Você está na página 1de 13

UNIVERDIDADE VIRTUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

FÁBIO LUIZ MACHADO

Competências do Engenheiro de Produção em 2030

IGUARAÇU DO TIÊTE – SP

2018
FÁBIO LUIZ MACHADO

Competências do Engenheiro de Produção em 2030

Trabalho desenvolvido para a disciplina


“Introdução à Engenharia de Produção”,
do curso de Engenharia de Produção da
Universidade Virtual do Estado de São
Paulo (UNIVESP).

IGUARAÇU DO TIÊTE – SP

2018
2

RESUMO

O papel do Engenheiro de Produção na atualidade e os desafios da profissão em


face das mudanças tecnológicas que estão por vir e o desenvolvimento de novas
competências para atender as novas demandas do mercado.

Palavras chaves: Engenheiro de Produção, competências, tecnológicas,


desenvolvimento, mercado.

ABSTRACT

The role of Production Engineer in the present and the challenges of the profession in
the face of technological changes that are to come and the development of new
competences to meet the new demands of the market.

Key words: Production Engineer, skills, technology, development, market.


3

LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1 - Percentual do Total de Engenheiros no Brasil por Cidade - fonte: Kelly Services................. 7
Figura 2 - Média de Remuneração, por Indústria - fonte: Kelly Services ............................................... 7
Figura 3 - Número de Engenheiros em São Paulo, Por Função - fonte Kelly Services ......................... 8
Figura 4 - Variação das Indústrias em São Paulo - fonte Kelly Services................................................ 8
4

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................................. 5
2. O QUE FAZ UM ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO .................................................................... 5
3. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SUA GENERALIDADE ....................................................... 6
4. MERCADO DA ENGENHARIA DA PRODUÇÃO ...................................................................... 6
5. ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO DO FUTURO ......................................................................... 8
6. DESAFIOS E COMPETÊNCIAS DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO EM 2030 ..................... 9
6.1. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES COMPORTAMENTAIS .................................................... 9
6.1.1. CAPACIDADE PARA TRABALHAR E LIDERAR EQUIPES ................................................... 10
6.2. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES TÉCNICAS ..................................................................... 10
6.2.1. PERFIL ANALÍTICO E MULTIDISCIPLINAR ........................................................................... 11
6.2.2. COMPETÊNCIA COLABORATIVA .......................................................................................... 11
7. CONCLUSÃO ........................................................................................................................... 12
8. REFERÊNCIAS ........................................................................................................................ 12
5

1. INTRODUÇÃO

A cada dia novas tecnologias aparecem e aumentam a produtividade das empresas.


Por outro lado, profissionais formados no modelo anterior perdem espaço; assim,
competências como a capacidade de aprendizado constante, que nos permitem
aprender algo novo a cada dia, são de extrema importância. Buscar por assuntos
diferentes da sua área de atuação, o que podemos também chamar de curiosidade,
poderá ser sua base de informação para acessar a outra competência de muita
importância neste novo cenário, a criatividade. Essa capacidade permite que façamos
mais com menos recursos e em um tempo reduzido, pois o mundo não depende mais
do que você sabe e sim do que é capaz de aprender.
Novos comportamentos são exigidos de nós a cada mudança, remetendo ao livro de
(Bauman, 2001), em que mudanças ocorrem a cada momento no estado líquido.
Porém, somente se tivermos clareza de nosso propósito, nosso ponto de chegada,
autoconhecimento, entendermos quais valores nos guiam, a quais forças recorrer,
poderemos ajustar esses comportamentos, desenvolver novos hábitos, agindo de
forma produtiva e, assim, estaremos prontos para encarar essas mudanças e
percorrer o caminho do sucesso.
Sabendo que a tecnologia não tem prazo para parar de evoluir, nos resta desenvolver
as melhores habilidades que a inteligência artificial terá maior dificuldade para
substituir, assim o desenvolvimento do Engenheiro de Produção será a chave do
sucesso de nossa e da próxima geração.

2. O QUE FAZ UM ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO

“O Engenheiro de Produção é responsável por otimizar diversos processos internos


de uma empresa com o objetivo de aumentar a produtividade. Ou seja, ele trabalha
para que a organização produza mais gastando menos tempo e dinheiro.” (Fundação
Unicesumar, 2018)
O administrador se assemelha com o Engenheiro de Produção, mas a principal
diferença está na formação. O engenheiro de produção tem uma formação técnica.
Ele adquire conhecimentos da área de exatas que podem ser aplicados na sua rotina
profissional: matemática, química, física, mecânica, entre outros saberes o que lhe
6

confere uma grande habilidade para trabalhar com números, lidar com máquinas da
linha de produção e questões logísticas, interpretar gráficos e desenvolver indicadores
financeiros.

3. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SUA GENERALIDADE

“A tendência é que essas opções sigam aumentando, pelo fato de existir cada vez
mais a demanda de profissionais da área pelas empresas. Essa procura se dá,
principalmente pelas características de um profissional com uma formação genérica,
com perfil técnico. Ao longo dos períodos da Engenharia de Produção pode-se notar
a presença de disciplinas de outras engenharias, o que confere uma característica
multidisciplinar ao curso. Formação que indica a generalidade como especialidade do
profissional da área, além das bases matemáticas, econômicas e estatísticas. Dessa
forma, torna-se mais fácil a adaptação em diferentes atuações do mercado de
trabalho.” (Fundação Unicesumar, 2018).

