Você está na página 1de 80

Reunião de 2009-09-14

ACTA N.º 37/2009

Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Benavente

Início: 16 horas
Encerramento: 17 horas e 50 minutos

No dia catorze do mês de Setembro de dois mil e nove, em Benavente, no edifício dos
Paços do Município e sala das reuniões da Câmara Municipal, onde se encontrava
pelas dezasseis horas, o senhor António José Ganhão, Presidente da Câmara
Municipal de Benavente, reuniu a mesma, estando presentes os vereadores senhores:

António Joaquim Oliveira Neves


Bruno Manuel Soares Nepomuceno
Carlos António Pinto Coutinho
Clarisse Isabel Ganhão Castanheiro
Manuel Joaquim Quá Isidro dos Santos
Miguel António Duarte Cardia

Pelo Senhor Presidente foi declarada aberta a reunião, às dezasseis horas, com a
seguinte ordem do dia, antecipadamente remetida a todos os vereadores, nos termos
do artigo décimo oitavo do Código do Procedimento Administrativo:

Ordem Assunto Processo Interessado

Câmara Municipal
Presidência/Vereação

Gabinete de Apoio ao Presidente e


Vereadores

1 Aprovação da acta da reunião


anterior

2 Cobrança das tarifas de RSU e Águas do Ribatejo


Condições de utilização de viaturas e
máquinas – Minutas de Protocolo

3 Obras de restauro da Igreja de Nossa Comissão de Obras


Senhora de Oliveira de Samora de Restauro da Igreja
Correia – Rectificação de orçamento Matriz de Samora
Correia

Gabinete Jurídico

4 Legislação síntese

Divisão Municipal de Gestão de


Recursos Humanos

1
Reunião de 2009-09-14

Secção de Gestão de Recursos


Humanos

PROPOSTA

5 Proposta de abertura de
procedimentos concursais comuns
para ocupação de postos de trabalho
de assistente operacional da carreira
de assistente operacional

A CONHECIMENTO

6 Renovação de contratos a termo Despacho


resolutivo n.º 467/2009

Divisão Municipal de Gestão


Financeira

Secção de Contabilidade

7 Resumo Diário de Tesouraria

Secção de Património

8 Aquisição de parcela de terreno


rústica sita na Lezíria dos Cavalos
em Benavente

9 Venda judicial de fracção de prédio


urbano sito no Cerrado do Valverde,
lote 8 em Benavente

10 Venda judicial de fracção de prédio


urbano sito na Vila das Areias, lote 6
em Benavente

11 Exercício do Direito de Preferência Albino Rodrigues


conferido ao Município de Benavente Guerra Parracho e
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Carla Maria S.
Pereira F. Parracho

12 Exercício do Direito de Preferência Sandra Melo, na


conferido ao Município de Benavente qualidade de
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 mandatária de
Joaquim Raimundo –
Sociedade Imobiliária
e Construção Civil

13 Exercício do Direito de Preferência Sandra Melo, na


conferido ao Município de Benavente qualidade de
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 mandatária de
Joaquim Raimundo –
Sociedade Imobiliária

2
Reunião de 2009-09-14

e Construção Civil

Secção de Taxas e Licenças

14 Concessão de licença especial de 52/2009, de Manuel Mendes &


ruído / despacho a ratificação 03.09 Filhos, Lda.

15 Concessão de licença especial de 53/2009, de Isabel Alexandra


ruído / despacho a ratificação 08.09.2009 Duarte Cardoso,
gerente do Bar do
Concelho
Unipessoal, Lda.

16 Autorização para instalação de Reg.º n.º Paola Segundo


roulotte 19364, de Ferreira
07.09.2009

17 Alargamento de horário de Reg.º n.º Farmácia Baptista


funcionamento 19132, de
03.09.2009

Gabinete de Gestão e Controle do


Plano e Orçamento

18 2.ª Revisão ao Orçamento e às


Grandes Opções do Plano

Divisão Municipal de Obras


Municipais

Sector de Obras Municipais

19 Pedido de cedência de materiais Isolinda Maria Silva


Joaquim

20 Parque infantil na Urbanização da 4.1.5/03-2007 Junta de Freguesia


Quinta das Cegonhas, em Samora de Samora Correia
Correia - Transferência de
competências para a Junta de
Freguesia

21 Empreitada de: “Pavimentação em 4.1.1/07-2009


arruamentos das Freguesias de
Samora Correia e Santo Estêvão
- Relatório Preliminar / A
conhecimento

22 Empreitada de: “Execução de 4.1.5/05-2009 PROTECNIL –


passeios em calçada na freguesia de Sociedade Técnica
Samora Correia – 1.ª fase” - Auto de de Construções, S.A.
Recepção Provisória / A
conhecimento

Divisão Municipal de Obras


Particulares

3
Reunião de 2009-09-14

Secção de Obras Particulares

23 Aprovação de arquitectura DL 555/99 690/2009 Maria Armanda


– A conhecimento Correia Tinoco
Mendes
24 Deliberação final D.L. 555/99 – A 250/2008 CRIB
conhecimento
25 “ “ 729/2009 Joaquim Domingos
Moisés Duarte
26 “ “ 379/2008 Joaquim Lopes
Tomás
27 Informação prévia D.L. 555/99 – A 1326/2009 Maria Mafalda
conhecimento Carvalho Guilherme
28 “ “ 1269/2009 Alfreda Maria Dimas
Rocha
29 Certidão de propriedade horizontal – 357/2002 Valentim Neves, Lda.
A conhecimento
30 Certidão de destaque 1242/2009 Luís António Jesus
Freitas Serafim
31 Loteamentos urbanos OP 6358 Vida no Campo, Lda.
32 “ “ OP 17748 José Vidigal, Lda.
33 “ “ 3/1999 Gisela Maria
Cordeiro da Silva
34 Averbamentos – A conhecimento 18992/2007 Arrábida Azul, Lda.
averbado para
Repsol Gás, SA
35 “ “ 1749/2008 António Rodrigues
Pereira averbado
para Ana Maria
Pereira Santos
36 Reclamação 6928/2007 Ana Paula Carmo
Rodrigues Figueiredo

Divisão Municipal da Cultura


Educação e Turismo

Secção de Acção Sócio-Educativa

37 Ano lectivo 2009/2010 – Proposta de A Chefe DMCET


atribuição de auxílios económicos – Dra. Cristina
1.º ciclo - Apuramento de escalão Gonçalves

Sector de Acção Cultural

38 Pedido de cedência do Centro 5.5.10 Assembleia de Deus


Cultural de Benavente – 17 e 18 Pentecostal – Igreja
Outubro Evangélica

39 IX Expo-Feira de Coleccionismo - 5.5.10 Sociedade


Pedido de cedência de material Filarmónica
Benaventense

40 Festival Folclore Infantil – Pedido de Sociedade


contribuição financeira Filarmónica União

4
Reunião de 2009-09-14

Samorense

Divisão Municipal de Desporto


Acção Social e Juventude

Sector de Fomento Desportivo

41 Realização da 3.ª Prova do Secção de Pesca do


Campeonato Nacional da 2.ª Divisão Grupo Desportivo de
– Pedido de subsídio Benavente

42 Eleição dos novos Corpos Sociais Associação


Desportiva e Cultural
de Benavente

43 Beneficiação da sede da Secção de Secção de Pesca do


Pesca do GDB GDB

Sector de Intervenção Social e


Saúde

44 Pedido de habitação social - renda


apoiada

45 Pedido de habitação social – renda


comparticipada

46 Período destinado às intervenções


dos membros da Câmara

47 Aprovação de deliberações em
minuta

RESUMO DOS PONTOS EXTRAS À ORDEM DO DIA

Ordem Assunto Processo Interessado


Divisão Municipal de Gestão de
Recursos Humanos

Secção de Gestão de Recursos


Humanos

1 Celebração de contrato de avença /


Tecnologias da comunicação

Divisão Municipal de Gestão


Financeira

Secção de Património

2 Exercício do Direito de Preferência Maria de Lurdes


conferido ao Município de Benavente Simões Gomes na
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 qualidade de

5
Reunião de 2009-09-14

proprietária e de
procuradora de Luís
Filipe Cardoso Nunes
de Assunção

3 Exercício do Direito de Preferência Ramos e Crespo -


conferido ao Município de Benavente Sociedade de
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Construção e
Manutenção, Lda.

4 Exercício do Direito de Preferência Luciano Pereira


conferido ao Município de Benavente Inocêncio –
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Construções e
Urbanizações

5 Exercício do Direito de Preferência Francisco Ribeiro


conferido ao Município de Benavente Martins,
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Administrador da
Insolvência da
Samorel

6 Exercício do Direito de Preferência Francisco Ribeiro


conferido ao Município de Benavente Martins,
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Administrador da
Insolvência da
Samorel

7 Exercício do Direito de Preferência Francisco Ribeiro


conferido ao Município de Benavente Martins,
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Administrador da
Insolvência da
Samorel

8 Exercício do Direito de Preferência José Luís de Cristo e


conferido ao Município de Benavente Silva e Anabela de
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 Almeida da Silva
Moreira na qualidade
de procuradora de
Marta da Silva
Moreira de Oliveira,
Pedro Filipe da Silva
Moreira de Oliveira e
de João Miguel da
Silva Moreira de
Oliveira e na
qualidade
comproprietária

9 Exercício do Direito de Preferência Chen Jian e Zhou Yi


conferido ao Município de Benavente
no âmbito do Decreto n.º 19/2008

10 Exercício do Direito de Preferência Rute Cardoso da


conferido ao Município de Benavente Costa Baptista Pato,
no âmbito do Decreto n.º 19/2008 na qualidade de

6
Reunião de 2009-09-14

mandatária de João
Bento de Oliveira –
Construções e
Imobiliária Lda.

Secção de Taxas e Licenças

11 Licença de instalação e Proc. 10/2009, Liga Portuguesa


funcionamento de recinto de 25/08 – Contra o Cancro –
improvisado Reg. 18410 “Um Dia Pela Vida”

Divisão Municipal de Obras


Municipais

Sector de Obras Municipais

12 Empreitada de: “Redes de drenagem 4.1.4/01-2009 BIRRENTO –


de águas residuais na Urbanização Engenharia, Lda.
do Telhal, em Porto Alto” – Plano de
Segurança e Saúde / Aprovação

Divisão Municipal da Cultura


Educação e Turismo

Secção de Acção Sócio-Educativa

13 Transportes escolares 2009-2010

Sector de Acção Cultural

14 6.º Encontro Concelhio de Folclore

Secretariou o Director do Departamento Municipal Administrativo e Financeiro,


Hermínio Nunes da Fonseca, coadjuvado por Anabela Rodrigues Gonçalves,
Coordenadora Técnica.

01 – Câmara Municipal/Presidência-Vereação

01.01 – Gabinete de Apoio ao Presidente e Vereadores

Ponto 1 – APROVAÇÃO DA ACTA DA REUNIÃO ANTERIOR: Após a confirmação


de que todos os membros da Câmara tinham conhecimento do conteúdo da acta da
reunião anterior, oportunamente distribuída, foi dispensada a sua leitura nos termos do
artigo quarto do Decreto-Lei quarenta e cinco mil, trezentos e sessenta e dois, de vinte
e um de Novembro de mil novecentos e sessenta e três.

Submetida a votação a acta da reunião anterior, foi a mesma aprovada por


unanimidade.

Ponto 2 – MINUTAS DE PROTOCOLO: COBRANÇA DAS TARIFAS DE RSU E


CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS
Entidade: Águas do Ribatejo, EIM

7
Reunião de 2009-09-14

Assunto: remetem para apreciação duas Minutas de protocolo: uma relativa à


cobrança das tarifas de RSU e outra relativa às condições de utilização de viaturas e
máquinas.

MINUTA DE PROTOCOLO

Entre:
1.º - Município de …………..…, pessoa colectiva n.º………......... com sede em ……….,
aqui representado pelo Sr. ………………………… na qualidade de …………………….
com poderes para o acto,

2.º - AR - Aguas do Ribatejo, EIM pessoa colectiva n.º 508345464, com sede em
Centro
Nacional de Exposições, Quinta das Cegonhas, 2000-471 Santarém, aqui
representada pelo Senhor Presidente do Conselho de Administração, José Joaquim
Gameiro Sousa Gomes, com poderes para o acto, conforme deliberação datada de
____________

Considerando que:
1. A AR - Águas do Ribatejo EIM assumiu, desde o dia 1 de Maio de 2009, a gestão e
exploração dos sistemas de abastecimento de água e saneamento de águas residuais
dos Concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche e Salvaterra de
Magos, ao abrigo dos Contratos de Gestão celebrados em 21 de Agosto de 2008.

2. No âmbito do regime de gestão e exploração a AR - Águas do Ribatejo EIM obriga-


se a assegurar o regular, continuo e eficiente fornecimento de água para consumo
público e recolha e tratamento e deposição final das águas residuais.

3. A AR - Águas do Ribatejo EIM encontra-se em fase de início da actividade,


desenvolvendo os procedimento de contratação para o fornecimento de viaturas
destinadas a assegurar a deslocação das equipas, técnicos e operadores repensáveis
pela exploração dos sistemas.

4. Durante este processo de transição deverá ser assegurada a continuidade de


fornecimento dos serviços de água e saneamento aos Munícipes, de forma a que não
ocorram quebras de continuidade e qualidade do serviço.

5. A Câmara Municipal de ___________ manifesta a sua disponibilidade para que as


viaturas afectas à actividade de exploração dos sistemas de abastecimento de água e
saneamento possam continuar a ser utilizadas pela AR - Águas do Ribatejo EIM, no
âmbito do contrato de gestão celebrado entre as partes.

Assim se rege este Protocolo pelas Cláusulas seguintes:

Cláusula 1.ª - Objecto


O presente Protocolo visa estabelecer os termos e as condições em que o Municio de
……………. cede temporariamente para utilização à AR as viaturas ………………, com
matrícula …………………. e ......................, com matrícula , e a máquina ………………,
com matrícula (se aplicável).

Cláusula 2.ª - Âmbito e Finalidade da cedência

8
Reunião de 2009-09-14

A(s) viatura(s) referida(s) na Cláusula 1.ª destina(m)-se a assegurar o cumprimento


dos serviços de abastecimento de água e saneamento de águas residuais do
Concelho de ………………………

Cláusula 3.ª - Encargos


Os encargos decorrentes da utilização da(s) viatura(s), nomeadamente combustíveis,
manutenção (revisões, pneus, etc.), seguros, inspecção periódica e outras despesas
são da responsabilidade do beneficiário dessa utilização, neste caso a AR - Águas do
Ribatejo E.I.M..
Cláusula 4.ª - Obrigações das partes
1 - O Município de ……………… compromete-se a respeitar a cedência prevista no
presente Protocolo, desde que sejam respeitadas pela AR as condições estabelecidas
no mesmo.
Caso não sejam respeitadas as obrigações da AR previstas no número seguinte, o
Município reserva-se o direito de denunciar automaticamente este Protocolo e solicitar
a devolução da(s) viatura (s) cedida(s) neste âmbito.

2 - A AR fica obrigada à boa utilização e conservação da(s) viatura (s), sendo


responsável por zelar pelo bom estado da(s) mesma(s). Fica também obrigada a
respeitar os usos previstos na Cláusula 2.ª do presente Protocolo.

Cláusula 5.ª - Vigência do Protocolo


O Protocolo vigorará por períodos de 1 mês a contar da data da sua assinatura,
período esse que será renovável automaticamente por iguais períodos se nenhuma
das partes o denunciar, através de carta registada com aviso de recepção dirigida à
outra parte, com uma antecedência mínima de 10 dias úteis em relação à data do seu
termo.

O presente Protocolo é efectuado em duplicado, ficando cada uma das partes com um
exemplar devidamente assinado e autenticado.

………………….(dia) de (mês ) de 2009

O Presidente da Câmara Municipal de ………………


O Presidente do Conselho de Administração da AR ………………..

MINUTA DE PROTOCOLO

Entre:
1.° - MUNICÍPIO DE _____________, pessoa colectiva n.º ______________ com
sede em ______________, aqui representado pelo _____________ da Câmara
Municipal, Sr. ______________, com poderes para o acto, conforme o disposto na Lei
n.º 169/99 , de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 5-A/2002
de 11 de Janeiro, adiante designado por PRIMEIRO OUTORGANTE,

2.º - AR Aguas do Ribatejo, ElM, pessoa colectiva n.º 508345464, com sede em
Quinta das Cegonhas, Santarém, aqui representada pelo Senhor Presidente do
Conselho de Administração, José Joaquim Gameiro Sousa Gomes, com poderes para
o acto, conforme deliberação do Conselho de Administração tomada na reunião
realizada a _____________, adiante designada por SEGUNDA OUTORGANTE

Considerando que:

9
Reunião de 2009-09-14

A - O serviço de recolha e tratamento dos resíduos sólidos urbanos (adiante


designados RSU) no Município de _____________ é da responsabilidade do
PRIMEIRO OUTORGANTE;

B - A tarifa praticada para esse serviço varia em função do valor consumido de água e
saneamento num determinado mês;

C - A facturação dos consumos de água e saneamento passou a ser da


responsabilidade da SEGUNDA OUTORGANTE a partir do mês de Maio, passando
então esta entidade a estar na posse dos elementos necessários para proceder à
facturação dos serviços referidos em A;

D - Ambos os outorgantes têm a legitima preocupação de defender os interesses dos


Munícipes, pelo que pretendem evitar uma duplicação da facturação, com todos os
custos inerentes a esta situação que, em última análise, teriam de ser reflectidos no
Munícipe;

E - A responsabilidade pela prestação do serviço referido em A continuará a ser do


PRIMEIRO OUTORGANTE;

CLÁUSULA PRIMEIRA
(Objecto)
1. O presente Protocolo tem como objecto regular o processo de intermediação em
que a SEGUNDA OUTORGANTE efectuará, a titulo gratuito, para o PRIMEIRO
OUTORGANTE, a facturação e cobrança das tarifas referentes aos RSU do Município
de ____________

CLÁUSULA SEGUNDA
(Forma)
1. Mensalmente, a SEGUNDA OUTORGANTE facturará ao consumidor final a tarifa
de RSU devida, com a indicação expressa (na factura) de o fazer em nome de
terceiros (neste caso do PRIMEIRO OUTORGANTE).

2. A SEGUNDA OUTORGANTE ficará também responsável pela cobrança da


facturação referida no número anterior.

3 . A SEGUNDA OUTORGANTE deverá, até ao final do mês seguinte à cobrança da


facturação, informar o PRIMEIRO OUTORGANTE de qual o montante efectivamente
cobrado (no que se refere à tarifa de RSU) e proceder à transferência desse montante
para o PRIMEIRO OUTORGANTE, através de transferência bancária, para a conta a
indicar posteriormente por este.

4. A SEGUNDA OUTORGANTE, disponibilizará sempre que necessário, os


documentos de liquidação e cobrança.

5. Anualmente, até ao dia 15 de Janeiro, será remetido pela SEGUNDA


OUTORGANTE ao PRIMEIRO OUTORGANTE documento discriminado do qual
conste o valor das tarifas liquidadas e não cobradas.

6. A SEGUNDA OUTORGANTE remeterá igualmente, nos prazos previstos no CPPT


e na demais legislação aplicável, certidão de divida dos valores que não forem
cobrados.

7. O processo de execução fiscal será da integral responsabilidade do PRIMEIRO


OUTORGANTE.

10
Reunião de 2009-09-14

8. Fica acordado que as acções serão levadas a cabo pela SEGUNDA


OUTORGANTE, a título gratuito, não envolvendo portanto quaisquer custos para o
PRIMEIRO OUTORGANTE.

CLÁUSULA TERCEIRA
(Duração)
O presente Protocolo não tem prazo máximo de vigência, podendo ser feito cessar, a
todo o tempo, apenas mediante aviso prévio de 90 dias, pelo PRIMEIRO ou pela
SEGUNDA OUTORGANTES.

CLÁUSULA QUARTA
(Entrada em vigor)
O presente Protocolo produz efeitos retroagidos a partir do dia 1 de Maio de 2009.

CLÁUSULA QUINTA
(Vias e Anexos)
O presente Acordo é celebrado em duas Vias.

__________ de ___________ de 2009

O PRIMEIRO OUTORGANTE
A SEGUNDA OUTORGANTE

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade aprovar o clausulado dos protocolos e


autorizar o Senhor Presidente da Câmara Municipal a outorgar nos mesmos.

