Você está na página 1de 108

A EUROPA MEDIEVAL

Por que estudamos a Idade Média?


Qual é a origem do termo idade
média?

Idade Média
ou
Idade das Trevas?
Linha do tempo: idade média
Como os homens da idade média
compreendiam seu próprio tempo?
 Postura pagã: aceitava a existência de um tempo
cíclico. Mito do eterno retorno. Exemplo: festa de
Ano Novo.

 Postura judaico-cristã: intervenção de Deus na


História. Caráter linear, com ponto de partida
(Gênese) e de chegada (Juízo Final). Também
recebeu, contudo a influência do tempo cíclico,
quando da cristianização das camadas populares.
Repetição de eventos como Natividade, Paixão,
Ressureição.
A idade média é dividida em
períodos
ALTA IDADE MÉDIA: século V ao X
 Baixa densidade demográfica
 Epidemias de malária e varíola
 Controle da natalidade (aborto, contraceptivos, infanticídio)
 Muitos viúvos e celibatários

BAIXA IDADE MÉDIA: século XI ao XV


 Inovações nas técnicas agrícolas
 Suavização do clima;
 Crescimento da população urbana
 As guerras não eram devastadoras, não envolvia grande número de
pessoas;
 Migrações diversas.
A formação da Europa medieval

 Crise do Império
Romano;
 Esvaziamento das
cidades;
 O centro da vida social e
econômica passou a ser
o campo (Ruralização);
 Colono: O trabalhador
cultivava um lote de terra
do proprietário e, como
pagamento pelo uso do
lote, entregava a ele
parte da colheita.
As invasões
germânicas e o fim do
Império Romano

7º ano – 2012
História
Prof. Renata Telha
O império Romano do Ocidente
Relembrando...

O que teria levado o


Império Romano do Ocidente
ao seu fim em 476 d.c.?
O esvaziamento das cidades e a
migração para o campo
A maioria dos moradores das cidades não
encontrava trabalho e não conseguia mais
comprar nem pagar aluguel, pois os preços
haviam aumentado muito;
 Os povos germânicos passaram a atacar e
saquear as cidades do Império;
 Algumas cidades foram destruídas pelos
germanos e perderam seus habitantes por doença
ou morte;
INVASÕES GERMÂNICAS
Ruralização do Império

O medo tomou conta das pessoas,


e milhares delas fugiram para o campo
em busca de trabalho e segurança.
Assim, o centro da vida social deixou de
ser a cidade e passou a ser o campo.
A vida dura no campo: colonato

No campo, as
maiores e melhores
terras estavam nas
mãos de grandes
proprietários. Todos
que ali chegaram
passaram a ter de
trabalhar para eles
como colonos.
Quem eram os colonos?

O colono era um
trabalhador que culti-
vava um lote de terra
do proprietário e, co-
mo pagamento pelo u-
so do lote, entregava a
ele parte da colheita. A
essa relação de tra-
balho chamamos de
colonato.
Por que temer os germanos?

Os germanos davam importância à guerra,


valorizavam a coragem no campo de batalha, a
morte em combate e a fidelidade entre guerreiros.
Os bárbaros germanos

Os jovens guerreiros
formavam um bando
comandado por um
chefe ao qual pres-
tavam juramento de fi-
delidade. Esse bando
era chamado de
comitatus.
Leis e costumes

Os germanos não tinham lei escrita. As leis,


como toda cultura germânica, eram transmitidas
oralmente. O direito germânico, por sua vez, era
consuetudinário. Ou seja, baseava-se nos
costumes. Cada comunidade tinha leis e costumes
próprios.
Se alguém fosse acusado de crime podia
provar sua inocência por meio de duelo de espadas.
Se vencesse, era considerado inocente. Pois a
vitória era um sinal de que os deuses estavam com
ele.
Deuses germânicos

THOR – Deus do trovão e


ODIN – Deus da Guerra
das tempestades
politeísmo

Odin é o Pai de Todos,


relembrado hoje como o Deus da
guerra e da fúria dos vikings. Odin
é o Deus da sabedoria e do poder
mágico, pois foi ele que resgatou
as runas, o alfabeto que guarda
os mistérios do universo. É
considerado Deus da morte, por
que ele juntamente com Freya,
recebiam os guerreiros que
chegavam em Valhalla. Símbolos:
os corvos: Munin e Hugin, os
lobos: Geri e Freki, o cavalo
Sleipnir, e a lança Gungnir
politeísmo

