Você está na página 1de 10

FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMECINA

RELATÓRIO DE BIOQUÍMICA

CURITIBA
2017
PATRICK ALVES DOS SANTOS
ANDREZA ZINHER DA SILVA

RELATÓRIO DE BIOQUÍMICA
Relatório apresentado como requisito
parcial de avaliação da Disciplina Bioquímica para
as Faculdades Pequeno Príncipe – FPP.
Orientador(a): Prof. (ª). Janaina

CURITIBA
2017
Sumário
INTRODUÇÃO ............................................................................................................................ 1
OBJETIVOS ................................................................................................................................ 2
MÉTODOS................................................................................................................................... 2
RESULTADOS:........................................................................................................................... 3
DISCUSSÕES............................................................................................................................. 4
ANEXO ......................................................................................................................................... 5
REFERÊNCIAS .......................................................................................................................... 7
INTRODUÇÃO

O pH ou potencial hidrogeniônico, é uma escala utilizada para indicar se um


substancia é acida, neutra ou base. A escala de pH baseia na concentração de
íons H+ em um solução Esta escala varia de 0 a 14, sendo que uma substancia
que se encontra abaixo de pH 7 é definida com acida, e acima de pH 7 é definida
como básica. (RUSSEL, 2011)
Grande parte dos organismos vivos, incluindo os seres humanos, tem a
necessidade de manter uma faixa bem estreita de pH para garantir sua
sobrevivência. Deste modo, os tampões biológicos têm um papel fundamental
na neutralização das variações de pH, garantem a estabilidade de íons nos
sistemas biológicos. (NELSON, 2014)
Um exemplo de tampão biológico que mantém o pH do sangue humano é o
H2CO3 (ácido carbônico) e sua base conjugada, o Bicarbonato de Sódio.

1
OBJETIVOS
Objetivo geral:
- Reconhecer a importância do controle de pH na homeostase dos organismos,
enfatizando os conceitos de pH e soluções tampão

Objetivos específicos:
- Determinar o pH de soluções através de método colorimétrico, utilizando indicador
universal
- Entender o funcionamento de soluções tampão e sua importância fisiológica

MATERIAIS
Reagentes:
Solução de pH determinado: 3,4,5,6,7,8,9,10
Fenolftaleína (reagente universa)
NaOH 0,1 mol/L
HCl 0,1 mol/L
Solução tampão pH 7,0

Vidrarias:
Tubos de ensaio
Becker
Pipeta graduada 10ml

Equipamentos:
Pera/ Pipetador
Micropipeta 1000 µl/ 200 µl/50 µl
Pipeta de Pasteur
Estante para tubos de ensaio
Canudo plástico

MÉTODOS
Escala Padrão:
1. Separou se 8 tubos de ensaio

2
2. Cada um dos tubos foi identificado com um número de 3 a 10.
3. Adicionou se 5 gotas de indicador universal em cada um dos tubos.
4. Adicionou se 9 ml de água destilada em cada tubo e homogeneizou se.
5. A escala padrão tem por objetivo, servir como um padrão de comparação para
identificação de pH quando não há equipamentos de aferição ou fitas de pH
disponíveis.

Experimento I:
1. Foram separados 4 tubos de ensaio e identificados de 1 a 4.
2. No tubo 1 adicionou se 5 gotas de indicador universal e 10 ml de água destilada
e foi homogeneizado.
3. No tubo 2 adicionou se 5 gotas de indicador universal, 10 ml de água destilada
e 1 ml de solução tampão 7,0 e foi homogeneizado.
4. No tubo 3 adicionou se 5 gotas de indicador universal e 10 ml de água destilada
e foi homogeneizado.
5. No tubo 4 adicionou se 5 gotas de indicador universal, 10 ml de água destilada
e 1 ml de solução tampão 7,0 e foi homogeneizado.

Experimento II
1. Utilizando os tubos anteriormente preparados no Experimento I, foi dado início
ao Experimento II.
2. Ao tubo 1 foi adicionado se 1 gota de NaOH 0,1 mol/L, homogeneizou se e
soprou se por 15 segundos, foi comparado com a escala padrão.
3. Ao tubo 2 foi adicionado 1 gota de HCl 1 mol/L, homogeneizou se e soprou se
por 1 minuto, foi comparado com a escala padrão.
4. Ao tubo 3 foi adicionado 2 gotas de HCl 1 mol/L, homogeneizou se e foi
comparado a escala padrão
5. Ao tubo 4 foi adicionado primeiramente 2 gotas de HCl 1 mol/L, foi comparado a
escala padrão. Logo após foi adicionando se gota a gota de HCl 1 mol/L e
homogeneizando até mudança de cor, após a mudança de cor, comparou se a
escala padrão.

RESULTADOS:
Tabela 1: Experimento I
Tubos 1 2 3 4
Reagentes
Indicador universal 5 gotas 5 gotas 5 gotas 5 gotas
Água destilada 10 mL 9 mL 10 mL 9 mL
Solução Tampão pH - 1 ml - 1mL
7,0
pH 4,5 7,0 5 7

3
Tabela 2: Experimento II

Tubos 1 2 3 4
Reagentes
NaOH 0,1 mol/L 1 gota 1 gota - -
HCl 0,1 mol/L - - 2 gotas 2 gotas
pH 6,0 7,0 3,0 7,0
Soprar o ar Expirado 15 segundos 1 minuto - -
pH >10 7,0 - -
HCl 0,1 mol/L - - - Gota a gota,
n° de gotas=
13

DISCUSSÕES

Experimento I:

Conforme pode ser visto na tabela I, ao comparar os resultados obtidos notou-se que
o experimento obteve êxito, uma vez que, o tubo que continha solução tampão obteve
o pH 7,0 como o esperado. Contrariamente, o tubo sem solução tampão apresentou-
se com pH 4,5, ou seja, ácido.

