Você está na página 1de 15

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Rev. Lusófona de Educação n.7 Lisboa 2006

Sexualidade e Educação Sexual

Manuel Tavares (MT)-Professor, para iniciarmos a nossa conversa, não se importa de fazer uma breve síntese do seu curricum vitae?

Júlio Machado Vaz (JMV) Licenciado em Medicina; especialista em Psiquiatria; doutorado em Psicologia Médica; regente da disciplina de Sociologia Médica; vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica; co-director do mestrado de Sexologia da Universidade Lusófona.

Obra publicadas: Sexo dos Anjos, O Fio Invisível, Domingos, Sábados e Outros Dias, Conversas no Papel, Estilhaços, Estes Difíceis Amores, Olhos nos Olhos (publicado em Espanha).

Autor

televisivos: Sexualidades e Estes Difíceis Amores.

e

Apresentador

dos

seguintes

programas

Autor e apresentador dos seguintes programas, na rádio: O Sexo dos Anjos,A Bela e os Monstros, Olhos nos Olhos e o Amor é

Director clínico da comunidade Terapêutica de Adaúfe.

MT «Chega-se ao companheiro ideal após experiências diversas, que permitem reconhecê-lo por contraste de afetos e prazeres, uma vez nos seus braços poderemos dizer sem receio, como Neruda: confesso que vivi.» JMV, Estilhaços, pp. 146-147. Depois, vem um conselho:

«nem sempre a prática corresponde à teoria.» (op. cit., p. 147).

Este discurso seria impensável tê-lo há quarenta anos. Os tempos mudaram mesmo? Estas «experiências diversas», estes contrastes, significam saltar de ramo em ramo, experinciar a sexualidade, descobrir, descobrir-se, re-descobrir-se? Por onde andam os tabus? Por fim, o conselho às mulheres: cuidado! Os homens sabem o que significam as suas experiências diversas! Não as aceitam nas mulheres (nas curso masculino sobre a igualdade entre os sexos?

1

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

JMVVivemos tempos de alguma «experimentação curtida e eufórica», mas sobretudo de monogamia seriada um homem das suas vidas de cada vez e fazendo figas para que funcione!

É verdade: os homens debitam um discurso politicamente correto para «portuguesas verem». E, às vezes, os marotos! para as seduzirem. Mas não para lhes aceitar a igualdade ao nível dos comportamentos.

MTA retórica masculina sobre a sexualidade tem finalidades perversas? Será que as novas narrativas se enquadram numa estratégia de conquista pós-moderna? Ou, tal como os deuses, os homens também evoluem?

JMV Claro que evoluem (quanto aos deuses, não sei). Mas menos do que parece e com menores diferenças do que seria de esperar nas gerações mais novas.

MT Gostaria que me falasse um pouco de como perspetiva a educação sexual nas nossas escolas. Uma disciplina específica? Integrada em diversas disciplinas? Qual o âmbito dessa educação sexual? Complemento da Educação na família ou, apenas, numa perspetiva científica?

JMV 1º Nunca me agradou a hipótese de uma disciplina específica, tresanda a presente envenenado, pois pode tornar-se no “gueto sexual” das terças às onze da manhã. 2º O núcleo duro informativo e de avaliação obrigatória ficaria muito bem na área da saúde, desde que acompanhado por uma discussão dos fatores culturais que influenciam, por exemplo, as tomadas de decisão na vertente preventiva. 3º Nas

diversas disciplinas que amplamente o justificam história, psicologia,

a sexualidade deveria ser abordada pelo que é parte

literatura

integrante da personalidade e das relações interpessoais. 4º A perspetiva científica” não pode ser isolada de questões éticas em particular, e culturais, em geral. De resto, não acredito em abordagens científicas “puras”, a ciência não se limita a discutir factos, interpreta- os à luz dos mais variados pré-conceitos e ideologias.

MT As suas investigações direcionam-se, atualmente, para a história da sexualidade (penso que não estou a fazer confusão!). Por que razão a nossa relação com o corpo (o corpo próprio, como diz Ricoeur) é, ainda, numa época tão freneticamente liberal, tão complicada? Estudamos o corpo, referimo-nos a ele cientificamente sem tabus (o

2

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

corpo-objeto, também expressão de Ricoeur) e, quando se trata de uma relação afetiva, sensual, erótica… tudo se complica?

Por outro lado, o discurso sobre a sexualidade tem sido, ao longo da história, por um lado, um discurso do silêncio e, por outro, um discurso da repressão, do arrependimento e da culpabilidade. Concorda com esta leitura? Se sim, como criar hoje narrativas sobre a sexualidade que se enquadrem nas novas narrativas do corpo como, por exemplo, as da publicidade?

JMVNão creio que possamos falar de história da sexualidade. O

conceito é moderno e não faria sentido, por exemplo, para os clássicos, que não davam ao sexo a importância nuclear e “rotuladora” que lhe atribuímos. Penso que assistimos a uma pseudolibertação sexual e a uma reificação de um corpo não pensado ou fantasiado. E sem fantasia,

a um ritmo frenético, como aspirar ao erotismo? Não concordo

inteiramente com a leitura que refere, ela está ligada à Igreja (não

emprego a expressão “tradição judaico-cristã” porque a considero injusta para Jesus e para os Judeus). Mas, ao mesmo tempo, ao erigir

a Carne como inimigo principal na minha opinião ao arrepio

dos Evangelhos…. –, a Igreja deu-lhe uma visibilidade aterradora; pense nos milhares de páginas escritas sobre o tema por obcecados homens de negro. Qualquer penitencial do primeiro milénio faz corar de inveja os Tratados de Sexologia!

MT Na era da globalização, é inevitável que as sociedades democráticas ocidentais se transformem, cada vez mais, em sociedades multiculturais. Estaremos nós preparados, do ponto de vista das mentalidades, para aceitar determinadas práticas, ditas culturais, de iniciação à fase adulta, como, por exemplo, mutilação de órgãos genitais femininos, circuncisão? Cultura ou barbárie? Crime ou cultura?

JMV Fui educado na convicção de que a democracia defende os direitos até dos que conspiram contra ela. Em contrapartida, considero que o multiculturalismo não pode servir de justificação a atentados contra a dignidade da pessoa humana. A questão faz-me pensar no que em antropologia médica apelidamos de “camuflagem cultural”:

determinado indivíduo, por exemplo, não abusa do álcool, e ponto, parágrafo. O comportamento acontece, porque ele é, suponhamos, irlandês. Uma cultura não pode servir de álibi a práticas como a mutilação genital feminina, embora possa admitir, num período de

3

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

transição, a possibilidade de pactuar com rituais simbólicos que evitem práticas discriminatórias por parte do grupo em questão.

MT Com a vulgarização de Internet, de salas privadas de chat, onde, muitas vezes, se pratica sexo virtual a dois ou em grupo, com a vulgarização das Web Cams, como analisa este novo tipo de relacionamento virtual, solitário e, por outro lado, que reflexos psicoafectivos poderão ter nos indivíduos que aderem a essas práticas e que consequências nos relacionamentos afetivos reais?

JMV-A tecnologia é o que fazemos dela. Conheço namoros e casamentos que começaram na Net, abençoada seja! Mas também observo o enorme potencial aditivo desse mundo, o qual, se “encaixa” em determinadas características psicológicas, pode levar pessoas a recusarem as agruras – e recompensas… – das relações “ao vivo”. O caso de adolescentes que se autoexilam no seu quarto é particularmente preocupante. Por outro lado, a experiência de ter um blogue foi uma agradável surpresa, ao demonstrar-me as extraordinárias potencialidades do que apelidaria de “tertúlia virtual”. Mas é evidente que o anonimato da Net também permite a ativação do que mais cruel e mesquinho nos habita.

MT “Uma em cada três adolescentes já tomou a pílula do dia seguinte. As jovens portuguesas continuam a correr muitos riscos nas relações sexuais. Um dos maiores estudos sobre as práticas contracetivas já realizados em Portugal revela que uma em cada seis raparigas entre os 15 e os 19 anos não utiliza qualquer método anticoncecional.” (Alexandra Campos, Público, 03-03-05). Quer fazer um comentário?

JMV Quando, vinte e um anos depois da aprovação de uma lei de educação sexual, um ministério precisa de constituir uma comissão para averiguar o que se passa no (seu) terreno, está tudo dito sobre o que os sucessivos Governos fizeram para modificar esse estado de coisas.

4

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Entrevista a

Liberdade, desinibição e igualdade entre sexos são os conceitos fundamentais para se perceber os comportamentos sexuais dos estudantes. Quem o diz é alguém com anos de experiência clínica em sexologia e uma vida inteira dedicada à docência. A Aula Magna foi bater à porta do seu consultório e faz a radiografia de uma época.

Júlio Machado Vaz
Júlio
Machado
Vaz

- O sexo e a (univer)cidade

É um falador nato. Confortavelmente sentado no sofá, voz pausada mas convicta, o olhar bem
É
um
falador
nato.
Confortavelmente
sentado
no
sofá,
voz
pausada
mas
convicta,
o
olhar
bem
fixo
no
interlocutor.
Júlio
Machado
Vaz
tem o dom
da
palavra e domina a arte de uma boa
conversa. Não é por acaso que se tornou
um
dos rostos mais mediáticos da televisão
e
rádio portuguesas. O tema também
ajuda. Sexo a todos diz respeito e
o
professor jubilado do Instituto de
Ciências Biomédicas Abel Salazar, aborda
os
assuntos sem tabus nem complicações.
Retrata com frontalidade os novos hábitos
sexuais, como reafirma a necessidade de
informação e formação. E dos afectos. Os 30 anos que leva de prática

clínica também lhe permitem aferir as mudanças que, desde o seu tempo de juventude, se verificaram na sociedade portuguesa. Nem sempre no mesmo sentido.

A entrada no ensino superior é um momento decisivo para a sexualidade dos estudantes?

No meu tempo era, em termos práticos e simbólicos, a primeira oportunidade de ter aulas com raparigas. Hoje em dia, é importante pela liberdade que proporciona. Os estudantes passam a ter outra disponibilidade temporal e psicológica. É uma espécie de ritual de passagem, que muitas vezes, segundo as estatísticas, corresponde à primeira relação coital.

É um período de descoberta?

Sem dúvida, até porque o estudante está a seguir o trilho que escolheu. É o primeiro passo na direcção do que sempre desejou ou que levou tempo a perceber que queria. Mas não podemos ser ingénuos e pensar que os estudantes do ensino superior são uma elite esclarecida, uma espécie de vanguarda, do político ao erótico. Um estudo recente

5

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

indicou que os universitários viam como normal umas bofetadas no namoro…

Os hábitos sexuais têm mudado?

Nem por isso, porque normalmente quem está na universidade pertence a um estrato sócio-económico mais favorecido e informado, pelo que têm uma entrada mais gradual na sexualidade e uma panóplia de comportamento mais alargada. Nas camadas mais desfavorecidas ainda há uma noção de que sexo é coito. Conforme se vai subindo nos níveis educacionais há uma visão mais alargada. Mas as diferenças têm vindo a diminuir.

Os estudantes são hoje mais conservadores ou liberais?

Há de tudo. A seguir ao 25 de Abril era a festa, a todos os níveis. E nos universitários houve uma febre de experimentação, quase um certo medo de não se estar a aproveitar a liberdade também a nível erótico. Depois houve um movimento em sentido contrário. Encontrei duas ou três gerações claramente mais conservadoras. Neste momento, não se pode tomar uma posição definida. Nas minhas aulas ouvi todo o tipo de discursos: pessoas eufóricas em termos de actividade sexual e gente a assumir com tranquilidade que queria casar virgem ou ter uma relação estável com uma única pessoa. Essa pluralidade é uma vantagem. Quer dizer que se é menos vítima dos pares ou da sociedade em geral. É bom não esquecer que vivemos numa sociedade de consumo que rapidamente passou do 8 para o 80. Antigamente, era- se muito bem compostinho. Hoje, em certos sítios, pensa-se duas vezes antes de dizer que não se é um D. Juan ou uma ninfomaníaca.

O que distingue os estudantes actuais e as suas práticas sexuais? Encontra-se uma maior liberdade de comportamentos e sintonia entre os dois sexos. O que não significa o desaparecimento do duplo padrão. Há mais raparigas a ter comportamentos semelhantes aos dos rapazes, mas elas fazes e calam, enquanto eles fazem e publicitam. É o método clássico de defender a virilidade. Aos homens normalmente não basta fazer, é preciso que os outros homens saibam que eles fizeram.

