Você está na página 1de 45

Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Centro Universitário do Norte do Espírito Santo - CEUNES

Gravimetria

• Disciplina: Química Analítica
Profa. Dra. Ana Paula Oliveira Costa
1

Métodos Gravimétricos
São métodos analíticos quantitativos que se baseiam na determinação da massa de um composto puro ao qual o analito está quimicamente relacionado.

Histórico Durante os séculos XVIII e XIX as técnicas gravimétricas foram responsáveis pela confiabilidade das análises químicas feitas em minérios e materiais industriais.
Ainda no século XX Theodore William Richard (1868 - 1928) .

Demonstrou a existência dos isótopos e pela determinação precisa do peso atômico de vários elementos.
2

Prêmio Nobel de Química (1914)

Determinação Direta

4

Determinação Indireta 5 .

Determinação Indireta 6 .

7 .

Resumindo 8 .

Tipos de Métodos Gravimétricos 9 .

Gravimetria por Precipitação  Vantagens e desvantagens  Etapas do método  Precipitados Mecanismo de formação Tipos Contaminação Envelhecimento  Cálculos  Aplicações 10 .

4. A exatidão dos resultados é limitada.  Instrumentação simples. barata e fácil de manter. Longo tempo de execução e várias etapas. Desvantagens  Vantagens        Sujeito a erros acumulativos. A faixa de aplicação é o limite de sensibilidade da balança. 11 . Necessidade de reagentes precipitantes determinados. Análise Gravimétrica por Precipitação O analito é convertido a um precipitado pouco solúvel. após a adição de um agente precipitante à solução. Pouca praticidade. É um método absoluto. Facilidade de execução e boa reprodutibilidade.

Requisitos para reações de precipitação Agente precipitante • • Especificidade Seletividade Precipitado • • • • • • • • Facilmente filtrado e lavado Baixa solubilidade Alta pureza Partículas grandes Composição química definida Não deve ser higroscópico Não deve ser volátil Deve ser estável 12 Forma de pesagem .

Preparo da amostra Formação do precipitado Etapas Gravimetria por precipitação Digestão Filtração Lavagem Tratamento térmico Pesagem 13 .

Agentes Inorgânicos 14 .

Ti(IV). Útil para Al(III) e Mg(II) (Mn++nHR=MRn+nH+) 15 . U(IV) (Mn++nNH4R=MRn+nNH4+) óxido metálico pesado Alfa-benzoinoxima (cupron) Hidroxilamina nitrosofenilamonium (cupferron) 8-hidroxiquinolina (oxina) Vários metais. Zr(IV).Agentes Orgânicos Reagente Dimetilglioxima Estrutura Metais precipitados Ni(II) em NH3 ou tampão acetato Pd(II) em HCl (M2++2HR=MR2+2H+) Cu(II) em NH3 e tartarato Mo(VI) e W(VI) em H+ (M2++H2R=MR+2H+. Sn(IV). WO22+) óxido metálico pesado Fe(III). MoO2+. M2+ = Cu2+. V(V).

Formação de precipitados Nucleação Crescimento dos cristais Homogênea Heterogênea Tipos de precipitados Precipitados graudamente cristalinos Precipitados finamente cristalinos Precipitados gelatinosos Precipitados grumosos 16 .

KClO4 BaSO4 AgClO Al(OH)3 17 .

a nucleação ocorre mais rapidamente que o crescimento das partículas. Tipos de nucleação • Nucleação homogênea – em que ocorre a formação de núcleos pela orientação adequadas das partículas.18 • Quando uma solução contém mais soluto que o que deveria estar presente dizemos dizemos que ela está supersaturada. • Nucleação heterogênea – com agregação ocorrendo em torno de diminutas partículas de impurezas. . • Em uma solução muito supersaturada.

19 .

 Realizar a precipitação de forma que o precipitado seja altamente solúvel.  Adição lenta do reagente precipitante e sob forte agitação. Usar soluções diluídas do reagente.  Realizar a precipitação a temperatura elevada. 20 .

Q é a concentração do soluto S é a solubilidade no equilíbrio 21 .

22 .

23 .

24 .

Preparo da amostra Formação do precipitado Digestão Filtração Lavagem Tratamento térmico Pesagem 25 .

26 .

27 .

28 .

29 .

Precipitado permanece em contato com a solução-mãe e uma 2ª substância insolúvel se forma no precipitado existente.Contaminação do precipitado Contaminação mecânica Pós-precipitação Coprecipitação O precipitado pode reter impurezas da solução-mãe. Adsorção superficial Inclusão / oclusão Lavagem do ppt 30 .

31 .

Coprecipitação a) Coprecipitação por adsorção superficial b) Coprecipitação por oclusão 32 .3.

33 . • Exemplo: na precipitação de AgCl. • O íon contaminante adsorvido na superfície do colóide e o seu contra-íon de carga oposta na solução adjacente à partícula são arrastados na forma de um contaminante superficial. mas também ocorre em sólidos cristalinos. é coprecipitado com o AgCl. o AgNO3 é um composto solúvel.Coprecipitação Adsorção Superficial • É mais comum em precipitados coloidais devido à maior área superficial.

Inclusão • Um íon contaminante substitui um íon da rede cristalina do precipitado.52 .06 Raio (ºA) 1. • Ocorre tanto para colóides quanto em cristais. • É mais provável quando o íon da impureza tem tamanho e carga semelhante ao de um dos íons do produto. • O crescimento lento do cristal reduz este tipo de coprecipitação. Isomórfica CACACACACACACACACACACACA ACACACACACACACACACACACAC CACACACA M CACACACACACACA ACACACACACACACACA M CACAC CACACACACACACACACACACACA ACA M CACACACACACACACACAC CACACACACACACACACACACACA Não-isomórfica CACACAC CACACACACACACACA ACACACACACACACACACACACAC CACACACACACACACACACACACA x ACAC CACACACACACA CACAC CACACACACACACACACACACACA ACA CACACACACACACACACAC CACACACACACACACACACACACA 34 x x x Íon Ra2+ Ba2+ 1.43 Ca2+ 1.

* É minimizada por digestão. 35 .

36 .

Preparo da amostra Formação do precipitado Digestão Filtração Lavagem Tratamento térmico Pesagem 37 .

Filtração por sucção Filtração por ação da gravidade 38 . Para temperaturas elevadas.Para temperaturas baixas.

.Filtração de precipitados Procedimento de preparação do papel de filtro para a coleta de um precipitado em análise gravimétrica.

Preparo da amostra Formação do precipitado Digestão Filtração Lavagem Tratamento térmico Pesagem 40 .

Preparo da amostra Formação do precipitado Digestão Filtração Lavagem Tratamento térmico Pesagem 41 .

42 .

K+ Pb NO3-. Ti. S2-. Cr e muitos outros metais tetravalentes Fe.Nem sempre. CN-. I-. C2O42-. SCN-. Substância analisada Fe Al Ca Precipitado formado Fe(OH)3 Fe cupferrato Al(OH)3 Al(ox)3a CaC2O4 MgNH4PO4 ZnNH4PO4 MgNH4PO4 BaCrO4 BaSO4 AgCl AgCl Ni(dmg)2b Precipitado pesado Fe2O3 Fe2O3 Al2O3 Al(ox)3 CaCO3 ou CaO Mg2P2O7 Zn2P2O7 Mg2P2O7 BaCrO4 BaSO4 AgCl AgCl Ni(dmg)2 Interferências Al.Ti. PO43-.Cr e muitas outras idem. Mg não interfere em soluções ácidas todos os metais exceto alcalinos e Mg todos os metais exceto alcalinos todos os metais exceto Mg MoO42-. o constituinte é pesado na forma que foi precipitado. ClO3Br-. S2O32Hg (I) Pd 43 Mg Zn PO43Ba SO42ClAg Ni .

44 .

Fg = Massa atômica do S Massa molar do BaSO4 = 32.Fator gravimétrico (Fg) Exemplo: calcular o fator gravimétrico do enxofre no sulfato de bário.13736 Fg é o número de gramas do constituinte contido em uma grama da forma de pesagem.06 233. 45 .40 = 0.