Experimento II:
Ao realizar o experimento II, o tubo 1 que continha 1 gota de NaOH simulava uma
alcalose, ao ser soprado por 15 doou-se ácido carbônico e a coloração foi alterada,
passando de um pH básico para ácido reestabelecendo o equilíbrio.
Em seguida o tubo 2, o qual continha solução tampão em pH 7 foi soprado por 1
minuto. Nesse tubo não houve alteração na coloração, pode-se então concluir que o
tampão cumpriu seu papel em não permitir a mudança de pH.
Ainda nos tubos 3 e 4 que continham HCl, os pHs eram, respectivamente, 3 e 7, sendo
o tubo 4 com solução tampão. O objetivo era quantificar o número de gotas
necessárias para que o tampão fosse quebrado e atingisse o mesmo pH no tubo 3.
Com a realização do experimento, foram necessárias 13 gotas de HCl para que o pH
dos tubos 3 e 4 fossem igualados.

4
ANEXO
Questionário;
1. De onde surgiu e qual a importância da escala de pH?
O químico dinamarquês Soren Sorensen, através de seu trabalho no controle de
qualidade de fabricação de cervejas foi o primeiro a introduzir a escala de pH no
ano de 1909(ATKINS; 2011) . A escala de pH é de grande importância para que
se possa medir a concentração de hidrogênio em substancias, uma vez que,
essa concentração influencia no equilíbrio de substancia e do funcionamento
celular do organismo. (CHAMPE 2006; PIVA, 1999)

2. O que é solução tampão e como funciona?


Um tampão é qualquer solução que seja capaz de resistir à mudanças de pH.
Isso é capaz devido a capacidade de realizar uma ligação com hidrogênio e
possibilitar a formação de um ácido fraco. (PIVA, 1999)

3. Qual a importância dos sistemas tamponantes em nosso organismo?


Como mencionado na questão anterior, um tampão é responsável pela
resistência na mudança de pH em uma solução, se tratando de organismo isso
remete a equilíbrio. As células humanas estão em constante atividade, para que
isso funcione de forma correta é importante que o pH sofra o mínimo de
alterações possíveis para que não haja interferência na velocidade das
atividades celulares. (NELSON, 2014).

4. Explique o que a Equação de Henderson-Hasselbach relaciona e demonstre sua


dedução, considerando que o equilíbrio de ionização de um ácido fraco pode ser
representado pela equação: HA  H+ + A-, onde HA e A- correspondem a um par
ácidobase conjugada. Lembre-se dos conceitos de constante de equilíbrio de uma
reação (K) e das constantes de ionização dos ácidos (pK).
A equação permite o cálculo do pH de uma solução tampão, assim como o pKa
de uma solução em equilíbrio quando tem-se o pH e a concentração dos
produtos e reagentes. Quando a solução está em equilíbrio é possível
estabelecer uma relação entre as concentrações de seu ácido fraco [HA] e sua
base conjugada [A̵ ] permitindo, dessa forma calcular a forma da curva de
titulação de qualquer ácido fraco (NELSON, 2014).

Esta equação pode ser vista como uma outra maneira de escrever o equilíbrio
de dissociação de um ácido fraco.
Podemos dizer que é uma maneira mais simples e conveniente de visualizar a
relação estabelecida entre o pH de uma solução e as quantidades de acido e
bases conjudas.
Sendo assim:
Kd é a constante direta
Ki é a constante a reação inversa

5
Kd. [HA] = Ki . [H+]. [A-]

Kd=[H+]. [A-] constante de equilíbrio Ka=Produto/reagente


Ki [HA]

Ka=[H+]. [A-]
[HA]

Ka . [HA] =[A-] . Ph
[A-]

-log.Ka . [HA] =[H+] . -log


[A-]

pH= -log Ka.[HA] nesta parte o “-“ é substituído pH= -log Ka.[HA] 1
[A-]

E na dedução seguinte temos o log do inverso de [HA] chegando na equação de


Henderson Hasselbalch. [A]

pH= +log Ka.[A-]


[HA]

5. Qual a importância do estado ácido-base do líquido intracelular ser influenciado


e
influenciar o estado ácido-base do sangue?

É importante que se mantenha a homeostase do organismo, levando em


consideração que todos os líquidos intra e extra celulares do corpo mantem-se
em um pH quase constante, o equilíbrio ácido-base é necessário para que haja
um sistema de defesa contra mudanças internas de pH, essa defesa é possível
devido a presença de proteínas com aminoácidos diversos, sendo eles ácidos
fracos ou bases fracas, possibilitando assim, quando houver mudança de pH
que as proteínas protonadas ou desprotonadas possam interferir e reestabelecer
equilíbrio ( NELSON, 2014)

6
REFERÊNCIAS

CHAMPE, C. Pamela.; HARVEY A. Richard.; FERRIER R. Denise. Bioquimica


Ilustrada. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed 2006.
NELSON L. Davo , COX. M. Michael. Principios de Bioquimica de
Lehninger. 6 ed.Porto Alegre: Artmed, 2014
PIVA, Pedro Jefferson.; GARCIA, R. C. Pedro.; MARTHA, Feller Vanessa.
Distúrbios do equilíbrio ácido-base. Jornal de Pediatria 1999.
RUSSEL, J. B. Química Geral, Vol. 1. 2ª edição, São Paulo; Makron Books,
2004
Disponivel em:
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/54357/000265676.pdf?sequence=
1