Essa é a grande novidade em relação a outras gerações: as mulheres estão mais desinibidas?

Seguramente. E não só no fazer, mas também na iniciativa. Tenho 30 anos de clínica e nos últimos 10 comecei a receber homens que se sentiam ao mesmo tempo contentes e incomodados porque as raparigas se atiravam a eles. Por um lado, esfregam as mãos porque

6

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ lhes saiu a sorte grande, por outro, sentem-se desconfortáveis porque era suposto

lhes saiu a sorte grande, por outro, sentem-se desconfortáveis porque era suposto serem eles a tomar a iniciativa. Outras questões, como o swing, verificam- se não tanto entre os estudantes, mas entre os 30 e 40 anos, indiciando a necessidade de novos estímulos perante uma eventual monotonia sexual.

Actualmente, os estudantes também ficam mais tempo em casa dos pais. Isso influencia a sua actividade sexual?

Muitos ficam porque não têm autonomia financeira, mas também há quem fique por comodismo puro e duro. No entanto, a posição dos pais também mudou, nomeadamente em relação às raparigas. Estão em casa dos pais e, ao fim de semana, vão para o apartamento do namorado, ou dormem fora regularmente. Isso já não é um cataclismo, como noutros tempos. É um negócio magnífico: cama, mesa e roupa lavada sem liberdade cortada.

Como explica que os comportamento de risco sejam tão elevados entre os estudantes, incluindo uma grande taxa de incidência do HIV?

A medicina continua a ter uma visão muito curativa e pouco preventiva.

A nossa primeira ilusão foi o paradigma da informação. Pensámos que

se todos estivessem informados não haveria comportamentos de risco.

Foi um falhanço terrível. Também se ouve raparigas dizer que se falarem em preservativos os rapazes vão pensar que têm muita experiência e não gostam. Os rapazes, por seu turno, têm medo de

puxar do preservativo porque elas vão pensar que eles vinham preparados para isso. Com alguma frequência diz-se, e esse é

o mecanismo psicológico mais interessante, que não nos conhecíamos

suficientemente bem para falar sobre o assunto. Vivemos numa sociedade em que a intimidade física antecede a intimidade psicológica.

Recebe muitos estudantes nas suas consultas?

Sim, e por uma razão triste. Num país em que nunca houve uma verdadeira educação sexual, às vezes recebo estudantes que apenas vão fazer duas ou três perguntas. Ao fim de dez minutos agradecem e

7

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

querem ir embora. O que me coloca um problema ético, porque eles pagam uma consulta de 45 minutos.

Quais são as perguntas mais frequentes?

Por exemplo, se ter ejaculações nocturnas é normal. A um rapaz acontecia-lhe com frequência e começou a perguntar-se se seria normal. Não tinha coragem para falar com outras pessoas e portanto veio falar com um especialista. Num país civilizado uma ejaculação nocturna devia ser encarada com tranquilidade desde o início da adolescência.

Que outras dúvidas surgem?

Se têm problemas de disfunção eréctil, a que erradamente chamam impotência, porque houve um falhanço. Nestes casos, é possível ouvir descrições fantásticas sobre por que razão não se teve uma erecção. Fala-se de um encontro em que o rapaz não estava muito atraído pela rapariga e no fim aquilo não funciona. O problema é que as pessoas acham anormal não ter funcionado.

A performance é muito valorizada?

Sobretudo a masculina. Supostamente, o homem está sempre pronto. É uma visão errada e deprimente, segundo a qual os homens são escravos da sua testosterona. Ou que as raparigas coitadinhas só querem sexo se amarem muito e com casamento previsto. Há mulheres que querem sexo puro e duro e mais nada.

A homossexualidade é bem aceite no ensino superior? As pessoas estão mais abertas a outras orientações sexuais, mas continua a haver discriminação. Recentemente uma rapariga foi sovada numa escola por causa da sua bissexualidade. Ainda recebo cartas com pessoas a perguntarem se podem falar comigo, porque não têm mais ninguém. Esta é a face negra. A mais brilhante é receber jovens, muitas vezes universitários, que vêm ter comigo e dizem que são homossexuais e que é uma questão pacifica, mas que os pais ficaram de cabelos em pé. E pede-me que fale com eles. Porque os pais também têm de fazer o luto, são apanhados

pais ficaram de cabelos em pé. E pede-me que fale com eles. Porque os pais também

8

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

completamente de surpresa, sonham com netos e outras coisas. É preciso respeitar o seu sofrimento e explicar-lhes que não é o fim do mundo.