Ponto 3 – OBRAS DE RESTAURO DA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE


OLIVEIRA DE SAMORA CORREIA – PRIMEIRA FASE – RECTIFICAÇÃO DE
ORÇAMENTO

Entidade: Comissão de Obras de Restauro da Igreja Matriz de Samora Correia


Assunto: Informam que relativamente à deliberação de Câmara de 3 de Agosto de
2009, no que concerne ao valor da proposta relativa à execução do “Varrimento Laser
Tridimensional” (interior e exterior), o valor é de 29.800 € (vinte e nove mil e oitocentos
euros) e não 27.800 € (vinte sete mil e oitocentos euros), conforme indicado. Mais
referem que aos valores das propostas, quer do “varrimento Laser Tridimensional”,
quer do “Projecto”, acrescem os valores de IVA à taxa legal em vigor, pelo que
solicitam a maior compreensão no sentido de que as diferenças mencionadas sejam
tidas em conta.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade rectificar a deliberação camarária


tomada na reunião ordinária de 03 de Agosto de 2009, devendo ser transferida para a
Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Samora Correia, o valor total de
28.140,00 € (vinte e oito mil, cento e quarenta euros), com IVA incluído, sendo que
17.880,00 € (dezoito mil, oitocentos e oitenta euros) se destinam a comparticipar em
cinquenta por cento, os custos relativos ao varrimento a laser tridimensional e
10.260,00 € (dez mil, duzentos e sessenta euros) à comparticipação, também em
cinquenta por cento, dos encargos com o projecto das obras de restauro da primeira
fase da Igreja Matriz de Samora Correia.

01.05 – Gabinete Jurídico

11
Reunião de 2009-09-14

Ponto 4 - LEGISLAÇÃO SÍNTESE COM INTERESSE PARA A AUTARQUIA


PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ENTRE 10 E 16 DE SETEMBRO E
RESPECTIVAS UNIDADES ORGÂNICAS MUNICIPAIS A QUEM A MESMA
INTERESSA:

Informação G.J. n.º 217/2009, de 09 de Setembro

Lei n.º 96/2009, publicada no Diário da República, 1.ª Série, datado de 03 de


Setembro de 2009: conselhos de empresas europeus (GAP; DMAF);

Decreto-Lei n.º 209/2009, publicado no Diário da República, I.ª Série, datado de 03 de


Setembro de 2009: adapta a Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, com excepção das
normas respeitantes ao regime jurídico da nomeação, aos trabalhadores que exercem
funções públicas na administração autárquica e procede à adaptação à administração
autárquica do disposto no Decreto-Lei n.º 200/2006, de 25 de Outubro, no que se
refere ao processo de racionalização de efectivos (Membros da Câmara; GAJ;
DMAF; DMAGRH; SGRH; SAV; Juntas de Freguesia);

Decreto-Lei n.º 210/2009, publicado no Diário da República, I.ª Série, datado de 03 de


Setembro de 2009: estabelece o regime de constituição, gestão e funcionamento do
mercado organizado de resíduos (DMOUASU; Sector Ambiente; Vereador Manuel
dos Santos);

Decreto-Lei n.º 212/2009, publicado no Diário da República, I.ª Série, datado de 03 de


Setembro de 2009: estabelece o regime de contratação de técnicos que asseguram o
desenvolvimento das actividades de enriquecimento curricular (AEC) no 1.º ciclo do
ensino básico nos agrupamentos de escolas da rede pública (Vereador Carlos
Coutinho; DMAF; DMAGRH; DMCET; SASE);

Lei n.º 98/2009, publicada no Diário da República, 1.ª Série, datado de 04 de


Setembro de 2009: regulamenta o regime de reparação de acidentes de trabalho e de
doenças profissionais, incluindo a reabilitação e reintegração profissionais, nos termos
do artigo 284.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de
Fevereiro (GAJ; DMAF; DMAGRH; SGRH; SAV; SSHST; Juntas de Freguesia);

Decreto Regulamentar n.º 18/2009, publicado no Diário da República, I.ª Série, datado
de 04 de Setembro de 2009: adapta aos serviços da administração autárquica o
sistema integrado de avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP),
aprovado pela Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, e revoga o Decreto
Regulamentar n.º 6/2006, de 20 de Junho (Membros da Câmara; Todos os Serviços
Municipais; Juntas de Freguesia);

Portaria n.º 985/2009, publicada no Diário da República, I.ª Série, datado de 04 de


Setembro de 2009: aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à
Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do
Emprego e Formação Profissional, I. P., e regulamenta os apoios a conceder no seu
âmbito (GAP);

Lei n.º 100/2009, publicada no Diário da República, 1.ª Série, datado de 07 de


Setembro de 2009: altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas
Singulares, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-A/88, de 30 de Novembro, e o Código
do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas, aprovado pelo Decreto-Lei
n.º 442-B/88, de 30 de Novembro, por forma a criar um regime de tributação das
indemnizações por cessação de funções ou por rescisão de um contrato antes do

12
Reunião de 2009-09-14

termo auferidas por administradores, gestores e gerentes de pessoas colectivas


residentes em território português (DMAF; SC);

Portaria n.º 987/2009, publicada no Diário da República, I.ª Série, datado de 07 de


Setembro de 2009: aprova o modelo da declaração recapitulativa a que se referem a
alínea i) do n.º 1 do artigo 29.º do Código do IVA e a alínea c) do n.º 1 do artigo 30.º do
Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias e as respectivas instruções de
preenchimento (DMAF; SC; Juntas de Freguesia);
Portaria n.º 988/2009, publicada no Diário da República, I.ª Série, datado de 07 de
Setembro de 2009: aprova o novo modelo da declaração periódica de IVA a que se
refere a alínea c) do n.º 1 do artigo 29.º do Código do IVA e respectivas instruções de
preenchimento (DMAF; SC; Juntas de Freguesia);

Lei n.º 101/2009, publicada no Diário da República, 1.ª Série, datado de 08 de


Setembro de 2009: estabelece o regime jurídico do trabalho no domicílio (DMAF;
DMAGRH; SGRH; GAJ);

Portaria n.º 1011/2009, publicada no Diário da República, I.ª Série, datado de 09 de


Setembro de 2009: aprova o Código de Contas (DMAF; GGCPO; S. Contabilidade);

02.03 – Divisão Municipal da Gestão de Recursos Humanos

02.03.02 – Secção de Gestão de Recursos Humanos

PROPOSTA

Ponto 5 - PROPOSTA DE ABERTURA DE PROCEDIMENTOS CONCURSAIS


COMUNS PARA OCUPAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO DE ASSISTENTE
OPERACIONAL DA CARREIRA DE ASSISTENTE OPERACIONAL

“Considerando:

- A cessação de contratos de trabalho, a termo resolutivo certo e por tempo


indeterminado, nos postos de trabalho abaixo indicados;
- O facto de todos eles consubstanciar, presentemente, necessidades permanentes de
serviço;
- A competência actualmente atribuída ao órgão executivo dos municípios pelo
Decreto-Lei n.º 209/2009, de 3 de Setembro (adapta à Administração Local a Lei n.º
12-A/2008, de 27 de Fevereiro - Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações), para
deliberar sobre a promoção de recrutamento de trabalhadores necessários à ocupação
dos postos de trabalho;

Proponho, ao abrigo da competência que me é conferida pela alínea a) do n.º 2


do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, a abertura de doze
procedimentos concursais comuns, para a ocupação de dezasseis postos de
trabalho, tendo em conta a actual dispensa da obrigatoriedade de consulta à
ECCRC, prevista no n.º 1 do art. 4.º da Portaria n.º 83-A/2009, de 22 de Janeiro,
nos seguintes termos:

1- Conteúdo funcional - Funções de natureza executiva, de carácter manual ou


mecânico, enquadradas em directivas gerais bem definidas e com graus de
complexidade variáveis;
Execução de tarefas de apoio elementares, indispensáveis ao funcionamento dos
órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico;

13
Reunião de 2009-09-14

Responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela sua correcta utilização,
procedendo, quando necessário, à manutenção e reparação dos mesmos.

1.1 - Descrição sumária das funções – Dois postos de trabalho para execução de
alvenaria de pedra, tijolo ou blocos de cimento, rebocos, assentamento de manilhas,
tubos e cantarias, montagem e desmontagem de estruturas de natureza diversa, e
outros trabalhos similares ou complementares dos descritos;
Um posto de trabalho para soldar portas, fechaduras, peças de veículos, reparação
de secretárias e outras peças afins, reparação e montagem de redes, balouços e
outros equipamentos escolares;
Um posto de trabalho para condução de veículos de elevada tonelagem, proceder ao
transporte de mercadorias e materiais operar cargas e descargas e conduzir, quando
necessário, veículos ligeiros;
Um posto de trabalho para colocação ou substituição de sinais de trânsito, pintura de
pavimentos e de placas toponímicas, bem como outros trabalhos similares ou
complementares dos descritos;
Um posto de trabalho para proceder à remoção de lixos e equiparados de grande
porte, abandonados na via pública;
Dois postos de trabalho para proceder à recolha de resíduos sólidos e urbanos na
via pública;
Dois postos de trabalho para conduzir e manobrar tractores, compreendendo
também o transporte de materiais, podendo executar outro tipo de tarefas mais
específicas;
Dois postos de trabalho para proceder à condução de máquinas pesadas de
movimentação de terras, ou gruas, ou veículos destinados à limpeza urbana ou
recolha de lixo, bem como manobrar sistemas hidráulicos ou mecânicos
complementares das viaturas;
Um posto de trabalho para a condução de viaturas ligeiras para transporte de
pessoas e bens, tendo em atenção a segurança dos utilizadores e doe bens, bem
como para cuidar da manutenção das viaturas que lhe foram distribuídas e de receber
e entregar expediente ou encomendas;
Um posto de trabalho para assegurar a manutenção e conservação dos espaços
verdes, jardins e parques infantis neles implantados, para zelar pela conservação dos
equipamentos a seu cargo e executar outras tarefas que no âmbito das suas
atribuições lhe sejam superiormente solicitadas;
Um posto de trabalho para proceder à remoção de lixos e equiparados, varredura e
limpeza de ruas, remoção de lixeiras e extirpação de ervas;
Um posto de trabalho para assegurar a limpeza das instalações municipais e
confeccionar e servir as refeições dos trabalhadores que almoçam nos estaleiros de
Benavente e Samora Correia.

2- Modalidade de constituição da relação jurídica – A relação jurídica é constituída


por contrato de trabalho em funções públicas, por tempo indeterminado.

3- Condições de Admissão:
- Preencher os requisitos gerais de admissão previstos no art. 8.º da Lei n.º 12-
A/2008, de 27 de Fevereiro;
- Titularidade da escolaridade obrigatória;
- Titularidade de carta de condução adequada, nos procedimentos que visem a
condução de veículos;
- Titularidade de carta de qualificação de motorista, nos procedimentos em que
é exigida carta de condução tipo “C”, emitida após 9 de Setembro.

4- Métodos de selecção - Atento o carácter urgente dos procedimentos, com vista à


prossecução das actividades constantes dos postos de trabalho enunciados, nos

14
Reunião de 2009-09-14

termos do previsto nos nºs 3 e 4 do art. 53.º da Lei n.º 12-A/2008,de 27 de Fevereiro, e
nos nºs 1 e 2 do art. 6.º da Portaria n.º 83-A/2009, de 22 de Janeiro, propõe-se, em
todos os procedimentos, a adopção de apenas um método de selecção obrigatório –
prova prática de conhecimentos específicos e um método de selecção facultativo -
Entrevista Profissional de Selecção (EPS).

5- Composição do júri:
Presidente – Mário Jorge Cardoso Barcelos, director do Departamento Municipal de
Obras, Urbanismo, Ambiente e Serviços Urbanos;
Vogais efectivos – Hermínio Nunes da Fonseca, director do Departamento Municipal
Administrativo e Financeiro e Palmira Alexandra de Carvalho Morais Alexandre
Machado, chefe da Divisão Municipal de Gestão Administrativa e de recursos
Humanos;
Vogais suplentes – António Manuel Vieira Pereira, encarregado operacional e Maria
Teodora da Cruz Gonçalves, coordenadora técnica da Secção de Gestão de Recursos
Humanos

6- Local de trabalho – área do Município de Benavente

Mais proponho que a deliberação a tomar seja aprovada em minuta nos termos dos
n.os 3 e 4 do art. 92.º da Lei n.º 169/99, de 18/09.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade, nos termos do n.º 1 do art. 9.º do Dec-
Lei n.º 209/2009, de 3 de Setembro, promover o recrutamento de trabalhadores para
ocupação dos postos de trabalho em causa, devendo os respectivos procedimentos
concursais observar os termos e condições constantes da presente proposta do
Senhor Presidente da Câmara Municipal.
A presente deliberação foi aprovada em minuta, nos termos dos n.os 3 e 4 do art. 92.º
da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro.

A CONHECIMENTO

Ponto 6 - RENOVAÇÃO DE CONTRATOS A TERMO RESOLUTIVO

Despacho n.º 467/2009

A Câmara tomou conhecimento do despacho exarado pelo Sr. Vice-Presidente da


Câmara, em 3 de Setembro de 2009, cujo teor se transcreve:

“Considerando que:

- Se torna necessário assegurar a limpeza das escolas pré-primárias, bem como dos
equipamentos públicos, nomeadamente, os Pavilhões Gimnodesportivos de
Benavente, Samora Correia e Porto Alto;

- Se mantém a necessidade de se proceder à abertura de caboucos nas pequenas


obras de recuperação de lancilagem nos passeios do concelho;

- Se impõe a necessidade de conservação do equipamento do parque de máquinas,


de modo a que as viaturas e máquinas actualmente ao serviço se mantenham em
perfeitas condições, tendo em conta o acréscimo elevado do serviço nesta época do
ano;

15
Reunião de 2009-09-14

- Existe a necessidade de proceder à remoção de lixos das ruas e sarjetas e


extirpação de ervas, bem como à limpeza de valas, valetas e caminhos municipais;

- É necessário proceder a trabalhos de reparação e manutenção da frota de viaturas


municipais e equipamentos do Concelho;

- O pessoal actualmente ao serviço da Câmara Municipal não consegue responder a


tais necessidades.
Determino, no uso da competência conferida pela alínea a) do n.º 2 do art. 68.º da Lei
n.º 169/99, de 18 de Setembro, e ao abrigo do disposto nos artigos 103.º e 104.º do
Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, aprovado pela Lei n.º 59/2008,
de 11 de Setembro, que se proceda à renovação dos contratos a termo resolutivo,
com os seguintes trabalhadores:

Maria Dália Miranda de Oliveira Lopes – assistente operacional, posição 1, nível


1, remuneração de 450,00 €, com início a 2009.10.17 até 2010.08.16;

José Vicente Domingos Gouveia – assistente operacional, posição 1, nível 1-4,


remuneração de 470,29 €, com início a 2009.10.07 até 2010.04.06;

Carlos Eugénio Brardo Ferreira Almeida – assistente operacional, posição 1,


nível 1-1, remuneração de 487,46 €, com início a 2009.10.07 até 2010.10.06;

José Casimiro dos Santos Perinhas – assistente operacional, posição 1, nível 1-


4, remuneração de 470,29 €, com início a 2009.10.28 até 2010.04.27;

Taras Pavlyuk – assistente operacional, posição 1, nível 1-4, remuneração de


470,29 €, com início a 2009.10.28 até 2010.04.27;

Ernestino Manuel Vicente Antunes – assistente operacional, posição 4, nível 4-2,


remuneração de 648,80 €, com início a 2009.10.28 até 2010.04.27;

Nuno José Silva Vasco – assistente operacional, posição 1, nível 1, remuneração


de 450,00 €, com início a 2009.10.17 até 2010.08.16;

Mais determino, que o serviço de contabilidade verifique se existe disponibilidade


orçamental, a fim de se poder cabimentar as renovações nas rubricas antes oneradas
pelo contrato agora renovado, já que nos termos do n.º 4 do art. 104.º do mesmo
diploma legal, se considera um único contrato, aquele que seja objecto de renovação.”

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA NA ORDEM DO DIA

CELEBRAÇÃO DE CONTRATO DE AVENÇA / TECNOLOGIAS DA


COMUNICAÇÃO

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos colegiais, a Lei n.º 169/99, de
18 de Setembro, estabelece no seu artigo 83.º, uma regra e uma excepção.

Assim:

- A regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia distribuída a todos os membros do órgão com
a antecedência mínima de dois dias úteis sobre a data da reunião.

16
Reunião de 2009-09-14

- A excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- A necessidade urgente de se proceder à realização de trabalhos de tecnologia


da comunicação.

Proponho que seja introduzido na ordem do dia o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara Municipal


António José Ganhão

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

PROPOSTA

Ponto Extra 1 - CELEBRAÇÃO DE CONTRATO DE AVENÇA / TECNOLOGIAS DA


COMUNICAÇÃO

“Considerando que:

- É necessário proceder ao desenvolvimento de alguns trabalhos na área da


comunicação multimédia, à elaboração de algumas news letters com reconhecido
interesse municipal, bem como à elaboração de vídeos - sua montagem e edição,
especialmente de situações e acontecimentos marcantes, quer para o município, quer
para as respectivas populações locais;
- Se entende que os referidos trabalhos só podem ser promovidos por técnicos com
qualificação na área das tecnologias da comunicação;
- A satisfação de tais necessidades deverá depender da celebração de contrato de
avença, considerando-se inconveniente o recurso a qualquer modalidade da relação
jurídica de emprego público;
- De acordo com as disposições conjugadas da alínea b) do n.º 2 e do n.º 4, ambos do
art. 35.º da Lei n.º 12-A/2009, de 27 de Setembro, o trabalho deve, em regra, ser
realizado por pessoa colectiva, podendo, excepcionalmente, quando se comprove ser
impossível ou inconveniente, no caso, o recurso a pessoa colectiva, celebrar-se
contrato de avença com pessoa singular;
- O técnico, Hugo Miguel Firmino Clarimundo, no âmbito de estágio profissional que
realizou na Câmara Municipal de Benavente, revelou grande aptidão para a utilização
de tecnologias da comunicação, face à formação académica que possui nessa área, e,
simultaneamente, uma percepção clara relativamente aos objectivos que pautam, em
cada trabalho realizado, a utilização de tais tecnologias;
- O recurso à contratação de pessoa colectiva para a realização de tais trabalhos
seria, reconhecidamente, inconveniente quer por se tratar de um procedimento mais
moroso, até pelo desconhecimento de existência de pessoas colectivas nesta área,
quer pelo desconhecimento da aptidão e do perfil do técnico que viesse a realizar os
trabalhos em causa, quer, ainda, por questões de custos, sendo, seguramente, uma
opção mais onerosa;

17
Reunião de 2009-09-14

- Nos termos do art. 6.º do Decreto-Lei n.º 209/2009, de 3 de Setembro, a celebração


de contratos de avença com pessoas singulares, nas condições excepcionais acima
referidas, depende, actualmente, de deliberação favorável do órgão executivo;
- Na celebração de contratos de avença deve, ainda, ser observado o regime legal da
aquisição de serviços;
- Nos termos da alínea a) do n.º 1 do art. 20.º do Código dos Contratos Públicos
(CCP), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro, quando a prestação
de serviços for de valor inferior a € 75000, o tipo de procedimento a adoptar é o ajusto
directo.
Proponho, ao abrigo da competência que me é conferida pela alínea a) do n.º 2 do art.
68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro e nos termos das disposições acima
mencionadas, que:

- O procedimento a adoptar para a aquisição do serviço seja o ajusto directo, na


modalidade de avença;
- Que o contrato seja celebrado pelo período de seis meses, podendo ser tacitamente
prorrogado até ao limite de três anos, se tal se mostrar conveniente;
- O preço base seja de € 1100 mensais;
- Ao abrigo da excepção legalmente prevista, nos termos dos arts. 112.º e n.º 1 do art.
113.º, ambos do C.C.P., seja convidado o técnico, Hugo Miguel Firmino Clarimundo, a
apresentar proposta no prazo de cinco dias úteis, contados da recepção do convite e
do caderno de encargos.

Mais proponho que a deliberação a tomar seja aprovada em minuta nos termos dos
n.ºs 3 e 4 do art. 92.º da Lei n.º 169/99, de 18/09.

Paços do Município de Benavente, 11 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara Municipal


António José Ganhão

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade proceder ao ajuste directo, nos termos e


condições propostos pelo Senhor Presidente da Câmara Municipal.
A presente deliberação foi aprovada em minuta, nos termos dos n.os 3 e 4 do art. 92.º
da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro.

02.04 – Divisão Municipal de Gestão Financeira

02.04.01 – Secção de Contabilidade

Ponto 7 - RESUMO DIÁRIO DA TESOURARIA (SC-9)

Presente o documento em epígrafe, com o número cento e setenta e cinco, referente


ao último dia útil anterior ao da reunião, que acusava os seguintes saldos:
Em numerário: cinco mil, cento e dois euros e trinta e nove cêntimos, sendo quatro mil,
oitocentos e oitenta e três euros e nove cêntimos em dinheiro e duzentos e dezanove
euros e trinta cêntimos em cheques.

Depositado à ordem:
C.G.D – Benavente
Conta - 003501560000009843092 – duzentos e oito mil, seiscentos e cinco euros e
setenta e um cêntimos;

18
Reunião de 2009-09-14

C.G.D – Benavente
Conta - 003501560000280563011 – noventa mil, quatrocentos e noventa e um euros e
oitenta e um cêntimos;
C.G.D – Benavente
Conta - 003501560000061843046 – seiscentos e quarenta e sete mil, onze euros e
trinta e quatro cêntimos;
C.G.D – Benavente
Conta - 003501560001496353057 – dez mil, duzentos e vinte euros;
C.G.D – BNU
Conta - 003521100001168293027 – dois mil, oitocentos e quatro euros e vinte e três
cêntimos;
B.C.P. – Benavente
Conta - 003300000005820087405 – seis mil, trezentos e oitenta e quatro euros e
setenta e oito cêntimos;
BNC – Samora Correia
Conta - 004602561087080018636 – cinco mil, trezentos e noventa e sete euros e
trinta cêntimos;
CCAM – Samora Correia
Conta - 004552804003737040413 – três mil, duzentos e um euros e quarenta e cinco
cêntimos;
CCAM – Santo Estêvão
Conta - 004552814003724462602 – quatro mil, setecentos e setenta e sete euros e
sessenta e três cêntimos;
CCAM – Benavente
Conta - 004550904010946923865 – cinco mil, seiscentos e cinquenta e oito euros e
trinta e nove cêntimos;
BES – Benavente
Conta - 000703400000923000754 – dez mil, cinquenta e oito euros e noventa e um
cêntimos;
BPI – Samora Correia
Conta - 002700001383790010130 – quatro mil, novecentos e onze euros e setenta e
nove cêntimos;
Banco Santander Totta, SA
Conta - 001800020289477400181 – doze mil, setecentos e sessenta e seis euros e
vinte e seis cêntimos.

Depositado a prazo:
Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, CRL
Conta – 004533014423738287965 – Benavente-C – quinhentos mil euros.

Num total de disponibilidades de um milhão, quinhentos e vinte e três mil, setecentos e


dezasseis euros e noventa e nove cêntimos, dos quais setecentos e oitenta e cinco
mil, oitocentos e trinta e dois euros e vinte e quatro cêntimos são de Operações
Orçamentais e setecentos e trinta e sete mil, oitocentos e oitenta e quatro euros e
setenta e cinco cêntimos de Operações Não Orçamentais.

O saldo em documentos é de sessenta e um mil, oitocentos e sessenta e seis euros e


sessenta e seis cêntimos.

O SENHOR PRESIDENTE referiu, que caso já tivessem sido pagos à Câmara


Municipal, os autos de medição referentes à construção dos Centros Escolares, o
saldo decerto rondaria os dois milhões e duzentos mil euros.

19
Reunião de 2009-09-14

02.04.04 – Secção de Património

Ponto 8 - AQUISIÇÃO DE PARCELA DE TERRENO SITA NA LEZÍRIA DOS


CAVALOS EM BENAVENTE

Informação N. º 0741/2009, de 08-09

1 – Em reunião ordinária da Câmara Municipal realizada em 2006-06-19, foi presente


uma carta de Maria da Conceição Gonçalves Agria, na qual manifestava a sua
disponibilidade para vender ao Município o prédio rústico sito na Lezíria dos Cavalos,
com a área de 2.400 metros quadrados pelo valor de 15.000,00 €, tendo a deliberação
respectiva sido no sentido de os Serviços técnicos fazerem a avaliação do prédio em
causa, para posterior análise do Executivo;

2 – Foi a avaliação em causa, presente à reunião ordinária da Câmara Municipal de


Benavente realizada em 2007-02-12, tendo sido deliberado por unanimidade adoptar o
critério estabelecido aquando da aquisição do prédio situado na Quinta dos Gatos,
correspondente a 5,00 € /m2, propondo a aquisição da parcela de terreno referenciada
pelo valor de 12.000,00 € (doze mil euros), da deliberação em causa foi dado
conhecimento a proprietária, através do ofício número 01813, de 21 de Fevereiro de
2007;

3 – Não tendo a mesma respondido por escrito, comunicou a proprietária


telefonicamente que não concordava com o valor proposto;

4 – Neste contexto e tendo em causa que o terreno foi intervencionado pelo Município
com a construção de um aterro e um caminho pedonal para ligação da Zona
Ribeirinha aos Camarinhais, sugere-se apresentação de uma contraproposta para
aquisição do mesmo.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O Coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: O SENHOR PRESIDENTE, fazendo o


enquadramento da situação, propôs que a Câmara Municipal apresente uma
contraproposta com o valor de treze mil euros.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade concordar com a proposta do Senhor


Presidente da Câmara Municipal.

Ponto 9 – VENDA JUDICIAL DE FRACÇÃO DE PRÉDIO URBANO SITO NO


CERRADO DO VALVERDE, LOTE 8 EM BENAVENTE

Registo de Entrada N.º 2009/17705, de 12-08

Informação N.º 0742/2009, de 08-09

Vem o Serviço de Finanças de Benavente, através do ofício número 9166, de 2009-


08-10, comunicar nos termos do n.º 7 do art. 249.º do Código de Procedimento e
Processo Tributário, para o caso do Município pretender exercer o direito de
preferência, sobre a fracção “C” correspondente ao primeiro andar direito do prédio
urbano sito no Cerrado do Valverde, lote 8 em Benavente, direito aquele previsto no

20
Reunião de 2009-09-14

n.º 1 do art. 1409.º do Código Civil, se a ele tiver direito, nos termos do art. 10.º do
Decreto n.º 19/2008, de 1/7;

- Neste sentido, entende a Secção de Património que o município deverá apresentar


uma proposta, em carta fechada para adquirir a fracção “C”, constituída pelo primeiro
andar direito do prédio urbano sito no Cerrado do Valverde, lote 8 em Benavente, com
a área bruta privativa de 85,69 metros quadrados e área bruta dependente de 10,70
metros quadrados inscrito na Matriz Predial Urbana da freguesia de Benavente sob o
artigo 2341 “C” e descrito na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o
número 2663 “C” da freguesia de Benavente.
- A proposta a apresentar é dirigida ao Chefe do Serviço de Finanças de Benavente
até às 16 horas do dia anterior ao designado para a venda 20 (vinte) de Setembro de
2009, devendo indicar de forma clara e rigorosa a quantia oferecida, nome do
proponente, morada, n.º de contribuinte e a verba a que a oferta se destina, esclarece-
se de igual modo, que no canto superior esquerdo do envelope deverá indicar-se o
número de processo a que se destina a proposta e a indicação do proponente.

- No acto da venda deverá ser depositada a quantia mínima de 1/3 do preço, e a


restante depositada no prazo de 15 dias, As propostas são abertas no dia 21 de
Setembro de 2009, pelas 10 horas, sendo o valor base para a venda de 29.022,00
€.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O Coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade apresentar proposta para aquisição da


fracção habitacional supra identificada, nos termos e com as formalidades
preconizados na informação n.º 742/2009, de 08 de Setembro que, por fotocópia, fica
arquivada em pasta anexa à presente acta.

Ponto 10 – VENDA JUDICIAL DE FRACÇÃO DE PRÉDIO URBANO SITO NA VILA


DAS AREIAS, LOTE 6 EM BENAVENTE

Registo de Entrada N.º 2009/17707, de 12-08

Informação N.º 0743/2009, de 08-09

Vem o Serviço de Finanças de Benavente, através do ofício número 9138, de 2009-


08-10, comunicar nos termos do n.º 7 do art. 249.º do Código de Procedimento e
Processo Tributário, para o caso do Município pretender exercer o direito de
preferência, sobre a fracção “H” correspondente ao terceiro andar esquerdo do prédio
urbano sito na Vila das Areias, lote 6 em Benavente, direito aquele previsto no n.º 1 do
art. 1409.º do Código Civil, se a ele tiver direito, nos termos do art. 10.º do Decreto n.º
19/2008, de 1/7;

- Neste sentido, entende a Secção de Património que o município deverá apresentar


uma proposta, em carta fechada para adquirir a fracção “H”, constituída pelo terceiro
andar esquerdo do prédio urbano sito na Vila das Areias, lote 6 em Benavente, com a
área bruta privativa de 89,40 metros quadrados e área bruta dependente de 11,00
metros quadrados inscrito na Matriz Predial Urbana da freguesia de Benavente sob o
artigo 4144 “H” e descrito na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o
número 00183 “H” da freguesia de Benavente.

21
Reunião de 2009-09-14

- A proposta a apresentar é dirigida ao Chefe do Serviço de Finanças de Benavente


até às 16 horas do dia anterior ao designado para a venda 21 (vinte e um) de
Setembro de 2009, devendo indicar de forma clara e rigorosa a quantia oferecida,
nome do proponente, morada, n.º de contribuinte e a verba a que a oferta se destina,
esclarece-se de igual modo, que no canto superior esquerdo do envelope deverá
indicar-se o número de processo a que se destina a proposta e a indicação do
proponente.

- No acto da venda deverá ser depositada a quantia mínima de 1/3 do preço, e a


restante depositada no prazo de 15 dias, As propostas são abertas no dia 22 de
Setembro de 2009, pelas 10 horas, sendo o valor base para a venda de 33.593,00
€.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O Coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade apresentar proposta para aquisição da


fracção habitacional supra identificada, nos termos e com as formalidades
preconizados na informação n.º 743/2009, de 08 de Setembro que, por fotocópia, fica
arquivada em pasta anexa à presente acta.

Ponto 11 - EXERCÍCIO DO DIREITO DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO


MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19558, de 09-09


Requerente: Albino Rodrigues Guerra Parracho e Carla Maria de Sousa Pereira
Fernandes Parracho

Informação N. º 0745/2009, de 09-09

Os requerentes, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra


e venda da fracção “D“ correspondente ao primeiro andar esquerdo com uma
arrecadação no sótão e um lugar de estacionamento na cave do prédio urbano em
regime de propriedade horizontal sito na Urbanização da Quinta Nova, lote 35, em
Benavente, solicitam à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda da
fracção “D“ Tipologia T4, do prédio urbano em regime de propriedade horizontal sito
na Urbanização da Quinta Nova, lote 35 em Benavente, com a área coberta de 139,40
metros quadrados, correspondente ao primeiro andar esquerdo com uma arrecadação
no sótão e um lugar de estacionamento na cave e encontra-se descrita na
Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o número 01694-D- da freguesia
de Benavente, e inscrito na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo
4392-D.

Sobre o imóvel supra identificado incide uma hipoteca a favor do BNU e vai ser
vendido pelo valor de 85.000,00 € (oitenta e cinco mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

22
Reunião de 2009-09-14

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa da fracção “D” do prédio identificado na presente informação.

Ponto 12 - EXERCÍCIO DO DIREITO DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO


MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19559, de 09-09


Requerente: Sandra Melo na qualidade de mandatária de Joaquim Raimundo,
Sociedade Imobiliária e Construção Civil Unipessoal, Lda.

Informação N.º 0746/2009, de 09-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda de uma moradia de rés-do-chão e primeiro andar sita na Quinta da Brasileira,
lote 1, em Benavente, solicita à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda de uma
moradia de rés-do-chão e primeiro andar Tipologia T3, sita na Quinta da Brasileira,
lote 1 em Benavente, com a área coberta de 80,00 metros quadrados e descoberta de
120,00 metros quadrados a qual se encontra descrita na Conservatória do Registo
Predial de Benavente sob o n.º 04296 da freguesia de Benavente, e inscrito na Matriz
Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo Provisório P-6662.
Sobre o imóvel supra identificado incide uma hipoteca a favor do BES e um ónus de
não fraccionamento e vai ser vendido pelo valor de 165.000,00 € (cento e sessenta e
cinco mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

23
Reunião de 2009-09-14

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

Ponto 13 - EXERCÍCIO DO DIREITO DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO


MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19560, de 09-09


Requerente: Sandra Melo na qualidade de mandatária de Joaquim Raimundo,
Sociedade Imobiliária e Construção Civil Unipessoal, Lda.

Informação N.º 0746/2009, de 09-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda de uma moradia de rés-do-chão e primeiro andar sita na Quinta da Brasileira,
lote 2, em Benavente, solicita à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:
- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência
conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda de uma
moradia de rés-do-chão e primeiro andar Tipologia T3, sita na Quinta da Brasileira,
lote 2 em Benavente, com a área coberta de 80,00 metros quadrados e descoberta de
120,00 metros quadrados a qual se encontra descrita na Conservatória do Registo
Predial de Benavente sob o n.º 04297 da freguesia de Benavente, e inscrito na Matriz
Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo Provisório P-6663.

Sobre o imóvel supra identificado incide uma hipoteca a favor do BES e um ónus de
não fraccionamento e vai ser vendido pelo valor de 150.000,00 € (cento e cinquenta
mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

24
Reunião de 2009-09-14

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

25
Reunião de 2009-09-14

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 2 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19673, de 10-09


Requerente: Maria de Lurdes Simões Gomes na qualidade de proprietária e de
procuradora de Luís Filipe Cardoso Nunes de Assunção

Informação N.º 0750/2009, de 10-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda de uma casa de r/c e garagem sita na Travessa da Classe Operária, n.º 9 em
Porto Alto, Samora Correia, Município de Benavente, solicita à Câmara Municipal de
Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda de uma
casa de r/c e garagem, tipologia T3, sita na Travessa da Classe Operária, n.º 9, em
Porto Alto, Samora Correia, Município de Benavente, com a área coberta de 98,50
metros quadrados, e descoberta de 127,50 metros quadrados a qual se encontra
descrita na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o número 00471 da
freguesia de Samora Correia, e inscritos na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia
sob o artigo 2956.

Sobre o imóvel supra identificado incide uma hipoteca a favor da Caixa Geral
Depósitos e vai ser vendida pelo valor de 87.500,00 € (oitenta e sete mil e quinhentos
euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

26
Reunião de 2009-09-14

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 3 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19675, de 10-09


Requerente: Ramos & Crespo - Sociedade de Construção e Manutenção Lda.

Informação N.º 0751/2009, de 10-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda da fracção “B“ correspondente ao rés-do-chão esquerdo com uma arrecadação
no sótão do prédio urbano em regime de propriedade horizontal sito na Estrada
Nacional 10 com a Estrada das Fontainhas, lote 21, Porto Alto, Samora Correia,
Município de Benavente, solicita à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

27
Reunião de 2009-09-14

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda da
fracção “B“ Tipologia T4 com uma arrecadação no sótão do prédio urbano em regime
de propriedade horizontal sito na Estrada Nacional 10 com a Estrada das Fontainhas,
lote 21, no Porto Alto em Samora Correia, Município de Benavente, com a área
coberta de 149,56 metros quadrados e descrita na Conservatória do Registo Predial
de Benavente sob o número 03579-B- da freguesia de Samora Correia, e inscrito na
Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo 7502-B.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
87.000,00 € (oitenta e sete mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa da fracção “B do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

28
Reunião de 2009-09-14

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 4 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19676, de 10-09


Requerente: Luciano Pereira Inocêncio – Construções e Urbanizações

Informação N.º 0752/2009, de 10-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda da fracção “D“ correspondente ao primeiro andar direito com logradouro do
prédio urbano em regime de propriedade horizontal sito na Rua José Rato n.º 12 em
Samora Correia, Município de Benavente, solicita à Câmara Municipal de Benavente,
o seguinte:
- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência
conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda da
fracção “D“ Tipologia T3 com logradouro do prédio urbano em regime de propriedade
horizontal sito na Rua José Rato, n.º 12, em Samora Correia, Município de Benavente,
com a área bruta privativa de 91,06 metros quadrados e um logradouro com a área de
20,000 metros quadrados e descrita na Conservatória do Registo Predial de
Benavente sob o número 03519-D- da freguesia de Samora Correia, e inscrito na
Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo 2492-B.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
70.000,00 € (setenta mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

29
Reunião de 2009-09-14

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa da fracção “D do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

30
Reunião de 2009-09-14

Ponto Extra 5 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19677, de 10-09


Requerente: Francisco Ribeiro Martins, Administrador da Insolvência da Samorel

Informação N.º 0755/2009, de 10-09

O requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda da fracção “BD “ correspondente a loja n.º 9 destinada a comércio/indústria ou
serviços do prédio urbano em regime de propriedade horizontal sito na Rua Calouste
Gulbenkian em Samora Correia, Município de Benavente, solicita à Câmara Municipal
de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda da
fracção “ BD“ Tipologia T1 correspondente a loja n.º 9 do prédio urbano em regime de
propriedade horizontal sito na Rua Calouste Gulbenkian, em Samora Correia,
Município de Benavente, com a área coberta de 178,12 metros quadrados e descrita
na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o número 00182-BD- da
freguesia de Samora Correia, e inscrita na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia
sob o artigo 4985-BD.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
67.500,00 € (sessenta e sete mil e quinhentos euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

31
Reunião de 2009-09-14

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa da fracção “BD” do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 6 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19677, de 10-09


Requerente: Francisco Ribeiro Martins, Administrador da Insolvência da Samorel

Informação N.º 0756/2009, de 10-09

O requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda de uma casa térrea sita na Rua Meloal Contrato em Samora Correia, Município
de Benavente, solicita à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda de uma
casa térrea com duas (2) divisões sita na Rua Meloal Contrato, em Samora Correia,
Município de Benavente, com a área coberta de 22,50 metros quadrados e descrita na
Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o número 05903 da freguesia de

32
Reunião de 2009-09-14

Samora Correia, e inscrita na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo
1044.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
8.000,00 € (oito mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:
A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os
assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

33
Reunião de 2009-09-14

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 7 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19677, de 10-09


Requerente: Francisco Ribeiro Martins, Administrador da Insolvência da Samorel

Informação N.º 0756/2009, de 10-09

O requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda de uma casa de rés-do-chão destinado a comércio com garagem e logradouro
sita na Av. Egas Moniz numero 28-28A em Samora Correia, Município de Benavente,
solicita à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da venda de uma
casa de rés-do-chão destinada a comércio com garagem e logradouro sita na Av.
Egas Moniz, n.º 28-28A, em Samora Correia, Município de Benavente, com a área
coberta de 95,00 metros quadrados e com área descoberta de 35,00 metros
quadrados e descrita na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o número
05614 da freguesia de Samora Correia, e inscrita na Matriz Predial Urbana da mesma
freguesia sob o artigo 2782.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
44.000,00 € (quarenta e quatro mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

34
Reunião de 2009-09-14

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.
4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município
de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.
Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 8 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19730, de 10-09


Requerentes: José Luís de Cristo e Silva e Anabela de Almeida da Silva Moreira na
qualidade de procuradora de Marta da Silva Moreira de Oliveira, Pedro Filipe da Silva
Moreira de Oliveira e de João Miguel da Silva Moreira de Oliveira e na qualidade
comproprietária

35
Reunião de 2009-09-14

Informação N.º 0759/2009, de 11-09

Os requerentes, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra


e venda dum lote de terreno para construção urbana situado no Alto do Catalão, em
Porto Alto, Samora Correia, Município de Benavente, solicitam à Câmara Municipal de
Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso dum lote de terreno
para construção urbana situado no Alto do Catalão em Porto Alto, Samora Correia
com a área de 1.702,50 metros quadrados, o qual confronta a Norte com Azinhaga do
Catalão, a Sul com José Carvalho Rocha, a Nascente com José Simões Birrento e a
Poente com Azinhaga do Catalão, descrito na Conservatória do Registo Predial de
Benavente sob o n.º 00288 da freguesia de Samora Correia, e inscrito na Matriz
Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo 9743.

