Você está na página 1de 25

Aula 1

Expedição e Distribuição

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Distribuição Física

Distribuição Física Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

No Mercado existem dois

No Mercado existem dois Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior
Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Visão interna de Movimentação de Produto

Visão interna de Movimentação de Produto Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Modelagem do Armazenamento de um produto

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

WMS

WMS Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Distribuição Física - Expedição

Planejamento da Distribuição

Expedição Controle de Entregas

Transporte Fábricas/Armazéns Armazéns/Clientes Fábricas/Clientes
Transporte
Fábricas/Armazéns
Armazéns/Clientes
Fábricas/Clientes

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Modalidades de Entrega

1.

Descentralizada

2.

Centralizada com estoques no centro de distribuição

3.

Centralizada com cross docking simples no centro de distribuição

4.

Centralizada com cross docking avançado

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Modalidades de Entrega

Descentralizada

O material é separado na fábrica no mix e em quantidades pedidas pelo cliente, é retirado pelo

veículo escolhido e enviado diretamente ao cliente,

não passando por operações intermediárias de

armazenagem.

Centralizada com estoque no centro de distribuição

O material é separado na fábrica no mix e em

quantidades necessárias e enviado ao centro de distribuição no qual é estocado até a liberação dos

pedidos dos clientes regionais, o material é

separado, consolidado por cliente e enviado.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Modalidades de Entrega

Centralizada com cross docking simples no centro de

distribuição

O material chega ao centro de distribuição é

imediatamente separado e consolidado por

cliente sem passar pelo estoque do centro de

distribuição. Centralizada com cross docking avançado

O material já é separado e consolidado por cliente na fábrica e no centro de distribuição, a carga é

apenas redistribuída por veículo e roteiro

regional.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Expedição

Corresponde ao processo de separar os itens armazenados em um determinado local,

movimentando-os para um outro lugar, o

cliente. Atividades como carregar e pesar

veículo, emitir documentação e liberar veículos são atividades de expedição.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Processo de Expedição

Receber pedido: Consiste na passagem dos pedidos

da área de vendas para a distribuição. Identificar o

pedido liberado para atendimento, ou seja, validados

pela análise de crédito e priorização de cliente.

Consolidar pedidos: Análise e agrupamento de

pedidos com base nas características dos produtos,

rotas de entrega, datas requeridas e localização dos

clientes visando o menor custo de transporte,

armazenagem e o melhor serviço ao cliente.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Processo de Expedição

Planejamento e programação do transporte: Selecionar

o melhor modo de transporte: caminhão, navio, trem,

etc, avaliando capacidade, custo, segurança.

Rotas de transporte: Consiste em formar as cargas com

base na localização física do cliente, modo de transporte

a ser usado e capacidade do veículo.

Seleção da empresa de transporte: Escolha do

transportador com base na qualidade, negociação de

fretes (preço, prazo) e disponibilidade de veículos.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Processo de Expedição

Separação de produto: Consiste nas atividades que vão

desde a retirada do produto em estoque até sua colocação

em determinado local para o carregamento do veículo.

Carregamento do veículo: Colocar o produto no veículo

conforme ordens de carga previamente geradas, levando em

consideração fatores como: tipo e característica do material

a carregar que influencia no tipo de transporte e na forma

de carregamento; infra-estrutura para carregamento que são

representadas por equipamentos (empilhadeiras, plataformas, silos) e qualificação da mão-de-obra.

Geração de documentação de transporte: Emissão de

documentos de transporte de acordo com as normas legais.

Transporte: Movimentação física, que pode se dar em várias

circunstâncias considerando destino com movimentação direta ao cliente, para o centro de distribuição próprio, para um centro de apoio e movimentação a terceiros para

retrabalho.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Processo de Expedição

Entrega do produto ao cliente: A entregado do

produto segue parâmetros como: restrições físicas do

local de entrega em termos de capacidade e infra-

estrutura, dia e horário de recebimento, influenciando

o modo de transporte e tamanho do veículo.

Instalação do produto: Alguns produtos devem ser

instalados pelo fornecedor, como o abastecimento de

gôndolas, conservadores, e outros devem exigem

pessoal técnico para instalação como equipamentos

(maquinários).

Fatura e recebimento de pagamento: Após a entrega

e instalação (se necessária) o departamento de consta

a receber é acionado e inicia o processo de cobrança

com a emissão da fatura.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Atividade de Acompanhamento

Estudo de Caso

PHILIP MORRIS DO BRASIL

A Philip Morris do Brasil foi uma das ganhadoras do IV Prêmio

ABML de Logística na categoria sistemas de embalagem e

unitização de cargas. A solução da empresa fabricante de

cigarros compreendeu suas providencias de reunitização de

embalagens.

A distribuição física de cigarros, muito pulverizada, reúne elevado

número de entregas por veículo. A empresa prepara 3 mil

pedidos por dia só na capital paulista. Isto gera uma compra e

consumo elevado de caixas de papelão ondulado para a

consolidação dos pedidos (para 10 pacotes e 25 pacotes).

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Após vários estudos, desenvolveu-se um sistema para

reutilização das próprias caixas de papelão

ondulado provenientes da fábrica, que

comportavam 50 pacotes de um mesmo produto e

que eram descartadas no centro de distribuição. O

reaproveitamento foi feito a partir de uma máquina

de corte, que transforma caixas originárias da

fábrica em caixas menores, adequadas a

embalagem de pedidos com 10 e 25 pacotes.

A empresa adotou também programa para estimular

a devolução de caixas utilizadas pelo varejo.

Destacam-se entre os resultados “pay-back” de 4

meses, redução anual de despesas na ordem de

150mil e redução de descarte de papelão

ondulado.

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Atividade de Acompanhamento 1

1. Com base na teoria como deve ser o sistema de expedição no centro de distribuição da

empresa.

2. Como a empresa pode aumentar a

devolução das caixas pelos varejistas? Como

o enfoque ambiental (logística reversa) e de

responsabilidade social poderiam ajudar a convencer os varejistas?

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Você sabia?

Você sabia? Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

VS ?

VS ? Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior