Você está na página 1de 1

Universidade Estadual de Campinas – 17 a 30 de julho de 2006

3
Em temática inédita, livro reúne vivência de especialistas em desenvolvimento neurológico infantil
Foto: Reprodução

Ilustração: Portinari- reprodução


em ritmo bem mais lento até os 1.500
gramas da fase adulta. “Portanto, o
primeiro ano de vida é importantís-
simo. O cérebro do recém-nascido é
relativamente frágil, com conteúdo
aquoso bastante grande. Depois,
conforme vai chegando a 1 e 2 anos,
esse conteúdo aquoso é substituído
SERVIÇO por proteínas, lipoproteínas e ami-
noácidos. Ocorre progressiva dife-
renciação da estrutura e também da
ultra-estrutura: mielininização, ca-
racterísticas da célula nervosa e da
célula de sustentação; o cérebro se
diferencia nas interconexões nervo-
sas e do ponto de vista bioquímico
e enzimático”, esclarece a professora
Maria Valeriana.
Este crescimento no primeiro ano,
entretanto, está sujeito a agressões
que podem comprometer o cérebro,
Neurologia do a exemplo de infecções como menin-
desenvolvimento
da criança
gite e encefalite, traumas, desnutri-
Maria Valeriana Leme ção e doenças metabólicas e genéti-
de Moura-Ribeiro cas. A professora Vanda Gonçalves
Vanda Maria afirma que essas modificações ana-
Gimenes Gonçalves tômicas no cérebro da criança a ter-
Páginas: 486 mo têm repercussão muito visível e
Preço: R$ 139
Toque Editora Revinter passível de medida. “O desenvolvi-
mento neurológico da criança pode
ser medido por meio das escalas de
de arte avaliação. No Brasil são padroniza-
dos o exame neurológico do recém-
A professora Maria Valeriana nascido e o exame do lactente, de-
Leme de Moura-Ribeiro explica senvolvidos pelos professores Le-
que o termo Neurologia surgiu fèvre e Diament, mas a grande maio-
no século XVII, utilizado pelo ria dos instrumentos que comple-
médico irlandês Thomas Willis mentam essa avaliação é de escalas

Como evolui o
na obra em latim “Celebri internacionais, que não foram ade-
Anatome” (1664). Willis iria se quadas ao país. Daí, a necessidade
tornar ministro da igreja de extremo cuidado quando esta
protestante, mas acabou avaliação é feita com instrumentos
deslocado para atuar como padronizados em outros lugares”,
iniciante religioso junto a pondera.

cérebro da criança
feridos da guerra civil na
Inglaterra, quando passou a Experiência – Na opinião de Van-
estudar o que seriam os da, a experiência do profissional é o
primórdios da neurologia. “Mas, mais importante em meio aos diag-
mesmo antes, artistas da nósticos com escalas, exames neuro-
Renascença já olhavam a lógicos e interface com outros exa-
criança com suas minadores da saúde. “Na suspei-
peculiaridades neurológicas, ta de um desvio da normalidade, o
registrando-as em suas LUIZ SUGIMOTO desenvolvimento neurológico da cri- serva que os capítulos de “Neurolo- médico corre o risco de pedir algum
pinturas. Nesse sentido, outro sugimoto@reitoria.unicamp.br ança data da década de 1940, quan- gia do desenvolvimento da criança” exame invasivo, criando expectati-
aspecto a ser valorizado no do o professor Antonio Frederico resultam do afloramento das idéias va na família, quando deveria espe-

