Você está na página 1de 209

Educação básica

Coletânea de legislação

Atualizada até março de 2017


Educação básica
Coletânea de legislação

SENADO FEDERAL
Mesa
Biênio 2017 – 2018

Senador Eunício Oliveira


PRESIDENTE

Senador Cássio Cunha Lima


PRIMEIRO-VICE-PRESIDENTE

Senador João Alberto Souza


SEGUNDO-VICE-PRESIDENTE

Senador José Pimentel


PRIMEIRO-SECRETÁRIO

Senador Gladson Cameli


SEGUNDO-SECRETÁRIO

Senador Antonio Carlos Valadares


TERCEIRO-SECRETÁRIO

Senador Zeze Perrella


QUARTO-SECRETÁRIO

SUPLENTES DE SECRETÁRIO
Senador Eduardo Amorim
Senador Sérgio Petecão
Senador Davi Alcolumbre
Senador Cidinho Santos
Secretaria de Editoração e Publicações
Coordenação de Edições Técnicas

Educação básica
Coletânea de legislação

Brasília – 2017
Edição do Senado Federal
Diretora-Geral: Ilana Trombka
Secretário-Geral da Mesa: Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho

Impressa na Secretaria de Editoração e Publicações


Diretor: Fabrício Ferrão Araújo

Produzida na Coordenação de Edições Técnicas


Coordenador: Aloysio de Brito Vieira

Organização: Fábio Harlan e Letícia Pinheiro


Revisão técnica: Kilpatrick Campelo e Marcelo Larroyed
Revisão de provas: Walfrido Vianna
Editoração eletrônica: Rejane Campos
Ficha catalográfica: Mesaque Vidal
Capa e ilustrações: Erika Dixo
Projeto gráfico: Raphael Melleiro e Rejane Campos

Atualizada até março de 2017.

Educação básica : coletânea de legislação. – Brasília : Senado Federal,


Coordenação de Edições Técnicas, 2017.
205 p.

Conteúdo: Dispositivos constitucionais pertinentes – Educação básica –


Normas correlatas – O estudante – O professor – As instituições – Atos
internacionais.

ISBN: 978-85-7018-784-0

1. Educação básica, legislação, Brasil. 2. Educação e Estado, Brasil.


3. Política educacional, Brasil. 4. Direito à educação, Brasil.

CDDir 341.2733

Coordenação de Edições Técnicas


Via N2, Secretaria de Editoração e Publicações, Bloco 2, 1o Pavimento
CEP: 70165-900 – Brasília, DF
E-mail: livros@senado.leg.br

Alô Senado: 0800 61 2211


Sumário

9 Apresentação

Dispositivos constitucionais pertinentes


12 Constituição da República Federativa do Brasil

Educação básica
Lei no 9.394/1996
20 Título I – Da Educação
20 Título II – Dos Princípios e Fins da Educação Nacional
20 Título III – Do Direito à Educação e do Dever de Educar
21 Título IV – Da Organização da Educação Nacional
Título V – Dos Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino
24 Capítulo I – Da Composição dos Níveis Escolares
Capítulo II – Da Educação Básica
24 Seção I – Das Disposições Gerais
27 Seção II – Da Educação Infantil
27 Seção III – Do Ensino Fundamental
28 Seção IV – Do Ensino Médio
30 Seção IV-A – Da Educação Profissional Técnica de Nível Médio
31 Seção V – Da Educação de Jovens e Adultos
31 Capítulo III – Da Educação Profissional e Tecnológica
32 Capítulo IV – Da Educação Superior
36 Capítulo V – Da Educação Especial
37 Título VI – Dos Profissionais da Educação
39 Título VII – Dos Recursos Financeiros
41 Título VIII – Das Disposições Gerais
42 Título IX – Das Disposições Transitórias
44 Lei no 4.024/1961
Decreto no 5.622/2005
47 Capítulo I – Das Disposições Gerais
48 Capítulo II – Do Credenciamento de Instruções para Oferta de Cursos e Programas na
Modalidade a Distância
51 Capítulo III – Da Oferta de Educação de Jovens e Adultos, Educação Especial e Educação
Profissional na Modalidade a Distância, na Educação Básica
51 Capítulo IV – Da Oferta de Cursos Superiores, na Modalidade a Distância
52 Capítulo V – Da Oferta de Cursos e Programas de Pós-Graduação a Distância
52 Capítulo VI – Das Disposições Finais
55 Decreto no 5.154/2004

Normas correlatas
58 Lei no 13.415/2017
60 Lei no 13.005/2014
87 Lei no 12.722/2012
91 Lei no 12.695/2012
94 Lei no 12.612/2012
95 Lei no 11.947/2009
102 Lei no 11.507/2007
104 Lei no 11.494/2007
119 Lei no 10.880/2004
124 Lei no 10.836/2004
126 Lei no 9.870/1999
128 Lei no 9.795/1999
132 Lei no 9.131/1995
133 Lei no 8.405/1992
135 Lei no 8.078/1990
136 Decreto-Lei no 236/1967
137 Decreto-Lei no 5.452/1943
139 Medida Provisória no 773/2017
140 Decreto no 7.084/2010
146 Decreto no 5.626/2005
153 Decreto no 5.209/2004
160 Decreto no 4.281/2002

O estudante
164 Lei no 12.155/2009
166 Lei no 11.788/2008
170 Lei no 10.219/2001
O professor
176 Lei no 11.738/2008
178 Lei no 11.273/2006
180 Lei no 9.424/1996
182 Decreto no 6.253/2007
187 Decreto no 3.276/1999

As instituições
190 Lei no 11.988/2009
191 Lei no 9.536/1997
192 Lei no 5.700/1971

Atos internacionais
194 Protocolo de Cooperação entre o Governo da República Federativa do Brasil e a
Comunidade dos Países de Língua Portuguesa
198 Convênio de Santo Domingo (Ata de Registro dos Estatutos da Organização de Educação
Ibero-Americana – OEI)
203 Convenção sobre o Ensino da História
205 Declaração Universal dos Direitos Humanos
As notas de rodapé indicadas ao fim do caput dos artigos apresentam as normas modificadoras
de seus dispositivos. Consta ainda nas notas referência às normas que regulamentam ou
complementam a legislação compilada.
Apresentação

As obras de legislação do Senado Federal visam a permitir o acesso do cidadão


à legislação em vigor relativa a temas específicos de interesse público.

Tais coletâneas incluem dispositivos constitucionais, códigos ou leis principais


sobre o tema, além de normas correlatas e acordos internacionais relevantes,
a depender do assunto. Por meio de compilação atualizada e fidedigna,
apresenta-se ao leitor um painel consistente para estudo e consulta.

Notas de rodapé trazem a referência das normas que alteram ou regulamentam


leis e decretos, permitindo ao leitor aprofundar seus conhecimentos. O termo
“Ver” remete a normas conexas.

O índice temático, quando apresentado, oferece verbetes com tópicos de relevo,


tornando fácil e rápida a consulta a dispositivos de interesse mais pontual.

Na Livraria Virtual do Senado (www.senado.leg.br/livraria), além das obras


impressas disponíveis para compra direta, o leitor encontra e-books para
download imediato e gratuito.

Sugestões e críticas podem ser registradas na página da Livraria e certamente


contribuirão para o aprimoramento de nossos livros e periódicos.
Apresentação

9
Dispositivos constitucionais
pertinentes
Constituição da
República Federativa do Brasil

������������������������������������������������������������������������������� V – proporcionar os meios de acesso à


cultura, à educação, à ciência, à tecnologia, à
TÍTULO II – Dos Direitos e Garantias pesquisa e à inovação;
Fundamentais �������������������������������������������������������������������������������
������������������������������������������������������������������������������� Parágrafo único.  Leis complementares fixa-
rão normas para a cooperação entre a União e
CAPÍTULO II – Dos Direitos Sociais os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento
Art. 6 o  São direitos sociais a educação, a e do bem-estar em âmbito nacional.
saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o
transporte, o lazer, a segurança, a previdência Art. 24.  Compete à União, aos Estados e ao
social, a proteção à maternidade e à infância, a Distrito Federal legislar concorrentemente
assistência aos desamparados, na forma desta sobre:
Constituição. �������������������������������������������������������������������������������
IX – educação, cultura, ensino e desporto;
Art. 7o  São direitos dos trabalhadores urbanos �������������������������������������������������������������������������������
e rurais, além de outros que visem à melhoria
de sua condição social: CAPÍTULO IV – Dos Municípios
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������
XXV – assistência gratuita aos filhos e de-
pendentes desde o nascimento até 5 (cinco) Art. 30.  Compete aos Municípios:
anos de idade em creches e pré-escolas; �������������������������������������������������������������������������������
������������������������������������������������������������������������������� VI – manter, com a cooperação técnica e
financeira da União e do Estado, programas
TÍTULO III – Da Organização do Estado de educação infantil e de ensino fundamental;
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

CAPÍTULO II – Da União CAPÍTULO VI – Da Intervenção


������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

Art. 22.  Compete privativamente à União Art. 35.  O Estado não intervirá em seus Muni-
legislar sobre: cípios, nem a União nos Municípios localizados
������������������������������������������������������������������������������� em Território Federal, exceto quando:
XXIV – diretrizes e bases da educação �������������������������������������������������������������������������������
nacional; III – não tiver sido aplicado o mínimo
������������������������������������������������������������������������������� exigido da receita municipal na manutenção
Educação básica

e desenvolvimento do ensino e nas ações e


Art. 23.  É competência comum da União, dos serviços públicos de saúde;
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: �������������������������������������������������������������������������������
�������������������������������������������������������������������������������

12
CAPÍTULO VII – Da Administração Pública TÍTULO VI – Da Tributação e do
������������������������������������������������������������������������������� Orçamento
CAPÍTULO I – Do Sistema Tributário
SEÇÃO II – Dos Servidores Públicos Nacional
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

Art. 40.  Aos servidores titulares de cargos efe- SEÇÃO II – Das Limitações do Poder de
tivos da União, dos Estados, do Distrito Federal Tributar
e dos Municípios, incluídas suas autarquias e
fundações, é assegurado regime de previdência Art. 150.  Sem prejuízo de outras garanti-
de caráter contributivo e solidário, mediante as asseguradas ao contribuinte, é vedado à
contribuição do respectivo ente público, dos União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos
servidores ativos e inativos e dos pensionistas, Municípios:
observados critérios que preservem o equilíbrio �������������������������������������������������������������������������������
financeiro e atuarial e o disposto neste artigo. VI – instituir impostos sobre:
§ 1o  Os servidores abrangidos pelo regime �������������������������������������������������������������������������������
de previdência de que trata este artigo serão c)  patrimônio, renda ou serviços dos par-
aposentados, calculados os seus proventos a tidos políticos, inclusive suas fundações, das
partir dos valores fixados na forma dos §§ 3o entidades sindicais dos trabalhadores, das insti-
e 17: tuições de educação e de assistência social, sem
I – por invalidez permanente, sendo os pro- fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
ventos proporcionais ao tempo de contribuição, d)  livros, jornais, periódicos e o papel des-
exceto se decorrente de acidente em serviço, tinado à sua impressão.
moléstia profissional ou doença grave, conta- �������������������������������������������������������������������������������
giosa ou incurável, na forma da lei;
II – compulsoriamente, com proventos pro- TÍTULO VIII – Da Ordem Social
porcionais ao tempo de contribuição, aos 70 (se- �������������������������������������������������������������������������������
tenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta e cinco)
anos de idade, na forma de lei complementar; CAPÍTULO II – Da Seguridade Social
III – voluntariamente, desde que cumprido �������������������������������������������������������������������������������
tempo mínimo de dez anos de efetivo exercício
no serviço público e cinco anos no cargo efetivo SEÇÃO III – Da Previdência Social
em que se dará a aposentadoria, observadas as
seguintes condições: Art. 201.  �������������������������������������������������������������
a)  sessenta anos de idade e trinta e cinco �������������������������������������������������������������������������������
de contribuição, se homem, e cinquenta e § 7o  É assegurada aposentadoria no regime
cinco anos de idade e trinta de contribuição, geral de previdência social, nos termos da lei,
se mulher; obedecidas as seguintes condições:
Dispositivos constitucionais pertinentes

b)  sessenta e cinco anos de idade, se homem, I – trinta e cinco anos de contribuição, se ho-
e sessenta anos de idade, se mulher, com pro- mem, e trinta anos de contribuição, se mulher;
ventos proporcionais ao tempo de contribuição. II – sessenta e cinco anos de idade, se
������������������������������������������������������������������������������� homem, e sessenta anos de idade, se mulher,
§ 5o  Os requisitos de idade e de tempo de reduzido em cinco anos o limite para os tra-
contribuição serão reduzidos em cinco anos, balhadores rurais de ambos os sexos e para
em relação ao disposto no § 1o, III, “a”, para o os que exerçam suas atividades em regime de
professor que comprove exclusivamente tempo economia familiar, nestes incluídos o produtor
de efetivo exercício das funções de magistério rural, o garimpeiro e o pescador artesanal.
na educação infantil e no ensino fundamental § 8o  Os requisitos a que se refere o inciso I
e médio. do parágrafo anterior serão reduzidos em cinco
������������������������������������������������������������������������������� anos, para o professor que comprove exclusiva- 13
mente tempo de efetivo exercício das funções § 1o  É facultado às universidades admitir
de magistério na educação infantil e no ensino professores, técnicos e cientistas estrangeiros,
fundamental e médio. na forma da lei.
������������������������������������������������������������������������������� § 2o  O disposto neste artigo aplica-se às
instituições de pesquisa científica e tecnológica.
CAPÍTULO III – Da Educação, da Cultura e
do Desporto Art. 208.  O dever do Estado com a educação
SEÇÃO I – Da Educação será efetivado mediante a garantia de:
I – educação básica obrigatória e gratuita dos
Art. 205.  A educação, direito de todos e de- 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, as-
ver do Estado e da família, será promovida e segurada inclusive sua oferta gratuita para todos
incentivada com a colaboração da sociedade, os que a ela não tiveram acesso na idade própria;
visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, II – progressiva universalização do ensino
seu preparo para o exercício da cidadania e sua médio gratuito;
qualificação para o trabalho. III – atendimento educacional especializado
aos portadores de deficiência, preferencialmen-
Art. 206.  O ensino será ministrado com base te na rede regular de ensino;
nos seguintes princípios: IV – educação infantil, em creche e pré-
I – igualdade de condições para o acesso e escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade;
permanência na escola; V – acesso aos níveis mais elevados do ensi-
II – liberdade de aprender, ensinar, pesquisar no, da pesquisa e da criação artística, segundo
e divulgar o pensamento, a arte e o saber; a capacidade de cada um;
III – pluralismo de ideias e de concepções VI – oferta de ensino noturno regular, ade-
pedagógicas, e coexistência de instituições quado às condições do educando;
públicas e privadas de ensino; VII – atendimento ao educando, em todas as
IV – gratuidade do ensino público em esta- etapas da educação básica, por meio de progra-
belecimentos oficiais; mas suplementares de material didático-escolar,
V – valorização dos profissionais da educa- transporte, alimentação e assistência à saúde.
ção escolar, garantidos, na forma da lei, planos § 1o  O acesso ao ensino obrigatório e gra-
de carreira, com ingresso exclusivamente por tuito é direito público subjetivo.
concurso público de provas e títulos, aos das § 2o  O não oferecimento do ensino obri-
redes públicas; gatório pelo Poder Público, ou sua oferta irre-
VI – gestão democrática do ensino público, gular, importa responsabilidade da autoridade
na forma da lei; competente.
VII – garantia de padrão de qualidade. § 3o  Compete ao Poder Público recensear os
VIII – piso salarial profissional nacional para educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a
os profissionais da educação escolar pública, chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis,
nos termos de lei federal. pela frequência à escola.
Parágrafo único.  A lei disporá sobre as ca-
tegorias de trabalhadores considerados profis- Art. 209.  O ensino é livre à iniciativa privada,
sionais da educação básica e sobre a fixação de atendidas as seguintes condições:
prazo para a elaboração ou adequação de seus I – cumprimento das normas gerais da edu-
planos de carreira, no âmbito da União, dos cação nacional;
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. II – autorização e avaliação de qualidade
Educação básica

pelo Poder Público.


Art. 207.  As universidades gozam de auto-
nomia didático-científica, administrativa e de Art. 210.  Serão fixados conteúdos mínimos
gestão financeira e patrimonial, e obedecerão para o ensino fundamental, de maneira a
ao princípio de indissociabilidade entre ensino, assegurar formação básica comum e respeito
14 pesquisa e extensão.
aos valores culturais e artísticos, nacionais e § 2o  Para efeito do cumprimento do dispos-
regionais. to no caput deste artigo, serão considerados os
§ 1o  O ensino religioso, de matrícula fa- sistemas de ensino federal, estadual e municipal
cultativa, constituirá disciplina dos horários e os recursos aplicados na forma do art. 213.
normais das escolas públicas de ensino fun- § 3o  A distribuição dos recursos públicos
damental. assegurará prioridade ao atendimento das
§ 2o  O ensino fundamental regular será necessidades do ensino obrigatório, no que se
ministrado em língua portuguesa, assegurada refere a universalização, garantia de padrão
às comunidades indígenas também a utilização de qualidade e equidade, nos termos do plano
de suas línguas maternas e processos próprios nacional de educação.
de aprendizagem. § 4o  Os programas suplementares de ali-
mentação e assistência à saúde previstos no
Art. 211.  A União, os Estados, o Distrito Fe- art. 208, VII, serão financiados com recursos
deral e os Municípios organizarão em regime provenientes de contribuições sociais e outros
de colaboração seus sistemas de ensino. recursos orçamentários.
§ 1o  A União organizará o sistema federal § 5o  A educação básica pública terá como
de ensino e o dos Territórios, financiará as ins- fonte adicional de financiamento a contribui-
tituições de ensino públicas federais e exercerá, ção social do salário-educação, recolhida pelas
em matéria educacional, função redistributiva empresas na forma da lei.
e supletiva, de forma a garantir equalização de § 6o  As cotas estaduais e municipais da
oportunidades educacionais e padrão mínimo arrecadação da contribuição social do salário-
de qualidade do ensino mediante assistência educação serão distribuídas proporcionalmente
técnica e financeira aos Estados, ao Distrito ao número de alunos matriculados na educação
Federal e aos Municípios; básica nas respectivas redes públicas de ensino.
§ 2o  Os Municípios atuarão prioritaria-
mente no ensino fundamental e na educação Art. 213.  Os recursos públicos serão destina-
infantil. dos às escolas públicas, podendo ser dirigidos
§ 3o  Os Estados e o Distrito Federal atua- a escolas comunitárias, confessionais ou filan-
rão prioritariamente no ensino fundamental trópicas, definidas em lei, que:
e médio. I – comprovem finalidade não lucrativa
§ 4o  Na organização de seus sistemas de e apliquem seus excedentes financeiros em
ensino, a União, os Estados, o Distrito Federal educação;
e os Municípios definirão formas de colabora- II – assegurem a destinação de seu patrimô-
ção, de modo a assegurar a universalização do nio a outra escola comunitária, filantrópica ou
ensino obrigatório. confessional, ou ao Poder Público, no caso de
§ 5o  A educação básica pública atenderá encerramento de suas atividades.
prioritariamente ao ensino regular. § 1o  – Os recursos de que trata este artigo
poderão ser destinados a bolsas de estudo para
Dispositivos constitucionais pertinentes

Art. 212.  A União aplicará, anualmente, nunca o ensino fundamental e médio, na forma da


menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Fe- lei, para os que demonstrarem insuficiência
deral e os Municípios vinte e cinco por cento, de recursos, quando houver falta de vagas e
no mínimo, da receita resultante de impostos, cursos regulares da rede pública na localidade
compreendida a proveniente de transferências, da residência do educando, ficando o Poder
na manutenção e desenvolvimento do ensino. Público obrigado a investir prioritariamente na
§ 1o  A parcela da arrecadação de impostos expansão de sua rede na localidade.
transferida pela União aos Estados, ao Distrito § 2o  As atividades de pesquisa, de extensão e
Federal e aos Municípios, ou pelos Estados aos de estímulo e fomento à inovação realizadas por
respectivos Municípios, não é considerada, para universidades e/ou por instituições de educa-
efeito do cálculo previsto neste artigo, receita ção profissional e tecnológica poderão receber
do Governo que a transferir. apoio financeiro do Poder Público. 15
Art. 214.  A lei estabelecerá o plano nacional �������������������������������������������������������������������������������
de educação, de duração decenal, com o objeti-
vo de articular o sistema nacional de educação ATO DAS DISPOSIÇÕES
em regime de colaboração e definir diretrizes, CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS
objetivos, metas e estratégias de implementação �������������������������������������������������������������������������������
para assegurar a manutenção e desenvolvimen-
to do ensino em seus diversos níveis, etapas e Art. 60.  Até o 14o (décimo quarto) ano a partir
modalidades por meio de ações integradas dos da promulgação desta Emenda Constitucional,
poderes públicos das diferentes esferas federa- os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
tivas que conduzam a: destinarão parte dos recursos a que se refere
I – erradicação do analfabetismo; o caput do art. 212 da Constituição Federal à
II – universalização do atendimento escolar; manutenção e desenvolvimento da educação
III – melhoria da qualidade do ensino; básica e à remuneração condigna dos traba-
IV – formação para o trabalho; lhadores da educação, respeitadas as seguintes
V – promoção humanística, científica e disposições:
tecnológica do País; I – a distribuição dos recursos e de respon-
VI – estabelecimento de meta de aplicação sabilidades entre o Distrito Federal, os Estados
de recursos públicos em educação como pro- e seus Municípios é assegurada mediante a
porção do produto interno bruto. criação, no âmbito de cada Estado e do Dis-
������������������������������������������������������������������������������� trito Federal, de um Fundo de Manutenção
e Desenvolvimento da Educação Básica e de
CAPÍTULO VI – Do Meio Ambiente Valorização dos Profissionais da Educação –
FUNDEB, de natureza contábil;
Art. 225.  Todos têm direito ao meio ambi- II – os Fundos referidos no inciso I do caput
ente ecologicamente equilibrado, bem de uso deste artigo serão constituídos por 20% (vinte
comum do povo e essencial à sadia qualidade por cento) dos recursos a que se referem os
de vida, impondo-se ao Poder Público e à co- incisos I, II e III do art. 155; o inciso II do caput
letividade o dever de defendê-lo e preservá-lo do art. 157; os incisos II, III e IV do caput do
para as presentes e futuras gerações. art. 158; e as alíneas “a” e “b” do inciso I e o inci-
§ 1o  Para assegurar a efetividade desse di- so II do caput do art. 159, todos da Constituição
reito, incumbe ao Poder Público: Federal, e distribuídos entre cada Estado e seus
������������������������������������������������������������������������������� Municípios, proporcionalmente ao número de
VI – promover a educação ambiental em alunos das diversas etapas e modalidades da
todos os níveis de ensino e a conscientização educação básica presencial, matriculados nas
pública para a preservação do meio ambiente; respectivas redes, nos respectivos âmbitos de
������������������������������������������������������������������������������� atuação prioritária estabelecidos nos §§ 2o e 3o
do art. 211 da Constituição Federal;
CAPÍTULO VII – Da Família, da Criança, III – observadas as garantias estabelecidas
do Adolescente, do Jovem e do Idoso nos incisos I, II, III e IV do caput do art. 208
������������������������������������������������������������������������������� da Constituição Federal e as metas de univer-
salização da educação básica estabelecidas no
Art. 227.  É dever da família, da sociedade e Plano Nacional de Educação, a lei disporá sobre:
do Estado assegurar à criança, ao adolescente a)  a organização dos Fundos, a distribuição
e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à proporcional de seus recursos, as diferenças e as
Educação básica

vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao la- ponderações quanto ao valor anual por aluno
zer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, entre etapas e modalidades da educação básica
ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e tipos de estabelecimento de ensino;
e comunitária, além de colocá-los a salvo de b)  a forma de cálculo do valor anual mínimo
toda forma de negligência, discriminação, por aluno;
16 exploração, violência, crueldade e opressão.
c)  os percentuais máximos de apropriação fins deste inciso os valores previstos no inciso
dos recursos dos Fundos pelas diversas etapas VII do caput deste artigo;
e modalidades da educação básica, observados IX – os valores a que se referem as alíneas
os arts. 208 e 214 da Constituição Federal, bem “a”, “b” e “c” do inciso VII do caput deste arti-
como as metas do Plano Nacional de Educação; go serão atualizados, anualmente, a partir da
d)  a fiscalização e o controle dos Fundos; promulgação desta Emenda Constitucional, de
e)  prazo para fixar, em lei específica, piso forma a preservar, em caráter permanente, o
salarial profissional nacional para os profissio- valor real da complementação da União;
nais do magistério público da educação básica; X – aplica-se à complementação da União o
IV – os recursos recebidos à conta dos disposto no art. 160 da Constituição Federal;
Fundos instituídos nos termos do inciso I do XI – o não cumprimento do disposto nos
caput deste artigo serão aplicados pelos Estados incisos V e VII do caput deste artigo impor-
e Municípios exclusivamente nos respectivos tará crime de responsabilidade da autoridade
âmbitos de atuação prioritária, conforme esta- competente;
belecido nos §§ 2o e 3o do art. 211 da Consti- XII – proporção não inferior a 60% (sessenta
tuição Federal; por cento) de cada Fundo referido no inciso I do
V – a União complementará os recursos caput deste artigo será destinada ao pagamento
dos Fundos a que se refere o inciso II do caput dos profissionais do magistério da educação
deste artigo sempre que, no Distrito Federal e básica em efetivo exercício.
em cada Estado, o valor por aluno não alcançar § 1o  A União, os Estados, o Distrito Federal
o mínimo definido nacionalmente, fixado em e os Municípios deverão assegurar, no finan-
observância ao disposto no inciso VII do caput ciamento da educação básica, a melhoria da
deste artigo, vedada a utilização dos recursos a qualidade de ensino, de forma a garantir padrão
que se refere o § 5o do art. 212 da Constituição mínimo definido nacionalmente.
Federal; § 2o  O valor por aluno do ensino funda-
VI – até 10% (dez por cento) da comple- mental, no Fundo de cada Estado e do Distrito
mentação da União prevista no inciso V do Federal, não poderá ser inferior ao praticado no
caput deste artigo poderá ser distribuída para âmbito do Fundo de Manutenção e Desenvolvi-
os Fundos por meio de programas direcionados mento do Ensino Fundamental e de Valorização
para a melhoria da qualidade da educação, na do Magistério – FUNDEF, no ano anterior à
forma da lei a que se refere o inciso III do caput vigência desta Emenda Constitucional.
deste artigo; § 3o  O valor anual mínimo por aluno do
VII – a complementação da União de que ensino fundamental, no âmbito do Fundo de
trata o inciso V do caput deste artigo será de, Manutenção e Desenvolvimento da Educação
no mínimo: Básica e de Valorização dos Profissionais da
a)  R$  2.000.000.000,00 (dois bilhões de Educação – FUNDEB, não poderá ser inferior
reais), no primeiro ano de vigência dos Fundos; ao valor mínimo fixado nacionalmente no ano
b)  R$  3.000.000.000,00 (três bilhões de anterior ao da vigência desta Emenda Consti-
Dispositivos constitucionais pertinentes

reais), no segundo ano de vigência dos Fundos; tucional.


c)  R$  4.500.000.000,00 (quatro bilhões e § 4o  Para efeito de distribuição de recursos
quinhentos milhões de reais), no terceiro ano dos Fundos a que se refere o inciso I do caput
de vigência dos Fundos; deste artigo, levar-se-á em conta a totalidade das
d)  10% (dez por cento) do total dos recursos matrículas no ensino fundamental e conside-
a que se refere o inciso II do caput deste artigo, rar-se-á para a educação infantil, para o ensino
a partir do quarto ano de vigência dos Fundos; médio e para a educação de jovens e adultos 1/3
VIII – a vinculação de recursos à manuten- (um terço) das matrículas no primeiro ano, 2/3
ção e desenvolvimento do ensino estabelecida (dois terços) no segundo ano e sua totalidade a
no art. 212 da Constituição Federal suportará, partir do terceiro ano.
no máximo, 30% (trinta por cento) da comple- § 5o  A porcentagem dos recursos de cons-
mentação da União, considerando-se para os tituição dos Fundos, conforme o inciso II do 17
caput deste artigo, será alcançada gradativa- Art. 79.  É instituído, para vigorar até o ano de
mente nos primeiros 3 (três) anos de vigência 2010, no âmbito do Poder Executivo Federal, o
dos Fundos, da seguinte forma: Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza,
I – no caso dos impostos e transferências a ser regulado por lei complementar com o ob-
constantes do inciso II do caput do art.  155; jetivo de viabilizar a todos os brasileiros acesso
do inciso IV do caput do art. 158; e das alíneas a níveis dignos de subsistência, cujos recursos
“a” e “b” do inciso I e do inciso II do caput do serão aplicados em ações suplementares de
art. 159 da Constituição Federal: nutrição, habitação, educação, saúde, reforço
a)  16,66% (dezesseis inteiros e sessenta e de renda familiar e outros programas de rele-
seis centésimos por cento), no primeiro ano; vante interesse social voltados para melhoria
b)  18,33% (dezoito inteiros e trinta e três da qualidade de vida.
centésimos por cento), no segundo ano; �������������������������������������������������������������������������������
c)  20% (vinte por cento), a partir do terceiro
ano; Art. 106.  Fica instituído o Novo Regime Fiscal
II – no caso dos impostos e transferências no âmbito dos Orçamentos Fiscal e da Seguri-
constantes dos incisos I e III do caput do dade Social da União, que vigorará por vinte
art. 155; do inciso II do caput do art. 157; e dos exercícios financeiros, nos termos dos arts. 102
incisos II e III do caput do art. 158 da Consti- a 109 deste Ato das Disposições Constitucionais
tuição Federal: Transitórias.
a)  6,66% (seis inteiros e sessenta e seis cen- �������������������������������������������������������������������������������
tésimos por cento), no primeiro ano;
b)  13,33% (treze inteiros e trinta e três cen- Art. 110.  Na vigência do Novo Regime Fiscal,
tésimos por cento), no segundo ano; as aplicações mínimas em ações e serviços
c)  20% (vinte por cento), a partir do terceiro públicos de saúde e em manutenção e desen-
ano. volvimento do ensino equivalerão:
§ 6o (Revogado) I – no exercício de 2017, às aplicações míni-
§ 7o (Revogado) mas calculadas nos termos do inciso I do § 2o do
art. 198 e do caput do art. 212, da Constituição
Art. 61.  As entidades educacionais a que se Federal; e
refere o art.  213, bem como as fundações de II – nos exercícios posteriores, aos valores
ensino e pesquisa cuja criação tenha sido au- calculados para as aplicações mínimas do
torizada por lei, que preencham os requisitos exercício imediatamente anterior, corrigidos
dos incisos I e II do referido artigo e que, nos na forma estabelecida pelo inciso II do § 1o do
últimos três anos, tenham recebido recursos art. 102 deste Ato das Disposições Constituci-
públicos, poderão continuar a recebê-los, salvo onais Transitórias.
disposição legal em contrário.
Art. 111.  A partir do exercício financeiro de
Art. 62.  A lei criará o Serviço Nacional de 2018, até o último exercício de vigência do
Aprendizagem Rural (SENAR) nos moldes Novo Regime Fiscal, a aprovação e a execução
da legislação relativa ao Serviço Nacional de previstas nos §§ 9o e 11 do art. 166 da Consti-
Aprendizagem Industrial (SENAI) e ao Serviço tuição Federal corresponderão ao montante de
Nacional de Aprendizagem do Comércio (SE- execução obrigatória para o exercício de 2017,
NAC), sem prejuízo das atribuições dos órgãos corrigido na forma estabelecida pelo inciso II
públicos que atuam na área. do § 1o do art. 102 deste Ato das Disposições
Educação básica

������������������������������������������������������������������������������� Constitucionais Transitórias.


�������������������������������������������������������������������������������

18
Educação básica
Lei no 9.394/1996
Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IV – respeito à liberdade e apreço à tole-


rância;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta V – coexistência de instituições públicas e
e eu sanciono a seguinte Lei: privadas de ensino;
VI – gratuidade do ensino público em esta-
belecimentos oficiais;
TÍTULO I – Da Educação VII – valorização do profissional da educa-
ção escolar;
Art. 1o  A educação abrange os processos for- VIII – gestão democrática do ensino público,
mativos que se desenvolvem na vida familiar, na forma desta Lei e da legislação dos sistemas
na convivência humana, no trabalho, nas insti- de ensino;
tuições de ensino e pesquisa, nos movimentos IX – garantia de padrão de qualidade;
sociais e organizações da sociedade civil e nas X – valorização da experiência extraescolar;
manifestações culturais. XI – vinculação entre a educação escolar, o
§ 1o  Esta Lei disciplina a educação escolar, trabalho e as práticas sociais;
que se desenvolve, predominantemente, por XII – consideração com a diversidade ét-
meio do ensino, em instituições próprias. nico-racial;
§ 2o  A educação escolar deverá vincular-se
ao mundo do trabalho e à prática social.
TÍTULO III – Do Direito à Educação e do
Dever de Educar
TÍTULO II – Dos Princípios e Fins da
Educação Nacional Art. 4o  O dever do Estado com educação
escolar pública será efetivado mediante a ga-
Art. 2o  A educação, dever da família e do rantia de:2
Estado, inspirada nos princípios de liberdade I – educação básica obrigatória e gratuita
e nos ideais de solidariedade humana, tem por dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade,
finalidade o pleno desenvolvimento do educan- organizada da seguinte forma:
do, seu preparo para o exercício da cidadania e a)  pré-escola;
sua qualificação para o trabalho. b)  ensino fundamental;
c)  ensino médio;
Art. 3o  O ensino será ministrado com base nos II – educação infantil gratuita às crianças de
seguintes princípios:1 até 5 (cinco) anos de idade;
I – igualdade de condições para o acesso e III – atendimento educacional especiali-
permanência na escola; zado gratuito aos educandos com deficiência,
II – liberdade de aprender, ensinar, pesquisar transtorno os globais do desenvolvimento e
e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o altas habilidades ou superdotação, transversal
Educação básica

saber; a todos os níveis, etapas e modalidades, prefe-


III – pluralismo de ideias e de concepções rencialmente na rede regular de ensino;
pedagógicas;

20 1
  Lei no 12.796/2013.   Leis nos 12.796/2013, 12.061/2009 e 11.700/2008.
2
IV – acesso público e gratuito aos ensinos níveis e modalidades de ensino, conforme as
fundamental e médio para todos os que não prioridades constitucionais e legais.
os concluíram na idade própria; § 3 o  Qualquer das partes mencionadas
V – acesso aos níveis mais elevados do ensi- no caput deste artigo tem legitimidade para
no, da pesquisa e da criação artística, segundo peticionar no Poder Judiciário, na hipótese
a capacidade de cada um; do §  2o do art.  208 da Constituição Federal,
VI – oferta de ensino noturno regular, ade- sendo gratuita e de rito sumário a ação judicial
quado às condições do educando; correspondente.
VII – oferta de educação escolar regular § 4o  Comprovada a negligência da autori-
para jovens e adultos, com características e dade competente para garantir o oferecimento
modalidades adequadas às suas necessidades e do ensino obrigatório, poderá ela ser imputada
disponibilidades, garantindo-se aos que forem por crime de responsabilidade.
trabalhadores as condições de acesso e perma- § 5o  Para garantir o cumprimento da obri-
nência na escola; gatoriedade de ensino, o Poder Público criará
VIII – atendimento ao educando, em todas formas alternativas de acesso aos diferentes
as etapas da educação básica, por meio de níveis de ensino, independentemente da esco-
programas suplementares de material didático- larização anterior.
escolar, transporte, alimentação e assistência
à saúde; Art. 6o  É dever dos pais ou responsáveis efetu-
IX – padrões mínimos de qualidade de en- ar a matrícula das crianças na educação básica
sino, definidos como a variedade e quantidade a partir dos 4 (quatro) anos de idade.4
mínimas, por aluno, de insumos indispensáveis
ao desenvolvimento do processo de ensino- Art. 7o  O ensino é livre à iniciativa privada,
aprendizagem; atendidas as seguintes condições:
X – vaga na escola pública de educação in- I – cumprimento das normas gerais da
fantil ou de ensino fundamental mais próxima educação nacional e do respectivo sistema de
de sua residência a toda criança a partir do dia ensino;
em que completar 4 (quatro) anos de idade; II – autorização de funcionamento e avalia-
ção de qualidade pelo Poder Público;
Art. 5o  O acesso à educação básica obrigatória III – capacidade de autofinanciamento, res-
é direito público subjetivo, podendo qualquer salvado o previsto no art. 213 da Constituição
cidadão, grupo de cidadãos, associação co- Federal.
munitária, organização sindical, entidade de
classe ou outra legalmente constituída e, ainda,
o Ministério Público, acionar o poder público TÍTULO IV – Da Organização da Educação
para exigi-lo.3 Nacional
§ 1o  O poder público, na esfera de sua com-
petência federativa, deverá: Art. 8o  A União, os Estados, o Distrito Federal
I – recensear anualmente as crianças e ado- e os Municípios organizarão, em regime de
lescentes em idade escolar, bem como os jovens colaboração, os respectivos sistemas de ensino.
e adultos que não concluíram a educação básica; § 1 o  Caberá à União a coordenação da
II – fazer-lhes a chamada pública; política nacional de educação, articulando os
III – zelar, junto aos pais ou responsáveis, diferentes níveis e sistemas e exercendo função
pela frequência à escola. normativa, redistributiva e supletiva em relação
Educação básica

§ 2o  Em todas as esferas administrativas, o às demais instâncias educacionais.


Poder Público assegurará em primeiro lugar o § 2o  Os sistemas de ensino terão liberdade
acesso ao ensino obrigatório, nos termos deste de organização nos termos desta Lei.
artigo, contemplando em seguida os demais
3
  Lei no 12.796/2013.   Leis nos 12.796/2013 e 11.114/2005.
4
21
Art. 9o  A União incumbir-se-á de:5 § 2o  Para o cumprimento do disposto nos
I – elaborar o Plano Nacional de Educação, incisos V a IX, a União terá acesso a todos os
em colaboração com os Estados, o Distrito dados e informações necessários de todos os
Federal e os Municípios; estabelecimentos e órgãos educacionais.
II – organizar, manter e desenvolver os ór- § 3o  As atribuições constantes do inciso IX
gãos e instituições oficiais do sistema federal de poderão ser delegadas aos Estados e ao Distrito
ensino e o dos Territórios; Federal, desde que mantenham instituições de
III – prestar assistência técnica e financeira educação superior.
aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municí-
pios para o desenvolvimento de seus sistemas Art. 10.  Os Estados incumbir-se-ão de:6
de ensino e o atendimento prioritário à esco- I – organizar, manter e desenvolver os ór-
laridade obrigatória, exercendo sua função gãos e instituições oficiais dos seus sistemas
redistributiva e supletiva; de ensino;
IV – estabelecer, em colaboração com os II – definir, com os Municípios, formas de
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, colaboração na oferta do ensino fundamental,
competências e diretrizes para a educação in- as quais devem assegurar a distribuição pro-
fantil, o ensino fundamental e o ensino médio, porcional das responsabilidades, de acordo
que nortearão os currículos e seus conteúdos com a população a ser atendida e os recursos
mínimos, de modo a assegurar formação básica financeiros disponíveis em cada uma dessas
comum; esferas do Poder Público;
IV-A – estabelecer, em colaboração com os III – elaborar e executar políticas e planos
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, educacionais, em consonância com as diretrizes
diretrizes e procedimentos para identificação, e planos nacionais de educação, integrando e
cadastramento e atendimento, na educação coordenando as suas ações e as dos seus Mu-
básica e na educação superior, de alunos com nicípios;
altas habilidades ou superdotação; IV – autorizar, reconhecer, credenciar,
V – coletar, analisar e disseminar informa- supervisionar e avaliar, respectivamente, os
ções sobre a educação; cursos das instituições de educação superior e
VI – assegurar processo nacional de avali- os estabelecimentos do seu sistema de ensino;
ação do rendimento escolar no ensino funda- V – baixar normas complementares para o
mental, médio e superior, em colaboração com seu sistema de ensino;
os sistemas de ensino, objetivando a definição VI – assegurar o ensino fundamental e ofe-
de prioridades e a melhoria da qualidade do recer, com prioridade, o ensino médio a todos
ensino; que o demandarem, respeitado o disposto no
VII – baixar normas gerais sobre cursos de art. 38 desta Lei;
graduação e pós-graduação; VII – assumir o transporte escolar dos alu-
VIII – assegurar processo nacional de ava- nos da rede estadual.
liação das instituições de educação superior, Parágrafo único.  Ao Distrito Federal aplicar-
com a cooperação dos sistemas que tiverem se-ão as competências referentes aos Estados e
responsabilidade sobre este nível de ensino; aos Municípios.
IX – autorizar, reconhecer, credenciar,
supervisionar e avaliar, respectivamente, os Art. 11.  Os Municípios incumbir-se-ão de:7
cursos das instituições de educação superior e I – organizar, manter e desenvolver os ór-
os estabelecimentos do seu sistema de ensino. gãos e instituições oficiais dos seus sistemas
Educação básica

§ 1o  Na estrutura educacional, haverá um de ensino, integrando-os às políticas e planos


Conselho Nacional de Educação, com funções educacionais da União e dos Estados;
normativas e de supervisão e atividade perma-
nente, criado por lei.
6
  Leis nos 12.061/2009 e 10.709/2003.
22 5
  Lei n  13.234/2015.
o 7
  Lei no 10.709/2003.
II – exercer ação redistributiva em relação Art. 13.  Os docentes incumbir-se-ão de:
às suas escolas; I – participar da elaboração da proposta
III – baixar normas complementares para o pedagógica do estabelecimento de ensino;
seu sistema de ensino; II – elaborar e cumprir plano de trabalho,
IV – autorizar, credenciar e supervisionar segundo a proposta pedagógica do estabeleci-
os estabelecimentos do seu sistema de ensino; mento de ensino;
V – oferecer a educação infantil em creches III – zelar pela aprendizagem dos alunos;
e pré-escolas, e, com prioridade, o ensino fun- IV – estabelecer estratégias de recuperação
damental, permitida a atuação em outros níveis para os alunos de menor rendimento;
de ensino somente quando estiverem atendidas V – ministrar os dias letivos e horas-aula
plenamente as necessidades de sua área de com- estabelecidos, além de participar integralmente
petência e com recursos acima dos percentuais dos períodos dedicados ao planejamento, à
mínimos vinculados pela Constituição Federal avaliação e ao desenvolvimento profissional;
à manutenção e desenvolvimento do ensino. VI – colaborar com as atividades de articula-
VI – assumir o transporte escolar dos alunos ção da escola com as famílias e a comunidade.
da rede municipal.
Parágrafo único.  Os Municípios poderão Art. 14.  Os sistemas de ensino definirão
optar, ainda, por se integrar ao sistema estadual as normas da gestão democrática do ensino
de ensino ou compor com ele um sistema único público na educação básica, de acordo com as
de educação básica. suas peculiaridades e conforme os seguintes
princípios:
Art. 12.  Os estabelecimentos de ensino, res- I – participação dos profissionais da edu-
peitadas as normas comuns e as do seu sistema cação na elaboração do projeto pedagógico
de ensino, terão a incumbência de:8 da escola;
I – elaborar e executar sua proposta peda- II – participação das comunidades escolar e
gógica; local em conselhos escolares ou equivalentes.
II – administrar seu pessoal e seus recursos
materiais e financeiros; Art. 15.  Os sistemas de ensino assegurarão
III – assegurar o cumprimento dos dias às unidades escolares públicas de educação
letivos e horas-aula estabelecidas; básica que os integram progressivos graus de
IV – velar pelo cumprimento do plano de autonomia pedagógica e administrativa e de
trabalho de cada docente; gestão financeira, observadas as normas gerais
V – prover meios para a recuperação dos de direito financeiro público.
alunos de menor rendimento;
VI – articular-se com as famílias e a comu- Art. 16.  O sistema federal de ensino com-
nidade, criando processos de integração da preende:
sociedade com a escola; I – as instituições de ensino mantidas pela
VII – informar pai e mãe, conviventes ou não União;
com seus filhos, e, se for o caso, os responsáveis II – as instituições de educação superior
legais, sobre a frequência e rendimento dos criadas e mantidas pela iniciativa privada;
alunos, bem como sobre a execução da proposta III – os órgãos federais de educação.
pedagógica da escola;
VIII – notificar ao Conselho Tutelar do Art. 17.  Os sistemas de ensino dos Estados e
Município, ao juiz competente da Comarca do Distrito Federal compreendem:
Educação básica

e ao respectivo representante do Ministério I – as instituições de ensino mantidas, res-


Público a relação dos alunos que apresentem pectivamente, pelo Poder Público estadual e
quantidade de faltas acima de cinquenta por pelo Distrito Federal;
cento do percentual permitido em lei. II – as instituições de educação superior
mantidas pelo Poder Público municipal;
8
  Leis nos 12.013/2009 e 10.287/2001. 23
III – as instituições de ensino fundamental TÍTULO V – Dos Níveis e das Modalidades
e médio criadas e mantidas pela iniciativa de Educação e Ensino
privada; CAPÍTULO I – Da Composição dos Níveis
IV – os órgãos de educação estaduais e do Escolares
Distrito Federal, respectivamente.
Parágrafo único.  No Distrito Federal, as Art. 21.  A educação escolar compõe-se de:
instituições de educação infantil, criadas e I – educação básica, formada pela educação
mantidas pela iniciativa privada, integram seu infantil, ensino fundamental e ensino médio;
sistema de ensino. II – educação superior.

Art. 18.  Os sistemas municipais de ensino


compreendem: CAPÍTULO II – Da Educação Básica
I – as instituições do ensino fundamental, SEÇÃO I – Das Disposições Gerais
médio e de educação infantil mantidas pelo
Poder Público municipal; Art. 22.  A educação básica tem por finalidades
II – as instituições de educação infantil cria- desenvolver o educando, assegurar-lhe a forma-
das e mantidas pela iniciativa privada; ção comum indispensável para o exercício da
III – os órgãos municipais de educação. cidadania e fornecer-lhe meios para progredir
no trabalho e em estudos posteriores.
Art. 19.  As instituições de ensino dos diferen-
tes níveis classificam-se nas seguintes categorias Art. 23.  A educação básica poderá organizar-
administrativas: se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos,
I – públicas, assim entendidas as criadas ou alternância regular de períodos de estudos,
incorporadas, mantidas e administradas pelo grupos não seriados, com base na idade, na
Poder Público; competência e em outros critérios, ou por
II – privadas, assim entendidas as mantidas forma diversa de organização, sempre que o
e administradas por pessoas físicas ou jurídicas interesse do processo de aprendizagem assim
de direito privado. o recomendar.
§ 1o  A escola poderá reclassificar os alunos,
Art. 20.  As instituições privadas de ensino se inclusive quando se tratar de transferências
enquadrarão nas seguintes categorias:9 entre estabelecimentos situados no País e no
I – particulares em sentido estrito, assim exterior, tendo como base as normas curricu-
entendidas as que são instituídas e mantidas lares gerais.
por uma ou mais pessoas físicas ou jurídicas § 2o  O calendário escolar deverá adequar-se
de direito privado que não apresentem as ca- às peculiaridades locais, inclusive climáticas e
racterísticas dos incisos abaixo; econômicas, a critério do respectivo sistema
II – comunitárias, assim entendidas as que de ensino, sem com isso reduzir o número de
são instituídas por grupos de pessoas físicas ou horas letivas previsto nesta Lei.
por uma ou mais pessoas jurídicas, inclusive
cooperativas educacionais, sem fins lucrativos, Art. 24.  A educação básica, nos níveis funda-
que incluam na sua entidade mantenedora mental e médio, será organizada de acordo com
representantes da comunidade; as seguintes regras comuns:10
III – confessionais, assim entendidas as que I – a carga horária mínima anual será de
são instituídas por grupos de pessoas físicas ou oitocentas horas para o ensino fundamental
Educação básica

por uma ou mais pessoas jurídicas que atendem e para o ensino médio, distribuídas por um
a orientação confessional e ideologia específicas mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho
e ao disposto no inciso anterior;
IV – filantrópicas, na forma da lei.
  Lei n o   13.415/2017; e Medida Provisória
10

24 9
  Leis nos 12.020/2009 e 11.183/2005. no 746/2016.
escolar, excluído o tempo reservado aos exames cinco por cento do total de horas letivas para
finais, quando houver; aprovação;
II – a classificação em qualquer série ou eta- VII – cabe a cada instituição de ensino
pa, exceto a primeira do ensino fundamental, expedir históricos escolares, declarações de
pode ser feita: conclusão de série e diplomas ou certificados
a)  por promoção, para alunos que cur- de conclusão de cursos, com as especificações
saram, com aproveitamento, a série ou fase cabíveis.
anterior, na própria escola; § 1o  A carga horária mínima anual de que
b)  por transferência, para candidatos pro- trata o inciso I do caput deverá ser ampliada
cedentes de outras escolas; de forma progressiva, no ensino médio, para
c)  independentemente de escolarização an- mil e quatrocentas horas, devendo os sistemas
terior, mediante avaliação feita pela escola, que de ensino oferecer, no prazo máximo de cinco
defina o grau de desenvolvimento e experiência anos, pelo menos mil horas anuais de carga
do candidato e permita sua inscrição na série horária, a partir de 2 de março de 2017.
ou etapa adequada, conforme regulamentação § 2o  Os sistemas de ensino disporão sobre
do respectivo sistema de ensino; a oferta de educação de jovens e adultos e de
III – nos estabelecimentos que adotam ensino noturno regular, adequado às condições
a progressão regular por série, o regimento do educando, conforme o inciso VI do art. 4o.
escolar pode admitir formas de progressão
parcial, desde que preservada a sequência do Art. 25.  Será objetivo permanente das autori-
currículo, observadas as normas do respectivo dades responsáveis alcançar relação adequada
sistema de ensino; entre o número de alunos e o professor, a carga
IV – poderão organizar-se classes, ou tur- horária e as condições materiais do estabele-
mas, com alunos de séries distintas, com níveis cimento.
equivalentes de adiantamento na matéria, para Parágrafo único.  Cabe ao respectivo sistema
o ensino de línguas estrangeiras, artes, ou ou- de ensino, à vista das condições disponíveis e
tros componentes curriculares; das características regionais e locais, estabele-
V – a verificação do rendimento escolar cer parâmetro para atendimento do disposto
observará os seguintes critérios: neste artigo.
a)  avaliação contínua e cumulativa do
desempenho do aluno, com prevalência dos Art. 26.  Os currículos da educação infantil,
aspectos qualitativos sobre os quantitativos e do ensino fundamental e do ensino médio
dos resultados ao longo do período sobre os devem ter uma base nacional comum, a ser
de eventuais provas finais; complementada, em cada sistema de ensino
b)  possibilidade de aceleração de estudos e em cada estabelecimento escolar, por uma
para alunos com atraso escolar; parte diversificada, exigida pelas características
c)  possibilidade de avanço nos cursos e nas regionais e locais da sociedade, da cultura, da
séries mediante verificação do aprendizado; economia e dos educandos.11
d)  aproveitamento de estudos concluídos § 1o  Os currículos a que se refere o caput
com êxito; devem abranger, obrigatoriamente, o estudo
e)  obrigatoriedade de estudos de recupera- da língua portuguesa e da matemática, o co-
ção, de preferência paralelos ao período letivo, nhecimento do mundo físico e natural e da
para os casos de baixo rendimento escolar, a realidade social e política, especialmente da
serem disciplinados pelas instituições de ensino República Federativa do Brasil, observado,
Educação básica

em seus regimentos; na educação infantil, o disposto no art. 31, no


VI – o controle de frequência fica a cargo da
escola, conforme o disposto no seu regimento   Leis nos 13.415/2017, 13.278/2016, 13.010/2014,
11
e nas normas do respectivo sistema de ensi- 13.006/2014, 12.796/2013, 12.608/2012, 12.287/2010,
no, exigida a frequência mínima de setenta e 11.769/2008, 10.793/2003 e 10.328/2001; e Medida
Provisória no 746/2016. 25
ensino fundamental, o disposto no art. 32, e no de julho de 1990 (e do Adolescente), observada
ensino médio, o disposto no art. 36. a produção e distribuição de material didático
§ 2o  O ensino da arte, especialmente em adequado.
suas expressões regionais, constituirá com- § 10  A inclusão de novos componentes
ponente curricular obrigatório da educação curriculares de caráter obrigatório na Base
básica. Nacional Comum Curricular dependerá de
§ 3o  A educação física, integrada à proposta aprovação do Conselho Nacional de Educação
pedagógica da escola, é componente curricular e de homologação pelo Ministro de Estado da
obrigatório da educação infantil e do ensino Educação.
fundamental, sendo sua prática facultativa ao
aluno: Art. 26-A.  Nos estabelecimentos de ensino
I – que cumpra jornada de trabalho igual ou fundamental e de ensino médio, públicos e pri-
superior a seis horas; vados, torna-se obrigatório o estudo da história
II – maior de trinta anos de idade; e cultura afro-brasileira e indígena.12
III – que estiver prestando serviço militar § 1o  O conteúdo programático a que se
inicial ou que, em situação similar, estiver refere este artigo incluirá diversos aspectos da
obrigado à prática da educação física; história e da cultura que caracterizam a forma-
IV – amparado pelo Decreto-Lei no 1.044, ção da população brasileira, a partir desses dois
de 21 de outubro de 1969; grupos étnicos, tais como o estudo da história
V – (vetado); da África e dos africanos, a luta dos negros e
VI – que tenha prole. dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra
§ 4o  O ensino da História do Brasil levará e indígena brasileira e o negro e o índio na
em conta as contribuições das diferentes cultu- formação da sociedade nacional, resgatando as
ras e etnias para a formação do povo brasileiro, suas contribuições nas áreas social, econômica
especialmente das matrizes indígena, africana e política, pertinentes à história do Brasil.
e europeia. § 2o  Os conteúdos referentes à história e
§ 5o  No currículo do ensino fundamental, cultura afro-brasileira e dos povos indígenas
a partir do sexto ano, será ofertada a língua brasileiros serão ministrados no âmbito de
inglesa. todo o currículo escolar, em especial nas áreas
§ 6o  As artes visuais, a dança, a música e de educação artística e de literatura e história
o teatro são as linguagens que constituirão brasileiras.
o componente curricular de que trata o §  2o
deste artigo. Art. 27.  Os conteúdos curriculares da edu-
§ 7o  A integralização curricular poderá in- cação básica observarão, ainda, as seguintes
cluir, a critério dos sistemas de ensino, projetos diretrizes:
e pesquisas envolvendo os temas transversais de I – a difusão de valores fundamentais ao
que trata o caput. interesse social, aos direitos e deveres dos ci-
§ 8 o  A exibição de filmes de produção dadãos, de respeito ao bem comum e à ordem
nacional constituirá componente curricular democrática;
complementar integrado à proposta pedagógica II – consideração das condições de escola-
da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, ridade dos alunos em cada estabelecimento;
no mínimo, 2 (duas) horas mensais. III – orientação para o trabalho;
§ 9 o   Conteúdos relativos aos direitos IV – promoção do desporto educacional e
humanos e à prevenção de todas as formas apoio às práticas desportivas não formais.
Educação básica

de violência contra a criança e o adolescente


serão incluídos, como temas transversais, nos Art. 28.  Na oferta de educação básica para a
currículos escolares de que trata o caput deste população rural, os sistemas de ensino promo-
artigo, tendo como diretriz a Lei no 8.069, de 13 verão as adaptações necessárias à sua adequação

26   Leis nos 11.645/2008 e 10.639/2003.


12
às peculiaridades da vida rural e de cada região, III – atendimento à criança de, no mínimo, 4
especialmente:13 (quatro) horas diárias para o turno parcial e de
I – conteúdos curriculares e metodologias 7 (sete) horas para a jornada integral;
apropriadas às reais necessidades e interesses IV – controle de frequência pela instituição
dos alunos da zona rural; de educação pré-escolar, exigida a frequência
II – organização escolar própria, incluindo mínima de 60% (sessenta por cento) do total
adequação do calendário escolar às fases do de horas;
ciclo agrícola e às condições climáticas; V – expedição de documentação que per-
III – adequação à natureza do trabalho na mita atestar os processos de desenvolvimento
zona rural. e aprendizagem da criança.
Parágrafo único.  O fechamento de escolas
do campo, indígenas e quilombolas será pre-
cedido de manifestação do órgão normativo do SEÇÃO III – Do Ensino Fundamental
respectivo sistema de ensino, que considerará a
justificativa apresentada pela Secretaria de Edu- Art. 32.  O ensino fundamental obrigatório,
cação, a análise do diagnóstico do impacto da com duração de 9 (nove) anos, gratuito na es-
ação e a manifestação da comunidade escolar. cola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de
idade, terá por objetivo a formação básica do
cidadão, mediante:17
SEÇÃO II – Da Educação Infantil I – o desenvolvimento da capacidade de
aprender, tendo como meios básicos o pleno
Art. 29.  A educação infantil, primeira etapa domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
da educação básica, tem como finalidade o II – a compreensão do ambiente natural e
desenvolvimento integral da criança de até 5 social, do sistema político, da tecnologia, das
(cinco) anos, em seus aspectos físico, psicológi- artes e dos valores em que se fundamenta a
co, intelectual e social, complementando a ação sociedade;
da família e da comunidade.14 III – o desenvolvimento da capacidade de
aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
Art. 30.  A educação infantil será oferecida conhecimentos e habilidades e a formação de
em:15 atitudes e valores;
I – creches, ou entidades equivalentes, para IV – o fortalecimento dos vínculos de famí-
crianças de até três anos de idade; lia, dos laços de solidariedade humana e de tole-
II – pré-escolas, para as crianças de 4 (qua- rância recíproca em que se assenta a vida social.
tro) a 5 (cinco) anos de idade. § 1o  É facultado aos sistemas de ensino des-
dobrar o ensino fundamental em ciclos.
Art. 31.  A educação infantil será organizada § 2 o  Os estabelecimentos que utilizam
de acordo com as seguintes regras comuns:16 progressão regular por série podem adotar no
I – avaliação mediante acompanhamento e ensino fundamental o regime de progressão
registro do desenvolvimento das crianças, sem continuada, sem prejuízo da avaliação do pro-
o objetivo de promoção, mesmo para o acesso cesso de ensino-aprendizagem, observadas as
ao ensino fundamental; normas do respectivo sistema de ensino.
II – carga horária mínima anual de 800 (oi- § 3o  O ensino fundamental regular será
tocentas) horas, distribuída por um mínimo de ministrado em língua portuguesa, assegura-
200 (duzentos) dias de trabalho educacional; da às comunidades indígenas a utilização de
Educação básica

suas línguas maternas e processos próprios de


aprendizagem.
13
  Lei no 12.960/2014. § 4o  O ensino fundamental será presencial,
14
  Lei no 12.796/2013. sendo o ensino a distância utilizado como com-
15
  Lei no 12.796/2013.
16
  Lei no 12.796/2013.   Leis nos 12.472/2011, 11.525/2007 e 11.274/2006.
17
27
plementação da aprendizagem ou em situações I – a consolidação e o aprofundamento dos
emergenciais. conhecimentos adquiridos no ensino funda-
§ 5o  O currículo do ensino fundamental mental, possibilitando o prosseguimento de
incluirá, obrigatoriamente, conteúdo que trate estudos;
dos direitos das crianças e dos adolescentes, II – a preparação básica para o trabalho e a
tendo como diretriz a Lei no  8.069, de 13 de cidadania do educando, para continuar apren-
julho de 1990, que institui o Estatuto da Criança dendo, de modo a ser capaz de se adaptar com
e do Adolescente, observada a produção e dis- flexibilidade a novas condições de ocupação ou
tribuição de material didático adequado. aperfeiçoamento posteriores;
§ 6o  O estudo sobre os símbolos nacionais III – o aprimoramento do educando como
será incluído como tema transversal nos cur- pessoa humana, incluindo a formação ética e
rículos do ensino fundamental. o desenvolvimento da autonomia intelectual e
do pensamento crítico;
Art. 33.  O ensino religioso, de matrícula fa- IV – a compreensão dos fundamentos cien-
cultativa, é parte integrante da formação básica tífico-tecnológicos dos processos produtivos,
do cidadão e constitui disciplina dos horários relacionando a teoria com a prática, no ensino
normais das escolas públicas de ensino fun- de cada disciplina.
damental, assegurado o respeito à diversidade
cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer Art. 35-A.  A Base Nacional Comum Curricu-
formas de proselitismo.18 lar definirá direitos e objetivos de aprendizagem
§ 1o  Os sistemas de ensino regulamenta- do ensino médio, conforme diretrizes do Con-
rão os procedimentos para a definição dos selho Nacional de Educação, nas seguintes áreas
conteúdos do ensino religioso e estabelecerão do conhecimento:19
as normas para a habilitação e admissão dos I – linguagens e suas tecnologias;
professores. II – matemática e suas tecnologias;
§ 2o  Os sistemas de ensino ouvirão entidade III – ciências da natureza e suas tecnologias;
civil, constituída pelas diferentes denominações IV – ciências humanas e sociais aplicadas.
religiosas, para a definição dos conteúdos do § 1o  A parte diversificada dos currículos de
ensino religioso. que trata o caput do art. 26, definida em cada
sistema de ensino, deverá estar harmonizada à
Art. 34.  A jornada escolar no ensino funda- Base Nacional Comum Curricular e ser articu-
mental incluirá pelo menos quatro horas de lada a partir do contexto histórico, econômico,
trabalho efetivo em sala de aula, sendo progres- social, ambiental e cultural.
sivamente ampliado o período de permanência § 2o  A Base Nacional Comum Curricular
na escola. referente ao ensino médio incluirá obrigato-
§ 1o  São ressalvados os casos do ensino no- riamente estudos e práticas de educação física,
turno e das formas alternativas de organização arte, sociologia e filosofia.
autorizadas nesta Lei. § 3o  O ensino da língua portuguesa e da
§ 2o  O ensino fundamental será ministrado matemática será obrigatório nos três anos do
progressivamente em tempo integral, a critério ensino médio, assegurada às comunidades in-
dos sistemas de ensino. dígenas, também, a utilização das respectivas
línguas maternas.
§ 4o  Os currículos do ensino médio in-
SEÇÃO IV – Do Ensino Médio cluirão, obrigatoriamente, o estudo da língua
Educação básica

inglesa e poderão ofertar outras línguas estran-


Art. 35.  O ensino médio, etapa final da educa- geiras, em caráter optativo, preferencialmente o
ção básica, com duração mínima de três anos, espanhol, de acordo com a disponibilidade de
terá como finalidades:

28   Lei no 9.475/1997.
18
  Lei no 13.415/2017.
19
oferta, locais e horários definidos pelos sistemas II – (Revogado).
de ensino. § 2o (Revogado)
§ 5o  A carga horária destinada ao cumpri- § 3o  A critério dos sistemas de ensino, pode-
mento da Base Nacional Comum Curricular rá ser composto itinerário formativo integrado,
não poderá ser superior a mil e oitocentas horas que se traduz na composição de componentes
do total da carga horária do ensino médio, de curriculares da Base Nacional Comum Cur-
acordo com a definição dos sistemas de ensino. ricular – BNCC e dos itinerários formativos,
§ 6o  A União estabelecerá os padrões de considerando os incisos I a V do caput.
desempenho esperados para o ensino médio, § 4o (Revogado)
que serão referência nos processos nacionais § 5o  Os sistemas de ensino, mediante dispo-
de avaliação, a partir da Base Nacional Comum nibilidade de vagas na rede, possibilitarão ao
Curricular. aluno concluinte do ensino médio cursar mais
§ 7o  Os currículos do ensino médio deverão um itinerário formativo de que trata o caput.
considerar a formação integral do aluno, de § 6o  A critério dos sistemas de ensino, a
maneira a adotar um trabalho voltado para a oferta de formação com ênfase técnica e pro-
construção de seu projeto de vida e para sua fissional considerará:
formação nos aspectos físicos, cognitivos e I – a inclusão de vivências práticas de tra-
socioemocionais. balho no setor produtivo ou em ambientes de
§ 8o  Os conteúdos, as metodologias e as simulação, estabelecendo parcerias e fazendo
formas de avaliação processual e formativa uso, quando aplicável, de instrumentos esta-
serão organizados nas redes de ensino por meio belecidos pela legislação sobre aprendizagem
de atividades teóricas e práticas, provas orais e profissional;
escritas, seminários, projetos e atividades on- II – a possibilidade de concessão de certi-
line, de tal forma que ao final do ensino médio ficados intermediários de qualificação para o
o educando demonstre: trabalho, quando a formação for estruturada
I – domínio dos princípios científicos e tec- e organizada em etapas com terminalidade.
nológicos que presidem a produção moderna; § 7o  A oferta de formações experimentais
II – conhecimento das formas contemporâ- relacionadas ao inciso V do caput, em áreas que
neas de linguagem. não constem do Catálogo Nacional dos Cursos
Técnicos, dependerá, para sua continuidade,
Art. 36.  O currículo do ensino médio será do reconhecimento pelo respectivo Conselho
composto pela Base Nacional Comum Curri- Estadual de Educação, no prazo de três anos, e
cular e por itinerários formativos, que deverão da inserção no Catálogo Nacional dos Cursos
ser organizados por meio da oferta de diferentes Técnicos, no prazo de cinco anos, contados da
arranjos curriculares, conforme a relevância data de oferta inicial da formação.
para o contexto local e a possibilidade dos § 8o  A oferta de formação técnica e pro-
sistemas de ensino, a saber:20 fissional a que se refere o inciso V do caput,
I – linguagens e suas tecnologias; realizada na própria instituição ou em parceria
II – matemática e suas tecnologias; com outras instituições, deverá ser aprovada
III – ciências da natureza e suas tecnologias; previamente pelo Conselho Estadual de Edu-
IV – ciências humanas e sociais aplicadas; cação, homologada pelo Secretário Estadual de
V – formação técnica e profissional. Educação e certificada pelos sistemas de ensino.
§ 1o  A organização das áreas de que trata § 9o  As instituições de ensino emitirão cer-
o caput e das respectivas competências e ha- tificado com validade nacional, que habilitará o
Educação básica

bilidades será feita de acordo com critérios concluinte do ensino médio ao prosseguimento
estabelecidos em cada sistema de ensino. dos estudos em nível superior ou em outros
I – (Revogado); cursos ou formações para os quais a conclusão
do ensino médio seja etapa obrigatória.
20
  Leis nos 13.415/2017, 11.741/2008 e 11.684/2008; § 10.  Além das formas de organização
e Medida Provisória no 746/2016. previstas no art. 23, o ensino médio poderá ser 29
organizado em módulos e adotar o sistema de aproveitamento de créditos no ensino superior,
créditos com terminalidade específica. após normatização do Conselho Nacional de
§ 11.  Para efeito de cumprimento das Educação e homologação pelo Ministro de
exigências curriculares do ensino médio, os Estado da Educação.
sistemas de ensino poderão reconhecer com- § 17.  Para efeito de cumprimento de
petências e firmar convênios com instituições exigências curriculares do ensino médio, os
de educação a distância com notório reco- sistemas de ensino poderão reconhecer, medi-
nhecimento, mediante as seguintes formas de ante regulamentação própria, conhecimentos,
comprovação: saberes, habilidades e competências, mediante
I – demonstração prática; diferentes formas de comprovação, como:
II – experiência de trabalho supervisionado I – demonstração prática;
ou outra experiência adquirida fora do ambi- II – experiência de trabalho supervisionado
ente escolar; ou outra experiência adquirida fora do ambi-
III – atividades de educação técnica ofe- ente escolar;
recidas em outras instituições de ensino cre- III – atividades de educação técnica ofereci-
denciadas; das em outras instituições de ensino;
IV – cursos oferecidos por centros ou pro- IV – cursos oferecidos por centros ou pro-
gramas ocupacionais; gramas ocupacionais;
V – estudos realizados em instituições de V – estudos realizados em instituições de
ensino nacionais ou estrangeiras; ensino nacionais ou estrangeiras; e
VI – cursos realizados por meio de educação VI – educação a distância ou educação pre-
a distância ou educação presencial mediada sencial mediada por tecnologias.
por tecnologias.
§ 12.  As escolas deverão orientar os alunos
no processo de escolha das áreas de conheci- SEÇÃO IV-A – Da Educação Profissional
mento ou de atuação profissional previstas no Técnica de Nível Médio21
caput.
§ 13.  Ao concluir o ensino médio, as insti- Art. 36-A.  Sem prejuízo do disposto na Seção
tuições de ensino emitirão diploma com vali- IV deste Capítulo, o ensino médio, atendida a
dade nacional que habilitará o diplomado ao formação geral do educando, poderá prepará-lo
prosseguimento dos estudos em nível superior para o exercício de profissões técnicas.22
e demais cursos ou formações para os quais a Parágrafo único.  A preparação geral para
conclusão do ensino médio seja obrigatória. o trabalho e, facultativamente, a habilitação
§ 14.  A União, em colaboração com os Esta- profissional poderão ser desenvolvidas nos
dos e o Distrito Federal, estabelecerá os padrões próprios estabelecimentos de ensino médio ou
de desempenho esperados para o ensino médio, em cooperação com instituições especializadas
que serão referência nos processos nacionais de em educação profissional.
avaliação, considerada a Base Nacional Comum
Curricular. Art. 36-B.  A educação profissional técnica de
§ 15.  Além das formas de organização nível médio será desenvolvida nas seguintes
previstas no art.  23, o ensino médio poderá formas:23
ser organizado em módulos e adotar o sistema I – articulada com o ensino médio;
de créditos ou disciplinas com terminalidade II – subsequente, em cursos destinados a
específica, observada a Base Nacional Comum quem já tenha concluído o ensino médio.
Educação básica

Curricular, a fim de estimular o prosseguimento Parágrafo único.  A educação profissional


dos estudos. técnica de nível médio deverá observar:
§ 16.  Os conteúdos cursados durante o
ensino médio poderão ser convalidados para 21
  Lei no 11.741/2008.
22
  Lei no 11.741/2008.
30 23
  Lei no 11.741/2008.
I – os objetivos e definições contidos nas SEÇÃO V – Da Educação de Jovens e
diretrizes curriculares nacionais estabelecidas Adultos
pelo Conselho Nacional de Educação;
II – as normas complementares dos respec- Art. 37.  A educação de jovens e adultos será
tivos sistemas de ensino; destinada àqueles que não tiveram acesso ou
III – as exigências de cada instituição de continuidade de estudos no ensino fundamen-
ensino, nos termos de seu projeto pedagógico. tal e médio na idade própria.26
§ 1o  Os sistemas de ensino assegurarão
Art. 36-C.  A educação profissional técnica de gratuitamente aos jovens e aos adultos, que
nível médio articulada, prevista no inciso I do não puderam efetuar os estudos na idade re-
caput do art. 36-B desta Lei, será desenvolvida gular, oportunidades educacionais apropriadas,
de forma:24 consideradas as características do alunado, seus
I – integrada, oferecida somente a quem já interesses, condições de vida e de trabalho,
tenha concluído o ensino fundamental, sendo o mediante cursos e exames.
curso planejado de modo a conduzir o aluno à § 2o  O Poder Público viabilizará e estimu-
habilitação profissional técnica de nível médio, lará o acesso e a permanência do trabalhador
na mesma instituição de ensino, efetuando-se na escola, mediante ações integradas e comple-
matrícula única para cada aluno; mentares entre si.
II – concomitante, oferecida a quem ingresse § 3o  A educação de jovens e adultos deverá
no ensino médio ou já o esteja cursando, efetu- articular-se, preferencialmente, com a educação
ando-se matrículas distintas para cada curso, e profissional, na forma do regulamento.
podendo ocorrer:
a)  na mesma instituição de ensino, apro- Art. 38.  Os sistemas de ensino manterão
veitando-se as oportunidades educacionais cursos e exames supletivos, que compreen-
disponíveis; derão a base nacional comum do currículo,
b)  em instituições de ensino distintas, habilitando ao prosseguimento de estudos em
aproveitando-se as oportunidades educacionais caráter regular.
disponíveis; § 1o  Os exames a que se refere este artigo
c)  em instituições de ensino distintas, me- realizar-se-ão:
diante convênios de intercomplementaridade, I – no nível de conclusão do ensino funda-
visando ao planejamento e ao desenvolvimento mental, para os maiores de quinze anos;
de projeto pedagógico unificado. II – no nível de conclusão do ensino médio,
para os maiores de dezoito anos.
Art. 36-D.  Os diplomas de cursos de educação § 2o  Os conhecimentos e habilidades ad-
profissional técnica de nível médio, quando quiridos pelos educandos por meios informais
registrados, terão validade nacional e habilita- serão aferidos e reconhecidos mediante exames.
rão ao prosseguimento de estudos na educação
superior.25
Parágrafo único.  Os cursos de educação CAPÍTULO III – Da Educação Profissional e
profissional técnica de nível médio, nas for- Tecnológica27
mas articulada concomitante e subsequente,
quando estruturados e organizados em etapas Art. 39.  A educação profissional e tecnológica,
com terminalidade, possibilitarão a obtenção no cumprimento dos objetivos da educação
de certificados de qualificação para o trabalho nacional, integra-se aos diferentes níveis e
Educação básica

após a conclusão, com aproveitamento, de cada modalidades de educação e às dimensões do


etapa que caracterize uma qualificação para o trabalho, da ciência e da tecnologia.28
trabalho.
26
  Lei no 11.741/2008.
  Lei n  11.741/2008.
24 o 27
  Lei no 11.741/2008.
  Lei no 11.741/2008.
25 28
  Lei no 11.741/2008. 31
§ 1o  Os cursos de educação profissional e I – estimular a criação cultural e o desenvol-
tecnológica poderão ser organizados por eixos vimento do espírito científico e do pensamento
tecnológicos, possibilitando a construção de reflexivo;
diferentes itinerários formativos, observadas as II – formar diplomados nas diferentes áreas
normas do respectivo sistema e nível de ensino. de conhecimento, aptos para a inserção em
§ 2o  A educação profissional e tecnológica setores profissionais e para a participação no
abrangerá os seguintes cursos: desenvolvimento da sociedade brasileira, e
I – de formação inicial e continuada ou colaborar na sua formação contínua;
qualificação profissional; III – incentivar o trabalho de pesquisa e
II – de educação profissional técnica de investigação científica, visando o desenvolvi-
nível médio; mento da ciência e da tecnologia e da criação e
III – de educação profissional tecnológica de difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver
graduação e pós-graduação. o entendimento do homem e do meio em que
§ 3o  Os cursos de educação profissional vive;
tecnológica de graduação e pós-graduação IV – promover a divulgação de conhecimen-
organizar-se-ão, no que concerne a objetivos, tos culturais, científicos e técnicos que consti-
características e duração, de acordo com as tuem patrimônio da humanidade e comunicar
diretrizes curriculares nacionais estabelecidas o saber através do ensino, de publicações ou de
pelo Conselho Nacional de Educação. outras formas de comunicação;
V – suscitar o desejo permanente de aperfei-
Art. 40.  A educação profissional será desen- çoamento cultural e profissional e possibilitar
volvida em articulação com o ensino regular a correspondente concretização, integrando
ou por diferentes estratégias de educação con- os conhecimentos que vão sendo adquiridos
tinuada, em instituições especializadas ou no numa estrutura intelectual sistematizadora do
ambiente de trabalho.29 conhecimento de cada geração;
VI – estimular o conhecimento dos pro-
Art. 41.  O conhecimento adquirido na edu- blemas do mundo presente, em particular os
cação profissional e tecnológica, inclusive no nacionais e regionais, prestar serviços especi-
trabalho, poderá ser objeto de avaliação, reco- alizados à comunidade e estabelecer com esta
nhecimento e certificação para prosseguimento uma relação de reciprocidade;
ou conclusão de estudos.30 VII – promover a extensão, aberta à parti-
Parágrafo único. (Revogado) cipação da população, visando à difusão das
conquistas e benefícios resultantes da criação
Art. 42.  As instituições de educação pro- cultural e da pesquisa científica e tecnológica
fissional e tecnológica, além dos seus cursos geradas na instituição.
regulares, oferecerão cursos especiais, abertos VIII – atuar em favor da universalização e do
à comunidade, condicionada a matrícula à aprimoramento da educação básica, mediante
capacidade de aproveitamento e não necessa- a formação e a capacitação de profissionais, a
riamente ao nível de escolaridade.31 realização de pesquisas pedagógicas e o de-
senvolvimento de atividades de extensão que
aproximem os dois níveis escolares.
CAPÍTULO IV – Da Educação Superior
Art. 44.  A educação superior abrangerá os
Art. 43.  A educação superior tem por fina- seguintes cursos e programas:33
Educação básica

lidade:32 I – cursos sequenciais por campo de saber,


de diferentes níveis de abrangência, abertos a
29
  Decreto no 5.154/2004 (regulamentação). candidatos que atendam aos requisitos esta-
30
  Lei no 11.741/2008.
31
  Lei no 11.741/2008. 33
  Leis nos  13.415/2017, 13.184/2015, 11.632/2007
32 32
  Lei no 13.174/2015. e 11.331/2006; e Medida Provisória no 746/2016.
belecidos pelas instituições de ensino, desde caso, em desativação de cursos e habilitações,
que tenham concluído o ensino médio ou em intervenção na instituição, em suspensão
equivalente; temporária de prerrogativas da autonomia, ou
II – de graduação, abertos a candidatos que em descredenciamento.
tenham concluído o ensino médio ou equiva- § 2o  No caso de instituição pública, o Poder
lente e tenham sido classificados em processo Executivo responsável por sua manutenção
seletivo; acompanhará o processo de saneamento e
III – de pós-graduação, compreendendo fornecerá recursos adicionais, se necessários,
programas de mestrado e doutorado, cursos para a superação das deficiências.
de especialização, aperfeiçoamento e outros,
abertos a candidatos diplomados em cursos Art. 47.  Na educação superior, o ano letivo
de graduação e que atendam às exigências das regular, independente do ano civil, tem, no
instituições de ensino; mínimo, duzentos dias de trabalho acadêmico
IV – de extensão, abertos a candidatos que efetivo, excluído o tempo reservado aos exames
atendam aos requisitos estabelecidos em cada finais, quando houver.34
caso pelas instituições de ensino. § 1o  As instituições informarão aos in-
§ 1o  Os resultados do processo seletivo re- teressados, antes de cada período letivo, os
ferido no inciso II do caput deste artigo serão programas dos cursos e demais componentes
tornados públicos pelas instituições de ensino curriculares, sua duração, requisitos, qualifi-
superior, sendo obrigatória a divulgação da cação dos professores, recursos disponíveis e
relação nominal dos classificados, a respectiva critérios de avaliação, obrigando-se a cumprir
ordem de classificação, bem como do crono- as respectivas condições, e a publicação deve
grama das chamadas para matrícula, de acordo ser feita, sendo as 3 (três) primeiras formas
com os critérios para preenchimento das vagas concomitantemente:
constantes do respectivo edital. I – em página específica na internet no sítio
§ 2o  No caso de empate no processo seleti- eletrônico oficial da instituição de ensino su-
vo, as instituições públicas de ensino superior perior, obedecido o seguinte:
darão prioridade de matrícula ao candidato a)  toda publicação a que se refere esta Lei
que comprove ter renda familiar inferior a dez deve ter como título “Grade e Corpo Docente”;
salários mínimos, ou ao de menor renda fami- b)  a página principal da instituição de
liar, quando mais de um candidato preencher ensino superior, bem como a página da oferta
o critério inicial. de seus cursos aos ingressantes sob a forma de
§ 3o  O processo seletivo referido no inciso vestibulares, processo seletivo e outras com a
II considerará as competências e as habilidades mesma finalidade, deve conter a ligação desta
definidas na Base Nacional Comum Curricular. com a página específica prevista neste inciso;
c)  caso a instituição de ensino superior
Art. 45.  A educação superior será ministrada não possua sítio eletrônico, deve criar página
em instituições de ensino superior, públicas ou específica para divulgação das informações de
privadas, com variados graus de abrangência que trata esta Lei;
ou especialização. d)  a página específica deve conter a data
completa de sua última atualização;
Art. 46.  A autorização e o reconhecimento II – em toda propaganda eletrônica da insti-
de cursos, bem como o credenciamento de tuição de ensino superior, por meio de ligação
instituições de educação superior, terão prazos para a página referida no inciso I;
Educação básica

limitados, sendo renovados, periodicamente, III – em local visível da instituição de ensino


após processo regular de avaliação. superior e de fácil acesso ao público;
§ 1o  Após um prazo para saneamento de IV – deve ser atualizada semestralmente
deficiências eventualmente identificadas pela ou anualmente, de acordo com a duração das
avaliação a que se refere este artigo, haverá
reavaliação, que poderá resultar, conforme o   Lei no 13.168/2015.
34
33
disciplinas de cada curso oferecido, observando § 2o  Os diplomas de graduação expedidos
o seguinte: por universidades estrangeiras serão revali-
a)  caso o curso mantenha disciplinas com dados por universidades públicas que tenham
duração diferenciada, a publicação deve ser curso do mesmo nível e área ou equivalente,
semestral; respeitando-se os acordos internacionais de
b)  a publicação deve ser feita até 1 (um) mês reciprocidade ou equiparação.
antes do início das aulas; § 3o  Os diplomas de Mestrado e de Douto-
c)  caso haja mudança na grade do curso ou rado expedidos por universidades estrangeiras
no corpo docente até o início das aulas, os alu- só poderão ser reconhecidos por universidades
nos devem ser comunicados sobre as alterações; que possuam cursos de pós-graduação reco-
V – deve conter as seguintes informações: nhecidos e avaliados, na mesma área de co-
a)  a lista de todos os cursos oferecidos pela nhecimento e em nível equivalente ou superior.
instituição de ensino superior;
b)  a lista das disciplinas que compõem a Art. 49.  As instituições de educação superior
grade curricular de cada curso e as respectivas aceitarão a transferência de alunos regulares,
cargas horárias; para cursos afins, na hipótese de existência de
c)  a identificação dos docentes que minis- vagas, e mediante processo seletivo.35
trarão as aulas em cada curso, as disciplinas Parágrafo único.  As transferências ex officio
que efetivamente ministrará naquele curso dar-se-ão na forma da lei.
ou cursos, sua titulação, abrangendo a quali-
ficação profissional do docente e o tempo de Art. 50.  As instituições de educação superior,
casa do docente, de forma total, contínua ou quando da ocorrência de vagas, abrirão ma-
intermitente. trícula nas disciplinas de seus cursos a alunos
§ 2o  Os alunos que tenham extraordinário não regulares que demonstrarem capacidade
aproveitamento nos estudos, demonstrado de cursá-las com proveito, mediante processo
por meio de provas e outros instrumentos seletivo prévio.
de avaliação específicos, aplicados por banca
examinadora especial, poderão ter abreviada Art. 51.  As instituições de educação superior
a duração dos seus cursos, de acordo com as credenciadas como universidades, ao deliberar
normas dos sistemas de ensino. sobre critérios e normas de seleção e admissão
§ 3o  É obrigatória a frequência de alunos e de estudantes, levarão em conta os efeitos desses
professores, salvo nos programas de educação critérios sobre a orientação do ensino médio,
a distância. articulando-se com os órgãos normativos dos
§ 4o  As instituições de educação superior sistemas de ensino.
oferecerão, no período noturno, cursos de
graduação nos mesmos padrões de qualidade Art. 52.  As universidades são instituições
mantidos no período diurno, sendo obrigató- pluridisciplinares de formação dos quadros
ria a oferta noturna nas instituições públicas, profissionais de nível superior, de pesquisa,
garantida a necessária previsão orçamentária. de extensão e de domínio e cultivo do saber
humano, que se caracterizam por:
Art. 48.  Os diplomas de cursos superiores re- I – produção intelectual institucionalizada
conhecidos, quando registrados, terão validade mediante o estudo sistemático dos temas e pro-
nacional como prova da formação recebida por blemas mais relevantes, tanto do ponto de vista
seu titular. científico e cultural, quanto regional e nacional;
Educação básica

§ 1o  Os diplomas expedidos pelas univer- II – um terço do corpo docente, pelo me-
sidades serão por elas próprias registrados, e nos, com titulação acadêmica de mestrado ou
aqueles conferidos por instituições não uni- doutorado;
versitárias serão registrados em universidades
indicadas pelo Conselho Nacional de Educação.
34   Lei no 9.536/1997 (regulamentação).
35
III – um terço do corpo docente em regime IV – programação das pesquisas e das ativi-
de tempo integral. dades de extensão;
Parágrafo único.  É facultada a criação de V – contratação e dispensa de professores;
universidades especializadas por campo do VI – planos de carreira docente.
saber.
Art. 54.  As universidades mantidas pelo Poder
Art. 53.  No exercício de sua autonomia, são Público gozarão, na forma da lei, de estatuto
asseguradas às universidades, sem prejuízo de jurídico especial para atender às peculiaridades
outras, as seguintes atribuições: de sua estrutura, organização e financiamento
I – criar, organizar e extinguir, em sua sede, pelo Poder Público, assim como dos seus planos
cursos e programas de educação superior pre- de carreira e do regime jurídico do seu pessoal.
vistos nesta Lei, obedecendo às normas gerais § 1o  No exercício da sua autonomia, além
da União e, quando for o caso, do respectivo das atribuições asseguradas pelo artigo anterior,
sistema de ensino; as universidades públicas poderão:
II – fixar os currículos dos seus cursos e I – propor o seu quadro de pessoal docente,
programas, observadas as diretrizes gerais técnico e administrativo, assim como um plano
pertinentes; de cargos e salários, atendidas as normas gerais
III – estabelecer planos, programas e proje- pertinentes e os recursos disponíveis;
tos de pesquisa científica, produção artística e II – elaborar o regulamento de seu pessoal
atividades de extensão; em conformidade com as normas gerais con-
IV – fixar o número de vagas de acordo cernentes;
com a capacidade institucional e as exigências III – aprovar e executar planos, programas
do seu meio; e projetos de investimentos referentes a obras,
V – elaborar e reformar os seus estatutos e serviços e aquisições em geral, de acordo com
regimentos em consonância com as normas os recursos alocados pelo respectivo Poder
gerais atinentes; mantenedor;
VI – conferir graus, diplomas e outros IV – elaborar seus orçamentos anuais e
títulos; plurianuais;
VII – firmar contratos, acordos e convênios; V – adotar regime financeiro e contábil que
VIII – aprovar e executar planos, programas atenda às suas peculiaridades de organização
e projetos de investimentos referentes a obras, e funcionamento;
serviços e aquisições em geral, bem como ad- VI – realizar operações de crédito ou de
ministrar rendimentos conforme dispositivos financiamento, com aprovação do Poder
institucionais; competente, para aquisição de bens imóveis,
IX – administrar os rendimentos e deles instalações e equipamentos;
dispor na forma prevista no ato de constituição, VII – efetuar transferências, quitações e
nas leis e nos respectivos estatutos; tomar outras providências de ordem orçamen-
X – receber subvenções, doações, heranças, tária, financeira e patrimonial necessárias ao
legados e cooperação financeira resultante de seu bom desempenho.
convênios com entidades públicas e privadas. § 2o  Atribuições de autonomia universitária
Parágrafo único.  Para garantir a autonomia poderão ser estendidas a instituições que com-
didático-científica das universidades, caberá provem alta qualificação para o ensino ou para
aos seus colegiados de ensino e pesquisa decidir, a pesquisa, com base em avaliação realizada
dentro dos recursos orçamentários disponíveis, pelo Poder Público.
Educação básica

sobre:
I – criação, expansão, modificação e extinção Art. 55.  Caberá à União assegurar, anual-
de cursos; mente, em seu Orçamento Geral, recursos
II – ampliação e diminuição de vagas; suficientes para manutenção e desenvolvimento
III – elaboração da programação dos cursos; das instituições de educação superior por ela
mantidas. 35
Art. 56.  As instituições públicas de educação II – terminalidade específica para aqueles
superior obedecerão ao princípio da gestão que não puderem atingir o nível exigido para a
democrática, assegurada a existência de órgãos conclusão do ensino fundamental, em virtude
colegiados deliberativos, de que participarão os de suas deficiências, e aceleração para concluir
segmentos da comunidade institucional, local em menor tempo o programa escolar para os
e regional. superdotados;
Parágrafo único.  Em qualquer caso, os do- III – professores com especialização ade-
centes ocuparão setenta por cento dos assentos quada em nível médio ou superior, para aten-
em cada órgão colegiado e comissão, inclusive dimento especializado, bem como professores
nos que tratarem da elaboração e modificações do ensino regular capacitados para a integração
estatutárias e regimentais, bem como da escolha desses educandos nas classes comuns;
de dirigentes. IV – educação especial para o trabalho,
visando a sua efetiva integração na vida em
Art. 57.  Nas instituições públicas de educação sociedade, inclusive condições adequadas para
superior, o professor ficará obrigado ao mínimo os que não revelarem capacidade de inserção
de oito horas semanais de aulas. no trabalho competitivo, mediante articula-
ção com os órgãos oficiais afins, bem como
para aqueles que apresentam uma habilidade
CAPÍTULO V – Da Educação Especial superior nas áreas artística, intelectual ou
psicomotora;
Art. 58.  Entende-se por educação especial, V – acesso igualitário aos benefícios dos
para os efeitos desta Lei, a modalidade de edu- programas sociais suplementares disponíveis
cação escolar oferecida preferencialmente na para o respectivo nível do ensino regular.
rede regular de ensino, para educandos com
deficiência, transtornos globais do desenvol- Art. 59-A.  O poder público deverá instituir
vimento e altas habilidades ou superdotação.36 cadastro nacional de alunos com altas habilida-
§ 1o  Haverá, quando necessário, serviços des ou superdotação matriculados na educação
de apoio especializado, na escola regular, para básica e na educação superior, a fim de fomen-
atender às peculiaridades da clientela de edu- tar a execução de políticas públicas destinadas
cação especial. ao desenvolvimento pleno das potencialidades
§ 2o  O atendimento educacional será feito desse alunado.38
em classes, escolas ou serviços especializados, Parágrafo único.  A identificação precoce de
sempre que, em função das condições específi- alunos com altas habilidades ou superdotação,
cas dos alunos, não for possível a sua integração os critérios e procedimentos para inclusão
nas classes comuns de ensino regular. no cadastro referido no caput deste artigo, as
§ 3o  A oferta de educação especial, dever entidades responsáveis pelo cadastramento, os
constitucional do Estado, tem início na faixa mecanismos de acesso aos dados do cadastro
etária de zero a seis anos, durante a educação e as políticas de desenvolvimento das potenci-
infantil. alidades do alunado de que trata o caput serão
definidos em regulamento.
Art. 59.  Os sistemas de ensino assegurarão
aos educandos com deficiência, transtornos Art. 60.  Os órgãos normativos dos sistemas de
globais do desenvolvimento e altas habilidades ensino estabelecerão critérios de caracterização
ou superdotação:37 das instituições privadas sem fins lucrativos,
Educação básica

I – currículos, métodos, técnicas, recursos especializadas e com atuação exclusiva em


educativos e organização específicos, para educação especial, para fins de apoio técnico e
atender às suas necessidades; financeiro pelo Poder Público.39
36
  Lei no 12.796/2013.   Lei no 13.234/2015.
38

36 37
  Lei no 12.796/2013.   Lei no 12.796/2013.
39
Parágrafo único.  O poder público adotará, científicos e sociais de suas competências de
como alternativa preferencial, a ampliação do trabalho;
atendimento aos educandos com deficiência, II – a associação entre teorias e práticas, me-
transtornos globais do desenvolvimento e altas diante estágios supervisionados e capacitação
habilidades ou superdotação na própria rede em serviço;
pública regular de ensino, independentemente III – o aproveitamento da formação e expe-
do apoio às instituições previstas neste artigo. riências anteriores, em instituições de ensino e
em outras atividades.

TÍTULO VI – Dos Profissionais da Educação Art. 62.  A formação de docentes para atuar


na educação básica far-se-á em nível superior,
Art. 61.  Consideram-se profissionais da edu- em curso de licenciatura plena, admitida, como
cação escolar básica os que, nela estando em formação mínima para o exercício do magisté-
efetivo exercício e tendo sido formados em rio na educação infantil e nos cinco primeiros
cursos reconhecidos, são:40 anos do ensino fundamental, a oferecida em
I – professores habilitados em nível médio ou nível médio, na modalidade normal.41
superior para a docência na educação infantil e § 1o  A União, o Distrito Federal, os Estados
nos ensinos fundamental e médio; e os Municípios, em regime de colaboração,
II – trabalhadores em educação portadores deverão promover a formação inicial, a con-
de diploma de pedagogia, com habilitação tinuada e a capacitação dos profissionais de
em administração, planejamento, supervisão, magistério.
inspeção e orientação educacional, bem como § 2o  A formação continuada e a capacitação
com títulos de mestrado ou doutorado nas dos profissionais de magistério poderão utilizar
mesmas áreas; recursos e tecnologias de educação a distância.
III – trabalhadores em educação, portadores § 3o  A formação inicial de profissionais de
de diploma de curso técnico ou superior em magistério dará preferência ao ensino presen-
área pedagógica ou afim; cial, subsidiariamente fazendo uso de recursos
IV – profissionais com notório saber reco- e tecnologias de educação a distância.
nhecido pelos respectivos sistemas de ensino, § 4o  A União, o Distrito Federal, os Estados
para ministrar conteúdos de áreas afins à sua e os Municípios adotarão mecanismos facilita-
formação ou experiência profissional, atestados dores de acesso e permanência em cursos de
por titulação específica ou prática de ensino formação de docentes em nível superior para
em unidades educacionais da rede pública ou atuar na educação básica pública.
privada ou das corporações privadas em que § 5o  A União, o Distrito Federal, os Esta-
tenham atuado, exclusivamente para atender dos e os Municípios incentivarão a formação
ao inciso V do caput do art. 36; e de profissionais do magistério para atuar na
V – profissionais graduados que tenham educação básica pública mediante programa
feito complementação pedagógica, conforme institucional de bolsa de iniciação à docência
disposto pelo Conselho Nacional de Educação. a estudantes matriculados em cursos de licen-
Parágrafo único.  A formação dos profis- ciatura, de graduação plena, nas instituições de
sionais da educação, de modo a atender às educação superior.
especificidades do exercício de suas atividades, § 6 o  O Ministério da Educação poderá
bem como aos objetivos das diferentes etapas estabelecer nota mínima em exame nacional
e modalidades da educação básica, terá como aplicado aos concluintes do ensino médio como
Educação básica

fundamentos:
I – a presença de sólida formação básica, 41
  Leis nos 13.415/2017, 12.796/20013 e 12.056/2009;
que propicie o conhecimento dos fundamentos e Medida Provisória no  746/2016. Nota do Editor
(NE): O disposto neste artigo deverá ser implemen-
  Leis nos  13.415/2017 e 12.014/2009; e Medida
40
tado no prazo de dois anos, contado da publicação
Provisória no 746/2016. da Base Nacional Comum Curricular. 37
pré-requisito para o ingresso em cursos de Art. 65.  A formação docente, exceto para a
graduação para formação de docentes, ouvido educação superior, incluirá prática de ensino
o Conselho Nacional de Educação – CNE. de, no mínimo, trezentas horas.
§ 7o (Vetado)
§ 8o  Os currículos dos cursos de formação Art. 66.  A preparação para o exercício do
de docentes terão por referência a Base Nacio- magistério superior far-se-á em nível de pós-
nal Comum Curricular.42 graduação, prioritariamente em programas de
mestrado e doutorado.
Art. 62-A.  A formação dos profissionais a que Parágrafo único.  O notório saber, reconhe-
se refere o inciso III do art. 61 far-se-á por meio cido por universidade com curso de doutorado
de cursos de conteúdo técnico-pedagógico, em em área afim, poderá suprir a exigência de título
nível médio ou superior, incluindo habilitações acadêmico.
tecnológicas.43
Parágrafo único.  Garantir-se-á formação Art. 67.  Os sistemas de ensino promoverão
continuada para os profissionais a que se refere a valorização dos profissionais da educação,
o caput, no local de trabalho ou em instituições assegurando-lhes, inclusive nos termos dos
de educação básica e superior, incluindo cursos estatutos e dos planos de carreira do magistério
de educação profissional, cursos superiores público:45
de graduação plena ou tecnológicos e de pós- I – ingresso exclusivamente por concurso
graduação. público de provas e títulos;
II – aperfeiçoamento profissional continu-
Art. 63.  Os institutos superiores de educação ado, inclusive com licenciamento periódico
manterão:44 remunerado para esse fim;
I – cursos formadores de profissionais para III – piso salarial profissional;
a educação básica, inclusive o curso normal IV – progressão funcional baseada na
superior, destinado à formação de docentes titulação ou habilitação, e na avaliação do
para a educação infantil e para as primeiras desempenho;
séries do ensino fundamental; V – período reservado a estudos, plane-
II – programas de formação pedagógica para jamento e avaliação, incluído na carga de
portadores de diplomas de educação superior trabalho;
que queiram se dedicar à educação básica; VI – condições adequadas de trabalho.
III – programas de educação continuada § 1o  A experiência docente é pré-requisito
para os profissionais de educação dos diversos para o exercício profissional de quaisquer
níveis. outras funções de magistério, nos termos das
normas de cada sistema de ensino.
Art. 64.  A formação de profissionais de § 2o  Para os efeitos do disposto no § 5o do
educação para administração, planejamento, art.  40 e no §  8o do art.  201 da Constituição
inspeção, supervisão e orientação educacional Federal, são consideradas funções de magistério
para a educação básica, será feita em cursos de as exercidas por professores e especialistas em
graduação em pedagogia ou em nível de pós- educação no desempenho de atividades edu-
graduação, a critério da instituição de ensino, cativas, quando exercidas em estabelecimento
garantida, nesta formação, a base comum de educação básica em seus diversos níveis e
nacional. modalidades, incluídas, além do exercício da
docência, as de direção de unidade escolar e as
Educação básica

de coordenação e assessoramento pedagógico.


42
  NE: Esse parágrafo deverá ser implementado no § 3o  A União prestará assistência técnica aos
prazo de dois anos, contados da data da publicação Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios na
da Medida Provisória no 746/2016.
43
  Lei no 12.796/2013.
38 44
  Decreto no 3.276/1999 (regulamentação).   Leis nos 12.796/2013 e 11.301/2006.
45
elaboração de concursos públicos para provi- § 5o  O repasse dos valores referidos neste
mento de cargos dos profissionais da educação. artigo do caixa da União, dos Estados, do Dis-
trito Federal e dos Municípios ocorrerá imedi-
atamente ao órgão responsável pela educação,
TÍTULO VII – Dos Recursos Financeiros observados os seguintes prazos:
I – recursos arrecadados do primeiro ao
Art. 68.  Serão recursos públicos destinados à décimo dia de cada mês, até o vigésimo dia;
educação os originários de: II – recursos arrecadados do décimo
I – receita de impostos próprios da União, primeiro ao vigésimo dia de cada mês, até o
dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni- trigésimo dia;
cípios; III – recursos arrecadados do vigésimo pri-
II – receita de transferências constitucionais meiro dia ao final de cada mês, até o décimo
e outras transferências; dia do mês subsequente.
III – receita do salário-educação e de outras § 6o  O atraso da liberação sujeitará os recur-
contribuições sociais; sos a correção monetária e à responsabilização
IV – receita de incentivos fiscais; civil e criminal das autoridades competentes.
V – outros recursos previstos em lei.
Art. 70.  Considerar-se-ão como de manu-
Art. 69.  A União aplicará, anualmente, nunca tenção e desenvolvimento do ensino as des-
menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Fe- pesas realizadas com vistas à consecução dos
deral e os Municípios, vinte e cinco por cento, objetivos básicos das instituições educacionais
ou o que consta nas respectivas Constituições de todos os níveis, compreendendo as que se
ou Leis Orgânicas, da receita resultante de im- destinam a:
postos, compreendidas as transferências cons- I – remuneração e aperfeiçoamento do
titucionais, na manutenção e desenvolvimento pessoal docente e demais profissionais da
do ensino público.46 educação;
§ 1o  A parcela da arrecadação de impostos II – aquisição, manutenção, construção e
transferida pela União aos Estados, ao Distrito conservação de instalações e equipamentos
Federal e aos Municípios, ou pelos Estados aos necessários ao ensino;
respectivos Municípios, não será considerada, III – uso e manutenção de bens e serviços
para efeito do cálculo previsto neste artigo, vinculados ao ensino;
receita do Governo que a transferir. IV – levantamentos estatísticos, estudos e
§ 2o  Serão consideradas excluídas das re- pesquisas visando precipuamente ao aprimo-
ceitas de impostos mencionadas neste artigo as ramento da qualidade e à expansão do ensino;
operações de crédito por antecipação de receita V – realização de atividades-meio necessá-
orçamentária de impostos. rias ao funcionamento dos sistemas de ensino;
§ 3o  Para fixação inicial dos valores corres- VI – concessão de bolsas de estudo a alunos
pondentes aos mínimos estatuídos neste artigo, de escolas públicas e privadas;
será considerada a receita estimada na lei do VII – amortização e custeio de operações de
orçamento anual, ajustada, quando for o caso, crédito destinadas a atender ao disposto nos
por lei que autorizar a abertura de créditos incisos deste artigo;
adicionais, com base no eventual excesso de VIII – aquisição de material didático-esco-
arrecadação. lar e manutenção de programas de transporte
§ 4o  As diferenças entre a receita e a despe- escolar.
Educação básica

sa previstas e as efetivamente realizadas, que


resultem no não atendimento dos percentuais Art. 71.  Não constituirão despesas de manu-
mínimos obrigatórios, serão apuradas e corri- tenção e desenvolvimento do ensino aquelas
gidas a cada trimestre do exercício financeiro. realizadas com:
I – pesquisa, quando não vinculada às ins-
  Ver Medida Provisória no 773/2017.
46
tituições de ensino, ou, quando efetivada fora 39
dos sistemas de ensino, que não vise, precipu- acesso e garantir o padrão mínimo de qualidade
amente, ao aprimoramento de sua qualidade de ensino.
ou à sua expansão; § 1o  A ação a que se refere este artigo obede-
II – subvenção a instituições públicas ou cerá a fórmula de domínio público que inclua
privadas de caráter assistencial, desportivo ou a capacidade de atendimento e a medida do
cultural; esforço fiscal do respectivo Estado, do Distrito
III – formação de quadros especiais para a Federal ou do Município em favor da manuten-
administração pública, sejam militares ou civis, ção e do desenvolvimento do ensino.
inclusive diplomáticos; § 2o  A capacidade de atendimento de cada
IV – programas suplementares de ali- Governo será definida pela razão entre os re-
mentação, assistência médico-odontológica, cursos de uso constitucionalmente obrigatório
farmacêutica e psicológica, e outras formas de na manutenção e desenvolvimento do ensino
assistência social; e o custo anual do aluno, relativo ao padrão
V – obras de infraestrutura, ainda que rea- mínimo de qualidade.
lizadas para beneficiar direta ou indiretamente § 3o  Com base nos critérios estabelecidos
a rede escolar; nos §§ 1o e 2o, a União poderá fazer a transfe-
VI – pessoal docente e demais trabalhadores rência direta de recursos a cada estabelecimento
da educação, quando em desvio de função ou de ensino, considerado o número de alunos que
em atividade alheia à manutenção e desenvol- efetivamente frequentam a escola.
vimento do ensino. § 4o  A ação supletiva e redistributiva não
poderá ser exercida em favor do Distrito Fe-
Art. 72.  As receitas e despesas com manuten- deral, dos Estados e dos Municípios se estes
ção e desenvolvimento do ensino serão apura- oferecerem vagas, na área de ensino de sua res-
das e publicadas nos balanços do Poder Público, ponsabilidade, conforme o inciso VI do art. 10
assim como nos relatórios a que se refere o § 3o e o inciso V do art. 11 desta Lei, em número
do art. 165 da Constituição Federal. inferior à sua capacidade de atendimento.

Art. 73.  Os órgãos fiscalizadores examinarão, Art. 76.  A ação supletiva e redistributiva pre-


prioritariamente, na prestação de contas de vista no artigo anterior ficará condicionada ao
recursos públicos, o cumprimento do disposto efetivo cumprimento pelos Estados, Distrito
no art. 212 da Constituição Federal, no art. 60 Federal e Municípios do disposto nesta Lei, sem
do Ato das Disposições Constitucionais Tran- prejuízo de outras prescrições legais.
sitórias e na legislação concernente.
Art. 77.  Os recursos públicos serão destinados
Art. 74.  A União, em colaboração com os às escolas públicas, podendo ser dirigidos a
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, escolas comunitárias, confessionais ou filan-
estabelecerá padrão mínimo de oportunidades trópicas que:
educacionais para o ensino fundamental, basea- I – comprovem finalidade não lucrativa
do no cálculo do custo mínimo por aluno, capaz e não distribuam resultados, dividendos,
de assegurar ensino de qualidade. bonificações, participações ou parcela de seu
Parágrafo único.  O custo mínimo de que patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto;
trata este artigo será calculado pela União ao II – apliquem seus excedentes financeiros
final de cada ano, com validade para o ano em educação;
subsequente, considerando variações regionais III – assegurem a destinação de seu patri-
Educação básica

no custo dos insumos e as diversas modalidades mônio a outra escola comunitária, filantrópica
de ensino. ou confessional, ou ao Poder Público, no caso
de encerramento de suas atividades;
Art. 75.  A ação supletiva e redistributiva da IV – prestem contas ao Poder Público dos
União e dos Estados será exercida de modo a recursos recebidos.
40 corrigir, progressivamente, as disparidades de
§ 1o  Os recursos de que trata este artigo III – desenvolver currículos e programas es-
poderão ser destinados a bolsas de estudo para pecíficos, neles incluindo os conteúdos culturais
a educação básica, na forma da lei, para os que correspondentes às respectivas comunidades;
demonstrarem insuficiência de recursos, quan- IV – elaborar e publicar sistematicamente
do houver falta de vagas e cursos regulares da material didático específico e diferenciado.
rede pública de domicílio do educando, ficando § 3o  No que se refere à educação superior,
o Poder Público obrigado a investir prioritaria- sem prejuízo de outras ações, o atendimento
mente na expansão da sua rede local. aos povos indígenas efetivar-se-á, nas universi-
§ 2o  As atividades universitárias de pesquisa dades públicas e privadas, mediante a oferta de
e extensão poderão receber apoio financeiro ensino e de assistência estudantil, assim como
do Poder Público, inclusive mediante bolsas de estímulo à pesquisa e desenvolvimento de
de estudo. programas especiais.

Art. 79-A. (Vetado)48
TÍTULO VIII – Das Disposições Gerais
Art. 79-B.  O calendário escolar incluirá o
Art. 78.  O Sistema de Ensino da União, com a dia 20 de novembro como “Dia Nacional da
colaboração das agências federais de fomento à Consciência Negra”.49
cultura e de assistência aos índios, desenvolverá
programas integrados de ensino e pesquisa, Art. 80.  O Poder Público incentivará o de-
para oferta de educação escolar bilíngue e inter- senvolvimento e a veiculação de programas de
cultural aos povos indígenas, com os seguintes ensino a distância, em todos os níveis e moda-
objetivos: lidades de ensino, e de educação continuada.50
I – proporcionar aos índios, suas comunida- § 1o  A educação a distância, organizada
des e povos, a recuperação de suas memórias com abertura e regime especiais, será oferecida
históricas; a reafirmação de suas identidades por instituições especificamente credenciadas
étnicas; a valorização de suas línguas e ciências; pela União.
II – garantir aos índios, suas comunidades e § 2o  A União regulamentará os requisitos
povos, o acesso às informações, conhecimentos para a realização de exames e registro de diplo-
técnicos e científicos da sociedade nacional e ma relativos a cursos de educação a distância.
demais sociedades indígenas e não índias. § 3o  As normas para produção, controle e
avaliação de programas de educação a distân-
Art. 79.  A União apoiará técnica e financei- cia e a autorização para sua implementação,
ramente os sistemas de ensino no provimento caberão aos respectivos sistemas de ensino,
da educação intercultural às comunidades in- podendo haver cooperação e integração entre
dígenas, desenvolvendo programas integrados os diferentes sistemas.
de ensino e pesquisa.47 § 4o  A educação a distância gozará de trata-
§ 1o  Os programas serão planejados com mento diferenciado, que incluirá:
audiência das comunidades indígenas. I – custos de transmissão reduzidos em
§ 2o  Os programas a que se refere este artigo, canais comerciais de radiodifusão sonora e de
incluídos nos Planos Nacionais de Educação, sons e imagens e em outros meios de comuni-
terão os seguintes objetivos: cação que sejam explorados mediante autoriza-
I – fortalecer as práticas socioculturais e a ção, concessão ou permissão do poder público;
língua materna de cada comunidade indígena; II – concessão de canais com finalidades
Educação básica

II – manter programas de formação de pes- exclusivamente educativas;


soal especializado, destinado à educação escolar
nas comunidades indígenas; 48
  Lei no 10.639/2003.
49
  Lei no 10.639/2003.
50
  Lei no  12.603/2012. Decreto no  5.622/2005 (re-
  Lei no 12.416/2011.
47
gulamentação). 41
III – reserva de tempo mínimo, sem ônus § 1o  A União, no prazo de um ano a par-
para o Poder Público, pelos concessionários de tir da publicação desta Lei, encaminhará, ao
canais comerciais. Congresso Nacional, o Plano Nacional de
Educação, com diretrizes e metas para os dez
Art. 81.  É permitida a organização de cursos anos seguintes, em sintonia com a Declaração
ou instituições de ensino experimentais, desde Mundial sobre Educação para Todos.
que obedecidas as disposições desta Lei. § 2o (Revogado)
§ 3 o  O Distrito Federal, cada Estado e
Art. 82.  Os sistemas de ensino estabelecerão Município, e, supletivamente, a União, devem:
as normas de realização de estágio em sua juris- I – (Revogado);
dição, observada a lei federal sobre a matéria.51 a)  (Revogada);
Parágrafo único. (Revogado) b)  (Revogada);
c)  (Revogada);
Art. 83.  O ensino militar é regulado em lei II – prover cursos presenciais ou a distância
específica, admitida a equivalência de estudos, aos jovens e adultos insuficientemente escola-
de acordo com as normas fixadas pelos sistemas rizados;
de ensino. III – realizar programas de capacitação para
todos os professores em exercício, utilizando
Art. 84.  Os discentes da educação superior também, para isto, os recursos da educação a
poderão ser aproveitados em tarefas de ensino distância;
e pesquisa pelas respectivas instituições, exer- IV – integrar todos os estabelecimentos de
cendo funções de monitoria, de acordo com seu ensino fundamental do seu território ao sistema
rendimento e seu plano de estudos. nacional de avaliação do rendimento escolar.
§ 4o (Revogado)
Art. 85.  Qualquer cidadão habilitado com a § 5o  Serão conjugados todos os esforços
titulação própria poderá exigir a abertura de objetivando a progressão das redes escolares
concurso público de provas e títulos para cargo públicas urbanas de ensino fundamental para
de docente de instituição pública de ensino o regime de escolas de tempo integral.
que estiver sendo ocupado por professor não § 6o  A assistência financeira da União aos
concursado, por mais de seis anos, ressalvados Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
os direitos assegurados pelos arts. 41 da Cons- bem como a dos Estados aos seus Municípios,
tituição Federal e 19 do Ato das Disposições ficam condicionadas ao cumprimento do
Constitucionais Transitórias. art. 212 da Constituição Federal e dispositivos
legais pertinentes pelos Governos beneficiados.
Art. 86.  As instituições de educação superior
constituídas como universidades integrar-se- Art. 87-A. (Vetado)53
ão, também, na sua condição de instituições
de pesquisa, ao Sistema Nacional de Ciência e Art. 88.  A União, os Estados, o Distrito Fe-
Tecnologia, nos termos da legislação específica. deral e os Municípios adaptarão sua legislação
educacional e de ensino às disposições desta Lei
no prazo máximo de um ano, a partir da data
TÍTULO IX – Das Disposições Transitórias de sua publicação.
§ 1o  As instituições educacionais adaptarão
Art. 87.  É instituída a Década da Educação, a seus estatutos e regimentos aos dispositivos
Educação básica

iniciar-se um ano a partir da publicação desta desta Lei e às normas dos respectivos sistemas
Lei.52 de ensino, nos prazos por estes estabelecidos.

51
  Lei no 11.788/2008.
52
  Leis nos  12.796/2013, 11.330/2006, 11.274/2006
42 e 11.114/2005.   Lei no 12.796/2013.
53
§ 2o  O prazo para que as universidades Art. 92.  Revogam-se as disposições das Leis
cumpram o disposto nos incisos II e III do nos 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e 5.540,
art. 52 é de oito anos. de 28 de novembro de 1968, não alteradas pelas
Leis nos  9.131, de 24 de novembro de 1995 e
Art. 89.  As creches e pré-escolas existentes 9.192, de 21 de dezembro de 1995 e, ainda, as
ou que venham a ser criadas deverão, no prazo Leis nos 5.692, de 11 de agosto de 1971 e 7.044,
de três anos, a contar da publicação desta Lei, de 18 de outubro de 1982, e as demais leis e
integrar-se ao respectivo sistema de ensino. decretos-lei que as modificaram e quaisquer
outras disposições em contrário.
Art. 90.  As questões suscitadas na transição
entre o regime anterior e o que se institui nesta Brasília, 20 de dezembro de 1996; 175o da In-
Lei serão resolvidas pelo Conselho Nacional de dependência e 108o da República.
Educação ou, mediante delegação deste, pelos
órgãos normativos dos sistemas de ensino, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
preservada a autonomia universitária. Renato Souza

Art. 91.  Esta Lei entra em vigor na data de Promulgada em 20/12/1996 e publicada no DOU
sua publicação. de 23/12/1996.

Educação básica

43
Lei no 4.024/1961
Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA § 1o  Ao Conselho Nacional de Educação,


além de outras atribuições que lhe forem con-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta feridas por lei, compete:
e eu sanciono a seguinte Lei:1 a)  subsidiar a elaboração e acompanhar a
execução do Plano Nacional de Educação;
Arts. 1o a 5o (Revogados) b)  manifestar-se sobre questões que abran-
jam mais de um nível ou modalidade de ensino;
c)  assessorar o Ministério da Educação e
TÍTULO IV – Da Administração do Ensino do Desporto no diagnóstico dos problemas e
deliberar sobre medidas para aperfeiçoar os
Art. 6o  O Ministério da Educação e do Des- sistemas de ensino, especialmente no que diz
porto exerce as atribuições do poder público respeito à integração dos seus diferentes níveis
federal em matéria de educação, cabendo-lhe e modalidades;
formular e avaliar a política nacional de educa- d)  emitir parecer sobre assuntos da área
ção, zelar pela qualidade do ensino e velar pelo educacional, por iniciativa de seus conselheiros
cumprimento das leis que o regem.2 ou quando solicitado pelo Ministro de Estado
§ 1o  No desempenho de suas funções, o da Educação e do Desporto;
Ministério da Educação e do Desporto contará e)  manter intercâmbio com os sistemas de
com a colaboração do Conselho Nacional de ensino dos Estados e do Distrito Federal;
Educação e das Câmaras que o compõem. f)  analisar e emitir parecer sobre questões
§ 2o  Os conselheiros exercem função de relativas à aplicação da legislação educacional,
interesse público relevante, com precedência no que diz respeito à integração entre os dife-
sobre quaisquer outros cargos públicos de que rentes níveis e modalidade de ensino;
sejam titulares e, quando convocados, farão g)  elaborar o seu regimento, a ser aprovado
jus a transporte, diárias e jetons de presença pelo Ministro de Estado da Educação e do
a serem fixados pelo Ministro de Estado da Desporto.
Educação e do Desporto. § 2o  O Conselho Nacional de Educação
§ 3o  O ensino militar será regulado por lei reunir-se-á ordinariamente a cada dois meses
especial. e suas Câmaras, mensalmente e, extraordinari-
amente, sempre que convocado pelo Ministro
Art. 7o  O Conselho Nacional de Educação, de Estado da Educação e do Desporto.
composto pelas Câmaras de Educação Básica § 3o  O Conselho Nacional de Educação será
e de Educação Superior, terá atribuições nor- presidido por um de seus membros, eleito por
mativas, deliberativas e de assessoramento ao seus pares para mandato de dois anos, vedada
Ministro de Estado da Educação e do Desporto, a reeleição imediata.
de forma a assegurar a participação da socieda- § 4o  O Ministro de Estado da Educação e do
de no aperfeiçoamento da educação nacional.3 Desporto presidirá as sessões a que comparecer.
Educação básica

Art. 8o  A Câmara de Educação Básica e a


1
  Revogada pela Lei n  9.394/1996, exceto os arts. 6
o o Câmara de Educação Superior serão constitu-
a 9o. ídas, cada uma, por doze conselheiros, sendo
2
  Lei no 9.131/1995. membros natos, na Câmara de Educação Bási-
44 3
  Lei no 9.131/1995. ca, o Secretário de Educação Fundamental e
na Câmara de Educação Superior, o Secretário Art. 9o  As Câmaras emitirão pareceres e deci-
de Educação Superior, ambos do Ministério dirão, privativa e autonomamente, os assuntos
da Educação e do Desporto e nomeados pelo a elas pertinentes, cabendo, quando for o caso,
Presidente da República.4 recurso ao Conselho Pleno.5
§ 1o  A escolha e nomeação dos conselheiros § 1o  São atribuições da Câmara de Educação
será feita pelo Presidente da República, sendo Básica:
que, pelo menos a metade, obrigatoriamente, a)  examinar os problemas da educação
dentre os indicados em listas elaboradas espe- infantil, do ensino fundamental, da educação
cialmente para cada Câmara, mediante consulta especial e do ensino médio e tecnológico e
a entidades da sociedade civil, relacionadas às oferecer sugestões para sua solução;
áreas de atuação dos respectivos colegiados. b)  analisar e emitir parecer sobre os resul-
§ 2o  Para a Câmara de Educação Básica tados dos processos de avaliação dos diferentes
a consulta envolverá, necessariamente, indi- níveis e modalidades mencionados na alínea
cações formuladas por entidades nacionais, anterior;
públicas e particulares, que congreguem os c)  deliberar sobre as diretrizes curriculares
docentes, dirigentes de instituições de ensino propostas pelo Ministério da Educação e do
e os Secretários de Educação dos Municípios, Desporto;
dos Estados e do Distrito Federal. d)  colaborar na preparação do Plano Naci-
§ 3o  Para a Câmara de Educação Superior onal de Educação e acompanhar sua execução,
a consulta envolverá, necessariamente, indi- no âmbito de sua atuação;
cações formuladas por entidades nacionais, e)  assessorar o Ministro de Estado da
públicas e particulares, que congreguem os rei- Educação e do Desporto em todos os assuntos
tores de universidades, diretores de instituições relativos à educação básica;
isoladas, os docentes, os estudantes e segmentos f)  manter intercâmbio com os sistemas
representativos da comunidade científica. de ensino dos Estados e do Distrito Federal,
§ 4o  A indicação, a ser feita por entidades acompanhando a execução dos respectivos
e segmentos da sociedade civil, deverá incidir Planos de Educação;
sobre brasileiros de reputação ilibada, que te- g)  analisar as questões relativas à aplicação
nham prestado serviços relevantes à educação, da legislação referente à educação básica;
à ciência e à cultura. § 2o  São atribuições da Câmara de Educação
§ 5o  Na escolha dos nomes que comporão as Superior:
Câmaras, o Presidente da República levará em a)  (Revogada);
conta a necessidade de estarem representadas b)  oferecer sugestões para a elaboração do
todas as regiões do país e as diversas modalida- Plano Nacional de Educação e acompanhar sua
des de ensino, de acordo com a especificidade execução, no âmbito de sua atuação;
de cada colegiado. c)  deliberar sobre as diretrizes curriculares
§ 6 o  Os conselheiros terão mandato de propostas pelo Ministério da Educação e do
quatro anos, permitida uma recondução para Desporto, para os cursos de graduação;
o período imediatamente subsequente, haven- d)  deliberar sobre as normas a serem segui-
do renovação de metade das Câmaras a cada das pelo Poder Executivo para a autorização,
dois anos, sendo que, quando da constituição o reconhecimento, a renovação e a suspensão
do Conselho, metade de seus membros serão do reconhecimento de cursos e habilitações
nomeados com mandato de dois anos. oferecidos por instituições de ensino superior;
§ 7o  Cada Câmara será presidida por um e)  deliberar sobre as normas a serem se-
Educação básica

conselheiro escolhido por seus pares, vedada a guidas pelo Poder Executivo para o creden-
escolha do membro nato, para mandato de um ciamento, o recredenciamento periódico e o
ano, permitida uma única reeleição imediata. descredenciamento de instituições de ensino

5
  Leis nos 10.861/2004 e 9.131/1995; e Medida Pro-
4
  Lei no 9.131/1995; e Decreto-Lei no 922/1969. visória no 2.216-37/2001. 45
superior integrantes do Sistema Federal de por instituições não universitárias, por inici-
Ensino, bem assim a suspensão de prerroga- ativa do Ministério da Educação em caráter
tivas de autonomia das instituições que dessas excepcional, na forma do regulamento a ser
gozem, no caso de desempenho insuficiente de editado pelo Poder Executivo.
seus cursos no Exame Nacional de Cursos e nas § 3o  As atribuições constantes das alíneas
demais avaliações conduzidas pelo Ministério “d”, “e” e “f ” do parágrafo anterior poderão ser
da Educação; delegadas, em parte ou no todo, aos Estados e
f)  deliberar sobre o credenciamento e o ao Distrito Federal.
recredenciamento periódico de universidades § 4o  O recredenciamento a que se refere a
e centros universitários, com base em relatórios alínea “e” do §  2o deste artigo poderá incluir
e avaliações apresentados pelo Ministério da determinação para a desativação de cursos e
Educação, bem assim sobre seus respectivos habilitações.
estatutos; �������������������������������������������������������������������������������
g)  deliberar sobre os relatórios para reco-
nhecimento periódico de cursos de mestrado Brasília, 20 de dezembro de 1961; 140o da In-
e doutorado, elaborados pelo Ministério da dependência e 73o da República.
Educação e do Desporto, com base na avaliação
dos cursos; JOÃO GOULART – Tancredo Neves – Alfredo
h)  analisar questões relativas à aplicação da Nasser – Angelo Nolasco – João de Cegadas
legislação referente à educação superior; Viana – San Tiago Dantas – Walther Moreira
i)  assessorar o Ministro de Estado da Edu- Salles – Virgílio Távora – Armando Monteiro –
cação e do Desporto nos assuntos relativos à Antonio de Oliveira Brito – A. Franco Montoro
educação superior. – Clovis M. Travassos – Souto Maior – Ulysses
j)  deliberar sobre processos de reconheci- Guimarães – Gabriel de R. Passos
mento de cursos e habilitações oferecidos por
instituições de ensino superior, assim como Promulgada em 20/12/1961, publicada no DOU de
sobre autorização prévia daqueles oferecidos 27/12/1961 e retificada no DOU de 28/12/1961.
Educação básica

46
Decreto no 5.622/2005
Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e
bases da educação nacional.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das IV – educação profissional, abrangendo os


atribuições que lhe confere o art.  84, incisos seguintes cursos e programas:
IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo em a)  técnicos, de nível médio; e
vista o que dispõem os arts. 8o, § 1o, e 80 da Lei b)  tecnológicos, de nível superior;
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, V – educação superior, abrangendo os se-
guintes cursos e programas:
DECRETA: a)  sequenciais;
b)  de graduação;
c)  de especialização;
CAPÍTULO I – Das Disposições Gerais d)  de mestrado; e
e)  de doutorado.
Art. 1o  Para os fins deste Decreto, caracteriza-
se a educação a distância como modalidade Art. 3o  A criação, organização, oferta e desen-
educacional na qual a mediação didático-peda- volvimento de cursos e programas a distância
gógica nos processos de ensino e aprendizagem deverão observar ao estabelecido na legislação e
ocorre com a utilização de meios e tecnologias em regulamentações em vigor, para os respecti-
de informação e comunicação, com estudantes vos níveis e modalidades da educação nacional.
e professores desenvolvendo atividades educa- § 1o  Os cursos e programas a distância
tivas em lugares ou tempos diversos. deverão ser projetados com a mesma duração
§ 1o  A educação a distância organiza-se definida para os respectivos cursos na moda-
segundo metodologia, gestão e avaliação pe- lidade presencial.
culiares, para as quais deverá estar prevista a § 2o  Os cursos e programas a distância
obrigatoriedade de momentos presenciais para: poderão aceitar transferência e aproveitar es-
I – avaliações de estudantes; tudos realizados pelos estudantes em cursos e
II – estágios obrigatórios, quando previstos programas presenciais, da mesma forma que as
na legislação pertinente; certificações totais ou parciais obtidas nos cur-
III – defesa de trabalhos de conclusão de cur- sos e programas a distância poderão ser aceitas
so, quando previstos na legislação pertinente; e em outros cursos e programas a distância e em
IV – atividades relacionadas a laboratórios cursos e programas presenciais, conforme a
de ensino, quando for o caso. legislação em vigor.

Art. 2o  A educação a distância poderá ser Art. 4o  A avaliação do desempenho do es-


ofertada nos seguintes níveis e modalidades tudante para fins de promoção, conclusão de
educacionais: estudos e obtenção de diplomas ou certificados
I – educação básica, nos termos do art. 30 dar-se-á no processo, mediante:
deste Decreto; I – cumprimento das atividades programa-
Educação básica

II – educação de jovens e adultos, nos termos das; e


do art. 37 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro II – realização de exames presenciais.
de 1996; § 1o  Os exames citados no inciso II serão
III – educação especial, respeitadas as espe- elaborados pela própria instituição de ensino
cificidades legais pertinentes; credenciada, segundo procedimentos e critérios
47
definidos no projeto pedagógico do curso ou de informação abertos ao público com os
programa. dados de:
§ 2o  Os resultados dos exames citados no I – credenciamento e renovação de creden-
inciso II deverão prevalecer sobre os demais ciamento institucional;
resultados obtidos em quaisquer outras formas II – autorização e renovação de autorização
de avaliação a distância. de cursos ou programas a distância;
III – reconhecimento e renovação de
Art. 5o  Os diplomas e certificados de cursos e reconhecimento de cursos ou programas a
programas a distância, expedidos por institui- distância; e
ções credenciadas e registrados na forma da lei, IV – resultados dos processos de supervisão
terão validade nacional. e de avaliação.
Parágrafo único.  A emissão e registro de Parágrafo único.  O Ministério da Educação
diplomas de cursos e programas a distância deverá organizar e manter sistema de informa-
deverão ser realizados conforme legislação ção, aberto ao público, disponibilizando os da-
educacional pertinente. dos nacionais referentes à educação a distância.

Art. 6o  Os convênios e os acordos de coope-


ração celebrados para fins de oferta de cursos CAPÍTULO II – Do Credenciamento
ou programas a distância entre instituições de de Instruções para Oferta de Cursos e
ensino brasileiras, devidamente credenciadas, Programas na Modalidade a Distância
e suas similares estrangeiras, deverão ser pre-
viamente submetidos à análise e homologação Art. 9o  O ato de credenciamento para a oferta
pelo órgão normativo do respectivo sistema de cursos e programas na modalidade a distân-
de ensino, para que os diplomas e certificados cia destina-se às instituições de ensino, públicas
emitidos tenham validade nacional. ou privadas.
Parágrafo único.  As instituições de pesquisa
Art. 7o  Compete ao Ministério da Educação, científica e tecnológica, públicas ou privadas, de
mediante articulação entre seus órgãos, organi- comprovada excelência e de relevante produção
zar, em regime de colaboração, nos termos dos em pesquisa, poderão solicitar credenciamento
arts. 8o, 9o, 10 e 11 da Lei no 9.394, de 1996, a institucional, para a oferta de cursos ou progra-
cooperação e integração entre os sistemas de mas a distância de:
ensino, objetivando a padronização de normas I – especialização;
e procedimentos para, em atendimento ao dis- II – mestrado;
posto no art. 80 daquela Lei: III – doutorado; e
I – credenciamento e renovação de credenci- IV – educação profissional tecnológica de
amento de instituições para oferta de educação pós-graduação.
a distância; e
II – autorização, renovação de autorização, Art. 10.  Compete ao Ministério da Educação
reconhecimento e renovação de reconhecimen- promover os atos de credenciamento de ins-
to dos cursos ou programas a distância. tituições para oferta de cursos e programas a
Parágrafo único.  Os atos do Poder Público, distância para educação superior.1
citados nos incisos I e II, deverão ser pautados § 1o  O ato de credenciamento referido no
pelos Referenciais de Qualidade para a Edu- caput considerará como abrangência para
cação a Distância, definidos pelo Ministério atuação da instituição de ensino superior na
Educação básica

da Educação, em colaboração com os sistemas modalidade de educação a distância, para fim


de ensino. de realização das atividades presenciais obriga-
tórias, a sede da instituição acrescida dos ende-
Art. 8o  Os sistemas de ensino, em regime de reços dos polos de apoio presencial, mediante
colaboração, organizarão e manterão sistemas
48 1
  Decreto no 6.303/2007.
avaliação in loco, aplicando-se os instrumentos I – educação de jovens e adultos;
de avaliação pertinentes e as disposições da Lei II – educação especial; e
no 10.870, de 19 de maio de 2004. III – educação profissional.
§ 2o  As atividades presenciais obrigatórias, § 1o  Para atuar fora da unidade da Federa-
compreendendo avaliação, estágios, defesa de ção em que estiver sediada, a instituição deverá
trabalhos ou prática em laboratório, confor- solicitar credenciamento junto ao Ministério
me o art. 1o, § 1o, serão realizados na sede da da Educação.
instituição ou nos polos de apoio presencial, § 2o  O credenciamento institucional previs-
devidamente credenciados. to no § 1o será realizado em regime de colabo-
§ 3o  A instituição poderá requerer a am- ração e cooperação com os órgãos normativos
pliação da abrangência de atuação, por meio dos sistemas de ensino envolvidos.
do aumento do número de polos de apoio § 3o  Caberá ao órgão responsável pela edu-
presencial, na forma de aditamento ao ato de cação a distância no Ministério da Educação,
credenciamento. no prazo de cento e oitenta dias, contados da
§ 4o  O pedido de aditamento será instruído publicação deste Decreto, coordenar os demais
com documentos que comprovem a existência órgãos do Ministério e dos sistemas de ensino
de estrutura física e recursos humanos ne- para editar as normas complementares a este
cessários e adequados ao funcionamento dos Decreto, para a implementação do disposto
polos, observados os referenciais de qualidade, nos §§ 1o e 2o.
comprovados em avaliação in loco.
§ 5 o  No caso do pedido de aditamento Art. 12.  O pedido de credenciamento da
visando ao funcionamento de polo de apoio instituição deverá ser formalizado junto ao
presencial no exterior, o valor da taxa será com- órgão responsável, mediante o cumprimento
plementado pela instituição com a diferença dos seguintes requisitos:2
do custo de viagem e diárias dos avaliadores I – habilitação jurídica, regularidade fiscal
no exterior, conforme cálculo do Instituto e capacidade econômico-financeira, conforme
Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais dispõe a legislação em vigor;
Anísio Teixeira – INEP. II – histórico de funcionamento da institui-
§ 6o  O pedido de ampliação da abrangência ção de ensino, quando for o caso;
de atuação, nos termos deste artigo, somente III – plano de desenvolvimento escolar, para
poderá ser efetuado após o reconhecimento do as instituições de educação básica, que contem-
primeiro curso a distância da instituição, exceto ple a oferta, a distância, de cursos profissionais
na hipótese de credenciamento para educação de nível médio e para jovens e adultos;
a distância limitado à oferta de pós-graduação IV – plano de desenvolvimento institucional,
lato sensu. para as instituições de educação superior, que
§ 7o  As instituições de educação superior contemple a oferta de cursos e programas a
integrantes dos sistemas estaduais que preten- distância;
derem oferecer cursos superiores a distância V – estatuto da universidade ou centro uni-
devem ser previamente credenciadas pelo versitário, ou regimento da instituição isolada
sistema federal, informando os polos de apoio de educação superior;
presencial que integrarão sua estrutura, com a VI – projeto pedagógico para os cursos e
demonstração de suficiência da estrutura física, programas que serão ofertados na modalidade
tecnológica e de recursos humanos. a distância;
VII – garantia de corpo técnico e adminis-
Educação básica

Art. 11.  Compete às autoridades dos sistemas trativo qualificado;


de ensino estadual e do Distrito Federal promo- VIII – apresentar corpo docente com as
ver os atos de credenciamento de instituições qualificações exigidas na legislação em vigor
para oferta de cursos a distância no nível básico
e, no âmbito da respectiva unidade da Federa-
ção, nas modalidades de:   Decreto no 6.303/2007.
2
49
e, preferencialmente, com formação para o III – explicitar a concepção pedagógica dos
trabalho com educação a distância; cursos e programas a distância, com apresen-
IX – apresentar, quando for o caso, os ter- tação de:
mos de convênios e de acordos de cooperação a)  os respectivos currículos;
celebrados entre instituições brasileiras e suas b)  o número de vagas proposto;
consignatárias estrangeiras, para oferta de c)  o sistema de avaliação do estudante,
cursos ou programas a distância; prevendo avaliações presenciais e avaliações
X – descrição detalhada dos serviços de a distância; e
suporte e infraestrutura adequados à realização d)  descrição das atividades presenciais obri-
do projeto pedagógico, relativamente a: gatórias, tais como estágios curriculares, defesa
a)  instalações físicas e infraestrutura tec- presencial de trabalho de conclusão de curso e
nológica de suporte e atendimento remoto aos das atividades em laboratórios científicos, bem
estudantes e professores; como o sistema de controle de frequência dos
b)  laboratórios científicos, quando for o estudantes nessas atividades, quando for o caso.
caso;
c)  polo de apoio presencial é a unidade Art. 14.  O credenciamento de instituição para
operacional, no País ou no exterior, para o a oferta dos cursos ou programas a distância
desenvolvimento descentralizado de atividades terá prazo de validade condicionado ao ciclo
pedagógicas e administrativas relativas aos cur- avaliativo, observado o Decreto no  5.773, de
sos e programas ofertados a distância; 2006, e normas expedidas pelo Ministério da
d)  bibliotecas adequadas, inclusive com Educação.3
acervo eletrônico remoto e acesso por meio de § 1o  A instituição credenciada deverá iniciar
redes de comunicação e sistemas de informa- o curso autorizado no prazo de até doze meses,
ção, com regime de funcionamento e atendi- a partir da data da publicação do respectivo ato,
mento adequados aos estudantes de educação ficando vedada a transferência de cursos para
a distância. outra instituição.
§ 1o  O pedido de credenciamento da ins- § 2o  Caso a implementação de cursos auto-
tituição para educação a distância deve vir rizados não ocorra no prazo definido no § 1o, os
acompanhado de pedido de autorização de pelo atos de credenciamento e autorização de cursos
menos um curso na modalidade. serão automaticamente tornados sem efeitos.
§ 2o  O credenciamento para educação a § 3 o  Os pedidos de credenciamento e
distância que tenha por base curso de pós-gra- recredenciamento para educação a distância
duação lato sensu ficará limitado a esse nível. observarão a disciplina processual aplicável aos
§ 3o  A instituição credenciada exclusiva- processos regulatórios da educação superior,
mente para a oferta de pós-graduação lato nos termos do Decreto no  5.773, de 2006, e
sensu a distância poderá requerer a ampliação normas expedidas pelo Ministério da Educação.
da abrangência acadêmica, na forma de adita- § 4o  Os resultados do sistema de avaliação
mento ao ato de credenciamento. mencionado no art. 16 deverão ser considera-
dos para os procedimentos de renovação de
Art. 13.  Para os fins de que trata este Decreto, credenciamento.
os projetos pedagógicos de cursos e programas
na modalidade a distância deverão: Art. 15.  Os pedidos de autorização, reconhe-
I – obedecer às diretrizes curriculares naci- cimento e renovação de reconhecimento de
onais, estabelecidas pelo Ministério da Educa- cursos superiores a distância de instituições
Educação básica

ção para os respectivos níveis e modalidades integrantes do sistema federal devem tramitar
educacionais; perante os órgãos próprios do Ministério da
II – prever atendimento apropriado a estu- Educação.4
dantes portadores de necessidades especiais;
  Decreto no 6.303/2007.
3

50   Decreto no 6.303/2007.
4
§ 1o  Os pedidos de autorização, reconhe- § 2o  As determinações de que trata o caput
cimento e renovação de reconhecimento de são passíveis de recurso ao órgão normativo do
cursos superiores a distância oferecidos por respectivo sistema de ensino.
instituições integrantes dos sistemas estaduais
devem tramitar perante os órgãos estaduais
competentes, a quem caberá a respectiva su- CAPÍTULO III – Da Oferta de Educação
pervisão. de Jovens e Adultos, Educação Especial e
§ 2o  Os cursos das instituições integrantes Educação Profissional na Modalidade a
dos sistemas estaduais cujas atividades presen- Distância, na Educação Básica
ciais obrigatórias forem realizados em polos de
apoio presencial fora do Estado sujeitam-se a Art. 18.  Os cursos e programas de educação
autorização, reconhecimento e renovação de a distância criados somente poderão ser im-
reconhecimento pelas autoridades competentes plementados para oferta após autorização dos
do sistema federal. órgãos competentes dos respectivos sistemas
§ 3o  A oferta de curso reconhecido na mo- de ensino.
dalidade presencial, ainda que análogo ao curso
a distância proposto, não dispensa a instituição Art. 19.  A matrícula em cursos a distância
do requerimento específico de autorização, para educação básica de jovens e adultos poderá
quando for o caso, e reconhecimento para ser feita independentemente de escolarização
cada um dos cursos, perante as autoridades anterior, obedecida a idade mínima e mediante
competente. avaliação do educando, que permita sua inscri-
ção na etapa adequada, conforme normas do
Art. 16.  O sistema de avaliação da educação respectivo sistema de ensino.
superior, nos termos da Lei no 10.861, de 14 de
abril de 2004, aplica-se integralmente à educa-
ção superior a distância. CAPÍTULO IV – Da Oferta de Cursos
Superiores, na Modalidade a Distância
Art. 17.  Identificadas deficiências, irregu-
laridades ou descumprimento das condições Art. 20.  As instituições que detêm prerroga-
originalmente estabelecidas, mediante ações de tiva de autonomia universitária credenciadas
supervisão ou de avaliação de cursos ou insti- para oferta de educação superior a distância
tuições credenciadas para educação a distância, poderão criar, organizar e extinguir cursos ou
o órgão competente do respectivo sistema de programas de educação superior nessa moda-
ensino determinará, em ato próprio, observado lidade, conforme disposto no inciso I do art. 53
o contraditório e ampla defesa: da Lei no 9.394, de 1996.
I – instalação de diligência, sindicância ou § 1o  Os cursos ou programas criados con-
processo administrativo; forme o caput somente poderão ser ofertados
II – suspensão do reconhecimento de cursos nos limites da abrangência definida no ato de
superiores ou da renovação de autorização de credenciamento da instituição.
cursos da educação básica ou profissional; § 2o  Os atos mencionados no caput deverão
III – intervenção; ser comunicados à Secretaria de Educação
IV – desativação de cursos; ou Superior do Ministério da Educação.
V – descredenciamento da instituição para § 3o  O número de vagas ou sua alteração
educação a distância. será fixado pela instituição detentora de prer-
Educação básica

§ 1o  A instituição ou curso que obtiver rogativas de autonomia universitária, a qual


desempenho insatisfatório na avaliação de que deverá observar capacidade institucional, tec-
trata a Lei no 10.861, de 2004, ficará sujeita ao nológica e operacional próprias para oferecer
disposto nos incisos I a IV, conforme o caso. cursos ou programas a distância.

51
Art. 21.  Instituições credenciadas que não ciada, deverá cumprir, além do disposto neste
detêm prerrogativa de autonomia universitária Decreto, os demais dispositivos da legislação
deverão solicitar, junto ao órgão competente do e normatização pertinentes à educação, em
respectivo sistema de ensino, autorização para geral, quanto:
abertura de oferta de cursos e programas de I – à titulação do corpo docente;
educação superior a distância. II – aos exames presenciais; e
§ 1o  Nos atos de autorização de cursos su- III – à apresentação presencial de trabalho
periores a distância, será definido o número de de conclusão de curso ou de monografia.
vagas a serem ofertadas, mediante processo de Parágrafo único.  As instituições credenci-
avaliação externa a ser realizada pelo Ministério adas que ofereçam cursos de especialização a
da Educação. distância deverão informar ao Ministério da
§ 2o  Os cursos ou programas das institui- Educação os dados referentes aos seus cursos,
ções citadas no caput que venham a acompa- quando de sua criação.
nhar a solicitação de credenciamento para a
oferta de educação a distância, nos termos do Art. 25.  Os cursos e programas de mestrado
§ 1o do art. 12, também deverão ser submetidos e doutorado a distância estarão sujeitos às
ao processo de autorização tratado neste artigo. exigências de autorização, reconhecimento
e renovação de reconhecimento previstas na
Art. 22.  Os processos de reconhecimento legislação específica em vigor.5
e renovação do reconhecimento dos cursos § 1o  Os atos de autorização, o reconheci-
superiores a distância deverão ser solicitados mento e a renovação de reconhecimento citados
conforme legislação educacional em vigor. no caput serão concedidos por prazo determi-
Parágrafo único.  Nos atos citados no caput, nado conforme regulamentação.
deverão estar explicitados: § 2o  Caberá à Coordenação de Aperfeiçoa-
I – o prazo de reconhecimento; e mento de Pessoal de Nível Superior – CAPES
II – o número de vagas a serem ofertadas, editar as normas complementares a este Decre-
em caso de instituição de ensino superior não to, no âmbito da pós-graduação stricto sensu.
detentora de autonomia universitária.

Art. 23.  A criação e autorização de cursos de CAPÍTULO VI – Das Disposições Finais


graduação a distância deverão ser submetidas,
previamente, à manifestação do: Art. 26.  As instituições credenciadas para
I – Conselho Nacional de Saúde, no caso oferta de cursos e programas a distância pode-
dos cursos de Medicina, Odontologia e Psi- rão estabelecer vínculos para fazê-lo em bases
cologia; ou territoriais múltiplas, mediante a formação de
II – Conselho Federal da Ordem dos Advo- consórcios, parcerias, celebração de convênios,
gados do Brasil, no caso dos cursos de Direito. acordos, contratos ou outros instrumentos
Parágrafo único.  A manifestação dos conse- similares, desde que observadas as seguintes
lhos citados nos incisos I e II, consideradas as condições:
especificidades da modalidade de educação a I – comprovação, por meio de ato do Minis-
distância, terá procedimento análogo ao utili- tério da Educação, após avaliação de comissão
zado para os cursos ou programas presenciais de especialistas, de que as instituições vincula-
nessas áreas, nos termos da legislação vigente. das podem realizar as atividades específicas que
lhes forem atribuídas no projeto de educação
Educação básica

a distância;
CAPÍTULO V – Da Oferta de Cursos e II – comprovação de que o trabalho em
Programas de Pós-Graduação a Distância parceria está devidamente previsto e explici-
tado no:
Art. 24.  A oferta de cursos de especialização a
52 distância, por instituição devidamente creden-   Decreto no 6.303/2007.
5
a)  plano de desenvolvimento institucional; de colaboração coordenado pelo Ministério
b)  plano de desenvolvimento escolar; ou da Educação, no prazo de cento e oitenta dias,
c)  projeto pedagógico, quando for o caso, contados da data de publicação deste Decreto.
das instituições parceiras;
III – celebração do respectivo termo de Art. 30.  As instituições credenciadas para a
compromisso, acordo ou convênio; e oferta de educação a distância poderão solicitar
IV – indicação das responsabilidades pela autorização, junto aos órgãos normativos dos
oferta dos cursos ou programas a distância, no respectivos sistemas de ensino, para oferecer
que diz respeito a: os ensinos fundamental e médio a distância,
a)  implantação de polos de educação a conforme §  4o do art.  32 da Lei no  9.394, de
distância, quando for o caso; 1996, exclusivamente para:
b)  seleção e capacitação dos professores e I – a complementação de aprendizagem; ou
tutores; II – em situações emergenciais.
c)  matrícula, formação, acompanhamento Parágrafo único.  A oferta de educação bási-
e avaliação dos estudantes; ca nos termos do caput contemplará a situação
d)  emissão e registro dos correspondentes de cidadãos que:
diplomas ou certificados. I – estejam impedidos, por motivo de saúde,
de acompanhar ensino presencial;
Art. 27.  Os diplomas de cursos ou programas II – sejam portadores de necessidades es-
superiores de graduação e similares, a distância, peciais e requeiram serviços especializados de
emitidos por instituição estrangeira, inclusive atendimento;
os ofertados em convênios com instituições III – se encontram no exterior, por qualquer
sediadas no Brasil, deverão ser submetidos para motivo;
revalidação em universidade pública brasileira, IV – vivam em localidades que não con-
conforme a legislação vigente. tem com rede regular de atendimento escolar
§ 1o  Para os fins de revalidação de diploma presencial;
de curso ou programa de graduação, a univer- V – compulsoriamente sejam transferidos
sidade poderá exigir que o portador do diploma para regiões de difícil acesso, incluindo missões
estrangeiro se submeta a complementação de localizadas em regiões de fronteira; ou
estudos, provas ou exames destinados a suprir VI – estejam em situação de cárcere.
ou aferir conhecimentos, competências e habi-
lidades na área de diplomação. Art. 31.  Os cursos a distância para a educação
§ 2o  Deverão ser respeitados os acordos básica de jovens e adultos que foram autoriza-
internacionais de reciprocidade e equiparação dos excepcionalmente com duração inferior a
de cursos. dois anos no ensino fundamental e um ano e
meio no ensino médio deverão inscrever seus
Art. 28.  Os diplomas de especialização, mes- alunos em exames de certificação, para fins de
trado e doutorado realizados na modalidade a conclusão do respectivo nível de ensino.
distância em instituições estrangeiras deverão § 1 o  Os exames citados no caput serão
ser submetidos para reconhecimento em uni- realizados pelo órgão executivo do respectivo
versidade que possua curso ou programa reco- sistema de ensino ou por instituições por ele
nhecido pela CAPES, em mesmo nível ou em credenciadas.
nível superior e na mesma área ou equivalente, § 2o  Poderão ser credenciadas para realizar
preferencialmente com a oferta correspondente os exames de que trata este artigo instituições
Educação básica

em educação a distância. que tenham competência reconhecida em


avaliação de aprendizagem e não estejam sob
Art. 29.  A padronização de normas e proce- sindicância ou respondendo a processo admi-
dimentos para credenciamento de instituições, nistrativo ou judicial, nem tenham, no mesmo
autorização e reconhecimento de cursos ou período, estudantes inscritos nos exames de
programas a distância será efetivada em regime certificação citados no caput. 53
Art. 32.  Nos termos do que dispõe o art. 81 prio, as sanções previstas no art. 17, bem como
da Lei no 9.394, de 1996, é permitida a orga- na legislação específica em vigor.
nização de cursos ou instituições de ensino
experimentais para oferta da modalidade de Art. 34. (Revogado)6
educação a distância.
Parágrafo único.  O credenciamento institu- Art. 35.  As instituições de ensino, cujos cursos
cional e a autorização de cursos ou programas e programas superiores tenham completado, na
de que trata o caput serão concedidos por prazo data de publicação deste Decreto, mais da me-
determinado. tade do prazo concedido no ato de autorização,
deverão solicitar, em no máximo cento e oitenta
Art. 33.  As instituições credenciadas para a dias, o respectivo reconhecimento.
oferta de educação a distância deverão fazer
constar, em todos os seus documentos insti- Art. 36.  Este Decreto entra em vigor na data
tucionais, bem como nos materiais de divul- de sua publicação.
gação, referência aos correspondentes atos de
credenciamento, autorização e reconhecimento Art. 37.  Ficam revogados o Decreto no 2.494,
de seus cursos e programas. de 10 de fevereiro de 1998, e o Decreto no 2.561,
§ 1o  Os documentos a que se refere o caput de 27 de abril de 1998.
também deverão conter informações a respeito
das condições de avaliação, de certificação de Brasília, 19 de dezembro de 2005; 184o da In-
estudos e de parceria com outras instituições. dependência e 117o da República.
§ 2o  Comprovadas, mediante processo ad-
ministrativo, deficiências ou irregularidades, o LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
Poder Executivo sustará a tramitação de pleitos Haddad
de interesse da instituição no respectivo sistema
de ensino, podendo ainda aplicar, em ato pró- Decretado em 19/12/2005 e publicado no DOU de
20/12/2005.
Educação básica

54   Decreto no 6.303/2007.
6
Decreto no 5.154/2004
Regulamenta o § 2o do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que
estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da I – organização, por áreas profissionais,


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, em função da estrutura sócio-ocupacional e
da Constituição, tecnológica;
II – articulação de esforços das áreas da
DECRETA: educação, do trabalho e emprego, e da ciência
e tecnologia;
Art. 1o  A educação profissional, prevista no III – a centralidade do trabalho como prin-
art. 39 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de cípio educativo; e
1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação IV – a indissociabilidade entre teoria e
Nacional), observadas as diretrizes curriculares prática.
nacionais definidas pelo Conselho Nacional de
Educação, será desenvolvida por meio de cursos Art. 3o  Os cursos e programas de formação
e programas de:1 inicial e continuada de trabalhadores, referidos
I – qualificação profissional, inclusive for- no inciso I do art. 1o, incluídos a capacitação, o
mação inicial e continuada de trabalhadores; aperfeiçoamento, a especialização e a atualiza-
II – educação profissional técnica de nível ção, em todos os níveis de escolaridade, poderão
médio; e ser ofertados segundo itinerários formativos,
III – educação profissional tecnológica de objetivando o desenvolvimento de aptidões para
graduação e de pós-graduação. a vida produtiva e social.3
§ 1o  Os cursos e programas da educação § 1o  Quando organizados na forma prevista
profissional de que tratam os incisos I e II do no §  1o do art.  1o, os cursos mencionados no
caput serão organizados por regulamentação do caput terão carga horária mínima de cento e ses-
Ministério da Educação em trajetórias de forma- senta horas para a formação inicial, sem prejuízo
ção que favoreçam a continuidade da formação. de etapas posteriores de formação continuada,
§ 2o  Para os fins do disposto neste Decreto, inclusive para os fins da Lei no 12.513, de 26 de
consideram-se itinerários formativos ou traje- outubro de 2011.
tórias de formação as unidades curriculares de § 2o  Os cursos mencionados no caput arti-
cursos e programas da educação profissional, em cular-se-ão, preferencialmente, com os cursos
uma determinada área, que possibilitem o apro- de educação de jovens e adultos, objetivando a
veitamento contínuo e articulado dos estudos. qualificação para o trabalho e a elevação do nível
§ 3o  Será permitida a proposição de proje- de escolaridade do trabalhador, o qual, após a
tos de cursos experimentais com carga horária conclusão com aproveitamento dos referidos
diferenciada para os cursos e programas orga- cursos, fará jus a certificados de formação inicial
nizados na forma prevista no § 1o, conforme os ou continuada para o trabalho.
parâmetros definidos em ato do Ministro de
Estado da Educação. Art. 4o  A educação profissional técnica de
Educação básica

nível médio, nos termos dispostos no § 2o do


Art. 2o  A educação profissional observará as art. 36, art. 40 e parágrafo único do art. 41 da
seguintes premissas:2 Lei no 9.394, de 1996, será desenvolvida de forma
articulada com o ensino médio, observados:
1
  Decreto no 8.268/2014.
2
  Decreto no 8.268/2014.   Decreto no 8.268/2014.
3
55
I – os objetivos contidos nas diretrizes cur- características e duração, de acordo com as
riculares nacionais definidas pelo Conselho diretrizes curriculares nacionais definidas pelo
Nacional de Educação; Conselho Nacional de Educação.
II – as normas complementares dos respec-
tivos sistemas de ensino; e Art. 6o  Os cursos e programas de educação
III – as exigências de cada instituição de profissional técnica de nível médio e os cursos
ensino, nos termos de seu projeto pedagógico. de educação profissional tecnológica de gra-
§ 1o  A articulação entre a educação profis- duação, quando estruturados e organizados
sional técnica de nível médio e o ensino médio em etapas com terminalidade, incluirão saídas
dar-se-á de forma: intermediárias, que possibilitarão a obtenção de
I – integrada, oferecida somente a quem já certificados de qualificação para o trabalho após
tenha concluído o ensino fundamental, sendo o sua conclusão com aproveitamento.
curso planejado de modo a conduzir o aluno à § 1o  Para fins do disposto no caput consi-
habilitação profissional técnica de nível médio, dera-se etapa com terminalidade a conclusão
na mesma instituição de ensino, contando com intermediária de cursos de educação profissio-
matrícula única para cada aluno; nal técnica de nível médio ou de cursos de edu-
II – concomitante, oferecida somente a cação profissional tecnológica de graduação que
quem já tenha concluído o ensino fundamental caracterize uma qualificação para o trabalho,
ou esteja cursando o ensino médio, na qual a claramente definida e com identidade própria.
complementaridade entre a educação profissi- § 2o  As etapas com terminalidade deverão
onal técnica de nível médio e o ensino médio estar articuladas entre si, compondo os itinerá-
pressupõe a existência de matrículas distintas rios formativos e os respectivos perfis profissi-
para cada curso, podendo ocorrer: onais de conclusão.
a)  na mesma instituição de ensino, apro-
veitando-se as oportunidades educacionais Art. 7o  Os cursos de educação profissional
disponíveis; técnica de nível médio e os cursos de educação
b)  em instituições de ensino distintas, profissional tecnológica de graduação con-
aproveitando-se as oportunidades educacionais duzem à diplomação após sua conclusão com
disponíveis; ou aproveitamento.
c)  em instituições de ensino distintas, me- Parágrafo único.  Para a obtenção do diplo-
diante convênios de intercomplementaridade, ma de técnico de nível médio, o aluno deverá
visando o planejamento e o desenvolvimento concluir seus estudos de educação profissional
de projetos pedagógicos unificados; técnica de nível médio e de ensino médio.
III – subsequente, oferecida somente a quem
já tenha concluído o ensino médio. Art. 8o  Este Decreto entra em vigor na data de
§ 2o  Na hipótese prevista no inciso I do sua publicação.
§ 1o, a instituição de ensino deverá, observados
o inciso I do art. 24 da Lei no 9.394, de 1996, Art. 9o  Revoga-se o Decreto no 2.208, de 17 de
e as diretrizes curriculares nacionais para a abril de 1997.
educação profissional técnica de nível médio,
ampliar a carga horária total do curso, a fim de Brasília, 23 de julho de 2004; 183o da Indepen-
assegurar, simultaneamente, o cumprimento das dência e 116o da República.
finalidades estabelecidas para a formação geral
e as condições de preparação para o exercício LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
Educação básica

de profissões técnicas. Haddad

Art. 5o  Os cursos de educação profissional Decretado em 23/7/2004 e publicado no DOU de


tecnológica de graduação e pós-graduação 26/7/2004.
organizar-se-ão, no que concerne aos objetivos,
56
Normas correlatas
Lei no 13.415/2017
Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento
da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do
Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236,
de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de
Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA I – identificação e delimitação das ações a


serem financiadas;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta II – metas quantitativas;
e eu sanciono a seguinte Lei:1 III – cronograma de execução físico-finan-
������������������������������������������������������������������������������� ceira;
IV – previsão de início e fim de execução
Art. 11.  O disposto no § 8o do art. 62 da Lei das ações e da conclusão das etapas ou fases
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, deverá programadas.
ser implementado no prazo de dois anos, con-
tado da publicação da Base Nacional Comum Art. 14.  São obrigatórias as transferências de
Curricular. recursos da União aos Estados e ao Distrito
Federal, desde que cumpridos os critérios de
Art. 12.  Os sistemas de ensino deverão es- elegibilidade estabelecidos nesta Lei e no re-
tabelecer cronograma de implementação das gulamento, com a finalidade de prestar apoio
alterações na Lei no 9.394, de 20 de dezembro de financeiro para o atendimento de escolas
1996, conforme os arts. 2o, 3o e 4o desta Lei, no públicas de ensino médio em tempo integral
primeiro ano letivo subsequente à data de pu- cadastradas no Censo Escolar da Educação
blicação da Base Nacional Comum Curricular, e Básica, e que:
iniciar o processo de implementação, conforme I – tenham iniciado a oferta de atendimento
o referido cronograma, a partir do segundo ano em tempo integral a partir da vigência desta
letivo subsequente à data de homologação da Lei de acordo com os critérios de elegibilidade
Base Nacional Comum Curricular. no âmbito da Política de Fomento, devendo
ser dada prioridade às regiões com menores
Art. 13.  Fica instituída, no âmbito do Mi- índices de desenvolvimento humano e com
nistério da Educação, a Política de Fomento à resultados mais baixos nos processos nacionais
Implementação de Escolas de Ensino Médio de avaliação do ensino médio; e
em Tempo Integral. II – tenham projeto político-pedagógico que
Parágrafo único.  A Política de Fomento de obedeça ao disposto no art. 36 da Lei no 9.394,
que trata o caput prevê o repasse de recursos do de 20 dezembro de 1996.
Ministério da Educação para os Estados e para § 1o  A transferência de recursos de que trata
o Distrito Federal pelo prazo de dez anos por o caput será realizada com base no número de
escola, contado da data de início da implemen- matrículas cadastradas pelos Estados e pelo
Educação básica

tação do ensino médio integral na respectiva Distrito Federal no Censo Escolar da Educação
escola, de acordo com termo de compromisso Básica, desde que tenham sido atendidos, de
a ser formalizado entre as partes, que deverá forma cumulativa, os requisitos dos incisos I
conter, no mínimo: e II do caput.
§ 2o  A transferência de recursos será reali-
58 1
  Conversão da Medida Provisória no 746/2016. zada anualmente, a partir de valor único por
aluno, respeitada a disponibilidade orçamentá- Art. 18.  Os Estados e o Distrito Federal deve-
ria para atendimento, a ser definida por ato do rão fornecer, sempre que solicitados, a docu-
Ministro de Estado da Educação. mentação relativa à execução dos recursos re-
§ 3o  Os recursos transferidos nos termos cebidos com base no parágrafo único do art. 13
do caput poderão ser aplicados nas despesas de ao Tribunal de Contas da União, ao FNDE, aos
manutenção e desenvolvimento previstas nos órgãos de controle interno do Poder Executivo
incisos I, II, III, V e VIII do caput do art. 70 federal e aos conselhos de acompanhamento e
da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, controle social.
das escolas públicas participantes da Política
de Fomento. Art. 19.  O acompanhamento e o controle
§ 4o  Na hipótese de o Distrito Federal ou de social sobre a transferência e a aplicação dos
o Estado ter, no momento do repasse do apoio recursos repassados com base no parágrafo
financeiro suplementar de que trata o caput, único do art. 13 serão exercidos no âmbito dos
saldo em conta de recursos repassados ante- Estados e do Distrito Federal pelos respectivos
riormente, esse montante, a ser verificado no conselhos previstos no art. 24 da Lei no 11.494,
último dia do mês anterior ao do repasse, será de 20 de junho de 2007.
subtraído do valor a ser repassado como apoio Parágrafo único.  Os conselhos a que se re-
financeiro suplementar do exercício corrente. fere o caput analisarão as prestações de contas
§ 5o  Serão desconsiderados do desconto dos recursos repassados no âmbito desta Lei,
previsto no § 4o os recursos referentes ao apoio formularão parecer conclusivo acerca da aplica-
financeiro suplementar, de que trata o caput, ção desses recursos e o encaminharão ao FNDE.
transferidos nos últimos doze meses.
Art. 20.  Os recursos financeiros corres-
Art. 15.  Os recursos de que trata o parág- pondentes ao apoio financeiro de que trata o
rafo único do art.  13 serão transferidos pelo parágrafo único do art. 13 correrão à conta de
Ministério da Educação ao Fundo Nacional dotação consignada nos orçamentos do FNDE
do Desenvolvimento da Educação – FNDE, e do Ministério da Educação, observados os
independentemente da celebração de termo limites de movimentação, de empenho e de
específico. pagamento da programação orçamentária e
financeira anual.
Art. 16.  Ato do Ministro de Estado da Educa-
ção disporá sobre o acompanhamento da im- Art. 21.  Esta Lei entra em vigor na data de
plementação do apoio financeiro suplementar sua publicação.
de que trata o parágrafo único do art. 13.
Art. 22.  Fica revogada a Lei no 11.161, de 5 de
Art. 17.  A transferência de recursos finan- agosto de 2005.
ceiros prevista no parágrafo único do art. 13
será efetivada automaticamente pelo FNDE, Brasília, 16 de fevereiro de 2017; 196o da Inde-
dispensada a celebração de convênio, acordo, pendência e 129o da República.
contrato ou instrumento congênere, mediante
depósitos em conta-corrente específica. MICHEL TEMER – José Mendonça Bezerra
Parágrafo único.  O Conselho Deliberativo Filho
do FNDE disporá, em ato próprio, sobre con-
dições, critérios operacionais de distribuição, Promulgada em 16/2/2017 e publicada no DOU de
Normas correlatas

repasse, execução e prestação de contas sim- 17/2/2017.


plificada do apoio financeiro.

59
Lei no 13.005/2014
Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Art. 4o  As metas previstas no Anexo desta


Lei deverão ter como referência a Pesquisa
Faço saber que o Congresso Nacional decreta Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD,
e eu sanciono a seguinte Lei: o censo demográfico e os censos nacionais da
educação básica e superior mais atualizados,
Art. 1o  É aprovado o Plano Nacional de Edu- disponíveis na data da publicação desta Lei.
cação – PNE, com vigência por 10 (dez) anos, Parágrafo único.  O poder público buscará
a contar da publicação desta Lei, na forma do ampliar o escopo das pesquisas com fins esta-
Anexo, com vistas ao cumprimento do disposto tísticos de forma a incluir informação detalhada
no art. 214 da Constituição Federal. sobre o perfil das populações de 4 (quatro) a 17
(dezessete) anos com deficiência.
Art. 2o  São diretrizes do PNE:
I – erradicação do analfabetismo; Art. 5o  A execução do PNE e o cumprimento
II – universalização do atendimento escolar; de suas metas serão objeto de monitoramento
III – superação das desigualdades educaci- contínuo e de avaliações periódicas, realizados
onais, com ênfase na promoção da cidadania pelas seguintes instâncias:
e na erradicação de todas as formas de discri- I – Ministério da Educação – MEC;
minação; II – Comissão de Educação da Câmara dos
IV – melhoria da qualidade da educação; Deputados e Comissão de Educação, Cultura
V – formação para o trabalho e para a cida- e Esporte do Senado Federal;
dania, com ênfase nos valores morais e éticos III – Conselho Nacional de Educação – CNE;
em que se fundamenta a sociedade; IV – Fórum Nacional de Educação.
VI – promoção do princípio da gestão de- § 1o  Compete, ainda, às instâncias referidas
mocrática da educação pública; no caput:
VII – promoção humanística, científica, I – divulgar os resultados do monitoramento
cultural e tecnológica do País; e das avaliações nos respectivos sítios instituci-
VIII – estabelecimento de meta de aplica- onais da internet;
ção de recursos públicos em educação como II – analisar e propor políticas públicas para
proporção do Produto Interno Bruto – PIB, assegurar a implementação das estratégias e o
que assegure atendimento às necessidades de cumprimento das metas;
expansão, com padrão de qualidade e equidade; III – analisar e propor a revisão do percentu-
IX – valorização dos (as) profissionais da al de investimento público em educação.
educação; § 2o  A cada 2 (dois) anos, ao longo do perí-
X – promoção dos princípios do respeito aos odo de vigência deste PNE, o Instituto Nacional
direitos humanos, à diversidade e à sustentabi- de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
lidade socioambiental. Teixeira – INEP publicará estudos para aferir
a evolução no cumprimento das metas estabe-
Educação básica

Art. 3o  As metas previstas no Anexo desta Lei lecidas no Anexo desta Lei, com informações
serão cumpridas no prazo de vigência deste organizadas por ente federado e consolidadas
PNE, desde que não haja prazo inferior definido em âmbito nacional, tendo como referência
para metas e estratégias específicas. os estudos e as pesquisas de que trata o art. 4o,
sem prejuízo de outras fontes e informações
60 relevantes.
§ 3o  A meta progressiva do investimento do plano nacional de educação para o decênio
público em educação será avaliada no quarto subsequente.
ano de vigência do PNE e poderá ser ampliada
por meio de lei para atender às necessidades Art. 7o  A União, os Estados, o Distrito Federal
financeiras do cumprimento das demais metas. e os Municípios atuarão em regime de colabo-
§ 4o  O investimento público em educação ração, visando ao alcance das metas e à imple-
a que se referem o inciso VI do art.  214 da mentação das estratégias objeto deste Plano.
Constituição Federal e a meta 20 do Anexo § 1o  Caberá aos gestores federais, estaduais,
desta Lei engloba os recursos aplicados na municipais e do Distrito Federal a adoção das
forma do art. 212 da Constituição Federal e do medidas governamentais necessárias ao alcance
art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais das metas previstas neste PNE.
Transitórias, bem como os recursos aplicados § 2o  As estratégias definidas no Anexo desta
nos programas de expansão da educação Lei não elidem a adoção de medidas adicionais
profissional e superior, inclusive na forma de em âmbito local ou de instrumentos jurídicos
incentivo e isenção fiscal, as bolsas de estudos que formalizem a cooperação entre os entes
concedidas no Brasil e no exterior, os subsídios federados, podendo ser complementadas por
concedidos em programas de financiamento mecanismos nacionais e locais de coordenação
estudantil e o financiamento de creches, pré- e colaboração recíproca.
escolas e de educação especial na forma do § 3o  Os sistemas de ensino dos Estados,
art. 213 da Constituição Federal. do Distrito Federal e dos Municípios criarão
§ 5 o  Será destinada à manutenção e ao mecanismos para o acompanhamento local da
desenvolvimento do ensino, em acréscimo aos consecução das metas deste PNE e dos planos
recursos vinculados nos termos do art. 212 da previstos no art. 8o.
Constituição Federal, além de outros recursos § 4o  Haverá regime de colaboração espe-
previstos em lei, a parcela da participação no cífico para a implementação de modalidades
resultado ou da compensação financeira pela de educação escolar que necessitem considerar
exploração de petróleo e de gás natural, na territórios étnico-educacionais e a utilização de
forma de lei específica, com a finalidade de estratégias que levem em conta as identidades
assegurar o cumprimento da meta prevista no e especificidades socioculturais e linguísticas
inciso VI do art. 214 da Constituição Federal. de cada comunidade envolvida, assegurada a
consulta prévia e informada a essa comunidade.
Art. 6o  A União promoverá a realização de § 5o  Será criada uma instância permanente
pelo menos 2 (duas) conferências nacionais de de negociação e cooperação entre a União, os
educação até o final do decênio, precedidas de Estados, o Distrito Federal e os Municípios.
conferências distrital, municipais e estaduais, § 6o  O fortalecimento do regime de colabo-
articuladas e coordenadas pelo Fórum Nacional ração entre os Estados e respectivos Municípios
de Educação, instituído nesta Lei, no âmbito do incluirá a instituição de instâncias permanentes
Ministério da Educação. de negociação, cooperação e pactuação em
§ 1o  O Fórum Nacional de Educação, além cada Estado.
da atribuição referida no caput: § 7o  O fortalecimento do regime de colabo-
I – acompanhará a execução do PNE e o ração entre os Municípios dar-se-á, inclusive,
cumprimento de suas metas; mediante a adoção de arranjos de desenvolvi-
II – promoverá a articulação das conferên- mento da educação.
cias nacionais de educação com as conferên-
Normas correlatas

cias regionais, estaduais e municipais que as Art. 8o  Os Estados, o Distrito Federal e os


precederem. Municípios deverão elaborar seus correspon-
§ 2o  As conferências nacionais de educação dentes planos de educação, ou adequar os
realizar-se-ão com intervalo de até 4 (quatro) planos já aprovados em lei, em consonância
anos entre elas, com o objetivo de avaliar a com as diretrizes, metas e estratégias previstas
execução deste PNE e subsidiar a elaboração 61
neste PNE, no prazo de 1 (um) ano contado da § 1o  O sistema de avaliação a que se refere
publicação desta Lei. o caput produzirá, no máximo a cada 2 (dois)
§ 1o  Os entes federados estabelecerão nos anos:
respectivos planos de educação estratégias que: I – indicadores de rendimento escolar, re-
I – assegurem a articulação das políticas ferentes ao desempenho dos (as) estudantes
educacionais com as demais políticas sociais, apurado em exames nacionais de avaliação, com
particularmente as culturais; participação de pelo menos 80% (oitenta por
II – considerem as necessidades específicas cento) dos (as) alunos (as) de cada ano escolar
das populações do campo e das comunidades periodicamente avaliado em cada escola, e aos
indígenas e quilombolas, asseguradas a equida- dados pertinentes apurados pelo censo escolar
de educacional e a diversidade cultural; da educação básica;
III – garantam o atendimento das necessi- II – indicadores de avaliação institucional,
dades específicas na educação especial, assegu- relativos a características como o perfil do
rado o sistema educacional inclusivo em todos alunado e do corpo dos (as) profissionais da
os níveis, etapas e modalidades; educação, as relações entre dimensão do corpo
IV – promovam a articulação interfederativa docente, do corpo técnico e do corpo discente,
na implementação das políticas educacionais. a infraestrutura das escolas, os recursos peda-
§ 2o  Os processos de elaboração e adequa- gógicos disponíveis e os processos da gestão,
ção dos planos de educação dos Estados, do entre outras relevantes.
Distrito Federal e dos Municípios, de que trata § 2o  A elaboração e a divulgação de índices
o caput deste artigo, serão realizados com ampla para avaliação da qualidade, como o Índice de
participação de representantes da comunidade Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB,
educacional e da sociedade civil. que agreguem os indicadores mencionados no
inciso I do § 1o não elidem a obrigatoriedade
Art. 9o  Os Estados, o Distrito Federal e os de divulgação, em separado, de cada um deles.
Municípios deverão aprovar leis específicas § 3o  Os indicadores mencionados no §  1o
para os seus sistemas de ensino, disciplinando serão estimados por etapa, estabelecimento de
a gestão democrática da educação pública nos ensino, rede escolar, unidade da Federação e em
respectivos âmbitos de atuação, no prazo de 2 nível agregado nacional, sendo amplamente di-
(dois) anos contado da publicação desta Lei, vulgados, ressalvada a publicação de resultados
adequando, quando for o caso, a legislação local individuais e indicadores por turma, que fica
já adotada com essa finalidade. admitida exclusivamente para a comunidade
do respectivo estabelecimento e para o órgão
Art. 10.  O plano plurianual, as diretrizes orça- gestor da respectiva rede.
mentárias e os orçamentos anuais da União, dos § 4o  Cabem ao INEP a elaboração e o cálcu-
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios lo do IDEB e dos indicadores referidos no § 1o.
serão formulados de maneira a assegurar a § 5o  A avaliação de desempenho dos (as)
consignação de dotações orçamentárias compa- estudantes em exames, referida no inciso I do
tíveis com as diretrizes, metas e estratégias deste § 1o, poderá ser diretamente realizada pela Uni-
PNE e com os respectivos planos de educação, ão ou, mediante acordo de cooperação, pelos
a fim de viabilizar sua plena execução. Estados e pelo Distrito Federal, nos respectivos
sistemas de ensino e de seus Municípios, caso
Art. 11.  O Sistema Nacional de Avaliação da mantenham sistemas próprios de avaliação do
Educação Básica, coordenado pela União, em rendimento escolar, assegurada a compatibili-
Educação básica

colaboração com os Estados, o Distrito Federal dade metodológica entre esses sistemas e o na-
e os Municípios, constituirá fonte de informa- cional, especialmente no que se refere às escalas
ção para a avaliação da qualidade da educação de proficiência e ao calendário de aplicação.
básica e para a orientação das políticas públicas
desse nível de ensino. Art. 12.  Até o final do primeiro semestre do
62 nono ano de vigência deste PNE, o Poder Exe-
cutivo encaminhará ao Congresso Nacional, Art. 14.  Esta Lei entra em vigor na data de
sem prejuízo das prerrogativas deste Poder, o sua publicação.
projeto de lei referente ao Plano Nacional de
Educação a vigorar no período subsequente, Brasília, 25 de junho de 2014; 193o da Indepen-
que incluirá diagnóstico, diretrizes, metas e dência e 126o da República.
estratégias para o próximo decênio.
DILMA ROUSSEFF – Guido Mantega – José
Art. 13.  O poder público deverá instituir, em Henrique Paim Fernandes – Miriam Belchior
lei específica, contados 2 (dois) anos da publica-
ção desta Lei, o Sistema Nacional de Educação, Promulgada em 25/6/2014 e publicada no DOU de
responsável pela articulação entre os sistemas 26/6/2014 – Edição extra.
de ensino, em regime de colaboração, para
efetivação das diretrizes, metas e estratégias do
Plano Nacional de Educação.

Anexo

Metas e estratégias

Meta 1:  universalizar, até 2016, a educação creche para a população de até 3 (três) anos,
infantil na pré-escola para as crianças de 4 como forma de planejar a oferta e verificar o
(quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar atendimento da demanda manifesta;
a oferta de educação infantil em creches de
forma a atender, no mínimo, 50% (cinquenta 1.4) estabelecer, no primeiro ano de vigência
por cento) das crianças de até 3 (três) anos até do PNE, normas, procedimentos e prazos para
o final da vigência deste PNE. definição de mecanismos de consulta pública
da demanda das famílias por creches;
Estratégias:
1.5) manter e ampliar, em regime de colabora-
1.1) definir, em regime de colaboração entre ção e respeitadas as normas de acessibilidade,
a União, os Estados, o Distrito Federal e os programa nacional de construção e reestrutu-
Municípios, metas de expansão das respectivas ração de escolas, bem como de aquisição de
redes públicas de educação infantil segundo equipamentos, visando à expansão e à melhoria
padrão nacional de qualidade, considerando da rede física de escolas públicas de educação
as peculiaridades locais; infantil;

1.2) garantir que, ao final da vigência deste 1.6) implantar, até o segundo ano de vigência
PNE, seja inferior a 10% (dez por cento) a deste PNE, avaliação da educação infantil, a
diferença entre as taxas de frequência à edu- ser realizada a cada 2 (dois) anos, com base
cação infantil das crianças de até 3 (três) anos em parâmetros nacionais de qualidade, a fim
Normas correlatas

oriundas do quinto de renda familiar per capita de aferir a infraestrutura física, o quadro de
mais elevado e as do quinto de renda familiar pessoal, as condições de gestão, os recursos
per capita mais baixo; pedagógicos, a situação de acessibilidade, entre
outros indicadores relevantes;
1.3) realizar, periodicamente, em regime de
colaboração, levantamento da demanda por 63
1.7) articular a oferta de matrículas gratui- (zero) a 5 (cinco) anos em estabelecimentos que
tas em creches certificadas como entidades atendam a parâmetros nacionais de qualidade,
beneficentes de assistência social na área de e a articulação com a etapa escolar seguinte,
educação com a expansão da oferta na rede visando ao ingresso do(a) aluno(a) de 6 (seis)
escolar pública; anos de idade no ensino fundamental;

1.8) promover a formação inicial e continuada 1.14) fortalecer o acompanhamento e o mo-


dos (as) profissionais da educação infantil, ga- nitoramento do acesso e da permanência das
rantindo, progressivamente, o atendimento por crianças na educação infantil, em especial dos
profissionais com formação superior; beneficiários de programas de transferência de
renda, em colaboração com as famílias e com
1.9) estimular a articulação entre pós-gradua- os órgãos públicos de assistência social, saúde
ção, núcleos de pesquisa e cursos de formação e proteção à infância;
para profissionais da educação, de modo a
garantir a elaboração de currículos e propostas 1.15) promover a busca ativa de crianças em
pedagógicas que incorporem os avanços de pes- idade correspondente à educação infantil, em
quisas ligadas ao processo de ensino-aprendiza- parceria com órgãos públicos de assistência
gem e às teorias educacionais no atendimento social, saúde e proteção à infância, preservan-
da população de 0 (zero) a 5 (cinco) anos; do o direito de opção da família em relação às
crianças de até 3 (três) anos;
1.10) fomentar o atendimento das populações
do campo e das comunidades indígenas e qui- 1.16) o Distrito Federal e os Municípios, com
lombolas na educação infantil nas respectivas a colaboração da União e dos Estados, realiza-
comunidades, por meio do redimensionamento rão e publicarão, a cada ano, levantamento da
da distribuição territorial da oferta, limitando demanda manifesta por educação infantil em
a nucleação de escolas e o deslocamento de creches e pré-escolas, como forma de planejar
crianças, de forma a atender às especificidades e verificar o atendimento;
dessas comunidades, garantido consulta prévia
e informada; 1.17) estimular o acesso à educação infantil
em tempo integral, para todas as crianças de 0
1.11) priorizar o acesso à educação infantil e (zero) a 5 (cinco) anos, conforme estabelecido
fomentar a oferta do atendimento educacional nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a
especializado complementar e suplementar aos Educação Infantil.
(às) alunos (as) com deficiência, transtornos
globais do desenvolvimento e altas habilidades Meta 2:  universalizar o ensino fundamental de
ou superdotação, assegurando a educação bi- 9 (nove) anos para toda a população de 6 (seis)
língue para crianças surdas e a transversalidade a 14 (quatorze) anos e garantir que pelo menos
da educação especial nessa etapa da educação 95% (noventa e cinco por cento) dos alunos
básica; concluam essa etapa na idade recomendada, até
o último ano de vigência deste PNE.
1.12) implementar, em caráter complementar,
programas de orientação e apoio às famílias, Estratégias:
por meio da articulação das áreas de educação,
saúde e assistência social, com foco no desen- 2.1) o Ministério da Educação, em articula-
Educação básica

volvimento integral das crianças de até 3 (três) ção e colaboração com os Estados, o Distrito
anos de idade; Federal e os Municípios, deverá, até o final
do 2o (segundo) ano de vigência deste PNE,
1.13) preservar as especificidades da educação elaborar e encaminhar ao Conselho Nacional
infantil na organização das redes escolares, de Educação, precedida de consulta pública
64 garantindo o atendimento da criança de 0 nacional, proposta de direitos e objetivos de
aprendizagem e desenvolvimento para os (as) e fora dos espaços escolares, assegurando ainda
alunos (as) do ensino fundamental; que as escolas se tornem polos de criação e
difusão cultural;
2.2) pactuar entre União, Estados, Distrito
Federal e Municípios, no âmbito da instância 2.9) incentivar a participação dos pais ou res-
permanente de que trata o § 5o do art. 7o desta ponsáveis no acompanhamento das atividades
Lei, a implantação dos direitos e objetivos de escolares dos filhos por meio do estreitamento
aprendizagem e desenvolvimento que confi- das relações entre as escolas e as famílias;
gurarão a base nacional comum curricular do
ensino fundamental; 2.10) estimular a oferta do ensino fundamental,
em especial dos anos iniciais, para as popula-
2.3) criar mecanismos para o acompanhamento ções do campo, indígenas e quilombolas, nas
individualizado dos (as) alunos (as) do ensino próprias comunidades;
fundamental;
2.11) desenvolver formas alternativas de oferta
2.4) fortalecer o acompanhamento e o mo- do ensino fundamental, garantida a qualidade,
nitoramento do acesso, da permanência e do para atender aos filhos e filhas de profissionais
aproveitamento escolar dos beneficiários de que se dedicam a atividades de caráter itine-
programas de transferência de renda, bem rante;
como das situações de discriminação, pre-
conceitos e violências na escola, visando ao 2.12) oferecer atividades extracurriculares de
estabelecimento de condições adequadas para o incentivo aos (às) estudantes e de estímulo
sucesso escolar dos (as) alunos (as), em colabo- a habilidades, inclusive mediante certames e
ração com as famílias e com órgãos públicos de concursos nacionais;
assistência social, saúde e proteção à infância,
adolescência e juventude; 2.13) promover atividades de desenvolvimento
e estímulo a habilidades esportivas nas escolas,
2.5) promover a busca ativa de crianças e ado- interligadas a um plano de disseminação do
lescentes fora da escola, em parceria com órgãos desporto educacional e de desenvolvimento
públicos de assistência social, saúde e proteção esportivo nacional.
à infância, adolescência e juventude;
Meta 3:  universalizar, até 2016, o atendimento
2.6) desenvolver tecnologias pedagógicas que escolar para toda a população de 15 (quinze) a
combinem, de maneira articulada, a organiza- 17 (dezessete) anos e elevar, até o final do pe-
ção do tempo e das atividades didáticas entre a ríodo de vigência deste PNE, a taxa líquida de
escola e o ambiente comunitário, considerando matrículas no ensino médio para 85% (oitenta
as especificidades da educação especial, das e cinco por cento).
escolas do campo e das comunidades indígenas
e quilombolas; Estratégias:

2.7) disciplinar, no âmbito dos sistemas de ensi- 3.1) institucionalizar programa nacional de
no, a organização flexível do trabalho pedagógi- renovação do ensino médio, a fim de incen-
co, incluindo adequação do calendário escolar tivar práticas pedagógicas com abordagens
de acordo com a realidade local, a identidade interdisciplinares estruturadas pela relação
Normas correlatas

cultural e as condições climáticas da região; entre teoria e prática, por meio de currículos
escolares que organizem, de maneira flexível e
2.8) promover a relação das escolas com diversificada, conteúdos obrigatórios e eletivos
instituições e movimentos culturais, a fim de articulados em dimensões como ciência, traba-
garantir a oferta regular de atividades culturais lho, linguagens, tecnologia, cultura e esporte,
para a livre fruição dos (as) alunos (as) dentro garantindo-se a aquisição de equipamentos e 65
laboratórios, a produção de material didático possibilitando aferição de conhecimentos e
específico, a formação continuada de professo- habilidades adquiridos dentro e fora da escola,
res e a articulação com instituições acadêmicas, e de avaliação classificatória, como critério de
esportivas e culturais; acesso à educação superior;

3.2) o Ministério da Educação, em articulação e 3.7) fomentar a expansão das matrículas gra-
colaboração com os entes federados e ouvida a tuitas de ensino médio integrado à educação
sociedade mediante consulta pública nacional, profissional, observando-se as peculiaridades
elaborará e encaminhará ao Conselho Nacional das populações do campo, das comunidades
de Educação – CNE, até o 2o (segundo) ano de indígenas e quilombolas e das pessoas com
vigência deste PNE, proposta de direitos e obje- deficiência;
tivos de aprendizagem e desenvolvimento para
os (as) alunos (as) de ensino médio, a serem 3.8) estruturar e fortalecer o acompanhamento
atingidos nos tempos e etapas de organização e o monitoramento do acesso e da permanência
deste nível de ensino, com vistas a garantir dos e das jovens beneficiários (as) de programas
formação básica comum; de transferência de renda, no ensino médio,
quanto à frequência, ao aproveitamento es-
3.3) pactuar entre União, Estados, Distrito colar e à interação com o coletivo, bem como
Federal e Municípios, no âmbito da instância das situações de discriminação, preconceitos e
permanente de que trata o § 5o do art. 7o desta violências, práticas irregulares de exploração do
Lei, a implantação dos direitos e objetivos de trabalho, consumo de drogas, gravidez precoce,
aprendizagem e desenvolvimento que confi- em colaboração com as famílias e com órgãos
gurarão a base nacional comum curricular do públicos de assistência social, saúde e proteção
ensino médio; à adolescência e juventude;

3.4) garantir a fruição de bens e espaços cultu- 3.9) promover a busca ativa da população de 15
rais, de forma regular, bem como a ampliação (quinze) a 17 (dezessete) anos fora da escola,
da prática desportiva, integrada ao currículo em articulação com os serviços de assistência
escolar; social, saúde e proteção à adolescência e à
juventude;
3.5) manter e ampliar programas e ações de
correção de fluxo do ensino fundamental, por 3.10) fomentar programas de educação e de
meio do acompanhamento individualizado cultura para a população urbana e do campo
do (a) aluno (a) com rendimento escolar de- de jovens, na faixa etária de 15 (quinze) a 17
fasado e pela adoção de práticas como aulas (dezessete) anos, e de adultos, com qualificação
de reforço no turno complementar, estudos social e profissional para aqueles que estejam
de recuperação e progressão parcial, de forma fora da escola e com defasagem no fluxo escolar;
a reposicioná-lo no ciclo escolar de maneira
compatível com sua idade; 3.11) redimensionar a oferta de ensino médio
nos turnos diurno e noturno, bem como a
3.6) universalizar o Exame Nacional do Ensino distribuição territorial das escolas de ensino
Médio – ENEM, fundamentado em matriz de médio, de forma a atender a toda a demanda,
referência do conteúdo curricular do ensino de acordo com as necessidades específicas dos
médio e em técnicas estatísticas e psicométricas (as) alunos (as);
Educação básica

que permitam comparabilidade de resultados,


articulando-o com o Sistema Nacional de Ava- 3.12) desenvolver formas alternativas de oferta
liação da Educação Básica – SAEB, e promover do ensino médio, garantida a qualidade, para
sua utilização como instrumento de avaliação atender aos filhos e filhas de profissionais que
sistêmica, para subsidiar políticas públicas para se dedicam a atividades de caráter itinerante;
66 a educação básica, de avaliação certificadora,
3.13) implementar políticas de prevenção à ção continuada de professores e professoras
evasão motivada por preconceito ou quaisquer para o atendimento educacional especializado
formas de discriminação, criando rede de pro- nas escolas urbanas, do campo, indígenas e de
teção contra formas associadas de exclusão; comunidades quilombolas;

3.14) estimular a participação dos adolescentes 4.4) garantir atendimento educacional especi-
nos cursos das áreas tecnológicas e científicas. alizado em salas de recursos multifuncionais,
classes, escolas ou serviços especializados,
Meta 4:  universalizar, para a população de 4 públicos ou conveniados, nas formas comple-
(quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, mentar e suplementar, a todos (as) alunos (as)
transtornos globais do desenvolvimento e altas com deficiência, transtornos globais do desen-
habilidades ou superdotação, o acesso à educa- volvimento e altas habilidades ou superdotação,
ção básica e ao atendimento educacional espe- matriculados na rede pública de educação
cializado, preferencialmente na rede regular de básica, conforme necessidade identificada por
ensino, com a garantia de sistema educacional meio de avaliação, ouvidos a família e o aluno;
inclusivo, de salas de recursos multifuncionais,
classes, escolas ou serviços especializados, pú- 4.5) estimular a criação de centros multidisci-
blicos ou conveniados. plinares de apoio, pesquisa e assessoria, articu-
lados com instituições acadêmicas e integrados
Estratégias: por profissionais das áreas de saúde, assistência
social, pedagogia e psicologia, para apoiar
4.1) contabilizar, para fins do repasse do Fundo o trabalho dos (as) professores da educação
de Manutenção e Desenvolvimento da Educa- básica com os (as) alunos (as) com deficiência,
ção Básica e de Valorização dos Profissionais transtornos globais do desenvolvimento e altas
da Educação – FUNDEB, as matrículas dos habilidades ou superdotação;
(as) estudantes da educação regular da rede
pública que recebam atendimento educacional 4.6) manter e ampliar programas suplementares
especializado complementar e suplementar, que promovam a acessibilidade nas instituições
sem prejuízo do cômputo dessas matrículas públicas, para garantir o acesso e a permanência
na educação básica regular, e as matrículas dos (as) alunos (as) com deficiência por meio
efetivadas, conforme o censo escolar mais da adequação arquitetônica, da oferta de trans-
atualizado, na educação especial oferecida em porte acessível e da disponibilização de material
instituições comunitárias, confessionais ou didático próprio e de recursos de tecnologia
filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas assistiva, assegurando, ainda, no contexto es-
com o poder público e com atuação exclusiva colar, em todas as etapas, níveis e modalidades
na modalidade, nos termos da Lei no 11.494, de de ensino, a identificação dos (as) alunos (as)
20 de junho de 2007; com altas habilidades ou superdotação;

4.2) promover, no prazo de vigência deste PNE, 4.7) garantir a oferta de educação bilíngue, em
a universalização do atendimento escolar à Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS como
demanda manifesta pelas famílias de crianças primeira língua e na modalidade escrita da Lín-
de 0 (zero) a 3 (três) anos com deficiência, gua Portuguesa como segunda língua, aos (às)
transtornos globais do desenvolvimento e altas alunos (as) surdos e com deficiência auditiva
habilidades ou superdotação, observado o que de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos, em escolas
Normas correlatas

dispõe a Lei no  9.394, de 20 de dezembro de e classes bilíngues e em escolas inclusivas, nos
1996, que estabelece as diretrizes e bases da termos do art. 22 do Decreto no 5.626, de 22
educação nacional; de dezembro de 2005, e dos arts.  24 e 30 da
Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
4.3) implantar, ao longo deste PNE, salas de Deficiência, bem como a adoção do Sistema
recursos multifuncionais e fomentar a forma- Braille de leitura para cegos e surdos-cegos; 67
4.8) garantir a oferta de educação inclusiva, ve- tória, de forma a assegurar a atenção integral
dada a exclusão do ensino regular sob alegação ao longo da vida;
de deficiência e promovida a articulação peda-
gógica entre o ensino regular e o atendimento 4.13) apoiar a ampliação das equipes de profis-
educacional especializado; sionais da educação para atender à demanda
do processo de escolarização dos (das) estu-
4.9) fortalecer o acompanhamento e o moni- dantes com deficiência, transtornos globais
toramento do acesso à escola e ao atendimento do desenvolvimento e altas habilidades ou su-
educacional especializado, bem como da per- perdotação, garantindo a oferta de professores
manência e do desenvolvimento escolar dos (as) do atendimento educacional especializado,
(as) alunos (as) com deficiência, transtornos profissionais de apoio ou auxiliares, tradutores
globais do desenvolvimento e altas habilidades (as) e intérpretes de Libras, guias-intérpretes
ou superdotação beneficiários (as) de progra- para surdos-cegos, professores de Libras, pri-
mas de transferência de renda, juntamente oritariamente surdos, e professores bilíngues;
com o combate às situações de discriminação,
preconceito e violência, com vistas ao estabele- 4.14) definir, no segundo ano de vigência deste
cimento de condições adequadas para o sucesso PNE, indicadores de qualidade e política de
educacional, em colaboração com as famílias avaliação e supervisão para o funcionamento
e com os órgãos públicos de assistência social, de instituições públicas e privadas que pres-
saúde e proteção à infância, à adolescência e à tam atendimento a alunos com deficiência,
juventude; transtornos globais do desenvolvimento e altas
habilidades ou superdotação;
4.10) fomentar pesquisas voltadas para o de-
senvolvimento de metodologias, materiais di- 4.15) promover, por iniciativa do Ministério
dáticos, equipamentos e recursos de tecnologia da Educação, nos órgãos de pesquisa, demo-
assistiva, com vistas à promoção do ensino e grafia e estatística competentes, a obtenção de
da aprendizagem, bem como das condições de informação detalhada sobre o perfil das pessoas
acessibilidade dos (as) estudantes com deficiên- com deficiência, transtornos globais do desen-
cia, transtornos globais do desenvolvimento e volvimento e altas habilidades ou superdotação
altas habilidades ou superdotação; de 0 (zero) a 17 (dezessete) anos;

4.11) promover o desenvolvimento de pes- 4.16) incentivar a inclusão nos cursos de licen-
quisas interdisciplinares para subsidiar a ciatura e nos demais cursos de formação para
formulação de políticas públicas intersetoriais profissionais da educação, inclusive em nível
que atendam as especificidades educacionais de pós-graduação, observado o disposto no
de estudantes com deficiência, transtornos caput do art. 207 da Constituição Federal, dos
globais do desenvolvimento e altas habilidades referenciais teóricos, das teorias de aprendiza-
ou superdotação que requeiram medidas de gem e dos processos de ensino-aprendizagem
atendimento especializado; relacionados ao atendimento educacional de
alunos com deficiência, transtornos globais
4.12) promover a articulação intersetorial entre do desenvolvimento e altas habilidades ou
órgãos e políticas públicas de saúde, assistência superdotação;
social e direitos humanos, em parceria com as
famílias, com o fim de desenvolver modelos 4.17) promover parcerias com instituições co-
Educação básica

de atendimento voltados à continuidade do munitárias, confessionais ou filantrópicas sem


atendimento escolar, na educação de jovens e fins lucrativos, conveniadas com o poder públi-
adultos, das pessoas com deficiência e trans- co, visando a ampliar as condições de apoio ao
tornos globais do desenvolvimento com idade atendimento escolar integral das pessoas com
superior à faixa etária de escolarização obriga- deficiência, transtornos globais do desenvol-
68
vimento e altas habilidades ou superdotação tas pedagógicas, bem como o acompanhamento
matriculadas nas redes públicas de ensino; dos resultados nos sistemas de ensino em que
forem aplicadas, devendo ser disponibilizadas,
4.18) promover parcerias com instituições preferencialmente, como recursos educacionais
comunitárias, confessionais ou filantrópicas abertos;
sem fins lucrativos, conveniadas com o poder
público, visando a ampliar a oferta de formação 5.4) fomentar o desenvolvimento de tecnolo-
continuada e a produção de material didático gias educacionais e de práticas pedagógicas
acessível, assim como os serviços de acessibili- inovadoras que assegurem a alfabetização
dade necessários ao pleno acesso, participação e favoreçam a melhoria do fluxo escolar e a
e aprendizagem dos estudantes com deficiência, aprendizagem dos (as) alunos (as), conside-
transtornos globais do desenvolvimento e altas radas as diversas abordagens metodológicas e
habilidades ou superdotação matriculados na sua efetividade;
rede pública de ensino;
5.5) apoiar a alfabetização de crianças do cam-
4.19) promover parcerias com instituições po, indígenas, quilombolas e de populações
comunitárias, confessionais ou filantrópicas itinerantes, com a produção de materiais di-
sem fins lucrativos, conveniadas com o poder dáticos específicos, e desenvolver instrumentos
público, a fim de favorecer a participação das de acompanhamento que considerem o uso da
famílias e da sociedade na construção do sis- língua materna pelas comunidades indígenas
tema educacional inclusivo. e a identidade cultural das comunidades qui-
lombolas;
Meta 5:  alfabetizar todas as crianças, no máxi-
mo, até o final do 3o (terceiro) ano do ensino 5.6) promover e estimular a formação inicial e
fundamental. continuada de professores (as) para a alfabetiza-
ção de crianças, com o conhecimento de novas
Estratégias: tecnologias educacionais e práticas pedagógicas
inovadoras, estimulando a articulação entre
5.1) estruturar os processos pedagógicos de programas de pós-graduação stricto sensu e
alfabetização, nos anos iniciais do ensino fun- ações de formação continuada de professores
damental, articulando-os com as estratégias (as) para a alfabetização;
desenvolvidas na pré-escola, com qualificação
e valorização dos (as) professores (as) alfabeti- 5.7) apoiar a alfabetização das pessoas com de-
zadores e com apoio pedagógico específico, a ficiência, considerando as suas especificidades,
fim de garantir a alfabetização plena de todas inclusive a alfabetização bilíngue de pessoas
as crianças; surdas, sem estabelecimento de terminalidade
temporal.
5.2) instituir instrumentos de avaliação na-
cional periódicos e específicos para aferir a Meta 6:  oferecer educação em tempo integral
alfabetização das crianças, aplicados a cada ano, em, no mínimo, 50% (cinquenta por cento)
bem como estimular os sistemas de ensino e as das escolas públicas, de forma a atender, pelo
escolas a criarem os respectivos instrumentos menos, 25% (vinte e cinco por cento) dos (as)
de avaliação e monitoramento, implementando alunos (as) da educação básica.
medidas pedagógicas para alfabetizar todos os
Normas correlatas

alunos e alunas até o final do terceiro ano do Estratégias:


ensino fundamental;
6.1) promover, com o apoio da União, a oferta
5.3) selecionar, certificar e divulgar tecnologias de educação básica pública em tempo integral,
educacionais para a alfabetização de crianças, por meio de atividades de acompanhamento
assegurada a diversidade de métodos e propos- pedagógico e multidisciplinares, inclusive cul- 69
turais e esportivas, de forma que o tempo de 6.6) orientar a aplicação da gratuidade de que
permanência dos (as) alunos (as) na escola, ou trata o art. 13 da Lei no 12.101, de 27 de no-
sob sua responsabilidade, passe a ser igual ou vembro de 2009, em atividades de ampliação
superior a 7 (sete) horas diárias durante todo da jornada escolar de alunos (as) das escolas
o ano letivo, com a ampliação progressiva da da rede pública de educação básica, de forma
jornada de professores em uma única escola; concomitante e em articulação com a rede
pública de ensino;
6.2) instituir, em regime de colaboração, pro-
grama de construção de escolas com padrão 6.7) atender às escolas do campo e de comu-
arquitetônico e de mobiliário adequado para nidades indígenas e quilombolas na oferta de
atendimento em tempo integral, prioritaria- educação em tempo integral, com base em
mente em comunidades pobres ou com crianças consulta prévia e informada, considerando-se
em situação de vulnerabilidade social; as peculiaridades locais;

6.3) institucionalizar e manter, em regime de 6.8) garantir a educação em tempo integral para
colaboração, programa nacional de ampliação pessoas com deficiência, transtornos globais
e reestruturação das escolas públicas, por meio do desenvolvimento e altas habilidades ou
da instalação de quadras poliesportivas, labo- superdotação na faixa etária de 4 (quatro) a
ratórios, inclusive de informática, espaços para 17 (dezessete) anos, assegurando atendimento
atividades culturais, bibliotecas, auditórios, educacional especializado complementar e
cozinhas, refeitórios, banheiros e outros equi- suplementar ofertado em salas de recursos
pamentos, bem como da produção de material multifuncionais da própria escola ou em insti-
didático e da formação de recursos humanos tuições especializadas;
para a educação em tempo integral;
6.9) adotar medidas para otimizar o tempo
6.4) fomentar a articulação da escola com os de permanência dos alunos na escola, direci-
diferentes espaços educativos, culturais e es- onando a expansão da jornada para o efetivo
portivos e com equipamentos públicos, como trabalho escolar, combinado com atividades
centros comunitários, bibliotecas, praças, par- recreativas, esportivas e culturais.
ques, museus, teatros, cinemas e planetários;
Meta 7:  fomentar a qualidade da educação
6.5) estimular a oferta de atividades voltadas à básica em todas as etapas e modalidades, com
ampliação da jornada escolar de alunos (as) ma- melhoria do fluxo escolar e da aprendizagem de
triculados nas escolas da rede pública de edu- modo a atingir as seguintes médias nacionais
cação básica por parte das entidades privadas para o IDEB:
de serviço social vinculadas ao sistema sindical,
de forma concomitante e em articulação com a
rede pública de ensino;

IDEB 2015 2017 2019 2021


Anos iniciais do ensino fundamental 5,2 5,5 5,7 6,0

Anos finais do ensino fundamental 4,7 5,0 5,2 5,5


Educação básica

Ensino médio 4,3 4,7 5,0 5,2

70
Estratégias: 7.5) formalizar e executar os planos de ações
articuladas dando cumprimento às metas de
7.1) estabelecer e implantar, mediante pactua- qualidade estabelecidas para a educação bási-
ção interfederativa, diretrizes pedagógicas para ca pública e às estratégias de apoio técnico e
a educação básica e a base nacional comum financeiro voltadas à melhoria da gestão educa-
dos currículos, com direitos e objetivos de cional, à formação de professores e professoras
aprendizagem e desenvolvimento dos (as) alu- e profissionais de serviços e apoio escolares, à
nos (as) para cada ano do ensino fundamental ampliação e ao desenvolvimento de recursos
e médio, respeitada a diversidade regional, pedagógicos e à melhoria e expansão da infra-
estadual e local; estrutura física da rede escolar;

7.2) assegurar que: 7.6) associar a prestação de assistência técnica


financeira à fixação de metas intermediárias,
a)  no quinto ano de vigência deste PNE, pelo nos termos estabelecidos conforme pactuação
menos 70% (setenta por cento) dos (as) alunos voluntária entre os entes, priorizando sistemas
(as) do ensino fundamental e do ensino médio e redes de ensino com IDEB abaixo da média
tenham alcançado nível suficiente de apren- nacional;
dizado em relação aos direitos e objetivos de
aprendizagem e desenvolvimento de seu ano 7.7) aprimorar continuamente os instrumentos
de estudo, e 50% (cinquenta por cento), pelo de avaliação da qualidade do ensino fundamen-
menos, o nível desejável; tal e médio, de forma a englobar o ensino de
ciências nos exames aplicados nos anos finais
b)  no último ano de vigência deste PNE, todos do ensino fundamental, e incorporar o Exame
os (as) estudantes do ensino fundamental e do Nacional do Ensino Médio, assegurada a sua
ensino médio tenham alcançado nível sufici- universalização, ao sistema de avaliação da
ente de aprendizado em relação aos direitos e educação básica, bem como apoiar o uso dos
objetivos de aprendizagem e desenvolvimento resultados das avaliações nacionais pelas esco-
de seu ano de estudo, e 80% (oitenta por cento), las e redes de ensino para a melhoria de seus
pelo menos, o nível desejável; processos e práticas pedagógicas;

7.3) constituir, em colaboração entre a União, os 7.8) desenvolver indicadores específicos de


Estados, o Distrito Federal e os Municípios, um avaliação da qualidade da educação especial,
conjunto nacional de indicadores de avaliação bem como da qualidade da educação bilíngue
institucional com base no perfil do alunado para surdos;
e do corpo de profissionais da educação, nas
condições de infraestrutura das escolas, nos 7.9) orientar as políticas das redes e sistemas de
recursos pedagógicos disponíveis, nas carac- ensino, de forma a buscar atingir as metas do
terísticas da gestão e em outras dimensões IDEB, diminuindo a diferença entre as escolas
relevantes, considerando as especificidades das com os menores índices e a média nacional,
modalidades de ensino; garantindo equidade da aprendizagem e redu-
zindo pela metade, até o último ano de vigência
7.4) induzir processo contínuo de autoavaliação deste PNE, as diferenças entre as médias dos
das escolas de educação básica, por meio da índices dos Estados, inclusive do Distrito Fe-
constituição de instrumentos de avaliação que deral, e dos Municípios;
Normas correlatas

orientem as dimensões a serem fortalecidas,


destacando-se a elaboração de planejamento 7.10) fixar, acompanhar e divulgar bienalmente
estratégico, a melhoria contínua da qualidade os resultados pedagógicos dos indicadores do
educacional, a formação continuada dos (as) sistema nacional de avaliação da educação
profissionais da educação e o aprimoramento básica e do IDEB, relativos às escolas, às redes
da gestão democrática; públicas de educação básica e aos sistemas 71
de ensino da União, dos Estados, do Distrito 7.11) melhorar o desempenho dos alunos da
Federal e dos Municípios, assegurando a con- educação básica nas avaliações da aprendiza-
textualização desses resultados, com relação a gem no Programa Internacional de Avaliação
indicadores sociais relevantes, como os de nível de Estudantes – PISA, tomado como instru-
socioeconômico das famílias dos (as) alunos mento externo de referência, internacional-
(as), e a transparência e o acesso público às mente reconhecido, de acordo com as seguintes
informações técnicas de concepção e operação projeções:
do sistema de avaliação;

PISA 2015 2018 2021

Média dos resultados em matemática, leitura e ciências 438 455 473

7.12) incentivar o desenvolvimento, selecionar, putador/aluno (a) nas escolas da rede pública
certificar e divulgar tecnologias educacionais de educação básica, promovendo a utilização
para a educação infantil, o ensino fundamental pedagógica das tecnologias da informação e da
e o ensino médio e incentivar práticas pedagó- comunicação;
gicas inovadoras que assegurem a melhoria do
fluxo escolar e a aprendizagem, assegurada a 7.16) apoiar técnica e financeiramente a gestão
diversidade de métodos e propostas pedagó- escolar mediante transferência direta de recur-
gicas, com preferência para softwares livres e sos financeiros à escola, garantindo a participa-
recursos educacionais abertos, bem como o ção da comunidade escolar no planejamento e
acompanhamento dos resultados nos sistemas na aplicação dos recursos, visando à ampliação
de ensino em que forem aplicadas; da transparência e ao efetivo desenvolvimento
da gestão democrática;
7.13) garantir transporte gratuito para todos
(as) os (as) estudantes da educação do campo 7.17) ampliar programas e aprofundar ações de
na faixa etária da educação escolar obrigatória, atendimento ao (à) aluno (a), em todas as etapas
mediante renovação e padronização integral da da educação básica, por meio de programas
frota de veículos, de acordo com especificações suplementares de material didático-escolar,
definidas pelo Instituto Nacional de Metrologia, transporte, alimentação e assistência à saúde;
Qualidade e Tecnologia – INMETRO, e finan-
ciamento compartilhado, com participação da 7.18) assegurar a todas as escolas públicas de
União proporcional às necessidades dos entes educação básica o acesso a energia elétrica,
federados, visando a reduzir a evasão escolar abastecimento de água tratada, esgotamento
e o tempo médio de deslocamento a partir de sanitário e manejo dos resíduos sólidos, ga-
cada situação local; rantir o acesso dos alunos a espaços para a
prática esportiva, a bens culturais e artísticos e
7.14) desenvolver pesquisas de modelos a equipamentos e laboratórios de ciências e, em
alternativos de atendimento escolar para a cada edifício escolar, garantir a acessibilidade
população do campo que considerem as espe- às pessoas com deficiência;
cificidades locais e as boas práticas nacionais e
Educação básica

internacionais; 7.19) institucionalizar e manter, em regime de


colaboração, programa nacional de reestrutu-
7.15) universalizar, até o quinto ano de vigência ração e aquisição de equipamentos para escolas
deste PNE, o acesso à rede mundial de com- públicas, visando à equalização regional das
putadores em banda larga de alta velocidade e oportunidades educacionais;
72 triplicar, até o final da década, a relação com-
7.20) prover equipamentos e recursos tecnoló- diretrizes curriculares nacionais, por meio de
gicos digitais para a utilização pedagógica no ações colaborativas com fóruns de educação
ambiente escolar a todas as escolas públicas da para a diversidade étnico-racial, conselhos es-
educação básica, criando, inclusive, mecanis- colares, equipes pedagógicas e a sociedade civil;
mos para implementação das condições neces-
sárias para a universalização das bibliotecas nas 7.26) consolidar a educação escolar no campo
instituições educacionais, com acesso a redes de populações tradicionais, de populações
digitais de computadores, inclusive a internet; itinerantes e de comunidades indígenas e
quilombolas, respeitando a articulação en-
7.21) a União, em regime de colaboração com tre os ambientes escolares e comunitários e
os entes federados subnacionais, estabelecerá, garantindo: o desenvolvimento sustentável e
no prazo de 2 (dois) anos contados da publi- preservação da identidade cultural; a partici-
cação desta Lei, parâmetros mínimos de quali- pação da comunidade na definição do modelo
dade dos serviços da educação básica, a serem de organização pedagógica e de gestão das
utilizados como referência para infraestrutura instituições, consideradas as práticas sociocul-
das escolas, recursos pedagógicos, entre outros turais e as formas particulares de organização
insumos relevantes, bem como instrumento do tempo; a oferta bilíngue na educação infantil
para adoção de medidas para a melhoria da e nos anos iniciais do ensino fundamental, em
qualidade do ensino; língua materna das comunidades indígenas
e em língua portuguesa; a reestruturação e a
7.22) informatizar integralmente a gestão das aquisição de equipamentos; a oferta de pro-
escolas públicas e das secretarias de educação grama para a formação inicial e continuada de
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí- profissionais da educação; e o atendimento em
pios, bem como manter programa nacional de educação especial;
formação inicial e continuada para o pessoal
técnico das secretarias de educação; 7.27) desenvolver currículos e propostas peda-
gógicas específicas para educação escolar para
7.23) garantir políticas de combate à violência as escolas do campo e para as comunidades
na escola, inclusive pelo desenvolvimento de indígenas e quilombolas, incluindo os conte-
ações destinadas à capacitação de educadores údos culturais correspondentes às respectivas
para detecção dos sinais de suas causas, como comunidades e considerando o fortalecimento
a violência doméstica e sexual, favorecendo das práticas socioculturais e da língua materna
a adoção das providências adequadas para de cada comunidade indígena, produzindo
promover a construção da cultura de paz e um e disponibilizando materiais didáticos espe-
ambiente escolar dotado de segurança para a cíficos, inclusive para os (as) alunos (as) com
comunidade; deficiência;

7.24) implementar políticas de inclusão e per- 7.28) mobilizar as famílias e setores da socie-
manência na escola para adolescentes e jovens dade civil, articulando a educação formal com
que se encontram em regime de liberdade experiências de educação popular e cidadã, com
assistida e em situação de rua, assegurando os os propósitos de que a educação seja assumida
princípios da Lei no 8.069, de 13 de julho de como responsabilidade de todos e de ampliar
1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente; o controle social sobre o cumprimento das
políticas públicas educacionais;
Normas correlatas

7.25) garantir nos currículos escolares conteú-


dos sobre a história e as culturas afro-brasileira 7.29) promover a articulação dos programas da
e indígenas e implementar ações educacionais, área da educação, de âmbito local e nacional,
nos termos das Leis nos 10.639, de 9 de janeiro com os de outras áreas, como saúde, trabalho
de 2003, e 11.645, de 10 de março de 2008, as- e emprego, assistência social, esporte e cultura,
segurando-se a implementação das respectivas possibilitando a criação de rede de apoio inte- 73
gral às famílias, como condição para a melhoria modo a valorizar o mérito do corpo docente,
da qualidade educacional; da direção e da comunidade escolar.

7.30) universalizar, mediante articulação entre Meta 8:  elevar a escolaridade média da popula-
os órgãos responsáveis pelas áreas da saúde e ção de 18 (dezoito) a 29 (vinte e nove) anos, de
da educação, o atendimento aos (às) estudan- modo a alcançar, no mínimo, 12 (doze) anos de
tes da rede escolar pública de educação básica estudo no último ano de vigência deste Plano,
por meio de ações de prevenção, promoção e para as populações do campo, da região de
atenção à saúde; menor escolaridade no País e dos 25% (vinte
e cinco por cento) mais pobres, e igualar a
7.31) estabelecer ações efetivas especificamente escolaridade média entre negros e não negros
voltadas para a promoção, prevenção, atenção declarados à Fundação Instituto Brasileiro de
e atendimento à saúde e à integridade física, Geografia e Estatística – IBGE.
mental e emocional dos (das) profissionais da
educação, como condição para a melhoria da Estratégias:
qualidade educacional;
8.1) institucionalizar programas e desenvolver
7.32) fortalecer, com a colaboração técnica tecnologias para correção de fluxo, para acom-
e financeira da União, em articulação com o panhamento pedagógico individualizado e para
sistema nacional de avaliação, os sistemas es- recuperação e progressão parcial, bem como
taduais de avaliação da educação básica, com priorizar estudantes com rendimento escolar
participação, por adesão, das redes municipais defasado, considerando as especificidades dos
de ensino, para orientar as políticas públicas e segmentos populacionais considerados;
as práticas pedagógicas, com o fornecimento
das informações às escolas e à sociedade; 8.2) implementar programas de educação de
jovens e adultos para os segmentos populacio-
7.33) promover, com especial ênfase, em con- nais considerados, que estejam fora da escola e
sonância com as diretrizes do Plano Nacional com defasagem idade-série, associados a outras
do Livro e da Leitura, a formação de leitores e estratégias que garantam a continuidade da
leitoras e a capacitação de professores e profes- escolarização, após a alfabetização inicial;
soras, bibliotecários e bibliotecárias e agentes
da comunidade para atuar como mediadores e 8.3) garantir acesso gratuito a exames de certi-
mediadoras da leitura, de acordo com a espe- ficação da conclusão dos ensinos fundamental
cificidade das diferentes etapas do desenvolvi- e médio;
mento e da aprendizagem;
8.4) expandir a oferta gratuita de educação
7.34) instituir, em articulação com os Estados, profissional técnica por parte das entidades
os Municípios e o Distrito Federal, programa privadas de serviço social e de formação profis-
nacional de formação de professores e pro- sional vinculadas ao sistema sindical, de forma
fessoras e de alunos e alunas para promover e concomitante ao ensino ofertado na rede esco-
consolidar política de preservação da memória lar pública, para os segmentos populacionais
nacional; considerados;

7.35) promover a regulação da oferta da edu- 8.5) promover, em parceria com as áreas de
Educação básica

cação básica pela iniciativa privada, de forma saúde e assistência social, o acompanhamento e
a garantir a qualidade e o cumprimento da o monitoramento do acesso à escola específicos
função social da educação; para os segmentos populacionais considerados,
identificar motivos de absenteísmo e colaborar
7.36) estabelecer políticas de estímulo às escolas com os Estados, o Distrito Federal e os Muni-
74 que melhorarem o desempenho no IDEB, de cípios para a garantia de frequência e apoio à
aprendizagem, de maneira a estimular a ampli- de programas suplementares de transporte,
ação do atendimento desses (as) estudantes na alimentação e saúde, inclusive atendimento of-
rede pública regular de ensino; talmológico e fornecimento gratuito de óculos,
em articulação com a área da saúde;
8.6) promover busca ativa de jovens fora da
escola pertencentes aos segmentos populacio- 9.8) assegurar a oferta de educação de jovens
nais considerados, em parceria com as áreas de e adultos, nas etapas de ensino fundamental
assistência social, saúde e proteção à juventude. e médio, às pessoas privadas de liberdade em
todos os estabelecimentos penais, assegurando-
Meta 9: elevar a taxa de alfabetização da po- se formação específica dos professores e das
pulação com 15 (quinze) anos ou mais para professoras e implementação de diretrizes
93,5% (noventa e três inteiros e cinco décimos nacionais em regime de colaboração;
por cento) até 2015 e, até o final da vigência
deste PNE, erradicar o analfabetismo absoluto 9.9) apoiar técnica e financeiramente projetos
e reduzir em 50% (cinquenta por cento) a taxa inovadores na educação de jovens e adultos
de analfabetismo funcional. que visem ao desenvolvimento de modelos
adequados às necessidades específicas desses
Estratégias: (as) alunos (as);

9.1) assegurar a oferta gratuita da educação de 9.10) estabelecer mecanismos e incentivos que
jovens e adultos a todos os que não tiveram integrem os segmentos empregadores, públicos
acesso à educação básica na idade própria; e privados, e os sistemas de ensino, para promo-
ver a compatibilização da jornada de trabalho
9.2) realizar diagnóstico dos jovens e adultos dos empregados e das empregadas com a oferta
com ensino fundamental e médio incompletos, das ações de alfabetização e de educação de
para identificar a demanda ativa por vagas na jovens e adultos;
educação de jovens e adultos;
9.11) implementar programas de capacitação
9.3) implementar ações de alfabetização de tecnológica da população jovem e adulta, dire-
jovens e adultos com garantia de continuidade cionados para os segmentos com baixos níveis
da escolarização básica; de escolarização formal e para os (as) alunos
(as) com deficiência, articulando os sistemas de
9.4) criar benefício adicional no programa ensino, a Rede Federal de Educação Profissio-
nacional de transferência de renda para jovens nal, Científica e Tecnológica, as universidades,
e adultos que frequentarem cursos de alfabe- as cooperativas e as associações, por meio de
tização; ações de extensão desenvolvidas em centros
vocacionais tecnológicos, com tecnologias as-
9.5) realizar chamadas públicas regulares para sistivas que favoreçam a efetiva inclusão social
educação de jovens e adultos, promovendo-se e produtiva dessa população;
busca ativa em regime de colaboração entre
entes federados e em parceria com organizações 9.12) considerar, nas políticas públicas de jo-
da sociedade civil; vens e adultos, as necessidades dos idosos, com
vistas à promoção de políticas de erradicação
9.6) realizar avaliação, por meio de exames do analfabetismo, ao acesso a tecnologias edu-
Normas correlatas

específicos, que permita aferir o grau de alfa- cacionais e atividades recreativas, culturais e
betização de jovens e adultos com mais de 15 esportivas, à implementação de programas de
(quinze) anos de idade; valorização e compartilhamento dos conheci-
mentos e experiência dos idosos e à inclusão
9.7) executar ações de atendimento ao (à) estu- dos temas do envelhecimento e da velhice nas
dante da educação de jovens e adultos por meio escolas. 75
Meta 10:  oferecer, no mínimo, 25% (vinte e nia, de forma a organizar o tempo e o espaço
cinco por cento) das matrículas de educação pedagógicos adequados às características desses
de jovens e adultos, nos ensinos fundamental alunos e alunas;
e médio, na forma integrada à educação pro-
fissional. 10.7) fomentar a produção de material didático,
o desenvolvimento de currículos e metodolo-
Estratégias: gias específicas, os instrumentos de avaliação,
o acesso a equipamentos e laboratórios e a
10.1) manter programa nacional de educação formação continuada de docentes das redes
de jovens e adultos voltado à conclusão do públicas que atuam na educação de jovens e
ensino fundamental e à formação profissional adultos articulada à educação profissional;
inicial, de forma a estimular a conclusão da
educação básica; 10.8) fomentar a oferta pública de formação
inicial e continuada para trabalhadores e tra-
10.2) expandir as matrículas na educação de balhadoras articulada à educação de jovens e
jovens e adultos, de modo a articular a forma- adultos, em regime de colaboração e com apoio
ção inicial e continuada de trabalhadores com de entidades privadas de formação profissional
a educação profissional, objetivando a elevação vinculadas ao sistema sindical e de entidades
do nível de escolaridade do trabalhador e da sem fins lucrativos de atendimento à pessoa
trabalhadora; com deficiência, com atuação exclusiva na
modalidade;
10.3) fomentar a integração da educação de
jovens e adultos com a educação profissional, 10.9) institucionalizar programa nacional de
em cursos planejados, de acordo com as carac- assistência ao estudante, compreendendo ações
terísticas do público da educação de jovens e de assistência social, financeira e de apoio psi-
adultos e considerando as especificidades das copedagógico que contribuam para garantir
populações itinerantes e do campo e das comu- o acesso, a permanência, a aprendizagem e a
nidades indígenas e quilombolas, inclusive na conclusão com êxito da educação de jovens
modalidade de educação a distância; e adultos articulada à educação profissional;

10.4) ampliar as oportunidades profissionais 10.10) orientar a expansão da oferta de educa-


dos jovens e adultos com deficiência e baixo ção de jovens e adultos articulada à educação
nível de escolaridade, por meio do acesso à profissional, de modo a atender às pessoas pri-
educação de jovens e adultos articulada à edu- vadas de liberdade nos estabelecimentos penais,
cação profissional; assegurando-se formação específica dos pro-
fessores e das professoras e implementação de
10.5) implantar programa nacional de reestru- diretrizes nacionais em regime de colaboração;
turação e aquisição de equipamentos voltados à
expansão e à melhoria da rede física de escolas 10.11) implementar mecanismos de reconhe-
públicas que atuam na educação de jovens cimento de saberes dos jovens e adultos traba-
e adultos integrada à educação profissional, lhadores, a serem considerados na articulação
garantindo acessibilidade à pessoa com defi- curricular dos cursos de formação inicial e con-
ciência; tinuada e dos cursos técnicos de nível médio.
Educação básica

10.6) estimular a diversificação curricular da Meta 11:  triplicar as matrículas da educação


educação de jovens e adultos, articulando a profissional técnica de nível médio, assegu-
formação básica e a preparação para o mundo rando a qualidade da oferta e pelo menos
do trabalho e estabelecendo inter-relações 50% (cinquenta por cento) da expansão no
entre teoria e prática, nos eixos da ciência, do segmento público.
76 trabalho, da tecnologia e da cultura e cidada-
Estratégias: de nível médio das redes escolares públicas e
privadas;
11.1) expandir as matrículas de educação
profissional técnica de nível médio na Rede 11.9) expandir o atendimento do ensino médio
Federal de Educação Profissional, Científica gratuito integrado à formação profissional para
e Tecnológica, levando em consideração a as populações do campo e para as comunidades
responsabilidade dos Institutos na ordenação indígenas e quilombolas, de acordo com os seus
territorial, sua vinculação com arranjos produ- interesses e necessidades;
tivos, sociais e culturais locais e regionais, bem
como a interiorização da educação profissional; 11.10) expandir a oferta de educação profissio-
nal técnica de nível médio para as pessoas com
11.2) fomentar a expansão da oferta de edu- deficiência, transtornos globais do desenvol-
cação profissional técnica de nível médio nas vimento e altas habilidades ou superdotação;
redes públicas estaduais de ensino;
11.11) elevar gradualmente a taxa de conclusão
11.3) fomentar a expansão da oferta de edu- média dos cursos técnicos de nível médio na
cação profissional técnica de nível médio na Rede Federal de Educação Profissional, Ci-
modalidade de educação a distância, com a entífica e Tecnológica para 90% (noventa por
finalidade de ampliar a oferta e democratizar cento) e elevar, nos cursos presenciais, a relação
o acesso à educação profissional pública e gra- de alunos (as) por professor para 20 (vinte);
tuita, assegurado padrão de qualidade;
11.12) elevar gradualmente o investimento em
11.4) estimular a expansão do estágio na programas de assistência estudantil e mecanis-
educação profissional técnica de nível médio mos de mobilidade acadêmica, visando a ga-
e do ensino médio regular, preservando-se rantir as condições necessárias à permanência
seu caráter pedagógico integrado ao itinerário dos (as) estudantes e à conclusão dos cursos
formativo do aluno, visando à formação de técnicos de nível médio;
qualificações próprias da atividade profissional,
à contextualização curricular e ao desenvolvi- 11.13) reduzir as desigualdades étnico-raciais e
mento da juventude; regionais no acesso e permanência na educação
profissional técnica de nível médio, inclusive
11.5) ampliar a oferta de programas de reco- mediante a adoção de políticas afirmativas, na
nhecimento de saberes para fins de certificação forma da lei;
profissional em nível técnico;
11.14) estruturar sistema nacional de infor-
11.6) ampliar a oferta de matrículas gratui- mação profissional, articulando a oferta de
tas de educação profissional técnica de nível formação das instituições especializadas em
médio pelas entidades privadas de formação educação profissional aos dados do mercado de
profissional vinculadas ao sistema sindical e trabalho e a consultas promovidas em entidades
entidades sem fins lucrativos de atendimento à empresariais e de trabalhadores
pessoa com deficiência, com atuação exclusiva
na modalidade; Meta 12:  elevar a taxa bruta de matrícula na
educação superior para 50% (cinquenta por
11.7) expandir a oferta de financiamento estu- cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três
Normas correlatas

dantil à educação profissional técnica de nível por cento) da população de 18 (dezoito) a 24


médio oferecida em instituições privadas de (vinte e quatro) anos, assegurada a qualidade
educação superior; da oferta e expansão para, pelo menos, 40%
(quarenta por cento) das novas matrículas, no
11.8) institucionalizar sistema de avaliação segmento público.
da qualidade da educação profissional técnica 77
Estratégias: e de estudantes com deficiência, transtornos
globais do desenvolvimento e altas habilidades
12.1) otimizar a capacidade instalada da estru- ou superdotação, de forma a apoiar seu sucesso
tura física e de recursos humanos das institui- acadêmico;
ções públicas de educação superior, mediante
ações planejadas e coordenadas, de forma a 12.6) expandir o financiamento estudantil por
ampliar e interiorizar o acesso à graduação; meio do Fundo de Financiamento Estudantil
– FIES, de que trata a Lei no 10.260, de 12 de
12.2) ampliar a oferta de vagas, por meio da julho de 2001, com a constituição de fundo
expansão e interiorização da rede federal de garantidor do financiamento, de forma a dis-
educação superior, da Rede Federal de Educa- pensar progressivamente a exigência de fiador;
ção Profissional, Científica e Tecnológica e do
sistema Universidade Aberta do Brasil, consi- 12.7) assegurar, no mínimo, 10% (dez por
derando a densidade populacional, a oferta de cento) do total de créditos curriculares exigidos
vagas públicas em relação à população na idade para a graduação em programas e projetos de
de referência e observadas as características extensão universitária, orientando sua ação,
regionais das micro e mesorregiões definidas prioritariamente, para áreas de grande perti-
pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia nência social;
e Estatística – IBGE, uniformizando a expansão
no território nacional; 12.8) ampliar a oferta de estágio como parte da
formação na educação superior;
12.3) elevar gradualmente a taxa de conclusão
média dos cursos de graduação presenciais 12.9) ampliar a participação proporcional de
nas universidades públicas para 90% (noventa grupos historicamente desfavorecidos na edu-
por cento), ofertar, no mínimo, um terço das cação superior, inclusive mediante a adoção de
vagas em cursos noturnos e elevar a relação de políticas afirmativas, na forma da lei;
estudantes por professor (a) para 18 (dezoito),
mediante estratégias de aproveitamento de 12.10) assegurar condições de acessibilidade
créditos e inovações acadêmicas que valorizem nas instituições de educação superior, na forma
a aquisição de competências de nível superior; da legislação;

12.4) fomentar a oferta de educação superior 12.11) fomentar estudos e pesquisas que anali-
pública e gratuita prioritariamente para a for- sem a necessidade de articulação entre forma-
mação de professores e professoras para a edu- ção, currículo, pesquisa e mundo do trabalho,
cação básica, sobretudo nas áreas de ciências e considerando as necessidades econômicas,
matemática, bem como para atender ao défice sociais e culturais do País;
de profissionais em áreas específicas;
12.12) consolidar e ampliar programas e ações
12.5) ampliar as políticas de inclusão e de de incentivo à mobilidade estudantil e docente
assistência estudantil dirigidas aos (às) estu- em cursos de graduação e pós-graduação, em
dantes de instituições públicas, bolsistas de âmbito nacional e internacional, tendo em
instituições privadas de educação superior e vista o enriquecimento da formação de nível
beneficiários do Fundo de Financiamento Es- superior;
tudantil – FIES, de que trata a Lei no 10.260, de
Educação básica

12 de julho de 2001, na educação superior, de 12.13) expandir atendimento específico a po-


modo a reduzir as desigualdades étnico-raciais pulações do campo e comunidades indígenas e
e ampliar as taxas de acesso e permanência na quilombolas, em relação a acesso, permanência,
educação superior de estudantes egressos da conclusão e formação de profissionais para
escola pública, afrodescendentes e indígenas atuação nessas populações;
78
12.14) mapear a demanda e fomentar a oferta cios destinados à concessão de financiamento
de formação de pessoal de nível superior, des- a estudantes regularmente matriculados em
tacadamente a que se refere à formação nas cursos superiores presenciais ou a distância,
áreas de ciências e matemática, considerando com avaliação positiva, de acordo com regula-
as necessidades do desenvolvimento do País, a mentação própria, nos processos conduzidos
inovação tecnológica e a melhoria da qualidade pelo Ministério da Educação;
da educação básica;
12.21) fortalecer as redes físicas de laborató-
12.15) institucionalizar programa de composi- rios multifuncionais das IES e ICTs nas áreas
ção de acervo digital de referências bibliográfi- estratégicas definidas pela política e estratégias
cas e audiovisuais para os cursos de graduação, nacionais de ciência, tecnologia e inovação.
assegurada a acessibilidade às pessoas com
deficiência; Meta 13:  elevar a qualidade da educação
superior e ampliar a proporção de mestres e
12.16) consolidar processos seletivos nacionais doutores do corpo docente em efetivo exercício
e regionais para acesso à educação superior no conjunto do sistema de educação superior
como forma de superar exames vestibulares para 75% (setenta e cinco por cento), sendo,
isolados; do total, no mínimo, 35% (trinta e cinco por
cento) doutores.
12.17) estimular mecanismos para ocupar as
vagas ociosas em cada período letivo na edu- Estratégias:
cação superior pública;
13.1) aperfeiçoar o Sistema Nacional de Avali-
12.18) estimular a expansão e reestruturação ação da Educação Superior – SINAES, de que
das instituições de educação superior estaduais trata a Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004,
e municipais cujo ensino seja gratuito, por meio fortalecendo as ações de avaliação, regulação
de apoio técnico e financeiro do Governo Fede- e supervisão;
ral, mediante termo de adesão a programa de
reestruturação, na forma de regulamento, que 13.2) ampliar a cobertura do Exame Nacional
considere a sua contribuição para a ampliação de Desempenho de Estudantes – ENADE, de
de vagas, a capacidade fiscal e as necessidades modo a ampliar o quantitativo de estudantes e
dos sistemas de ensino dos entes mantenedores de áreas avaliadas no que diz respeito à apren-
na oferta e qualidade da educação básica; dizagem resultante da graduação;

12.19) reestruturar com ênfase na melhoria 13.3) induzir processo contínuo de autoava-
de prazos e qualidade da decisão, no prazo de liação das instituições de educação superior,
2 (dois) anos, os procedimentos adotados na fortalecendo a participação das comissões
área de avaliação, regulação e supervisão, em próprias de avaliação, bem como a aplicação
relação aos processos de autorização de cursos de instrumentos de avaliação que orientem as
e instituições, de reconhecimento ou renovação dimensões a serem fortalecidas, destacando-se
de reconhecimento de cursos superiores e de a qualificação e a dedicação do corpo docente;
credenciamento ou recredenciamento de insti-
tuições, no âmbito do sistema federal de ensino; 13.4) promover a melhoria da qualidade dos
cursos de pedagogia e licenciaturas, por meio
Normas correlatas

12.20) ampliar, no âmbito do Fundo de Finan- da aplicação de instrumento próprio de ava-


ciamento ao Estudante do Ensino Superior liação aprovado pela Comissão Nacional de
– FIES, de que trata a Lei no 10.260, de 12 de Avaliação da Educação Superior – CONAES,
julho de 2001, e do Programa Universidade integrando-os às demandas e necessidades das
para Todos – PROUNI, de que trata a Lei redes de educação básica, de modo a permitir
no 11.096, de 13 de janeiro de 2005, os benefí- aos graduandos a aquisição das qualificações 79
necessárias a conduzir o processo pedagógico Meta 14:  elevar gradualmente o número de
de seus futuros alunos (as), combinando for- matrículas na pós-graduação stricto sensu,
mação geral e específica com a prática didática, de modo a atingir a titulação anual de 60.000
além da educação para as relações étnico-raci- (sessenta mil) mestres e 25.000 (vinte e cinco
ais, a diversidade e as necessidades das pessoas mil) doutores.
com deficiência;
Estratégias:
13.5) elevar o padrão de qualidade das uni-
versidades, direcionando sua atividade, de 14.1) expandir o financiamento da pós-gradua-
modo que realizem, efetivamente, pesquisa ção stricto sensu por meio das agências oficiais
institucionalizada, articulada a programas de de fomento;
pós-graduação stricto sensu;
14.2) estimular a integração e a atuação articu-
13.6) substituir o Exame Nacional de Desempe- lada entre a Coordenação de Aperfeiçoamento
nho de Estudantes – ENADE aplicado ao final de Pessoal de Nível Superior – CAPES e as
do primeiro ano do curso de graduação pelo agências estaduais de fomento à pesquisa;
Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, a
fim de apurar o valor agregado dos cursos de 14.3) expandir o financiamento estudantil por
graduação; meio do FIES à pós-graduação stricto sensu;

13.7) fomentar a formação de consórcios entre 14.4) expandir a oferta de cursos de pós-gra-
instituições públicas de educação superior, com duação stricto sensu, utilizando inclusive me-
vistas a potencializar a atuação regional, in- todologias, recursos e tecnologias de educação
clusive por meio de plano de desenvolvimento a distância;
institucional integrado, assegurando maior vi-
sibilidade nacional e internacional às atividades 14.5) implementar ações para reduzir as de-
de ensino, pesquisa e extensão; sigualdades étnico-raciais e regionais e para
favorecer o acesso das populações do campo
13.8) elevar gradualmente a taxa de conclusão e das comunidades indígenas e quilombolas a
média dos cursos de graduação presenciais programas de mestrado e doutorado;
nas universidades públicas, de modo a atingir
90% (noventa por cento) e, nas instituições 14.6) ampliar a oferta de programas de pós-gra-
privadas, 75% (setenta e cinco por cento), em duação stricto sensu, especialmente os de douto-
2020, e fomentar a melhoria dos resultados rado, nos campi novos abertos em decorrência
de aprendizagem, de modo que, em 5 (cinco) dos programas de expansão e interiorização das
anos, pelo menos 60% (sessenta por cento) dos instituições superiores públicas;
estudantes apresentem desempenho positivo
igual ou superior a 60% (sessenta por cento) 14.7) manter e expandir programa de acervo di-
no Exame Nacional de Desempenho de Estu- gital de referências bibliográficas para os cursos
dantes – ENADE e, no último ano de vigência, de pós-graduação, assegurada a acessibilidade
pelo menos 75% (setenta e cinco por cento) às pessoas com deficiência;
dos estudantes obtenham desempenho positivo
igual ou superior a 75% (setenta e cinco por 14.8) estimular a participação das mulheres
cento) nesse exame, em cada área de formação nos cursos de pós-graduação stricto sensu, em
Educação básica

profissional; particular aqueles ligados às áreas de Engenha-


ria, Matemática, Física, Química, Informática
13.9) promover a formação inicial e continuada e outros no campo das ciências;
dos (as) profissionais técnico-administrativos
da educação superior. 14.9) consolidar programas, projetos e ações
80 que objetivem a internacionalização da pesqui-
sa e da pós-graduação brasileiras, incentivando Estratégias:
a atuação em rede e o fortalecimento de grupos
de pesquisa; 15.1) atuar, conjuntamente, com base em pla-
no estratégico que apresente diagnóstico das
14.10) promover o intercâmbio científico e necessidades de formação de profissionais da
tecnológico, nacional e internacional, entre educação e da capacidade de atendimento, por
as instituições de ensino, pesquisa e extensão; parte de instituições públicas e comunitárias de
educação superior existentes nos Estados, Dis-
14.11) ampliar o investimento em pesquisas trito Federal e Municípios, e defina obrigações
com foco em desenvolvimento e estímulo à recíprocas entre os partícipes;
inovação, bem como incrementar a formação
de recursos humanos para a inovação, de modo 15.2) consolidar o financiamento estudantil a
a buscar o aumento da competitividade das estudantes matriculados em cursos de licen-
empresas de base tecnológica; ciatura com avaliação positiva pelo Sistema
Nacional de Avaliação da Educação Superior
14.12) ampliar o investimento na formação de – SINAES, na forma da Lei no 10.861, de 14 de
doutores de modo a atingir a proporção de 4 abril de 2004, inclusive a amortização do saldo
(quatro) doutores por 1.000 (mil) habitantes; devedor pela docência efetiva na rede pública
de educação básica;
14.13) aumentar qualitativa e quantitativa-
mente o desempenho científico e tecnológico 15.3) ampliar programa permanente de ini-
do País e a competitividade internacional da ciação à docência a estudantes matriculados
pesquisa brasileira, ampliando a cooperação em cursos de licenciatura, a fim de aprimorar
científica com empresas, Instituições de Edu- a formação de profissionais para atuar no ma-
cação Superior – IES e demais Instituições gistério da educação básica;
Científicas e Tecnológicas – ICTs;
15.4) consolidar e ampliar plataforma ele-
14.14) estimular a pesquisa científica e de trônica para organizar a oferta e as matrículas
inovação e promover a formação de recursos em cursos de formação inicial e continuada
humanos que valorize a diversidade regional de profissionais da educação, bem como para
e a biodiversidade da região amazônica e do divulgar e atualizar seus currículos eletrônicos;
cerrado, bem como a gestão de recursos hídri-
cos no semiárido para mitigação dos efeitos da 15.5) implementar programas específicos para
seca e geração de emprego e renda na região; formação de profissionais da educação para as
escolas do campo e de comunidades indígenas
14.15) estimular a pesquisa aplicada, no âmbito e quilombolas e para a educação especial;
das IES e das ICTs, de modo a incrementar a
inovação e a produção e registro de patentes. 15.6) promover a reforma curricular dos cursos
de licenciatura e estimular a renovação pedagó-
Meta 15:  garantir, em regime de colaboração gica, de forma a assegurar o foco no aprendiza-
entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os do do (a) aluno (a), dividindo a carga horária
Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência em formação geral, formação na área do saber e
deste PNE, política nacional de formação dos didática específica e incorporando as modernas
profissionais da educação de que tratam os inci- tecnologias de informação e comunicação, em
Normas correlatas

sos I, II e III do caput do art. 61 da Lei no 9.394, articulação com a base nacional comum dos
de 20 de dezembro de 1996, assegurado que currículos da educação básica, de que tratam as
todos os professores e as professoras da edu- estratégias 2.1, 2.2, 3.2 e 3.3 deste PNE;
cação básica possuam formação específica de
nível superior, obtida em curso de licenciatura 15.7) garantir, por meio das funções de avali-
na área de conhecimento em que atuam. ação, regulação e supervisão da educação su- 81
perior, a plena implementação das respectivas fissionais da educação básica formação conti-
diretrizes curriculares; nuada em sua área de atuação, considerando
as necessidades, demandas e contextualizações
15.8) valorizar as práticas de ensino e os está- dos sistemas de ensino.
gios nos cursos de formação de nível médio e
superior dos profissionais da educação, visando Estratégias:
ao trabalho sistemático de articulação entre a
formação acadêmica e as demandas da educa- 16.1) realizar, em regime de colaboração, o
ção básica; planejamento estratégico para dimensiona-
mento da demanda por formação continuada
15.9) implementar cursos e programas especiais e fomentar a respectiva oferta por parte das
para assegurar formação específica na educa- instituições públicas de educação superior,
ção superior, nas respectivas áreas de atuação, de forma orgânica e articulada às políticas de
aos docentes com formação de nível médio na formação dos Estados, do Distrito Federal e
modalidade normal, não licenciados ou licen- dos Municípios;
ciados em área diversa da de atuação docente,
em efetivo exercício; 16.2) consolidar política nacional de formação
de professores e professoras da educação básica,
15.10) fomentar a oferta de cursos técnicos de definindo diretrizes nacionais, áreas prioritá-
nível médio e tecnológicos de nível superior rias, instituições formadoras e processos de
destinados à formação, nas respectivas áreas certificação das atividades formativas;
de atuação, dos (as) profissionais da educação
de outros segmentos que não os do magistério; 16.3) expandir programa de composição de
acervo de obras didáticas, paradidáticas e de
15.11) implantar, no prazo de 1 (um) ano de literatura e de dicionários, e programa específi-
vigência desta Lei, política nacional de forma- co de acesso a bens culturais, incluindo obras
ção continuada para os (as) profissionais da e materiais produzidos em Libras e em Braille,
educação de outros segmentos que não os do sem prejuízo de outros, a serem disponibili-
magistério, construída em regime de colabora- zados para os professores e as professoras da
ção entre os entes federados; rede pública de educação básica, favorecendo
a construção do conhecimento e a valorização
15.12) instituir programa de concessão de da cultura da investigação;
bolsas de estudos para que os professores de
idiomas das escolas públicas de educação básica 16.4) ampliar e consolidar portal eletrônico
realizem estudos de imersão e aperfeiçoamento para subsidiar a atuação dos professores e
nos países que tenham como idioma nativo as das professoras da educação básica, disponi-
línguas que lecionem; bilizando gratuitamente materiais didáticos e
pedagógicos suplementares, inclusive aqueles
15.13) desenvolver modelos de formação com formato acessível;
docente para a educação profissional que
valorizem a experiência prática, por meio da 16.5) ampliar a oferta de bolsas de estudo para
oferta, nas redes federal e estaduais de educação pós-graduação dos professores e das professo-
profissional, de cursos voltados à complemen- ras e demais profissionais da educação básica;
tação e certificação didático-pedagógica de
Educação básica

profissionais experientes. 16.6) fortalecer a formação dos professores e


das professoras das escolas públicas de edu-
Meta 16:  formar, em nível de pós-graduação, cação básica, por meio da implementação das
50% (cinquenta por cento) dos professores da ações do Plano Nacional do Livro e Leitura e da
educação básica, até o último ano de vigência instituição de programa nacional de disponibi-
82 deste PNE, e garantir a todos (as) os (as) pro-
lização de recursos para acesso a bens culturais o piso salarial nacional profissional, definido
pelo magistério público. em lei federal, nos termos do inciso VIII do
art. 206 da Constituição Federal.
Meta 17:  valorizar os(as) profissionais do ma-
gistério das redes públicas de educação básica Estratégias:
de forma a equiparar seu rendimento médio ao
dos(as) demais profissionais com escolaridade 18.1) estruturar as redes públicas de educação
equivalente, até o final do sexto ano de vigência básica de modo que, até o início do terceiro ano
deste PNE. de vigência deste PNE, 90% (noventa por cen-
to), no mínimo, dos respectivos profissionais
Estratégias: do magistério e 50% (cinquenta por cento), no
mínimo, dos respectivos profissionais da educa-
17.1) constituir, por iniciativa do Ministério ção não docentes sejam ocupantes de cargos de
da Educação, até o final do primeiro ano de provimento efetivo e estejam em exercício nas
vigência deste PNE, fórum permanente, com redes escolares a que se encontrem vinculados;
representação da União, dos Estados, do Dis-
trito Federal, dos Municípios e dos trabalha- 18.2) implantar, nas redes públicas de educa-
dores da educação, para acompanhamento da ção básica e superior, acompanhamento dos
atualização progressiva do valor do piso salarial profissionais iniciantes, supervisionados por
nacional para os profissionais do magistério equipe de profissionais experientes, a fim de
público da educação básica; fundamentar, com base em avaliação documen-
tada, a decisão pela efetivação após o estágio
17.2) constituir como tarefa do fórum perma- probatório e oferecer, durante esse período,
nente o acompanhamento da evolução salarial curso de aprofundamento de estudos na área de
por meio de indicadores da Pesquisa Nacional atuação do(a) professor(a), com destaque para
por Amostra de Domicílios – PNAD, periodi- os conteúdos a serem ensinados e as metodo-
camente divulgados pela Fundação Instituto logias de ensino de cada disciplina;
Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE;
18.3) realizar, por iniciativa do Ministério da
17.3) implementar, no âmbito da União, dos Educação, a cada 2 (dois) anos a partir do
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, segundo ano de vigência deste PNE, prova
planos de Carreira para os(as) profissionais do nacional para subsidiar os Estados, o Distrito
magistério das redes públicas de educação bási- Federal e os Municípios, mediante adesão, na
ca, observados os critérios estabelecidos na Lei realização de concursos públicos de admissão
no 11.738, de 16 de julho de 2008, com implan- de profissionais do magistério da educação
tação gradual do cumprimento da jornada de básica pública;
trabalho em um único estabelecimento escolar;
18.4) prever, nos planos de Carreira dos pro-
17.4) ampliar a assistência financeira específica fissionais da educação dos Estados, do Distrito
da União aos entes federados para implemen- Federal e dos Municípios, licenças remuneradas
tação de políticas de valorização dos(as) pro- e incentivos para qualificação profissional, in-
fissionais do magistério, em particular o piso clusive em nível de pós-graduação stricto sensu;
salarial nacional profissional.
18.5) realizar anualmente, a partir do segun-
Normas correlatas

Meta 18:  assegurar, no prazo de 2 (dois) anos, do ano de vigência deste PNE, por iniciativa
a existência de planos de Carreira para os (as) do Ministério da Educação, em regime de
profissionais da educação básica e superior colaboração, o censo dos(as) profissionais da
pública de todos os sistemas de ensino e, para educação básica de outros segmentos que não
o plano de Carreira dos(as) profissionais da os do magistério;
educação básica pública, tomar como referência 83
18.6) considerar as especificidades sociocultu- de transporte para visitas à rede escolar, com
rais das escolas do campo e das comunidades vistas ao bom desempenho de suas funções;
indígenas e quilombolas no provimento de
cargos efetivos para essas escolas; 19.3) incentivar os Estados, o Distrito Federal
e os Municípios a constituírem Fóruns Perma-
18.7) priorizar o repasse de transferências fe- nentes de Educação, com o intuito de coordenar
derais voluntárias, na área de educação, para os as conferências municipais, estaduais e distrital
Estados, o Distrito Federal e os Municípios que bem como efetuar o acompanhamento da exe-
tenham aprovado lei específica estabelecendo cução deste PNE e dos seus planos de educação;
planos de Carreira para os(as) profissionais da
educação; 19.4) estimular, em todas as redes de educação
básica, a constituição e o fortalecimento de
18.8) estimular a existência de comissões grêmios estudantis e associações de pais, asse-
permanentes de profissionais da educação de gurando-se-lhes, inclusive, espaços adequados
todos os sistemas de ensino, em todas as ins- e condições de funcionamento nas escolas e
tâncias da Federação, para subsidiar os órgãos fomentando a sua articulação orgânica com os
competentes na elaboração, reestruturação e conselhos escolares, por meio das respectivas
implementação dos planos de Carreira. representações;

Meta 19:  assegurar condições, no prazo de 19.5) estimular a constituição e o fortaleci-


2 (dois) anos, para a efetivação da gestão de- mento de conselhos escolares e conselhos
mocrática da educação, associada a critérios municipais de educação, como instrumentos
técnicos de mérito e desempenho e à consulta de participação e fiscalização na gestão escolar
pública à comunidade escolar, no âmbito das e educacional, inclusive por meio de programas
escolas públicas, prevendo recursos e apoio de formação de conselheiros, assegurando-se
técnico da União para tanto. condições de funcionamento autônomo;

Estratégias: 19.6) estimular a participação e a consulta de


profissionais da educação, alunos(as) e seus
19.1) priorizar o repasse de transferências familiares na formulação dos projetos político-
voluntárias da União na área da educação pedagógicos, currículos escolares, planos de
para os entes federados que tenham aprovado gestão escolar e regimentos escolares, assegu-
legislação específica que regulamente a matéria rando a participação dos pais na avaliação de
na área de sua abrangência, respeitando-se docentes e gestores escolares;
a legislação nacional, e que considere, con-
juntamente, para a nomeação dos diretores e 19.7) favorecer processos de autonomia peda-
diretoras de escola, critérios técnicos de mérito gógica, administrativa e de gestão financeira
e desempenho, bem como a participação da nos estabelecimentos de ensino;
comunidade escolar;
19.8) desenvolver programas de formação de
19.2) ampliar os programas de apoio e forma- diretores e gestores escolares, bem como aplicar
ção aos(às) conselheiros(as) dos conselhos de prova nacional específica, a fim de subsidiar a
acompanhamento e controle social do Fundeb, definição de critérios objetivos para o provi-
dos conselhos de alimentação escolar, dos mento dos cargos, cujos resultados possam ser
Educação básica

conselhos regionais e de outros e aos(às) repre- utilizados por adesão.


sentantes educacionais em demais conselhos de
acompanhamento de políticas públicas, garan- Meta 20:  ampliar o investimento público
tindo a esses colegiados recursos financeiros, em educação pública de forma a atingir, no
espaço físico adequado, equipamentos e meios mínimo, o patamar de 7% (sete por cento)
84 do Produto Interno Bruto – PIB do País no 5o
(quinto) ano de vigência desta Lei e, no míni- Teixeira – INEP, estudos e acompanhamento
mo, o equivalente a 10% (dez por cento) do PIB regular dos investimentos e custos por aluno da
ao final do decênio. educação básica e superior pública, em todas
as suas etapas e modalidades;
Estratégias:
20.6) no prazo de 2 (dois) anos da vigência deste
20.1) garantir fontes de financiamento per- PNE, será implantado o Custo Aluno-Quali-
manentes e sustentáveis para todos os níveis, dade inicial – CAQi, referenciado no conjunto
etapas e modalidades da educação básica, ob- de padrões mínimos estabelecidos na legis-
servando-se as políticas de colaboração entre os lação educacional e cujo financiamento será
entes federados, em especial as decorrentes do calculado com base nos respectivos insumos
art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais indispensáveis ao processo de ensino-apren-
Transitórias e do § 1o do art. 75 da Lei no 9.394, dizagem e será progressivamente reajustado
de 20 de dezembro de 1996, que tratam da até a implementação plena do Custo Aluno
capacidade de atendimento e do esforço fiscal Qualidade – CAQ;
de cada ente federado, com vistas a atender
suas demandas educacionais à luz do padrão 20.7) implementar o Custo Aluno Qualidade
de qualidade nacional; – CAQ como parâmetro para o financiamento
da educação de todas etapas e modalidades da
20.2) aperfeiçoar e ampliar os mecanismos de educação básica, a partir do cálculo e do acom-
acompanhamento da arrecadação da contribui- panhamento regular dos indicadores de gastos
ção social do salário-educação; educacionais com investimentos em qualifica-
ção e remuneração do pessoal docente e dos
20.3) destinar à manutenção e desenvolvimento demais profissionais da educação pública, em
do ensino, em acréscimo aos recursos vincu- aquisição, manutenção, construção e conserva-
lados nos termos do art. 212 da Constituição ção de instalações e equipamentos necessários
Federal, na forma da lei específica, a parcela da ao ensino e em aquisição de material didático-
participação no resultado ou da compensação escolar, alimentação e transporte escolar;
financeira pela exploração de petróleo e gás
natural e outros recursos, com a finalidade de 20.8) o CAQ será definido no prazo de 3 (três)
cumprimento da meta prevista no inciso VI anos e será continuamente ajustado, com base
do caput do art. 214 da Constituição Federal; em metodologia formulada pelo Ministério da
Educação – MEC, e acompanhado pelo Fórum
20.4) fortalecer os mecanismos e os instrumen- Nacional de Educação – FNE, pelo Conselho
tos que assegurem, nos termos do parágrafo Nacional de Educação – CNE e pelas Comis-
único do art. 48 da Lei Complementar no 101, sões de Educação da Câmara dos Deputados
de 4 de maio de 2000, a transparência e o con- e de Educação, Cultura e Esportes do Senado
trole social na utilização dos recursos públicos Federal;
aplicados em educação, especialmente a realiza-
ção de audiências públicas, a criação de portais 20.9) regulamentar o parágrafo único do art. 23
eletrônicos de transparência e a capacitação dos e o art. 211 da Constituição Federal, no prazo de
membros de conselhos de acompanhamento e 2 (dois) anos, por lei complementar, de forma
controle social do FUNDEB, com a colaboração a estabelecer as normas de cooperação entre a
entre o Ministério da Educação, as Secretarias União, os Estados, o Distrito Federal e os Muni-
Normas correlatas

de Educação dos Estados e dos Municípios e cípios, em matéria educacional, e a articulação


os Tribunais de Contas da União, dos Estados do sistema nacional de educação em regime
e dos Municípios; de colaboração, com equilíbrio na repartição
das responsabilidades e dos recursos e efetivo
20.5) desenvolver, por meio do Instituto Nacio- cumprimento das funções redistributiva e su-
nal de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio pletiva da União no combate às desigualdades 85
educacionais regionais, com especial atenção cada sistema e rede de ensino, aferida pelo
às regiões Norte e Nordeste; processo de metas de qualidade aferidas por
institutos oficiais de avaliação educacionais;
20.10) caberá à União, na forma da lei, a com-
plementação de recursos financeiros a todos os 20.12) definir critérios para distribuição dos re-
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cursos adicionais dirigidos à educação ao longo
que não conseguirem atingir o valor do CAQi do decênio, que considerem a equalização das
e, posteriormente, do CAQ; oportunidades educacionais, a vulnerabilidade
socioeconômica e o compromisso técnico e de
20.11) aprovar, no prazo de 1 (um) ano, Lei de gestão do sistema de ensino, a serem pactuados
Responsabilidade Educacional, assegurando na instância prevista no § 5o do art. 7o desta Lei.
padrão de qualidade na educação básica, em
Educação básica

86
Lei no 12.722/2012
Altera as Leis nos 10.836, de 9 de janeiro de 2004, 12.462, de 4 de agosto de 2011, e 11.977, de 7 de
julho de 2009; dispõe sobre o apoio financeiro da União aos Municípios e ao Distrito Federal para
ampliação da oferta da educação infantil; e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA § 3o  As novas turmas de educação infantil


de que trata o §  1o deverão ser cadastradas
Faço saber que o Congresso Nacional decreta por ocasião da realização do Censo Escolar
e eu sanciono a seguinte Lei:1 da Educação Básica imediatamente posterior
������������������������������������������������������������������������������� ao início das atividades escolares, sob pena de
interrupção do apoio financeiro e de devolução
Art. 2o  São obrigatórias as transferências de das parcelas já recebidas.
recursos da União aos Municípios e ao Distri- § 4o  Os recursos transferidos nos termos
to Federal, com a finalidade de prestar apoio do caput poderão ser aplicados nas despesas
financeiro à ampliação da oferta de educação de manutenção e desenvolvimento da educação
infantil, em novas turmas, na forma desta Lei. infantil, nos termos do art. 70 da Lei no 9.394, de
§ 1o  Para os efeitos desta Lei, são considera- 20 de dezembro de 1996, excetuadas as listadas
das novas turmas de educação infantil aquelas em seus incisos IV, VI e VII.
que atendam, cumulativamente, às seguintes § 5o  O levantamento periódico da demanda
condições: por educação infantil em creches e pré-escolas,
I – sejam oferecidas em estabelecimentos realizado pelos Municípios e pelo Distrito Fede-
educacionais públicos ou em instituições comu- ral, com a colaboração da União e dos Estados,
nitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins deverá nortear a expansão das respectivas redes
lucrativos conveniadas com o poder público, escolares.
em tempo parcial ou integral, que atendam
a padrões de qualidade definidos pelo órgão Art. 3o  O valor do apoio financeiro de que
normativo do respectivo sistema de ensino; trata o art. 2o terá como base:
II – sejam cadastradas em sistema específico I – o número de crianças atendidas exclusi-
mantido pelo Ministério da Educação, no qual vamente nas novas turmas de educação infantil
serão informados dados das crianças atendidas de que trata o art. 2o; e
e da unidade de educação infantil; e II – o valor anual mínimo por aluno definido
III – tenham crianças com matrículas ainda nacionalmente para educação infantil, nos ter-
não computadas no âmbito do Fundo de Manu- mos da Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007.
tenção e Desenvolvimento da Educação Básica § 1o  O apoio financeiro será restrito ao pe-
e de Valorização dos Profissionais da Educação ríodo compreendido entre o cadastramento da
– FUNDEB, de que trata a Lei no  11.494, de nova turma no sistema de que trata o inciso II
20 de junho de 2007, independentemente da do § 1o do art. 2o e o início do recebimento dos
situação cadastral no Censo Escolar da Edu- recursos do FUNDEB e não poderá ultrapassar
cação Básica. 18 (dezoito) meses.
§ 2o  Para efeito do cumprimento das condi- § 2o  É vedada a inclusão de matrículas já
Normas correlatas

ções estabelecidas no § 1o, serão consideradas as computadas no âmbito do Fundeb no sistema


informações declaradas em sistema específico previsto no inciso II do § 1o do art. 2o.
mantido pelo Ministério da Educação.
Art. 4o  São obrigatórias as transferências de
recursos da União aos Municípios e ao Distrito
1
  Conversão da Medida Provisória no 570/2012. Federal, desde que cumpridos os critérios de 87
elegibilidade estabelecidos nesta Lei, com a tros de Estado do Desenvolvimento Social e
finalidade de prestar apoio financeiro suple- Agrário e da Educação.
mentar à manutenção e ao desenvolvimento § 5o  Na hipótese de o Distrito Federal ou
da educação infantil para o atendimento em de o Município ter, no momento do repasse
creches de crianças de zero a quarenta e oito do apoio financeiro suplementar de que trata
meses cadastradas no Censo Escolar da Edu- o caput, saldo em conta de recursos repassados
cação Básica e que sejam:2 anteriormente, esse montante, a ser verificado
I – de famílias beneficiárias do Programa no último dia do mês anterior ao do repasse,
Bolsa Família, na forma estabelecida pela Lei será subtraído do valor a ser repassado como
no 10.836, de 9 de janeiro de 2004; apoio financeiro suplementar do exercício
II – beneficiárias do Benefício de Prestação corrente.
Continuada – BPC, na forma estabelecida pela § 6o  Serão desconsiderados do desconto
Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993; ou previsto no § 5o os recursos referentes ao apoio
III – pessoas com deficiência, ainda que não financeiro suplementar de que trata o caput
se enquadrem nos incisos I ou II. transferidos nos últimos doze meses.
§ 1o  A transferência de recursos de que trata
o caput será realizada com base na quantidade Art. 4o-A.  Farão jus ao apoio financeiro suple-
de matrículas de crianças de zero a quarenta e mentar o Distrito Federal e os Municípios que:3
oito meses, cadastradas pelos Municípios e pelo I – tenham ampliado o número de matrí-
Distrito Federal no Censo Escolar da Educação culas em creches de crianças de que tratam os
Básica, sendo contabilizada apenas uma vez a incisos I, II e III do caput do art. 4o; ou
matrícula da criança que se enquadrar em mais II – tenham ampliado a cobertura em cre-
de um dos incisos do caput. ches de crianças beneficiárias do BPC, de crian-
§ 2o  O apoio financeiro suplementar aten- ças de famílias beneficiárias do Programa Bolsa
derá a educação infantil ofertada em esta- Família e de crianças com deficiência, calculada
belecimentos educacionais públicos ou em como o total de matrículas de crianças de que
instituições comunitárias, confessionais ou tratam os incisos I, II e III do caput do art. 4o
filantrópicas sem fins lucrativos conveniadas sobre o número de crianças de zero a quarenta e
com o poder público, em tempo parcial ou oito meses cujas famílias sejam beneficiárias do
integral, conforme dados do Censo Escolar da Programa Bolsa Família, o número de crianças
Educação Básica. beneficiárias do BPC e o número de crianças
§ 3o  O valor referente à transferência de com deficiência, de maneira não cumulativa.
recursos de que trata o caput será definido em Parágrafo único.  A ampliação do número
ato conjunto dos Ministros de Estado do De- de matrículas ou da cobertura a que se referem
senvolvimento Social e Agrário e da Educação. os incisos I e II do caput será aferida a partir
§ 4o  Os recursos transferidos nos termos da comparação do número de matrículas e da
do caput poderão ser aplicados nas despesas cobertura das edições do Censo Escolar da
de manutenção e desenvolvimento da educação Educação Básica dos dois anos anteriores ao
infantil, nos termos do art. 70 da Lei no 9.394, do exercício em que ocorrerá a transferência do
de 20 de dezembro de 1996, excetuadas as lis- apoio financeiro suplementar de que trata o ca-
tadas em seus incisos IV, VI e VII, e nas ações put, na forma a ser disciplinada em ato conjunto
para garantir o cuidado integral e a segurança dos Ministros de Estado do Desenvolvimento
alimentar e nutricional, necessárias ao acesso e Social e Agrário e da Educação.
à permanência da criança na educação infantil,
Educação básica

na forma definida em ato conjunto dos Minis- Art. 4o-B. (Vetado)4

3
  Lei n o   13.348/2016; e Medida Provisória
no 729/2016.
2
  Lei n o   13.348/2016; e Medidas Provisórias 4
  Lei n o   13.348/2016; e Medida Provisória
88 nos 729/2016 e 705/2015. no 729/2016.
Art. 5o  Os recursos de que trata o art. 4o serão Art. 10.  O apoio financeiro de que tratam os
transferidos pelo Ministério do Desenvolvi- arts. 2o e 4o está vinculado à vigência do Fundeb,
mento Social e Agrário ao Fundo Nacional nos termos do art. 48 da Lei no 11.494, de 20 de
de Desenvolvimento da Educação – FNDE, junho de 2007, e não poderá ser considerado
independentemente da celebração de termo pelos Municípios e pelo Distrito Federal para
específico.5 os fins de cumprimento do art. 212 da Consti-
tuição Federal.
Art. 6o  Ato conjunto dos Ministros de Estado Parágrafo único.  Na aplicação dos recursos
do Desenvolvimento Social e Agrário e da financeiros abrangidos por esta Lei, os Muni-
Educação disporá sobre o acompanhamento cípios e o Distrito Federal deverão assegurar
da implementação do apoio financeiro suple- as condições de acessibilidade para as pessoas
mentar de que trata o art. 4o.6 com deficiência.

Art. 7o  As transferências de recursos financei- Art. 11.  Para o exercício de 2012, o apoio fi-
ros previstas nos arts. 2o e 4o serão efetivadas, nanceiro suplementar de que trata o art. 4o será
automaticamente, pelo FNDE, dispensada a de 25% (vinte e cinco por cento) do valor anual
celebração de convênio, acordo, contrato ou mínimo por aluno definido nacionalmente para
instrumento congênere, mediante depósitos educação infantil, nos termos da Lei no 11.494,
em conta corrente específica. de 20 de junho de 2007, por matrícula.
Parágrafo único.  O Conselho Deliberativo
do FNDE disporá, em ato próprio, sobre con- Art. 12.  Para os exercícios de 2012 e 2013, a
dições, critérios operacionais de distribuição, transferência de recursos financeiros de que
repasse, execução e prestação de contas sim- trata o §  1o do art.  4o será feita com base na
plificada do apoio financeiro. quantidade de matrículas de crianças de 0
(zero) a 48 (quarenta e oito) meses, identifica-
Art. 8o  Os Municípios e o Distrito Federal das no Censo Escolar da Educação Básica do
deverão fornecer, sempre que solicitados, a ano anterior e informadas pelos Municípios e
documentação relativa à execução dos recursos pelo Distrito Federal, em sistema próprio do
recebidos com base nos arts. 2o e 4o ao Tribunal Ministério da Educação, como membro de
de Contas da União, ao FNDE, aos órgãos de famílias beneficiárias do Programa Bolsa Fa-
controle interno do Poder Executivo federal e mília, na forma definida em ato conjunto dos
aos conselhos de acompanhamento e controle Ministros de Estado do Desenvolvimento Social
social. e Combate à Fome e da Educação.

Art. 9 o  O acompanhamento e o controle Art. 12-A. (Vetado)7


social sobre a transferência e aplicação dos
recursos repassados com base nos arts. 2o e 4o Art. 13.  Os recursos financeiros correspon-
serão exercidos no âmbito dos Municípios e dentes ao apoio financeiro de que tratam os
do Distrito Federal pelos respectivos conselhos arts. 2o e 4o desta Lei correrão à conta de dotação
previstos no art. 24 da Lei no 11.494, de 20 de consignada nos orçamentos do FNDE e do Mi-
junho de 2007. nistério do Desenvolvimento Social e Agrário,
Parágrafo único.  Os conselhos a que se re- observados os limites de movimentação, de
fere o caput analisarão as prestações de contas empenho e de pagamento da programação
dos recursos repassados no âmbito desta Lei, orçamentária e financeira anual.8
Normas correlatas

formularão parecer conclusivo acerca da aplica- �������������������������������������������������������������������������������


ção desses recursos e o encaminharão ao FNDE.

7
  Lei n o   13.348/2016; e Medida Provisória
5
  Lei no 13.348/2016. no 729/2016.
6
  Lei no 13.348/2016. 8
  Lei no 13.348/2016. 89
Art. 16.  Esta Lei entra em vigor na data de DILMA ROUSSEFF – Guido Mantega –
sua publicação. Aloizio Mercadante – Miriam Belchior – Tereza
������������������������������������������������������������������������������. Campello – W. Moreira Franco

Brasília, 3 de outubro de 2012; 191o da Inde- Promulgada em 3/10/2012 e publicada no DOU de


pendência e 124o da República. 4/10/2012.
Educação básica

90
Lei no 12.695/2012
Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações Articuladas; altera
a Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009, para incluir os polos presenciais do sistema Universidade
Aberta do Brasil na assistência financeira do Programa Dinheiro Direto na Escola; altera a Lei
no  11.494, de 20 de junho de 2007, para contemplar com recursos do FUNDEB as instituições
comunitárias que atuam na educação do campo; altera a Lei no 10.880, de 9 de junho de 2004, para
dispor sobre a assistência financeira da União no âmbito do Programa de Apoio aos Sistemas de
Ensino para Atendimento à Educação de Jovens e Adultos; altera a Lei no 8.405, de 9 de janeiro de
1992; e dá outras providências.

O VICE–PRESIDENTE DA REPÚBLICA, I – identificar as medidas mais apropriadas


no exercício do cargo de PRESIDENTE DA para a melhoria da qualidade da educação
REPÚBLICA básica e sua oferta com equidade, assegurado o
atendimento de suas necessidades referentes ao
Faço saber que o Congresso Nacional decreta acesso, permanência e conclusão com sucesso
e eu sanciono a seguinte Lei:1 pelos educandos;
II – auxiliar na efetivação dos planos esta-
Art. 1o  O apoio técnico ou financeiro prestado duais e municipais de educação.
em caráter suplementar e voluntário pela União § 3o  O acompanhamento e o monitoramen-
às redes públicas de educação básica dos Esta- to da execução das ações pactuadas no âmbito
dos, do Distrito Federal e dos Municípios será do PAR e o cumprimento das obrigações edu-
feito mediante a pactuação de Plano de Ações cacionais nele fixadas serão realizados com base
Articuladas – PAR. na análise de relatórios de execução ou, quando
Parágrafo único.  O PAR tem por objetivo necessário, por meio de visitas técnicas.
promover a melhoria da qualidade da educação
básica pública, observadas as metas, diretrizes Art. 3o  Fica instituído o Comitê Estratégico
e estratégias do Plano Nacional de Educação. do PAR, no âmbito do Ministério da Educa-
ção, com o objetivo de definir, monitorar e
Art. 2o  O PAR será elaborado pelos entes revisar as ações, programas e atividades que
federados e pactuado com o Ministério da Edu- serão objeto de apoio técnico ou financeiro da
cação, a partir das ações, programas e atividades União assegurada a representação do Conselho
definidas pelo Comitê Estratégico do PAR, de Nacional de Secretários de Estado da Educação
que trata o art. 3o. – CONSED e da União Nacional dos Dirigentes
§ 1o  A elaboração do PAR será precedida Municipais de Educação – UNDIME, na forma
de um diagnóstico da situação educacional, de regulamento.
estruturado em 4 (quatro) dimensões: § 1o  A inclusão ou a atualização das ações
I – gestão educacional; do PAR pelo comitê de que trata o caput poderá
II – formação de profissionais de educação; implicar a revisão do termo de compromisso a
III – práticas pedagógicas e avaliação; que se refere o § 1o do art. 4o.
IV – infraestrutura física e recursos peda- § 2o  A composição e as normas de orga-
Normas correlatas

gógicos. nização e funcionamento do comitê serão


§ 2o  O Ministério da Educação prestará estabelecidas em regulamento.
assistência técnica aos entes federados na ela-
boração do PAR, com o objetivo de: Art. 4 o  A União, por meio do Ministério
da Educação, fica autorizada a transferir re-
1
  Conversão da Medida Provisória no 562/2012. cursos aos Estados, ao Distrito Federal e aos 91
Municípios, com a finalidade de prestar apoio vimentação dos valores da conta vinculada do
financeiro à execução das ações do PAR, sem ente federado, até a regularização da pendência.
a necessidade de convênio, ajuste, acordo ou Parágrafo único.  Caso não seja regularizada
contrato. a pendência, o termo de compromisso poderá
§ 1 o  A transferência direta prevista no ser cancelado.
caput será executada pelo Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação – FNDE e ficará Art. 6o  O ente federado deverá efetuar presta-
condicionada ao cumprimento de termo de ção de contas da regular aplicação dos recursos
compromisso, que deverá conter, no mínimo: recebidos nos termos desta Lei no prazo máxi-
I – identificação e delimitação das ações a mo de 60 (sessenta) dias, contado a partir do
serem financiadas; término da vigência do termo de compromisso
II – metas quantitativas; ou sempre que lhe for solicitado.
III – cronograma de execução físico-finan- § 1o  A prestação de contas deverá conter
ceira; no mínimo:
IV – previsão de início e fim da execução I – relatório de cumprimento das ações;
das ações e da conclusão das etapas ou fases II – relação de despesas e pagamentos efetu-
programadas. ados, com a identificação do credor;
§ 2o  Os recursos financeiros serão liberados III – relação de bens adquiridos, produzidos
aos órgãos e entidades dos Estados, do Distrito ou construídos, quando for o caso;
Federal e dos Municípios mediante depósito em IV – relação de treinados ou capacitados,
contas correntes específicas, abertas e mantidas quando for o caso;
exclusivamente em instituições financeiras ofi- V – relação dos serviços prestados, contendo
ciais federais com as quais o FNDE mantenha descrição e valor total, quando for o caso;
parcerias, conforme cronograma estabelecido VI – extrato bancário da conta corrente
nos termos de compromisso. específica e das aplicações financeiras;
§ 3o  Os recursos transferidos pelo FNDE VII – comprovante de recolhimento do saldo
serão obrigatoriamente aplicados em caderneta remanescente de recursos, quando houver;
de poupança aberta especificamente para este VIII – cópia do termo de compromisso a que
fim, quando a previsão do seu uso for igual ou se refere o § 1o do art. 4o.
superior a um mês, ou em fundo de aplicação § 2o  A prestação de contas a que se refere o
financeira de curto prazo ou operação de caput deverá ser divulgada nos sítios eletrôni-
mercado aberto lastreada em títulos da dívida cos do FNDE e dos Estados, Distrito Federal
pública, se a sua utilização ocorrer em prazo e Municípios, observado o disposto no art. 8o
inferior a um mês. da Lei no 12.527, de 18 de novembro de 2011.
§ 4o  A movimentação das contas correntes
recebedoras dos recursos transferidos nos Art. 7o  Quando a prestação de contas não for
termos desta Lei ocorrerá exclusivamente por encaminhada no prazo estabelecido no art. 6o,
meio eletrônico, para que seja devidamente e uma vez esgotados os prazos definidos pelo
identificada a titularidade das contas correntes FNDE, o ente federado será declarado omisso
de executores, fornecedores ou prestadores de no dever de prestar contas, cabendo ao FNDE
serviços, destinatários dos recursos utilizados adotar as providências cabíveis para a devo-
pelos Estados, Distrito Federal e Municípios, lução dos créditos transferidos, devidamente
para execução das ações. atualizados.
Educação básica

Art. 5o  No caso de descumprimento do termo Art. 8o  Os saldos financeiros remanescentes,


de compromisso pelos Estados, Distrito Federal inclusive os provenientes das receitas obtidas
ou Municípios, o FNDE poderá suspender a nas aplicações financeiras realizadas não utili-
liberação das parcelas previstas e determinar à zadas na execução das ações previstas no termo
instituição financeira oficial a suspensão da mo- de compromisso, serão devolvidos ao FNDE,
92
no prazo estabelecido para a apresentação da Art. 11.  Os valores transferidos pela União
prestação de contas. para a execução das ações do PAR não poderão
Parágrafo único.  O FNDE poderá autorizar ser considerados pelos beneficiários para fins
a reprogramação dos saldos remanescentes de cumprimento do disposto no art.  212 da
mediante justificativa fundamentada dos entes Constituição Federal.
beneficiários. �������������������������������������������������������������������������������

Art. 9o  O Conselho Deliberativo do FNDE Art. 16.  As despesas decorrentes do disposto


estabelecerá, por meio de resolução, as regras nesta Lei correrão à conta de dotações específi-
e os procedimentos complementares para a cas consignadas ao orçamento vigente do Mi-
execução das ações previstas no termo de com- nistério da Educação, observadas as limitações
promisso e para a prestação de contas. de movimentação, empenho e pagamento, na
forma da legislação orçamentária e financeira
Art. 10.  O acompanhamento e o controle em vigor.
social da transferência e da aplicação dos re-
cursos repassados para a execução das ações do Art. 17.  Esta Lei entra em vigor na data de
PAR, conforme Termo de Compromisso, serão sua publicação.
exercidos em âmbito municipal e estadual pelos
conselhos previstos no art. 24 da Lei no 11.494, Brasília, 25 de julho de 2012; 191o da Indepen-
de 20 de junho de 2007. dência e 124o da República.
Parágrafo único.  Os conselhos a que se re-
fere o caput analisarão as prestações de contas MICHEL TEMER – Nelson Henrique Barbosa
dos recursos repassados aos entes federados Filho – José Henrique Paim Fernandes – Miriam
e encaminharão ao FNDE demonstrativo Belchior
sintético anual da execução físico-financeira,
com parecer conclusivo acerca da aplicação Promulgada em 25/7/2012 e publicada no DOU de
dos recursos. 26/7/2012.

Normas correlatas

93
Lei no 12.612/2012
Declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Brasília, 13 de abril de 2012; 191o da Indepen-


dência e 124o da República.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta
e eu sanciono a seguinte Lei: DILMA ROUSSEFF – Aloizio Mercadante

Art. 1o  O educador Paulo Freire é declarado Promulgada em 13/4/2012 e publicada no DOU de


Patrono da Educação Brasileira. 16/04/2012.

Art. 2o  Esta Lei entra em vigor na data de sua


publicação.
Educação básica

94
Lei no 11.947/2009
Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos
alunos da educação básica; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro
de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de
24 de agosto de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências.

O VICE–PRESIDENTE DA REPÚBLICA, V – o apoio ao desenvolvimento sustentável,


no exercício do cargo de PRESIDENTE DA com incentivos para a aquisição de gêneros
REPÚBLICA alimentícios diversificados, produzidos em âm-
bito local e preferencialmente pela agricultura
Faço saber que o Congresso Nacional decreta familiar e pelos empreendedores familiares ru-
e eu sanciono a seguinte Lei:1 rais, priorizando as comunidades tradicionais
indígenas e de remanescentes de quilombos;
Art. 1o  Para os efeitos desta Lei, entende-se VI – o direito à alimentação escolar, visando
por alimentação escolar todo alimento ofere- a garantir segurança alimentar e nutricional
cido no ambiente escolar, independentemente dos alunos, com acesso de forma igualitária,
de sua origem, durante o período letivo. respeitando as diferenças biológicas entre
idades e condições de saúde dos alunos que
Art. 2o  São diretrizes da alimentação escolar: necessitem de atenção específica e aqueles que
I – o emprego da alimentação saudável e se encontram em vulnerabilidade social.
adequada, compreendendo o uso de alimentos
variados, seguros, que respeitem a cultura, as Art. 3o  A alimentação escolar é direito dos
tradições e os hábitos alimentares saudáveis, alunos da educação básica pública e dever do
contribuindo para o crescimento e o desen- Estado e será promovida e incentivada com
volvimento dos alunos e para a melhoria do vistas no atendimento das diretrizes estabele-
rendimento escolar, em conformidade com a cidas nesta Lei.
sua faixa etária e seu estado de saúde, inclusive
dos que necessitam de atenção específica; Art. 4o  O Programa Nacional de Alimentação
II – a inclusão da educação alimentar e Escolar – PNAE tem por objetivo contribuir
nutricional no processo de ensino e aprendi- para o crescimento e o desenvolvimento bi-
zagem, que perpassa pelo currículo escolar, opsicossocial, a aprendizagem, o rendimento
abordando o tema alimentação e nutrição e escolar e a formação de hábitos alimentares
o desenvolvimento de práticas saudáveis de saudáveis dos alunos, por meio de ações de
vida, na perspectiva da segurança alimentar e educação alimentar e nutricional e da oferta
nutricional; de refeições que cubram as suas necessidades
III – a universalidade do atendimento aos nutricionais durante o período letivo.
alunos matriculados na rede pública de edu-
cação básica; Art. 5o  Os recursos financeiros consigna-
IV – a participação da comunidade no con- dos no orçamento da União para execução
trole social, no acompanhamento das ações do PNAE serão repassados em parcelas aos
Normas correlatas

realizadas pelos Estados, pelo Distrito Federal Estados, ao Distrito Federal, aos Municípios
e pelos Municípios para garantir a oferta da e às escolas federais pelo Fundo Nacional de
alimentação escolar saudável e adequada; Desenvolvimento da Educação – FNDE, em
conformidade com o disposto no art. 208 da
Constituição Federal e observadas as disposi-
1
  Conversão da Medida Provisória no 455/2008. ções desta Lei. 95
§ 1o  A transferência dos recursos finan- Art. 7o  Os Estados poderão transferir a seus
ceiros, objetivando a execução do PNAE, será Municípios a responsabilidade pelo atendi-
efetivada automaticamente pelo FNDE, sem mento aos alunos matriculados nos estabele-
necessidade de convênio, ajuste, acordo ou cimentos estaduais de ensino localizados nas
contrato, mediante depósito em conta corrente respectivas áreas de jurisdição e, nesse caso,
específica. autorizar expressamente o repasse direto ao
§ 2o  Os recursos financeiros de que trata o Município por parte do FNDE da correspon-
§ 1o deverão ser incluídos nos orçamentos dos dente parcela de recursos calculados na forma
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios do parágrafo único do art. 6o.
atendidos e serão utilizados exclusivamente na
aquisição de gêneros alimentícios. Art. 8o  Os Estados, o Distrito Federal e os
§ 3o  Os saldos dos recursos financeiros re- Municípios apresentarão ao FNDE a prestação
cebidos à conta do PNAE existentes em 31 de de contas do total dos recursos recebidos.
dezembro deverão ser reprogramados para o § 1o  A autoridade responsável pela pres-
exercício subsequente, com estrita observância tação de contas que inserir ou fizer inserir
ao objeto de sua transferência, nos termos disci- documentos ou declaração falsa ou diversa da
plinados pelo Conselho Deliberativo do FNDE. que deveria ser inscrita, com o fim de alterar a
§ 4o  O montante dos recursos financeiros verdade sobre o fato, será responsabilizada na
de que trata o § 1o será calculado com base no forma da lei.
número de alunos devidamente matriculados § 2o  Os Estados, o Distrito Federal e os
na educação básica pública de cada um dos en- Municípios manterão em seus arquivos, em boa
tes governamentais, conforme os dados oficiais guarda e organização, pelo prazo de 5 (cinco)
de matrícula obtidos no censo escolar realizado anos, contados da data de aprovação da presta-
pelo Ministério da Educação. ção de contas do concedente, os documentos a
§ 5o  Para os fins deste artigo, a critério do que se refere o caput, juntamente com todos os
FNDE, serão considerados como parte da rede comprovantes de pagamentos efetuados com os
estadual, municipal e distrital, ainda, os alunos recursos financeiros transferidos na forma des-
matriculados em: ta Lei, ainda que a execução esteja a cargo das
I – creches, pré-escolas e escolas do ensino respectivas escolas, e estarão obrigados a dispo-
fundamental e médio qualificadas como entida- nibilizá-los, sempre que solicitado, ao Tribunal
des filantrópicas ou por elas mantidas, inclusive de Contas da União, ao FNDE, ao Sistema de
as de educação especial; Controle Interno do Poder Executivo Federal
II – creches, pré-escolas e escolas comuni- e ao Conselho de Alimentação Escolar – CAE.
tárias de ensino fundamental e médio conve- § 3o  O FNDE realizará auditagem da apli-
niadas com os Estados, o Distrito Federal e os cação dos recursos nos Estados, no Distrito
Municípios. Federal e nos Municípios, a cada exercício fi-
nanceiro, por sistema de amostragem, podendo
Art. 6o  É facultado aos Estados, ao Distrito requisitar o encaminhamento de documentos
Federal e aos Municípios repassar os recursos e demais elementos necessários para tanto, ou,
financeiros recebidos à conta do PNAE às uni- ainda, delegar competência a outro órgão ou
dades executoras das escolas de educação básica entidade estatal para fazê-lo.
pertencentes à sua rede de ensino, observando
o disposto nesta Lei, no que couber. Art. 9o  O FNDE, os entes responsáveis pelos
Parágrafo único.  O Conselho Deliberativo sistemas de ensino e os órgãos de controle
Educação básica

do FNDE expedirá normas relativas a critérios externo e interno federal, estadual e municipal
de alocação de recursos e valores per capita, criarão, segundo suas competências próprias
bem como para organização e funcionamento ou na forma de rede integrada, mecanismos
das unidades executoras e demais orientações adequados à fiscalização e ao monitoramento
e instruções necessárias à execução do PNAE. da execução do PNAE.
96
Parágrafo único.  Os órgãos de que trata este Art. 14.  Do total dos recursos financeiros
artigo poderão celebrar convênios ou acordos, repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE,
em regime de cooperação, para auxiliar e oti- no mínimo 30% (trinta por cento) deverão ser
mizar o controle do programa. utilizados na aquisição de gêneros alimentí-
cios diretamente da agricultura familiar e do
Art. 10.  Qualquer pessoa física ou jurídica empreendedor familiar rural ou de suas orga-
poderá denunciar ao FNDE, ao Tribunal de nizações, priorizando-se os assentamentos da
Contas da União, aos órgãos de controle interno reforma agrária, as comunidades tradicionais
do Poder Executivo da União, ao Ministério indígenas e comunidades quilombolas.
Público e ao CAE as irregularidades eventual- § 1o  A aquisição de que trata este artigo
mente identificadas na aplicação dos recursos poderá ser realizada dispensando-se o proce-
destinados à execução do PNAE. dimento licitatório, desde que os preços sejam
compatíveis com os vigentes no mercado local,
Art. 11.  A responsabilidade técnica pela observando-se os princípios inscritos no art. 37
alimentação escolar nos Estados, no Distrito da Constituição Federal, e os alimentos aten-
Federal, nos Municípios e nas escolas federais dam às exigências do controle de qualidade
caberá ao nutricionista responsável, que deverá estabelecidas pelas normas que regulamentam
respeitar as diretrizes previstas nesta Lei e na a matéria.
legislação pertinente, no que couber, dentro das § 2o  A observância do percentual previsto
suas atribuições específicas. no caput será disciplinada pelo FNDE e po-
derá ser dispensada quando presente uma das
Art. 12.  Os cardápios da alimentação esco- seguintes circunstâncias:
lar deverão ser elaborados pelo nutricionista I – impossibilidade de emissão do documen-
responsável com utilização de gêneros alimen- to fiscal correspondente;
tícios básicos, respeitando-se as referências II – inviabilidade de fornecimento regular e
nutricionais, os hábitos alimentares, a cultura e constante dos gêneros alimentícios;
a tradição alimentar da localidade, pautando-se III – condições higiênico-sanitárias inade-
na sustentabilidade e diversificação agrícola da quadas.
região, na alimentação saudável e adequada.2
§ 1o  Para efeito desta Lei, gêneros alimen- Art. 15.  Compete ao Ministério da Educação
tícios básicos são aqueles indispensáveis à propor ações educativas que perpassem pelo
promoção de uma alimentação saudável, ob- currículo escolar, abordando o tema alimenta-
servada a regulamentação aplicável. ção e nutrição e o desenvolvimento de práticas
§ 2 o  Para os alunos que necessitem de saudáveis de vida, na perspectiva da segurança
atenção nutricional individualizada em virtude alimentar e nutricional.
de estado ou de condição de saúde específica,
será elaborado cardápio especial com base Art. 16.  Competem à União, por meio do
em recomendações médicas e nutricionais, FNDE, autarquia responsável pela coordenação
avaliação nutricional e demandas nutricionais do PNAE, as seguintes atribuições:
diferenciadas, conforme regulamento. I – estabelecer as normas gerais de planeja-
mento, execução, controle, monitoramento e
Art. 13.  A aquisição dos gêneros alimentí- avaliação do PNAE;
cios, no âmbito do PNAE, deverá obedecer ao II – realizar a transferência de recursos
cardápio planejado pelo nutricionista e será financeiros visando a execução do PNAE nos
Normas correlatas

realizada, sempre que possível, no mesmo ente Estados, Distrito Federal, Municípios e escolas
federativo em que se localizam as escolas, ob- federais;
servando-se as diretrizes de que trata o art. 2o III – promover a articulação interinstitucio-
desta Lei. nal entre as entidades federais envolvidas direta
ou indiretamente na execução do PNAE;
2
  Lei no 12.982/2014. 97
IV – promover a adoção de diretrizes e metas VII – promover e executar ações de sanea-
estabelecidas nos pactos e acordos internacio- mento básico nos estabelecimentos escolares
nais, com vistas na melhoria da qualidade de sob sua responsabilidade, na forma da legisla-
vida dos alunos da rede pública da educação ção pertinente;
básica; VIII – divulgar em locais públicos infor-
V – prestar orientações técnicas gerais aos mações acerca do quantitativo de recursos
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios financeiros recebidos para execução do PNAE;
para o bom desempenho do PNAE; IX – prestar contas dos recursos financeiros
VI – cooperar no processo de capacitação recebidos à conta do PNAE, na forma estabe-
dos recursos humanos envolvidos na execução lecida pelo Conselho Deliberativo do FNDE;
do PNAE e no controle social; X – apresentar ao CAE, na forma e no prazo
VII – promover o desenvolvimento de es- estabelecidos pelo Conselho Deliberativo do
tudos e pesquisas objetivando a avaliação das FNDE, o relatório anual de gestão do PNAE.
ações do PNAE, podendo ser feitos em regime
de cooperação com entes públicos e privados. Art. 18.  Os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios instituirão, no âmbito de suas
Art. 17.  Competem aos Estados, ao Distrito respectivas jurisdições administrativas, Con-
Federal e aos Municípios, no âmbito de suas selhos de Alimentação Escolar – CAE, órgãos
respectivas jurisdições administrativas, as se- colegiados de caráter fiscalizador, permanente,
guintes atribuições, conforme disposto no § 1o deliberativo e de assessoramento, compostos da
do art. 211 da Constituição Federal: seguinte forma:
I – garantir que a oferta da alimentação esco- I – 1 (um) representante indicado pelo Poder
lar se dê em conformidade com as necessidades Executivo do respectivo ente federado;
nutricionais dos alunos, durante o período II – 2 (dois) representantes das entidades
letivo, observando as diretrizes estabelecidas de trabalhadores da educação e de discentes,
nesta Lei, bem como o disposto no inciso VII indicados pelo respectivo órgão de representa-
do art. 208 da Constituição Federal; ção, a serem escolhidos por meio de assembleia
II – promover estudos e pesquisas que específica;
permitam avaliar as ações voltadas para a ali- III – 2 (dois) representantes de pais de
mentação escolar, desenvolvidas no âmbito das alunos, indicados pelos Conselhos Escolares,
respectivas escolas; Associações de Pais e Mestres ou entidades
III – promover a educação alimentar e nutri- similares, escolhidos por meio de assembleia
cional, sanitária e ambiental nas escolas sob sua específica;
responsabilidade administrativa, com o intuito IV – 2 (dois) representantes indicados por
de formar hábitos alimentares saudáveis aos entidades civis organizadas, escolhidos em
alunos atendidos, mediante atuação conjunta assembleia específica.
dos profissionais de educação e do responsável § 1o  Os Estados, o Distrito Federal e os
técnico de que trata o art. 11 desta Lei; Municípios poderão, a seu critério, ampliar a
IV – realizar, em parceria com o FNDE, a composição dos membros do CAE, desde que
capacitação dos recursos humanos envolvidos obedecida a proporcionalidade definida nos
na execução do PNAE e no controle social; incisos deste artigo.
V – fornecer informações, sempre que § 2o  Cada membro titular do CAE terá 1
solicitado, ao FNDE, ao CAE, aos órgãos de (um) suplente do mesmo segmento represen-
controle interno e externo do Poder Executi- tado.
Educação básica

vo, a respeito da execução do PNAE, sob sua § 3 o  Os membros terão mandato de 4
responsabilidade; (quatro) anos, podendo ser reconduzidos de
VI – fornecer instalações físicas e recursos acordo com a indicação dos seus respectivos
humanos que possibilitem o pleno funcio- segmentos.
namento do CAE, facilitando o acesso da § 4o  A presidência e a vice-presidência do
98 população; CAE somente poderão ser exercidas pelos
representantes indicados nos incisos II, III e § 2o  O restabelecimento do repasse dos
IV deste artigo. recursos financeiros à conta do PNAE ocorrerá
§ 5o  O exercício do mandato de conselheiros na forma definida pelo Conselho Deliberativo
do CAE é considerado serviço público relevan- do FNDE.
te, não remunerado.
§ 6o  Caberá aos Estados, ao Distrito Federal Art. 21.  Ocorrendo a suspensão prevista no
e aos Municípios informar ao FNDE a compo- art. 20, fica o FNDE autorizado a realizar, em
sição do seu respectivo CAE, na forma estabe- conta específica, o repasse dos recursos equiva-
lecida pelo Conselho Deliberativo do FNDE. lentes, pelo prazo de 180 (cento e oitenta) dias,
diretamente às unidades executoras, conforme
Art. 19.  Compete ao CAE: previsto no art. 6o desta Lei, correspondentes
I – acompanhar e fiscalizar o cumprimento às escolas atingidas, para fornecimento da
das diretrizes estabelecidas na forma do art. 2o alimentação escolar, dispensando-se o proce-
desta Lei; dimento licitatório para aquisição emergencial
II – acompanhar e fiscalizar a aplicação dos dos gêneros alimentícios, mantidas as demais
recursos destinados à alimentação escolar; regras estabelecidas para execução do PNAE,
III – zelar pela qualidade dos alimentos, em inclusive quanto à prestação de contas.
especial quanto às condições higiênicas, bem Parágrafo único.  A partir da publicação
como a aceitabilidade dos cardápios oferecidos; desta Lei, o FNDE terá até 180 (cento e oitenta)
IV – receber o relatório anual de gestão do dias para regulamentar a matéria de que trata
PNAE e emitir parecer conclusivo a respeito, o caput deste artigo.
aprovando ou reprovando a execução do Pro-
grama. Art. 22.  O Programa Dinheiro Direto na
Parágrafo único.  Os CAEs poderão desen- Escola – PDDE, com o objetivo de prestar as-
volver suas atribuições em regime de coopera- sistência financeira, em caráter suplementar, às
ção com os Conselhos de Segurança Alimentar escolas públicas da educação básica das redes
e Nutricional estaduais e municipais e demais estaduais, municipais e do Distrito Federal,
conselhos afins, e deverão observar as diretri- às escolas de educação especial qualificadas
zes estabelecidas pelo Conselho Nacional de como beneficentes de assistência social ou de
Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA. atendimento direto e gratuito ao público, às
escolas mantidas por entidades de tais gêneros
Art. 20.  Fica o FNDE autorizado a suspender e aos polos presenciais do sistema Univer-
os repasses dos recursos do PNAE quando os sidade Aberta do Brasil – UAB que ofertem
Estados, o Distrito Federal ou os Municípios: programas de formação inicial ou continuada
I – não constituírem o respectivo CAE ou a profissionais da educação básica, observado
deixarem de efetuar os ajustes necessários, o disposto no art. 25, passa a ser regido pelo
visando ao seu pleno funcionamento; disposto nesta Lei.3
II – não apresentarem a prestação de contas § 1o  A assistência financeira a ser concedida
dos recursos anteriormente recebidos para exe- a cada estabelecimento de ensino beneficiário
cução do PNAE, na forma e nos prazos estabe- e aos polos presenciais da UAB que ofertem
lecidos pelo Conselho Deliberativo do FNDE; programas de formação inicial ou continuada
III – cometerem irregularidades na execução a profissionais da educação básica será defini-
do PNAE, na forma estabelecida pelo Conselho da anualmente e terá como base o número de
Deliberativo do FNDE. alunos matriculados na educação básica e na
Normas correlatas

§ 1o  Sem prejuízo do previsto no caput, fica UAB, de acordo, respectivamente, com dados
o FNDE autorizado a comunicar eventuais do censo escolar realizado pelo Ministério da
irregularidades na execução do PNAE ao Mi- Educação e com dados coletados pela Coorde-
nistério Público e demais órgãos ou autoridades
ligadas ao tema de que trata o Programa. 3
  Lei n o   12.695/2012; e Medida Provisória
no 562/2012. 99
nação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino estabelecidos pelo Conselho Deliberativo do
Superior – CAPES, observado o disposto no FNDE serão feitas:4
art. 24. I – pelas unidades executoras próprias das
§ 2o  A assistência financeira de que trata o escolas públicas municipais, estaduais e do
§ 1o será concedida sem a necessidade de ce- Distrito Federal e dos polos presenciais do
lebração de convênio, acordo, contrato, ajuste sistema UAB aos Municípios e às Secretarias
ou instrumento congênere, mediante crédito de Educação a que estejam vinculadas, que se
do valor devido em conta bancária específica: encarregarão da análise, julgamento, consoli-
I – diretamente à unidade executora própria, dação e encaminhamento ao FNDE, conforme
representativa da comunidade escolar, ou àque- estabelecido pelo seu conselho deliberativo;
la qualificada como beneficente de assistência II – pelos Municípios, Secretarias de Edu-
social ou de atendimento direto e gratuito ao cação dos Estados e do Distrito Federal e pelas
público; entidades qualificadas como beneficentes de
II – ao Estado, ao Distrito Federal ou ao assistência social ou de atendimento direto e
Município mantenedor do estabelecimento gratuito ao público àquele Fundo.
de ensino, que não possui unidade executora § 1o  As prestações de contas dos recursos
própria. transferidos para atendimento das escolas e dos
polos presenciais do sistema UAB que não pos-
Art. 23.  Os recursos financeiros repassados suem unidades executoras próprias deverão ser
para o PDDE serão destinados à cobertura de feitas ao FNDE, observadas as respectivas redes
despesas de custeio, manutenção e de pequenos de ensino, pelos Municípios e pelas Secretarias
investimentos, que concorram para a garantia de Educação dos Estados e do Distrito Federal.
do funcionamento e melhoria da infraestrutura § 2o  Fica o FNDE autorizado a suspender
física e pedagógica dos estabelecimentos de o repasse dos recursos do PDDE nas seguintes
ensino. hipóteses:
I – omissão na prestação de contas, confor-
Art. 24.  O Conselho Deliberativo do FNDE me definido pelo seu Conselho Deliberativo;
expedirá normas relativas aos critérios de aloca- II – rejeição da prestação de contas;
ção, repasse, execução, prestação de contas dos III – utilização dos recursos em desacordo
recursos e valores per capita, bem como sobre com os critérios estabelecidos para a execução
a organização e funcionamento das unidades do PDDE, conforme constatado por análise
executoras próprias. documental ou de auditoria.
Parágrafo único.  A fixação dos valores per § 3o  Em caso de omissão no encaminha-
capita contemplará, diferenciadamente, as es- mento das prestações de contas, na forma do
colas que oferecem educação especial de forma inciso I do caput, fica o FNDE autorizado a
inclusiva ou especializada, de modo a assegu- suspender o repasse dos recursos a todas as
rar, de acordo com os objetivos do PDDE, o escolas e polos presenciais do sistema UAB da
adequado atendimento às necessidades dessa rede de ensino do respectivo ente federado.
modalidade educacional. § 4o  O gestor, responsável pela prestação
de contas, que permitir, inserir ou fizer inserir
Art. 25.  Os Estados, o Distrito Federal e os documentos ou declaração falsa ou diversa da
Municípios deverão inscrever, quando cou- que deveria ser inscrita, com o fim de alterar
ber, nos respectivos orçamentos os recursos a verdade sobre os fatos, será responsabilizado
financeiros destinados aos estabelecimentos na forma da lei.
Educação básica

de ensino a eles vinculados, bem como prestar


contas dos referidos recursos. Art. 27.  Os entes federados, as unidades exe-
cutoras próprias e as entidades qualificadas
Art. 26.  As prestações de contas dos recursos
recebidos à conta do PDDE, a serem apresenta- 4
  Lei n o   12.695/2012; e Medida Provisória
100 das nos prazos e constituídas dos documentos no 562/2012.
como beneficentes de assistência social ou Parágrafo único.  Ato do Poder Executivo
de atendimento direto e gratuito ao público disporá sobre as normas de funcionamento,
manterão arquivados, em sua sede, em boa execução e gestão do Programa.
guarda e organização, ainda que utilize serviços
de contabilidade de terceiros, pelo prazo de 5 Art. 33-A.  O Poder Executivo fica autorizado
(cinco) anos, contado da data de julgamento da a conceder bolsas aos professores das redes
prestação de contas anual do FNDE pelo órgão públicas de educação e a estudantes beneficiá-
de controle externo, os documentos fiscais, ori- rios do Programa Nacional de Educação na
ginais ou equivalentes, das despesas realizadas Reforma Agrária – PRONERA.5
na execução das ações do PDDE. § 1o  Os professores das redes públicas de
educação poderão perceber bolsas pela partici-
Art. 28.  A fiscalização da aplicação dos recur- pação nas atividades do PRONERA, desde que
sos financeiros relativos à execução do PDDE não haja prejuízo à sua carga horária regular
é de competência do FNDE e dos órgãos de e ao atendimento do plano de metas de cada
controle externo e interno do Poder Executivo instituição com seu mantenedor, se for o caso.
da União e será feita mediante realização de au- § 2o  Os valores e os critérios para concessão
ditorias, inspeções e análise dos processos que e manutenção das bolsas serão fixados pelo
originarem as respectivas prestações de contas. Poder Executivo.
Parágrafo único.  Os órgãos incumbidos da § 3o  As atividades exercidas no âmbito do
fiscalização dos recursos destinados à execu- PRONERA não caracterizam vínculo empre-
ção do PDDE poderão celebrar convênios ou gatício e os valores recebidos a título de bolsa
acordos, em regime de mútua cooperação, para não se incorporam, para qualquer efeito, ao
auxiliar e otimizar o controle do Programa. vencimento, salário, remuneração ou proventos
recebidos.
Art. 29.  Qualquer pessoa, física ou jurídica,
poderá denunciar ao FNDE, ao Tribunal de Art. 34.  Ficam revogados os arts. 1o a 14 da
Contas da União, aos órgãos de controle interno Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto
do Poder Executivo da União e ao Ministério de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994.
Público irregularidades identificadas na apli-
cação dos recursos destinados à execução do Art. 35.  Esta Lei entra em vigor na data de
PDDE. sua publicação.
�������������������������������������������������������������������������������
Brasília, 16 de junho de 2009; 188o da Indepen-
Art. 33.  Fica o Poder Executivo autorizado dência e 121o da República.
a instituir o Programa Nacional de Educação
na Reforma Agrária – PRONERA, a ser im- JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA –
plantado no âmbito do Ministério do Desen- Fernando Haddad – Paulo Bernardo Silva
volvimento Agrário – MDA e executado pelo
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Promulgada em 16/6/2009 e publicada no DOU de
Agrária – INCRA. 17/6/2009.
Normas correlatas

  Lei no 12.695/2012.
5
101
Lei no 11.507/2007
Institui o Auxílio de Avaliação Educacional – AAE para os servidores que participarem de processos
de avaliação realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira
– INEP ou pela Fundação CAPES; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de
fevereiro de 2006, 11.357, de 19 de outubro de 2006, e 11.458, de 19 de março de 2007; cria cargos
em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS; cria, em caráter temporário,
funções de confiança denominadas Funções Comissionadas dos Jogos Pan-americanos – FCPAN;
trata de cargos de reitor e vice-reitor das Universidades Federais; revoga dispositivo da Lei no 10.558,
de 13 de novembro de 2002; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA do servidor, devendo ser objeto de compensa-


ção de carga horária, até o mês subsequente,
Faço saber que o Congresso Nacional decreta quando desempenhadas durante a jornada de
e eu sanciono a seguinte Lei:1 trabalho; e
II – não se incorpora ao vencimento ou
Art. 1o  Fica instituído o Auxílio de Avaliação salário do servidor para qualquer efeito e não
Educacional – AAE devido ao servidor ou poderá ser utilizado como base de cálculo para
colaborador eventual que, em decorrência do quaisquer outras vantagens, inclusive para fins
exercício da docência ou pesquisa no ensino de cálculo dos proventos da aposentadoria e
básico ou superior, público ou privado, partici- das pensões.
pe, em caráter eventual, de processo de avalia-
ção educacional de instituições, cursos, projetos Art. 4o  O AAE será devido em função da rea-
ou desempenho de estudantes a ser executado lização das atividades de avaliação referidas nos
pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas arts. 1o e 2o desta Lei, até o limite de R$ 2.000,00
Educacionais Anísio Teixeira – INEP, pela Co- (dois mil reais) por atividade.3
ordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de § 1o  Regulamento disporá sobre os valores
Nível Superior – CAPES e pelo Fundo Nacional a serem atribuídos a cada atividade.
de Desenvolvimento da Educação – FNDE.2 § 2o  Os valores do AAE devidos a cada
atividade serão atualizados anualmente em ato
Art. 2o  Caberá o pagamento do AAE em retri- do Poder Executivo.
buição à participação em processo de avaliação
referido no art. 1o desta Lei, incluídas a realiza- Art. 5o  Quando houver a participação, em ca-
ção de visita de avaliação in loco, participação ráter eventual, de pessoa estranha aos quadros
em sessão de colegiado com atribuições de de pessoal da administração pública federal
avaliação educacional, atuação em comissão direta, autárquica e fundacional em processos
de especialistas, emissão de parecer técnico e de avaliação de que tratam os arts. 1o e 2o desta
elaboração de estudos e relatórios científicos Lei, ser-lhe-á pago, a título de retribuição, valor
de avaliação. fixado na forma do art. 4o desta Lei.

Art. 3o  O AAE de que trata o art. 1o desta Lei: Art. 6o  Quando necessários deslocamentos
Educação básica

I – somente será pago se as atividades forem em razão da atividade de avaliação, o servidor


exercidas sem prejuízo das atribuições do cargo fará jus a passagens e diárias, na forma da lei.

1
  Conversão da Medida Provisória no 361/2007.
2
  Leis nos  12.269/2010 e 11.947/2009; e Medida 3
  Lei n o   12.269/2010; e Medida Provisória
102 Provisória no 479/2009. no 479/2009.
Parágrafo único.  A pessoa de que trata o Art. 19.  Esta Lei entra em vigor na data de
art. 5o desta Lei em idêntica situação fará jus sua publicação.
a passagens e diárias do mesmo valor devido
ao servidor. Brasília, 20 de julho de 2007; 186o da Indepen-
dência e 119o da República.
Art. 7o  As despesas decorrentes do AAE cor-
rerão à conta de dotações e limites previstos LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Tarso Genro
no orçamento anual consignadas à CAPES, ao – Fernando Haddad – Paulo Bernardo Silva –
INEP e ao FNDE no grupo de despesas “Outras Orlando Silva de Jesus Junior – José Antonio
Despesas Correntes”.4 Dias Toffoli
�������������������������������������������������������������������������������
Promulgada em 20/7/2007 e publicada no DOU de
23/7/2007.

Normas correlatas

4
  Lei no 11.947/2009. 103
Lei no 11.494/2007
Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação – FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424,
de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá
outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Art. 2o  Os Fundos destinam-se à manuten-


ção e ao desenvolvimento da educação básica
Faço saber que o Congresso Nacional decreta pública e à valorização dos trabalhadores em
e eu sanciono a seguinte Lei:1 educação, incluindo sua condigna remunera-
ção, observado o disposto nesta Lei.

CAPÍTULO I – Disposições Gerais


CAPÍTULO II – Da Composição Financeira
Art. 1o  É instituído, no âmbito de cada Estado SEÇÃO I – Das Fontes de Receita dos
e do Distrito Federal, um Fundo de Manuten- Fundos
ção e Desenvolvimento da Educação Básica e
de Valorização dos Profissionais da Educação – Art. 3o  Os Fundos, no âmbito de cada Estado
FUNDEB, de natureza contábil, nos termos do e do Distrito Federal, são compostos por 20%
art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais (vinte por cento) das seguintes fontes de receita:
Transitórias – ADCT. I – imposto sobre transmissão causa mortis
Parágrafo único.  A instituição dos Fundos e doação de quaisquer bens ou direitos previsto
previstos no caput deste artigo e a aplicação de no inciso I do caput do art. 155 da Constituição
seus recursos não isentam os Estados, o Distrito Federal;
Federal e os Municípios da obrigatoriedade da II – imposto sobre operações relativas à
aplicação na manutenção e no desenvolvimento circulação de mercadorias e sobre prestações
do ensino, na forma prevista no art.  212 da de serviços de transportes interestadual e inter-
Constituição Federal e no inciso VI do caput e municipal e de comunicação previsto no inciso
parágrafo único do art. 10 e no inciso I do caput II do caput do art. 155 combinado com o inciso
do art. 11 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro IV do caput do art. 158 da Constituição Federal;
de 1996, de: III – imposto sobre a propriedade de veícu-
I – pelo menos 5% (cinco por cento) do los automotores previsto no inciso III do caput
montante dos impostos e transferências que do art. 155 combinado com o inciso III do caput
compõem a cesta de recursos do Fundeb, a que do art. 158 da Constituição Federal;
se referem os incisos I a IX do caput e o § 1o do IV – parcela do produto da arrecadação do
art. 3o desta Lei, de modo que os recursos pre- imposto que a União eventualmente instituir
vistos no art. 3o desta Lei somados aos referidos no exercício da competência que lhe é atribuída
neste inciso garantam a aplicação do mínimo de pelo inciso I do caput do art. 154 da Constitui-
25% (vinte e cinco por cento) desses impostos ção Federal prevista no inciso II do caput do
Educação básica

e transferências em favor da manutenção e art. 157 da Constituição Federal;


desenvolvimento do ensino; V – parcela do produto da arrecadação do
II – pelo menos 25% (vinte e cinco por cento) imposto sobre a propriedade territorial rural,
dos demais impostos e transferências. relativamente a imóveis situados nos Municí-
pios, prevista no inciso II do caput do art. 158
104 1
  Conversão da Medida Provisória no 339/2006. da Constituição Federal;
VI – parcela do produto da arrecadação do § 1o  O valor anual mínimo por aluno defi-
imposto sobre renda e proventos de qualquer nido nacionalmente constitui-se em valor de
natureza e do imposto sobre produtos industri- referência relativo aos anos iniciais do ensino
alizados devida ao Fundo de Participação dos fundamental urbano e será determinado con-
Estados e do Distrito Federal – FPE e prevista tabilmente em função da complementação da
na alínea “a” do inciso I do caput do art. 159 da União.
Constituição Federal e no Sistema Tributário § 2o  O valor anual mínimo por aluno será
Nacional de que trata a Lei no 5.172, de 25 de definido nacionalmente, considerando-se a
outubro de 1966; complementação da União após a dedução da
VII – parcela do produto da arrecadação do parcela de que trata o art. 7o desta Lei, relativa
imposto sobre renda e proventos de qualquer a programas direcionados para a melhoria da
natureza e do imposto sobre produtos industri- qualidade da educação básica.
alizados devida ao Fundo de Participação dos
Municípios – FPM e prevista na alínea “b” do Art. 5o  A complementação da União destina-
inciso I do caput do art. 159 da Constituição se exclusivamente a assegurar recursos finan-
Federal e no Sistema Tributário Nacional de que ceiros aos Fundos, aplicando-se o disposto no
trata a Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966; caput do art. 160 da Constituição Federal.
VIII – parcela do produto da arrecadação do § 1o  É vedada a utilização dos recursos
imposto sobre produtos industrializados devida oriundos da arrecadação da contribuição social
aos Estados e ao Distrito Federal e prevista no do salário-educação a que se refere o § 5o do
inciso II do caput do art. 159 da Constituição art.  212 da Constituição Federal na comple-
Federal e na Lei Complementar no 61, de 26 de mentação da União aos Fundos.
dezembro de 1989; e § 2o  A vinculação de recursos para ma-
IX – receitas da dívida ativa tributária rela- nutenção e desenvolvimento do ensino esta-
tiva aos impostos previstos neste artigo, bem belecida no art.  212 da Constituição Federal
como juros e multas eventualmente incidentes. suportará, no máximo, 30% (trinta por cento)
§ 1o  Inclui-se na base de cálculo dos recur- da complementação da União.
sos referidos nos incisos do caput deste artigo
o montante de recursos financeiros transferidos Art. 6o  A complementação da União será de,
pela União aos Estados, ao Distrito Federal no mínimo, 10% (dez por cento) do total dos
e aos Municípios, conforme disposto na Lei recursos a que se refere o inciso II do caput do
Complementar no  87, de 13 de setembro de art. 60 do ADCT.
1996. § 1o  A complementação da União observará
§ 2o  Além dos recursos mencionados nos o cronograma da programação financeira do
incisos do caput e no § 1o deste artigo, os Fundos Tesouro Nacional e contemplará pagamentos
contarão com a complementação da União, nos mensais de, no mínimo, 5% (cinco por cento)
termos da Seção II deste Capítulo. da complementação anual, a serem realizados
até o último dia útil de cada mês, assegurados
os repasses de, no mínimo, 45% (quarenta e
SEÇÃO II – Da Complementação da União cinco por cento) até 31 de julho, de 85% (oitenta
e cinco por cento) até 31 de dezembro de cada
Art. 4o  A União complementará os recursos ano, e de 100% (cem por cento) até 31 de janeiro
dos Fundos sempre que, no âmbito de cada do exercício imediatamente subsequente.
Estado e no Distrito Federal, o valor médio § 2o  A complementação da União a maior
Normas correlatas

ponderado por aluno, calculado na forma do ou a menor em função da diferença entre a re-
Anexo desta Lei, não alcançar o mínimo defi- ceita utilizada para o cálculo e a receita realiza-
nido nacionalmente, fixado de forma a que a da do exercício de referência será ajustada no 1o
complementação da União não seja inferior (primeiro) quadrimestre do exercício imedia-
aos valores previstos no inciso VII do caput do tamente subsequente e debitada ou creditada à
art. 60 do ADCT. conta específica dos Fundos, conforme o caso. 105
§ 3o  O não cumprimento do disposto no sem fins lucrativos e conveniadas com o poder
caput deste artigo importará em crime de público, o cômputo das matrículas efetivadas:
responsabilidade da autoridade competente. I – na educação infantil oferecida em creches
para crianças de até 3 (três) anos;
Art. 7o  Parcela da complementação da Uni- II – na educação do campo oferecida em
ão, a ser fixada anualmente pela Comissão instituições credenciadas que tenham como
Intergovernamental de Financiamento para proposta pedagógica a formação por alternân-
a Educação Básica de Qualidade instituída na cia, observado o disposto em regulamento.
forma da Seção II do Capítulo III desta Lei, § 2o  As instituições a que se refere o §  1o
limitada a até 10% (dez por cento) de seu valor deste artigo deverão obrigatória e cumulati-
anual, poderá ser distribuída para os Fundos vamente:
por meio de programas direcionados para a I – oferecer igualdade de condições para o
melhoria da qualidade da educação básica, na acesso e permanência na escola e atendimento
forma do regulamento. educacional gratuito a todos os seus alunos;
Parágrafo único.  Para a distribuição da II – comprovar finalidade não lucrativa e
parcela de recursos da complementação a que aplicar seus excedentes financeiros em educa-
se refere o caput deste artigo aos Fundos de âm- ção na etapa ou modalidade previstas nos §§ 1o,
bito estadual beneficiários da complementação 3o e 4o deste artigo;
nos termos do art. 4o desta Lei, levar-se-á em III – assegurar a destinação de seu patrimô-
consideração: nio a outra escola comunitária, filantrópica ou
I – a apresentação de projetos em regime de confessional com atuação na etapa ou modali-
colaboração por Estado e respectivos Municí- dade previstas nos §§ 1o, 3o e 4o deste artigo ou
pios ou por consórcios municipais; ao poder público no caso do encerramento de
II – o desempenho do sistema de ensino suas atividades;
no que se refere ao esforço de habilitação dos IV – atender a padrões mínimos de qualida-
professores e aprendizagem dos educandos e de definidos pelo órgão normativo do sistema
melhoria do fluxo escolar; de ensino, inclusive, obrigatoriamente, ter
III – o esforço fiscal dos entes federados; aprovados seus projetos pedagógicos;
IV – a vigência de plano estadual ou muni- V – ter certificado do Conselho Nacional
cipal de educação aprovado por lei. de Assistência Social ou órgão equivalente, na
forma do regulamento.
§ 3o  Será admitido, até a universalização da
CAPÍTULO III – Da Distribuição dos pré-escola prevista na Lei no 13.005, de 25 de
Recursos junho de 2014, o cômputo das matrículas das
SEÇÃO I – Disposições Gerais pré-escolas, comunitárias, confessionais ou
filantrópicas, sem fins lucrativos, conveniadas
Art. 8 o   A distribuição de recursos que com o poder público e que atendam a crianças
compõem os Fundos, no âmbito de cada Es- de quatro a cinco anos, observadas as condições
tado e do Distrito Federal, dar-se-á, entre o previstas nos incisos I a V do § 2o, efetivadas,
governo estadual e os de seus Municípios, na conforme o censo escolar mais atualizado,
proporção do número de alunos matriculados realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e
nas respectivas redes de educação básica pú- Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP.
blica presencial, na forma do Anexo desta Lei.2 § 4o  Observado o disposto no parágrafo
§ 1o  Será admitido, para efeito da distribui- único do art. 60 da Lei no 9.394, de 20 de de-
Educação básica

ção dos recursos previstos no inciso II do caput zembro de 1996, e no § 2o deste artigo, admi-
do art. 60 do ADCT, em relação às instituições tir-se-á o cômputo das matrículas efetivadas,
comunitárias, confessionais ou filantrópicas conforme o censo escolar mais atualizado, na
educação especial oferecida em instituições
  Leis nos 13.348/2016, 12.837/2013 e 12.695/2012; e
2 comunitárias, confessionais ou filantrópicas
106 Medidas Provisórias nos 606/2013 e 562/2012.
sem fins lucrativos, conveniadas com o poder diferenças entre etapas, modalidades e tipos de
público, com atuação exclusiva na modalidade. estabelecimento de ensino da educação básica:3
§ 5o  Eventuais diferenças do valor anual por I – creche em tempo integral;
aluno entre as instituições públicas da etapa e II – pré-escola em tempo integral;
da modalidade referidas neste artigo e as insti- III – creche em tempo parcial;
tuições a que se refere o § 1o deste artigo serão IV – pré-escola em tempo parcial;
aplicadas na criação de infraestrutura da rede V – anos iniciais do ensino fundamental
escolar pública. urbano;
§ 6o  Os recursos destinados às instituições VI – anos iniciais do ensino fundamental
de que tratam os §§ 1o, 3o e 4o deste artigo so- no campo;
mente poderão ser destinados às categorias de VII – anos finais do ensino fundamental
despesa previstas no art. 70 da Lei no 9.394, de urbano;
20 de dezembro de 1996. VIII – anos finais do ensino fundamental
no campo;
Art. 9o  Para os fins da distribuição dos recur- IX – ensino fundamental em tempo integral;
sos de que trata esta Lei, serão consideradas X – ensino médio urbano;
exclusivamente as matrículas presenciais efe- XI – ensino médio no campo;
tivas, conforme os dados apurados no censo XII – ensino médio em tempo integral;
escolar mais atualizado, realizado anualmente XIII – ensino médio integrado à educação
pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas profissional;
Educacionais Anísio Teixeira – INEP, conside- XIV – formação técnica e profissional pre-
rando as ponderações aplicáveis. vista no inciso V do caput do art.  36 da Lei
§ 1o  Os recursos serão distribuídos entre o no 9.394, de 20 de dezembro de 1996;
Distrito Federal, os Estados e seus Municípios, XV – segunda opção formativa de ensino
considerando-se exclusivamente as matrículas médio, nos termos do § 10 do caput do art. 36
nos respectivos âmbitos de atuação prioritária, da Lei no 9.394, de 1996;
conforme os §§ 2o e 3o do art. 211 da Constitui- XVI – educação especial;
ção Federal, observado o disposto no § 1o do XVII – educação indígena e quilombola;
art. 21 desta Lei. XVIII – formação técnica e profissional
§ 2o  Serão consideradas, para a educação prevista no inciso V do caput do art. 36 da Lei
especial, as matrículas na rede regular de ensi- no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; e
no, em classes comuns ou em classes especiais XIX – educação de jovens e adultos integrada
de escolas regulares, e em escolas especiais ou à educação profissional de nível médio, com
especializadas. avaliação no processo.
§ 3o  Os profissionais do magistério da edu- § 1o  A ponderação entre diferentes etapas,
cação básica da rede pública de ensino cedidos modalidades e tipos de estabelecimento de
para as instituições a que se referem os §§ 1o, 3o ensino adotará como referência o fator 1 (um)
e 4o do art. 8o desta Lei serão considerados como para os anos iniciais do ensino fundamental
em efetivo exercício na educação básica pública urbano, observado o disposto no § 1o do art. 32
para fins do disposto no art. 22 desta Lei. desta Lei.
§ 4o  Os Estados, o Distrito Federal e os § 2o  A ponderação entre demais etapas,
Municípios poderão, no prazo de 30 (trinta) modalidades e tipos de estabelecimento será
dias da publicação dos dados do censo escolar resultado da multiplicação do fator de refe-
no Diário Oficial da União, apresentar recursos rência por um fator específico fixado entre
Normas correlatas

para retificação dos dados publicados. 0,70 (setenta centésimos) e 1,30 (um inteiro e
trinta centésimos), observando-se, em qualquer
Art. 10.  A distribuição proporcional de recur- hipótese, o limite previsto no art. 11 desta Lei.
sos dos Fundos levará em conta as seguintes
3
  Lei n o   13.415/2017; e Medida Provisória
no 746/2016. 107
§ 3o  Para os fins do disposto neste artigo, o § 3o  A participação na Comissão Inter-
regulamento disporá sobre a educação básica governamental de Financiamento para a
em tempo integral e sobre os anos iniciais e Educação Básica de Qualidade é função não
finais do ensino fundamental. remunerada de relevante interesse público, e
§ 4o  O direito à educação infantil será asse- seus membros, quando convocados, farão jus
gurado às crianças até o término do ano letivo a transporte e diárias.
em que completarem 6 (seis) anos de idade.
Art. 13.  No exercício de suas atribuições,
Art. 11.  A apropriação dos recursos em fun- compete à Comissão Intergovernamental de
ção das matrículas na modalidade de educação Financiamento para a Educação Básica de
de jovens e adultos, nos termos da alínea “c” do Qualidade:4
inciso III do caput do art. 60 do Ato das Dis- I – especificar anualmente as ponderações
posições Constitucionais Transitórias – ADCT, aplicáveis entre diferentes etapas, modalida-
observará, em cada Estado e no Distrito Fede- des e tipos de estabelecimento de ensino da
ral, percentual de até 15% (quinze por cento) educação básica, observado o disposto no
dos recursos do Fundo respectivo. art.  10 desta Lei, levando em consideração a
correspondência ao custo real da respectiva
etapa e modalidade e tipo de estabelecimento
SEÇÃO II – Da Comissão de educação básica, segundo estudos de custo
Intergovernamental de Financiamento para a realizados e publicados pelo INEP;
Educação Básica de Qualidade II – fixar anualmente o limite proporcional
de apropriação de recursos pelas diferentes
Art. 12.  Fica instituída, no âmbito do Ministé- etapas, modalidades e tipos de estabelecimen-
rio da Educação, a Comissão Intergovernamen- to de ensino da educação básica, observado o
tal de Financiamento para a Educação Básica de disposto no art. 11 desta Lei;
Qualidade, com a seguinte composição: III – fixar anualmente a parcela da comple-
I – 1 (um) representante do Ministério da mentação da União a ser distribuída para os
Educação; Fundos por meio de programas direcionados
II – 1 (um) representante dos secretários para a melhoria da qualidade da educação bási-
estaduais de educação de cada uma das 5 (cin- ca, bem como respectivos critérios de distribui-
co) regiões político-administrativas do Brasil ção, observado o disposto no art. 7o desta Lei;
indicado pelas seções regionais do Conselho IV – elaborar, requisitar ou orientar a elabo-
Nacional de Secretários de Estado da Educa- ração de estudos técnicos pertinentes, sempre
ção – CONSED; que necessário;
III – 1 (um) representante dos secretários V – elaborar seu regimento interno, bai-
municipais de educação de cada uma das 5 xado em portaria do Ministro de Estado da
(cinco) regiões político-administrativas do Educação.
Brasil indicado pelas seções regionais da União VI – fixar percentual mínimo de recursos a
Nacional dos Dirigentes Municipais de Educa- ser repassado às instituições de que tratam os
ção – UNDIME. incisos I e II do § 1o e os §§ 3o e 4o do art. 8o, de
§ 1o  As deliberações da Comissão Intergo- acordo com o número de matrículas efetivadas.
vernamental de Financiamento para a Edu- § 1o  Serão adotados como base para a deci-
cação Básica de Qualidade serão registradas são da Comissão Intergovernamental de Finan-
em ata circunstanciada, lavrada conforme seu ciamento para a Educação Básica de Qualidade
Educação básica

regimento interno. os dados do censo escolar anual mais atualizado


§ 2o  As deliberações relativas à especificação realizado pelo INEP.
das ponderações serão baixadas em resolução § 2o  A Comissão Intergovernamental de
publicada no Diário Oficial da União até o dia Financiamento para a Educação Básica de
31 de julho de cada exercício, para vigência no
108 exercício seguinte.   Lei no 12.695/2012.
4
Qualidade exercerá suas competências em Art. 17.  Os recursos dos Fundos, provenientes
observância às garantias estabelecidas nos da União, dos Estados e do Distrito Federal,
incisos I, II, III e IV do caput do art. 208 da serão repassados automaticamente para contas
Constituição Federal e às metas de universa- únicas e específicas dos Governos Estaduais, do
lização da educação básica estabelecidas no Distrito Federal e dos Municípios, vinculadas
plano nacional de educação. ao respectivo Fundo, instituídas para esse fim e
mantidas na instituição financeira de que trata
Art. 14.  As despesas da Comissão Intergover- o art. 16 desta Lei.
namental de Financiamento para a Educação § 1o  Os repasses aos Fundos provenientes
Básica de Qualidade correrão à conta das do- das participações a que se refere o inciso II do
tações orçamentárias anualmente consignadas caput do art. 158 e as alíneas “a” e “b” do inciso
ao Ministério da Educação. I do caput e inciso II do caput do art. 159 da
Constituição Federal, bem como os repasses aos
Fundos à conta das compensações financeiras
CAPÍTULO IV – Da Transferência e da aos Estados, Distrito Federal e Municípios a que
Gestão dos Recursos se refere a Lei Complementar no 87, de 13 de
setembro de 1996, constarão dos orçamentos
Art. 15.  O Poder Executivo federal publicará, da União, dos Estados e do Distrito Federal
até 31 de dezembro de cada exercício, para e serão creditados pela União em favor dos
vigência no exercício subsequente: Governos Estaduais, do Distrito Federal e dos
I – a estimativa da receita total dos Fundos; Municípios nas contas específicas a que se
II – a estimativa do valor da complementa- refere este artigo, respeitados os critérios e as
ção da União; finalidades estabelecidas nesta Lei, observados
III – a estimativa dos valores anuais por os mesmos prazos, procedimentos e forma de
aluno no âmbito do Distrito Federal e de cada divulgação adotados para o repasse do restante
Estado; dessas transferências constitucionais em favor
IV – o valor anual mínimo por aluno defi- desses governos.
nido nacionalmente. § 2o  Os repasses aos Fundos provenientes
Parágrafo único.  Para o ajuste da comple- dos impostos previstos nos incisos I, II e III do
mentação da União de que trata o § 2o do art. 6o caput do art. 155 combinados com os incisos III
desta Lei, os Estados e o Distrito Federal deve- e IV do caput do art. 158 da Constituição Fe-
rão publicar na imprensa oficial e encaminhar deral constarão dos orçamentos dos Governos
à Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério Estaduais e do Distrito Federal e serão depo-
da Fazenda, até o dia 31 de janeiro, os valores sitados pelo estabelecimento oficial de crédito
da arrecadação efetiva dos impostos e das previsto no art. 4o da Lei Complementar no 63,
transferências de que trata o art. 3o desta Lei de 11 de janeiro de 1990, no momento em que
referentes ao exercício imediatamente anterior. a arrecadação estiver sendo realizada nas contas
do Fundo abertas na instituição financeira de
Art. 16.  Os recursos dos Fundos serão dis- que trata o caput deste artigo.
ponibilizados pelas unidades transferidoras § 3o  A instituição financeira de que trata o
ao Banco do Brasil S.A. ou Caixa Econômica caput deste artigo, no que se refere aos recursos
Federal, que realizará a distribuição dos valores dos impostos e participações mencionados
devidos aos Estados, ao Distrito Federal e aos no § 2o deste artigo, creditará imediatamente
Municípios. as parcelas devidas ao Governo Estadual, ao
Normas correlatas

Parágrafo único.  São unidades transferido- Distrito Federal e aos Municípios nas contas
ras a União, os Estados e o Distrito Federal em específicas referidas neste artigo, observados os
relação às respectivas parcelas do Fundo cuja critérios e as finalidades estabelecidas nesta Lei,
arrecadação e disponibilização para distribui- procedendo à divulgação dos valores creditados
ção sejam de sua responsabilidade. de forma similar e com a mesma periodicidade
109
utilizada pelos Estados em relação ao restante detalhada a fim de evidenciar as respectivas
da transferência do referido imposto. transferências.
§ 4o  Os recursos dos Fundos provenientes
da parcela do imposto sobre produtos indus- Art. 20.  Os eventuais saldos de recursos finan-
trializados, de que trata o inciso II do caput do ceiros disponíveis nas contas específicas dos
art. 159 da Constituição Federal, serão credita- Fundos cuja perspectiva de utilização seja su-
dos pela União em favor dos Governos Estadu- perior a 15 (quinze) dias deverão ser aplicados
ais e do Distrito Federal nas contas específicas, em operações financeiras de curto prazo ou de
segundo os critérios e respeitadas as finalidades mercado aberto, lastreadas em títulos da dívida
estabelecidas nesta Lei, observados os mesmos pública, na instituição financeira responsável
prazos, procedimentos e forma de divulgação pela movimentação dos recursos, de modo a
previstos na Lei Complementar no 61, de 26 de preservar seu poder de compra.
dezembro de 1989. Parágrafo único.  Os ganhos financeiros au-
§ 5o  Do montante dos recursos do imposto feridos em decorrência das aplicações previstas
sobre produtos industrializados de que trata o no caput deste artigo deverão ser utilizados na
inciso II do caput do art. 159 da Constituição mesma finalidade e de acordo com os mesmos
Federal a parcela devida aos Municípios, na critérios e condições estabelecidas para utiliza-
forma do disposto no art. 5o da Lei Comple- ção do valor principal do Fundo.
mentar no 61, de 26 de dezembro de 1989, será
repassada pelo Governo Estadual ao respectivo
Fundo e os recursos serão creditados na conta CAPÍTULO V – Da Utilização dos Recursos
específica a que se refere este artigo, observados
os mesmos prazos, procedimentos e forma de Art. 21.  Os recursos dos Fundos, inclusive
divulgação do restante dessa transferência aos aqueles oriundos de complementação da
Municípios. União, serão utilizados pelos Estados, pelo
§ 6o  A instituição financeira disponibilizará, Distrito Federal e pelos Municípios, no exer-
permanentemente, aos conselhos referidos nos cício financeiro em que lhes forem creditados,
incisos II, III e IV do § 1o do art. 24 desta Lei os em ações consideradas como de manutenção
extratos bancários referentes à conta do fundo. e desenvolvimento do ensino para a educação
§ 7 o  Os recursos depositados na conta básica pública, conforme disposto no art. 70 da
específica a que se refere o caput deste artigo Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
serão depositados pela União, Distrito Federal, § 1o  Os recursos poderão ser aplicados
Estados e Municípios na forma prevista no § 5o pelos Estados e Municípios indistintamente
do art. 69 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro entre etapas, modalidades e tipos de estabe-
de 1996. lecimento de ensino da educação básica nos
seus respectivos âmbitos de atuação prioritária,
Art. 18.  Nos termos do §  4o do art.  211 da conforme estabelecido nos §§ 2o e 3o do art. 211
Constituição Federal, os Estados e os Municí- da Constituição Federal.
pios poderão celebrar convênios para a transfe- § 2o  Até 5% (cinco por cento) dos recursos
rência de alunos, recursos humanos, materiais e recebidos à conta dos Fundos, inclusive relati-
encargos financeiros, assim como de transporte vos à complementação da União recebidos nos
escolar, acompanhados da transferência ime- termos do § 1o do art. 6o desta Lei, poderão ser
diata de recursos financeiros correspondentes utilizados no 1o (primeiro) trimestre do exer-
ao número de matrículas assumido pelo ente cício imediatamente subsequente, mediante
Educação básica

federado. abertura de crédito adicional.


Parágrafo único. (Vetado)
Art. 22.  Pelo menos 60% (sessenta por cento)
Art. 19.  Os recursos disponibilizados aos dos recursos anuais totais dos Fundos serão
Fundos pela União, pelos Estados e pelo Dis- destinados ao pagamento da remuneração dos
110 trito Federal deverão ser registrados de forma
profissionais do magistério da educação básica aplicação dos recursos dos Fundos serão exerci-
em efetivo exercício na rede pública. dos, junto aos respectivos governos, no âmbito
Parágrafo único.  Para os fins do disposto no da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
caput deste artigo, considera-se: Municípios, por conselhos instituídos especifi-
I – remuneração: o total de pagamentos camente para esse fim.
devidos aos profissionais do magistério da § 1o  Os conselhos serão criados por legis-
educação, em decorrência do efetivo exercício lação específica, editada no pertinente âmbito
em cargo, emprego ou função, integrantes da governamental, observados os seguintes crité-
estrutura, quadro ou tabela de servidores do Es- rios de composição:
tado, Distrito Federal ou Município, conforme I – em âmbito federal, por no mínimo 14
o caso, inclusive os encargos sociais incidentes; (quatorze) membros, sendo:
II – profissionais do magistério da educação: a)  até 4 (quatro) representantes do Minis-
docentes, profissionais que oferecem suporte tério da Educação;
pedagógico direto ao exercício da docência: di- b)  1 (um) representante do Ministério da
reção ou administração escolar, planejamento, Fazenda;
inspeção, supervisão, orientação educacional e c)  1 (um) representante do Ministério do
coordenação pedagógica; Planejamento, Orçamento e Gestão;
III – efetivo exercício: atuação efetiva no d)  1 (um) representante do Conselho Naci-
desempenho das atividades de magistério pre- onal de Educação;
vistas no inciso II deste parágrafo associada à e)  1 (um) representante do Conselho Na-
sua regular vinculação contratual, temporária cional de Secretários de Estado da Educação
ou estatutária, com o ente governamental que – CONSED;
o remunera, não sendo descaracterizado por f)  1 (um) representante da Confederação
eventuais afastamentos temporários previstos Nacional dos Trabalhadores em Educação –
em lei, com ônus para o empregador, que não CNTE;
impliquem rompimento da relação jurídica g)  1 (um) representante da União Nacional
existente. dos Dirigentes Municipais de Educação – UN-
DIME;
Art. 23.  É vedada a utilização dos recursos h)  2 (dois) representantes dos pais de alunos
dos Fundos: da educação básica pública;
I – no financiamento das despesas não con- i)  2 (dois) representantes dos estudantes da
sideradas como de manutenção e desenvolvi- educação básica pública, um dos quais indicado
mento da educação básica, conforme o art. 71 pela União Brasileira de Estudantes Secunda-
da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; ristas – UBES;
II – como garantia ou contrapartida de II – em âmbito estadual, por no mínimo 12
operações de crédito, internas ou externas, (doze) membros, sendo:
contraídas pelos Estados, pelo Distrito Federal a)  3 (três) representantes do Poder Executi-
ou pelos Municípios que não se destinem ao vo estadual, dos quais pelo menos 1 (um) do ór-
financiamento de projetos, ações ou progra- gão estadual responsável pela educação básica;
mas considerados como ação de manutenção b)  2 (dois) representantes dos Poderes Exe-
e desenvolvimento do ensino para a educação cutivos Municipais;
básica. c)  1 (um) representante do Conselho Esta-
dual de Educação;
d)  1 (um) representante da seccional da
Normas correlatas

CAPÍTULO VI – Do Acompanhamento, União Nacional dos Dirigentes Municipais de


Controle Social, Comprovação e Fiscalização Educação – UNDIME;
dos Recursos e)  1 (um) representante da seccional da
Confederação Nacional dos Trabalhadores em
Art. 24.  O acompanhamento e o controle Educação – CNTE;
social sobre a distribuição, a transferência e a 111
f)  2 (dois) representantes dos pais de alunos III – nos casos de representantes de profes-
da educação básica pública; sores e servidores, pelas entidades sindicais da
g)  2 (dois) representantes dos estudantes respectiva categoria.
da educação básica pública, 1 (um) dos quais § 4o  Indicados os conselheiros, na forma dos
indicado pela entidade estadual de estudantes incisos I e II do § 3o deste artigo, o Ministério
secundaristas; da Educação designará os integrantes do con-
III – no Distrito Federal, por no mínimo 9 selho previsto no inciso I do § 1o deste artigo,
(nove) membros, sendo a composição determi- e o Poder Executivo competente designará os
nada pelo disposto no inciso II deste parágrafo, integrantes dos conselhos previstos nos incisos
excluídos os membros mencionados nas suas II, III e IV do § 1o deste artigo.
alíneas “b” e “d”; § 5o  São impedidos de integrar os conselhos
IV – em âmbito municipal, por no mínimo a que se refere o caput deste artigo:
9 (nove) membros, sendo: I – cônjuge e parentes consanguíneos ou
a)  2 (dois) representantes do Poder Execu- afins, até 3o (terceiro) grau, do Presidente e do
tivo Municipal, dos quais pelo menos 1 (um) Vice-Presidente da República, dos Ministros de
da Secretaria Municipal de Educação ou órgão Estado, do Governador e do Vice-Governador,
educacional equivalente; do Prefeito e do Vice-Prefeito, e dos Secretários
b)  1 (um) representante dos professores da Estaduais, Distritais ou Municipais;
educação básica pública; II – tesoureiro, contador ou funcionário de
c)  1 (um) representante dos diretores das empresa de assessoria ou consultoria que pres-
escolas básicas públicas; tem serviços relacionados à administração ou
d)  1 (um) representante dos servidores controle interno dos recursos do Fundo, bem
técnico-administrativos das escolas básicas como cônjuges, parentes consanguíneos ou
públicas; afins, até 3o (terceiro) grau, desses profissionais;
e)  2 (dois) representantes dos pais de alunos III – estudantes que não sejam emancipados;
da educação básica pública; IV – pais de alunos que:
f)  2 (dois) representantes dos estudantes da a)  exerçam cargos ou funções públicas de
educação básica pública, um dos quais indicado livre nomeação e exoneração no âmbito dos
pela entidade de estudantes secundaristas. órgãos do respectivo Poder Executivo gestor
§ 2o  Integrarão ainda os conselhos munici- dos recursos; ou
pais dos Fundos, quando houver, 1 (um) repre- b)  prestem serviços terceirizados, no âm-
sentante do respectivo Conselho Municipal de bito dos Poderes Executivos em que atuam os
Educação e 1 (um) representante do Conselho respectivos conselhos.
Tutelar a que se refere a Lei no 8.069, de 13 de § 6o  O presidente dos conselhos previstos
julho de 1990, indicados por seus pares. no caput deste artigo será eleito por seus pares
§ 3o  Os membros dos conselhos previstos em reunião do colegiado, sendo impedido de
no caput deste artigo serão indicados até 20 ocupar a função o representante do governo
(vinte) dias antes do término do mandato dos gestor dos recursos do Fundo no âmbito da
conselheiros anteriores: União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
I – pelos dirigentes dos órgãos federais, es- Municípios.
taduais, municipais e do Distrito Federal e das § 7o  Os conselhos dos Fundos atuarão com
entidades de classes organizadas, nos casos das autonomia, sem vinculação ou subordinação
representações dessas instâncias; institucional ao Poder Executivo local e serão
II – nos casos dos representantes dos direto- renovados periodicamente ao final de cada
Educação básica

res, pais de alunos e estudantes, pelo conjunto mandato dos seus membros.
dos estabelecimentos ou entidades de âmbito § 8o  A atuação dos membros dos conselhos
nacional, estadual ou municipal, conforme o dos Fundos:
caso, em processo eletivo organizado para esse I – não será remunerada;
fim, pelos respectivos pares; II – é considerada atividade de relevante
112 interesse social;
III – assegura isenção da obrigatoriedade de Apoio ao Transporte do Escolar – PNATE e do
testemunhar sobre informações recebidas ou Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para
prestadas em razão do exercício de suas ativi- Atendimento à Educação de Jovens e Adultos e,
dades de conselheiro e sobre as pessoas que lhes ainda, receber e analisar as prestações de contas
confiarem ou deles receberem informações; referentes a esses Programas, formulando pa-
IV – veda, quando os conselheiros forem receres conclusivos acerca da aplicação desses
representantes de professores e diretores ou recursos e encaminhando-os ao Fundo Nacio-
de servidores das escolas públicas, no curso nal de Desenvolvimento da Educação – FNDE.
do mandato:
a)  exoneração ou demissão do cargo ou Art. 25.  Os registros contábeis e os demons-
emprego sem justa causa ou transferência trativos gerenciais mensais, atualizados, re-
involuntária do estabelecimento de ensino em lativos aos recursos repassados e recebidos à
que atuam; conta dos Fundos assim como os referentes às
b)  atribuição de falta injustificada ao serviço despesas realizadas ficarão permanentemente
em função das atividades do conselho; à disposição dos conselhos responsáveis, bem
c)  afastamento involuntário e injustificado como dos órgãos federais, estaduais e munici-
da condição de conselheiro antes do término pais de controle interno e externo, e ser-lhes-á
do mandato para o qual tenha sido designado; dada ampla publicidade, inclusive por meio
V – veda, quando os conselheiros forem eletrônico.
representantes de estudantes em atividades do Parágrafo único.  Os conselhos referidos nos
conselho, no curso do mandato, atribuição de incisos II, III e IV do § 1o do art. 24 desta Lei
falta injustificada nas atividades escolares. poderão, sempre que julgarem conveniente:
§ 9o  Aos conselhos incumbe, ainda, super- I – apresentar ao Poder Legislativo local e aos
visionar o censo escolar anual e a elaboração da órgãos de controle interno e externo manifesta-
proposta orçamentária anual, no âmbito de suas ção formal acerca dos registros contábeis e dos
respectivas esferas governamentais de atuação, demonstrativos gerenciais do Fundo;
com o objetivo de concorrer para o regular e II – por decisão da maioria de seus membros,
tempestivo tratamento e encaminhamento dos convocar o Secretário de Educação competente
dados estatísticos e financeiros que alicerçam a ou servidor equivalente para prestar esclareci-
operacionalização dos Fundos. mentos acerca do fluxo de recursos e a execução
§ 10.  Os conselhos dos Fundos não con- das despesas do Fundo, devendo a autoridade
tarão com estrutura administrativa própria, convocada apresentar-se em prazo não superior
incumbindo à União, aos Estados, ao Distrito a 30 (trinta) dias;
Federal e aos Municípios garantir infraestru- III – requisitar ao Poder Executivo cópia de
tura e condições materiais adequadas à exe- documentos referentes a:
cução plena das competências dos conselhos a)  licitação, empenho, liquidação e pa-
e oferecer ao Ministério da Educação os dados gamento de obras e serviços custeados com
cadastrais relativos à criação e composição dos recursos do Fundo;
respectivos conselhos. b)  folhas de pagamento dos profissionais da
§ 11.  Os membros dos conselhos de acom- educação, as quais deverão discriminar aque-
panhamento e controle terão mandato de, no les em efetivo exercício na educação básica e
máximo, 2 (dois) anos, permitida 1 (uma) indicar o respectivo nível, modalidade ou tipo
recondução por igual período. de estabelecimento a que estejam vinculados;
§ 12.  Na hipótese da inexistência de estu- c)  documentos referentes aos convênios
Normas correlatas

dantes emancipados, representação estudantil com as instituições a que se refere o art.  8o


poderá acompanhar as reuniões do conselho desta Lei;
com direito a voz. d)  outros documentos necessários ao de-
§ 13.  Aos conselhos incumbe, também, sempenho de suas funções;
acompanhar a aplicação dos recursos federais IV – realizar visitas e inspetorias in loco
transferidos à conta do Programa Nacional de para verificar: 113
a)  o desenvolvimento regular de obras e Art. 29.  A defesa da ordem jurídica, do regime
serviços efetuados nas instituições escolares democrático, dos interesses sociais e individuais
com recursos do Fundo; indisponíveis, relacionada ao pleno cumpri-
b)  a adequação do serviço de transporte mento desta Lei, compete ao Ministério Público
escolar; dos Estados e do Distrito Federal e Territórios
c)  a utilização em benefício do sistema de e ao Ministério Público Federal, especialmente
ensino de bens adquiridos com recursos do quanto às transferências de recursos federais.
Fundo. § 1o  A legitimidade do Ministério Público
prevista no caput deste artigo não exclui a de
Art. 26.  A fiscalização e o controle referentes terceiros para a propositura de ações a que se re-
ao cumprimento do disposto no art.  212 da ferem o inciso LXXIII do caput do art. 5o e o § 1o
Constituição Federal e do disposto nesta Lei, do art. 129 da Constituição Federal, sendo-lhes
especialmente em relação à aplicação da totali- assegurado o acesso gratuito aos documentos
dade dos recursos dos Fundos, serão exercidos: mencionados nos arts. 25 e 27 desta Lei.
I – pelo órgão de controle interno no âmbito § 2o  Admitir-se-á litisconsórcio facultativo
da União e pelos órgãos de controle interno no entre os Ministérios Públicos da União, do
âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Distrito Federal e dos Estados para a fiscaliza-
Municípios; ção da aplicação dos recursos dos Fundos que
II – pelos Tribunais de Contas dos Estados, receberem complementação da União.
do Distrito Federal e dos Municípios, junto
aos respectivos entes governamentais sob suas Art. 30.  O Ministério da Educação atuará:
jurisdições; I – no apoio técnico relacionado aos proce-
III – pelo Tribunal de Contas da União, no dimentos e critérios de aplicação dos recursos
que tange às atribuições a cargo dos órgãos dos Fundos, junto aos Estados, Distrito Federal
federais, especialmente em relação à comple- e Municípios e às instâncias responsáveis pelo
mentação da União. acompanhamento, fiscalização e controle in-
terno e externo;
Art. 27.  Os Estados, o Distrito Federal e os II – na capacitação dos membros dos con-
Municípios prestarão contas dos recursos dos selhos;
Fundos conforme os procedimentos adotados III – na divulgação de orientações sobre a
pelos Tribunais de Contas competentes, obser- operacionalização do Fundo e de dados sobre a
vada a regulamentação aplicável. previsão, a realização e a utilização dos valores
Parágrafo único.  As prestações de contas financeiros repassados, por meio de publicação
serão instruídas com parecer do conselho res- e distribuição de documentos informativos
ponsável, que deverá ser apresentado ao Poder e em meio eletrônico de livre acesso público;
Executivo respectivo em até 30 (trinta) dias IV – na realização de estudos técnicos com
antes do vencimento do prazo para a apresen- vistas na definição do valor referencial anual
tação da prestação de contas prevista no caput por aluno que assegure padrão mínimo de
deste artigo. qualidade do ensino;
V – no monitoramento da aplicação dos
Art. 28.  O descumprimento do disposto no recursos dos Fundos, por meio de sistema de
art. 212 da Constituição Federal e do disposto informações orçamentárias e financeiras e de
nesta Lei sujeitará os Estados e o Distrito Fe- cooperação com os Tribunais de Contas dos
deral à intervenção da União, e os Municípios Estados e Municípios e do Distrito Federal;
Educação básica

à intervenção dos respectivos Estados a que VI – na realização de avaliações dos resulta-


pertencem, nos termos da alínea “e” do inciso dos da aplicação desta Lei, com vistas na adoção
VII do caput do art. 34 e do inciso III do caput de medidas operacionais e de natureza político-
do art. 35 da Constituição Federal. educacional corretivas, devendo a primeira
dessas medidas se realizar em até 2 (dois) anos
114 após a implantação do Fundo.
CAPÍTULO VII – Disposições Finais e I – R$  2.000.000.000,00 (dois bilhões de
Transitórias reais), no  1o (primeiro) ano de vigência dos
SEÇÃO I – Disposições Transitórias Fundos;
II – R$  3.000.000.000,00 (três bilhões de
Art. 31.  Os Fundos serão implantados pro- reais), no  2o (segundo) ano de vigência dos
gressivamente nos primeiros 3 (três) anos de Fundos; e
vigência, conforme o disposto neste artigo. III – R$ 4.500.000.000,00 (quatro bilhões e
§ 1o  A porcentagem de recursos de que trata quinhentos milhões de reais), no 3o (terceiro)
o art. 3o desta Lei será alcançada conforme a ano de vigência dos Fundos.
seguinte progressão: § 4o  Os valores a que se referem os incisos
I – para os impostos e transferências cons- I, II e III do § 3o deste artigo serão atualizados,
tantes do inciso II do caput do art. 155, do inciso anualmente, nos primeiros 3 (três) anos de
IV do caput do art. 158, das alíneas “a” e “b” do vigência dos Fundos, de forma a preservar em
inciso I e do inciso II do caput do art. 159 da caráter permanente o valor real da complemen-
Constituição Federal, bem como para a receita tação da União.
a que se refere o § 1o do art. 3o desta Lei: § 5o  Os valores a que se referem os incisos
a)  16,66% (dezesseis inteiros e sessenta e I, II e III do § 3o deste artigo serão corrigidos,
seis centésimos por cento), no  1o (primeiro) anualmente, pela variação acumulada do Índice
ano; Nacional de Preços ao Consumidor – INPC,
b)  18,33% (dezoito inteiros e trinta e três apurado pela Fundação Instituto Brasileiro
centésimos por cento), no 2o (segundo) ano; e de Geografia e Estatística – IBGE, ou índice
c)  20% (vinte por cento), a partir do 3o equivalente que lhe venha a suceder, no período
(terceiro) ano, inclusive; compreendido entre o mês da promulgação da
II – para os impostos e transferências cons- Emenda Constitucional no 53, de 19 de dezem-
tantes dos incisos I e III do caput do art. 155, bro de 2006, e 1o de janeiro de cada um dos 3
inciso II do caput do art. 157, incisos II e III (três) primeiros anos de vigência dos Fundos.
do caput do art. 158 da Constituição Federal: § 6o  Até o 3o (terceiro) ano de vigência dos
a)  6,66% (seis inteiros e sessenta e seis Fundos, o cronograma de complementação da
centésimos por cento), no 1o (primeiro) ano; União observará a programação financeira do
b)  13,33% (treze inteiros e trinta e três Tesouro Nacional e contemplará pagamentos
centésimos por cento), no 2o (segundo) ano; e mensais de, no mínimo, 5% (cinco por cento)
c)  20% (vinte por cento), a partir do 3o da complementação anual, a serem realizados
(terceiro) ano, inclusive. até o último dia útil de cada mês, assegurados os
§ 2o  As matrículas de que trata o art. 9o desta repasses de, no mínimo, 45% (quarenta e cinco
Lei serão consideradas conforme a seguinte por cento) até 31 de julho e de 100% (cem por
progressão: cento) até 31 de dezembro de cada ano.
I – para o ensino fundamental regular e § 7o  Até o 3o (terceiro) ano de vigência dos
especial público: a totalidade das matrículas Fundos, a complementação da União não so-
imediatamente a partir do 1o (primeiro) ano frerá ajuste quanto a seu montante em função
de vigência do Fundo; da diferença entre a receita utilizada para o
II – para a educação infantil, o ensino médio cálculo e a receita realizada do exercício de
e a educação de jovens e adultos: referência, observado o disposto no §  2o do
a)  1/3 (um terço) das matrículas no 1o (pri- art. 6o desta Lei quanto à distribuição entre os
meiro) ano de vigência do Fundo; fundos instituídos no âmbito de cada Estado.
Normas correlatas

b)  2/3 (dois terços) das matrículas no  2o


(segundo) ano de vigência do Fundo; Art. 32.  O valor por aluno do ensino funda-
c)  a totalidade das matrículas a partir do 3o mental, no Fundo de cada Estado e do Distrito
(terceiro) ano de vigência do Fundo, inclusive. Federal, não poderá ser inferior ao efetivamente
§ 3o  A complementação da União será de, praticado em 2006, no âmbito do Fundo de
no mínimo: Manutenção e Desenvolvimento do Ensino 115
Fundamental e de Valorização do Magistério I – creche – 0,80 (oitenta centésimos);
– FUNDEF, estabelecido pela Emenda Cons- II – pré-escola – 0,90 (noventa centésimos);
titucional no 14, de 12 de setembro de 1996. III – anos iniciais do ensino fundamental
§ 1 o  Caso o valor por aluno do ensino urbano – 1,00 (um inteiro);
fundamental, no Fundo de cada Estado e do IV – anos iniciais do ensino fundamental no
Distrito Federal, no âmbito do FUNDEB, campo – 1,05 (um inteiro e cinco centésimos);
resulte inferior ao valor por aluno do ensino V – anos finais do ensino fundamental
fundamental, no Fundo de cada Estado e do urbano – 1,10 (um inteiro e dez centésimos);
Distrito Federal, no âmbito do Fundef, adotar- VI – anos finais do ensino fundamental no
se-á este último exclusivamente para a distri- campo – 1,15 (um inteiro e quinze centésimos);
buição dos recursos do ensino fundamental, VII – ensino fundamental em tempo integral
mantendo-se as demais ponderações para as – 1,25 (um inteiro e vinte e cinco centésimos);
restantes etapas, modalidades e tipos de esta- VIII – ensino médio urbano – 1,20 (um
belecimento de ensino da educação básica, na inteiro e vinte centésimos);
forma do regulamento. IX – ensino médio no campo – 1,25 (um
§ 2o  O valor por aluno do ensino funda- inteiro e vinte e cinco centésimos);
mental a que se refere o caput deste artigo terá X – ensino médio em tempo integral – 1,30
como parâmetro aquele efetivamente praticado (um inteiro e trinta centésimos);
em 2006, que será corrigido, anualmente, com XI – ensino médio integrado à educação pro-
base no Índice Nacional de Preços ao Consumi- fissional – 1,30 (um inteiro e trinta centésimos);
dor – INPC, apurado pela Fundação Instituto XII – educação especial – 1,20 (um inteiro
Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE e vinte centésimos);
ou índice equivalente que lhe venha a suceder, XIII – educação indígena e quilombola –
no período de 12 (doze) meses encerrados em 1,20 (um inteiro e vinte centésimos);
junho do ano imediatamente anterior. XIV – educação de jovens e adultos com ava-
liação no processo – 0,70 (setenta centésimos);
Art. 33.  O valor anual mínimo por aluno defi- XV – educação de jovens e adultos inte-
nido nacionalmente para o ensino fundamental grada à educação profissional de nível médio,
no âmbito do FUNDEB não poderá ser inferior com avaliação no processo – 0,70 (setenta
ao mínimo fixado nacionalmente em 2006 no centésimos).
âmbito do FUNDEF. § 1o  A Comissão Intergovernamental de
Financiamento para a Educação Básica de
Art. 34.  Os conselhos dos Fundos serão insti- Qualidade fixará as ponderações referentes à
tuídos no prazo de 60 (sessenta) dias contados creche e pré-escola em tempo integral.
da vigência dos Fundos, inclusive mediante § 2o  Na fixação dos valores a partir do 2o (se-
adaptações dos conselhos do Fundef existentes gundo) ano de vigência do Fundeb, as ponde-
na data de publicação desta Lei. rações entre as matrículas da educação infantil
seguirão, no mínimo, as seguintes pontuações:
Art. 35.  O Ministério da Educação deverá I – creche pública em tempo integral – 1,10
realizar, em 5 (cinco) anos contados da vigência (um inteiro e dez centésimos);
dos Fundos, fórum nacional com o objetivo II – creche pública em tempo parcial – 0,80
de avaliar o financiamento da educação básica (oitenta centésimos);
nacional, contando com representantes da III – creche conveniada em tempo integral
União, dos Estados, do Distrito Federal, dos – 0,95 (noventa e cinco centésimos);
Educação básica

Municípios, dos trabalhadores da educação e IV – creche conveniada em tempo parcial –


de pais e alunos. 0,80 (oitenta centésimos);
V – pré-escola em tempo integral – 1,15 (um
Art. 36.  No 1o (primeiro) ano de vigência do inteiro e quinze centésimos);
Fundeb, as ponderações seguirão as seguintes VI – pré-escola em tempo parcial – 0,90
116 especificações: (noventa centésimos).
SEÇÃO II – Disposições Finais Art. 40.  Os Estados, o Distrito Federal e
os Municípios deverão implantar Planos de
Art. 37.  Os Municípios poderão integrar, nos Carreira e remuneração dos profissionais da
termos da legislação local específica e desta Lei, educação básica, de modo a assegurar:
o Conselho do Fundo ao Conselho Municipal I – a remuneração condigna dos profissio-
de Educação, instituindo câmara específica para nais na educação básica da rede pública;
o acompanhamento e o controle social sobre II – integração entre o trabalho individual e
a distribuição, a transferência e a aplicação a proposta pedagógica da escola;
dos recursos do Fundo, observado o disposto III – a melhoria da qualidade do ensino e da
no inciso IV do § 1o e nos §§ 2o, 3o, 4o e 5o do aprendizagem.
art. 24 desta Lei. Parágrafo único.  Os Planos de Carreira
§ 1o  A câmara específica de acompanha- deverão contemplar capacitação profissional
mento e controle social sobre a distribuição, especialmente voltada à formação continuada
a transferência e a aplicação dos recursos do com vistas na melhoria da qualidade do ensino.
Fundeb terá competência deliberativa e ter-
minativa. Art. 41.  O poder público deverá fixar, em lei
§ 2o  Aplicar-se-ão para a constituição dos específica, até 31 de agosto de 2007, piso salarial
Conselhos Municipais de Educação as regras profissional nacional para os profissionais do
previstas no § 5o do art. 24 desta Lei. magistério público da educação básica.
Parágrafo único. (Vetado)
Art. 38.  A União, os Estados, o Distrito Fe-
deral e os Municípios deverão assegurar no Art. 42. (Vetado)
financiamento da educação básica, previsto no
art. 212 da Constituição Federal, a melhoria da Art. 43.  Nos meses de janeiro e fevereiro de
qualidade do ensino, de forma a garantir padrão 2007, fica mantida a sistemática de repartição
mínimo de qualidade definido nacionalmente. de recursos prevista na Lei no 9.424, de 24 de
Parágrafo único.  É assegurada a participa- dezembro de 1996, mediante a utilização dos
ção popular e da comunidade educacional no coeficientes de participação do Distrito Federal,
processo de definição do padrão nacional de de cada Estado e dos Municípios, referentes ao
qualidade referido no caput deste artigo. exercício de 2006, sem o pagamento de com-
plementação da União.
Art. 39.  A União desenvolverá e apoiará po-
líticas de estímulo às iniciativas de melhoria de Art. 44.  A partir de 1o de março de 2007, a dis-
qualidade do ensino, acesso e permanência na tribuição dos recursos dos Fundos é realizada
escola, promovidas pelas unidades federadas, na forma prevista nesta Lei.
em especial aquelas voltadas para a inclusão Parágrafo único.  A complementação da
de crianças e adolescentes em situação de risco União prevista no inciso I do § 3o do art. 31
social. desta Lei, referente ao ano de 2007, será inte-
Parágrafo único.  A União, os Estados e o gralmente distribuída entre março e dezembro.
Distrito Federal desenvolverão, em regime de
colaboração, programas de apoio ao esforço Art. 45.  O ajuste da distribuição dos recursos
para conclusão da educação básica dos alunos referentes ao primeiro trimestre de 2007 será
regularmente matriculados no sistema público realizado no mês de abril de 2007, conforme a
de educação: sistemática estabelecida nesta Lei.
Normas correlatas

I – que cumpram pena no sistema peni- Parágrafo único.  O ajuste referente à dife-
tenciário, ainda que na condição de presos rença entre o total dos recursos da alínea “a”
provisórios; do inciso I e da alínea “a” do inciso II do § 1o
II – aos quais tenham sido aplicadas medidas do art.  31 desta Lei e os aportes referentes a
socioeducativas nos termos da Lei no 8.069, de janeiro e fevereiro de 2007, realizados na forma
13 de julho de 1990. 117
do disposto neste artigo, será pago no mês de Art. 48.  Os Fundos terão vigência até 31 de
abril de 2007. dezembro de 2020.

