Você está na página 1de 6

NBR 6022 Informação e documentação – Artigo em

publicação periódica científica impressa – Apresentação.


Maio 2003

4 Artigo

O artigo pode ser:


a) original (relatos de experiência de pesquisa, estudo
de caso, ets.);
b) de revisão (parte de uma publicação que resume,
analisa e discute informações já publicadas).

5 Estrutura

A estrutura de um artigo é constituída de elementos pré-


textuais, textuais e pós-textuais.

5.1 Elementos pré-textuais


Os elementos pré-textuais são constituídos de:
a) título, e subtítulo (se houver);
b) nome(s) do(s) autor(es);
c) resumo na língua do texto;
d) palavras-chave na língua do texto.

5.2 Elementos textuais


Os elementos textuais constituem-se de:
a) introdução;
b) desenvolvimento;
c) conclusão.
5.3 Elementos pós-textuais
Os elementos pós-textuais são constituídos de:
a) título, e subtítulo (se houver) em língua estrangeira;
b) resumo em língua estrangeira;
c) palavras-chave em língua estrangeira;
d) nota(s) explicativa(s);
e) referências;
f) glossário;
g) apêndice(s);
h) anexo(s).

6 Regras gerais de apresentação

6.1 Elementos pré-textuais

6.1.1 Título e subtítulo


O título e subtítulo (se houver) devem figurar na página de
abertura do artigo, diferenciados tipograficamente ou
separados por dois pontos (:) na língua do texto.

6.1.2 Autor(es)
Nome(s) do(s) autor(es), acompanhado(s) de breve currículo
que o(s) qualifique na área de conhecimento do artigo. O
currículo, bem como os endereços postal e eletrônico, devem
aparecer em rodapé indicado por asterisco na página de
abertura ou, opcionalmente, no final dos elementos pós
textuais, onde também devem ser colocados os
agradecimentos do(s) autor(es) e a data de entrega dos
originais à redação do periódico.
6.1.3 Resumo na língua do texto
Elemento obrigatório, constituído de uma seqüência de
frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração
de tópicos, não ultrapassando 250 palavras, seguido, logo
abaixo, das palavras representativas do conteúdo do trabalho,
isto é, palavras-chave e/ou descritores.

6.2 Elementos textuais

6.2.1 Introdução
Parte inicial do artigo, onde devem constar a delimitação do
assunto tratado, os objetivos da pesquisa e outros elementos
necessários para situar o tema do artigo.

6.2.2 Desenvolvimento
Parte principal do artigo, que contém a exposição ordenada e
pormenorizada do assunto tratado. Divide-se em seções e
subseções, que variam em função da abordagem do tema e
do método.

6.2.3 Conclusão
Parte final do artigo, na qual se apresentam conclusões
correspondentes aos objetivos ou hipóteses.

6.3 Elementos pós-textuais

6.3.1 Título, e subtítulo em língua estrangeira


O título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira,
diferenciados tipograficamente ou separados por dois pontos
(:), precedem o resumo em língua estrangeira.
6.3.2 Resumo em língua estrangeira
Elemento obrigatório, versão do resumo na língua do texto,
para idioma de divulgação internacional, com as mesmas
características.

Características Básicas

Um bom artigo caracteriza-se por sua qualidade,


atualidade e cientificidade, considerando-se (SECAF, 2000;
AZEVEDO, 2001):

Clareza. No resumo, o leitor já deve ter uma noção


clara do que trata o artigo, que deve primar pela objetividade
do seu conteúdo.

Concisão. O assunto abordado deve ser descrito,


explicado e argumentado com poucas palavras, frases curtas
e parágrafos breves.

Criatividade. O texto deve ser escrito de forma


criativa, tendo como principal meta atrair os leitores visados,
e o autor pode utilizar inclusive figuras e títulos
interrogativos, que chamem a atenção. E, ainda, dizer coisas
que já se sabe, numa nova perspectiva.

Correção. Logo após a redação, o texto deve passar por


uma avaliação gramatical, com pontuação adequada, e ser
regido conforme as regras da redação científica.
Encadeamento. Tanto os parágrafos como as partes
devem apresentar um encadeamento lógico e hierárquico das
idéias, guardando inclusive uma simetria na sua estrutura e
dimensão.

Consistência. O pesquisador deve optar por um tempo


verbal e manter a coerência ao longo do texto.

Contundência. A redação deve ser direta e objetiva em


relação ao assunto, evitando a redundância ou o
circunlóquio. As afirmações são importantes e são
responsáveis pelo impacto do texto.

Precisão. As informações apresentadas no texto devem


ser verdadeiras e os conceitos, universalmente aceitos.

Originalidade. O conteúdo abordado precisa ser tratado


de forma original, sem o uso de frases feitas e lugares-
comuns. É conveniente evitar modismos lingüísticos e o
emprego de palavras rebuscadas, que pareçam demonstrar
erudição.

Extensão. O tamanho do artigo vai depender do numero


de paginas estabelecido pela revista ou de folhas, pelo
professor em sala de aula.

Especificidade. É necessário que o texto especifique e


apresente os objetivos pretendidos com o estudo,
esclarecendo do que trata, desde o seu título.
Correção política. A redação deve observar o uso de
termos politicamente corretos, evitando o emprego de
expressões de conotação racista, etnocentrista e de cunho
sexista.

Fidelidade. O texto deve ser escrito dentro dos


parâmetros éticos, com absoluto respeito ao objeto
pesquisado, às fontes estudadas e aos leitores.

Para uma boa redação, alguns lembretes são necessários,


dentre eles (AZEVEDO, 2001):

não apelar para generalizações (ex.: sabe-se, grande parte);

não repetir palavras, especialmente verbos e substantivos (use


sinônimos);

não empregar modismos lingüísticos (ex.: em nível de, no


contexto, a ponto de);

não apresentar redundâncias (ex.: as pesquisas são a razão do


pesquisador);

não utilizar muitas citações diretas. Dê preferência às indiretas,


interpretando as idéias dos autores pesquisados;

não empregar notas de rodapé desnecessárias que possam


interferir no texto, sobrecarregando-o;

não usar gírias, abreviaturas, siglas, nomes comerciais e


fórmulas químicas, exceto se extremamente necessário.