Você está na página 1de 14

Riscos de disturbios osteomusculares na

terapeutica de MTC.

Resumo Curricular
Joel Alves: Aluno finalista do curso de Medicina tradicional chinesa no instituto Português de
Naturologia, Pólo de Braga.

Resumo

Os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (MSDs) são um problema entre o


pessoal das terapêuticas de mtc. A principal preocupação são lesões nas costas e no ombro
que podem ser severamente debilitantes, este trabalho propoem fazer uma compilação de
informações úteis para os proficionais de mtc identificarem potenciais riscos ergonómicos que
levam a disturbios osteomusculares e a sua prevenção.

Introdução
Os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (MSDs) abrangem uma ampla gama
de problemas de saúde associados ao trabalho repetitivo e extenuante. Estes problemas de
saúde vão desde desconforto, dores e dores menores, até condições médicas mais graves que
podem levar à incapacidade permanente. Todos os anos, milhões de trabalhadores europeus
são afetados por MSDs. A principal causa de MSDs em Medicina tradicional Chinesa (MTC)
é o manejo de pacientes em massagem( shiatsu,Tui-ná,ventosoterapia) e acupuntura, como
levantar, reposicionar pacientes, e posturas inaquadas na exucução das terapeuticas. Este
trabalho tem como objetivo dar uma visão geral sobre os riscos nos disturbios
osteomusculares a que os terapeutas de MTC estão sugeitos na sua prática clinica .

Palavras-Chavas: Distúrbios osteomusculares, ergonomia, Medicina Tradicional Chinesa,


Massagem.
Enquadramento Legal
A Lei nº 71/2013, de 2 de setembro, regulamenta a lei nº45/2003, de 22 de agosto,
relativamente ao exercicio profissional das terapêuticas não convencionais.

Directivas europeias que contemplam a


prevenção das perturbações músculo-
esqueléticas. As principais directivas
europeias que contemplam a prevenção
das perturbações músculo-esqueléticas
estão especificadas na tabela 1.

Material e Métodos

A compilação de informação foi consultada


em sites como Agencia Europeia para
segurança e Saude no trabalho, Diario da
Republia Portuguesa e a utilização do motor
de busca Académico da Google para procura
de alguns estudos relacionados com a
temática.

Causas das Lesões musculosqueléticas

A maioria das lesões musculosqueléticas relacionadas com o trabalho desenvolvem-se ao


longo do tempo. Normalmente, não existe uma causa única para estas lesões; resultam
frequentemente da combinação de vários fatores. As causas físicas e os fatores de risco
organizacionais incluem:

 Movimentação de cargas, especialmente quando isso induz a movimentos de torção e


de flexão

 Movimentos repetitivos ou com esforço

 Posturas incorretas e estáticas


 Ambientes com má iluminação ou temperaturas baixas

 Trabalho em ritmo acelerado

 Estar de pé ou sentado, na mesma posição, muito tempo

 equipamento inadquads como o caso de marquesas baixas ou altas demais

Fatores de risco baseados em evidências para o


desenvolvimento de distúrbios musculoesqueléticos
O risco de desenvolver distúrbios musculoesqueléticos está intimamente ligado
a fatores biomecânicos e psicossociais relacionados a tarefas de trabalho, bem como a fatores
individuais associados ao empregado (ou seja, idade, distúrbios musculoesqueléticos prévios).

Os fatores de risco biomecânicos, além da postura, também levam em consideração o esforço,


a força e o tempo.

Trabalho físico pesado, elevação e transporte, tensões musculares estáticas, trabalho curto,
monótono e repetitivo , posturas inadequadas, exposição a vibrações e falta de atividade são
considerados fatores físicos clássicos que levam ao desenvolvimento de MSDs relacionados
ao trabalho.