4. MERCADO DA ENGENHARIA DA PRODUÇÃO

O profissional de engenharia de produção tem muitas possibilidades de atuação em


sua carreira, devido ao caráter multidisciplinar da sua formação. Com isso, as
oportunidades são multiplicadas, não limitando-se apenas à indústria. O Engenheiro
de Produção pode trabalhar diretamente com os sistemas de produção em fábricas,
buscando formas de otimizar os processos, reduzir custos, aumentar a produtividade
e garantir qualidade do trabalho. Além disso, prestadoras de serviços, lojas, setor de
finanças e saúde, entre outros, oferecem boas oportunidades para o engenheiro de
produção. Grandes perspectivas também têm se mostrado na área de logística, a qual
é estratégica dentro das empresas e precisa de profissionais com o perfil técnico e
com habilidades de gestão.
Em um cenário de crise e recessão econômica como o atual, o que todas empresas
buscam é o aumento ou, pelo menos, a manutenção da produtividade, redução de
custos e continuidade da qualidade dos processos e produtos. Diante dessas
necessidades, quem se mostra capaz de administrar essas demandas é o engenheiro
7

de produção, que possui know-how suficiente para atuar nestas frentes para buscar
os melhores resultados e ajudar a manter a competitividade.
Dessa forma, o profissional mostra-se como peça fundamental dentro de todo o
processo, sendo sua capacidade multidisciplinar e seus conhecimentos técnicos de
gestão e economia, fazem com que ele atue de forma mais focada para ajudar a
empresa a enfrentar esse período mais complicado.
De acordo com a Kelly Services com cerca de 30 mil engenheiros empregados, São
Paulo apresenta o maior mercado de engenharia no Brasil. A cidade possui cerca de
14 por cento do total dos talentos de engenharia do país e as oportunidades não
param de crescer. Nesse infográfico você irá obter dados comparativos entre São
Paulo e o restante do Brasil assim como acompanhar tendências sobre o futuro da
indústria e consequentemente suas necessidades por talentos na área.

Figura 1 - Percentual do Total de Engenheiros no Brasil por Cidade - fonte: Kelly Services

Figura 2 - Média de Remuneração, por Indústria - fonte: Kelly Services


8

Figura 3 - Número de Engenheiros em São Paulo, Por Função - fonte Kelly Services

Figura 4 - Variação das Indústrias em São Paulo - fonte Kelly Services

5. ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO DO FUTURO

Quando pensamos nos desafios futuros para o Engenheiro de Produção é comum


pensar em novas tecnologias, que certamente está correto, pois os desafios da
9

Industria 4.0, Internet das coisas, Big Data, Realidade Aumenta, Impressão 3D,
implicam em mudanças e adaptações por parte do Engenheiro, afinal, é esse
profissional que incorpora a tecnologia aos meios de produção. Além de capacidades
técnicas o profissional do futuro necessita desenvolver competências e habilidades
comportamentais para se adaptar a essa nova realidade.

6. DESAFIOS E COMPETÊNCIAS DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO EM 2030


De acordo com Mol (2017), as demandas futuras exigirá do profissional competências
aos quais o Engenheiro de Produção deverá desenvolver e serão influenciadas pelos
seguintes desafios:

• Internet das coisas (IoT);


• Manufatura aditiva;
• Automação industrial;
• Novas energias;
• Inteligência artificial;
• Estruturas inteligentes;
• Sensores inovadores;
• Logística flexível;
• Dispositivos wearables de baixo custo;
• Robótica avançada e transporte autônomo;
• Materiais avançados;
• Bio e nanotecnologia;
• Sistemas inteligentes para produtos sob demanda;
• Monitoramento e otimização de tráfego de dados;
• Soluções de economia colaborativa;
• Gestão do ciclo de vida do produto e do serviço.

6.1. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES COMPORTAMENTAIS


• inteligência e criatividade para criar e encontrar soluções;
• orientação para resultados;
• facilidade para se comunicar de modo claro e objetivo;
• proatividade e iniciativa empreendedora;
10

• inteligência emocional;
• pensamento crítico;
• capacidade para lidar com situações de incerteza;
• comprometimento ético e profissional;
• busca por educação continuada para ficar atualizado com as novidades
do ramo.
• capacidade para trabalhar e liderar equipes;

6.1.1. CAPACIDADE PARA TRABALHAR E LIDERAR EQUIPES


Com a entrada de novas soluções no setor produtivo, como sistemas analíticos em
nuvem e gêmeos digitais na linha de produção, surge um conjunto de habilidades
necessárias para lidar com a realidade industrial. Tecnologias como internet das
coisas, robótica, computação em nuvem e big data criam um cenário em que
profissionais como cientistas de dados e programadores serão cada vez mais
valorizados. Mas a formação não será o único diferencial. “Conforme um estudo do
Fórum Econômico Mundial, 65% das profissões do futuro ainda nem foram
inventadas. Então, não temos que nos preocupar em saber quais serão as graduações
mais importantes, mas sim com quais habilidades serão exigidas”. Análise de dados,
programação, conhecimentos em robótica, desenvolvimento de aplicativos e
integração de sistemas são algumas das habilidades importantes. Essas aptidões são
mais comuns em carreiras ligadas à tecnologia da informação e comunicação, mas
até mesmo um profissional da área Engenharia de Produção precisa buscar
conhecimento.

