Você está na página 1de 1

Relatório sobre : Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa, onde os neurônios


motores no córtex, tronco encefálico e medula espinhal vão se degenerando
progressivamente, e parando de transmitir os impulsos nervosos para o restante do corpo. Os
neurônios motores superiores no cérebro são os primeiros a serem afetados, dificultando a
mobilidade do paciente nos membros superiores como podemos observar no documentário, o
atleta primeiro começa a sentir dificuldades em realizar movimentos com os braços.Em
seguida é afetado os neurônios motores inferiores na medula espinha, , conforme a doença
avança há uma perda da força muscular e consequentemente o paciente vai parando de
conseguir se movimentar sozinho, necessitando do auxílio de andadores, e até cadeiras de
rodas.

A fala também é prejudicada com o avançar da doença, como podemos observar todo o
trabalho que o atleta teve em gravar sua voz em um aparelho que lhe permitiria se comunicar
futuramente, quando perdesse sua voz totalmente. Outra complicação da doença que pode
acontecer a qualquer momento que é citada no texto é a falência dos músculos respiratórios,
onde o coração para de receber oxigenação e consequentemente a pessoa acaba vindo a
falecer. Podemos observar que o atleta fazia regularmente testes de função respiratória,
sendo uma maneira de verificar a evolução da doença e o tempo de vida do paciente. Até que
ele atingiu um certo estágio da doença, onde foi necessária realizar uma ventilação mecânica
invasiva, para poder conseguir respirar melhor e prolongar sua vida.

O atleta do documentário passou exatamente por essas situações, precisando fazer uso de
equipamentos e dispositivos para poder ter uma melhor qualidade de vida, além dos citados
ele também utilizou : almofadas, travesseiros, órteses nos tornozelos para estabilização,
ventilação mecânica não invasiva, etc. Teve que ser realizada toda uma adaptação na casa dele
e de sua esposa, para que ambos pudessem conviver melhor com o progresso da doença, o
melhor exemplo que observamos é no quarto do casal, onde vimos a introdução de uma cama,
somente para ele, com todos os equipamentos que ele necessitava utilizar.

Além de tudo isso ele sempre fazia exercícios, fisioterapia, tentou tratamentos alternativos
como a cirurgia com uso das células tronco, que acabou acelerando a progressão do doença.
Os exercícios que ele fazia são essências para minimizar o máximo possível as complicações
que ele poderia vir a ter, e a fisioterapia ajuda nesse processo o paciente conseguir ter uma
manutenção das suas funções, através dos exercícios e alongamentos, com o objetivo de
minimizar as complicações da doença.