Você está na página 1de 47

Guia de Laboratório de Física

Mecânica

Silvio Cesar Garcia Granja e Colaboradores

4 de março de 2009
Sumário

I Conceitos e Fundamentos 6

1 O Relatório 7
1.1 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.3 Características Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.4 Elaboração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4.1 Observações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

2 Precisão e Exatidão de Medidas I 10


2.1 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.3 Erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.3.1 Erros Grosseiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.3.2 Erros Sistemáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.3.3 Erros Aleatórios ou Acidentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4 Instrumentos de Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.5 Precisão e Exatidão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.6 Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.6.1 Trucamentos e Arredondamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.6.2 Operações com Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.6.2.1 Adição e Subtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.6.2.2 Multiplicação e Divisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.7 Incerteza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.7.1 Incerteza Absoluta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.7.2 Incerteza Relativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.7.3 Incerteza Relativa Percentual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

3 Precisão e Exatidão de Medidas II 18


3.1 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3 Valor médio e desvio padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3.1 Valor médio amostral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.3.2 Desvio padrão amostral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.3.3 Incerteza instrumental versus incerteza da média . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4 Cálculo da propagação de incertezas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4.1 Operações aritméticas:
incerteza limite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
3.4.2 Método geral:
incerteza média . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

II Roteiros de Ensaios Laboratoriais 25


4 Roteiro do Experimento:
Densidade de Uma Esfera Sólida Regular 26
4.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.3 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

5 Roteiro do Experimento:
Movimento Retilíneo e Uniforme (MRU) 28
5.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.2 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.3 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.4.1 Deslocamentos Iguais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.4.2 Deslocamentos Diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5.5 Apresentação, Análise dos Resultados e Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

6 Roteiro do Experimento:
Movimento Retilíneo Uniformemente Variado (MUV)
!!! Não está pronto ainda !!!
!!! Ver procedimento experimental para a determinação da velocidade inicial, ou como
fazê-la nula no sensor 1!!! 32
6.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
6.2 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 2 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

6.3 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
6.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
6.4.1 Deslocamentos Iguais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
6.4.2 Deslocamentos Diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
6.5 Apresentação, Análise dos Resultados e Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

7 Roteiro do Experimento:
Queda Livre 36
7.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
7.2 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
7.3 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
7.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
7.5 Apresentação, Análise dos Resultados e Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

8 Roteiro do Experimento:
Modelagem Matemática da Lei de Hooke
!!! Não está pronto ainda !!! 40
8.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
8.2 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
8.3 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
8.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
8.4.1 Deslocamentos Iguais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
8.4.2 Deslocamentos Diferentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
8.5 Apresentação, Análise dos Resultados e Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

9 Roteiro do Experimento:
Pêndulo Simples 43
9.1 Objetivos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.2 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.3 Material Necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
9.4 Procedimento Experimental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
9.5 Apresentação, análise dos resultados e conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

10 verificação da soma de forças 46

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 3 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Lista de Figuras

2.1 Precisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

3.1 Gráfico indicando que a incerteza em w é simplesmente a projeção da incerteza


em x. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.2 Soma de dois segmentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.3 Subtração de dois segmentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.4 Cilindro do qual foram medidos o raio (R) e a altura (L). . . . . . . . . . . . . . . 23

5.1 Disposição dos sensores: espaços iguais entre os sensores de passagem. . . . . . 30


5.2 Disposição dos sensores: espaços diferentes entre os sensores de passagem. . . . 30

6.1 Disposição dos sensores: espaços iguais entre os sensores de passagem. . . . . . 34


6.2 Disposição dos sensores: espaços diferentes entre os sensores de passagem. . . . 34

7.1 Arranjo experimental de queda livre. A parte a) é a régua e suporte metálico


dos cinco fotosensores e coletor do corpo de prova na parte inferior; b) desenho
esquemático do sistema de liberação do corpo de prova e a sua detecção pelo
fotosensor; c) cronômetro digital dos fotosensores. . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

9.1 Pêndulo simples, segundo seu comprimento L e massa oscilante m. . . . . . . . . 43

4
Lista de Tabelas

2.1 Comparação entre procedimento de truncamento e arredondamento feitos em


alguns números. Os algarismos menos significativos estão marcados com uma
sublinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

3.1 Valores de medidas do comprimento de uma haste. . . . . . . . . . . . . . . . . . 19


3.2 Desvios e quadrados dos desvios das medidas de uma haste. . . . . . . . . . . . . 20
3.3 Resumo das incertezas absolutas e relativas para as quatro operações aritméti-
cas, aceitável quando as incertezas de cada grandeza são estimadas subjetiva-
mente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

5
Parte I

Conceitos e Fundamentos

6
O Relatório
1
1.1 Objetivos algum tipo de informação.

Fornecer orientações básicas para elabo-


ração dos relatórios sobre os ensaios ou 1.3 Características Gerais
experimentos realizados nas disciplinas de
laboratório ou que necessitem de relatos Cada pessoa possui um estilo próprio de es-
quanto a procedimentos experimentais e seus crever e por isso não há uma forma única de
resultados[1]. elaboração de relatórios. Mas, a despeito da
forma, algumas características são comuns a
todos os bons relatórios. São elas:
1.2 Introdução
1. Todo bom relatório estabelece com clareza
A elaboração de relatórios é um dos objeti- qual o evento que foi estudado e que tipo
vos das disciplinas de laboratório que merece de pergunta se o procura responder sobre
destaque. Esta exigência deve-se a duas ra- o evento.
zões: uma intrínseca ao trabalho científico que 2. Os bons relatórios deixam claro, para
exige a comunicação entre os pesquisadores, quem os lê, quais foram os equipamen-
normalmente feita através de artigos em revis- tos utilizados, qual foi a o e montagem
tas especializadas; e outra que diz respeito ao dos mesmos (isto pode ser feito esque-
caráter social da e a descoberta científica, pois maticamente) e o modo pelo qual estes
a sociedade têm o direito de saber o que está equipamentos foram utilizados (procedi-
sendo produzido nos organismos e projetos fi- mento experimental).
nanciados por ela.
Assim, a confecção de relatórios é um treina- 3. Um bom relatórios ainda explicita clara-
mento para a atividade profissional que você mente qual (ou quais) foi (ou foram) os re-
desempenhará no futuro: a elaboração de ar- sultados obtidos (conclusões ou respostas
tigos, textos para seus alunos, etc. Mas além à questão básica feita no Item 1 bem como
disto ele também é um treinamento na confec- as possíveis fontes de erro que não pude-
ção de qualquer documento que exija objeti- ram a ser eliminadas. Pode trazer ainda
vidade, clareza e precisão na comunicação de sugestões para futuros experimentos.

7
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

4. Os bons relatórios possuem uma boa confundir Fundamentação Teórica com as


apresentação gráfica, seus dados são apre- Conclusões. A Fundamentação Teórica
sentados em tabelas convenientes e de fá- diz respeito aos conhecimentos específi-
cil leitura e os gráficos são feitos em papel cos necessários à análise daquele experi-
milimetrado ou computador. Tanto gráfi- mento. Não adianta escrever que a água
cos como tabelas podem vir no corpo do ferve a 100 °C a uma pressão de 1 atm se o
relatórios ou em apêndices. experimento é sobre queda livre. A afir-
mação é correta porém irrelevante. No
caso do exemplo do parágrafo anterior, a
1.4 Elaboração Fundamentação Teórica seria a descrição
dos tipos de movimentos possíveis na si-
Os relatórios podem, de acordo com a neces- tuação descrita.
sidade, serem divididos nas partes descritas a
seguir: MATERIAIS E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
- Deve-se apresentar sucintamente, mas
INTRODUÇÃO - Deve estabelecer sem dú- completamente, que materiais você usou
vidas (para você e para quem vai ler!) (citando a marca, e o modelo se possível),
qual foi a questão sobre este evento que a montagem dos mesmos (através de
você pretende responder. Por exemplo: figuras e esquemas) e o seu procedi-
todo corpo solto perto da superfície da mento: o que foi medido e como, quantas
terra se movimenta em direção a ela. Este medições foram e feitas, fatores externos
é o evento estudado. Sobre ele pode- que influenciaram no seu experimento,
mos elaborar uma série de perguntas, por etc.
exemplo: qual é a relação matemática
entre a posição relativa da superfície e RESULTADOS - Apresentar os dados obti-
o tempo transcorrido desde o início do dos de forma organizada, sendo sempre
movimento? Esta seria uma questão bá- que possível em tabelas. Incluir comentá-
sica do nosso experimento. Veja que, so- rios quando necessários. Indicar sempre a
bre um evento são possíveis várias ques- precisão das medidas e suas unidades.
tões. (Tente imaginar outra questão sobre
o evento). ANALISE DOS DADOS - Os dados deverão
ser analisados através de gráficos, quando
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA - Diz res- for necessário, e/ou processamento dos
peito àqueles conhecimento sem os quais valores medidos, de acordo com uma pre-
o experimento não poderia ser anali- visão de um modelo físico. Os parâme-
sado. Veja bem, um conjunto de dados tros determinados experimentalmente se-
só começa a ter sentido se os dados fo- rão confrontados com a previsão teórica.
rem o manipulados de uma forma pré-
estabelecida na mente do experimenta- CONCLUSÕES - As conclusões são a alma
dor. Sem os conceitos que permitem e esta do relatórios. Nesta parte a resposta da
manipulação os dados apresentados não questão básica formulada na introdução
levarão a conclusões alguma e o experi- deve ser apresentada a partir dos dados
mento terá sido inútil. Agora não se deve obtidos durante o experimento. Aqui

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 8 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

cabe uma ressalva: não existe experi- Quanto mais você esperar, pior será con-
mento de laboratório que dê resultado er- feccionar o o e a relatórios.
rado. Não discuta com seus dados. Dis-
cuta com seu procedimento experimental. 4. Não consulte relatórios de seus colegas de
As conclusões não podem apontar em di- anos anteriores. Você deve se acostumar a
reção diferente aos dados que você ob- pensar com sua a o e própria cabeça. Caso
teve. Camuflar experimentos mal feitos é contrário você estará adquirindo todos os
uma desonestidade com você e não com o vícios de seus colegas mais antigos, o que
professor. Faz parte das conclusões tam- será prejudicial para você.
bém as possíveis fontes de erro do expe- 5. Tabelas, citações, etc. . . , devem seguir as
rimento. As vezes é a mais importante normas da Associação Brasileira de Nor-
parte do relatórios. mas Técnicas (ABNT).
APÊNDICES Os Apêndices (opcionais) con-
tém tabelas, gráficos, demonstrações ma-
temáticas mais elaboradas, etc. Tudo que
Referências Bibliográficas
não for indispensável à leitura do relató-
[1] Departamento de Física. Roteiro de Labo-
rios pode ser colocado ali. Novamente
ratório. Campo Grande, MS: UNIVERSI-
use de seu bom senso para discernir o que
DADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO
deve vir como apêndice do restante
SUL, 1995.
BIBLIOGRAFIA - Todas as obras e artigos
consultados e citados devem ser listados.
Não liste o que não citou. Não cite o que
não listar.

