Você está na página 1de 14

A utilização de zingiber officinale como termogênico

no auxílio de tratamento em pacientes obesos


PÓS-GRADUAÇÃO
RESUMO
Marcia Adilha Merces
Gosztonyi; Luiz A obesidade é o excesso de gordura que pode ocasionar
Carlos Carnevali;
danos à saúde. É uma doença de origem multifuncional,
Gabriela Chamusca;
Daniela Caetano além de ser razão para disfunções metabólicas. Por esta
Gonçalves razão, no objetivo deste trabalho é fazer uma revisão
bibliográfica, de trabalhos que falam sobre metabolismo
e fitoterápicos, remédios feitos à base de plantas. Essa
TRABALHO DE CONCLUSÃO revisão visa mostrar a eficiência na utilização do
DE CURSO APRESENTADO A
UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE
Zingiber officinale no auxilio do tratamento de
SÁ COMO REQUISITO DO pacientes obesos, pois na literatura podem-se encontrar
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO muitas pesquisas que exploram os benefícios no uso de
LATO SENSUPRESCRIÇÃO alimentos termogênico e como potencializador nos
DE FITOTERÁPICOS E
SUPLEMENTAÇÃO resultados de perda de peso e aumento em rendimentos
NUTRICIONAL CLINICA nas atividades físicas.
E ESPORTIVA
Palavras-chave: Obesidade. Zingiber officinale.
Termogênico
Orientadora:

Profa. Dra. Ana Flávia Marçal ABSTRACT


Pessoa
Obesity is the excess fat that can cause health damage.
It is a disease of multifunctional origin, besides being
reason for metabolic dysfunctions. For this reason, the
objective of this work is to make a bibliographical
Manaus-MA, 2017 review of works that talk about metabolism and
phytotherapy, herbal remedies. This review aims to
show the efficiency in the use of Zingiber officinale in
the aid of the treatment of obese patients, as in the
literature can find many researches that explore the
benefits in the use of thermogenic food and as a
potentiator in the results of weight loss and increase in
yields In physical activities.

Key words: Obesity. Zingiber officinale. Thermogenic

_____________________________________________________________________________
1
Introdução

Com base de estudos realizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a


obesidade, “um acúmulo anormal ou excesso de gordura corporal que pode prejudicar a
saúde”. De acordo com uma pesquisa do Ministério da Saúde em 2012 no Brasil, o país tinha
mais da metade de sua população (maiores de 18 anos) com sobrepeso, e 17% das pessoas
eram obesas; o que torna os dados extremamente preocupantes. (1)

Obesidade é uma doença causada por vários fatores, tendo como aspectos genéticos,
comportamentais, sociais e emocionais os motivos mais evidentes. No seu tratamento são
utilizadas várias técnicas, simultaneamente ou não, sendo eles a dietoterapia, exercício físico,
reeducação alimentar, psicoterapia e tratamento farmacológico. Todavia, mesmo com tantas
intervenções terapêuticas observa-se que em geral a população encontra dificuldades no
controle de peso, e também em mantê-lo. Essa doença atinge pessoas de todas as faixas etárias
e diferentes classes sociais, e o que mais preocupa é que ela pode ser um fator que predispõe
outras enfermidades, como distúrbios do aparelho locomotor, dificuldades respiratórias,
problemas de pele e psicológicos, dislipidemias, doenças cardiovasculares, câncer, diabetes
tipo II, entre outras. (2)

Uma alternativa para evitar a cirurgia bariátrica e medicamentos sintéticos que podem
ocasionar dependência e efeitos colaterais graves como as anfetaminas, na tentativa de
alternativas naturais e de baixo custo, aumentou-se o uso de fitoterápicos no tratamento desta
doença. A fitoterapia, como medicina alternativa ou complementar, é um fenômeno social no
mundo atual, caracterizado pelas suas inter-relações biológicas, sociais, culturais e
econômicas. Ela consiste na terapia que utiliza plantas medicinais em diferentes formas
farmacêuticas, sem utilizar substâncias ativas isoladas, mesmo que sejam de origem vegetal.
O fitoterápico é um derivado da droga vegetal, remédios com tal denominação são “produtos
de extração da matéria-prima vegetal, caracterizados pela reprodutibilidade e constância de
sua qualidade”. Apenas os excipientes e os outros componentes não ativos do fitoterápico
podem ser de outra origem que não a vegetal. (3)