O imóvel supra identificado vai ser vendido livre de ónus ou encargos pelo valor de
85.000,00 € (oitenta e cinco mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.
3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta
pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

36
Reunião de 2009-09-14

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 9 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º19752/2009, de 11-09


Requerente: CHEN JIAN E ZHOU YI

Informação N.º 0760/2009, de 11-09

Os requerentes, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra


e venda da moradia constituída por rés-do-chão e primeiro andar e logradouro do
prédio urbano sita no Belo Jardim lote C1 em Samora Correia, Município de
Benavente, solicitam à Câmara Municipal de Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso, da moradia
constituída por rés-do-chão, e primeiro andar e logradouro com a área coberta de
179,87 metros quadrados, e com a área descoberta de 270,13 metros quadrados, o
que perfaz a área total de 450,00 metros quadrados do prédio urbano sito no Belo
Jardim, lote C1 em Samora Correia, Município de Benavente, descrita na
Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o n.º 04252 da freguesia de
Samora Correia, e inscrita na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo
8329.

Sobre o imóvel supra identificado incide uma hipoteca a favor do Banco Internacional
de Credito, SA, e vai ser vendida pelo valor de 198.000,00 € (cento e noventa e oito
mil euros).

- Em face do exposto, cumpre informar:

37
Reunião de 2009-09-14

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.

4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município


de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO AO MUNICÍPIO


DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

38
Reunião de 2009-09-14

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 10 - EXERCÍCIO DO DIREITO LEGAL DE PREFERÊNCIA CONFERIDO


AO MUNICÍPIO DE BENAVENTE NO ÂMBITO DO DECRETO N.º 19/2008, DE 01/07

Registo de Entrada N.º 2009/19866, de 14-09


Requerentes: Rute Cardoso da Costa Baptista Pato, na qualidade de mandatária de
João Bento de Oliveira – Construções e Imobiliária, Lda.

Informação N.º 0762/2009, de 14-09

A requerente, tendo em vista a instrução do processo relativo à escritura de compra e


venda dum lote de terreno para construção urbana situado no arruamento à Av. Egas
Moniz em Samora Correia, Município de Benavente, solicita à Câmara Municipal de
Benavente, o seguinte:

- Que o Município de Benavente se pronuncie sobre o direito legal de preferência


conferido ao Município de Benavente na alienação a titulo oneroso dum lote de terreno
para construção urbana situado no arruamento à Av. Egas Moniz em Samora Correia
com a área de 2390,00 metros quadrados, o qual a Norte com João Bento de Oliveira
– Construções e Imobiliária Lda., a Sul com arruamento à Av. Egas Moniz, a Nascente
com Maria do Céu da Silva Oliveira e a Poente com Paulo da Costa Baptista, descrito
na Conservatória do Registo Predial de Benavente sob o n.º 1556 da freguesia de
Samora Correia, e inscrito na Matriz Predial Urbana da mesma freguesia sob o artigo
9432.

Sobre o imóvel supra identificado incide um ónus de não fraccionamento e uma


hipoteca a favor da CCAM de Salvaterra de Magos e vai ser vendido pelo valor de
100.000,00 € (cem mil euros).

A título informativo, cumpre informar que o Executivo em sua reunião ordinária


realizada no dia 07 de Setembro de 2009, deliberou por unanimidade renunciar
ao direito de preferência nos termos do artigo 10.º, n.º 3 do Decreto 19/2008, de 1
de Julho, quanto à transmissão onerosa do prédio identificado na presente
informação (pelo valor de 115.000,00 €).

- Em face do exposto, cumpre informar:

1 – Nos termos previstos no n.º 3, do art.10.º do Decreto n.º 19/2008, de 1/7, diploma
que criou um regime de medidas preventivas ao abrigo do art. 7.º do Decreto-Lei n.º
794/76, de 5 de Novembro, na zona do Campo de Tiro de Alcochete, onde se encontra
prevista a construção do novo aeroporto de Lisboa, e nas áreas circundantes, é
concedido o direito de preferência aos municípios, nos termos previstos no n.º 1,
relativamente a transmissões na área da zona 10, exterior às zonas de 1 a 9.

2 – O prédio em causa encontra-se inserido na zona 10, exterior às zonas de 1 a 9, e


que, ao abrigo do n.º 4 do art. 10.º do Decreto n.º 19/2008, de 01/07, e nos termos dos
artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 862/76, de 22 de Dezembro, a comunicação pelos
particulares da transmissão a titulo oneroso sujeita a direito de preferência é dirigida
ao município onde se localizam os terrenos ou edifícios objectos de transmissão.

39
Reunião de 2009-09-14

3 – Assim, a comunicação ora apresentada, enquadra-se na obrigação legal imposta


pelo n.º 4 do art.10.º do diploma.
4 – No caso concreto, uma vez que é concedido o direito de preferência ao Município
de Benavente relativamente à transmissão, submete-se à consideração superior a
decisão quanto ao eventual exercício do direito.

À consideração superior do senhor Director do DMAF.

O coordenador Técnico,
António Teixeira da Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade renunciar ao direito de preferência nos


termos do artigo 10.º, n.º 3, do Decreto n.º 19/2008, de 1 de Julho, quanto à
transmissão onerosa do prédio identificado na presente informação.

02.04.05 – Secção de Taxas e Licenças

Ponto 14 - CONCESSÃO DE LICENÇA ESPECIAL DE RUÍDO / DESPACHO A


RATIFICAÇÃO

Processo n.º 52/2009 – reg.º 19102, de 03.09


Requerente – Manuel Mendes e Filhos, Lda.
Localização – Rua Vasco da Gama/Jardim do Lago - Benavente
Assunto – Solicita nos termos do disposto no n.º 2 art. 15.º do Regulamento Geral do
Ruído, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro, se digne conceder-lhe
licença especial de ruído, para exercer a seguinte actividade ruidosa de carácter
temporário:

Tipo de actividade:
- Actividade Musical – Música ao Vivo;

Local/Percurso:
- Rua Vasco da Gama/Jardim do Lago – Benavente;

Datas/horário:
- Dias 4, 5 e 6 de Setembro de 2009;
- Das 22.00H às 2.00 horas (Com música ao vivo e até às 3.00 horas com
música ambiente)

Informação da Secção de Taxas e Licenças de 03.09.2009


Processo devidamente instruído, devendo ser submetido a ratificação da Câmara.

Fernando Rodrigues – Coordenador Técnico

Teor do despacho do Sr. Presidente da Câmara, datado de 03-09-2009


“Deferido. A ratificação da Câmara”.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade ratificar o despacho do Senhor


Presidente da Câmara Municipal.

Ponto 15 – CONCESSÃO DE LICENÇA ESPECIAL DE RUÍDO / DESPACHO A


RATIFICAÇÃO

40
Reunião de 2009-09-14

Processo n.º 53/2009, de 08.09 – reg.º 19467, de 08.09


Requerente – Isabel Alexandra Duarte Cardoso, gerente do Bar do Concelho
Unipessoal, Lda.
Localização – Bar do Concelho Unipessoal, Lda.
Assunto – Solicita nos termos do disposto no n.º 2 art. 15.º do Regulamento Geral do
Ruído, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro, se digne conceder-lhe
licença especial de ruído, para exercer a seguinte actividade ruidosa de carácter
temporário:

Tipo de actividade:
- Música ao vivo;

Local/Percurso:
- Bar do Concelho – Rua 25 de Abril, 2 – Samora Correia;
Datas/horário:
- Dias 12 e 13 de Setembro de 2009;
- Das 22.00H do dia 12.09 às 02.00H do dia 13.09.2009.

Informação da Secção de Taxas e Licenças de 08.09.2009

“O processo encontra-se devidamente instruído, cumprindo todas as disposições


legais e regulamentares, para que a mesma possa ser objecto de deferimento.
Contudo deve ser submetido a ratificação da Câmara Municipal”.

O Assistente Técnico,
- Joaquim Miguel Clarimundo -

Relativamente a este assunto, foi pelo Senhor Presidente da Câmara, emitido no dia
08 de Agosto de 2009, o seguinte despacho, o qual se submete a ratificação da
Câmara Municipal.

Teor do despacho:
“Deferido. A ratificação da Câmara”.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade ratificar o despacho do Senhor


Presidente da Câmara Municipal.

Ponto 16 – AUTORIZAÇÃO PARA INSTALAÇÃO DE ROULOTTE

Registo de entrada n.º 19467, de 07.09


Requerente – Paola Segundo Ferreira

Exposição do pedido

“Requer a V. Exa. autorização para a colocação de uma roulotte com carácter


definitivo para a venda de hambúrgueres, bifanas, cachorros, bebidas e outros junto
aos serviços da Segurança Social de Samora Correia (Centro Escolar), ou um outro
qualquer local a designar pela Câmara”.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade retirar o presente ponto da ordem do


dia, por falta de documentação.

Ponto 17 – ALARGAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

41
Reunião de 2009-09-14

Registo de entrada n.º 19132, de 03-09-2009


Requerente – Farmácia Baptista

“Na qualidade de Directora Técnica da Farmácia Baptista, sita na Av. Dr. Francisco
Sousa Dias n.º 5, em Benavente, e em sequência da anterior comunicação Ref. FB-
004.2009 de 1 de Abril de 2009, comunico que a Farmácia Baptista inicia em
Setembro o funcionamento aos domingos, no horário diário já praticado de segunda a
sábado, ou seja, das 9.00 horas às 22.00 horas.
Esta medida encontrava-se já prevista nos objectivos da política de qualidade desta
Farmácia, no sentido de disponibilizar os seus serviços à população de Benavente que
utiliza o serviço de SAP do seu Centro de Saúde aos domingos e feriados e que, a
partir desta data, pode também utilizar a sua farmácia no aviamento das prescrições
médicas de urgência.
Informamos ainda que continuamos a trabalhar no sentido de, num futuro próximo,
podermos servir os nossos utentes no período nocturno, ou seja, das 22.00 às 9.00
horas”.

«A Câmara Municipal tomou conhecimento.»

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

LICENÇA DE INSTALAÇÃO E FUNCONAMENTO DE RECINTO IMPROVISADO

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 11 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 11 - LICENÇA DE INSTALAÇÃO E FUNCONAMENTO DE RECINTO


IMPROVISADO

42
Reunião de 2009-09-14

Processo n.º 10/2009, de 25.08 – reg.º 18410


Requerente – Liga Portuguesa Contra o Cancro – Um Dia Pela Vida
Localização – Rua Vasco Gama - Quinta Rebelo - Benavente
Assunto – “Solicita, nos termos do disposto no art. 19.º do Decreto-Lei n.º 309/2002,
de 16 de Dezembro, licença de instalação e funcionamento do RECINTO
IMPROVISADO, para a realização de actividade musical/música ao vivo em
palco/palanque a instalar na Rua Vasco Gama - Quinta Rebelo – freguesia e Município
de Benavente, nos dias 12 e 13 de Setembro de 2009, das 17.00 horas às 04.00
horas.”

Relativamente a este assunto, foi pelo Senhor Presidente da Câmara, emitido no dia
11 de Setembro de 2009, o seguinte despacho, o qual se submete a ratificação da
Câmara Municipal.

Teor do despacho:
“Defiro o pedido. Nas condições expressas no auto de vistoria, datado de 11-09-2009”.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade ratificar o despacho do Senhor


Presidente da Câmara Municipal.

02.05 – Gabinete de Gestão e Controle do Plano e Orçamento

Ponto 18 – II REVISÃO AO ORÇAMENTO E ÀS GRANDES OPÇÕES DO PLANO

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: O SENHOR PRESIDENTE explicou os documentos


por cada rubrica objecto de Revisão Orçamental e às Grandes Opções do Plano (PPI
e AMR), no que concerne a verbas novas e reforços.

O SENHOR VEREADOR ANTÓNIO NEVES, embora não tendo dúvidas nas boas
contas da Câmara Municipal, questionou o motivo da diferença entre o reforço
proveniente da DGAL para o Gabinete Técnico Florestal (onze mil, seiscentos e
sessenta e sete euros), e a transferência a efectuar para a Câmara Municipal de
Coruche (nove mil, quinhentos e vinte euros).
Referiu, que apenas teme que o futuro Gabinete Técnico Florestal venha a reivindicar
o valor em causa como seu na totalidade, colocando, assim, a Câmara Municipal em
situação de incumprimento.

O SENHOR PRESIDENTE afirmou que o critério anteriormente utilizado, era o da


transferência da verba directamente para o Gabinete Técnico intermunicipal. No
entanto, foi entendimento do Senhor Secretário de Estado que a transferência deveria
ser efectuada mediante verbas Câmara a Câmara.
Esclareceu, que se encontra contratualizado no momento, que o Gabinete em
Coruche é intermunicipal, sendo da responsabilidade das três Câmaras Municipais
(Benavente, Salvaterra de Magos e Coruche), todas as despesas com a técnica que
ali se encontra a prestar serviço e com a logística necessária para a apoiar, até
tomada de decisão em contrário.
Acrescentou, que a verba de nove mil, quinhentos e vinte euros constitui a parte que a
Câmara Municipal de Benavente terá de entregar ao Gabinete, desconhecendo se a
mesma será ou não suficiente.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade aprovar as propostas do Senhor


Presidente respeitantes à II Revisão Orçamental e à II Revisão das Grandes Opções
do Plano (PPI e AMR) que, depois de rubricadas e por fotocópia, ficam apensas à

43
Reunião de 2009-09-14

presente acta, e remeter as mesmas à discussão e eventual aprovação da Assembleia


Municipal, nos termos da alínea b) do n.º 2 do art. 53.º da Lei n.º 169/99, de 18/09.

03 – Departamento Municipal de Obras, Urbanismo, Ambiente e Serviços


Urbanos

03.02 – Divisão Municipal de Obras Municipais

03.02.01 – Sector de Obras Municipais

Ponto 19 - PEDIDO DE CEDÊNCIA DE MATERIAIS

Requerente: Isolinda Maria Silva Joaquim


Local: Rua dos Agricultores, 106 – Barrosa

Após um incêndio ter consumido a sua habitação, a requerente formulou um pedido


de ajuda, na sequência do qual foram cedidos materiais para construir um novo lar. O
material cedido foi aplicado com o acompanhamento dos técnicos da Câmara. Em
horário de atendimento, a requerente veio mais uma vez junto do Sr. Presidente da
Câmara, solicitar mais alguns materiais para a conclusão da obra. Assim, para
cumprimento de directrizes Superiores, vem o Sector de Estudos e Projectos elaborar
orçamento dos custos dos materiais atrás referidos, para que o Executivo camarário
possa deliberar.

ESTIMATIVA ORÇAMENTAL

Preço
Material Quant. Un Valor
unit.
Cimento (sacos de 35 kg) 98,00 un € 2,75 € 269,50
Areia fina amarela (10 m3) 16,00 ton € 10,00 € 160,00
Areia do rio lavada (5 m3) 27,00 ton € 9,00 € 243,00
Tijolo cerâmico furado 30x20x11 500,00 un € 0,17 € 85,00
Total € 757,50

Importa a presente estimativa de custos para a cedência de material em € 757,50


(setecentos e cinquenta e sete euros e cinquenta cêntimos), ao qual acresce o IVA à
taxa legal em vigor.

2009-09-02

Pelo Sector de Estudos e Projectos


Mário Fernando Oliveira Rosa

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade ceder os materiais discriminados na


estimativa orçamental em apreço.

Ponto 20 - PARQUE INFANTIL NA URBANIZAÇÃO DA QUINTA DAS CEGONHAS,


EM SAMORA CORREIA
TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA A JUNTA DE FREGUESIA

Entidade: Junta de Freguesia de Samora Correia

44
Reunião de 2009-09-14

A Junta de Freguesia de Samora Correia, através do ofício n.º 621, de 2009-08-27


(registo de entrada em 2009-09-09 com o n.º 19267) informa que em relação ao
assunto mencionado em epígrafe, o Executivo em reunião de 2009-08-26, deliberou
aceitar a transferência de competências do referido parque infantil.

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: O SENHOR PRESIDENTE referiu, que a Junta de


Freguesia de Samora Correia decerto deliberou no sentido de aceitar a recepção
daquele Parque Infantil.

«A Câmara Municipal tomou conhecimento.»

Ponto 21 – EMPREITADA DE “PAVIMENTAÇÃO EM ARRUAMENTOS DAS


FREGUESIAS DE SAMORA CORREIA E SANTO ESTÊVÃO”
RELATÓRIO PRELIMINAR / A CONHECIMENTO

Processo n.º 4.1.1/07-2009


Concurso Público

RELATÓRIO PRELIMINAR
(nos termos do artigo 122.º do C.C.P. – DL. 18/2008, de 29.01)

Análise de Propostas

1. Introdução

Considerando,

¾ a decisão de contratar, conforme deliberação do Executivo tomada em reunião


ordinária realizada em 13 de Julho de 2009;

¾ o procedimento aplicável, ou seja, o de Concurso Público para execução da


empreitada em referência,

procedeu-se, em cumprimento do então deliberado, à abertura de Concurso Público,


tendo o respectivo Anúncio sido publicado no Diário da República, II Série n.º 128 de
6 de Julho de 2009 - Anúncio de Procedimento n.º 3/2009.

Apresentaram-se a Concurso as empresas a seguir referenciadas,

1- ARMANDO CUNHA - Empreiteiros de Obras Públicas


2- JOSÉ MARQUES GOMES GALO, S.A.
3- CALCETAL 2 – Sociedade de Construções, Lda.
4- INFRAURBE – Infra-estruturas Urbanísticas, S.A.
5- TOPBET S.A. – Trabalhos de Obras Públicas e Pavimentos Betuminosos,
S.A.
6- J.J.R. - Construções J.J.R. & Filhos, S.A.
7- CIVILVIAS – Construções e Vias, Lda.
8- BRITOBRAS - Fornecimentos e Obras Públicas, Lda.
9- INTEVIAL – Gestão Integral Rodoviária, S.A.
10- GEOMOV – Construção e Movimentação de Terras, Lda./ ESTRELA DO
NORTE – Engenharia e Construção Civil, Lda.
11- CONSTRADAS - Estradas e Construção Civil, S.A.
12- PROTECNIL - Soc. Técnica de construções, S.A.
13- CONSTRUÇÕES PRAGOSA, S.A.

45
Reunião de 2009-09-14

de cujas propostas se registam no quadro seguinte, Quadro I, os respectivos valores


e prazos de execução,

Quadro I

Preço Valor da Desvio Prazo


Concorrente
Base proposta % (dias)
1 - ARMANDO CUNHA, S.A. -
297.533,95 € -24.69 60
Empreiteiros de Obras Públicas
2 – JOSÉ MARQUES GOMES GALO,
364.408,33 € -7.77 60
S.A.
3 – CALCETAL 2 – Sociedade de
275.365,39 € -30.30 60
Construções, Lda.
4 – INFRAURBE – Infra-estruturas
379.768,83 € -3.88 60
Urbanísticas, S.A.
5 – TOPBET S.A. – Trabalhos de Obras
384.403,47 € -2.70 60
Públicas e Pavimentos Betuminosos, S.A.
6 – J.J.R. - Construções J.J.R. & Filhos,
389.830,51 € -1.33 60
S.A.
7 – CIVILVIAS – Construções e Vias, Lda. 301.568,22 € -23.67 60
395.100,00 €
8 - BRITOBRAS – Fornecimentos e Obras
326.209,88 € -17.44 60
Públicas, Lda.
9 - INTEVIAL – Gestão Integral
385.402,06 € -2.45 60
Rodoviária, S.A.
10 - GEOMOV – Construção e
Movimentação de Terras, Lda./ ESTRELA
298.944,29 € -24.37 60
DO NORTE – Engenharia e Construção
Civil, Lda.
11 - CONSTRADAS – Estradas e
324.591,22 € -17.85 60
Construção Civil, S.A.
12 - PROTECNIL – Soc. Técnica de
301.012,51 € -23.81 60
Construções, S.A.
13 - CONSTRUÇÕES PRAGOSA, S.A. 291.854,41 € -26.13 60

2. Documentos que instruem as propostas (Ponto 8 do Programa de Concurso)

a) Declaração de aceitação do conteúdo do Caderno de Encargos, elaborada em


conformidade com o modelo constante do Anexo I;

b) Documento que contenha esclarecimentos justificativos da apresentação de um


preço anormalmente baixo, se for o caso;

c) Lista dos preços unitários de todas as espécies de trabalho previstas no projecto


de execução;

d) Plano de trabalhos, elaborado no respeito pelo prazo de execução da obra,


fixando a sequência e prazos parciais de execução de cada uma das espécies
de trabalho previstas, especificando os meios com que o empreiteiro se propõe
executá-los e definindo o correspondente plano de pagamentos;

e) Memória justificativa e descritiva do modo de execução da obra.