Art. 46.  Ficam revogados, a partir de 1o de Art. 49.  Esta Lei entra em vigor na data da
janeiro de 2007, os arts.  1o a 8o e 13 da Lei sua publicação.
no 9.424, de 24 de dezembro de 1996, e o art. 12
da Lei no 10.880, de 9 de junho de 2004, e o Brasília, 20 de junho de 2007; 186o da Indepen-
§ 3o do art. 2o da Lei no 10.845, de 5 de março dência e 119o da República.
de 2004.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Tarso Genro
Art. 47.  Nos 2 (dois) primeiros anos de vi- – Guido Mantega – Fernando Haddad – José
gência do FUNDEB, a União alocará, além dos Antonio Dias Toffoli
destinados à complementação ao FUNDEB,
recursos orçamentários para a promoção de Promulgada em 20/6/2007, publicada no DOU de
programa emergencial de apoio ao ensino 21/6/2007 e retificada no DOU de 22/6/2007. Anexo
médio e para reforço do programa nacional de não incluído.
apoio ao transporte escolar.
Educação básica

118
Lei no 10.880/2004
Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar – PNATE e o Programa de Apoio
aos Sistemas de Ensino para Atendimento à Educação de Jovens e Adultos, dispõe sobre o repasse
de recursos financeiros do Programa Brasil Alfabetizado, altera o art. 4o da Lei no 9.424, de 24 de
dezembro de 1996, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA e instruções necessárias à execução do PNATE,


observado o montante de recursos disponíveis
Faço saber que o Congresso Nacional decreta para este fim constante da Lei Orçamentária
e eu sanciono a seguinte Lei:1 Anual, e em suas alterações, aprovadas para
o Fundo.
Art. 1o  Esta Lei institui o Programa Nacional § 3o  Os recursos financeiros a serem re-
de Apoio ao Transporte do Escolar – PNATE e o passados aos Estados, ao Distrito Federal e
Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para aos Municípios de que trata o § 1o deste artigo
Atendimento à Educação de Jovens e Adultos, serão calculados com base nos dados oficiais do
dispõe sobre o repasse de recursos financeiros censo escolar, realizado pelo Instituto Nacional
do Programa Brasil Alfabetizado, altera o art. 4o de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
da Lei no 9.424, de 24 de dezembro de 1996, e Teixeira – INEP, relativo ao ano imediatamente
dá outras providências. anterior ao do atendimento.
§ 4o  A assistência financeira de que trata
Art. 2o  Fica instituído o Programa Nacional este artigo tem caráter suplementar, conforme
de Apoio ao Transporte do Escolar – PNATE, o disposto no inciso VII do art. 208 da Cons-
no âmbito do Ministério da Educação, a ser tituição Federal, e destina-se, exclusivamente,
executado pelo Fundo Nacional de Desenvol- ao transporte escolar do aluno.
vimento da Educação – FNDE, com o objetivo § 5o  Os Municípios poderão proceder ao
de oferecer transporte escolar aos alunos da atendimento do transporte escolar dos alunos
educação básica pública, residentes em área matriculados nos estabelecimentos estaduais de
rural, por meio de assistência financeira, em ensino, localizados nas suas respectivas áreas
caráter suplementar, aos Estados, ao Distrito de circunscrição, desde que assim acordem os
Federal e aos Municípios, observadas as dis- entes, sendo, nesse caso, autorizado o repasse
posições desta Lei.2 direto do FNDE ao Município da correspon-
§ 1o  O montante dos recursos financeiros dente parcela de recursos, calculados na forma
será repassado em parcelas e calculado com do § 3o deste artigo.
base no número de alunos da educação básica § 6o  O repasse previsto no § 5o deste artigo
pública residentes em área rural que utilizem não prejudica a transferência dos recursos devi-
transporte escolar oferecido pelos entes referi- dos pelo Estado aos Municípios em virtude do
dos no caput deste artigo. transporte de alunos matriculados nos estabe-
§ 2o  O Conselho Deliberativo do FNDE lecimentos de ensino estaduais nos Municípios.
divulgará, a cada exercício financeiro, a forma
de cálculo, o valor a ser repassado aos Estados, Art. 3o  Fica instituído o Programa de Apoio
Normas correlatas

ao Distrito Federal e aos Municípios, a periodi- aos Sistemas de Ensino para Atendimento à
cidade dos repasses, bem como as orientações Educação de Jovens e Adultos, no âmbito do
Ministério da Educação, a ser executado pelo
1
  Conversão da Medida Provisória no 173/2004. FNDE, com o objetivo de ampliar a oferta de va-
2
  Lei n o   11.947/2009; e Medida Provisória gas na educação fundamental pública de jovens
no 455/2009. e adultos, em cursos presenciais com avaliação 119
no processo, por meio de assistência financeira, § 2o  Os saldos dos recursos financeiros
em caráter suplementar, aos sistemas de ensino recebidos à conta dos Programas a que se
estaduais, municipais e do Distrito Federal.3 refere o caput deste artigo, existentes em 31 de
§ 1o  O valor da assistência financeira será dezembro, deverão ser reprogramados para o
estabelecido em ato do Ministro de Estado da exercício subsequente, com estrita observância
Educação e terá como base: ao objeto de sua transferência, nos termos de
I – o número de estudantes atendidos ex- regulamentação do Conselho Deliberativo do
clusivamente na educação de jovens e adultos FNDE.
nos estabelecimentos públicos de ensino, cujas § 3o  A parcela dos saldos, incorporados
matrículas ainda não tenham sido computadas na forma do §  2o deste artigo, que exceder a
no âmbito do Fundo de Manutenção e Desen- 30% (trinta por cento) do valor previsto para
volvimento da Educação Básica e de Valoriza- os repasses à conta do PNATE, no exercício
ção dos Profissionais da Educação – FUNDEB, no qual se der a incorporação, será deduzida
de que trata a Lei no 11.494, de 20 de junho de daquele valor, nos termos de regulamentação
2007, independentemente da situação cadastral do Conselho Deliberativo do FNDE.
no censo escolar; e § 4o  Os saldos dos recursos financeiros apu-
II – o valor anual mínimo por aluno defi- rados à conta do Programa de Apoio a Estados
nido nacionalmente para educação de jovens e Municípios para Educação Fundamental de
e adultos do ano anterior ao da assistência Jovens e Adultos, instituído pela Medida Pro-
financeira, nos termos da Lei no 11.494, de 20 visória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001,
de junho de 2007. deverão ser incorporados, no exercício de 2004,
§ 2o  O Conselho Deliberativo do FNDE ao Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino
divulgará, a cada exercício financeiro, a forma para Atendimento à Educação de Jovens e
de cálculo, o valor a ser repassado aos sistemas Adultos, nos termos de regulamentação a ser
de ensino estaduais, municipais e do Distrito expedida pelo Conselho Deliberativo do FNDE.
Federal, bem como as orientações e instruções § 5o  A regulamentação de que trata o § 4o
necessárias à execução do Programa de Apoio deste artigo disporá, para o exercício de 2004,
aos Sistemas de Ensino para Atendimento à sobre a obrigatoriedade da utilização do saldo
Educação de Jovens e Adultos, observado o financeiro em ações específicas para educação
montante de recursos disponíveis para este fim, fundamental pública de jovens e adultos, em
constante da Lei Orçamentária Anual e em suas cursos presenciais com avaliação no processo.
alterações, aprovadas para o Fundo.
Art. 5o  O acompanhamento e o controle social
Art. 4o  A transferência de recursos financei- sobre a transferência e aplicação dos recursos
ros, objetivando a execução descentralizada do repassados à conta do PNATE serão exercidos
PNATE e do Programa de Apoio aos Sistemas nos respectivos Governos dos Estados, do Dis-
de Ensino para Atendimento à Educação de trito Federal e dos Municípios pelos conselhos
Jovens e Adultos, será efetivada, automatica- previstos no § 13 do art. 24 da Lei no 11.494, de
mente, pelo FNDE, sem necessidade de con- 20 de junho de 2007.4
vênio, acordo, contrato, ajuste ou instrumento § 1o  Fica o FNDE autorizado a suspender o
congênere, mediante depósito em conta-cor- repasse dos recursos do PNATE nas seguintes
rente específica. hipóteses:
§ 1o  Os recursos financeiros de que trata I – omissão na prestação de contas, confor-
o caput deste artigo deverão ser incluídos nos me definido pelo seu Conselho Deliberativo;
Educação básica

orçamentos dos Estados, do Distrito Federal e II – rejeição da prestação de contas;


dos Municípios beneficiados. III – utilização dos recursos em desacordo
com os critérios estabelecidos para a execução

3
  Lei n o   12.695/2012; e Medida Provisória 4
  Lei n o   11.947/2009; e Medida Provisória
120 no 562/2012. no 455/2009.
do Programa, conforme constatado por análise § 5o  Os Estados, o Distrito Federal e os
documental ou de auditoria. Municípios deverão disponibilizar a documen-
§ 2o  Os Estados, o Distrito Federal e os tação referida no § 4o deste artigo ao Tribunal
Municípios garantirão a infraestrutura neces- de Contas da União, ao FNDE, aos órgãos do
sária à execução plena das competências dos Sistema de Controle Interno do Poder Executi-
Conselhos a que se refere o caput deste artigo. vo Federal e aos Conselhos previstos no art. 5o
§ 3o  Os Conselhos a que se refere o caput desta Lei, sempre que solicitado, bem como
deste artigo deverão acompanhar a execução do divulgar seus dados e informações de acordo
PNATE e do Programa de Apoio aos Sistemas com a Lei no 9.755, de 16 de dezembro de 1998.
de Ensino para Atendimento à Educação de Jo-
vens e Adultos, podendo, para tanto, requisitar Art. 7o  A transferência dos recursos consigna-
do Poder Executivo dos Estados, do Distrito dos no orçamento da União, a cargo do Minis-
Federal e dos Municípios os dados, informações tério da Educação, para execução do Programa
e documentos relacionados à utilização dos Brasil Alfabetizado, quando destinados aos
recursos transferidos. Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
observará as disposições desta Lei.
Art. 6o  Os Estados, o Distrito Federal e os § 1o  O montante dos recursos financeiros
Municípios apresentarão prestação de contas do será repassado em parcelas e calculado com
total dos recursos recebidos à conta do PNATE base no número de alfabetizandos e alfabetiza-
e do Programa de Apoio aos Sistemas de En- dores, conforme disposto em regulamentação.
sino para Atendimento à Educação de Jovens § 2o  O Ministério da Educação divulgará, a
e Adultos, na forma e prazo a serem definidos cada exercício financeiro, a forma de cálculo, o
em regulamentação do Conselho Deliberativo valor a ser repassado aos Estados, ao Distrito
do FNDE. Federal e aos Municípios, bem como as ori-
§ 1o  A prestação de contas dos Programas a entações e instruções necessárias à execução
que se refere o caput deste artigo será apresen- do Programa Brasil Alfabetizado, observado o
tada ao respectivo Conselho, no prazo estabe- montante de recursos disponíveis para este fim,
lecido pelo Conselho Deliberativo do FNDE. constante da Lei Orçamentária Anual e em suas
§ 2o  Os Conselhos a que se refere o art. 5o alterações, aprovadas para o Fundo.
desta Lei analisarão a prestação de contas e § 3o  O Programa Brasil Alfabetizado poderá
encaminharão ao FNDE demonstrativo sin- ser executado pelo FNDE, desde que os recur-
tético anual da execução físico-financeira dos sos sejam consignados ao orçamento daquele
recursos repassados à conta dos Programas, Fundo, ou a ele descentralizados.
com parecer conclusivo acerca da aplicação dos
recursos transferidos. Art. 8o  A transferência de recursos financei-
§ 3o  O responsável pela prestação de contas, ros, objetivando a execução descentralizada do
que inserir ou fizer inserir documentos ou Programa Brasil Alfabetizado, será efetivada,
declaração falsa ou diversa da que deveria ser automaticamente, pelo Ministério da Educação
inscrita, com o fim de alterar a verdade sobre aos Estados, ao Distrito Federal e aos Muni-
o fato, responderá civil, penal e administrati- cípios, sem necessidade de convênio, acordo,
vamente. contrato, ajuste ou instrumento congênere, me-
§ 4o  Os documentos que instruem a presta- diante depósito em conta-corrente específica.5
ção de contas, juntamente com os comprovan- § 1o  Os recursos financeiros de que trata
tes de pagamentos efetuados com os recursos o caput deste artigo deverão ser incluídos nos
Normas correlatas

financeiros transferidos na forma desta Lei, orçamentos dos Estados, do Distrito Federal e
serão mantidos pelos Estados, pelo Distrito dos Municípios beneficiados.
Federal e pelos Municípios em seus arquivos § 2o  Os saldos dos recursos financeiros rece-
pelo prazo de 5 (cinco) anos, a contar da data bidos à conta do Programa Brasil Alfabetizado,
da aprovação da prestação de contas do FNDE
pelo Tribunal de Contas da União.   Lei no 11.507/2007.
5
121
existentes em 31 de dezembro, deverão ser irregularidades identificadas na aplicação dos
reprogramados para o exercício subsequente, recursos destinados à execução dos Programas.
com estrita observância ao objeto de sua trans- § 4o  A fiscalização do Ministério da Edu-
ferência, nos termos da regulamentação. cação, do FNDE e dos órgãos do Sistema de
§ 3o  A bolsa referida no § 1o do art. 11 desta Controle Interno do Poder Executivo Federal
Lei poderá ser paga ao voluntário diretamente ocorrerá de ofício, a qualquer momento, ou
pela União, observadas as normas do FNDE. será deflagrada, isoladamente ou em conjunto,
sempre que for apresentada denúncia formal de
Art. 9o  Os Estados, o Distrito Federal e os irregularidade identificada no uso dos recursos
Municípios apresentarão prestação de contas públicos à conta dos Programas.
do total dos recursos recebidos à conta do Pro- § 5o  O órgão ou entidade concedente dos
grama Brasil Alfabetizado, na forma e prazo a recursos financeiros repassados à conta dos
serem definidos em regulamentação. Programas de que trata esta Lei realizará, nas
Parágrafo único.  O Ministério da Educa- esferas de governo estadual, municipal e do
ção elaborará relatórios anuais da execução Distrito Federal, a cada exercício financeiro,
do Programa Brasil Alfabetizado, que serão auditagem da aplicação dos recursos relativos
submetidos à análise da Comissão Nacional a esses Programas, por sistema de amostragem,
de Alfabetização. podendo, para tanto, requisitar o encaminha-
mento de documentos e demais elementos que
Art. 10.  A fiscalização da aplicação dos recur- julgar necessários, bem como realizar fiscali-
sos financeiros relativos aos Programas de que zação in loco ou, ainda, delegar competência
trata esta Lei é de competência do Ministério nesse sentido a outro órgão ou entidade estatal.
da Educação, do FNDE e dos órgãos do Siste-
ma de Controle Interno do Poder Executivo Art. 11.  As atividades desenvolvidas pelos
Federal e será feita mediante a realização de alfabetizadores no âmbito do Programa Brasil
auditorias, fiscalizações, inspeções e análise Alfabetizado são consideradas de natureza
dos processos que originarem as respectivas voluntária, na forma definida no art. 1o e seu
prestações de contas. parágrafo único da Lei no 9.608, de 18 de feve-
§ 1o  A fiscalização de que trata o caput deste reiro de 1998.6
artigo deverá, ainda, ser realizada pelos Conse- § 1o  O alfabetizador poderá receber uma
lhos referidos no art. 5o desta Lei na execução bolsa para atualização e custeio das despesas
do PNATE e do Programa de Apoio aos Siste- realizadas no desempenho de suas atividades
mas de Ensino para Atendimento à Educação no Programa.
de Jovens e Adultos e pela Comissão Nacional § 2o  Os resultados e as atividades desenvol-
de Alfabetização na execução do Programa vidas pelo alfabetizador serão avaliados pelo
Brasil Alfabetizado. Ministério da Educação.
§ 2o  Os órgãos incumbidos da fiscalização § 3o  O valor e os critérios para concessão e
da aplicação dos recursos financeiros destina- manutenção da bolsa serão fixados pelo Minis-
dos aos Programas de que trata esta Lei poderão tério da Educação.
celebrar convênios ou acordos, em regime de § 4 o  Entende-se por alfabetizadores os
mútua cooperação, para auxiliar e otimizar o professores da rede pública ou privada ou
seu controle, sem prejuízo de suas competên- outros agentes, nos termos do regulamento,
cias institucionais. que, voluntariamente, realizem as atividades de
§ 3 o  Qualquer pessoa física ou jurídica alfabetização em contato direto com os alunos
Educação básica

poderá denunciar ao Ministério da Educação, e por coordenadores de turmas de alfabetiza-


ao FNDE, aos órgãos do Sistema de Controle ção os que, voluntariamente, desempenhem
Interno do Poder Executivo Federal, ao Minis- supervisão do processo de aprendizagem dos
tério Público Federal, aos mencionados Con- alfabetizandos.
selhos e à Comissão Nacional de Alfabetização
122   Lei no 11.507/2007.
6
§ 5o  Aplica-se o regime desta Lei aos for- Brasília, 9 de junho de 2004; 183o da Indepen-
madores voluntários dos alfabetizadores, nos dência e 116o da República.
termos do § 4o deste artigo, e aos tradutores e
intérpretes voluntários da Língua Brasileira de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
Sinais – Libras que auxiliem na alfabetização Haddad
de alunos surdos.
Promulgada em 9/6/2004 e publicada no DOU de
Art. 12. (Revogado)7 11/6/2004.

Art. 13.  Esta Lei entra em vigor na data de


sua publicação.

Normas correlatas

7
  Lei no 11.494/2007. 123
Lei no 10.836/2004
Cria o Programa Bolsa Família e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA entre 0 (zero) e 12 (doze) anos ou adolescentes


até 15 (quinze) anos, sendo pago até o limite de
Faço saber que o Congresso Nacional decreta 5 (cinco) benefícios por família;
e eu sanciono a seguinte Lei:1 III – o benefício variável, vinculado ao ado-
lescente, destinado a unidades familiares que se
Art. 1o  Fica criado, no âmbito da Presidência encontrem em situação de pobreza ou extrema
da República, o Programa Bolsa Família, des- pobreza e que tenham em sua composição
tinado às ações de transferência de renda com adolescentes com idade entre 16 (dezesseis) e
condicionalidades. 17 (dezessete) anos, sendo pago até o limite de
Parágrafo único.  O Programa de que trata 2 (dois) benefícios por família.
o caput tem por finalidade a unificação dos IV – o benefício para superação da extrema
procedimentos de gestão e execução das ações pobreza, no limite de um por família, destinado
de transferência de renda do Governo Federal, às unidades familiares beneficiárias do Pro-
especialmente as do Programa Nacional de grama Bolsa Família e que, cumulativamente:
Renda Mínima vinculado à Educação – Bolsa a)  tenham em sua composição crianças e
Escola, instituído pela Lei no  10.219, de 11 adolescentes de 0 (zero) a 15 (quinze) anos de
de abril de 2001, do Programa Nacional de idade; e
Acesso à Alimentação – PNAA, criado pela b)  apresentem soma da renda familiar
Lei no 10.689, de 13 de junho de 2003, do Pro- mensal e dos benefícios financeiros previstos
grama Nacional de Renda Mínima vinculada nos incisos I a III igual ou inferior a R$ 70,00
à Saúde – Bolsa Alimentação, instituído pela (setenta reais) per capita.
Medida Provisória no 2.206-1, de 6 de setembro § 1o  Para fins do disposto nesta Lei, con-
de 2001, do Programa Auxílio-Gás, instituído sidera-se:
pelo Decreto no  4.102, de 24 de janeiro de I – família, a unidade nuclear, eventualmente
2002, e do Cadastramento Único do Governo ampliada por outros indivíduos que com ela
Federal, instituído pelo Decreto no 3.877, de 24 possuam laços de parentesco ou de afinidade,
de julho de 2001. que forme um grupo doméstico, vivendo sob o
mesmo teto e que se mantém pela contribuição
Art. 2o  Constituem benefícios financeiros do de seus membros;
Programa, observado o disposto em regula- II – (Revogado);
mento:2 III – renda familiar mensal, a soma dos ren-
I – o benefício básico, destinado a unidades dimentos brutos auferidos mensalmente pela
familiares que se encontrem em situação de totalidade dos membros da família, excluindo-
extrema pobreza; se os rendimentos concedidos por programas
II – o benefício variável, destinado a unida- oficiais de transferência de renda, nos termos
des familiares que se encontrem em situação de do regulamento.
pobreza e extrema pobreza e que tenham em �������������������������������������������������������������������������������
Educação básica

sua composição gestantes, nutrizes, crianças § 17.  Os beneficiários com idade a partir de
14 (quatorze) anos e os mencionados no inciso
1
  Conversão da Medida Provisória no 132/2003. III do caput deste artigo poderão ter acesso a
2
  Leis nos 12.817/2013, 12.722/2012, 12.512/2011 e programas e cursos de educação e qualificação
11.692/2008; e Medidas Provisórias nos  590/2012, profissionais.
124 570/2012, 535/2011 e 411/2007. �������������������������������������������������������������������������������
Art. 3o  A concessão dos benefícios dependerá cessários à execução orçamentária e financeira,
do cumprimento, no que couber, de condi- em caráter obrigatório, para pagamento dos
cionalidades relativas ao exame pré-natal, ao benefícios e dos serviços prestados pelo agente
acompanhamento nutricional, ao acompanha- operador e, em caráter facultativo, para o ge-
mento de saúde, à frequência escolar de 85% renciamento do Programa Bolsa Família, serão
(oitenta e cinco por cento) em estabelecimento realizados pelos Ministérios da Educação, da
de ensino regular, sem prejuízo de outras pre- Saúde, de Minas e Energia e pelo Gabinete do
vistas em regulamento.3 Ministro Extraordinário de Segurança Alimen-
Parágrafo único.  O acompanhamento da tar e Combate à Fome, observada orientação
frequência escolar relacionada ao benefício emanada da Secretaria-Executiva do Programa
previsto no inciso III do caput do art. 2o desta Bolsa Família quanto aos beneficiários e respec-
Lei considerará 75% (setenta e cinco por cento) tivos benefícios.
de frequência, em conformidade com o previsto �������������������������������������������������������������������������������
no inciso VI do caput do art. 24 da Lei no 9.394,
de 20 de dezembro de 1996. Art. 17.  Esta Lei entra em vigor na data de
������������������������������������������������������������������������������� sua publicação.

Art. 7o  Compete à Secretaria-Executiva do Brasília, 9 de janeiro de 2004; 183o da Indepen-


Programa Bolsa Família promover os atos ad- dência e 116o da República.
ministrativos e de gestão necessários à execução
orçamentária e financeira dos recursos origi- LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – José Dirceu
nalmente destinados aos programas federais de de Oliveira e Silva
transferência de renda e ao Cadastramento Úni-
co mencionados no parágrafo único do art. 1o. Promulgada em 9/1/2004 e publicada no DOU de
§ 1o  Excepcionalmente, no exercício de 12/1/2004.
2003, os atos administrativos e de gestão ne-

Normas correlatas

3
  Lei n o   11.692/2008; e Medida Provisória
no 411/2007. 125
Lei no 9.870/1999
Dispõe sobre o valor total das anuidades escolares e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA um ano a contar da data de sua fixação, salvo


quando expressamente prevista em lei.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta § 7 o  Será nula cláusula contratual que
e eu sanciono a seguinte Lei:1 obrigue o contratante ao pagamento adicio-
nal ou ao fornecimento de qualquer material
Art. 1o  O valor das anuidades ou das semestra- escolar de uso coletivo dos estudantes ou da
lidades escolares do ensino pré-escolar, funda- instituição, necessário à prestação dos serviços
mental, médio e superior, será contratado, nos educacionais contratados, devendo os custos
termos desta Lei, no ato da matrícula ou da sua correspondentes ser sempre considerados nos
renovação, entre o estabelecimento de ensino e cálculos do valor das anuidades ou das semes-
o aluno, o pai do aluno ou o responsável.2 tralidades escolares.
§ 1o  O valor anual ou semestral referido no
caput deste artigo deverá ter como base a última Art. 2o  O estabelecimento de ensino deverá
parcela da anuidade ou da semestralidade legal- divulgar, em local de fácil acesso ao público, o
mente fixada no ano anterior, multiplicada pelo texto da proposta de contrato, o valor apurado
número de parcelas do período letivo. na forma do art. 1o e o número de vagas por
§ 2o (Vetado) sala-classe, no período mínimo de quarenta e
§ 3o  Poderá ser acrescido ao valor total cinco dias antes da data final para matrícula,
anual de que trata o § 1o montante proporcio- conforme calendário e cronograma da insti-
nal à variação de custos a título de pessoal e de tuição de ensino.
custeio, comprovado mediante apresentação de Parágrafo único. (Vetado)
planilha de custo, mesmo quando esta variação
resulte da introdução de aprimoramentos no Art. 3o (Vetado)
processo didático-pedagógico.
§ 4o  A planilha de que trata o § 3o será edi- Art. 4o  A Secretaria de Direito Econômico
tada em ato do Poder Executivo. do Ministério da Justiça, quando necessário,
§ 5o  O valor total, anual ou semestral, apu- poderá requerer, nos termos da Lei no 8.078,
rado na forma dos parágrafos precedentes terá de 11 de setembro de 1990, e no âmbito de
vigência por um ano e será dividido em doze ou suas atribuições, comprovação documental
seis parcelas mensais iguais, facultada a apre- referente a qualquer cláusula contratual, exceto
sentação de planos de pagamento alternativos, dos estabelecimentos de ensino que tenham
desde que não excedam ao valor total anual firmado acordo com alunos, pais de alunos ou
ou semestral apurado na forma dos parágrafos associações de pais e alunos, devidamente le-
anteriores. galizadas, bem como quando o valor arbitrado
§ 6o  Será nula, não produzindo qualquer for decorrente da decisão do mediador.
efeito, cláusula contratual de revisão ou rea- Parágrafo único.  Quando a documentação
justamento do valor das parcelas da anuidade apresentada pelo estabelecimento de ensino
Educação básica

ou semestralidade escolar em prazo inferior a não corresponder às condições desta Lei, o


órgão de que trata este artigo poderá tomar, dos
interessados, termo de compromisso, na forma
1
  Conversão da Medida Provisória no 1.890-67/1999. da legislação vigente.
2
  Lei no 12.886/2013; e Medida Provisória no 2.173-
126 24/2001.
Art. 5o  Os alunos já matriculados, salvo quan- ensino da rede pública, em curso e série cor-
do inadimplentes, terão direito à renovação das respondentes aos cursados na escola de origem,
matrículas, observado o calendário escolar da de forma a garantir a continuidade de seus
instituição, o regimento da escola ou cláusula estudos no mesmo período letivo e a respeitar
contratual. o disposto no inciso V do art. 53 do Estatuto
da Criança e do Adolescente.
Art. 6o  São proibidas a suspensão de provas
escolares, a retenção de documentos escolares Art. 7o  São legitimados à propositura das
ou a aplicação de quaisquer outras penalidades ações previstas na Lei no 8.078, de 1990, para a
pedagógicas por motivo de inadimplemento, defesa dos direitos assegurados por esta Lei e
sujeitando-se o contratante, no que couber, às pela legislação vigente, as associações de alunos,
sanções legais e administrativas, compatíveis de pais de alunos e responsáveis, sendo indis-
com o Código de Defesa do Consumidor, e pensável, em qualquer caso, o apoio de, pelo
com os arts. 177 e 1.092 do Código Civil Bra- menos, vinte por cento dos pais de alunos do
sileiro, caso a inadimplência perdure por mais estabelecimento de ensino ou dos alunos, no
de noventa dias.3 caso de ensino superior.
§ 1o  O desligamento do aluno por inadim- �������������������������������������������������������������������������������
plência somente poderá ocorrer ao final do
ano letivo ou, no ensino superior, ao final do Art. 10.  Continuam a produzir efeitos os atos
semestre letivo quando a instituição adotar o praticados com base na Medida Provisória
regime didático semestral. no 1.890-66, de 24 de setembro de 1999, e nas
§ 2o  Os estabelecimentos de ensino funda- suas antecessoras.
mental, médio e superior deverão expedir, a
qualquer tempo, os documentos de transferên- Art. 11.  Esta Lei entra em vigor na data de
cia de seus alunos, independentemente de sua sua publicação.
adimplência ou da adoção de procedimentos
legais de cobranças judiciais. Art. 12.  Revogam-se a Lei no 8.170, de 17 de
§ 3o  São asseguradas em estabelecimentos janeiro de 1991; o art. 14 da Lei no 8.178, de
públicos de ensino fundamental e médio as ma- 1o de março de 1991; e a Lei no 8.747, de 9 de
trículas dos alunos, cujos contratos, celebrados dezembro de 1993.
por seus pais ou responsáveis para a prestação
de serviços educacionais, tenham sido suspen- Brasília, 23 de novembro de 1999; 178o da In-
sos em virtude de inadimplemento, nos termos dependência e 111o da República.
do caput deste artigo.
§ 4o  Na hipótese de os alunos a que se refere FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – José
o § 2o, ou seus pais ou responsáveis, não terem Carlos Dias – Pedro Malan – Paulo Renato
providenciado a sua imediata matrícula em Souza
outro estabelecimento de sua livre escolha, as
Secretarias de Educação estaduais e municipais Promulgada em 23/11/1999 e publicada no DOU de
deverão providenciá-la em estabelecimento de 24/11/1999 – Edição extra.
Normas correlatas

3
  Medida Provisória no 2.173-24/2001. 127
Lei no 9.795/1999
Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IV – aos meios de comunicação de massa,


colaborar de maneira ativa e permanente na dis-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta seminação de informações e práticas educativas
e eu sanciono a seguinte Lei: sobre meio ambiente e incorporar a dimensão
ambiental em sua programação;
V – às empresas, entidades de classe, institui-
CAPÍTULO I – Da Educação Ambiental ções públicas e privadas, promover programas
destinados à capacitação dos trabalhadores,
Art. 1o  Entendem-se por educação ambiental visando à melhoria e ao controle efetivo sobre
os processos por meio dos quais o indivíduo e a o ambiente de trabalho, bem como sobre as
coletividade constroem valores sociais, conhe- repercussões do processo produtivo no meio
cimentos, habilidades, atitudes e competências ambiente;
voltadas para a conservação do meio ambiente, VI – à sociedade como um todo, manter
bem de uso comum do povo, essencial à sadia atenção permanente à formação de valores,
qualidade de vida e sua sustentabilidade. atitudes e habilidades que propiciem a atuação
individual e coletiva voltada para a prevenção,
Art. 2o  A educação ambiental é um compo- a identificação e a solução de problemas am-
nente essencial e permanente da educação bientais.
nacional, devendo estar presente, de forma
articulada, em todos os níveis e modalidades Art. 4o  São princípios básicos da educação
do processo educativo, em caráter formal e ambiental:
não formal. I – o enfoque humanista, holístico, demo-
crático e participativo;
Art. 3o  Como parte do processo educativo II – a concepção do meio ambiente em sua
mais amplo, todos têm direito à educação am- totalidade, considerando a interdependência
biental, incumbindo: entre o meio natural, o socioeconômico e o
I – ao Poder Público, nos termos dos cultural, sob o enfoque da sustentabilidade;
arts. 205 e 225 da Constituição Federal, definir III – o pluralismo de ideias e concepções
políticas públicas que incorporem a dimensão pedagógicas, na perspectiva da inter, multi e
ambiental, promover a educação ambiental transdisciplinaridade;
em todos os níveis de ensino e o engajamento IV – a vinculação entre a ética, a educação,
da sociedade na conservação, recuperação e o trabalho e as práticas sociais;
melhoria do meio ambiente; V – a garantia de continuidade e permanên-
II – às instituições educativas, promover a cia do processo educativo;
educação ambiental de maneira integrada aos VI – a permanente avaliação crítica do pro-
programas educacionais que desenvolvem; cesso educativo;
Educação básica

III – aos órgãos integrantes do Sistema VII – a abordagem articulada das questões
Nacional de Meio Ambiente – Sisnama, pro- ambientais locais, regionais, nacionais e globais;
mover ações de educação ambiental integradas VIII – o reconhecimento e o respeito à plu-
aos programas de conservação, recuperação e ralidade e à diversidade individual e cultural.
melhoria do meio ambiente;
128
Art. 5o  São objetivos fundamentais da educa- Art. 8o  As atividades vinculadas à Política
ção ambiental: Nacional de Educação Ambiental devem ser
I – o desenvolvimento de uma compreensão desenvolvidas na educação em geral e na edu-
integrada do meio ambiente em suas múltiplas cação escolar, por meio das seguintes linhas de
e complexas relações, envolvendo aspectos eco- atuação inter-relacionadas:
lógicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, I – capacitação de recursos humanos;
econômicos, científicos, culturais e éticos; II – desenvolvimento de estudos, pesquisas
II – a garantia de democratização das infor- e experimentações;
mações ambientais; III – produção e divulgação de material
III – o estímulo e o fortalecimento de uma educativo;
consciência crítica sobre a problemática am- IV – acompanhamento e avaliação.
biental e social; § 1o  Nas atividades vinculadas à Política
IV – o incentivo à participação individu- Nacional de Educação Ambiental serão res-
al e coletiva, permanente e responsável, na peitados os princípios e objetivos fixados por
preservação do equilíbrio do meio ambiente, esta Lei.
entendendo-se a defesa da qualidade ambiental § 2o  A capacitação de recursos humanos
como um valor inseparável do exercício da voltar-se-á para:
cidadania; I – a incorporação da dimensão ambiental
V – o estímulo à cooperação entre as na formação, especialização e atualização dos
diversas regiões do País, em níveis micro e educadores de todos os níveis e modalidades
macrorregionais, com vistas à construção de de ensino;
uma sociedade ambientalmente equilibrada, II – a incorporação da dimensão ambiental
fundada nos princípios da liberdade, igualda- na formação, especialização e atualização dos
de, solidariedade, democracia, justiça social, profissionais de todas as áreas;
responsabilidade e sustentabilidade; III – a preparação de profissionais orien-
VI – o fomento e o fortalecimento da inte- tados para as atividades de gestão ambiental;
gração com a ciência e a tecnologia; IV – a formação, especialização e atualização
VII – o fortalecimento da cidadania, auto- de profissionais na área de meio ambiente;
determinação dos povos e solidariedade como V – o atendimento da demanda dos diversos
fundamentos para o futuro da humanidade. segmentos da sociedade no que diz respeito à
problemática ambiental.
§ 3o  As ações de estudos, pesquisas e expe-
CAPÍTULO II – Da Política Nacional de rimentações voltar-se-ão para:
Educação Ambiental I – o desenvolvimento de instrumentos e
SEÇÃO I – Disposições Gerais metodologias, visando à incorporação da di-
mensão ambiental, de forma interdisciplinar,
Art. 6o  É instituída a Política Nacional de nos diferentes níveis e modalidades de ensino;
Educação Ambiental. II – a difusão de conhecimentos, e informa-
ções sobre a questão ambiental;
Art. 7o  A Política Nacional de Educação Am- III – o desenvolvimento de instrumentos
biental envolve em sua esfera de ação, além dos e metodologias, visando à participação dos
órgãos e entidades integrantes do Sistema Naci- interessados na formulação e execução de pes-
onal de Meio Ambiente – Sisnama, instituições quisas relacionadas à problemática ambiental;
educacionais públicas e privadas dos sistemas IV – a busca de alternativas curriculares
Normas correlatas

de ensino, os órgãos públicos da União, dos e metodológicas de capacitação na área am-


Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e biental;
organizações não governamentais com atuação V – o apoio a iniciativas e experiências locais
em educação ambiental. e regionais, incluindo a produção de material
educativo;
129
VI – a montagem de uma rede de banco de cursos, nas redes pública e privada, observarão
dados e imagens, para apoio às ações enume- o cumprimento do disposto nos arts. 10 e 11
radas nos incisos I a V. desta Lei.

SEÇÃO II – Da Educação Ambiental no SEÇÃO III – Da Educação Ambiental Não


Ensino Formal Formal

Art. 9o  Entende-se por educação ambiental na Art. 13.  Entendem-se por educação ambien-
educação escolar a desenvolvida no âmbito dos tal não formal as ações e práticas educativas
currículos das instituições de ensino públicas e voltadas à sensibilização da coletividade sobre
privadas, englobando: as questões ambientais e à sua organização e
I – educação básica: participação na defesa da qualidade do meio
a)  educação infantil; ambiente.
b)  ensino fundamental e Parágrafo único.  O Poder Público, em níveis
c)  ensino médio; federal, estadual e municipal, incentivará:
II – educação superior; I – a difusão, por intermédio dos meios de
III – educação especial; comunicação de massa, em espaços nobres,
IV – educação profissional; de programas e campanhas educativas, e de
V – educação de jovens e adultos. informações acerca de temas relacionados ao
meio ambiente;
Art. 10.  A educação ambiental será desenvol- II – a ampla participação da escola, da uni-
vida como uma prática educativa integrada, versidade e de organizações não governamen-
contínua e permanente em todos os níveis e tais na formulação e execução de programas
modalidades do ensino formal. e atividades vinculadas à educação ambiental
§ 1o  A educação ambiental não deve ser não formal;
implantada como disciplina específica no cur- III – a participação de empresas públicas e
rículo de ensino. privadas no desenvolvimento de programas
§ 2o  Nos cursos de pós-graduação, extensão de educação ambiental em parceria com a
e nas áreas voltadas ao aspecto metodológico da escola, a universidade e as organizações não
educação ambiental, quando se fizer necessário, governamentais;
é facultada a criação de disciplina específica. IV – a sensibilização da sociedade para a
§ 3o  Nos cursos de formação e especializa- importância das unidades de conservação;
ção técnico-profissional, em todos os níveis, V – a sensibilização ambiental das popu-
deve ser incorporado conteúdo que trate da lações tradicionais ligadas às unidades de
ética ambiental das atividades profissionais a conservação;
serem desenvolvidas. VI – a sensibilização ambiental dos agri-
cultores;
Art. 11.  A dimensão ambiental deve constar VII – o ecoturismo.
dos currículos de formação de professores, em
todos os níveis e em todas as disciplinas.
Parágrafo único.  Os professores em ativi- CAPÍTULO III – Da Execução da Política
dade devem receber formação complementar Nacional de Educação Ambiental
em suas áreas de atuação, com o propósito de
Educação básica

atender adequadamente ao cumprimento dos Art. 14.  A coordenação da Política Nacional


princípios e objetivos da Política Nacional de de Educação Ambiental ficará a cargo de um
Educação Ambiental. órgão gestor, na forma definida pela regula-
mentação desta Lei.
Art. 12.  A autorização e supervisão do funci-
130 onamento de instituições de ensino e de seus Art. 15.  São atribuições do órgão gestor:
I – definição de diretrizes para implementa- Parágrafo único.  Na eleição a que se refere
ção em âmbito nacional; o caput deste artigo, devem ser contemplados,
II – articulação, coordenação e supervisão de forma equitativa, os planos, programas e
de planos, programas e projetos na área de projetos das diferentes regiões do País.
educação ambiental, em âmbito nacional;
III – participação na negociação de financi- Art. 18. (Vetado)
amentos a planos, programas e projetos na área
de educação ambiental. Art. 19.  Os programas de assistência técnica e
financeira relativos a meio ambiente e educação,
Art. 16.  Os Estados, o Distrito Federal e os em níveis federal, estadual e municipal, devem
Municípios, na esfera de sua competência e alocar recursos às ações de educação ambiental.
nas áreas de sua jurisdição, definirão diretrizes,
normas e critérios para a educação ambiental,
respeitados os princípios e objetivos da Política CAPÍTULO IV – Disposições Finais
Nacional de Educação Ambiental.
Art. 20.  O Poder Executivo regulamentará
Art. 17.  A eleição de planos e programas, esta Lei no prazo de noventa dias de sua publi-
para fins de alocação de recursos públicos cação, ouvidos o Conselho Nacional de Meio
vinculados à Política Nacional de Educação Ambiente e o Conselho Nacional de Educação.
Ambiental, deve ser realizada levando-se em
conta os seguintes critérios: Art. 21.  Esta Lei entra em vigor na data de
I – conformidade com os princípios, ob- sua publicação.
jetivos e diretrizes da Política Nacional de
Educação Ambiental; Brasília, 27 de abril de 1999; 178o da Indepen-
II – prioridade dos órgãos integrantes do dência e 111o da República.
Sisnama e do Sistema Nacional de Educação;
III – economicidade, medida pela relação FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
entre a magnitude dos recursos a alocar e o Renato Souza – José Sarney Filho
retorno social propiciado pelo plano ou pro-
grama proposto. Promulgada em 27/4/1999 e publicada no DOU de
28/4/1999.

Normas correlatas

131
Lei no 9.131/1995
Altera dispositivos da Lei no 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA as atribuições e competências do Conselho


Nacional de Educação, até a instalação deste.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta Parágrafo único.  No prazo de noventa dias,
e eu sanciono a seguinte Lei: a partir da publicação desta Lei, o Poder Exe-
������������������������������������������������������������������������������� cutivo adotará as providências necessárias para
a instalação do Conselho.
Art. 2o  As deliberações e pronunciamentos
do Conselho Pleno e das Câmaras deverão Art. 7o  São convalidados os atos praticados
ser homologados pelo Ministro de Estado da com base na Medida Provisória no  1.126, de
Educação e do Desporto.1 26 de setembro de 1995, e os processos em
Parágrafo único.  No sistema federal de andamento no Conselho Federal de Educa-
ensino, a autorização para o funcionamento, ção quando de sua extinção serão decididos
o credenciamento e o recredenciamento de a partir da instalação do Conselho Nacional
universidade ou de instituição não universitá- de Educação, desde que requerido pela parte
ria, o reconhecimento de cursos e habilitações interessada, no prazo de trinta dias, a contar
oferecidos por essas instituições, assim como da vigência desta Lei.
a autorização prévia dos cursos oferecidos por �������������������������������������������������������������������������������
instituições de ensino superior não universitá-
rias, serão tornados efetivos mediante ato do Art. 8o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
Poder Executivo, conforme regulamento. publicação.

Art. 3o (Revogado)2 Art. 9o  Revogam-se as disposições em con-


trário.
Art. 4o (Revogado)3
Brasília, 24 de novembro de 1995; 174o da In-
Art. 5   São revogadas todas as atribuições e
o
dependência e 107o da República.
competências do Conselho Federal de Educa-
ção previstas em lei. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
Renato Souza
Art. 6o  São extintos os mandatos dos membros
do Conselho Federal de Educação, devendo o Promulgada em 24/11/1995 e publicada no DOU do
Ministério da Educação e do Desporto exercer dia 25/11/1995.
Educação básica

1
  Lei n o   9.649/1998; e Medida Provisória
no 2.216/2001.
2
  Lei no 10.861/2004.
132 3
  Lei no 10.861/2004.
Lei no 8.405/1992
Autoriza o Poder Executivo a instituir como fundação pública a Coordenação de Aperfeiçoamento
de Pessoal de Nível Superior (Capes) e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA § 3o  A Capes estimulará a valorização do


magistério em todos os níveis e modalidades
Faço saber que o Congresso Nacional decreta de ensino.
e eu sanciono a seguinte lei: § 4o  Compete à Capes regulamentar as bol-
sas e os auxílios de que trata este artigo.
Art. 1o  É o Poder Executivo autorizado a insti- § 5o  As bolsas de estudos e auxílios conce-
tuir como fundação pública a Coordenação de didos para formação inicial e continuada de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior profissionais de magistério deverão priorizar
(Capes), com sede e foro no Distrito Federal e as respectivas áreas de atuação dos docentes,
prazo de duração indeterminado. bem como aquelas em que haja défice de pro-
fissionais.
Art. 2o  A Capes subsidiará o Ministério da § 6o  No âmbito de programas de cooperação
Educação na formulação de políticas e no internacional, a Capes poderá conceder bolsas,
desenvolvimento de atividades de suporte à no Brasil e no exterior, a estudantes, pesquisa-
formação de profissionais de magistério para dores e professores estrangeiros, vinculados a
a educação básica e superior e para o desen- projetos desenvolvidos por instituições públicas
volvimento científico e tecnológico do País.1 de ensino superior brasileiras e estrangeiras
������������������������������������������������������������������������������� associadas, visando à formação inicial e conti-
§ 2o  No âmbito da educação básica, a Ca- nuada de profissionais do magistério para edu-
pes terá como finalidade induzir, fomentar e cação básica e superior e à internacionalização
acompanhar, mediante convênios, bolsas de da produção científica e tecnológica do Brasil.
estudo, auxílios e outros mecanismos, inclusive
em regime de colaboração com os Estados, os Art. 3o  À fundação Capes serão transferidas
Municípios e o Distrito Federal e com institui- as competências, o acervo, as obrigações, os
ções de ensino superior públicas ou privadas, a direitos, as receitas e as dotações orçamentárias
formação inicial e continuada de profissionais do órgão autônomo Coordenação de Aperfei-
de magistério e os programas de estudos e çoamento de Pessoal de Nível Superior.
pesquisas em educação, respeitada a liberdade § 1 o  É o Poder Executivo autorizado a
acadêmica das instituições conveniadas, obser- transferir para a fundação Capes os imóveis
vado, ainda, o seguinte: disponíveis da União que sejam necessários
I – na formação inicial de profissionais do ao exercício e ao desenvolvimento das suas
magistério, dar-se-á preferência ao ensino atividades.
presencial, conjugado com o uso de recursos e § 2o  O patrimônio da fundação Capes será
tecnologias de educação a distância; ainda constituído pelos bens móveis e imóveis
II – na formação continuada de profissionais que venha a adquirir, inclusive mediante doa-
do magistério, utilizar-se-ão, especialmente, ções e legados de pessoas naturais ou jurídicas.
Normas correlatas

recursos e tecnologias de educação a distância.


Art. 4o  Constituem receita da fundação Capes:
I – as dotações consignadas na lei orçamen-
tária da União;
  Leis nos 12.801/2013, 12.695/2012 e 11.502/2007; e
1

Medidas Provisórias nos 586/2012 e 562/2012. 133


II – os auxílios e as subvenções concedidas �������������������������������������������������������������������������������
por entidades de direito público ou de direito
privado; Art. 11.  O Ministro de Estado da Educação,
III – as rendas de quaisquer espécies produ- no prazo de sessenta dias, contados da data da
zidas por seus bens ou atividades; publicação desta lei, adotará as providências
IV – as contribuições provenientes de enti- necessárias para a constituição da fundação Ca-
dades nacionais, estrangeiras ou internacionais; pes, observadas as disposições legais aplicáveis.
V – os saldos financeiros dos exercícios; Parágrafo único.  Constituída a fundação
VI – outras rendas eventuais. Capes, mediante aprovação do seu estatuto, ex-
tinguir-se-á o órgão autônomo Coordenação de
Art. 5o  No caso de dissolução da fundação Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.
Capes, seus bens e direitos passarão a integrar
o patrimônio da União. Art. 12.  É o Poder Executivo autorizado a
remanejar os créditos orçamentários da Co-
Art. 6o  São órgãos de direção da fundação ordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de
Capes:2 Nível Superior (Capes), para atender às despe-
I – o Conselho Superior; sas de constituição, instalação e manutenção
II – a Diretoria, composta pelo Presidente e da fundação Capes.
pelos Diretores;
III – o Conselho Técnico-Científico da Edu- Art. 13.  Esta lei entra em vigor na data de sua
cação Superior; publicação.
IV – o Conselho Técnico-Científico da
Educação Básica. Art. 14.  Revogam-se as disposições em con-
§ 1o  O estatuto da fundação Capes disporá trário.
sobre a organização e o funcionamento dos
órgãos de que trata este artigo e sobre a revisão Brasília, 9 de janeiro de 1992; 171o da Indepen-
anual das atividades relativas à educação básica. dência e 104o da República.
§ 2o  As reuniões deliberativas dos Conse-
lhos Técnico-Científicos serão públicas, ressal- FERNANDO COLLOR – José Goldemberg
vadas as sessões para a apreciação de matéria
cujo sigilo seja imprescindível ao interesse pri- Promulgada em 9/1/1992 e publicada no DOU de
vado e da coletividade, previamente justificado. 10/1/1992.
Educação básica

134 2
  Lei no 11.502/2007.
Lei no 8.078/1990
Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, SEÇÃO IV – Das Práticas Abusivas

Faço saber que o Congresso Nacional decreta Art. 39.  É vedado ao fornecedor de produtos
e eu sanciono a seguinte lei: ou serviços, dentre outras práticas abusivas:2
�������������������������������������������������������������������������������
X – elevar sem justa causa o preço de pro-
TÍTULO I – Dos Direitos do Consumidor dutos ou serviços.
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������
XIII – aplicar fórmula ou índice de reajuste
CAPÍTULO III – Dos Direitos Básicos do diverso do legal ou contratualmente estabe-
Consumidor lecido.
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 6o  São direitos básicos do consumidor:1
������������������������������������������������������������������������������� Brasília, 11 de setembro de 1990; 169o da Inde-
II – a educação e divulgação sobre o consu- pendência e 102o da República.
mo adequado dos produtos e serviços, assegu-
radas a liberdade de escolha e a igualdade nas FERNANDO COLLOR – Bernardo Cabral –
contratações; Zélia M. Cardoso de Mello – Ozires Silva
�������������������������������������������������������������������������������
Promulgada em 11/9/1990, publicada no DOU de
CAPÍTULO V – Das Práticas Comerciais 12/9/1990 – Edição extra – e retificada no DOU de
������������������������������������������������������������������������������� 10/1/2007.

Normas correlatas

1
  Leis nos 13.146/2015 e 12.741/2012. 2
  Leis nos 9.870/1999, 9.008/1995 e 8.884/1994. 135
Decreto-Lei no 236/1967
Complementa e modifica a Lei número 4.117 de 27 de agosto de 1962.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando igual ou superior a 100.000 (cem mil) habitan-


da atribuição que lhe confere o artigo 9o, § 2o, tes, destinando-os à televisão educativa.
do Ato Institucional no  4, de 7 de dezembro
de 1966, Art. 16.  O CONTEL baixará normas determi-
nando a obrigatoriedade de transmissão de pro-
DECRETA: gramas educacionais nas emissoras comerciais
������������������������������������������������������������������������������� de radiodifusão, estipulando horário, duração
e qualidade desses programas.1
Art. 13.  A televisão educativa se destinará à § 1o  A duração máxima obrigatória dos
divulgação de programas educacionais, me- programas educacionais será de 5 (cinco) horas
diante a transmissão de aulas, conferências, semanais.
palestras e debates. § 2o  Os programas educacionais obrigató-
Parágrafo único.  A televisão educativa rios deverão ser transmitidos em horários com-
não tem caráter comercial, sendo vedada a preendidos entre as sete e as vinte e uma horas.
transmissão de qualquer propaganda, direta § 3o  O Ministério da Educação poderá cele-
ou indiretamente, bem como o patrocínio dos brar convênios com entidades representativas
programas transmitidos, mesmo que nenhuma do setor de radiodifusão, que visem ao cumpri-
propaganda seja feita através dos mesmos. mento do disposto no caput, para a divulgação
gratuita dos programas e ações educacionais do
Art. 14.  Somente poderão executar serviço de Ministério da Educação, bem como à definição
televisão educativa: da forma de distribuição dos programas relati-
a)  a União; vos à educação básica, profissional, tecnológica
b)  os Estados, Territórios e Municípios; e superior e a outras matérias de interesse da
c)  as Universidades Brasileiras; educação.
d)  as Fundações constituídas no Brasil, § 4o  As inserções previstas no caput des-
cujos Estatutos não contrariem o Código Bra- tinam-se exclusivamente à veiculação de
sileiro de Telecomunicações. mensagens do Ministério da Educação, com
§ 1o  As Universidades e Fundações deverão, caráter de utilidade pública ou de divulgação
comprovadamente, possuir recursos próprios de programas e ações educacionais.
para o empreendimento. �������������������������������������������������������������������������������
§ 2o  A outorga de canais para a televisão
educativa não dependerá da publicação do Brasília, 28 de fevereiro de 1967; 146o da Inde-
edital previsto do artigo 34 do Código Brasileiro pendência e 79o da República.
de Telecomunicações.
H. CASTELLO BRANCO – Carlos Medeiros
Art. 15.  Dentro das disponibilidades existen- da Silva
tes ou que venham a existir, o CONTEL reser-
Educação básica

vará canais de Televisão, em todas as capitais Decretado em 28/2/1967, publicado no DOU de


de Estados e Territórios e cidades de população 28/2/1967 e retificado no DOU de 9/3/1967.

136 1
  Lei no 13.415/2017.
Decreto-Lei no 5.452/1943
Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando �������������������������������������������������������������������������������


da atribuição que lhe confere o art.  180 da
Constituição, Rio de Janeiro, 1o de maio de 1943, 122o da
Independência e 55o da República.
DECRETA:
GETÚLIO VARGAS – Alexandre Marcondes
Art. 1o  Fica aprovada a Consolidação das Leis Filho
do Trabalho, que a este decreto-lei acompanha,
com as alterações por ela introduzidas na legis- Decretado em 1o/5/1943 e publicado no DOU de
lação vigente. 9/8/1943.

Consolidação das Leis do Trabalho

�������������������������������������������������������������������������������� Art. 320.  A remuneração dos professores será


fixada pelo número de aulas semanais, na con-
TÍTULO III – Das Normas Especiais de formidade dos horários.
Tutela do Trabalho § 1o  O pagamento far-se-á mensalmente,
CAPÍTULO I – Das Disposições Especiais considerando-se para este efeito cada mês cons-
sobre Duração e Condições de Trabalho tituído de quatro semanas e meia.
�������������������������������������������������������������������������������� § 2o  Vencido cada mês, será descontada,
na remuneração dos professores, a importân-
SEÇÃO XII – Dos Professores cia correspondente ao número de aulas a que
tiverem faltado.
Art. 317.  O exercício remunerado do magisté- § 3o  Não serão descontadas, no decurso de 9
rio, em estabelecimentos particulares de ensino, (nove) dias, as faltas verificadas por motivo de
exigirá apenas habilitação legal e registro no gala ou de luto em consequência de falecimento
Ministério da Educação.1 do cônjuge, do pai ou mãe, ou de filho.

Art. 318.  O professor poderá lecionar em um Art. 321.  Sempre que o estabelecimento de en-


mesmo estabelecimento por mais de um turno, sino tiver necessidade de aumentar o número de
desde que não ultrapasse a jornada de trabalho aulas marcado nos horários, remunerará o pro-
semanal estabelecida legalmente, assegurado e fessor, findo cada mês, com uma importância
não computado o intervalo para refeição.2 correspondente ao número de aulas excedentes.
Normas correlatas

Art. 319.  Aos professores é vedado, aos domin- Art. 322.  No período de exames e no de férias
gos, a regência de aulas e o trabalho em exames. escolares, é assegurado aos professores o paga-
mento, na mesma periodicidade contratual, da
1
  Lei no 7.855/1989.
2
  Lei no 13.415/2017. 137
remuneração por eles percebida, na conformi- Art. 323.  Não será permitido o funcionamento
dade dos horários, durante o período de aulas.3 do estabelecimento particular de ensino que não
§ 1o  Não se exigirá dos professores, no pe- remunere condignamente os seus professores,
ríodo de exames, a prestação de mais de 8 (oito) ou não lhes pague pontualmente a remuneração
horas de trabalho diário, salvo mediante o pa- de cada mês.
gamento complementar de cada hora excedente Parágrafo único.  Compete ao Ministério da
pelo preço correspondente ao de uma aula. Educação e Saúde fixar os critérios para a deter-
§ 2o  No período de férias, não se poderá minação da condigna remuneração devida aos
exigir dos professores outro serviço senão o professores bem como assegurar a execução do
relacionado com a realização de exames. preceito estabelecido no presente artigo.
§ 3o  Na hipótese de dispensa sem justa cau- ��������������������������������������������������������������������������������
sa, ao término do ano letivo ou no curso das
férias escolares, é assegurado ao professor o
pagamento a que se refere o caput deste artigo.
Educação básica

138 3
  Lei no 9.013/1995.
Medida Provisória no 773/2017
Estabelece prazo para a correção dos valores referentes ao percentual de aplicação mínimo obrigatório
de que trata o caput do art. 69 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para os recursos recebidos
em decorrência da Lei no 13.254, de 13 de janeiro de 2016.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da recebidos em decorrência da Lei no 13.254, de


atribuição que lhe confere o art. 62 da Cons- 13 de janeiro de 2016.
tituição, adota a seguinte Medida Provisória,
com força de lei: Art. 2o  Esta Medida Provisória entra em vigor
na data de sua publicação.
Art. 1o  Ficam os Estados, o Distrito Federal
e os Municípios autorizados a corrigir, até 31 Brasília, 29 de março de 2017; 196o da Indepen-
de dezembro de 2017, as diferenças entre a dência e 129o da República.
receita e a despesa previstas e as efetivamente
realizadas, que resultem no não atendimento MICHEL TEMER – Maria Helena Guimarães
da aplicação do percentual mínimo obrigatório de Castro – Dyogo Henrique de Oliveira
em manutenção e desenvolvimento do ensino
público de que trata o caput do art. 69 da Lei Adotada em 29/3/2017 e publicada no DOU de
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, desde que 30/3/2017.
as referidas diferenças advenham dos recursos

Normas correlatas

139
Decreto no 7.084/2010
Dispõe sobre os programas de material didático e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da Art. 3o  São diretrizes dos programas de ma-


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, terial didático:
e tendo em vista o disposto no art. 208, inciso I – respeito ao pluralismo de ideias e concep-
VII, ambos da Constituição, e no art. 4o, inciso ções pedagógicas;
VIII, da Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996, II – respeito às diversidades sociais, culturais
e regionais;
DECRETA: III – respeito à autonomia pedagógica dos
estabelecimentos de ensino;
IV – respeito à liberdade e o apreço à tole-
CAPÍTULO I – Das Disposições Gerais rância; e
V – garantia de isonomia, transparência e
Art. 1o  Os programas de material didático exe- publicidade nos processos de avaliação, seleção
cutados no âmbito do Ministério da Educação e aquisição das obras.
são destinados a prover as escolas de educação
básica pública das redes federal, estaduais, mu- Art. 4o  Os programas de material didático
nicipais e do Distrito Federal de obras didáticas, serão executados em estrita observância aos
pedagógicas e literárias, bem como de outros princípios constitucionais da legalidade, impes-
materiais de apoio à prática educativa, de forma soalidade, moralidade, publicidade e eficiência,
sistemática, regular e gratuita. cabendo ao Ministério da Educação dispor so-
Parágrafo único.  As ações dos programas bre normas de conduta a serem seguidas pelos
de material didático destinam-se aos alunos e participantes que coíbam as seguintes atitudes,
professores das instituições citadas no caput, de- sem prejuízo de outras vedações:
vendo as escolas participantes garantir o acesso I – oferta de vantagens, brindes ou presen-
e a utilização das obras distribuídas, inclusive tes de qualquer espécie por parte dos autores,
fora do ambiente escolar no caso dos materiais titulares de direito autoral ou de edição, ou seus
designados como de uso individual pelo Mi- representantes a pessoas ou instituições vincula-
nistério da Educação, na forma deste Decreto. das ao processo de seleção e escolha das obras;
II – divulgação, apresentação ou entrega
Art. 2o  São objetivos dos programas de mate- pessoal das obras diretamente nas escolas;
rial didático: III – participação, direta ou indireta, ou ain-
I – melhoria do processo de ensino e aprendi- da patrocínio, dos autores, titulares de direito
zagem nas escolas públicas, com a consequente autoral ou de edição, ou seus representantes
melhoria da qualidade da educação; em eventos relacionados à seleção e escolha
II – garantia de padrão de qualidade do dos livros; e
material de apoio à prática educativa utilizado IV – práticas tendentes a induzir que deter-
nas escolas públicas; minadas obras são indicadas preferencialmente
III – democratização do acesso às fontes de pelo Ministério da Educação para adoção nas
Educação básica

informação e cultura; escolas.


IV – fomento à leitura e o estímulo à atitude Parágrafo único.  Fica vedada a realização
investigativa dos alunos; e de publicidade, propaganda ou outras formas
V – apoio à atualização e ao desenvolvimento de divulgação que utilizem logomarcas oficiais,
profissional do professor. selos dos programas de material didático do Mi-
140 nistério da Educação, ou marcas graficamente
semelhantes, ou, ainda, que façam referência e outros materiais às secretarias de educação
direta ao processo oficial de escolha, durante das capitais, do Distrito Federal e dos Estados,
toda a execução da etapa de que trata o art. 10, inclusive às unidades regionais destas últimas,
inciso V. para atendimento das matrículas adicionais ou
não computadas nas projeções.
Art. 5o  As escolas federais e os sistemas de § 5 o  Fica o FNDE autorizado a realizar
ensino estaduais, municipais e do Distrito Fe- aquisições adicionais de livros didáticos ha-
deral participarão dos programas de material bilitados, mediante novas negociações, para
didático de que trata este Decreto mediante a complementação de atendimento às novas
adesão formal, observados os prazos, normas, matrículas, à reposição de obras reutilizáveis
obrigações e procedimentos estabelecidos pelo danificadas ou não devolvidas, bem como de
Ministério da Educação. obras consumíveis.
Parágrafo único.  Os programas deverão § 6o  As escolas federais e os sistemas de en-
garantir atendimento a todos os alunos e pro- sino estaduais, municipais e do Distrito Federal
fessores das escolas participantes, previamente que não desejarem receber livros didáticos,
cadastradas no censo escolar realizado pelo inclusive aqueles que optarem pela utilização
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Edu- de material didático apostilado ou similar, de-
cacionais Anísio Teixeira – INEP. verão informar esta condição ao Ministério da
Educação, na forma e prazo definidos em ato
próprio, para exclusão do cadastro de atendi-
CAPÍTULO II – Do Programa Nacional do mento do PNLD.
Livro Didático
Art. 7o  As obras adquiridas no âmbito do
Art. 6   O Programa Nacional do Livro Didáti-
o
PNLD serão destinadas às secretarias de educa-
co – PNLD tem por objetivo prover as escolas ção e às escolas participantes, mediante doação
públicas de livros didáticos, dicionários e outros com encargo.
materiais de apoio à prática educativa. § 1o  O encargo de que trata o caput cor-
§ 1o  Os livros didáticos serão escolhidos responde à obrigatoriedade das secretarias de
pelas escolas, de acordo com os procedimentos educação e escolas participantes de manter e
estabelecidos neste Decreto e em resoluções conservar em bom estado de uso o material sob
do Fundo Nacional de Desenvolvimento da sua guarda, até o término do respectivo ciclo
Educação – FNDE, enquanto os dicionários trienal de atendimento, cabendo ao Ministério
e materiais de apoio à prática educativa serão da Educação expedir orientação sobre os proce-
selecionados pelo Ministério da Educação. dimentos a serem tomados para a conservação
§ 2 o  O processo de avaliação, escolha e dos livros.
aquisição das obras dar-se-á de forma periódi- § 2o  Durante o prazo referido no §  1o, os
ca, de modo a garantir ciclos regulares trienais livros didáticos serão repassados aos alunos e
alternados, intercalando o atendimento aos professores para uso no decorrer do período
seguintes níveis de ensino: letivo, a título de cessão definitiva, no caso de
I – 1o ao 5o ano do ensino fundamental; material consumível, ou cessão temporária, no
II – 6o ao 9o ano do ensino fundamental; e caso de material reutilizável, situação em que
III – ensino médio. será obrigatória sua conservação e devolução à
§ 3o  O quantitativo dos exemplares de livros escola ao final de cada ano.
didáticos para os alunos e professores e dos § 3o  As secretarias de educação e as escolas
Normas correlatas

acervos de materiais complementares e dicio- participantes deverão instruir os alunos, pais


nários para as salas de aula será definido com ou responsáveis sobre a guarda, conservação e
base nas projeções de matrículas das escolas devolução dos livros ao final do período letivo,
participantes. inclusive por meio de campanhas de consci-
§ 4 o  O Ministério da Educação poderá entização.
encaminhar reserva técnica de livros didáticos 141
§ 4o  Decorrido o prazo estabelecido no § 1o, diretrizes do art. 3o, bem como com o disposto
o bem doado passará a integrar, definitivamente, no parágrafo único do art. 1o.
o patrimônio das escolas participantes, facultan-
do-se a elas conservá-lo ou descartá-lo.
§ 5o  As disposições contidas nos §§  1o ao CAPÍTULO IV – Do Procedimento para
4 não se aplicam aos livros definidos como
o
Avaliação, Seleção e Aquisição das Obras
consumíveis pelo Ministério da Educação, cuja SEÇÃO I – Das Disposições Comuns
guarda definitiva caberá aos alunos e professores
beneficiados. Art. 10.  O processo de aquisição das obras
§ 6o  As escolas deverão informar à respecti- do PNLD e do PNBE obedecerão às seguintes
va secretaria de educação sobre a existência de etapas e procedimentos:
livros não utilizados ou excedentes, bem como I – inscrição, composta de:
a carência de livros, a fim de possibilitar seu a)  cadastramento dos titulares de direito
remanejamento entre as unidades de ensino. autoral ou de edição;
b)  pré-inscrição das obras; e
c)  entrega dos exemplares;
CAPÍTULO III – Do Programa Nacional II – triagem;
Biblioteca na Escola III – pré-análise;
IV – avaliação pedagógica;
Art. 8o  O Programa Nacional Biblioteca na V – escolha ou seleção, conforme o caso;
Escola – PNBE tem como objetivo prover as VI – habilitação;
escolas públicas de acervos formados por obras VII – negociação;
de referência, de literatura e de pesquisa, bem VIII – contratação;
como de outros materiais de apoio à prática IX – produção;
educativa. X – distribuição; e
§ 1o  As obras de que trata este artigo serão XI – controle de qualidade.
avaliadas e selecionadas de acordo com as § 1o  As regras para inscrição, os parâme-
diretrizes e procedimentos estabelecidos neste tros e critérios para triagem, pré-análise e
Decreto e em ato próprio. avaliação pedagógica das obras, bem como os
§ 2 o  O processo de avaliação, seleção e procedimentos aplicáveis às demais etapas serão
aquisição das obras dar-se-á de forma periódi- estabelecidos em edital, publicado pelo FNDE.
ca, visando a garantir ciclos regulares bienais § 2o  No PNLD, o prazo para inscrição das
alternados, intercalando o atendimento aos obras não poderá ser inferior a cento e vinte dias
seguintes níveis e modalidades da educação contados da publicação do edital, ressalvados
básica: os casos especiais, quando o prazo poderá ser
I – educação infantil, 1o ao 5o ano do ensino reduzido justificadamente em ato do Ministro
fundamental e educação de jovens e adultos; de Estado da Educação.
II – 6o ao 9o ano do ensino fundamental e
ensino médio. Art. 11.  O Ministério da Educação constituirá
comissão técnica integrada por especialistas
Art. 9o  As obras adquiridas serão destinadas das diferentes áreas do conhecimento, com a
às escolas participantes, mediante doação com finalidade de:
encargo. I – subsidiar a elaboração do edital de con-
§ 1o  O encargo de que trata o caput corres- vocação, inclusive na definição dos critérios
Educação básica

ponde à obrigatoriedade da donatária de manter para a avaliação pedagógica e seleção das obras;
e conservar as obras em bom estado de uso. II – apoiar o processo de pré-análise;
§ 2o  As escolas federais e os sistemas de III – orientar e supervisionar o processo de
ensino estaduais, municipais e do Distrito Fe- avaliação e seleção; e
deral adotarão livremente suas políticas de uso e IV – assessorar aquele Ministério nos temas
142 empréstimo, desde que em consonância com as afetos ao PNLD e ao PNBE.
Art. 12.  A inscrição de livros ou outros materi- § 1o  O processo de negociação tem como
ais será aberta aos titulares de direito autoral ou objetivo a pactuação do preço para aquisição das
de edição, de acordo com as regras estabelecidas obras selecionadas para composição dos acervos
no edital de convocação. ou escolhidas em primeira opção pelas escolas.
§ 2o  Não havendo acordo entre as partes em
Art. 13.  A triagem das obras será realizada relação ao preço, o FNDE poderá, em atenção
em caráter eliminatório, com o objetivo de exa- ao princípio da economicidade, deixar de con-
minar os aspectos físicos e atributos editoriais tratar a aquisição das obras previstas no § 1o,
das obras inscritas, em conformidade com os contratar a aquisição da segunda opção, ou
requisitos estipulados no edital. ainda, na eventualidade de novo impasse, fazer
a opção pela obra negociada mais escolhida em
Art. 14.  A avaliação pedagógica das obras será cada região.
realizada por instituições de educação superior § 3o  Finalizada a etapa de formalização dos
públicas, de acordo com as orientações e diretri- contratos de aquisição, o FNDE divulgará seus
zes estabelecidas pelo Ministério da Educação, resultados, informando, principalmente:
a partir das especificações e critérios fixados no I – as obras escolhidas em primeira e segunda
edital correspondente. opção, por escola e componente curricular, nos
§ 1o  Para realizar a avaliação pedagógica, termos do art. 10;
as instituições de educação superior públicas II – as obras adquiridas, por escola e compo-
constituirão equipes formadas por professores nente curricular, nos termos do § 2o; e
do seu quadro funcional, professores convida- III – o preço por exemplar.
dos de outras instituições de ensino superior e
professores da rede pública de ensino. Art. 16.  As obras serão produzidas diretamen-
§ 2o  Os integrantes das equipes avaliadoras te pelas contratadas, cabendo a responsabilidade
firmarão termo declarando não prestarem pela sua distribuição ao FNDE, por intermédio
pessoalmente serviço ou consultoria e, ainda, de empresa contratada especificamente para
não possuírem cônjuge ou parente até o terceiro esse fim.
grau entre os titulares de direito autoral ou de
edição inscritos no processo, ou qualquer outra
situação que configure impedimento ou conflito SEÇÃO II – Do procedimento no PNLD
de interesse.
Art. 17.  Os livros didáticos inscritos serão
Art. 15.  Caberá ao FNDE: apresentados no prazo estabelecido no edital,
I – organizar e apoiar a inscrição de obras mediante a entrega de exemplares:
e dos titulares de direito autoral ou de edição; I – caracterizados, com identificação da au-
II – analisar a documentação e proceder à toria e de outros elementos editoriais, a serem
habilitação dos titulares de direito autoral ou utilizados nas fases de triagem e pré-análise; e
de edição; II – descaracterizados, sem elementos que
III – realizar a triagem das obras, diretamente permitam a identificação do autor, editora, co-
ou por meio de instituição conveniada ou con- laborador ou título da obra ou coleção, a serem
tratada para este fim; utilizados para fins da avaliação pedagógica.
IV – apoiar o processo de escolha ou mon-
tagem dos acervos e compilar seus resultados, Art. 18.  As obras eliminadas nas etapas de tria-
a fim de subsidiar as fases de negociação, aqui- gem e pré-análise serão desclassificadas por não
Normas correlatas

sição, produção e distribuição; atendimento aos requisitos de admissibilidade


IV – realizar a negociação de preços e for- estipulados no edital.
malizar os contratos de aquisição; e § 1o  Verificada a existência de falhas pon-
V – acompanhar e realizar o controle de tuais, limitadas a cinco por cento do total de
qualidade da produção e distribuição das obras, páginas e a oito volumes por titular de direito
de acordo com as especificações contratadas. autoral ou de edição, durante a triagem das 143
obras inscritas no PNLD, será dada oportuni- § 2o  Não se enquadram como falhas pon-
dade para que o interessado reapresente a obra tuais a supressão ou substituição de trechos
corrigida no prazo de cinco dias úteis. extensos, a correção de unidades ou capítulos,
§ 2o  A pré-análise das obras inscritas no a revisão global da obra, a adequação dos
PNLD terá caráter eliminatório e consistirá no exercícios ou atividades dirigidas, entre outras
exame do atendimento do objeto e da docu- que demandem a reformulação e não simples
mentação definidos no edital de convocação, correção da obra.
bem como da adequada reformulação das obras § 3o  O parecer indicativo de reprovação da
excluídas das seleções anteriores, nos termos obra poderá ser objeto de recurso fundamen-
do art. 22. tado por parte do titular de direito autoral ou
§ 3o  Não caberá recurso nas etapas de tria- de edição, no prazo de dez dias a contar da
gem e pré-análise das obras inscritas no PNDL. publicação do resultado da avaliação pedagó-
gica, vedados pedidos genéricos de revisão da
Art. 19.  A avaliação pedagógica dos livros di- avaliação.
dáticos no âmbito do PNLD será realizada com § 4o  O recurso deverá ser dirigido à Se-
base em critérios comuns e critérios específicos cretaria de Educação Básica do Ministério da
para os diversos componentes curriculares, Educação, que proferirá decisão no prazo de
considerando-se, necessariamente, sem prejuízo trinta dias.
de outros: § 5o  Para análise dos recursos, a Secretaria
I – o respeito à legislação, às diretrizes e de Educação Básica do Ministério da Educação
normas gerais da educação; poderá contar com auxílio de equipes revisoras
II – a observância de princípios éticos neces- formadas por três avaliadores integrantes das
sários à construção da cidadania e ao convívio equipes técnicas de que trata o § 1o do art. 14,
social republicano; que não tenham participado da avaliação inicial
III – a coerência e adequação da abordagem da obra.
teórico-metodológica; § 6o  A equipe revisora ficará encarregada
IV – a correção e atualização de conceitos, de analisar o recurso e emitir manifestação
informações e procedimentos; exclusivamente sobre a procedência ou im-
V – a adequação e a pertinência das orienta- procedência do recurso, vedada a reavaliação
ções prestadas ao professor; e integral da obra.
VI – a adequação da estrutura editorial e do
projeto gráfico. Art. 21.  As obras aprovadas no processo de
avaliação pedagógica serão incluídas no Guia
Art. 20.  As obras avaliadas pedagogicamente, de Livros Didáticos, para posterior escolha
de acordo com os critérios estabelecidos em pelas escolas ou selecionadas para composição
edital, receberão pareceres elaborados pelas dos acervos de materiais complementares ou
equipes técnicas, que indicarão: dicionários do PNLD.
I – a aprovação da obra;
II – a aprovação da obra condicionada à Art. 22.  Os livros didáticos reprovados pode-
correção de falhas pontuais, que, a critério dos rão ser reapresentados nas edições subsequentes
pareceristas, não comprometam o conteúdo ou do PNLD, desde que tenham sido reformulados
conjunto da obra; ou com base nos pareceres emitidos.
III – a reprovação da obra.
§ 1o  Na hipótese do inciso II do caput, o Art. 23.  O Ministério da Educação elaborará
Educação básica

titular de direito autoral ou de edição poderá o Guia de Livros Didáticos para distribuição
reapresentar a obra corrigida no prazo de quinze às escolas beneficiárias do PNLD, contendo a
dias a contar da publicação do resultado da ava- relação de obras aprovadas e suas respectivas
liação pedagógica, para conferência e eventual resenhas, a fim de auxiliar os professores na
aprovação, caso as falhas apontadas no parecer escolha dos livros a serem adotados.
144 tenham sido devidamente sanadas.
Art. 24.  Os livros didáticos serão livremente Parágrafo único.  Os editais dos programas
escolhidos pela escola, por meio de seu corpo de material didático poderão prever obrigações
docente e dirigente, em primeira e segunda para os participantes relativas a apresentação
opção para cada componente curricular, con- de formatos acessíveis para atendimento do
siderando-se a adequação e a pertinência das público da educação especial.
obras em relação à proposta pedagógica de cada
instituição escolar. Art. 29.  A inscrição, seleção ou escolha das
obras, assim como a habilitação de titulares
de direito autoral ou de edição, nos programas
SEÇÃO III – Do Procedimento no PNBE de material didático não implica obrigação de
contratação pelo Ministério da Educação ou
Art. 25.  A avaliação pedagógica das obras suas autarquias vinculadas e nem confere aos
inscritas no PNBE será realizada com base em participantes qualquer direito de reivindicação,
critérios definidos no edital, considerando-se, indenização ou reposição de custos com a par-
necessariamente, sem prejuízo de outros: ticipação nos processos seletivos, em caso da
I – a qualidade do texto; não aprovação em qualquer etapa, ainda que
II – a adequação temática; e na fase de negociação.
III – a estrutura editorial e o projeto gráfico.
§ 1o  As obras aprovadas no processo de Art. 30.  O Ministério da Educação e o FNDE
avaliação pedagógica serão selecionadas para realizarão controle permanente de qualidade
composição dos acervos do PNBE. das obras adquiridas e distribuídas no âmbito
§ 2o  O Ministério da Educação poderá ins- dos programas de material didático, podendo
tituir procedimento para escolha, pelas escolas, contar com o apoio de instituições contratadas
das obras integrantes do acervo do PNBE. ou conveniadas para este fim.

Art. 26.  As condições, critérios e demais Art. 31.  O Ministério da Educação poderá


procedimentos operacionais para escolha das requerer certificação de origem dos papéis e ou-
obras pelas escolas serão definidos no edital tros materiais contratados para os programas de
correspondente. material didático, nos termos a serem definidos
em ato próprio.

CAPÍTULO V – Das Disposições Finais Art. 32.  As despesas dos programas de materi-


al didático correrão à conta das dotações anual-
Art. 27.  O Ministério da Educação poderá mente consignadas ao Ministério da Educação e
criar programas suplementares de material di- ao FNDE, de acordo com suas respectivas áreas
dático, a serem disciplinados em atos próprios, de atuação, observados os limites estipulados na
destinados a níveis, modalidades, objetivos ou forma da legislação orçamentária e financeira.
públicos específicos da educação básica, inclusi-
ve da educação infantil, alfabetização e educação Art. 33.  Este Decreto entra em vigor na data
de jovens e adultos, com ciclos próprios ou da sua publicação.
edições independentes.
Parágrafo único.  Os programas menciona- Brasília, 27 de janeiro de 2010; 189o da Inde-
dos no caput deverão submeter-se aos objetivos pendência e 122o da República.
e diretrizes estabelecidos neste Decreto.
Normas correlatas

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando


Art. 28.  O Ministério da Educação adotará Haddad
mecanismos para promoção da acessibilidade
nos programas de material didático destinados Decretado em 27/1/2010 e publicado no DOU de
aos alunos da educação especial e seus profes- 27/1/2010 – Edição extra.
sores das escolas de educação básica públicas. 145
Decreto no 5.626/2005
Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais
– Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das mal de nível médio, o curso normal superior,
atribuições que lhe confere o art. 84, inciso IV, o curso de Pedagogia e o curso de Educação
da Constituição, e tendo em vista o disposto na Especial são considerados cursos de formação
Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, e no art. 18 de professores e profissionais da educação para
da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, o exercício do magistério.
§ 2o  A Libras constituir-se-á em disciplina
DECRETA: curricular optativa nos demais cursos de edu-
cação superior e na educação profissional, a
partir de um ano da publicação deste Decreto.
CAPÍTULO I – Das Disposições
Preliminares
CAPÍTULO III – Da Formação do Professor
Art. 1 o   Este Decreto regulamenta a Lei de Libras e do Instrutor de Libras
no 10.436, de 24 de abril de 2002, e o art. 18
da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Art. 4o  A formação de docentes para o ensino
de Libras nas séries finais do ensino fundamen-
Art. 2o  Para os fins deste Decreto, considera-se tal, no ensino médio e na educação superior
pessoa surda aquela que, por ter perda auditi- deve ser realizada em nível superior, em curso
va, compreende e interage com o mundo por de graduação de licenciatura plena em Letras:
meio de experiências visuais, manifestando Libras ou em Letras: Libras/Língua Portuguesa
sua cultura principalmente pelo uso da Língua como segunda língua.
Brasileira de Sinais – Libras. Parágrafo único.  As pessoas surdas terão
Parágrafo único.  Considera-se deficiência prioridade nos cursos de formação previstos
auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de no caput.
quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida
por audiograma nas frequências de 500Hz, Art. 5o  A formação de docentes para o ensi-
1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz. no de Libras na educação infantil e nos anos
iniciais do ensino fundamental deve ser reali-
zada em curso de Pedagogia ou curso normal
CAPÍTULO II – Da Inclusão da Libras como superior, em que Libras e Língua Portuguesa
Disciplina Curricular escrita tenham constituído línguas de instrução,
viabilizando a formação bilíngue.
Art. 3o  A Libras deve ser inserida como dis- § 1o  Admite-se como formação mínima de
ciplina curricular obrigatória nos cursos de docentes para o ensino de Libras na educação
formação de professores para o exercício do infantil e nos anos iniciais do ensino funda-
magistério, em nível médio e superior, e nos mental, a formação ofertada em nível médio na
Educação básica

cursos de Fonoaudiologia, de instituições de modalidade normal, que viabilizar a formação


ensino, públicas e privadas, do sistema federal bilíngue, referida no caput.
de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, § 2o  As pessoas surdas terão prioridade nos
do Distrito Federal e dos Municípios. cursos de formação previstos no caput.
§ 1o  Todos os cursos de licenciatura, nas
146 diferentes áreas do conhecimento, o curso nor-
Art. 6o  A formação de instrutor de Libras, em uso, o conhecimento e a competência para o
nível médio, deve ser realizada por meio de: ensino dessa língua.
I – cursos de educação profissional; § 1o  O exame de proficiência em Libras deve
II – cursos de formação continuada pro- ser promovido, anualmente, pelo Ministério da
movidos por instituições de ensino superior; e Educação e instituições de educação superior
III – cursos de formação continuada pro- por ele credenciadas para essa finalidade.
movidos por instituições credenciadas por § 2o  A certificação de proficiência em Libras
secretarias de educação. habilitará o instrutor ou o professor para a
§ 1o  A formação do instrutor de Libras função docente.
pode ser realizada também por organizações da § 3o  O exame de proficiência em Libras
sociedade civil representativa da comunidade deve ser realizado por banca examinadora de
surda, desde que o certificado seja convalidado amplo conhecimento em Libras, constituída
por pelo menos uma das instituições referidas por docentes surdos e linguistas de instituições
nos incisos II e III. de educação superior.
§ 2o  As pessoas surdas terão prioridade nos
cursos de formação previstos no caput. Art. 9o  A partir da publicação deste Decreto,
as instituições de ensino médio que oferecem
Art. 7o  Nos próximos dez anos, a partir da cursos de formação para o magistério na moda-
publicação deste Decreto, caso não haja docente lidade normal e as instituições de educação su-
com título de pós-graduação ou de graduação perior que oferecem cursos de Fonoaudiologia
em Libras para o ensino dessa disciplina em ou de formação de professores devem incluir
cursos de educação superior, ela poderá ser Libras como disciplina curricular, nos seguintes
ministrada por profissionais que apresentem prazos e percentuais mínimos:
pelo menos um dos seguintes perfis: I – até três anos, em vinte por cento dos
I – professor de Libras, usuário dessa língua cursos da instituição;
com curso de pós-graduação ou com formação II – até cinco anos, em sessenta por cento
superior e certificado de proficiência em Libras, dos cursos da instituição;
obtido por meio de exame promovido pelo III – até sete anos, em oitenta por cento dos
Ministério da Educação; cursos da instituição; e
II – instrutor de Libras, usuário dessa língua IV – dez anos, em cem por cento dos cursos
com formação de nível médio e com certifica- da instituição.
do obtido por meio de exame de proficiência Parágrafo único.  O processo de inclusão da
em Libras, promovido pelo Ministério da Libras como disciplina curricular deve iniciar-
Educação; se nos cursos de Educação Especial, Fonoau-
III – professor ouvinte bilíngue: Libras – diologia, Pedagogia e Letras, ampliando-se
Língua Portuguesa, com pós-graduação ou progressivamente para as demais licenciaturas.
formação superior e com certificado obtido
por meio de exame de proficiência em Libras, Art. 10.  As instituições de educação superior
promovido pelo Ministério da Educação. devem incluir a Libras como objeto de ensino,
§ 1o  Nos casos previstos nos incisos I e II, as pesquisa e extensão nos cursos de formação de
pessoas surdas terão prioridade para ministrar professores para a educação básica, nos cursos
a disciplina de Libras. de Fonoaudiologia e nos cursos de Tradução e
§ 2o  A partir de um ano da publicação deste Interpretação de Libras – Língua Portuguesa.
Decreto, os sistemas e as instituições de ensino
Normas correlatas

da educação básica e as de educação superior Art. 11.  O Ministério da Educação promo-


devem incluir o professor de Libras em seu verá, a partir da publicação deste Decreto,
quadro do magistério. programas específicos para a criação de cursos
de graduação:
Art. 8o  O exame de proficiência em Libras, I – para formação de professores surdos e
referido no art. 7o, deve avaliar a fluência no ouvintes, para a educação infantil e anos ini- 147
ciais do ensino fundamental, que viabilize a b)  a tradução e interpretação de Libras –
educação bilíngue: Libras – Língua Portuguesa Língua Portuguesa; e
como segunda língua; c)  o ensino da Língua Portuguesa, como
II – de licenciatura em Letras: Libras ou segunda língua para pessoas surdas;
em Letras: Libras/Língua Portuguesa, como II – ofertar, obrigatoriamente, desde a edu-
segunda língua para surdos; cação infantil, o ensino da Libras e também da
III – de formação em Tradução e Interpre- Língua Portuguesa, como segunda língua para
tação de Libras – Língua Portuguesa. alunos surdos;
III – prover as escolas com:
Art. 12.  As instituições de educação supe- a)  professor de Libras ou instrutor de
rior, principalmente as que ofertam cursos de Libras;
Educação Especial, Pedagogia e Letras, devem b)  tradutor e intérprete de Libras – Língua
viabilizar cursos de pós-graduação para a for- Portuguesa;
mação de professores para o ensino de Libras c)  professor para o ensino de Língua Por-
e sua interpretação, a partir de um ano da tuguesa como segunda língua para pessoas
publicação deste Decreto. surdas; e
d)  professor regente de classe com conhe-
Art. 13.  O ensino da modalidade escrita da cimento acerca da singularidade linguística
Língua Portuguesa, como segunda língua manifestada pelos alunos surdos;
para pessoas surdas, deve ser incluído como IV – garantir o atendimento às necessidades
disciplina curricular nos cursos de formação educacionais especiais de alunos surdos, desde
de professores para a educação infantil e para a educação infantil, nas salas de aula e, também,
os anos iniciais do ensino fundamental, de em salas de recursos, em turno contrário ao da
nível médio e superior, bem como nos cursos escolarização;
de licenciatura em Letras com habilitação em V – apoiar, na comunidade escolar, o uso e
Língua Portuguesa. a difusão de Libras entre professores, alunos,
Parágrafo único.  O tema sobre a modalidade funcionários, direção da escola e familiares,
escrita da língua portuguesa para surdos deve inclusive por meio da oferta de cursos;
ser incluído como conteúdo nos cursos de VI – adotar mecanismos de avaliação coe-
Fonoaudiologia. rentes com aprendizado de segunda língua,
na correção das provas escritas, valorizando o
aspecto semântico e reconhecendo a singulari-
CAPÍTULO IV – Do Uso e da Difusão da dade linguística manifestada no aspecto formal
Libras e da Língua Portuguesa para o Acesso da Língua Portuguesa;
das Pessoas Surdas à Educação VII – desenvolver e adotar mecanismos
alternativos para a avaliação de conhecimentos
Art. 14.  As instituições federais de ensino expressos em Libras, desde que devidamente
devem garantir, obrigatoriamente, às pessoas registrados em vídeo ou em outros meios ele-
surdas acesso à comunicação, à informação e à trônicos e tecnológicos;
educação nos processos seletivos, nas atividades VIII – disponibilizar equipamentos, acesso
e nos conteúdos curriculares desenvolvidos em às novas tecnologias de informação e comu-
todos os níveis, etapas e modalidades de edu- nicação, bem como recursos didáticos para
cação, desde a educação infantil até à superior. apoiar a educação de alunos surdos ou com
§ 1o  Para garantir o atendimento educacio- deficiência auditiva.
Educação básica

nal especializado e o acesso previsto no caput, § 2o  O professor da educação básica, bilín-
as instituições federais de ensino devem: gue, aprovado em exame de proficiência em
I – promover cursos de formação de pro- tradução e interpretação de Libras – Língua
fessores para: Portuguesa, pode exercer a função de tradutor
a)  o ensino e uso da Libras; e intérprete de Libras – Língua Portuguesa,
148
cuja função é distinta da função de professor Art. 18.  Nos próximos dez anos, a partir da
docente. publicação deste Decreto, a formação de tradu-
§ 3o  As instituições privadas e as públicas tor e intérprete de Libras – Língua Portuguesa,
dos sistemas de ensino federal, estadual, mu- em nível médio, deve ser realizada por meio de:
nicipal e do Distrito Federal buscarão imple- I – cursos de educação profissional;
mentar as medidas referidas neste artigo como II – cursos de extensão universitária; e
meio de assegurar atendimento educacional III – cursos de formação continuada pro-
especializado aos alunos surdos ou com defi- movidos por instituições de ensino superior
ciência auditiva. e instituições credenciadas por secretarias de
educação.
Art. 15.  Para complementar o currículo da Parágrafo único.  A formação de tradutor e
base nacional comum, o ensino de Libras e o intérprete de Libras pode ser realizada por or-
ensino da modalidade escrita da Língua Portu- ganizações da sociedade civil representativas da
guesa, como segunda língua para alunos surdos, comunidade surda, desde que o certificado seja
devem ser ministrados em uma perspectiva convalidado por uma das instituições referidas
dialógica, funcional e instrumental, como: no inciso III.
I – atividades ou complementação curricular
específica na educação infantil e anos iniciais Art. 19.  Nos próximos dez anos, a partir da
do ensino fundamental; e publicação deste Decreto, caso não haja pes-
II – áreas de conhecimento, como disci- soas com a titulação exigida para o exercício
plinas curriculares, nos anos finais do ensino da tradução e interpretação de Libras – Língua
fundamental, no ensino médio e na educação Portuguesa, as instituições federais de ensino
superior. devem incluir, em seus quadros, profissionais
com o seguinte perfil:
Art. 16.  A modalidade oral da Língua Portu- I – profissional ouvinte, de nível superior,
guesa, na educação básica, deve ser ofertada com competência e fluência em Libras para
aos alunos surdos ou com deficiência auditiva, realizar a interpretação das duas línguas, de
preferencialmente em turno distinto ao da es- maneira simultânea e consecutiva, e com apro-
colarização, por meio de ações integradas entre vação em exame de proficiência, promovido
as áreas da saúde e da educação, resguardado o pelo Ministério da Educação, para atuação em
direito de opção da família ou do próprio aluno instituições de ensino médio e de educação
por essa modalidade. superior;
Parágrafo único.  A definição de espaço II – profissional ouvinte, de nível médio, com
para o desenvolvimento da modalidade oral competência e fluência em Libras para realizar
da Língua Portuguesa e a definição dos profis- a interpretação das duas línguas, de maneira
sionais de Fonoaudiologia para atuação com simultânea e consecutiva, e com aprovação
alunos da educação básica são de competência em exame de proficiência, promovido pelo
dos órgãos que possuam estas atribuições nas Ministério da Educação, para atuação no ensino
unidades federadas. fundamental;
III – profissional surdo, com competência
para realizar a interpretação de línguas de sinais
CAPÍTULO V – Da Formação do Tradutor e de outros países para a Libras, para atuação em
Intérprete de Libras – Língua Portuguesa cursos e eventos.
Parágrafo único.  As instituições privadas e
Normas correlatas

Art. 17.  A formação do tradutor e intérprete as públicas dos sistemas de ensino federal, esta-
de Libras – Língua Portuguesa deve efetivar-se dual, municipal e do Distrito Federal buscarão
por meio de curso superior de Tradução e Inter- implementar as medidas referidas neste artigo
pretação, com habilitação em Libras – Língua como meio de assegurar aos alunos surdos ou
Portuguesa. com deficiência auditiva o acesso à comunica-
ção, à informação e à educação. 149
Art. 20.  Nos próximos dez anos, a partir da I – escolas e classes de educação bilíngue,
publicação deste Decreto, o Ministério da Edu- abertas a alunos surdos e ouvintes, com pro-
cação ou instituições de ensino superior por ele fessores bilíngues, na educação infantil e nos
credenciadas para essa finalidade promoverão, anos iniciais do ensino fundamental;
anualmente, exame nacional de proficiência em II – escolas bilíngues ou escolas comuns da
tradução e interpretação de Libras – Língua rede regular de ensino, abertas a alunos surdos
Portuguesa. e ouvintes, para os anos finais do ensino funda-
Parágrafo único.  O exame de proficiência mental, ensino médio ou educação profissional,
em tradução e interpretação de Libras – Língua com docentes das diferentes áreas do conhe-
Portuguesa deve ser realizado por banca exami- cimento, cientes da singularidade linguística
nadora de amplo conhecimento dessa função, dos alunos surdos, bem como com a presença
constituída por docentes surdos, linguistas e de tradutores e intérpretes de Libras – Língua
tradutores e intérpretes de Libras de instituições Portuguesa.
de educação superior. § 1o  São denominadas escolas ou classes de
educação bilíngue aquelas em que a Libras e a
Art. 21.  A partir de um ano da publicação des- modalidade escrita da Língua Portuguesa sejam
te Decreto, as instituições federais de ensino da línguas de instrução utilizadas no desenvolvi-
educação básica e da educação superior devem mento de todo o processo educativo.
incluir, em seus quadros, em todos os níveis, § 2o  Os alunos têm o direito à escolarização
etapas e modalidades, o tradutor e intérprete em um turno diferenciado ao do atendimento
de Libras – Língua Portuguesa, para viabilizar educacional especializado para o desenvolvi-
o acesso à comunicação, à informação e à edu- mento de complementação curricular, com
cação de alunos surdos. utilização de equipamentos e tecnologias de
§ 1o  O profissional a que se refere o caput informação.
atuará: § 3o  As mudanças decorrentes da imple-
I – nos processos seletivos para cursos na mentação dos incisos I e II implicam a forma-
instituição de ensino; lização, pelos pais e pelos próprios alunos, de
II – nas salas de aula para viabilizar o acesso sua opção ou preferência pela educação sem o
dos alunos aos conhecimentos e conteúdos uso de Libras.
curriculares, em todas as atividades didático- § 4o  O disposto no § 2o deste artigo deve ser
pedagógicas; e garantido também para os alunos não usuários
III – no apoio à acessibilidade aos serviços da Libras.
e às atividades-fim da instituição de ensino.
§ 2o  As instituições privadas e as públicas Art. 23.  As instituições federais de ensino, de
dos sistemas de ensino federal, estadual, mu- educação básica e superior, devem proporcio-
nicipal e do Distrito Federal buscarão imple- nar aos alunos surdos os serviços de tradutor
mentar as medidas referidas neste artigo como e intérprete de Libras – Língua Portuguesa em
meio de assegurar aos alunos surdos ou com sala de aula e em outros espaços educacionais,
deficiência auditiva o acesso à comunicação, à bem como equipamentos e tecnologias que vi-
informação e à educação. abilizem o acesso à comunicação, à informação
e à educação.
§ 1o  Deve ser proporcionado aos professores
CAPÍTULO VI – Da Garantia do Direito acesso à literatura e informações sobre a espe-
à Educação das Pessoas Surdas ou com cificidade linguística do aluno surdo.
Educação básica

Deficiência Auditiva § 2o  As instituições privadas e as públicas


dos sistemas de ensino federal, estadual, mu-
Art. 22.  As instituições federais de ensino res- nicipal e do Distrito Federal buscarão imple-
ponsáveis pela educação básica devem garantir mentar as medidas referidas neste artigo como
a inclusão de alunos surdos ou com deficiência meio de assegurar aos alunos surdos ou com
150 auditiva, por meio da organização de:
deficiência auditiva o acesso à comunicação, à VIII – orientações à família sobre as impli-
informação e à educação. cações da surdez e sobre a importância para a
criança com perda auditiva ter, desde seu nas-
Art. 24.  A programação visual dos cursos de cimento, acesso à Libras e à Língua Portuguesa;
nível médio e superior, preferencialmente os IX – atendimento às pessoas surdas ou com
de formação de professores, na modalidade de deficiência auditiva na rede de serviços do SUS
educação a distância, deve dispor de sistemas de e das empresas que detêm concessão ou permis-
acesso à informação como janela com tradutor são de serviços públicos de assistência à saúde,
e intérprete de Libras – Língua Portuguesa e por profissionais capacitados para o uso de
subtitulação por meio do sistema de legenda Libras ou para sua tradução e interpretação; e
oculta, de modo a reproduzir as mensagens X – apoio à capacitação e formação de
veiculadas às pessoas surdas, conforme prevê profissionais da rede de serviços do SUS para
o Decreto no 5.296, de 2 de dezembro de 2004. o uso de Libras e sua tradução e interpretação.
§ 1o  O disposto neste artigo deve ser ga-
rantido também para os alunos surdos ou com
CAPÍTULO VII – Da Garantia do Direito à deficiência auditiva não usuários da Libras.
Saúde das Pessoas Surdas ou com Deficiência § 2o  O Poder Público, os órgãos da adminis-
Auditiva tração pública estadual, municipal, do Distrito
Federal e as empresas privadas que detêm au-
Art. 25.  A partir de um ano da publicação torização, concessão ou permissão de serviços
deste Decreto, o Sistema Único de Saúde – SUS públicos de assistência à saúde buscarão imple-
e as empresas que detêm concessão ou permis- mentar as medidas referidas no art. 3o da Lei
são de serviços públicos de assistência à saúde, no  10.436, de 2002, como meio de assegurar,
na perspectiva da inclusão plena das pessoas prioritariamente, aos alunos surdos ou com
surdas ou com deficiência auditiva em todas as deficiência auditiva matriculados nas redes de
esferas da vida social, devem garantir, priorita- ensino da educação básica, a atenção integral à
riamente aos alunos matriculados nas redes de sua saúde, nos diversos níveis de complexidade
ensino da educação básica, a atenção integral à e especialidades médicas.
sua saúde, nos diversos níveis de complexidade
e especialidades médicas, efetivando:
I – ações de prevenção e desenvolvimento CAPÍTULO VIII – Do Papel do Poder
de programas de saúde auditiva; Público e das Empresas que Detêm
II – tratamento clínico e atendimento es- Concessão ou Permissão de Serviços
pecializado, respeitando as especificidades de Públicos, no Apoio ao Uso e Difusão da
cada caso; Libras
III – realização de diagnóstico, atendimento
precoce e do encaminhamento para a área de Art. 26.  A partir de um ano da publicação
educação; deste Decreto, o Poder Público, as empresas
IV – seleção, adaptação e fornecimento de concessionárias de serviços públicos e os ór-
prótese auditiva ou aparelho de amplificação gãos da administração pública federal, direta
sonora, quando indicado; e indireta devem garantir às pessoas surdas o
V – acompanhamento médico e fonoaudi- tratamento diferenciado, por meio do uso e
ológico e terapia fonoaudiológica; difusão de Libras e da tradução e interpreta-
VI – atendimento em reabilitação por equipe ção de Libras – Língua Portuguesa, realizados
Normas correlatas

multiprofissional; por servidores e empregados capacitados para


VII – atendimento fonoaudiológico às cri- essa função, bem como o acesso às tecnologias
anças, adolescentes e jovens matriculados na de informação, conforme prevê o Decreto
educação básica, por meio de ações integradas no 5.296, de 2004.
com a área da educação, de acordo com as § 1o  As instituições de que trata o caput
necessidades terapêuticas do aluno; devem dispor de, pelo menos, cinco por cento 151
de servidores, funcionários e empregados ca- Decreto, prioritariamente as relativas à forma-
pacitados para o uso e interpretação da Libras. ção, capacitação e qualificação de professores,
§ 2o  O Poder Público, os órgãos da adminis- servidores e empregados para o uso e difusão da
tração pública estadual, municipal e do Distrito Libras e à realização da tradução e interpretação
Federal, e as empresas privadas que detêm de Libras – Língua Portuguesa, a partir de um
concessão ou permissão de serviços públicos ano da publicação deste Decreto.
buscarão implementar as medidas referidas
neste artigo como meio de assegurar às pessoas Art. 29.  O Distrito Federal, os Estados e os
surdas ou com deficiência auditiva o tratamento Municípios, no âmbito de suas competências,
diferenciado, previsto no caput. definirão os instrumentos para a efetiva implan-
tação e o controle do uso e difusão de Libras e
Art. 27.  No âmbito da administração pública de sua tradução e interpretação, referidos nos
federal, direta e indireta, bem como das em- dispositivos deste Decreto.
presas que detêm concessão e permissão de
serviços públicos federais, os serviços prestados Art. 30.  Os órgãos da administração pública
por servidores e empregados capacitados para estadual, municipal e do Distrito Federal, direta
utilizar a Libras e realizar a tradução e inter- e indireta, viabilizarão as ações previstas neste
pretação de Libras – Língua Portuguesa estão Decreto com dotações específicas em seus or-
sujeitos a padrões de controle de atendimento çamentos anuais e plurianuais, prioritariamente
e a avaliação da satisfação do usuário dos ser- as relativas à formação, capacitação e qualifi-
viços públicos, sob a coordenação da Secretaria cação de professores, servidores e empregados
de Gestão do Ministério do Planejamento, para o uso e difusão da Libras e à realização da
Orçamento e Gestão, em conformidade com tradução e interpretação de Libras – Língua
o Decreto no 3.507, de 13 de junho de 2000. Portuguesa, a partir de um ano da publicação
Parágrafo único.  Caberá à administração deste Decreto.
pública no âmbito estadual, municipal e do
Distrito Federal disciplinar, em regulamento Art. 31.  Este Decreto entra em vigor na data
próprio, os padrões de controle do atendimento de sua publicação.
e avaliação da satisfação do usuário dos serviços
públicos, referido no caput. Brasília, 22 de dezembro de 2005; 184o da In-
dependência e 117o da República.

CAPÍTULO IX – Das Disposições Finais LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando


Haddad
Art. 28.  Os órgãos da administração pública
federal, direta e indireta, devem incluir em Decretado em 22/12/2005 e publicado no DOU de
seus orçamentos anuais e plurianuais dotações 23/12/2005.
destinadas a viabilizar ações previstas neste
Educação básica

152
Decreto no 5.209/2004
Regulamenta a Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, e dá
outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da CAPÍTULO I – Das Disposições


atribuição que lhe confere o art.  84, incisos Preliminares
IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo SEÇÃO I – Da Finalidade do Programa
em vista o disposto na Lei no 10.836, de 9 de Bolsa Família
janeiro de 2004,
Art. 3o  O Programa Bolsa Família tem por
DECRETA: finalidade a unificação dos procedimentos de
gestão e execução das ações de transferência
Art. 1o  O Programa Bolsa Família, criado de renda do Governo Federal e do Cadastra-
pela Lei no  10.836, de 9 de janeiro de 2004, mento Único do Governo Federal, instituído
será regido por este Decreto e pelas disposições pelo Decreto no 3.877, de 24 de julho de 2001.2
complementares que venham a ser estabele- § 1o  Os programas de transferência de
cidas pelo Ministério do Desenvolvimento renda cujos procedimentos de gestão e exe-
Social e Combate à Fome. cução foram unificados pelo Programa Bolsa
Família, doravante intitulados Programas
Art. 2o  Cabe ao Ministério do Desenvolvi- Remanescentes, nos termos da Lei no 10.836,
mento Social e Combate à Fome coordenar, de 9 de janeiro de 2004, são:
gerir e operacionalizar o Programa Bolsa I – Programa Nacional de Renda Mínima
Família e, em especial, executar as seguintes vinculada à educação – “Bolsa Escola”, instituí-
atividades:1 do pela Lei no 10.219, de 11 de abril de 2001;
I – realizar a gestão dos benefícios do Pro- II – Programa Nacional de Acesso à Ali-
grama Bolsa Família; mentação – PNAA – “Cartão Alimentação”,
II – supervisionar o cumprimento das criado pela Lei no 10.689, de 13 de junho de
condicionalidades e promover a oferta dos 2003;
programas complementares, em articulação III – Programa Nacional de Renda Mínima
com os Ministérios setoriais e demais entes vinculado à saúde – “Bolsa Alimentação”, ins-
federados; tituído pela Medida Provisória no 2.206-1, de
III – acompanhar e fiscalizar a execução do 6 de setembro de 2001; e
Programa Bolsa Família, podendo utilizar-se, IV – (Revogado).
para tanto, de mecanismos intersetoriais; § 2 o  Aplicam-se aos Programas Rema-
IV – disciplinar, coordenar e implementar nescentes as atribuições referidas no art.  2o
as ações de apoio financeiro à qualidade da deste Decreto, cabendo ao Ministério do
gestão e da execução descentralizada do Pro- Desenvolvimento Social e Combate à Fome
grama Bolsa Família; e disciplinar os procedimentos necessários à
V – coordenar, gerir e operacionalizar o gestão unificada desses programas.
Cadastro Único para Programas Sociais do
Normas correlatas

Governo Federal. Art. 4o  Os objetivos básicos do Programa


Bolsa Família, em relação aos seus beneficiá-
rios, sem prejuízo de outros que venham a ser

1
  Decreto no 7.332/2010.   Decreto no 6.392/2008.
2
153
fixados pelo Ministério do Desenvolvimento representantes de órgãos das administrações
Social e Combate à Fome, são: federal, estadual, do Distrito Federal e muni-
I – promover o acesso à rede de serviços cipal, de entidades privadas, inclusive organi-
públicos, em especial, de saúde, educação e zações não governamentais, de acordo com a
assistência social; pauta da reunião.
II – combater a fome e promover a seguran- ������������������������������������������������������������������������������
ça alimentar e nutricional;
III – estimular a emancipação sustentada SEÇÃO III – Das Competências e das
das famílias que vivem em situação de pobreza Responsabilidades dos Estados, Distrito
e extrema pobreza; Federal e Municípios na Execução do
IV – combater a pobreza; e Programa Bolsa Família
V – promover a intersetorialidade, a com-
plementaridade e a sinergia das ações sociais Art. 11.  A execução e gestão do Programa
do Poder Público. Bolsa Família dar-se-á de forma descentraliza-
da, por meio da conjugação de esforços entre os
entes federados, observada a intersetorialidade,
SEÇÃO II – Do Conselho Gestor do a participação comunitária e o controle social.3
Programa Bolsa Família § 1o  Os entes federados poderão aderir ao
Programa Bolsa Família, observados os crité-
Art. 5 o  O Conselho Gestor do Programa rios, condições e procedimentos estabelecidos
Bolsa Família – CGPBF, órgão colegiado de pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
caráter deliberativo, vinculado ao Ministério Combate à Fome, por meio de termo específico,
do Desenvolvimento Social e Combate à com os seguintes efeitos:
Fome, previsto pelo art.  4o da Lei no  10.836, I – fixação de suas competências e responsa-
de 2004, e na Lei no 10.869, de 13 de maio de bilidades na gestão e na execução do Programa
2004, tem por finalidade formular e integrar Bolsa Família; e
políticas públicas, definir diretrizes, normas II – possibilidade de recebimento de recur-
e procedimentos sobre o desenvolvimento e sos do Ministério do Desenvolvimento Social
implementação do Programa Bolsa Família, e Combate à Fome para apoiar a gestão do
bem como apoiar iniciativas para instituição Programa Bolsa Família.
de políticas públicas sociais visando promover § 2o  As adesões e os convênios firmados en-
a emancipação das famílias beneficiadas pelo tre os entes federados e a União no âmbito dos
Programa nas esferas federal, estadual, do programas remanescentes, que se encontrarem
Distrito Federal e municipal. em vigor na data de publicação deste Decreto,
terão validade até 31 de dezembro de 2005.
Art. 6o  O CGPBF será composto pelos titula- § 3o  São condições para a adesão ao Pro-
res dos seguintes órgãos e entidade: grama Bolsa Família, sem prejuízo de outras
I – Ministério do Desenvolvimento Social e que venham a ser fixadas pelo Ministério do
Combate à Fome, que o presidirá; Desenvolvimento Social e Combate à Fome:
II – Ministério da Educação; I – existência formal e o pleno funcionamen-
III – Ministério da Saúde; to de instância de controle social na respectiva
IV – Ministério do Planejamento, Orça- esfera federativa, na forma definida no art. 29; e
mento e Gestão; II – indicação de gestor municipal do Pro-
V – Ministério da Fazenda; grama Bolsa Família e, no caso dos Estados e do
Educação básica

VI – Casa Civil da Presidência da Repú- Distrito Federal, do coordenador do Programa.


blica; e § 4o  O Ministério do Desenvolvimento
VII – Caixa Econômica Federal. Social e Combate à Fome fixará os demais pro-
Parágrafo único.  O Ministro de Estado do cedimentos a serem observados pelos Estados,
Desenvolvimento Social e Combate à Fome
154 poderá convidar a participar das reuniões 3
  Decreto no 7.332/2010.
Municípios e Distrito Federal para aderir ao VII – estabelecer parcerias com órgãos e
Programa Bolsa Família. instituições municipais, estaduais e federais,
������������������������������������������������������������������������������� governamentais e não governamentais, para
oferta de programas sociais complementares; e
Art. 13.  Cabe aos Estados: VIII – promover, em articulação com a
I – constituir coordenação composta por re- União e os Estados, o acompanhamento do
presentantes das suas áreas de saúde, educação, cumprimento das condicionalidades.
assistência social e segurança alimentar, quando
existentes, responsável pelas ações do Programa Art. 15.  Cabe ao Distrito Federal:
Bolsa Família, no âmbito estadual; I – constituir coordenação composta por re-
II – promover ações que viabilizem a gestão presentantes das suas áreas de saúde, educação,
intersetorial, na esfera estadual; assistência social e segurança alimentar, quando
III – promover ações de sensibilização e existentes, responsável pelas ações do Programa
articulação com os gestores municipais; Bolsa Família, no âmbito do Distrito Federal;
IV – disponibilizar apoio técnico-institucio- II – proceder à inscrição das famílias pobres
nal aos Municípios; no Cadastramento Único do Governo Federal;
V – disponibilizar serviços e estruturas III – promover ações que viabilizem a gestão
institucionais, da área da assistência social, da intersetorial;
educação e da saúde, na esfera estadual; IV – disponibilizar serviços e estruturas
VI – apoiar e estimular o cadastramento institucionais, da área da assistência social, da
pelos Municípios; educação e da saúde;
VII – estimular os Municípios para o V – garantir apoio técnico-institucional para
estabelecimento de parcerias com órgãos e a gestão local do programa;
instituições municipais, estaduais e federais, VI – constituir órgão de controle social nos
governamentais e não governamentais, para termos do art. 29;
oferta dos programas sociais complementares; e VII – estabelecer parcerias com órgãos e
VIII – promover, em articulação com a instituições do Distrito Federal e federais,
União e os Municípios, o acompanhamento do governamentais e não governamentais, para
cumprimento das condicionalidades. oferta de programas sociais complementares; e
VIII – promover, em articulação com a
Art. 14.  Cabe aos Municípios:4 União, o acompanhamento do cumprimento
I – designar área responsável pelas ações de das condicionalidades.
gestão e execução do Programa Bolsa Família �������������������������������������������������������������������������������
e pela articulação intersetorial das áreas, entre
outras, de saúde, educação, assistência social e CAPÍTULO II – Das Normas de
segurança alimentar, quando existentes; Organização e Funcionamento do Programa
II – proceder à inscrição das famílias pobres Bolsa Família
do Município no Cadastramento Único do �������������������������������������������������������������������������������
Governo Federal;
III – promover ações que viabilizem a gestão SEÇÃO II – Dos Benefícios Concedidos
intersetorial, na esfera municipal;
IV – disponibilizar serviços e estruturas Art. 19.  Constituem benefícios financeiros do
institucionais, da área da assistência social, da Programa Bolsa Família:5
educação e de saúde, na esfera municipal; I – benefício básico, no valor mensal de
Normas correlatas

V – garantir apoio técnico-institucional para R$  85,00 (oitenta e cinco reais), destinado a
a gestão local do programa;
VI – constituir órgão de controle social nos
termos do art. 29; 5
  Decretos nos 8.794/2016, 8.232/2014, 7.931/2013,
7.852/2012, 7.758/2012, 7.494/2011, 7.447/2011,
4
  Decreto no 7.852/2012. 6.917/2009, 6.491/2008 e 6.157/2007. 155
unidades familiares que se encontrem em si- § 3o  O valor do benefício para superação da
tuação de extrema pobreza; extrema pobreza será o resultado da diferença
II – benefício variável, no valor mensal de entre R$  85,01 (oitenta e cinco reais e um
R$ 39,00 (trinta e nove reais) por beneficiário, centavo) e a soma per capita referida no inciso
até o limite de R$ 195,00 (cento e noventa e V do caput, multiplicado pela quantidade de
cinco reais) por família, destinado a unidades membros da família, arredondado ao múltiplo
familiares que se encontrem em situação de de R$ 2,00 (dois reais) imediatamente superior.
pobreza ou extrema pobreza e que tenham em �������������������������������������������������������������������������������
sua composição:
a)  gestantes; SEÇÃO IV – Da Administração dos
b)  nutrizes; Benefícios6
c)  crianças entre zero e doze anos; ou
d)  adolescentes até quinze anos; Art. 25.  As famílias atendidas pelo Programa
III – benefício variável vinculado ao adoles- Bolsa Família permanecerão com os benefícios
cente, no valor mensal de R$ 46,00 (quarenta liberados mensalmente para pagamento, salvo
e seis reais) por beneficiário, até o limite de R$ na ocorrência das seguintes situações:7
92,00 (noventa e dois reais) por família, desti- I – comprovação de trabalho infantil na
nado a unidades familiares que se encontrem família, nos termos da legislação aplicável;
em situação de pobreza ou extrema pobreza e II – descumprimento de condicionalidade
que tenham em sua composição adolescentes que acarrete suspensão ou cancelamento dos
com idade de dezesseis a dezessete anos matri- benefícios concedidos, na forma do §  4o do
culados em estabelecimentos de ensino; art. 28;
IV – benefício variável de caráter extraor- III – omissão de informações ou prestação
dinário: constitui-se de parcela do valor dos de informações falsas para o cadastramento que
benefícios das famílias remanescentes dos habilitem indevidamente o declarante e sua fa-
Programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, mília ao recebimento dos benefícios financeiros
Cartão Alimentação e Auxílio Gás que, na do Programa Bolsa Família ou dos Programas
data da sua incorporação ao Programa Bolsa Remanescentes;
Família, exceda o limite máximo fixado para o IV – desligamento por ato voluntário do
Programa Bolsa Família. beneficiário ou por determinação judicial;
V – benefício para superação da extrema V – alteração cadastral na família, cuja mo-
pobreza, cujo valor será calculado na forma do dificação implique a inelegibilidade ao Progra-
§ 3o, no limite de um por família, destinado às ma, observado o disposto no art. 21;
unidades familiares beneficiárias do Programa VI – ausência de saque dos benefícios fi-
Bolsa Família que apresentem soma da renda nanceiros por período superior ao estabelecido
familiar mensal e dos benefícios financeiros pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
previstos nos incisos I a III do caput igual ou Combate à Fome;
inferior a R$ 85,00 (oitenta e cinco reais) per VII – esgotamento do prazo:
capita. a)  para ativação dos cartões magnéticos da
§ 1 o  O Ministério do Desenvolvimento conta contábil indicada no inciso III do § 12 do
Social e Combate à Fome regulamentará a art. 2o da Lei no 10.836, de 2004;
concessão e a manutenção de benefícios vari- b)  para revisão de benefícios, na forma do
áveis à gestante e à nutriz e do benefício para art. 21.
superação da extrema pobreza, para disciplinar VIII – desligamento em razão de posse do
Educação básica

sua operacionalização continuada. beneficiário do Programa Bolsa Família em


§ 2o  O benefício variável de caráter extraor- cargo eletivo remunerado, de qualquer das três
dinário de que trata o inciso IV terá seu mon- esferas de Governo.
tante arredondado para o valor inteiro imedia-
tamente superior, sempre que necessário. 6
  Decreto no 7.013/2009.
156 7
  Decretos nos 8.424/2015, 7.013/2009 e 6.392/2008.
IX – recebimento do benefício do se- Família, previstas no art. 3o da Lei no 10.836,
guro-desemprego na forma do art.  1o da Lei de 2004:9
no 10.779, de 25 de novembro de 2003, e de seu I – o Ministério da Saúde, no que diz respeito
regulamento, hipótese em que os benefícios ao acompanhamento do crescimento e desen-
financeiros do Programa Bolsa Família, rece- volvimento infantil, da assistência ao pré-natal
bidos por sua família, serão suspensos. e ao puerpério, da vacinação, bem como da
§ 1 o  O Ministério do Desenvolvimento vigilância alimentar e nutricional de crianças
Social e Combate à Fome definirá, quando for menores de sete anos; e
o caso, os procedimentos a serem adotados II – o Ministério da Educação, no que diz
para cada uma das hipóteses previstas no caput. respeito à frequência mínima de oitenta e cin-
§ 2o  Comprovada a existência de trabalho co por cento da carga horária escolar mensal,
infantil, o caso deverá ser encaminhado aos em estabelecimentos de ensino regular, de
órgãos competentes. crianças e adolescentes de seis a quinze anos, e
������������������������������������������������������������������������������� à de setenta e cinco por cento da carga horária
escolar mensal de jovens com idade de dezesseis
CAPÍTULO III – Das Normas de a dezessete anos.
Acompanhamento, Controle Social e § 1o  Compete ao Ministério do Desenvol-
Fiscalização do Programa Bolsa Família vimento Social e Combate à Fome o apoio,
SEÇÃO I – Do Acompanhamento das a articulação intersetorial e a supervisão das
Condicionalidades ações governamentais para o cumprimento das
condicionalidades do Programa Bolsa Família,
Art. 27.  As condicionalidades do Progra- bem assim a disponibilização da base atualizada
ma Bolsa Família previstas no art.  3o da Lei do Cadastramento Único do Governo Federal
no 10.836, de 2004, representam as contrapar- aos Ministérios da Educação e da Saúde.
tidas que devem ser cumpridas pelas famílias § 2o  As diretrizes e normas para o acom-
para a manutenção dos benefícios e se destinam panhamento das condicionalidades dos
a:8 Programas Bolsa Família e Remanescentes
I – estimular as famílias beneficiárias a serão disciplinadas em atos administrativos
exercer seu direito de acesso às políticas pú- conjuntos do Ministério do Desenvolvimento
blicas de saúde, educação e assistência social, Social e Combate à Fome e o Ministério da
promovendo a melhoria das condições de vida Saúde, nos termos do inciso I, e o Ministério
da população; e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
II – identificar as vulnerabilidades sociais e o Ministério da Educação, nos termos do
que afetam ou impedem o acesso das famílias inciso II.
beneficiárias aos serviços públicos a que têm § 3o  Os Estados, Distrito Federal e Mu-
direito, por meio do monitoramento de seu nicípios que reunirem as condições técnicas
cumprimento. e operacionais para a gestão do acompanha-
Parágrafo único.  Caberá às diversas esferas mento das condicionalidades do Programa
de governo garantir o acesso pleno aos serviços Bolsa Família poderão exercer essa atribuição
públicos de saúde, educação e assistência social, na forma disciplinada pelo Ministério do
por meio da oferta desses serviços, de forma a Desenvolvimento Social e Combate à Fome e
viabilizar o cumprimento das contrapartidas o Ministério da Saúde, nos termos do inciso
por parte das famílias beneficiárias do Progra- I, e o Ministério da Educação, nos termos do
ma Bolsa Família. inciso II.
Normas correlatas

§ 4o  Ato do Ministro de Estado do Desen-


Art. 28.  São responsáveis pelo acompanha- volvimento Social e Combate à Fome discipli-
mento e fiscalização do cumprimento das con- nará a gestão das condicionalidades do Pro-
dicionalidades vinculadas ao Programa Bolsa grama Bolsa Família, especialmente no que diz
8
  Decreto no 7.332/2010.   Decretos nos 7.332/2010 e 6.917/2009.
9
157
respeito às consequências do seu cumprimento II – acompanhar e estimular a integração
e descumprimento pelas famílias beneficiárias e a oferta de outras políticas públicas sociais
e às hipóteses de interrupção temporária dos para as famílias beneficiárias do Programa
efeitos decorrentes do seu descumprimento. Bolsa Família;
§ 5o  Não serão penalizadas com a suspensão III – acompanhar a oferta por parte dos
ou cancelamento do benefício as famílias que governos locais dos serviços necessários para
não cumprirem as condicionalidades previstas, a realização das condicionalidades;
quando não houver a oferta do respectivo ser- IV – estimular a participação comunitária
viço ou por força maior ou caso fortuito. no controle da execução do Programa Bolsa
Família, no âmbito municipal ou jurisdicional;
V – elaborar, aprovar e modificar seu regi-
SEÇÃO II – Do Controle Social mento interno; e
VI – exercer outras atribuições estabelecidas
Art. 29.  O controle e participação social do em normas complementares do Ministério do
Programa Bolsa Família deverão ser realizados, Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
em âmbito local, por instância de controle so-
cial formalmente constituída pelo Município Art. 32.  Para o pleno exercício, no âmbito do
ou pelo Distrito Federal, respeitada a paridade respectivo Município ou, quando for o caso, do
entre governo e sociedade, sem prejuízo de Estado ou do Distrito Federal, das competên-
outras competências que lhes sejam atribuídas cias previstas no art. 31, ao conselho de controle
pela legislação.10 social será franqueado acesso aos formulários
§ 1o (Revogado) do Cadastramento Único do Governo Federal e
§ 2o  Por decisão do Poder Público munici- aos dados e informações constantes em sistema
pal ou do Distrito Federal, o controle social do informatizado desenvolvido para gestão, con-
Programa Bolsa Família poderá ser realizado trole e acompanhamento do Programa Bolsa
por conselho ou instância anteriormente exis- Família e dos Programas Remanescentes, bem
tente, garantidas a paridade prevista no caput como as informações relacionadas às condi-
e a intersetorialidade prevista no § 1o. cionalidades, além de outros que venham a ser
§ 3o  Os Municípios poderão associar-se definidos pelo Ministério do Desenvolvimento
para exercer o controle social do Programa Social e Combate à Fome.
Bolsa Família, desde que se estabeleça for- § 1o  A relação de beneficiários do Programa
malmente, por meio de termo de cooperação Bolsa Família deverá ser amplamente divulgada
intermunicipal, a distribuição de todas as com- pelo Poder Público municipal e do Distrito
petências e atribuições necessárias ao perfeito Federal.
acompanhamento dos Programas Bolsa Família § 2o  A utilização indevida dos dados dis-
e Remanescentes colocados sob sua jurisdição. ponibilizados acarretará a aplicação de sanção
civil e penal na forma da lei.
Art. 30.  O controle social do Programa Bolsa �������������������������������������������������������������������������������
Família no nível estadual poderá ser exercido
por conselho, instituído formalmente, nos CAPÍTULO IV – Das Disposições
moldes do art. 29. Transitórias e Finais

Art. 31.  Cabe aos conselhos de controle social Art. 36.  As informações e os procedimentos


do Programa Bolsa Família: exigidos nos termos deste Decreto, bem assim
Educação básica

I – acompanhar, avaliar e subsidiar a fiscali- os decorrentes da prática dos atos delegados


zação da execução do Programa Bolsa Família, na forma do art. 8o da Lei no 10.836, de 2004,
no âmbito municipal ou jurisdicional; poderão ser encaminhados por meio eletrônico,
mediante a utilização de aplicativos padroniza-
dos de utilização obrigatória e exclusiva.
158 10
  Decreto no 7.332/2010.
Parágrafo único.  Os aplicativos padroniza- Medida Provisória no  132, de 20 de outubro
dos serão acessados mediante a utilização de de 2003, e os recursos restituídos nos termos
senha individual, e será mantido registro que do art. 24.
permita identificar o responsável pela transação
efetuada. Art. 39.  Este Decreto entra em vigor na data
de sua publicação.
Art. 37.  A partir da data de publicação deste
Decreto, o recebimento do benefício do Pro- Brasília, 17 de setembro de 2004; 183o da Inde-
grama Bolsa Família implicará aceitação tácita pendência e 116o da República.
de cumprimento das condicionalidades a que
se referem os arts. 27 e 28. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Patrus
Ananias
Art. 38.  Até a data de publicação deste De-
creto, ficam convalidados os quantitativos de Decretado em 17/9/2004 e publicado no DOU de
benefícios concedidos a partir da vigência da 20/9/2004.

Normas correlatas

159
Decreto no 4.281/2002
Regulamenta a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação
Ambiental, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da e emprego dos recursos públicos e privados


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, aplicados em atividades dessa área;
da Constituição, e tendo em vista o disposto na II – observar as deliberações do Conselho
Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, Nacional de Meio Ambiente – CONAMA e do
Conselho Nacional de Educação – CNE;
DECRETA: III – apoiar o processo de implementação
e avaliação da Política Nacional de Educação
Art. 1 o  A Política Nacional de Educação Ambiental em todos os níveis, delegando com-
Ambiental será executada pelos órgãos e petências quando necessário;
entidades integrantes do Sistema Nacional IV – sistematizar e divulgar as diretrizes
de Meio Ambiente – SISNAMA, pelas insti- nacionais definidas, garantindo o processo
tuições educacionais públicas e privadas dos participativo;
sistemas de ensino, pelos órgãos públicos da V – estimular e promover parcerias entre
União, Estados, Distrito Federal e Municípios, instituições públicas e privadas, com ou sem
envolvendo entidades não governamentais, fins lucrativos, objetivando o desenvolvimento
entidades de classe, meios de comunicação e de práticas educativas voltadas à sensibilização
demais segmentos da sociedade. da coletividade sobre questões ambientais;
VI – promover o levantamento de programas
Art. 2o  Fica criado o Órgão Gestor, nos termos e projetos desenvolvidos na área de Educação
do art.  14 da Lei no  9.795, de 27 de abril de Ambiental e o intercâmbio de informações;
1999, responsável pela coordenação da Política VII – indicar critérios e metodologias
Nacional de Educação Ambiental, que será qualitativas e quantitativas para a avaliação de
dirigido pelos Ministros de Estado do Meio programas e projetos de Educação Ambiental;
Ambiente e da Educação. VIII – estimular o desenvolvimento de ins-
§ 1 o  Aos dirigentes caberá indicar seus trumentos e metodologias visando o acompa-
respectivos representantes responsáveis pelas nhamento e avaliação de projetos de Educação
questões de Educação Ambiental em cada Ambiental;
Ministério. IX – levantar, sistematizar e divulgar as
§ 2 o  As Secretarias-Executivas dos Mi- fontes de financiamento disponíveis no País e
nistérios do Meio Ambiente e da Educação no exterior para a realização de programas e
proverão o suporte técnico e administrativo projetos de educação ambiental;
necessários ao desempenho das atribuições do X – definir critérios considerando, inclusive,
Órgão Gestor. indicadores de sustentabilidade, para o apoio
§ 3o  Cabe aos dirigentes a decisão, direção institucional e alocação de recursos a projetos
e coordenação das atividades do Órgão Gestor, da área não formal;
consultando, quando necessário, o Comitê As- XI – assegurar que sejam contemplados
Educação básica

sessor, na forma do art. 4o deste Decreto. como objetivos do acompanhamento e avalia-


ção das iniciativas em Educação Ambiental:
Art. 3o  Compete ao Órgão Gestor: a)  a orientação e consolidação de projetos;
I – avaliar e intermediar, se for o caso, b)  o incentivo e multiplicação dos projetos
programas e projetos da área de educação am- bem-sucedidos; e,
160 biental, inclusive supervisionando a recepção
c)  a compatibilização com os objetivos da Art. 5o  Na inclusão da Educação Ambiental
Política Nacional de Educação Ambiental. em todos os níveis e modalidades de ensino,
recomenda-se como referência os Parâmetros
Art. 4o  Fica criado Comitê Assessor com o e as Diretrizes Curriculares Nacionais, obser-
objetivo de assessorar o Órgão Gestor, integra- vando-se:
do por um representante dos seguintes órgãos, I – a integração da educação ambiental às
entidades ou setores: disciplinas de modo transversal, contínuo e
I – setor educacional-ambiental, indicado permanente; e
pelas Comissões Estaduais Interinstitucionais II – a adequação dos programas já vigentes
de Educação Ambiental; de formação continuada de educadores.
II – setor produtivo patronal, indicado
pelas Confederações Nacionais da Indústria, Art. 6o  Para o cumprimento do estabelecido
do Comércio e da Agricultura, garantida a neste Decreto, deverão ser criados, mantidos e
alternância; implementados, sem prejuízo de outras ações,
III – setor produtivo laboral, indicado pelas programas de educação ambiental integrados:
Centrais Sindicais, garantida a alternância; I – a todos os níveis e modalidades de ensino;
IV – Organizações Não Governamentais II – às atividades de conservação da biodi-
que desenvolvam ações em Educação Ambi- versidade, de zoneamento ambiental, de licen-
ental, indicado pela Associação Brasileira de ciamento e revisão de atividades efetivas ou
Organizações não Governamentais – ABONG; potencialmente poluidoras, de gerenciamento
V – Conselho Federal da Ordem dos Advo- de resíduos, de gerenciamento costeiro, de
gados do Brasil – OAB; gestão de recursos hídricos, de ordenamento de
VI – municípios, indicado pela Associação recursos pesqueiros, de manejo sustentável de
Nacional dos Municípios e Meio Ambiente – recursos ambientais, de ecoturismo e melhoria
ANAMMA; de qualidade ambiental;
VII – Sociedade Brasileira para o Progresso III – às políticas públicas, econômicas,
da Ciência – SBPC; sociais e culturais, de ciência e tecnologia de
VIII – Conselho Nacional do Meio Ambien- comunicação, de transporte, de saneamento
te – CONAMA, indicado pela Câmara Técnica e de saúde;
de Educação Ambiental, excluindo-se os já IV – aos processos de capacitação de profis-
representados neste Comitê; sionais promovidos por empresas, entidades de
IX – Conselho Nacional de Educação – CNE; classe, instituições públicas e privadas;
X – União dos Dirigentes Municipais de V – a projetos financiados com recursos
Educação – UNDIME; públicos; e
XI – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente VI – ao cumprimento da Agenda 21.
e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA; § 1o  Cabe ao Poder Público estabelecer me-
XII – da Associação Brasileira de Imprensa canismos de incentivo à aplicação de recursos
– ABI; e privados em projetos de Educação Ambiental.
XIII – da Associação Brasileira de Entida- § 2o  O Órgão Gestor estimulará os Fundos
des Estaduais de Estado de Meio Ambiente de Meio Ambiente e de Educação, nos níveis
– ABEMA. Federal, Estadual e Municipal a alocarem re-
§ 1o  A participação dos representantes no cursos para o desenvolvimento de projetos de
Comitê Assessor não enseja qualquer tipo de Educação Ambiental.
remuneração, sendo considerada serviço de
Normas correlatas

relevante interesse público. Art. 7o  O Ministério do Meio Ambiente, o


§ 2o  O Órgão Gestor poderá solicitar as- Ministério da Educação e seus órgãos vin-
sessoria de órgãos, instituições e pessoas de culados, na elaboração dos seus respectivos
notório saber, na área de sua competência, orçamentos, deverão consignar recursos para a
em assuntos que necessitem de conhecimento realização das atividades e para o cumprimento
específico. 161
dos objetivos da Política Nacional de Educação Art. 9o  Este Decreto entra em vigor na data
Ambiental. de sua publicação.

Art. 8o  A definição de diretrizes para imple- Brasília, 25 de junho de 2002, 181o da Indepen-
mentação da Política Nacional de Educação dência e 114o da República.
Ambiental em âmbito nacional, conforme a
atribuição do Órgão Gestor definida na Lei, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
deverá ocorrer no prazo de oito meses após a Renato de Souza – José Carlos Carvalho
publicação deste Decreto, ouvidos o Conselho
Nacional do Meio Ambiente-CONAMA e o Decretado em 25/6/2002 e publicado no DOU de
Conselho Nacional de Educação – CNE. 26/6/2002.
Educação básica

162
O estudante
Lei no 12.155/2009
Dispõe sobre a concessão de Bônus Especial de Desempenho Institucional – BESP/DNIT aos servidores
do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT; altera as Leis nos 11.171, de 2
de setembro de 2005, 10.997, de 15 de dezembro de 2004, 11.907, de 2 de fevereiro de 2009, e 11.507,
de 20 de julho de 2007; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA § 2o  O período de duração das bolsas será


limitado à duração do curso, programa ou pro-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta jeto de extensão ou programa de permanência
e eu sanciono a seguinte Lei: ao qual o participante estiver vinculado, po-
������������������������������������������������������������������������������� dendo ser por tempo inferior ou mesmo sofrer
interrupção, desde que justificada.
Art. 9o  Fica o Fundo Nacional de Desen-
volvimento da Educação – FNDE autorizado Art. 10.  Ficam as instituições federais de edu-
a conceder bolsas para alunos e professores cação superior autorizadas a conceder bolsas a
vinculados a projetos e programas de ensino estudantes matriculados em cursos de gradua-
e extensão voltados a populações indígenas, ção, para o desenvolvimento de atividades de
quilombolas e do campo. ensino e extensão, que visem:
§ 1o  As bolsas previstas no caput serão I – à promoção do acesso e permanência de
concedidas: estudantes em condições de vulnerabilidade
I – até o valor equivalente ao praticado na social e econômica; e
política federal de concessão de bolsas de ini- II – ao desenvolvimento de atividades de
ciação científica, aos alunos; extensão universitária destinadas a ampliar a
II – até 3 (três) vezes o valor equivalente interação das instituições federais de educação
ao praticado na política federal de concessão superior com a sociedade.
de bolsas de iniciação científica, aos alunos
indígenas; Art. 11. (Vetado)
III – até o valor de 2/3 (dois terços) da
bolsa de mestrado, aos docentes vinculados Art. 12.  As bolsas previstas nos arts. 10 e 11
aos programas e projetos de formação para o adotarão como referência os valores das bolsas
exercício das funções de formadores, prepara- correspondentes pagas pelas agências oficiais
dores e supervisores dos cursos ou atividades de fomento à pesquisa, bem como as condições
de extensão, inclusive apoio à aprendizagem e fixadas em regulamento do Poder Executivo,
acompanhamento sistemático das atividades que disporá, no mínimo, sobre:
de alunos e tutores; I – os direitos e obrigações dos beneficiários
IV – até o valor de uma bolsa de mestrado, das bolsas;
aos docentes vinculados aos programas e pro- II – as normas para renovação e cancelamen-
jetos de extensão, ou para desenvolvimento de to dos benefícios;
metodologias de ensino para as atividades de III – a periodicidade mensal para recebi-
extensão; e mento das bolsas;
Educação básica

V – até o valor de uma bolsa de doutorado, IV – as condições de aprovação e acompa-


aos docentes vinculados aos programas e proje- nhamento das atividades, programas e projetos
tos de extensão para o exercício da coordenação no âmbito das instituições de educação superior
dos projetos, exigida a vinculação ao quadro ou pesquisa;
permanente da instituição. V – a avaliação das instituições educacionais
164 responsáveis pelos cursos;
VI – a avaliação dos bolsistas; e penho e pagamento da programação orçamen-
VII – a avaliação dos cursos e tutorias. tária e financeira anual.
Parágrafo único.  O quantitativo de bolsas �������������������������������������������������������������������������������
concedidas anualmente observará o limite fi-
nanceiro fixado pelas dotações consignadas nos Brasília, 23 de dezembro de 2009; 188o da In-
créditos orçamentários específicos existentes na dependência e 121o da República.
respectiva lei orçamentária anual.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Paulo
Art. 13.  As despesas com a execução das ações Bernardo Silva – José Pimentel – Luis Inácio
previstas nos arts.  9o e 10 desta Lei correrão Lucena Adams
à conta de dotação orçamentária consignada
anualmente aos respectivos órgãos e entidades, Promulgada em 23/12/2009 e publicada no DOU de
considerando os recursos próprios captados, 23/12/2009 – Edição extra.
observados os limites de movimentação, em-

O estudante

165
Lei no 11.788/2008
Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art.  428 da Consolidação das Leis do
Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20
de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março
de 1994, o do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória
no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA § 3o  As atividades de extensão, de monitori-


as e de iniciação científica na educação superior,
Faço saber que o Congresso Nacional decreta desenvolvidas pelo estudante, somente poderão
e eu sanciono a seguinte Lei: ser equiparadas ao estágio em caso de previsão
no projeto pedagógico do curso.

CAPÍTULO I – Da Definição, Classificação e Art. 3o  O estágio, tanto na hipótese do § 1o do


Relações de Estágio art. 2o desta Lei quanto na prevista no § 2o do
mesmo dispositivo, não cria vínculo empre-
Art. 1o  Estágio é ato educativo escolar supervi- gatício de qualquer natureza, observados os
sionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, seguintes requisitos:
que visa à preparação para o trabalho produ- I – matrícula e frequência regular do edu-
tivo de educandos que estejam frequentando cando em curso de educação superior, de
o ensino regular em instituições de educação educação profissional, de ensino médio, da
superior, de educação profissional, de ensino educação especial e nos anos finais do ensino
médio, da educação especial e dos anos finais fundamental, na modalidade profissional da
do ensino fundamental, na modalidade profis- educação de jovens e adultos e atestados pela
sional da educação de jovens e adultos. instituição de ensino;
§ 1o  O estágio faz parte do projeto peda- II – celebração de termo de compromisso
gógico do curso, além de integrar o itinerário entre o educando, a parte concedente do estágio
formativo do educando. e a instituição de ensino;
§ 2o  O estágio visa ao aprendizado de com- III – compatibilidade entre as atividades
petências próprias da atividade profissional desenvolvidas no estágio e aquelas previstas no
e à contextualização curricular, objetivando termo de compromisso.
o desenvolvimento do educando para a vida § 1o  O estágio, como ato educativo escolar
cidadã e para o trabalho. supervisionado, deverá ter acompanhamento
efetivo pelo professor orientador da instituição
Art. 2o  O estágio poderá ser obrigatório ou de ensino e por supervisor da parte concedente,
não obrigatório, conforme determinação das comprovado por vistos nos relatórios referidos
diretrizes curriculares da etapa, modalidade no inciso IV do caput do art. 7o desta Lei e por
e área de ensino e do projeto pedagógico do menção de aprovação final.
curso. § 2o  O descumprimento de qualquer dos
§ 1o  Estágio obrigatório é aquele definido incisos deste artigo ou de qualquer obrigação
Educação básica

como tal no projeto do curso, cuja carga ho- contida no termo de compromisso caracteriza
rária é requisito para aprovação e obtenção de vínculo de emprego do educando com a parte
diploma. concedente do estágio para todos os fins da
§ 2o  Estágio não obrigatório é aquele desen- legislação trabalhista e previdenciária.
volvido como atividade opcional, acrescida à
166 carga horária regular e obrigatória.
Art. 4o  A realização de estágios, nos termos dente, indicando as condições de adequação do
desta Lei, aplica-se aos estudantes estrangeiros estágio à proposta pedagógica do curso, à etapa
regularmente matriculados em cursos superio- e modalidade da formação escolar do estudante
res no País, autorizados ou reconhecidos, obser- e ao horário e calendário escolar;
vado o prazo do visto temporário de estudante, II – avaliar as instalações da parte conce-
na forma da legislação aplicável. dente do estágio e sua adequação à formação
cultural e profissional do educando;
Art. 5o  As instituições de ensino e as partes ce- III – indicar professor orientador, da área a
dentes de estágio podem, a seu critério, recorrer ser desenvolvida no estágio, como responsável
a serviços de agentes de integração públicos e pelo acompanhamento e avaliação das ativida-
privados, mediante condições acordadas em des do estagiário;
instrumento jurídico apropriado, devendo IV – exigir do educando a apresentação pe-
ser observada, no caso de contratação com riódica, em prazo não superior a 6 (seis) meses,
recursos públicos, a legislação que estabelece de relatório das atividades;
as normas gerais de licitação. V – zelar pelo cumprimento do termo de
§ 1o  Cabe aos agentes de integração, como compromisso, reorientando o estagiário para
auxiliares no processo de aperfeiçoamento do outro local em caso de descumprimento de
instituto do estágio: suas normas;
I – identificar oportunidades de estágio; VI – elaborar normas complementares e
II – ajustar suas condições de realização; instrumentos de avaliação dos estágios de seus
III – fazer o acompanhamento adminis- educandos;
trativo; VII – comunicar à parte concedente do está-
IV – encaminhar negociação de seguros gio, no início do período letivo, as datas de rea-
contra acidentes pessoais; lização de avaliações escolares ou acadêmicas.
V – cadastrar os estudantes. Parágrafo único.  O plano de atividades do
§ 2o  É vedada a cobrança de qualquer valor estagiário, elaborado em acordo das 3 (três)
dos estudantes, a título de remuneração pelos partes a que se refere o inciso II do caput do
serviços referidos nos incisos deste artigo. art. 3o desta Lei, será incorporado ao termo de
§ 3o  Os agentes de integração serão respon- compromisso por meio de aditivos à medida
sabilizados civilmente se indicarem estagiários que for avaliado, progressivamente, o desem-
para a realização de atividades não compatíveis penho do estudante.
com a programação curricular estabelecida
para cada curso, assim como estagiários matri- Art. 8o  É facultado às instituições de ensino
culados em cursos ou instituições para as quais celebrar com entes públicos e privados con-
não há previsão de estágio curricular. vênio de concessão de estágio, nos quais se
explicitem o processo educativo compreendido
Art. 6o  O local de estágio pode ser selecionado nas atividades programadas para seus educan-
a partir de cadastro de partes cedentes, orga- dos e as condições de que tratam os arts. 6o a
nizado pelas instituições de ensino ou pelos 14 desta Lei.
agentes de integração. Parágrafo único.  A celebração de convênio
de concessão de estágio entre a instituição de
ensino e a parte concedente não dispensa a
CAPÍTULO II – Da Instituição de Ensino celebração do termo de compromisso de que
trata o inciso II do caput do art. 3o desta Lei.
Art. 7o  São obrigações das instituições de ensi-
O estudante

no, em relação aos estágios de seus educandos:


I – celebrar termo de compromisso com CAPÍTULO III – Da Parte Concedente
o educando ou com seu representante ou
assistente legal, quando ele for absoluta ou Art. 9o  As pessoas jurídicas de direito privado
relativamente incapaz, e com a parte conce- e os órgãos da administração pública direta, au- 167
tárquica e fundacional de qualquer dos Poderes especial e dos anos finais do ensino fundamen-
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos tal, na modalidade profissional de educação de
Municípios, bem como profissionais liberais jovens e adultos;
de nível superior devidamente registrados em II – 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas
seus respectivos conselhos de fiscalização pro- semanais, no caso de estudantes do ensino su-
fissional, podem oferecer estágio, observadas perior, da educação profissional de nível médio
as seguintes obrigações: e do ensino médio regular.
I – celebrar termo de compromisso com a § 1o  O estágio relativo a cursos que alternam
instituição de ensino e o educando, zelando teoria e prática, nos períodos em que não estão
por seu cumprimento; programadas aulas presenciais, poderá ter jor-
II – ofertar instalações que tenham condi- nada de até 40 (quarenta) horas semanais, desde
ções de proporcionar ao educando atividades que isso esteja previsto no projeto pedagógico
de aprendizagem social, profissional e cultural; do curso e da instituição de ensino.
III – indicar funcionário de seu quadro de § 2o  Se a instituição de ensino adotar veri-
pessoal, com formação ou experiência profissi- ficações de aprendizagem periódicas ou finais,
onal na área de conhecimento desenvolvida no nos períodos de avaliação, a carga horária do
curso do estagiário, para orientar e supervisio- estágio será reduzida pelo menos à metade,
nar até 10 (dez) estagiários simultaneamente; segundo estipulado no termo de compromisso,
IV – contratar em favor do estagiário segu- para garantir o bom desempenho do estudante.
ro contra acidentes pessoais, cuja apólice seja
compatível com valores de mercado, conforme Art. 11.  A duração do estágio, na mesma parte
fique estabelecido no termo de compromisso; concedente, não poderá exceder 2 (dois) anos,
V – por ocasião do desligamento do esta- exceto quando se tratar de estagiário portador
giário, entregar termo de realização do está- de deficiência.
gio com indicação resumida das atividades
desenvolvidas, dos períodos e da avaliação de Art. 12.  O estagiário poderá receber bolsa ou
desempenho; outra forma de contraprestação que venha a ser
VI – manter à disposição da fiscalização do- acordada, sendo compulsória a sua concessão,
cumentos que comprovem a relação de estágio; bem como a do auxílio-transporte, na hipótese
VII – enviar à instituição de ensino, com de estágio não obrigatório.
periodicidade mínima de 6 (seis) meses, re- § 1o  A eventual concessão de benefícios
latório de atividades, com vista obrigatória ao relacionados a transporte, alimentação e
estagiário. saúde, entre outros, não caracteriza vínculo
Parágrafo único.  No caso de estágio obriga- empregatício.
tório, a responsabilidade pela contratação do § 2o  Poderá o educando inscrever-se e con-
seguro de que trata o inciso IV do caput deste tribuir como segurado facultativo do Regime
artigo poderá, alternativamente, ser assumida Geral de Previdência Social.
pela instituição de ensino.
Art. 13.  É assegurado ao estagiário, sempre
que o estágio tenha duração igual ou superior
CAPÍTULO IV – Do Estagiário a 1 (um) ano, período de recesso de 30 (trinta)
dias, a ser gozado preferencialmente durante
Art. 10.  A jornada de atividade em estágio será suas férias escolares.
definida de comum acordo entre a instituição § 1o  O recesso de que trata este artigo deverá
Educação básica

de ensino, a parte concedente e o aluno estagiá- ser remunerado quando o estagiário receber
rio ou seu representante legal, devendo constar bolsa ou outra forma de contraprestação.
do termo de compromisso ser compatível com § 2o  Os dias de recesso previstos neste artigo
as atividades escolares e não ultrapassar: serão concedidos de maneira proporcional,
I – 4 (quatro) horas diárias e 20 (vinte) horas nos casos de o estágio ter duração inferior a
168 semanais, no caso de estudantes de educação 1 (um) ano.
Art. 14.  Aplica-se ao estagiário a legislação IV – acima de 25 (vinte e cinco) empregados:
relacionada à saúde e segurança no trabalho, até 20% (vinte por cento) de estagiários.
sendo sua implementação de responsabilidade § 1 o  Para efeito desta Lei, considera-se
da parte concedente do estágio. quadro de pessoal o conjunto de trabalhadores
empregados existentes no estabelecimento do
estágio.
CAPÍTULO V – Da Fiscalização § 2o  Na hipótese de a parte concedente
contar com várias filiais ou estabelecimentos, os
Art. 15.  A manutenção de estagiários em quantitativos previstos nos incisos deste artigo
desconformidade com esta Lei caracteriza serão aplicados a cada um deles.
vínculo de emprego do educando com a parte § 3o  Quando o cálculo do percentual dis-
concedente do estágio para todos os fins da posto no inciso IV do caput deste artigo resul-
legislação trabalhista e previdenciária. tar em fração, poderá ser arredondado para o
§ 1o  A instituição privada ou pública que número inteiro imediatamente superior.
reincidir na irregularidade de que trata este § 4o  Não se aplica o disposto no caput deste
artigo ficará impedida de receber estagiários artigo aos estágios de nível superior e de nível
por 2 (dois) anos, contados da data da decisão médio profissional.
definitiva do processo administrativo corres- § 5o  Fica assegurado às pessoas portadoras
pondente. de deficiência o percentual de 10% (dez por
§ 2o  A penalidade de que trata o § 1o deste cento) das vagas oferecidas pela parte conce-
artigo limita-se à filial ou agência em que for dente do estágio.
cometida a irregularidade.
Art. 18.  A prorrogação dos estágios contrata-
dos antes do início da vigência desta Lei apenas
CAPÍTULO VI – Das Disposições Gerais poderá ocorrer se ajustada às suas disposições.
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 16.  O termo de compromisso deverá ser
firmado pelo estagiário ou com seu represen- Art. 21.  Esta Lei entra em vigor na data de
tante ou assistente legal e pelos representantes sua publicação.
legais da parte concedente e da instituição de
ensino, vedada a atuação dos agentes de inte- Art. 22.  Revogam-se as Leis nos  6.494, de 7
gração a que se refere o art. 5o desta Lei como de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março
representante de qualquer das partes. de 1994, o parágrafo único do art.  82 da Lei
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o
Art. 17.  O número máximo de estagiários em da Medida Provisória no  2.164-41, de 24 de
relação ao quadro de pessoal das entidades con- agosto de 2001.
cedentes de estágio deverá atender às seguintes
proporções: Brasília, 25 de setembro de 2008; 187o da Inde-
I – de 1 (um) a 5 (cinco) empregados: 1 (um) pendência e 120o da República.
estagiário;
II – de 6 (seis) a 10 (dez) empregados: até 2 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
(dois) estagiários; Haddad – André Peixoto Figueiredo Lima
III – de 11 (onze) a 25 (vinte e cinco) em-
pregados: até 5 (cinco) estagiários; Promulgada em 25/9/2008 e publicada no DOU de
26/9/2008.
O estudante

169
Lei no 10.219/2001
Cria o Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à educação – “Bolsa Escola”, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Art. 2o  A partir do exercício de 2001, a União


apoiará programas de garantia de renda míni-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta ma associados a ações socioeducativas, que
e eu sanciono a seguinte Lei:1 preencham, cumulativamente, os seguintes
requisitos:
Art. 1o  Fica criado, nos termos desta Lei, o I – sejam instituídos por lei municipal,
Programa Nacional de Renda Mínima vincu- compatível com o termo de adesão referido no
lada à educação – “Bolsa Escola”. inciso I do art. 5o;
§ 1o  O programa criado nos termos do II – tenham como beneficiárias as famílias
caput deste artigo constitui o instrumento de residentes no Município, com renda familiar
participação financeira da União em programas per capita inferior ao valor fixado nacionalmen-
municipais de garantia de renda mínima asso- te em ato do Poder Executivo para cada exer-
ciados a ações socioeducativas, sem prejuízo da cício e que possuam sob sua responsabilidade
diversidade dos programas municipais. crianças com idade entre seis e quinze anos,
§ 2o  Para os fins desta Lei, o Distrito Federal matriculadas em estabelecimentos de ensino
equipara-se à condição de Município. fundamental regular, com frequência escolar
§ 3o  Os procedimentos de competência igual ou superior a oitenta e cinco por cento;
da União serão organizados no âmbito do III – incluam iniciativas que, diretamente ou
Ministério da Educação, o qual poderá contar em parceria com instituições da comunidade,
com a colaboração técnica de outros órgãos da incentivem e viabilizem a permanência das
Administração Pública Federal, em condições a crianças beneficiárias na rede escolar, por meio
serem estabelecidas em regulamento. de ações socioeducativas de apoio aos trabalhos
§ 4o  Caberá à Caixa Econômica Federal, escolares, de alimentação e de práticas despor-
na qualidade de agente operador, mediante tivas e culturais em horário complementar ao
remuneração e condições a serem pactuadas das aulas; e
com o Ministério da Educação, obedecidas as IV – submetam-se ao acompanhamento de
formalidades legais: um conselho de controle social, designado ou
I – o fornecimento da infraestrutura neces- constituído para tal finalidade, composto por
sária à organização e manutenção do cadastro representantes do poder público e da sociedade
nacional de beneficiários; civil, observado o disposto no art. 8o.
II – o desenvolvimento dos sistemas de § 1o  Para os fins do inciso II, considera-se:
processamento de dados; I – para enquadramento na faixa etária, a
III – a organização e operação da logística idade da criança, em número de anos comple-
de pagamento dos benefícios; e tados até o primeiro dia do ano no qual se dará
IV – a elaboração dos relatórios necessários a participação financeira da União; e
ao acompanhamento, à avaliação e à auditoria II – para determinação da renda familiar per
Educação básica

da execução do programa por parte do Minis- capita, a média dos rendimentos brutos aufe-
tério da Educação. ridos pela totalidade dos membros da família,
excluídos apenas os provenientes do programa
de que trata esta Lei.
§ 2o  Somente poderão firmar o termo de
170   Conversão da Medida Provisória no 2.140-1/2001.
1
adesão ao programa instituído por esta Lei os
Municípios que comprovem o cumprimento do II – as normas de organização e manutenção
disposto no inciso V do art. 11 da Lei no 9.394, do cadastro de famílias beneficiárias por parte
de 20 de dezembro de 1996. dos Municípios aderentes; e
III – as normas de organização, funcio-
Art. 3o  Fica o Ministério da Educação au- namento, acompanhamento e avaliação do
torizado a celebrar convênios de cooperação programa no âmbito federal.
com os Estados, dispondo sobre a participação § 1o  Os cadastros referidos no inciso II,
destes nos programas de que trata esta Lei, bem assim a documentação comprobatória
inclusive no seu acompanhamento, avaliação das informações deles constantes, serão man-
e auditoria. tidos pelos Municípios pelo prazo de dez anos,
contado do encerramento do exercício em que
Art. 4o  A participação da União nos progra- ocorrer o pagamento da participação financeira
mas de que trata o caput do art. 2o compreen- da União, e estarão sujeitos, a qualquer tempo,
derá o pagamento, diretamente à família bene- a vistoria do respectivo conselho de controle
ficiária, do valor mensal de R$ 15,00 (quinze social, bem assim a auditoria a ser efetuada
reais) por criança que atenda ao disposto no por agente ou representante do Ministério da
inciso II daquele artigo, até o limite máximo Educação, devidamente credenciado.
de três crianças por família. § 2o  A auditoria referida no parágrafo ante-
§ 1 o  Para efeito desta Lei, considera-se rior poderá incluir a convocação pessoal de be-
família a unidade nuclear, eventualmente neficiários da participação financeira da União,
ampliada por outros indivíduos que com ela ficando estes obrigados ao comparecimento e à
possuam laços de parentesco, que forme um apresentação da documentação solicitada, sob
grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e pena de sua exclusão do programa.
mantendo sua economia pela contribuição de § 3o  O Ministério da Educação realizará
seus membros. periodicamente a compatibilização entre os
§ 2o  O pagamento de que trata o caput deste cadastros de que trata este artigo e as demais
artigo será feito à mãe das crianças que servi- informações disponíveis sobre os indicadores
rem de base para o cálculo do benefício, ou, na econômicos e sociais dos Municípios.
sua ausência ou impedimento, ao respectivo § 4o  Na hipótese de apuração de divergência
responsável legal. no processo de que trata o parágrafo anterior,
§ 3o  O Poder Executivo poderá reajustar com excesso de famílias beneficiárias, caberá
os valores fixados no caput deste artigo, bem ao Ministério da Educação:
assim o valor limite de renda familiar per capita I – excluir as famílias consideradas exceden-
referido no inciso II do art. 2o para o exercício tes, em ordem decrescente de renda familiar
subsequente, desde que os recursos para tanto per capita, no caso de divergência inferior a
necessários constem explicitamente da lei orça- cinco por cento da base calculada a partir dos
mentária anual, observado, também, o disposto indicadores disponíveis; e
no § 6o do art. 5o. II – restituir o cadastro ao Município, para
§ 4o  Na hipótese de pagamento mediante adequação, nos demais casos.
operação sujeita à incidência da contribuição § 5o  Em qualquer hipótese, o pagamento da
instituída pela Lei no 9.311, de 24 de outubro participação financeira da União no programa
de 1996, o benefício será acrescido do valor será devido a partir do mês subsequente ao da
correspondente àquela contribuição. homologação do cadastro por parte do Minis-
tério da Educação.
Art. 5o  O Poder Executivo publicará o regu- § 6o  A partir do exercício de 2002, a inclusão
O estudante

lamento do programa instituído pelo art. 1o, o de novos beneficiários no programa de que trata
qual compreenderá: o art. 1o será:
I – o termo de adesão do Município, bem I – condicionada à compatibilidade entre
como as condições para sua homologação pelo a projeção de custo do programa e a lei orça-
Ministério da Educação; mentária anual nos meses de janeiro a junho; 171
II – suspensa nos meses de julho e agosto; e percepção dos benefícios do programa de que
III – condicionada à compatibilidade simul- trata o art. 2o;
tânea entre as projeções de custo do programa III – estimular a participação comunitária no
para os exercícios em curso e seguinte, a lei controle da execução do programa no âmbito
orçamentária do ano em curso e a proposta municipal;
orçamentária para o exercício seguinte nos IV – elaborar, aprovar e modificar o seu
meses de setembro a dezembro. regimento interno; e
V – exercer outras atribuições estabelecidas
Art. 6o  Serão excluídas do cálculo do benefício em normas complementares.
pago pela União as crianças:
I – que deixarem a faixa etária definida no Art. 9o  A autoridade responsável pela orga-
inciso II do art. 2o; nização e manutenção dos cadastros referidos
II – cuja frequência escolar situe-se abaixo no §  1o do art.  5o que inserir ou fizer inserir
de oitenta e cinco por cento; documentos ou declaração falsa ou diversa da
III – pertencentes a famílias residentes em que deveria ser inscrita, com o fim de alterar
Município que descumprir os compromissos a verdade sobre o fato, bem assim contribuir
constantes do termo de adesão de que trata o para a entrega da participação financeira da
inciso I do art. 5o, bem assim as demais dispo- União a pessoa diversa do beneficiário final,
sições desta Lei. será responsabilizada civil, penal e adminis-
§ 1o  Na hipótese da ocorrência da situação trativamente.
referida no inciso III, o Ministério da Educa- § 1o  Sem prejuízo da sanção penal, o bene-
ção fará publicar no Diário Oficial da União ficiário que gozar ilicitamente do auxílio será
o extrato do relatório de exclusão, bem assim obrigado a efetuar o ressarcimento da impor-
encaminhará cópias integrais desse relatório tância recebida, em prazo a ser estabelecido
ao conselho de que trata o inciso IV do art. 2o, pelo Poder Executivo, acrescida de juros equi-
ao Poder Legislativo municipal e aos demais valentes à taxa referencial do Sistema Especial
agentes públicos do Município afetado. de Liquidação e Custódia – SELIC para títulos
§ 2o  Ao Município que incorrer na situação federais, acumulada mensalmente, calculados
referida no inciso III somente será permitida a partir da data do recebimento, e de um por
nova habilitação à participação financeira da cento relativamente ao mês em que estiver
União nos termos desta Lei quando compro- sendo efetuado.
vadamente sanadas todas as irregularidades § 2o  Ao servidor público ou agente de enti-
praticadas. dade conveniada ou contratada que concorra
para ilícito previsto neste artigo, inserindo ou
Art. 7o  É vedada a inclusão nos programas fazendo inserir declaração falsa em documento
referidos nesta Lei, por parte dos Municípios, que deva produzir efeito perante o programa,
de famílias beneficiadas pelo Programa de aplica-se, nas condições a serem estabelecidas
Erradicação do Trabalho Infantil, enquanto em regulamento e sem prejuízo das sanções
permanecerem naquela condição. penais e administrativas cabíveis, multa nunca
inferior ao dobro dos rendimentos ilegalmente
Art. 8o  O conselho referido no inciso IV do pagos, atualizada, anualmente, até seu paga-
art. 2o terá em sua composição cinquenta por mento, pela variação acumulada do Índice
cento, no mínimo, de membros não vinculados de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA,
à administração municipal, competindo-lhe: divulgado pela Fundação Instituto Brasileiro
Educação básica

I – acompanhar e avaliar a execução do de Geografia e Estatística.


programa de que trata o art.  2o no âmbito
municipal; Art. 10.  Constituirão créditos da União junto
II – aprovar a relação de famílias cadastra- ao Município as importâncias que, por ação ou
das pelo Poder Executivo municipal para a omissão dos responsáveis pelo programa no
172 âmbito municipal forem indevidamente pagas
a título de participação financeira da União nos e Municípios na concessão de benefícios pecu-
programas de que trata esta Lei, sem prejuízo niários às famílias carentes, em complementa-
do disposto no artigo anterior. ção do valor a que se refere o art. 4o.
§ 1o  Os créditos referidos no caput serão
lançados na forma do regulamento, e exigíveis Art. 13.  Fica o Poder Executivo autorizado
a partir da data de ocorrência do pagamento a remanejar, da unidade orçamentária 26.298
indevido que lhe der origem. – Fundo Nacional de Desenvolvimento da
§ 2o  A satisfação dos créditos referidos no Educação para a unidade orçamentária 26.101
caput é condição necessária para que o Distrito – Ministério da Educação, as dotações orça-
Federal e os Municípios possam receber as mentárias constantes da Lei no 10.171, de 5 de
transferências dos recursos do Fundo de Par- janeiro de 2001, destinadas às ações referidas
ticipação dos Estados e do Distrito Federal e do no § 1o do art. 1o desta Lei.
Fundo de Participação dos Municípios, celebrar Parágrafo único.  No presente exercício, as
acordos, contratos, convênios ou ajustes, bem despesas administrativas para execução do
como receber empréstimos, financiamentos, disposto no art. 1o correrão à conta das dotações
avais e subvenções em geral de órgãos ou orçamentárias referidas neste artigo.
entidades da administração direta e indireta
da União. Art. 14.  A participação da União em progra-
mas municipais de garantia de renda mínima
Art. 11.  Na análise para homologação dos ter- associados a ações socioeducativas previstos na
mos de adesão recebidos pelo órgão designado Lei no 9.533, de 1997, passa a obedecer, exclu-
para este fim, terão prioridade os firmados por sivamente, ao disposto nesta Lei.
Municípios: �������������������������������������������������������������������������������
I – com os quais a União tenha celebrado, no
exercício de 2000, convênio nos termos da Lei Art. 16.  Ficam convalidados os atos praticados
no 9.533, de 10 de dezembro de 1997; com base na Medida Provisória no 2.140-01, de
II – pertencentes aos catorze Estados de 14 de março de 2001.
menor Índice de Desenvolvimento Humano
– IDH; Art. 17.  Esta Lei entra em vigor na data de
III – pertencentes a microrregiões com IDH sua publicação.
igual ou inferior a 0,500;
IV – com IDH igual ou inferior a 0,500 que Brasília, 11 de abril de 2001; 180o da Indepen-
não se enquadrem no inciso anterior; dência e 113o da República.
V – e demais Municípios.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Pedro
Art. 12.  Para efeito do disposto no art. 212 da Malan – Paulo Renato Souza – Martus Tavares
Constituição, não serão considerados despesas
de manutenção e desenvolvimento do ensino Promulgada em 11/4/2001 e publicada no DOU de
os recursos despendidos pela União nos termos 12/4/2001.
desta Lei, assim como os gastos pelos Estados
O estudante

173
O professor
Lei no 11.738/2008
Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério
público da educação básica.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA proporcionais ao valor mencionado no caput


deste artigo.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta § 4o  Na composição da jornada de trabalho,
e eu sanciono a seguinte Lei: observar-se-á o limite máximo de 2/3 (dois
terços) da carga horária para o desempenho
Art. 1o  Esta Lei regulamenta o piso salarial das atividades de interação com os educandos.
profissional nacional para os profissionais do § 5o  As disposições relativas ao piso salarial
magistério público da educação básica a que de que trata esta Lei serão aplicadas a todas as
se refere a alínea “e” do inciso III do caput do aposentadorias e pensões dos profissionais do
art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais magistério público da educação básica alcança-
Transitórias. das pelo art. 7o da Emenda Constitucional no 41,
de 19 de dezembro de 2003, e pela Emenda
Art. 2o  O piso salarial profissional nacional Constitucional no 47, de 5 de julho de 2005.
para os profissionais do magistério público da
educação básica será de R$ 950,00 (novecentos Art. 3o  O valor de que trata o art. 2o desta Lei
e cinquenta reais) mensais, para a formação em passará a vigorar a partir de 1o de janeiro de
nível médio, na modalidade Normal, prevista 2008, e sua integralização, como vencimento
no art. 62 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro inicial das Carreiras dos profissionais da educa-
de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da ção básica pública, pela União, Estados, Distrito
educação nacional. Federal e Municípios será feita de forma pro-
§ 1o  O piso salarial profissional nacional é gressiva e proporcional, observado o seguinte:
o valor abaixo do qual a União, os Estados, o I – (Vetado);
Distrito Federal e os Municípios não poderão II – a partir de 1o de janeiro de 2009, acrésci-
fixar o vencimento inicial das Carreiras do mo de 2/3 (dois terços) da diferença entre o
magistério público da educação básica, para valor referido no art. 2o desta Lei, atualizado
a jornada de, no máximo, 40 (quarenta) horas na forma do art. 5o desta Lei, e o vencimento
semanais. inicial da Carreira vigente;
§ 2o  Por profissionais do magistério público III – a integralização do valor de que trata o
da educação básica entendem-se aqueles que art. 2o desta Lei, atualizado na forma do art. 5o
desempenham as atividades de docência ou desta Lei, dar-se-á a partir de 1o de janeiro de
as de suporte pedagógico à docência, isto é, 2010, com o acréscimo da diferença remanes-
direção ou administração, planejamento, ins- cente.
peção, supervisão, orientação e coordenação § 1o  A integralização de que trata o caput
educacionais, exercidas no âmbito das unidades deste artigo poderá ser antecipada a qualquer
escolares de educação básica, em suas diversas tempo pela União, Estados, Distrito Federal e
Educação básica

etapas e modalidades, com a formação mínima Municípios.


determinada pela legislação federal de diretri- § 2o  Até 31 de dezembro de 2009, admitir-
zes e bases da educação nacional. se-á que o piso salarial profissional nacional
§ 3o  Os vencimentos iniciais referentes às compreenda vantagens pecuniárias, pagas a
demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, qualquer título, nos casos em que a aplicação do
176 disposto neste artigo resulte em valor inferior
ao de que trata o art. 2o desta Lei, sendo res- o mesmo percentual de crescimento do valor
guardadas as vantagens daqueles que percebam anual mínimo por aluno referente aos anos ini-
valores acima do referido nesta Lei. ciais do ensino fundamental urbano, definido
nacionalmente, nos termos da Lei no 11.494, de
Art. 4o  A União deverá complementar, na 20 de junho de 2007.
forma e no limite do disposto no inciso VI do
caput do art. 60 do Ato das Disposições Cons- Art. 6o  A União, os Estados, o Distrito Federal
titucionais Transitórias e em regulamento, a e os Municípios deverão elaborar ou adequar
integralização de que trata o art. 3o desta Lei, seus Planos de Carreira e Remuneração do
nos casos em que o ente federativo, a partir da Magistério até 31 de dezembro de 2009, ten-
consideração dos recursos constitucionalmente do em vista o cumprimento do piso salarial
vinculados à educação, não tenha disponibili- profissional nacional para os profissionais do
dade orçamentária para cumprir o valor fixado. magistério público da educação básica, con-
§ 1o  O ente federativo deverá justificar sua forme disposto no parágrafo único do art. 206
necessidade e incapacidade, enviando ao Mi- da Constituição Federal.
nistério da Educação solicitação fundamentada,
acompanhada de planilha de custos compro- Art. 7o (Vetado)
vando a necessidade da complementação de
que trata o caput deste artigo. Art. 8o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
§ 2o  A União será responsável por cooperar publicação.
tecnicamente com o ente federativo que não
conseguir assegurar o pagamento do piso, de Brasília, 16 de julho de 2008; 187o da Indepen-
forma a assessorá-lo no planejamento e aperfei- dência e 120o da República.
çoamento da aplicação de seus recursos.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Tarso Genro
Art. 5o  O piso salarial profissional nacional – Nelson Machado – Fernando Haddad – Paulo
do magistério público da educação básica será Bernardo Silva – José Múcio Monteiro Filho –
atualizado, anualmente, no mês de janeiro, a José Antonio Dias Toffoli
partir do ano de 2009.
Parágrafo único.  A atualização de que trata Promulgada em 16/7/2008 e publicada no DOU de
o caput deste artigo será calculada utilizando-se 17/7/2008.

O professor

177
Lei no 11.273/2006
Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação
inicial e continuada de professores para a educação básica.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA § 4 o  Adicionalmente, poderão ser con-


cedidas bolsas a professores que atuem em
Faço saber que o Congresso Nacional decreta programas de formação inicial e continuada
e eu sanciono a seguinte Lei: de funcionários de escola e de secretarias de
educação dos Estados, do Distrito Federal e
Art. 1o  Ficam o Fundo Nacional de Desen- dos Municípios, bem como em programas de
volvimento da Educação – FNDE e a Coorde- formação profissional inicial e continuada, na
nação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível forma do art. 2o desta Lei.
Superior – Capes autorizados a conceder bolsas
de estudo e bolsas de pesquisa no âmbito dos Art. 2o  As bolsas previstas no art. 1o desta Lei
programas de formação de professores para a serão concedidas:2
educação básica desenvolvidos pelo Ministério I – até o valor de R$ 100,00 (cem reais) men-
da Educação, inclusive na modalidade a distân- sais, para participantes de cursos ou programas
cia, que visem:1 de formação inicial e continuada;
I – à formação inicial em serviço para pro- II – até o valor de R$  600,00 (seiscentos
fessores da educação básica ainda não titulados, reais) mensais, para participantes de cursos de
tanto em nível médio quanto em nível superior; capacitação para o exercício de tutoria voltada
II – à formação continuada de professores à aprendizagem dos professores matriculados
da educação básica; e nos cursos referidos no inciso I do caput deste
III – à participação de professores em artigo, exigida formação mínima em nível mé-
projetos de pesquisa e de desenvolvimento de dio e experiência de 1 (um) ano no magistério;
metodologias educacionais na área de forma- III – até o valor de R$ 900,00 (novecentos
ção inicial e continuada de professores para a reais) mensais, para participantes de cursos
educação básica e para o sistema Universidade de capacitação para o exercício das funções
Aberta do Brasil – UAB. de formadores, preparadores e supervisores
§ 1o  Poderão candidatar-se às bolsas de que dos cursos referidos no inciso I do caput
trata o caput deste artigo os professores que: deste artigo, inclusive apoio à aprendizagem e
I – estiverem em efetivo exercício no magis- acompanhamento pedagógico sistemático das
tério da rede pública de ensino; ou atividades de alunos e tutores, exigida forma-
II – estiverem vinculados a um dos progra- ção mínima em nível superior e experiência
mas referidos no caput deste artigo. de 1 (um) ano no magistério ou a vinculação
§ 2o  A seleção dos beneficiários das bolsas a programa de pós-graduação de mestrado ou
de estudos será de responsabilidade dos res- doutorado; e
pectivos sistemas de ensino, de acordo com IV – até o valor de R$ 1.200,00 (mil e du-
os critérios a serem definidos nas diretrizes de zentos reais) mensais, para participantes de
cada programa. projetos de pesquisa e de desenvolvimento de
Educação básica

§ 3o  É vedada a acumulação de mais de uma metodologias de ensino na área de formação


bolsa de estudo ou pesquisa nos programas de inicial e continuada de professores de educação
que trata esta Lei.

1
  Leis nos 11.947/2009, 11.907/2009 e 11.502/2007; 2
  Leis nos  12.349/2010 e 11.502/2007; e Medida
178 e Medida Provisória no 441/2008. Provisória no 495/2010.
básica, exigida experiência de 3 (três) anos no Art. 6o  O Poder Executivo regulamentará:
magistério superior. I – os direitos e obrigações dos beneficiários
§ 1o (Revogado) das bolsas;
§ 2o  A concessão das bolsas de estudo de II – as normas para renovação e cancelamen-
que trata esta Lei para professores estaduais e to dos benefícios;
municipais ficará condicionada à adesão dos III – a periodicidade mensal para recebi-
respectivos entes federados aos programas ins- mento das bolsas;
tituídos pelo Ministério da Educação, mediante IV – o quantitativo, os valores e a duração
celebração de instrumento em que constem os das bolsas, de acordo com o curso ou projeto
correspondentes direitos e obrigações. em cada programa;
V – a avaliação das instituições educacionais
Art. 3o  As bolsas de que trata o art. 2o desta Lei responsáveis pelos cursos;
serão concedidas diretamente ao beneficiário, VI – a avaliação dos bolsistas; e
por meio de crédito bancário, nos termos de VII – a avaliação dos cursos e tutorias.
normas expedidas pelas respectivas instituições
concedentes, e mediante a celebração de termo Art. 7o  Os valores de que trata o art. 2o desta
de compromisso em que constem os correspon- Lei deverão ser anualmente atualizados me-
dentes direitos e obrigações.3 diante ato do Poder Executivo, observadas as
dotações orçamentárias existentes.
Art. 4o  As despesas com a execução das ações
previstas nesta Lei correrão à conta de dota- Art. 8o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
ções orçamentárias consignadas anualmente publicação.
ao FNDE e à Capes, observados os limites
de movimentação, empenho e pagamento da Brasília, 6 de fevereiro de 2006; 185o da Inde-
programação orçamentária e financeira anual.4 pendência e 118o da República.

Art. 5o  Serão de acesso público permanente os LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
critérios de seleção e de execução do programa, Haddad
bem como a relação dos beneficiários e dos res-
pectivos valores das bolsas previstas nesta Lei. Promulgada em 6/2/2006 e publicada no DOU de
7/2/2006.

O professor

3
  Leis nos 11.947/2009 e 11.507/2007.
4
  Lei no 11.947/2009. 179
Lei no 9.424/1996
Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino fundamental e de Valorização do
Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7o, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias,
e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA diretrizes emanadas do Conselho Nacional de


Educação, no prazo referido no artigo anterior;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta III – fornecimento das informações soli-
e eu sanciono a seguinte Lei:1 citadas por ocasião do censo escolar, ou para
fins de elaboração de indicadores educacionais.
Art. 1o a 8o (Revogados)2 Parágrafo único.  O não cumprimento das
condições estabelecidas neste artigo, ou o for-
Art. 9o  Os Estados, o Distrito Federal e os necimento de informações falsas, acarretará
Municípios deverão, no prazo de seis meses sanções administrativas, sem prejuízo das civis
da vigência desta Lei, dispor de novo Plano ou penais ao agente executivo que lhe der causa.
de Carreira e Remuneração do Magistério, de
modo a assegurar: Art. 11.  Os órgãos responsáveis pelos sistemas
I – a remuneração condigna dos professores de ensino, assim como os Tribunais de Contas
do ensino fundamental público, em efetivo da União, dos Estados e Municípios, criarão
exercício no magistério; mecanismos adequados à fiscalização do
II – o estímulo ao trabalho em sala de aula; cumprimento pleno do disposto no art. 212 da
III – a melhoria da qualidade do ensino. Constituição Federal e desta Lei, sujeitando-se
§ 1o  Os novos planos de carreira e remu- os Estados e o Distrito Federal à intervenção
neração do magistério deverão contemplar da União, e os Municípios à intervenção dos
investimentos na capacitação dos professores respectivos Estados, nos termos do art.  34,
leigos, os quais passarão a integrar quadro em inciso VII, alínea “e”, e do art. 35, inciso III, da
extinção, de duração de cinco anos. Constituição Federal.
§ 2o  Aos professores leigos é assegurado
prazo de cinco anos para obtenção da habi- Art. 12.  O Ministério da Educação e do
litação necessária ao exercício das atividades Desporto realizará avaliações periódicas dos
docentes. resultados da aplicação desta Lei, com vistas à
§ 3o  A habilitação a que se refere o parágrafo adoção de medidas operacionais e de natureza
anterior é condição para ingresso no quadro político-educacional corretivas, devendo a
permanente da carreira conforme os novos primeira realizar-se dois anos após sua pro-
planos de carreira e remuneração. mulgação.

Art. 10.  Os Estados, o Distrito Federal e os Art. 13. (Revogado)3


Municípios deverão comprovar:
I – efetivo cumprimento do disposto no Art. 14.  A União desenvolverá política de es-
art. 212 da Constituição Federal; tímulo às iniciativas de melhoria de qualidade
Educação básica

II – apresentação de Plano de Carreira e do ensino, acesso e permanência na escola pro-


Remuneração do Magistério, de acordo com as movidos pelas unidades federadas, em especial
aquelas voltadas às crianças e adolescentes em
situação de risco social.
1
  Decreto no 6.253/2007 (regulamentação).
180 2
  Lei no 11.494/2007.   Lei no 11.494/2007.
3
Art. 15.  O Salário-Educação, previsto no dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
art. 212, § 5o, da Constituição Federal, e devido pios para financiamento de programas, projetos
pelas empresas, na forma em que vier a ser dis- e ações do ensino fundamental.
posto em regulamento, é calculado com base na § 2o (Vetado)
alíquota de 2,5% (dois e meio por cento) sobre § 3o  Os alunos regularmente atendidos, na
o total de remunerações pagas ou creditadas, data da edição desta Lei, como beneficiários
a qualquer título, aos segurados empregados, da aplicação realizada pelas empresas contri-
assim definidos no art.  12, inciso I, da Lei buintes, no ensino fundamental dos seus em-
no 8.212, de 24 de julho de 1991.4 pregados e dependentes, à conta de deduções
§ 1o  O montante da arrecadação do Sa- da contribuição social do Salário-Educação, na
lário-Educação, após a dedução de 1% (um forma da legislação em vigor, terão, a partir de
por cento) em favor do Instituto Nacional do 1o de janeiro de 1997, o benefício assegurado,
Seguro Social – INSS, calculado sobre o valor respeitadas as condições em que foi concedi-
por ele arrecadado, será distribuído pelo Fundo do, e vedados novos ingressos nos termos do
Nacional de Desenvolvimento da Educação – art. 212, § 5o, da Constituição Federal.
FNDE, observada, em 90% (noventa por cento)
de seu valor, a arrecadação realizada em cada Art. 16.  Esta Lei entra em vigor em 1o de
Estado e no Distrito Federal, em quotas, da janeiro de 1997.
seguinte forma:
I – Quota Federal, correspondente a um Art. 17.  Revogam-se as disposições em con-
terço do montante de recursos, que será des- trário.
tinada ao FNDE e aplicada no financiamento
de programas e projetos voltados para a uni- Brasília, 24 de dezembro de 1996; 175o da In-
versalização do ensino fundamental, de forma dependência e 108o da República.
a propiciar a redução dos desníveis sócio-edu-
cacionais existentes entre Municípios, Estados, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
Distrito Federal e regiões brasileiras; Renato Souza
II – Quota Estadual e Municipal, corres-
pondente a 2/3 (dois terços) do montante de Promulgada em 24/12/1996 e publicada no DOU
recursos, que será creditada mensal e automa- de 26/12/1996.
ticamente em favor das Secretarias de Educação

O professor

4
  Lei no 10.832/2003. 181
Decreto no 6.253/2007
Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação – FUNDEB, regulamenta a Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá
outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da distribuídos considerando-se exclusivamente


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da as matrículas presenciais efetivas nos respecti-
Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei vos âmbitos de atuação prioritária, da seguinte
no 11.494, de 20 de junho de 2007, forma:
I – Municípios: educação infantil e ensino
DECRETA: fundamental;
II – Estados: ensino fundamental e ensino
médio; e
CAPÍTULO I – Das Disposições Gerais III – Distrito Federal: educação infantil, en-
sino fundamental e ensino médio.
Art. 1o  A manutenção e o desenvolvimento da § 1o  A apropriação de recursos pela educação
educação básica serão realizados pela instituição, de jovens e adultos observará o limite de até
no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, quinze por cento dos recursos dos Fundos de
de um Fundo de Manutenção e Desenvolvi- cada Estado e do Distrito Federal.
mento da Educação Básica e de Valorização dos § 2o  Os recursos dos Fundos poderão ser
Profissionais da Educação – FUNDEB, na forma aplicados indistintamente entre etapas, moda-
do disposto no art. 60 do Ato das Disposições lidades e tipos de estabelecimento de ensino
Constitucionais Transitórias, na Lei no 11.494, da educação básica, observados os âmbitos de
de 20 de junho de 2007, e neste Decreto. atuação prioritária previstos nos incisos I a III
do caput deste artigo.
Art. 2o  A complementação da União será cal- § 3o  Os recursos dos Fundos serão utilizados
culada e distribuída na forma do Anexo à Lei pelos Municípios, pelos Estados e pelo Distrito
no 11.494, de 2007. Federal em ações consideradas como de manu-
§ 1o  O ajuste da complementação da União a tenção e desenvolvimento do ensino, conforme
que se refere o § 2o do art. 6o da Lei no 11.494, de o disposto nos arts. 70 e 71 da Lei no 9.394, de
2007, será realizado entre a União e os Fundos 20 de dezembro de 1996.
beneficiários da complementação, de um lado, e
entre os Fundos beneficiários da complementa- Art. 4o  Para os fins deste Decreto, considera-se
ção, de outro lado, conforme o caso, observado educação básica em tempo integral a jornada
o disposto no art. 19. escolar com duração igual ou superior a sete
§ 2o  O ajuste será realizado de forma a pre- horas diárias, durante todo o período letivo,
servar a correspondência entre a receita utilizada compreendendo o tempo total que um mesmo
para o cálculo e a receita realizada do exercício aluno permanece na escola ou em atividades
respectivo. escolares, observado o disposto no art. 20 deste
Decreto.
Educação básica

CAPÍTULO II – Da Operacionalização dos Art. 5o  Para os fins deste Decreto, conside-


Fundos ram-se:
I – anos iniciais do ensino fundamental: as
Art. 3o  Para os fins do disposto no art. 9o, § 1o, primeiras quatro ou cinco séries ou os primeiros
182 da Lei no  11.494, de 2007, os recursos serão quatro ou cinco anos do ensino fundamental
de oito ou nove anos de duração, conforme o em efetivo exercício na rede pública, na forma
caso; e do art. 22 da Lei no 11.494, de 2007.
II – anos finais do ensino fundamental: as
quatro últimas séries ou os quatro últimos anos Art. 9 o-A.  Para efeito da distribuição dos
do ensino fundamental de oito ou nove anos recursos do FUNDEB, será admitida a dupla
de duração. matrícula dos estudantes da educação regular
da rede pública que recebem atendimento edu-
Art. 6o  Somente serão computadas matrículas cacional especializado.1
apuradas pelo censo escolar realizado pelo § 1o  A dupla matrícula implica o cômputo
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Edu- do estudante tanto na educação regular da rede
cacionais Anísio Teixeira – INEP. pública, quanto no atendimento educacional
Parágrafo único.  O poder executivo compe- especializado.
tente é responsável pela exatidão e fidedignidade § 2o  O atendimento educacional especiali-
das informações prestadas ao censo escolar do zado aos estudantes da rede pública de ensino
INEP. regular poderá ser oferecido pelos sistemas
públicos de ensino ou por instituições comu-
Art. 7 o  Os Ministérios da Educação e da nitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins
Fazenda publicarão, em ato conjunto, até 31 lucrativos, com atuação exclusiva na educação
de dezembro de cada ano, para aplicação no especial, conveniadas com o Poder Executivo
exercício seguinte: competente, sem prejuízo do disposto no art. 14.
I – a estimativa da receita total dos Fundos
de cada Estado e do Distrito Federal, conside- Art. 10.  Os conselhos do FUNDEB serão
rando-se inclusive a complementação da União; criados por legislação específica de forma a
II – a estimativa dos valores anuais por promover o acompanhamento e o controle
aluno nos Fundos de cada Estado e do Distrito social sobre a distribuição, a transferência e a
Federal; aplicação dos recursos, observado o disposto
III – o valor mínimo nacional por aluno, no art. 24 da Lei no 11.494, de 2007.
estimado para os anos iniciais do ensino fun-
damental urbano; e Art. 11.  O Poder Executivo dos Estados, do
IV – o cronograma de repasse mensal da Distrito Federal e dos Municípios deverá sub-
complementação da União. meter as prestações de contas para parecer do
conselho do FUNDEB competente em tempo
Art. 8o  Os recursos do FUNDEB serão auto- hábil para o cumprimento do disposto no
maticamente repassados para as contas únicas parágrafo único do art. 27 da Lei no 11.494, de
referidas no art. 17 da Lei no 11.494, de 2007, e 2007, na forma da legislação específica.
movimentadas exclusivamente nas instituições
referidas no art. 16 dessa Lei, conforme ato da
Secretaria do Tesouro Nacional. CAPÍTULO III – Das Instituições
Parágrafo único.  Os recursos dos Fundos, Conveniadas com o Poder Público
creditados nas contas específicas a que se refere
o caput, serão disponibilizados pelos Estados, Art. 12.  Admitir-se-á, a partir de 1o de janeiro
pelo Distrito Federal e pelos Municípios aos de 2008, para efeito da distribuição dos recur-
respectivos órgãos responsáveis pela educação sos do FUNDEB, o cômputo das matrículas
e pela gestão dos recursos, na forma prevista no efetivadas na educação infantil oferecida em
§ 5o do art. 69 da Lei no 9.394, de 1996. creches para crianças de até três anos de idade
por instituições comunitárias, confessionais ou
O professor

Art. 9o  Pelo menos sessenta por cento dos filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas
recursos anuais totais dos Fundos serão des- com o poder executivo competente.
tinados ao pagamento da remuneração dos
profissionais do magistério da educação básica   Decretos nos 7.611/2011 e 6.571/2008.
1
183
§ 1o  As matrículas das instituições referi- trículas das instituições referidas no caput não
das no caput serão apuradas em consonância serão computadas para efeito da distribuição
com o disposto no art.  31, §  2o, inciso II, da dos recursos do FUNDEB a partir de 1o de
Lei no  11.494, de 2007, conforme a seguinte janeiro de 2012.
progressão: § 4o  Para os fins do art. 8o da Lei no 11.494,
I – dois terços das matrículas em 2008; e de 2007, as matrículas computadas na forma
II – a totalidade das matrículas a partir de deste artigo serão somadas às matrículas da
2009. rede de educação básica pública, sob a respon-
§ 2o  Para os fins deste artigo, serão com- sabilidade do Município ou do Distrito Federal,
putadas matrículas de crianças com até três conforme o caso.
anos de idade, considerando-se o ano civil, de
forma a computar crianças com três anos de Art. 14.  Admitir-se-á, para efeito da distri-
idade completos, desde que ainda não tenham buição dos recursos do FUNDEB, o cômputo
completado quatro anos de idade. das matrículas efetivadas na educação especial
§ 3o  O cômputo das matrículas em creche de oferecida por instituições comunitárias, confes-
que trata este artigo será operacionalizado anu- sionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, com
almente, com base no censo escolar realizado atuação exclusiva na educação especial, conve-
pelo INEP, vedada a inclusão de matrículas no niadas com o Poder Executivo competente.2
decorrer do exercício, independentemente de § 1o  Serão consideradas, para a educação
novos convênios ou aditamentos de convênios especial, as matrículas na rede regular de ensi-
vigentes. no, em classes comuns ou em classes especiais
§ 4o  Para os fins do art. 8o da Lei no 11.494, de escolas regulares, e em escolas especiais ou
de 2007, as matrículas computadas na forma especializadas.
deste artigo serão somadas às matrículas da § 2o  O credenciamento perante o órgão
rede de educação básica pública, sob a respon- competente do sistema de ensino, na forma do
sabilidade do Município ou do Distrito Federal, art. 10, inciso IV e parágrafo único, e art. 11,
conforme o caso. inciso IV, da Lei no 9.394, de 1996, depende de
aprovação de projeto pedagógico.
Art. 13.  Admitir-se-á, a partir de 1o de janeiro
de 2008, para efeito da distribuição dos recur- Art. 15.  As instituições conveniadas deverão,
sos do FUNDEB, o cômputo das matrículas obrigatória e cumulativamente:3
efetivadas na educação infantil oferecida na I – oferecer igualdade de condições para o
pré-escola para crianças de quatro e cinco anos acesso e permanência na escola e atendimento
por instituições comunitárias, confessionais ou educacional gratuito a todos os seus alunos,
filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas vedada a cobrança de qualquer tipo de taxa
com o poder executivo competente. de matrícula, custeio de material didático ou
§ 1o  Para os fins do disposto no caput, será qualquer outra cobrança;
considerado o censo escolar de 2006. II – comprovar finalidade não lucrativa e
§ 2o  As matrículas serão consideradas para aplicar seus excedentes financeiros no atendi-
os efeitos do FUNDEB em consonância com mento em creches, na pré-escola ou na edu-
o disposto no § 3o do art. 8o e no art. 31, § 2o, cação especial, conforme o caso, observado o
inciso II, da Lei no 11.494, de 2007, observado disposto no inciso I;
o disposto no § 1o, conforme a seguinte pro- III – assegurar, no caso do encerramento de
gressão: suas atividades, a destinação de seu patrimônio
Educação básica

I – 2008: dois terços das matrículas existentes ao poder público ou a outra escola comuni-
em 2006; e tária, filantrópica ou confessional que realize
II – 2009, 2010 e 2011: a totalidade das ma- atendimento em creches, na pré-escola ou na
trículas existentes em 2006.
§ 3o  Em observância ao prazo previsto no   Decretos nos 7.611/2011 e 6.278/2007.
2

184 § 3o do art. 8o da Lei no 11.494, de 2007, as ma-   Decreto no 8.242/2014.


3
educação especial em observância ao disposto de qualidade pelas instituições conveniadas,
no inciso I; inclusive, se for o caso, mediante aporte de re-
IV – atender a padrões mínimos de qualida- cursos adicionais às fontes de receita previstas
de definidos pelo órgão normativo do sistema no art. 3o da Lei no 11.494, de 2007.
de ensino, inclusive, obrigatoriamente, ter § 3o  Todos os recursos repassados às ins-
aprovados seus projetos pedagógicos; e tituições conveniadas deverão ser utilizados
V – ter certificação como entidade bene- em ações consideradas como de manutenção
ficente de assistência social, na forma da Lei e desenvolvimento do ensino, conforme o
no 12.101, de 27 de novembro de 2009, obser- disposto nos arts. 70 e 71 da Lei no 9.394, de
vado o disposto no § 3o; 1996, observada, quando for o caso, a legislação
§ 1o  As instituições conveniadas deverão federal aplicável à celebração de convênios.
oferecer igualdade de condições para acesso e
permanência a todos os seus alunos conforme Art. 17.  Cabe ao Poder Executivo competente
critérios objetivos e transparentes, condizentes aferir o cumprimento dos requisitos previstos
com os adotados pela rede pública, inclusive a no art. 15 deste Decreto para os fins do censo
proximidade da escola e o sorteio, sem prejuízo escolar realizado pelo INEP.
de outros critérios considerados pertinentes.
§ 2o  Para os fins do art. 8o da Lei no 11.494,
de 2007, o estabelecimento de padrões mínimos CAPÍTULO IV – Das Disposições
de qualidade pelo órgão normativo do sistema Transitórias e Finais
de ensino responsável pela creche e pela pré- SEÇÃO I – Das Disposições Transitórias
escola deverá adotar como princípios:
I – continuidade do atendimento às crianças; Art. 18.  O valor por aluno do ensino funda-
II – acompanhamento e avaliação perma- mental, no Fundo de cada Estado e do Distrito
nentes das instituições conveniadas; e Federal, não poderá ser inferior ao efetivamente
III – revisão periódica dos critérios uti- praticado em 2006, no âmbito do Fundo de
lizados para o estabelecimento do padrão Manutenção e Desenvolvimento do Ensino
mínimo de qualidade das creches e pré-escolas Fundamental e de Valorização do Magistério
conveniadas. – FUNDEF, corrigido anualmente com base
§ 3o  Na ausência da certificação de que trata no Índice Nacional de Preços ao Consumi-
o inciso V do caput, será considerado, para os dor – INPC, apurado pela Fundação Instituto
fins do inciso V, in fine, do § 2o do art. 8o da Lei Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, ou
no  11.494, de 2007, o ato de credenciamento índice equivalente que lhe venha a suceder, no
regularmente expedido pelo órgão normativo período de doze meses encerrados em junho
do sistema de ensino, com base na aprovação do ano imediatamente anterior.
de projeto pedagógico, na forma do parágrafo § 1 o  Caso o valor por aluno do ensino
único e do inciso IV do caput do art. 10 ou do fundamental, no Fundo de cada Estado e do
inciso IV do caput do art. 11 da Lei no 9.394, Distrito Federal, no âmbito do FUNDEB,
de 1996, conforme o caso. resulte inferior ao valor por aluno do ensino
fundamental, no Fundo de cada Estado e
Art. 16.  Os recursos referentes às matrículas do Distrito Federal, no âmbito do FUNDEF,
computadas nas instituições conveniadas serão adotar-se-á este último exclusivamente para
creditados exclusivamente à conta do FUNDEB a distribuição dos recursos do ensino funda-
do Poder Executivo competente. mental, mantendo-se as demais ponderações
§ 1o  O Poder Executivo competente re- para as restantes etapas, modalidades e tipos de
passará às instituições conveniadas, sob sua estabelecimento de ensino da educação básica.
O professor

responsabilidade, os recursos correspondentes § 2o  No caso do §  1o, a manutenção das


aos convênios firmados na forma deste Decreto. demais ponderações para as restantes etapas,
§ 2o  O Poder Executivo competente deverá modalidades e tipos de estabelecimento de
assegurar a observância de padrões mínimos ensino da educação básica poderá implicar a 185
revisão dos fatores específicos, mantendo-se, Qualidade delibere não distribuir a parcela da
em qualquer hipótese, as proporcionalidades complementação da União referida no art. 7o
relativas entre eles. da Lei no 11.494, de 2007, a complementação
da União será distribuída integralmente na
Art. 19.  O ajuste da complementação da Uni- forma da lei.
ão referente aos exercícios de 2007, 2008 e 2009
será realizado entre os Fundos beneficiários da Art. 23.  O monitoramento da aplicação dos
complementação em observância aos valores recursos dos Fundos será realizado pelo Mi-
previstos nos incisos I, II e III do § 3o do art. 31 nistério da Educação, em cooperação com os
da Lei no 11.494, de 2007, respectivamente, e Tribunais de Contas dos Estados e Municípios
não implicará aumento real da complementa- e do Distrito Federal, por meio de sistema de
ção da União. informações orçamentárias e financeiras inte-
grado ao monitoramento do cumprimento do
Art. 20.  Será considerada educação básica em art. 212 da Constituição e dos arts. 70 e 71 da
tempo integral, em 2007, o turno escolar com Lei no 9.394, de 1996.
duração igual ou superior a seis horas diárias,
compreendendo o tempo total que um mesmo Art. 24.  Este Decreto entra em vigor na data
aluno permanece na escola ou em atividades da sua publicação.
escolares.
Art. 25.  Ficam revogados os Decretos
nos  2.264, de 27 de junho de 1997, 2.530, de
SEÇÃO II – Das Disposições Finais 26 de março de 1998, e 2.552, de 16 de abril
de 1998.
Art. 21.  A Comissão Intergovernamental
de Financiamento para a Educação Básica de Brasília, 13 de novembro de 2007; 186o da In-
Qualidade será instalada no âmbito do Minis- dependência e 119o da República.
tério da Educação, na forma da Lei no 11.494,
de 2007. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Guido
Parágrafo único.  O regimento interno da Mantega – Fernando Haddad
Comissão será aprovado em portaria do Mi-
nistro de Estado da Educação. Decretado em 13/11/2007 e publicado no DOU de
14/11/2007.
Art. 22.  Caso a Comissão Intergovernamental
de Financiamento para a Educação Básica de
Educação básica

186
Decreto no 3.276/1999
Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da § 2 o  A formação em nível superior de


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, professores para a atuação multidisciplinar,
da Constituição, e tendo em vista o disposto nos destinada ao magistério na educação infantil e
arts. 61 a 63 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro nos anos iniciais do ensino fundamental, far-
de 1996, se-á, preferencialmente, em cursos normais
superiores.
DECRETA: § 3o  Os cursos normais superiores deverão
necessariamente contemplar áreas de conteúdo
Art. 1 o  A formação em nível superior de metodológico, adequado à faixa etária dos alu-
professores para atuar na educação básica, nos da educação infantil e dos anos iniciais do
observado o disposto nos arts. 61 a 63 da Lei ensino fundamental, incluindo metodologias
no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, far-se-á de alfabetização e áreas de conteúdo disciplinar,
conforme o disposto neste Decreto. qualquer que tenha sido a formação prévia do
aluno no ensino médio.
Art. 2o  Os cursos de formação de professores § 4o  A formação de professores para a atu-
para a educação básica serão organizados de ação em campos específicos do conhecimento
modo a atender aos seguintes requisitos: far-se-á em cursos de licenciatura, podendo
I – compatibilidade com a etapa da educação os habilitados atuar, no ensino da sua especia-
básica em que atuarão os graduados; lidade, em qualquer etapa da educação básica.
II – possibilidade de complementação de
estudos, de modo a permitir aos graduados Art. 4o  Os cursos referidos no artigo anterior
a atuação em outra etapa da educação básica; poderão ser ministrados:
III – formação básica comum, com concep- I – por institutos superiores de educação, que
ção curricular integrada, de modo a assegurar deverão constituir-se em unidades acadêmicas
as especificidades do trabalho do professor na específicas;
formação para atuação multidisciplinar e em II – por universidades, centros universitários
campos específicos do conhecimento; e outras instituições de ensino superior para
IV – articulação entre os cursos de formação tanto legalmente credenciadas.
inicial e os diferentes programas e processos de § 1o  Os institutos superiores de educação
formação continuada. poderão ser organizados diretamente ou por
transformação de outras instituições de ensino
Art. 3o  A organização curricular dos cursos superior ou de unidades das universidades e dos
deverá permitir ao graduando opções que fa- centros universitários.
voreçam a escolha da etapa da educação básica § 2o  Qualquer que seja a vinculação insti-
para a qual se habilitará e a complementação de tucional, os cursos de formação de professores
estudos que viabilize sua habilitação para outra para a educação básica deverão assegurar
etapa da educação básica.1 estreita articulação com os sistemas de ensino,
§ 1o  A formação de professores deve incluir essencial para a associação teoria-prática no
O professor

as habilitações para a atuação multidisciplinar e processo de formação.


em campos específicos do conhecimento.
Art. 5o  O Conselho Nacional de Educação,
1
  Decreto n  3.554/2000.
o
mediante proposta do Ministro de Estado da 187
Educação, definirá as diretrizes curriculares VI – gerenciamento do próprio desenvolvi-
nacionais para a formação de professores da mento profissional.
educação básica. § 2o  As diretrizes curriculares nacionais
§ 1o  As diretrizes curriculares nacionais para formação de professores devem assegurar
observarão, além do disposto nos artigos an- formação básica comum, distribuída ao longo
teriores, as seguintes competências a serem do curso, atendidas as diretrizes curriculares
desenvolvidas pelos professores que atuarão nacionais definidas para a educação básica e
na educação básica: tendo como referência os parâmetros curricu-
I – comprometimento com os valores estéti- lares nacionais, sem prejuízo de adaptações às
cos, políticos e éticos inspiradores da sociedade peculiaridades regionais, estabelecidas pelos
democrática; sistemas de ensino.
II – compreensão do papel social da escola;
III – domínio dos conteúdos a serem so- Art. 6o  Este Decreto entra em vigor na data
cializados, de seus significados em diferentes de sua publicação.
contextos e de sua articulação interdisciplinar;
IV – domínio do conhecimento pedagógico, Brasília, 6 de dezembro de 1999; 178o da Inde-
incluindo as novas linguagens e tecnologias, pendência e 111o da República.
considerando os âmbitos do ensino e da gestão,
de forma a promover a efetiva aprendizagem FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
dos alunos; Renato Souza
V – conhecimento de processos de investi-
gação que possibilitem o aperfeiçoamento da Decretado em 6/12/1999, publicado no DOU de
prática pedagógica; 7/12/1999 e retificado no DOU de 8/12/1999.
Educação básica

188
As instituições
Lei no 11.988/2009
Cria a Semana de Educação para a Vida, nas escolas públicas de ensino fundamental e médio de
todo o País, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Art. 4o  As matérias, durante a Semana de Edu-


cação para a Vida, poderão ser ministradas sob
Faço saber que o Congresso Nacional decreta a forma de seminários, palestras, exposições-
e eu sanciono a seguinte Lei: visita, projeções de slides, filmes ou qualquer
outra forma não convencional.
Art. 1o  Todas as escolas de ensino fundamen- Parágrafo único.  Os convidados pelas Secre-
tal e médio da rede pública no País realizarão, tarias Estaduais de Educação para ministrar as
em período a ser determinado pelas Secretarias matérias da Semana de Educação para a Vida
Estaduais de Educação, a atividade denominada deverão possuir comprovado nível de conhe-
Semana de Educação para a Vida. cimento sobre os assuntos a serem abordados.

Art. 2o  A atividade escolar aludida no art. 1o Art. 5o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
desta Lei terá duração de 1 (uma) semana e publicação.
objetivará ministrar conhecimentos relativos
a matérias não constantes do currículo obri- Brasília, 27 de julho de 2009; 188o da Indepen-
gatório, tais como: ecologia e meio ambiente, dência e 121o da República.
educação para o trânsito, sexualidade, preven-
ção contra doenças transmissíveis, direito do LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Fernando
consumidor, Estatuto da Criança e do Ado- Haddad
lescente, etc.
Promulgada em 27/7/2009 e publicada no DOU de
Art. 3o  A Semana de Educação para a Vida 28/7/2009.
fará parte, anualmente, do Calendário Escolar
e deverá ser aberta para a participação dos pais
de alunos e da comunidade em geral.
Educação básica

190
Lei no 9.536/1997
Regulamenta o parágrafo único do art. 49 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Parágrafo único.  A regra do caput não se


aplica quando o interessado na transferência se
Faço saber que o Congresso Nacional decreta deslocar para assumir cargo efetivo em razão
e eu sanciono a seguinte Lei: de concurso público, cargo comissionado ou
função de confiança.
Art. 1o  A transferência ex officio a que se refere
o parágrafo único do art. 49 da Lei no 9.394, de Art. 2o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
20 de dezembro de 1996, será efetivada, entre publicação.
instituições vinculadas a qualquer sistema de
ensino, em qualquer época do ano e indepen- Brasília, 11 de dezembro de 1997; 176o da In-
dente da existência de vaga, quando se tratar dependência e 109o da República.
de servidor público federal civil ou militar
estudante, ou seu dependente estudante, se FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Paulo
requerida em razão de comprovada remoção ou Renato Souza – Luiz Carlos Bresser Pereira
transferência de ofício, que acarrete mudança
de domicílio para o município onde se situe a Promulgada em 11/12/1997 e publicada no DOU
instituição recebedora, ou para localidade mais de 12/12/1997.
próxima desta.

As instituições

191
Lei no 5.700/1971
Dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, de ensino, públicos ou particulares, do primeiro


e segundo graus.2
Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL Parágrafo único.  Nos estabelecimentos
decreta e eu sanciono a seguinte Lei: públicos e privados de ensino fundamental, é
obrigatória a execução do Hino Nacional uma
vez por semana.
CAPÍTULO I – Disposição Preliminar �������������������������������������������������������������������������������

Art. 1o  São Símbolos Nacionais:1 Brasília, 1o de setembro de 1971; 150o da Inde-


I – a Bandeira Nacional; pendência e 83o da República.
II – o Hino Nacional.
III – as Armas Nacionais; e EMÍLIO G. MÉDICI – Alfredo Buzaid –
IV – o Selo Nacional. Adalberto de Barros Nunes – Orlando Geisel –
������������������������������������������������������������������������������� Mário Gibson Barboza – Antonio Delfim Netto
– Mário David Andreazza – L. F. Cirne Lima
CAPÍTULO VII – Disposições Gerais – Jarbas G. Passarinho – Júlio Barata – Mário
������������������������������������������������������������������������������� de Souza e Mello – F. Rocha Lagôa – Marcus
Vinícius Pratini de Moraes – Antônio Dias Leite
Art. 39.  É obrigatório o ensino do desenho Júnior – João Paulo dos Reis Velloso – José Costa
e do significado da Bandeira Nacional, bem Cavalcanti – Hygino C. Corsetti
como do canto e da interpretação da letra do
Hino Nacional em todos os estabelecimentos Promulgada em 1o/9/1971 e publicada no DOU de
2/9/1971 – Edição extra.
Educação básica

192 1
  Lei no 8.421/1992. 2
  Lei no 12.031/2009.
Atos internacionais
Protocolo de Cooperação entre o
Governo da República Federativa do
Brasil e a Comunidade dos Países de
Língua Portuguesa

Protocolo de Cooperação entre o Governo da Considerando que os Governos da República


República Federativa do Brasil e a Comunidade de Angola, da República Federativa do Brasil,
dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para a da República de Cabo Verde, da República de
implementação do projeto “educação ambiental Guine Bissau, da República de Moçambique,
na CPLP no marco da década da educação para da República Portuguesa, da República Demo-
o desenvolvimento sustentável” crática de São Tomé e Príncipe e da República
Democrática de Timor Leste manifestaram seu
O Governo da República Federativa do Brasil e interesse na realização de Projeto na área de
fortalecimento de mecanismos de promoção
A Comunidade dos Países de Língua Portugue- da formação de quadros de nível superior, bem
sa (doravante denominados as “Partes”), como considerando que o Governo da Repúbli-
ca Federativa do Brasil (doravante denominado
Tendo em vista a Declaração Constitutiva da “Governo”) manifestou sua disposição em
Comunidade dos Países de Língua Portuguesa viabilizar a sua implementação;
(CPLP), por ocasião da Conferência dos Chefes
de Estado e de Governo de Angola, Brasil, Cabo Considerando que a CPLP aprovou o financi-
Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e amento da implementação do Projeto RIPES
São Tomé e Príncipe, realizada em Lisboa, no – Rede de Instituições Públicas de Educação
dia 17 de julho de 1996; Superior (doravante denominado “o Projeto”)
até o valor de € 2.280.000,00 de Euros (Dois
Considerando que as relações de cooperação Milhões Duzentos e Oitenta Mil Euros).
técnica têm sido fortalecidas e amparadas pelo
Acordo de Cooperação no âmbito da CPLP, as- Considerando que o Artigo 9o do Regimento
sinado em Praia, Cabo Verde em 17 de julho de do Fundo Especial da CPLP dispõe que os
1998, pelos Governos da República de Angola, projetos aprovados para obtenção de apoio
da República Federativa do Brasil, da República financeiro por parte do Fundo serão objeto de
de Cabo Verde, da República de Guiné-Bissau, Protocolos a serem celebrados entre o Fundo
da República de Moçambique, da República Especial da CPLP e os representantes das enti-
Portuguesa e da República Democrática de São dades executoras,
Tomé e Príncipe;
Acordam o seguinte:
Considerando que o artigo 17, no 2, dos Esta-
Educação básica

tutos da CPLP instituiu um Fundo Especial, ARTIGO I – Definição do Projeto


constituído por contribuições voluntárias pú-
blicas ou privadas, dedicado exclusivamente ao O Documento de Projeto intitulado RIPES –
apoio financeiro das ações concretas levadas a Rede de Instituições Públicas de Educação para
cabo no quadro da CPLP; a Cooperação na CPLP, anexado a este instru-
194 mento como anexo 1, (doravante denominado
“Documento de Projeto”) determina o escopo o orçamento aprovado e alcançar os objetivos
e os detalhes do Projeto, sujeito a eventuais propostos.
ajustes que possam vir a ser acordados entre as
Partes, em conformidade com suas respectivas ARTIGO IV – Financiamento do Projeto
legislações internas.
1. As contribuições da Entidade Executora e
ARTIGO II – Instituições Executoras e da CPLP serão feitas como estabelecido no
Coordenadoras Documento do Projeto, em conformidade com
as respectivas legislações internas das Partes.
1. O Secretariado Executivo da CPLP será o
responsável pela execução dos serviços admi- 2. A CPLP, por meio de seu Fundo Especial,
nistrativos e financeiros e observara as regras e contribuirá com até € 2.280.000,00 de Euros
os procedimentos da CPLP para essa finalidade. (Dois Milhões Trezentos e Oitenta Mil Euros)
para a implementação do Projeto.
2. O Governo da República Federativa do Brasil
designa: 3. A CPLP realizará os pagamentos referentes
a sua contribuição mediante Autorização de
a)  O Ministério das Relações Exteriores, p