Você está na página 1de 14

Resumos Matematik

Programação
Linear

Não é um manual escolar.


Não dispensa a consulta de um manual escolar.
Recomendamos a presença nas aulas e o
aconselhamento com um professor.

Setembro 2015

Todos os direitos reservados


Programação Linear

Resumos Matematik
Programação Linear

Pág.
Programação linear….............................................................................................................. 3

Quais os passos a dar na resolução de cada problema?...............……………...……. 4


Exemplo 1 …..……………………………………………..……………………..……………….. 6
Exemplo 2………………………………………… ………………..…..…………………….. 10

Apêndice…………………………………………...…………………………………………………… 14
Teorema Fundamental da Programação Linear….………………………...... 14
Rectas de nível……………………………………………………………………………... 14
Situações possíveis………………………………………………………………………. 14

www.matematik.pt Pág 2 de 14
Programação Linear

Programação Linear

O que é a Programação Linear?

É um método para resolver problemas nos quais se procura tomar uma decisão sobre duas
ou mais variáveis, tendo em vista alcançar um objectivo pré-definido. Essas variáveis estão
condicionadas por um determinado contexto.

E que variáveis são essas?

Cada problema tem as suas variáveis. Podemos identificá-las respondendo à questão “O que
quero fazer?”. Ao nível do ensino secundário vamos resolver problemas sempre e apenas
com duas variáveis.

E que condicionantes são essas?

As condicionantes das variáveis podem encontrar-se respondendo à questão “Como quero


fazer?”. Podemos ter duas ou mais condicionantes das variáveis do problema.

Qual é o objectivo pré-definido?

O objectivo é maximizar ou minimizar um determinado resultado, isto é, determinar a


solução óptima para o problema estudado.

Como vamos tratar e analisar os dados e cada problema?

Vamos usar o método algébrico e o método gráfico.

www.matematik.pt Pág 3 de 14
Programação Linear

Quais os passos a dar na resolução de cada problema?


Segue o “mapa do tesouro”:

1. Ler o enunciado do problema com toda a atenção, na tentativa de encontrar resposta


às seguintes questões:

a. O que quero fazer?


b. Como quero fazer?

2. Construir uma Tabela de Variáveis e Condicionantes (também chamada Simplex) e


escrever a inequação que traduz cada restrição:

Como quero fazer? 2


São as condicionantes.
Podem ser duas ou mais. Neste simplex são
três, por isso temos três colunas!

1
O que quero fazer?

São as variáveis.
Nos nossos
problemas serão
sempre duas!
3
Inequações das
Restrições

Neste caso serão cinco


inequações, uma de cada
variável e uma de cada
condicionante.

3. Identificar o objectivo a atingir e escrever a função objectivo.

www.matematik.pt Pág 4 de 14
Programação Linear

4. Desenhar num referencial ortonormado a região correspondente a cada restrição.


Pela conjunção de todas elas obtemos a região admissível (no exemplo seguinte
temos quatro restrições):

𝒙≥𝟎

𝒚≥𝟎

𝟏
𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟎
𝟐

𝟓 𝟔𝟓
𝒚 ≤ − 𝒙+
𝟑 𝟑

Região admissível

𝟓 𝟔𝟓 𝟏
𝒙≥𝟎 𝒚≥𝟎 𝒚≤− 𝒙+ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟎 Intersecção das
𝟑 𝟑 𝟐 regiões do plano
correspondentes a
cada inequação:
regi ão admissível

www.matematik.pt Pág 5 de 14
Programação Linear

5. Fazer uma tabela com as coordenadas dos vértices da região admissível, calculando
para cada vértice o resultado da função objectivo (vidé Anexo: Teorema Fundamental
da Programação Linear):

𝒙 𝒚 𝒇(𝒙, 𝒚)
0 0 𝛼
0 10 𝛽
10 5 𝛾
13 0 𝛿

6. Em função dos resultados da função objectivo, escolher o par de variáveis mais


adequado ao objectivo a atingir.

Está feito!

Vamos a uns exemplos? Vamos a isso!

Exemplo 1

A turma da Isabel decidiu fazer arranjos florais, utilizando flores do horto da escola, para
vender no Dia dos Namorados.

Idealizaram arranjos formados por margaridas, rosas e violetas.

Dispõem de 192 margaridas, 88 rosas e 112 violetas.

Pensaram formar dois tipos de arranjos: A e B.

Cada arranjo do tipo A:


 será composto por 16 margaridas, 4 rosas e 8 violetas;
 dará um lucro de 3 euros.

Cada arranjo do tipo B:


 será composto por 8 margaridas, 8 rosas e 8 violetas;
 dará um lucro de 2 euros.

