Você está na página 1de 6

Tipo de atividade:

Prova  Trabalho 
Avaliação: G1  G2 
Substituição de Grau: 

Curso: “ME SALVA MOA” Disciplina: Física Mecânica Data:

Turma: TODAS Professor: Moacyr Marranghello 18/11/2017

GABARITO

 Para todas as questões, caso seja necessário, adote g = 9,8 m/s²

Trabalho de revisão geral – “ME SALVA MOA”

1. A posição de uma partícula que se move sobre um plano xy é dada por:


x(t) = – 5 – 4,2 t +0,1 t3 (SI), e y(t) = 2 + 16,5 t –1,2 t2 (SI).
Determine, e expresse em formato de vetores unitários, após 5 s:
a) a velocidade da partícula;
b) a aceleração da partícula.

x(t) = −5 − 4,2t + 0,1t³ y(t) = 2 + 16,5t − 1,2t²


dx(t) dy(t)
vx(t) = vy(t) =
dt dt
vx(t) = −4,2 + 0,3t² vy(t) = 16,5 − 2,4t
vx(5) = −4,2 + 0,3 ∙ 5² vy(5) = 16,5 − 2,4 ∙ 5
𝐯𝐱(𝟓) = 𝟑, 𝟑 𝐦/𝐬 𝐯𝐲(𝟓) = 𝟒, 𝟓 𝐦/𝐬
dvx(t) dvy(t)
ax(t) = ay(t) =
dt dt
ax(t) = 0,6t ay(t) = −2,4
ax(5) = 0,6 ∙ 5 𝐚𝐲(𝟓) = −𝟐, 𝟒 𝐦/𝐬²
𝐚𝐱(𝟓) = 𝟑 𝐦/𝐬²
𝐯(𝟓) = (+𝟑, 𝟑 ⃗𝐢 + 𝟒, 𝟓 ⃗𝐣) 𝐦/𝐬
𝐚(𝟓) = (+𝟑 ⃗𝐢 − 𝟐, 𝟒 ⃗𝐣) 𝐦/𝐬²

2. Um corpo é lançado obliquamente, a partir do solo, com uma velocidade de lançamento de 24 m/s e
atingiu uma altura máxima de 10,4 m. Desprezando-se a resistência do ar, determine:
a) o ângulo de lançamento com a horizontal deste corpo.
b) o máximo alcance horizontal atingido por este corpo.

Dados fornecidos pelo problema


voy vo
Vo = 24 m/s
voy = vo . sen 
hmáx
vx = vo . cos   vx
So = ( 0 ; 0 )
hmáx = 10,4 m
a) Analisando o movimento em Y
10,4
g ∙ t² t=√
y = yo + voy ∙ t + 4,9
2
vy = voy + g ∙ t t = 2,12 s
Voltando para equação anterior, temos:
Na altura máxima vy = 0, então, substituindo os
valores: vo ∙ sin  = 9,8 ∙ t
24 ∙ sin  = 9,8 ∙ 2,12
9,8 ∙ t²
10,4 = 0 + vo ∙ sin  ∙ t − sin  = 0,865666
2
0 = vo ∙ sin  − 9,8 ∙ t  ≈ 𝟔𝟎°
Podemos afirmar então que:
vo ∙ sin  = 9,8 ∙ t b) Alcance horizontal (analisando o eixo X):
Substituindo na primeira equação, teremos: vo 2 ∙ sin(2)
x=
9,8 ∙ t² g
10,4 = 9,8 ∙ t ∙ t − 242 ∙ sin(2 ∙ 60)
2 x=
10,4 = 9,8 ∙ t² − 4,9 ∙ t² 9,8
10,4 = 4,9 ∙ t² 𝐱 = 𝟓𝟎, 𝟗 𝐦

3. Os corpos A e B, de massas 8 kg e 3 kg, respectivamente, sobem o plano inclinado a seguir com


aceleração constante e igual a 0,2 m/s². Sendo  = 34° e os coeficientes de atrito cinético entre os
blocos e o plano inclinado respectivamente iguais a 0,24 e 0,35, então:
a) Qual o módulo da força F, paralela ao plano inclinado?
b) Qual o valor da força entre os dois corpos A e B? FN B

