Você está na página 1de 18

História 24

"Brasil - Coração do Mundo, Pátria do Evangelho"

De Humberto de Campos Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Cap- I

Na idade medieval, período que vai de 476 a 1453 confundiram-se as lições do Evangelho,
ensangüentando-se todas as bandeiras do mundo Cristão. Nessa época , o Senhor Jesus, fez uma
de suas visitas periódicas à Terra. Transpôs o Cordeiro de Deus as imensas distâncias, clarificando
os caminhos cheios de trevas, de lama da impenitência e do orgulho das criaturas humanas e
repletos dos espinhos da ingratidão e do egoísmo.

"-Helil- disse a voz suave e meiga do Mestre a um de seus mensageiros,


encarregado dos problemas sociológicos da Terra.

Meu coração se enche de profunda amargura, vendo a incompreensão dos


homens, no que se refere as lições do meu Evangelho.

Por toda a parte é a luta fratricida, como polvo de infinitos tentáculos, a destruir
todas as esperanças. Infelizmente, não vejo senão o caminho do sofrimento para
modificar tão desoladora situação.

Helil- visitemos os continentes onde espíritos jovens e simples, aguardam a


semente de uma vida nova. "índios Nestas Terras para além dos oceanos,
poderemos instalar o pensamento Cristão dentro das doutrinas do amor e da
liberdade"

E a caravana fulgurante, deixando um rastro de luz, encaminhou-se ao


Continente Americano.

Na América do Norte o Senhor abençoou aquelas matas virgens e misteriosas, enquanto as aves
lhe homenageavam a inefável presença, com seus cantares maviosos e as flores se inclinavam nas
árvores, aromatizando-lhe as sendas...

O perfume do mar, do ar , tão fragrante e serenos. O mar abundava de ostras,


caranguejos lagostas e bacalhau. Nas matas, viviam perus gordos e de peso
incrível.

Codornizes, gansos, faisões esquilos e alces. Frutas ,nozes e bagas silvestres,


cresciam por toda a parte. "Nunca o céu e a Terra se combinaram em parte
alguma, numa harmonia mais perfeita, para proporcionar ao homem um lugar
para a sua habitação"---Johm Smth.--Fundador da Colônia de Virginia 1607.

Cheio de esperança, emociona-se o coração do Mestre.

"Helil- pergunta ele - onde fica nestas terras novas, o recanto planetário do
qual se enxerga, ao infinito o símbolo. da redenção humana eu é o Cruzeiro do
Sul".

1
"Esse lugar de doces encantos, Mestre, de onde se vêem, no mundo, as
homenagens dos céus aos vossos martírios na Terra, fica mais para o Sul".

E, quando no meio da paisagem, contemplaram as almas santificadas dos


orbes felizes, na presença do Cordeiro,as maravilhas daquelas terras novas, que
seriam mais tarde o Brasil, desenhou-se no firmamento, formado de estrelas
rutilantes, no jardim das constelações de Deus, o mais imponente de todos os
símbolos, O Cruzeiro do Sul.

Para esta Terra maravilhosa e bem-dita, será transplantada a arvore do meu


Evangelho de piedade e de amor. No seu solo dadivoso e fértil todos os povos da terra, aprenderão a
lei da fraternidade Universal.

Tu Helil, te corporificaras na Terra, no seio do povo mais pobre e trabalhador do Ocidente.

Instituirás um roteiro de coragem para que sejam transpostas as imensidades desses oceanos
perigosos e solitários que separam o velho do novo mundo. Instalaremos aqui, uma tenda de
trabalho, para a nação mais humilde da Europa.

Aproveitemos o elemento simples de bondade e coração fraternal ( Índios) Mais tarde ordenarei a
reencarnação de muitos espíritos já purificados no sentimento da humildade e da mansidão, entre as
raças oprimidas e sofredoras das regiões Africanas, para formar-mos o pedestal de solidariedade do
povo fraterno que aqui florescerá no futuro. Daí a alguns anos, o seu mensageiro se estabeleceria na
Terra em 1394, como filho de D. João I e de D. Felipa de Lancastre, e foi o heróico Infânte de Sagres,
que operou a renovação das energias portuguesas, para além dos mares.

O elemento indígena, juntamente com as almas bem- aventuradas pela renuncia


se corporificaram nas costas da África junto a outros espíritos em provas (degredados)
formaram a falange abnegada que veio escrever na Terra de Santa Cruz com seus
sofrimentos um dos mais belos poemas em favor da humanidade.

E hoje o Brasil com seu contorno em forma de um coração, abriga e confraterniza a


todos os povos da Terra. 8 milhões e meio de km2 e 8000 km de costa.

Cap. II - "A pátria do Evangelho"

D. Henrrique de Sagres, desencarnou em 1460.Estava realizado o seu grande


destino. O heróico navegador, realizara no mundo inteiro, um sentimento de amor ao
desconhecido.

Nota- O infante, deixava transparecer, a certeza da existência das Terras Maravilhosas, cuja
beleza haviam contemplado os seus olhos espirituais no passado longínquo. A prova é que os mapas
mencionavam uma região fronteira à África. Para os navegadores portugueses, portanto a existência
da grande ilha Austral, já não era assunto ignorado.

Novamente no além, o antigo mensageiro do Mestre não descansou, chamando a colaborar com
ele, numerosas falanges devotadas a causa do Evangelho. Elevava-se ao poder D. João II, cujo
reinado se caracterizou pela previdência e pela energia realizadora.

O Príncipe Perfeito, como foi chamado, torna-se instrumento dócil do mensageiro abnegado.

A mesma sede de além mar, lhe devora o pensamento.

Expedições diversas se organizam. Mas o espírito em todos os planos e circunstâncias da vida,


tem de sustentar as mais árduas lutas pela sua purificação suprema.

2
Entidades atrasadas, se unem contra as realizações do príncipe ilustre surgindo
complicações entre a sua direção justiceira e a nobreza da época. D. João II morre
envenenado em Alvor no ano de 1495.

Todavia os planos da Escola de Sagres estavam consolidados.

D. Manuel o Venturoso

Com a ascensão de D. Manoel I ao poder, continuou a laboriosa preparação.

Em 1498, Vasco da Gama, descobre o caminho marítimo das Índias Todos os navegadores, saem
de Lisboa com instruções secretas quanto a Terra desconhecida, que se localizava defronte a África.

No dia 7 de março de 1500, foi preparada a grande expedição de Cabral ao novo roteiro das
Índias. No oceano largo, o capitão- mor considera a possibilidade de levar a sua bandeira à Terra
desconhecida do hemisfério do Sul.

Henrique de Sagres aproveita esta maravilhosa possibilidade de todos os ascendentes


mediúnicos.

Então as noites de Cabral, são povoadas de sonhos sobrenaturais e insensivelmente, as caravelas


inquietas cedem ao impulso de uma orientação imperceptíve.

l Os caminhos das Índias são abandonados, mas a assistência do mensageiro espiritual invisível ( H
de Sagres) que de fato era ali o divino expedicionário, derrama um clamor de esperança em todos os
ânimos.

As primeiras mensagens da Terra próxima revelam-se nas ondas, qual colcha caprichosa flores e
folhas.

Avistam-se os píncaros do Cruzeiro e em breves horas, Cabral e sua gente se reconfortam na


praia extensa e acolhedora.

Os naturais os recebem como a irmãos muito amados.

Reza a carta de Caminha (crônica ) que Diogo Dias, dançou com eles nas areia de Porto Seguro,
celebrando o primeiro banquete de fraternidade na Terra de Vera Cruz No céu celebra-se o
acontecimento com grande júbilo.

Assembléias Espirituais, sob as vistas amorosas do Senhor, abençoam as praias extensas e


claras e as florestas serradas e bravias. Henrrique Sagres, mensageiro do Mestre, rejubila-se com as
bênçãos recebidas, mas confia ao Senhor os seus receios. --"Mestre"--diz ele--graças ao vosso
coração misericordioso, a Terra do Evangelho, florescera para o Mundo inteiro.

Dai-nos a vossa benção para que possamos velar pela sua tranqüilidade, no seio da pirataria de
todos os séculos.

Temo Senhor que as nações ambiciosas, matem as nossa esperanças, destruindo os seus
tesouros. Jesus, porem confiante na proteção de Deus diz:--Helil, afasta essas preocupações e
receios inúteis.

A região do Cruzeiro, estará antes de tudo, ligada eternamente ao meu coração.

3
As questões políticas terão nela atividades secundárias, porque acima de todas as coisas, e em
seu solo santificado, estará o sinal da fraternidade universal.

As potências imperialistas esbarrarão sempre nas suas claridades Divinas.

Antes de estar ao dos homens, é ao meu coração que ela se encontra ligada para
sempre. E foi assim que o minúsculo Portugal, através de três longos séculos, embora
preocupado com as fabulosas riquezas das Índias, pode conservar contra flamengos e
ingleses, franceses espanhóis a unidade territorial de uma pátria com 8 milhões e meio
de quilômetros quadrados e com 8 mil quilômetros de costa marítima.

Nunca houve exemplo como esse em toda estória do mundo. As possessões


espanholas se fragmentaram, formando cerca de vinte republicas diversas.

Os Estados Unidos da América do Norte, devem sua posição territorial ás


anexações e a lutas de conquistas. A Luisiana, o Novo México o Alasca a Califórnia, o
Oregon, o Texas ... Surgiram depois da emancipação das colônias Inglesas.

Só o Brasil, conseguiu manter-se uno e indivisível na América. Entre os embates políticos de todos
os tempos. È que a mão do Senhor se alça sobre a sua longa extenção. O coração geográfico do
orbe, não se podia fracionar.

Cap-III "Os Degredados"

Todos os espíritos edificados nas lições sublimes do Senhor se reuniram, logo após o
descobrimento da Terra nova, celebrando o acontecimento nos espaços infinitos. Uma alegria do
paraíso, reinava em todas as almas.

A figura do Cordeiro se fez presente e dirigindo-se a um dos seus elevados mensageiros, disse
com doçura:--Ismael manda o meu coração que doravante, sejas o zelador dos patrimônios imortais
que constituem a Terra do Cruzeiro.

Recebe-a nos teus braços de trabalhador devotado da minha seara como a recebi no meu
coração, obedecendo a sagrada inspiração de Nosso Pai...

Reúne as falanges do infinito,que cooperam nos ideais sacrossantos de minha doutrina, e inicia
desde já a construção da pátria do meu ensinamento.Para ai transplantei a arvore de minha
misericórdia e espero que a cultives com a tua abnegação e com o teu sublimado heroísmo. Ela será
a doce paisagem dilatada do Tiberiades.

E o lema imortal: Deus, Cristo e Caridade, fica escrito em todos os corações. Nessa hora a frota
de Cabral foge das águas verdes da baia de Porto Seguro.

Entretanto na praia, choram os dois degredados dos vinte parias sociais que o rei D. Manuel I
destinara ao exílio Os silvícolas amáveis e fraternos lhes abrem os braços.

Afonso Ribeiro, um dos condenados,avança numa piroga, sem que os olhos da história lhe
anotassem o gesto de profunda desesperação e exclama do intimo do seu coração "Jesus, tende
piedade de minha infinita amargura.

Sou inocente Senhor e padeço a tirania da injustiça dos homens, mas sentiu uma esperança nova
encontrando nos índios uma família nova.

Ismael havia realizado o seu primeiro feito, trazendo um náufrago para a base da sociedade
fraterna do porvir.

4
Primeiramente, surgiram os Índios, que eram os simples de coração, em seguida,
os sedentos de justiça Divina. Mais tarde viriam os Escravos como a Expressão dos
Humildes e dos Aflitos para a formação da alma coletiva de um povo.

Bem Aventurado por sua mansidão e fraternidade. Naqueles dias longínquos de


1500, já se ouviam no Brasil os ecos carinhosos do Sermão da Montanha.

Cap IV "Os Missionários"

Governava Portugal D. Manoel I que tinha o seu espírito voltado para os tesouros das Índias, que
faziam de Lisboa uma das mais poderosas cidades marítimas da Europa.

Mas o Nordeste da Terra de V. Cruz já centralizava as atenções dos comerciantes franceses, que
ai se abasteciam de vastas provisões de paus brasil. A situação, perdurava com a indiferença do
monarca distraído.

No reino comentava-se a questão da nova colônia abandonada aos exploradores franceses e


espanhóis.

Por aqui só aportavam aventureiros e degredados.

Por essa ocasião Ismael reuniu-se em assembléia dizendo:- Temos que buscar no seio da Igreja
as roupagens exteriores de nossa ação regeneradora. Temos que aproveitar as possibilidades que o
seu campo nos oferece para encetar essa obra de edificação da Pátria do Cordeiro de Deus
Pregaremos em Portugal,a Verdade e o desprendimento das riquezas e trabalharemos no Brasil, nas
florestas imensas arrebanhando almas para Jesus.

Muitos espíritos se ofereceram como voluntários da grande causa. José de Anchieta, Bartolomeu
dos Mártires, Manoel da Nóbrega, Diogo Jácome,Leonardo Nunes e outros.

Em 1531 alguns dos convocados daquela augusta assembléia, chegavam ao Brasil com Martim
Afonso de Sousa e mais trezentos homens para tomar parte na fundação de S. Vicente e na de
Piratininga.