Fala muitas vezes da banalização do sexo. Porquê?

Uma coisa é liberdade de opções, outra é quando o sexo se torna uma espécie de necessidade fisiológica. É uma visão do sexo que torna mais difícil a valorização de uma relação erótica na sua plenitude. Por isso está tão na moda o tema da dependência sexual, com o sexo a ser utilizado não como veículo privilegiado de comunicação mas como ansiolítico ou antidepressivo. Uma pessoa está mal, sexo, a pessoa está com medo, sexo.

9

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Psiquiatra falou em Leiria das “novas modalidades da relação e comunicação”

Júlio Machado Vaz
Júlio
Machado
Vaz

: “Esta é a sociedade

mais adolescente que já existiu”

Para Júlio Machado Vaz, médico psiquiatra, «a tecnologia está a formatar uma maneira de pensar». Convidado do XXIV Encontro Nacional de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, que decorreu no Centro Hospitalar Leiria-Pombal, nos dias 15, 16 e 17 de maio, o especialista falou das “Novas modalidades da relação e comunicação”, nomeadamente do impacto nas novas tecnologias nas relações e na sociedade, partilhando a mesa com a jornalista Inês Meneses.

Para Graça Milheiro, pedopsiquiatra do CHLP e membro da Comissão Organizadora do Encontro, que juntou cerca de 200 participantes, «foi possível contribuir para o enriquecimento pessoal dos profissionais, o que resulta na consequente melhoria na prática clínica dirigida às crianças, além disso, a componente social envolvida possibilita saudáveis momentos de convívio e a troca interessante e enriquecedora de experiências entre os profissionais que neste caso foram de muitas áreas: pedopsiquiatras, pediatras, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, professores, etc.»

Falando das TIC, Júlio Machado Vaz disse que atualmente «a tecnologia é um maná, dá conforto, a sensação de omnipotência no mundo tecnológico», explicando que a timidez é um problema comum, que as novas tecnologia atenuam. Estar na net «é evitar humilhação no mundo real», passando muitas vezes o «mundo virtual a ser mais real que o mundo real».

A dependência da net e deste novo mundo pode tomar tal forma que «se desenvolvem patologias como a agorafobia», vivendo rodeados de ecrãs:

telemóvel, computador, etc. «Somos um animal de aprendizagem social e se passarmos anos neste mundo, podemos considerar-nos incompetentes [socialmente]». A maioria das pessoas que cria dependência das novas tecnologias «tem dificuldade em lidar com os tropeções do mundo de carne e osso», além de que as TIC «potenciam a nostalgia e a idealização», explicou o especialista.

Vivemos num mundo de info-obesidade

explicou o especialista. Vivemos num mundo de info-obesidade O excesso de informação é outro problema atual,

O excesso de informação é outro problema atual, quando falamos das novas modalidades da relação e comunicação. Júlio Machado Vaz chama-lhe “info- obesidade”. O que acontece atualmente é que não agimos, “reagimos”, porque «é tudo em tempo real, estamos presos no imediatismo, o que em termos de relações humanas traz a possibilidade de complicações. Não controlamos a

10

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

informação. Os outros podem fazer forward», por exemplo, «perdemos ponderação». Para o psiquiatra, hoje «tudo é urgente», sinal dessa nova maneira de pensar, em que «a urgência é superficial e rápida». «Perdemos a noção de verdadeira urgência», defendeu Inês Meneses.

Uma outra característica deste “novo pensar” é a alteração da maneira de escrever, «um dialeto» para Júlio Machado Vaz, assim como a «possibilidade imediata de reforço positivo», ou seja, nas redes sociais a «comunicação é rapidíssima», e rapidamente se põe um like numa fotografia que se carregou, o que «preenche todas as condições para criar um vício». Para Inês Meneses, estas pessoas, especialmente crianças e jovens, «não têm armas para enfrentar o mundo, que não seja no computador, é uma forma de defesa».