B
a) Ao lado você encontra o diagrama de forças
FN A
referente a situação proposta no problema.
FAB
Inicialmente vamos decompor os pesos dos corpos A e B:
A FBA
PxA = PA ∙ sin  = mA ∙ g ∙ sin 
PxB
PyA = PA ∙ cos  = mA ∙ g ∙ cos 
PxB = PB ∙ sin  = mB ∙ g ∙ sin  PyB
F fat𝐵
PyB = PB ∙ cos  = mB ∙ g ∙ cos  PxA

PxA = 8 ∙ 9,8 ∙ sin 34° = 43,84 N fat𝐴 PyA PB


PyA = 8 ∙ 9,8 ∙ cos 34° = 65,00 N
PxB = 3 ∙ 9,8 ∙ sin 34° = 16,44 N
PyB = 3 ∙ 9,8 ∙ cos 34° = 24,37 N PA

Segundo o problema, a tendência do movimento


é para cima, isto é, o problema afirma que os Pela 2ª lei de Newton, sabe-se que:
corpos A e B estão subindo. Por este motivo, as Fr = m ∙ a
forças de atrito, que são sempre contrárias a F − PxA − fatA − PxB − fatB = (mA + mB ) ∙ a
tendência ao movimento, devem apontar para F − 43,84 − 15,60 − 16,44 − 8,53 = (8 + 3) ∙ 0,2
baixo.
Agora vamos calcular as forças de atrito: 𝐅 = 𝟖𝟔, 𝟔𝟏 𝐍
fatA = A ∙ FNA = A ∙ PyA
fatB = B ∙ FNB = B ∙ PyB b) Para determinar as forças internas é
fatA = 0,24 ∙ 65,00 = 15,60 N necessário isolar os corpos e analisar as
fatA = 0,35 ∙ 24,37 = 8,53 N forças que estão atuando neles. Assim:
Isolando A Isolando B
Fr = m ∙ a Fr = m ∙ a
F − PxA − fatA − FBA = mA ∙ a FAB − PxB − fatB = mB ∙ a
86,61 − 43,84 − 15,60 − FBA = 8 ∙ 0,2 FAB − 16,44 − 8,53 = 3 ∙ 0,2
𝐅𝐁𝐀 = 𝟐𝟓, 𝟓𝟕 𝐍 𝐅𝐀𝐁 = 𝟐𝟓, 𝟓𝟕 𝐍

4. A figura ao lado mostra um bloco de 10 kg em contato com FN


uma superfície horizontal, ligado por um fio inextensível a uma
bola de 5 kg que está pendurada. Note que o sistema só T
consegue o equilíbrio quando está amarrado em uma 
Ty 
parede fixa por outra corda também inextensível,
mB = 10 kg Tx
sob um ângulo de  = 30o. O equilíbrio é instável, fat

tanto que, qualquer pequena massa colocada


sobre a bola pendurada, faz com que todo o mA = 5 kg
sistema adquira movimento. Calcule o coeficiente PB
de atrito estático entre o bloco de 10 kg e a
superfície horizontal para que o sistema se mantenha em repouso.
PA
O esquema ao lado representa o diagrama de Em Y, teremos:
forças que atuam no sistema proposto no PA = Ty
problema. mA ∙ g = T ∙ cos 
Para que o sistema permaneça em equilíbrio, isto 5 ∙ 9,8 = T ∙ cos 30°
é, a = 0, necessariamente o somatório das forças T = 56,58 N
que agem no eixo x e no eixo y, deve ser zero, isto Em X, teremos:
é: fat = Tx
 ∙ FN = T ∙ sin 
∑ Fx = 0
 ∙ PB = T ∙ sin 
∑ Fy = 0  ∙ mB ∙ g = T ∙ sin 
 ∙ 10 ∙ 9,8 = 56,58 ∙ sin 30°
 = 𝟎, 𝟐𝟗

5. Uma força F ⃗⃗ = 2î − ĵ − k̂ (N) atua sobre um ponto que se desloca desde a origem até a extremidade
do vetor ⃗⃗
d = 2î + 2ĵ − 5k̂ (m). Calcule o trabalho realizado pela força ⃗F⃗ .