Nobrega aportava mais tarde com Tomé de Sousa na Bahia.

Anchieta veio depois com Duarte da Costa em 1553 e se transformou no Apóstolo do Brasil.

A edificadora humildade de um Fabiano de Cristo, aliada a um sentimento de renuncia total de si


mesmo.

Esses homens de fato abenegados, eram o "Sal da Terra" Os humildes missionários da Cruz,
ouviram a voz de Ismael, no âmago de suas almas, abandonaram todos os bens materiais, para
seguir os rastos luminosos do Senhor dos Mundos.

Cap.V - "Os Escravos"

Ismael triste confidenciou a Jesus...

-"Senhor- sinto dificuldades em fazer que prevaleçam os vossos desígnios nos territórios onde
pairam as vossas bênçãos que santificastes. A Civilização, que ali se inicia acaba de ser contaminada
por lamentáveis acontecimentos.

5
Os donatários dos imensos latifúndios, fizeram-se a vela, escravizando os negros
indefesos da Luanda, da Guiné e da Angola.

Infelizmente, os pobres cativos, chegam a pátria do vosso Evangelho, como se


fossem animais bravios e selvagens,sem coração e sem consciência".

Jesus, cingindo-o ao seu coração, explicou brandamente.

"Ismael, acalma o teu mundo íntimo no cumprimento dos sagrados deveres que te
foram confiados. Bem sabes que os homens têm a sua responsabilidade pessoal nos
feitos que realizam em suas existências isoladas e coletivas.Se não podemos tolher-lhes ai a
liberdade, também não podemos esquecer que existe o instituto imortal da justiça divina, onde cada
qual receberá de conformidade com os seus atos.

Havia eu determinado que a Terra do Cruzeiro se povoasse de raças humildes do planeta,


buscando-se a colaboração dos povos sofredores das regiões africanas, todavia aproximei Portugal
daquelas raças sem violência de qualquer natureza.

A colaboração, deveria verificar-se sem abalos perniciosos, no capitulo de minhas amorosas


determinações. O homem branco da Europa está prejudicado por uma educação espiritual
condenável e deficiente. Desejando entregar-se ao prazer fictício dos sentidos, procura eximir-se aos
trabalhos pesados da agricultura, alegando o pretexto de climas impiedosos.

Eles terão a liberdade de humilhar os seus irmãos, em face da grande Lei Do Arbítrio embora
limitado.

Entretanto os que praticarem o nefando comercio, sofrerão igualmente o mesmo martírio, nos dias
do futuro, quando forem também vendidos e flagelados em identidade de circunstancias. Os homens
ainda não aprenderam que a evolução se processa pela pratica do bem, e que eu ensinei "Amai o
Próximo Como a si mesmo".

Voluntariamente, ignoram que o mal gera outros males, com um largo cortejo de sofrimentos.

Infelizmente Portugal, que representa um agrupamento de espíritos trabalhadores, remanescentes


dos antigos fenícios, não sobe receber as facilidades que a misericórdia do Supremo Senhor do
Universo lhe outorgou. Até meus ouvidos tem chegado as súplicas dolorosas das raças flageladas.

Na velha Península, já não existe o povo mais nobre e laborioso da Europa. O luxo das conquistas
lhes amoleceu as fibras criadoras. Entretanto é o tempo o grande Mestre de todos os homens e de
todos os Povos, esse não nos é possível cercear o livre arbítrio das almas, poderemos mudar o curso
dos acontecimentos, a fim de que o povo lusitano aprenda, na dor e na miséria as lições sagradas da
experiência e da vida.

E assim os donatários cruéis sofreram os mais tristes reveses no solo do Brasil. Os tesouros das
Índias, levaram o povo português a decadência e a miséria.

A casa de Avis, sob Cujo reinado se iniciou o trafico hediondo, desapareceu para sempre, depois
de sucessivos desastres.

Após a derrota de D. Sebastião o trono Português caiu nas mãos do Cardeal D. Henrrique e, em
1580 Portugal, exânime, entrega-se ao domínio da Espanha, acentuando-se a sua decadência com
Felipe II ( Rei da Espanha) o mais fanático e cruel de todos os principies da Europa no século XVI...

Jesus, alterou os acontecimentos com seu poder magnânimo e Misericordioso.

O Senhor lhes sustentou o coração oprimido, iluminando o calvário de seus padecimentos Através
das linhas tortuosas dos homens, realizou Jesus os seus grandes e benditos objetivos, porque os

6
negros das Costas Africanas, foram uma das pedras angulares do movimento
Evangélico do Coraão do Mundo.

Sobre seus ombros flagelados, carrearam-se quase todos os elementos materiais


para a organização física do Brasil e do manancial de humildade dos seus corações
resignados e tristes, nasceram as lições comovedoras, imunizando todos os espíritos,
contra os excessos do imperialismo.

E do orgulho injustificáveis das outras nações do Planeta, dotando-se a alma


brasileira dos mais belos sentimentos de fraternidade, de ternura e de perdão.

A civilização Brasileira

Nas praias largas e fartas de S. Cruz, floresciam cidades, como Salvador, São Vicente, com o
auxilio dos Caramurus e dos Ramalhos.

Por toda a parte, os Índios buscavam refugio fugindo as torturas e escravidão, infligidas pelos
homens brancos. Houve a invasão dos franceses e os Tamoios receberam-nos fraternalmente.

Mem de Sá repele os franceses do Rio de Janeiro, mas eles voltaram e com o auxilio dos Tamoios
na grande confederação indígena. (Confederação dos Tamoios).

Morre Estacio de Sá empenhado com os franceses e Tamoios em gueras. Nas esferas superiores,
choram Ismael e seus abnegados.

A cidade fica sob a proteção de S Sebastião, o grande filho de Narbone, martirizado pela sua fé
Cristã no tempo de Diocleciano em 288 da nossa éra. Muitas vezes voltou Estacio de Sá a reencarnar
na pária do Evangelho.

Progrediu em ciências e virtudes e veio a ser a de grande benemérito do Rio de Janeiro, como
Osvaldo Cruz.

Ismael estabelece uma diretriz para a organização econômica da Terra do Cruzeiro. Junto da
Guanabara, sede do pensamento brasileiro. Os núcleos orientadores de Piratininga com as
audaciosas bandeiras.

Em S. Paulo e Minas se assentaram, os elementos indispensáveis à organização da Pátria


esplendida Ambos os estados serão ainda.e por muito tempo as conchas da balança, política e
econômica da nacionalidade. Os dois grandes Estados, compreenderão a imperiosa necessidade de
se unirem para sempre, cumprindo os imperativos de sua grande Missão.

A esse tempo a Terra do Evangelho chama-se Brasil devido aos negócios e trafico de pau Brasil.

