Você está na página 1de 6

O perispírito é um envoltório semi-material que envolve

o espírito. O espírito é imaterial, ou seja, não possui


matéria nem forma. Já o corpo físico é exclusivamente
matéria, que podemos tocar. Nesta comparação, o
perispírito é um meio-termo, também chamado “corpo-
espiritual”.

O períspirito é ligado molécula a molécula ao nosso


corpo e vai imprimir no corpo as condições do nosso
espírito. Desde a concepção orgânica do nosso corpo,
nas divisões celulares, o períspirito vai agir como matriz,
como molde para o corpo que está em formação.
Atuando junto com a carga genética, o períspirito vai

trazer a nossa carga espiritual.

O perispírito é o demarcador da individualidade,


retratando o nosso Espírito e identifica a nossa posição
evolutiva do princípio espiritual. É a superfície onde se
refletem as conquistas e as deficiências do Ser. As
experiências e desacertos que tomamos gravam-se em
nosso Espírito e passam a refletir-se em nosso corpo

espiritual (perispírito). É nele que se estruturam as


matrizes das enfermidades cármicas.

Interessante que após o desencarne, o indivíduo passa a


exibir, no mundo Espiritual a aparência fisionômica da
última existência, porém dependendo do grau de
progresso do ser, o Espírito pode tomar a forma que
desejar.

Alguns exemplos

Vamos supor que um indivíduo abusa do vício do fumo a


tal ponto de conquistar uma doença grave em seu corpo,
o que ocasiona seu falecimento. Seu corpo não estava
pré-disposto a morrer daquele jeito, foi seu
comportamento que ocasionou sua morte. Neste caso, o

aparelho físico foi danificado a tal modo que o corpo


faleceu, como foi um ato voluntário de desrespeito e
transgressão ao que é Divino e Natural, também seu
períspirito é danificado. Após o desencarne, este espírito

então parte para a erraticidade, deixando na Terra seu


corpo físico para decomposição. Porém seu períspirito
permanece com ele, pois é sua herança. Este períspirito
possui uma degradação na região dos pulmões por causa
dos excessos do fumo. Quando este espírito tiver nova

oportunidade de reencarnação, quando seu novo corpo


físico vai ser formado através da concepção e quando as
células e sistema respiratório estiver em formação, será o
períspirito que comandará esta formação. Como ele está
danificado, o que resultará desta matriz/deste molde será

um aparelho respiratório com deficiências. Podemos


pensar que será um indivíduo com propensão a doenças
respiratórias de toda ordem, sofrerá desde cedo com esta
fragilidade e carregará ela até que seu reajuste seja feito.

O mesmo podemos pensar nos casos de suicídio. Uma


pessoa que ingere um veneno para acabar com sua vida,
transgride a Lei Natural, ocasiona a morte do corpo físico
e danifica seu períspirito. Em próxima encarnação, trará
problemas congênitos naquela região que sofreu

excessos e transgressões.

Um suicida que se dá um tiro na cabeça, pode


reencarnar com deficiência mental. Vários estudos
concluem que muitos portadores de Síndrome de Down
são antigos suicidas.

Outro exemplo que podemos dar é o seguinte: supomos


que alguém sofra um acidente ao qual não tem culpa
alguma. Não foi provocado por ele nem tampouco ousou
de comportamentos inconsequentes ou arriscados. Neste
acidente, lesionou a perna de tal modo que os médicos
precisaram amputá-la para evitar a morte. O períspirito
deste indivíduo nesta situação não sofre dano, pois não
houve transgressão da sua parte. Em uma próxima
encarnação, este espírito gozará de seu corpo perfeito
novamente.

Curiosidade que neste caso, em um fenômeno de


desdobramento (sonho ou mediúnico) ele estará com as
duas pernas perfeitas. Também encontramos relatos de

amputados que sentem dor, coceira ou sensações nos


membros amputados, justamente porque seu períspirito
está plenamente preservado.

Então já começamos a perceber que não existe uma


escolha Divina que aponta para alguns nascerem
perfeitos, e outros nascerem com deformidades. Deus é
uma inteligência suprema e não está preocupado com
isto, tudo faz parte das Leis Naturais, Lei de Causa e
Efeito, etc.

Uma deformidade congênita não é punição de Deus nem


azar, mas uma conquista do nosso espírito imortal.

A restauração disto se dá através de provas e expiações,


para que aprendamos a ter cuidados com o nosso corpo

e com nossa conduta, evitando excessos e transgressões.


Precisamos nos conscientizar da nossa responsabilidade

individual. Considerando que o homem vem permitindo


degradar sua matéria pelo uso abusivo dos prazeres da
matéria.

O corpo e a alma são necessários um ao outro. Amai,


pois vossa alma, mas cuidai também do corpo,
instrumento da alma.

Temos nossa tarefa a desempenhar neste planeta e que

esta tarefa pode ter sido elaborada/arquitetada por nós


mesmos, enquanto vivíamos no mundo espiritual, e
nosso corpo físico, hoje é a nossa ferramenta para
cumpri-la.

Se comprometermos nosso corpo físico, corremos o risco


de termos a morte física antes do necessário,

desperdiçando assim anos ou séculos de planejamento


espiritual.