Frigg, mulher de Odin,


sabia do futuro dos
Deuses e dos homens.
Associada à fertilidade,
ela é considerada a
Deusa do casamento, da
família, do destino e das
crianças. Simboliza a
manutenção da ordem,
da harmonia e da paz.
politeísmo

Filho de Odin e Jord. O patrono


dos guerreiros e do povo.
Thor é conhecido pelas suas
grandes aventuras e por suas
batalhas contra os gigantes.
Possui uma tremenda força e o
martelo Mjölnir, que foi feito pelos
Anões. Mjölnir é considerado o
maior tesouro dos Deuses por ser
a proteção contra os gigantes.
Thor é associado ao trovão,
também é o Deus da chuva e das
tempestades. Símbolos: o martelo
e a briga.
Thor - Marvel
Hagar - o terrível
Barco Viking
Formação dos Reinos Bárbaros
na Europa
Com o aumento das guerras contra os romanos, os
chefes desses bandos guerreiros foram ganhando riqueza, e
alguns deles tornaram-se reis.
Reinos germânicos

Os reinos germânicos, formados ao final do século


V, com o fim do Império Romano, foram:

 Reino dos Anglo-saxões


 Reino dos Visigodos
 Reino dos Suevos
 Reino dos Vândalos
 Reino dos Ostrogodos
 Reino dos Francos
Você seria capaz de responder?

1. O texto a seguir é de Tácito, historiador romano, que


viveu entre 55 e 120 d.C. Leia o texto com atenção.
“ Quando vem o combate é vergonhoso para o chefe
que excedam em valor e vergonhoso para os
companheiros não igualar esse valor do chefe. É até
uma infâmia [...] sair de um combate sobrevivendo a seu
chefe: primeiro dever é defendê-lo, protegê-lo [...]; lutam
os chefes pela vitória, pelo seu chefe [lutam] os
companheiro.”
De acordo com o texto: Quais são os valores cultivados
pelos germanos?
Vamos investigar?

As leis dos germanos eram


consuetudinárias. E no Brasil, como são
as leis? Descubra como é o sistema de
leis brasileiro e compare com o sistema
de leis germânico.
Seu trabalho vale 1,0.
A formação do
feudalismo

O Império Franco
Os Francos se destacaram

Dentre os reinos
germânicos, os francos,
que se situavam na
Gália, se destacaram.
Formaram um grande
império, que estabilizou
a Europa Central por
um período, e
expandiram o
Cristianismo entre os
bárbaros.
Dinastia Merovíngia

Rei Clóvis
http://heroismedievais.blogspot.com.br
Dinastia Merovíngia

Clóvis foi o
primeiro rei franco
daquela que ficou
conhecida como
dinastia Merovíngia.
A dinastia
recebeu esse nome
por causa de um
ancestral de Clóvis,
chamado Meroveu,
que reinara em uma
das tribos francas.

Cena de Batalha contra os Visigodos


Dinastia Merovíngia

Clóvis estabeleceu a
capital do seu reino em uma
antiga cidade romana
chamada Lutetia Parisiorum,
mais tarde Paris. Converteu-
se ao catolicismo em 496 e,
com a ajuda da Igreja
Católica, organizou o seu
reino enquanto conquistava
mais terras.
Dinastia Merovíngia

CARACTERÍSTICAS:
 Os francos não tinham noção de Estado – eles
entendiam o poder e o reino como propriedades
particulares do soberano;
 Foi marcada por desordem, violência,
assassinatos e traições constantes,
enfraquecendo a autoridade do rei;
 Criação do cargo de prefeito do palácio ou
mordomo do paço: membro da aristocracia que
cuidava da administração do reino.
Quem escolhe o rei?
Um dos mais importantes desses prefeitos foi
Carlos Martel, que impediu a conquista da Gália pelos
árabes vindos da Espanha, no século VIII, na Batalha
de Poitiers.
Após a morte de Carlos Martel, seu filho, Pepino,
o Breve (assim chamado pela sua baixa estatura),
assumiu a função do pai.

