Você está na página 1de 8

CONSTELAÇÕES FAMILIARES COM CRIANÇAS E

ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM
INSTITUIÇÕES

A abordagem criada por Bert Hellinger como ferramenta para a busca de


soluções, com a utilização de bonecos para realizar constelações sistêmicas e
verificar as condições para o retorno à família de origem ou encaminhamento a
família substituta.

Autor da prática: Sami Storch (TJ-BA) – Juiz Auxiliar da Vara de Infância e Juventude da
Comarca de Lauro de Freitas/BA

Contato: (71) 8742-0001 / samistorch@gmail.com

Locais: Aldeias Infantis S.O.S. - Lauro de Freitas/BA e Associação


das Irmãs Servas do Espírito Santo – Lauro de Freitas/BA

JULHO e AGOSTO/2013

1
BREVE RESUMO DA PRÁTICA

Utilização de técnicas baseadas na terapia de constelações sistêmicas familiares (uma ciência dos
relacionamentos desenvolvida pelo terapeuta e filósofo alemão Bert Hellinger), como forma de
encontrar a melhor solução para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social,
acolhidos em instituições.

Ao invés de colher os depoimentos dos menores pela forma tradicional, o juiz lhes apresenta um kit
de bonecos do tipo “playmobil” e pede que escolham bonecos para representar os membros de sua
família e das pessoas que pertençam ao seu sistema (mãe social, padrinhos afetivos, parentes ou
amigos com quem tenham vínculo relevante) e que os posicionem sobre a mesa.

Logo se pode verificar quem foi excluído da família, e também quais são as pessoas com quem a
criança sente maior proximidade ou não.

É possível experimentar outras posições, aproximando o boneco que representa a criança daquele
que representa o pai, a mãe, o padrinho afetivo, etc. Em cada posição, pede-se que a criança olhe
para cada pessoa e veja como se sente. Pessoas mortas são representadas por bonecos deitados.

Pode-se também acrescentar bonecos para os avós, outros antepassados dos pais e, por exemplo,
pessoas que mataram ou foram mortas por alguém da família, trazendo à tona as dificuldades que os
pais da criança enfrentaram e facilitando, assim, a compreensão da realidade de sua vida e,
consequentemente, o perdão e a conformação.

Sugere-se também algumas frases “sistêmicas”, pedindo, por exemplo, que a criança/adolescente
imagine seu pai lhe dizendo: “foi muito difícil para mim também”; “eu não consegui olhar para
você, pois estava envolvido com problemas do meu passado”. Ou que se imagine dizendo aos pais
frases como: “obrigado pela vida que recebi através de vocês”; “o que eu não recebi de vocês,
recebi de outras pessoas, e estou aqui”.

Ao olhar para o seu sistema, representado através dos bonecos, a criança/adolescente “mergulha”
em sua própria realidade, se emociona e expressa de forma espontânea e verdadeira seus
sentimentos, sem que precise verbalizá-los. Muitas vezes, as soluções surgem rapidamente, quando
se experimenta um posicionamento dos bonecos que traga alívio e faça com que o rosto da criança
“se ilumine” – por exemplo, com seu pai, junto a uma tia, a uma família substituta ou mesmo a uma
instituição em que possa estar junto com seus irmãos. Às vezes, contudo, qualquer aproximação
com familiares aumenta sua tensão, de modo que o melhor para ela é que fique institucionalizada.

As técnicas são utilizadas também com outras pessoas envolvidas (pais biológicos, familiares ou
possíveis adotantes), permitindo que visualizem e sintam as consequências sistêmicas de cada
movimento de afastamento ou aproximação, e que tenham contato com os sentimentos dos outros
membros do sistema – principalmente os pais biológicos e toda a história familiar que a criança
carrega consigo.

Em geral, cada movimento de amor, gratidão e reconhecimento faz com que todos os envolvidos se
sintam bem e favorece a solução.

O juiz (autor da prática) possui formação específica nessa área e vem aplicando algumas dessas
técnicas nas audiências em geral, obtendo índices bastante expressivos de conciliações nas

2
audiências, inclusive em casos tidos como de difícil solução (inventários de mais de 10 anos e
outros envolvendo questões familiares antigas e complexas). Em ações da Vara de Família, os
acordos chegam a 90%.

