Você está na página 1de 4

Artigo

Partilhar477
Exercício profissional

Como fazer o gerenciamento de obras


Por Juliana Nakamura
Edição 245 - Agosto/2014

O gerenciamento de obras no Brasil é uma atribuição de arquitetos e engenheiros


civis, regulamentada pela Lei 5.194, de 1966. Porém, na maioria das vezes, essa
tarefa é preterida por arquitetos e abraçada pelos engenheiros. O distanciamento
dos arquitetos do canteiro começa ainda na graduação, que costuma oferecer
pouco conteúdo sobre administração de obras. A ideia preconcebida de que
engenheiros são mais capazes de lidar com a mão de obra e com cronogramas e
planilhas de orçamento também contribui para que esse trabalho não seja melhor
explorado pelos arquitetos.

Mas há uma série de vantagens associadas à realização do gerenciamento pelos


arquitetos, especialmente quando de trata da construção de seus próprios projetos.
"Assumir a gestão da obra é uma garantia de que a execução seguirá o projeto à
risca, o que beneficia não apenas o autor, mas também seu contratante", defende
o arquiteto Fábio Rocha, que realiza o gerenciamento de obras corporativas e
industriais.
GESTÃO TOTAL E PARCIAL
É papel do gestor da obra garantir que a construção seja realizada dentro do prazo
estipulado, com respeito aos custos previstos e aos padrões de qualidade e
desempenho desejados pelo cliente. "Quando essa gestão não ocorre como devido,
as perdas financeiras e emocionais são inevitáveis, comprometendo a qualidade do
produto final", comenta a professora da FAU da Universidade Positivo, no Paraná,
Fernanda Bertoli Stival.

Gerenciar uma obra significa administrar, simultaneamente, o cumprimento do


cronograma e a previsão financeira, gerindo profissionais que têm formações e
práticas diversas. Quem assume essa função deve dominar custos, contratos,
prazos, ser organizado e um bom gestor de pessoas.

Há várias escalas de gestão de uma obra. O modelo mais adequado deve ser
definido previamente com o contratante e acordado contratualmente. De modo
geral, há o gerenciamento total, que inclui a contratação de materiais, serviços e
mão de obra: é o famoso turn key, no qual todos os serviços ficam centralizados
em um único escritório.

Há também a gestão parcial, na qual alguns itens são gerenciados pelo arquiteto,
enquanto outros (como a compra de insumos) ficam sob responsabilidade do
cliente.

Independentemente do modelo adotado, fazem parte do escopo do


gerenciamento:
- a elaboração do planejamento físico-financeiro da obra;
- a programação de aquisição de materiais e contratação de serviços, incluindo
cronograma de suprimentos;
- o planejamento operacional e logístico da obra, incluindo o planejamento do
canteiro;
- o controle e o acompanhamento das atividades executadas (gestão de mão de
obra e de segurança);
- a retroalimentação do planejamento físico-financeiro.

CRONOGRAMA SINCRONIZADO
Um grande desafio no gerenciamento de obra é a compatibilização dos prazos
definidos pelo contratante com os de fornecedores e prestadores de serviços. "De
um lado, somos pressionados por clientes que querem as obras concluídas em
períodos cada vez mais exíguos. Do outro, temos prestadores de serviços que nem
sempre se comprometem com os prazos", critica Fábio.
Diante de fornecedores que não são capazes de atender no prazo necessário, a
solução é substituí-los. A mesma decisão deve ser tomada com a mão de obra que
não atinge os resultados esperados. "Com o passar do tempo, o gerenciador
consegue ter uma lista de pessoas e empresas parceiras com as quais pode contar
em situações críticas", diz Fábio.

O sucesso na gestão de obras passa por um planejamento que garanta o


sincronismo das equipes que atuam na execução. "O cronograma físico-financeiro
deve ser realista, produzido com total compreensão do projeto, das etapas, dos
processos construtivos e dos recursos do cliente, formando um conjunto
indissociável", explica Enio Moro Júnior, coordenador do curso de arquitetura e
urbanismo do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo.

