Você está na página 1de 4

A PSICOLOGIA TRANSPESSOAL

A psicologia, como ciência, se forma a partir da invenção do “eu subjetivo” na idade


moderna e toda historia a partir deste ponto, em que o homem que antes sentia-se parte de
uma sociedade agora, cada vez mais, se sente “individuo”, separado, com uma identidade.
Esse “sentir-se” do homem tem consequências graves, já que ele dispõe do mundo em que se
encontra. E falando de séculos de exploração, de abusos, de guerras e genocídios, hoje, no
século XXI, é preciso, na concepção do homem, um recomeço, além de si, alem dos limites
do pessoal, uma vida transpessoal.
Se procurarmos, muitas áreas do conhecimento estão discursando sobre a importância
de olhar o mundo de forma diferente, de buscar com ele, uma outra relação. Leonardo Boff,
em entrevista disse: “ se nós estamos doentes, adoecemos a terra...nós somos o planeta.” Essa
dinâmica também se aplica na psicologia. Desde os anos 60 do século passado, vem se
formando uma corrente denominada psicologia transpessoal, que tenta atingir campos do
homem que estavam sendo negligenciadas pelas correntes psicológicas de então.
Segundo Saldanha, a “psicologia transpessoal é o estudo e a aplicação dos diferentes níveis de
consciência em direção à unidade fundamental do ser” (SALDANHA). A autora ainda diz que
a grande importância deste estudo é inserir a “espiritualidade como dimensão legitima de
nossa própria humanidade, que favorece a transformação, o processo de cura e a
aprendizagem ( SALDANHA).
Alguns psicólogos, no decorrer da historia, foram contribuindo para que essa corrente
se formasse. C. Jung utilizou conceitos em sua teoria que abriram espaço para esse
conhecimento. O inconsciente coletivo, a aproximação com as diversas manifestações
religiosas pelo mundo e o reconhecimento da importância destas experiências para a
individuação, o estudo sobre sincronicidade, são alguns exemplos. Roberto Assagioli, criador
da psicossintese e da cartografia da consciência, também contribui, ampliando a organização
dos conteúdos conscientes e seu processo terapêutico busca o centro psicológico unificador.
Abraham Maslow, que teve papel central na criação da psicologia transpessoal, apresenta a
hierarquia das necessidades. A partir de Stanislav Grof e de seus estudos sobre estados
alterados de consciência, começa a perceber a importância da espiritualidade e das
experiências em estados alterados de consciência, experiências de “pico”. É ele que anuncia
o desenvolvimento da psicologia transpessoal, e a chama de “quarta Força”. Carl Rogers, que
deu grande contribuição à psicologia humanista, também percebeu, ao longo de suas
experiências, a importância das “ocorrências transpessoais”. Dizem que a morte o impediu de
teorizar mais sobre o assunto.
Mas podemos nos perguntar: Como a psicologia transpessoal atua? Qual é o seu
método? Para responder esta pergunta Saldanha nos diz que existem psicoterapias de
orientação transpessoal, que se apoiam no referencial teórico produzido pelos autores acima
citados e outros que foram assumindo tal teoria. Ela cita:
“Temos a Respiração Holotrópica, de Stanislaw Grof, o Cosmodroma de Pierre Weil,
a Psicologia Tibetana, a Logoterapia de Victor Frankl, a Psicossíntese de Roberto
Assagioli, o qual afirmou em sua obra - Ser Transpessoal - que o seu trabalho inseria-
se na abordagem emergente: a Psicologia Transpessoal, que havia sido oficializado
nos Estados Unidos por Maslow.Há também a Gestalt Terapia com Orientação
Transpessoal, o Psicodrama Transpessoal evidenciado por Carlos Martines Bouquet,
A Abordagem Integrativa Transpessoal (sistematizada por Vera Saldanha), A
Psicologia Transpessoal desenvolvida por Jean Yves Leloup, na qual integra a
psicologia iniciática de Graf Durkein, mais o enfoque de Maslow e os conhecimentos
da tradição hesicaste na Psicologia.”(SALDANHA)

Muitas técnicas, consideradas alternativas, acabam pegando o gancho na psicologia


transpessoal, fazendo muitas pessoas desacreditarem do seu valor enquanto ciência. Mas
percebe-se que é um ramo da psicologia que tem crescido, sendo estudado em algumas
universidades, as pesquisas no campo tem aumentado, os profissionais que assumem tal linha
tem se destacado no mundo. O que não se pode negar é que o homem realmente precisa
repensar seu modo de lidar consigo mesmo e com o mundo a sua volta, em busca de um
equilíbrio, em busca da felicidade. Ir a cada dia, além do pessoal.
REFERÊNCIAS:

Entrevista com Leonardo Boff “Eu Maior” acesso em:


“http://www.youtube.com/watch?v=9hR0-0VGrIU dia 17/07/2014

SALDANHA, Vera. O que é psicologia transpessoal. Acesso dia 16/07/14<


http://www.alubrat.org.br/img/File/O_que_e_Psicologia_Transpessoal.pdf. >

SALDANHA, Vera .A psicologia que trabalha as qualidades positivas: psicologia na


abordagem transpessoal. Acesso dia 17/07/14
<http://somostodosum.ig.com.br/voce/artigosP.asp?vid=1020044&id=17845>

GUIMARÃES, Carlos Antonio Fragoso. A Psicologia Transpessoal . Acesso em 26/06/14


<http://icesbh.webng.com/textos/A%20Psicologia%20Transpessoal%20%20Carlos%20Anton
io%20Fragoso%20Guimaraes.doc >.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ
CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO
DISCIPLINA: HISTORIA E EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA
DOCENTE: MSC. LIENE MARTHA LEAL
DISCENTE: LETÍCIA DIAS BARONI

Psicologia Transpessoal

PARNAIBA, 18 DE JULHO DE 2014