C
nosso livro é a somatória de om um único traço de guache Branco Lefèvre iniciou a padroniza- de pesquisadores altamente motiva- rar mais um pouco mais pelo desen-
conhecimentos paralelos em em “Menino” (1950), Porti- ção da avaliação neurológica dos re- dos com o tema. “O livro é compos- volvimento de uma função. Por ou-
termos de arte, ele une arte e nari consegue traduzir toda cém-nascidos na USP, em São Paulo. to, sim, por muitos autores, mas o tro lado, se houver mesmo uma le-
neurodesenvolvimento”, a energia transmitida por uma cri- De lá para cá, muitos médicos e pes- aspecto inédito é que todos realiza- são, não se deve protelar o exame. É
ressalta. ança mental e fisicamente saudável. quisadores iniciaram estudos sobre ram trabalhos de mestrado, douto- quando entra e experiência do exa-
Quase todos os módulos do O desenho que reproduzimos nes- a evolução da criança nascida nor- rado e pós-doutorado em neurolo- minador. Às vezes, uma criança pre-
livro são abertos com uma sa página ilustra a primeira seção do mal, em comparação com recém- gia do desenvolvimento, reunindo cisa ser examinada a cada dia ou
reprodução artística, como na livro “Neurologia do desenvolvi- nascidos apresentando problemas inclusive conhecimentos clínicos”, semana – por exemplo, quando o
seção 2 – “Bases estruturais do mento da criança”, que consegue de baixo peso, prematuridade ou justifica. perímetro craniano começa a cres-
neurodesenvolvimento” –, que abordar num único volume o desen- distúrbios na escolaridade. Em relação a esta peculiaridade, cer acima do esperado – antes da
traz um desenho em pena e tinta volvimento neu- Maria Valeriana vem abraçando o Vanda Gonçalves cita como exem- indicação de uma cirurgia. A hidro-
de Leonardo da Vinci, “Feto no Obra oferece rológico da infân- tema desde 1972, a partir do douto- plo o capítulo do livro escrito pela cefalia tem desdobramentos”, alerta.
útero” (1510-1512).
“Reproduzimos apenas parte de
fundamentos cia à adolescência,
em suas várias e-
rado na USP de Ribeirão Preto, bas-
tante influenciada pelos trabalhos
geneticista Iscia Lopes-Cendes, li-
vre-docente da FCM da Unicamp,
Vanda Gonçalves informa que não
se pode perder o período onde se tem
um grande quadro exposto no amplos e atuais tapas: genética, do Lefèvre e do seguidor deste, pro- que para tratar dos determinantes a maior quantidade de circuitos neu-
Castelo de Windsor, onde Da
Vinci desenha óvulo, feto e
a profissionais embriológica, bio-
lógica, psicológi-
fessor Aron Diament. “Meu grande
interesse está no aspecto neuroa-
genéticos da cognição e do desen-
volvimento cerebral fez uma revisão
rais disponíveis, período que passa
muito do primeiro ou segundo ano
características do útero, da saúde ca, neuromotora, natômico funcional, com filigranas dos trabalhos publicados desde 1850 de vida, dependendo da função. Na
deixando sua marca registrada auditiva, visual e de conhecimentos sobre a estrutura até 2005. “Tivemos o cuidado de reu- área visual, o pico de circuitos neurais
que são as anotações escritas comportamental, entre outras. O li- e a ultra-estrutura cerebral. E, em nir profissionais com experiência e anatômicos vai desde o pré-natal até
em espelho (da direita para a vro foi organizado pelas professoras cima disso, estudando as caracterís- maturidade para uma abordagem o sétimo ou oitavo mês de vida. A
esquerda), a fim de evitar Maria Valeriana Leme de Moura- ticas da avaliação neurológica do que inclui vivência, história e rela- partir daí, a programação genética
falsificações”, observa Maria Ribeiro e Vanda Maria Gimenes Gon- recém-nascido a termo (37 a 40 se- tos antigos e atuais”, assinala. leva à eliminação de neurônios me-