1.4.1 Observações
1. Os relatórios obrigatoriamente deverão
ser impressos. Porém, em casos especi-
ais quando os mesmos forem entregues
manuscritos, deverão ser apresentados de
forma legível e organizados conforme os
itens anteriores.

2. O prazo máximo para entrega dos relató-


rios não deverá ultrapassar uma semana
após a realização do mesmo. Casos espe-
ciais ficarão a critério do professor.

3. Nunca deixe para a última hora a con-


fecção de relatórios. Se possível faça-os
no mesmo dia do experimento, enquanto
este ainda encontra-se em sua memória.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 9 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Precisão e Exatidão de Medidas I
2
2.1 Objetivos os erros ou desvios são uma presença cons-
tante e o bom experimentador deve aprender
Aqui neste capítulo o aprendiz deve se ater a conviver com eles, identificá-los e minimizar
aos detalhes referentes ao ato de medir1 , resul- suas influências nos resultados de uma medi-
tados de uma medição mal feita e suas cau- ção.
sas. Assim como saber lidar matematicamente Ao se fazer a medição de uma grandeza fí-
com resultados de uma medição, a forma cor- sica, o valor encontrado não coincide com o
reta de expressar estes valores e a interpreta- valor real da mesma. Quando este resultado
ção de um resultado obtido quanto a sua qua- for aplicado, é necessário saber com que cer-
lidade numérica. teza a grandeza física é representada pelo nú-
Mais claramente o aprendiz apenderá a efe- mero obtido. Deve-se, então, poder expres-
tuar medições e registrar medidas conside- sar a incerteza de uma medição em termos
rando os erros ou desvios e incertezas envolvi- que sejam compreensíveis a outras pessoas e
das no processo de medição. Saberá avaliar as para isto usa-se uma linguagem padronizada e
precisões e exatidões dos instrumentos de me- métodos adequados para combinar incertezas
dição diante dos dados apresentados pelo fa- dos diversos fatores que influenciam no resul-
bricante ou através das características dos in- tado.
trumentos de trabalho.

2.3 Erros
2.2 Introdução
Os erros são classificados em três grandes
Apesar de se afirmar que a Física é uma ci- grupos: grosseiros, sistemáticos e aleatórios
ência exata, não existe uma única medida em [1, 2].
toda a Física que esteja isenta de algum erro ou
desvio do valor real da medida. Por mais que
sejam sofisticados os equipamentos utilizados, 2.3.1 Erros Grosseiros
1
O ato de medir é denominado medição e o resultado São aqueles que ocorrem por inabilidade do
de uma medição é uma medida. experimentador e são provenientes de enga-

10
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

nos, uso inadequado de instrumentos, técnicas imprecisão dos instrumentos utilizados como
deficientes, etc. padrões secundários será estimada pela incer-
teza instrumental, e caracteriza uma faixa de
valores dentro da qual se encontra o valor ver-
2.3.2 Erros Sistemáticos dadeiro da grandeza medida.
São aqueles que ocorrem sempre do mesmo Dentre as características dos instrumentos
jeito e são provenientes de: erros de calibração que determinam sua precisão podem-se des-
de instrumentos, erros do observador na lei- tacar:
tura do instrumento, instrumentos utilizados
em condições inadequadas, etc. Os erros siste- Resolução: expressão quantitativa da aptidão
máticos podem ser eliminados ou compensa- de um instrumento em distinguir valores
dos. muito próximos da grandeza medir. Esta
é composta de diversas marcas e a dife-
rença entre os valores de duas marcas su-
2.3.3 Erros Aleatórios ou Acidentais cessivas, valor de uma divisão, caracte-
Ocorrem quando, em uma série de medição, riza a resolução do instrumento. A indi-
ora obtem-se um valor ora outro de forma im- cação, valor de uma grandeza medida for-
previsível. Com este tipo de erro é mais difícil necida pelo instrumento, pode, em mui-
de lidar e pode-se apenas obter uma minimi- tos casos, ser feita com interpolação da es-
zação de seus efeitos. Ele nunca é totalmente cala de medida.
eliminado. Geralmente estes errors são devi-
dos a condições que flutuam como por exem- Limiar: menor variação de um estímulo que
plo, variações na rede de energia elétrica, va- provoca a variação perceptível na res-
riações verificadas no comprimento de um ob- posta de um instrumento de medir. Ele
jeto por irregularidades da superfície, etc. pode depender de diversos fatores como
o ruído, o atrito, o amortecimento ou a
inércia.
2.4 Instrumentos de Medição Exemplo 2.1. Exemplo: se uma balança
Para se determinar o valor de uma grandeza só acusa variação na sua indicação com a
física é necessário uma comparação com um adição de 0,1 g ou mais na massa medida,
padrão previamente estabelecido. Logo a qua- seu limiar de mobilidade é de 0,1 g.
lidade da medição dependerá do padrão utili-
zado. Os padrões de grande precisão (primá- Estabilidade: aptidão de um instrumento de
rios) são definidos de maneira bastante com- medir em conservar constantes seus pa-
plexa e necessitam de tecnologia avançada râmetros metrológicos. O mais comum
para serem reproduzidos. Em geral os pa- é considerar a estabilidade em função do
drões primários são regulados em institutos tempo, embora também possa estar rela-
de pesos e medidas, mantidos para este fim. cionada a outros parâmetros como tem-
Desta forma utilizam-se padrões mais sim- peratura e umidade. Nesses casos é pre-
ples (secundários) aferidos a partir dos pa- ciso especificar a grandeza a qual a esta-
drões primários, porém menos precisos. A bilidade está relacionada.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 11 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Justeza: aptidão de um instrumento de medir seja, um comprimento L deve ser lido na


para dar indicações isentas de erros siste- forma L = 12,3 mm.
máticos.
No caso de não se saber qual é a incerteza
Fidelidade: aptidão de um instrumento de da medida, esta dever ser assumida como
medir para dar, sob condições de utili- sendo igual a metade do menor intervalo de
zação definidas, respostas próximas para medida do instrumento. Uma régua milime-
aplicações repetidas de um mesmo es- trada deve, em princípio, garantir a leitura do
tímulo. Além disso é necessário ainda milímetro e, por convenção, permitir mais um
satisfazer às condições de referência, ou algarismo sobre o qual incide a incerteza ins-
seja, condições de utilização de um ins- trumental de ±0,5 mm.
trumento prescritas para assegurar a vali- Exemplo 2.3. O valor 514,0 mm indica que se
dade na comparação de resultados de me- pode observar o milímetro e que há uma dú-
dições. vida sobre o algarismo correspondente ao dé-
cimo de milímetro. Caso fosse possível obser-
var este algarismo através de um instrumento
2.5 Precisão e Exatidão mais exato, e este fosse zero, a medida seria es-
crita na forma 514,00 mm, na qual o algarismo
correspondente ao centésimo de milímetro te-
ria sido estimado.
O número de algarismos significativos em
um resultado inclui todos aqueles lidos dire-
tamente mais o estimado, quando for o caso.
Esse número é definido por:
1. O algarismo mais a esquerda não-nulo é o
Figura 2.1: Precisão algarismo mais significativo.
Exemplo: 0,051 40 m;

2.6 Algarismos Significativos 2. O algarismo mais a direita é o menos sig-


nificativo, mesmo sendo zero.
A exatidão de uma experiência deve ser evi- Exemplo: 51,40 mm;
denciada na forma pela qual o resultado é es-
crito. O primeiro cuidado a ser tomado, no re- 3. Todos os algarismos entre o mais signifi-
gistro de uma medição, é com relação ao sig- cativo e o menos significativo são conta-
nificado dos algarismos que aparecem no re- dos como significativos.
gistro. A leitura do valor da medição deve se Exemplo 2.4. Reescrevendo a mesma medida:
prolongar até o algarismo correspondente ao
da incerteza e ao instrumental[3]. 0,051 40 m = 5,140 cm
= 51,40 mm = 5,140 × 104 µm
Exemplo 2.2. Se a incerteza na medida feita
com um paquímetro é de ±0,1 mm, a leitura todos com 4 algarismos significativos e expres-
deve registrar até o décimo do milímetro, ou sando a mesma medida de um comprimento.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 12 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

A quantidade de algarismos significativos de algarismos significativos: o truncamento e


de uma medida não se altera mediante uma o arredondamento do número.
transformação de unidades, como pode se ver Freqüentemente ocorre que números devem
nos exemplos acima. Mas, precisa-se ter cui- ser truncados ou arredondados. Ao se pro-
dado ao efetuarem-se mudanças de unidade. cessarem os resultados de medições, deve-se
tomar o cuidado de se fazerem truncamentos
Exemplo 2.5. Errando quando escrevendo
ou arredondamentos na apresentação do re-
uma medida:
sultado final, para que não sejam introduzi-
3,50 m = 350 cm dos erros cumulativos durante as aproxima-
ções intermediárias.
e
? Tanto o truncamento como o arredonda-
3,5 m = 350 cm.
mento podem ser aplicados para elimina-
Neste caso o procedimento correto é usar a no- ção de algarismos significativos excedentes ou
tação de potência de dez (x × 10n ) e escrever- para eliminação de algarismos não significati-
mos: vos.
3,5 m = 3,5 × 102 cm.
Alguns autores estabelecem que, nos ca- Truncamento é simplesmente ignorar os al-
sos em que não há vírgula decimal, o alga- garismos que estão à direita de uma
rismo menos significativo é o não-nulo mais determinada posição no número e usar
a direita. Por exemplo, quando dizemos que, somente os algarismos que estão à es-
no curso de Física, existem 1000 alunos ma- querda desta posição, inclusive. Se quere-
triculados, estamos apenas informando o dí- mos truncar o número expresso na forma
gito 1. Os três zeros aparecem apenas para (a, bcdeXf gh... × 10m ), cuja posição de
e indicar a ordem de grandeza. Essa forma truncamento é definida pelo algarismo X,
de escrever é muito utilizada em textos não- teremos simplesmente (a, bcdeX × 10m ).
científicos. Se quiséssemos aplicar o critério
Arredondamento é um procedimento mais
definido nos três itens anteriores, deveríamos
complexo e feito via comparação.
escrever 1 × 103 alunos, o que sobrecarregaria
a redação. Por isso, para se evitar ambigüi- Ao abandonarmos algarismos em um nú-
dade, nos casos em que se deseja dar signifi- mero, o ultimo algarismo mantido será
cado a todos os algarismos, deve-se escrever o acrescido de uma unidade ou não con-
valor na forma forme as regras a seguir (X significa o a
algarismo a ser arredondado):
1000 alunos = 1,000 × 103 alunos.
Nestes, todos os quatro algarismos são signifi- • de (X000 . . .) a (X499 . . .), os al-
cativos. garismos excedentes são a simples-
mente eliminados (arredondamento
para baixo);
2.6.1 Trucamentos e Arredonda-
• de (X500 . . . 1) a (X999 . . .), os alga-
mentos
rismos excedentes são a eliminados
Há pelo menos duas formas de se reescrever e o algarismo X aumenta de 1 (arre-
um número de forma a diminuir a quantidade dondamento para cima);

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 13 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