Determine o número de arranjos de cada tipo que os alunos devem produzir para
obterem o maior lucro possível (admitindo que vendem todos os arranjos).

Exames Oficiais

www.matematik.pt Pág 6 de 14
Programação Linear

1.
a) O que quero fazer? Quero fazer dois tipos de arranjos florais (variáveis A e B).

b) Como quero fazer? Quero fazê-los com margaridas, rosas e violetas (três
condicionantes).

2.
Margaridas Rosas Violetas
Construção da tabela de Arranjo A 16 4 8
variáveis e
Arranjo B 8 8 8
condicionantes:
192 88 112

Inequações que traduzem Variáveis:


cada variável:
 Arranjo A
vamos fazer 𝒙 arranjos. Podemos não fazer nenhum, ou
fazer vários, logo 𝒙 ≥ 𝟎.

 Arranjo B
vamos fazer 𝒚 arranjos. Podemos não fazer nenhum, ou
fazer vários, logo 𝒚 ≥ 𝟎.

Inequações que traduzem Condicionantes:


cada condicionante:
 Margaridas:
Cada arranjo A leva 16 margaridas. Como vamos fazer 𝒙
arranjos A, vamos precisar de 𝟏𝟔𝒙 margaridas.
Cada arranjo B leva 8 margaridas. Como vamos fazer 𝒚
arranjos B, vamos precisar de 𝟖𝒚 margaridas.
A quantidade total de margaridas a usar não pode
ultrapassar 192, ou seja, 𝟏𝟔𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟗𝟐.

 Rosas:
Cada arranjo A leva 4 rosas. Como vamos fazer 𝒙 arranjos
A, vamos precisar de 𝟒𝒙 rosas.
Cada arranjo B leva 8 rosas. Como vamos fazer 𝒚 arranjos
B, vamos precisar de 𝟖𝒚 rosas.
A quantidade total de rosas a usar não pode ultrapassar 88,
ou seja, 𝟒𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟖𝟖.

 Violetas:
Cada arranjo A leva 8 violetas. Como vamos fazer 𝒙
arranjos A, vamos precisar de 𝟖𝒙 violetas.
Cada arranjo B leva 8 violetas. Como vamos fazer 𝒚
arranjos B, vamos precisar de 𝟖𝒚 violetas.
A quantidade total de violetas a usar não pode ultrapassar
112, ou seja, 𝟖𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟏𝟐.

www.matematik.pt Pág 7 de 14
Programação Linear

2.
(continuação) São estas as cinco restrições presentes neste problema:

𝒙≥𝟎
𝒚≥𝟎
𝟏𝟔𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟗𝟐
𝟒𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟖𝟖
{ 𝟖𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟏𝟐

3.

Objectivo a atingir: Maximizar o lucro da venda de arranjos.

Cada arranjo A dá um lucro de 3€. Como vamos fazer 𝒙


arranjos A, vamos lucrar 𝟑𝒙.

Cada arranjo B dá um lucro de 2€. Como vamos fazer 𝒚


arranjos B, vamos lucrar 𝟐𝒚.

O lucro total será o resultado da soma dos lucros dos


arranjos A com os lucros dos arranjos B, isto é, 𝟑𝒙 + 𝟐𝒚.

Função objectivo: 𝒇(𝒙, 𝒚) = 𝟑𝒙 + 𝟐𝒚

4.
a)
Resolver cada inequação 𝟏𝟔 𝟏𝟗𝟐
𝟏𝟔𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟗𝟐 ⟺ 𝟖𝒚 ≤ −𝟏𝟔𝒙 + 𝟏𝟗𝟐 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙+ ⟺
em ordem a 𝒚 (excepto 𝟖 𝟖
𝑥 ≥ 0, por motivos ⟺ 𝒚 ≤ −𝟐𝒙 + 𝟐𝟒
óbvios), para de seguida
desenhar num referencial
ortonormado a região b)
correspondente a cada 𝟒 𝟖𝟖
𝟒𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟖𝟖 ⟺ 𝟖𝒚 ≤ −𝟒𝒙 + 𝟖𝟖 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + ⟺
restrição. 𝟖 𝟖

𝟏
⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟏
𝟐

c)
𝟖 𝟏𝟏𝟐
𝟖𝒙 + 𝟖𝒚 ≤ 𝟏𝟏𝟐 ⟺ 𝟖𝒚 ≤ −𝟖𝒙 + 𝟏𝟏𝟐 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + ⟺
𝟖 𝟖

⟺ 𝒚 ≤ −𝒙 + 𝟏𝟒

www.matematik.pt Pág 8 de 14
Programação Linear

5.