 = 𝐹⃗  Δ𝑆⃗⃗⃗⃗⃗
Observe que o trabalho é o produto escalar entre dois vetores. Algebricamente o produto escalar é a
resultante da soma entre os produtos dos módulos dos vetores vezes o cosseno do ângulo entre eles. Assim,
como os vetores unitários î, ĵ e k̂ formam um ângulo de 90° entre si, e o cosseno de 90° = 0, os únicos produtos
que interessam são os produtos entre os vetores unitário iguais, isto é:
 = [2 ⃗i ∙ 2 ⃗i ∙ cos 0°] + [(−1) ⃗j ⋅ 2 ⃗j ∙ cos 0°] + [(−1) k
⃗⃗ ∙ (−5) k
⃗⃗ ∙ cos 0°]
=4−2+5
=7J
6. Um corpo de massa 2,0 kg está na posição A, como
mostra a figura que segue, onde existe uma mola de
constante elástica k = 500 N/m comprimida em 20 cm.
Retirando-se o pino preto, o corpo, que inicialmente
está comprimido entre o pino e a mola, descreve a
trajetória ABC contida em um plano vertical.
Desprezando-se o trabalho do atrito, determine:
a) A altura máxima que o corpo consegue atingir em C (hc) e;
b) A velocidade do corpo em B (vB).
c) Caso a altura máxima hc seja de 4 m, qual a energia dissipada pelo atrito (caso houvesse)?

Dados do problema: b) vB = ?
m = 2 kg EA = E B
k = 500 N/m Ue A + Ug = K B
A
x = 20 cm = 0,2 m k ∙ x² m ∙ v2
hA = 5 m + m ∙ g ∙ hA =
2 2
500 ∙ 0,2² 2 ∙ v2
+ 2 ∙ 9,8 ∙ 5 =
a) hc = ? 2 2
EA = EC v = √108
Ue A + Ug = Ug 𝐯 = 𝟏𝟎, 𝟒 𝐦/𝐬
A C
k ∙ x²
+ m ∙ g ∙ hA = m ∙ g ∙ hC c)  = ?
2
500 ∙ 0,2² EA = E C
+ 2 ∙ 9,8 ∙ 5 = 2 ∙ 9,8 ∙ hC Ue A + Ug = Ug + ε
2 A C
10,8 k ∙ x²
hC = + m ∙ g ∙ hA = m ∙ g ∙ hC + ε
19,6 2
𝐡𝐂 = 𝟓, 𝟓 𝐦 500 ∙ 0,2²
+ 2 ∙ 9,8 ∙ 5 = 2 ∙ 9,8 ∙ 4 + ε
2
ε = 10 + 98 − 78,4
𝛆 = 𝟐𝟗, 𝟒 𝐉

7. Um corpo A de massa 0,4 kg se deslocando em um plano horizontal com uma velocidade de 5 m/s
quando colide com um outro corpo B de massa 0,2 kg se deslocando na mesma direção e sentido
contrário com uma velocidade de 3 m/s. Após a colisão os corpos continuam se deslocando juntos.
Determine a velocidade do sistema após a colisão e o percentual de energia perdido na colisão.

Dados do problema:
mA = 0,4 kg ; ViA = 5 m/s ; mB = 0,2 kg ; ViB = − 3 m/s

a) vfAB = ?
⃗p⃗iA + p
⃗⃗iB = p
⃗⃗fAB
mA ∙ viA + mB ∙ viB = (mA + mB ) ∙ vfAB
0,4 ∙ 5 + 0,2 ∙ (−3) = (0,4 + 0,2) ∙ vfAB
vfAB = 2,33 m/s
b)  = ?
 = Kf − Ki
 = K fAB − (K iA + K iB )
1 1 1
 = [ ∙ (mA + mB ) ∙ vfAB 2 ] − [( ∙ mA ∙ viA 2 ) + ( ∙ mB ∙ viB 2 )]
2 2 2
1 1 1
 = [ ∙ (0,4 + 0,2) ∙ 2,332 ] − [( ∙ 0,4 ∙ 52 ) + ( ∙ 0,2 ∙ (−3)2 )]
2 2 2
 = 1,63 − (5 + 0,9)
 = −4,27 J