Numerosos estudos confirmam a ligação entre o risco de desenvolvimento de dor


musculoesquelética e postura corporal inadequada. Houve um aumento comprovado no risco
de desenvolver sintomas de dor no pescoço e no ombro quando torções do pescoço ou
posturas dobradas foram adotadas com frequência durante o trabalho em comparação a uma
situação em que elas raramente eram adotadas [2] . O risco de dor no pescoço aumenta quando
o pescoço é girado mais de 45 graus durante mais de 25% do tempo de trabalho. Um aumento
no risco também ocorre quando o pescoço é flexionado mais de 45 graus a partir da posição
natural do pescoço durante mais de 5% do tempo de trabalho. No entanto, mesmo que o
pescoço seja flexionado a 20 graus por mais de 40% do tempo de trabalho, o risco aumenta
rapidamente com o tempo [3] .

O risco de desenvolvimento de dor no ombro aumenta substancialmente quando o trabalho é


realizado com as mãos acima do nível do ombro, ou quando as tarefas de trabalho exigem que
atingem abaixo do nível do joelho [4] . A postura de trabalho confortável requer um ângulo de
braço de menos de 20 graus nos planos sagital e frontal [5] .

Muitas queixas de dor relacionam-se com a parte inferior das costas, que é principalmente
devido à flexão ou torção do corpo. Trabalhar em posições do corpo tortas ou torcidas por
mais de duas horas por dia é um forte fator de risco para o desenvolvimento de dores nas
costas [6] . Dobrar e torcer o tronco de mais de 30 graus e sustentá-lo por mais de 15 minutos
aumenta significativamente o risco quando comparado com sustentar a postura por menos de
cinco minutos [7] [8] . Postura de tronco inábil (torcer ou dobrar) também é um forte fator de
risco no absenteísmo devido à dor nas costas.

Dobrar o tronco para frente / trás pode ser classificado em termos de uma das quatro zonas de
carga [5] . A zona, relativa à ótima postura de trabalho, refere-se à flexão de até 20 graus, a
segunda - de 20 a 60 graus. Quando o tronco é inclinado para frente acima de 60 graus ou
quando o tronco é dobrado para trás, o risco de desenvolver MSDs está crescendo
rapidamente. Para o tronco que se dobra lateralmente (no plano frontal) ou torce a parte
superior do tronco em relação à parte inferior (plano transversal), as zonas confortáveis são
determinadas com critérios de 10 ° (Figura 2) [5] .

Figura 2. Zonas para classificação da postura do tronco de acordo com (EN-1005-4-2005)

Os membros superiores geralmente estão envolvidos na execução de tarefas de trabalho. No


entanto, as pernas também podem ser expostas a posições inadequadas. Isso acontece quando
há espaço insuficiente para as pernas e os pés. Outras situações perigosas ocorrem durante
ajoelhar ou agachar [9] . Isso é especialmente perigoso quando ocorre com freqüência ou é
prolongado.
População de trabalhadores em risco de posturas
inadequadas
A exposição devido ao sector de trabalho e ao tipo de trabalho foi examinada durante um
amplo estudo de todos os países europeus no Inquérito Europeu sobre Condições de Trabalho
(2007). De acordo com os resultados da pesquisa, As maiores taxas de exposição à postura
cansativa e dolorosa podem ser encontradas em trabalhadores da agricultura e da pesca, os
proficionais de saúde tambem tem um taxa de risco elevada (pareceu-me bem do meu ponto
de vista incluir os proficionais de mtc nesta categoria).

Figura 4: Exposição de trabalhadores de várias profissões a posições dolorosas / cansativas ou vibração durante,
pelo menos, um trimestre (% da população de trabalhadores da UE-27)

Prevenção de posturas de trabalho inadquadas


Posturas de trabalho são determinadas pela relação entre as dimensões da estação de trabalho,
os materiais ou ferramentas utilizadas, as dimensões antropométricas da pessoa e as demandas
da tarefa (para executar uma operação específica seja ).
A melhor situação é quando as dimensões da estação de trabalho podem ser ajustadas para
facilitar uma postura de trabalho ideal.

Para obter a melhor postura de trabalho, as dimensões e equipamentos das máquinas ou


estações de trabalho devem ser ajustadas às dimensões da pessoa (terapeuta) .