Carlos Martel
Início da Dinastia Carolíngia
Temendo ser chamado
de usurpador em sua
pretensão de ser rei, Pepino
buscou e obteve o apoio do
papa Zacarias. Só então
Pepino afastou Childerico III, o
último rei merovíngio,
iniciando assim uma nova
dinastia. Mais tarde ficou
conhecida como dinastia
carolíngia, por causa de seu
representante mais famoso: o
rei Carlos Magno, filho de
Pepino.
Aliança entre reis e papas

A base dos acordos era simples: os reis


bárbaros recebiam apoio político e espiritual da
Igreja Católica, que reconhecia o poder dos reis.
Em troca, os reis reconheciam a autoridade
moral e política da Igreja Católica, pagavam-lhe
tributos e adotavam o catolicismo como religião
oficial e única.
Os acordos eram celebrados com a
conversão dos reis bárbaros e de seus súditos
ao cristianismo.
Aliança entre reis e papas
A primeira aliança ocorreu
em o rei carolíngio Pepino, o
Breve. Em troca de favores,
entregaria as terras da Península
Itálica ao Papa Estevão II. Em
troca, o papa reconheceria
Pepino como rei e seus
descendentes como legítimos
herdeiros do trono franco.
Coroação de Carlos Magno
pelo Papa Leão III, em Roma
do ano 800. O gesto
simbolizava que o poder vinha
de Deus, reafirmando a
autoridade da Igreja sobre os
homens e os reis.
Império carolíngio
Qual era a extensão do Império
Carolíngio?
Ao longo dos séculos V a IX, a Europa
conheceu uma série de reinos germânicos.
Dentre eles, se fortaleceu o reino dos
Francos. Carlos Magno, no século IX, formou
o chamado Império Carolíngio, que abrangia
boa parte da Europa (atual França, Alemanha,
Bélgica, Holanda, Suíça, Áustria, Hungria,
Eslováquia, República Tcheca, além de parte
da Itália e da Espanha)
Atividade 1

Observe a imagem de Carlos


Magno, ao ado. Que
elementos presentes nessa
imagem ajudam a
compreender melhor o
Império Carolíngio? O que
cada um desses elementos
representa?
Administração do Império
Carolíngio
Para facilitar a administração do Império,
Carlos Magno, dividiu o território e entregou sua
administração a funcionários de confiança.
Surgiram assim as marcas, territórios
localizados na fronteira do império, controlados
pelos marqueses; os ducados, próximos às
fronteiras, governados pelos duques; e os
condados, os demais territórios, dirigidos pelos
condes. Mais tarde, esses funcionários formaram a
base da nobreza europeia.
Atividade 2:

Responda:
a) O que os marqueses, duques e condes tinham
em comum?
b) Em que eram diferentes?
Fidelidade e Honra

Para evitar as agitações e traições que


marcaram a dinastia merovíngia, os reis carolíngios
estimularam o costume germânico das relações de
fidelidade e honra entre senhor e súditos, criando a
instituição da vassalagem.
Para garantir a fidelidade de seus
comandados, Carlos Magno usou suas conquistas
para doar terras. Com isso o poder real acabou
enfraquecido, pois entre o rei e os súditos surgiram
muitos intermediários – os senhores de terras, com
muitos poderes em suas propriedades.
Alianças e Fidelidade

Com base no comitatus, ou seja, na


aliança entre guerreiros em troca de
fidelidade, estabeleceu-se a política de
alianças, conhecida como relação de
suserania e vassalagem.
Esta relação consistia em um nobre
(na maior parte das vezes, o rei) doar
feudos a outro nobre em troca de auxílio
militar, apoio e doação de terras.
Suserania e Vassalagem

Suserano era quem


doava feudos em troca de
apoio militar contra
invasores. E vassalo era
quem recebia feudos.
Assim acontecia o
estabelecimento de
alianças entre senhores
feudais e o que estava em
jogo era a proteção, apoio
militar e a doação de
terras.
Homenagem e Investidura

O vínculo entre suserano e vassalo era


estabelecido nas cerimônias de Homenagem
e Investidura, que possuíam caráter religioso
devido a realização de juramentos de
fidelidade entre ambos os senhores
perante à Bíblia ou outra relíquia
considerada sagrada pela Igreja Católica da
época. A iluminura, anterior, representa seu
acontecimento.
Homenagem e Investidura
Responda:

A miniatura anterior é francesa e data do século XIII.