Desenhar num referencial


ortonormado a região
correspondente a cada
restrição.

Da conjunção de todas as
restrições obtém-se a
região admissível.

Região admissível

6.

Fazer uma tabela com as 𝒙 𝒚 𝒇(𝒙, 𝒚) = 𝟑𝒙 + 𝟐𝒚


coordenadas dos vértices
0 0 3×0+2×0= 𝟎
da região admissível,
calculando, para cada 0 11 3 × 0 + 2 × 11 = 𝟐𝟐
vértice, o valor da função 6 8 3 × 6 + 2 × 8 = 𝟑𝟒
objectivo.
𝟏𝟎 𝟒 3 × 10 + 2 × 4 = 𝟑𝟖
12 0 3 × 12 + 2 × 0 = 𝟑𝟔

7.

Em função dos valores da Conclui-se que a turma da Isabel obtém um lucro máximo
função objectivo, escolher de 38€ se fizer 10 arranjos do tipo A e 4 arranjos do tipo B.
o par de variáveis mais
adequado.

www.matematik.pt Pág 9 de 14
Programação Linear

Exemplo 2

Uma frutaria confecciona dois tipos de bebidas com sumo de laranja e sumo de manga.

Bebida X: com um litro de sumo de laranja por cada litro de sumo de manga.

Bebida Y: com dois litros de sumo de laranja por cada litro de sumo de manga.

Para confeccionar estas bebidas, a frutaria dispõe diariamente de 12 litros de sumo de


laranja e 10 litros de sumo de manga.

Cada litro de bebida X dá um lucro de 4 euros e cada litro de bebida Y dá um lucro de 5


euros.

Supondo que a frutaria vende diariamente toda a produção destas bebidas, quantos litros
de bebida X e quantos litros de bebida Y deve confeccionar por dia, para maximizar o
lucro?

Teste Intermédio 11º ano – 24.01.2008

1.
a) O que quero fazer? Quero fazer dois tipos de bebidas (variáveis X e Y).

b) Como quero fazer? Quero fazê-las com sumo de laranja e sumo de manga (duas
condicionantes).

2.
Sumo laranja Sumo manga
Construção da tabela de
variáveis e Bebida X
condicionantes:
Bebida Y

12 10

Inequações que traduzem Variáveis:


cada variável:
 Bebida X
vamos fazer 𝒙 litros. Podemos não fazer nenhum, ou fazer
vários, logo 𝒙 ≥ 𝟎.

 Bebida Y
vamos fazer 𝒚 litros. Podemos não fazer nenhum, ou fazer
vários, logo 𝒚 ≥ 𝟎.

www.matematik.pt Pág 10 de 14
Programação Linear

2.
(continuação) Sumo laranja Sumo manga

Tabela de variáveis e Bebida X


condicionantes.
Bebida Y

12 10
Inequações que traduzem Condicionantes:
cada condicionante:
 Sumo de laranja:
Para a bebida X usamos 1 litro de sumo de laranja por cada
litro de sumo de manga. Então, cada litro de bebida X é
composto por 2 partes, sendo o sumo de laranja uma das
𝟏
duas, isto é, . Como vamos fazer 𝒙 litros de bebida X,
𝟐
𝟏
vamos precisar de 𝒙 litros de sumo de laranja.
𝟐
Para a bebida Y usamos 2 litros de sumo de laranja por
cada litro de sumo de manga. Então, cada litro de bebida Y
é composto por 3 partes, sendo o sumo de laranja duas das
𝟐
três, isto é, . Como vamos fazer 𝒚 litros de bebida Y, vamos
𝟑
𝟐
precisar de 𝒚 litros de sumo de laranja.
𝟑
A quantidade total de sumo de laranja a usar não pode
𝟏 𝟐
ultrapassar 12 litros, ou seja, 𝒙 + 𝒚 ≤ 𝟏𝟐.
𝟐 𝟑

 Sumo de manga:
Para a bebida X usamos 1 litro de sumo de laranja por cada
litro de sumo de manga. Então, cada litro de bebida X é
composto por 2 partes, sendo o sumo de manga uma das
𝟏
duas, isto é, . Como vamos fazer 𝒙 litros de bebida X,
𝟐
𝟏
vamos precisar de 𝒙 litros de sumo de manga.
𝟐
Para a bebida Y usamos 2 litros de sumo de laranja por
cada litro de sumo de manga. Então, cada litro de bebida Y
é composto por 3 partes, sendo o sumo de manga uma das
𝟏
três, isto é, . Como vamos fazer 𝑦 litros de bebida Y, vamos
𝟑
𝟏
precisar de 𝒚 litros de sumo de manga.
𝟑
A quantidade total de sumo de manga a usar não pode
𝟏 𝟏
ultrapassar 10 litros, ou seja, 𝒙 + 𝒚 ≤ 𝟏𝟎.
𝟐 𝟑

São estas as quatro restrições presentes neste problema:

𝒙≥𝟎
𝒚≥𝟎
𝟏 𝟐
𝒙 + 𝒚 ≤ 𝟏𝟐
𝟐 𝟑
𝟏 𝟏
{𝟐 𝒙 + 𝟑 𝒚 ≤ 𝟏𝟎

www.matematik.pt Pág 11 de 14
Programação Linear

3.