Acresce que «determinadas fronteiras ficam esbatidas», defendeu Machado Vaz: não controlamos o forward, é traída a confiança que depositamos no outro, não temos privacidade. «Não há intimidade do pensamento», explica Machado Vaz, referindo-se aos pais que controlam o dia- a-dia dos filhos, seja violando a sua privacidade, vendo às escondidas os seus telefones, diários, etc., seja através de outro tipo de controlo. Por exemplo em França, infantários permitem que os pais vão acedendo às camaras que o infantário tem instaladas nas salas, e assistiam a tudo o que os filhos vão fazendo. «Sem intimidade do pensamento não pode haver crescimento psicológico, as crianças não podem crescer, e as crianças deixam de ter novidades para contar».

É também «muito importante que haja educação para a triagem, não temos hipótese de ler toda a informação que nos chega». Este novo paradigma, «a possibilidade de aceder a tudo em tempo real», esta «multifuncionalidade» acaba até por ter «repercussões na ciência» porque os investigadores procuram online os artigos mais lidos, mais votados, o que cria unanimidade, uma «bibliografia pobre».

Vivemos um big brother

«Deixamos impressões digitais por todo o lado», atestou Machado Vaz, que considerou vivermos num big brother. Especialmente nas crianças isto cria alguns problemas, nomeadamente no que toca ao espaço psíquico, ficam «patologicamente dependentes». «Em termos de autonomização e de crescimento não é saudável», e no que toca à questão de vigiar permanentemente os petizes, «a hiperprotecção não é uma boa maneira de educar, cria um grau de tolerância à frustração menor, podendo levar a vícios», alerta o especialista.

11

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Paralelamente, levanta-se a questão do anonimato nestas novas relações mediadas pela tecnologia: «a tecnologia permite fazer coisas indelicadas, e tem a possibilidade de não se ser apanhado». Acresce que «a conceção de amizade e de privacidade tem vindo a mudar, há novos conceitos». «Em termos de privacidade os riscos não são verdadeiramente avaliados pelas pessoas», defende Júlio Machado Vaz, acrescentando que «há preços a pagar pela tecnologia». Sendo que nas crianças de hoje esta questão assume maior importância por que «não há essa ambivalência, não conhecem o conceito de amigos verdadeiros como os adultos, assim como o conceito de privacidade», elas «cresceram na era da amizade virtual».

Para o psiquiatra, as novas tecnologias são a forma mais fácil de estragar a vida a alguém, de enlamear, são também o auge do narcisismo. «É preciso que todos aprendam não só a usar as novas tecnologias não só em termos técnicos

e as crianças dominam esta questão - como tudo aquilo que pode surgir da

tecnologia; confiar é uma noção muito importante», que se não aprendida, leva

a “nodoas engras”. «Na net as pessoas não se podem nunca ir embora, e ser

capazes de ficarmos sozinhos connosco próprios torna-se mais difícil», e quando falamos de crianças, que «estão permanentemente ligadas, quase não há tempo psicológico para estarem sozinhas, ficando dependentes de objetos externos».

“Penso, logo existo” vs “like, logo existo”

No entanto é importante não esquecer que «é uma ilusão pensar que isto só acontece com as crianças», «vivemos na sociedade da gratificação, superficial».

E neste “novo” mundo, o feedback é crucial. «O like é um estímulo», as pessoas

precisam de resposta imediata. Surgindo assim um novo paradigma do pensamento, primeiro “penso, logo existo”, depois “penso, sinto, logo existo”, e hoje, “like, logo existo”, ou “respondo, logo existo”, ou ainda “apareço, logo existo”.

E nesta que é «a sociedade mais adolescente que já existiu», Machado Vaz tem dúvidas que «possamos traçar fronteiras». E deu exemplos:

«passámos do pensamento do amor romântico para os homens e mulheres das nossas vidas»; «a adolescência começa cada vez mais cedo, e invadiu a adultice». Uma outra questão ainda levantada pelas novas formas de comunicação e relação, e pela diluição das fronteiras, é a da hipersexualização das crianças: «a mesma sociedade que torna as crianças objetos de desejo, autênticas lolitas, vive aterrorizada com a pedofilia». «Estas são problemáticas muito importantes para quem está a crescer mas não são opostas às que se põem aos mais velhos»: retarda-se cada vez mais a velhice «a mensagem é “pareça mais novo” e não “envelheça saudável”; é preciso educar para a saúde,

12

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

para que a pessoa envelheça com qualidade e não negar-se o envelhecimento». É uma sociedade de consumo.