Ismael implora a Jesus trabalhadores para a sua seara. Volta a falar no sofrimento dos negros e
dos índios.

Na sua abnegação na Pátria do Evangelho. Têm eles os negros sido estadistas, médicos, artistas,
poetas e escritores eminentes.

Invasão Holandesa

7
Diz Ismael, busquemos na Europa, um príncipe liberal, trabalhador e justo, que
não esteja subordinado à política romana...

Sua personalidade de administrador virá para a parte mais flagelada do Brasil,


afim de que seus exemplos possam servir aos demais.. Em 1624, aporta na Bahia E
Pernambuco o holandês Mauricio de Nassau. Benefícios e frutos, produziu a sua
administração. Seu amor a liberdade, granjeia o respeito de índios, escravos e
brasileiros. Voltou para a Europa por imposição de espíritos avarentos.

Restauração de Portugal

Sob o domínio Espanhol, Portugal achava-se em profunda decadência... foi então que Henrique de
Sagres (antigo Helil) rogou a Jesus pelo minúsculo Portugal.

Sob a misericórdia do Cordeiro, H. de Sagres organizou as sua s falanges e, em 1640, Portugal


era restaurado, subindo ao trono D. João IV.

Sob orientação do invisível, estabelece tratados, colocando o Brasil a salvo de lutas com o poderio
da Inglatera.

As Bandeiras

Almas heróicas nasceram nos campos de Piratininga.

Penetrando o coração da Terra do Cruzeiro. Desvendando fontes de riquezas e desabrochar


núcleos de povoações.

Muitos conheceram a penúria e o sofrimento. Entre eles Antônio Rodrigues Arzão, Marcos de
Azevedo, Bartolomeu Bueno e Fernão Dias Pais.

Procurando as riquezas ilusórias do ouro, edificaram as cidades novas, fomentaram a pecuária e a


agricultura.

Os Movimentos Nativistas

Nativismo:- Sentimento de amor a Terra Nata.

Causas Principais:- Lutas contra os invasores, as Bandeiras e as Riquezas do Brasil.

Já se irmanavam nessa época brasileiros, portugueses, índios e negros. Remonta a esse


sentimento de amor a Pátria O descaso que Portugal nessa época fazia da colônia.

O ouro e os diamantes do Brasil iam acender no trono português, as estrelas efêmeras do fastio e
da gloria...

Ainda espalhou-se pela Europa, os fabulosos tesouros de nossa Terra. Prova da união do
nativismo foi com

O Português João Fernandes Vieira

O Índio Felipe Camarão

O Negro Henrique Dias.

8
No tempo dos vice reis

O Rio de Janeiro, nessa época eclipsava todas as cidades do Brasil, mas não
primava pela higiene.

Haviam grandes valas, dentro das quais, os pobres escravos, depositavam, todas
as tardes,o conteúdo mal cheiroso dos potes carregados à cabeça.

Pombal e os Jesuítas

Após D. João V, sobe ao trono de Portugal D. José I que escolhe para Ministro o Conde de Oeiras
e, mais tarde, Marques de Pombal.

Este não tolerava os jesuítas, por se entremeterem em assuntos de negócios e política, com a
pretensão de imunizar o mundo inteiro das correntes do pensamento da Reforma.

No Brasil os Missionários humildes da celebre Companhia de Jesus, estavam longe das disputas
em que se empenhavam seus irmãos no outro lado do Atlântico, mas sofreram as perseguições do
famoso Ministro.

Os jesuítas foram banidos e ficou retardada a educação das classes desfavorecidas. Lamentamos
disse Ismael,mas prosseguiremos o nosso trabalho, dentro de novas modalidades.

Inconfidência Mineira

Por morte de D. José, ascendeu ao trono D.Maria I a Piedosa. Escravizada ao fanatismo do tempo
e as opiniões de seus dos seus confessores. O Brasil sofria o máximo de vexames, no que se referia
ao problema de sua liberdade A capitania de Minas Gerais que se criara e desenvolvera, sob a
carinhosa, atenção dos Paulistas, era então o maior centro de riquezas da Colônia com suas minas
inesgotáveis de ouro e diamantes. Vila Rica nos cumes enevoados e frios das montanhas, reuniam
uma plêiade.

De poetas e escritores, que sentiam mais de perto as humilhações infligidas pela Metrópole
Portuguesa..O povo da mais rica capitania era esmagado pelos impostos de toda natureza. Em Minas
a elite Brasileira,considera a gravidade da situação. Entre eles. Inácio de Alvarenga Joaquim José da
Silva Xavier, Cláudio Manoel da Costa,Tomás Gonzaga e outros.

Minas estava só, porque outras capitanias estavam refazendo suas economias os intelectuais
mineiras não descansaram espalhavam prosélitos das idéias de liberdade. Mas os delatores cuja
frente se encontrava o português Silverio dos Reis levaram todo o plano ao Visconde de Barbacena,
governador de Minas.

Este agiu efetuando a prisão de Tiradentes. D. Maria I Condenou penas de degredo nas regiões
Africanas Com exceção de Tiradentes, que teria de morrer na forca, conservando-se o cadáver
insepulto e esquartejado.

As falanges de Ismael lhe cercam a alma fiel e forte Tiradentes, resgatou débitos do passado
como inquisidor, redimindo-se com as lágrimas do seu sacrifício em favor da Pátria do Evangelho. . .

Revolução Francesa e Vinda de D João VI ao Brasil

9
Em virtude da perturbação mental da D. Maria I, D.João VI, Assume a direção do
trono de Portugal.

Em 1789, instalara a revolução Francesa, modificando a estrutura de todos os


governos da Europa.

Guilhotinado Luiz XVI, instala-se a Republica Francesa. A França caíra na mãos


do ditador inteligente, que de simples oficial de artilharia, Bonaparte chegara ao cargo
supremo do país fazendo-se proclamar Imperador. Enviados de Jesus, dão a sua
palavra magnânima aos trabalhadores do bem.

A justiça de Deus, conhece todos os traidores da humanidade, que passam pelo mundo,
glorificados pela história. Napoleão prosseguia, deixando em toda parte um rastro de lágrimas e
sangue.

Portugal alia-se a Inglaterra, resistindo as ordens supremas do Conquistador.

A Inglaterra, sugere à casa de Bragança, a retirada para o Brasil. A frota real, velejou Tejo, e mal
havia desaparecido no Atlântico, já os soldados de Junot se apoderaram de Lisboa, com ordem de
riscar Portugal da carta geográfica da Europa.Contudo Jesus velava pelos vencidos e humilhados. D.
João chega ao Brasil em Janeiro de 1808. A casa de Bragança ia dilatar até aqui os limites de seu
reino.

