Você está na página 1de 1

Espiritismo é telepatia intervivos.

Meu irmão foi em uma médium e sem dizer nada ela lhe disse que nossa mãe estava ali (em
espírito) e queria lhe falar sobre o que ela sentiu quando agonizava no hospital e mandar
beijos para familiares dela. Há espírito fora do corpo e eles voltam para falar conosco.
Ponto final?

Uma das coisas que a médium disse é que havia um cão (já falecido) que correu para o colo
do meu irmão. Já a mãe, ela ainda estava com as características dela quando morreu: cabelo
preso e rosto e corpo inchados. Mas, por que o cão estava correndo quando nos seus
últimos anos ele mal se arrastava? E por que o espírito da nossa mãe não se apresentaria
sem inchaços adquiridos no leito do hospital? Não seriam estas as imagens mais fortes que
meu irmão guardava em seu cérebro?

Há um fato que parecem justificar a minha crença de que a médium nada mais fez do que
ler pensamentos e imagens que estão guardadas na mente de meu irmão e de todos os
clientes dela: eu estava caminhando e pensei no outro cão (ainda vivo) do meu irmão, um
“sharpei” e sem saber uma quadra depois apareceu um “sharpei”. Como? Eu não poderia
tê-lo visto, nem ouvido (“sharpei” são quase mudos, não latem para nada!), nem mesmo
poderia ter sentido seu cheiro, nem gosto e tato, obviamente. Previ o futuro? Algum espírito
me avisou? Por que apresentar respostas tão absurdas, quando podemos pensar que as
sensações convertidas no cérebro em impulsos elétricos não ficam presas na cabeça e se
espalham pelo meio a nossa volta tal qual as ondas dos nossos aparelhos de tv e rádio.

Índios que vivessem longe de nossa civilização ocidental diriam provavelmente que um
aparelho de tv tem espíritos, mas nós não. Riríamos deles, não? Mas, o que acontece é que
somos como índios que crêem que espíritos falem dentro de nossos corpos e cabeças e não
somos capazes de perceber uma explicação mais próxima.

Não vou debater aqui outros absurdos, mas saiba o leitor que: 1) alma e corpo não podem
ocupar o mesmo lugar, 2) como um espírito moveria algo físico? 3) alma é a causa da vida,
então por que precisamos nos alimentar? 4) quando morremos foi porque a alma foi
embora? (teoria de René Descartes).

Em minha opinião é quando um parente próximo morre que temos mais desejo de que
exista vida após a morte. A morte não é a causa do filosofar, mas a criadora da religião!

Finalmente, não peço que os espíritas pensem nestas questões que levantei, pois é
impossível que eles mudem de idéia, assim como, é impossível que um drogado abandone
seu vício. Peço apenas que eles não chamem de filosofia sua religião. É uma falta de
respeito aos filósofos. Na filosofia questionamos tudo, inclusive a própria filosofia. Não há
verdades inquestionáveis.