Ela mostra a cerimônia de juramento de lealdade do
vassalo a seu suserano.
1. Como identificar o suserano e o vassalo?
2. O que o vassalo recebia nessa cerimônia?
Abaixo, vocês poderão ler um trecho de
uma homenagem e uma investidura:

«…quinta-feira, foram prestadas homenagens ao conde. Realizaram-


se segundo as fórmulas estabelecidas, na ordem seguinte: – Em
primeiro lugar fizeram a homenagem assim: – O conde perguntou ao
futuro vassalo se ele queria ser seu verdadeiro homem, e este
respondeu: “Eu quero”. Depois, colocando as mãos entre as do
conde, aliaram-se, beijando-se. Em segundo lugar, o que havia
prestado homenagem, prestou juramento perante o conde, nestes
termos: – “Prometo, por minha honra, ser, a partir deste instante, fiel
ao conde Guilherme, guardar-lhe, contra todos e inteiramente, a
minha homenagem, de boa fé e sem mentira”. E, em terceiro lugar, fez
este juramento sobre as relíquias dos santos. Em seguida, com a vara
que tinha na mão, o conde deu-lhe a investidura, a ele e a todos os
que acabavam de lhe prestar homenagem, de lhe prestar fidelidade e
também de lhe prestar juramento».

Galberto de Bruges - Hist. du meurtre de Charles le Bon, ed. Pirenne.


Resumindo...

 Os laços de suserania e vassalagem tinham as


seguintes características:
 Vitalício (os compromissos cessavam com a morte de
uma das partes);
 Alguém se tornava “moço” (vassalus) de um ancião
(senior), como pai e filho;
 Relação de respeito e fidelidade;
 Um sustentava e outro servia; um liderava e outro lutava;
Resumindo...

Enquanto os reis carolíngios


perdiam poder, os nobres se
fortaleciam, ao receber benefícios reais
em troca de auxílio militar. Assim, aos
poucos, o território foi se fragmentando
em diversos feudos. Os reis ao doarem
feudos cediam aos senhores os direitos
sobre a população ali existente.
Divisão do Império Carolíngio

Após a morte de Carlos Magno em 814 d.C, o


Império é dividido, já que seu filho e sucessor, Luís,
o Piedoso, teve dificuldade para impor sua
autoridade. E, após sua morte, seus filhos
disputaram e dividiram o trono entre si.
Com a divisão, o poder dos reis enfraqueceu.
Tornou-se difícil combater os vikings, árabes e
húngaros que invadiram a Europa entre os séculos
IX e X. Assim, tiveram que pedir auxílio aos nobres
e, em troca, doaram a eles feudos.
Império Carolíngio

Em pouco mais de 40 anos, Carlos Magno conquisto a


maior parte da Europa Central, o norte e o centro da
Península Itálica. As vitórias militares eram sempre
seguidas da imposição da religião cristã.
Tratado de Verdum
A origem da palavra feudo

Feudo é uma palavra que vem do


germânico vieh e significa bem de
importância. Também pode significar
benefício. Naquela época, este benefício
poderia ser:
 uma grande área de terra,
 direito de ocupar um cargo,
 direito de receber impostos,
 direito de cobrar pedágios sobre pontes.
Uma combinação de elementos

O feudalismo formou-se por meio de um


longo processo que combinou elementos de
origem romana, como o colonato, com outras
de origem germânica, como o comitatus.
Somente entre os séculos IX e X, o
feudalismo consolidou-se. E por quê?
As principais características do
feudalismo:
 Relações baseadas na dependência e na
fidelidade (suserania e vassalagem);
 Poder político descentralizado (poder
dividido entre diversas pessoas e não
concentrado em um rei);
 Predomínio do Cristianismo;
 Produção econômica girava em torno da
agricultura e estava voltada para
subsistência.
O feudo

O que era o feudo?


Suserania e vassalagem: o feudo como moeda de troca
Quem vivia no feudo?
Como era a vida no feudo?
Você lembra o que é feudo?

Feudo é uma palavra que vem do germânico


vieh e significa bem de importância. Também pode
significar benefício. Naquela época, este benefício
poderia ser:
 uma grande área de terra,
 direito de ocupar um cargo,
 direito de receber impostos,
 direito de cobrar pedágios sobre pontes.
Alianças e Fidelidade: uma troca
por feudo
Em geral, o feudo era dado para um
nobre em caso de estabelecimento de alianças
e pactos de fidelidades. A esta relação
chamamos de suserania e vassalagem.
É importante lembrar que isso só
acontecia entre nobres!
E, mais, na maior parte das vezes, o
feudo era uma extensão de terra concedida a
um vassalo, que passava a ter plenos poderes
sobre o lugar e sobre quem o habitava.
Características

O feudo era dividido em 3 partes:

 reservas senhoriais,
 mansos servis,
 terras comunais.
Manso senhorial

 Reservas (mansos) senhoriais: terras exclusivas do senhor,


cultivadas pelos camponeses durante alguns dias da semana.
Toda produção pertencia ao senhor. No centro, ficava o
Castelo. No caso de ter sido concedido à Igreja, ficava a
abadia.
Manso servil

 Mansos servis: pequenas


faixas de terras cedidas
aos camponeses. Em
troca, esses
trabalhadores entregavam
ao senhor uma parte da
colheita, ou o equivalente
em dinheiro, ou ainda
trabalhavam alguns dias
do ano para o senhor.
Terras comunais
 Terras comunais: pastagens, pântanos, bosques. Muitas
vezes, usado para fuga dos camponeses.
O feudo
As principais partes de um
feudo:

 Castelo
 Campos
 Pastos
 Moinho de Vento
 Aldeia
 Igreja
Como era a vida no
feudo?

Sociedade, Economia, Cultura


Como era a vida no feudo?

O feudo produzia quase tudo de que


necessitavam: alimentos, roupas, ferramentas,
tecidas, etc. Vinha de fora apenas o sal, necessário
para conservar a carne, e o ferro, para fabricar
armas e utensílios. Por isso se diz que a
economia era autossuficiente ou de
subsistência.
.
A economia agrária
As principais atividades econômicas dos feudos
medievais eram:
 A agricultura: cultivo de trigo, cevada, feijão,, ervilha, uva
 A criação de animais: bois, carneiros, cabras e cavalos;
 O comércio era restrito. Em geral, as trocas eram feitas de
produto por produto. Quando existia moeda, era cunhada
no próprio feudo. Em geral o que prevalecia era o
escambo;
 O artesanato: nas vilas e nos feudos havia a atividade dos
artesãos, que produziam tecidos, móveis, utensílios
domésticos, ferramentas de trabalho (enxadas, foices, etc.)
e vários produtos. A maioria dos artigos destinava-se ao
consumo dos senhores feudais, mas também, em menor
escala, ao uso dos camponeses, que os adquiriam por
escambo.
A Sociedade Medieval
3 Ordens ou grupos sociais

Na sociedade feudal, a posição social de


uma pessoa dependia de seu nascimento.
Assim, o filho de nobres era nobre por toda
vida. E o filho de camponeses, mesmo
trabalhando duro, não conseguia alterar sua
posição social.
No auge do feudalismo europeu, a
sociedade era dividida em três grupos:
nobreza, o clero e os camponeses.
Cada grupo tinha sua função na
sociedade

 O clero era responsável pela oração;


 Os nobres eram responsáveis pela
defesa do feudo;
 Os camponeses eram responsáveis
pelo trabalho que alimentaria o clero e
os nobres.
A NOBREZA:
OS QUE LUTAM
A NOBREZA: LUTAR

A nobreza era composta por reis, duques,


marqueses, condes, viscondes, barões e sua
principal atividade era a guerra.
Os nobres ofereciam proteção e exigiam ser
sustentados e alimentados pelo povo desarmado.
Viviam na ociosidade e consideravam o
trabalho era indigna.
Suas principais ocupações eram a guerra, a
caça e os torneios, por meio do qual participava
para obter ganhos (armas dos perdedores e resgate
para libertá-los)
O CLERO: ORAR

O Clero era formado pelo papa, pelos


cardeais, bispos, abades, monges e padres. A
maioria desses religiosos tinha origem nobre e
possuía feudos, muitos deles enormes. Cerca de
um terço das terras da Europa Ocidental
pertencia à Igreja, num tempo em que a terra era
a principal medida de riqueza. A Igreja Católica
era a instituição mais rica e mais importante da
sociedade feudal. Sua obrigação era orar pela
salvação dos pecadores.
Imagem de um manuscrito do
século XIV que mostra um bispo
abençoando a feira de St. Denis
(próximo de Paris), realizada todo
ano no mês de junho.
Os camponeses: trabalhar

Os camponeses eram em sua maioria servos


da gleba (terra). O servo era assim chamado por se
encontrar preso à terra, isto é, sem liberdade para
deixar o feudo em que vivia e trabalhava.

Porém servo não é o mesmo que escravo! O


servo não podia ser vendido, trocado ou punido,
como se fazia com um escravo. Além disso, era
dono de seus instrumentos de trabalho.
Servidão

O camponês tornava-se um
servo em troca de proteção
senhorial e direito de usar a terra
para o próprio sustento. Em troca,
tinham uma série de obrigações
para com o seu senhor. A seguir,
vamos ver algumas delas:
Obrigações do servo

 Corveia: Obrigação de trabalhar de graça para o


senhor alguns dias da semana. Além de cuidar das
plantações do senhor, deveria construir ou consertar
caminhos, reparar pontes, cortar e carregar madeira,
etc.
 Talha: Obrigação de entregar ao senhor parte do que
produzia no lote reservado ao seu uso;
 Banalidade: Pagamento em produtos que os servos
deviam aos senhor por usar o forno, o moinho, as
prensas, e outros equipamentos do feudo.
 Dízimo: Pagar 10% de tudo que produziam para a
Igreja.
Muitas obrigações e pouca
produtividade
O sistema feudal era caracterizado pelas
obrigações (ou impostos) destinadas aos servos,
que não se sentiam estimulados a aumentar a
produção com inovações tecnológicas, pois isso
significava produzir mais. Porém, não para si, mas
para o senhor. Por esse motivo, o desenvolvimento
técnico do período foi irrelevante, de certa maneira,
limitando a produção.
Potentes X humiles

A distinção social predominante era entre potentes e


humiles, quer dizer poderosos e fracos. A partir do
século XIII, passou a ser substituída por dives e
pauper, ou seja, ricos e pobres O símbolo de
riqueza até esse período, contudo, não era o
dinheiro (como conhecemos hoje), mas a posse de
terras e homens.
Atividade 1:

 Observe a imagem
ao lado com atenção:
a) Identifique os
grupos sociais nela
representados.
b) Explique a
ocupação de cada
um desses grupos
na sociedade
medieval.
Atividade 2:

O que se pode concluir com base na leitura do trecho


a seguir?

“ Na sociedade feudal, a posição social de uma


pessoa dependia do seu nascimento. Assim, o filho
de nobres era nobre por toda vida. E o filho de
camponeses, mesmo trabalhando duro, não
conseguia alterar sua posição social.”
Atividade 3:

Explique com suas palavras como era a vida


no Feudo:
Atividade 4: 5,0

Em grupo, façam uma maquete de um feudo


usando material de sua escolha. Depois, cada grupo
apresentará à turma o seu trabalho. E a professora
fará perguntas sobre a matéria dada.
TESTE
5,0

1º Bimestre
Responda as questões abaixo:

a) O que era feudo?


b) Por que a sociedade feudal é conhecida pelo
termo “sociedade de ordens”? Explique.
c) Cite as principais características do feudalismo e
comente cada uma delas:
d) Dê 2 exemplos de obrigações dos servos e
explique cada uma delas.
e) Explique com suas palavras:
i) A formação do feudalismo
ii) A consolidação do Feudalismo
Fontes:

 http://www.historiadomundo.com.br/germanica/mit
ologia-germanica.htm

 http://nordicosantigos.blogspot.com.br/2011/03/pov
os-vikings.html
As transformações no
feudalismo
Inovações tecnológicas a partid
do século X

Essas inovações aumentaram a


produção de alimentos e o crescimento
populacional, transformando o
feudalismo europeu.
Inovações Tecnológicas

 a) O uso do arado de
ferro ( A CHARRUA )
em um lugar do arado
de madeira;
Inovações Tecnológicas

 A introdução do sistema
de cultura em três
campos ( ROTAÇÃO
TRIENAL ). Antes, eram
usados apenas dois
campos ( ROTAÇÃO
BIENAL ). A partir do
século XI, cada área
passou a ser dividida
em três campos.
Inovações Tecnológicas

c)A utilização do
cavalo para puxar o
arado. O cavalo antes
era atrelado pelo
pescoço, fato que
limitava seu
rendimento e
resistência;
Inovações Tecnológicas

d) O aproveitamento e a
difusão dos moinhos
acionados pela força do
vento ou da água
contribuíram para
aumentar a velocidade e
a qualidade da margem
do trigo.
Crescimento Populacional

As melhorias técnicas Os efeitos do excedente


praticadas a partir do agrícola:
século X, a redução das  Aumento populacional;
guerras feudais e o fim  Possibilitou o
das invasões externas revigoramento do
possibilitaram uma comércio e das
produção maior de cidades.
alimentos, originando
assim um excedente
agrícola.