=3x10
-6
). Foram identificados os seguintes haplótipos do gene BCHE: (a) -116G/-116G; 1615G/1615G; (b) -116G/-116A; 1615G/1615A;
(c) -116G/-116G; 1615G/1615A. Os haplótipos (a), (b) e (c) possuem frequência semelhante em pacientes e controles (_
2
=9,6; p< 0,08),
embora com uma tendência à heterogeneidade que poderá ser verificada em uma amostra maior de pacientes com DM1. No grupo CHE2
C5 - a atividade média da BChE foi de 4,2 KU/L ± 1,1 para indivíduos com haplótipo (a); 3,6 KU/L ± 1,3 para indivíduos com haplótipo (b)
e 3,9 KU/L ± 0,7 nos indivíduos com haplótipo (c). Atividade significativamente mais baixa em indivíduos com haplótipo (b) foi observada
em amostras controle. Em pacientes com DM1, embora a tendência esteja no mesmo sentido que no grupo controle, não foi observada
diferença significativa entre a atividade enzimática dos haplótipos (a) e (b), provavelmente em decorrência do tamanho reduzido da amostra.
DIVERSIDADE POPULACIONAL DE GENES DO SISTEMA IMUNE: GENES HLA-E, -F, -DMA E –
DMB - IDENTIFICAÇÃO DOS GENÓTIPOS PARA CARACTERIZAÇÃO DO POLIMORFISMO EM
POPULAÇÕES
INVESTIGAÇÃO DE ASSOCIAÇÃO ENTRE BUTIRILCOLINESTERASE E DIABETES MELLITUS DO
TIPO 1
Aluno de Iniciação Científca: Eleonora Paulini (Fundação Araucária)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 2005016354
Orientador: Maria Luiza Petzl-Erler
Colaborador: Lívia Cardoso Bueno de Camargo (AT-NS/CNPq)
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: HLA, polimorfsmos genéticos, genética de populações.
Área de Conhecimento: 2.02.05.00-7
Aluno de Iniciação Científca: Gleyse Freire Bono (PIBIC - CNPq)
Nº de Registro do Projeto de Pesquisa no BANPESQ/THALES: 1993003297
Orientador: Ricardo Lehtonen Rodrigues de Souza Co-Orientador: Lupe Furtado Alle
Colaborador: Alejandro Boechat Fernandes; Thais Emi Setoguchi; Marcella Moraes Kojarski
Departamento: Genética Setor: Ciências Biológicas
Palavras-chave: atividade da BChE, variante -116A, loco CHE2.
Área de Conhecimento: 2.02.05.00-7     
0323
0324
LIVRO DE RESUMOS - 18.
O
EVINCI E 3.
O
EINTI / OUTUBRO / 2010
186
Peixes são comumente utilizados como bioindicadores para avaliar efeitos de contaminações por metais pesados por apresentarem
bioacumulação. O cobre é um metal que em pequenas quantidades representa um elemento essencial à atividade de diversas enzimas
biológicas, mas quando em grandes quantidades pode ser considerado tóxico. Quando está na forma de sulfato de cobre é utilizado em
pisciculturas como algicida. Muito pouco se sabe a respeito da genotoxicidade do sulfato de cobre em peixes, desta forma, é necessário
buscar estudar e avaliar a saúde das espécies de peixes que nela vivem. Rhamdia quelen (Jundiá) foi utilizada como bioindicador e através
da utilização de três concentrações de sulfato de cobre como contaminantes, foram utilizados biomarcadores genéticos para avaliação da
ação deste xenobionte. Os exemplares de Jundiá foram inicialmente aclimatados em tanques e depois foram distribuídos em número de 2
exemplares por aquário. Foram utilizados 24 aquários de 18 litros, totalizando 48 jundiás, dos quais 13 foram utilizados como controle, 14
foram expostos a concentração de 30mg/kg do peso corporal do peixe de sulfato de cobre via trófica, 11 foram expostos a concentração de
50mg/kg e 10 foram expostos a concentração de 500mg/kg. A alimentação foi realizada a cada 3 dias com uma mistura de ração e gelatina
incolor. Os peixes passaram por um treinamento prévio de 15 dias recebendo alimentação em pinça (condicionamento) e após este período
foram alimentados com o preparado (ração + gelatina + sulfato de cobre), por 60 dias (20 ciclos de contaminação). Após 60 dias os peixes
foram eutanasiados com o auxílio de Benzocaína, e posteriormente foi coletado o sangue da veia caudal para a preparação das lâminas
do teste do Micronúcleo Písceo e as brânquias para a realização do Ensaio Cometa. O teste do Micronúcleo Písceo não apontou atividade
genotóxica do sulfato de cobre (p>0,05), enquanto o Ensaio Cometa mostrou que houve efeito genotóxico nas brânquias para todas as
concentrações utilizadas (p<0,05). O teste estatístico de Kruskal-Wallis demonstrou diferença significativa entre os espécimes controle e os
contaminados para o Ensaio Cometa, mostrando uma sensibilidade maior desse biomarcador em relação ao teste do Micronúcleo Písceo.