Importantes estudos mostram que plantas medicinais são popularmente utilizadas para
perder peso no Sul do Brasil. Todavia, sua eficácia e segurança no tratamento da obesidade
não estão claramente estabelecidas. (4)
_____________________________________________________________________________
2
Por esse motivo a importância de pesquisas sobre fitoterápicos e termogênico no
auxilio de tratamento é uma alternativa viável na suplementação e nas dietas personalizadas
elaboradas por nutricionistas no auxilio da redução de peso de pacientes obesos.
Consequentemente o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência do uso de Zingiber
officinale com termogênico e fitoterápico, através de uma revisão bibliográfica.

Revisão Bibliográfica

OBESIDADE

A obesidade é uma doença que vem atingindo proporções epidêmicas em vários países
pelo mundo e isso se deve muito aos hábitos alimentares e cultural exemplo “fast food”. O
aumento de sua supremacia confere-lhe grande importância como problema de saúde pública.
O tecido adiposo branco possui intensa atividade metabólica, que contribui notavelmente para
o controle da homeostase energética do organismo. Em virtude da sua destacada atuação na
regulação metabólica, aliada à importância que adquiriu nos últimos tempos, o tecido adiposo
passou a ser considerado um órgão central do controle metabólico. Reforça essa impressão o
fato de que este tecido sofre a atuação de uma imensa lista de outros hormônios que
promovem diversos efeitos, não só sobre o seu metabolismo como também sobre a função
endócrina, e sobre a regulação da adipogênese. (5)

O desenvolvimento das pesquisas sobre as propriedades metabólicas do tecido adiposo


e as recentes descobertas sobre sua capacidade em produzir hormônios atuantes em processos
fisiológica e fisiopatológica, estão revolucionando conceitos sobre a sua biologia. (6)

Uma serie de fatores atuam na gestão de alimentos, e armazenamento de energia,


atribuindo ao surgimento do sustento da obesidade. Entre eles, fatores neuronais, fatores
psicológico, hormonais e intestinais.

O controle da ingestão de nutrientes e o decorrente estado de igualdade homeostático


dependem de varias alertas que atuam diretamente sobre o sistema nervoso central, levando a
respostas adaptativas apropriadas. A degustação alimentar e os desperdício de energia são
regulados pela região hipotalâmica do cérebro. (8)

_____________________________________________________________________________3
Ademais, ênfase é quimicamente codificada também no hipotálamo. A compreensão
do atual do sistema nesta regulação aconselha que, no hipotálamo, há dois grandes grupos de
neuropeptídeos envolvidos nos processos orexígenos e anorexígenos. (9)

Os neuropeptídios orexígenos são estimuladores de fome e o peptídeo agouti (AgRP);


já os neuropeptídios anorexígenos inibem a fome, estimulador (Alfa-MSH) e o transcrito
relacionado à cocaína e à anfetamina (CART), os neurônios que expressam esses
neuropeptídeos interagem com cada sinais recebido (como a leptina, insulina, grelina e
glicocorticoides), atuando na regulação alimentar e do gasto energético. Mesmo com a
possível localização dos locais hipotalâmicos envolvidos na regulação do apetite, dos
receptores neurais para cada expressão orexigênico e anorexígeno ainda assim não estão
determinadas. Os receptores para estes sinais estão reunidas no núcleo para ventricular
(PVN), mas eles não estão limitados a esta área. (10)