46
Reunião de 2009-09-14

3. Critério de adjudicação (Ponto 12 do Programa de Concurso)

A adjudicação será feita segundo o critério da proposta economicamente mais


vantajosa e nos termos do seguinte modelo de avaliação:

Preço proposto pelo concorrente – 65%


Qualidade técnica da proposta – 35%

3.1- A classificação a atribuir às diferentes propostas, no parâmetro preço proposto,


será obtida através da seguinte fórmula, após correcção de eventuais erros de
operações aritméticas:

Cp = (15 – 7,5 Pp/Pbase) -0,5

Em que:

Cp - Pontuação a atribuir ao preço


Pp - Preço proposto
Pbase - Preço base

3.2 A avaliação do factor Qualidade Técnica da Proposta, será efectuado com base
na análise dos documentos solicitados no Programa de Concurso, tendo em
consideração os seguintes subfactores:

Plano de trabalhos, no qual se inclui o plano de mão-de-obra e equipamento a


afectar à obra bem como o plano de pagamentos ........................................... 60%
Memória justificativa e descritiva do modo de execução da obra .................... 40%

3.3- A classificação dos parâmetros referidos na cláusula anterior será de 0 a 10


valores, com os seguintes conceitos de referência:

2- Não satisfaz;
4- Satisfaz pouco;
6- Satisfaz;
8- Bom;
10 - Muito bom.

4. Apreciação das Propostas

4.1– Metodologia

4.1.1- Verificação de quantidades, registo de preços por artigo e capítulo e conferência


das operações aritméticas, no que respeita ao mapa de quantidades de trabalho, bem
como ao posicionamento com referência ao preço base.

4.1.2– Leitura e análise dos documentos exigidos no programa de concurso, para


efeitos de pontuação tendo em consideração os subfactores enunciados em 3.2).

4.1.3 – Classificação final.

4.2– Análise

4.2.1– Mapa de quantidades de trabalho e mapa de erros e omissões

Da verificação efectuada, tendo por base os mapas em referência, podemos concluir:

47
Reunião de 2009-09-14

TOPBET S.A. – Trabalhos de Obras Públicas e Pavimentos Betuminosos, S.A.

que a proposta do concorrente não dá integral cumprimento ao Mapa de


Quantidades de Trabalho, uma vez que altera a quantidade posta a concurso no
artigo 1.6.2.2, considerando 17.70 em vez de 15.70. Acresce que, no Mapa de
Quantidades de Trabalho, repete os trabalhos a executar na Av. Egas Moniz,
apresentando valores diferentes para os artigos 1.8.1.2 e 1.8.1.3, impossibilitando a
avaliação do valor da proposta.
Nestes termos propõe-se a sua exclusão, ao abrigo das disposições conjugadas dos
art. 70.º/2, al. b) e al. c) e art.146.º/2, al. o), todos do CCP.

4.2.2– Análise dos documentos exigidos no Programa de Concurso

4.2.2.1- Plano de trabalhos que inclui plano de mão-de-obra e de equipamento


bem como plano de pagamentos

Da análise efectuada, tendo por base os elementos em referência, podemos


concluir:

Armando Cunha, S.A. – Empreiteiros de Obras Públicas

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente ao abrigo do art. 58.º/1 por


remissão do art. 146.º/2, al. e), ambos do CCP, porquanto o plano de trabalhos
apresentado encontra-se parcialmente redigido em língua Inglesa, nomeadamente a
legenda da respectiva representação gráfica.

José Marques Gomes Galo S.A.

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente ao abrigo do art. 58.º/1 por


remissão do art. 146.º/2, al. e), ambos do CCP, porquanto o plano de trabalhos
apresentado encontra-se parcialmente redigido em língua Inglesa, nomeadamente o
cabeçalho e colunas da respectiva representação gráfica.

CJJR – Construções J. J. R. & Filhos, S.A.

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente ao abrigo do art. 70.º/2, al. b) por


remissão do art. 146.º/2, al. o), ambos do CCP, porquanto o plano de trabalhos
apresentado pelo concorrente, pese embora indique como prazo de execução de
obra 60 dias, a verdade é que da análise efectuada ao dito plano se verifica que a
execução da obra terá duração de 59 dias, terminando a no dia 19.11.2009, quando
deveria terminar, de acordo com o plano inicial de consignação, a 20.11.2009.

CIVILVIAS – Construção e Vias, Lda.

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente art. 70.º/2, al. b) por remissão do


art. 146.º/2, al. o), ambos do CCP, porquanto no plano de trabalhos apresentado,
apesar de indicar como prazo de execução de obra 60 dias, a verdade é que da
análise efectuada ao dito plano se constata que o início da obra ocorreria no
2.8.2009 e que terminaria a 30.9.2009, não respeitando o plano inicial de
consignação, ou seja, propõe-se a iniciar os trabalhos antes até do prazo previsto
para a consignação, o que contraria as disposições conjugadas dos arts. 361.º/1,
362.º/1 e 363.º/1.

BRITOBRAS – Fornecimento e Obras Públicas, Lda.

48
Reunião de 2009-09-14

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente art. 70.º/2, al. b) por remissão do


art. 146.º/2, al. o), ambos do CCP, porquanto o plano de trabalhos apresentado pelo
concorrente, pese embora indique como prazo de execução de obra 60 dias, a
verdade é que da análise efectuada ao dito plano se verifica que a execução da obra
terá duração de 59 dias, terminando a no dia 19.11.2009, quando deveria terminar,
de acordo com o plano inicial de consignação, a 20.11.2009.

CONSTRADAS – Estradas e Construção Civil, S.A.

propõe-se a exclusão da proposta do concorrente art. 58.º/1, al. b) por remissão do


art. 146.º/2, al. e), ambos do CCP, porquanto o plano de trabalhos apresentado
encontra-se parcialmente redigido em língua Inglesa, nomeadamente a legenda da
respectiva representação gráfica.

Relativamente aos restantes concorrentes e face às diferentes formulações e grau de


pormenorização, o Júri deliberou atribuir a seguinte pontuação:

Î 10 valores aos concorrentes

que apresentam plano de trabalhos em gráfico de barras, muito


detalhado, traduzindo uma planificação dos trabalhos por arruamentos e
respectivos capítulos e artigos, com referência a quantidades, duração com
início e conclusão dos mesmos, rendimentos médios diários, precedências,
caminho crítico, sendo a unidade temporal o dia.
Plano de mão-de-obra e de equipamento muito detalhado,
estruturalmente coerentes com o plano de trabalhos e plano de pagamentos,
apresentando a duração de cada actividade por arruamento e respectivo e
artigo, bem como as equipas a utilizar, sendo a unidade temporal o dia.
Plano de pagamentos típico com representação em quadro.

GEOMOV, Construção e Movimentação de Terras, Lda. e ESTRELA


DO NORTE, Engenharia e Construção Civil, Lda.

CONSTRUÇÕES PRAGOSA, S.A.

Î 8 valores aos concorrentes

que apresentam plano de trabalhos em gráfico de barras detalhado,


traduzindo uma planificação dos trabalhos por arruamento e respectivos
capítulos e artigos, com referência quantidades, duração com início e
conclusão dos mesmos, precedências, sendo a unidade temporal a o dia.
Plano de mão-de-obra e de equipamento estruturalmente coerentes
com o plano de trabalhos e , apresentando os recursos humanos e materiais
em função dos trabalhos a realizarem.
Plano de pagamentos típico com representação gráfica e em quadro,
denotando ligeira incoerência com plano de trabalhos

INFRAURBE – Infra-estruturas Urbanísticas, S.A.

INTEVIAL – Gestão Integral Rodoviária, S.A.

PROTECNIL – Sociedade Técnica de Construções, S.A.

Î 6 valores aos concorrentes

49
Reunião de 2009-09-14

que apresentam plano de trabalhos em gráfico de barras sucinto,


traduzindo uma planificação dos trabalhos apenas por arruamento, sendo a
unidade temporal o mês.
Plano de mão-de-obra e de equipamento estruturalmente coerentes
com o plano de trabalho.
Plano de pagamentos típico com representação em quadro.

CALCETAL 2 – Sociedade de Construções, Lda.

4.2.2.2– Memória justificativa e descritiva do modo de execução da obra

Face à metodologia definida no ponto 4.1.2, foram analisadas as memórias


justificativas e descritivas dos concorrentes, no atinente à especificação da
caracterização da obra, modo de execução, metodologia e sequência dos trabalhos
aliada à clareza de exposição, tendo o Júri deliberado atribuir a seguinte pontuação:

Î 10 valores aos concorrentes

que apresentam uma muito boa memória descritiva e justificativa,


caracterizando a obra, com descrição dos trabalhos a realizar, modo de
execução e sequência dos mesmos, de acordo com o referido no mapa de
quantidades de trabalho e boa interligação com o proposto no programa de
trabalhos, com referência à constituição das equipas de trabalho e
rendimentos, bem como aos meios de prevenção de segurança e de saúde,
organização de estaleiro, à qualidade, à segurança e ambiente,

GEOMOV, Construção e Movimentação de Terras, Lda. e ESTRELA


DO NORTE, Engenharia e Construção Civil, Lda.

CONSTRUÇÕES PRAGOSA, S.A.

Î 8 valores aos concorrentes

que apresentam uma memória descritiva e justificativa sucinta, com


referência ao modo de execução dos trabalhos a realizar e boa interligação
com o proposto no programa de trabalhos, bem como à constituição das
equipas de trabalho.

INFRAURBE – Infra-estruturas Urbanísticas, S.A.

PROTECNIL, Sociedade Técnica de Construções, S.A.

Î 6 valores aos concorrentes

que apresentam uma memória descritiva e justificativa muito sucinta,


não obstante fazerem referência genérica às actividades a desenvolver,

CALCETAL 2 – Sociedade de Construções, Lda.

INTEVIAL – Gestão Integral Rodoviária, S.A.

4.2.3– Classificação Final / Ordenação das propostas

50
Reunião de 2009-09-14

De acordo com o critério de adjudicação enunciado e análise efectuada, procedeu-se


à classificação das propostas que reúnem condições para efeitos de adjudicação,
constantes no Quadro II, que se segue:

Quadro II
Classificação Final

Qualidade Técnica da Proposta


35%
P. Trabalhos, Memória
que inclui P. Justificativa e
Designação do Preço
de mão-de- Descritiva do Classificação
Concorrente proposto
obra e equip., modo de Final
65%
bem como p. execução da
de obra
pagamentos 40%
60%
13 - CONSTRUÇÕES
8.960 10 10 9.32
PRAGOSA, S.A.
10 - GEOMOV –
Construção e
Movimentação de Terras,
8.825 10 10 9.24
Lda./ ESTRELA DO
NORTE – Engenharia e
Construção Civil, Lda.
12 - PROTECNIL – Soc.
Técnica de construções, 8.786 8 8 8.51
S.A.
3 – CALCETAL 2 –
Sociedade de 9.273 6 6 8.13
Construções, Lda.
4 – INFRAURBE – Infra-
estruturas Urbanísticas, 7.291 8 8 7.54
S.A.
9 - INTEVIAL – Gestão
7.184 8 6 7.19
Integral Rodoviária, S.A.

5. Conclusões

Face ao exposto, atento o resultado obtido no Quadro II, consideramos estar o


Executivo de posse dos elementos que lhe permitirão tomar a decisão que entender
por conveniente.

Contudo, e nos termos do artigo 123.º do Código dos Contratos Públicos, antes de ser
proferida a decisão, deverá proceder-se à audiência prévia dos concorrentes. Nesse
sentido, e de acordo com o disposto no n.º 1 do mesmo artigo e Código, o Júri propõe
a realização da referida audiência, devendo os concorrentes pronunciarem-se por
escrito no prazo de 5 dias úteis, após notificação.

Benavente, 4 de Setembro de 2009

O Júri do Concurso

Manuel Joaquim Quá Isidro dos Santos, Vereador, que preside


Maria Manual Couto da Silva, Eng.ª Civil

51
Reunião de 2009-09-14

Mário Jorge Cardoso Barcelos, Eng.º Civil

DESPACHO DO PRESIDENTE: Proceder à audiência dos concorrentes


8-9-09

«A Câmara Municipal tomou conhecimento.»

Ponto 22 – EMPREITADA DE: “EXECUÇÃO DE PASSEIOS EM CALÇADA NA


FREGUESIA DE SAMORA CORREIA – 1.ª FASE”
- AUTO DE RECEPÇÃO PROVISÓRIA / A CONHECIMENTO

Processo n.º 4.1.5/05-2009


Adjudicatário: PROTECNIL – Sociedade Técnica de Construções, S.A.

Concluída a obra mencionada em epígrafe, procedeu-se, nos termos do artigo 395.º


do Código dos Contratos Públicos, à vistoria dos trabalhos executados no âmbito da
empreitada mencionada em epígrafe, pelos representantes da Câmara Municipal e do
representante do empreiteiro.
Verificando-se, pela vistoria realizada, que a obra estava em condições de ser
recebida, considerou-se efectuada a sua recepção provisória, de acordo com o
respectivo Auto de Recepção Provisória datado de 2009-09-04, o qual se submete a
conhecimento.

AUTO DE RECEPÇÃO PROVISÓRIA

Aos quatro dias de Setembro de dois mil e nove e no local onde foram executados os
trabalhos que constituem a empreitada de: “ Execução de passeios em calçada na
freguesia de Samora Correia – 1.ª Fase”, adjudicada à firma “PROTECNIL -
Sociedade Técnica de Construções, S.A.”, no valor de 21.300,49 € (vinte e um mil e
trezentos euros e quarenta e nove cêntimos), excluindo o IVA e pelo prazo de
execução de 35 dias, contados da data do Auto de Consignação, por despacho
Superior exarado em quinze de Maio de dois mil e nove, compareceram os Srs.
Manuel Joaquim Quá Isidro dos Santos, Vereador, Maria Manuel Couto da Silva,
Engenheira Civil, na qualidade de representantes do Dono da Obra e o Sr. Nelson
Manuel Janela Tomás, na qualidade de representante do Adjudicatário, a fim de
procederem ao exame e vistoria de todos os trabalhos que constituem a empreitada.
Tendo-se verificado que,
− foi observado o cumprimento de todas as obrigações contratuais e legais do
empreiteiro;
− o Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição foi
alterado na fase de execução da obra, em função dos resíduos efectivamente
produzidos;
− concluída a obra, a área de intervenção foi objecto de uma limpeza geral;
foi considerada a obra em condições de ser recebida provisoriamente, iniciando-se
deste modo o prazo de garantia de 2 anos para os defeitos que incidam sobre
elementos construtivos estruturais, nos termos do definido pela cláusula 36º do
Caderno de Encargos.
Pelo Sr. Nelson Manuel Janela Tomás, na qualidade de representante da firma
adjudicatária, foi declarado aceitar os termos em que se acha exarado este Auto e
não ter a apresentar quaisquer reclamações ou reservas a este acto.
E reconhecendo-se nada mais haver para tratar, foi encerrado este Auto de
Recepção Provisória, lavrado em cumprimento do disposto no artigo 395.º do
Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Março, o qual lido em voz alta e achado conforme,

52
Reunião de 2009-09-14

vai ser assinado pelas pessoas que nele intervieram, pela ordem da sua menção,
determinando o mesmo a entrada em funcionamento.

Manuel Joaquim Quá Isidro dos Santos, Vereador – C.M. Benavente


Maria Manuel Couto da Silva, Engenheira Civil – C.M. Benavente
Nelson Manuel Janela Tomás - Representante do empreiteiro
«A Câmara Municipal tomou conhecimento.»

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

EMPREITADA DE: “REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS NA


URBANIZAÇÃO DO TELHAL, EM PORTO ALTO”
PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE / APROVAÇÃO

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, e o art. 19.º do Decreto-Lei n.º 442/91, de 15 de
Novembro - Código do Procedimento Administrativo - C.P.A., estabelecem uma regra
e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- A urgência numa tomada de decisão

proponho que seja introduzido na Ordem do Dia o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 12 - EMPREITADA DE: “REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS


RESIDUAIS NA URBANIZAÇÃO DO TELHAL, EM PORTO ALTO”
PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE / APROVAÇÃO

Processo n.º 4.1.4/01-2009


Adjudicatário: BIRRENTO – Engenharia, Lda.

Informação D.M.O.U.A.S.U. n.º 252/2009, de 14 de Setembro

53
Reunião de 2009-09-14

No sentido de se dar cumprimento ao disposto no artigo 12.º do Decreto-Lei n.º


273/2003, de 29 de Outubro – Condições de Segurança e Saúde no Trabalho em
Estaleiros Temporários ou Móveis, cumpre informar:

1. O Plano de Segurança e Saúde apresentado pelo adjudicatário, desenvolvido e


especificado para a fase de execução da obra mencionada em epígrafe, após uma
prévia apreciação por parte dos Serviços, foi objecto, no âmbito do protocolo
celebrado com a CULT, de análise técnica por parte do Técnico Superior de Higiene e
Segurança no Trabalho – Dr. Cláudio Alexandre Ferreira Guedes, que assumirá as
funções de Coordenador de Segurança em obra.

Sobre o mesmo e no cumprimento do estipulado pelo n.º 1 do artigo e Diploma


referidos anteriormente, foi emitido parecer favorável traduzido no Termo de Validação
do PSS para execução da obra, por se adequar à obra em causa e cumprir a
legislação em vigor.

2. Nos termos do n.º 1 do artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro,


que se transcreve,

“o desenvolvimento e as alterações do plano de segurança e saúde referidos nos nos 1


e 3 do artigo anterior devem ser validados tecnicamente pelo coordenador de
segurança em obra e aprovados pelo dono da obra, passando a integrar o plano de
segurança e saúde para a execução da obra”,

após validação técnica do Plano de Segurança e Saúde pelo Coordenador de


Segurança em Obra deverá o mesmo ser aprovado pelo dono da obra.

3. Face ao exposto anteriormente e consideradas reunidas as condições para o


efeito, submete-se à aprovação da Câmara o Plano de Segurança e Saúde para a
execução da obra.

José Hugo Monteiro Rosa de Freitas, Engenheiro Civil

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação e, em


face da mesma, aprovar o Plano de Segurança e Saúde da empreitada referenciada
em epígrafe.

03.03 – Divisão Municipal de Obras Particulares

03.03.01 – Secção de Obras Particulares

APROVAÇÃO DO PROJECTO DE ARQUITECTURA - DECRETO-LEI N.º 555/99, DE


16 DE DEZEMBRO, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI N.º 60/07,
DE 4 SETEMBRO

A CONHECIMENTO

A Câmara tomou conhecimento do despacho exarado pelo Vereador, Sr. Miguel


António Duarte Cardia, cujo teor abaixo se transcreve, em:

31-08-2009

Ponto 23 – LEGALIZAÇÃO DE MORADIA


Processo n.º 690/2009

54
Reunião de 2009-09-14

Requerente: Maria Armanda Correia Tinoco Mendes


Local: Vinhas Velhas, n.º 24 - Benavente
Teor do Despacho: “Homologo e aprovo, nos termos propostos pelo CDMOP.”

DELIBERAÇÃO FINAL DO PEDIDO DE LICENÇA ADMINISTRATIVA, NOS


TERMOS DO ARTIGO 23.º DO DECRETO-LEI N.º 555/99, DE 16 DE DEZEMBRO,
COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI N.º 60/07, DE 4 SETEMBRO

A CONHECIMENTO

A Câmara tomou conhecimento do despacho exarado pelo Sr. Presidente, cujo teor
abaixo se transcreve, em:

28-08-2009

Ponto 24 – CONSTRUÇÃO DE EQUIPAMENTO DE APOIO SOCIAL


Processo n.º 250/2008
Requerente: CRIB – Centro de Recuperação Infantil de Benavente
Local: Estrada Monte da Saúde – Vila das Areias - Benavente
Teor do Despacho: “Deferido. Dar conhecimento ao requerente.”.