Pode ser verificado que o sulfato de cobre se mostra genotóxico para o tecido branquial nas concentrações de 30mg/kg, 50mg/kg e 500mg/
kg do peso corporal do peixe.
As Leucemias são doenças malignas dos glóbulos brancos (leucócitos) de origem, na maioria das vezes não conhecida. O desenvolvimento
de câncer depende de uma série de fatores, como intensidade de exposição à carcinógenos e a suscetibilidade genética do indivíduo.
A biotransformação dividida em duas etapas: fase I - oxidação e biossíntese e fase II - degradação ou detoxificação. Polimorfismos do
biometabolismo influenciam diretamente a resposta individual a carcinógenos. Este trabalho teve como objetivo realizar um estudo de
associação tipo caso-controle, procurando verificar a associação de polimorfismos nos genes do biometabolismo GSTM1, GSTT1 e CYP2D6
com o desenvolvimento das leucemias mielóide crônica e mielóide aguda. A amostra estudada foi composta por 61 pacientes com LMA e
67 pacientes com LMC e seus respectivos controles, pareados por sexo, etnia e faixa etária (±5 anos). Foram utilizadas amostras de medula
óssea de pacientes e sangue periférico de controles e o DNA foi extraído pelo método de salting-out. Os polimorfismos foram analisados
através de técnicas de PCR e PCR-RFLP. Para a LMA a média de idade dos pacientes foi de 40,05 ± 13,10 e dos controles de 39,59 ±
12,41, sendo que não houve diferença estatisticamente significativa entre estas (t=0,20; P>0,80). Foi encontrada uma associação positiva
entre o gene GSTT1 e a suscetibilidade à LMA: GSTT1 - OR = 18,79 (IC 95% = 6,93-50,98), na distribuição da freqüência genotípica (_
2
1
= 42,40; P<0,001) e também no estudo dos genótipos de risco em conjuntos para os genes de fase II, GSTM1 e GSTT1 (OR = 2,6 – IC 95%
= 1,20-5,62). Para os outros genes analisados não foram observadas diferenças estatisticamente significativas: GSTM1 – OR = 0,88 (IC
95% = 0,43-1,79) e CYP2D6 – OR = 0,58 (IC 95% = 0,25-1,35). Para a LMC a média de idades dos pacientes foi de 48,21 ± 11,94 e dos
controles de 44,60 ± 9,79, sendo que não houve diferença estatisticamente significativa entre estas (t=0,03; P>0,90). Foi encontrada uma
associação positiva entre o gene GSTT1 e a suscetibilidade à LMC: GSTT1 - OR = 4,34 – IC 95% = 1,90-9,95, e também na distribuição da
freqüência genotípica (_
2
1
= 13,06; P<0,001). Para os outros genes analisados não foram observadas diferenças estatisticamente significativ