Os adipócitos possuem a enzima necessária para sintetizar ácidos graxos (AG) e


estocar TAG durante períodos de abundância de suplemento energético e para mobilizá-los
quando há déficit calórico. Nesses processos, o sistema nervoso central tem papel na
regulação, via atividade neural direta, através das divisões simpática e parassimpática do
sistema nervoso autônomo, e indireta, através da liberação de insulina, regulando a lipólise e a
lipogênese, respectivamente. O conteúdo de TAG armazenado no TAB é dependente do
balanço entre sua velocidade de síntese (lipogênese) e sua velocidade de degradação
(lipólise). (5)

A homeostase energética exerce um sistema neuro-humoral que diminuir o impacto de


poucas flutuações no balanço energético, sendo que a leptina e a insulina são elementos
rígidos no controle e são secretados em proporção à massa adiposa. A leptina, produzida no
tecido adiposo branco, trabalha nos receptores existentes do hipotálamo para impulsionar a
sensação de estabilidade no balanço energético. (11)

Muitas pesquisas insinuam que a leptina age no sistema nervoso central através de
mediadores como o neuropeptídio Y, o peptídeo agouti (AgRP), o hormônio liberador de
corticotrópica (CRH), o hormônio estimulante dos melanócitos (MSH), a colecistocinina
(CKK), entre outros. Em elevada convergência séricas, a leptina não consegue agir devido à
resistência que fica limitando seu efeito anoréxico. (12)

_____________________________________________________________________________4
TERMOGÊNICOS

Termogênicos, também conhecidos como queimadores de gordura ou Fat Burner, são


substâncias presentes nos alimentos ou suplementos que, para serem processados e digeridos
pelo nosso organismo, requerem mais energia. Os termogênicos elevam a temperatura
corporal e, com isso, podem acelerar metabolismo. (13)

Metabolismo é conjunto de transformações, num organismo vivo, pelas quais passam


as substâncias que o constituem reações de síntese anabolismo e reações de desassimilação
catabolismo que liberam energia. Que o seu corpo consome para se manter ativo. A
velocidade que o seu corpo queima calorias é chamada de "taxa metabólica" que com o
aumento da temperatura do corpo proveniente da ação dos termogênicos será acelerada. O
exercício físico exige maior consumo de energia do corpo e aliado com o produto
termogênico a queima de calorias é maior. (13,1)

Os beta-adrenérgicos são receptores e possuem três subtipos (1, 2, 3) e todos estão


ligados à uma proteína Gs estimulatória que, ao ser estimulada, ativa a enzima adenilato-
ciclase, levando ao acúmulo de AMPc (A adenosina 3',5'-monofosfato cíclico), à ativação de
proteínas cinases dependentes de AMPc (PKA) (A adenosina 3',5'-monofosfato cíclico) e à
alteração da função de diversas proteínas intracelulares em consequência de sua fosforilação.
Por exemplo, a PKA fosforila e ativa a lipase dos triglicerídeos no tecido adiposo, levando ao
aumento da liberação de ácidos graxos livres e maior suprimento de substrato para o
metabolismo oxidativo. No coração, a estimulação desses receptores leva a respostas
inotrópicas (força de contração) e cronotrópicas (frequência cardíaca) positivas. Além disso, a
Gs pode aumentar diretamente a ativação dos canais de Ca2+ sensíveis à voltagem da
membrana plasmática. (14)

As propriedades terapêuticas do gengibre se devem à ação compartilhada de várias


substâncias, de preferência as encontradas no óleo do gengibre, rico nos elementos medicinais
como o canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona. O gengibre também é rico em
substâncias termogênicas que acelerar o metabolismo do organismo e determina a queima de
gordura corporal. (15)

As características genéticas determinam a taxa metabólica individual. Algumas


pessoas tem um metabolismo lento, e com isso tem dificuldade de emagrecer e de se
manterem magras. Um metabolismo lento na verdade leva ao acúmulo de gordura. Outras têm

