Você está na página 1de 8

GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING)

MACAPÁ – AP
2016
AMANDA GARCIA DE JESUS
ELLION DE ALMEIDA OLIVEIRA
JESONIAS DA SILVA MONTEIRO JÚNIOR
JOÃO PAULO GOMES DOS SANTOS
HUYNER DOS SANTOS MORAIS
RARISON THAILAN DOS SANTOS PINTO
YURI TELES BARROS DE SOUSA

ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING)

Trabalho apresentado ao professor Anderson Brasil,


da disciplina Planejamento estratégico de TI, Da
turma A 101, turno noite II, do curso de Gestão em
Tecnologia da Informação.
O que é um ERP?

ERP é um sistema de gestão empresarial. Por exemplo, uma empresa conta


com vários sistemas, um para lidar com as contas a pagar, um para gerar folhas de
pagamento, um para controlar vendas, um para gerenciar impostos, um para analisar
metas e desempenho, entre outros. Em vez de existir um ou mais softwares isolados
para cada departamento da companhia, não seria melhor contar com uma integração
entre eles, de forma que todos fizessem parte de um sistema unificado? É justamente
isso que uma solução de ERP oferece.

Com um único sistema integrando todos os departamentos - ou pelo menos os


setores mais importantes -, a comunicação interna se torna mais fácil e menos
custosa. O departamento financeiro, por exemplo, pode saber rapidamente quanto
dinheiro destinar à quitação de impostos e quanto direcionar ao pagamento de
funcionários, de acordo com as informações que o setor de gestão de recursos
humanos disponibilizar no sistema. O chefe de um determinado departamento pode
avaliar o desempenho de um funcionário e discutir junto ao gerente de RH quanto a
empresa pode lhe oferecer de aumento. O departamento de marketing pode consultar
o controle de vendas, perceber que um determinado produto não está tendo a saída
desejada e desenvolver uma nova estratégia para reverter este quadro, ao mesmo
tempo em que verifica se a verba disponibilizada é suficiente para este trabalho ou se
é necessário marcar uma reunião para solicitar mais recursos. Há várias situações
onde a integração de sistemas se mostra vantajosa. Com sistemas distintos, cada
setor teria mais dificuldade para se comunicar com o outro, resultando em maior
consumo de tempo, mais gastos e até em excessivos procedimentos burocráticos.
Além disso, com um sistema de ERP, a empresa passa a ter menos fornecedores de
software, o que diminui custos com licenças, suporte técnico, servidores, treinamento,
entre outros.

Implementação do ERP

ERP não é o tipo de software que é comprado na prateleira de uma loja para
depois ser instalado em um computador e, em seguida, estar pronto para o uso.
Acontece que cada empresa, em face de suas atividades e de suas estratégias
operacionais, possui necessidades distintas das outras, portanto, sistemas de ERP só
serão funcionais se ao menos as características mais importantes da companhia forem
levadas em conta.

Uma empresa que fabrica medicamentos, por exemplo, tem necessidades bem
diferentes de outra que trabalha no ramo de transportes. A primeira precisa se
preocupar com obtenção de matéria-prima, pagamento de licenças de patentes,
pesquisas em laboratórios, entre outros. A segunda, por sua vez, precisa se preocupar
com a idade da frota, com gastos de combustível, com pedágios e assim por diante.
Uma empresa também pode atuar em mais de um ramo de atividade ou exercer suas
operações em vários estados do país, de forma a ser obrigada a pagar impostos
diferentes em cada local, por exemplo. Cada companhia precisa contar um sistema de
gestão que se adapte a ela.

No intuito de controlar gastos, a empresa também precisa definir qual tipo de


licenciamento é mais adequado às suas operações: instalação do sistema em
servidores próprios ou virtualizados, utilização do sistema em servidores terceirizados
(geralmente, oferecidos pelo provedor da solução), solução baseada em computação
em nuvem (cloud computing), pagamento por usuário (ou por computador de acesso),
uma mistura de uma ou mais dessas modalidades, enfim.