D.João VI no Brasil

Enquanto as falanges de Henrrique Sagres, se reuniam em Portugal, revigorando as forças


lusitanas, o exército de Ismael, voltava-se para o Brasil, a fim de inspirar o primeiro soberano do velho
mundo, que pisava em terras Americanas.

Tiradentes era um desses espíritos invisíveis, como gênio inspirador.

A 22 de Janeiro aporta na Bahia a frota real. O povo Baiano, recebe o soberano e sua comitiva
com grande amizade.

Consegue D. João, a abertura de todos os portos da colônia, ao comercio universal.

A maravilha dos céus americanos, deslumbrava os olhos de D. João.

Aportou no Rio de Janeiro, num ambiente de alegria geral. Apenas Dona Carlota Joaquina, com a
sua educação deficiente não se conforma com a situação. Encheu-se o Rio de obras notáveis, Escola
de Medicina, Real Teatro S. João, Banco do Brasil, Escola de Belas Artes. Criou-se a Academia de
Marinha, Conselho Militar, Biblioteca Real etc. Desenhou-se o jardim botânico, Iniciou-se com a
Imprensa Régia, a vida do jornalismo na Terra de S. Cruz. D. João prestou ao Brasil inestimáveis
seviços.

Em 1815, a colônia passou a Reino Unido. As preocupações de D. João se dividiam entre a mãe
demente, a esposa desleal e incompreensível e o filho perdulário e estroina ( D. Pedro I ).

Morre em Portugal D. Maria I e no ano seguinte, casou-se D. Pedro, com a Arquiduquesa


Leopoldina da Áustria. Alma sensível e delicada, essa princesa foi trazida ao Brasil de acordo com as
determinações da espiritualidade, para colaborar, nos elevados projetos de Ismael.

Portugal reclama a volta de D. João VI.e D. João torna conhecida a sua resolução de regressar a.
Lisboa. O generoso soberano, foi obrigado a deixar o Brasil, concedendo a D. Pedro I a regência da
Pátria do Evangelho.No momento das despedidas profere ele a famosa recomendação.

10
-" Pedro, se o Brasil se separar de Portugal, antes seja para ti a coroa, já que me
respeitaras do que para algum desses aventureiros".

No Limiar da Independência

Os portugueses influentes, considerando o perigo da independência brasileira, A


mais preciosa gema que se engastara à coroa da Casa de Bragança, estava prestes
a desprender-se para sempre. Um período agitado na época entre pólos antagônicos
do absolutismo e da democracia.

Os 130 deputados portugueses com sua vontade despótica aos 72 deputados brasileiros que
assistiam com heroísmo ao desenvolvimento dos projetos de hostilidade à direção do príncipe
regente do Brasil. Declarava um desses parlamentares que D. Pedro, deveria abandonar o Brasil e
voltar para Portugal.

A caravana de Ismael se desvela pelo cultivo das idéias liberais no coração da Pátria. E diz:

_ O problema da liberdade é sempre uma questão delicada. Cumpre considerar que toda elevação
requer a plena consciência do dever à cumprir. Precisamos difundir a educação individual e coletiva
dentro das nossas possibilidades formando os espíritos antes das obras. No problema em questão,
temos que aproveitar um príncipe do mundo, para levar a efeito a separação de duas Pátrias, com o
mínimo de lutas. Cercaremos esse príncipe das claridades fraternas da nossa assistência espiritual.
Povoemos as suas noites de sonhos de amor à liberdade e noções de solidariedade humana.
Individualmente, não representa ele o tipo ideal, realização de nossos projetos. Não tem para nós, um
cérebro receptivo, que facilite o nosso trabalho, mas encarna o espirito de autoridade e temos que
mobilizar todos os elementos ao nosso alcance,para evitar uma guerra civil. Trabalhemos mais um
pouco junto ao seu coração. Em breves dias poderemos concentrar as forças dispersas, para a
proclamação da Independência.

As agitações, porem se avolumavam e de Lisboa veio para o Rio de Janeiro, ordens terminantes
de repatriar o Príncipe D. Pedro.

Independência

O movimento da emancipação percorria todos os rincões da Pátria, mas eram no Rio de Janeiro,
cérebro do país, que fervilhavam as idéias libertárias. O príncipe, considerando as tradições e laços
de família, hesitava em optar pela decisão suprema de se separar em caráter definitivo da Metrópole.

Reúnem-se os cariocas e com uma folha de oito mil assinantes foi levada ao príncipe regente pelo
senado pedindo-lhe que ficasse. O príncipe ponderou as palavras do Pai no instante da despedida e
após alguns momentos de angustiosa expectativa,, informou que ficaria no Brasil contra todas as
determinações das cortes de Lisboa. Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao
povo que fico. As tropas Portuguesas, quiseram reagir, mas Ismael acode e sem um só tiro com
humildade foi obedecida a decisão do Príncipe D. Pedro. Pensou-se daí por diante, na organização
política do Brasil.

Os homens eminentes da época a cuja frente, colocamos a figura de José Bonifácio, que foi feito
Ministro do Reino e dos Negócios Estrangeiros inspirando com êxito o Príncipe Regente.

José Bonifácio, aconselha.D. Pedro a uma viagem a Minas afim de unificação. Outra vez uma
viagem a São Paulo. As falanges invisíveis se reúnem em no Colégio de Piratininga. " A
independência do Brasil diz Ismael, já se encontra praticamente proclamada. " O nosso irmão
martirizado há algum tempo, pela grande causa, acompanhara D.Pedro em seu regresso ao Rio e,

11
ainda em terra generosa de São Paulo, auxiliara o seu coração, no grito supremo de
Independência (Tiradentes ).

Uniremos assim mais uma vez as duas grandes oficinas do progresso da Pátria,
para que sejam registradoras do inesquecível acontecimento.

Nos fatos da história o grito da emancipação partiu das montanhas e deverá


encontrar aqui em São Paulo o seu eco Realizador. Tiradentes acompanhou o
Príncipe de volta ao Rio. Um correio leva ao conhecimento de D. Pedro, as novas
imposições das Cortes de Lisboa, e alí mesmo, nas margens do Ipiranga, ele deixou
escapar o grito de" Independência ou Morte." Sem suspeitar que era dócil instrumento de um
emissario invisível, que velava pela grandeza doa Pátria.

D. Pedro II

Definitivamente proclamada a independência, Ismael leva ao Divino Mestre o resultado de todas


as conquistas verificadas. Jesus chamando Longínus, falou com bondade. " Longínus'' entre as
nações do orbe terrestre, organizei o Brasil como o coração do mundo. Consegui evitar que a
pilhagem das nações ricas e poderosas, fragmentasse o seu vasto território, cuja configuração
geográfica representa o órgão.