O XXIV Encontro Nacional de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, organizado pela Unidade de Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar Leiria-Pombal decorreu no Hospital de Santo André e reuniu uma centena de especialistas de todo o país para debater as múltiplas interfaces da saúde mental infantojuvenil.

Fonte: Midlandcom

13

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Psiquiatra conta o que lhe chamou a atenção no estudo da Universidade de Virginia.

O

que surpreende no estudo?

O

tornar evidente e de forma tão expressiva um comportamento coerente com

aquilo a que assistimos no dia-a-dia. Vivemos numa sociedade em que, atendendo ao ritmo em que se vive, às dificuldades e ao próprio consumo capitalista, é-nos pedido não para agir mas para reagir. Ora isto cria uma verdadeira dependência de ter estímulos exteriores sem os quais é estranhíssimo viver e temos uma cada vez maior dificuldade em entrar em contacto com estímulos internos.

A incapacidade de pensar está na origem de angústias que as pessoas

manifestam depois no consultório?

É uma moeda de duas faces. Pensar pouco, no sentido de dialogar connosco

próprios, pode ser um mecanismo de defesa eficaz contra a ansiedade - embora não o considere desejável. Há coisas que nos angustiam porque estão dentro de

nós. Mas tal como pode ser uma fuga para a frente, ao não estabelecer um diálogo interior não estamos verdadeiramente capazes de lidar com aquilo que somos, o que também pode trazer problemas.

Devíamos ter treino para pensar?

É um verbo que me arrepia por ser muito behaviourista. Mas o que é certo é que

cada vez mais se desvaloriza o pensar. Vê-se isso até nas palavras. Nos velhos gregos, a palavra ócio não tinha uma conotação pejorativa. O ócio era quando se pensava e filosofava. O médico era também um filósofo. Hoje o médico é empurrado para o estatuto de técnico e o ócio é ligado à preguiça. A pessoa que tem sistematicamente o poder é aquela que está sempre a agir, a fazer muitas coisas, e muito menos a que questiona quem é, o que faz, para onde vai. Se uma pessoa não é "proactiva" está tramada. Resultado: tornámo-nos uma sociedade de superespecialistas: sabemos cada vez mais sobre menos.

A óptica do estudo é no sentido de como voltar a ganhar o gosto por

pensar. Se o modo de vida actual nos afasta de pensar, para que é que precisamos de o fazer?

De facto, se a nossa única ambição é sobreviver, pensar no sentido nobre da palavra não é propriamente uma prioridade. Se a pessoa está satisfeita, tudo bem. A mim não me serve. Penso que esta maneira de viver que levou a este recuo na arte de pensar faz com que reine uma enorme superficialidade em tudo e que as pessoas se afastem de tudo o que lhes é desagradável.

14

Doutoramento JÚLIO MACHADO VAZ

Isso é visível também no consultório?

Muito. Cada vez é mais habitual as pessoas queixarem-se de a companheira ou companheiro ter rompido com elas usando as frases habituais mas por sms. Mas isto estende-se a tudo: uma das coisas que nos torna o animal mais perigoso à face da Terra é termos inventado forma de matar à distância. Os animais têm mecanismos que protegem as diferentes espécies. As serpentes venenosas, quando lutam empurram, o adversário mas não injetam veneno. Entre os lobos, aquele que está a perder estende o pescoço mas o que ganha não o morde, é um sinal de submissão. Há 30 anos descobriram que os pilotos que lançavam Napalm sem pensar duas vezes eram incapazes de matar um peru pelo Thanks Giving. Com todas as vantagens que tem, a sociedade em que vivemos está a aumentar a falta de respeito e reflexão sobre as consequências do ato. É preciso ter algo em conta: o "meio é mensagem", como disse McLuhan. Este é o nosso meio. A pessoa até pode dizer que "consegue desligar". Mas as gerações estão a ser formatadas. Quando um avião aterra, ouve-se sempre a hospedeira que pede para não tirar os cintos e ligar os telemóveis antes de parar. Se olhar à volta está toda a gente a prevaricar e nem é nos cintos. As pessoas ficam autenticamente angustiadas por terem estado hora e meia desligadas.

15