• No caso (X5000000 . . .), então o ar- medições diretas feitas apresentam sempre al-
redondamento a deve ser tal que o guma incerteza.
algarismo X depois do arredonda- Os algarismos significativos obtidos por
mento deve ser par. operações aritméticas podem ser determina-
dos através de algue e mas regras elementares
de operação com algarismos significativos.
Número
Original Truncamento Arredondamento
2.6.2.1 Adição e Subtração
2,43 2,4 2,4
3,688 3,68 3,69 Para que o resultado da adição ou subtra-
5,6499 5,6 5,6 ção contenha apenas algarismos significativos,
5,6501 5,6 5,7 você? deverá, inicialmente, observar se todas
5,6500 5,6 5,6 das parcelas estão expressas a na mesma po-
5,7500 5,7 5,8 tência de dez e qual das parcelas possui o e
9,475 9,47 9,48 menor número de casas decimais, pois, o re-
3,325 3,32 3,32 sultado deu verá ser expresso com o mesmo
número de casas decimais desta parcela. Os
Tabela 2.1: Comparação entre procedimento algarismos excedentes que porventura existi-
de truncamento e arredondamento feitos em rem no resultado devem ser abandonados por
alguns números. Os algarismos menos signifi- arredondamento, isto também poderá ser feito
cativos estão marcados com uma sublinha nas parcelas antes de se efetuar a operação.
Numericamente o arredondamento insere Exemplo 2.6. Adição e subtração com núme-
menos erros do que o truncamento e é forte- ros:
mente indicado que sejam feitos somente os
arredondamentos quando for necessário ex- • 12,784 cm − 5,48 cm = 7,30 cm
pressar uma medida.
• 0,0128 m + 18,02 m = 18,03 m

2.6.2 Operações com Algarismos • (12,784 − 5,48 )cm = 7,30 cm


Significativos • (0,0128 + 18,02 )m = 18,03 m
Já estamos conscientes que o resultado de
uma medição direta possui uma incerteza. To- 2.6.2.2 Multiplicação e Divisão
davia, em todos os trabalhos experiemtais,
Prevalece o número de algarismos significa-
inúmeras vezes não pode-se medir direta-
tivos da parcela de menor número de algaris-
mente a grandeza de interesse. Somos então
mos.
forçados a obter esse valor através de outros,
ou seja, necessitamos e realizar uma medição Exemplo 2.7. Multiplicação e divisão com nú-
indireta. Por exemplo, ao determinar a velo- meros:
cidade média de um móvel, necessitamos e o
medir o tempo e o espaço percorrido. • 12,13 N × 0,021 m = 0,25 N · m
Aqui se coloca o problema de como expres-
sar o resultado desta medição indireta, pois as • 1,0 cm ÷ 24,375 s = 0,041 cm/s

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 14 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

2.7 Incerteza Uma medida com uma incerteza absoluta


de 0,1 m pode parecer muito menos exata que
A importância do registro correto de uma uma outra com uma incerteza absoluta de
medição é porque, através dele, é possível in- 0,1 mm. Entretanto, se a primeira incerteza for
formar tanto o valor da medição quanto a in- associada à medida da altura de uma mon-
certeza instrumental utilizada. Esta pode ser tanha, por exemplo, o pico de Itatiaia com
expressa de duas formas: incerteza absoluta e h = (2787,4 ± 0,1) m e a segunda, à largura de
incerteza relativa. uma caneta, L = (8,3 ± 0,1)mm, a opinião seria
A palavra erro é muitas vezes empregada no outra sobre a qualidade dessas medidas.
lugar da incerteza. Essa palavra, quando asso- Por isso, é importante associar uma incer-
ciada a incerteza da medida, não significa que teza ao valor que está sendo medido, ou seja,
a medida está errada do valor erro, mas que a informar a incerteza relativa a uma medida.
ela a está associado um erro provável de até o A melhor forma de expressar esta relação é
valor erro. dividir a incerteza pelo valor medido, quoci-
ente esse denominado de incerteza relativa:
2.7.1 Incerteza Absoluta ir =
δM
M
Representa diretamente a incerteza medida.
em que M é o valor medido e δM é a incerteza
Exemplo 2.8. Assim se o comprimento de uma da medida.
barra for medido como sendo No caso da medição do pico de Itatiaia, a in-
certeza relativa é de
L = 1,32 m
ir = 3,6 × 10−5 ,
com uma incerteza absoluta
enquanto que, na largura da caneta, é de
δL = 0,01 m,
ir = 1,2 × 10−2 .
o registro dessa medição deve ser feito na
forma
2.7.3 Incerteza Relativa Percentual
L = (1,32 ± 0,01) m.
É a incerteza relativa multiplicada por 100
Atenção, Deve-se observar que é sobre o al- acrescida do símbolo % (porcento)
garismo menos significativo do valor me-
dido para L que recai a incerteza. δM
irp = × 100.
M
Em uma medição direta não há sentido
em se registrar outros algarismos além do A vantagem de se escrever a incerteza relativa
determinado pela incerteza. na forma percentual é que se evita escrever nú-
meros muito pequenos.

2.7.2 Incerteza Relativa Exemplo 2.9. A incerteza relativa associada a


largura da caneta é expressa como
É uma forma mais significativa de se expres-
sar a qualidade de uma medição. irp = 1,2 × 10−2 × 100 = 1,2%.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 15 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Isso significa que a incerteza na medida da sua resposta com base nos erros que po-
largura da caneta é 1,2% do valor da largura, dem ocorrer no procedimento e nas carac-
ou seja, estamos errando em medir esta largura terísticas dos instrumentos de medição.
em 1,2%.
2. Quantos algarismos significativos exis-
Mesmo assim, para algumas medidas, as tem em cada um dos valores a seguir?
incertezas relativas são tão pequenas, que
mesmo escritas na forma percentual, ficam (a) 135,5 cm (h) 6,02 × 1023 mol−1
com números muito pequenos. É o caso da al- (b) 0,010 kg (i) 3,141 59 rad
tura do pico de Itatiaia. (c) 1,01 × 103 s
(j) 3 × 108 mol
Exemplo 2.10. A incerteza percentual da al- (d) 4,123 g
tura do pico de Itatiaia é de (k) 60 × 104 kg
(e) 11,342 g/cm3
(f) 2002,0 cm/s (l) 3500 cm
irp = 0,000 036 × 100 = 0,003 6%.
(g) 978,7 cm/s2 (m) 0,0065 kg
Isso significa que a incerteza na medida da
largura da caneta é 0,003 6% do valor da lar- 3. Faça as mudanças de unidades:
gura, ou seja, estamos errando em medir esta
largura em 0,003 6%, que é um valor de erro (a) 20 m = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . cm
percentual muito pequeno.
(b) 2005,4 m = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . km
Neste casos, utilizam-se outras relações (c) 44,5 × 103 g = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . kg
como
(d) 44,5 µg = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . g
• partes por milhão (ppm ≡ 1 × 10−6 ), (e) 44,5 µg = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . kg
• partes por bilhão (ppb ≡ 1 × 10−9 ), (f) 0,0068 m = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm
(g) 1000 L = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . m3
• parte por trilhão (ppt ≡ 1 × 10−12 ),
(h) 2,0 mL = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . m3
Exemplo 2.11. Nosso Exemplo 2.10 reescrito (i) 2,0 mL = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . cm3
ficaria
(j) 3,141 59 rad = . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . °
36
irp = 0,000 036 = (k) 11,342 g/cm3 = . . . . . . . . . . . . . . . kg/m3
1 000 000
= 36 × 10−6 = 36 ppm. 4. Arredonde os valores abaixo, para apenas
dois algarismos significativos:
Questionário (a) 34,48 µK (f) 0,0225 N
1. Efetua-se uma medição de comprimento (b) 1,281 m/s (g) 2787 min
com uma régua de plástico e repete-se a (c) 8,563 × 103 s (h) 0,040 95 km
mesma medição com uma trena metálica.
(d) 4,35 cm3 (i) 143 768 900 horas
Em qual das duas situações a o grau de
confiança da medida é maior? Justifique (e) 9,97 × 106 g (j) 2,54 mol

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 16 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

5. Escreva os resultados das operações ma-


temática a a seguir, respeitando o uso de
algarismos significativos:

(a) 1,02 × 105 kg ÷ 3,1 m3


(b) 345 J + 23,3 J + 1,053 J
(c) 390,5 g ÷ 22,4 cm3
(d) 1,89 × 102 mg − 2,32 kg
(e) 10,0 m ÷ 0,01 s

6. Um copo e seu conteúdo pesam (630,4 ±


0,6)gf. O copo sozinho pesa (148,0±0,4)gf.
Qual o peso do conteúdo?

7. O raio de uma esfera de metal mede (4,3±


0,5)cm. Determine o seu volume.

Referências Bibliográficas
[1] BARTHEM, B. R. Tratamento e Análise de
Dados em Física Experimental. Rio de Janeiro,
RJ: Editora da UFRJ, 1996.

[2] VUOLO, J. H. Fundamentos da Teoria de Er-


ros. 2. ed. São Paulo, SP: Editora Edgar Blü-
cher, 1992.

[3] CEPA — Centro de Ensino e Pes-


quisa Aplicada. Algarismos significa-
tivos e desvios. USP, 2003. Disponível
em: <http://www.cepa.if.usp.br/e-
fisica/mecanica/universitario/cap01/.
Acesso em: 16/03/2003.>.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 17 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Precisão e Exatidão de Medidas II
3
3.1 Objetivos Estas fontes de erros aleatórios podem ser
tratadas por processos estatísticos. Muitas me-
Introduzir as ferramentas matemáticas ne- didas também não podem ser realizadas dire-
cessárias para analisar e manilpular os dados tamente e precisamos obtê-las através de ou-
numéricos oriundos de medições segundo a tras medidas, isto produz um outro problema
Teoria dos Erros. Determinar estatisticamente que é o de determinar como os erros das medi-
as grandezas que descrevem de forma mais das intermediárias influenciam o resultado fi-
significativa as medidas físicas diretas e indi- nal. E como expressar os resultados finais atra-
retas, como o valor esperado de uma medida, vés dos resultados parciais.
os devios (ou erros), a sua incerteza e apli- A área do conhecimento que fundamenta
car a propagação de incertezas para medidas todos os procedimentos aqui contidos é a es-
indiretas[1, 2, 3, 4]. tatística descritiva.