6.2. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES TÉCNICAS


• conhecimentos matemáticos e estatísticos para modelagem de sistemas;
• capacidade de desenvolver e gerenciar projetos;
• conhecimento de linguagens de programação;
• fluência em línguas estrangeiras;
• conhecimento da legislação da área;
• capacidade de ler, interpretar e se expressar por meio de gráficos;
• conhecimentos de eletrônica, materiais, sistemas elétricos e dinâmicos;
11

• capacidade de antever e verificar demandas;


• habilidade de negociação;
• responsabilidade social e ambiental;
• capacidade de escolher tecnologias para projetar e melhorar produtos e
processos.
• capacidade de dimensionar e integrar os recursos necessários para que a
produção seja eficiente, tenha custo reduzido e receba melhorias;

6.2.1. PERFIL ANALÍTICO E MULTIDISCIPLINAR


A quantidade de dados sobre a produção da empresa aumentará com as novas
tecnologias. Além de entender os dados, o profissional terá que entender o que eles
significam, como podem ser usados no planejamento dos negócios e como deve ser
feita a comunicação dessas informações. Isso envolve conhecimento de áreas como
administração, empreendedorismo, marketing e comunicação. O profissional do futuro
é aquele que não é só um excelente engenheiro, mecânico, soldador ou eletricista,
mas também uma pessoa com senso crítico, que sabe dialogar e pensar em soluções
criativas. Além disso, a função do profissional dentro da empresa poderá não ser mais
relacionada com a sua formação acadêmica. Não adianta um engenheiro, por
exemplo, aperfeiçoar apenas seu conhecimento técnico. Ele precisa estudar outras
áreas para entender os resultados do seu trabalho sobre toda a cadeia de produção
da empresa”

6.2.2. COMPETÊNCIA COLABORATIVA


Aumentar a diversidade dentro das empresas é uma das grandes preocupações
atuais, manter um ambiente diverso pode ser um desafio. O funcionário precisa estar
disposto a conviver com perfis de pessoas muito diferentes. É mais fácil trabalhar com
pessoas que pensam igual entre si. Só que assim não se tem um ambiente inovador
e com a dinâmica que as novas tecnologias exigem.
Um exemplo disso é o setor de tecnologia da informação, que será cada vez mais
requisitado pelas empresas. Nesse mercado, há uma carência de profissionais do
sexo feminino, e as empresas precisam se preocupar em mudar isso. Elas devem
incluir não apenas as mulheres, mas também novos perfis de funcionários em seu
time. Porque, sem um estímulo à diversidade, a empresa perde competitividade.
12

Cabe ao profissional saber se comunicar, conviver com as diferenças e ter um bom


relacionamento com todos os colegas, características cada vez mais valorizadas em
ambientes digitalizados.

7. CONCLUSÃO
No mundo atual, não basta ser inteligente, esperto e preparado para competir. É
preciso ter calma e empatia e persistir diante das frustrações para conseguir viver bem
no amor, ser feliz com a família e vencer no mercado de trabalho.
As empresas além de habilidades técnicas e performance acadêmica, querem
profissionais com habilidades interpessoais e com capacidade para adaptar-se as
mudanças e as novidades que a tecnologia vem nos proporcionando.
É nesse cenário que se enquadra o Engenheiro de Produção que pela sua formação
multidisciplinar facilita a sua adaptação e integração com outras áreas.

8. REFERÊNCIAS
BAUMAN, Zygmunt – Modernidade Líquida – Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed
2001.

Fundação Unicesumar. Engenheiro de produção do futuro: desafios e


oportunidades. Disponível em <https://www.unicesumar.edu.br/blog/engenheiro-
de-producao-do-futuro/> Acesso em 11 set. 2018.

Tiago Leão. Descubra qual o futuro do profissional de engenharia de produção.


Disponível em < https://www.nomus.com.br/blog-industrial/descubra-qual-o-futuro-
profissional-de-engenharia-de-producao/> Acesso em 11 set. 2018

Kelly Services - Perspectiva sobre o mercado de trabalho de engenharia em São


Paulo. Disponível em <https://www.kellyservices.com.br/br/siteassets/brasil---kelly-
services/uploadedfiles/brasil_-
_kelly_services/new_smart_content/business_resource_center/workforce_trends/z
08671.pdf > Acesso em 11 set. 2018

Paulo Mol - Forum de Dirigentes Engenharia. Disponível em <


http://www.abenge.org.br/arquivos/forum_apresentacoes/Forum%202017%20-
%20Paulo%20M%C3%B3l%20-%20MEI.pdf> Acesso em 11 set. 2018