A Câmara tomou conhecimento dos despachos exarados pelo Vereador, Sr. Miguel
António Duarte Cardia, cujos teores abaixo se transcrevem, em:

02-09-2009

Ponto 25 – CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILIAR, ANEXO E MURO


Processo n.º 729/2009
Requerente: Joaquim Domingos Moisés Duarte
Local: Urb. da Brasileira, Parcela 9 - Benavente
Teor do Despacho: “Homologo e defiro”.

03-09-2009

Ponto 26 – LEGALIZAÇÃO DE ALTERAÇÃO A ARMAZÉM


Processo n.º 379/2008
Requerente: Joaquim Lopes Tomás
Local: Parque Industrial da Murteira, 39 – Samora Correia
Teor do Despacho: “Homologo e defiro”.

INFORMAÇÃO PRÉVIA NOS TERMOS DO ARTIGO 14.º DO DECRETO-LEI N.º


555/99, DE 16 DE DEZEMBRO, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI
N.º 60/07, DE 4 SETEMBRO

A CONHECIMENTO

A Câmara tomou conhecimento do despacho exarado pelo Vereador, Sr. Miguel


António Duarte Cardia, cujo teor abaixo se transcreve, em:

02-09-2009

Ponto 27- DEMOLIÇÃO DE GARAGEM


Processo n.º 1326/2009

55
Reunião de 2009-09-14

Requerente: Maria Mafalda Carvalho Morais Alexandre B. Guilherme


Local: Rua Domingos F. Pedrosa, 23 - Benavente
Teor do Despacho: “Homologo e defiro”.

03-09-2009
Ponto 28 – CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILIAR
Processo n.º 1269/2009
Requerente: Alfreda Maria Dimas Rocha
Local: Herdade do Pinheiro, Lote G-29 – Samora Correia
Teor do Despacho: ““Homologo e defiro”.

CONSTITUIÇÃO DE PROPRIEDADE HORIZONTAL NOS TERMOS DO ART. 1414.º


E SEGUINTES DO CÓDIGO CIVIL

A CONHECIMENTO

A Câmara tomou conhecimento do despacho exarado pelo Vereador, Sr. Miguel


António Duarte Cardia, cujo teor abaixo se transcreve, em:
03-09-2009

Ponto 29 – CERTIDÃO DE CONSTITUIÇÃO DE PROPRIEDADE HORIZONTAL


Processo n.º 357/2002
Requerente: Valentim Neves, Construção Civil, Lda.
Local: Urbanização dos Álamos, Lote C2 – Samora Correia
Teor do Despacho: ““Certifique-se”.

DESTAQUES - ART. 6.º DO DECRETO-LEI N.º 555/99, DE 16 DE DEZEMBRO, COM


AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI N.º 60/07, DE 4 SETEMBRO

Ponto 30 – CERTIDÃO DE DESTAQUE


Processo n.º 1242/2009
Requerente: Luís António Jesus Freitas Serafim
Local: Estrada do Miradouro, Benavente

Informação técnica do Sector de Gestão Urbanística, de 2009.09.02

Pretende o requerente que lhe seja autorizado o destaque de uma parcela de terreno
com a área de 1 852.00 m2 ao terreno com a área total de 10 521.10m2.

O local em causa encontra-se descrito na Conservatória do Registo Predial de


Benavente, freguesia de Benavente sob o n.º2848/19980428, com as seguintes
confrontações:
- Norte – Fernando Lopes Buinheira;
- Sul – Júlia da Silva Serafim Gomes;
- Nascente – João Gonçalves Bacalhau;
- Poente – Estrada do Miradouro.

Analisada a pretensão, cumpre-nos informar:

1 - De acordo com o Plano Director Municipal de Benavente, a parcela de terreno


insere-se em Espaço Urbanizável, Área Urbanizável Mista, Zona Programada.

56
Reunião de 2009-09-14

2 - A operação de Destaque enquadra-se no n.º 4 do artigo 6.º do Dec-Lei n.º 555/99,


de 16 de Dezembro, com posteriores alterações, ou seja, as parcelas resultantes do
destaque confrontam com arruamentos públicos.

3 – Identificam-se assim duas parcelas fisicamente separadas, caracterizadas


conforme elementos apresentados pelo requerente e da sua responsabilidade.
• Parcela a destacar com a área de 1 852.00m2, confrontando:
- do Norte com Fernando Lopes Buinheira;
- do Sul com Júlia da Silva Serafim Gomes;
- do Nascente com Luís António Jesus Freitas Serafim;
- do Poente com Estrada do Miradouro.

4 – A pretensão não contraria o Regulamento do Plano Director Municipal de


Benavente.

5 – Em conclusão e, por tudo quanto se expôs, considera-se que poderá ser emitida a
certidão pretendida.

À consideração Superior,

Cristina Vieira, Técnica Superior

Parecer: Parecer:
Face ao teor da presente informação, julgo
que poderá ser autorizado o destaque e ser
emitida a respectiva Certidão.

09.09.02

O Chefe da Divisão Municipal de Obras O Director do DMOUASU


Particulares
Despacho:

À reunião.

09SET02

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação


técnica e, em face da mesma, autorizar o destaque e certificar em conformidade.

LICENCIAMENTO DE OPERAÇÕES DE LOTEAMENTO

Ponto 31 – LOTEAMENTO URBANO / OBRAS DE URBANIZAÇÃO / ILUMINAÇÃO


PÚBLICA - REFORÇO
Requerimento de Registo OP/6358, de 13/03/2008
Requerente: Vida no Campo - Sociedade Construções, Lda.
Local: Quinta da Palmeira II, Benavente

Informação técnica do Sector de Gestão Urbanística, de 01-09-2009

Na sequência do ofício n.º 7 714/2009 de 12/08, a requerente através do requerimento


com o registo de entrada n.º 18 617/2009 de 27/08, informa a Câmara Municipal de
Benavente que está a solicitar orçamentos para executar os trabalhos em falta
relacionados com o reforço da iluminação pública no loteamento da Quinta da
Palmeira II.

57
Reunião de 2009-09-14

A requerente justifica o atraso verificado no arranque dos trabalhos em falta, com a


sua grave situação económica, motivada por diversos factores, prioritariamente pela
crescente paragem do mercado imobiliário.

Por fim a requerente informa que prevê concluir os trabalhos de reforço da iluminação
pública do loteamento até final do próximo mês de Outubro.
Face ao exposto, propõe-se que:
a) seja aceite a justificação dada pela requerente e relativa à justificação do
atraso no início dos trabalhos de reforço da iluminação pública;
b) que seja aceite o prazo proposto pela requerente para conclusão do trabalhos
de reforço da iluminação pública do loteamento Quinta da Palmeira II, final de
Outubro de 2009.

Vasco Monteiro Feijão, Técnico Superior

Parecer: Parecer:

Concordo com o proposto, submetendo a


decisão superior.

O Chefe da Divisão Municipal de Obras O Director do DMOUASU


Particulares
Despacho:

À reunião.

09SET02

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação


técnica, devendo ser adoptados os procedimentos preconizados na mesma.

Ponto 32 – LICENCIAMENTO OPERAÇÃO LOTEAMENTO E OBRAS DE


URBANIZAÇÃO / CAUÇÃO
Requerimento de Registo OP/ 17748 de 13/08/2009
Requerente: José Vidigal - Soc. Construções, Lda.
Local: R. Campo da Bola, Benavente

Informação técnica do Sector de Gestão Urbanística, de 01-09-2009

Refere-se o presente processo ao pedido de licenciamento de operação de loteamento


e obras de urbanização, de uma parcela de terreno no local em epígrafe.

A operação de loteamento foi aprovada pela Câmara Municipal de Benavente, na sua


reunião de 12/04/2004.

As obras de urbanização foram aprovadas pelas Câmara Municipal de Benavente, na


sua reunião de 25/08/2008.

Através do requerimento com o registo de entrada n.º 17 748/2009 de 13/08, a


requerente solícita que a caução destinada a garantir a boa e regular execução das
obras de urbanização do loteamento seja prestada através de hipoteca do lote 40-A da
Urbanização Olival Basto em Benavente.

A estimativa de custo das obras de urbanização é de 93 164,73 € (noventa e três mil,


cento e sessenta e quatro euros e setenta e três cêntimos).

58
Reunião de 2009-09-14

De acordo com o disposto no n.º 2 do artigo 54.º do D.L. n.º 555/99 de 16/12, na
redacção dada pelo D.L. n.º 177/2001 de 04/06, a caução é prestada a favor da
câmara municipal, mediante garantia bancária autónoma à primeira solicitação, sobre
bens imóveis propriedade do requerente, depósito em dinheiro ou seguro - caução,
devendo constar do próprio título que a mesma está sujeita a actualização e se
mantém válida até à recepção definitiva das obras de urbanização.
Verifica-se assim que a caução poderá ser prestada pela hipoteca do lote do lote 40-A
da Urbanização Olival Basto em Benavente, desde que da avaliação a efectuar se
apure um valor igual ou superior à estimativa do custo das obras de urbanização.

Face ao exposto, propõe-se que:


a) seja aceite a prestação da caução destinada a garantir a boa e regular
execução das obras de urbanização do loteamento, mediante a hipoteca do
lote do lote 40-A da Urbanização Olival Basto em Benavente, desde que da
avaliação a efectuar se apure um valor igual ou superior à estimativa do custo
das obras de urbanização;

b) que seja solicitado ao requerente os documentos comprovativos da posse do


lote 40-A da Urbanização Olival Basto em Benavente, bem como demais
elementos caracterizadores do lote, para que se possa efectuar a sua
avaliação.

Vasco Monteiro Feijão, Técnico Superior

Parecer: Parecer:

Concordo com o proposto, na presente


informação, devendo a mesma ser submetida
à reunião de Câmara no sentido de ser
tomada a competente decisão.

09.09.03
O Chefe da Divisão Municipal de Obras
Particulares O Director do DMOUASU
Despacho:

À reunião.

09SET03

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação


técnica, devendo ser adoptados os procedimentos preconizados na mesma.

Ponto 33 – LOTEAMENTO URBANO / APROVAÇÃO DAS OBRAS DE


URBANIZAÇÃO
Processo n.º 3/1999
Requerente: Gisela Maria Cordeiro da Silva
Local: R. Dr. Sousa Dias - Santo Estêvão

Informação técnica do Sector de Gestão Urbanística, de 03-09-2009

Refere-se o presente pedido ao licenciamento das obras de urbanização do


loteamento que a requerente pretende levar a efeito no local em epígrafe.

59
Reunião de 2009-09-14

Na sequência da anterior informação técnica do SGU – Engenharia de 30/04/2009,


procedeu a requerente, através do requerimento com o registo de entrada n.º 17
131/2009, de 03/08, há entrega dos seguintes elementos:

- orçamento geral;
- projecto de rede de abastecimento de água – orçamento e correcções;
- projecto de arruamentos – orçamento e correcções;

Em resultado da análise efectuada aos elementos apresentados e ao processo,


cumpre informar:

1 – PROJECTO DE ARRUAMENTOS
Á responsabilidade do técnico autor.

2 – PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA


Á responsabilidade do técnico autor.

Os Bombeiros Voluntários de Benavente, emitiram parecer favorável sobre a


localização do marco de água, conforme previsto no artigo 55.º do Decreto
Regulamentar n.º 23/95, de 23/08.

3 – PROJECTO DA REDE DE DRENAGEM DAS ÁGUAS RESIDUAIS


Á responsabilidade do técnico autor.

A Câmara Municipal de Benavente, na sua reunião de 08/03/2004, deliberou “assumir


a separação do colector unitário, colocando pluvial onde ele não existe.” (ver
informação do Sector de Engenharia de 19/12/2004 e deliberação da CMB de
0803/2004).
Assim, deverá a Divisão Municipal de Obras Municipais, em articulação com o
Vereador do Pelouro, programar a execução da rede de drenagem das águas
residuais pluviais na Rua Dr. Sousa Dias.

A requerente deverá aplicar nas câmaras de visita, tampas e aros em ferro fundido, da
classe D400, diâmetro mínimo de 600 mm e as inscrições CMB – Doméstico e CMB -
Pluvial

4 – PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS ELÉCTRICAS


A EDP Distribuição, através da carta com o registo de entrada n.º 11 884/2009, de
25/05, informa a Câmara Municipal de Benavente que se mantêm as condições de
aprovação deste projecto, constantes na carta da EDP com a referência
2359/03/VTPC, de 22/09/2003 e fixa as condições técnico administrativas que a
requerente deverá ter em consideração.
A requerente, através do oficio com o n.º 6 048/2009, de 26/06, foi informada do teor
da carta da EDP.

5 – PROJECTO DA REDE DE GÁS NATURAL


A Gás Natural, através da carta com o registo de entrada n.º 11 143/2009, de 15/05,
informa a Câmara Municipal de Benavente que se mantêm as condições de aprovação
deste projecto, desde que não haja alterações ao mesmo.

6 – Orçamento Global
Foi entregue orçamento global.

Face ao exposto, propõe-se que a Câmara Municipal de Benavente delibere deferir o


pedido de licenciamento das obras de urbanização.

60
Reunião de 2009-09-14

Caso o executivo delibere deferir o pedido de licenciamento das obras de urbanização,


fixa-se o prazo de oito (08) meses, para a conclusão das mesmas e o montante de
171 473,80 € (cento e setenta e um mil, quatrocentos e setenta e três euros e oitenta
cêntimos), para a caução destinada a assegurar a sua boa e regular execução,

A saber:
arruamentos – 50 225,00 €
rede de abastecimento de água – 7 235,00 €
rede de drenagem das águas residuais domésticas e pluviais – 30 956,00 €
rede de infra-estruturas telefónicas – 8 978,00 €
rede de infra-estruturas eléctricas – 19 314,00 €
rede de gás natural – 13 185,51 €
arranjos exteriores – 41 580,29 €

Informa-se ainda que:

a) o promotor do loteamento deverá, no prazo máximo de um ano a contar da


data da notificação do licenciamento das obras de urbanização, requerer a
emissão do alvará único, sob pena de caducar a licença para a realização da
operação de loteamento, conforme disposto no artigo 71 do Decreto-Lei n.º 555/99,
de 16/12, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 177/2001, de 04/06;

b) antes da emissão do alvará, o promotor deverá apresentar termo de


responsabilidade do técnico responsável pela direcção técnica da obra;

c) após a emissão do alvará, dever-se-á enviar uma cópia do mesmo à EDP;

d) a requerente deverá respeitar o disposto no Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de


Março, que estabelece o regime das operações de gestão de resíduos resultantes
de obras ou demolições de edifícios ou de derrocadas, abreviadamente
designados resíduos de construção e demolição ou RCD, compreendendo a sua
prevenção e reutilização e as suas operações de recolha, transporte,
armazenagem, triagem, tratamento, valorização e eliminação, assim como o
Decreto - Lei n.º 178/2006, de 05 de Setembro, que estabelece o regime geral da
gestão de resíduos;

e) após a aprovação das obras de urbanização, deverá ser solicitado à Divisão


Municipal de Obras Municipais, o inicio dos procedimentos administrativos tendo
em vista a execução da rede de drenagem pluvial na Rua Dr. Sousa Dias.

Vasco Monteiro Feijão, Técnico Superior

Parecer: Parecer:

Face ao teor da presente informação,


submete-se a deferimento o pedido de
licenciamento das obras de urbanização nos
termos propostos.

09.09.04
O Chefe da Divisão Municipal de Obras
Particulares O Director do DMOUASU
Despacho:

À reunião.

09SET08

61
Reunião de 2009-09-14

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação


técnica e, em face da mesma, deferir o pedido de licenciamento das obras de
urbanização, fixando-se o prazo de oito meses para a conclusão das mesmas e o
montante de 171 473,80 € (cento e setenta e um mil, quatrocentos e setenta e três
euros e oitenta cêntimos), para a caução destinada a assegurar a sua boa e regular
execução.

AVERBAMENTO DE PROCESSO DE OBRAS EM NOME DE NOVO TITULAR

A CONHECIMENTO

A Câmara tomou conhecimento dos despachos exarados pelo Vereador, Sr. Miguel
António Duarte Cardia, cujos teores abaixo se transcrevem, em:

02-09-2009

Ponto 34 – LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÃO DE ARMAZENAMENTO DE


COMBUSTÍVEIS
Processo n.º 18992/2007
Titular: Arrábida Azul – Gestão, Planeamento e Investimentos, Lda.
Requerente: Repsol Gás Portugal, S.A.
Local: Herdade do Zambujeiro, Parcela 231 – Santo Estêvão
Teor do Despacho: “Deferido. Notifique-se nos termos propostos”.

Ponto 35 – CONSTRUÇÃO DE MORADIA UNIFAMILIAR / AVERBAMENTO


Processo n.º 1749/2008
Titular: António Rodrigues Pereira
Requerente: Ana Maria Rego Pereira Santos
Local: Rua Nascer do Sol, Barrosa
Teor do Despacho: “Homologo e defiro. Notifique-se”.

Ponto 36 – RECLAMAÇÃO
Processo n.º 6928/2007 (RCLM.)
Padaria e Pastelaria “ O Forno” / Medição de ruído ambiente efectuada pela Agência
Portuguesa do Ambiente (APA) – Relatório / Pedido de informação sobre as suas
conclusões / Manutenção da situação geradora de incomodidade – Proposta de
procedimentos
Reclamante e Requerente: Ana Paula do Carmo Rodrigues Figueiredo, representada
pela Dra. Cristina Bastos Ribeiro, Advogada
Requerimento SASC 1[1] n.º 18433, de 25.08.2009

Informação n.º 214/2009, de 3 de Setembro

Veio a representante da reclamante identificada através do requerimento em assunto,


“… solicitar o vosso parecer sobre as conclusões do relatório de Ruído de
Incomodidade provocado pela actividade nocturna da Padaria e Pastelaria “ O Forno”
no Porto Alto, elaborado pela Agência Portuguesa do Ambiente.”
Em paralelo, informa que “…o ruído nocturno provocado pela actividade (…) mantém-
se e consequentemente o descanso e a tranquilidade nocturnos (…) continua a ser
gravemente afectado.”

1[1]
Secção Administrativa de Samora Correia.

62
Reunião de 2009-09-14

Este requerimento obteve despacho do Vereador responsável pela área da


Urbanização e Edificação (UE), que o despachou em 31.08.09 para este Gabinete
Jurídico, a fim de que fosse elaborada “resposta e procedimento imediato.”

Nesta conformidade, cumpre, informar:

1. Na sequência da recepção do Relatório de Medição de ruído ambiente efectuada


pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) 2[2] e do despacho exarado pelo Vereador
responsável pela área da Urbanização e Edificação (UE) datado de 09.06.09, tratámos
de:
1.1. Solicitar a elaboração de Auto de Notícia a fim de instruir processo de
contra-ordenação ao abrigo do regime jurídico das contra-ordenações ambientais, à
Técnica do Gabinete do Ambiente, Eng.ª Sílvia.
1.2. Tal Auto foi elaborado a 2 de Julho de 2009.
1.3. Elaborámos a 03.07.09 a informação n.º 170, acompanhada do Auto atrás
aludido, tendo sido levada a reunião ordinária da Câmara Municipal realizada em
13.07.09, na sequência de despacho do seu Presidente de 03.07.09, para que o órgão
deliberasse quanto à decisão de ordenar a instrução de processo de contra-ordenação
e procedesse à nomeação do respectivo instrutor, tudo ao abrigo do art. 30.º/1 do
regulamento Geral do Ruído.
1.4. Em 13.07.09 autuámos processo de contra-ordenação, por força da deliberação
tomada e aprovada em minuta.
1.5. O processo tomou o n.º 56/2009, tendo já os representantes da empresa visada
sido ouvidos em autos de declarações.
1.6. Posteriormente, em pleno gozo de férias da instrutora nomeada, através de
requerimento, a empresa visada fez juntar documentação ao processo de contra-
ordenação.
1.7. Nesta data, foi solicitado o envio de elementos, a entidade externa.