3.2 Introdução 3.3 Valor médio e desvio pa-


drão
Ao efetuarmos uma medida, o instrumento
utilizado introduz um erro no processo. Mas o Para tentarmos reduzirmos os erros aleató-
erro instrumental não é o único que surge no rios, produzidos pelo experimentador e pelo
processo de medição, existe também o erro do procedimento experimental, empregamos o
experimentador e do próprio procedimento recurso de se efetuar a mesma medida diver-
experimental. Aqui esta-se referindo aos erros sas vezes. O objetivo deste procedimento é tra-
aleatórios e não aos sistemáticos, muito me- tar a informação obtida estatisticamente e ten-
nos aos grosseiros. Pois supõe-se que este dois tarmos com isto nos aproximar o mais possí-
últimos podem ser evitados através de trei- vel do valor verdadeiro da grandeza física me-
namento, habilidade e calibração dos equipa- dida.
mentos de medição. Portanto, somente os er- Uma quantidade que pode ser obtida a par-
ros aleatórios serão considerados neste traba- tir de uma série de medidas é o seu valor mé-
lho. dio ou valor esperado, que é examente o que

18
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

a palavra esperado quer expressar: O valor es- 3.3.2 Desvio padrão amostral
perado da medida de uma grandeza será des-
A variância para um pequeno número de
crita pela sua média.
medidas pode ser definida como:
A variabilidade de cada medida é dada pelo
desvio padrão e a variabilidade da média será 1 X n
dada pelo desvio padrão da média. Estas duas VAR(x) = s = 2
(xi − x)2 (3.3)
n − 1 i=0
quantidades descrevem o quanto o conjunto
de medidas está mais agrupado ou mais dis- e o desvio padrão é a raiz quadrada da variân-
perso com relação ao valor esperado da me- cia,
dida. q
O problema é que para o valor mais prová- s= VAR(x) (3.4)
vel a partir de médias, or desvio padrão e o √
v
n
1 X
u
desvio padrão de médias exige que se façam (xi − x)2
u
= s2 = t (3.5)
infinitas medidas1 . Vamos, portanto, estimar n − 1 i=0
o valor esperado, o desvio padrão e o desvio
O desvio padrão indicado em (3.4) é ado-
padrão da média para um conjunto pequeno
tado para caracterizar a incerteza de cada uma
de medidas.
das medidas. A incerteza associada ao valor
médio das medidas, x̄, é o desvio padrão da
3.3.1 Valor médio amostral média, sm , ou incerteza da média e vale:
s
É a média aritmética de uma série de s VAR(x)
sm = √ = (3.6)
medidas realizadas nas mesmas condições. n n
Quando as incertezas são devidas a erros ale-
Isto nos proporciona uma probabilidade de
atórios, quanto maior for o número de medi-
≈ 68% do valor procurado se encontrar no in-
das, mais preciso será o valor médio, isto é,
tervalo (x̄ ± sm ). E a medida fica expressa na
mais próximo do valor verdadeiro. Assim, se
forma
obtemos as medidas descritas pelas quantida-
x = x̄ ± sm . (3.7)
des temos: x1 , x2 , . . . e xn , o valor médio x̄ (x
barra) será Exemplo 3.1. Deseja-se conhecer o compri-
mento de uma haste, efetuando-se, para isto,
x1 + x2 + ... + xn
x̄ = (3.1) dez medidas e obtendo-se os seguintes valo-
n res:
sinteticamente podemos escrever i xi /cm i xi /cm
n 1 15,01 6 15,07
1X
x= xi . (3.2) 2 15,08 7 15,02
n i=1
3 15,06 8 14,98
1 4 15,09 9 15,00
A definição de tomarem-se infinitas medidas de
uma grandeza é um procedimento não executável. Por 5 15,00 10 15,00
isso existe uma outra abordagem sobre como definir
uma média ou pelo menos se estimar uma média de Tabela 3.1: Valores de medidas do compri-
medidas reais. mento de uma haste.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 19 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

O valor médio da haste é: 0,012 cm, que descreve tal incerteza. Portanto,
o resultdo final torna-se
10
1 X 150,31 cm
x̄ = xi = = 15,031 cm.
10 i=1 10 sm = 0,012 cm.

Para cada medida, os desvios e o quadrado O resultado final é:


dos desvios são dados na tabela (3.2).
x = x̄ ± sm

i (xi − x̄) /cm (xi − x̄)2 /cm2 x = (15,031 ± 0,012) cm


1 −0,0210 0,000 441
2 0,0490 0,002 401 3.3.3 Incerteza instrumental versus
3 0,0290 0,000 841
4 0,0590 0,003 481
incerteza da média
5 −0,0310 0,000 961 O resultado desta seção permite a deter-
6 0,0390 0,001 521 minação da incerteza do valor médio de um
7 −0,0110 0,000 121 conjunto de medidas. Deste modo agora te-
8 −0,0510 0,002 601 mos duas incertezas no processo de medida,
9 −0,0310 0,000 961 a incerteza instrumental e a incerteza da média.
10 −0,0310 0,000 961 Sendo
Soma 0,0000 0,014 290
• sm a incerteza da média;
Tabela 3.2: Desvios e quadrados dos desvios
das medidas de uma haste. • δ a incerteza instrumental, que define a re-
solução do instrumento.
O desvio padrão é: Para decidirmos qual incerteza utilizar pode-
v mos observar o seguinte: se a resolução no pro-
10
cesso de medida é dada por δ, e a largura de
u
1 X
(xi − x̄)2
u
s = t
n − 1 i=1 uma distribuição de medida, ou seja, o desvio pa-
s drão é caracterizado por s e o desvio padrão da
0,014 29 √ média é sm , tem-se:
= = 0,001 588
9 (
= 3,99 × 102 cm δ, se δ > sm
(incerteza da medida) =
sm , se δ < sm
O desvio padrão do valor médio é: (3.8)

s 3,99 × 10−2
sm = √ = √ 3.4 Cálculo da propagação de
n 10
−2
= 1,24 × 10 cm incertezas
Aqui o valor do desvio padrão do valor mé- Muitas vezes, para determinar uma outra
dio deve descrever a incerteza da medida to- grandeza qualquer, o valor que foi medido
mada, assim não usaremos 0,0124 cm e sim será usado como argumento numa equação,

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 20 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

ou em uma seqüência de procedimentos algé- Incerteza Incerteza


bricos. Operação Absoluta Relativa
O que fazer com a incerteza associada?
δA δa + δb
Para o os valores medidos (as medidas) te- Ā = ā + b̄ δA = δa + δb =
Ā ā + b̄
mos associados as incertezas do processo de
medida, enquanto que para grandezas deter-
minadas através de expressões matemáticas δS δa + δb
S̄ = ā − b̄ δS = δa + δb =
cujos argumentos são as medidas (junto com S̄ ā − b̄
suas incertezas) temos a incerteza propagada.
δM δa δb
M̄ = ā × b̄ δM = b̄ δa + ā δb = +
M̄ ā b̄
3.4.1 Operações aritméticas:
incerteza limite
b̄ δa + ā δb δD δa δb
D̄ = ā ÷ b̄ δD = = +
Muitas vezes necessitamos estimar a in- b̄2 D̄ ā b̄
certeza propagada em operações aritméticas
com valores de medidas buscando uma faixa Tabela 3.3: Resumo das incertezas absolutas e
de acerto de 100%. Isto pode ocorrer pelo relativas para as quatro operações aritméticas,
fato das incertezas associadas às medidas re- aceitável quando as incertezas de cada gran-
presentarem limites para o valor medido ou deza são estimadas subjetivamente.
quando não estamos preocupados com o re-
sultado estatístico do erro previsto. Para estes
casos empregaremos as regras simples de pro- 3.4.2 Método geral:
pagação de incertezas elencadas na tabela 3.3,
para as quatro operações aritméticas. incerteza média
Quando na multiplicação temos mais de
dois fatores, podemos calcular a incerteza re- Quando temos ao menos uma estimativa
lativa através da soma das incertezas relativas grosseira do desvio padrão, é preferível esti-
de cada fator e depois podemos obter a incer- mar a repetibilidade do resultado pela incer-
teza absoluta. teza média propagadada que pela incerteza li-
mite.
O problema pode ser posto da seguinte ma-
Atenção, A aplicação das regras indicadas na
neira: dada uma função w = w(x, y, z) onde sx ,
tabela (3.3) só é aceitável quando as in-
sy , sz são grandezas experimentais com incer-
certezas de cada grandeza são estimadas
tezas dadas por x, y, z e independentes entre
subjetivamente, não dispondo, assim, de
si, quanto vale w ? A independência entre x, y,
um significado estatístico, e se deseja ape-
z é necessária para a validade das fórmulas a
nas fazer um cálculo rápido, para avaliar
seguir, mas não será discutida aqui.
a incerteza propagada. Ou, então, quando
se deseja realmente conhecer o maior erro Para simplificar suponha w apenas função
possível para se ter uma certeza próxima de x. No gráfico abaixo está representando
de 100%. w(x).

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 21 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Figura 3.2: Soma de dois segmentos.

A incerteza no segmento soma pode ser cal-


culada aplicando a equação (3.10):
!2 !2
∂L ∂L
s2L = s2a + s2b
∂a ∂b
2 2 2 2
= (1) sa + (1) sb
Figura 3.1: Gráfico indicando que a incerteza = (1)2 22 + (1)2 0, 52
em w é simplesmente a projeção da incerteza = 4 + 0, 25 = 4,25
em x.
assim,
q
4,25 = 2,06 cm.
sL =
A incerteza de w, na Figura 3.1, pode ser ob-
tida pela simples projeção da incerteza de x. Logo: L = (20,0 ± 2,1)cm
Para pequenos intervalos no eixo x, temos em
primeira ordem, a derivada ordinária de w em Exemplo 3.3. Considere a subtração de dois
relação a x: segmentos indicados na Figura 3.3 idênticos
aos que foram somados na Figura 3.2.
dw
sw = sx (3.9)

dx

Para mais de uma variável independentes


entre si, podemos escrever uma fórmula geral
(visualize uma soma de catetos em n dimen-
sões): Figura 3.3: Subtração de dois segmentos.

!2 !2
∂w ∂w O resultado do desvio absoluto seria o
s2w = s2x1 + s2x2 + mesmo pois aplicamos a equação (3.10) exa-
∂x1 ∂x2
!2 tamente da mesma forma. O que você pode
∂w
... + s2xn (3.10) afirmar a respeito do desvio relativo?
∂xn
Exemplo 3.4. Cálculo do volume do cilindro.
Se seu volume é
Exemplo 3.2. Considere a soma de dois seg-
mentos conforme mostrado na Figura 3.2 V = V (R, π, L) = πR2 L

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 22 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

e
sV √
= 0, 2525 → sV = 0,5025 × 125,6
V
sV = 63,114 cm3 .
Portanto o valor do volume, junto com a
propagação de incertezas é
V = (123 ± 63) cm3
ou ainda
Figura 3.4: Cilindro do qual foram medidos o
V = (12 ± 6) × 101 cm3
raio (R) e a altura (L).

Com os valores dados na Figura 3.4 Questionário


• R = (2,0 ± 0,5) cm;
1. Um aluno quis determinar a altura mé-
– L = (10,0 ± 0,5) cm. dia dos alunos em uma determinada es-
cola. Como o número total de alunos da
Propaguemos a incerteza em todos os ter- escola era muito grande (≈ 2000) ele es-
mos do produto: R, π, L colheu cinquenta (n = 50) que se encon-
2 2 2 travam casualmente no pátio e anotou a
∂V ∂V ∂V
  
s2V = s2R + s2π + s2L altura de cada um. O resultado obtido foi
∂R ∂π ∂L
 2  2 o seguinte:
= (2πRL)2 s2R + R2 L s2π + πR2 s2L
h/m n/alunos
1,65 2
Dividindo-se todos os termos por V 2 , te-
mos: 1,70 8
2 !2 !2 1,75 11
s2V 2πRL R2 L πR2

= s2R + s2π + s2L 1,80 15
V2 V V V 1,85 9
!2 !2

2πRL
2
R2 L πR2 1,90 4
= s2R + s2π + s2L 1,95 1
πR2 L πR2 L πR2 L
2 2 2
2sR sπ sL
  
= + + (a) Estime a altura média hm dos alunos
R π L da escola.
(b) Qual é o desvio padrão da distribui-
Substituindo-se pelos valores medidos, ção de alturas na escola?
temos, para o desvio relativo:
!2  2 !2 2. Os comprimentos de duas tábuas de ma-
s2V 20,5 0 0,5 deira, bem cortadas, foram medidos com
2
= + +
V 2,0 π 10,0 uma incerteza δL = 0,1 cm. Os valores ob-
= 0, 2525 tidos foram L1 = 50,0 cm e L2 = 10,0 cm.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 23 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

(a) Qual é a incerteza limite da quanti- [2] CEPA — Centro de Ensino e Pes-
dade (L1 + L2 ) ? E de (L1 − L2 )? quisa Aplicada. Algarismos significa-
(b) Qual é a incerteza relativa limite de tivos e desvios. USP, 2003. Disponível
(L1 + L2 )? E de (L1 − L2 ) em: <http://www.cepa.if.usp.br/e-
fisica/mecanica/universitario/cap01/.
3. O diâmetro φ de uma mesa redonda foi Acesso em: 16/03/2003.>.
medido com uma incerteza relativa de
1%. Qual é a incerteza limite relativa da [3] Departamento de Física. Roteiro de Labo-
área da mesa deduzida a partir dessa me- ratório. Campo Grande, MS: UNIVERSI-
dida? DADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO
SUL, 1995.
4. As medidas das dimensões de um cilin-
dro reto são: raio R = (1,72 ± 0,02) cm e [4] VUOLO, J. H. Fundamentos da Teoria de Er-
altura h = (2,55 ± 0,05) cm. O volume do ros. 2. ed. São Paulo, SP: Editora Edgar Blü-
2
cilindro é dado por V = πR h e a área das cher, 1992.
2
paredes do cilindro é A = 2πRh + 2πR .

(a) Calcule o volume V e a área A com


os respectivos erros propagados li-
mites. Expresse esses erros na forma
relativa.
(b) Se fosse necessário melhorar a in-
certeza, na medida do volume,
refazendo-se apenas uma das duas
medidas, qual é a que deveria ser re-
feita com uma incerteza menor? E no
caso da área?

5. O período de um pêndulo simples é dado


por s
L
T = 2π .
g
Mostre que a incerteza média relativa do
período é
v
u !2 !2
1 u δL δg
δT = t + .
2 L g

Referências Bibliográficas
[1] BARTHEM, B. R. Tratamento e Análise de
Dados em Física Experimental. Rio de Janeiro,
RJ: Editora da UFRJ, 1996.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 24 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Parte II

Roteiros de Ensaios Laboratoriais

25
Roteiro do Experimento:
4
Densidade de Uma Esfera Sólida Regular

4.1 Objetivos Gerais Quando dizemos, por exemplo, que a densi-


dade da água é de
Ao término desta atividade o aprendiz de-
verá ser capaz de determinar e expressar nu- ρágua = 1,00 kg/L = 1,00 × 103 kg/m3 ,
mericamente, usando a notação de valor mé-
dio e desvio padrão da média, isto significa que, num litro de água, encon-
traremos uma quantidade de água cuja massa
• a massa de uma esfera sólida regular com é de 1,00 kg, ou em um metro cúbico teremos
uma balança; 1,00 × 103 kg = 1,00 t de água.
Neste experimento iremos determinar a
• o diâmetro de uma esfera sólida regular densidade de uma esfera sólida. Os sólidos,
com um paquímetro; diferentemente dos fluidos possuem um vo-
• a densidade de uma esfera sólida regular lume fixado pela sua própria estrutura. Assim
aplicando a Teoria de Erros[1, 2, 3, 4, 5]; o volume da esfera é dado por:

• organizar e manipular os dados experi- 4 1


V = πR3 = πD3 (4.2)
mentais, na forma de tabelas e gráficos. 3 6
em que π é uma constante, R o raio da esfera e
D = 2R é o diâmetro da esfera.
4.2 Introdução
A densidade (ρ) é uma propriedade im-
portante dos materiais, especialmente para os
4.3 Material Necessário
fluidos. Ela é obtida como o quociente entre a
• Paquímetro;
quantidade de massa m e o volume V que essa
quantidade ocupa. Assim: • Balança;
m
ρ= (4.1) • Esfera de aço, sólida e regular;
V
26
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

4.4 Procedimento Experimen- a propagação e verifique que ele é dado


por:
tal
v
u !2 !2
1. Obtenha as resoluções de cada instru-
u δm δD
δρ = ρ t
+ 3
mento de medição: do paquímetro e da m D
balança
onde D é o diâmetro da esfera.
2. Meça o diâmetro da esfera metálica, com
auxílio paquímetro, 5 (cinco) vezes cada
aluno, variando quando possível a posi- Referências Bibliográficas
ção do paquímetro sobre os vários diâme-
tros do corpo de prova. [1] BARTHEM, B. R. Tratamento e Análise de
Dados em Física Experimental. Rio de Janeiro,
3. Meça a massa da esfera metálica, com RJ: Editora da UFRJ, 1996.
auxílio da balança, 5 (cinco) vezes cada
aluno. [2] Departamento de Física. Roteiro de Labo-
ratório. Campo Grande, MS: UNIVERSI-
4. Calcule o diâmetro médio da esfera, o DADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO
desvio padrão das medidas dos diâmetros SUL, 1995.
e o desvio padrão das médias das medi-
das. Organize uma tabela com os dados. [3] HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER,
J. Fundamentos de Física. v. 2. 6. ed. Rio de
5. Calcule a medida média da massa da es- Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
fera, o desvio padrão das medidas das 2006.
massas e o desvio padrão das médias das
medidas. Organize uma tabela com os da- [4] NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Bá-
dos. sica. v. 2. 4. ed. São Paulo, SP: Edgard Blü-
cher, 2002.
6. Calcule os erros relativos e percentuais do
diâmetro médio e da massa da esfera. [5] TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para Ci-
entistas e Engenheiros. v. 2. 5. ed. Rio de
7. Determine a densidade da esfera com seu Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
respectivo erro médio, utilizando a teoria 2006. 596 p.
de erros. Calcule o erro médio relativo e
percentual da densidade.

Questões
1. Podemos dizer que a medida da densi-
dade possui uma boa precisão? Justifique
sua resposta.
2. Obtenha o desvio médio para a densidade
da esfera a partir do método geral para

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 27 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Roteiro do Experimento:
5
Movimento Retilíneo e Uniforme (MRU)

5.1 Objetivos Gerais 5.2 Material Necessário


Ao final deste experimento o aprendiz de- • Trilho de colchão de ar;
verá ser capaz de
• Carro de massa m adequada ao experi-
• Estudar as características físicas do movi- mento;
mento retilíneo uniforme (MRU) e de suas
equações matemáticas; • Régua ou trena;

• Compreender o funcionamento de um tri- • Cronômetro ou similar;


lho de colchão de ar;
• Papel milimetrado (e papel log-log, se ne-
• Observar e caracterizar o movimento reti- cessário).
líneo uniforme em um objeto móvel;

• Determinar distâncias e tempos através


de régua e cronômetro; 5.3 Introdução
• Determinação da velocidade média de Pela 2ª lei de Newton [1, 2, 3], a força F~ re-
um móvel através de medições de deslo- sultante que atua sobre um corpo com massa
camentos e intervalos de tempo; m cuja aceleração é nula ~a = 0ı̂ + 0̂ + 0k̂ ≡ ~0
será
• Verificar que a velocidade média para d~p d~v
F~ = =m = m~0 (5.1)
deslocamentos iguais é igual à velocidade dt dt
média para deslocamentos não iguais, ou
para um móvel com movimento retilíneo dvx dvy dvz
e uniforme. = 0, = 0, = 0. (5.2)
dt dt dt
28
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Cuja solução é a família de soluções a um pa- utilizado neste experimento, ou seja, o tri-
râmetro lho de colchão de ar e o cronômetro digital.
Somente após esta etapa comece a reali-
∆x
vx (t) = vx0 = vx (0) = (5.3) zação do experimento.
∆t
∆y 2. Verifique se o trilho de colchão de ar está
vy (t) = vy0 = vy (0) = (5.4)
∆t convenientemente na posição horizontal,
∆z de forma que, se colocarmos o carro ini-
vz (t) = vz0 = vz (0) = (5.5)
∆t cialmente em repouso sobre ele, este deve
em que vx0 , vy0 e vz0 são velocidades constan- permanecer em repouso e não com acele-
tes1 . Assim a equação horária das posições fica ração em algum sentido.

x (t) = x0 + vx0 t (5.6) 5.4.1 Deslocamentos Iguais


y (t) = y0 + vy0 t (5.7)
1. Coloque o carro do trilho colchão de ar
z (t) = z0 + vz0 t (5.8)
em movimento, imprimindo-lhe um im-
na qual x0 , y0 e z0 é a posição inicial do móvel pulso inicial (v0 6= 0 m/s e de valor inde-
no instante t = 0 s. terminado), verifique o comportamento
Estas são as equações de movimento que do mesmo com relação ao atrito entre o
descrevem um objeto cobrindo distâncias mesmo e o trilho.
iguais em tempos iguais, ou mais generica- 2. Distribua os sensores do cronômetro
mente, distâncias proporcionais em tempos como na Figura (6.1), adotando s0 = 0 mm
proporcionais. e t0 = 0 s. Meça e ajuste cada desloca-
Num movimento unidimensional usaremos mento ∆si = si − si−1 , com i = 1, 2, . . . , n,
a notação s(t) indicando as posições ao longo de forma uniforme ao longo do trilho de
de um caminho (retilíneo) em função dos ins- ar, ou seja, ∆si = ∆sj para i 6= j.
tantes que o móvel passa por esses pontos, tal
que 3. Ligue o cronômetro e coloque o carro em
s (t) = s0 + v0 t (5.9) movimento retilíneo, através de um im-
pulso inicial, assim temos e v0 6= 0 m/s,
com
mas de valor indeterminado.
v (t) = v0 . (5.10)
4. Meça o tempo que o carro leva para se
deslocar entre os pontos definidos pelas
5.4 Procedimento Experimen- posições si como na Figura (6.1), ou seja,
tal meça os ∆ti = ti − ti−1 para os respectivos
∆si .
1. Inicialmente, entenda, de uma maneira
5. Verifique se o carro percorre ∆si iguais em
geral, o funcionamento do equipamento
∆ti iguais, ou seja, se a sua velocidade v =
1
O termo constante se refere à invariância temporal, en- v0 = vméd em cada ∆si .
quanto o termo uniforme se refere a valores iguais em
todos os pontos do espaço considerados, a invariância 6. Coloque o carro em movimento algumas
espacial. vezes, variando a intensidade do impulso

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 29 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

trecho se mantém constante e neste caso


igual a velocidade inicial v0 .