_____________________________________________________________________________5
um metabolismo médio e algumas poucas privilegiadas tem um metabolismo rápido. Mas em
qualquer caso é possível agravar a sua taxa metabólica. Toda substancia termogênica deve ser
absorvido junto de uma dieta balanceada feita por um nutricionista. Este tipo de produto está
cada vez mais sendo usado pelos atletas praticantes de musculação e de outros esportes, ou até
mesmo por iniciantes que não sabem nem ao certo qual é o seu efeito no corpo humano. (15,1)

Zingiber officinale
O Zingiber officinale popularmente conhecido como gengibre é planta herbácea de
originaria da índia que pode chegar a 1,50 m de altura. Possui caule articulado, com
ramificações situadas no mesmo plano. É uma planta cujo rizoma é amplamente
comercializado em função de seu uso na alimentação e indústria, especialmente como
matéria-prima para fabricação de bebidas, perfumes e produtos de confeitaria como pães,
bolos, biscoitos e geleias. (16)

No Brasil o Zingiber officinale foi introduzido por volta do ano de 1500, sendo um
produto comum na alimentação em diversos países do mundo e popularmente reconhecido
pelo uso medicinal. Várias propriedades do gengibre foram comprovadas em experimentos
científicos, citando-se as atividades anti-inflamatórias, antiemético e anti-nausea,
antimutagênico, antiúlcera, hipoglicemia, antibacteriana, entre outras. Além de propriedades
terapêuticas, o gengibre é de uso corrente na culinária, como condimento. (17)

O gengibre possui a capacidade de aumentar a Taxa Metabólica Basal do organismo, o


que resulta em uma maior ativação dos receptores beta-adrenérgicos, resultando em maior
termogênese. Os óleos essenciais do gengibre produzem calor ativando a circulação e
otimizando a perda calórica. (18)

Metodologia

Para o presente estudo, realizou-se uma revisão de literatura a qual utilizou as


seguintes bases de dados: PubMed, Scielo, Cochrane, Elservier, Períodico Capes e Google
Acadêmico a fim de identificar artigos científicos publicados no período de (2008) a (2017).
A busca nas fontes citadas foi realizada tendo como palavras-chave: Obesidade,
Termogênicos e Zingiber officinale.

_____________________________________________________________________________6
O gengibre e seus Resultados e objetivos para a saúde e o bem estar

Os artigos selecionados através de pesquisa bibliográfica para compor o presente


estudo a respeito do uso de Zingiber officinale como termogênico no auxilio do tratamento de
pacientes com obesidade e doenças crônicas, estão dispostos na tabela 1.
Tabela 1: Comparação dos objetivos e resultados encontrados nos estudos sobre o gengibre

Autor (es) / Ano Objetivo Concentração ou Publico Resultado


Quantidade

ZANKOSKI JUNIOR, Esse artigo tem como O gengibre é Foi realizada Suas indicações
C.; VERBINEN, A.; objetivo demonstrar geralmente uma revisão terapêuticas são de
VOINARSKI, A.; o gengibre (Zingiber utilizado na bibliográfica carminativo,
BRAZ, D.; RK officinale) e seus forma de chá e nas bases de orexígeno, digestivo,
PAULO,; OLIVEIRA, compostos como também na dados Google, ante emético,
VB. 2016. forma de tratamento culinária como Google antissépticos, anti-
para diversas conservante e/ou Acadêmico, inflamatório,
doenças, visto que o especiaria. Lilics, Scielo e antitussígeno,
gengibre tem uma livros da área expectorante,
gama bem ampla de utilizando as hipertensor, e alguns
compostos de ação palavras chave: compostos presentes
farmacológica, indo fitoterápidos no seu extrato são 6-
de anti-inflamatório a gengibre, gingerol, 6-paradol,
antibiótico, passando fitoterapia e zingibereno,
por anti-agregante, interação curcumeno e
anti-hipertensivo, medicamentosa. bisaboleno.
ante emético e outras Os artigos
escolhidos
datam de 1998
a 2016.