RESULTADOS

– Em diversos casos, as constelações familiares favoreceram o encaminhamento rápido de


crianças e adolescentes às suas famílias de origem ou a famílias substitutas, inclusive
apresentando possibilidades anteriormente desconhecidas, ao levar o jovem a indicar
pessoas até então não consideradas e que podiam de fato acolhê-lo.

– Alguns apresentaram imediata melhora no comportamento e na autoestima, segundo relatos


das instituições.

– Parentes e padrinhos afetivos, ao participarem da constelação, se sensibilizaram e tomaram


providências imediatas no sentido de viabilizar a guarda definitiva do jovem, o que se
efetivou em alguns casos logo nas semanas seguintes.

– Em outros casos, os próprios pais biológicos, após participarem da constelação, se


mobilizaram para buscar soluções (tratamento de alcoolismo ou moradia adequada, por
exemplo) e poderem assim retomar a guarda de seus filhos em um futuro próximo.

– Houve casos em que a constelação apontou para a necessidade de providências da própria


Justiça ou de órgãos do Município, como pesquisa de endereço de determinados familiares
indicados durante o trabalho ou estudos sociais de algum ramo familiar, visando uma futura
solução. As providências estão sendo adotadas.

FOTOS

Audiências concentradas na instituição Aldeias Infantis S.O.S., em Lauro de Freitas/BA, nos


dias 18 e 19/7/2013

3
A participação de profissionais de diversas áreas (assistentes sociais, psicólogas, procurador do
município) viabilizou uma boa produtividade.

As constelações com bonecos facilitaram a visualização da situação familiar de cada criança e


permitiram testar a reação de cada pessoa envolvida (criança, pai/mãe, possível guardião ou
adotante, etc.) com cada movimento, verificando o melhor lugar para a criança.

Neste caso (foto abaixo), as responsáveis pela instituição informaram, no início, que o adolescente
estava bastante revoltado desde o ano passado, quando a mãe foi chamada e, diante dele, disse não
querer ficar com o filho. Segundo disseram, desde então o rapaz deixou de se interessar pela escola
e passou a frequentar o “morro” (local de tráfico de drogas) e apresentar comportamento agressivo.

4
Ao entrar na sala, o rapaz demonstrava desinteresse por tudo e não respondia as perguntas que lhe
eram feitas, ou o fazia de forma monossilábica.

Com o início da constelação, o rapaz começou a se interessar e reagir aos movimentos dos bonecos,
se emocionando ao visualizar-se diante dos pais e ao vê-los envolvidos nos próprios problemas em
suas famílias de origem.

Durante a audiência, através da constelação formada com os bonecos, o adolescente, acolhido na


instituição há muitos anos, pôde se visualizar diante dos pais e dos emaranhamentos do passado em
que estes estavam envolvidos, impedindo-os de criar e manter consigo os filhos.

Após algumas frases sistêmicas, que favoreceram a amenização da mágoa e da revolta, um


movimento espontâneo do adolescente com o boneco que o representava indicou um antigo
padrinho que, talvez, pudesse ficar com ele. Ao final, seu sorriso expressava a mudança em seu
sentimento.

Nos dias seguintes, a instituição fez contato com esse padrinho e este aceitou ficar com a guarda,
que se efetivou depois de poucas semanas.

A assistente social da instituição relatou melhora notável no comportamento do adolescente a partir


da audiência com a constelação. Em visita à instituição, ele e o novo guardião demonstraram estar
muito felizes com a solução.

5
As fotos abaixo referem-se a caso em que a menina foi deixada na instituição após abuso sexual
praticado pelo padrasto. Há quatro anos a mãe não ia visitá-la. A constelação foi realizada com a
mãe (sem a presença da criança).

6
Ao olhar para a situação, e depois de sugeridas algumas frases, a própria mãe, de forma espontânea
e bastante emocionada, reposicionou os bonecos de modo a afastar-se do companheiro e ficar junto
com seus filhos, incluindo a menina que estava na instituição. Esse simples movimento trouxe
grande alívio, sentido por todos que estavam presentes.

A partir dessa audiência, a mãe passou a visitar regularmente a filha na instituição e está tomando
providências, com o auxílio dos órgãos assistenciais do município e da própria instituição de
acolhimento, visando obter condições adequadas à restituição da guarda.

Audiências concentradas na instituição Irmãs Servas do Espírito Santo, em Lauro de


Freitas/BA, no dia 22/8/2013

7
8