5. Efetue todas as medições dos desloca-


mentos ∆si e dos intervalos de tempo ∆ti
com seus respectivos incertezas/erros ou
precisões instrumentais.

Figura 5.1: Disposição dos sensores: espaços


iguais entre os sensores de passagem. 5.5 Apresentação, Análise
dos Resultados e Conclu-
sões
1. Elabore uma tabela apresentando os inter-
valos de tempo ∆ti = ti − ti−1 e os deslo-
camentos ∆si = si − si−1 ;

2. Calcule a velocidade média para cada in-


Figura 5.2: Disposição dos sensores: espaços
tervalo ∆ti e a sua respectiva incerteza as-
diferentes entre os sensores de passagem.
sociada. Isso deve ser feito para cada lan-
çamento do carrinho.
inicial e entenda como isto se relaciona
com a mudança dos valores de ∆ti . 3. Faça uma tabela das posições si ≡ s (ti ),
instantes ti e das velocidades médias
vméd,i nos intervalos medidos.
5.4.2 Deslocamentos Diferentes
4. Trace dois gráficos com auxílio desta ta-
1. Redistribua os sensores do cronômetro bela, um de s em função de t e outro de
como na Figura (6.2), adotando nova- v em função de t, em papel milimetrado.
mente s0 = 0 mm e t0 = 0 s. Porém não Aplique o Método dos Mínimos Quadra-
sendo necessário a distribuição uniforme dos para o traçado da melhor reta nos grá-
entre os deslocamentos ∆si . ficos, encontrando, deste modo, os valo-
res do coeficiente linear e angular da reta,
2. Coloque o carro em movimento através além da equação da reta para cada grá-
de um impulso inicial (v0 6= 0 m/s e de va- fico. Verifique quais são as grandezas fí-
lor indeterminado). sicas que correspondem ao coeficiente an-
gular e ao coeficiente linear no gráfico de
3. Meça os intervalos de tempo ∆ti para os s × t.
respectivos deslocamentos ∆si .
5. Faça todo o desenvolvimento do item an-
4. Observe que agora o carro percorre ∆si terior para as duas etapas citadas no Pro-
diferentes em ∆ti diferentes, porém, ve- cedimento Experimental, Seção (8.4). Co-
rifique se a velocidade média de cada mente e conclua acerca da dependência

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 30 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

de s em função de t, da equação que de-


termina os valores de s para um dado t,
e também da dependência da velocidade
instantânea v com o tempo.

Questões
O experimentador deve reunir indícios ex-
perimentais para elaborar uma discussão ma-
dura dos resultados e suas conclusões. Os
itens a seguir devem ser respondidos:

1. É razoável desprezar a resistência do ar?

2. Os parâmetros da equação são suficientes


para caracterizar o movimento estudado
nessa experiência?

3. O entre o objeto móvel e o trilho de ar é


importante?

Referências Bibliográficas
[1] HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER,
J. Fundamentos de Física. v. 1. 6. ed. Rio de
Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
2006.

[2] NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Bá-


sica. v. 1. 4. ed. São Paulo, SP: Edgard Blü-
cher, 2002.

[3] TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para Ci-


entistas e Engenheiros. v. 1. 5. ed. Rio de
Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
2006. 840 p.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 31 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Roteiro do Experimento:
6
Movimento Retilíneo Uniformemente
Variado (MUV)
!!! Não está pronto ainda !!!
!!! Ver procedimento experimental para a
determinação da velocidade inicial, ou como
fazê-la nula no sensor 1!!!

6.1 Objetivos Gerais • Determinação da velocidade média de


um móvel através de medições de deslo-
• Ao final deste experimento o aprendiz de- camentos e intervalos de tempo;
verá ser capaz de
• Verificar que a velocidade média para
• Estudar as características físicas do mo- deslocamentos iguais não é constante
vimento retilíneo uniformemente variado para um móvel com movimento retilíneo
(MUV) e de suas equações matemáticas; uniformemente variado;
• Verificar que o móvel percorre distâncias
• Compreender o funcionamento de um tri-
iguais em tempos diferentes.
lho de colchão de ar;

• Observar e caracterizar o movimento reti- 6.2 Material Necessário


líneo uniformemente variado em um ob-
jeto móvel; • Trilho de colchão de ar;
• Determinar distâncias e tempos através • Carro de massa m adequada ao experi-
de régua e cronômetro; mento;

32
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

• Régua ou trena; Num movimento unidimensional usaremos


a notação s(t) indicando as posições ao longo
• Cronômetro ou similar; de um caminho (retilíneo) em função dos ins-
• Papel milimetrado (e papel log-log, se ne- tantes que o móvel passa por esses pontos, tal
cessário). que
a
s (t) = s0 + v0 t + t2 (6.9)
2
6.3 Introdução com
v (t) = v0 + at. (6.10)
Pela 2ª lei de Newton [?, ?, ?], a força F~ resul-
tante que atua sobre um corpo com massa m
cuja aceleração é constante ~a = ax ı̂+ay ̂+az k̂ ≡
~0, com ax , ay e az constantes, será 6.4 Procedimento Experimen-
F~ =
d~p
=m
d~v
= m~a (6.1)
tal
dt dt
ou 1. Inicialmente, entenda, de uma maneira
dvx dvy dvz geral, o funcionamento do equipamento
= ax , = ay , = az . (6.2) utilizado neste experimento, ou seja, o tri-
dt dt dt
lho de colchão de ar e o cronômetro digital.
Cuja solução é a família de soluções a um pa- Somente após esta etapa comece a reali-
râmetro zação do experimento.
vx (t) = vx0 + ax t (6.3)
2. Diferentemente do movimento uniforme,
vy (t) = vy0 + ay t (6.4)
em que o trilho de colchão de ar está na
vz (t) = vz0 + az t (6.5) posição horizontal, o trilho deve ficar es-
em que vx0 , vy0 e vz0 são as velocidades no inst- tabilisado com um ângulo de inclinação
nate t = 0 s. Assim a equação horária das po- referente ao nível horizontal, de forma
sições fica que, se colocarmos o carro inicialmente
em repouso sobre ele, este deve apresen-
ax 2
x (t) = x0 + vx0 t + t (6.6) tar aceleração em algum sentido.
2
ay
y (t) = y0 + vy0 t + t2 (6.7) 3. Para isso, nivele horizontalmente o trilho
2
az 2 e ajuste o transferidor acoplado ao trilho
z (t) = z0 + vz0 t + t (6.8)
2 de forma que o fio de prumo marque 0°.
na qual x0 , y0 e z0 é a posição inicial do móvel Feito isso qualquer inclinação do trilho de
no instante t = 0 s. ar poderá ser medida com o auxílio do
Estas são as equações de movimento que transferidor acoplado a ele.
descrevem um objeto cobrindo distâncias
iguais em tempos iguais, ou mais generica- 4. Altere a inclinação do trilho de ar para um
mente, distâncias proporcionais em tempos valor diferente de 0°, meça esse valor e o
proporcionais. anote no caderno de laboratório.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 33 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Figura 6.1: Disposição dos sensores: espaços Figura 6.2: Disposição dos sensores: espaços
iguais entre os sensores de passagem. diferentes entre os sensores de passagem.

6.4.1 Deslocamentos Iguais 6.4.2 Deslocamentos Diferentes


1. Coloque o carro do trilho colchão em re- 1. Redistribua os sensores do cronômetro
pouso sobre o trilho de ar, sem nenhum como na Figura (6.2), adotando nova-
impulso inicial (v0 = 0 m/s), verifique o mente s0 = 0 mm e t0 = 0 s. Porém não
comportamento do mesmo com relação sendo necessário a distribuição uniforme
ao atrito entre o mesmo e o trilho. entre os deslocamentos ∆si .
2. Distribua os sensores do cronômetro 2. Coloque o carro em repouso sem um im-
como na Figura (6.1), adotando s0 = 0 mm pulso inicial (v0 6= 0 m/s e de valor inde-
e t0 = 0 s. Meça e ajuste cada desloca- terminado).
mento ∆si = si − si−1 , com i = 1, 2, . . . , n,
de forma uniforme ao longo do trilho de 3. Meça os intervalos de tempo ∆ti para os
ar, ou seja, ∆si = ∆sj para i 6= j. respectivos deslocamentos ∆si .

3. Ligue o cronômetro e coloque o carro em 4. Observe que agora o carro percorre ∆si
repouso em qulaquer posição antes do diferentes em ∆ti diferentes, porém, ve-
primeiro sensor do cronômetro, sem um rifique se a velocidade média de cada
impulso inicial, assim temos e v0 = 0 m/s. trecho se mantém constante e neste caso
igual a velocidade inicial v0 .
4. Meça o tempo que o carro leva para se
deslocar entre os pontos definidos pelas 5. Efetue todas as medições dos desloca-
posições si como na Figura (6.1), ou seja, mentos ∆si e dos intervalos de tempo ∆ti
meça os ∆ti = ti − ti−1 para os respectivos com seus respectivos incertezas/erros ou
∆si . precisões instrumentais.

5. Verifique se o carro percorre ∆si iguais em


∆ti iguais, ou seja, se a sua velocidade v = 6.5 Apresentação, Análise
v0 = vméd em cada ∆si . dos Resultados e Conclu-
6. Coloque o carro em movimento algumas sões
vezes, variando a intensidade do impulso
inicial e entenda como isto se relaciona 1. Elabore uma tabela apresentando os inter-
com a mudança dos valores de ∆ti . valos de tempo ∆ti = ti − ti−1 e os deslo-

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 34 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

camentos ∆si = si − si−1 ; 2. Os parâmetros da equação são suficientes


para caracterizar o movimento estudado
2. Calcule a velocidade média para cada in- nessa experiência?
tervalo ∆ti e a sua respectiva incerteza as-
sociada. Isso deve ser feito para cada lan- 3. O entre o objeto móvel e o trilho de ar é
çamento do carrinho. importante?

3. Faça uma tabela das posições si ≡ s (ti ),


instantes ti e das velocidades médias
vméd,i nos intervalos medidos.

4. Trace dois gráficos com auxílio desta ta-


bela, um de s em função de t e outro de
v em função de t, em papel milimetrado.
Aplique o Método dos Mínimos Quadra-
dos para o traçado da melhor reta nos grá-
ficos, encontrando, deste modo, os valo-
res do coeficiente linear e angular da reta,
além da equação da reta para cada grá-
fico. Verifique quais são as grandezas fí-
sicas que correspondem ao coeficiente an-
gular e ao coeficiente linear no gráfico de
s × t.

5. Faça todo o desenvolvimento do item an-


terior para as duas etapas citadas no Pro-
cedimento Experimental, Seção (8.4). Co-
mente e conclua acerca da dependência
de s em função de t, da equação que de-
termina os valores de s para um dado t,
e também da dependência da velocidade
instantânea v com o tempo.

Questões
O experimentador deve reunir indícios ex-
perimentais para elaborar uma discussão ma-
dura dos resultados e suas conclusões. Os
itens a seguir devem ser respondidos:

1. É razoável desprezar a resistência do ar?