Valeriana. çalves, que também estão entre os manas gestacionais)”, explica. nos adequados e sinapses. “Diminui
A professora, que se comove autores dos 29 artigos do volume, 24 Sobre os recém-nascidos a termo O cérebro – No caso do recém- a quantidade para se ter maior qua-
com “Menino” de Portinari da deles de professores, médicos e pes- já se acumulou um bom conheci- nascido a termo, o peso do cérebro lidade dos circuitos que permane-
seção 1, folheia o livro até a quisadores da Faculdade de Ciências mento no decorrer dos anos. Ultima- no dia do nascimento tem entre 300 cem. Se quisermos perceber o melhor
seção 5 – “Maturação Médicas (FCM) da Unicamp. mente, os especialistas passaram a e 330 gramas, aproximadamente. momento, isso deve ser feito antes de
neurofisiológica do sistema “Tenho segurança de que a temá- priorizar os estudos para avaliação do Com 1 ano, a massa encefálica será oito meses, apesar dessa janela se es-
nervoso central” – para mostrar tica do livro é inédita não só no Brasil desenvolvimento neurológico dos triplicada a 900 gramas, crescendo tender até os 5 ou 11 anos”, finaliza.
“Leda e o cisne” (1508), pintura como na América do Sul. Traz qua- chamados prematuros, mesmo por- Foto: Antoninho Perri
a óleo de Cesare da Sesto, cujo se 30 anos de trabalhos reunidos nu- que eles são cada vez mais numerosos,
detalhe que interessa exige uma ma obra essencialmente brasileira, diante dos avanços da medicina e no-
lente. “As atenções são para um marco inédito na área das neu- tadamente dos cuidados de berçário.
Leda, mas a seus pés vemos rociências”, afirma Maria Valeriana
uma criança rolando, outra de Moura-Ribeiro, professora titu- Privilégio – A professora Vanda
praticamente engatinhando e, lar de Neurologia Infantil do Depar- Gonçalves foi aluna de Maria Vale-
uma terceira, que tem uma tamento de Neurologia da FCM e riana em Ribeirão Preto e teve o pri-
malformação na coluna que o professora associada do Departa- vilégio de trabalhar com Antonio
pintor, um aluno de Da Vinci, mento de Neuropsiquiatria e Psico- Lefèvre na década de 70. “Lefèvre foi
disfarçou como se fosse uma logia Médica da Faculdade de Me- o pioneiro da semiologia neurológi-
asinha de anjo”, descreve. A dicina da USP de Ribeirão Preto. ca da criança brasileira, muito sinto-
última seção – “Neuroimagem e “O livro fornece fundamentos am- nizado com os trabalhos europeus.
desenvolvimento” – é ilustrada plos e atuais para que estudantes e Ele defendeu sua primeira tese da
com a radiografia da mão da profissionais da área saúde – neuro- área em 1949 e ganhou discípulos
esposa de Wilhelm Roentgen, logistas infantis, pediatras, neuna- que atuam em pólos como São Pau-
obtida em 1895 pelo fotógrafo tologistas, psicólogos, terapeutas o- lo, Campinas, Botucatu, Ribeirão
inglês para marcar a virada de cupacionais, fisioterapeutas, fonoau- Preto e em vários outros estados bra-
século com o início da diólogos, assistentes sociais e enfer- sileiros. Apesar dos aprimoramen-
radiologia. Sim: e a professora meiros – compreendam a progressi- tos, os fundamentos de Lefèvre são
Maria Valeriana permitiu-se uma va organização neural em crianças, reconhecidos até hoje e ocupam gran-
“corujice”, compondo com o facilitando assim o diagnóstico e o de parte do livro”, conta Vanda, ela
rosto de seu neto, João Pedro, a tratamento”, acrescenta Vanda Gon- própria criadora de uma linha de pes-
fotomontagem que ilustra a çalves, que é professora livre-docente quisa inserida nos cursos de pós-gra-
capa do livro. de Neurologia Infantil da FCM. duação da Unicamp. As professoras Maria Valeriana Leme de Moura-Ribeiro e Vanda Maria Gimenes
No Brasil, a preocupação com o A professora Maria Valeriana ob- Gonçalves: reunindo artigos de profissionais envolvidos com a pesquisa e a prática