Do sentimento no Planeta. "Sente-se o teu coração com a necessária fortaleza para cumprir uma
grande missão no Brasil? " Senhor - respondeu Longinus - muitas existências de dor tenho
experimentado, para gravar no intimo a compreensão do vosso amor infinito, que não pude entender
ao pé da cruz dos vossos martírios no calvário, em razão dos espinhos da vaidade e da impenitência
que sufocavam naquele tempo a minha alma. Recebo Senhor esta incumbência com indizível alegria
Pois bem diz Jesus Serás Imperador do Brasil até que ele atinja perfeita maioridade. Esforço de mais
de meio século. Inspirarei as tuas atividades, mas considera sempre a responsabilidade em tuas
mãos.Ampara os fracos e desvalidos corrige leis despóticas. Lembra-te da prudência.e fraternidade,
junto ao povo e nacionalidades vizinhas. Nas lutas internacionais, guarda a tua espada na bainha e
espera o pronunciamento da minha justiça.

Procura aliviar o padecimento daqueles que sofrem no cativeiro, cuja abolição se verificará nos
últimos tempos do teu reinado. Não esperes a gratidão dos teus contemporâneos Amparar-te-ei o
coração e nos dias de amargura final, minha luz descerá sobre os teus cabelos brancos, santificando
a tua morte.

A posteridade, porem saberá descobrir as marcas dos teus passos na Terra. No dia 2 de
Dezembro de 1825, nascia de D. Leopoldina, e D. Pedro, aquele que seria no Brasil, o grande
Imperador.

Fim do Primeiro Reinado

Um dos traços do povo brasileiro é o seu profundo amor à liberdade. Desde os primeiros
movimentos nativistas, a mentalidade geral do Brasil obedeceu a esse nobre imperativo. A atitude de
D. Pedro I ordenando a dissolução da constituinte em 1823 tivera funda repercussão no espírito geral.
O Imperador apesar das suas paixões tumultuarias e de suas fraquezas como homem, possuía
psicologia política inaugurando a era constitucional do Brasil. Mas era extremista e dissolvia
assembléias. Ao exilar os Andradas, cravará um abismo entre ele e a opinião pública. Então as lutas
isoladas se multiplicavam.

O mundo invisível,atua de maneira sensível entre os gabinetes, políticos. A realidade é que Ismael
velava sempre. O Imperador Pedro I meditava que por ser português nato, havia aquele agravo do

12
povo. D.Pedro pensou e os mensageiros auxiliaram-no e as duas horas da
madrugada, abdicava na pessoa de seu filho d. Pedro de Alcântara, que contava
cinco anos e ficara sob a esclarecida tutela de José Bonifácio.

O Espiritismo Allan Kardec

O século XIX, que surgira com as últimas agitações provocadas no mundo pela
revolução Francesa, estava destinado a presenciar extraordinários acontecimentos. A
promessa do consolador, derramando as claridades sobre toda a carne estava se processando.
Terminada a triste atividade bélica de Bonaparte e já o espaço se movimentava, no sentido de
renovar os surtos de progresso das coletividades. Foi assim que Allan Kardec a 3 de Outubro de
1804, via a luz da atmosfera na cidade de Lião.

Segundo os planos do invisível o grande missionário, no seu maravilhoso esforço de síntese,


contaria com a cooperação de uma plêiade de auxiliares de sua obra para auxiliá-lo, nas
individualidades de João Batista Roustaing, que organizaria o trabalho da Fé. De Leon Denis, que
efetuaria o desdobramento filosófico. De Gabriel Delanne, que apresentaria a estrada científica e de
Camile Flmarion, que abriria a cortina dos mundos, desenhando as maravilhas das
paisagens celestes., cooperando assim na codificação Kardeciana, no Velho Mundo.
Ia resplandecer a suave luz do Espiritismo O infinito se prepara para a jornada
gloriosa.. As abnegadas coortes de Ismael, trazem as suas inspirações para o pais do
Cruzeiro.As primeiras experiências espiritistas no Brasil, começaram pelo problema
das curas.

Em 1818, já o Brasil, possuía um grande circulo homeopático sob a direção do


mundo invisível nessa época, reúnem-se Ismael com seus colaboradores.. Diz ele:-
Irmãos, este século é assinalado pelo advento do Consolador Numerosos
missionários estão voltando na Terra. Uma verdadeira renascença das filosofias, da
arte e das ciências se verificará Concentremos nossos esforços na Terra do
Evangelho, para que possamos plantar no coração de seus filhos as sementes
benditas, que frutificaram no solo abençoado do Cruzeiro.

Encaminhando-se para um dos dedicados e fieis discípulos, falou -lhe assim...

Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

-"Descerás às lutas terrestres com o objetivo de concentrar as nossas energias no Brasil.

Arregimentarás todas os elementos dispersos, com dedicação de teu espírito, afim de que
possamos criar o nosso núcleo de atividades espirituais, dentro dos elevados propósitos de reforma e
regeneração.

Sê a luta vai ser grande, considera que não será a compensação do Senhor, que é o caminho a
verdade e a vida. Havia um divino silêncio e uma voz, terna, exclamou. " Gloria a Deus nas alturas e
paz na Terra aos trabalhadores de boa vontade. Luminosidade e aromas, inundaram a atmosfera.

Daí a algum tempo no dia 29 de Agosto de 1831 no Riacho do Sangue no Ceara, nascia Adolfo B.
DE Menezes, o grande discípulo de Ismael que vinha cumprir no Brasil, elevada missão.

A Obra de Ismael

13
Grande movimento preparatório do Espiritismo no mundo, tinha no Brasil a sua repercussão
natural. por volta de 1840, chegaram dois médicos humanitários Bento Mure e Vicente Martins, que
fariam da medicina homeopática, verdadeiro apostolado.

Fenômenos de Haidesville e a Corte no Segegundo Reinado

Estudos no Rio de Janeiro (D. Pedro II estudava a filosofia espírita).

Ainda Estudavam, o Marques de Olinda Visconde de Uberaba e outros. Em Salvador, haviam


núcleos que também estudavam. A doutrina marcha vitoriosa na América do Norte e Europa, quando
o Codificador, volta a espiritualidade.

Surgindo os espiritistas, fundou-se um grupo central das atividades e que ficasse como órgão
orientador de todos os movimentos da doutrina no Brasil. Fundou-se com estatutos e demais
formalidades exigidas "O GRUPO CONFÙCIO" que seria a base da obra doutrinária.

Por esse grupo passaram na época, todos os simpatizantes da doutrina. Nem todos os espíritas
modernos, conhecem o fecundo labor daqueles humildes trabalhadores dos terrenos infiltreis.

Lutaram contra a opinião hostil do tempo, contra insultos e o ridículo. Ainda contra a onda das
trevas do mundo invisível que se opunham ao trabalho da doutrina.