8. No sistema ao lado, a treliça, em formato de L, é rígida e pode girar livremente em


relação ao ponto de apoio “O” colocado em sua base. A altura da treliça é 3 m e o
comprimento da haste lateral é 2 m. Sabendo que o módulo da força vale 20N e que
ela forma um ângulo de  = 53o com a horizontal, determine o módulo do vetor
torque provocado pela força ⃗F⃗.
Decompondo a força F nos eixos X e Y, teremos: O
Fx = F ∙ cos 
Fy = F ∙ sin  ∑ τo = τx + τy
Fx = 20 ∙ cos 53°
τresultante = Fx ∙ rxo + Fy ∙ ryo
Fy = 20 ∙ sin 53°
τr = 12,04 ∙ 2 + 15,97 ∙ 3
Fx = 12,04 N
𝛕𝐫 = 𝟕𝟏, 𝟗𝟗 𝐦. 𝐍
Fy = 15,97 N

9. Suponha um fio está enrolado num disco de raio R e massa m, e sua


extremidade está amarrada numa haste fixa. O disco, inicialmente em repouso,
é liberado e inicia um movimento de translação e rotação enquanto o fio vai se
desenrolando dele, como um ioiô que desce.
1
Dados: Icilindro = MR²
2

a) calcule a aceleração do centro de massa em função de g;


b) utilizando conservação de energia, determine a velocidade do centro de massa em função de h.

Giro provocado
pela tração T a) a=?
Anti-horário T Aplicando a 2ª lei de Newton, temos:
=+
∑F = m ∙ a
T−P =m∙a
R T−m∙g =m∙a
T =m∙a+m∙g

Aplicando a 2ª lei de Newton na sua forma angular, teremos:


P = m.g ∑τ = I ∙ 
Aceleração
para baixo: T∙R=I∙
a=– I∙
T=
R
Sabe-se que: b) v=?
a Ei = E f
=−
R U = K Translação + K Rotação
1
Icilindro = ∙ m ∙ R2 1 1
2 m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ I ∙ ²
Portanto: 2 2
Sabe-se que:
I∙ v
T= =
R R
1 a 1
(2 ∙ m ∙ R2 ) ∙ (− R)
T= Icilindro = ∙ m ∙ R²
R 2
Fazendo as simplificações, teremos: Substituindo, teremos:
1 1 1 1 v 2
T=− ∙m∙a m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ ∙ m ∙ R² ∙ ( )
2 2 2 2 R
Igualando as duas equações, ficamos com: 1 1 v²
m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ m ∙ R² ∙
1 2 4 R²
m∙a+m∙g =− ∙m∙a 1 1
2 g ∙ h = ∙ v² + ∙ v²
1 2 4
a+g=− ∙a 3
2 g ∙ h = ∙ v²
𝟐 4
𝐚=− ∙𝐠
𝟑 𝟒
𝐯=√ ∙𝐠∙𝐡
𝟑

10. Partindo do repouso, uma esfera rola, sem escorregamentos, por uma colina até um ponto 2,0 m
abaixo do ponto de partida. O diâmetro da esfera é de 4 cm. Qual a velocidade angular da esfera no
ponto mais baixo?
2
Dado: Iesfera = MR2 .
5
Ei = Ef 1 1
g∙h= ∙ v² + ∙ v²
U = K Translação + K Rotação 2 5
1 1 7
m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ I ∙ ² g∙h= ∙ v²
2 2 10
Sabe-se que: 10
v v=√ ∙g∙h
= 7
R
2 10
Iesfera = ∙ m ∙ R² v = √ ∙ 9,8 ∙ 2
5 7
Substituindo, teremos:
1 1 2 v 2 𝐯 = 𝟓, 𝟐𝟗 𝐦/𝐬
m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ ∙ m ∙ R² ∙ ( )
2 2 5 R
1 1 v²
m ∙ g ∙ h = ∙ m ∙ v² + ∙ m ∙ R² ∙
2 5 R²