ELISA DEL O objetivo deste A sopa de Adultos de Conclui-se que o


CASTILLO estudo foi averiguar cenoura com ambos os gengibre é um ótimo
BARRETO, VERA os benefícios da gengibre obteve sexos, com emagrecedor, pois
MARIA DE SOUZA utilização do peso líquido final todos os tipos possui efeito
BORTOLINI, et al / gengibre na saúde de 576g com um de problemas termogênico, é um
2016 humana e elaborar total de 291,95 como artrite, anti-inflamatório
uma receita para o kcal, o seu dor nas costas, natural usado contra
cálculo da Ficha rendimento foi de dores gripes, resfriados,
Técnica de Preparo 4 porções musculares. alivia dor de
(FTP). garganta, dores nas
articulações, tudo
isso sem efeitos
colaterais prejudicais
a saúde.

Drª. PATRICIA O objetivo desse a dose máxima O estudo foi os resultados são
LEITE, et al / 2015. estudo confirma que diária é de 4 publicado por pequenos. Ao invés
o gengibre emagrece, gramas. pesquisadores de usar apenas
podendo melhorar a do Centro de gengibre para
taxa metabólica do Pesquisa em emagrecer, você
corpo e que deve ser Obesidade de deve combiná-lo

_____________________________________________________________________________7
recomendado para Nova York e com alguns
tratamento de Universidade outros suplementos
obesidade. de Columbia, e para perda de peso.
envolveu 10 Além disso, os
homens melhores resultados
saudáveis, mas são obtidos ao
acima do peso. combinar gengibre
com exercícios e
uma dieta saudável.

ZORDAN, A.J.C.M.; Objetivo avaliar os Adição de 40 Extrato de gengibre


SUEN, V.M.M.; efeitos do gengibre 500mg/kg de camundongos pode atenuar o
FOSS-FREITAS, associado à dieta peso corporal de machos percentual do ganho
M.C.; CANSIAN, hiperlipídica com extrato seco de divididos em de peso associado à
A.C.C.; relação ao peso total gengibre quatro grupos dieta hiperlipídica,
GONÇALVES, N.B.; e dos tecidos adiposo bem como melhorar
ZORDAN, A et al marrom, epididimal e a resistência à ação
/2016 retroperitoneal, perfil da insulina e a
lipídico, glicemia e intolerância
sensibilidade à glicêmica. A
insulina, além da importância de tais
eficiência energética achados e a relação
dietética. com o potencial
efeito termogênico
do gengibre precisa
ser confirmada
através de novos
estudos.

YU WANG , MD, MS O objetivo deste A ingestão diária Homens e Esses dados indicam
, HONGXIA YU , MS estudo foi avaliar o de 2 a 4 g / d de mulheres com que o gengibre tem
, XIULEI ZHANG , consumo diário de gengibre idades entre os uma potencial
MS, QIYAN FENG ,
gengibre e explorar 18 e os 77 anos propriedade
MS, XIAOYAN
GUO , sua correlação com preventiva contra
MS, SHUGUANG LI, doenças crônicas algumas doenças
MS, RONG LI , MS entre adultos e crônicas,
, DAN CHU , BS analisar ainda como especialmente
, YUNBO MA , et al / diferentes níveis de hipertensão e doença
2016 ingestão de gengibre coronária, bem como
afetam a prevalência sua capacidade de
de doenças crônicas. reduzir a
probabilidade de
doença.