Considerando que o homem em si, pela sua vaidade e fraqueza, também é vulnerável em sua
personalidade e os seres das trevas se aproveitam. Os mensageiros triunfando dessas discórdias,
fundaram novo núcleo, mas as entidades tenebrosas sempre encontram médios pontos para a
dolorosa tarefa de fomentar a discórdia e a desarmonia.

"CHAMEM AGORA BEZERRA DE MENEZES AO SEU APOSTOLADO".

BEZERRA traz com sigo a palma da harmonia, serenando todos os conflitos. Estabelece a
prudência e a discrição.

A obra de Ismael, às luzes sublimes do Consolador, estava definitivamente instalada na Pátria do


Cruzeiro, apesar da precariedade do concurso dos homens.

As divergências foram atenuadas. Foi então organizada A FEDERAÇÂO ESPÌRITA BRASILEIRA,


SEDE DIRETORA NO BRASIL.

A Regência e o Segundo Reinado

Sob a inspiração do alto, organizou-se uma regência que se incumbiu de manter a ordem das
instituições. Não fossem os mananciais do pensamento e da economia, fixados por Ismael nas
regiões do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas que asseguraram a estabilidade nacional, talvez não
pudesse o Brasil resistir ao elemento embrutecido.

A regência é entregue a um dos homens mais enérgicos e prudentes da época. O eclesiástico


DIOGO ANTONIO FEIJÓ A nação caminhou para o Parlamentarismo e FEIJÓ renunciou, sentindo ser
um regime de excessiva liberdade. Os liberais solicitaram a declaração da maioridade do Imperador
que, na época contava quinze anos de idade. Era conhecida por todos no jovem D. Pedro II elevada
madureza de raciocínio e caracter.

14
No ano de 184, foi coroado o jovem Imperador. Sua primeira preocupação, foi
pacificar o ambiente de sedições e rebeldia. Prestigiando CAXIAS, consegue levantar
a bandeira da paz na províncias de S.Paulo Minas e depois no Rio Grande do Sul.
Houve um largo período de Paz, quando o Imperador organizaria as bases do
pensamento Republicano sobre as idéias ou ideais de fraternidade e liberdade a
caminho das grandes realizações do porvir...

Guerra do Paraguai

Pedro II, a medida que ia ampliando o patrimônio das suas experiências em contato com a vida,
amadurecia cada vez mais as belas qualidades do seu coração e da sua inteligência Pelas suas
obras, que beneficiava tantos pobres e se educavam inúmeros estudiosos sem recursos, vivia
aureolado pela veneração das multidões. Dado a arte e a filosofia, sua notoriedade alcançou os
ambientes da cultura Européia Em 1850, iniciava-se por etapas a suspensão do trafico negro, por
diversas leis.

Antes porém, em 1843 D. PEDRO II, desposou D. Tereza Cristina Maria, princesa das duas
Sicilias..Esta princesa viria partilhar com ele, no sagrado instituto da família a mesma
abnegação e amor pelo bem do Brasil. Vieram da espiritualidade, espíritos elevados,
que seriam colaboradores do Imperador. Entre tantos Barão do Rio Branco e Mauá,
Castro Alves e Pedro Américo.

No meio dessas observações, o poder moderador da Coroa, não conseguiu


eliminar certo fundo de vaidade, que se foi estratificando na alma nacional. Dentro
dessas idéias perigosas da vaidade coletiva sentiu-se o Brasil, erradamente, com o
direito de interferir nos negócios dos Estados vizinhos, em beneficio de nossos
interesses.

O Brasil interferiu nas questões da Argentina e Uruguai contra a influencia de


Rosas e Oribe. Irrefletidamente o Imperador prestigiou Urquiza, outro que governava
Entre -Rios e comisso a política brasileira foi olhada desconfiadamente.

D. Pedro se retira para orar e nessa noite, sonha com o Mestre do calvário, que
lhe diz -" Pedro, guarda a tua espada na bainha, pois quem com ferro fere com ferro será ferido".

Atua indecisão e incerteza, lançaram a Pátria do Evangelho numa sinistra aventura.

Não descanses, porque o céu está cheio de nuvens, e deves fortificar o coração para as
tempestades que virão. Auxiliarei a tua ação, porem sejam guardadas como lição essas ações0,
como inesquecíveis roteiro de experiências O Paraguai se sentiu ameaçado na sua segurança e
declarou guerra ao Brasil que durou 5 anos. Solano Lopes, não receou arrastar o seu povo àquela
terrível aventura.

Aliando-se aos seus amigos da Argentina e do Uruguai, o Brasil afirmou com a vitória a sua
soberania, sem exigir um vintem dos proventos de sua vitória. E uma tradição de respeito, consolidou-
se na administração da Terra do Cruzeiro. E nunca mais o Brasil, praticou uma intervenção indevida...

O Movimento Abolicionista

Terminado s os movimentos bélicos os espíritos cultos se levantaram para amparar o movimento


abolicionista. Eram inspirados políticos, escritores, poetas e artistas. Castro Alves, Luiz Gama, Barão
do Rio Branco e Patrocínio. A própria Princesa Isabel, cujas tradições de nobreza e bondade, jamais

15
serão esquecidas no coração do Brasil. Todos os ânimos se inflamavam ao contato das grandes
idéias de liberdade.

D. Pedro se reconforta com essas idéias. Desejava mesmo antecipar-se, decretando a liberdade
dos escravos, mas os terríveis exemplos da guerra civil nos Est. Unidos na campanha abolicionista,
faziam-no recear as lutas das multidões apaixonadas e delinqüentes. Foi com agrado que
acompanhou a deliberação de sua filha que sancionou, a Lei do Ventre Livre a idéia Republicana se
consolidava.

O generoso Imperador, é afastado do trono, sob a influência dos mentores invisíveis, ficando na
Regência Isabel a Princesa. Os abolicionistas, lhes vê chegar a possibilidade maravilhosa e a 13 de
Maio de 1888, é apresentada à Regente a proposta de lei para a imediata, extinção do cativeiro.

Lei que a P. Isabel, cercada de entidades angélicas e misericordiosas, sanciona sem hesitar com a
nobre serenidade de seu coração de mulher. Nesse dia, toda uma onda de claridades descia dos
céus, sobre as vastidões do norte e do sul na P+ do Evangelho Junto ao coração magnânimo de
Isabel a Princesa, permanece Ismael.

E, foi por isso que Patrocino no arrebatamento do seu júbilo se arrastou de joelhos até os pés da
Princesa piedosa e Cristã. O marco divino da liberdade dos cativos, erguia-se na estrada da
civilização Brasileira.

A República

A republica era a fórmula de governo, compatível com a evolução do Pais. No


invisível, reúne o Senhor e seus propostos e falou como no admirável sermão da
Montanha.

