Você está na página 1de 3

MINDFULNESS: ATENÇÃO PLENA

Conheça a técnica de meditação que promete aliviar o estresse,


diminuir a ansiedade, potencializar o controle emocional e
impulsionar as sensações

Você costuma viver lembrando do passado e preocupado com o futuro? Se sim, a


prática conhecida como Mindfulness (traduzida como "atenção plena"), pode ser a
solução para muitos dos seus problemas.
Encontrada em diversas tradições culturais e filosóficas, o conceito e as práticas de
Mindfulness tem sido cada vez mais integrada na pratica clínica, principalmente na
psicologia e medicina.
“Mindfulness pode ser entendido como um estado mental baseado na experiência
direta no momento presente, com consciência plena, e atitude aberta e não julgadora
a cada instante. O estado mental de mindfuness é uma alternativa um estado mental
bastante atual nos dias de hoje, baseado na desatenção (piloto automático) e na
reatividade excessiva em situações do cotidiano”, define a psicóloga, Marcia Paviani,
especialista em Terapia Cognitivo Comportamental baseado em Mindfulness.
Com origem no budismo, a técnica de meditação se popularizou nos Estados Unidos
nos anos 70 e, desde então vem ganhando muitos adeptos em todo o mundo. O
sucesso se deve a pesquisas científicas que mostraram o poder da meditação plena
para combater os principais sintomas da vida moderna como estresse, ansiedade e
insônia, além de potencializar o controle emocional.
Segundo Dr. Jon Kabat Zinn, um dos responsáveis pela ocidentalização das práticas
de mindfulness com foco na saúde, Mindfulness é “a simplicidade em si mesmo. Trata-
se parar e estar presente. Isso é tudo”.
“A eficácia e a efetividade das intervenções baseadas em mindfulness para a
promoção da saúde têm sido estudadas em uma variedade de populações, incluindo
pessoas com diagnósticos de câncer, ansiedade, depressão, dor crônica,
cardiopatias e outros transtornos relacionados ao estresse”.
A especialista destaca os avanços em Neuroimagem e outras tecnologias, que
permitiram que os cientistas obtivessem percepções sobre o que se passa no cérebro
durante a meditação. “As pesquisas demonstram mudanças tanto nas funções como
nas estruturas em tecido cerebral dos praticantes experientes, indicando também ter
impacto substancial em processos biológicos essenciais para a saúde física”, explica.
Marcia também explica que, além de diminuir os sintomas de estresse, o treinamento
da atenção plena diminui o tamanho da amígdala, região envolvida no processamento
do medo. “Eileen Luders, da University of Califórnia, Los Angeles, e seus colegas
observaram que em meditadores experientes as características das fibras chamadas
axônios, que conectam diferentes regiões cerebrais, são diferentes, sugerindo um
número maior de conexões cerebrais”, explica.
Mindfulness como opção terapêutica

De acordo com a especialista,


vários estudos documentaram os
benefícios da atenção plena em
sintomas de ansiedade, depressão,
estresse e a sua capacidade de
melhorar os padrões do sono.
“Pacientes deprimidos ou ansiosos
podem usar as práticas de
mindfulness para lidar com os
pensamentos e sentimentos
negativos à medida que eles
surgem espontaneamente,
diminuindo assim a ruminação”.
“Os psicólogos clínicos John Teasdale, da University of Oxford, e Zindel Segal,
da University de Toronto, mostraram que em pacientes com pelo menos três
episódios prévios de depressão, seis meses de prática de Atenção plena em
conjunto com a terapia Cognitiva Comportamental reduziam o risco de recaída em
quase 40% no ano ao seguinte ao início de uma depressão severa. Mais
recentemente, Segal, demonstrou que essa intervenção é superior a um
placebo, tendo efeito protetor contra uma recaída comparável á terapia padrão
de manutenção antidepressiva”.
Apesar dos benefícios citados, a psicóloga explica que é importante a introdução de
um profissional capacitado para evitar possíveis desconfortos físicos e emocionais.
Além disso, a técnica não substitui o tratamento tradicional, sendo utilizada como
medida complementar. “Qualquer pessoa pode praticar as técnicas de mindfulness,
as restrições são para depressão em fase aguda ou outros transtornos mentais sem
tratamento”, completa.

Fontes:
http://mindfulnessbrasil.com
http://mdemulher.abril.com.br/estilo-de-vida/womens-health/mindfulness-conheca-essa-tecnica-
de-meditacao-e-aprenda-a-pratica-la
http://hypescience.com/o-que-e-mindfulness-ou-atencao-plena/