Você está na página 1de 77
APOSTILA 1

APOSTILA 1

SUMÁRIO Homem Fragmentado e Homem Integral 4 Sistema nervoso autônomo 5 Necessidades Biológicas 8

SUMÁRIO

Homem Fragmentado e Homem Integral

4

Sistema nervoso autônomo

5

Necessidades Biológicas

8

Introdução à Física Quântica

9

Fatos surpreendentes sobre o cérebro

16

Saúde e Física Quântica

17

Frequências

18

Escala da Consciência

18

O poder quântico da informação

21

Noções de embriologia

22

Endoderma

22

Tecidos controlados pelo endoderma

25

Mesoderma

26

Mesoderma antigo

26

Tecidos controlados pelo mesoderma antigo

27

Mesoderma novo

28

Tecidos controlados pelo mesoderma novo

29

Ectoderma

30

Tecidos controlados pelo ectoderma

31

Etologia Animal

34

Frequência Cerebral

37

Bioquímica da Emoção

37

Os Setênios

44

Nova Medicina Germânica

52

As cinco Leis Biológicas

56

Primeira Lei

57

Polaridade

59

Segunda Lei

62

Terceira Lei

68

Quarta Lei

69

Quinta Lei

71

Necessidades biológicas e seus respectivos conflitos

72

Leitura sugerida

75

Homem Fragmentado e Homem Integral

A partir do século XVII, o mundo ocidental foi marcado por um modelo mecanicista, tendo como personagens principais Isaac Newton e René Descartes. Diante do materialismo científico, eles moldaram uma forma mecanicista e reducionista sobre as ciências e sobre o ser humano. Frente a este posicionamento, Descartes dizia:

“Suponho que o corpo seja uma estátua ou uma máquina de terra tendo, no interior, todas as peças necessárias para fazer com que caminhe, coma, respire e imite todas as nossas funções que podemos imaginar decorrentes da matéria que dependem apenas da disposição dos órgãos” (Descartes, R. Scientific American Brasil, 2006b,p.40.)

(Descartes, R. Scientific American Brasil, 2006b,p.40.) Com esse modelo fica claro a fragmentação do ser humano,

Com esse modelo fica claro a fragmentação do ser humano, sendo visto como um ser dissociado: corpo, mente e espiritualidade. Todo o conhecimento seria um processo progressivo de registros externos ao homem, assim havia uma separação entre sujeito e objeto descaracterizando a dinâmica do todo.

Os campos de interesse da religião e da ciência foram separados, assim a ciência poderia seguir sem o julgo da igreja.

a fazemos outra.

Tendemos

ser

fragmentados:

pensamos

coisas,

sentimos

outra

e

Sofremos porque temos percepção limitada, fragmentada.

“Se as portas da percepção estiverem livres de obstáculos, o homem veria ”

as coisas tal como são: infinitas

Willian Blake

O modelo cartesiano-newtoniano começou a ser questionado a partir do século XX, com o nascimento da Física Moderna. Surge então o Paradigma

Holístico propondo a investigação da realidade em todos os seus aspectos,

na busca da sua totalidade. O matemático John Von Newman e os físicos

Fritjof Capra e Amit Goswami contribuíram de maneira essencial para a reconciliação entre ciência e espiritualidade. A visão do homem integral é

resgatada neste paradigma holístico emergente.

Sistema nervoso autônomo

Sistema nervoso autônomo (também chamado sistema neurovegetativo ou sistema nervoso visceral) é a parte do sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão.

No entanto, ele não se restringe a isso. É também o principal responsável pelo controle automático do corpo frente às modificações do ambiente. Por exemplo, quando o indivíduo entra em uma sala com um ar- condicionado que lhe dá frio, o sistema nervoso autônomo começa a agir, tentando impedir uma queda de temperatura corporal. Dessa maneira, seus pelos se arrepiam (devido a contração do músculo pilo-eretor) e ele começa a tremer para gerar calor. Ao mesmo tempo ocorre vasoconstrição nas extremidades para impedir a dissipação do calor para o meio. Essas medidas, aliadas à sensação desagradável de frio, foram as principais responsáveis pela sobrevivência de espécies em condições que deveriam impedir o funcionamento de um organismo. Dessa maneira, pode-se perceber que o organismo possui um mecanismo que permite ajustes corporais, mantendo assim o equilíbrio do corpo: a homeostasia.

O sistema nervoso autônomo é subdividido em dois grandes subsistemas:

a divisão simpática e a divisão parassimpática. A origem dessa

nomenclatura é grega, e significa “harmonia, solidariedade”, já fazendo menção da integração destes dois subsistemas.

Walter Cannon, fisiologista, criou duas expressões mnemônicas ilustrando as diferenças funcionais entre a divisão simpática e parassimpática do sistema nervoso autônomo. A função simpática era descrita por “fight or flight” (lutar ou fugir), enquanto a parassimpática seria “rest and digest(repousar e digerir).

Estas associações foram aceitas durante muito tempo, mas estudos posteriores revelaram que o sistema nervoso autônomo não reage de forma extrema, mas apenas há uma predominância de um subsistema ou outro conforme a função necessária para o momento.

Os quadros abaixo mostram os “alvos” dos subsistemas simpático e parassimpático:

necessária para o momento. Os quadros abaixo mostram os “alvos” dos subsistemas simpático e parassimpático: 6

Principais diferenças

Nervoso Parassimpático

entre

o Sistema Nervoso

Simpático e

Sistema

As características anatômicas e funcionais das duas divisões devem tornar

clara a existência de notáveis diferenças entre os sistemas nervosos simpáticos e parassimpático. Cannon foi o primeiro a reconhecer que o sistema nervoso simpático é capaz de produzir o tipo de resposta maciça e disseminada que permite a um organismo, quando confrontado com determinado estresse (como dor, asfixia ou emoções fortes), responder adequadamente (com "medo, luta ou fuga").

parassimpático, que são constituídos basicamente por uma via motora com dois neurônios, sendo um pré-ganglionar (cujo corpo se encontra no sistema nervoso central) e outro pós-ganglionar (cujo corpo se encontra em gânglios autônomos). No sistema simpático, logo depois que o nervo espinhal deixa o canal espinal, as fibras pré-ganglionares abandonam o nervo e passam para um dos gânglios da cadeia simpática, onde farão sinapse com um neurônio pós-ganglionar.

No sistema parassimpático, as fibras pré-ganglionares normalmente seguem, sem interrupção, até o órgão que será controlado, fazendo então sinapse com os neurônios pós-ganglionares. Dessa maneira percebe-se que os neurônios pré-ganglionares do simpático são curtos e os pós- ganglionares são longos; no parassimpático ocorre o inverso. Já o sistema nervoso entérico apresenta seus corpos celulares na parede do trato gastrointestinal.

Os neurônios pré-ganglionares do sistema simpático emergem dos segmentos tóraco-lombares (da região do peito e logo abaixo), ao passo que os do sistema parassimpático emergem dos segmentos céfalo-sacrais (da região da cabeça e logo acima dos glúteos).

Uma importante característica da inervação dos músculos pelo sistema

nervoso autônomo é que - ao contrário da inervação somática, que apresenta regiões pré e pós-sinápticas especializadas - suas terminações nervosas apresentam varicosidades onde o neurotransmissor vai se acumulando através de vesículas. Dessa maneira, a transmissão de sinais ocorre em vários pontos, através de terminais axoniais, e posteriormente

se difunde no tecido. Essa "estratégia" é bem diferente da empregada no

sistema autônomo, que se baseia na relação ponto-a-ponto. Isso garante

que um número menor de fibras nervosas seja capaz de regular de maneira eficiente órgãos e glândulas.

Normalmente as fibras nervosas dos sistemas simpáticos e parassimpáticos secretam dois neurotransmissores principais:

As fibras que secretam noradrenalina ativam receptores adrenérgicos e as que secretam acetilcolina ativam receptores colinérgicos.

Ao contrário do que se pode imaginar, não existe uma regra muito precisa de qual das duas substâncias cada sistema emprega; no entanto, pode-se fazer algumas generalizações para melhor compreensão. Podemos assim afirmar que todos os neurônios pré-ganglionares, sejam eles simpáticos ou parassimpáticos, são colinérgicos. Consequentemente, ao se aplicar acetilcolina nos gânglios, os neurônios pós-ganglionares de ambos os sistemas serão ativados.

Em relação aos neurônios pós-ganglionares do sistema simpático, estes, em sua maioria, liberam noradrenalina, a qual excita algumas células mas inibe outras. No entanto, alguns neurônios pós-ganglionares simpáticos, são colinérgicos, como por exemplo, os que enervam a maioria das células sudoríparas. Outro exemplo são os que enervam alguns vasos que irrigam tecido muscular.

Necessidades Biológicas

Podemos dizer que o sentido de uma enfermidade tem uma relação estreita com as necessidades biológicas experimentadas por um ser vivo ao longo não só de sua evolução como espécie, mas também ao longo de sua própria vida. As necessidades biológicas podem ser expressadas na seguinte ordem:

1- Nutrição 2- Reprodução 3- Defesa 4- Autoafirmação

5- Formação de grupos

FÍSICA QUÂNTICA

Introdução à Física Quântica O termo quantum foi aplicado na ciência pelo físico alemão Max

Planck, em 1900. É uma palavra do latim, que significa quantidade, é

usada para representar a menor unidade de qualquer propriedade física,

abrangendo a energia e a matéria. Por exemplo, um quantum de luz,

chamado de fóton, é um pequeno pacote de energia que não pode ser

dividido.

Quando você muda o modo de observar as coisas, as coisas que você

observa mudam!

de observar as coisas, as coisas que você observa mudam! Minha sogra e minha esposa A

Minha sogra e minha esposa

A Teoria Quântica:

Segundo Einstein, nada pode ser mais rápido do que a velocidade da

luz, mas a física quântica demonstrou que partículas subatômicas parecem

se comunicar instantaneamente seja qual for á distância entre elas. Tudo é

energia!

Ondas e Partículas:  Campo = força não-material = ONDA.  Massa/peso = força material

Ondas e Partículas:

Campo = força não-material = ONDA.

Massa/peso = força material = PARTÍCULA.

Ondas e Partículas:  Campo = força não-material = ONDA.  Massa/peso = força material =

Ondas e Partículas No estado de Onda, elétrons e fótons (partículas de luz) não tem

localização precisa, existem como “campos de probabilidade”.

No estado de Partícula, esse campo “colapsa”, produzindo um

objeto sólido, localizado no espaço e no tempo.

A descoberta de que mecanismos tão diferentes controlam a

estrutura e o comportamento da matéria poderia ajudar a biomedicina a

conhecer melhor a saúde e as doenças.

Salto Quântico Ao estudarem os átomos, os cientistas descobriram que os elétrons,

quando passam de uma órbita para outra em torno do núcleo, não se

deslocam pelo espaço da forma como outros objetos, mas sim se

comportam de modo contrário, eles se deslocam instantaneamente.

Princípio da Incerteza de Heisenberg:

Probabilidade gera incerteza, e será máxima para algum valor da

posição, que será o local com maior probabilidade de encontrarmos o

elétron. O conjunto dos locais possíveis de se localizar o elétron

representa o grau de incerteza da posição do elétron.

O mesmo princípio é aplicado para o momentum. Desta forma

provou-se que não podemos determinar com certeza a velocidade e a

posição de um elétron simultaneamente, pois um pequeno esforço em

medir qualquer um dos dois fenômenos influenciaria no resultado do

outro.

Espaço e Tempo O espaço e tempo são 2 conceitos clássicos fundamentais, mas de

acordo com a mecânica quântica são secundários. Dessa forma, algo que

você faz hoje pode modificar algo no passado. (Ex. Constelações

Sistêmicas Familiares)

O Experimento da Fenda Dupla Neste experimento um feixe de elétrons passa através de uma tela

que contém duas estreitas fendas. Considerando que os elétrons são

ondas, o feixe é fendido em dois conjuntos de ondas pela tela que contém

as duas fendas, para em seguida interferirem entre si. O resultado da

interferência aparece em uma tela fluorescente. É importante lembrar

que ondas de elétrons são

ondas de probabilidade. Se

diminuirmos esse feixe de

elétrons até que um dado

momento apenas um elétron

chegue às fendas será que

poderemos obter um padrão

de interferência? A mecânica

quântica afirma que sim. Dessa

forma um único elétron passaria através de ambas as fendas e interferiria

consigo mesmo. A tentativa de observar como isto é matematicamente

possível (o elétron tem 50% de chance de passar por uma fenda e 50% de

chance de passar pela outra) interfere no momentum, e o que iremos

observar na tela fluorescente é um padrão de comportamento como se o

elétron tivesse a probabilidade de 100% de passar em apenas uma das

fendas.

é um padrão de comportamento como se o elétron tivesse a probabilidade de 100% de passar

O Fenômeno da Não localidade

da

questionáveis por físicos clássicos, como Einstein, Podolsky e Rosen. Estes

propuseram um experimento intelectual que pretendia mostrar o absurdo

da teoria da não localidade. O experimento consistia em duas partículas

criadas ao mesmo tempo (significa que estão superpostas) e dispará-las

para lados opostos do universo. Em seguida você faz algo que altere o

estado de uma das partículas, instantaneamente a outra se alterará para

adotar um estado correspondente.

física quântica eram altamente

Em

1930

algumas

teorias

física quântica eram altamente Em 1930 algumas teorias Einstein defendia que segundo a Teoria da Relatividade

Einstein defendia que segundo a Teoria da Relatividade nada pode

se deslocar a uma velocidade superior à da luz e isso era infinitamente

mais veloz. Em 1964, John Bell criou uma teoria reforçando a teoria da

não-localidade afirmando que a idéia de alguma coisa ser localizada em

um único lugar é incorreta.

Tudo é não-localizado, pois as partículas estão intimamente ligadas

em um nível além do tempo e do espaço.

Na física quântica tempo e espaço são infinitos.

Tudo que estiver na mesma frequência responderá aos mesmos

estímulos.

“Tudo em sua vida tem a frequência específica de quem você é.”

Ramtha

As nove vidas do gato de Schrödinger Suponhamos que em uma gaiola seja colocado um gato, juntamente

com um átomo radioativo e um contador Geiger. Com o passar do tempo

o átomo entrará em decaimento, seguindo as regra probabilísticas, dessa

forma o contador Geiger acusará um martelo, que quebrará uma garrafa

de veneno, que matará o gato. Podemos supor ainda, que isso aconteça

no tempo de 1 hora.

Desconsiderando a hipótese de abrir a gaiola e observar o estado do

gato, como saberemos, após 1 hora, se ele está vivo ou morto? A

probabilidade de que ele esteja vivo é de 50%, igualmente a probabilidade

de que ele esteja morto. Nós simplesmente não sabemos o resultado. A

conclusão deste experimento é de que ao final de 1 hora há uma

superposição coerente de um “gato meio vivo e meio morto”.

Considerações: * “ O grande erro da terapêutica moderna foi estudar a doença sem se

Considerações:

* “O grande erro da terapêutica moderna foi estudar a doença sem se preocupar com o terreno em que ela evolui.Dr. Alberto Leprince (La medicine Eletronique, 1962).

Quando fazemos algumas perguntas como “Quem somos nós?” ou ainda “Do que nosso corpo é capaz?” Devemos levar em conta três considerações:

O que nós sabemos que sabemos.

O que nós sabemos que não sabemos.

O que nós não sabemos que não sabemos.

Sobre o que não sabemos que não sabemos: Consideremos que só temos consciência de 2 mil bits de informação em 400 bilhões de bits de

informação que processamos por segundo. Quando rejeitamos novos

conhecimentos, quanto da nossa “percepção” está protestando?

Sobre o que não sabemos que não sabemos: Quando fazemos uma

pergunta e desconhecemos a resposta, despertamos para todas as

possibilidades.

Fatos surpreendentes sobre o cérebro 1) O cérebro é pelo menos mil vezes mais rápido que o

supercomputador mais rápido do mundo.

2) O cérebro contém tantos neurônios quantas são as estrelas na

Via-Láctea (em torno de 100 bilhões).

3) O córtex cerebral tem 60 trilhões de sinapses.

4) Um pedaço de cérebro do tamanho de um grão de areia contém

100 mil neurônios e 1 bilhão de sinapses.

5) O cérebro está sempre ligado (ele nunca sequer descansa

durante a nossa vida inteira).

6) O cérebro se reestrutura continuamente durante a vida.

(ele nunca sequer descansa durante a nossa vida inteira). 6) O cérebro se reestrutura continuamente durante
Podemos pensar em cada observação como medida quântica, porque produz uma lembrança no cérebro. Essas

Podemos pensar em cada observação como medida quântica,

porque produz uma lembrança no cérebro. Essas lembranças são ativadas

sempre que tornarmos a encontrar e experimentar um estímulo

repetitivo, que sempre vai trazer à tona não só a impressão original, mas

também essa repetição de impressões de memória.

Lembrança

(passado)

Percepção

Observação

(afetando

a)

Realidade.

Saúde e Física Quântica “O ser humano é uma máquina extremamente maravilhosa, mas

possui mente e espírito, e isto complica um pouco as coisas!” Daniel

Grosjean.

Doença é um distúrbio objetivo do organismo que pode ser

diagnosticado por máquinas, por exames adequados, sobre a qual

especialistas podem formar um consenso. Enfermidade é subjetiva, a

sensação subjetiva do distúrbio.

Frequências No espectro de energias a faixa de luz visível representa uma

pequena porcentagem do total de energias existentes. O transmissor e o

receptor devem estar na mesma frequência.

O transmissor e o receptor devem estar na mesma frequência. Escala da Consciência Em 2002, o

Escala da Consciência

Em 2002, o psiquiatra e pesquisador da consciência Dr. David

Hawkins ressaltou a descoberta de que todos os átomos e sub-átomos

são energias que atuam na consciência humana.

O resultado foi uma dissertação de doutorado cientificamente

validada que comprova que a consciência de cada ser humano tem

uma vibração.

Todos os objetos possuem energia - energia que vibra no que é

conhecido como Escala da Consciência. Como essa escala funciona?

Imagine que você tem uma escala de 1 para 1000, com 1000 sendo o estado mais elevado que um ser humano pode alcançar. Se você conseguisse este nível seria um mestre iluminado. No nível mais baixo do espectro seria alguém que não está prosperando em absoluto. Para determinar onde as pessoas estão nesta escala, o Dr. Hawkins usou uma escala de frequência com base na "cineologia" ou estudo das emoções. Como você deve ter imaginado, as emoções pesadas como medo, raiva ou vergonha vibram em frequências baixas, enquanto as sensações como amor, alegria e paz vibram em frequências altas e são elevadoras.

O que acontece no nível 500 ou acima - Exatamente agora o nível média de energia na Terra é aproximadamente 207 - isto é porque em todas as partes das nossas vidas acumulamos bloqueios ocultos de energia e condicionamento negativo que nos afasta das vibrações mais elevadas. Contudo o nível que devemos almejar é 500 ou acima. Esses 500 correspondem a vibração do amor. Quando você vibra neste nível a vida fica drasticamente diferente. O amor, a alegria e a abundância ficam repentinamente dentro do seu alcance. A dor, o estresse e a luta com os outros pela sobrevivência parecem desaparecer, e você se torna um imã para realizar o que você realmente deseja. Mas, eis aqui onde as coisas ficam ainda melhores.

A sua energia não afeta somente você e sua vida, afeta também aqueles em volta de vc. Uma pessoa que trabalha a um nível 500 (amor) pode levantar outras 750.000 pessoas acima de 200. Todo mundo que procura uma vida mais feliz, mais próspera e mais

iluminada deve aspirar a superar as obstruções de energia e a elevar

sua frequência energética a um nível do amor ou acima.

Biocampo ou Quinto Campo Esse terreno ou matriz biológica, conhecido pelos físicos como

quinto campo e pelos biólogos como biocampo, representa, segundo

Goodwin, uma interação de campos biológicos que atuam sobre unidades

orgânicas existentes e integram a unidade básica da forma e da

organização dos sistemas vivos.

Na Física, Beynam descreve esse quinto campo como sinérgico e de

efeito organizador; como um campo que preenche todo o espaço, penetra

e permeia todas as coisas e que apresenta a propriedade de reconectar

objetos do modo como eram conectados no passado.

Na Biologia, Gurwitsch, buscando dados observados na

embriogênese, postulou essa matriz, como um campo morfogenético

(gerador de forma), que se estabelece como um campo de força não

material, e que determina, em última instância, o papel das células

individuais, suas propriedades e suas relações com as células vizinhas.

Hologramas O Universo Bidimensional existe na superfície de fronteira de um

Universo tridimensional. A física nessa fronteira caracteriza-se por quarks

e glúons em forte interação e que apresentam cargas de cor.

As leis do interior são uma forma de teoria das cordas e incluem a

força da gravidade (vivida pelo malabarista), difícil de descrever nos

termos da mecânica quântica. Entretanto, a física no interior e na

superfície são completamente equivalentes apesar de suas descrições

radicalmente diferentes.

Karl Pribam, neurocirurgião pesquisador do cérebro, acumulou

durante uma década evidências de que a estrutura profunda do cérebro é

essencialmente holográfica. O holograma tem a estranha propriedade de

distribuir informações por todo o sistema, com cada fragmento codificado

para reproduzir o Todo.

A Ilusão da Matéria Os sinais de energia eletromagnética alcançam uma velocidade de

cerca de 300 km/s, enquanto a velocidade dos elementos químicos

difusíveis é menor que 1 cm/s. Os sinais de energia não só são mais

rápidos como também mais eficientes que os sinais químicos físicos.

Sendo o nosso corpo uma comunidade de trilhões de células que tipo de

sinal ele prefere como um modo preferencial de sobrevivência?

O Poder Quântico da Informação Masaru Emoto, um cientista japonês, demonstrou como o efeito de

determinados sons, palavras, pensamentos e sentimentos alteram a

estrutura molecular da água. A técnica consiste em expor a água a esses

agentes e posteriormente congelá-los. Ao ser congelada a água forma

cristais que foram fotografados pelo cientista. Inicialmente ele começou

com estímulos sonoros, evoluindo para estímulos como o pensamento. De

forma impressionante a água reagiu a todos os estímulos, mesmo aos

estímulos da consciência. As mensagens positivas formaram belos cristais,

enquanto que as mensagens negativas geraram cristais feios ou

malformados.

*Não esqueçam que nós, seres humanos, somos compostos de 80% de água!!! NOÇÕES DE EMBRIOLOGIA

*Não esqueçam que nós, seres humanos, somos compostos de 80%

de água!!!

NOÇÕES DE EMBRIOLOGIA

Endoderma Folha germinativa interna: É a primeira folha germinativa do estado

embrionário. Sendo que a primeira capa da a origem aos órgãos mais

antigos, tais como a submucosa de todo o tubo digestivo da boca até o

reto, o revestimento interno da próstata, útero, tubas uterinas, túbulos

coletores dos rins e tubas auditivas. Os órgãos mais antigos que derivam

da folha germinativa mais antiga são controlados pelo Cérebro Antigo

No Tronco Cerebral; Respondem a conflitos mais arcaicos, vitais,

primitivos. Os contextos dos conflitos programados no Tronco Cerebral

relacionam-se com temas de sobrevivência mais básicos, como respirar, comer e reproduzir-se.

relacionam-se com temas de sobrevivência mais básicos, como respirar, comer e reproduzir-se. 23
relacionam-se com temas de sobrevivência mais básicos, como respirar, comer e reproduzir-se. 23

Mapa Cerebral

Mapa Cerebral Cada órgão derivado da parótidas e tireóides): cloaca primitiva craniana (orelhas,  Lado direito:

Cada

órgão

derivado

da

parótidas e tireóides):

cloaca

primitiva

craniana

(orelhas,

Lado direito: Exprime um conflito de absorver o pedaço.

Lado esquerdo: Exprime um conflito de eliminar o pedaço.

*Aqui nenhuma influência da lateralidade

Tecidos Controlados pelo endoderma

Faringe.

Palato duro.

Glândulas Salivares.

Amígdalas e a Mucosa Bucal.

Parótidas.

Hipófise.

Tireóide.

Glândulas Paratireoides.

Ouvido Médio.

Trompa de Eustáquio.

Glândula Lacrimal.

Alvéolos Pulmonares.

Células Ciliadas Brônquicas.

Esôfago.

Mucosa do Estomago.

Mucosa do Duodeno.

Fígado (hepatócitos).

Pâncreas endodérmico.

Intestino Delgado.

Ceco e Apêndice.

Umbigo.

Glândulas de Bartholin.

Glândula Prostática.

Corpo Uterino (Endométrio).

Trompas Uterinas.

Bexiga (Trígono).

Canais (túbulos) Coletores dos Rins.

Testículos/Ovários (como Glândulas Parte germinativa)

MESODERME

MESODERME Mesoderme Antigo Mapa cerebral 26

Mesoderme Antigo

Mapa cerebral

MESODERME Mesoderme Antigo Mapa cerebral 26

26

Tecidos controlados pelo Mesoderme Antigo (Cerebelo)

Derme.

Pericárdio.

Pleura.

Peritônio.

Glândulas Mamárias.

Grande Epiplon.

Meninges.

A Mesoderme do cérebro antigo é controlada pelo cerebelo. Folha germinativa do estado embrionário que se desenvolveu quando o organismo abandonou o ambiente aquoso. Os órgãos que são originados pelo cérebro antigo são o córium (derme) e a pele, a pleura (pele que recobre os Pulmões), pericárdio (pele que recobre o coração), peritônio (recobre as vísceras da cavidade abdominal e as glândulas mamárias). Os temas do conflito que foram programados no cerebelo estão ligados aos chamados “conflitos de ataque”, refletindo o propósito de proteção (contra os ataques) da pele cerebelar. Com conotações vitais.

*Relê do nervo acústico é subjacente ao das glândulas mamárias.

*Existe uma Relação Cruzada desde o Cérebro ate o órgão. A

Lateralidade

para

as

glândulas

mamárias

deve

ser

levada

em

consideração.

Mesoderma novo

Mapa cerebral

Mesoderma novo Mapa cerebral Mesoderma do cérebro novo : É controlado pela medula encefálica (no centro

Mesoderma do cérebro novo: É controlado pela medula encefálica (no centro do cérebro) - Substancia Branca - pertencente ao cérebro novo. Reflete a etapa da evolução quando se desenvolveram as estruturas musculares e esqueléticas. Os órgãos e tecidos que derivam do mesoderme novo são os ossos, músculos, cartilagens, tendões, tecido

conectivo, sistema linfático, veias e artérias, baço, ovários, testículos e

parênquima renal. Os órgãos que são derivados do mesoderme são

controlados pela medula encefálica. Os contextos dos conflitos

predominantes, ligados a essas estruturas são: conflitos de Auto-

Desvalorização; Impotência; Submissão.

Tecidos controlados pelo mesoderma novo Primeiro grupo:

Relê na parte alta do tronco cerebral = substância branca

(mesencéfalo inferior).

Musculatura lisa do intestino, miométrio e miocárdio.

Segundo grupo:

Relê ao nível do mesencéfalo;

Glomérulos renais, córtico-suprarenais, parte intersticial endócrina

das gônadas (hormônios secretantes).

Terceiro grupo:

Relê ao nível da substância branca na altura dos ventrículos

cerebrais (zona periventricular);

Tecido conjuntivo, cartilagens, tendões, ligamentos, músculos

estriados, miocárdio, músculo do cólo uterino, dentes, baço,

gânglios e vasos linfáticos, artérias e veias.

ECTODERMA

por células epiteliais

escamosas, as quais formam o recobrimento dos tubos faríngeos, laringe,

tubos bronquiais, curvatura menor do estomago, condutos biliares

hepáticos, condutos pancreáticos, parte distal do reto, endotélios, artérias

e veias coronarianas (túnica interna), colo uterino (cervix) e epiderme. Os

órgãos e tecidos ectodérmicos são controlados desde o córtex cerebral.

Os conflitos que pertencem ao córtex cerebral fazem referencias a temas

sociais tais como: Conflitos territoriais, Sexuais ou de separação.

Folha

germinativa

externa:

Formado

a temas sociais tais como: Conflitos territoriais, Sexuais ou de separação. Folha germinativa externa: Formado 30

MAPA CEREBRAL

MAPA CEREBRAL Tecidos controlados pelo Ectoderma:  Tireoide (Condutos tireoideos)  Brânquias (gânglios retro

Tecidos controlados pelo Ectoderma:

Tireoide (Condutos tireoideos)

Brânquias (gânglios retro cardíacos)

Laringe e a traqueia (Epitélios)

Brônquios (mucosa)

Túnica íntima das veias coronárias

Colo uterino

Mucosa vaginal

Artérias coronárias

Vesículas seminais

Reto (mucosa retal)

Esôfago

Estômago (curvatura menor)

31

Bulbo duodenal

Trato da vesícula biliar (Condutos Biliares)

Pâncreas (condutos Pancreáticos)

Mucosa do trato urinário: bexiga; ureteres; cálices; pelve renal e uretra.

Epiderme

Anexos: cabelos, unhas e pelos.

Canais galactóforos dos seios

Mucosa nasal; Seios paranasais.

Esmalte dos dentes

Mucosa bucal

Condutos excretores das glândulas sublinguais e parótidas

Canais lacrimais

Epitélio da pálpebra e a conjuntiva

Córnea

Retina

Centros de controle do córtex:

Centro do Olfato

Centro da Audição

Centro Talâmico (Tálamo)

Centro da Motricidade

Regulação da Glicemia:

Centro da insulina (células Betas das ilhotas de langerhans)

Centro do Glucagom (células Alfa das ilhotas de langerhans)

insulina (células Betas das ilhotas de langerhans)  Centro do Glucagom (células Alfa das ilhotas de

Medo frontal: medo do perigo consciente, medo antecipado do futuro.

Comando de músculos voluntários: relacionado ao metabolismo da glicose (resistência, repugnância) Insulina e Glucagon.

Sentimentos de Contato-separação, incluindo os aspectos sociológicos de todos os problemas de território (essencialmente na área temporal).

Receio ou insegurança no pescoço, (área occipital) sede da visão.

Audição, Olfato e Paladar, com um papel essencial, mas não exclusivo, de detectar um perigo relativamente próximo, mas invisível (lobo frontal). O olfato e a audição estão também envolvidos em conflitos de território.

Etologia Animal

A disciplina dedicada ao estudo do comportamento animal recebe o nome de Etologia, termo que provém do grego êthos (conduta, costumes, comportamento) e lógos (estudo, tratado).

Não só uma semelhança comportamental de grande parte dos animais, mas também embriológica, como mostra o quadro abaixo:

mas também embriológica, como mostra o quadro abaixo: Os etólogos estudam esses padrões de comportamento

Os etólogos estudam esses padrões de comportamento específicos das espécies, fazendo-o preferencialmente no ambiente natural, uma vez que acreditam que detalhes importantes do comportamento só podem ser observados durante o contato estreito e continuados com espécies particulares que se encontram livres no seu ambiente. Comparando essas observações ao comportamento humano

Os animais são compostos de dois tipos de corpos: o físico e o emocional, enquanto que o homem é composto de três tipos de corpos: o físico, o emocional e o mental (razão).

“O homem que segue as suas emoções vive ainda ao nível do animal. O homem que ultrapassa as emoções é um homem completo”.

O comportamento é o resultado de influências biológicas e ambientais. No caso específico do ser humano, mais do que separar o que é biológico do que é cultural, devemos concentrar nossos esforços para compreender de que forma essas duas variáveis se integram e interagem entre si. A Etologia se propõe a compreender o comportamento humano com base nesse pressuposto.

Embora o ser humano apresente grande capacidade de aprender, essa aprendizagem não ocorre de forma aleatória. As origens do comportamento não estão somente no nascimento ou mesmo durante a vida intra-uterina, mas também durante a nossa história filogenética de milhares de anos atrás.

O que somos hoje é o resultado de nossas predisposições biológicas com a história individual e cultural de cada um.

Charles Darwin escreveu a partir de 1871, acerca de como o ser humano e os animais expressam as suas emoções.

A tensão emocional intensa pode se transformar em doenças crônicas. A relação entre distúrbio emocional e doença baseia-se no fato de as funções de diversos órgãos importantes serem controladas pelo sistema nervoso autônomo _ SNA.

Por que as zebras não têm úlceras? Quando é que a zebra fica estressada? Quando vê o leão surgir na

savana. A partir desse momento, ela concentra todas as suas energias e

capacidades para fugir do predador que se aproxima. Uma vez que

consegue escapar, a zebra volta à mesma vida despreocupada de antes.

O problema dos seres humanos é conseguir alcançar esse tipo de

comportamento mesmo na ausência do leão. O premiado biólogo e

neurologista Robert M. Sapolsky apresenta cientificamente uma das mais

consistentes teorias para lidar com o estresse: já que ele não tem cura

(pois estamos programados para nos estressarmos diante das

Os seres

preocupações), só nos resta, como as zebras, simplificar a vida

humanos são programados para se preocupar com os problemas antes

que eles aconteçam, e continuam a sofrer seus efeitos mesmo depois de

terem acabado.

Todo esse estresse gera úlceras, insônia, depressão, diminuição da

libido e inúmeros outros problemas - complicações das quais animais

como a zebra, apesar de toda a tensão que sofrem ao ver o leão, não

sofrem.

Interrelação Biológica:

Os nossos sentidos nunca erram, não porque julgam corretamente, mas

porque nunca julgam.Rupert Sheldrake

Interferências:

Por um poder imortal, todas as coisas, perto ou distantes, ocultamente

estão ligadas entre si. E tão ligadas estão, que não se pode tocar uma flor

sem incomodar as estrelas.” Francis Thompson.

Frequência Cerebral:

Beta: 14 a 28 hertz/s Consciente exterior

Alfa: 7 a 14 hertz/s Consciente interior

Teta: 4 a 7 hertz/s Consciente interior (profundo)

Delta: 0 a 4 hertz/s - Inconsciente

Bioquímica da Emoção

Neuropeptídeos são substâncias químicas produzidas e liberadas pelas células cerebrais e determinadas outras células. Pesquisa recente indica que esses neuropeptídeos podem fornecer a chave para um entendimento da química da emoção do corpo. Aparentemente servem como uma recém-descoberta forma de comunicação interna do corpo. Essa é a conclusão da bioquímica Dra. Candace Pert, que descreve a pesquisa que a levou a este 'insight'. Ela também explora as implicações de longo alcance desse novo 'link' informacional.

Pert esteve entre os primeiros pesquisadores que demonstraram que drogas opiáticas como a morfina e a heroína se agregam às células ou 'sites receptores' no cérebro. Essa descoberta, juntamente com a descoberta de que o corpo produz suas próprias químicas do tipo opiato que se agregam aos mesmos sites receptores, abriu toda uma nova abordagem à investigação do papel da química cerebral e das emoções humanas.

A relação entre os neuropeptídeos e seus sites receptores específicos se assemelha ao da 'chave com o trinco'. Os neuropeptídeos flutuam através de, praticamente todos os fluidos do corpo e são atraídos

apenas a receptores específicos porque de fato, se encaixam em trincos específicos. Isto estabelece um sistema de informações no qual os neuropeptídeos 'falam' e os receptores 'ouvem'. Pert acredita que esse sistema de comunicação é fundamental à bioquímica da emoção. "Quando documentarmos o papel primordial que as emoções, expressas através das moléculas de neuropeptídios, desempenham em afetar o corpo, se tornará claro que as emoções podem ser a chave ao entendimento da doença" diz Pert.

No Simpósio sobre Consciência e Sobrevivência, co-patrocinado pelo Instituto de Ciências Noéticas Pert participou do painel de onze acadêmicos e cientistas que aplicaram os 'insights' dos resultados de suas pesquisas sobre as relações mente/corpo à questão: A conciência individual sobrevive à morte física?

Nesta palestra ela descreveu uma variedade de descobertas fascinantes, na maioria recentes, sobre as substâncias químicas no corpo denominadas neuropeptídeos. Baseada nessas descobertas, concluiu que os neuropeptídeos e seus receptores formam uma rede de informações dentro do corpo. Talvez essa sugestão pareça relativamente inócua, mas suas implicações são de longo alcance.

Ela acredita que os neuropeptídeos e seus receptores são uma chave para entender como a mente e o corpo estão interconectados e como as emoções podem ser manifestadas em todo o corpo. De fato, quanto mais aprendemos sobre os neuropeptídeos, mais difícil se torna pensar nos termos tradicionais sobre a mente e o corpo. Faz cada vez mais sentido falar de uma entidade única, integrada, um 'corpo-mente'.

A maior parte do que foi descrito por ela são descobertas laboratoriais, 'hard science' (ciências não convencionais). Mas é importante lembrar que o estudo científico da psicologia tradicionalmente foca em aprendizado e cognição animal. Isto significa que se olharmos o índice de livros recentes sobre psicologia, dificilmente encontraremos uma categoria para 'consciência', 'mente' ou até mesmo 'emoções'. Esses tópicos basicamente não estão na esfera da psicologia experimental tradicional, que estuda primordialmente o comportamento porque é algo visível e mensurável.

À que isto nos leva? A algo muito intrigante, a noção de que os receptores dos neuropeptídeos são de fato as chaves à bioquímica da emoção. Nos últimos dois anos, a equipe do laboratório da Dra. Pert formalizou essa idéia em diversos documentos.

Pert considera Devo que alguns cientistas podem achar essa idéia absurda. Não faz parte, em outras palavras, da sabedoria estabelecida. De fato, partindo de uma tradição onde os livros nem contêm a palavra 'emoções' no índice, não foi com pouca trepidação que ela ousou começar a falar sobre o substrato bioquímico das emoções.

Iniciou observando um fato sobre o qual os neurocientistas têm concordado por muito tempo: que as emoções são mediadas pelo sistema límbico do cérebro. O sistema límbico se refere a um setor de partes neuro-anatômicas do cérebro que incluem o hipotálamo (que controla o mecanismo homeostático do corpo e às vezes é denominado o "cérebro" do cérebro), a glândula pituitária (que regula os hormônios do corpo) e a amígdala. Vamos falar principalmente do hipotálamo e da amígdala.

Os experimentos que demonstram a conexão entre as emoções e o sistema límbico foram realizados inicialmente por Wilder Penfiels e outros neurologistas que trabalharam com indivíduos conscientes, acordados.

Eles descobriram que quando usavam eletrodos para estimular o córtex sobre a amígdala, poderiam evocar uma larga gama de demonstrações emocionais: reações poderosas de sofrimento, de dor, de prazer associadas a memórias profundas, e também o acompanhamento somático total de estados emocionais. O sistema límbico, portanto, foi identificado primeiro por experimentos psicológicos.

Quando começamos a mapear a localização dos receptores opiáticos no cérebro, descobrimos que o sistema límbico é altamente enriquecido por esses receptores (além de outros que eventualmente descobrimos também). A amígdala e o hipotálamo, ambos considerados classicamente como os principais componentes do sistema límbico, estão de fato reluzindo com receptores opiáticos, 40 vezes mais que nas outras áreas do cérebro.

Esses "hot spots" (pontos de foco) correspondem ao próprio núcleo ou grupos celulares que psicólogos fisiológicos identificaram como mediadores de tais processos como comportamento sexual, apetite, equilíbrio de água no corpo. O fator primordial é que esse mapeamento de receptores confirmou e expandiu de maneiras importantes os experimentos psicológicos que definiram o sistema límbico.

Foi observado que de 50 a 60 substâncias são atualmente consideradas neuropeptídeos. De onde vêm? Muitos são análogos naturais de drogas psicoativas. Contudo outra fonte, muito inesperada,

são os hormônios. Historicamente os hormônios foram concebidos como sendo produzidos pelas glândulas, ou seja, não por células nervosas. Um hormônio presumia-se, era armazenado em algum lugar do corpo, depois era transportado para seus receptores em outras partes do corpo. O hormônio primordial é a insulina, que é secretada no pâncreas. Entretanto, agora, descobriu-se que a insulina não é apenas um hormônio. De fato, a insulina é um neuropeptídeo, produzido e armazenado no cérebro, e há receptores de insulina no cérebro. Quando mapeamos a insulina, mais uma vez descobrimos 'hot spots' (pontos de foco) na amígdala e no hipotálamo. Resumindo, fica cada vez mais claro que o sistema límbico, o trono das emoções no cérebro, é também o ponto focal de receptores para neuropeptídeos.

Outro ponto crítico. Enquanto estudou-se a distribuição desses receptores, foi descoberto que o sistema límbico não está apenas no cérebro dianteiro, nas localizações clássicas da amígdala e do hipotálamo.

Percebe-se que o corpo possui outros locais onde se localizam muitos receptores diferentes de neuropeptídeos, locais onde há muita atividade química. Denominaram-se esses pontos de 'pontos nodais' e eles são anatomicamente localizados em áreas que recebem muita modulação emocional.

Um ponto nodal é a ponta dorsal (costas) da corda spinal, que é o ponto de entrada da informação sensorial. Esta é a primeira sinapse dentro do cérebro onde a informação sensorial do toque é processada. Descobrimos que para praticamente todos os sentidos dos quais conhecemos a área de entrada, o ponto é sempre um ponto nodal de receptores de neuropeptídeos.

Outro ponto importante mencionado por Pert é que a integração geral do comportamento é aparentemente desenhada a ser consistente com a sobrevivência.

No início de seus trabalhos, a Dra. Pert presumia casualmente que as emoções estavam na cabeça ou no cérebro. Agora ela que estão realmente no corpo também. Elas se expressam no corpo e fazem parte do corpo. Não posso mais fazer uma forte distinção entre o cérebro e o corpo”.

Conclui-se que a endocrinologia e a neurociência são dois aspectos do mesmo processo. Agora ela defende a posição de que a imunologia também faz parte desse sistema conceitual e não deve ser considerada uma disciplina separada.

Uma propriedade chave do sistema imunológico é que suas células se movem. Outrossim são idênticas às células estáveis do cérebro, com seu núcleo, membrana celular e todos os receptores. Monócitos, por exemplo, que ingerem organismos estranhos, nascem no tutano dos ossos, e depois se dispersam viajando pelos veias e artérias, e decidem o seu destino seguindo dicas químicas. Um monócito trafega pelo sangue e em determinado ponto chega à distância 'farejável' de um neuropeptídeo, e pelo fato de possuir receptores para um neuropeptídeo na superfície celular, ele começa literalmente a 'quimotaxear', ou engatinhar em direção aquele elemento químico. Isto está muito bem documentado, e há excelentes meios de estudá-lo em laboratório.

Agora, os monócitos são responsáveis não apenas pelo reconhecimento e digestão de corpos estranhos como também pela cura

de feridas e mecanismos de reparo tecidual. Estamos, portanto, falando sobre células com funções vitais, de sustentação à saúde.

Constata-se, contudo que as células do sistema imunológico não possuem apenas receptores para esses diversos neuropeptídeos; está se tornando claro que eles também produzem os próprios neuropeptídeos. Existem subconjuntos de células imunes que produzem beta endorfinas, por exemplo, e os outros peptídeos opiáticos. Em outras palavras, essas células imunes estão produzindo a mesma química que concebemos como controladores do humor dentro do cérebro. Elas controlam a integridade do tecido do corpo, e também produzem a química que controla o humor. Mais uma vez, cérebro e corpo.

OS SETÊNIOS

0 a 21 anos: Preparação para a Vida

Estes primeiros anos são marcados por 3 setênios: o primeiro se estende até a maturidade escolar, o segundo até a puberdade, o terceiro se encerra ao chegar na maioridade.

É uma fase de crescimento externo, portanto de modificações biológicas e fisiológicas. Tais modificações são bastante claras para os pais

e para o indivíduo.

O Primeiro Setênio: a fase do nascimento até os sete anos

Este primeiro setênio é caracterizado pelo encontro entre a parte espiritual da individualidade “o eu” e a parte biológica. É frequente pais que sentem a aproximação do ser antes da fecundação. Quando uma criança (ainda no ventre materno) é rejeitada, isto pode influenciar em sua individualidade. Ao nascer a criança já apresenta características próprias ou individuais, como exemplo a linha das plantas dos pés.

Após o nascimento a criança passa por um processo de reestruturação das substâncias e a individuação somática. Todas as suas proteínas foram formadas pela mãe e boa parte delas necessitam ser eliminadas, por isso inicialmente o bebê perde peso, para depois ganhá-lo novamente. Novas substâncias virão da alimentação, que serão orientadas

e estruturadas pela própria individualidade.

Todo este processo leva a criança à um gasto energético importante, ficando mais susceptível a reações biológicas na tentativa do organismo de acelerar a troca de substâncias. Grande parte desse processo se manifesta por reações biológicas eruptivas e descamativas.

nas

células do corpo, principalmente na fisionomia do indivíduo, desta maneira nos tornamos fisicamente parecidos com nossos ancestrais.

No

primeiro

setênio

a

hereditariedade

está

bem

marcada

É nesse período que realiza-se a estruturação do sistema nervoso

neurossensorial, onde há envolvimento dos órgãos dos sentidos, que vão

dar condições gradativas para que a criança se abra para o mundo.

Existem quatro sentidos corpóreos básicos: o tato, o vital, o movimento e o equilíbrio. A criança pequena necessita de ênfase no tato por todo o corpo, assim ela poderá ter experiências de prazer ou de desprazer. Qualquer toque carinhoso, carícias enquanto é amamentado, massagem, contatos com água, terra, são exemplos de vivências positivas de expressão em seu corpo, de entrega, sensações importantes para os contatos em sua vida futura. Já tatos desagradáveis como beliscões, tapas, pode provocar retrações , e posteriormente tornar uma criança tímida e medrosa.

O sentido vital é o que indica o bem ou o mal-estar em nosso corpo,

e nesse período precisa de ritmo para que esteja íntegro: alimentação adequada, ritmo nas refeições, ritmo adequado de sono e vigília, temperatura adequada da água para o banho, roupas adequadas à temperatura externa. Precisamos sentir o nosso corpo adequadamente para saber quem somos, isso facilita e muito nossa relação com o meio.

O sentido do movimento e do equilíbrio também devem ser desenvolvidos. Isto envolve todo o esforço de erguer-se, dar os primeiros passos, é necessário ter espaço para movimentos em todas as direções (para cima, para baixo e para os lados).

Outros sentidos também tem muita importância nesta fase, como o paladar, o olfato e a audição. Nos primeiros sete anos a criança está aberta ao mundo, ela é uma somatória de órgãos dos sentidos, sem filtros. As suas impressões sensoriais serão determinantes em sua saúde orgânica.

Esse processo é praticamente imperceptível, deixando uma impressão sutil no delicado tecido vital. Somado a este processo, temos as personalidades dos pais e cuidadores destas crianças, essas relações influenciam em sua ligação com o seu corpo e com o mundo, experimentando de maneira vivencial um “mundo bom” ou um “mundo ruim”. Ainda há os cuidados anímicos com a criança, além de todas estas

experiências sensoriais e percepções apresentadas, ela precisa de confiança. A criança naturalmente já traz consigo uma confiança, e esta é rompida quando ela recebe ordens ou proibições que, se houver insistência (da criança), ela acaba ganhando o que quer; ou ainda quando a criança acorda assustada e ninguém está presente.

Se ensinamos as crianças a não confiarem nos adultos estaremos bloqueando sua confiança, amor e entrega, assim se há desconfiança total então uma guerra logo irá acontecer.

Os principais elementos anímicos que uma criança necessita são:

calor, confiança e amor.

A presença dos pais é sempre importante, mas a da mãe nesse primeiro setênio é imprescindível, pois existe um elo de ligação com a criança através do corpo vital invisível, que somente aos sete anos é rompido e a criança se torna autônoma.

Seu aprendizado ocorre por imitação. Observando tudo o que acontece ao redor e tentando repetir, movimentos, palavras, hábitos, etc. Os pais devem estar atentos pois existem maus costumes ou até deficiências que ela poderá aprender com facilidade. É através da imitação que ela aprende as três faculdades eminentemente humanas: erguer-se e andar, falar e pensar.

O seu espaço físico é conquistado quando a criança se ergue e anda, esta etapa não deve ser forçada, ela acontecerá de forma espontânea quando a criança estiver madura para vivenciá-la. Depois a criança começa a balbuciar sílabas designando coisas. Ela ainda acredita que o mundo e ela são a mesma coisa, então pode dizer: João quer dadá! Começará a fazer associação de idéias com o surgimento do pensar.

Com o desenvolvimento do sistema nervoso, ele passa a ter uma importante ferramenta de percepção do mundo. É a fase em que a criança reconhece-se como ser individual, e então ele poderá dizer agora: Eu quero! Ela precisa da autoconfiança para aprimorar este autoreconhecimento, então chega a fase do “não”. A memória começa a se estabelecer.

No primeiro setênio é muito importante que a criança brinque bastante. As brincadeiras de criança é que vão estimular a criatividade do adulto. É preciso viver a fantasia que esta idade proporciona, sem crenças limitantes.

Três pequenas etapas formam cada setênio. De 0 a 3 anos a característica é o domínio das forças formativas da cabeça. De 3 a 5 anos os sentimentos da criança são despertados pela admiração pelo mundo. De 5 a 7 anos a vontade da criança fica cada vez mais evidente.

Questões relativas ao setênio de 0 a 7 anos:

I. Qual é a sua primeira lembrança? Para responder a esta pergunta sobre a primeira lembrança, lembre-se de que a primeira lembrança deve ser resgatada pela memória, e não pelo que os outros contam sobre você.

II. Quais foram as primeiras impressões sensoriais?

III. Como era a casa, o lar, o ambiente e as pessoas do lugar onde você morava nessa época?

IV. Qual era a sua relação com pai, mãe, irmãos, avós? Moravam todos na mesma casa que você?

V. Quais eram os seus brinquedos?

VI. Havia aconchego em seu lar?

O Segundo Setênio: a fase dos sete aos catorze anos

Chega o momento de a criança confrontar-se com vários desafios, é

a individualização do corpo vital, ou seja, independência maior em relação

à mãe.

Nesta fase o mundo externo chega a nós, e podemos nos expandir de dentro para fora. Uma figura essencial e de grande instância é o professor, é ele que irá incentivar as ações da criança, traz conceitos, chama a atenção para o mundo.

O professor faz parte desse encantamento pelo mundo que a criança irá processar. Ele deve utilizar de meios para que se torne uma

autoridade amada. Se ele apenas utiliza a autoridade, sem amor, a criança nada aprende. Alunos que gostam de seus professores tem mais facilidade em se integrar ao aprendizado.

criança nessa fase pode incorporar uma porção de

condicionamentos, pois está descobrindo muitas coisas, e então depende

de quem as estão apresentando.

A

Atividades que estimulem vivências imaginativas (como lendas, parábolas, contos, etc) podem ser muito importantes no pensamento criativo. Também deve-se estimular a memória (decorar pequenos poemas, aprender uma nova língua, encenar pequenas peças de teatro, etc) como elemento contribuinte de formação. Os sentimentos também podem ser ativados com ocupações artísticas como música, pintura, teatro, dança, etc. A criança precisa enxergar um “mundo belo”, por isso é importante estimulá-la a vivenciar a beleza da natureza, das obras de arte, oferecendo um sentido estético que permanecerá para o resto da vida. A religiosidade também ajuda a desenvolver os sentimentos, a Criação Divina pode ser apresentada em todos os níveis e em todas as coisas.

Nesse período de descoberta de si e a relação com o mundo torna a criança expansiva e curiosa. Assim, muitas vezes lhe é imposta muitas normas comportamentais, como exemplo: “menino não chora”, “menina brinca de casinha e bonecas”, falar sobre sexo é proibido, pecado. Padrões de comportamento poderão moldar adultos inseguros, frustrados ou infelizes.

Normas muito rígidas podem sufocar a criança, porém a ausência de autoridade pode deixá-la muito voltada para fora, invadindo limites. A interioridade e a exterioridade devem estar equilibrados. Vai se estabelecendo a relação eu-você e você-eu neste setênio, são as amizades se consolidando.

Forma-se também os costumes, que são atos condicionados (escovar os dentes, modo de se vestir, modo de secar-se após o banho, etc). É importante ter uma vida rítmica neste setênio, pois ele oferece uma boa vitalidade para o resto da vida.

A exemplo do primeiro setênio, este também possui três pequenas

fases. De 7 a 9 anos: podem permanecer ainda muitos elementos da fase anterior e o aprendizado ainda se dá por imitação. De 9 a 12 anos: nesta fase o sentimento torna-se mais individual. Os meninos podem ter amor platônico. A religiosidade está presente principalmente nesta pequena fase, a criança aprecia rituais. Aos 12 anos ela tem um novo impulso de crescimento, em direção à adolescência. Pode surgir, dentro de um impulso de individualidade, o assunto sobre sua vocação profissional. As disciplinas física, química e biologia podem estar mais atrativas dentro de sua visão científica. De 12 a 14 anos: ocorre uma necessidade da criança se abrir, inclusive sobre intimidades, com outra pessoa. É necessário

muito diálogo e atenção.

O segundo setênio é fundamental para o desenvolvimento psíquico

posterior (principalmente entre 21 e 42 anos) pela dependência dos

relacionamentos sociais.

Questões relativas ao setênio de 7 a 14 anos:

I. Com que idade você ingressou na escola/

II. Com que idade você foi alfabetizado (a)?

III. Lembra-se dos professores e das matérias preferidas?

IV. Quais foram os conceitos, normas e costumes que recebeu naquela época?

V. Como foi sua educação religiosa (rituais, festas etc.)?

VI. Quais eram as suas atividades artísticas (música, pintura, modelagem, teatro, trabalhos manuais, marcenaria etc.)?

VII. Você teve oportunidade para praticar algum esporte, fazer excursões, ter contato com a natureza?

VIII. Como eram suas férias?

IX. Aos nove anos aconteceu algum fato marcante?

X. E aos doze anos?

XI. Naquela época houve algum vislumbre de profissão?

XII. Quando entrou na puberdade, como você lidou com as mudanças corpóreas?

O Terceiro Setênio: a fase dos 14 aos 21 anos

A transição do segundo para o terceiro setênio exigiu uma constante adaptação, portanto, uma crise maior. A nível corporal seus membros se encontram desajeitados e descoordenados, o que sugere o ingresso em atividades esportivas.

A evidência da diferenciação sexual ocorre nesta fase, não só do ponto de vista anatômico, mas também anímico. Começam a buscar um pelo outro como forma de complemento. O ser humano sai um pouco do universo paradisíaco e cósmico para o mundo terreno.

Na adolescência o jovem começa a se tornar responsável por seu destino, agora ele tem de arcar com as consequências de seus atos. Há uma tensão muito grande nesta fase entre o ideal a ser alcançado e os instintos, desejos, diante de suas necessidades atuais. O jovem quer realizar a imagem ideal de si mesmo, mas muitas vezes se sente puxado em outra direção. Nesse jogo em busca de um modelo, ele pode mudar várias vezes, pois no fundo busca respostas para perguntas inconscientes:

“Quem sou eu?”, “De onde venho?”, “Qual é a minha missão?”.

Essa auto busca é complexa, o jovem precisa discernir o que é dele e o que é influência dos pais. Isto em todos os aspectos: profissional, religioso, social, esportivo, etc.

Mais uma vez identificamos três pequenas fases no setênio: de 14 a 16 anos: os desajustes corporais de crescimento exigem muita energia e paciência para sua adaptação, mas nem sempre o desenvolvimento anímico consegue acompanhar o desenvolvimento físico. De 16 a 18 anos:

é uma fase mais “religiosa”, o jovem procura religar-se a algo. De 18 a 21 anos: ocorre um amadurecimento interno, facilitando a escolha da profissão. Alguns pais são apressados, angustiados, querendo colher frutos que ainda não estão maduros. A fase de dezoito anos e meio é um marco, é como uma despedida do passado, antes de ingressar na vida adulta. Alguns podem querer manter-se adolescentes, sofrerão crises. Outros, conseguem ter mais consciência da nova fase que está chegando, e seguem adiante com alegria.

Na fase da adolescência, a dinâmica que acontece é de dentro para

fora.

O sentimento que prevalece no jovem é: “Tenho potencial e quero modificar o mundo.” É comum que ele faça críticas de tudo e contra todos.

Questões relativas ao setênio de 14 a 21 anos:

I. Como foi o desenvolvimento da personalidade naquela época?

II. Você teve seu espaço físico e anímico?

III. Como foi a sua escolha profissional?

IV. Você foi respeitado (a) em suas intenções profissionais?

V. Quais eram seus ideais?

VI. Que pessoas influenciaram você positiva ou negativamente na época?

VII. Ocorreu algo especial na fase do primeiro nodo lunar, por volta dos dezoito anos e meio?

VIII. Que responsabilidades você teve de assumir na época?

IX. Precisou trabalhar ou pôde investir em sua formação profissional?

X. Como eram seus relacionamentos com o sexo oposto?

XI. Como era o relacionamento com seus pais?

Nova Medicina Germânica

Histórico:

Em 18 de agosto de 1978, na cidade de Roma, Dr. Ryke Geerd Hamer (foto) recebeu a notícia que seu filho Dirk Hamer, de 17 anos havia sido baleado acidentalmente. Logo após esta perda, Dr. Hamer foi diagnosticado com câncer testicular. Como não costumava ficar doente imaginou que o desenvolvimento do câncer poderia estar relacionado com a perda inesperada de seu filho.

Em homenagem a seu filho, chamou este choque inesperado de DHS "Síndrome de Dirk Hamer".

Hamer iniciou um grande estudo buscando a relação da história pessoal de câncer de cada paciente, para verificar se sofreram algum choque, estresse ou traumas antes da doença.

Após 20 anos de pesquisas e terapias com mais de 31.000 pacientes, Dr. Hamer estava finalmente habilitado para concluir que a doença é causada por um choque conflitual biológico (trauma) pelo qual não estamos totalmente preparados. Se conseguirmos de alguma

por um choque conflitual biológico (trauma) pelo qual não estamos totalmente preparados. Se conseguirmos de alguma

forma estar preparados para um evento traumático, nós não iremos nos

tornar doentes. E se o conflito é resolvido, a patologia é revertida. Ocorre

a reparação do dano e retorno da saúde do indivíduo.

Seguindo a hipótese de que todos os processos corporais são controlados a partir do cérebro, ele analisou as imagens cerebrais de pacientes e comparou com registros médicos e psicológicos. Para sua surpresa, encontrou uma correlação clara entre alguns choques (conflitos) com manifestações corporais. Assim associando como todos estes processos estão ligados ao cérebro. Até então, nenhum estudo havia investigado a origem da doença no cérebro ou o papel do cérebro como mediador entre a psique e os órgãos.

As células do cérebro que recebem o impacto enviam um sinal bioquímico (neuropeptídeos) para as células do organismo correspondente causando o crescimento de um tumor ou necrose do

tecido ou perda funcional, dependendo da camada do cérebro que recebe

o choque (ligado a origem embriológica dos tecidos).

Cada área do cérebro foi programada para responder aos conflitos que podem ameaçar nossa sobrevivência. Embora o tronco cerebral (parte mais antiga do nosso cérebro) é programado com questões básicas de sobrevivência, VITAIS, como a respiração, reprodução e alimentação, o córtex (o mais recente da peça) é mais relacionado a questões de ordem social e territorial.

Dr. Hamer classificou seus estudos em "as cinco leis biológicas da Nova Medicina Germânica", e sua pesquisa está em plena conformidade com as leis naturais da Embriologia e da lógica da evolução. Ao longo dos anos, o Dr. Hamer foi capaz de confirmar suas descobertas com os estudos

em mais de 40.000 casos. O resultado desse trabalho científico é a criação de um diagrama de "Psiquismo-cérebro-corpo", que identifica a doença e

o conteúdo do conflito biológico.

A pesquisa do Dr. Hamer muda radicalmente muitas teorias existentes da medicina convencional. Sua explicação sobre a doença como uma interação significativa entre a psique, o cérebro e os órgãos correspondentes é contrária a idéia de que a doença ocorre por acaso ou

como resultado de um erro da natureza. Com base em critérios científicos

a Nova Medicina Germânica contraria os mitos das células cancerosas ou

microrganismos destruidores e identifica as "doenças infecciosas", assim

como os tumores cancerígenos como medidas de emergência biológicas, praticadas para salvar o corpo e não para destruí-la como nós fomos ensinados.

Em Outubro de 1981, Dr. Hamer apresentou sua pesquisa na Universidade de Tübingen como uma tese de pós-doutoramento. Para sua grande surpresa, a comissão rejeitou as pesquisas e recusou-se a avaliar a sua tese, que não tem precedentes na história das universidades. Além disso, suas descobertas foram renegadas e seu contrato não foi renovado.

Sua perseguição culminou em 1986, quando uma decisão judicial o proibiu de continuar a prática da medicina. Apesar do fato de que seu trabalho científico nunca foi desmentido, ele perdeu sua licença médica, com a idade de 51 anos porque se recusou a renunciar a suas descobertas sobre a origem do câncer e de respeitar os princípios da medicina oficial.

Em 1987 ele teve de analisar mais de 10.000 casos e foi capaz de expandir a sua descoberta das cinco leis biológicas da Nova Medicina Germânica, para praticamente todas as doenças conhecidas pela

medicina. Em 1997, Dr. Hamer foi preso e condenado a 19 meses de prisão por fornecer informações médicas para três pessoas, sem licença médica.

Quando o Dr. Hamer foi julgado, após a revisão de seus prontuários, o promotor foi forçado a admitir, que após cinco anos 6.000 de 6500 pacientes com câncer, ainda estavam vivos. O método do Dr. Hamer uniu um extraordinário sistema de diagnóstico e tratamento de sucesso, com o auxílio disponibilizado pelo grande conhecimento acumulado da medicina tradicional, trazendo um bom suporte conclusivo para cada paciente.

É fundamentalmente importante que as pessoas entendam como o corpo trabalha realmente e como ele pode trabalhar para restaurar a saúde, permitindo assim uma grande melhora nas patologias, principalmente nos casos crônicos, que apresentavam uma dificuldade em resolução até então.

Dr. Hammer afirma que as doenças são, na realidade, "programas biológicos de sobrevivência” comum a todos os seres vivos, os programas herdados durante a evolução.

comum a todos os seres vivos, os programas herdados durante a evolução. Dirk Geerd Hamer 1959

Dirk Geerd Hamer 1959 - 1978

As Cinco Leis Biológicas

Resumo:

1- DHS: Os programas de sobrevida são iniciados fora do campo da consciência após um hiperestresse. (Lei Férrea do câncer).

2- Programas seguem a Lei Bifásica da Natureza. Ritmos: dia/noite;

Simpático/Parassimpático. 3- Serão executados no organismo em função do sistema ontogenético. (embriologia) Tumores e equivalentes cancerígenos. 4- Esses programas preveem quando se torna necessária a intervenção de comunidades celulares especializadas no debridamento e/ou limpeza interna. (MICROORGANISMOS). 5- Estes programas específicos são inerentes a todos os seres vivos e tem uma boa fundamentação biológica (orgânica) na natureza. É um programa inteligente com o sentido de dar maior sobrevida ao

individuo. Ganho de Tempo! A quinta essência das doenças.

Focos de Hamer:

Lesão em forma de anéis no cérebro que indicam o impacto de um choque de conflito. No preciso momento em que vivemos um DHS o choque de conflito impacta em uma área especifica do cérebro. O impacto afeta os neurônios causando um fenômeno eletromagnético que fica claramente visível em um scanner cerebral como um grupo de anéis em forma de “alvo”. A localização do impacto no cérebro esta determinada

pelo contexto do conflito e em função do psiquismo. São encontrados focos de Hamer nas plantas (geadas ou secas).

encontrados focos de Hamer nas plantas (geadas ou secas). F. H. em fase ativa F.H. em

F. H. em fase ativa

de Hamer nas plantas (geadas ou secas). F. H. em fase ativa F.H. em fase PCL

F.H. em fase PCL

Primeira Lei: “Lei Férrea do Câncer”

Qualquer doença começa com uma síndrome de Dirk Hamer. No momento, o DHS, conteúdo do conflito, determina tanto a localização do foco de Hamer no cérebro quanto a localização do programa biológico de sobrevivência no órgão. Os programas de sobrevida são iniciados fora do campo da consciência após um hiperestresse. A partir do DHS há correlação entre a evolução do conflito, a de modificar o foco de Hamer no cérebro e os programas biológicos de sobrevivência no órgão.

O DHS tem que ser inesperado; agudo, vivido com sentido de

isolamento.

DHS: Dirk Hamer Syndrom.

Três traumas:

Incerteza

Falta de informação

Sensação de não ter o controle sobre a situação.

Resumindo: DHS > Foco de Hamer > localização no mapa cerebral >

Programa biológico no órgão

Cada indivíduo tem sua própria percepção dos eventos de acordo

com:

Sexo ( masculino/feminino);

Seu clã ( família );

Religião;

Posição Social;

Polaridade ( destro/canhoto);

Educação;

Cultura;

Idade;

Combinação dos hormônios sexuais.

No momento do DHS há alteração da consciência. A resposta, bem como a identificação do conflito, deve vir do cliente, senão irá criar dependências.

Memórias são registradas no campo mental, no sutil e no físico.

A Importância do “Sentir”: O psiquismo é o mais importante!

A personalidade (integridade) do individuo esta incluída no momento do DHS.

Trilhos do conflito (pistas, tracks): Fio condutor de todos os problemas passados

Trilhos: Imagem impressa no espaço-tempo.

O conflito biológico não é sintomático.

Saber o trilho é importante, pois todas as recidivas seguirão a imagem inicial do vivido.

Polaridade

recidivas seguirão a imagem inicial do vivido. Polaridade O sentido biológico da lateralidade é trazer uma

O sentido biológico da lateralidade é trazer uma possibilidade suplementar para manter em vida certos indivíduos, na situação de catástrofe e manter a sobrevivência da espécie. É uma possibilidade

suplementar da biologia para assegurar a sobrevivência da espécie. Entre gêmeos univitelinos sempre haverá um destro e um canhoto.

Tem por consequência modificar o que o individuo sente e não permitir que ele desenvolva uma patologia onde ele tem maior chance de sobreviver.

POLARIDADE:

Destros/Canhotos: Impactos diferentes a nível cerebral.

A

polaridade

é

determinada

engramada ao nascimento.

O impacto da Lateralidade:

Destros (Dois sexos):

na

primeira

divisão

celular

e

Lado esquerdo: determina relação MAE/FILHO Ninho Estrito (lar, casa, território)

Lado direito: Relação com parceiro (fora da relação MAE/FILHO, ex. social, profissional, etc.).

Primeiro patrão, etc.

parceiro:

Pai,

depois

irmãos,

irmãs,

marido,

vizinhos,

Para canhotos dos dois sexos ocorre o inverso

Homens Destros: Macho dominante; Ação; Aquisição; Performance; Territorial

Homens Canhotos: Sensível; Caseiro; Evita conflitos; Apegado.

Mulheres Destras: Intuitiva, Sedução; Feminilidade; Fêmea Alfa; Relação/Casamento; Ninho. Mulheres Canhotas: No Controle; Caçadora; Direta; Hiperperfomance.

Pat Hormonal:

Situação de bloqueio funcional biologicamente gerado pelo cérebro conduzindo a um ligeiro desequilíbrio hormonal. Modificando o “SENTIR” do Destro/Canhoto.

A testosterona pode tanto ser produzida pelos testículos e pelo córtex suprarrenal, quanto pelos ovários (libido). O Estrogênio não é só produzido pelos ovários e supra, mas também pelos testículos.

O Pat hormonal pode aparecer ou desaparecer instantaneamente.

Sentido Biológico do Pat: Atenuar as patologias a nível orgânico.

Destros passam a funcionar como canhotos ou vice-versa.

Exemplo: As mulheres são um pouco masculinizadas (a produção de hormônios femininos diminui) Estrógenos, Progesterona, Hormônio folicular. O homem age no feminino (diminui a produção de hormônio masculino) testosterona. Andropausa.

Diferentes tipos de Pat:

Fisiológico: (puberdade, mulher grávida, menopausa, idosos).

Por situação patológica ou tratamento: (pílulas contraceptivas; castração química ou cirúrgica).

Ligado a conflitos de território: (segundo lobo).

Segunda Lei Biológica: Bifásica Os Programas Biológicos seguem a lei da evolução bifásica das doenças.

Segunda Lei Biológica: Bifásica

Os Programas Biológicos seguem a lei da evolução bifásica das doenças. Sendo uma condição para que o conflito se resolva, sempre que existir a soluçao do conflito .

Ritmos:

Dia/noite;

Simpático/Parassimpático.

Se aplica a todo ser vivo.

TRÊS TEMPOS DECISIVOS : 1. Pré-Programante : Pertencente ao clã O conflito impresso no genoma.

TRÊS TEMPOS DECISIVOS :

1. Pré-Programante: Pertencente ao clã O conflito impresso no genoma.

2. Programante: O DHS sempre viveu em um verdadeiro conflito. (marcas na vida intra-uterina, quer por um estresse vivido pela mãe

da criança ou pelo embrião humano (a mãe ou o embrião); O programa vai acompanhar o conflito, o pat hormonal.

3. Acionamento: O hiperestresse intervêem numa fragilidade, um prejuízo que representa o programa.

Fase Ativa do Conflito O DHS, estágio de simpaticotonia durável,variável com o tempo.

O corpo inteiro está ligado ao sistema nervoso autônomo ortossimpático como a "última oportunidade" para superar o conflito. Devemos mobilizar todas as forças disponíveis para o indivíduo.

Alerta Luta ou fuga SIMPATICOTONIA DURÁVEL Variável no tempo

Falta ou perda de apetite.

Perda de peso importante e rápida.

Insônia.

Remoer (pensamentos acelerados, repetitivos).

Fadiga, tensão.

Aceleração do ritmo cardíaco.

Constrição dos vasos periféricos (mãos e pés frios, Hipertensão).

Proliferação ou necrose celular em função da intensidade do conflito e do tecido envolvido.

Os sintomas são pouco percebidos nessa fase.

*Exceção: angina pectoris, ulcera Gastroduodenal, cistite, zumbidos e Síndrome dos Túbulos Coletores dos Rins (STCR).

Fase de Resolução do Conflito; Vagotonia (Fase PCL)

Primeira etapa: PCL (A): FASE EXUDATIVA (Inflamação) - Fase Liquida.

Segunda etapa: Crise epileptoide (releitura do conflito).

Terceira etapa: PCL (B): Recuperação (cicatrização) Fase Diurética.

Sintomas da fase PCL :  Grande fadiga  Retorno do apetite  Febre, inflamações

Sintomas da fase PCL :

Grande fadiga

Retorno do apetite

Febre, inflamações e dores

Possíveis despertares entre 3-4h da manhã

Vasodilatação, calor, Pressao baixa

Insônia

O sentido da vagotonia está em repor a força de amplificação da fase fisiológica ou de recuperação noturna.

Condições fundamentais para passagem na fase PCL:  Permitir o individuo sobrepujar seus medos. 

Condições fundamentais para passagem na fase PCL:

Permitir o individuo sobrepujar seus medos.

Levar ele a encontrar sua solução do conflito e criar um projeto de vida.

Sair da mini-Esquizofrenia e positivar seu projeto sentido.

Fazer com que a patologia tenha um sentido para o paciente. Uma razão biológica de sobrevida.

Verificar o conflito de “tranca”. O fato de ainda ter sintomas mantém o conflito ativo.

Dar a volta geral nos trilhos do conflito.

Crise Epleptóide

Também chamada de crise epilética ou Epicrise, ocorre no ponto mais baixo da fase de cura, de forma paralela aos niveis psíquicos, cerebral e organico. Nesse momento, o cerebro aciona um pico simpaticotonico que coloca o indivíduo instantaneamente em conflito ativo; A pessoa

revive o conflito inteiro em um curto periodo de tempo, com sintomas fisicos típicos (espirros, rinites, tosses, manifestações tissulares, aumento das dores, suor frio, cãimbras, tremores, soluços, gagueira, palpitações oculares).

O aumento do edema cerebral alcança seu tamanho máximo, exatamente nesse momento a pressão da recaída do estresse expulsa o edema do cérebro e o corpo passa a desfazer-se do excesso de fluídos que foram armazenados durante a primeira fase de cura. Após a epicrise acontece a fase diurética (urinaria). O corpo elimina todo liquido extra.

Os eventos típicos dessa fase são: Ataques cardíacos, embolia pulmonar, AVE, crises epileticas, ulceras gástricas, hemorroidas, vomitos, diarreia, tumores, ataques de enxaquecas, etc.

A Crise Epileptóide é determinada por:

Natureza do conflito.

Órgãos ou tecidos envolvidos.

Parte cerebral envolvida.

Diante de um conflito temos Três soluções possíveis:

1- Solução Arcaica de afrontamento (agressividade) ou enfrentar o conflito.

2- Solução Arcaica de fuga.

3- Solução Arcaica de ultrapassar. (Aceitar)

A Terceira lei Biológica

O sistema ontogenético das doenças como um programa biológico. Serão executados no organismo em função do sistema ontogenético. (embriologia) Tumores e equivalentes cancerígenos

Os tecidos

Endoderma = Tronco Cerebral = tecido vital.

Mesoderma Antigo = Cerebelo = atentado a integridade.

Mesoderma Novo = Subst. branca = Desvalorização/impotência.

Ectoderma = Córtex = contato/separação. Território

Os tecidos não reagem da mesma forma nas diferentes fases:

A Terceira Lei Biologica

ENDO

Endoderma

Mésoderma antigo

ECTO

Ectoderma

Mésoderma novo

MESO

Mésoderma

antigo ECTO Ectoderma Mésoderma novo MESO Mésoderma Endoderma Vital Tronco cerebral Mesoderma antigo
antigo ECTO Ectoderma Mésoderma novo MESO Mésoderma Endoderma Vital Tronco cerebral Mesoderma antigo

Endoderma

Vital

Tronco cerebral

Mesoderma

antigo

Atentado a

integridade

Cerebelo

Mesoderma antigo Atentado a integridade Cerebelo Mésoderma novo Desvalorizaçao impotencia substancia
Mesoderma antigo Atentado a integridade Cerebelo Mésoderma novo Desvalorizaçao impotencia substancia

Mésoderma

novo

Desvalorizaçao

impotencia

substancia

branca

integridade Cerebelo Mésoderma novo Desvalorizaçao impotencia substancia branca Ectoderma Separaçao Cortex 68

Ectoderma

Separaçao

Cortex

integridade Cerebelo Mésoderma novo Desvalorizaçao impotencia substancia branca Ectoderma Separaçao Cortex 68
integridade Cerebelo Mésoderma novo Desvalorizaçao impotencia substancia branca Ectoderma Separaçao Cortex 68
Em fase ativa Endoderma Faz Massa Em fase Pcl
Em fase ativa
Endoderma
Faz Massa
Em fase Pcl
cava
cava

Tronco cerebral

Nao cruza

Em fase ativa Mésoderm a novo cava Em fase Pcl
Em fase ativa
Mésoderm
a
novo
cava
Em fase Pcl

Faz Massa

Mésoderma antigo Faz Massa cava Cerebelo
Mésoderma
antigo
Faz Massa
cava
Cerebelo
Ectoderma Cava bloqueia informaçao Faz massa e desbloq informaçao
Ectoderma
Cava
bloqueia
informaçao
Faz massa e
desbloq
informaçao
substancia branca Cortex cruza cruza cruza
substancia branca
Cortex
cruza
cruza
cruza

A Quarta Lei Biológica

O sistema ontogenético dos micróbios. Os programas preveem quando se torna necessária a intervenção de comunidades celulares especializadas no debridamento e/ou limpeza interna. (MICROORGANISMOS) Fungos; Bactérias, Vírus.

“ O micróbio não é nada. O terreno é tudo ” Claude Bernard . Notas
“ O micróbio não é nada. O terreno é tudo ” Claude Bernard . Notas

O micróbio não é nada. O terreno é tudoClaude Bernard.

Notas importantes sobre a Quarta Lei:

O sistema imunológico da forma como aprendemos não existe segundo Hamer

Os micróbios são “faxineiros” do organismo.

As microbactérias proliferam de maneira assintomática na fase ativa.

Sem conflito, nenhum microrganismo seria capaz de produzir qualquer doença.

Raramente bactéria age sobre o ectoderma.

O mesoderma reage com bactérias e microbactérias.

Os fungos agem mais sobre o endoderma.

A febre é provocada por fungos e microbactérias, não por vírus!

A Quinta Lei Biológica

A quinta essência das doenças.

Estes programas específicos são inerentes a todos os seres vivos e tem uma boa fundamentação biológica (orgânica) na natureza. É um programa inteligente com o sentido de dar maior sobrevida ao individuo. Ganho de Tempo: Sobrevivência; Fuga; Imobilidade; Luta; Camuflagem.

Ganhar

tempo

significa

melhor

situação

para

a

solução

dos

problemas.

As

doenças

transmitidas

são

a

expressão

de

vários programas

especiais de sobrevivência adquirida durante a evolução.

Segundo Lipton, o inconsciente é um milhão de vezes mais potente que o consciente em suas funções. É razoável pensar que em caso de urgência, inibição da ação, o inconsciente vai agir dentro de seus próprios recursos: Os programas arcaicos de sobrevivência agirão em função do que foi vivido dentro do nosso clã.

O câncer é um programa de defesa ativado por um modo de funcionamento lógico do corpo :

" O câncer é um processo biológico intrinsecamente interligado com o surgimento da vida na Terra, uma herança genética das primeiras bactérias que apareceram na superfície do mundo, o

programa SOS”.

(Pr. L. Israël )

“Não tratem o tumor, tratem algo mais digno.”

(Samuel Hahnemann)

NECESSIDADES BIOLÓGICAS E SEUS RESPECTIVOS CONFLITOS

Nutrição (conseguir comida, poder digerí-la e eliminá-la)

NECESSIDADES BIOLÓGICAS E SEUS RESPECTIVOS CONFLITOS Nutrição (conseguir comida, poder digerí-la e eliminá-la) 72

72

Conflito Biológico: não conseguir obter algo; não conseguir eliminar algo.

Metáfora Psicobiológica: insaciabilidade; não poder adicionar mais; dívidas; traições; entupido; ser sujo.

Tecido afetado: endoderme (FH no tronco cerebral com proliferação celular como resposta orgânica).

Reprodução (ter filhos para que a espécie sobreviva)

Conflito Biológico: a perda de um parceiro ou filho

Metáfora Psicobiológica: grave conflito de perda

Tecido afetado: endoderme (FH no tronco cerebral com proliferação celular como resposta orgânica.)

Defesa (território primitivo)

Conflito Biológico: ataque à armadura

Metáfora Psicobiológica: humilhação; diagnósticos impactantes; golpes; marginação.

Tecido afetado: mesoderme antigo (FH no cerebelo com resposta orgânica proliferativa).

Sustentação (ser capaz de ficar de pé)

Conflito Biológico: ataque à verticalidade

Metáfora Psicobiológica: desvalorização

Tecido afetado: mesoderme (FH na substância branca. Necrose como resposta orgânica).

Comunicação (poder compartilhar com os outros)

Conflito Biológico: distanciamento do grupo.

Metáfora Psicobiológica: separação dos vínculos.

Tecido afetado: ectoderme (FH no córtex parietal. Úlceras como resposta orgânica).

Sentido territorial (responsabilizar-se pelo que se considera próprio)

Conflito Biológico: não ter um território próprio (masculino). Não ter um lugar de pertencimento (feminino).

Metáfora

identidade (feminino).

Psicobiológica:

invasão

de

território

(masculino).

Perda

de

Tecido afetado: ectoderme (FH no córtex temporal. Úlceras como resposta orgânica).

Espaço

qualquer momento)

externo

hostil

(existem

predadores

que

Conflito Biológico: ameaça ao território.

podem

aparecer

a

Metáfora Psicobiológica: medo nucal; insegurança; o inimigo se esconde.

Tecido afetado: ectoderme (FH no córtex occipital).

Leitura sugerida

ARNTZ, William. Quem somos nós? A descoberta das infinitas possibilidades de alterar a realidade diária. Rio de Janeiro: Prestígio Editorial, 2007.

BALLONE, Geraldo José. Da emoção à lesão: um guia de medicina psicossomática. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2007.

BURKHARD, Gudrun Kroekel. Tomar a vida nas próprias mãos: como trabalhar na própria biografia o conhecimento das leis gerais do desenvolvimento humano. 4ª ed. São Paulo: Antroposófica, 2010.

BURLAMAQUI, Louis. Flua: pare de brigar com você e traga de volta seu alinhamento. São Paulo: Aleph, 2011.

CARILLO JUNIOR, Romeu. O milagre da imperfeição: vida, saúde e doença numa visão sistêmica. São Paulo: Cultrix, 2008.

CHOPRA, Deepak. A cura quântica: o poder da mente e da consciência na busca da saúde integral. 46ª ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2009.

GERBER, Richard. Um guia prático de Medicina Vibracional. 2ª ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

GOSWAMI, Amit. O médico quântico: orientações de um físico para a saúde e a cura. 2ª ed. São Paulo: Cultrix, 2007.

GUINÉE, Robert. Les maladies, mémoires de l’évolution. Bélgica: 2004.

HAPPÉ, Robert. Consciência é a resposta. 12ª ed. São Paulo: Editora Talento, 1997.

HERCULANO-HOUZEL, Suzana. Pílulas de neurociência para uma vida melhor. Rio de Janeiro: Sextante, 2009.

LAPIERRE, David P. Evolução elegante: a expansão da consciência. São Paulo: Madras, 2011.

LEADER, Darian. Por que as pessoas ficam doentes? Rio de Janeiro: Best Seller, 2009.

LIIMAA, Wallace. Princípios quânticos no cotidiano: a dimensão científica da consciência, espiritualidade, transdisciplinaridade e transpessoalidade. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

LIPTON, Bruce H. A biologia da crença: ciência e espiritualidade na mesma sintonia: o poder da consciência sobre a matéria e os milagres. São Paulo: Butterfly Editora, 2007.

LIPTON, Bruce H. Evolução espontânea. São Paulo: Butterfly Editora,

2013.

MCTAGGART, Lynne. O experimento da intenção: usando o pensamento para mudar sua vida e o mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

OSHO. Intuição: saber além da lógica. 7ª ed. São Paulo: Cultrix, 2011.

PERIBANEZ GONZALES, Alberto. Lugar de médico é na cozinha: cura e saúde pela alimentação viva. São Paulo: Alaúde Editorial, 2008.

RITBERGER, Carol. Cure-se: descubra os segredos da cura através da emoção. São Paulo: Larousse do Brasil, 2008.

SALDANHA, Vera. Psicologia transpessoal: abordagem integrativa: um conhecimento emergente em psicologia da consciência. Ijuí: Ed. Unijuí,

2008.

SAPOLSKY, Robert M. Por que as zebras não tem úlceras? São Paulo:

Francis, 2007.

SERVAN-SCHREIBER, David. Curar o stress, a ansiedade e a depressão sem medicamento nem psicanálise. São Paulo: Sá Editora, 2004.

SHINYA, Hiromi. Imunidade natural: um programa de saúde inovador que resolve problemas como depressão, tensões nervosas, hiperatividade, evita alergias e ajuda a manter o peso ideal. São Paulo: Cultrix, 2011.

tensões nervosas, hiperatividade, evita alergias e ajuda a manter o peso ideal . São Paulo: Cultrix,