_____________________________________________________________________________8
Discussão

É primordial que a alimentação seja equilibrada e variada para que assim o organismo
possa receber todos os nutrientes necessários ao seu adequado funcionamento e
desenvolvimento. É indubitável que hábitos alimentares inadequados estão diretamente
relacionados com o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis como a obesidade e
diabetes, que têm aumentado cada vez mais os seus índices. (19)
Extrato de Zingiber officinale numa concentração 250mg/kg, administrado em
pacientes com obesidade durante oito semanas produziu redução significativa do peso
corporal, insulina, glicemia e perfil lipídico, em ratos obesos do grupo controle em relação ao
grupo placebo. A redução da glicose elevada, juntamente com os níveis elevados de insulina,
indica que o tratamento com Zingiber officinale, melhora a sensibilidade à insulina. Ação
hipoglicemiante e anti-inflamatória, em ratos. O extrato de Zingiber officinale reduziu o
aumento acentuado do peso corporal, glicose, insulina, colesterol total, LDL-colesterol,
triglicerídeos, ácidos graxos livres, e fosfolipídios no soro de ratos que haviam recebido dieta
hiperlipídica durante seis semanas. A Zingiber officinale R. faz parte da lista de plantas
validadas da Resolução ANVISA nº 10 de 2010. (20)
Por razão aos efeitos colaterais perigosos e o auto custo das drogas tradicionalmente
utilizadas no tratamento da obesidade, o potencial de produtos naturais para o tratamento da
doença está em evidencia. Podendo ser uma alternativa provável para o desenvolvimento
futuro de drogas anti-obesidade eficazes seguras. (21)
Pesquisas apontam que uma grande parte dos produtos naturais, incluindo extratos e
compostos isolados de plantas, está sendo aplicados para a redução do peso corporal e
prevenir a obesidade. (22)
Pesquisadores têm dedicado relevantes esforços na compreensão dos metabolismos
fisiológicos envolvidos no controle do apetite, e na obtenção de produtos efetivos para o
tratamento e controle da obesidade, incluindo os de origem natural. (23)
A fitoterapia é qualificada no tratamento de estados patológicos através da utilização
de substratos naturais de origem botânica. Uma variedade plantas medicinais têm sido
estudadas e utilizadas com o objetivo de redução de peso, principalmente aquelas contendo
propriedades termogênica que aliado a uma dieta prescrita pelo nutricionista e atividades
físicas regulares auxilia na perda de peso. (24)
Resolução RE 89, da ANVISA, de 16 de março de 2004 é legislação vigente que
apresenta a Lista de registro simplificado de fitoterápicos. Nela são listados 34 fitoterápicos

_____________________________________________________________________________9
na forma de tabela, com informações como: nomenclatura botânica, nome popular, parte
usada, padronização/marcador, formas de uso, indicações/ações terapêuticas, dose diária, via
de administração e restrição de uso. O profissional nutricionista deverá sempre empregar esta
resolução para consulta, sendo que ela é composta de várias informações importantes para o
momento da prescrição. Além disso, deve-se sempre consultar se aquele fitoterápico está
aprovado para uso oral, já que a Resolução CFN número 402 permite apenas a prescrição de
fitoterápicos com essa via de administração. (25)
A obesidade é um fator de risco para saúde e esta associado doença coronárias, morte
súbita e insuficiência cardíaca, além de ter relação com o aumento da pressão arterial (PA) e
diabetes. Esta associação termina multiplicando os riscos de danos cardiovasculares,
merecendo assim atenção especial uma dieta balanceada e o uso de plantas no auxilio de
tratamento de obesidade vem crescendo nas ultimas décadas. (26)
A maioria dos fitoterápicos aplicados no tratamento e na prevenção da obesidade ainda
é objetivo de poucos estudos, com metodologias nem sempre adequadas e poucos
participantes. Com isso, efeitos colaterais, segurança de uso, principalmente em longo prazo,
efeitos da utilização a longo prazo ainda precisam ser estudados com profundidade, para que
se possam definir dosagens adequadas para esta patologia. (27)