2. No que toca à manutenção do ruído nocturno provocado pela actividade e à


consequente perturbação do descanso e a tranquilidade nocturnos da reclamante e do
seu agregado familiar, o qual continua a ser gravemente afectado, refira-se que:
2.1 Na sequência da nossa informação n.º 93/2009, de 18 de Fevereiro e da
deliberação da Câmara Municipal realizada em 09.03.2009, foram notificados os
responsáveis pela exploração dos estabelecimentos Torre, Zé da Adega, Vira Milho,
Chico do Porto, a Francesinha e Churrasqueira Morais.
Vieram a ser ouvido em auto de declarações, entre os dias 23 e 26 de Março
último, Delfim Carlos Paiva, pela “Torre”, César Manuel de Almeida Costa, pelo “Chico
do Porto”, que adquire ao forno, Lina Maria Gonçalves Ferreira Simões, pelo “Zé da
Adega”, António Lourenço Francisco Morais, pela “Churrasqueira Morais” e José
António da Encarnação, pelo “Vira Milho”.
Todos foram unânimes a reconhecer que ali adquirem produtos de padaria
e/ou pastelaria:
a) disse Delfim Carlos Paiva, da “Torre”, que “No seu estabelecimento
consome-se produto de padaria de dois estabelecimentos: da Panificadora de Samora
Correia, que actualmente tem um estabelecimento que também se chama o Forno,
que lhe fornece pão para os almoços e, do “O Forno”, do Porto Alto, que fornece pão
para os jantares, da parte da tarde.”
b) disse César Manuel de Almeida Costa, do “Chico do Porto”, “Que de facto se
abastece de pão no estabelecimento “O Forno”, logo de manhã, pelas 11 horas. O
máximo de que se abastecem é com cerca de 20 bolas por dia. Mais esclareceu que
também se abastecem de pão da Panificadores de Samora Correia. (…) o
estabelecimento que gere abre as portas por volta das 9 horas da manhã.”

2[2]
Recepcionado neste Gabinete Jurídico em 12.06.09.

63
Reunião de 2009-09-14

c) disse Lina Maria Gonçalves Ferreira Simões, do “Zé da Adega, “Que de


facto se abastece de pão no estabelecimento “O Forno”, logo de manhã, pelas 11
horas, sendo que embora não possa precisar a quantidade de pão que diariamente lhe
é fornecido, pois tudo depende das necessidades, a verdade é que aproximadamente
lhes fornecem cerca de 60 a 70 bolinhas por dia. Mais declarou que o estabelecimento
que gere abre as portas entre as 10h 30m e as 11 horas da manhã e encerra às 22 h.
Mais declarou que sabe, por experiência própria, que naquele estabelecimento por
volta das 22h já não há pão para vender em grandes quantidades.”
d) disse António Lourenço Francisco Morais, da “Churrasqueira Morais”, “Que
de facto se abastece de pão no estabelecimento “O Forno”, logo de manhã, antes de
abrir, quando vai buscar os bolos. Mais esclareceu que já tem acontecido esperar que
os bolos estejam prontos. Abastece-se nessa altura com cerca de 15 a 20 bolos e
cerca de 15 a 20 bolinhas de pão. Mais tarde, por volta das 11h 15m, é o próprio
estabelecimento “O Forno” que assegura o envio do pão, sendo que nessa altura são
também fornecidas cerca de 20 a 30 bolinhas. Mais declarou que o estabelecimento
que gere encerra por volta das 22h ou cerca das 23h, no horário de Verão.”
d) disse José António da Encarnação do “Vira Milho”, “Que de facto se
abastece de pão do estabelecimento “O Forno”, pelas 10h e 30m / 11 horas, sendo
que é “o Forno” que lhe vai levar o pão ao estabelecimento. Por norma e diariamente
são-lhe fornecidos cerca de 10 a 15 pães do tipo Mafra. De vez em quando também
compra bolinhas, o que sucede de manhã pelas 9h. Mais declarou que o
estabelecimento que gere abre as portas por volta das 9 horas da manhã e encerra
por volta das 22h/22h 30m.”
2.2. Confirmou-se, portanto que a empresa Mendes da Cruz, Lda. fabrica pão e
produtos de pastelaria que vende a outros estabelecimentos e prova-se que os vende
dentro horário de funcionamento do estabelecimento, sendo certo que o que
caracteriza legalmente uma actividade industrial não é a quantidade de pães ou bolos
vendidos, mas o preenchimento de determinados requisitos legalmente fixados, que se
não verificam no presente caso.
2.3. Tem, pois, de admitir-se que a laboração do estabelecimento “O Forno” ocorra no
período nocturno, mas, ao mesmo tempo, de reconhecer-se que é feita no âmbito do
uso titulado na vertente de fabrico próprio de produtos de padaria/pastelaria para
posterior venda no estabelecimento onde são confeccionados e cuja actividade, na
vertente comercial, também titulada, se inicia às 7h da manhã.

3. Sem embargo do acabado de referir, a verdade é que alegadamente a situação


geradora de ruído, ou seja, de incomodidade, parece manter-se, sendo que é à
laboração do estabelecimento que tal incomodidade esta associada.
3.1. Neste enfoque, porque é da laboração que resulta actividade ruidosa, cujos
valores se caracterizam situações não regulamentares, geradoras de incomodidade,
degradação da qualidade de vida e segurança da reclamante, prejudicando e pondo
em risco o seu legítimo direito à saúde e bem estar, em termos técnicos, não resta
senão propor, ao abrigo do art. 27.º/1 e 2 do Regulamento Geral do Ruído – RGR,
aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro 3[3], que sejam notificados os
representantes legais da empresa Mendes da Cruz, Lda. quanto à intenção de ser
ordenada a suspensão da actividade apenas no período nocturno, até que
providenciem a adopção de soluções adequadas ao cumprimento dos limites fixados
pelo RGR. Nos termos do art. 27.º/3 do RGR disporão do prazo de 3 (três) dias a
contar da notificação para se pronunciarem sobre o teor do despacho que vier a ser
produzido.

Conclusão

3[3]
Diploma que foi posteriormente rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 18/2007, de 16 de
Março e alterado pelo Decreto-Lei n.º 278/2007, de 1 de Agosto.

64
Reunião de 2009-09-14

- Na sequência da recepção do Relatório de Medição de Ruído A e do mencionado


nos pontos 1.1. a 1.3. desta informação, está em fase de instrução o processo de
contra-ordenação n.º 56/2009.
- A empresa Mendes da Cruz, Lda. fabrica pão e produtos de pastelaria que vende a
outros estabelecimentos e prova-se que os vende dentro horário de funcionamento do
estabelecimento, sendo certo que o que caracteriza legalmente uma actividade
industrial não é a quantidade de pães ou bolos vendidos, mas o preenchimento de
determinados requisitos legalmente fixados, que se não verificam no presente caso.
-Tem, pois, de admitir-se que a laboração do estabelecimento “O Forno” ocorra no
período nocturno, mas, ao mesmo tempo, de reconhecer-se que é feita no âmbito do
uso titulado na vertente de fabrico próprio de produtos de padaria/pastelaria para
posterior venda no estabelecimento onde são confeccionados e cuja actividade, na
vertente comercial, também titulada, se inicia às 7h da manhã.
- Alegadamente a situação geradora de ruído, ou seja, de incomodidade, parece
manter-se, sendo que é à laboração do estabelecimento que tal incomodidade está
associada.

Proposta
- Tecnicamente, deve propor-se ao abrigo do art. 27.º/1 e 2 do Regulamento Geral do
Ruído – RGR, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro, que sejam
notificados os representantes legais da empresa Mendes da Cruz, Lda. quanto à
intenção de ser ordenada a suspensão da actividade apenas no período nocturno, até
que providenciem a adopção de soluções adequadas ao cumprimento dos limites
fixados pelo RGR. Nos termos do art. 27.º/3 do RGR disporão do prazo de 3 (três) dias
a contar da notificação para se pronunciarem sobre o teor do despacho que vier a ser
produzido.

Helena Machado, Técnica Superior, Jurista.

Parecer: Parecer:

O Chefe da Divisão Municipal de O Director do DMOUASU


Obras Particulares
Despacho:

À reunião.

09SET07

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: O SENHOR VEREADOR MIGUEL CARDIA recordou


que durante largos meses a Câmara Municipal, representada em várias diligências
pelo Senhor Presidente e por ele próprio, tentou obter autorização da reclamante para
que pudessem ser efectuadas medições acústicas na respectiva fracção, face às
queixas que continuava a apresentar de eventuais incomodidades, sem sucesso.
Em Junho do ano em curso, a advogada da munícipe enviou para a Câmara Municipal
um relatório de medição de ruído, efectuada pela Agência Portuguesa do Ambiente,
que apontava para valores irregulares face ao Regulamento Geral de Ruído.
No dia treze de Julho, em reunião ordinária da Câmara Municipal, foi deliberado
instaurar o respectivo processo de contra-ordenação, vindo agora a advogada
questionar acerca das conclusões do relatório enviado.
Em conclusão, o Gabinete Jurídico aponta que, face ao Regulamento Geral de Ruído,
deve a Câmara Municipal mandar cessar a actividade no período nocturno, até que
estejam garantidas as condições adequadas para o cumprimento dos limites fixados
naquele Regulamento.

65
Reunião de 2009-09-14

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar as conclusões e a proposta


do Gabinete Jurídico, devendo ser notificados os representantes legais da empresa
Mendes da Cruz, Lda., quanto à intenção de ser ordenada a suspensão da actividade
apenas no período nocturno, até que providenciem a adopção de soluções adequadas
ao cumprimento dos limites fixados pelo Regulamento Geral de Ruído.

04 – Departamento Municipal da Cultura, Desporto, Educação, Juventude


e Acção Social

04.01 – Divisão Municipal da Cultura, Educação e Turismo

04.01.01 – Secção de Acção Sócio-Educativa

Ponto 37 – PROPOSTA DE ATRIBUIÇÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS – ANO


LECTIVO 2009/2010 – 1.º CICLO - APURAMENTO DE ESCALÃO

Informação D.M.C.E.T. n.º 93/2009, de 27 Agosto

No âmbito da promoção de medidas de combate à exclusão social e ao abandono


escolar, bem como, na igualdade de oportunidades no acesso e sucesso escolar, os
Municípios assumem um papel de responsabilização ao assegurar a continuidade e
reforçar o apoio socioeducativo, aos alunos do ensino pré escolar e 1.º ciclo do ensino
básico.

Estabelece o Decreto-Lei n.º 55/2009, de 2 de Março, as medidas que compreendem


a atribuição de benefícios, no que se refere à alimentação, alojamento entre outros
subsídios de auxílios económicos. As normas para atribuição dos auxílios económicos
e os respectivos valores de comparticipação encontram-se definidas no Despacho n.º
18987/2009, de 17 Agosto de 2009. Em anexo, proposta de atribuição de auxílios
económicos a alunos de 1.º ciclo para o ano lectivo de 2009/2010.
Têm direito a beneficiar dos referidos apoios, os alunos pertencentes aos agregados
familiares integrados no 1.º e 2.º escalão de rendimentos determinados para efeitos de
atribuição de abono de família, devendo para o efeito fazer prova do seu
posicionamento nos escalões de abono de família junto do agrupamento ou escola,
mediante entrega de documento emitido pelo serviço competente da Segurança
Social. Os alunos que por motivos alheios não sejam detentores do referido
documento, deverão anexar ao boletim de candidatura outros documentos que
permitam ao sector de Intervenção Social e Saúde da Câmara Municipal proceder à
atribuição do escalão.

O Município de Benavente, já recepcionou até ao momento 571 Boletins de


candidatura a auxílios económicos, referentes ao 1.º Ciclo do ensino básico,
distribuídos pelos três Agrupamentos de Escolas, de acordo o quadro e listagem dos
alunos em anexo.

PROPOSTA DE ATRIBUIÇÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS E ALUNOS


CARENCIADOS – ANO LECTIVO 2009/2010

1 – REFEITÓRIOS ESCOLARES:

a) Preço da refeição 1,68 €


b) Preço da refeição para os alunos 1,46 €
c) Comparticipação da Câmara por refeição/aluno 0,22 €

66
Reunião de 2009-09-14

d) Taxa adicional para as senhas compradas no próprio dia 0,30 €


e) Preço da refeição pessoal docente e não docente 3,70 €
f) Preço refeição, apenas sopa e fruta, pessoal docente e não docente 1,00 €

2 – SUBSÍDIOS DE ALIMENTAÇÃO:

a) Alunos de escalão 1 – Têm direito a refeição gratuita


b) Alunos de escalão 2 – pagam 0,73 € por refeição e a CMB comparticipa com
0,95 €.
Os alunos que não puderem pagar os 0,73 € deverão ser dispensados de o
fazer, mediante proposta da Escola, devidamente fundamentada.

3 – SUBSÍDIO PARA LIVROS E MATERIAL ESCOLAR:

Alunos de Alunos de
escalão 1 escalão 2
1.º CICLO 75,00 € 49,00 €

4 – SUBSÍDIO PARA EQUIPAMENTO CONTRA A CHUVA E/OU FRIO:

a) São subsidiados os alunos (carenciados 1 e 2) que percorram a pé 1,5km ou


mais, no percurso casa/escola/casa.
b) O equipamento, constituído por uma capa com capuz e botas apropriadas, é
concedido gratuitamente. É adquirido pela Escola e não deve ultrapassar o
preço de 69 €.

5 – CAPITAÇÕES A CONSIDERAR:

a) Escalão Escalão 1 do abono de família


b) Escalão B Escalão 2 do abono de família
c) Escalão A (alunos com n. e.e.) Escalão 1, 2 e 3 do abono de família

A Chefe DMCET
Cristina Gonçalves

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade, aprovar a proposta de atribuição de


auxílios económicos a alunos carenciados para o ano lectivo 2009/2010, nos termos
propostos.

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

TRANSPORTES ESCOLARES 2009-2010

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

67
Reunião de 2009-09-14

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.
Benavente, 14 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 13 - TRANSPORTES ESCOLARES 2009-2010

Informação D.M.C.E.T. n.º 098/2009, de 11 de Agosto

De acordo com o artigo 2.º n.º 1 do Decreto-Lei 299/84, de 5 de Setembro, compete


à Câmara Municipal de Benavente, organizar e gerir os transportes escolares,
constituindo como competência a oferta do serviço de transporte entre o local de
residência e o local dos estabelecimentos de ensino, quando residam a mais de 3
Km ou 4 Km dos estabelecimentos de ensino, respectivamente sem ou com
refeitório.

Os alunos Catarina Sofia Gameiro, Tiago José Gameiro, Caizer Sumbia Mura e
Cairis Sumbia Mura, por se tratarem de alunos com necessidades educativas
especiais, foram matriculados compulsivamente na escola de referência em Vila
Franca de Xira, assim propõe-se o seu transporte em táxi, uma vez que, não existe
disponibilidade para efectuar o serviço em veículos camarários.

À Consideração Superior

Carina Teles Caniço,


Técnica Superior de Gestão Autárquica

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade assumir os encargos com o transporte


dos quatros alunos em táxi.

04.01.02 – Sector de Acção Cultural

Ponto 38 - PEDIDO DE CEDÊNCIA DO CENTRO CULTURAL DE BENAVENTE

Entidade: Assembleia de Deus Pentecostal – Igreja Evangélica


Assunto: Comemorações das Bodas de Ouro da Instituição – Pedido de cedência do
Centro Cultural de Benavente

Informação SASE n.º 096/2009

68
Reunião de 2009-09-14

Assunto: Solicitam a cedência do Centro Cultural de Benavente para os dias 17 e 18


de Outubro, para a realização das comemorações das Bodas de Ouro da referida
Igreja.
As instalações encontram-se disponíveis na data pretendida.

A Coordenadora Técnica
Ana Infante

SASE, 2 de Setembro de 2009

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade ceder o espaço, nas datas e para o


objectivo pretendido, devendo a Assembleia de Deus Pentecostal – Igreja Evangélica
assumir o pagamento das horas extraordinárias, ao pessoal afecto àquele
equipamento municipal.

Ponto 39 – IX EXPO-FEIRA DE COLECCIONISMO – PEDIDO DE CEDÊNCIA DE


MATERIAL

Entidade: Sociedade Filarmónica Benaventense – Núcleo Filatélico e Numismático


Vem a entidade referenciada em epígrafe e, na sequência da realização da IX Expo-
Feira de Coleccionismo, no próximo dia 26 de Setembro, no Centro Cultural de
Benavente, solicitar a cedência da aparelhagem sonora propriedade do Município,
bem como o empréstimo de bandeiras (Concelhia e Nacional), com os respectivos
pedestais.
Solicitando também a cedência da chave do Centro Cultural no dia 23 de Setembro.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade prestar o apoio logístico solicitado.

Ponto 40 – FESTIVAL DE FOLCLORE INFANTIL – PEDIDO DE


COMPARTICIPAÇÃO FINANCEIRA

Entidade: Sociedade Filarmónica União Samorense

Vem a entidade referida em epígrafe informar da realização de um Festival de Folclore


Infantil no próximo dia 26 de Setembro.
Contando este evento com um desfile etnográfico pela ruas, seguido da actuação dos
ranchos, finalizando com um jantar convívio.
Para que tudo seja possível, vem solicitar uma comparticipação financeira.

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: O SENHOR VEREADOR CARLOS COUTINHO


informou, que na atribuição dos subsídios ordinários está considerada uma verba de
quinhentos e vinte e três euros para a realização quer de encontros de bandas
filarmónicas, quer de festivais de folclore, não estando prevista, aquando das reuniões
com as colectividades e associações, a realização de um Festival de Folclore Infantil
da Sociedade Filarmónica União Samorense.
Tendo em conta que o festival em apreço, vai decorrer fora da sede daquela
colectividade, propôs a atribuição de um subsídio extraordinário de quinhentos e vinte
e três euros para a realização da iniciativa, mantendo o critério que tem vindo a ser
adoptado pela Câmara Municipal.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade aprovar a proposta do Senhor Vereador


Carlos Coutinho.

69
Reunião de 2009-09-14

INTRODUÇÃO DE UM PONTO EXTRA À ORDEM DO DIA

6.º ENCONTRO CONCELHIO DE FOLCLORE

Relativamente ao objecto das deliberações dos órgãos Colegiais, o art. 83.º da Lei
169/99, de 18 de Setembro, estabelece uma regra e uma excepção.

Assim:

A Regra é de que só podem ser alvo de discussão e objecto de deliberação os


assuntos incluídos na ordem do dia, distribuída a todos os membros do órgão, com a
antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião.

A Excepção, consiste na possibilidade de, em reuniões ordinárias, outros assuntos


poderem ser abordados, desde que dois terços dos membros presentes por
reconhecerem urgência, os queiram ver tratados.

Considerando:

- a urgência e a natureza do assunto, proponho que seja introduzido na Ordem do Dia


o ponto a seguir discriminado.

Benavente, 11 de Setembro de 2009

O Presidente da Câmara
- António José Ganhão -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade introduzir o presente ponto extra na


ordem do dia.

Ponto Extra 14 - 6.º ENCONTRO CONCELHIO DE FOLCLORE

Informação SASE n.º 097/2009

De acordo com as reuniões havidas com os diversos grupos de folclore do concelho,


vai realizar-se no próximo dia 19 de Setembro de 2009, integrado na Feira Anual de
Benavente, o 6.º Encontro Concelhio de Folclore, com a participação dos seguintes
agrupamentos:

- Rancho Folclórico da AREPA


- Rancho Típico Saia Rodada
- Rancho Folclórico de Foros da Charneca
- Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos
- Grupo Etnográfico Samora e o Passado

• Custos previstos

- Jantar para 210 elementos – a)


- Flores e troféus comemorativos do evento

a) O jantar está previsto para o Centro Escolar de Benavente. Para o evento estão
orçamentados € 1.000.

Benavente, 10 de Setembro de 2009

70
Reunião de 2009-09-14

O Animador Cultural

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade assumir os encargos com o 6.º Encontro


Concelhio de Folclore.

04.02 – Divisão Municipal de Desporto, Acção Social e Saúde

04.02.01 – Sector de Fomento Desportivo

Ponto 41 – REALIZAÇÃO DA 3.ª PROVA DO CAMPEONATO NACIONAL DA 2.ª


DIVISÃO – PEDIDO DE SUBSÍDIO

Entidade: Secção de Pesca do Grupo Desportivo de Benavente

Vem a entidade referida em epígrafe aferir da possibilidade de lhes ser atribuído um


subsídio extraordinário, para fazer face às despesas inerentes à prova que se realizará
nos dias 03 e 04 de Outubro, em Pedrógão.
Uma vez que a prova se realiza em Pedrógão e, por ter o seu início às 7h00, os cinco
pescadores que representarão o clube, terão que pernoitar naquela localidade.
Face à natureza da prova e devido também às condições do local e à diversidade das
espécies piscícolas, a aquisição do material necessário, nomeadamente engodos e
iscos.