Objectivo a atingir: Maximizar o lucro da venda de bebidas.

Cada litro de bebida X dá um lucro de 4€. Como vamos


fazer 𝒙 litros, vamos lucrar 𝟒𝒙.

Cada litro de bebida Y dá um lucro de 5€. Como vamos


fazer 𝒚 litros, vamos lucrar 𝟓𝒚.

O lucro total será o resultado da soma dos lucros da bebida


X com os lucros da bebida Y, isto é, 𝟒𝒙 + 𝟓𝒚.

Função objectivo: 𝒇(𝒙, 𝒚) = 𝟒𝒙 + 𝟓𝒚

4.
a)
Resolver cada inequação
em ordem a 𝒚 (excepto 𝟏 𝟐 𝟐 𝟏 𝟑 𝟑𝟔
𝒙 + 𝒚 ≤ 𝟏𝟐 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟐 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + ⟺
𝑥 ≥ 0, por motivos 𝟐 𝟑 𝟑 𝟐 𝟒 𝟐
óbvios), para de seguida 𝟑
desenhar num referencial ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟖
𝟒
ortonormado a região
correspondente a cada
restrição. b)

𝟏 𝟏 𝟏 𝟏 𝟑
𝒙 + 𝒚 ≤ 𝟏𝟎 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟏𝟎 ⟺ 𝒚 ≤ − 𝒙 + 𝟑𝟎
𝟐 𝟑 𝟑 𝟐 𝟐

www.matematik.pt Pág 12 de 14
Programação Linear

5.

Desenhar num referencial


ortonormado a região
correspondente a cada
restrição.

Da conjunção de todas as
restrições obtém-se a
região admissível.

Região admissível

6.

Fazer uma tabela com as 𝒙 𝒚 𝒇(𝒙, 𝒚) = 𝟒𝒙 + 𝟓𝒚


coordenadas dos vértices
0 0 4×0+5×0= 𝟎
da região admissível,
calculando para cada 0 18 4 × 0 + 5 × 18 = 𝟗𝟎
vértice o valor da função 𝟏𝟔 𝟔 4 × 16 + 5 × 6 = 𝟗𝟒
objectivo.
20 0 4 × 20 + 5 × 0 = 𝟖𝟎

7.

Em função dos valores da Conclui-se que a frutaria obtém um lucro máximo de 94€
função objectivo, escolher se produzir diariamente 16 litros de bebida X e 6 litros de
o par de variáveis mais bebida Y.
adequado.

www.matematik.pt Pág 13 de 14
Programação Linear

Apêndice
Teorema Fundamental da Programação Linear

Seja S a região admissível num dado problema de programação linear e 𝑓 (𝑥, 𝑦) = 𝛼𝑥 + 𝛽𝑦 a


respectiva função objectivo.

Se S é limitada, então 𝑓(𝑥, 𝑦) tem máximo e mínimo em S, sendo que cada um destes ocorre pelo
menos num dos vértices de S.

Se S é não limitada, então o valor máximo e mínimo de 𝑓 (𝑥, 𝑦) pode não existir. Porém, se existir,
ocorre num dos vértices de S.

A solução do problema também pode ser obtida através do método gráfico.

A expressão designatória da função objectivo pode ser igualada a zero, obtendo-se uma equação
que será resolvida em ordem a 𝑦, resultando daí uma recta (𝑦 = 𝑚𝑥 + 𝑏), também chamada recta
de nível zero.

Se traçarmos graficamente sobre a região admissível uma série de rectas todas com o mesmo
declive da recta de nível zero, também chamadas rectas de nível, constatamos que, a solução
óptima coincide com o vértice da região admissível onde se encontra a recta de nível com maior
ordenada na origem.

Rectas de nível

Máximo, na região
admissível

Situações possíveis

O problema tem uma única O problema tem uma O problema não tem uma
solução óptima. infinidade de soluções solução óptima finita, pois a
óptimas. região admissível não é
limitada.

Fim

www.matematik.pt Pág 14 de 14