Figura 5: Alcance do membro superior no plano transverso (neutro e máximo)

No que diz respeito à determinação das características espaciais funcionais das estações de
trabalho, são aplicados critérios relativos às áreas referentes ao plano horizontal (transversal),
bem como aos planos verticais (sagital e frontal). No plano horizontal, o recomendado (faixa
normal) deve ser determinado pelas posições subseqüentes da rotação da mão e do antebraço
em relação ao cotovelo (Figura 5) [16] . Uma área menos ideal (alcance máximo) seria criada
por meio de posições sucessivas do movimento da mão ao longo de um membro reto em
relação à articulação do ombro. O trabalho realizado fora da faixa máxima é conectado com o
movimento do tronco e introduz posturas inadequadas.

Posturas de trabalho ótimas e perigosas


A postura corporal ideal, menos extenuante, é natural, ou seja, uma postura com tronco rígido
e membros superiores suspensos naturalmente ao longo do corpo. Nesta posição, todos os
ângulos entre os segmentos do corpo são iguais a zero. Quanto maior o desvio da postura
corporal natural, maior a carga musculoesquelética.

Realizar cada tarefa de trabalho requer o envolvimento de todo o corpo, embora os vários
segmentos do corpo estejam envolvidos de maneiras diferentes. Há, por exemplo, atividades
envolvendo somente membros superiores, em cujo caso os membros inferiores e as costas são
carregados estaticamente . Com relação aos membros superiores, atenção especial deve ser
dada à postura do punho. A forte flexão ou extensão, frequentemente em conjunção com alta
repetitividade , freqüentemente leva à síndrome do túnel do carpo . Posturas que são estranhas
ou limitadas podem causar sobrecarga muscular de ligamentos e tendões. Estas posturas de
trabalho causam grandes valores de forças e torques na coluna vertebral e nas articulações dos
membros superiores e inferiores.

Fatores de tempo desempenham um papel importante. As situações de trabalho mais


extenuantes acontecem quando as posturas são sustentadas por longos períodos de tempo sem
alteração (posturas estáticas) ou são repetidas inúmeras vezes (tarefas repetitivas). Para tornar
a situação da sessão prolongada menos perigosa, não somente a postura menos árdua deve ser
adotada, mas também deve ser variada de tempos em tempos. Existe uma relação entre
duração da postura e incidência de MSDs. O tempo de espera máximo (MHT) para várias
posturas de trabalho é apresentado na Figura 7.

Figura 7: Tempo máximo de espera


Os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho entre
terapeutas de MTC

Dor lombar

Pode ser causado pela execução de atividades extenuantes por um longo período de tempo,
como posturas inadequadas ou manuseio manual incorreto.

Síndrome do pescoço de tensão

A dor no pescoço é um desconforto em qualquer uma das estruturas do pescoço. Estes


incluem músculos e nervos, bem como vértebras da coluna vertebral e os discos de
amortecimento no meio. A dor no pescoço também pode vir de áreas próximas ao pescoço,
como ombro, mandíbula, cabeça e parte superior do braço. Pode ser sentido como dormência,
formigamento ou fraqueza no braço, na mão ou em outro lugar, se a dor no pescoço envolver
nervos. Por exemplo, espasmos musculares significativos são causados por um nervo
comprimido ou um disco escorregadio pressionando um nervo. Uma causa comum de dor no
pescoço é tensão muscular ou tensão. O principal risco ocupacional que causa a síndrome do
gargalo de tensão para os profissionais de saúde são posturas inadequadas e prolongadas,
como dobrar-se sobre uma ou marquesa mesa durante horas , colocar o monitor do
computador muito alto ou muito baixo, etc.

Espondilose cervical

Espondilose cervical (síndrome da coluna cervical) é um distúrbio no qual há desgaste


anormal na cartilagem e ossos do pescoço (vértebras cervicais). Espondilose cervical é
causada por degeneração crônica da coluna cervical, incluindo as almofadas entre as vértebras
do pescoço (discos cervicais) e as articulações entre os ossos da coluna cervical. Os principais
fatores de risco ocupacionais são postura inadequada prolongada e manuseio manual. Os
principais sintomas são dor no pescoço (pode irradiar para os braços ou ombro), rigidez no
pescoço que piora com o tempo, perda de sensibilidade ou sensações anormais nos ombros,
braços, fraqueza dos braços, dores de cabeça, principalmente na parte de trás da cabeça. .