"Irmãos a Pátria do Evangelho atinge agora a sua maioridade coletiva. Profundas


Transições assinalaram a sua existência social e política Acompanhemos
indiretamente. O Brasil, onde as sementes do Evangelho, foram jorradas a mancheis,
a fim seu povo, generoso, e fraternal possa inscrever mais tarde a sua gloriosa
missão espiritual nas mais belas paginas da civilização.

A Proclamação da Republica Brasileira, como índice da maioridade coletiva da nação, há de fazer-


se sem derramamento de sangue. Doravante o Brasil político será entregue à sua responsabilidade
própria. Bem - Aventurados todos os trabalhadores da seara divina. Todas as cidades do País, se
entregaram a propaganda aberta das idéias republicanas a 15 de Novembro, com a bandeira do novo
regime nas mãos Deodoro da Fonseca proclama no Rio de Janeiro a REPÙBLICA DOS ESTODOS
UNIDOS DO BRASIL. O grande Imperador recebe a noticia com amarga surpresa. (Deodoro) que era
intimo do seu coração e da sua casa, voltava-se agora contra a sua mão generosa.

Mas a verdade é que todos os republicanos eram amigos íntimos de D.Pedro, quem não lhe devia,
no Brasil, o patrimônio de cultura e liberdade. O nobre Monarca repeliu todas as sugestões que lhe
eram oferecidas. Confortado pelas luzes do alto, não permitiu que se derramasse uma só gota de
sangue.

Preparou rapidamente, sua retirada com a família imperial para a Europa e com lágrimas nos
olhos, rejeita as elevadas somas de dinheiro que o Tesouro Nacional lhe oferece, para aceitar
somente um travesseiro de Terrado Brasil afim de que o amor da Pátria lhe santificasse a morte no
exílio de saudades e pranto.

"Em suma estou satisfeito, disse em Portugal. É a minha carta de alforria. Agora posso ir onde
quiser".

16
A Federação Espírita Brasileira

Após a proclamação da República, Ismael, prepara o ambiente, para que todos ouvissem a
palavra póstuma de Allan Kardec que através do médium Frederico Júnior, forneceu as suas
instruções aos espiritistas da capital Brasileira, exortando-os a Caridade, ao estudo e a Unificação.
Bezerra de Menezes que já trabalhava nos labores doutrinários, recebe a palavra do alto com grande
júbilo, e nas suas meditações e preces considerou a necessidade de reunir a família espírita. E assim
assumia Bezerra a sua posição de Diretor de todos os trabalhos de Ismael no Brasil.

Assim desencarnou, tendo consolidado sua obra e sua missão para ser livremente cultivada no
século XX Essa Obra prossegue sempre. Todas as agremiações espiritistas do País se lhe reúnem
pelas mais sacrossantas afinidades sentimentais na obra comum. Seus ascendentes têm ligações no
plano invisível com as mais OBSCURAS TENDAS DE CARIDADE ONDE INTIDADES HUMILDES
DE ANTIGOS AFRICANOS INDIOS E CABOCLOS PROCURAM FAZER O BEM AOS SEUS
SEMELHANTES.

Apesar das Sombras, alimentarem muitas vezes o personalismo e a vaidade dos homens, mesmo
daqueles que se encontram reunidos nas tarefas mais sagradas.

O Espiritismo No Brasil e Pátria do Evangelho

Consolidada as bases, o Espiritismo derramou os seus frutos.


Revivendo no Brasil as curas maravilhosas dos tempos dos Apóstolos.
Enquanto que na Europa, a idéia espiritualista, era somente objeto de
observação e pesquisa ou de grandes discussões estéreis no terreno da
filosofia, o espiritismo no Brasil penetra com todas as suas características
do Cristianismo Redivivo.

Todas as possibilidades são aproveitadas por Ismael para o bem comum


Todos os grupos, tem as águas fluidificadas, a terapêutica do magnetismo
espiritual, os elementos da meopátia, a cura das obsessões, os auxílios
gratuitos no serviço de assistência aos necessitados no mais alto espírito
Evangélico, dando de graça aquilo que se recebeu como esmola do céu.
Não é raro vermos caboclos que engrolam a gramática nas suas
confortadoras doutrinações, mas que conhecem o segredo místico de
consolar as almas, aliviando os aflitos e infelizes. Ou então médiuns da
mais obscura condição social e de humildes profissões a se constituírem
instrumento admiráveis nas mãos dos mensageiros de Jesus.

Na Europa e nos Est. Unidos a Revelação, foi recebida, sem aclima-la. As próprias sessões
mediúnicas são ali remuneradas, como se esses fenômenos se processassem tão somente pelas
disposições estipuladas, num contrato de representações.

Enquanto que no Brasil, todos os crentes sinceros, repelem esse comercio amoedado, nas suas
sagradas relações com o plano invisível. A principal questão do espiritualismo é proclamar a
necessidade da renovação interior, educando-se o pensamento do homem no Evangelho, para que o
Lar, possa refletir os seus sublimes preceitos. Tem a Doutrina as características liberais, o
pensamento livre para o estudo, para o exame, e nem é possível dispensar, totalmente a discussão,
no labor de aclaramento geral.

A liberdade não exclui a fraternidade, e a fraternidade sincera é o primeiro passo para a


Edificação.

17
No Brasil, a obra tem uma função relevante no organismo social da Pátria, vivificando a seara da
Educação Espiritual Nosso objetivo, trazendo apontamentos da história, foi tão somente mostrar a
excelência da missão espiritual no Planeta, demostrando simultaneamente, que cada nação, como
cada indivíduo, tem sua tarefa a desempenhar no concerto dos povos. Todos têm seus ascendentes
no mundo maior. O Brasil, com o seu patrimônio imenso, não poderá insular-se do resto do mundo. O
maior problema é o da Educação nacional, para que os filhos de outras Terras, não se sintam
dispostos a reviver no Brasil, as taras de suas antigas organizações. Nenhum país do mundo, pode
viver independente da comunidade internacional Toda a grandeza de um povo, repousa na
regularidade dos fenômenos da troca No Brasil a chamada.contribuição estrangeira é indispensável.

A política sofrerá no curso dos séculos as alternativas do direito e da força, até que o Planeta
possa atingir relativa perfeição social, com a cultura generalizada. A ciência, a filosofia como as
escolas sectárias, viverá entre duvidas e vacilações, assentando os seus feitos na areia instável das
convenções humanas. Só o legitimo ideal cristão reconhecendo que o reino de Deus, ainda não é
deste mundo, poderá com a sua esperança e o seu exemplo, espiritualizar o ser humano na
construção do futuro. Conhecedores dessa grande verdade, supliquemos a Jesus se digne derramar
do orvalho de seu amor sobre a terra.. Fim

18