“Previsão de despesas para a 3.ª Prova – 03 e 04 de Outubro – Pedrógão

3,5 litros de asticot x 10 = 140,00 €


1 Kg de cânhamo x 5 = 7,50 €
2 Kg de trigo x 5 = 7,50 €
Transporte para 2 dias = 30,00 €
Alimentação x 5 = 50,00 €
Dormida (sábado para domingo) x 5 = 150,00 €

Total – 525,00 €

DISCUSSÃO/INTERVENÇÕES: A SENHORA VEREADORA CLARISSE


CASTANHEIRO referiu, que atendendo à descriminação das despesas apresentadas
pela Secção de Pesca do Grupo Desportivo de Benavente, a Câmara Municipal não
tem de atribuir subsídios extraordinários para dormidas e deslocações, tanto mais que
existe um subsídio ordinário anual para a dinâmica das colectividades.
No entanto, tendo em conta o excelente trabalho que aquela Secção de Pesca vem
desenvolvendo, dependendo a manutenção do lugar na 2.ª Divisão Nacional, do
resultado da competição em apreço, propôs a atribuição de um subsídio de valor
simbólico, que se poderá situar entre os cinquenta e os setenta e cinco euros.

O SENHOR VEREADOR ANTÓNIO NEVES referiu não ser do seu agrado, a


atribuição de subsídios em função de despesas correntes, como é o caso da aquisição
de engodos e iscos, as quais devem ser da responsabilidade dos clubes.

O SENHOR PRESIDENTE opinou, que a Senhora Vereadora Clarisse Castanheiro


deverá formular à Câmara Municipal uma proposta, no sentido de ser reforçado o
subsídio atribuído à Secção de Pesca do Grupo Desportivo de Benavente, num valor
que entenda justo, tendo em conta a atribuição de um subsídio anual de igual valor
para todos os clubes de pesca, e considerando o facto de estar aquela Secção de

71
Reunião de 2009-09-14

Pesca a disputar o Campeonato Nacional da 2.ª Divisão, após o que deverá o assunto
ser de novo agendado.

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade concordar com a opinião expendida pelo


Senhor Presidente da Câmara Municipal.

Ponto 42 – ELEIÇÃO DOS NOVOS CORPOS SOCIAIS

Entidade: Associação Desportiva e Cultural de Benavente (ADCB)

Vem a entidade referenciada em epígrafe, através do ofício com a Ref.ª 09/JR/010,


apresentar a nova direcção da ADCB.

Novos Corpos Sociais:

Assembleia Geral

Luís Miguel da Silva Coalho do Rosário


Luís Filipe Branco Seabra de Melo
Paulo Jorge Marques

Conselho Fiscal

Carlos Manuel Ganhão Carvalho Barrão


Joaquim Manuel da Silva Branco
José Manuel Marques

Direcção

Presidente – Francisco Jorge Silva Lobato


Vice-Presidente – César Manuel Guilherme Domingos Raquel
1.º Secretário – Ana Paula Lourenço Simões Alves
2.º Secretário – Jorge Miguel Rodrigues Raquel
Tesoureiro – José António Sousa Ressonha Santos
1.º vogal – Mariana Agostinho Tomás
2.º vogal – Florival João Rodrigues Palhas

Directores de Equipa

André Filipe Neto Barão Gomes


Aníbal José Branco Narciso
António Alexandrino Cartaxo Nunes
António Carlos Valente Caldeira
António Manuel Gonçalves Nunes
Cidália Maria Martins José Moreira
Lúcia Maria Ferreira Oliveira
Paulo Jorge Mendonça Lopes da Cunha
Vanda Cristina de Jesus Rico Farto Lobato

«A Câmara Municipal tomou conhecimento, endereçando aos novos órgãos, votos do


maior sucesso nas actividades a desenvolver.»

72
Reunião de 2009-09-14

Ponto 43 – BENEFICIAÇÃO DA SEDE DA SECÇÃO DE PESCA DO GRUPO


DESPORTIVO DE BENAVENTE – PEDIDO DE APOIO FINANCEIRO

Entidade: Secção de Pesca do Grupo Desportivo de Benavente


Assunto: Obras de beneficiação da sede – envio de orçamento

Através de ofício vem a entidade referida em epígrafe informar:

“Depois da visita do Vereador Carlos Coutinho ao local sito no n.º 10 da Avenida Dr.
Manuel Lopes de Almeida, em Benavente, a propósito das obras que estamos a
executar para melhorar as condições da nossa sede, e perante o grau de degradação
em que as paredes e tectos se encontram, o Vereador constatou que é necessária
uma intervenção urgente para que o edifício fique com as mínimas condições de uso e
para que assim se mantenha.
Nesse sentido e porque tanto as paredes como os tectos estão cheios de humidade, a
colocação de pladur em ambos, com uma caixa-de-ar de 2 cm, pareceu ser a melhor
solução.
Assim, vimos pela presente apresentar o melhor orçamento para a obra, que se anexa
a esta carta, e solicitar o subsídio correspondente para podermos avançar com os
arranjos.”

Valor do Orçamento: 2.600,00 € acrescidos de IVA à taxa de 20%

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade transferir para o Grupo Desportivo de


Benavente, a verba de 2.600,00 € (dois mil e seiscentos euros), para o efeito.

04.02.03 – Sector de Intervenção Social e Saúde

Ponto 44 – PEDIDO DE HABITAÇÃO SOCIAL – RENDA APOIADA

Informação n.º 155

- SITUAÇÃO PROBLEMA

A renda é muito elevada face aos rendimentos e restantes encargos do agregado


familiar. Presentemente a Sra. e o marido, receberam um aviso a informar que a acção
judicial interposta, na qual seriam sujeitos a acção de despejo, a produzir efeitos a 9
de Julho de 2009, só não se concretizou até ao momento, uma vez que, a Dra. Luísa
Ribeiro (advogada da Silviurbana) tem conseguido adiar esta situação constrangedora
e problemática.

- PARECER SOCIAL/PROPOSTA

Face ao exposto e tendo em consideração a existência de dois filhos menores,


considera-se de extrema importância prestar apoio habitacional a este agregado
familiar.

Foram encetados contactos com a Imobiliária Silviurbana e fomos informados que o


agregado poderia ficar no mesmo imóvel, sito na Rua Jaime Cortesão, lote 25, 4.º dto./
Samora Correia, tipologia T3, pelo valor de 307.42 € de renda mensal.

Assim, sugere-se que o Município de Benavente celebre o contrato de arrendamento


com a Imobiliária Silviurbana (representante do proprietário), suportando o Município
o pagamento mensal dos 157.42 €. Ficando posteriormente o agregado familiar,

73
Reunião de 2009-09-14

após celebração de contrato de subarrendamento com uma renda mensal no valor


de 150 €.

Propõe-se que o subarrendamento seja efectuado pelo período de dois anos,


considerando que o horizonte temporal definido, permitirá que a família se autonomize
e passe a mesma a suportar a renda mensal na totalidade.

Submete-se à consideração de V. Exa. a análise da informação.

Benavente, 01 de Setembro de 2009


A Técnica Superior (Sociologia)
- Vera Silva -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação social


e diligenciar a celebração dos contratos de arrendamento e subarrendamento nos
termos preconizados na mesma, autorizando-se o Senhor Presidente da Câmara
Municipal a outorgar os citados contratos pelo prazo de dois anos.

Ponto 45 – PEDIDO DE HABITAÇÃO SOCIAL – RENDA COMPARTICIPADA

Informação n.º 157

- SITUAÇÃO PROBLEMA

- A munícipe referiu, que se encontra em situação de desespero, porque deixou de


conseguir pagar a renda da habitação onde se encontra a residir, uma vez que se
encontra sozinha com as filhas, porque a relação com o companheiro terminou.
Sempre trabalhou, mas presentemente encontra-se a receber RSI, porque não
consegue arranjar emprego. Só tem em divida o mês actual (Setembro de 2009), já
utilizou o valor do mês de caução (Agosto 2009). A proprietária do imóvel, logo ao dia
8 do mês de Agosto de 2009 informou a inquilina que teria que sair com a maior
brevidade. A munícipe dada a sua situação económica, instabilidade e precariedade
profissional, não tem capacidade financeira para continuar a suportar o valor de renda
mensal deste imóvel.
Na sequência do exposto, e sem qualquer hipótese de alugar outra habitação com os
actuais rendimentos, a Sra. dirigiu-se a esta Autarquia solicitando apoio para o aluguer
de um imóvel.

PARECER SOCIAL/PROPOSTA

Face ao exposto e na sequência dos apoios que têm vindo a ser prestados ao nível da
renda comparticipada, solicita-se que esta família monoparental possa beneficiar, para
não acumular divida referente a rendas e não ficar sujeita a acção de despejo, de um
apoio a este nível.

- Foram encetados contactos com a Imobiliária Silviurbana e fomos informados que


existe um imóvel disponível para arrendamento e pronto a ser habitado (não
necessitando de obras de arranjo e melhoramento), sito Rua Alfredo Keill, lote 38 4.º
dto./ Samora Correia, tipologia T3, pelo valor de 290 € de renda mensal.

Assim, sugere-se que o Município de Benavente celebre o contrato de arrendamento


com a Imobiliária Silviurbana, suportando o Município o pagamento mensal dos
170 €. Ficando posteriormente a Munícipe, após celebração de contrato de
subarrendamento com uma renda mensal no valor de 120 €.

74
Reunião de 2009-09-14

Propõe-se que o subarrendamento seja efectuado pelo período de dois anos,


considerando que o horizonte temporal definido, permitirá que a família se autonomize
e passe a mesma a suportar a renda mensal na totalidade.

Submete-se à consideração de V. Exa. a análise da informação.

Benavente, 03 de Setembro de 2009

A Técnica Superior (Sociologia)


- Vera Silva -

DELIBERAÇÃO: Deliberado por unanimidade homologar a presente informação social


e diligenciar a celebração dos contratos de arrendamento e subarrendamento nos
termos preconizados na mesma, autorizando-se o Senhor Presidente da Câmara
Municipal a outorgar os citados contratos pelo prazo de dois anos.

Ponto 46 – INTERVENÇÕES DOS MEMBROS DA CÂMARA

SENHOR VEREADOR ANTÓNIO NEVES

1- INAUGURAÇÃO DO CENTRO ESCOLAR DE BENAVENTE

Mencionou, que no decurso da inauguração do Centro Escolar de Benavente, pôde


aperceber-se do sentimento de satisfação por parte da comunidade, constituindo tal
motivo de orgulho pelo dever cumprido, relativamente ao compromisso assumido pela
Câmara Municipal.
Contudo, referiu um problema em concreto, que se prende com o facto de no final de
Junho, terem os professores comunicado que se manteria tudo tal e qual, no que se
refere às actividades extracurriculares.
Comentou que, no entanto, as condições actuais são outras, permitindo que o serviço
de refeições e todas as actividades se desenvolvam dentro do recinto escolar, sendo
que tal constitui uma alteração significativa, até mesmo no planeamento, por parte dos
pais, do dia-a-dia das crianças, na tentativa de assegurar que tenham o tempo todo
preenchido.
Com a abertura do Centro Escolar de Benavente, com as condições que já referiu
anteriormente e das quais apenas hoje os pais tomaram conhecimento, haverá
necessidade de dar resposta imediata àqueles que irão garantidamente optar pelos
novos serviços que são ali postos à disposição, por um valor mensal de trinta euros,
referindo a sua própria experiência pessoal, que crê ser análoga à de muitos, que
tinha de recorrer aos serviços dos denominados ATL, cujos encargos são
substanciais, rondando os duzentos euros mensais por cada criança.
Referiu, que se verificou a falta de impressos para novas inscrições, bem como de
senhas de refeição, tendo sido afirmado pelos funcionários que, relativamente a quem
não tinha feito atempadamente a respectiva inscrição, ficaria a mesma condicionada a
uma resposta por parte da Câmara Municipal, não havendo garantia de obtenção de
vagas para as actividades extracurriculares.
Concluiu, afirmando que se existem bons serviços para prestar, será bom que os
mesmos sejam prestados logo no início do ano lectivo.

Na sequência da intervenção do Senhor Vereador, o SENHOR PRESIDENTE teceu as


seguintes considerações:

75
Reunião de 2009-09-14

Esclareceu, que todo o planeamento das actividades enriquecimento curricular, foi


feito em função dos respectivos boletins de inscrição apresentados.
Afirmou ser necessário articular com os Agrupamentos de Escolas e com o parceiro
que está a desenvolver aquelas actividades, a possibilidade de alargar as mesmas em
função das pretensões dos pais, tendo presente os horários, a utilização das salas e o
regime de desdobramento.

Ponto 47 – APROVAÇÃO DE DELIBERAÇÕES EM MINUTA

Ao abrigo do preceituado no número três do artigo nonagésimo segundo da Lei


número cento e sessenta e nove barra noventa e nove, de dezoito de Setembro, foi
deliberado, para que produzam efeitos imediatos, aprovar em minuta as seguintes
deliberações:

- Proposta de abertura de procedimentos concursais comuns para ocupação de


postos de trabalho de assistente operacional da carreira de assistente
operacional;
- Celebração de contrato de avença / Tecnologias da comunicação;
- Aquisição de parcela de terreno rústica sita na Lezíria dos Cavalos em
Benavente;
- Venda judicial de fracção de prédio urbano sito no Cerrado do Valverde, lote 8
em Benavente;
- Venda judicial de fracção de prédio urbano sito na Vila das Areias, lote 6 em
Benavente;
- Exercício do Direito de Preferência conferido ao Município de Benavente no
âmbito do Decreto n.º 19/2008;
- 2.ª Revisão ao Orçamento e às Grandes Opções do Plano;
- Empreitada de: “Redes de drenagem de águas residuais na Urbanização do
Telhal, em Porto Alto” - Plano de Segurança e Saúde / Aprovação;
- Certidão de destaque;
- Licenciamento de operações de loteamento;
- Reclamação;
- Ano lectivo 2009/2010 – Proposta de atribuição de auxílios económicos – 1.º
ciclo - Apuramento de escalão;
- Transportes Escolares 2009/2010;
- 6.º Encontro Concelhio de Folclore.

ENCERRAMENTO DA REUNIÃO

Não havendo mais nada a tratar o Senhor Presidente declarou encerrada a reunião às
dezassete horas e cinquenta minutos.
Para constar se lavrou a presente acta, que depois de aprovada, vai ser assinada.
E eu,
Director do Departamento Municipal Administrativo e Financeiro, a subscrevi e assino.

76
Município
de
Benavente

2.ª Revisão
ao

2009
APROVAÇÃO
Câmara Municipal Reunião de 14/09/2009
Assembleia Municipal Sessão de __/09/2009
Município de Benavente

Modificação ao Orçamento
Ano Económico: 2009 Receita Revisão Nº 2
Classificação Económica Previsões Modificações Orçamentais Previsões Observações
Actuais Corrigidas
Código Designação Inscrições/Reforços Diminuições/Anulações
06 Transferências correntes
0603 Administração central
060301 Estado
06030199 Outras
0603019910 DGAL - Gabinete técnico florestal 0,00 11.667,00 11.667,00
060306 Estado-Particip.comunit.projectos co-financiados
06030602 Programa Foral 0,00 2.853,00 2.853,00
0607 Instituições sem fins lucrativos
060701 Instituições sem fins lucrativos 5,00 5.000,00 5.005,00
Receitas Correntes: 5,00 19.520,00 0,00 19.525,00

Total de receitas correntes: 5,00 19.520,00 0,00 19.525,00


Total de receitas de capital: 0,00 0,00 0,00 0,00
Total de outras receitas: 0,00 0,00 0,00 0,00
Totais: 5,00 19.520,00 0,00 19.525,00

Emitido em: 11-09-2009 16:44:10 Pág. 1/2


Município de Benavente

Modificação ao Orçamento
Ano Económico: 2009 Despesa Revisão Nº 2
Classificação Económica Dotações Modificações Orçamentais Dotações Observações
Actuais Corrigidas
Código Designação Inscrições/Reforços Diminuições/Anulações
02 Câmara Municipal e Serviços Municipais
02 02 Aquisição de bens e serviços
02 0201 Aquisição de bens
02 020120 Material de educação, cultura e recreio 13.000,00 10.000,00 23.000,00
Despesas Correntes: 13.000,00 10.000,00 0,00 23.000,00
02 08 Transferências de capital
02 0805 Administração local
02 080501 Continente
02 08050101 Munícipios 0,00 9.520,00 9.520,00
Despesas de Capital: 0,00 9.520,00 0,00 9.520,00

Total do Orgão 02: 13.000,00 19.520,00 0,00 32.520,00


Total de despesas correntes: 13.000,00 10.000,00 0,00 23.000,00
Total de despesas de capital: 0,00 9.520,00 0,00 9.520,00
Total de outras despesas: 0,00 0,00 0,00 0,00
Totais: 13.000,00 19.520,00 0,00 32.520,00

ORGÃO EXECUTIVO ORGÃO DELIBERATIVO


Em .......... de ................................... de ............... Em .......... de ................................... de ...............

................................................................................. .................................................................................

Emitido em: 11-09-2009 16:44:10 Pág. 2/2


Município de Benavente
MODIFICAÇÕES Ano de 2009
ÀS GRANDES OPÇÕES DO PLANO - GOP (PPI e AMR) Revisão Nº 2
Classificação Datas Despesas
Obj.Prog. Projecto Acç.Sub- Designação Orçamental Resp. (Mês/Ano) Ano Corrente - 2009 Anos Seguintes
acç. Dotação Actual Modificação Dotação Corrigida
Ano Nº Org. Económica Inicio Fim Financ. Financ. Total Financ. Financ. Financ. Financ. Total 2010 2011 2012 2013
Definido Não Def. Definido Não Def. Definido Não Def. e seguintes
02 PATRIMÓNIO, CULTURA E CIÊNCIA 837.776,00 0,00 837.776,00 10.000,00 847.776,00 0,00 847.776,00
02 001 Cultura 837.776,00 0,00 837.776,00 10.000,00 847.776,00 0,00 847.776,00
02 001 20095008 Projecto Crescer a Ler por Benavente - 02 020120 04 01/09 12/09 0,00 0,00 0,00 10.000,00 10.000,00 0,00 10.000,00
material p/ bibliotecas (Fund. C. Gulbenkian)

09 AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO 1.098.441,00 100.000,00 1.198.441,00 1.098.441,00 100.000,00 1.198.441,00 430.000,00
09 003 Resíduos sólidos 967.361,00 100.000,00 1.067.361,00 967.361,00 100.000,00 1.067.361,00 430.000,00
09 003 20055027 Serviços de higiene urbana 863.161,00 100.000,00 963.161,00 863.161,00 100.000,00 963.161,00 430.000,00
09 003 20055027 1 Contratação de empresas de higiene e 02 020202 03 01/05 12/10 430.000,00 0,00 430.000,00 430.000,00 0,00 430.000,00 430.000,00
limpeza

11 EQUIPAMENTO RURAL E URBANO 1.960.651,00 696.066,00 2.656.717,00 1.960.651,00 696.066,00 2.656.717,00 305.000,00
11 001 Espaços verdes 1.729.222,00 326.361,00 2.055.583,00 1.729.222,00 326.361,00 2.055.583,00 305.000,00
11 001 20065029 Manutenção e conservação de jardins e zonas 447.500,00 0,00 447.500,00 447.500,00 0,00 447.500,00 305.000,00
verdes
11 001 20065029 1 Conservação de zonas verdes 02 020203 03 01/06 12/10 303.500,00 0,00 303.500,00 303.500,00 0,00 303.500,00 305.000,00

Totais da modificação às Grandes Opções do Plano - GOP 733.500,00 0,00 733.500,00 10.000,00 0,00 743.500,00 0,00 743.500,00 735.000,00 0,00 0,00 0,00

ORGÃO EXECUTIVO ORGÃO DELIBERATIVO


Em de de Em de de

Data de Emissão: 11-09-2009 17:15:44 Pág. 1/1