_____________________________________________________________________________10
Conclusão

De forma inteligível, podemos dizer que a obesidade, definida como uma acumulação
excessiva de gordura corporal é capaz de afetar a saúde, resulta sempre de um desequilíbrio
entre a ingestão e o gasto energético. Esta equação simples depende, no entanto, de uma
enorme complexidade de mecanismos reguladores, que em cada individuo e em cada
momento asseguram a homeostasia energética. Estes mecanismos envolvem vários núcleos no
Sistema Nervoso Central (hipotálamo), mas também o tubo digestivo e o tecido adiposo,
ambos com capacidade de receber e fornecer informação reguladora, na forma de hormônios,
neurotransmissores ou outras substâncias de ação endócrina.
Esta pesquisa mostrou que os termogênicos estimulam, ativam a enzima adenilato-
ciclase que age diretamente no metabolismo energético da célula demonstrando ser eficaz na
queima de gordura. O Zingiber officinale foi eficiente no tratamento de pacientes obesos tanto
como fitoterápico, mas como suplemento ou condimento alimentar podendo ser prescrito por
nutricionistas no tratamento da obesidade acompanhado de uma dieta balanceada.

_____________________________________________________________________________11
Referências

1. VIGITEL Brasil 2012: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas
por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.
2. MANENTI, A. V. Plantas medicinais utilizadas no tratamento da obesidade: uma
revisão. 2010. 88 f. TCC (Graduação) - Curso de Nutrição, Universidade do Extremo
Sul Catarinense, Criciúma, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2015.
3. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Medicamentos
fitoterápicos: Brasília - DF: 2006.
4. DICKEL, M.L; RATES, S.M.K; RITTER, M.R. Plantas popularmente utilizadas para
fins de perda de peso em Porto Alegre, Sul do Brasil. J. Ethnopharmacol, vol. 109,
2007, p. 60-71.
5. FONSECA-ALANIZ, M.H.; TAKADA, J; et.al. O tecido adiposo como centro
regulador do metabolismo. Arq.Bras.Endroci.Metab, v.50, n.2. 2006.

6. AHIMA, R. S.; FLIER, J. S. Adipose tissue as an endocrine organ. Trends


Endocrinol Metab, v. 11, n. 8, p. 327-32, 2000.

7. BAYNES, J.W.; DOMINICZAK, M.H. Bioquímica Médica. 1 ed, Ed. Elsevier, 2007.

8. GLISEZINSKI, DE I; LARROUY. D. Adrenaline but not noradrenaline is a


determinant of exercise-induced lipid mobilization in human subcutaneous adipose
tissue. J Physiol. v. 587. n. 13, p. 3393–3404, 2009.

9. JAWORSKI, K. et al. Regulation of triglyceride metabolism. IV. Hormonal


regulation of lipolysis in adipose tissue. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol, v.
293, n. 1, p. G1-4, 2007.

10. LIU, T. C. et al. Effects of short-term detraining on measures of obesity and glucose
tolerance in elite athletes. J Sports Sci, v. 26, n. 9, p. 919-25, 2008.

11. NOMURA, S. et al. Possible mechanisms by which adipocyte lipolysis is enhanced


in exercise-trained rats. Biochem Biophys Res Commun, v. 295, n. 2, p. 236-42,
2002.

12. ZABALA, A. et al. trans-10,cis-12 Conjugated linoleic acid inhibits lipoprotein


lipase but increases the activity of lipogenic enzymes in adipose tissue from hamsters
fed an atherogenic diet. Br J Nutr, v. 95, n. 6, p. 1112-9, 2006.

13. BACURAU, R.F. Nutrição e suplementação esportiva. 4 ed, São Paulo: Phorte, 2006.

_____________________________________________________________________________12
14. GOODYEAR, L. J. et al. Exercise training normalizes glucose metabolism in a rat
model of impaired glucose tolerance. Metabolism, v. 40, n. 5, p. 455-64, 1991a.

15. BAKKALI, F.; AVERBECK, S.; AVERBECK, D.; IDAOMAR, M. Biological


effects of essential oil: a review. Food and Chemical Toxicology, Oxford, v. 46, n. 2,
p. 446-475, Sept. 2008.

16. EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Soja. Recomendações técnicas para a


cultura de gengibre no Paraná 1993/94. Londrina: EMBRAPACNPS, 2011. p. 28.

17. CAMARGO, L. C. S. Efeito antiinflamatorio do extrato de Zingiber officinale


aplicado por fonoforese sobre o edema de pata de ratos. 2006. 89 p. Dissertação
(Mestrado em Ciências Biológicas) – Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento,
Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2006.