Tendinite no ombro, bursite e síndrome do impacto

Dois tipos de tendinite podem afetar o ombro. (1) A tendinite do bíceps causa a dor na frente
ou na lateral do ombro e pode deslocar-se até o cotovelo e antebraço. A dor também pode
ocorrer quando o braço é levantado em cima. A dor pode ser agravada quando se alcança,
empurra, puxa, levanta, levanta o braço acima do nível do ombro ou deita no lado afetado. O
aperto do manguito rotador é chamado síndrome do impacto do ombro. Os principais fatores
de risco ocupacionais que causam esses tipos de tendinite para os profissionais de mtc são
movimentos repetitivos do punho e do ombro, hiperextensão sustentada dos braços e carga
prolongada nos ombros. Os sintomas de tendinite são dor, fraqueza e inchaço, sensação de
queimação ou dor surda sobre a área afetada.

Síndrome de compressão torácica

É uma condição que envolve dor no pescoço e ombro, dormência e formigamento dos dedos e
um aperto fraco. À medida que vasos sangüíneos e nervos passam pela ou através da clavícula
e das costelas superiores, eles podem não ter espaço suficiente. Pressão (compressão) nesses
vasos sanguíneos ou nervos pode causar sintomas nos braços ou nas mãos. Problemas com os
nervos causam quase todos os casos de síndrome do desfiladeiro torácico. A compressão pode
ser causada por uma costela cervical extra (acima da primeira costela) ou por uma banda
apertada anormal conectando a vértebra espinhal à costela.

Os principais riscos ocupacionais que causam a síndrome são flexão prolongada do ombro e
extensão dos braços acima da altura do ombro. Os principais sintomas da síndrome são dor,
dormência e formigamento nos dedos pequenos e anulares, e o antebraço interno, dor e
formigamento no pescoço e nos ombros (carregar algo pesado podem piorar a dor), sinais de
má circulação na região. mão ou antebraço (uma cor azulada, mãos frias ou um braço
inchado).

Ombro congelado

A cápsula articular da articulação do ombro tem ligamentos que seguram os ossos do ombro
uns aos outros. Quando a cápsula fica inflamada, os ossos do ombro são incapazes de se
mover livremente na articulação.

Os principais riscos ocupacionais que causam a síndrome do ombro congelado são postura
inadequada prolongada e manuseio manual. Os principais sintomas da síndrome são
diminuição do movimento do ombro, dor, rigidez.

Cotovelo de tenista e cotovelo do golfista

Cotovelo de tenista (epicondilite lateral) refere-se a uma lesão no tendão externo do


cotovelo. Essas condições também podem ocorrer com qualquer atividade que envolva giro
repetitivo de punho ou aperto de mão, como uso de farramentas terapeuticas (ex: ventosas),
movimentos manuais ou movimentos de torção. A dor ocorre perto do cotovelo, às vezes
irradiando para o braço ou para o antebraço. O cotovelo do golfista é uma lesão no tendão
interno do cotovelo.

Risco ocupacional do cotovelo do golfista (epicondilite medial) é repetido ou rotação vigorosa


do antebraço e flexão do punho ao mesmo tempo.

Doença de De Quervain

A doença de De Quervain ocorre quando os tendões ao redor da base do polegar estão


irritados ou constritos. Espessamento dos tendões pode causar dor e sensibilidade ao longo do
lado do polegar do pulso. Qualquer inchaço dos tendões localizados perto desses nervos pode
pressionar os nervos. Isso pode causar dor no pulso ou dormência nos dedos.

O principal risco ocupacional que causa a doença de De Quervain é a torção repetitiva das
mãos e a força da preensão nas massagens (ex: Shiatsu). Os principais sintomas desta doença
são a dor que pode ser sentida no lado do polegar do pulso; inchaço que pode ser visto sobre o
lado do polegar do pulso, dormência que pode ser sentida na parte de trás do polegar e do
dedo indicador.

Tenossinovite

Tenossinovite é a inflamação do revestimento da bainha que envolve um tendão. Os


principais fatores de risco ocupacionais para a ocorrência dessa inflamação são movimentos
repetitivos do punho e do ombro, hiperextensão sustentada dos braços, carga prolongada nos
ombros. Os principais sintomas são dificuldade e dor ao mover uma articulação; inchaço das
articulações na área afetada; dor e sensibilidade ao redor de uma articulação, especialmente a
mão e o pulso; vermelhidão ao longo do comprimento do tendão.