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 35 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Roteiro do Experimento:
7
Queda Livre

7.1 Objetivos Gerais • Régua ou trena;

Ao final deste experimento o aprendiz de- • Balança;


verá ser capaz de
• Cronômetro ou similar;
• Observação do movimento de queda livre
e caracterização do movimento retilíneo • Papel milimetrado e papel log-log.
uniformemente acelerado sob a influência
de um campo gravitacional.
7.3 Introdução
• Determinação da aceleração da gravidade
de um corpo próximo à superfície terres-
Pela 2ª lei de Newton [1, 2, 3], a força F~ re-
tre.
sultante que atua sobre um corpo com massa
• Determinação das equações que regem o m será
d~p d~v
movimento de um corpo em queda livre; F~ = =m = m~a (7.1)
dt dt
• Caracterização da influência da massa no No caso de uma única força, isto é, a
processo de queda livre força peso F~g = m~g , atuando sobre o corpo
(desprezando-se a resistência do ar) a equação
torna-se
7.2 Material Necessário d~v
m~g = m . (7.2)
dt
• Arranjo para queda livre com sensores
ópticos; Que em uma dimensão torna-se apenas

• Corpo de massa m adequada ao experi- dv


− mg = m . (7.3)
mento; dt
• Suporte para ajuste e apoio do fio e massa; com g o valor absoluto da aceleração local.

36
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

A solução da equação para a velocidade (v) 7.4 Procedimento Experimen-


e a posição (s) será
tal
v (t) = v0 − gt (7.4)
g Nesse experimento utilizaremos o arranjo
s (t) = s0 + v0 t − t2 (7.5)
2 experimental mostrado na Figura (7.1), em
A posição inicial e velocidade inicial são que o corpo de prova é uma esfera metálica.
s0 ≡ s(0) e v0 ≡ v (0), respectivamente. O funcionamento do dispositivo é relativa-
No caso mais geral as forças resultantes de- mente simples:
vem levar em consideração a força de atrito
viscoso do ar sobre o corpo em queda devido • A passagem de uma corrente2 pelo ele-
à resistência do ar troímã faz que este prenda a esfera me-
tálica ligeiramente antes do primeiro sen-
F~ar = −b~v (7.6)
sor;
em que b é a constante de força viscosa1 e o
sinal negativo evidencia a característica de F~ar • e a interrupção da corrente libera a esfera.
sempre se opor ao sentido do movimento do
corpo no meio viscoso. Portanto, escrevemos
a equação com o termo dissipativo incluso
d~v
m~g − b~v = m , (7.7)
dt
cuja família de soluções é
mg  
v (t) = v0 e−bt/m − 1 − e−bt/m . (7.8)
b
A expansão da função ex em séries de po-
tências é a seguinte expansão
x2 x3 xj
ex = 1 + x + + + ... + + ... (7.9)
2! 3! j!
E se x = −bt/m e nas condições de pequena
resistência do ar b  m, mas não desprezível
a equação anterior simplifica-se
Figura 7.1: Arranjo experimental de queda li-
v (t) ≈ v0 − gt. (7.10) vre. A parte a) é a régua e suporte metálico dos
O que retorna à dependência linear da velo- cinco fotosensores e coletor do corpo de prova
ciadade com o tempo. na parte inferior; b) desenho esquemático do
Para pequenos tempos comparados com a sistema de liberação do corpo de prova e a sua
relação m/b a aproximação acima também é detecção pelo fotosensor; c) cronômetro digi-
válida. tal dos fotosensores.
1 2
A constante depende dos parâmetros da geometria O eletroímã não deve ficar ligado mais que 30 s para
do corpo e das características do fluido. não danificar o sistema.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 37 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

• Após a passagem da esfera pelo primeiro 3. Faça as medições dos ∆s com seus respec-
sensor o cronômetro, Figura (7.1), começa tivos erros ou precisão instrumental.
a contagem do tempo de passagem em
cada sensor seqüente. 4. Execute o processo de queda de um
corpo, medindo antes sua massa com sua
É aconselhável ao experimentador a escolha respectiva precisão instrumental.
de cinco posições para a fixação dos sensores
5. No processo de queda meça os ∆t relacio-
na régua metálica do sistema de queda livre.
nados com os ∆s medidos anteriormente,
O primeiro sensor deve estar o mais pró-
tomando o cuidado de repetir as medidas
ximo possível do corpo de porova para que
dos ∆t pelo menos 5 vezes, isto é, o corpo
s (0) = s0 = 0 m (7.11) deve ser colocado em queda pelo e menos
5 vezes, no mínimo.
e
t (0) = t0 = 0 s, (7.12) 6. Troque o corpo por outro, meça no-
vamente a massa do mesmo e execute
portanto o modelo teórico será
a queda deste novo corpo, seguindo o
g mesmo procedimento anterior para a me-
s (t) = t2 (7.13)
2 dida dos ∆t.
que descreve as posições em que o corpo de
prova estará a medida que o tempo é contado.
Execute um processo de queda de um corpo,
7.5 Apresentação, Análise
medindo o deslocamento espacial ∆s e o dos Resultados e Conclu-
tempo ∆t necessário para que tal corpo per-
corra este deslocamento, através do seguinte
sões
procedimento. • Elabore uma tabela com os ∆t medidos
1. Para cada processo de queda o experi- com seus valores médios e seus desvios
mentador deve repetir o processo pelo padrões para os dois corpos e o utilizados,
menos 5 vezes para cada corpo de prova e expresse os valores finais de ∆t com seus
no mínimo três massas diferentes. respectivos erros, instrumental ou estatís-
ticos.
2. Primeiramente, ajuste os sensores do
cronômetro digital nas seguintes posições • Calcule os valores das posições s1 , s2 , s3 ,
da régua: 0 mm, 150 mm, 300 mm, 550 mm s4 , dos tempos t1 , t2 , t3 , t4 e das velocida-
e 600 mm; tomando o cuidado para que des instantâneas v1 , v2 , v3 , v4 .
o primeiro sensor fique o mais próximo • Com o auxílio dos resultados obtidos,
possível da posição inicial do corpo (s0 ). monte tabelas da posição s e da veloci-
Isto é necessário para podermos conside- dade instantânea v em função do tempo
rar v0 e t0 iguais a zero, ou seja, executar t.
uma aproximação de que o corpo parte
do repouso, pois o cronômetro digital só • Através destas tabelas construa, respecti-
medirá a variação do tempo entre dois de vamente, dois gráficos, um de s em fun-
seus sensores. ção de t em papel log-log e outro de s em

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 38 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

função de t em papel milimetrado. Cons- 1. É razoável desprezar a resistência do ar e


trua também um gráfico de v em função o empuxo?
de t em papel milimetrado.
2. Os parâmetros iniciais que caracterizam o
• Aplique o Método dos Mínimos movimento do corpo de prova são razoá-
Quadrados[4]3 para o traçado da me- veis para a escolha do modelo apresen-
lhor reta nos gráficos[5, 6] que possuem tado na equação?
uma dependência linear, encontrando,
deste modo, os valores do coeficiente 3. O valor encontrado da aceleração da gra-
linear e angular, e além da equação da vidade está de acordo com os valores en-
reta para cada gráfico. contrado pelo pêndulo simples? E os va-
lores tabelados para Sinop-MT?
• Analisando os gráficos anteriores com
suas respectivas equação da reta, deter- 4. Se o corpo tivesse outra forma como se-
mine o valor experimental da aceleração riam os resultados?
da gravidade local. Compare e discuta
com o valor teórico g = (9787 ± 1)mm/s2 .
Referências Bibliográficas
[1] HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER,
Questões J. Fundamentos de Física. v. 1. 6. ed. Rio de
1. Explique as aproximações realizadas para Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
a simplificação de um sistema de queda 2006.
real de um corpo em um sistema de queda [2] NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Bá-
livre. sica. v. 1. 4. ed. São Paulo, SP: Edgard Blü-
2. Descreva detalhadamente as condições fí- cher, 2002.
sicas envolvidas em um corpo em queda [3] TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para Ci-
livre, utilizando-se de um esquema deta- entistas e Engenheiros. v. 1. 5. ed. Rio de
lhado da principal força que atua sobre o Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
sistema. 2006. 840 p.
3. Equacione a força envolvida e desenvolva [4] MONTGOMERY, D. C.; RUNGER, G. C.
as equações matemáticas que regem o Estatística Aplicada e Probabilidade para Enge-
comportamento de um corpo em queda li- nheiros. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 2003.
vre.
[5] VUOLO, J. H. Fundamentos da Teoria de Er-
O experimentador deve reunir indícios experi- ros. 2. ed. São Paulo, SP: Editora Edgar Blü-
mentais para elaborar uma discussão madura cher, 1992.
dos resultados e suas conclusões. Os itens a
seguir devem ser respondidos: [6] BARTHEM, B. R. Tratamento e Análise de
Dados em Física Experimental. Rio de Janeiro,
3
O nosso modelo é algo do tipo s (t) = Ktβ . Linea- RJ: Editora da UFRJ, 1996.
rizando a ultima equação temos: Y = A + BX, em que
Y = ln (s (t)), A = ln (K), b = β e X = ln (t).

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 39 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Roteiro do Experimento:
8
Modelagem Matemática da Lei de Hooke
!!! Não está pronto ainda !!!

8.1 Objetivos Gerais 8.2 Material Necessário


Ao final deste experimento o aprendiz de- • Suporte para argolas ou similar;
verá ser capaz de
• Conjunto de argolas maciças metálicas;

• Estudar as características físicas do com- • Régua ou trena;


portamento de uma mola helicoidal
• Balança;
quando esticada;
• Papel milimetrado (e papel log-log, se ne-
• Modelar matematicamente a lei de Hooke cessário).
para uma mola helicoidal;

• Observar e caracterizar os limites de vali- 8.3 Introdução


dade da modelagem matemática da lei de
Hooke para cada mola usada; Qualquer função analítica em um ponto x =
a pode ser representada por uma série de po-
• Determinar as constantes elásticas das tências, de forma que seu cálculo seja feito
molas utilisadas utilizando régua e ba- através de máquinas computaionais. Uma
lança; função então pode ser expressa como a espan-
são
• Comparar a modelagem utilizada para ∞
ai x i
X
uma mola metálica com a de um seg- f (x) =
i=0
mento de material elástico polimérico (ar-
gola de borracha) para verificar se ocorre = a0 + a1 x + a2 x 2 + · · · + aj x j + · · · ,
histerese nos casos citados. (8.1)