Na hora de preparar esse planejamento, é preciso dar atenção especial a tudo que
pode impactar significativamente no cronograma, o que inclui desde feriados e
férias de profissionais até o tempo necessário para a validação de tomadas de
decisão junto ao cliente. O planejamento deve, ainda, considerar todos os riscos
existentes, como atrasos, falta de material, chuvas etc.

COMPATIBILIZAÇÃO CRÍTICA
Além do planejamento consistente, uma necessidade ao bom gerenciamento são
projetos detalhados e bem compatibilizados. Uma falha comum, que traz impactos
diretos na administração do canteiro, é a falta ou deficiência do estudo de logística.

A arquiteta Renata Marques, que realiza gestão de projetos e obras, cita um


exemplo do que pode acontecer quando não há planejamento adequado: "Imagine
que o projeto preveja uma escada pré-moldada que necessite de uma grua para
sua instalação. Se o canteiro, por alguma restrição qualquer, não permitir a
instalação desse equipamento, como resolver o problema sem provocar atrasos,
aumento dos custos ou alteração do projeto?", questiona. Esse tipo de imbróglio
pode ser evitado com a compatibilização de projetos e com o estudo minucioso do
projeto pelo gerenciador antes de iniciar a construção.

A gestão das equipes e das interfaces entre as diferentes atividades que compõem
a obra também costuma ser especialmente desafiadora. Nesse ponto, é importante
que o gestor conquiste a confiança e o respeito das pessoas envolvidas. "O
profissional precisa dispor de sólidos conhecimentos técnicos e administrativos. Do
contrário, não terá a liderança necessária muito menos o apoio das equipes para
fazer o seu trabalho", alerta Renata.
PERFIL E APTIDÃO
Para desempenhar bem sua função e obter os resultados almejados, o profissional
dedicado à gestão de obras deve dispor de algumas habilidades específicas. "Um
ponto primordial é ter boa compreensão e leitura do projeto arquitetônico e dos
projetos de engenharia, bem como conhecimento dos processos construtivos que
envolvem uma obra, em todas as suas etapas", destaca Fernanda.

Também é fundamental que o gerenciador tenha conhecimentos administrativos,


de legislações e de normas técnicas.

"Aptidão para comunicação e visão total do processo são outras qualidades


importantes em um gestor", acrescenta a arquiteta da Informov Engenharia +
Arquitetura, Andrea Ballesteros. Enio cita a organização para distribuir e
acompanhar os processos, flexibilidade para adaptar-se aos imprevistos, e
capacidade para resolver problemas de modo ágil e eficaz.

O arquiteto Fábio Rocha conta um episódio que ilustra a importância de ter jogo de
cintura. "Fomos contratados por uma empresa para projetar e gerenciar uma obra
de 1 mil m². Quando estávamos com todos os projetos prontos, a empresa
descobriu que não havia se preparado financeiramente para a obra. A solução foi
apoiá-los oferecendo consultoria sobre as linhas de crédito existentes no mercado,
bem como negociando os pagamentos somente ao final da obra com os
fornecedores que já conhecíamos. No final, deu tudo certo. O cliente conseguiu a
sua obra e nós conquistamos o cliente", conta o arquiteto.

FORMAÇÃO
Para quem pensa em atuar como gestor de obras, buscar uma formação
complementar específica é imprescindível. Isso pode ser conseguido em cursos de
extensão ou mesmo de pós-graduação e MBA. "Para quem está começando, uma
dica é iniciar por obras pequenas com equipes reduzidas e crescer
proporcionalmente à sua experiência", sugere Fábio, que destaca também focar em
um único nicho de mercado para ter mais sucesso.

Outra sugestão é adquirir bagagem atuando dentro de canteiros. "Para quem está
em início de carreira, isso pode ser conseguido estagiando em grandes
construtoras", comenta Renata Marques, que começou dessa maneira.