Síndrome do túnel carpal

Síndrome do túnel do carpo ocorre quando o nervo mediano, torna-se pressionado ou


espremido no pulso. Os principais fatores de risco ocupacionais são movimentos repetitivos
do pulso na massagem.

Inchaço do membro inferior

Gravidade pode causar inchaço indolor nas pernas e inchaço é particularmente perceptível na
parte inferior do corpo.
Varizes

Permanência prolongada em posturas inadequadas. Ao trabalhar em postura ereta prolongada


e desajeitada, as válvulas das veias não funcionam adequadamente, fazendo com que o sangue
permaneça na veia e resultando em veias inchadas, torcidas e às vezes doloridas que são
preenchidas com uma quantidade anormalmente grande de sangue.

Prevenção de MSDs em terapeutas de MTC

Por um programa de Prevenção em prática que inclui:


 Ter equipamento adequado
 Eliminar a necessidade de empurrar / puxar / transportar
 Garantir que o atrito entre o piso e as rodas do carrinho auxiliar seja baixo
 Minimizando as distâncias sobre as quais os objetos são empurrados, puxados ou
transportados
 Utilizando carrinhos ou dispositivos com rodas projetados para a aplicação específica
 Manter em bom estado equipamentos, veículos e ferramentas
 Fornecer programas de treinamento para educar os terapeutas sobre fatores de risco
biomecânicos, sinais e sintomas e práticas de trabalho segura . O métodos de
treinamento para evitar MSDs geralmente se dividem em duas partes:

1 . Educação em ergonomia e princípios biomecânicos para reconhecer e compreender


os riscos relacionados ao trabalho e como preveni-los, mas também para aumentar a
conscientização sobre MSDs para que métodos de trabalho seguros e estilo de vida
saudável sejam adotados

 reconhecimento de perigos para MSDs;


 fornecer aos terapeutas as informações e habilidades necessárias para participar de
atividades de controle de risco.

A educação na prevenção de MSDs relacionadas ao trabalho também pode incluir


campanhas e a disseminação de informações por escrito, por exemplo, através de
brochuras ou folhetos sobre tópicos relacionados à ergonomia. Filmes, vídeos e
multimídia podem ser usados para tornar o treinamento mais 'visual'.

2 . Treinamento prático (no trabalho) em:

 o uso correto de equipamentos de trabalho (marquesas, cadeiras, móveis);


 como organizar o trabalho e a estação de trabalho de forma ergonômica;
 posturas de trabalho seguras (sentado, em pé, de alcance);
 técnicas seguras de trabalho manual: manuseio, elevação, tração e tração de
cargas;
 trabalhar com um computador/tablet de forma ergonômica.

Considerações Finais
A compilação da matéria apresentada neste trabalho permitiu-me ter uma maior
consciencia dos riscos músculo-escleticos que os terapeutas de mtc estão sujeitos
diaramente. Isso significa que é muito importante que cada profissional adote
medidas de identificação de riscos e a sua prevenção, detro da prevenção o que foi
mais visivel para mim melhorar foi a posturas de Trabalho otimas do ponto de vista
da carga musculoesquelética em Massgem.