40
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

que podem ser obtidas por seéries de Taylor suspensão de carros, portas automáticas, reló-
ou Maclaurin (ou mesmo usando outra base gios mecânicos — etc.
de funções adequada à espansão desejada).
Tal espansão pode ser aproximada por um
polinômio de grau n com uma determinada 8.4 Procedimento Experimen-
erro de truncamento da série anterior, ou seja,
n
tal
f (x) ∼ ai x i
X
=
i=0
Inicialmente, entenda, de uma maneira ge-
= a0 + a1 x + a2 x2 + · · · + an xn . (8.2) ral, o funcionamento do equipamento utili-
zado neste experimento, ou seja, o trilho de
A lei de Hooke trata exatamente de uma colchão de ar e o cronômetro digital. Somente
aproximação de um comportamento linear após esta etapa comece a realização do expe-
para a força que uma mola faz quando rimento.
deformada a partir de seu estado não-
deformado. Considere uma mola helicoidal
não-deformada e um ponto de suas extremi- 8.4.1 Deslocamentos Iguais
dades como referência. Este ponto de referên- 1. Coloque o carro do trilho colchão de ar
cia terá um deslocamento x a partir de x = 0 em movimento, imprimindo-lhe um im-
para cada estado de equilíbrio que a mola en- pulso inicial, verifique o comportamento
contrar quando uma força externa for apli- do mesmo com relação ao atrito entre o
cada. mesmo e o trilho.
A dependência deste deslocamento do
ponto de referência com a força que a mola faz 2. Distribua os sensores do cronômetro
para compensar a força externa é do tipo como na Figura (6.1), adotando s0 = 0 mm
F (x) = −kx, (8.3) e t0 = 0 s. Meça e ajuste cada desloca-
mento ∆si = si − si−1 , com i = 1, 2, . . . , n,
para pequenas deformações, com F (x) sendo de forma uniforme ao longo do trilho de
a força de restituição da mola, k a constante es- ar, ou seja, ∆si = ∆sj para i 6= j.
lástica da mola e x a elongação desta a partir
de seu ponto não-deformado. Assim a equa- 3. Ligue o cronômetro e coloque o carro em
ção (8.3) é uma aproximação, ou força efetiva movimento retilíneo, através de um im-
para pequenas deformações, relativa às forças pulso inicial, assim temos e v0 6= 0 m/s,
intermoleculares na mola, sendo a aproxima- mas de valor indeterminado.
ção de primeira ordem em x que pode-se fazer
na espansão (8.2). 4. Meça o tempo que o carro leva para se
A constante elástica pode ser obtida da deslocar entre os pontos definidos pelas
equação (8.3) via posições si como na Figura (6.1), ou seja,
meça os ∆ti = ti − ti−1 para os respectivos
F (x)
k=− . (8.4) ∆si .
x
E esta caracteriza o comportamento de cada 5. Verifique se o carro percorre ∆si iguais em
uma das molas que são usadas em laborató- ∆ti iguais, ou seja, se a sua velocidade v =
rios, dispositivos de restituição mecânica — v0 = vméd em cada ∆si .

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 41 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

6. Coloque o carro em movimento algumas 3. Faça uma tabela das posições si ≡ s (ti ),
vezes, variando a intensidade do impulso instantes ti e das velocidades médias
inicial e entenda como isto se relaciona vméd,i nos intervalos medidos.
com a mudança dos valores de ∆ti .
4. Trace dois gráficos com auxílio desta ta-
bela, um de s em função de t e outro de
8.4.2 Deslocamentos Diferentes v em função de t, em papel milimetrado.
1. Redistribua os sensores do cronômetro Aplique o Método dos Mínimos Quadra-
como na Figura (6.2), adotando nova- dos para o traçado da melhor reta nos grá-
mente s0 = 0 mm e t0 = 0 s. Porém não ficos, encontrando, deste modo, os valo-
sendo necessário a distribuição uniforme res do coeficiente linear e angular da reta,
entre os deslocamentos ∆si . além da equação da reta para cada grá-
fico. Verifique quais são as grandezas fí-
2. Coloque o carro em movimento através sicas que correspondem ao coeficiente an-
de um impulso inicial (v0 6= 0 m/s e de va- gular e ao coeficiente linear no gráfico de
lor indeterminado). s × t.
3. Meça os intervalos de tempo ∆ti para os 5. Faça todo o desenvolvimento do item an-
respectivos deslocamentos ∆si . terior para as duas etapas citadas no Pro-
cedimento Experimental, Seção (8.4). Co-
4. Observe que agora o carro percorre ∆si
mente e conclua acerca da dependência
diferentes em ∆ti diferentes, porém, ve-
de s em função de t, da equação que de-
rifique se a velocidade média de cada
termina os valores de s para um dado t,
trecho se mantém constante e neste caso
e também da dependência da velocidade
igual a velocidade inicial v0 .
instantânea v com o tempo.
5. Efetue todas as medições dos desloca-
mentos ∆si e dos intervalos de tempo ∆ti
com seus respectivos incertezas/erros ou Questões
precisões instrumentais.
O experimentador deve reunir indícios ex-
perimentais para elaborar uma discussão ma-
8.5 Apresentação, Análise dura dos resultados e suas conclusões. Os
itens a seguir devem ser respondidos:
dos Resultados e Conclu-
sões 1. É razoável desprezar a resistência do ar?

2. Os parâmetros da equação são suficientes


1. Elabore uma tabela apresentando os inter-
para caracterizar o movimento estudado
valos de tempo ∆ti = ti − ti−1 e os deslo-
nessa experiência?
camentos ∆si = si − si−1 ;
2. Calcule a velocidade média para cada in- 3. O entre o objeto móvel e o trilho de ar é
tervalo ∆ti e a sua respectiva incerteza as- importante?
sociada. Isso deve ser feito para cada lan-
çamento do carrinho.

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 42 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
Roteiro do Experimento:
9
Pêndulo Simples

9.1 Objetivos Gerais cando todas as aproximações necessárias para


o desenvolvimentos das equações matemáti-
Ao final deste experimento o aprendiz de- cas que regem o comportamento do pêndulo,
verá ser capaz de (veja as referências [1, 2]) principalmente o pe-
ríodo (T ) em função do comprimento (L) do
• aproximar as funções seno e co-seno para fio que determina o pêndulo simples.
pequenos ângulos;

• determinar a aceleração da gravidade;

• observar a influência da massa do corpo e


da variação do comprimento do pêndulo
no período de oscilação.

9.2 Introdução
O pêndulo simples [1, 2] é constituído por
um corpo suspenso em um fio leve não ex-
tensível. Quando afastado de sua posição de
equilíbrio estável e solto, o pêndulo oscila no
plano vertical, em torno do ponto de fixação
do fio, devido a ação da força da gravidade.
Descreva detalhadamente as condições fí-
sicas envolvidas em um pêndulo simples,
utilizando-se de um esquema detalhado das
principais forças que atuam sobre o pên- Figura 9.1: Pêndulo simples, segundo seu
dulo. Equacione as forças envolvidas justifi- comprimento L e massa oscilante m.

43
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

Na Figura (9.1) podemos observar que as • Suporte para ajuste e apoio do fio e massa;
componentes da força peso, p~ = m~g , (px orto-
gonal do fio, py paralela ao fio) são dadas por • Régua ou trena;
• Balança;
px = mg sin (θ0 ) , (9.1)
py = mg cos (θ0 ) , (9.2) • Cronômetro ou similar;

em que m é a massa do corpo oscilante, g a • Papel milimetrado.


aceleração da gravidade local e θ0 o ângulo de
abertura máximo de oscilação do pêndulo.
Pode-se expandir o seno e o co-seno em sé-
9.4 Procedimento Experimen-
rie de potências em torno de θ0 tal
θ03 (−1)n θ02n+1 1. Ajuste o comprimento L do pêndulo e co-
sin (θ0 ) = θ0 − + ... + + ...
3! (2n + 1)! loque o mesmo em oscilação, tomando o
θ02 (−1)n θ02n cuidado de não ultrapassar o ângulo má-
cos (θ0 ) = 1 − + ... + + ... ximo de ≈ 15° na oscilação.
2! (2n)!

Para pequenos ângulos θ0  1, podemos 2. Meça o tempo de 10 oscilações e deter-


aproximar o sin (θ0 ) ≈ θ0 e o cos (θ0 ) ≈ 1 de mine o período de uma oscilação (T ) atra-
forma que vés de:
(tempo de 10 oscilações)
px ≈ mgθ0 (9.3) T =
10
py ≈ mg (9.4)
Execute este processo 5 vezes e determine
O período do movimento do pêndulo, para o valor mais provável do período de osci-
pequenos ângulos, será dado por lação (T ) do pêndulo para o comprimento
l (utilize toda a teoria de erros já estuda
anteriormente).
s
L
T = 2π , (9.5)
g 3. Repita toda a etapa anterior para 5 valores
distintos do comprimento L do pêndulo
em que L é o comprimento do pêndulo, g é a
simples.
aceleração da gravidade local.
O que nos permite determinar a aceleração 4. Repita toda as etapa anteriores para 3 va-
da gravidade apenas pela determinação do pe- lores distintos da massa m do pêndulo
ríodo T e do comprimento L do fio. simples.

9.3 Material Necessário 9.5 Apresentação, análise dos


• Fio com comprimento variado; resultados e conclusões
• Corpo de massa m adequada ao experi- 1. Calcule os erros limites absoluto, rela-
mento; tivo e percentual e os erros médios abso-

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 44 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
ESTADO DE MATO GROSSO
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

luto, relativo e percentual da medida do oscilação do pêndulo simples.


período.[3, 4]
2. Por que motivo o período de oscilação va-
2. Em seguida, determine através da propa- ria sutilmente em cada uma das 5 medi-
gação do erro na medida do período os er- ções feitas? Argumente com base nos des-
ros limites absoluto, relativo e percentual vios experimentais existentes: erro gros-
e os erros médios absoluto, relativo e per- seiro, erro sistemático, erro aleatório.
centual da gravidade local. Determine os
valores mais prováveis da gravidade por 3. Por que no Procedimento Experimental é
este método. indicado que seja limitado o ângulo má-
ximo de oscilação do pêndulo?
3. Com o auxílio dos resultados obtidos,
monte tabelas e construa dois gráficos
para cada valor de massa m. Referências Bibliográficas
(a) O primeiro com o período de oscila- [1] NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Bá-
ção ao quadrado em função do com- sica. v. 1. 4. ed. São Paulo, SP: Edgard Blü-
primento do fio do pêndulo simples. cher, 2002.
(b) O segundo com o período de oscila- [2] TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para Ci-
ção em função do comprimento do entistas e Engenheiros. v. 1. 5. ed. Rio de
pêndulo. Explique o tipo de curva Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos,
de cada gráfico, determine e comente 2006. 840 p.
a forma de variação do período do
pêndulo em função do comprimento [3] VUOLO, J. H. Fundamentos da Teoria de Er-
do mesmo. Em ambos, determine ros. 2. ed. São Paulo, SP: Editora Edgar Blü-
graficamente o valor da aceleração cher, 1992.
da gravidade local (g).
[4] BARTHEM, B. R. Tratamento e Análise de
4. Compare e discuta o valor obtido grafica- Dados em Física Experimental. Rio de Janeiro,
mente da gravidade local com o valor teó- RJ: Editora da UFRJ, 1996.
2
rico (g = 978,7 cm/s ) e os valores obtidos
pela propagação direta do erro nas medi-
das dos períodos do pêndulo para cada
valor e de l utilizado, explicando as possí-
veis discrepâncias entre os valores.

5. Comente a exatidão e precisão dos resul-


tados obtidos.

Questões
1. Por que usamos 10 oscilações e não ape-
nas 1 oscilação para medir o período de

Avenida dos Ingás, 3001 – Centro – CEP: 78.550-000 – Sinop – MT. 45 de 46


Tel./FAX: (66) 3511 2125 – Cx. Postal: 680
E-mail: sggranja@unemat-net.br
10
verificação da soma de forças

46