As soluções baseadas em cloud computing costumam ter custo menor, pois a


empresa não precisa se preocupar com servidores, manutenção, atualização, entre
outros. Oferece acesso mais fácil para usuários que estão fora das dependências da
empresa - um vendedor que está em outra cidade visitando um cliente, por exemplo.
Por outro lado, podem gerar gastos maiores a longo prazo pois, em geral, seu tipo de
licenciamento exige pagamento periódico.

O tempo de implementação também é um parâmetro importante. Os


provedores das soluções precisam de tempo para adaptar o software às atividades da
empresa, sem contar que necessitam considerar a infraestrutura, os recursos de
segurança, testes, treinamento de pessoal, integração entre departamentos, entre
outros. Além disso, a implementação geralmente ocorre por etapas, de forma que
determinados módulos do sistema sejam instalados somente depois de este processo
já ter ocorrido com outros. Portanto, a implementação de um ERP pode consumir
vários meses.

Módulos de sistema ERP

Sistemas de ERP lidam com os vários departamentos de uma empresa. No


entanto, não precisam, necessariamente, cobrir cada uma delas, pelo menos não ao
mesmo tempo. Dependendo das expectativas da companhia em relação ao ERP, é
possível atender determinadas áreas em um primeiro momento e as demais de
maneira progressiva. Para isso, os provedores fazem o fornecimento do sistema em
módulos, que são divididos de acordo com suas funcionalidades.

Não há um sistema de ERP que, por si só, possa atender tudo o que é empresa. É
necessário customizar a solução de acordo com as atividades da companhia. Por
outro lado, há determinados processos que são bastantes comuns em todas ou na
maior parte das empresas, até mesmo por uma questão de legislação. Eis algumas
categorias de módulos que se encaixam nesse contexto:

 Financeiro;
 Contabilidade;
 Recursos humanos;
 Ativo fixo;
 Processos;
 Projetos;
 Jurídico.

Vantagens e desvantagens dos sistemas ERP

Sistemas de ERP podem representar um diferencial significativo no cotidiano


das empresas. No entanto, é importante ter em mente que esse tipo de software não
resolverá todos os problemas da companhia e, muitas vezes, pode não oferecer os
resultados esperados para determinadas atividades. Além disso, podem trazer
benefícios por um lado, mas situações indesejáveis por outro. Por isso, é importante
conhecer as vantagens e desvantagens dos sistemas de ERP, não só para escolher a
solução mais adequada, mas também para conhecer os riscos atrelados à sua
implementação.

Essa é uma análise que depende dos objetivos da companhia, portanto, muda de
empresa para empresa, mas via de regra pode-se apontar como vantagens que os
sistemas de ERP podem:

 Ajudar na comunicação interna;


 Agilizar a execução de processos internos;
 Diminuir a quantidade de processos internos;
 Evitar erros humanos - em cálculos de tributos e pagamentos, por exemplo;
 Ajudar na tomada de decisões;
 Auxiliar na elaboração de estratégias operacionais;
 Agilizar a obtenção de dados referentes a determinados cenários;
 Diminuir o tempo de entrega do produto ou serviço ao cliente;
 Ajudar a lidar com grandes volumes de informação;
 Evitar trabalho duplicado;
 Fazer com que a empresa se adapte melhor a mudanças no mercado e na
legislação.

Como possíveis desvantagens, podemos citar:

 Alto custo com customização e implementação;


 Implementação demorada - uma solução de ERP não fica pronta da noite para
o dia;
 Risco de prejuízo financeiro ou de desempenho com erros inesperados do
sistema;
 Possíveis problemas com suporte e manutenção caso o fornecedor do software
seja vendido ou encerre suas atividades;
 Dependência, que pode dificultar as atividades da empresa quando o sistema
fica, por algum motivo, indisponível;
 Adaptação e treinamento por parte de funcionários podem demorar mais tempo
que o esperado;
 Resistência ao novo, em caso de implementações ou atualizações;
 O sistema pode exigir mudanças em determinados aspectos da cultura interna
da empresa;
 Pode-se perceber tardiamente que aquela solução não oferece a relação
custo-benefício esperada;
 Ao longo do tempo, atualizações e acréscimos de módulos podem tornar o
sistema excessivamente complexo.
Bibliografia

http://www.infowester.com/erp.php