Bibliografia

1. Barham, JN, Kinesiology mecânica, Saint Louis, 1978.


2. Tola, S., Rihimäki, H., Videman, T., Viikari-Juntura, E., Hänninen, K.,
'Sintomas de pescoço e ombro entre homens em operação de máquina,
trabalho dinâmico e trabalho sedentário e trabalho sedentário', escandinavo
Revista de Trabalho Meio Ambiente e Saúde, vol. 14, 1988, pp. 299-305.
3. Ariëns GAM, Bongers PM, Hoogendoorn WE, van der Wal G., van Mechelen
W., 'Alta carga física e psicossocial no trabalho e ausência de doença devido
a dores no pescoço', Revista Scandinavian of Work Environment and Health,
vol. 28 (4), 2002, pp. 222-31.
4. Pope, DP, Croft, PR, Pritchard, CM, et al. 'Fatores ocupacionais relacionados
à dor e incapacidade do ombro', Occupational and Environmental Medicine,
vol. 54, 1997, pp. 316-21.
5. EN 1005-4-2005, Segurança de máquinas - Desempenho físico humano -
Parte 4: Avaliação de posturas de trabalho e movimentos em relação a
maquinaria, padrões britânicos, 2005. Disponível em: http://www.scribd.com /
doc / 35936377 / BS-en-1005-4-Parte-4-Avaliação-de-Trabalhar-Posturas-e-
Movimentos-em-Relacionamento-para-maquinário
6. Nieuwenhuyse, A. van, Somville, PR, Grombez, G., Burdorf, A., Vebeke, G.,
Johannik, K., van den Bergh, MR, Mairiaux, P., Moens, GF, 'O papel do carga
física e medo relacionado à dor no desenvolvimento de lombalgia em jovens
trabalhadores: evidências do estudo Blowback; resultados após um ano de
acompanhamento ”, Occupational and Environmental Medicine, vol.63, 2006,
pp. 45-52.
7. Hoogendoorn, WE, Bongers, PM, de Vet, HCW, Ariëns, GAM, Van Mechelen,
W., 'Alta carga de trabalho físico e baixa satisfação no trabalho aumentam o
risco de ausência por doença devido à dor lombar: resultados de uma coorte
prospectiva estudo ', Occupational and Environmental Medicine, vol. 59 (5),
2002a, pp. 323-28.
8. Hoogendoorn, WE, Bongers, PM, de Ve, HC W., Arins, van Mechelen, W.,
Bouter, L., 'Comparação de duas abordagens diferentes para a análise de
dados de um estudo de coorte prospectivo: uma aplicação para trabalhar
fatores de risco relacionados para dor lombar ', Ocupacional e Medicina
Ambiental, vol. 59, 2002b, pp. 459-65.
9. EU-OSHA - Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho
(2011). Observatório de Risco. Previsão de especialistas sobre riscos físicos
emergentes relacionados com a segurança e saúde no trabalho, Retirado em
9 de abril de 2011 em:
( http://osha.europa.eu/en/publications/reports/6805478 )
10. Walker-Bone, K., Reading, I., Coggon, D., Cooper, C., Palmer, KT, 'Fatores
de risco para distúrbios específicos dos membros superiores em comparação
com dor inespecífica no membro superior: avaliação da utilidade de um
exame estruturado ', Medicina Ocupacional, vol. 56 (4), 2006, pp. 243-50.
11. Kalavar, SS, Hunting, KL, 'Sintomas musculoesqueléticos entre citotécnicos',
Laboratory Medicine. Vol. 27, 1996, pp. 759-99.
12. Thompson, SK, Mason, E., Dukes, S., 'Ergonomia e citotecnologistas:
Desconforto musculoesquelético relatado', Diagnostic Cytopathology, vol. 29,
2003, pp. 364-67.
13. Leggat, PA, Smith, DR, 'Prevalência de incidentes de exposição percutânea
entre dentistas em Queensland', Australian Dental Journal, vol. 51 (4), 2006,
pp. 324-27.
14. Andersen, JH, Kaergaard, A., Mikkelsen, S., Jensen, UF, Frost, P., Bonde,
JP, Fallentin, N. e Thomsen, JF, 'Fatores de risco no aparecimento de dor de
pescoço / ombro em um estudo prospectivo de trabalhadores em empresas
industriais e de serviços ', Occupational and Environmental Medicine, vol. 60,
2003, pp. 649-54.
15. EUROFOUND - Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida
e de Trabalho, Parent-Thirion, A. Fernández Macías, E., Hurley, J.,
Vermeylen, G. «Quarto inquérito europeu sobre condições de
trabalho». EUROFOUND, 2007. Disponível
em: http://www.eurofound.europa.eu/surveys/ewcs/2005/index.htm
16. Gedliczka, A., Atlas miar człowieka - dane do projektowania i oceny
ergonomicznej [Atlas de medições humanas - dados para concepção e
avaliação ergonómica]. CIOP, Warszawa, 2001.