SECRETARIA DE DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR DE PERNAMBUCO

DGPM – .......... Batalhão de Polícia Militar
Ao: Exmº Sr Cel PM – Comandante Geral Do: ............................................................................................

OBJETO:

Solicitação

de Transferência Especial

para a Reserva Remunerada.

...............................................................................,
grad. Matricula, RG nº ..................... PMPE, CPF nº ....................., lotado na............Cia/....BPM, vem a V.Exª requerer a

TRANSFERENCIA

ESPECIAL PARA A RESERVA REMUNERADA, nos moldes do art. 88,
inciso I, da Lei nº 6.783/74, art.40, § 4º, inciso II, da CF/88, c/c o art. 171 § 4º da Constituição do Estado de Pernambuco e precedentes do Supremo Tribunal Federal, pelas razões de fato e de direito adiante aduzidos e ao final requer.

DOS FATOS
Conforme comprova no presente instrumento, o requerente ingressou no serviço ativo da Polícia Militar de Pernambuco em ____/_____/_____ , certidão, em anexo, constando ______ anos, _______, meses e ______dias, de efetivo serviço. A pretensão do requerente é a reserva remunerada à pedido, na condição especial conferido no direito constitucional descrito no art. 40, § 4º, inciso II, atrelado na Lei Complementar nº requisitos e critérios diferenciados submetidos à atividade de risco. 51/85, e no Mandado de dos servidores Injunção nº 4842, do Supremo Tribunal Federal, que prevêem a criação de para a aposentadoria

No caso do policial militar, o direito deriva do exercício da atividade de risco inerente à função, qual seja, em relação a responsabilidade pelo policiamento ostensivo preventivo, pela manutenção da ordem pública, e em relação ao bombeiro militar, a prevenção e combate a incêndios, busca e salvamento e a defesa civil. Portanto, deve ser enquadrado segundo os critérios diferenciados mais benéficos aos descritos àqueles servidores em atividades de risco, no caso, inciso II, do § 4º do art.40, da CF/88, c/c o art. 171 § 4º da Constituição do Estado de Pernambuco. A aposentadoria especial é a possibilidade dos servidores públicos, diante de determinadas atividades com qualificação diferenciada, obterem aposentadoria antecipada e com requisitos mais leves que seus pares nas demais atividades. Apesar de previsão constitucional descrita no art. 40, § 4º, inciso II, da CF/88, e no art. 171, da Constituição do Estado de Pernambuco, no

tocante a aposentadoria especial para servidores que exercem atividades de risco, bem descritos nos dois diplomas. O Estado como um todo tem se furtado de regulamentação a matéria, e pela sua inércia vê-se a necessidade interveniente do Poder Judiciário, e uma das grandes inovações trazidas pela Carta Política de 1988, foi o instituto do mandado de injunção, inserido no rol das garantias constitucionais fundamentais (art. 5º, LXXI). Esta ação constitucional destina-se a suprir, concretamente, pela via do Poder Judiciário a falta de norma regulamentadora que esteja inviabilizando o exercício de direitos constitucionais coletivos ou individuais, de natureza pública ou privada. Nesse diapasão não pairam dúvidas que este instrumento constitucional veio para suprir as omissões legislativas decorrentes da inércia dos legisladores, face à inexistência de uma regra reguladora da norma constitucional de eficácia limitada, como na espécie. Sobre o tema, tem assim decidido o STF:
MANDADO DE INJUNÇÃO – NATUREZA. Conforme disposto no inciso LXXI do artigo 5º da Constituição Federal, conceder-se-á mandado de injunção quando necessário ao exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania. Há ação mandamental e

não simplesmente declaratória de omissão. A carga de declaração não é objeto da impetração, mas premissa da ordem a ser formalizada. MANDADO DE INJUNÇÃO – DECISÃO – BALIZAS. Tratandose de processo subjetivo, a decisão possui eficácia considerada a relação jurídica nele revelada. APOSENTADORIA – TRABALHO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS – PREJUÍZO À SAÚDE DO SERVIDOR – INEXISTENCIA aposentadoria DE LEI COMPLEMENTAR do servidor, – ART. 40, a § 4º, DA via CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Inexistente a disciplina especifica da especial impõe-se adoção, pronunciamento judicial, daquela própria aos trabalhadores em geral – artigo 57, § 1º, da Lei nº 8.213/91 (MI nº 721/DF – MI nº 758/DF – Relator Min. Marco Aurélio). EMENTA: MANDADO DE INJUNÇÃO. APOSENTADORIA ESPECIAL DO SERVIDOR PÚBLICO. ARTIGO 40, § 4º, DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. AUSÊNCIA DE LEI COMPLEMENTAR A DISCIPLINAR A MATÉRIA. NECESSIDADE DE INTEGRAÇÃO LEGISLATIVA. 1. Servidor público. Investigador da polícia civil do Estado de São Paulo. Alegado exercício de atividade sob condições de periculosidade e insalubridade. 2. Reconhecida a omissão legislativa em razão da ausência de lei complementar a definir as condições para o implemento da aposentadoria especial. 3. Mandado de Injunção conhecido e concedido para comunicar a mora à autoridade competente e determinar a aplicação, no que couber, do art.57 da Lei nº 8.213/91. (MI 795, Relator (a): Min. Carmem Lúcia, Tribunal Pleno, julgado em 15/04/2009, DJe-094 Divulgado 01070). 21-05-2009, Publicado 22-05-2009 EMENT VOL-02361-01 PP-00078 RTJ VOL-00210-03 PP-

DO PEDIDO
Pelo exposto, requer a V. Exª a transferência para a reserva remunerada, nos moldes do art.88, inciso I, da Lei nº 6.783/74, respaldado no art. 40, §4º, inciso II da Constituição Federal de 1988, combinado com o art. 171, § 4º, da Constituição do Estado de Pernambuco, e nos precedentes do Supremo Tribunal Federal, MI nº 832, MI nº 834, MI nº 840, bem como, na Lei Complementar nº 51/85, uma vez que, o requerente tem mais de 25 anos de efetivo serviço, conforme Certidão acostada ao pleito. Tudo por uma questão de direito e da mais cristalina JUSTIÇA. Nestes Termos

Pede deferimento. Local, data,

_______________________________
Requerente

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful