Você está na página 1de 7

Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana

n. 4 (2016) pp. 32-38


http://www.fsma.edu.br/RESA

Construção do Equipamento de Reynolds de


Baixo Custo para Aplicação Didática
Lívia M. R Gaspar1; Michel H. Braga1; Mariana R. Barreto1; Emily A. Conceição1; Priscila M. Barros1

1 Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora, Macaé, RJ, Brasil.

Resumo – O equipamento de Reynolds é uma ferramenta didática ano, com intuito de construir um equipamento importante
utilizada nos cursos de engenharia, o qual possibilita visualizar os para o ensino de graduação de disciplinas de química,
diferentes tipos de comportamentos de fluidos (regime laminar, utilizando materiais de baixo custo.
transitório e turbulento) através de injeção de um filete de corante
no centro de um tubo transparente. Este trabalho teve como No desenvolvimento de saberes conceituais,
objetivo projetar e confeccionar o aparato experimental com procedimentais e atitudinais, as atividades experimentais são
materiais de baixo custo, cujo valor final representou 2,185% do de extrema importância e indispensáveis, pois contribuem
valor commercial. para a compreensão de conceitos teóricos [2]. A
experimentação no ambiente educacional pode ter inúmeras
Palavras-chave: Experimento de Reynolds, engenharia, fluido, funções como a de ilustrar um princípio, desenvolver
bancada didática. atividades práticas, testar/validar hipóteses e incentivar
procedimentos investigativos [3].
Construction of a Low Cost Reynolds Equipment for É importante promover ao discente a visualização, a
Teaching Purposes compreensão, o estudo e a análise que farão parte da sua vida
profissional. Isto é especialmente válido em disciplinas como
Abstract - Reynolds equipment is an educational tool used in
engineering courses which allows us to visualize the different fenômeno de transporte, processos químicos e operações
types of fluid behavior (laminar, transitory and turbulent) by unitárias.
injection of a dye at the center of a transparent tube. This study
aimed to design and build an experimental apparatus with low Espera-se que a maior vivência experimental do aluno
cost materials, whose final cost represented 2.185% of the durante a graduação, muito mais do que sedimentar conceitos
commercial value. teóricos aliados à mecânica dos fluidos, permita-lhe adquirir
Key-words: Reynolds experiment, engineering, fluid, didactic uma maturidade profissional, que o auxiliará a resolver
aplication. problemas laborais relacionado ao comportamento dos
fluidos.

I. INTRODUÇÃO A mecânica dos fluidos está presente no cotidiano da


sociedade e o conhecimento sobre essa matéria se faz
O Curso de Graduação em Engenharia Química da necessário para a formação de Engenheiros de diferentes
Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora- Macaé/RJ (FSMA) áreas. Conhecer a ciência que estuda a força e o
busca atender à demanda de formação superior em Macaé-RJ. comportamento dos fluidos (seja líquido ou gás) auxilia o
profissional a suprir diferentes necessidades da sociedade.
Conforme as atribuições do Engenheiro Químico, os Dentre as diferentes aplicações da mecânica dos fluidos,
egressos deverão estar capacitados a assumir inúmeras pode-se citar a análise e projeto de canais de drenagem e
funções em diferentes níveis dentro das organizações na área irrigação, análise do transporte de sedimentos, problemas
da engenharia. Na área química, em particular, também envolvendo bombeamento, trocadores de calor, projeto de
poderá desenvolver o projeto, a operação e o controle dos reatores químicos, dentro outros [4].
processos fabris de produção, de forma integrada e sob as
óticas da otimização energética, da minimização da geração Para entender melhor o comportamento dos fluidos,
de resíduos, da sustentabilidade ambiental e da análise de utiliza-se para fins didáticos o experimento de Reynolds. O
viabilidade econômica [1]. engenheiro britânico Osborne Reynolds verificou a existência
dos regimes de escoamento laminar, transitório e turbulento
Em busca desta vertente de atuação, um projeto de pela injeção de um fluido tingido no interior de um tubo de
Iniciação Cientifica foi desenvolvido, com duração de um vidro. O fluido injetado deve possuir características químicas

32
GASPAR, L. M. R.; BRAGA, M. H.; BARRETO, M. R.; CONCEIÇÃO, E. A.; BARROS, P. M./ Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n.4 (2017) pp. 32-38

e físicas similares (densidade e viscosidade) ao fluido


utilizado no equipamento para que os diferentes regimes de Q= vazão volumétrica;
escoamento possam ser observados. Após experimentos na
década de 1880 usando este aparato, ele definiu o número de D= diâmetro interno do tubo.
Reynolds para escoamento interno em tubo circular, um valor A vazão volumétrica pode ser encontrada através da
adimensional de extrema importância para a área da fórmula geral:
engenharia [5;4]. A importância é tamanha que estes
trabalhos ficaram conhecidos como Experimentos de
Reynolds e o aparato utilizado passou a ser amplamente
difundido.
Onde:
Diante desse contexto, este trabalho teve como objetivo
V= volume (neste caso da proveta);
apresentar a montagem do aparato experimental didático
“Experimento de Reynolds” para aplicação em aulas práticas t= tempo
nos cursos de Engenharia, utilizando materiais de baixo custo
e do cotidiano, e por fim, comparar o valor gasto para a Nas equações acima, Vmédia representa a velocidade média
confecção com o valor de mercado. de escoamento; D é o diâmetro interno do tubo e ρ e µ são as
propriedades do fluido, massa específica e viscosidade
O artigo está organizado da seguinte maneira. A Seção dinâmica.
II...
No primeiro caso diz-se que o regime de escoamento é
laminar, caracterizado por linhas suaves de corrente e
II. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA movimento altamente ordenado, e é turbulento no segundo
caso, caracterizado pelas flutuações de velocidade e pelo
É muito importante para estudantes de engenharia ter uma movimento altamente desordenado [5].
compreensão profunda dos tipos de escoamentos em tubos,
A existência desses regimes de escoamento foi verificada
pois grande parte dos fluidos com aplicação é observada nos
pelo engenheiro britânico Osborne Reynolds. Pela injeção de
ambientes residenciais e industriais são transportados por
um filete de corante no escoamento de um fluido através de
tubulação.
um tubo de vidro. Ele verificou a existência dos regimes de
Uma inspeção cuidadosa de escoamentos em tubos revela escoamento laminar, de transição e turbulento. Foi observado
que o escoamento de forma "organizada" do fluido é que o filete de tinta formava uma linha reta e suave a baixas
observado a baixas velocidades, mas torna-se caótico à velocidades, caracterizando o escoamento como laminar. O
medida que a velocidade sobe acima de um valor crítico, ou escoamento de transição foi caracterizado por rajadas de
seja, o movimento das partículas do fluido se torna caóticas flutuações e a presença de turbidez rápida e aleatória quando
devido ao aumento das forças inerciais sobre as forças o escoamento torna-se totalmente turbulento [5].
viscosas quando há um aumento da velocidade (Equação 1).
Após uma série de experimentos, Osborne Reynolds
descobriu que o regime de escoamento depende
principalmente da relação entre as forças inerciais e forças
viscosas do fluido, sendo representada pelo número de
Reynolds adimensional que caracteriza o escoamento interno
em um tubo circular, representado pela equação 1, acima.
Nesta equação, Vmédia representa a velocidade média de Segundo Çengel e Cimbala (2006), através das
escoamento; D é o diâmetro interno do tubo e ρ e µ são as experiências realizadas por Reynolds (1883), este
propriedades do fluido, massa específica e viscosidade estabeleceu que:
dinâmica.
• Escoamento Laminar: Re ≤ 2300;
Como visto na fórmula (equação) do número de Reynolds,
é necessária a velocidade de escoamento para o seu cálculo. • Escoamento de Transição: 2300 < Re < 4000;
Logo a velocidade pode ser dada através da seguinte equação:
• Escoamento Turbulento: Re ≥ 4000

A compreensão destes conceitos fica extremamente


facilitada quando associada à prática experimental. Essa
prática engloba conhecimentos relativos à mecânica dos
fluidos, e tem como objetivo a determinação dos regimes de
Onde:
escoamento (laminar, transição e turbulento) através da
V= velocidade de escoamento; visualização desses regimes e comparação com os valores

33
GASPAR, L. M. R.; BRAGA, M. H.; BARRETO, M. R.; CONCEIÇÃO, E. A.; BARROS, P. M./ Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n.4 (2017) pp. 32-38

obtidos pela determinação do número de Reynolds. O aparato 6° etapa: na saída do funil de decantação conectou-se o
foi confeccionado utilizando materiais e acessórios de baixo equipo e em seguida uniu-se a outra extremidade da
custo [5;4]. mangueira do equipo ao capilar (Figura 1 );

Na próxima seção mostraremos como desenvolver o 7° etapa: posicionou-se o capilar no suporte (descrito na
aparato de baixo custo que permita replicar este experimento segunda etapa) (Figura 1).
e facilitar a transmissão destes conceitos.
Materiais Quantidade
III. METODOLOGIA 1. Tudo de vidro (diâmetro interno-19 mm) 1m
2. Tubo de PVC 32 mm 50 cm
As etapas de confecção do equipamento começaram com 3. Capilar (pipeta de 1 mL) 1 unidade
o levantamento bibliográfico, posteriormente iniciou-se o 4. Curva de 32 mm 1 unidade
projeto e a montagem do aparato experimental. 5. Parafuso Pitão 2 unidades
6. Reservatório de água 1 unidade
O projeto desenvolvido levou à produção do aparato,
7. Reservatório de Corante 1 unidade
conforme mostrado a seguir.
8. Registro ¾” 1 unidade
9. Proveta de 1 L 1 unidade
III. MATERIAIS E MÉTODOS 10. Suporte Universal 1 unidade
11. Mangueira transparente 50 cm
Na tabela 1 estão apresentados os materiais utilizados 12. Equipo (mangueira de soro) 1 unidade
para a construção do aparato experimental. 13. Silicone 1 unidade
14. Veda rosca 1 unidade
O equipamento, de modo geral, consiste em um tubo
15. Braçadeira 1 unidade
transparente, no qual a água escoa, partindo de um
reservatório (Figura 4) onde se encontra em repouso. Um 16. União 1 unidade
filete de corante (Figura 1) é injetado na corrente de água, 17. Adaptador 1 unidade
permitindo a visualização do escoamento através do 18. Flange 32mm 1 unidade
comportamento deste filete. Para ajustar a vazão da água,
utiliza-se o controle manual do registro da vazão (Figura 2), o Tabela 1: Materiais utilizados para construção do aparato
fluxo médio de fluido é calculado em função do tempo de experimental
enchimento de um reservatório (proveta). Uma visão geral do
IV. Resultados e Discussões
aparato experimental pode ser visualizada na Figura 4.

O equipamento construído funcionou adequadamente de


acordo com o objetivo proposto, sendo considerado muito
Etapas de confecção do equipamento
viável na questão econômica.
No primeiro instante listamos os materiais necessários, em
Com relação aos custos, o valor gasto ficou muito abaixo
seguida pensamos quais equipamentos poderiam ser
do valor cotado para a compra desses equipamentos no
substituídos por materiais de baixo custo.
mercado. A Tabela 2 apresenta os custos obtidos na
1° etapa: com o reservatório de água em mãos e o tubo de construção do equipamento e a Tabela 3 a cotação feita com
vidro, calculou-se o melhor tamanho do flange usado garantir três empresas1 no mercado que fornecem esse mesmo
a conexão do tubo de vidro com o reservatório de água, equipamento didático.
chegando-se ao valor ...; Material Custo unitário (R$)
2° etapa: fixaram-se dois parafusos pitão, nas Pipeta 3,00
extremidade de um tubo de PVC 32mm com 20 cm (Figura Parafuso Pitão 0,30
3); Tubo de vidro 140,00
Mangueira Transparente 3,60
3° etapa: conectou-se o reservatório com o tubo de vidro
Registro ¾” 26,00
usando o tubo de PVC 32mm com 20cm de comprimento
Suporte Universal 40,00
(descrito na etapa anterior) (Figura 4 – Círculo 1);
Equipo (mangueira de soro) 4,20
4° etapa: um outro pedaço de 20 cm do tubo de PVC Reservatório de Corante 80,00
32mm ligou o tubo de vidro com à curva conectada ao Tubo de PVC 32mm 6,95
registro (Figura 2 e 4 – Círculo 2). Proveta 1L 44,90
5° etapa: o funil de decantação foi fixado em um suporte
universal (Figura 1);
1
Não será informado o nome das empresas, sendo assim, serão
representadas pelas letras A, B e C.

34
GASPAR, L. M. R.; BRAGA, M. H.; BARRETO, M. R.; CONCEIÇÃO, E. A.; BARROS, P. M./ Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n.4 (2017) pp. 32-38

Silicone 14,90 [5] ÇENGEL, Y.A; CIMBALA, J. M. Mecânica dos Fluidos.


Veda rosca 4,20 Fundamentos e Aplicações. Editora McGraw-Hill, 6ª Ed. 2006.

Reservatório de Água 35,00


Curva de 32mm 2,90
Braçadeira 2,00
União 4,50
Adaptador 1,00
Flange 32mm 9,00
Custo total 422,45

Tabela 2: Custo dos materiais usados na construção do


aparato
Empresa Preço de Mercado (R$)
A 23.000,00
B 18.000,00
C 17.000,00

Tabela 3: Preço do equipamento de Reynolds para compra

O equipamento construído apresentou um custo total


muito menor que os das empresas cotadas e o funcionamento
atendeu o objetivo proposto, como os obtidos por Osborne
Reynolds, em 1883. Fazendo uma média das três cotações
(Tabela 3), fica evidente que o custo para confeccionar o
equipamento é de 2,185% do preço de venda.

Durante os ensaios de teste do experimento foi possível


observar os diferentes comportamentos do corante no interior
do tubo à medida que o fluido escoava no duto circular em
diferentes velocidades (Figuras 5, 6 e 7).

IV. CONCLUSÃO

Nota-se que o aparato experimental é funcional e em


todas as fases de utilização, manteve sua qualidade didática,
atendendo às necessidades pedagógicas tal como projetado e
por um curso extremamente viável.

Nota-se, também, que o custo do equipamento foi


consideravelmente inferior ao mesmo tipo de equipamento
comercializado no mercado.

REFERÊNCIAS
[1] FACULDADE SALESIANA MARIA AUXILIADORA. Projeto
pedagógico de Curso - Engenharia Química. 2013.
[2] GUIMARÃES, C. C. Experimentação no ensino de química:
caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa.
Química Nova na Escola, 31 (3), 198-202, 2009.
[3] IZQUIERDO, M; SANMARTÍ, N; ESPINET, M. Fundamentación y
diseño de las prácticas escolares de ciencias experimentales.
Enseñanza de las Ciencias, 17 (1), 45-60, 1999.
[4] FOX, R. W; MACDONALD, A. T; PRITCHARD, P. J. Introdução à
Mecânica dos Fluidos. Editora LTC, 6ª Ed. 2006.

35
Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana
n. 4 (2016) pp. 32-38
http://www.fsma.edu.br/RESA

Figura 1: Reservatório de corante

Figura 2: Registro de controle de vazão

36
GASPAR, L. M. R.; BRAGA, M. H.; BARRETO, M. R.; CONCEIÇÃO, E. A.; BARROS, P. M./ Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n.4 (2017) pp. 32-38

Figura 3: Suporte para o capilar

Figura 4: Visão lateral do equipamento de Reynolds

Figura 5 – Escoamento Laminar

37
GASPAR, L. M. R.; BRAGA, M. H.; BARRETO, M. R.; CONCEIÇÃO, E. A.; BARROS, P. M./ Revista de Engenharias da Faculdade Salesiana n.4 (2017) pp. 32-38

Figura 6 – Escoamento Transitório

Figura 7 – Escoamento Turbulento

38