18. M. MAJEED et al., US Patent No. 6,653,327, Cross regulin composition of turmeric-
derived tetrahydrocurcuminoids for skin lightening and protection against UVB rays.

19. PALHARIN, Luiz Henrique Di Creddo; FIGUEIREDO NETO, Eliseu; CAMARGO


LOPES, Matheus Pereira; BOSQUÊ, Gisleine Galvão. Estudo Sobre Gengibre Na
Medicina Popular. (Nota Técnica). Revista científica eletônica de agronomia – ISSN:
1677-0293. Ano VII – Número 14 –Periódicos Semestral. 2008.

20. MANENTI, A. V. Plantas medicinais utilizadas no tratamento da obesidade: uma


revisão. 2010. 88 f. TCC (Bacharel em Nutrição) – Universidade do Extremo Sul
Catarinense, Criciúma, 2010.

21. BARRETO FILHO, B.; SILVA, C. X. Plantas medicinais no tratamento obesidade.


São Paulo: FTD, 2010.

22. LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas


arbóreas nativas do Brasil. São Paulo: Instituto Plantarum; 2002.

23. CARVALHO, Kênia Mara Baiocchi. Obesidade, In: CUPPARI, Lilian. Nutrição:
nutrição clínica no adulto.São Paulo: Manole, 2a Ed, 2005.

24. FIGUEIROA JIF, Balikian JP, Miyashita LK, Neiva CM, Isidorio SCA. Crescimento
e estado nutricional de crianças e adolescentes de Presidente Prudente, São Paulo,
Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2008.

25. NEVES, E.T.; NAVARRO, M.R.G.; Jardim, P.C.B.V.; Sousa, A.L.L.; Braga,
V.L.N.; Moura, M.F. Diferentes Terapias no Tratamento da Obesidade em Pacientes
Hipertensos. Arq. Bras. Cardiol. Vol. 66. Num. 6. 1996. p. 343- 347.

_____________________________________________________________________________13
26. CAVALCANTE, V.S.; SANTOS, V.R. et al. Biomassa e extração de nutrientes por
plantas de cobertura. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental,
16(5):521–528, 2012.

27. BOSQUE, S.M.K. Promoção do uso racional de fitoterápicos: uma abordagem no


ensino da Farmacognosia. Rev. Bras. Farmacog. Vol. 11. Num. 2. 2001. p. 57-69.

28. ELISA DEL CASTILLO BARRETO, VERA MARIA DE SOUZA BORTOLINI.


Gengibre: Benefícios para Saúde, 2016.

29. ZANKOSKI JUNIOR, C.; VERBINEN, A.; VOINARSKI, A.; BRAZ, D.; RK
PAULO,; OLIVEIRA, VB. Gengibre (zingiber officinale) e seus compostos: sua ação
na fisiologia como medicamento fitoterápico e outras possíveis aplicações. 2016.

30. Drª. PATRICIA LEITE, Gengibre Emagrece? Como Usar Gengibre Para Emagrecer, MUNDO
BOA FORMA, 2015.
31. ZORDAN, A.J.C.M.; SUEN, V.M.M.; FOSS-FREITAS, M.C.; CANSIAN,
A.C.C.; GONÇALVES, N.B.; ZORDAN, A, A ingestão do extrato de gengibre adicionado
à dieta hiperlipídica de camundongos melhora a homeostase de glicose. Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). Código do trabalho, NC24. 2015.

32. YU WANG , MD, MS, HONGXIA YU , MS, XIULEI ZHANG , MS, QIYAN FENG,
MS, XIAOYAN GUO, MS, SHUGUANG LI, MS, RONG LI , MS, DAN CHU ,
BS, YUNBO MA, Avaliação do consumo diário de gengibre para a prevenção de doenças cônicas
em adultos: Estudos Transversal, 2016.

_____________________________________________________________________________14